INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO"

Transcrição

1 INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11 Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos Antonio Matos - Técnico de Mercado Coordenação: Evandro Scheid Ninaut - Gerente 1

2 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO O agronegócio brasileiro apresenta importância na economia e o seu desempenho está associado ao comportamento dos preços dos insumos no processo da produção agropecuária. Dentre os insumos utilizados, os fertilizantes estão inseridos na atividade, devido ao fornecimento de nutrientes às plantas e à sua importância na composição dos custos totais de produção. Dessa forma, os fertilizantes são considerados como um dos principais insumos agrícolas e têm como fontes de matéria-prima produtos oriundos da petroquímica e da mineração. Destaca-se que embora o presente estudo não analise diretamente o cooperativismo, o assunto tem relevante influência no sistema, visto a importância das cooperativas agropecuárias no agronegócio brasileiro e a dependência da utilização dos fertilizantes nos processos agrícolas de produção. 1. INTRODUÇÃO O uso dos fertilizantes é realizado para a reposição dos elementos essenciais retirados na operação de colheita, com a finalidade de manter ou mesmo ampliar o seu potencial produtivo. Sua participação é fundamental para o aumento do rendimento físico da agricultura, isto é, sua produtividade. Destaca-se a importância dos fertilizantes nitrogenados, fosfatados e potássicos, que constituem a mistura NPK, usualmente utilizados pelos produtores no Brasil. Os elementos químicos essenciais, também denominados de nutrientes, presentes nos fertilizantes são divididos em duas categorias: Macronutrientes (nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio e enxofre); Micronutrientes (boro, cloro, cobre, ferro, manganês, molibdênio, zinco, sódio, silício e cobalto). A recomendação das quantidades a serem aplicadas é baseada na análise química dos solos, para que haja o suprimento necessário. Caso contrário haverá prejuízo no crescimento e no desenvolvimento da planta. As deficiências mais comuns são de nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K), daí a fórmula básica dos fertilizantes, NPK, que indica o percentual de nitrogênio na forma de N elementar, o teor percentual de fósforo na forma de pentóxido de fósforo, P 2 O 5, e o conteúdo percentual de potássio na forma de óxido de potássio, K 2 O. 2

3 O Brasil possui dependência em relação ao mercado internacional de fertilizantes, importando considerável parte das formulações (NPK) consumidos internamente, sobretudo dos EUA (nitrogenados), da Rússia (nitrogenados e potássicos) e do Canadá (fosfatados e potássicos). As oscilações observadas nos preços e no câmbio apresentam influência na demanda e, conseqüentemente, na rentabilidade da atividade agropecuária. Somado a isso, o setor de fertilizantes brasileiro passou por transformações estruturais nas últimas décadas, sendo que tais mudanças visualizam um maior nível de concentração por um número diminuto de empresas. Diante do exposto, a análise do mercado de fertilizantes, no âmbito mundial e nacional, com a consideração dos níveis de produção, consumo e dos preços pagos pela agricultura brasileira é de relevância significativa para as cooperativas agropecuárias e para os produtores rurais, no entendimento das mudanças estruturais e das tendências de preços do insumo. Tal avaliação tem o objetivo de apresentar aos produtores e às cooperativas as variáveis que influenciaram na evolução dos preços dos fertilizantes, considerando-se as características do mercado internacional desse insumo e as preocupações das instituições de representação do agronegócio e do cooperativismo frente ao cenário de preços. 3

4 2. ANÁLISE MERCADOLÓGICA A análise do mercado de fertilizantes foi efetuada por meio da contextualização do setor no mundo e no Brasil e dos níveis de preços pagos pelas cooperativas, associados e produtores rurais. A análise de mercados engloba a produção e o consumo mundial de fertilizantes, por país participante, cultura agrícola e a correlação entre os produtos agrícolas nos principais países envolvidos. 2.1 CONSUMO DE FERTILIZANTES O consumo mundial de fertilizantes, nitrogênio, fósforo e potássio, ao longo dos anos compreendidos entre safras agrícolas de 1970/71 a 2006/07, é mostrado na Figura 1. No período analisado, o consumo mundial cresceu 137,01%, passando de 69,15 milhões de toneladas para 163,90 milhões. Consumo de NPK (milhões de t) 170,0 160,0 150,0 140,0 130,0 120,0 110,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 1970/ / / / / / / / / / / / / / / / / / /89 y = 0,0063x 3-0,4233x 2 + 9,961x + 51,023 R 2 = 0, / / / /93 Período Analisado Consumo Mundial Figura 1. Consumo mundial de fertilizantes, em mil toneladas dos nutrientes N, P 2 O 5, K 2 O Fonte: IFA (2008) 1993/ / / / / / / / / / / / / /07 Segundo a análise da Figura 1, foram observados dois períodos de crescimento acelerado no consumo de fertilizantes, 1970/71 a 1988/89 e 1994/95 a 2006/07. Segundo o 4

5 cenário obtido, é visualizada a tendência de crescimento da demanda por fertilizantes nos anos posteriores ao período visualizado na Figura 1, o que poderá comprometer a produção agrícola em diversos países. O Brasil encontra-se na dependência externa dos fornecedores internacionais de fertilizantes, o que é somado às necessidades de aplicação de fertilizantes nos solos intemperizados do Brasil central, região de concentração da produção agrícola. O aquecimento da demanda mostrado está relacionado ao aumento da produção de alimentos, fato esse constatado principalmente nos países em desenvolvimento, conforme se pode observar na Figura 2. Consumo de NPK (milhões de t) 120,0 110,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 1970/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / /90 Período Analisado Países Desenvolvidos Países em Desenvolvimento Figura 2. Consumo mundial de fertilizantes nos países desenvolvidos e em desenvolvimento, em mil toneladas dos nutrientes N, P 2 O 5, K 2 O Fonte: IFA (2008) 1990/ / / / / / / / / / / / / / / /06 A demanda por fertilizante nos países desenvolvidos apresentou uma queda de 42,42% entre os anos de 1989/90 e 2005/06. Considerando-se o mesmo período de análise nos países em desenvolvimento, foi observada uma evolução de 72,28% na demanda por fertilizantes. Ressalta-se que a elevação da demanda citada ocorreu principalmente nos países como a China, Índia e o Brasil (Figura 2). A análise da elevação no consumo dos nutrientes individuais, nitrogênio, fósforo e potássio, é apresentada nas Figuras 3 a 5. 5

6 70,0 30,0 Consumo de Nitrogênio (milhões de t) 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 Consumo de P 2O5 (milhões de t) 25,0 20,0 15,0 10,0 10,0 5,0 0,0 1970/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /01 Período Analisado Países Desenvolvidos Países em Desenvolvimento Figura 3. Consumo mundial de N Figura 4. Consumo mundial de P 2 O / / / / /06 0,0 1970/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /02 Período Analisado Países Desenvolvidos Países em Desenvolvimento 2002/ / / /06 30,0 25,0 Consumo de K 2 O (milhões de t) 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 1970/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /92 Período Analisado Países Desenvolvidos Países em Desenvolvimento Figura 5. Consumo mundial de K 2 O nos países desenvolvidos e em desenvolvimento Fonte: IFA (2008) 1992/ / / / / / / / / / / / / /06 Foi observado crescimento na demanda nos países em desenvolvimento, sendo os responsáveis pelo crescimento do consumo no mundo. Os países desenvolvidos mostraram redução no consumo dos três nutrientes estudados. Para a avaliação do padrão de consumo de fertilizantes, foi realizada a análise em função do país consumidor, cultura agrícola e a intersecção entre as informações de países segundo a cultura agrícola produzida. a) Consumo por País O consumo de fertilizantes, N, P 2 O 5, K 2 O, nos principais países na safra 2006/07, é visualizado na Tabela 1. A China é o principal país consumidor de fertilizantes, com um total de 48,80 milhões de toneladas, o que representou 29,77% do total utilizado na safra 2006/07. Para esse país, as demandas foram de 63,52%, 23,98% e 12,50% para respectivamente para N, P 2 O 5, K 2 O, respectivamente. 6

7 A Índia figurou na segunda posição, com um montante de 22,05 milhões de toneladas, ou seja, 13,45% do total mundial. Em relação aos nutrientes, as participações foram de 63,72%, 25,69% e 10,59%, respectivamente para N, P 2 O 5, K 2 O. Tabela 1. Consumo de fertilizantes, N, P 2 O 5, K 2 O, nos principais países na safra 2006/07 Quantidades de Nutrientes (mil toneladas) N P 2 O 5 K 2 O N + P + K China , , , ,00 Índia , , , ,00 USA , , , ,00 União Européia 8.459, , , ,00 Brasil 2.297, , , ,00 Paquistão 3.001,00 943,00 30, ,00 Indonésia 2.500,00 470,00 590, ,00 Vietnã 1.432,00 634,00 538, ,00 Canadá 1.588,00 570,00 220, ,00 Outros Países , , , ,00 Mundo , , , ,00 Fonte: IFA (2008) Os Estados Unidos apresentaram uma demanda de 20,82 milhões e participação de 12,70% no consumo mundial de fertilizantes. A União Européia e o Brasil aparecem na seqüência, com quantidades consumidas de 13,86 milhões (8,46% do total) e 8,91 milhões (5,43% do total), respectivamente. O Brasil difere dos demais por possui um consumo superior de fósforo em relação aos demais, nitrogênio e potássio. Tal fato está associado à deficiência desse nutriente nos solos cultivados, com destaque para o cerrado e outras regiões intemperizadas. A Figura 6 mostra as participações dos países no consumo mundial de fertilizantes, considerando-se a safra 2006/07. 7

8 Participação no Consumo Mundial de Fertilizantes (%) Safra 2006/07 22,5 29,8 1,6 1,5 2,2 2,4 5,4 8,5 12,7 13,5 China Índia USA União Européia Brasil Paquistão Indonésia Vietnã Canadá Outros Países Figura 6. Participação do consumo de fertilizantes, N, P 2 O 5, K 2 O, nos principais países na safra 2006/07 Fonte: IFA (2008) b) Por Cultura Agrícola A análise do consumo mundial de fertilizantes na safra 2006/07, considerando-se as culturas agrícolas é apresentada na Figura 7 Participação no Consumo Mundial de Fertlizante (%) Safra 2006/07 20,0 17,0 4,0 15,0 4,0 5,0 5,0 15,0 15,0 Trigo Arroz Milho Frutas e Vegetais Outros Cereais Outras Oleaginosas Soja Algodão Outras Culturas Figura 7. Participação do consumo de fertilizantes, N, P 2 O 5, K 2 O, nas culturas agrícolas na safra 2006/07 Fonte: IFA (2008) 8

9 O trigo mostrou parcela superior no consumo, com uma representação de 17,00%. O milho, o arroz e as frutas e vegetais apresentaram participações de 15,00% na safra 2006/07. Na seqüência estão listados as outras oleaginosas e outros cereais, ambos com um consumo de 5,00% do total de fertilizantes na safra 2006/07. Para o algodão e a soja o consumo foi de 4,00% do total. Destaca-se que as demais culturas têm uma parcela de 20,00% do consumo total (Figura 7). A análise da elevação no consumo dos nutrientes individuais, nitrogênio, fósforo e potássio, nas culturas agrícolas é apresentada nas Figuras 8 a 10. Participação no Consumo Mundial de Nitrogênio (%) Safra 2006/07 Participação no Consumo Mundial de Fósforo (%) Safra 2006/07 19,0 19,0 18,0 18,0 4,0 1,0 4,0 13,0 5,0 8,0 5,0 15,0 16,0 16,0 5,0 5,0 16,0 13,0 Trigo Arroz Milho Frutas e Vegetais Outros Cereais Outras Oleaginosas Soja Algodão Outras Culturas Figura 8. Consumo mundial de N, na safra 2006/07 27,0 Participação no Consumo Mundial de Potássio (%) Safra 2006/07 Trigo Arroz Milho Frutas e Vegetais Outros Cereais Outras Oleaginosas Soja Algodão Outras Culturas Figura 9. Consumo mundial de P 2 O 5, na safra 2006/07 8,0 13,0 3,0 14,0 8,0 4,0 4,0 19,0 Trigo Arroz Milho Frutas e Vegetais Outros Cereais Outras Oleaginosas Soja Algodão Outras Culturas Figura 10. Consumo mundial de K 2 O nas culturas agrícolas na safra 2006/07 Fonte: IFA (2008) A análise do consumo mundial de nitrogênio na safra 2006/07, considerando-se as culturas agrícolas, é apresentada na Figura 8. O trigo mostrou parcela superior no consumo, com uma representação de 19,00%. O milho e o arroz apresentaram participações de 16,00% cada. Na seqüência estão listadas as frutas e vegetais, com um consumo de 15,00% do total de fertilizantes na safra 2006/07 e as outras oleaginosas e outros cereais 9

10 mostraram um consumo de 5,00% do total cada. A soja possui apenas 1,00% do consumo, o que é explicado pela fixação biológica do nitrogênio, realizado por bactérias específicas (rizhobium) (Figura 8). O consumo de fósforo, P 2 O 5, é visualizado na Figura 9. Destaca-se o consumo da cultura do trigo (18,00%), frutas e vegetais (16,00%), arroz e milho (ambos com participação de 13,00%), soja (8,00%) e outras oleaginosas e outros cereais (ambos com representação de 5,00%). As demais culturas possuem uma parcela de 18,00%. Observa-se na Figura 10 o consumo de potássio, K 2 O, nas culturas agrícolas na safra 2006/07. As frutas e vegetais apresentaram liderança no consumo, com um total de 19,00%, seguida pelo milho (14,00%) e pelo arroz (13,00%). O trigo e a soja aparecem na seqüência, ambos com participações de 8,00% no consumo total. As outras oleaginosas e os outros cereais mostraram parcelas de 4,00% no consumo, enquanto que as demais culturas, 27,00%. c) Cruzamento das Informações A Tabela 2 mostra o consumo de fertilizantes, N, P 2 O 5, K 2 O e total, nas culturas agrícolas nos principais países selecionadas, considerando-se a safra 2006/07. Para a China, principal consumidor de fertilizantes, as frutas e vegetais apresentaram maior parcela na demanda interna, representando 34,30% do total, sendo o potássio o nutriente mais extraído. O arroz possui uma parcela de 18,10% do consumo interno, com destaque para a demanda por potássio. Em relação ao consumo de fertilizantes na Índia, o arroz foi a principal cultura, representando 31,90% do total consumido naquele país. O trigo figura na segunda posição, com um total de 20,90% e destaque para o consumo de nitrogênio. Analisando-se a demanda por fertilizantes nos Estados Unidos, o milho apresentou liderança, com uma participação de 45,20% do total consumido internamente. O trigo e a soja aparecem na seqüência, com participações de 12,80% e de 6,00%, respectivamente. Na União Européia, o trigo possui liderança no total consumido, ou seja, 22,70%. Para o Brasil, a cultura da soja tem relevante representação, com um consumo de 30,90% do total demandado internamente, tendo o fósforo, P 2 O 5, maior participação. A cultura do milho aparece na segunda posição com parcela de 19,80% no consumo e o nitrogênio foi o 10

11 nutriente mais demandado. A cana-de-açúcar é a terceira, tendo uma parcela de 16,00% do total consumido no Brasil e o potássio, K 2 O, é o elemento essencial de destaque. Tabela 2. Participação do consumo de fertilizantes, N, P 2 O 5, K 2 O e total, nas culturas agrícolas nos principais países, para a safra 2006/07 Participação no Consumo (%) N P 2 O 5 K 2 O N + P + K China Frutas e Vegetais 31,60 34,30 48,00 34,30 Arroz 18,30 15,90 26,60 18,80 Trigo 14,60 17,60 3,70 14,00 Milho 16,30 6,90 1,90 12,20 Outras Oleaginosas 5,00 5,00 2,00 4,60 Algodão 3,90 3,80 0,90 3,50 Soja 1,60 3,60 0,90 2,00 Outras Culturas 8,70 12,90 16,00 10,60 Índia Arroz 33,20 26,40 37,00 31,90 Trigo 23,30 18,80 11,20 20,90 Frutas e Vegetais 4,00 8,50 16,30 6,50 Outras Oleaginosas 4,70 9,90 6,50 6,20 Algodão 6,90 4,70 2,60 5,90 Culturas Açucareiras 4,90 4,60 10,40 5,40 Outros Cereais 4,60 4,70 3,10 4,50 Outras Culturas 18,40 22,40 12,90 18,70 Estados Unidos Milho 45,00 44,00 47,00 45,20 Trigo 15,00 15,00 5,00 12,80 Soja 1,00 10,00 15,00 6,00 Algodão 4,00 5,00 6,00 4,70 Frutas e Vegetais 4,20 5,60 5,20 4,70 Outros Cereais 3,40 2,20 0,30 2,50 Outras Oleaginosas 1,50 2,00 2,00 1,70 Outras Culturas 25,90 16,20 19,50 22,40 União Européia Trigo 27,00 19,10 13,10 22,70 Outros Cereais 16,00 17,20 11,80 15,30 Frutas e Vegetais 8,50 17,50 18,40 12,20 Milho 10,60 12,00 9,40 10,60 Outras Oleaginosas 8,10 6,80 8,30 7,90 Culturas Açucareiras 2,00 3,40 6,00 3,10 Arroz 0,50 0,50 1,00 0,60 Outras Culturas 27,30 23,50 32,00 27,60 Brasil Soja 3,10 44,60 37,00 30,90 Milho 29,60 18,10 14,80 19,80 Cana-de-Açúcar 20,60 6,10 22,10 16,00 Frutas e Vegetais 9,00 5,30 6,70 6,80 Algodão 5,40 3,50 5,50 4,80 Arroz 3,70 3,60 2,30 3,10 Outros Cereais 4,40 2,10 1,10 2,30 Outras Culturas 24,20 16,70 10,50 16,30 Fonte: IFA (2008); 11

12 3. O MERCADO BRASILERIO DE FERTILIZANTES A avaliação dos fertilizantes entregue ao consumidor final, em toneladas do produto, com a consideração dos estados brasileiros pode ser observada na Tabela 3. Tabela 3. Entrega de fertilizantes nos estados brasileiros, em toneladas do produto jan - jul jan - jul Variação (%) São Paulo , , , ,00 20,95 Mato Grosso , , , ,00 144,83 Minas Gerais , , , ,00 14,69 Paraná , , , ,00 64,08 Rio Grande do Sul , , , ,00 28,87 Goiás , , , ,00 138,96 Bahia , , , ,00 65,93 Mato Grosso do Sul , , , ,00 98,17 Santa Catarina , , , ,00 2,56 Outros , , , ,00 26,70 Total , , , ,00 55,28 Fonte: ANDA (2008) O estado de São Paulo e do Mato Grosso apresentaram liderança nas entregas de fertilizantes, atingindo um montante de 3,54 milhões e 3,14 milhões de toneladas, respectivamente em Analisando o intervalo observado entre os meses de janeiro a julho dos dois últimos anos, as variações encontradas foram de 20,95% e de 144,83%, respectivamente. O estado de Minas Gerais e do Paraná figuram na seqüência, com proximidade nas quantidades de fertilizantes entregues no período analisado (Tabela 3). A Figura 11 mostra as entregas de fertilizantes no período compreendido entre os anos de 2004 a Os anos de 2005 e de 2006 apresentaram quedas significativas nas quantidades de fertilizantes entregues, período correspondente à crise da agricultura brasileira em função da redução dos preços das principais commodities. No ano de 2007 os fertilizantes entregue ao consumidor final mostraram um total de 24,61 milhões de toneladas, um incremento de 17,29% em relação ao ano anterior, fato esse justificado pelo aquecimento na demanda das principais commodities em ordem mundial, como soja, milho e trigo, ocorridos a partir do segundo semestre de 2007 (Figura 11). 12

13 Fertilizantes Entregues (t) Milhares Período Analisado (Anos) Consumo de Fertilizantes Figura 11. Fertilizantes entregues ao consumidor final ao longo dos anos Fonte: ANDA (2008) Para a contextualização da demanda por fertilizantes no Brasil deve-se abranger o consumo do insumo por hectare cultivado, em função das culturas que são exportadas e daquelas utilizadas na alimentação básica. Quantidade de Fertilizantes (Kg.ha -1 ) 240,00 200,00 160,00 Alimentos Básicos 138 Culturas de Exportação , ,00 40, ,00 Mandioca Feijão Arroz Milho Citrus Soja Cana Café Culturas Agrícolas Mandioca Feijão Arroz Milho Citrus Soja Cana Café Figura 12. Consumo de fertilizantes no Brasil (N + P 2 O 5 + K 2 O) nas culturas agrícolas em 2004 Fonte: LOPES (2004) 13

14 O Brasil é considerado um país competitivo nas exportações de diversas commodities, com destaque para o complexo soja (grão, óleo e farelo), o setor sucroalcooleiro (açúcar e álcool provenientes da cana-de-açúcar), citrus e o café. O processo de produção dessas culturas possui investimentos, o que pode ser explicado pelas maiores dosagens utilizadas de fertilizantes. As culturas do café e da cana-de-açúcar mostraram maior utilização, com dosagens de 258 e de 254 por hectare cultivado, respectivamente. A mandioca, o feijão, o arroz e o milho, considerados como alimentos básicos, apresentaram menores dosagens de insumos, portanto, os investimentos são diminutos nessas culturas (Figura 12). Observa-se na Figura 13 a produção e a importação de fertilizantes intermediários, tendo em vista o período compreendido entre 2004 e Milhares Quantidade de Fertilizantes (t) Período Analisado (Anos) Produção Importação Figura 13. Produção nacional e importação de fertilizantes intermediários, em toneladas do produto Fonte: ANDA (2008) As importações foram significativamente superiores às produções internas, independentemente do ano analisado. Para 2007, as importações de fertilizantes intermediários foram de 17,52 milhões, ou seja, participação de 64,09% do total. Nesse ano, a produção nacional de fertilizantes intermediários ficou em 9,82 milhões. 14

15 4. PREÇOS PRATICADOS NO MERCADO INTERNO As Figuras 14 e 15 apresentam os preços reais de três matérias-primas (Figura 14) e de três formulações prontas (Figura 15). Segundo o Instituto de Economia Agrícola (IEA), os preços dos fertilizantes apresentaram crescimento significativo dos preços reais, com ênfase no decorrer do ano de As evoluções também foram observadas na safra 2003/04, porém com menor intensidade. Preço Real do Fertilizante (R$.t -1 ) 1.400, , , , ,00 900,00 800,00 700,00 600,00 500,00 400,00 300,00 jan/03 Tendência Polinomial de 4 Grau R 2 = 0,84 mar/03 mai/03 jul/03 set/03 nov/03 Tendência Polinomial de 4º Grau R 2 = 0,92 Tendência Polinomial de 4º Grau R 2 = 0,88 jan/04 mar/04 mai/04 jul/04 set/04 nov/04 jan/05 mar/05 mai/05 jul/05 set/05 nov/05 jan/06 Período Analisado (Anos) Uréia Super Fosfato Simples Cloreto de Potássio Figura 14. Preços reais da uréia, super fosfato simples e cloreto de potássio Fonte: IEA (2008); Série IGP-DI (FGV, 2008) mar/06 mai/06 jul/06 set/06 nov/06 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 Preço Real do Fertilizante (R$.t -1 ) 1.200, , ,00 900,00 800,00 700,00 600,00 500,00 400,00 300,00 jan/03 Tendência Polinomial de 4º Grau R 2 = 0,91 Tendência Polinomial de 4º Grau R 2 = 0,88 mar/03 mai/03 jul/03 set/03 nov/03 jan/04 mar/04 mai/04 jul/04 set/04 nov/04 jan/05 mar/05 mai/05 jul/05 Tendência Polinomial de 4 Grau R 2 = 0,81 set/05 nov/05 jan/06 mar/06 mai/06 jul/06 set/06 Período Analisado (Anos) Figura 15. Preços reais da formulação , e nov/06 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 Outro critério para se avaliar o impacto do incremento dos preços dos fertilizantes na rentabilidade da atividade agropecuária é a análise da relação de troca. A relação citada expressa a quantidade de produto agrícola requerida para a aquisição de uma tonelada de fertilizante, conforme se apresenta a Figura 16, considerando-se os principais produtos agrícolas ao longo dos anos de 2005 a 2007: Algodão; Soja; Arroz; Cana-de-açúcar; Milho. A relação de troca foi desfavorável para os produtores e cooperativas que produzem soja, algodão, arroz e cana-de-açúcar, pois nesses casos, o crescimento dos preços dos fertilizantes se deu em intensidade superior em relação àqueles observados para os produtos agrícolas. Analisando-se a relação de troca para a soja, em 2005 eram necessárias 19,60 sacas de 60 quilogramas para a aquisição de uma única tonelada de fertilizantes, sendo que no ano de 2007 a relação subiu para 20,60 sacas. Para a cultura do algodão, foram requeridas 15

16 42,10 arrobas para a aquisição de uma tonelada de fertilizando e, em 2007, o índice subiu para 47,40 arrobas. A exceção observada ocorreu no milho, com uma queda nas relações de trocas no período estudado, passando de 40,10 sacas de 60 quilogramas em 2005 para 38,20 sacas no ano de ,00 Relação de Troca (Quantidades para 1 t de fertilizante) 140,00 120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 40,10 39,30 19,60 20,40 21,90 15,90 22,80 22,30 42,10 39,70 38,20 20,60 19,90 25,00 47,40 0, Período Analisado (Anos) Algodão (arroba de 15 kg) Arroz em casca (saca de 60 kg) Cana-de-Açúcar (tonelada) Soja (saca de 60 kg) Milho (saca de 60 kg) Figura 16. Relação de troca de produtos agrícolas e fertilizantes, para cinco culturas e três anos de observação Fonte: ANDA (2008) A análise das Figuras 14 a 16 mostra a evolução dos preços dos fertilizantes e os impactos da utilização desses insumos, considerando-se o seu preço real e a necessidade produtos agrícolas para a sua aquisição. O presente estudo procura avaliar as variáveis que influenciaram a elevação citada. Dentre eles destacou-se o aquecimento da demanda, com ênfase no mercado chinês (29,80% do consumo total) e nos demais países em desenvolvimento, como a Índia, Brasil, Paquistão e Indonésia. Outro fator estudado foi a influência da cotação do dólar, apresentado nas Figuras 17 e 18. A Figura 17 visualiza o comportamento dos preços reais da uréia, produto utilizado como fonte de nitrogênio, e as cotações do dólar, no período de janeiro de 2003 a novembro de Na Figura 18 observa-se a mesma análise, contudo o fertilizante selecionado foi a 16

17 formulação , muito utilizada pelos agricultores e destaque para o uso na cultura da soja. Ressalta-se que os preços dos fertilizantes analisados foram corrigidos pelo IGP-DI e a série do dólar, pelo IPA. Os preços reais da uréia e da formulação apresentaram oscilações que acompanharam harmonicamente a cotação do dólar até o final de Dessa forma, a desvalorização cambial observada em 2004 explicou as elevações dos preços dos fertilizantes. Contudo, a partir de 2007 foi observado um desalinhamento entre a cotação do dólar e os preços dos fertilizantes, pois houve uma queda significativa das cotações do dólar (cotação média 2003: 3,07; cotação média 2007: 1,95) e os preços dos fertilizantes subiram abruptamente. 2, ,0 Série Dólar Comercial a Venda (US$.R$ -1 ) 2,60 2,40 2,20 2,00 1,80 1,60 1,40 jan/03 mar/03 mai/03 jul/03 set/03 nov/03 jan/04 mar/04 mai/04 jul/04 set/04 nov/04 jan/05 mar/05 Período Analisado mai/05 jul/05 set/05 nov/05 jan/06 mar/06 mai/06 jul/06 set/06 nov/06 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/ , ,0 Série do Dólar Preço Fórmula Figura 17. Preços reais da formulação e série do dólar comercial a venda 900,0 800,0 700,0 600,0 500,0 Preço Real da Uréia (R$.t -1 ) 17

18 2, ,0 Série Dólar Comercial a Venda (US$.R$ -1 ) 2,60 2,40 2,20 2,00 1,80 1,60 1,40 jan/03 mar/03 mai/03 jul/03 set/03 nov/03 jan/04 mar/04 mai/04 jul/04 set/04 nov/04 jan/05 mar/05 mai/05 jul/05 set/05 nov/05 jan/06 mar/06 mai/06 jul/06 set/06 nov/06 jan/07 Período Analisado Série do Dólar Preço Uréia mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 Figura 18. Preços reais da uréia e série do dólar comercial a venda Fonte: IEA (2008); Série Dólar (CEPEA/ESALQ, 2008); Série IGP-DI e IPA (FGV, 2008) 1.300, , , ,0 900,0 800,0 700,0 600,0 500,0 Preço Real da Uréia (R$.t -1 ) 18

19 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O mercado de commodities agrícolas está aquecido, com grande demanda dos setores de alimentos e de biocombustíveis. Contudo, analisando a rentabilidade dos produtores rurais e cooperativas, as cotações das commodities não cresceram na mesma proporção dos preços dos fertilizantes. A taxa de câmbio, que foi a responsável pelas evoluções dos preços dos fertilizantes nos anos anteriores, apresentou desalinhamento no decorrer do ano de Dessa forma, o comportamento do mercado internacional está influenciando os preços dos fertilizantes no Brasil. A elevação da demanda por fertilizantes nos países em desenvolvimento, sendo a China o principal mercado consumidor, resultou em pressões sobre os preços desse insumo. Para o Brasil, foi observado incremento do consumo devido à evolução da produção agrícola, além do ao crescimento das importações, o que mostra a dependência do país aos fornecedores internacionais de fertilizantes. Fato esse foi demonstrado pelo crescimento do consumo de 17,29% contra uma evolução de 11,90% da indústria nacional. Outro fato associado à evolução dos preços dos fertilizantes é a formação de oligopólio, o que foi investigado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Segundo as investigações, o oligopólio é formado pelas multinacionais Bunge, Mosaic e Yara, que influenciam os preços internos de duas formas, na produção nacional e no fornecimento internacional. As empresas citadas também efetuam vendas de fertilizantes importados pelo Brasil. Nesse contexto, a atuação governamental é de fundamental importância, visto o impacto na rentabilidade da atividade agropecuária para os agricultores e cooperativas. Conforme foi apresentado, o agronegócio tem relevante importância na economia, considerando-se a geração de renda, empregos e os valores exportados na balança comercial brasileira. 19

20 6. REFERÊNCIAS CEPEA Centro de Estudos em Economia Aplicada. Informe Agropecuário. Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Acesso dia 05 de fevereiro de FGV Fundação Getúlio Vargas. Divisão de Gestão de Dados. Site: Acesso dia 18 de janeiro de IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores: Preços. Site: Acesso dia 19 de outubro de IEA Instituto de Economia Agrícola. Banco de Dados: Dados Estatísticos. Preços Médios Pagos pela Agricultura. Site: Acesso dia 05 de janeiro de IFA International Fertilizer Industry Association. Statistics: Fertilizer Consumption Statistics. 18 January Site: IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. IPEADATA: Dados Macroeconômicos e Regionais. Site: Acesso dia 19 de janeiro de LOPES, A. S. Conquistas do Uso de Fertilizantes e Corretivos no Brasil. XXXI Congresso Brasileiro de Ciência do Solo. Gramado, RS. 05 a 10 de agosto de MAPA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Dados Estatísticos das Safras. Site: Acesso dia 04 de outubro de MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Indicadores Estatísticos: Balança Comercial do Cooperativismo. Acesso dia 04 de outubro de OCB - Organização das Cooperativas Brasileiras. O Cooperativismo Brasileiro: Uma História - Brasília, DF: Versão Br Comunicação e Marketing, (150 páginas). 20

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 10. Brasília, 06 de fevereiro de 2008 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS EM 2007

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 10. Brasília, 06 de fevereiro de 2008 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS EM 2007 INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 10 Brasília, 06 de fevereiro de 2008 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS EM 2007 Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos Antonio Matos - Técnico

Leia mais

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O presente boletim tem o objetivo de apresentar a situação atual do mercado, por meio dos dados disponibilizados pelo USDA, CONAB e MAPA. Apresenta-se, posteriormente, a

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na O MERCADO DE TRIGO 1. INTRODUÇÃO O Brasil é o maior importador mundial de trigo e a sua dependência se torna acentuada à medida que os estoques públicos e privados se reduzem. A safra 2007/08 apresenta-se

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 13 PANORAMA DO COOPERATIVISMO NO BRASIL: CENSO, EXPORTAÇÕES E FATURAMENTO Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos Antonio Matos - Técnico de Mercado Coordenação:

Leia mais

Análise de Mercado do Sistema OCB

Análise de Mercado do Sistema OCB Análise de Mercado do Sistema OCB SUMÁRIO EXECUTIVO Mercado de Trigo nº 019 - Abril/2008 Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos Antonio Matos - Técnico de Mercado Coordenação: Evandro Scheid

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Março 2012. Visão Geral da Companhia. Resultados do 4T11 e 2011

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Março 2012. Visão Geral da Companhia. Resultados do 4T11 e 2011 Março 2012 Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes Visão Geral da Companhia Resultados do 4T11 e 2011 CONSUMO MUNDIAL DE FERTILIZANTES POR NUTRIENTES 157,0 159,6 170,4 176,8 181,0 2011 TOTAL N P2O5

Leia mais

MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA

MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA CONSUMO MUNDIAL DE FERTILIZANTES POR NUTRIENTES 157,0 159,6 170,4 176,8 181,0 2011 TOTAL N P2O5 99 101 103 107 109 60% 29% 24% K2O 34 36 40 41 42 24 23 27 29 30 2008

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

FERTILIZANTES. Fertilizantes/Fosfato/Potássio

FERTILIZANTES. Fertilizantes/Fosfato/Potássio Informações e Análises da Economia Mineral Brasileira 7ª Edição FERTILIZANTES Os produtores de Fertilizantes vêm pleiteando há anos uma reforma fiscal que possa trazer a isonomia tributária entre o produto

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL PERSPECTIVAS PARA A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA NOS PRÓXIMOS 5 ANOS FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas ANDA 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE FERTILIZANTES

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Ano 5 no 43 novembro/2012 Ano 5 no 41 maio/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME SETORIAL INDÚSTRIA E SERVIÇOS NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 Ano IV No 2 O nosso

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais m³ ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 6 - JULHO DE 2013 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

MERCADOS FUTUROS E DE OPÇÃO: OPORTUNIDADES PARA O COOPERATIVISMO

MERCADOS FUTUROS E DE OPÇÃO: OPORTUNIDADES PARA O COOPERATIVISMO MERCADOS FUTUROS E DE OPÇÃO: OPORTUNIDADES PARA O COOPERATIVISMO Organização das Cooperativas Brasileiras OCB Gerência de Apoio ao Desenvolvimento em Mercados - GEMERC 1. INTRODUÇÃO O agronegócio brasileiro

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

AMA BRASIL ASSOCIAÇÃO DOS MISTURADORES DE ADUBOS DO BRASIL

AMA BRASIL ASSOCIAÇÃO DOS MISTURADORES DE ADUBOS DO BRASIL ASSOCIAÇÃO DOS MISTURADORES DE ADUBOS DO BRASIL PROJETOS DE LEI DO SENADO Nº 237/2008 E 114/2009 SENADO FEDERAL ISENÇÃO DO ADICIONAL DE FRETE PARA RENOVAÇÃO DA MARINHA MERCANTE SOBRE FERTILIZANTES CARLOS

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA Holambra, 25 de Outubro de 2007 Fertilizantes: Análise Mercadológica Produto: Insumo Bem homogêneo Bem

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA)

O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) O COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE ALGUMAS COMMODITIES (CAFÉ, SOJA, AÇÚCAR E SUCO DE LARANJA) Ricardo Dalla Costa 1 RESUMO O presente artigo vem analisar o nível de preço e produtividade, tecnologia, comercialização

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Vendas de fertilizantes batem recorde e devem seguir crescendo em 2013. 4,7% frente ao resultado de 2012, no mesmo período.

Vendas de fertilizantes batem recorde e devem seguir crescendo em 2013. 4,7% frente ao resultado de 2012, no mesmo período. As melhores e mais fiéis informações de mercado Scot Consultoria - www.scotconsultoria.com.br maio de 2013 ano 6 edição 80 Vendas de fertilizantes batem recorde e devem seguir crescendo em 2013 O Brasil

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

QUEM SOMOS MISSÃO WORKSHOP O QUE FAZEMOS A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL. Associação Brasileira de Sementes e Mudas

QUEM SOMOS MISSÃO WORKSHOP O QUE FAZEMOS A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL. Associação Brasileira de Sementes e Mudas Associação Brasileira de Sementes e Mudas WORKSHOP AMOSTRAGEM, TESTES E ESTATÍSTICA SEMENTES, PLANTAS E GRÃOS Associação Brasileira de Sementes e Mudas A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL ILSI International

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil Perspectivas para o setor agrícola no Brasil O que a conjuntura macroeconômica nos reserva? Felippe Serigati O queaconteceucom o setoragrícola nas últimas décadas? A importânciado agronegócioparao Brasil

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

Encarte Especial. Curitiba, semana de 4 a 10 de agosto de 2008. Fertilizantes

Encarte Especial. Curitiba, semana de 4 a 10 de agosto de 2008. Fertilizantes 1 A - 07/29/2008 15:56:09-200x280mm FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA DO ESTADO DO PARANÁ Encarte Especial N o 1016 - ANO XXIII Os ganhos passíveis de serem apropriados pelos produtores rurais brasileiros, neste

Leia mais

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Organização das Cooperativas Brasileiras OCB Gerência de Apoio ao Desenvolvimento em Mercados GEMERC 1. INTRODUÇÃO O agronegócio brasileiro representa

Leia mais

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Essa publicação apresenta as projeções de custos de produção

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FERTILIZANTES AGOSTO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FERTILIZANTES AGOSTO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FERTILIZANTES AGOSTO DE 2015 PRODUTOS FERTILIZANTES SÃO MISTURAS DE NUTRIENTES CONHECIDAS COMO NPK QUE VISAM SUPRIR DEFICIÊNCIAS DO SOLO. OS MACRONUTRIENTES

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Preços de alimentos básicos continuam em alta

Preços de alimentos básicos continuam em alta 1 São Paulo, 2 de junho de 2008. NOTA À IMPRENSA Preços de alimentos básicos continuam em alta Apenas duas, das 16 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO Custos Algodão A produção de algodão no Brasil está crescendo de forma expressiva, devido à boa competitividade dessa cultura frente a outras concorrentes em

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

NOTA TÉCNICA ALERTA PARA OS PRODUTORES DE SOJA

NOTA TÉCNICA ALERTA PARA OS PRODUTORES DE SOJA NOTA TÉCNICA ALERTA PARA OS PRODUTORES DE SOJA Ainda que o consumo de Soja continue crescendo com força, puxado principalmente pela China, as produções dos EUA e também do Brasil nos últimos dois anos

Leia mais

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone)

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) O Mercado Mundial de Commodities Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) Um mercado em desequilíbrio: choque de demanda Relação Estoque/Uso (soja, milho, trigo e arroz)

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

K Fertilizantes Potássios

K Fertilizantes Potássios Fertilizantes - Informações Brasil N Fertilizantes Nitrogenados P Fertilizantes Fosfatados K Fertilizantes Potássios Fertilidade do Solo Brasileiro e a importância dos fertilizantes para a produtividade

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009 Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia Novembro de 2009 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. METODOLOGIA... 2 2.1. BASE DE DADOS... 2 2.2. MÉTODO DE ANÁLISE... 3 3. EVOLUÇÃO DOS

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Boletim Novembro 2014

Boletim Novembro 2014 Boletim Novembro 2014 No mês de novembro de 2014 o custo da cesta básica na cidade de Ilhéus reduziu 0,48%, caindo de R$239,58 em outubro para R$238,42 em novembro (Tabela 1). A queda de 7,85% no preço

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 1 - MARÇO DE 213 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais