FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico"

Transcrição

1 FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Macronutrientes primários Fertilizantes nitrogenados, fosfatados e potássicos Macronutrientes secundários Fertilizantes cálcicos, magnesianos e sulfurados Micronutrientes Fertilizantes com micronutrietes: Ferro, Zinco, Cloro, Manganês, Boro, Cobre e Molibdênio. Quanto ao Critério Químico Fertilizantes minerais Fertilizantes simples, misturas de fertilizantes e fertilizantes complexos Fertilizantes orgânicos Cama de aves, dejetos de suínos e bovinos, lodo de esgoto e composto de lixo Fertilizantes organominerais Quanto ao Critério Físico Sólidos Pó ou farelado Granulados Mistura de grânulos e misturas granuladas Líquidos ou fluídos Soluções ou suspensões Gasosos

2 Quanto ao Critério Químico Fertilizantes minerais Fertilizantes simples: formados por um composto químico, que pode conter um ou mais nutrientes Ex.: Uréia, Cloreto de Potássio, Superfosfato simples Fertilizantes complexos: contém dois ou mais nutrientes, resultante de processo tecnológico em que se formem dois ou mais compostos químicos. Ex.: Superfosfato simples e Termofosfatos Fertilizantes Mistos: resultantes da mistura de dois ou mais fertilizantes simples ou complexos. Ex. Formulados NPK A mistura pode ser: Granulada fertilizante misto apresentando no mesmo grânulo os nutrientes garantidos (citados) na sua forma. Mistura de Grânulos fertilizante misto produzido pela mistura mecânica de dois ou mais fertilizantes simples granulados.

3

4 FORMULAÇÃO DE ADUBOS Obtidas pela mistura de fertilizantes simples, geralmente granulados ou composto granulado, resultado em diferentes concentrações de NPK, NP, NK ou PK Formulas: expresso em percentuais Ex.: N P 2 O 5 K 2 O N = nitrogênio P 2 O 5 =pentóxico de fósforo K 2 O = óxido de potássio Misturas: os números devem ser expressos em números inteiros e a soma deverá ser 24% Ver legislação Valor fertilizante de um adubo depende do teor total de nutrientes e da solubilidade no solo VER Eficiência agronômica depende da solubilidade e das reações químicas com o solo

5 Características dos Fertilizantes Características de natureza física e química Relação direta com a eficiência, a produção de misturas e o manejo da fertilização Solubilidade Fertilizantes nitrogenados e potássicos: teores solúveis em água Fertilizantes fosfatados: teores solúveis em água, em citrato neutro de amônio e ácido cítrico Higroscopicidade: refere-se à capacidade do fertilizante absorver água da atmosfera e tem implicação direta sobre a compatibilidade entre fertilizantes na produção de misturas Salinidade: é caracterizada pelo índice salino (IS) do fertilizante, que é a pressão osmótica causada pelo fertilizante. Referência: NaNO 3 (IS = 100) Reação: e a capacidade de alterar a reação do meio no qual eles são solubilizados (reação ácida ou alcalina). Reação ácida: expressa em termos da quantidade de CaCO 3 necessária para corrigir a acidez gerada pelo fertilizante Reação alcalina: expressa em termos da quantidade de CaCO 3 que gera alcalinidade equivalente à gerada pelo fertilizante

6 FERTILIZANTES: ACIDEZ, ALCALINIDADE E ÍNDICE SALINO Adubo Nutriente % Adubos nitrogenados Kg CaCO 3 / t de adubo* Índice Salino** Amônia anidra Sulfato de Amônio Nitrato de Cálcio Nitrato de Sódio Nitrato de amônio Uréia Esterco Bovinos Lodo de Esgoto Adubos fosfatados Fosfato Natural Termofosfato Escória de Thomas SFS SFT MAP DAP Adubos potássicos Cloreto de Potássio Sulfato de Potássio Nitrato de Potássio * (-) indica acidez (+) indica alcalinidade ** Comparado ao NaNO3 = 100

7 Compatibilidade Compatibilidade de Fertilizantes sólidos Compatibilidade química formação de agregados maiores (empedramento) formação de produtos pastosos ou volatilização do elemento químico (nitrogênio). Antes da mistura é necessário saber a higroscopicidade das matérias primas que serão utilizadas, como também se são compatíveis. Compatibilidade física uniformidade entre as partículas das matérias primas, minimizando os efeitos indesejáveis da segregação de nutrientes na mistura do fertilizante. Não misturar materiais granulares com farelados ou pó, evitando assim, uma mistura com alta tendência à segregação.

8 Compatibilidade

9 Granulometria dos Fertilizantes

10 FORMULAS DE ADUBOS Qual a fórmula de adubo usar? Cálculo de formulações comerciais Inicia a partir da interpretação da análise do solo Recomendação (kg/ha): Nitrogênio Total = 110 kg/ha de N No plantio = 15 kg/ha N Fósforo Total = 60 kg/ha de P 2 O 5 no plantio Potássio Total: = 75 kg/ha de K 2 O no plantio Cálculo: quantidades no plantio N P 2 O 5 K 2 O Recomendação (kg/ha) Dividir (mdc) = Multiplicar por 2 Fórmula Multiplicar por 3 Fórmula Multiplicar por 5 Fórmula Adequação das formulações: Variação de ± 10 kg/ha de P 2 O 5 e K 2 O. Escolha: Fórmula (fórmula 3) Qual a quantidade a aplicar? Quantidade = fator de divisão x 100 = 3 x 100 = 300 kg/ha da fórmula Fator de divisão = 15/5 =

11 Não têm disponível a formula calculada ( ) O QUE FAZER???? Escolher outra fórmula e recalcular as quantidades aplicadas para cada nutriente. Cuidado! Não pode variar mais do que 10 kg/ha de P 2 O 5 e K 2 O. Caso ultrapassar este valor, pode aplicar a fórmula de adubo desde que faça a complementação do(s) nutriente(s) com outro fertilizante. Situação 1 Ex.: Fórmula disponível: Duas opções: 1 opção: Aplicar a dose de 300 kg/ha do adubo e suplementar o nutriente que está em menor quantidade Serão aplicados: 15 kg/ha de N 60 kg/ha de P 2 O 5 60 kg/ha de K 2 O Nesta situação serão aplicados 15 kg/ha a menos de K 2 O. Este valor está fora do limite de 10 kg/ha. O que fazer? Suplementar com KCl. Qual a quantidade de KCl? 100 kg de KCl kg de K 2 O x kg de K 2 O X = 25 kg de KCl

12 2 opção: aumentar a dose para 325 kg/ha do adubo Serão aplicados: 15 kg/ha de N 65 kg/ha de P2O5 65 kg/ha de K2O Nesta situação serão aplicados 5 kg/ha a mais de P 2 O 5 e 10 kg/ha a menos de K 2 O. Estes valores estão dentro do limite de 10 kg/ha. Situação 2 Ex.: Fórmula disponível: Aumentar a dose para 350 kg/ha. Serão aplicados: 15 kg/ha de N 56 kg/ha de P2O5 84 kg/ha de K2O Nesta situação serão aplicados 4 kg/ha a menos de P 2 O 5 e 9 kg/ha a mais de K 2 O. Estes valores estão dentro do limite de 10 kg/ha.

13 Preparo de Formulações Cálculos para o preparo de misturas NPK em escala industrial ou ao nível de propriedade rural definição das quantidades dos fertilizantes simples que devem ser misturados. Como procederia para preparar a fórmula ? Fertilizantes disponíveis: Uréia (UR) 45% de N Superfosfato Triplo (ST) 45% de P 2 O 5 Cloreto de Potássio (KCl) 60% de K 2 O Ex.: Preparo de 1000 kg de adubo. Mistura N P 2 O 5 K 2 O 100 kg 5 kg 20 kg 25 kg 1000 kg 50 kg 200 kg 250 kg Cálculo: 100 kg de UR kg de N X ,1 kg de N X = 111,1 kg de SA 100 kg de ST kg de P 2 O 5 Y kg de P 2 O 5 Y = 444,4 kg de ST 100 kg de KCl kg de K 2 O Z kg de K 2 O Z = 416,7 kg de KCl Soma : X+Y+Z = 111,1+ 444,4+ 416,7 = 972,2 kg da mistura A diferença para atingir os kg desejados: ,2 = 27,8 kg de enchimento enchimento = material inerte: gesso agrícola, caulim, talco, turfa ou esterco bovino seco quando a mistura é produzida na própria fazenda.

14 Para não haver necessidade de enchimento? Usar mais de uma fonte para um mesmo nutriente Ex. Uréia (UR) e Sulfato de Amônio (SA) Quanto foi usado de ST? Quanto foi usado de KCl? Total? Diferença? Y = 444,4 kg de ST Z = 416,7 kg de KCl Total = 861,1 kg da mistura kg 861,1 kg = 138,9 kg Cálculo: UR + SA = 138,9 kg Eq 1 UR = 138,9 SA Eq 2 (45/100) UR + (20/100) SA = 50 kg de N Eq 3 Logo, substituindo na Eq 3 o valor de UR, encontra-se a quantidade de SA. (45/100) (138,9 SA) + (20/100) SA = 50 kg de N 0,45 (138,9 SA) + (0,2) SA = 50 kg de N 62,5 0,45SA + 0,2SA = 50 kg de N 12,5/0,25 = SA SA = 50 kg Voltando a Eq 2, tem-se a quantidade de UR: UR = 138,9 SA UR = 138,9 50 UR = 88,9 kg Assim, as somas das quantidades de sulfato de amônio, uréia, superfosfato simples e cloreto de potássio totalizam os kg. 50 SA + 88,9 UR + 444,4 ST + 416,7 KCl = kg de mistura

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS Absorção plantas Prof. Dilmar Baretta (UDESC/CEO) & Profa. Carolina Baretta (UDESC/CEO/UNOCHAPECÓ) Roteiro da aula: 1) Noções de fertilizantes e escolha

Leia mais

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS Volnei Pauletti ADUBOS Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química ADUBOS Definição: Toda substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, fornecedora de um ou mais nutrientes

Leia mais

UNIVERSIDADE FERDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO

UNIVERSIDADE FERDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO UNIVERSIDADE FERDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA FORMULAÇÃO E MISTURA DE FERTILIZANTES DOUGLAS RAMOS GUELFI SILVA ALFREDO SCHEID LOPES 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU C5-0224/2003. Posição comum. Documento de sessão 2001/0212(COD) 14/05/2003

PARLAMENTO EUROPEU C5-0224/2003. Posição comum. Documento de sessão 2001/0212(COD) 14/05/2003 PARLAMENTO EUROPEU 1999 Documento de sessão 2004 C5-0224/2003 2001/0212(COD) PT 14/05/2003 Posição comum tendo em vista a aprovação do Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho relativo aos adubos

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA FORMULAÇÃO E MISTURA DE FERTILIZANTES

BOLETIM TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA FORMULAÇÃO E MISTURA DE FERTILIZANTES 1 BOLETIM TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA FORMULAÇÃO E MISTURA DE FERTILIZANTES Boletim Técnico - n.º 89 - p. 1-46 ano 2012 Lavras/MG GOVERNO

Leia mais

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar?

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Os 16 elementos essenciais às plantas: PRIMÁRIOS (planta necessita em maiores quantidade)

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

Em capftulos anteriores foram vistas a composic;ao qufmica e as

Em capftulos anteriores foram vistas a composic;ao qufmica e as Fertilidade dos Solos e Manejo da Aduba~ao de Culturas 19 Fertilizantes e Formula~iies Comerciais Igon 1 Meurer e Clesio Gianello Em capftulos anteriores foram vistas a composic;ao qufmica e as caracterfsticas

Leia mais

Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação

Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação Eng. Agr. Denilson Luís Pelloso Coord. Irrigação Agrofito LTDA Eng. Agr. Bruno Alves Dep. Agronômico Netafim - Brasil 03/09/08 Temas Conceitos básicos

Leia mais

Capítulo 7. Fertilizantes para fertirrigação. Ana Lúcia Borges Davi José Silva

Capítulo 7. Fertilizantes para fertirrigação. Ana Lúcia Borges Davi José Silva Capítulo 7 Fertilizantes para fertirrigação Ana Lúcia Borges Davi José Silva Introdução A escolha do fertilizante a ser aplicado na água de irrigação deve ser feita após avaliação das características

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

ADUBOS FLUÍDOS (líquidos)

ADUBOS FLUÍDOS (líquidos) Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Volnei Pauletti ADUBOS FLUÍDOS (líquidos) Conceitos Uso Vantagens Matérias primas Fabricação 1 Adubos líquidos ou fluídos: CONCEITOS

Leia mais

Capítulo 31. Adubos ou fertilizantes

Capítulo 31. Adubos ou fertilizantes Capítulo 31 Adubos ou fertilizantes Notas. 1. O presente Capítulo não compreende: a) o sangue animal da posição 05.11; b) os produtos de constituição química definida apresentados isoladamente, exceto

Leia mais

Fluxograma da lei, decretos, instrução normativa e portarias do MAPA.

Fluxograma da lei, decretos, instrução normativa e portarias do MAPA. Fluxograma da lei, decretos, instrução normativa e portarias do MAPA. I) Macronutrientes: Macronutrientes primários: nitrogênio (N); fósforo (P 2 O 5 ); potássio (K 2 O); Macronutrientes secundários: cálcio

Leia mais

1.2.1 Nutrientes Sob o aspecto da legislação os elementos essenciais para o crescimento das plantas são denominados:

1.2.1 Nutrientes Sob o aspecto da legislação os elementos essenciais para o crescimento das plantas são denominados: 1 Legislação 1.1 Introdução FERTILIZANTES LEGISLAÇÃO, CARACTERÍSTICAS, PRODUÇÃO E MISTURAS. A legislação sobre o controle de produção e comercialização de fertilizantes e corretivos no Brasil é bastante

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Adubação Fosfatada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 Introdução. 2 Origem dos Adubos Fosfatados

Adubação Fosfatada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 Introdução. 2 Origem dos Adubos Fosfatados Adubação Fosfatada Leonardo de Oliveira Machado 1 Introdução O nitrogênio, o fósforo e o potássio são os três elementos geralmente usados em maior escala na adubação. Analizando os tecidos vegetais verifica-se

Leia mais

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS Eng. Agr. Antônio Florenzano & Eng. Agr. Everaldo Eller Forth Jardim - Tecnutri do Brasil- R. Reinaldo Orlando Casagrande, 12 Tietê SP.

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Fertilizantes com Micronutrientes para manejo da cana-de-açúcar

Fertilizantes com Micronutrientes para manejo da cana-de-açúcar Fertilizantes com Micronutrientes para manejo da cana-de-açúcar Fabio Vale Eng o Agr o, Dr. Adubai Consultoria Fertilizante Legislação Brasileira de Fertilizantes Decreto 4.954, de 14 de Janeiro de 2004,

Leia mais

Adubação Nitrogenada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 - Introdução. 2 Ciclo do Nitrogênio. 3 Nitrogênio como Fertilizante

Adubação Nitrogenada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 - Introdução. 2 Ciclo do Nitrogênio. 3 Nitrogênio como Fertilizante Adubação Nitrogenada Leonardo de Oliveira Machado 1 - Introdução O nitrogênio é, em geral, o elemento que as plantas necessitam em maior quantidade. Porem, devido à multiplicidade de reações química e

Leia mais

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIDADE A planta absorve os nutrientes pelas raízes e pelas folhas. A absorção pelas raízes

Leia mais

Absorção e adubação foliar

Absorção e adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola AL320 Absorção e adubação foliar Prof. Volnei Pauletti VIDA VEGETAL - começou no mar, durante o processo evolutivo as folhas não

Leia mais

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS FERTILIZANTES MINERAIS SIMPLES

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS FERTILIZANTES MINERAIS SIMPLES ANEXO II Atualizado em 04/07/2013 FERTILIZANTE Acetato de Amônio Acetato de Cálcio 16% de N 18% de Ca ESPECIFICAÇÕES DOS FERTILIZANTES MINERAIS SIMPLES GARANTIA MÍNIMA/ CARACTERÍSTICAS Nitrogênio solúvel

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRI DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENT GABINETE D MINISTR INSTRUÇÃ NRMATIVA Nº 5, DE 3 DE FEVEREIR DE 007 MINISTR DE ESTAD DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENT, no uso das atribuições que

Leia mais

Nº 212, quinta-feira, 4 de novembro de 2004 1 7 ISSN 1677-7042

Nº 212, quinta-feira, 4 de novembro de 2004 1 7 ISSN 1677-7042 Nº 212, quinta-feira, 4 novembro 2004 1 7 ISSN 1677-7042 SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 28 DE OUTUBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO, DO

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 Segue abaixo a interpretação da análise de solo, onde cada cor tem sua leitura em correspondência com a legenda. Segue abaixo também a

Leia mais

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Manejo de Solos Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Aula 3: Manejo de adubação fosfatada em pastagens 1. Características Macronutriente Móvel na planta Junto com o N e o K, são os 3 mais exigidos

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 316. Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural. 2. A propósito, cumpre esclarecer que:

CARTA-CIRCULAR Nº 316. Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural. 2. A propósito, cumpre esclarecer que: CARTA-CIRCULAR Nº 316 Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural AQUISIÇÃO DE FERTILIZANTES QUÍMICOS E MINERAIS Preços Máximos Estamos anexando cópia da Resolução CIP nº 87, de 30.01.79,

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas

ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas Prof.

Leia mais

Absorção e Adubação foliar

Absorção e Adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Ciências do Solo Absorção e Adubação foliar Prof. Volnei Pauletti UFPR ADUBOS FLUÍDOS - Absorção

Leia mais

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA Desvantagens: a) Produto não tem uniformidade quanto a composição (NPK), de umidade muito variável, cheira mal (operador não gosta de usar);

Leia mais

UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES COM DIFERENTES CARACTERÍSTICAS FÍSICAS.

UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES COM DIFERENTES CARACTERÍSTICAS FÍSICAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES COM DIFERENTES CARACTERÍSTICAS FÍSICAS. Charles Soares Padilha Florianópolis / SC 2005 UNIVERSIDADE

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes Nutrientes Do que as plantas precisam? Introdução Para se desenvolver perfeitamente a planta necessita de luz, água, temperatura adequada e de elementos minerais. O solo não é essencial a vida dos vegetais,

Leia mais

Apresentação do Grupo Produquimica

Apresentação do Grupo Produquimica Apresentação do Grupo Produquimica Visão geral do Grupo Produquimica Fundada em 1965 e presidida por duas gerações de engenheiros químicos Crescimento sólido (média de 31% ao ano) tanto através de aquisições

Leia mais

Esse incremento no consumo alimentar se deve principalmente ao processo de urbanização e o aumento da renda per capita

Esse incremento no consumo alimentar se deve principalmente ao processo de urbanização e o aumento da renda per capita Segundo estimativas da ONU, A população mundial atingirá 9,3 bilhões de habitantes em 2050; O maior crescimento populacional ocorrerá nos países em desenvolvimento, onde é esperado incremento do consumo

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br CALAGEM, ADUBAÇÃO E DESINFECÇÃO DE VIVEIROS

Leia mais

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com ENXOFRE Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Orientador: Volnei Pauletti ENXOFRE Enxofre Macronutriente

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO N 3 OS ADUBOS E A EFICIÊNCIA DAS ADUBAÇÕES

BOLETIM TÉCNICO N 3 OS ADUBOS E A EFICIÊNCIA DAS ADUBAÇÕES BOLETIM TÉCNICO N 3 OS ADUBOS E A EFICIÊNCIA DAS ADUBAÇÕES ANDA ASSOCIAÇÃO NACONAL PARA DIFUSÃO DE ADUBOS 1 OS ADUBOS E A EFICIÊNCIA DAS ADUBAÇÕES (3 a edição) 2 OS ADUBOS E A EFICIÊNCIA DAS ADUBAÇÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 015, DE 22 DE JULHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 015, DE 22 DE JULHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 015, DE 22 DE JULHO DE 2015 Publicado no DOE (Pa) de 30.07.15. Concede tratamento tributário às operações que especifica, realizadas pela empresa FERTILIZANTES TOCANTINS LTDA. A COMISSÃO DA

Leia mais

CÁLCULOS PARA ADUBAÇÃO E CALAGEM

CÁLCULOS PARA ADUBAÇÃO E CALAGEM CPEA Centro Paulista de Estudos Agropecuários Elaborado por Profa. Elaine Apostila de CÁLCULOS PARA ADUBAÇÃO E CALAGEM Aluno: 1 Curso: 1) CÁLCULO DA NECESSIDADE DE CALAGEM CTC x (V2 V1) NC = -----------------------

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

Equipamentos e sistemas para fertirrigação

Equipamentos e sistemas para fertirrigação Equipamentos e sistemas para fertirrigação FERTIRRIGAÇÃO é a aplicação de fertilizantes através da água de irrigação (EMBRAPA UVA E VINHO) Não só adubos são aplicados por meio da água de irrigação pois

Leia mais

FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA

FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA Motobomba ou reservatório elevado Central de controle: Dispositivos para medir vazão e pressão; registros; válvulas

Leia mais

Adubação de Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari

Adubação de Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari Adubação de Plantas Ornamentais Professora Juliana Ferrari Indícios que a planta pode precisar de nutrientes O crescimento se torna lento; Adubação É o método de corrigir as deficiências de nutrientes

Leia mais

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Página 755 PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Evandro Franklin de Mesquita 1,2, Lúcia Helena Garofálo Chaves 3, Hugo Orlando carvallo Guerra3, Diva Lima

Leia mais

O papel do MAPA perante os fertilizantes - alteração da legislação e registro de produtos novos

O papel do MAPA perante os fertilizantes - alteração da legislação e registro de produtos novos O papel do MAPA perante os fertilizantes - alteração da legislação e registro de produtos novos FERNANDO JOSÉ PEREIRA DE CAMPOS CARVALHO Fiscal Federal Agropecuário / Eng.Agro MSc. PhD Papel do MAPA? Política

Leia mais

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I Fertilizantes ou adubos são compostos químicos que visam suprir as deficiências em substâncias vitais à sobrevivência dos vegetais. São aplicados na agricultura com o intuito

Leia mais

ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO

ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO ANEXO 8.2: COMO FAZER OS CALCULOS DE ADUBAÇÃO NO SISTEMA ORGÂNICO NESTA LIÇÃO SERÁ ESTUDADO Cálculo da adubação no sistema orgânico Fatores importantes a serem considerados na adubação. Formulas de adubação

Leia mais

Curso superior em Agronomia GESA- Grupo de estudo em solos agrícolas Absorção de nutrientes e Fotossíntese Bambuí-MG 2009 Alunas: Erica Marques Júlia Maluf É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos

Leia mais

Volnei Pauletti ADUBOS

Volnei Pauletti ADUBOS Volnei Pauletti ADUBOS ADUBOS Definição: Toda substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, fornecedora de um ou mais nutrientes das plantas. São subdivididos em: Adubo Simples - formado de um

Leia mais

Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00009/2012 (SRP)

Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00009/2012 (SRP) 1 de 80 20/08/2012 15:50 Pregão Eletrônico 158459.92012.64842.4466.2443569792.881 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciencia

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

Oferta e demanda de fertilizantes no Brasil: uma avaliação da dependência externa da agricultura brasileira. Novembro de 2007

Oferta e demanda de fertilizantes no Brasil: uma avaliação da dependência externa da agricultura brasileira. Novembro de 2007 Oferta e demanda de fertilizantes no Brasil: uma avaliação da dependência externa da agricultura brasileira Novembro de 2007 Índice O potencial da agricultura brasileira A dependência externa de fertilizantes

Leia mais

fertirrigação em citros

fertirrigação em citros Princípios básicos para fertirrigação em citros Engº Agrº M.Sc Rubens Stamato Campo Consultoria / GTACC Bebedouro, 03 de Outubro de 2007 Fertirrigação Técnica que combina a aplicação de água de irrigação

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC)

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) BPUPs para MILHO Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Área Milho Segunda Safra - Brasil 2012 Parte da segunda safra não é milho safrinha Fonte: IBGE Fonte: Fonte: Conab Conab Fonte:

Leia mais

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes ABSORÇÃO FOLIAR Prof. Josinaldo Lopes Araujo 1 INTRODUÇÃO Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes Cada parte tem uma função definida As folhas absorvem água e nutrientes Porque essa capacidade?

Leia mais

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO Fundação Mokiti Okada M.O.A Mokiti Okada - CPMO CADEIA PRODUTIVA DA AGRICULTURA ORGÂNICA Audiência Pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária CRA Senado Federal Novembro 2008 1 Mokiti Okada CPMO

Leia mais

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final)

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final) Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final) 01. (Uftm) Em soluções aquosas de acetato de sódio, o íon acetato sofre hidrólise: 3 l 3 CH COO (aq) + H O( ) CH COOH (aq) + OH

Leia mais

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Março 2012. Visão Geral da Companhia. Resultados do 4T11 e 2011

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Março 2012. Visão Geral da Companhia. Resultados do 4T11 e 2011 Março 2012 Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes Visão Geral da Companhia Resultados do 4T11 e 2011 CONSUMO MUNDIAL DE FERTILIZANTES POR NUTRIENTES 157,0 159,6 170,4 176,8 181,0 2011 TOTAL N P2O5

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS

REGULAMENTAÇÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS REGULAMENTAÇÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS FERTILIZANTES ORGÂNICOS, CONDICIONADORES DE SOLO E SUBSTRATOS WORKSHOP INSUMOS PARA A PRODUÇÃO ORGÂNICA Hideraldo José Coelho Engenheiro Agrônomo Fiscal Federal Agropecuário

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio. Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio. Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA Com o conhecimento de átomos e moléculas, passa-se a

Leia mais

Interpretação da análise de solo

Interpretação da análise de solo Interpretação da análise de solo Tabela de interpretação A orientação para interpretação da análise de solo são organizadas em manuais estaduais e regionais. Manual Tabelas de interpretação Recomendações

Leia mais

Quadro 27 Características dos Materiais

Quadro 27 Características dos Materiais Ácido fosfórico Granulado 1,00 25 13 C Açúcar Granulado 0,65 30 17 C Açúcar em rama Granulado 0,88-1,04 37-45 20-25 E Açúcar refinado Granulado 0.8-0,88 37-45 20-25 E Alúmen Moído 0,72-0,80 35 E Alúmen

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Nutrição, Adubação e Calagem

Nutrição, Adubação e Calagem Nutrição, Adubação e Calagem Importância da nutrição mineral Embora o eucalipto tenha rápido crescimento, este é muito variável. Os principais fatores que interferem no crescimento estão relacionados com

Leia mais

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS FERTILIZANTES MINERAIS SIMPLES CARACTERÍSTICAS OBTENÇÃO OBSERVAÇÃO. Cálcio solúvel em água

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS FERTILIZANTES MINERAIS SIMPLES CARACTERÍSTICAS OBTENÇÃO OBSERVAÇÃO. Cálcio solúvel em água FERTILIZANTE Acetato Cálcio Acetato Cobalto Acetato Cobre Acetato Ferro Acetato ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS FERTILIZANTES MINERAIS SIMPLES GARANTIA MÍNIMA 18% Ca 18% Co 23% Cu 23% Fe 13% Mg CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Prof. Paulo Sergio Pavinato

Prof. Paulo Sergio Pavinato UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO-526 Adubos e Adubação Prof. Paulo Sergio Pavinato Piracicaba, 25 e 26 de fevereiro de 2016.

Leia mais

Fertilizantes PROQUIGEL. Setembro de 2014

Fertilizantes PROQUIGEL. Setembro de 2014 Fertilizantes PROQUIGEL Setembro de 2014 Visão Geral Segundo maior grupo petroquímico do Brasil Liderança em acrílicos e estirênicos na América Latina Fundada em 1966 Receita bruta de R$ 3,2 bilhões em

Leia mais

Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes

Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes A produtividade agrícola no Brasil tem crescido mais rapidamente do que o aumento das áreas plantadas MERCADO MUNDIAL US$ 70.000.000.000,00 KCL Us$ 45,00

Leia mais

Fósforo e adubação fosfatada. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com

Fósforo e adubação fosfatada. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Fósforo e adubação fosfatada Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Aula 3: Fósforo e adubação fosfatada Fósforo na planta Fósforo no solo Avaliação da disponibilidade de fósforo

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

OS MACRONUTRIENTES E OS MICRONUTRIENTES DAS PLANTAS

OS MACRONUTRIENTES E OS MICRONUTRIENTES DAS PLANTAS OS MACRONUTRIENTES E OS MICRONUTRIENTES DAS PLANTAS Sengik, Erico S. versão 2003 1. INTRODUÇÃO A água, a luz, os nutrientes, as pragas, as doenças, etc são fatores responsáveis pela produtividade animal

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

Fertilidade do Solo e Nutrição do Castanheiro

Fertilidade do Solo e Nutrição do Castanheiro Fertilidade do Solo e Nutrição do Castanheiro Fertilidade do Solo e Nutrição do Castanheiro Margarida Arrobas & Manuel Ângelo Rodrigues Centro de Investigação de Montanha Escola Superior Agrária de Bragança

Leia mais

Fertilização da Batateira. Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral

Fertilização da Batateira. Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral Fertilização da Batateira Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral Necessidade de Adubação na Cultura da Batata Adubação X Custo de produção 30% dos Insumos 20% do custo total Extração da batateira Para

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão.

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão. QUÍMICA QUESTÃ 01 Aparelhos eletrônicos sem fio, tais como máquinas fotográficas digitais e telefones celulares, utilizam, como fonte de energia, baterias recarregáveis. Um tipo comum de bateria recarregável

Leia mais

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade Roberto Lyra Villas Bôas, FCA/UNESP, Botucatu, SP Eng. Agron. João Roberto do Amaral Junior Abril 2013 Introdução: A adubação representa 18%

Leia mais

Insumos Agropecuários: Fertilizantes. Cadeias Produtivas Agrícolas

Insumos Agropecuários: Fertilizantes. Cadeias Produtivas Agrícolas Insumos Agropecuários: Fertilizantes Cadeias Produtivas Agrícolas Insumos Agropecuários Segundo dados da Associação Nacional dos Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários, o mercado distribuidor

Leia mais

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MILHO

NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO MILHO Antonio Marcos Coelho e Gonçalo Evangelista de França, pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo INTRODUÇÃO Apesar de o alto potencial produtivo da cultura do milho, evidenciado por produtividades de 0 e

Leia mais

Commodity Insight Balanço de Oferta e Demanda de Macronutrientes 2013

Commodity Insight Balanço de Oferta e Demanda de Macronutrientes 2013 Commodity Insight Balanço de Oferta e Demanda de Macronutrientes 2013 A INTL FCStone Inc. é uma empresa listada na Fortune 500 que fornece aos clientes pelo mundo serviços de execução e consultoria em

Leia mais

USO EFICIENTE DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS AGRÍCOLAS ASPECTOS AGRONÔMICOS ANDA ASSOCIAÇÃO NACIONAL PARA DIFUSÃO DE ADUBOS

USO EFICIENTE DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS AGRÍCOLAS ASPECTOS AGRONÔMICOS ANDA ASSOCIAÇÃO NACIONAL PARA DIFUSÃO DE ADUBOS BOLETIM TÉCNICO N 4 USO EFICIENTE DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS AGRÍCOLAS ASPECTOS AGRONÔMICOS ANDA ASSOCIAÇÃO NACIONAL PARA DIFUSÃO DE ADUBOS 1 USO EFICIENTE DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS AGRÍCOLAS ASPECTOS

Leia mais

Manejo da adubação N para plantas cítricas

Manejo da adubação N para plantas cítricas Manejo da adubação N para plantas cítricas 34ª Semana da Citricultura 30 de maio de 2012 Dirceu Mattos Jr. Centro de Citricultura Sylvio Moreira INSTITUTO AGRONÔMICO 1928-2012 Sumário Programa de pesquisa

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CLI N o - 15 Brasília - DF, quarta-feira, 22 de janeiro de 2014. Sumário PÁGINA Presidência da República... 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento... 2 Ministério da Ciência,

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO FERREIRA, C.F.; ANDREOLI, C.V.; PEGORINI, E.S., CARNEIRO, C.; SOUZA, M.L.P. Efeito de diferentes

Leia mais

Circular. Técnica. Autores. Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo

Circular. Técnica. Autores. Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo 1 ISSN 0100-6460 Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados

Leia mais

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas INTRODUÇÃO 1 Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas Discente: Samuel Luan Pereira Docente: Marcela Nery O desenvolvimento da agropecuária, em termos de manejo, material genético e tecnologias, força

Leia mais

Fertilizantes Organominerais: Aspectos Mercadológicos e Tecnológicos

Fertilizantes Organominerais: Aspectos Mercadológicos e Tecnológicos Fertilizantes Organominerais: Aspectos Mercadológicos e Tecnológicos José Carlos Polidoro Vinicius Benites Juliano Corulli Correa June F. S. de Menezes Paulo César Teixeira Embrapa Solos Embrapa Solos

Leia mais

Química em Solventes não Aquosos. Prof. Fernando R. Xavier

Química em Solventes não Aquosos. Prof. Fernando R. Xavier Química em Solventes não Aquosos Prof. Fernando R. Xavier UDESC 2013 Reações químicas podem acontecer em cada uma das fases ordinárias da matéria (gasosa, líquida ou sólida). Exemplos: Grande parte das

Leia mais

Fábrica de adubos fluidos

Fábrica de adubos fluidos Descarregamento de NH 3 Estoque NH 4 OH Fábrica de adubos fluidos Dosadores + Reator Materia Prima Solida Carregamento 365.000 ha de Cana de AçúA çúcar utilizam Adubo LíquidoL Usina Colombo Santa Adélia

Leia mais