COMPLEMENTO DO RELATÓRIO SOBRE O SETOR DE FERTILIZANTES CONTIDO NA PÁGINA 154 DO RELATÓRIO FINAL ENVIADO EM NOVEMBRO DE 2000

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPLEMENTO DO RELATÓRIO SOBRE O SETOR DE FERTILIZANTES CONTIDO NA PÁGINA 154 DO RELATÓRIO FINAL ENVIADO EM NOVEMBRO DE 2000"

Transcrição

1 CONVÊNIO 02/99 APOIO À INSTALAÇÃO DOS FÓRUNS DE COMPETITIVIDADE NAS CADEIAS PRODUTIVAS COURO/CALÇADOS, TÊXTIL, MADEIRA/MÓVEIS E FERTILIZANTES COMPLEMENTO DO RELATÓRIO SOBRE O SETOR DE FERTILIZANTES CONTIDO NA PÁGINA 154 DO RELATÓRIO FINAL ENVIADO EM NOVEMBRO DE 2000 PENSA - FIA - FEA USP CONTRATANTE: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR (MDIC) SETEMBRO DE 2002 SÃO PAULO (SP) 1

2 EQUIPE PROF. DR. DÉCIO ZYLBERSZTAJN (Coordenador Geral e Responsável pela Cadeia de Fertilizantes) PROF. DR. MARCOS SAWAYA JANK (Coordenador Técnico e Responsável pela Cadeia Têxtil/Confecções) PROF. DR. PAULO FURQUIM DE AZEVEDO (Responsável pela Cadeia Couro/Calçados) PROF. DR. CARLOS JOSÉ CAETANO BACHA (Responsável pela Cadeia Madeira/Móveis) ISADORA HERRMANN (Equipe Técnica Cadeia Têxtil/Confecções) FABIANA SALGUEIRO PEROBELLI (Equipe Técnica Cadeia Têxtil/Confecções) MARISTELA FRANCO PAES LEME (Equipe Técnica Cadeia Fertilizantes/Confecções) 2

3 I Introdução O presente documento pretende analisar os critérios de competitividade setorial com a finalidade de gerar sugestões de políticas públicas e estratégias privadas. Na ausência dos documentos que a priori deveriam ter sido enviados pelo MDIC, procedeu-se à análise dos principais trabalhos e dados coletados pelo Pensa sobre o setor de fertilizantes. O texto subdivide-se em nove partes: I) introdução, II) metodologia, III) delimitação do sistema agroindustrial de fertilizantes, IV) indicadores sobre o sistema agroindustrial de fertilizantes, V) análise de evolução do ambiente institucional, tecnológico e organizacional, VI) ambiente competitivo, VII) caracterização das transações, VIII) revisão de documentos e IX) conclusões. II Metodologia A primeira etapa do trabalho foi dedicada a delimitação do sistema agroindustrial de fertilizantes. Em seguida, foram reunidas informações secundárias levantadas para analisar a competitividade em cada segmento do sistema, assim como trabalhos mais recentes sobre o setor para examinar as mudanças ocorridas nos ambientes institucional, organizacional, tecnológico e competitivo. É importante mencionar que diferentemente do que havia sido previsto inicialmente, o Pensa teve que fazer o levantamento dos principais estudos e publicações sobre o setor de fertilizantes, pois o MIDIC não enviou estes. Assim, uma das etapas prevista do trabalho que consistia na análise do material enviado não foi realizada. O presente estudo segue o referencial esquematizado na Figura 1 que foi retirado do trabalho Competitividade no Agribusiness Brasileiro elaborado pelo Pensa/IPEA. Assim, considera-se que as estratégias competitivas das firmas são influenciadas não somente pela estrutura da indústria e pelos padrões de concorrência, mas também pelos ambientes institucional, tecnológico e organizacional em que atuam. Esse é justamente um dos focos de pesquisa da Nova Economia Institucional (NEI) que considera que as instituições importam e são susceptíveis de análise. O ambiente institucional é o conjunto de regras do jogo que regulam as relações 3

4 entre os agentes. O ambiente tecnológico por sua vez é composto pelo conhecimento disponível para os diversos agentes e pelas formas de difusão e uso desse conhecimento. Finalmente, o ambiente organizacional é formado pelas organizações de interesse privado que representam os segmentos do sistema produtivo de fertilizantes. 4

5 FIGURA 1 AMBIENTE ORGANIZACIONAL Organizações corporatistas Bureaus Públicos e privados Sindicatos Institutos de Pesquisa Políticas Setoriais Privadas AMBIENTE INSTITUCIONAL Sistema Legal Tradições e costumes Sistema Político Regulamentações Política Macroeconômica Políticas Setoriais Governamentais AMBIENTE TECNOLÓGICO Paradigma tecnológico Fase da trajetória tecnológica AMBIENTE COMPETITIVO Ciclo de vida da indústria Estrutura da Indústria Padrões de concorrência Caract. do Consumo Grupos estratégicos ESTRATÉGIAS INDIVIDUAIS Preço/custo Segmentação Diferenciação Inovação Crescimento Interno Crescimento por aquisição DESEMPENHO (competitividade) Sobrevivência Crescimento Atributos das transações ESTRUTURAS DE GOVERNANÇA RELAÇÕES SISTÊMICAS Subsistemas Estratégicos Fonte: Farina et allii (1997) citado por Farina e Zylbersztajn (1998) 5

6 III - Delimitação do sistema agroindustrial de fertilizantes O complexo produtor de fertilizantes envolve uma série de atividades que vão desde a extração de matéria-prima até a composição de formulações que serão diretamente aplicadas na atividade agrícola. A formulação básica dos fertilizantes (NPK) é uma composição de três elementos químicos: nitrogênio, fósforo e potássio. A proporção de cada elemento nesta combinação dependerá do fim a que esta se propõe e das condições fisico-químicas do solo a que se destina. A solubilidade dos nutrientes e a composição química dos diversos produtos comercializados são regulamentadas por legislação específica. A fórmula NPK é utilizada para indicar o conteúdo percentual de nitrogênio em sua forma elementar N, o conteúdo percentual de fósforo na forma de pentóxido de fósforo (P 2 O 5 ) e o conteúdo percentual de potássio na forma de óxido de potássio (K 2 O). Do ponto de vista físico, os fertilizantes podem ser sólidos ou fluidos. Os primeiros são os mais comuns e são comercializados na forma de grânulos ou pó. Do ponto de vista químico, os fertilizantes podem ser orgânicos, organo-minerais ou minerais, sendo que estes últimos são subdivididos em fertilizantes simples e mistos. Os fertilizantes simples possuem em sua composição um único composto químico, podendo conter um ou mais nutrientes macro (N,P,K,S,Ca,Mg), micro (Fe,Mn,B,Cl,Cu,Mo,Zn e Co) ou ambos. O superfosfato simples (SSP), superfosfato triplo (TSP), fosfato monoamônio (MAP) e o fosfato diamônio (DAP) são exemplos de fertilizantes simples. Os fertilizantes mistos, como as misturas e os fertilizantes complexos, resultam da mistura de fertilizantes simples. A cadeia produtiva de fertilizantes é composta pelo segmento extrativo mineral que fornece a rocha fosfática, o enxofre, o gás natural e as rochas potássicas, pelo segmento que produz as matérias primas intermediárias como o ácido sulfúrico, o ácido fosfórico e a amônia anidra, pelo segmento produtor de fertilizantes simples e pelo segmento produtor de fertilizantes mistos e granulados complexos (NPK) conforme se pode observar na Figura 2. 6

7 As matérias-primas podem ser obtidas por meio da indústria petroquímica (nitrogenados) ou de atividades de extração mineral (fosfatados e potássicos). As fontes destes elementos químicos são obtidas na natureza, para a posterior extração dos ácidos, com os quais pode-se gerar uma ampla variedade de produtos, dentre eles, produtos que contenham nitrogênio, fósforo e potássio, que fornecem as quantidades necessárias de cada elemento para compor diferentes formulações de fertilizantes. Segundo Taglialegna, Paes Leme e Sousa (2001), a indústria de fertilizantes pode ser dividida em três atividades distintas: produção de matérias-primas básicas e intermediárias, de fertilizantes básicos e misturas. Na primeira atividade, as empresas produzem as matérias-primas básicas (gás natural, rocha fosfática e enxofre) e intermediárias (ácido sulfúrico, acido fosfórico e ácido nítrico). No segundo grupo de atividades, fabrica-se os fertilizantes básicos nitrogenados (uréia, nitrato de amônio, nitrocálcio e sulfato de amônio), fosfatados (superfosfato simples, superfosfato triplo, fosfatos de amônio e fosfato natural acidulado) e potássicos (cloreto de potássio 1 e sulfato de potássio). Na terceira atividade, as empresas atuam como misturadoras que compram matérias-primas e fertilizantes básicos e elaboram as formulações NPK nas dosagens adequadas ao tipo de solo ou cultura agrícola. A quase totalidade do cloreto de potássio utilizada é importada. 7

8 Resíduo Asfáltico Gás Residual de Amônia Ácido Nítrico Nitrato de Amônio Uréia Nitrocálc io Fosfato de Monoamônio Fosfato de Diamônio (DAP) Granulados e Misturas Rocha Fosfática Concentrado Fosfático Ácido Fosfórico Superfosfato Triplo (TSP) de Formulações NPK Enxofre Enxofre Ácido Sulfúrico Superfosfato Simples (SSP) Minerais Potássicos Cloreto de Potássio Cadeia produtiva dos principais produtos da indústria de fertilizantes Recursos Matérias-Primas Produtos Fertilizantes Fertilizantes Naturais Básicas Intermediários Básicos Finais Fonte: Gazeta Mercantil 8

9 IV Indicadores sobre o sistema agroindustrial de fertilizantes A produção brasileira de fertilizantes aumentou na década de 90, saindo dos 5,4 milhões de toneladas em 1990 para 7,5 milhões de toneladas no ano No entanto, para atender o aumento da demanda, as importações cresceram mais rapidamente e atingiram quase 10 milhões de toneladas em 2001, conforme se pode observar no Gráfico 1 e Tabela 1. Gráfico Evolução da produção e da importação na década de 90 (em milhões de toneladas) Produção Importação Fonte: Anuário Estatístico ANDA (1999 e 2001) e Gazeta Mercantil. O consumo de fertilizantes tem crescido sensivelmente no Brasil, sendo que as culturas que mais consumiram fertilizantes em 2001 foram a soja (32%), milho (17%), cana-deaçúcar (12,5%) e café (6,7%). O Estado de São Paulo foi o que respondeu pela maior quantidade das entregas de fertilizantes em 2001, ou seja, 2,9 milhões de toneladas de produto representando 17,9% das entregas, seguido pelo Mato Grosso (14,2%), Paraná (13,8%) e Minas Gerais (13,0%). O consumo de fertilizantes geralmente está mais concentrado no segundo semestre do ano, sendo que esta sazonalidade é menor na Região Sul onde existe produção de trigo e uma safrinha representativa. A sazonalidade do consumo também provoca um pico de importações no segundo semestre (Soares e Cordeiro, 2000). Segundo dados da ANDA, 9

10 em 1999, cerca de 65% das entregas de adubos foram realizadas entre os meses de julho-novembro. Em termos trimestrais, o primeiro corresponde a aproximadamente 16% do exercício, o segundo trimestre 17%, o terceiro 31% e o quarto trimestre a 36%. As exportações por sua vez apresentam volume reduzido conforme se pode observar na Tabela 1, embora tenham aumentado entre 1997 e Uma variável que tem chamado atenção é o estoque de passagem que quase triplicou no referido período, o que pode sugerir que as empresas estão carregando mais estoques para fazer frente ao jogo competitivo no mercado. Tabela 1 - Estoques e Consumos Efetivo de Fertilizantes no Brasil (milhões toneladas) Itens ) Estoque Inicial...(indústria) ) Produção 3) Importação ) Consumo Aparente...(2+3) ) Exportação 6) Micros/Outros/Quebras 7) Disponibilidade...( ) 8) Estoque Final...(indústria) 278 (243) (416) (428) (486) ) Entregas...(7-8) ) Estoque Inicial...(Agricultor) 11) Estoque Final...(Agricultor) ) Consumo Efetivo...( ) Obs: 1) As quantidades constantes em Micros/Outros/Quebras referem-se a matérias-primas portadoras de micronutrientes secundários, inerentes e perdas no processo. 2) Na Produção e na Importação está incluso o Fosfato Natural para Aplicação Direta e o Fosfato Natural Reativo. Fonte: Anuário Estatístico ANDA (1999,2001) Na Tabela 2 pode-se verificar que 74,7% da disponibilidade interna de K 2 O provém de importações, enquanto 37,9% do P 2 O 5 e 51,4% do N é importado. Apesar do pentóxido de fósforo ser o nutriente de maior produção no país as empresas também mantiveram elevado estoque de passagem. 10

11 Tabela 2- Estoques e Consumo Efetivo de Nutrientes no Brasil 2001 (milhares toneladas) Itens N P 2 O 5 K 2 O Total 1) Estoque Inicial 2) Produção 3) Importação ) Disponibilidade ) Exportação 6) Entregas 7) Quebras/Ajustes (188) (82) (201) (471) 8) Estoque Final Fonte: Anuário Estatístico ANDA (2001) A Tabela 3 mostra a produção brasileira de matérias-primas e produtos intermediários para fertilizantes de 1998 a A produção das matérias-primas amônia, rocha fosfática, ácido fosfórico e sulfúrico aumentou no período considerado, sendo que a rocha fosfática e o ácido sulfúrico são as matérias-primas mais produzidas no Brasil. No que se refere aos produtos intermediários verifica-se que o superfosfato simples é o mais produzido. Com exceção da uréia, nitrocálcio, DAP e superfosfato triplo houve aumento da produção dos produtos intermediários. 11

12 Tabela 3 - Produção Nacional de Matérias-Primas e Produtos Intermediários para Fertilizantes em 2001 (toneladas) Produto Sulfato de Amônio Uréia Nitrocálcio Nitrato de Amônio DAP MAP Superfosfato Simples Superfosfato Triplo Cloreto de Potássio Amônia Rocha Fosfática Industrial Ácido Fosfórico Ácido Sulfúrico Fonte: ANDA/IBRAFOS/SIACESP/SARGS/SIMPRIFERT Quanto ao mercado internacional, a China é maior consumidor de fertilizantes NPK com 25,5% do total, seguida pelos EUA com 13,9%. O Brasil é o quarto maior consumidor mundial de fertilizantes com 4,2% do total. No entanto, há algumas peculiaridades entre o consumo de cada país. Do total de fertilizantes consumidos na China, 66,39% corresponde ao nitrogênio, enquanto nos EUA este valor atinge 57,0%. No Brasil, 38,36% do consumo total de NPK refere-se ao nutriente potássio. Segundo a International Fertilizer Industry, a China e EUA são os maiores produtores de amônia com 25,7% e 11,1%, respectivamente. O Brasil fica em 20º lugar com 0,9%. Os maiores produtores de rocha fosfática são os EUA (29,8%) e o Marrocos (16,4%), sendo que o Brasil fica em 7º lugar com 3,6% do total produzido no mundo. No que se refere ao potássio, o Brasil é o 10 maior produtor com 1,3% do total, sendo o Canadá (35,6%) e a Rússia (14,4%) os maiores produtores mundiais. 12

13 V - Análise de evolução do ambiente institucional, tecnológico e organizacional No Brasil, a produção de fertilizantes simples, produtos intermediários e matérias-primas foi iniciada na década de 50, quando a indústria era capaz de suprir 8% da demanda nacional, sendo o restante atendido pelas importações. Na década de 60, a produção brasileira foi ampliada com a implantação de várias empresas, mas o país ainda possuía forte dependência externa. As importações representavam um pouco mais de um terço da demanda por fosfatados e todo o consumo de potássicos (Gazeta Mercantil, 1998). A forte intervenção do Estado, a partir de 1974, determinou o surgimento de uma nova fase para o setor de fertilizantes. O governo criou o Plano Nacional para a Difusão dos Fertilizantes e Calcário Agrícola (PNFCA) com o objetivo de aumentar a oferta interna do produto e conseqüentemente a auto-suficiência do país. O consumo havia aumentado significativamente entre os anos 50 e 70 e devido à escassez do produto no mercado interno, as importações também foram alavancadas, intensificando os problemas na balança de pagamentos. A política de substituição de importações no setor encontrou uma conjuntura favorável e assim a indústria passou a ter tratamento diferenciado, com elevados níveis de proteção até o fim da década de 80. Esta política era visivelmente protecionista e seguia no caminho da influência CEPALINA, que preconizava a necessidade de se proteger as indústrias nacionais na América Latina. Seus resultados tiveram aspectos positivos e outros nem tanto, analisados em Zylbersztajn (1984). Os financiamentos do BNDES foram essenciais para viabilizar as metas do PNFCA (Gazeta Mercantil,1998). Após a etapa do protecionismo estudada por Baum (1971), o setor dos fertilizantes já com considerável parque industrial instalado, passou por uma nova fase. Em primeiro lugar, a ruptura do sistema de crédito rural, em meados dos anos 80 exauriu o principal motor de incentivo à demanda, baseada em crédito seletivo e subsidiado. A elasticidade crédito da demanda era uma variável sempre importante nos modelos estudados, tal como exemplifica Soares (1981), implicando que na ponta do consumo, 13

14 importantes mudanças seriam necessárias. A falta de crédito levou as empresas do setor a substituir o sistema financeiro, provendo adiantamentos e utilizando crédito de financiamento de exportações (ACC s) para facilitar a aquisição do insumo pelos agricultores. Certamente novo fator de risco foi introduzido. No começo da década de 80, a indústria já estava consolidada no país. O governo havia assumido o controle acionário de empresas privadas, como a Ultrafértil, em A Petrobrás Fertilizantes (Petrofértil) foi criada em 1976 e passou a atuar como holding controlando empresas como: Ultrafértil, Fosfértil, Nitrofértil, Arafértil, Goiásfertil e ICC. No entanto, a conjuntura desfavorável no início da década de 80, as dificuldades financeiras e a própria política agrícola determinaram a redução da produção de fertilizantes e o aumento do índice de ociosidade. No final da década de 80, iniciou-se o processo de liberalização da economia com o fim das restrições quantitativas nas importações de todos os produtos e redução das alíquotas de importação. Os preços que anteriormente eram sujeitos ao Controle Interministerial de Preços também foram liberados. Na década de 90, a abertura econômica, com a queda das alíquotas de importação e as privatizações contribuíram para a reestruturação do setor. As alíquotas de importação atingem, atualmente, no máximo 6% (Ribeiro, 2000). Outra mudança institucional importante recaiu sobre a tributação, pois com a Constituição de 1988 os insumos minerais passaram a ser tributados pelo ICMS e passou a haver também a chamada Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais CFEM. A solubilidade dos nutrientes e a composição química dos diversos produtos comercializados são regulamentadas por legislação específica. No que se refere ao meio ambiente, acredita-se que a exemplo do que já vem ocorrendo nos países desenvolvidos, haja aumento das restrições ambientais. Na União Européia estabeleceu-se a proibição de deposição, em território europeu, de qualquer rejeito de fosfogesso (Kulaif, 1999a). 14

15 Após as privatizações foi desencadeado um processo de fusões e aquisições que determinou o aumento da integração vertical no setor, a entrada de grandes tradings de grãos e a concentração da indústria. No início da referida década, havia elevada presença estatal na produção de matéria-prima e fertilizantes básicos sendo que após o processo de privatização o controle das duas principais empresas do setor, Fosfértil e Ultrafértil, passou para as mãos da Fertifós que no ato de sua criação era um consórcio formado por sete empresas. Atualmente, pode-se observar que devido ao intenso processo de fusões e aquisições houve reconfiguração da participação acionária no consórcio Ferfifós, permanecendo como acionistas apenas três grupos econômicos. Assim, houve internacionalização de capital, pois, hoje, dois, dos três grupos econômicos mencionados são multinacionais e, além disso, aumentou-se o grau de concentração e integração vertical no setor. As privatizações no setor de fertilizantes iniciaram em 1992 conforme se pode observar na Tabela 4. A primeira empresa a ser leiloada foi a Indag em janeiro de 1992, passando a Iap a ser sua maior acionista, com 35% do capital. Em agosto do mesmo ano foi privatizada a Fosfértil. Esta empresa foi adquirida pelo consórcio Fertifós que era formado inicialmente por empresas importantes do setor como: Solorrico, Manah, Iap, Fertiza, Fertibrás, Takenaka e outras com pequena participação no capital social como: Fertipar (1,37%), Campos Gerais (0,37%), Heringer (0,08%) e Triângulo (0,07%). Em julho de 1993, a Ultrafértil foi comprada pela Fosfértil e a Goiásfertil teve 90% de seu capital assumido pelo consórcio Fertifós, em outubro de A Arafértil foi privatizada em abril de 1994, sendo adquirida pela Serrana. Em 1990, o governo federal decidiu pela liquidação das operações da Indústria Carboquímica Catarinense (ICC) devido ao fato de a comissão que presidia o Programa Nacional de Desestatização (PND) ter chegado a conclusão que a firma não teria condições de operar em termos estritamente econômicos. A Nitrofértil foi incorporada à Petrobrás e ficou fora do processo de privatização. 15

16 Tabela 4 Privatizações no setor de fertilizantes Data Empresas Adquirente Jan/92 Indag IAP 1 Ago/92 Fosfértil Consórcio Fertifós Out/92 Goiásfertil Fosfértil Jun/93 Ultrafértil Fosfértil Abr/94 Arafértil Serrana Fonte: Elaborada com base em Taglialegna, Paes Leme e Souza (2001) 1 - Maior acionista com 35 % capital Depois do processo de privatização, o número de fusões e aquisições intensificou-se no setor determinando grandes mudanças societárias, principalmente dentro do consórcio Fertifós que havia adquirido a Fosfértil e, por meio desta, a Ultrafértil (Taglialegna, Paes Leme & Sousa, 2001). Na Gráfico 2 pode-se observar a concentração do capital social da Fertifós com as empresas Bunge e Cargill. Gráfico 2 - Evolução da participação dos grupos econômicos no capital social da Fertifós Fertifós - Situação Inicial Fertifós - Situação Atual IAP Manah Solorrico Fertibrás Fertiza Tanenaka Outros Bunge Cargill Fertibrás Outros Quando o consórcio Fertifós foi formado era composto pelas seguintes empresas com suas respectivas participações: IAP (23,07%), Manah (23,07%, Solorrico (23,07%), Fertibrás (12,76%), Fertiza (10%), Takenaka (6,17%) e outras (1,89%). Com a aquisição pelo Grupo Bunge da IAP e Manah e pela Cargill da Solorrico e Fertiza, a Bunge passa a deter 52,3% da Fertifós, a Cargill 33, 07%, a Fertibrás 12,76% e outras 1,89%. 16

17 A composição societária da Fosfértil não se alterou após o processo de privatização. A Fertifós continua sendo a maior acionista da Fosfértil, com 69,88% do capital social, seguidas pela Companhia Vale do Rio Doce com 10,96%, pelo Banco Sul América com 4,36%, pela Fertibrás com 4,30%, pela Benzenex S/A Adubos com 2,86% e por outros acionistas pequenos que juntos totalizam 7,64% de participação. No que se refere a Ultrafértil, 100% das ações desta pertencem a Fosfértil. Além das aquisições que provocaram alterações no controle societário da Fertifós, houve outras como a aquisição da Fertisul e da Elequeiróz Fertilizantes, respectivamente, em 1997 e em 1998, pela Serrana. Em 2000, a Trevo foi adquirida pela Norsk Hydro e a área de fertilizantes da Basf pela empresa K+S. No que se refere ao ambiente tecnológico, a tecnologia de extração de matérias-primas e elaboração de produtos intermediários, de fertilizantes básicos e misturas é amplamente difundida. Assim, há vários anos pode-se perceber que não têm existido inovações, principalmente, em produtos no setor. Apesar disso, as fases de prospecção e pesquisa geológica e tecnológica que antecedem a extração mineral de uma jazida são importantes, pois cada depósito é único e apresenta uma série de especificidades (Kulaif, 1999a). Ainda segundo Kulaif (1999b), as empresas do setor implementaram mudanças tecnológicas após as privatizações visando melhorar o aproveitamento das jazidas. Com relação ao ambiente organizacional existem várias Organizações de Interesse Privado (OIP) representando os diversos segmentos da cadeia produtiva de fertilizantes entre eles pode-se citar a ANDA (Associação Nacional para Difusão de adubos), AMA (Associação dos Misturadores de Adubo), SIACESP (Sindicato das Indústrias de Adubos e Corretivos Agrícolas do Estado de São Paulo), Simprifert (Sindicato de Matérias-Primas para Fertilizantes), entre outros sindicatos estaduais. Estas OIP atuam como provedores de informações e tem representado os seus segmentos buscando promover mudanças institucionais como, por exemplo, em relação ao Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência. 17

18 Os produtores rurais são representados por associações mais generalistas que defendem os interesses da agricultura em geral. Existem os sindicatos ligados ao Ministério do Trabalho, as federações que reúnem os sindicatos e a Confederação Nacional da Agricultura. Outras entidades, como a Sociedade Rural Brasileira, também representam a agricultura como um todo. VI - Ambiente Competitivo A presente seção propõe-se a efetuar uma análise do ambiente competitivo de acordo com a delimitação do SAG proposta. Pretende-se analisar a indústria relativa a cada segmento, focalizando na sua estrutura (mercado relevante e grau de concentração) e nas estratégias individuais e padrões de concorrência. A análise seguirá, portanto, as linhas teóricas englobadas na chamada Organização Industrial Moderna. Antes de calcular o grau de concentração é necessário, primeiramente definir o mercado relevante. No caso dos fertilizantes, a definição do mercado relevante das matérias-primas, produtos intermediários, fertilizantes básicos e misturas tem gerado grande discussão entre os órgãos do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência e empresas envolvidas em Atos de Concentração, pois dependendo da definição deste, o grau de concentração pode ser maior ou menor. A definição de mercado relevante deve levar em consideração as dimensões produto e geográfica. Na dimensão produto, verifica-se o grau de substitubilidade dos produtos envolvidos em uma operação de fusão ou aquisição. Na dimensão geográfica, observa-se a região próxima de onde pode provir o mesmo produto ou seu substituto capaz de concorrer com o produto do mercado original. Pelo teste do monopolista hipotético, o mercado relevante é definido como sendo o menor grupo de produtos e a menor área geográfica necessários para que o suposto monopolista esteja em condições de impor um pequeno, porém significativo e não transitório aumento de preços. A Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda em seu parecer sobre o Ato de Concentração referente à operação de aquisição da Manah pelo Grupo Bunge definiu o mercado relevante de mistura NPK como sendo: região leste- 18

19 nordeste, região sul e região central. O mercado relevante de fertilizantes básicos nitrogenados foi definido como nacional e o de fertilizantes fosfatados como região sul e central. Para o ácido sulfúrico e fosfórico, o mercado relevante definido é nacional, enquanto para a rocha definiu-se como sendo os seguintes estados: MG, GO, SP, BA, TO, MT, MS, PR, RJ e ES. Por outro lado, existem analistas de mercado que afirmam que o mercado de fertilizantes fosfatafos deve-se ser dividido em três: as regiões sul, nordeste e centro do Brasil. Outros analistas defendem ainda que o mercado é internacional. Podese observar que está longe de haver um consenso em relação ao mercado relevante, assim, qualquer conclusão a priori seria precipitada, sendo necessário para isso estudos mais detalhados. No setor de matérias-primas pode-se verificar a existência de grandes empresas geralmente verticalizadas, ou seja, produzindo também pelo menos produtos intermediários e fertilizantes básicos em grande escala. No segmento de misturas existe um grande número de pequenas e médias empresas que ofertam fertilizantes para o mercado local e, juntamente com estas, há misturadoras de grande porte que atuam em grande parte do território nacional. A maior parte das grandes misturadoras, por possuírem participação no consórcio Fertifós, atuam também na produção de matériasprimas, produtos intermediários e fertilizantes básicos. A Tabela 5 apresenta a capacidade instalada de produção de fertilizantes no Brasil em Pode-se observar que existe baixa ociosidade no setor de fertilizantes embora com a sazonalidade do consumo a capacidade ociosa possa variar ao longo do ano. 19

20 Tabela 5 - Capacidade Instalada Anual de Produção de Fertilizantes e Matérias-Primas Produtos Capacidade Nominal Produção Usual Amônia Anidra Rocha Fosfática Ácido Sulfúrico Uréia Superfosfato Simples (Pó) Fosfato Monoamônio Fosfato Diamônio Cloreto de Potássio Fonte: Anuário Estatístico ANDA Como a definição precisa dos mercados relevantes dos diversos produtos da cadeia produtiva de fertilizantes demandaria estudos adicionais, calculou-se a participação de mercado com base na capacidade instalada de produção das empresas no Brasil. Assim, a Tabela 6 mostra as Razões de Concentração (CR) para os principais produtos da indústria de fertilizantes. O CR2 corresponde à participação das duas maiores empresas do setor na produção do produto considerado, o CR3 das três maiores e assim por diante. Cabe ressaltar que o CR4 é geralmente a medida do grau de concentração mais utilizada. A elevada concentração no setor fica evidente pelos índices calculados, pois no produto que apresentou menor concentração, as quatro maiores empresas detém 75,6% do mercado. Tabela 6 - Capacidade Instalada de Produção de Matérias-Primas Produto / Empresa Capacidade produtiva (t/dia) Amônia Anidra Petrobrás Ultrafértil CR2 100% Rocha Fosfática Bunge Fertilizantes Copebrás Fosfértil Irecê 460 Trevo Ultrafértil CR4 91% Ácido Fosfórico (P 2 O 5 ) 20

21 Bunge Fertilizantes 480 Copebrás 810 Fosfértil Ultrafértil 400 CR4 100% Ácido Sulfúrico Bunge Fertilizantes Copebrás Fosfértil Galvani Profétil Ultrafértil CR4 93% Sulfato de Amônio Bunge Fertilizantes 300 Metacril 340 Nitrocarbono 276,8 CR3 100% Uréia Petrobrás Ultrafértil CR2 100% Superfosfato Simples Bunge Fertilizantes Cargill Cibrafértil 700 Copebrás Fosfértil Fospar Galvani Profértil Roulier Trevo Ultrafértil CR4 75,6% Copebrás Fosfértil Ultrafértil Fosfato Monoamônio CR3 100% Fosfato Diamônio Ultrafértil 850 CR1 100% Cloreto de Potássio Cia Vale do Rio Doce CR1 100% Fonte: Elaborada com base em dados da ANDA VI.I - Estratégia e padrões de concorrência As empresas produtoras de fertilizantes adotam estratégias baseadas na 21

22 liderança em custos onde a busca de economias de escala, a baixa capacidade ociosa e a logística eficiente são fatores determinantes do desempenho. Escala: pode-se dizer que há economias de escala quando os custos médios de produção decrescem com o aumento do tamanho da planta industrial. De acordo com a Tabela 6 pode-se perceber que a capacidade instalada de produção é elevada, mas varia muito entre as empresas, sendo que mesmo plantas de grandes grupos em alguns casos apresentam capacidade de produção relativamente baixa. A escala de produção favorece a captação a juros mais baixos, maior flexibilidade para o fornecimento de crédito, vantagem logística e financeira na aquisição de matéria prima importada e maior poder no jogo competitivo na indústria. Ociosidade: com a redução da capacidade ociosa os custos médios decrescem, pois menor o peso relativo dos custos fixos de produção. Embora não se tenha obtido dados da produção efetiva por planta das empresas do setor de fertilizantes, a Tabela 5 mostra que o nível de produção de alguns produtos está próximo da capacidade instalada do setor. No entanto, é importante mencionar que a sazonalidade do consumo de fertilizantes leva a existência de capacidade ociosa durante parte do ano, o que aumenta os custos de estoques e matérias-primas. Algumas empresas do setor têm adotado estratégias de comercialização para estimular as retiradas antecipadas nos meses de entresafra. Outro fator importante que contribui para diminuir a ociosidade das empresas é a safrinha que estimula o consumo de fertilizantes no primeiro semestre do ano. Logística: assume papel decisivo na eficiência do processo de aquisição de matériasprimas e também no processo de escoamento de produtos. A logística eficiente pode estar relacionada com a maior coordenação do suprimento de insumos e também com a formatação de parcerias com empresas de grãos para baratear fretes, inclusive esta é uma das eficiências promovidas pelas fusões e aquisições no setor segundo argumentação das empresas adquirentes; Embora a liderança em custos seja condição primordial para a competitividade em commodities, mudanças no ambiente competitivo e institucional, com discussões relacionadas a padrões de qualidade, segurança alimentar e proteção ambiental 22

23 ganhando importância têm determinado a adoção de estratégias diferenciadas por parte de algumas empresas. Os canais de distribuição de fertilizantes não são mais os mesmos de 10 anos atrás, além disso, surgem novas formas de relacionamento entre as empresas sendo que algumas destas têm deixado de ofertar um fertilizante padrão para todo agricultor, procurando ampliar o atendimento direto e especializado, o que pode significar mudanças nos padrões de concorrência e determinar o surgimento de grupos estratégicos. Esta mudança nos canais de distribuição está sendo analisada por estudos em elaboração. VII - Caracterização das transações Em artigo seminal Coase (1937) discute os limites da firma e define esta como sendo um nexo de contratos. Partindo deste trabalho, outros autores contribuíram para o desenvolvimento das pesquisas na área da Nova Economia Institucional, merecendo destaque o trabalho de Oliver Williamson (1985) que sistematizou e enfatizou a importância da perspectiva institucional comparada, reconhecendo que há vários arranjos institucionais que podem ser utilizados para governar as transações entre os agentes econômicos. Para o autor, custos de transação referem-se aos custos de desenho contratual, monitoramento e cumprimento das leis contratuais. Pode-se destacar três formas de governança das transações: o mercado, as formas híbridas e a integração vertical. Cada uma destas estruturas de governança é mais ou menos eficiente dependendo de determinados atributos das transações. Williamson (1985) destaca três atributos: a especificidade dos ativos, a freqüência das transações e as incertezas associadas às mesmas. Ativos específicos são aqueles que perdem valor quando destinados a outros fins, sendo que sua especificidade pode ser física, temporal, locacional, humana e dedicada. Quanto maior o nível de especificidade dos ativos, maiores os custos de transação associados à forma de governança via mercado, pois se pressupõe que existe racionalidade limitada e oportunismo por parte dos agentes. De outra parte, estruturas de governança integradas tendem a elevar os custos burocráticos, por exigir a organização 23

24 em uma única firma, em detrimento da organização independente via mercado. A estrutura de governança ótima é aquela minimizadora de custos de produção e transação, assim, quando a especificidade dos ativos é baixa, a forma de mercado tende a minimizar os custos de transação. A integração vertical minimiza os custos de transação quando os ativos são altamente específicos. As formas híbridas, por sua vez, são formas intermediárias que não apresentam os excessivos custos burocráticos da integração vertical e possibilitam razoável capacidade de adaptação frente a situações imprevistas. O aumento da freqüência, ou recorrência das transações, faz com que a governança via mercado apresente elevados custos de transação, visto que os agentes podem apropriar-se das quase-rendas geradas. A incerteza também contribui para a elevação dos custos de transação, assim em ambientes muito instáveis e na presença de ativos específicos, a estrutura de governança minimizadora dos custos de transação é a integração vertical. Zylbersztajn (1995) utilizou este referencial teórico para analisar sistemas agroindustriais (SAGs) relacionando a competitividade destes à seleção de formas organizacionais redutoras de custos de transação. À luz do referencial teórico apresentado, pretende-se em seguida discutir as transações de maior relevância no sistema agroindustrial de fertilizantes no Brasil, procurando-se destacar as estruturas de governança observadas. Não foi encontrado nenhum estudo sobre o setor de fertilizantes que focalize na análise dos atributos das transações. Assim, para se afirmar se as estruturas de governança observadas correspondem com àquelas minimizadoras dos custos de transação previstas pela teoria seria necessário um estudo mais aprofundado. Conforme já foi apresentado anteriormente, na cadeia produtiva de fertilizantes existem vários produtos e subprodutos envolvidos. No entanto, estes produtos e subprodutos podem ser agrupados em matérias-primas básicas, produtos intermediários, 24

25 fertilizantes básicos e misturas conforme mostra Figura 3. Nesta Figura, T 1 e T 2 representam as transações entre empresas de diferentes segmentos da cadeia produtiva de fertilizantes. Atualmente, observa-se que a maior parte das transações T 1 ocorre via integração vertical, pois grande parte das empresas que produzem fertilizantes básicos é responsável também pela extração de matérias-primas da natureza e pela elaboração de produtos intermediários. No que se refere à transação T 2, pode-se observar que na década de 90 houve entrada de grandes misturadoras na produção de matérias-primas, produtos intermediários e fertilizantes básicos, ou seja, aumentou-se o grau de integração vertical no setor. No entanto, grande parte das misturadoras ainda compra seus insumos no mercado interno ou importam, sendo que existem também casos em que as misturadoras possuem contratos de fornecimento de fertilizantes básicos e produtos intermediários com empresas produtoras destes. Figura 3 Recursos Naturais Matérias-primas e produtos intermediários (ácidos) Fertilizantes básicos: fosfatados, nitrogenados e potássicos N P K Produtor Rural T 1 T 2 Indústria de fertilizantes básicos e intermediários Misturadoras Conforme já foi mencionado, o processo de fusões e aquisições determina profundas mudanças na estrutura da indústria de cada segmento e no grau de integração vertical. Houve aumento do grau de concentração na década de 90, assim como intensificação da verticalização. As aquisições também determinaram a entrada na extração de matérias-primas, produção de produtos intermediários e de fertilizantes básicos de grandes tradings companies, cuja atividade principal no Brasil anteriormente era a comercialização de grãos. A escala de produção destas empresas favorece o financiamento aos produtores rurais para a compra de insumos e também possibilita a 25

26 utilização dos fretes de retorno. Há evidências que existem tradings contratando misturadoras independentes para a produção do NPK, com isso, embora algumas tradings não sejam produtoras de fertilizantes no Brasil, elas conseguem concorrer com as que são, financiando da mesma forma os produtores para a compra de fertilizantes e adquirindo conseqüentemente, grãos antecipadamente. O produtor rural pode adquirir ainda fertilizantes NPK diretamente das misturadoras integradas ou não, de cooperativas, de vendedores autônomos e de outras empresas que comercializam insumos agrícolas. Existem também casos de produtores que formam pools para importar diretamente, principalmente, os fertilizantes básicos. A maior parte destas transações se dá via mercado, sendo que alguns produtores rurais podem possuir também contratos para aquisição de fertilizantes com empresas do setor ou outros agentes que tem se especializado na oferta de pacotes de produtos e serviços que incluem os fertilizantes. Os próprios agricultores passam a demandar estas novas relações com o setor de insumos para a agricultura como solução para parte dos seus problemas. Conforme já foi dito, a reconfiguração da distribuição dos fertilizantes no Brasil está sendo analisada por estudos em elaboração. O grau de integração vertical no setor sugere que existe capacidade de coordenação da cadeia produtiva, o que favorece o suprimento de insumos por parte das empresas e o fluxo de informações. No entanto, analistas de mercado sugerem que a elevada integração vertical no setor implica em barreiras à entrada de outras empresas, pois a fonte de matérias-primas está concentrada nas mãos de poucas. Argumenta-se, por outro lado, que a integração vertical não é uma barreira à entrada, pois se pode importar matérias-primas. VII Revisão Documentos Cabe destacar que estudos sobre o setor de fertilizantes foram mais comuns nos anos 70 e 80 do que nos anos 90. Talvez pelo fato de que existiam programas governamentais voltados para o setor, que demandavam avaliação constante. Na década de 80, entre vários trabalhos pode-se destacar os já citados: Zylbersztajn (1983), Baum 26

27 (1981), Soares (1981) e Mendonça de Barros (1981). Mais recentemente, após o processo de privatização, abertura econômica e a intensa onda de fusões e aquisições, pode-se destacar os trabalhos elaborados pela Gazeta Mercantil (1998), Montenegro e Monteiro (1997), MB Associados (1999), Kulaif (1999a), Kulaif (1999b) e Taglialegna, Paes Leme e Sousa (2001). MB Associados (1999) estima a demanda de fertilizantes no Brasil até Neste sentido, traça-se um cenário para o comportamento das principais variáveis macroeconômicas relevantes do ponto de vista de uma trajetória de crescimento para a economia brasileira, aponta-se os riscos envolvidos nesta trajetória e discute-se alguns aspectos específicos de condução de política econômica relevantes para o desenvolvimento do setor agrícola. O modelo estimado teve como variáveis independentes as seguintes variáveis seguidas pelos coeficientes estimados: relação entre o preço dos produtos recebidos pelos produtores e o preço dos fertilizantes (0,56), índice de quantidade produzida (1,84), área total (-1,11) e uma variável binária para captar os efeitos da abertura econômica (-27,17).Todos os coeficientes estimados foram significativos ao nível de 1,5% e o poder explicativo da regressão foi de 89%. Este estudo conclui que entre 1998 e 2008 haverá um aumento da demanda de fertilizantes para produtos agrícolas e pastagens da ordem de 53%. No que se refere à Gazeta Mercantil (1998), este trabalho apresenta a evolução histórica do setor de fertilizantes no Brasil, as principais mudanças, reestruturações e tendências. O trabalho de Montenegro e Monteiro (1997) aborda a reestruturação mundial dos setores petroquímico e de fertilizantes e preconiza que é necessário maior integração up e down stream, no Brasil, para que o parque produtivo se mantenha mais competitivo em uma economia aberta. Para Montenegro e Monteiro (1997) características competitivas da indústria química mundial em geral e da de fertilizantes em particular são: elevada integração da cadeia produtiva, grande escala das plantas, grande escala empresarial e alto grau de internacionalização das empresas. O setor de fertilizantes no 27

28 Brasil, segundo Montenegro e Monteiro (op. cit), apresenta escala competitiva de plantas industriais, mas o porte das empresas é relativamente pequeno se comparado ao de suas concorrentes no mercado internacional. No entanto, com as aquisições que ocorreram no setor no final da década de 90 este problema levantado pelos autores citados pode ter sido amenizado, pois se observou a entrada no Brasil de grandes empresas que atuam no setor em nível mundial como a Norsk Hydro e Cargill. Além disso, houve também aumento da verticalização da indústria o que a princípio pode sugerir melhora da capacidade de coordenação da cadeia produtiva. No entanto, o aumento da verticalização e da internacionalização deve ser mais bem analisado, pois pode também ter impactos negativos. Taglialegna, Paes Leme e Sousa (2001) fazem uma análise da indústria brasileira de fertilizantes seguindo a abordagem da Organização Industrial, focando, assim, em questões relacionadas à estrutura da indústria. Neste sentido, apresentou-se o aumento da concentração de capital que ocorreu no setor após as privatizações e fusões e aquisições da década de 90. O aumento do grau de concentração da indústria pode ter alguns efeitos positivos como ganhos de escala e eficiência logística, no entanto, cabe aos órgãos do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência analisar possíveis práticas de abuso do poder de mercado. Kulaif (1999a) analisa a indústria de fertilizantes fosfatados no mundo, a implantação e desenvolvimento da indústria de fertilizantes fosfatados no Brasil e a reestruturação desta entre os anos de 1989 e Por fim, Kulaif (1999b) analisa os perfis e histórico de implantação dos principais grupos/empresas no setor de fertilizantes fosfatados no Brasil e a distribuição regional da indústria. No entanto, parte importante do movimento de reestruturação da indústria que ocorreu na segunda metade da década de 90 não foi abordada nestes estudos. VIII Conclusões Os fertilizantes são fundamentais para desempenho da atividade agrícola, sendo 28

29 relevantes na pauta de importações de insumos agropecuários, contribuindo para a redução do saldo positivo na balança comercial. Na década de 90, as alterações do ambiente institucional como as privatizações e abertura econômica determinaram mudanças no ambiente competitivo implicando em aumento da concentração de capital e no surgimento de novos padrões de concorrência. Diante deste novo quadro, pode-se destacar alguns itens para uma atuação pró-competitiva dos agentes públicos e privados: 1) Investimento em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos e processos, pois o Brasil depende do produto importado para atender sua demanda, no entanto existem reservas no país que poderiam ser viabilizadas com tecnologias que permitissem uma redução dos custos de produção. 2) Melhoria da infra-estrutura de transportes e portuária para reduzir a participação dos custos de transporte no preço final das misturas NPK. Com a eficiência logística aumenta-se também a concorrência entre os produtos nacionais e importados, principalmente, na região central do país aonde estes últimos chegam a preços relativamente mais elevados. 3) Uma questão para analisar é em relação à integração vertical, pois as empresas estão relativamente integradas, possuindo atividades em diversos segmentos da cadeia produtiva, principalmente aquelas que participam do consórcio Fertifós, no entanto, será que esta integração está ocorrendo ao nível das plantas industriais? 4) Monitoramento por parte do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência para evitar possíveis práticas de abuso de poder de mercado devido a elevada concentração observada no setor. 29

30 IX Referências bibliográficas ANUÁRIO ESTATÍSTICO SETOR DE FERTILIZANTES, 1998,1999,2000 e BAUM, M. (1981). Substituição de Importações: Uma Fase na Indústria de Fertilizantes. Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. COASE, R. N. The nature of the firm. Economica, 4: , (reimpresso em COASE, R. N. The Firm, the Market and The Law. The University of Chicago Press, Chicago, 1988). FARINA, E.M.M.Q. e ZYLBERSZTAJN,D. (Org) (1998) Competitividade no Agribusiness Brasileiro, PENSA/IPEA, São Paulo. GAZETA MERCANTIL (1998). Análise Setorial: A indústria de Fertilizantes. Relatório. SOARES, P.; CORDEIRO, H. (2000) Vendas de adubo crescem 45% no semestre, Gazeta mercantil, 01/08/2000, p.b-20. KULAIF,Y., (1999a) A Nova Configuração da Indústria de Fertilizantes Fosfatados no Brasil, Rio de Janeiro: CETEM/CNPq, 244p. KULAIF, Y. (1999b) A Indústria de Fertilizantes Fosfotados no Brasil: Perfil Empresarial e Distribuição Regional, Rio de Janeiro: CETEM/CNPq, 114p. MB ASSOCIADOS (1999). Demanda de Fertilizantes Mimeo. MENDONÇA DE BARROS, J.R. (1981). Perfil técnico econômico da indústria de fertilizantes. Relatório técnico do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Centro de Estudos de Fertilizantes. MONTENEGRO, R.S.P E MONTEIRO, D.C. (1997). Estratégia de Integração Vertical e os Movimentos de Reestruturação nos Setores Petroquímico e de Fertilizantes. BNDES Setorial. Março/97. 30

31 RIBEIRO, I. (2000) Copebrás amplia oferta de matéria-prima para adubos. Gazeta Mercantil, 09/07/2000, p. B-18. SECRETARIA DE ACOMPANHAMENTO ECONÔMICO (2001) Parecer sobre Ato de Concentração n /00-97 de 05/04/2001. SOARES, A.C.M Avaliação e Perspectivas do Comportamento da Demanda de Fertilizantes no Brasil. Relatório Técnico do Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Centro de Estudos de Fertilizantes TAGLIALEGNA, G.H.F.; PAES LEME, M.F. e SOUSA, E.L.L. Concentration of the Brazilian fertilizer industry and company strategies. IAMA Congress, Sidney, WILLIAMSON, O. E. The Economic Institutions of Capitalism. The Free Press, New York, ZYLBERSZTAJN, D. (1984). Price Distortions in Brazilian Agriculture: an Application of Duality Theory and Flexible Functional Forms. Department of Economics and Business. North Carolina State University at Raleigh. Ph.D. Dissertation. ZYLBERSZTAJN, D. Estruturas de Governança e Coordenação do Agribusiness: Uma aplicação da Nova Economia das Instituições. Tese de Livre Docência apresentada no Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo,

Panorama dos Agrominerais no Brasil: Atualidade e Perspectivas

Panorama dos Agrominerais no Brasil: Atualidade e Perspectivas Panorama dos Agrominerais no Brasil: Atualidade e Perspectivas Yara KULAIF (ykulaif@ige.unicamp.br) Instituto de Geociências - UNICAMP Francisco R. C. FERNANDES (ffernandes@cetem.gov.br) Centro de Tecnologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06030/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 16 de janeiro de 2007. Referência: Ofício n 3897/2006/SDE/GAB de 07 de agosto de 2007.

Leia mais

2. Características dos fertilizantes

2. Características dos fertilizantes INFORME SETORIAL Área Industrial Janeiro/2010 nº 16 Panorama atual e perspectivas de desenvolvimento do setor de fertilizantes no Brasil 1. Introdução O consumo de fertilizantes no Brasil tem apresentado

Leia mais

Encarte Especial. Curitiba, semana de 4 a 10 de agosto de 2008. Fertilizantes

Encarte Especial. Curitiba, semana de 4 a 10 de agosto de 2008. Fertilizantes 1 A - 07/29/2008 15:56:09-200x280mm FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA DO ESTADO DO PARANÁ Encarte Especial N o 1016 - ANO XXIII Os ganhos passíveis de serem apropriados pelos produtores rurais brasileiros, neste

Leia mais

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Março 2012. Visão Geral da Companhia. Resultados do 4T11 e 2011

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Março 2012. Visão Geral da Companhia. Resultados do 4T11 e 2011 Março 2012 Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes Visão Geral da Companhia Resultados do 4T11 e 2011 CONSUMO MUNDIAL DE FERTILIZANTES POR NUTRIENTES 157,0 159,6 170,4 176,8 181,0 2011 TOTAL N P2O5

Leia mais

K Fertilizantes Potássios

K Fertilizantes Potássios Fertilizantes - Informações Brasil N Fertilizantes Nitrogenados P Fertilizantes Fosfatados K Fertilizantes Potássios Fertilidade do Solo Brasileiro e a importância dos fertilizantes para a produtividade

Leia mais

MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA

MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA CONSUMO MUNDIAL DE FERTILIZANTES POR NUTRIENTES 157,0 159,6 170,4 176,8 181,0 2011 TOTAL N P2O5 99 101 103 107 109 60% 29% 24% K2O 34 36 40 41 42 24 23 27 29 30 2008

Leia mais

Investimentos no Brasil

Investimentos no Brasil Investimentos no Brasil Julho 2011 1 Agenda 1. Mercado de Fertilizantes 2. Principais Investimentos no país 3. Desafios do mercado brasileiro 2 Dinâmica do Mercado de Fertilizantes Os mercados de energia,

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL Suzi Huff Theodoro suzitheodoro@unb.br UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CDS BRASIL E OS FERTILIZANTES Em 2006 o Brasil

Leia mais

Manejo de Fertilizantes - Panorama da Produção e Consumo de Fertilizantes no Brasil e no Mundo Álvaro V. Resende Embrapa Milho e Sorgo

Manejo de Fertilizantes - Panorama da Produção e Consumo de Fertilizantes no Brasil e no Mundo Álvaro V. Resende Embrapa Milho e Sorgo 20 de maio de 2010 Manejo de Fertilizantes - Panorama da Produção e Consumo de Fertilizantes no Brasil e no Mundo Álvaro V. Resende Embrapa Milho e Sorgo AGRADECIMENTOS Dr. Alfredo Scheid Lopes - UFLA

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FERTILIZANTES AGOSTO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FERTILIZANTES AGOSTO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FERTILIZANTES AGOSTO DE 2015 PRODUTOS FERTILIZANTES SÃO MISTURAS DE NUTRIENTES CONHECIDAS COMO NPK QUE VISAM SUPRIR DEFICIÊNCIAS DO SOLO. OS MACRONUTRIENTES

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Assunto: Panorama do mercado de fertilizantes 1 - SUMÁRIO 2 PRODUTOS E INSUMOS Insumos, matérias primas e processos produtivos Tecnologia

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11 Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

Oferta e demanda de fertilizantes no Brasil: uma avaliação da dependência externa da agricultura brasileira. Novembro de 2007

Oferta e demanda de fertilizantes no Brasil: uma avaliação da dependência externa da agricultura brasileira. Novembro de 2007 Oferta e demanda de fertilizantes no Brasil: uma avaliação da dependência externa da agricultura brasileira Novembro de 2007 Índice O potencial da agricultura brasileira A dependência externa de fertilizantes

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

PERFIL CORPORATIVO E OPERACIONAL

PERFIL CORPORATIVO E OPERACIONAL PERFIL CORPORATIVO E OPERACIONAL A Empresa A atua como fornecedora de matériaprima para indústria de fertilizantes e de insumos para empresas químicas, além de prestar serviços de logística através de

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Destaques do Período. Resultados Financeiros

Destaques do Período. Resultados Financeiros Resultados 2T09 14 de Agosto de 2009 1 Agenda Foto: Unidade de Paulínia -SP Destaques do Período 2T09 1S09 Mercado Brasileiro de Fertilizantes Vendas e Distribuição por Cultura da Heringer LUCRO LÍQUIDO

Leia mais

Esse incremento no consumo alimentar se deve principalmente ao processo de urbanização e o aumento da renda per capita

Esse incremento no consumo alimentar se deve principalmente ao processo de urbanização e o aumento da renda per capita Segundo estimativas da ONU, A população mundial atingirá 9,3 bilhões de habitantes em 2050; O maior crescimento populacional ocorrerá nos países em desenvolvimento, onde é esperado incremento do consumo

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

PRINCIPAIS EMPRESAS E GRUPOS BRASILEIROS DO SETOR DE FERTILIZANTES

PRINCIPAIS EMPRESAS E GRUPOS BRASILEIROS DO SETOR DE FERTILIZANTES PRINCIPAIS EMPRESAS E GRUPOS BRASILEIROS DO SETOR DE FERTILIZANTES Eduardo Fernandes Bruna de Almeida Guimarães Romulo Ramalho Matheus * * Respectivamente, gerente e estagiária do Departamento de Indústria

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 316. Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural. 2. A propósito, cumpre esclarecer que:

CARTA-CIRCULAR Nº 316. Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural. 2. A propósito, cumpre esclarecer que: CARTA-CIRCULAR Nº 316 Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural AQUISIÇÃO DE FERTILIZANTES QUÍMICOS E MINERAIS Preços Máximos Estamos anexando cópia da Resolução CIP nº 87, de 30.01.79,

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Atuação do BNDES no setor de fertilizantes no Brasil e perspectivas de investimentos

Atuação do BNDES no setor de fertilizantes no Brasil e perspectivas de investimentos Atuação do BNDES no setor de fertilizantes no Brasil e perspectivas de investimentos Agenda 1. O BNDES e o apoio ao setor de fertilizantes 2. Projetos atuais e em perspectiva 3. Fatores de competitividade

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos:

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos: Setor Siderúrgico 1 O setor siderúrgico brasileiro passou por profundas transformações na década de 90, tendo como principal elemento de mudança o processo de privatização do setor, que desencadeou, num

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

FERTILIZANTES FERTILIZANTES: UMA VISÃO GLOBAL SINTÉTICA. Victor Pina Dias Eduardo Fernandes*

FERTILIZANTES FERTILIZANTES: UMA VISÃO GLOBAL SINTÉTICA. Victor Pina Dias Eduardo Fernandes* FERTILIZANTES: UMA VISÃO GLOBAL SINTÉTICA Victor Pina Dias Eduardo Fernandes* * Respectivamente, estagiário de Economia e gerente do Departamento de Indústrias Químicas do BNDES. FERTILIZANTES Resumo Os

Leia mais

Integração Vertical, Grupos Estratégicos e Competitividade: o caso do sistema agroindustrial da soja no Brasil

Integração Vertical, Grupos Estratégicos e Competitividade: o caso do sistema agroindustrial da soja no Brasil Integração Vertical, Grupos Estratégicos e Competitividade: o caso do sistema agroindustrial da soja no Brasil Autoria: Leonardo Junho Sologuren, Germano Mendes De Paula Resumo As profundas mudanças no

Leia mais

O Mercado e o Desafio da Industria de Fertilizantes no Brasil

O Mercado e o Desafio da Industria de Fertilizantes no Brasil Vicente Lobo Diretor de Mineração e Projetos Bunge Fertilizantes O Mercado e o Desafio da Industria de Fertilizantes no Brasil Setembro 2008 A Importância dos Principais Nutrientes O Nitrogênio (N) é essencial

Leia mais

Commodity Insight Balanço de Oferta e Demanda de Macronutrientes 2013

Commodity Insight Balanço de Oferta e Demanda de Macronutrientes 2013 Commodity Insight Balanço de Oferta e Demanda de Macronutrientes 2013 A INTL FCStone Inc. é uma empresa listada na Fortune 500 que fornece aos clientes pelo mundo serviços de execução e consultoria em

Leia mais

INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE

INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo - SDC Departamento de Cooperativismo e Associativismo - DENACOOP INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE CONSÓRCIO Raul de Oliveira Fontoura

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

FERTILIZANTES. Fertilizantes/Fosfato/Potássio

FERTILIZANTES. Fertilizantes/Fosfato/Potássio Informações e Análises da Economia Mineral Brasileira 7ª Edição FERTILIZANTES Os produtores de Fertilizantes vêm pleiteando há anos uma reforma fiscal que possa trazer a isonomia tributária entre o produto

Leia mais

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS Absorção plantas Prof. Dilmar Baretta (UDESC/CEO) & Profa. Carolina Baretta (UDESC/CEO/UNOCHAPECÓ) Roteiro da aula: 1) Noções de fertilizantes e escolha

Leia mais

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Marcelo Alves Pereira, Bunge Fertilizantes Novembro - 2009 Estimativas da ONU indicam que a população mundial em 2050 será de

Leia mais

Dlt Dalton Carlos Heringer CEO e Membro do Conselho. Diretor de Controladoria e de Relações com Investidores. 12 de Março de 2009

Dlt Dalton Carlos Heringer CEO e Membro do Conselho. Diretor de Controladoria e de Relações com Investidores. 12 de Março de 2009 Visão Geral Da Companhia Dlt Dalton Carlos Heringer CEO e Membro do Conselho Wilson Rio Mardonado d Diretor de Controladoria e de Relações com Investidores 12 de Março de 2009 Mercado Mundial de Fertilizantes

Leia mais

AMA BRASIL ASSOCIAÇÃO DOS MISTURADORES DE ADUBOS DO BRASIL

AMA BRASIL ASSOCIAÇÃO DOS MISTURADORES DE ADUBOS DO BRASIL ASSOCIAÇÃO DOS MISTURADORES DE ADUBOS DO BRASIL PROJETOS DE LEI DO SENADO Nº 237/2008 E 114/2009 SENADO FEDERAL ISENÇÃO DO ADICIONAL DE FRETE PARA RENOVAÇÃO DA MARINHA MERCANTE SOBRE FERTILIZANTES CARLOS

Leia mais

O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E AS INFLUÊNCIAS MUNDIAIS

O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E AS INFLUÊNCIAS MUNDIAIS O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E AS INFLUÊNCIAS MUNDIAIS www.espm.br/centraldecases O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E AS INFLUÊNCIAS MUNDIAIS Preparado por Profa. Dra. Maria Flávia de Figueiredo

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

Estruturação e Integração do Planejamento Tático e Operacional

Estruturação e Integração do Planejamento Tático e Operacional Estruturação e Integração do Planejamento Tático e Operacional Outubro de 2012 1 Conteúdo Bunge Diagnóstico de Gestão da Cadeia de Valor Evolução do planejamento tático e operacional Resultados do projeto

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 O SISTEMA LOGÍSTICO DO MILHO EM UM ARMAZÉM GRANELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ: UM ESTUDO DE CASO Luiz

Leia mais

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS Volnei Pauletti ADUBOS Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química ADUBOS Definição: Toda substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, fornecedora de um ou mais nutrientes

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA A RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO - BIRD

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA A RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO - BIRD CONTRATO Nº 48000.003155/2007-17: DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DUODECENAL (2010-2030) DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME SECRETARIA

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Visão Geral da Companhia

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Visão Geral da Companhia Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes Visão Geral da Companhia Agosto 2009 1 Mercado Mundial de Fertilizantes 2 ( Em milhões de toneladas de nutrientes) Mercado Mundial de Fertilizantes por Nutrientes

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Consórcio de Cooperativas:

Consórcio de Cooperativas: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo Departamento de Cooperativismo e Associativismo Rural Consórcio de Cooperativas: uma estratégia

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

1. Quem Somos 2. Os acionistas 3. Estrutura da empresa 4. Estratégia, Conceito de negócios e serviços 5. Área de atuação: portfólio, regiões e

1. Quem Somos 2. Os acionistas 3. Estrutura da empresa 4. Estratégia, Conceito de negócios e serviços 5. Área de atuação: portfólio, regiões e 1. Quem Somos 2. Os acionistas 3. Estrutura da empresa 4. Estratégia, Conceito de negócios e serviços 5. Área de atuação: portfólio, regiões e culturas agrícolas 6. Diferenciais de valor 7. Nosso presente

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Ano 5 no 43 novembro/2012 Ano 5 no 41 maio/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 26/2008 CPI dos Insumos Agrícolas

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 26/2008 CPI dos Insumos Agrícolas DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Porto Alegre, terça-feira, 4 de novembro de 2008. 1 PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 26/2008 CPI dos Insumos Agrícolas Aprova o Relatório Final da Comissão Parlamentar de

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL. fertilizantes formulados à base de nitrogênio, fósforo e potássio. Outro problema levantado foi a

ANÁLISE DO MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL. fertilizantes formulados à base de nitrogênio, fósforo e potássio. Outro problema levantado foi a ANÁLISE DO MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL Daltro CELLA * Mário César de Lima ROSSI ** RESUMO em acompanhar o ritmo de crescimento da demanda. As importações de matéria-prima foram à solução encontrada

Leia mais

ROULLIER. Alcançando a diferenciação em commodities. www.espm.br/centraldecases

ROULLIER. Alcançando a diferenciação em commodities. www.espm.br/centraldecases ROULLIER Alcançando a diferenciação em commodities www.espm.br/centraldecases ROULLIER Alcançando a diferenciação em commodities Preparado pelo Prof. Artur Vasconcellos, da ESPM-RS. Este caso foi escrito

Leia mais

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia Bernardo Campolina Universidade Federal do Tocantins Seminário Crise Mundial e Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades para o Brasil BNDES Rio de

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

Fertilizantes Heringer S.A.

Fertilizantes Heringer S.A. Fertilizantes Heringer S.A. Visão Geral da Empresa e Mercado aonde esta inserida Resultados do 4º trimestre e do ano de 2007 Dalton Carlos Heringer Jaime Rebelo - CEO e Membro do Conselho - CFO e Diretor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS FERNANDO FERRI A ESTRUTURA E A ESTRATÉGIA CONCORRENCIAL DA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES NO BRASIL

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Comercialização no agronegócio. Aulas 1 e 2

Comercialização no agronegócio. Aulas 1 e 2 Comercialização no agronegócio Aulas 1 e 2 Principais itens da cadeia produtiva Produtos finais disponíveis ao consumidor; Elos a MONTANTE e a JUSANTE da agropecuária; Transações entre os segmentos;

Leia mais

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais.

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais. SEMEANDO A (IN) SUSTENTABILIDADE: DISCUSSÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE INSUMOS QUÍMICOS NA AGRICULTURA Autora: Doris Sayago 1 Instituição: Centro de Desenvolvimento Sustentável CDS/UnB Palavras chave: sustentabilidade,

Leia mais

Empresas Globais, Estratégia de Financiamento e Investimento Estratégico no Brasil: Indústria de Fertilizantes Agrícolas

Empresas Globais, Estratégia de Financiamento e Investimento Estratégico no Brasil: Indústria de Fertilizantes Agrícolas Empresas Globais, Estratégia de Financiamento e Investimento Estratégico no Brasil: Indústria de Fertilizantes Agrícolas Luiz Carlos de Oliveira Lima, Ph.D Coordenador do Centro de Pesquisa e Pós-graduação

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro

Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro Monitorando riscos e oportunidades: Como as grandes empresas estão se preparando para as mudanças climáticas André Nassar 8 de maio

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL 1 Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º - Águas minerais são aquelas provenientes de fontes naturais ou de fontes artificialmente

Leia mais

1.1 - Incluir a caracterização do inciso IX se e for oriunda da agricultura familiar deverá, visando corrigir distorções.

1.1 - Incluir a caracterização do inciso IX se e for oriunda da agricultura familiar deverá, visando corrigir distorções. Assunto: Sugestões da Petrobras Biocombustível para alteração da minuta da Portaria do Selo Combustível Social, fornecida pelo MDA em reunião com representantes das empresas produtoras de Biodiesel e disponibilizada

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais