Artigo ECONOMIA MONETÁRIA I [A] 24/3/2005 PROF. GIÁCOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1. Demanda de Moeda por Especulação O Modelo de James Tobin (1958)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Artigo ECONOMIA MONETÁRIA I [A] 24/3/2005 PROF. GIÁCOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1. Demanda de Moeda por Especulação O Modelo de James Tobin (1958)"

Transcrição

1 Demanda de Moeda por Especulação O Modelo de James Tobin (1958) Prof. Giácomo Balbinotto Neto UFRGS/FCE 25 Artigo Tobin, James (1958). Liquidity Preference as a Behaviour Toward Risk. Review of Economics Studies, 25: James Tobin 3 [UFRGS] 1

2 As contribuições de Tobin (1958) Tobin (1958) procurou restabelecer, em nível teórico, a demanda por moeda por especulação livres das criticas e restrições apontadas à dedução keynesiana original. [cf. Lopes & Rosetti (1998,p.8)] 4 Os pontos básicos da contribuição de Tobin (1958) O objetivo do modelo de Tobin (1958) foi explorar o modo pelo qual os indivíduos irão alocar seus ativos financeiros entre moeda e títulos e em particular mostrar como esta acumulação irá depender da taxa de juros. 5 (i) os indivíduos acumularam um certo conjunto de ativos que consiste de moeda e ativos financeiros e devem decidir como alocar este portfólio entre os dois; (ii) a moeda não é somente um meio de troca, mas também um ativo que permite a um indivíduo acumular riqueza na forma de ativos monetários. Contudo a moeda é estéril no sentido de que ela não gera renda pecuniária; 6 [UFRGS] 2

3 (iii) a moeda e os títulos são distinguidos pelo fato de que a a primeira é fixa num preço enquanto a outra varia. Isto implica que a riqueza mantida em forma de moeda têm um valor capital que é nominalmente certo, enquanto que a riqueza mantida em forma de títulos tem um valor incerto; 7 (iv) o preço do título varia inversamente com a taxa de juros. Assim, quem detiver títulos pode diversificar os ganhos de capital se o seu preço aumenta ou prejudicar-se com a perda de capital. Assim, os títulos expõe o possuidor de ativos ao risco e quanto maior a proporção de riqueza mantida em títulos, maior este risco de ganho ou perda de capital. Por outro lado quanto maior a proporção de riqueza mantida em títulos, maior a renda de juros. 8 Assim, o indivíduo faz face a um dilema (trade off) entre taxa de juros e risco: para ganhar mais renda de juros ele deve aceitar incorrer em maior risco. Em outras palavras, quanto maior o risco que ele aceita, maior a renda de juros que ele irá ganhar. Portanto, a renda de juros e riscos são positivamente correlacionados. 9 [UFRGS] 3

4 g = [(i/if) 1] 1 Ganhos de capital Taxa de juro corrente i > if g > i < if g < i = if g = Taxa de juro futura (v) a soma do valor nominal do portfólio A é igual a soma da moeda (M) e dos títulos (B/i), isto é: A = M + (B/i) 1 = (M/A) + [(B/i)/A] 1 = A1 + A2 A1 = proporção de ativos mantidos em moeda; A2 = proporção de ativos mantidos em títulos. 11 Dado o tamanho do seu portfólio de ativos, o indivíduo deve decidir como alocar entre moeda e títulos o seu montante de riqueza financeira de modo a maximizar sua riqueza. Dada a restrição de riqueza que ele faz face temos que: A1 = 1 - A2 12 [UFRGS] 4

5 (vi) O retorno sobre um dado portfólio é dado por: Proporção de ativos mantidos em títulos R = A2 (i + g) Retorno do portfólio Ganho de capital Taxa de juros corrente 13 Risco (σr) σg σr Variabilidade do ganho A2 1 A2 14 O retorno esperado E (R) é dado por: (3) E (R) = A2 i Implicitamente assumimos que E(g) = 15 [UFRGS] 5

6 Por que o ganho esperado [E(g)] é assumido ser igual a zero? Embora g (o ganho esperado) fosse calculado pela equação [E (R) = A2 i ], seu valor esperado é igual a zero para os possuidores de ativos porque eles são incertos quanto as futuras taxas de juros que podem ser altas e baixas em relação a taxa corrente. Assim, em média, o rendimento esperado dos ganhos de capital será nulo. 16 (vii) o desvio padrão ou a variabilidade de [g] (os ganhos de capital) σg é um índice de risco associado com a manutenção de ativos. O risco associado σr associado com todo o portfólio é dado pela eq. (4): (4) σr = σg (A2) como σg é constante por hipótese, a eq. (4) indica que o risco total, σr, é uma função linear de A2, a proporção do portfólio mantida em títulos. 17 (viii) A relação entre o retorno esperado e o risco do portfólio é dada por: E (R) = A2 i σr = σg (A2) A2 = σr / σg (5) E (R) = [i (σr) / σg] 18 [UFRGS] 6

7 O locus de oportunidade indica que os indivíduos somente estão dispostos a aceitarem maiores riscos em troca de receberem maiores retornos. E (R) i1 / σg io / σg Locus de oportunidade 19 σr ER A relação entre o risco e retorno e a proporção de ativos mantida em títulos (i/σg) σr 2 A2 σg A relação entre o risco e retorno e a proporção de ativos mantida em títulos A figura acima mostra como o risco e o retorno esperado estão relacionados e proporção do total do portfólio mantido em títulos. Assim, quanto maior for a proporção de títulos que um indivíduo deter em seu portfólio, maior será o risco incorrido, mas também maior será o retorno esperado. 21 [UFRGS] 7

8 O modelo de Tobin (1958) - pressupostos (ix) as curvas de indiferença indicam as preferências dos indivíduos por risco e retorno. As curva de indiferença são côncavas para cima indicando que um aumento no retorno esperado é requerido pelos indivíduos avessos ao risco para manter o seu possuidor com o mesmo nível de utilidade. 22 O modelo de Tobin (1958) - pressupostos Um movimento ao longo da curva de indiferença risco-retorno implicam que o indivíduo têm o mesmo nível de utilidade. Um deslocamento para cima da curva de indiferença indica que o individuo melhorou seu nível de bemestar, visto que menos risco é preferindo a mais risco e um maior retorno é preferindo a um menor retorno. 23 As curvas de indiferença risco-retorno E(R) σr* σr 24 [UFRGS] 8

9 A determinação do portfólio ótimo ER U1 (i/σg) E Uo σr A2* 25 A2 1 σg A determinação do portfólio ótimo A curva de indiferença [que mostra o que o individuo deseja fazer] tangencia a locus de oportunidade [que mostra o que o indivíduo pode fazer], obtemos a composição ótima do portfólio. Neste ponto obtemos o risco ótimo que o indivíduo está disposto a correr tendo em vista o retorno esperado que irá obter com uma dada proporção de seu riqueza (A2) alocada em títulos. + - U = ( R, σ) 26 Os efeitos renda e substituição A conclusão de que um aumento na taxa de juros irá resultar em um declínio na demanda por moeda exige um pressuposto adicional, que o efeito-substituição domina qualquer possível efeito-renda negativo. 27 [UFRGS] 9

10 Os efeitos renda e substituição Um aumento na taxa de juros sobre os títulos melhora os termos do trade-off entre risco e retorno, tornando os títulos mais desejáveis, isto corresponde ao habitual efeito-substituição na teoria da demanda do consumidor. 28 Os efeitos renda e substituição Há também um efeito-renda, porem, que pode funcionar na direção oposta com uma taxa de juros mais altos, um dado retorno pode, agora, ser alcançado com uma proporção mais baixa de títulos no portfólio. 29 Esse efeito-renda pode levar o investidor a reduzir a demanda por títulos e aumentar a segurança ganha com a manutenção de moeda. (i1/σg) ER E1 U1 (io/σg) Eo σr A2* 3 A2 1 σg [UFRGS] 1

11 Demanda por moeda por especulação i Me DMe 31 i E ( R) A2 A1 σr A2 32 A1 σr Análise do Modelo de Tobin (1958) (i) a análise da demanda por moeda por especulação de Tobin (1958) é apenas uma das aplicações das idéias básicas da teoria da escolha de portfólio desenvolvidas no inicio da década de 195; 33 [UFRGS] 11

12 Análise do Modelo de Tobin (1958) (ii) o modelo desenvolvido por Tobin (1958) dá o mesmo resultado que a a análise de Keynes (1936) sobre a demanda por moeda por especulação: que ela é inversamente relacionada ao nível da taxa de juros. 34 Análise do Modelo de Tobin (1958) No entanto, este modelo destaca dois pontos importantes que não foram destacados por Keynes (1936): 1) os indivíduos diversificam seus portfólio e retém moeda e títulos ao mesmo tempo; 35 2) mesmo que o retorno esperado sobre os títulos seja maior do que o retorno esperado sobre a moeda, os indivíduos ainda assim irão reter moeda como estoque de riqueza porque seu retorno é mais seguro; 36 Análise do Modelo de Tobin (1958) Dentro da estrutura teórica de Tobin (1958), um aumento na taxa de juros pode ser considerado um aumento no pagamento recebido por assumir o risco. Quando o pagamento dos juros é aumentado, o investidor individual dispõe-se a correr mais risco aplicando uma proporção maior de seu portfólio no ativo arriscado (títulos) e, assim, uma proporção menor no ativo seguro [moeda]. [UFRGS] 12

13 Análise do Modelo de Tobin (1958) (iii) a análise de Tobin (1958) demonstra que as pessoas podem reduzir a quantidade total de risco em um portfólio diversificando, isto é, mantendo em seu poder tanto títulos quanto moeda. O modelo indica que os indivíduos manterão, simultaneamente, tanto títulos como moeda como reserva de valor. 37 Uma vez que seja mais realista do que a de Keynes (1936), o fundamento lógico para a demanda especulativa por moeda parece se apoiar em bases mais sólidas, Análise do Modelo de Tobin (1958) (iv) Na teoria de Tobin (1958), o investidor individual não têm um nível normal fixo ao qual sempre espera que as taxas de juros retornem, como em Keynes (1936). Aqui supomos que que o indivíduo acredita que tanto os ganhos como as perdas de capital sejam igualmente prováveis vale dizer, que tanto os ganhos como as perdas de capital sejam igualmente prováveis vale dizer, que o ganho de capital esperado é zero. 38 A melhor expectativa de retorno dos títulos é simplesmente a taxa de juros. Análise do Modelo de Tobin (1958) (v) No modelo de Tobin (1958), a taxa de juros é apenas o retorno esperado dos títulos; o retorno efetivo geralmente inclui algum ganho ou perda de capital, uma vez que a taxa de juros em geral não permanece fixa. 39 Assim, os títulos pagam um retorno esperado igual a taxa de juros, mas como são um ativo de risco seu retorno efetivo é incerto. [UFRGS] 13

14 FIM Demanda de Moeda por Especulação O modelo de James Tobin (1958) Prof. Giácomo Balbinotto Neto UFRGS/FCE [UFRGS] 14

Demanda Agregada salários e preços rígidos

Demanda Agregada salários e preços rígidos Demanda Agregada salários e preços rígidos Arranjos institucionais salários são periodicamente e não continuamente. revistos (1) comum em suporte para a rigidez de preços: custos associados com mudanças

Leia mais

PROF. GIACOMO BALBINOTTO 1

PROF. GIACOMO BALBINOTTO 1 ECONOMIA DA APOSENTADORIA (ECONOMICS OF RETIREMENT) Prof. Giácomo Balbinotto Neto PPGE/UFRGS A economia da aposentadoria - questões - Como um trabalhador escolhe sua idade de aposentadoria? - Qual é a

Leia mais

4. Modelos Neoclássicos de Demanda por Moeda 4.1. Modelo Baumol-Tobin (demanda transacional)

4. Modelos Neoclássicos de Demanda por Moeda 4.1. Modelo Baumol-Tobin (demanda transacional) 4. Modelos Neoclássicos de Demanda por Moeda 4.1. Modelo Baumol-Tobin (demanda transacional) Carvalho et al. (2015: cap. 5) Lopes e Rosseti (2013, s.2.3) 27/09/2017 1 Os autores Baumol-Tobin procuram complementar

Leia mais

I MACROECONOMIA BÁSICA: AGREGADOS MACROECONÔMICOS,

I MACROECONOMIA BÁSICA: AGREGADOS MACROECONÔMICOS, Sumário Resumido Ordem dos Economistas do Brasil, xiii Apresentação, xv Introdução Teoria Macroeconômica: Evolução e Situação Atual, 1 Parte I MACROECONOMIA BÁSICA: AGREGADOS MACROECONÔMICOS, 17 Apresentação,

Leia mais

Risco x Retorno. Fundamentos de Risco e Retorno: Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos.

Risco x Retorno. Fundamentos de Risco e Retorno: Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos. Risco x Retorno Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos. Fundamentos de Risco e Retorno: Em administração e finanças, risco é a possibilidade de perda

Leia mais

Parte III: Construindo a Curva de Oferta. Marta Lemme - IE/UFRJ

Parte III: Construindo a Curva de Oferta. Marta Lemme - IE/UFRJ Parte III: Construindo a Curva de Oferta Marta Lemme - IE/UFRJ III.1. Produção A função de produção é a relação entre a quantidade de insumos que uma firma usa e a quantidade de produto que ela produz.

Leia mais

4. Modelos Neoclássicos de Demanda por Moeda 4.1. Modelo Baumol-Tobin (demanda transacional)

4. Modelos Neoclássicos de Demanda por Moeda 4.1. Modelo Baumol-Tobin (demanda transacional) 4. Modelos Neoclássicos de Demanda por Moeda 4.1. Modelo Baumol-Tobin (demanda transacional) Carvalho et al. (2015: cap. 5) Lopes e Rosseti (2013, s.2.3) 04/10/2017 1 Os autores Baumol-Tobin procuram complementar

Leia mais

A Teoria do Dinheiro de Keynes

A Teoria do Dinheiro de Keynes A Teoria do Dinheiro de Keynes A Teoria Completa: A Preferência Pela Liquidez na Escolha de Ativos Professor Fabiano Abranches Silva Dalto SE506-Economia Economia Monetária e Financeira Capítulo 17 No

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 3

LISTA DE EXERCÍCIOS 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA I PROF: Prof. Dr.Giácomo Balbinotto Neto Estágio Docência: Mestranda do PPGE/Economia

Leia mais

12 Flutuações de Curto Prazo

12 Flutuações de Curto Prazo 12 Flutuações de Curto Prazo Flutuações Econômicas de Curto Prazo A atividade econômica flutua de ano para ano. Em quase todos os anos, a produção aumenta. Nem toda flutuação é causada por variação da

Leia mais

2. Demanda por Moeda em Keynes 2.2. Demanda por moeda e preferência pela liquidez 2.3. Alocação de portfólio e a taxa de juros

2. Demanda por Moeda em Keynes 2.2. Demanda por moeda e preferência pela liquidez 2.3. Alocação de portfólio e a taxa de juros 2. Demanda por Moeda em Keynes 2.2. Demanda por moeda e preferência pela liquidez 2.3. Alocação de portfólio e a taxa de juros Carvalho et al. (2015: caps. 4 e 20.1) 20/09/2017 1 Demanda por moeda, PPL

Leia mais

Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO. CAP. 2 Borjas

Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO. CAP. 2 Borjas Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO CAP. 2 Borjas 1. INTRODUÇÃO Indivíduos procuram maximizar bem estar, consumindo bens e lazer Existe trade-off entre trabalho e lazer Indivíduos precisam de trabalho

Leia mais

DEMANDA POR MOEDA FNC-IE-UNICAMP

DEMANDA POR MOEDA FNC-IE-UNICAMP DEMANDA POR MOEDA Ideia Básica Monetarista: Controle da Oferta de Moeda face à Estabilidade da Demanda por Moeda Motivos da Demanda por Moeda e Preferência pela Liquidez em Keynes Ideia Básica Não adianta

Leia mais

AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO. Tiago Pereira

AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO. Tiago Pereira AS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO Tiago Pereira ELEMENTOS CONCEITUAIS Denominamos PE o volume de atividade operacional em que o total da Margem de Contribuição da quantidade vendida/produzida

Leia mais

Departamento de Gestão e Economia. Microeconomia I 2012/ /4/2013. (120 minutos)

Departamento de Gestão e Economia. Microeconomia I 2012/ /4/2013. (120 minutos) Departamento de Gestão e Economia Microeconomia I 2012/2013 24/4/2013 Nome: Nº: (120 minutos) Na folha existem espaços para apresentar as suas respostas. Faça uma boa afetação do seu tempo. A cotação de

Leia mais

Risco de Carteira. O Desvio Padrão de uma carteira constituída por dois ativos (X e Y) pode ser obtido a partir de:

Risco de Carteira. O Desvio Padrão de uma carteira constituída por dois ativos (X e Y) pode ser obtido a partir de: 1 Risco de Carteira O risco de uma carteira depende não somente do risco de cada elemento que a compõe e de sua participação no investimento total, mas também da forma como seus componentes se relacionam

Leia mais

TEORIA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA - DEMANDA POR MOEDA - O MODELO DE KEYNES (1936) 22/7/2009 PROF. GIÁCOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1

TEORIA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA - DEMANDA POR MOEDA - O MODELO DE KEYNES (1936) 22/7/2009 PROF. GIÁCOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1 TEORIA KEYNESIANA DA DEMANDA POR MOEDA J. M. Keynes & A Teoria Geral (1936,1937) 2 O marco conceitual keynesiano A decisão da qual se ocupa a teoria da demanda por moeda keynesiana é uma decisão acerca

Leia mais

Demanda de Moeda por Precaução. Prof. Giácomo Balbinotto Neto Análise Macroeconômica UFRGS/FCE

Demanda de Moeda por Precaução. Prof. Giácomo Balbinotto Neto Análise Macroeconômica UFRGS/FCE Demanda de Moeda por Precaução Prof. Giácomo Balbinotto Neto Análise Macroeconômica UFRGS/FCE Principais Modelos *Whalen (1966), QJE *Miller & Orr (1966), QJE Weinrobe (1972) SEJ Tsiang, S. C. (1969).

Leia mais

Mercados financeiros e expectativas CAPÍTULO 15. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Mercados financeiros e expectativas CAPÍTULO 15. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Mercados financeiros e Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 15 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard 15.1 Preços dos títulos e rendimentos dos títulos Os títulos diferem em

Leia mais

José Luis Oreiro Professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro Pesquisador Nível IB do CNPq Presidente da Associação

José Luis Oreiro Professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro Pesquisador Nível IB do CNPq Presidente da Associação José Luis Oreiro Professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro Pesquisador Nível IB do CNPq Presidente da Associação Keynesiana Brasileira Economia Monetária 20/11/2013 2

Leia mais

Determinando o Valor de um Ativo. Opções Reais. Exemplo. Exemplo. Portfólio Replicante. IAG PUC-Rio 0.5(200) + 0.5(80) (40) + 0.

Determinando o Valor de um Ativo. Opções Reais. Exemplo. Exemplo. Portfólio Replicante. IAG PUC-Rio 0.5(200) + 0.5(80) (40) + 0. Opções Reais Portfólio Replicante Prof. Luiz Brandão brandao@iag.puc-rio.br IAG PUC-Rio 2011 Determinando o Valor de um Ativo O valor de um ativo de mercado pode ser obtido simplesmente observando o preço

Leia mais

Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros: A Teoria da Preferência pela Liquidez Prof. Giácomo Balbinotto Neto A Teoria da Preferência pela Liquidez [Keynes (1936, caps. 13-17)] A Teoria da Preferência pela Liquidez

Leia mais

Introdução à Macroeconomia. Danilo Igliori

Introdução à Macroeconomia. Danilo Igliori Introdução à Macroeconomia Danilo Igliori (digliori@usp.br) Construindo o modelo IS-LM 1 Contexto No último capítulo introduzimos o modelo de demanda e oferta agregadas. No longo prazo: preços flexíveis

Leia mais

MICROECONOMIA PA R T E I I. Demanda Individual e de Mercado Slutsky (Efeito Renda e Substituição) Escolha Intertemporal Elasticidades Incerteza

MICROECONOMIA PA R T E I I. Demanda Individual e de Mercado Slutsky (Efeito Renda e Substituição) Escolha Intertemporal Elasticidades Incerteza MICROECONOMIA PA R T E I I Demanda Individual e de Mercado Slutsky (Efeito Renda e Substituição) Escolha Intertemporal Elasticidades Incerteza DEMANDA INDIVIDUAL E DE MERCADO A demanda individual revela

Leia mais

os custos totais são determinados pela soma entre os custos variáveis e os custos fixos.

os custos totais são determinados pela soma entre os custos variáveis e os custos fixos. Módulo 7 Teoria dos Custos Como destacamos em alguns dos módulos anteriores, os produtores são indivíduos racionais, e como tais irão buscar maximizar seus resultados ao realizarem suas atividades produtivas.

Leia mais

Expectativas: ferramentas básicas

Expectativas: ferramentas básicas Expectativas: ferramentas básicas C A P Í T U L O 14 slide 1 Introdução Muitas decisões econômicas dependem não apenas do que acontece hoje, mas também das expectativas em relação ao futuro. Qual seria

Leia mais

ELE2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais.

ELE2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais. ELE2005: Análise Estratégica de Investimentos e de Decisões com Teoria dos Jogos e Jogos de Opções Reais. Segunda Prova Extra (P2 de segunda chamada) 18/12/2006 OBS: 1) A prova é SEM CONSULTA. A nota da

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia Prova de Microeconomia 1) Acerca do comportamento do consumidor pode-se afirmar que: I. O formato das curvas de indiferença pode significar diferentes graus de desejo de substituir uma mercadoria por outra.

Leia mais

FEARP-USP Determinantes da Taxa de Câmbio. Prof. Dra. Roseli da Silva.

FEARP-USP Determinantes da Taxa de Câmbio. Prof. Dra. Roseli da Silva. FEARP-USP Determinantes da Taxa de Câmbio Prof. Dra. Roseli da Silva roselisilva@fearp.usp.br Taxas de Câmbio Material preparado tendo por base o livro-texto: Mishkin, 2013,10 th Ed, capítulos 17 e 18

Leia mais

Introdução à Macroeconomia

Introdução à Macroeconomia UFRJ / CCJE / IE / PPED Teoria Econômica II Introdução à Macroeconomia Modelo Keynesiano Simples Froyen (caps.5 e 6.) Vasconcellos (caps.0 e ) Hipótese nível tecnológico, estoque de capital e estoque de

Leia mais

CAPÍTULO 17. Expectativas, produto e política econômica. Olivier Blanchard Pearson Education

CAPÍTULO 17. Expectativas, produto e política econômica. Olivier Blanchard Pearson Education Expectativas, produto e política econômica Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 17 17.1 Expectativas e decisões: fazendo o balanço Figura 17.1 Expectativas e gastos: os canais As expectativas afetam

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 14 PARTE II: PRODUÇÃO BIBLIOGRAFIA DA PARTE II: Krugman & Wells, cap. 7, 8 e 9 Varian, caps. 18,19,21,22,23 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells,

Leia mais

Risco de Portfólios em Múltiplas Frequências

Risco de Portfólios em Múltiplas Frequências Risco de Portfólios em Múltiplas Frequências Joana Ramos FCUP 25 de Janeiro de 2013 Joana Ramos (FCUP) Risco de Portfólios em Múltiplas Frequências 25 de Janeiro de 2013 1 / 26 Abstract Portfolio risk

Leia mais

Microeconomia. Bibliografia. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 21. Pindyck & Rubinfeld, caps. 3 e 4.

Microeconomia. Bibliografia. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 21. Pindyck & Rubinfeld, caps. 3 e 4. Microeconomia Arilton Teieira arilton@fucape.br 2012 1 Bibliografia Mankiw, cap. 21. Pindck & Rubinfeld, caps. 3 e 4. 2 Mercados: Consumidores e Produtores P S(P, tech., insumos) P* D(P, renda, outros)

Leia mais

Parte II Teoria da Firma

Parte II Teoria da Firma Parte II Teoria da Firma Custos Roberto Guena de Oliveira 8 de maio de 2017 USP 1 Sumário 1 Conceitos básicos 2 A função de custo O caso de um único fator variável Custos com um mais de um fator variável

Leia mais

Exercícios. Finanças Benjamin M. Tabak

Exercícios. Finanças Benjamin M. Tabak Exercícios Finanças Benjamin M. Tabak ESAF BACEN - 2002 Uma carteira de ações é formada pelos seguintes ativos: Ações Retorno esperado Desvio Padrão Beta A 18% 16% 1,10 B 22% 15% 0,90 Também se sabe que

Leia mais

Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos. Fundamentos de Risco e Retorno:

Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos. Fundamentos de Risco e Retorno: Risco x Retorno Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos. Fundamentos de Risco e Retorno: Em administração e finanças, risco é a possibilidade de perda

Leia mais

Capítulo 6. Política Macroeconómica no curto prazo com câmbios fixos. Política macro de curto prazo

Capítulo 6. Política Macroeconómica no curto prazo com câmbios fixos. Política macro de curto prazo Capítulo 6 Política Macroeconómica no curto prazo com câmbios fixos Política macro de curto prazo Quais os objectivos da política macroeconómica em economia aberta? Qual a eficácia das políticas macro

Leia mais

MOEDA E INFLAÇÃO Macro VI

MOEDA E INFLAÇÃO Macro VI MOEDA E INFLAÇÃO Macro VI I INTRODUÇÃO: TEORIA MONETÁRIA Teoria monetária: é a teoria que relaciona mudanças na quantidade de moeda à mudanças na atividade econômica agregada e no nível de preços. Nível

Leia mais

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo,

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo, Teoria do consumidor 1 Pedro Rafael Lopes Fernandes Qualquer modelo que vise explicar a escolha do consumidor é sustentado por quatro pilares. Estes são o conjunto consumo, o conjunto factível, a relação

Leia mais

PESQUISA EM MERCADO DE CAPITAIS. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

PESQUISA EM MERCADO DE CAPITAIS. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. PESQUISA EM MERCADO DE CAPITAIS Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Cap. 13 O Modelo Padrão de Precificação dos Ativos ELTON, E.; GRUBER, M.; BROWN, S., GOETZMANN, W. Moderna Teoria de Carteiras e Análise

Leia mais

Demanda por Moeda e Armadilha de Liquidez. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h=p://fernandonogueiracosta.wordpress.

Demanda por Moeda e Armadilha de Liquidez. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h=p://fernandonogueiracosta.wordpress. Demanda por Moeda e Armadilha de Liquidez Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h=p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Mo#vos da demanda por moeda em Keynes Transacional: para despesas

Leia mais

Modelo Keynesiano Simples

Modelo Keynesiano Simples Modelo Keynesiano Simples 1. (ESAF) Considere: Y = C(Y) + I + G + X - M(Y) C(Y) = Co + 0,7.Y M(Y) = Mo + 0,5.Y I = 700 G = 200 X = 300 Co = 500 Mo = 100 Onde Y = produto; I = investimento; G = gastos do

Leia mais

Aula 3 - Modelo Keynesiano Simples

Aula 3 - Modelo Keynesiano Simples Aula 3 - Modelo Keynesiano Simples 1. (ESAF) Considere: Y = C(Y) + I + G + X - M(Y) C(Y) = Co + 0,7.Y M(Y) = Mo + 0,5.Y I = 700 G = 200 X = 300 Co = 500 Mo = 100 Onde Y = produto; I = investimento; G =

Leia mais

Política Monetária Inflação, Desinflação e Deflação No equilíbrio de médio prazo a inflação é igual a meta se o banco central estabiliza o desemprego

Política Monetária Inflação, Desinflação e Deflação No equilíbrio de médio prazo a inflação é igual a meta se o banco central estabiliza o desemprego Política Monetária Função de Reação a Choques Âncora Nominal para o nível de preços ou inflação meta no médio prazo Como a taxa de juros se ajusta ao choques O que está errado com a Inflação? Qual é a

Leia mais

MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO

MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO 2013 MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO Sumário PARTE I... 2 [RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA]... 2 [UTILIDADE E DEMANDA]... 2 [UTILIDADE E ESCOLHA]... 3 [PREFERÊNCIAS]... 3 [ÍNDICES DE PREÇO]... 3

Leia mais

TEMA: Paridade da Taxa de Juros Determinação da Taxa de Câmbio sob Câmbio Flutuante

TEMA: Paridade da Taxa de Juros Determinação da Taxa de Câmbio sob Câmbio Flutuante TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217 TEMA: Paridade da Taxa de Juros Determinação da Taxa de Câmbio sob Câmbio Flutuante Aula 13 Professores: Márcio Gomes Pinto Garcia Márcio Janot 30/04/2009 1 Professores:

Leia mais

GST0071- Administração Financeira

GST0071- Administração Financeira GST0071- Administração Financeira Objetivos üentender como funciona correlação de carteiras. üconhecer a relação de Risco Beta. ücompreender o modelo de precificação de ativos (CAPM). 25 October 2016 CCE0370

Leia mais

Risco. Definição: Uma lotaria é qualquer evento com um resultado incerto. Exemplos: Investimento, Jogos de Casino, Jogo de Futebol.

Risco. Definição: Uma lotaria é qualquer evento com um resultado incerto. Exemplos: Investimento, Jogos de Casino, Jogo de Futebol. Risco Definição: Uma lotaria é qualquer evento com um resultado incerto. Exemplos: Investimento, Jogos de Casino, Jogo de Futebol. Definição: A probabilidade de um resultado (de uma lotaria) é a possibilidade

Leia mais

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007 Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007 LEC 201 Macroeconomia I A Macroeconomia no Curto Prazo: Modelo IS-LM Introdução Introdução MKS: nível de produto/rendimento é um múltiplo do nível

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Cap. 10 Multicolinearidade: o que acontece se os regressores são correlacionados? Fonte: GUJARATI; D. N. Econometria Básica: 4ª Edição. Rio de Janeiro.

Leia mais

PESQUISA EM MERCADO DE CAPITAIS. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

PESQUISA EM MERCADO DE CAPITAIS. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. PESQUISA EM MERCADO DE CAPITAIS Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Cap. 6 Técnicas de Cálculo da Fronteira Eficiente ELTON, E.; GRUBER, M.; BROWN, S., GOETZMANN, W. Moderna Teoria de Carteiras e Análise

Leia mais

MOEDA, TAXAS DE JUROS E TAXAS DE CÂMBIO TÓPICOS DO CAPÍTULO

MOEDA, TAXAS DE JUROS E TAXAS DE CÂMBIO TÓPICOS DO CAPÍTULO MOEDA, TAXAS DE JUROS E TAXAS DE CÂMBIO R e f e r ê n c i a : C a p. 15 d e E c o n o m i a I n t e r n a c i o n a l : T e o r i a e P o l í t i c a, 1 0 ª. E d i ç ã o P a u l R. K r u g m a n e M a

Leia mais

Investimentos. António M. R. G. Barbosa. Dia 25: 17/Abr/12. António Barbosa (IBS) Investimentos Dia 25: 17/Abr/12 1 / 22

Investimentos. António M. R. G. Barbosa. Dia 25: 17/Abr/12. António Barbosa (IBS) Investimentos Dia 25: 17/Abr/12 1 / 22 Investimentos António M. R. G. Barbosa Dia 25: 17/Abr/12 António Barbosa (IBS) Investimentos Dia 25: 17/Abr/12 1 / 22 Sumário 1 Efeito de diversificação entre 2 activos 2 António Barbosa (IBS) Investimentos

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Economia Monetária 3º ano de Economia Prova para dispensa de exame final 14/2/2001 Duração: 120 minutos

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Economia Monetária 3º ano de Economia Prova para dispensa de exame final 14/2/2001 Duração: 120 minutos Economia Monetária 3º ano de Economia Prova para dispensa de exame final 14/2/2001 1. Responda às seguintes questões: a) Analise de que forma as funções da moeda são actualmente desempenhadas pelo euro.

Leia mais

Aula 23 Tema: Política monetária: distorções e regra de Taylor

Aula 23 Tema: Política monetária: distorções e regra de Taylor TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217 Aula 23 Tema: Política monetária: distorções e regra de Taylor 10/06/07 1 Revisando... No curto prazo, a política monetária afeta o produto e a sua composição: um aumento

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções. x 2 5 = 40 x.

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções. x 2 5 = 40 x. Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções 1) Dada as funções de demanda p(x) = 40 x e de oferta p(x) = x 5, pede-se: a) O ponto

Leia mais

Bizú de Noções de Macroeconomia Agente Fiscal de Rendas Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Bizú de Noções de Macroeconomia Agente Fiscal de Rendas Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Bizú de Noções de Macroeconomia Agente Fiscal de Rendas Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Olá, Pessoal! A FCC costumeiramente cobra em prova, por meio de questões, praticamente todos os temas

Leia mais

Capítulo 2 Taxas de Juro

Capítulo 2 Taxas de Juro Capítulo 2 Taxas de Juro 2.1. DEFINIÇÕES E MEDIDAS DE TAXAS DE JURO Margarida Abreu EMF - ISEG 1 2.1.1. Valor Actualizado, Valor Futuro e Juros Compostos Valor Futuro (FV Future Value) É o valor, numa

Leia mais

AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA

AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA Rossetti (Cap. III) As 4 Questões Chave da Economia Eficiência Produtiva Eficácia alocativa Justiça distributiva e Ordenamento Institucional Principais Elementos

Leia mais

A Teoria do Dinheiro de Keynes: Demanda por Moeda e Preferência Pela Liquidez

A Teoria do Dinheiro de Keynes: Demanda por Moeda e Preferência Pela Liquidez A Teoria do Dinheiro de Keynes: Demanda por Moeda e Preferência Pela Liquidez Referência Bibliográfica: KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do Juros e do Dinheiro. Capítulos 13, 15 e 17 CARVALHO,

Leia mais

Política monetária: Inflação e o regime de metas

Política monetária: Inflação e o regime de metas Política : Inflação e o regime de metas C A P Í T U L O 25 Prof. Alexandre Nunes Esalq/USP slide 1 25.1 Vimos No CP, uma política expansionista leva a diminuição de i e uma depreciação da moeda, onde ambos

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional. e Macroeconomia APRESENTAÇÃO DE APOIO. 1º Encontro. Pós-Graduação em Finanças, Investimentos e Banking

Sistema Financeiro Nacional. e Macroeconomia APRESENTAÇÃO DE APOIO. 1º Encontro. Pós-Graduação em Finanças, Investimentos e Banking Sistema Financeiro Nacional APRESENTAÇÃO DE APOIO e Macroeconomia 1º Encontro Pós-Graduação em Finanças, Investimentos e Banking O objetivo da disciplina é instrumentalizar o aluno para compreender as

Leia mais

Capítulo 4 Teoria da Produção

Capítulo 4 Teoria da Produção Capítulo 4 Teoria da Produção 1. Produção Econômica i. Produção econômica: é a arte ou técnica de reunir insumos e transformá-los, através da aplicação de uma tecnologia, em um novo produto. O aspecto

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 15 PARTE II: PRODUÇÃO BIBLIOGRAFIA DA PARTE II: Krugman & Wells, cap. 7, 8 e 9 Varian, caps. 18,19,21,22,23 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells,

Leia mais

Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio

Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio Referência: Cap. 15 de Economia Internacional: Teoria e Política, 6ª. Edição Paul R. Krugman e Maurice Obstfeld Economia Internacional II - Material para aulas (3)

Leia mais

ISCTE- INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA MICROECONOMIA

ISCTE- INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA MICROECONOMIA ISCTE- INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA MICROECONOMIA Exame 2ª Época, 1º Semestre 2012-2013 Tempo de duração: 2h30 Nome: Nº Turma PARTE I: Fundamentos de Economia (2,5) 1. (1,5 v) Na atual conjuntura

Leia mais

preço das matérias primas e dos fatores de

preço das matérias primas e dos fatores de Oferta Individual versus Oferta de Mercado A oferta de determinado bem depende de vários fatores: preço do próprio bem preço das matérias primas e dos fatores de produção tecnologia utilizada Oferta Individual

Leia mais

figura 1 índice de refração: n 2 = 1,7; adotando que a lente está inicialmente no ar, índice de refração do ar: n 1 = 1.

figura 1 índice de refração: n 2 = 1,7; adotando que a lente está inicialmente no ar, índice de refração do ar: n 1 = 1. Uma lente delgada biconvexa cujos raios de curvatura são iguais a 42 cm, tem índice de refração,7. Introduz-se essa lente num cuba transparente de faces paralelas, verticais e de espessura desprezível.

Leia mais

Yield-to-maturity (YTM) Taxa de rendimento realizado (TRR) Comparação entre YTM e TRR. Investimentos. António M. R. G. Barbosa.

Yield-to-maturity (YTM) Taxa de rendimento realizado (TRR) Comparação entre YTM e TRR. Investimentos. António M. R. G. Barbosa. Investimentos António M. R. G. Barbosa Dia 10: 01/Mar/12 António Barbosa (IBS) Investimentos Dia 10: 01/Mar/12 1 / 26 Sumário 1 Yield-to-maturity (YTM) 2 Taxa de rendimento realizado (TRR) 3 Comparação

Leia mais

ESCOLHA ENTRE CONSUMO E LAZER. Prof. Antonio Carlos Assumpção

ESCOLHA ENTRE CONSUMO E LAZER. Prof. Antonio Carlos Assumpção ESOLHA ENTRE ONSUMO E LAER Prof. Antonio arlos Assumpção ESOLHA ENTRE ONSUMO E LAER Da mesma forma que os agentes econômicos escolhem uma cesta de consumo maximizadora da utilidade, sujeita a uma restrição

Leia mais

MODELO DE EQUILÍBRIO GLOBAL INTERNO E EXTERNO (CONTINUAÇÃO)

MODELO DE EQUILÍBRIO GLOBAL INTERNO E EXTERNO (CONTINUAÇÃO) BLOCO B.B1 (2) MODELO DE EQUILÍBRIO GLOBAL INTERNO E EXTERNO (CONTINUAÇÃO) O EQUILÍBRIO EXTERNO: A CURVA BP Até ao momento apenas consideramos o modelo de equilíbrio global interno determinação dos níveis

Leia mais

Alocação de portfólio e as particularidades da moeda 1. KEYNES 1.2. INVESTIMENTO E INCERTEZA. Alocação de portfólio e as particularidades da moeda

Alocação de portfólio e as particularidades da moeda 1. KEYNES 1.2. INVESTIMENTO E INCERTEZA. Alocação de portfólio e as particularidades da moeda 1. KEYNES 1.2. INVESTIMENTO E INCERTEZA Alocação de portfólio e as particularidades da moeda Keynes, TG, cap. 17 (II, III) 07/04/2017 1 A alocação da riqueza será feita entre as opções de compra de bens

Leia mais

PRODUÇÃO. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003.

PRODUÇÃO. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. PRODUÇÃO Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. Introdução Trocas: modelo de equilíbrio geral de uma economia

Leia mais

O Problema de Robinson Crusoe

O Problema de Robinson Crusoe O Problema de Robinson Crusoe Duas opções de consumo: trabalhar catando coco ou consumir coco. Trabalho é um mal e coco é um bem, portanto as curvas de indiferença serão negativamente inclinadas Não existe

Leia mais

Opções Reais. Modelagem do Ativo Básico. Processos Estocásticos. Modelando Incerteza. Processos Estocásticos. IAG PUC-Rio

Opções Reais. Modelagem do Ativo Básico. Processos Estocásticos. Modelando Incerteza. Processos Estocásticos. IAG PUC-Rio Opções Reais Modelagem do Ativo Básico Prof. Luiz Brandão brandao@iag.puc-rio.br IAG PUC-Rio Processos Estocásticos Modelando Incerteza Processos Estocásticos A incerteza em um projeto pode ter mais do

Leia mais

A TEORIA QUANTITATIVA RESTABELECIDA POR MILTON FRIEDMAN

A TEORIA QUANTITATIVA RESTABELECIDA POR MILTON FRIEDMAN A TEORIA QUANTITATIVA RESTABELECIDA POR MILTON FRIEDMAN Economia Monetária e Financeira Fabiano Abranches Silva Dalto FRIEDMAN, Milton. A Teoria Quantitativa da Moeda: reestabelecimento. In Carneiro, Ricardo.

Leia mais

Conceitos Básicos. Prof. Regis Augusto Ely. Agosto de Revisão Novembro 2012

Conceitos Básicos. Prof. Regis Augusto Ely. Agosto de Revisão Novembro 2012 Conceitos Básicos Prof. Regis Augusto Ely Agosto de 2011 - Revisão Novembro 2012 1 Metodologia da ciência econômica Teoria: conjunto de idéias sobre a realidade (Ex: teoria macroeconômica). componentes

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA

AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA AGENTES, FLUXOS E AS QUESTÕES CHAVE DA ECONOMIA Rossetti (Cap. III) Interação entre os Agentes Econômicos Fluxos Econômicos Fundamentais As 4 Questões Chave da Economia Eficiência Produtiva Eficácia alocativa

Leia mais

Notas de Aula do Curso de Análise Macroeconômica VI - Ibmec. Professor Christiano Arrigoni Coelho

Notas de Aula do Curso de Análise Macroeconômica VI - Ibmec. Professor Christiano Arrigoni Coelho Notas de Aula do Curso de Análise Macroeconômica VI - Ibmec Professor Christiano Arrigoni Coelho Vamos agora nos aprofundar na discussão sobre se a estabilização do produto e do desemprego é ou não um

Leia mais

[80] O efeito multiplicador em questão pressupõe que a economia esteja em desemprego.

[80] O efeito multiplicador em questão pressupõe que a economia esteja em desemprego. 1. (EBC, Analista de Empresa de Comunicação Pública Economia, 2011, CESPE) Considerando o fato de que um aumento do gasto governamental provoca um aumento proporcional da renda nacional e sabendo que a

Leia mais

Os Custos da Inflação. Os custos da inflação TEORIA MACROECONÔMICA II [A] 3/3/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO 1

Os Custos da Inflação. Os custos da inflação TEORIA MACROECONÔMICA II [A] 3/3/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO 1 Os Custos da Inflação Prof. Giácomo Balbinotto Neto UFRGS Os custos da inflação - Shoeleather costs [custos de sola de sapatos]; - Menu Costs; - Aumento da variabilidade dos preços relativos; - mudanças

Leia mais

FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo. Flutuações Econômicas de Curto Prazo. Três Fatos Sobre Flutuações. Flutuações PIB real. Flutuações - Investimento

FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo. Flutuações Econômicas de Curto Prazo. Três Fatos Sobre Flutuações. Flutuações PIB real. Flutuações - Investimento 31. e Demanda s FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo Flutuações econômicas ocorrem de ano para ano Na maioria dos anos a produção de bens e serviços aumenta Em alguns anos esse crescimento não acontece,

Leia mais

PARTE A TERMOS CONTRATUAIS

PARTE A TERMOS CONTRATUAIS 20 de Fevereiro de 2012 CONDIÇÕES FINAIS Banco Comercial Português, S.A. (o Banco ou o Emitente ), Emissão de EUR 7.750.000 Valores Mobiliários Millennium Rendimento Especial 180, Agosto 2012 - com vencimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA II Licenciaturas: Economia, Gestão 1º A/2º S CADERNO EXERCÍCIOS Nº 5 Modelo Mundell-Fleming

Leia mais

Artigo TEORIA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA - DEMANDA POR MOEDA - O MODELO DE BAUMOL 7/22/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO 1

Artigo TEORIA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA - DEMANDA POR MOEDA - O MODELO DE BAUMOL 7/22/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO 1 DEMANDA POR MOEDA POR TRANSAÇÃO O MODELO DE BAULMOL (1952) TEORIA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO DEMANDA POR MOEDA POR TRANSAÇÃO O MODELO DE BAULMOL (1952) Artigo BAUMOL, W,S.

Leia mais

ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1

ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1. Constitui um bem de capital: ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1 a) os bens e serviços que se destinam ao atendimento direto das necessidades humanas. b) os bens que aumentam a eficiência do trabalho humano.

Leia mais

2. KEYNES: PRINCÍPIO DA DEMANDA EFETIVA E INCERTEZA

2. KEYNES: PRINCÍPIO DA DEMANDA EFETIVA E INCERTEZA 2. KEYNES: PRINCÍPIO DA DEMANDA EFETIVA E INCERTEZA 2.2. INVESTIMENTO, INCERTEZA E INSTABILIDADE Alocação de portfólio e as particularidades da moeda Keynes, TG, cap. 17 (II, III) 08/07/16 1 A alocação

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires Mercados e Investimentos Financeiros Cesaltina Pacheco Pires Índice geral Prefácio ix 1 Introdução 1 1.1 Activos reais e activos nanceiros........................ 1 1.2 Escolha intertemporal e taxa de

Leia mais

Teoria do Portfólio. Risco, Retorno e Mercado

Teoria do Portfólio. Risco, Retorno e Mercado Teoria do Portfólio Risco, Retorno e Mercado Risco Situação em que a ocorrência de eventos diversos, que afetam a rentabilidade de um ativo, pode ser medida por meio de distribuição de probabilidades associadas

Leia mais

Mercado Cambial: Uma Abordagem de Ativos Financeiros

Mercado Cambial: Uma Abordagem de Ativos Financeiros Mercado Cambial: Uma Abordagem de Ativos Financeiros Taxas de Câmbio e Transações Internacionais A taxa de câmbio pode ser definida de duas maneiras: Em termos diretos O preço de uma unidade de moeda estrangeira

Leia mais

DISCIPLINA: Assunto: Contatos:

DISCIPLINA: Assunto: Contatos: DISCIPLINA: Assunto: Por que investir? Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 20 PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,4,5,6 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells, cap.10

Leia mais

Produto, taxa de juros e taxa de câmbio CAPÍTULO 20. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Produto, taxa de juros e taxa de câmbio CAPÍTULO 20. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Produto, taxa de juros e taxa de câmbio Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 20 Produto, taxa de juros e taxa de câmbio O modelo desenvolvido neste capítulo é uma extensão para a economia aberta

Leia mais

2º Semestre 2002/2003 Problemas Resolvidos

2º Semestre 2002/2003 Problemas Resolvidos RESOLUÇÂO DO PROBLEMA Nº 19 Determinado problema de Programação Linear depois de formulado permitiu obter as seguintes expressões: Max L = 4x 1-2x 2 + 2x 3 -x 4 s.a. R 1: x 1 - x 2 + 2x 3 +x 4 10 R 2:

Leia mais

Demanda e oferta agregadas

Demanda e oferta agregadas Demanda e oferta agregadas Roberto Guena de Oliveira 16 de outubro de 2016 USP Flutuações econômicas de curto prazo A atividade econômica flutua de ano a ano. A taxa de crescimento anual médio da economia

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL. UNIDADE 2 Visão Geral do Modelo

PESQUISA OPERACIONAL. UNIDADE 2 Visão Geral do Modelo PESQUISA OPERACIONAL UNIDADE 2 Visão Geral do Modelo Prof. Me. Carlos Guimarães 1 / 13 Objetivo Introduzir os elementos de um modelo de pesquisa operacional por meio da apresentação: Do conceito de modelo;

Leia mais

Capítulo ) Resolução por escrito dos exercícios da página 24 do livro-texto.

Capítulo ) Resolução por escrito dos exercícios da página 24 do livro-texto. Capítulo 1 1.1) Resolução por escrito dos exercícios da página 24 do livro-texto. 1.2) Consulte o FMI (www.imf.org), o Banco Mundial (www.worldbank.org) e/ou IPEADATA (www.ipeadata.gov.br) e atualize,

Leia mais

Professor. Welington

Professor. Welington Professor. Welington Uma aplicação financeira nada mais é do que a compra de um produto financeiro com o objetivo de aumentar o capital inicial. + = Espera-se uma recompensa pelo não uso do dinheiro! Ter

Leia mais