os custos totais são determinados pela soma entre os custos variáveis e os custos fixos.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "os custos totais são determinados pela soma entre os custos variáveis e os custos fixos."

Transcrição

1 Módulo 7 Teoria dos Custos Como destacamos em alguns dos módulos anteriores, os produtores são indivíduos racionais, e como tais irão buscar maximizar seus resultados ao realizarem suas atividades produtivas. Neste sentido, a empresa procurará sempre utilizar uma certa combinação de fatores a fim de obter a máxima produção possível. No entanto, os recursos produtivos são bens econômicos. Isto significa que para a firma utilizá los precisa pagar um preço por eles. Sendo assim, para levar a cabo a produção, a empresa incorre em uma série de custos. Praticamente todas as decisões da firma vão gerar um custo, já que ao escolher uma determinada combinação de fatores de produção, estamos deixando de lado muitas outras. Os custos são importantes porque permitem avaliar até que ponto as empresas estão utilizando adequadamente os recursos produtivos, e porque definem qual o volume de produção cada empresa irá lançar no mercado. A quantidade utilizada de cada fator de produção, multiplicada pelo seu preço respectivo, representa a despesa total que a firma deverá realizar para poder colocar o processo produtivo em movimento. Esta dita despesa é denominada custo total de produção. Assim, para obter resultados ótimos, e alcançar o chamado equilíbrio da firma, a empresa deverá buscar ou a maximização da produção a um determinado custo total, ou minimizar o custo total para um certo nível de produção. Uma vez que se conheça o valor dos insumos, é possível definir um ponto ótimo para o custo total de produção a cada volume de produção Os Custos de Produção no Curto Prazo Os Custos Totais Como vimos no módulo anterior, os fatores de produção podem ser fixos (a quantidade não se altera para elevar ou reduzir o volume produzido no curto prazo) ou variáveis (a quantidade varia para fazer frente às alterações na demanda no curto prazo). Conseqüentemente, o custo total de produção, que como vimos acima é definido como o total das despesas realizadas pela firma com a utilização da combinação mais econômica dos fatores, pode ser dividido em dois tipos de custos: os custos variáveis, que são determinados pelo valor dos insumos variáveis, e dependem da quantidade empregada destes fatores, portanto, dependem do volume da produção. São gastos com folha de pagamento, pagamentos de matérias primas, etc; os custos fixos, que independem do nível de produção, e representam as despesas com os fatores fixos de produção. São as despesas com aluguéis, depreciação, etc; os custos totais são determinados pela soma entre os custos variáveis e os custos fixos. Custo Total (CT): CVT + CFT CT: custo total no curto prazo; CVT: custo variável total; CFT: custo fixo total.

2 A análise dos custos obedece à mesma lógica da Teoria da Produção, sendo portanto dividida em curto e longo prazo. Os custos totais de curto prazo são compostos por parcelas de custos fixos e variáveis, já que no curto prazo a função de produção admite a existência de pelo menos um fator de produção fixo. Os custos totais de longo prazo são formados exclusivamente por custos variáveis, já que no longo prazo inexistem insumos fixos. No curto prazo partimos do pressuposto que uma firma realize a sua produção utilizando fatores fixos e variáveis, e partindo da hipótese da existência de apenas um fator fixo, equipamento de capital, e um fator variável, mão de obra, a produção desta empresa irá aumentar ou diminuir a partir da variação do uso de mão de obra. Desta feita, no curto prazo o custo fixo total permanece inalterado, e o custo total de curto prazo irá depender exclusivamente de variações no custo variável total, que depende da quantidade produzida. Sendo assim, a função de produção desta empresa no curto prazo poderia ser assim representada: q = f (X1, X2) q: quantidade produzida; X1: fator variável de produção; X2 : fator fixo de produção. Como vimos acima, o custo total da produção é dado pelo total das despesas realizadas com a utilização da combinação mais econômica dos fatores de produção. Este custo total é por sua vez formado pelas despesas com os fatores variáveis e com os fatores fixos. No nosso exemplo, temos um fator fixo e um fator variável. Se representarmos os preços destes fatores de produção como P1 e P2, poderemos representar o custo fixo total e o custo variável total em função dos preços dos insumos. O custo fixo total é determinado pelo montante total de despesas realizadas com o fator fixo, expresso pela quantidade utilizada destes fatores multiplicada por seu preço respectivo. Matematicamente, teremos: CFT = P2 X2; A quantidade utilizada dos insumos variáveis multiplicada pelo seu preço nos dará o custo variável total, determinado pelo montante total realizado com o fator variável. Teremos, então: CVT = P1X1 A equação do custo total de curto prazo seria então dada por: CT = P1X1 + P2 X2 Onde, como vimos, o custo fixo total não se altera, e o custo variável total poderá aumentar ou diminuir em função da maior ou menor utilização do insumo X1, considerando os preços dos insumos inalterados (coeteris paribus).

3 Graficamente, teremos: GRÁFICO 7.1 CURVAS DE CUSTO TOTAL Podemos observar a partir do gráfico acima que a curva de custo total é formada por uma composição do comportamento da curva de custo fixo total (CFT) e da curva de custo variável total (CVT). As curvas de custo total (CT) e custo variável total crescem primeiramente a taxas decrescentes, e depois passam a crescer a taxas crescentes. Dado um certo volume de capital empregado, um aumento inicial da produção se dá a custos declinantes; aumentos sucessivos na produção vão esgotando o equipamento de capital, considerado fixo no curto prazo, e os custos passam então a crescer a taxas crescentes. Seria a chamada lei dos custos crescentes, que corresponderia à lei dos rendimentos decrescentes aplicada à Teoria dos Custos de Produção. Um aumento no volume produtivo além de certo ponto pode gerar uma explosão dos custos Custos Médios e Marginais Os custos médios são os custos totais por unidade de produto, e são obtidos pela relação entre o custo total e a quantidade produzida. É chamado também de custo unitário. CT: custo total; q: quantidade total produzida. O custo variável médio é dado pela relação entre o custo variável total e a quantidade produzida. Assim temos:

4 CVT: custo variável médio; q: quantidade produzida. O custo fixo médio é dado pelo quociente entre o custo fixo total e a quantidade produzida. Temos, portanto: CFT: custo fixo total; q: quantidade produzida. Os custos médios no curto prazo são representados por uma curva em formato de U, que inicialmente, conforme aumenta o volume de produção, decresce até alcançar um ponto de custo mínimo, após o qual cresce novamente. Inicialmente, os custos médios são declinantes porque existe um volume relativamente grande de equipamento de capital (insumo fixo) para pouca mão de obra. GRÁFICO 7.2 CURVAS DE CUSTO MÉDIO Assim, até determinado nível de produção é vantagem para a firma absorver mais trabalhadores, com o mesmo volume de capital empregado, e aumentar a produção, pois o custo médio é declinante. Mas à medida que se vai aumentando a produção, alcança se um ponto de saturação da utilização do capital, e a elevação das quantidades de insumo variável, no caso mão de obra não ocasionará aumentos proporcionais da produção. É o ponto onde os custos médios começam a se elevar.

5 Este comportamento das curvas de custo médio é análogo ao comportamento das curvas de custo total. Ora, se o custo variável total é a despesa diretamente relacionada com o andamento da produção, o custo variável total irá se elevar à medida que a produção cresce, como vimos acima. No entanto, o custo variável médio à princípio é decrescente, e só depois de atingir o mínimo, a um certo nível de produção, torna se crescente. Isto ocorre porque o custo variável total, quando a empresa trabalha com capacidade ociosa (muito capital e pouca mão de obra), cresce proporcionalmente menos do que a produção, fazendo com que os custos médios decresçam. Após um certo nível de produto, os custos totais passam a crescer proporcionalmente mais que o aumento da produção, e os custos médios passam a ser crescentes. Como o custo fixo total é constante para todos os níveis de produção, o custo fixo médio será decrescente à medida que a produção aumenta, tendendo a zero. O custo marginal representa o custo de se produzir uma unidade extra do produto, em outras palavras, é dado pela relação entre a variação do custo total e a variação da quantidade produzida. CT: variação do custo total; q: variação da quantidade produzida. GRÁFICO 7.3 CURVA DE CUSTO MARGINAL Como o custo fixo total permanece constante, no curto prazo o custo marginal é determinado apenas pela variação do custo variável total. Sendo assim podemos dizer que os custos marginais não são influenciados pelos custos fixos.

6 CVT: variação do custo variável total; q: variação da quantidade produzida. GRÁFICO 7.4 CUSTO MÉDIO X CUSTO MARGINAL A curva de custo marginal, conforme podemos observar no gráfico acima, corta as curvas de custo total médio e custo variável médio no ponto de mínimo destas curvas. Ora, isto significa que se o custo adicional para produzir uma unidade extra do produto (custo marginal) for inferior ao custo unitário (custo médio), o custo médio será decrescente. Por outro lado, se o custo marginal superar o custo médio, este se elevará, à medida que cresce a produção, já que o custo para produzir uma unidade extra do produto supera seu custo unitário. O ponto de mínimo do custo médio corresponde ao volume de produção onde se igualam custo marginal, custo médio total e custo médio variável. As curvas de custo marginal e de custo médio (total e variável) têm formato de U devido à lei dos rendimentos decrescentes, que se traduz por custos crescentes após determinado nível de produto, conforme destacamos acima. Quando custo médio e custo marginal são decrescentes, a produtividade média e a produtividade marginal do fator de produção serão crescentes, e vice versa. Há, portanto, uma relação inversa entre custos médios e marginais de um dado fator e suas produtividades média e marginal Custos no Longo Prazo No curto prazo, a firma busca a maximização de seus lucros com as estruturas físicas de que dispõe, e se vê diante de determinados custos fixos, expressos na dimensão dada desta firma. No longo prazo, a firma normalmente planeja novos investimentos, de forma a modificar a utilização e a combinação de todos os fatores de produção, alterando assim o seu potencial produtivo. Isto é possível porque no longo prazo todos os fatores de produção são variáveis, possibilitando a ampliação a capacidade de produção e a

7 dimensão da empresa. Como não existem insumos fixos no longo prazo, não faz sentido a distinção entre custos fixos e variáveis. Não existem, portanto, custos fixos: todos os custos são variáveis. Desaparecem as curvas de custo fixo total e custo fixo médio, e passamos a olhar simplesmente para a curva de custo médio de longo prazo. O longo prazo é um horizonte de planejamento, onde os empresários podem escolher e planejar os seus investimentos, tendo uma gama de situações de curto prazo, com diferentes escalas de produção disponíveis para que ele escolha a que leve a otimização de seus resultados. O objetivo de custo de longo prazo de uma firma é ajustar a sua escala de produção para ter um tamanho ótimo, que significa estar numa situação em que se tem o nível de produção desejado ao custo mais baixo possível. O produtor, até fazer uma escolha de investimento, encontra se numa situação de longo prazo, podendo ele decidir por qualquer uma destas alternativas. Uma vez que ele decida por um investimento, uma nova capacidade de produção tenha sido instalada e os ajustes tenham sido feitos na produção, ele terá uma nova estrutura produtiva, em que alguns tipos e quantidades de insumos serão considerados fixos. A firma passa então a operar novamente em condições de curto prazo, com uma dada estrutura de custos fixos. Um agente econômico, portanto, opera a curto prazo e planeja a longo prazo. A curva de custo médio de longo prazo é formada por um conjunto de curvas de custo médio de curto prazo, sendo chamada também de curva envoltória, e ela mostra o menor custo unitário (CMe) para produzir, a cada tamanho de planta possível da empresa. Ela é formada pelo número ilimitado de possibilidades de investimentos a serem escolhidos pelo produtor. O tamanho da empresa está variando em cada ponto da curva. A curva de custo médio de longo prazo (CMeL) também terá formato em U, como as curvas de custo médio de curto prazo. Enquanto as curvas de custo médio de curto prazo apresentam este formato devido à existência de insumos fixos, o que provoca a existência de rendimentos decrescentes a um dado tamanho da firma, a curva de custo médio de longo prazo apresenta este formato devido à existência de economias ou deseconomias de escala, pois a cada ponto da curva o tamanho da empresa varia. GRÁFICO 7.5 CUSTO MÉDIO DE LONGO PRAZO

8 Assim, observando a curva de custo médio a longo prazo, podemos constatar que a níveis baixos de produção há economias de escala, pois o aumento da produção leva a uma redução do custo médio, pois existem ganhos de produtividade. O ponto A representa a escala ótima da empresa, ou o tamanho ideal para a empresa diante dos seus custos, já que representa custo médio de produção. A quantidade q não é apenas a produção ótima para determinada dimensão de planta escolhida, mas expressa também a melhor dimensão de planta, aquela que iguala o custo total médio de curto prazo e o custo total médio de longo prazo. Expressa a combinação de custo mínimo. Até este ponto temos rendimentos crescentes de escala; após o ponto A, temos rendimentos decrescentes de escala, e o custo médio de longo prazo tende a crescer Custos de Produção: Visão Econômica X Visão Contábil Financeira Enquanto contadores e administradores concentram sua preocupação no detalhamento de uma empresa específica, os economistas procuram fazer uma análise mais genérica, olhar não apenas a situação interna de uma empresa específica, mas o ambiente externo da empresas e as possíveis interações da empresa no mercado, tanto com consumidores quanto com outros produtores e com a sociedade em geral. Existem alguns conceitos principais que ressaltam estas diferenças na teoria microeconômica. Os principais são os conceitos de custos de oportunidade e custos contábeis; externalidades; e custos e despesas. É importante destacar que a análise de custos feita pela teoria econômica considera não apenas os chamados custos contábeis, mas também os custos de oportunidade. Os custos contábeis são aqueles que envolvem dispêndio monetário, são custos explícitos. Em outras palavras, são gastos incorridos explicitamente em custos do trabalho de produção, pagamentos de partes componentes adquiridas de fornecedores, salários de administradores, juros, gastos de propaganda, variações de depreciação, entre outras coisas. Já os custos de oportunidade são aqueles que não envolvem desembolso monetário, são custos implícitos, e se referem ao ganho ou retorno que os produtores estão sacrificando ao optar por uma determinada combinação de fatores de produção ou determinado investimento, em detrimento de uma outras alternativas também lucrativas. Por exemplo, se a empresa possui capital em caixa, o custo de oportunidade é o que a empresa poderia estar auferindo se estivesse aplicando este capital, que agora está em caixa, no mercado financeiro. Para expressar verdadeiramente a escassez relativa do fator de produção utilizado, as curvas de custos das firmas deveriam considerar os custos de oportunidade. As externalidades ou economias externas tanto podem ser as alterações de custos e benefícios para a sociedade resultantes das atividades produtivas das firmas, como também as alterações dos custos e receitas das firmas resultantes de fatores externos à mesma. Diz se que a externalidade é positiva quando uma unidade econômica cria benefícios para outras, sem receber para isto; diz se que a externalidade é negativa quando uma unidade econômica cria custos para outras, sem que para isto tenha incorrido em nenhum pagamento. Na contabilidade é feita a distinção entre custos e despesas. Os custos seriam gastos associados ao processo de fabricação dos produtos; despesas seriam gastos associados ao exercício social e alocadas para o resultado geral do período (despesas

9 financeiras, comerciais, administrativas). Os manuais de teoria microeconômica geralmente não fazem esta distinção, e subentende se que o conceito de custo fixo deverá englobar as despesas financeiras, comerciais e administrativas, assim como os gastos no processo produtivo em si.

Teoria da firma: produção e custos de. produção. Técnico em Logística. 05_Sistemas Econômicos_Teoria da Produção e Custos

Teoria da firma: produção e custos de. produção. Técnico em Logística. 05_Sistemas Econômicos_Teoria da Produção e Custos Teoria da firma: e custos de Teoria da firma: e custos de Introdução Considerações preliminares Uma economia de mercado é orientada pelas forças da oferta e da procura. Consumidores Firmas Unidades do

Leia mais

Unidade II. Para analisar o comportamento da demanda e da oferta, partiremos de alguns pressupostos básicos estabelecidos pela microeconomia.

Unidade II. Para analisar o comportamento da demanda e da oferta, partiremos de alguns pressupostos básicos estabelecidos pela microeconomia. ECONOMIA E MERCADO Unidade II 3 DEMANDA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO Como vimos no módulo I, a microeconomia ou teoria dos preços analisa como consumidores e empresas interagem no mercado, e como essa

Leia mais

Custos de Produção. Introdução Custos de Curto Prazo Custos de Longo Prazo Maximização do Lucro Total

Custos de Produção. Introdução Custos de Curto Prazo Custos de Longo Prazo Maximização do Lucro Total Custos de Produção Introdução Custos de Curto Prazo Custos de Longo Prazo Maximização do Lucro Total 1 Introdução Oferta Teoria da Firma Teoria da Produção (relações entre a quantidade produzida e as quantidades

Leia mais

Produção e o Custo da Empresa. Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção.

Produção e o Custo da Empresa. Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção. Produção e o Custo da Empresa Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção. 1. Conceitos básicos A economia é formada por diversas empresas

Leia mais

Unidades II ECONOMIA E MERCADO. Profa. Lérida Malagueta

Unidades II ECONOMIA E MERCADO. Profa. Lérida Malagueta Unidades II ECONOMIA E MERCADO Profa. Lérida Malagueta Microeconomia A microeconomia ou teoria dos preços analisa como consumidores e empresas interagem no mercado, e como essa interação determina o preço

Leia mais

TEORIA DA FIRMA PRODUÇÃO E CUSTOS

TEORIA DA FIRMA PRODUÇÃO E CUSTOS TEORIA DA FIRMA PRODUÇÃO E CUSTOS INTRODUÇÃO CONSUMIDORES: atendimento de necessidades teoria do consumidor FIRMAS: desenvolvimentos de atividades produtivas teoria da firma TEORIA DA PRODUÇÃO: CONCEITOS

Leia mais

Módulo 8 Teoria da Produção

Módulo 8 Teoria da Produção Módulo 8 Teoria da Produção Numa economia de mercado, consumidores e empresas representam respectivamente as unidades do setor de consumo e de produção, que se interrelacionam através do sistema de preços

Leia mais

Fundamentos de Economia

Fundamentos de Economia Fundamentos de Economia Marco Antonio S. Vasconcellos Manuel Enriquez Garcia 3º Edição 2009 I Teoria da Produção 6.1 Introdução Ateoriadaproduçãoeateoriadoscustosdeproduçãoconstituema teoria da oferta

Leia mais

MICROECONOMIA PARA ADM* MARIA ISABEL BUSATO

MICROECONOMIA PARA ADM* MARIA ISABEL BUSATO MICROECONOMIA PARA ADM* MARIA ISABEL BUSATO *Baseados Pyndick e slides J. Paranhos AULA 15 7. Custos Componentes básicos dos custos Tipos de custos Economias de Escala e Escopo Bibliografia: PINDYCK, Robert

Leia mais

Módulo 9 Análises de Curto e Longo Prazo Análise de Curto Prazo

Módulo 9 Análises de Curto e Longo Prazo Análise de Curto Prazo Módulo 9 Análises de Curto e Longo Prazo 9.1. Análise de Curto Prazo Se retomarmos o exemplo da função de produção exposto acima, em que a quantidade produzida é condicionada pelas quantidades de capital

Leia mais

Parte III: Construindo a Curva de Oferta. Marta Lemme - IE/UFRJ

Parte III: Construindo a Curva de Oferta. Marta Lemme - IE/UFRJ Parte III: Construindo a Curva de Oferta Marta Lemme - IE/UFRJ III.1. Produção A função de produção é a relação entre a quantidade de insumos que uma firma usa e a quantidade de produto que ela produz.

Leia mais

Custos de Produção. Copyright 2004 South-Western

Custos de Produção. Copyright 2004 South-Western 5 Teoria da Firma Custos de Produção 13 Copyright 2004 South-Western Lei da Oferta: Teoria da Firma As firmas estão dispostas a produzir e vender uma quantidade maior quando o preço do bem aumenta. A curva

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto)

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto) EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO PRODUTOR VIII Teoria da produção (analise em período curto) Exercício Nº 1 Defina e caracterize os seguintes conceitos: a) Função produção É uma relação técnica entre os factores

Leia mais

Enquanto a Microeconomia estuda a relação entre oferta e demanda para estimar, em uma interação do conjunto de consumidores com o conjunto de

Enquanto a Microeconomia estuda a relação entre oferta e demanda para estimar, em uma interação do conjunto de consumidores com o conjunto de Conceito A Microeconomia, ou teoria dos preços, analisa a formação de preços, ou seja, como a empresa e o consumidor interagem qual o preço e a quantidade de determinado bem ou serviço em mercados específicos,

Leia mais

Microeconomia. Bibliografia. Teoria da Produção. Arilton Teixeira Mankiw, cap 13; Pindyck e Rubinfeld, caps 6 e 7.

Microeconomia. Bibliografia. Teoria da Produção. Arilton Teixeira Mankiw, cap 13; Pindyck e Rubinfeld, caps 6 e 7. Microeconomia Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Bibliografia Mankiw, cap 13; Pindyck e Rubinfeld, caps 6 e 7. 2 Teoria da Produção As firmas operam no mercado. O objetivo das firmas é maximização

Leia mais

Definir e explicar as variáveis utilizadas para medir custos em economia e a relação presente entre elas, bem como seus usos e importância.

Definir e explicar as variáveis utilizadas para medir custos em economia e a relação presente entre elas, bem como seus usos e importância. CUSTOS DE PRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Definir e explicar as variáveis utilizadas para medir custos em economia e a relação presente entre elas, bem como seus usos e importância. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Caracterizar

Leia mais

Capítulo 13. Introdução à Economia Mankiw, N.G. Copyright 2001 by Harcourt, Inc.

Capítulo 13. Introdução à Economia Mankiw, N.G. Copyright 2001 by Harcourt, Inc. Custos de Produção Introdução à Economia Mankiw, N.G. Capítulo 13 Copyright 2001 by Harcourt, Inc. All rights reserved. Requests for permission to make copies of any part of the work should be mailed to:

Leia mais

Vamos desenvolver a teoria de comportamento do produtor ou teoria da firma por um outro caminho, considerando os custos de produção e a receita da

Vamos desenvolver a teoria de comportamento do produtor ou teoria da firma por um outro caminho, considerando os custos de produção e a receita da 3. Teoria da Firma Vamos desenvolver a teoria de comportamento do produtor ou teoria da firma por um outro caminho, considerando os custos de produção e a receita da firma. De maneira muito simplificada,

Leia mais

Economia Pesqueira I

Economia Pesqueira I Economia Pesqueira I Custos de Produção Prof. Rogério César Conceito de Custos Custo de Oportunidade: O custo de um produto é o valor da melhor alternativa abandonada para se obter aquele produto. Custo

Leia mais

Capítulo 7. O custo de produção 25/09/2015. O custo de produção. Custos fixos e custos variáveis. Custos econômicos versus custos contábeis

Capítulo 7. O custo de produção 25/09/2015. O custo de produção. Custos fixos e custos variáveis. Custos econômicos versus custos contábeis O custo de produção Quais itens deveriam ser incluídos como parte integrante dos custos de uma empresa? Capítulo 7 O custo de produção slide 1 2014 Pearson. Todos os direitos reservados. Os custos incluem

Leia mais

Unidade II ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin

Unidade II ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin Unidade II ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Introdução Microeconomia: teoria dos preços formação dos preços oferta x demanda Hipótese coeteris paribus Expressão latina, tudo o mais permanece

Leia mais

Esalq/USP Curso de Ciências Econômicas les Introdução à Economia Custos de Produção

Esalq/USP Curso de Ciências Econômicas les Introdução à Economia Custos de Produção Esalq/USP Curso de Ciências Econômicas les 101 - Introdução à Economia Custos de Produção Os custos de produção Nos capítulos anteriores, usamos a curva de oferta para sumariar as decisões de produção

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS CIESA 2015 IV BIMESTRE

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS CIESA 2015 IV BIMESTRE PONTO DE EQUILÍBRIO Até parece uma pergunta fácil de responder e, geralmente, vemos os empreendedores considerando apenas os custos diretos envolvidos na elaboração do produto ou prestação do serviço,

Leia mais

Microeconomia. 4. Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência. Francisco Lima

Microeconomia. 4. Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência. Francisco Lima Microeconomia 4 Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência Francisco Lima 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Objetivos Distinguir entre custos contabilísticos

Leia mais

Capítulo 4 Teoria da Produção

Capítulo 4 Teoria da Produção Capítulo 4 Teoria da Produção 1. Produção Econômica i. Produção econômica: é a arte ou técnica de reunir insumos e transformá-los, através da aplicação de uma tecnologia, em um novo produto. O aspecto

Leia mais

PRODUÇÃO. Introdução a Economia

PRODUÇÃO. Introdução a Economia PRODUÇÃO Introdução a Economia Tópicos para discussão Slide 2 Conceitos Básicos Produção no Curto Prazo Produção no Longo Prazo Rendimentos de escala Oferta Slide 3 Quantidade de um bem que os produtores

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO. Profª Graciela Cristine Oyamada

CUSTOS DE PRODUÇÃO. Profª Graciela Cristine Oyamada CUSTOS DE PRODUÇÃO Profª Graciela Cristine Oyamada Curva de Oferta Teoria da Firma Teoria da Produção (relações entre a quantidade produzida e as quantidades de insumos utilizados) Teoria dos Custos de

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Fiscal Economia do Trabalho Demanda e Oferta por Mão de Obra Fábio Lobo

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Fiscal Economia do Trabalho Demanda e Oferta por Mão de Obra Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Fiscal Economia do Trabalho Demanda e Oferta por Mão de Obra Fábio Lobo Demanda e Oferta por Mão de Obra. Prof. Fábio Lobo.

Leia mais

FUNDAMENTOS DA TEORIA DOS CUSTOS: RESUMO SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA ECONÔMICA BÁSICA

FUNDAMENTOS DA TEORIA DOS CUSTOS: RESUMO SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA ECONÔMICA BÁSICA FUNDAMENTOS DA TEORIA DOS CUSTOS: RESUMO SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA ECONÔMICA BÁSICA Ulisses Pereira Ribeiro 1 Alderlenne de Oliveira Prata Ribeiro 2 RESUMO O objetivo deste texto é apresentar fundamentos

Leia mais

Microeconomia. UNIDADE 5 Aula 5.1

Microeconomia. UNIDADE 5 Aula 5.1 Microeconomia UNIDADE 5 Aula 5.1 Prof - Isnard Martins Rosseti, J, Introdução à Economia, Atlas, 2006 Vasconcelos M.A, Economia Micro e Macro, 4a Edição Douglas Evans.Managerial Economics.Prentice Hall.

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia Prova de Microeconomia 1) Acerca do comportamento do consumidor pode-se afirmar que: I. A relação de preferência é dita racional se ela é completa e transitiva; II. Somente a relação de preferência racional

Leia mais

EM NEGÓCIOS DOIS CONCEITOS SÃO FUNDAMENTAIS

EM NEGÓCIOS DOIS CONCEITOS SÃO FUNDAMENTAIS CUSTOS E DESPESAS EM NEGÓCIOS DOIS CONCEITOS SÃO FUNDAMENTAIS ECONÔMICO BENS / PATRIMÔNIO RESULTADOS FINANCEIRO DINHEIRO PAGAMENTOS / RECEBIMENTOS LUCROS / PREJUÍZOS TESOURARIA/ CAIXA PROCESSOS DECISÓRIOS

Leia mais

ECONOMIA MICRO E MACRO

ECONOMIA MICRO E MACRO ECONOMIA MICRO E MACRO AULA 02: DEMANDA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO TÓPICO 02: TEORIA DA OFERTA A decisão do que produzir é tomada pelas empresas na expectativa de realização de lucros. Preços altos

Leia mais

A Teoria Neoclássica da Firma. Aula de setembro de 2008

A Teoria Neoclássica da Firma. Aula de setembro de 2008 A Teoria Neoclássica da Firma Alfred Marshall Aula 7 29-30 de setembro de 2008 Questões principais abordadas pela Teoria Neoclássica Como se relacionam produtores e consumidores no mercado? Qual o resultado

Leia mais

ECONOMIA DAS ORGANIZAÇÕES EXERCÍCIOS DE PROVAS ANTERIORES TMST L.

ECONOMIA DAS ORGANIZAÇÕES EXERCÍCIOS DE PROVAS ANTERIORES TMST L. ECONOMIA DAS ORGANIZAÇÕES EXERCÍCIOS DE PROVAS ANTERIORES 1. A função de produção de determinado produto tem a expressão Q = 100L. Sendo o custo do capital $120 por dia e o do trabalho $30 por dia, qual

Leia mais

ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia

ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia Opções Estratégicas Para a Implantação de Novas Políticas Educacionais ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia Bob Verhine Universidade Federal da Bahia verhine@ufba.br A divulgação desta

Leia mais

Módulo 7 Demanda, Oferta e Equilíbrio de mercado

Módulo 7 Demanda, Oferta e Equilíbrio de mercado Módulo 7 Demanda, Oferta e Equilíbrio de mercado Como vimos, a microeconomia ou teoria dos preços analisa como consumidores e empresas interagem no mercado, e como essa interação determina o preço e a

Leia mais

RELAÇÃO CUSTO/VOLUME/LUCRO

RELAÇÃO CUSTO/VOLUME/LUCRO 1. CUSTOS / PLANEJAMENTO E DECISÓRIO 1.1 Relação Custo/Volume/Lucro A relação Custo/Volume/Lucro é a relação que o volume de vendas tem com os custos e lucros. 1.1.1 Custos e Despesas Variáveis Os custos

Leia mais

Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres

Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres Teoria da produção Firma ou empresa para economia é uma unidade

Leia mais

MICROECONOMIA

MICROECONOMIA MICROECONOMIA 01. (Fiscal ISS-SP/98) Se a quantidade demandada de um bem permanece inalterada quando o seu preço aumenta, pode-se concluir que a elasticidade preço deste bem é: a) Menor do que a unidade.

Leia mais

Custos Industriais. Introdução. Introdução. Introdução à Contabilidade de Custos

Custos Industriais. Introdução. Introdução. Introdução à Contabilidade de Custos Custos Industriais Introdução à Contabilidade de Custos Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 1 Introdução A apuração adequada, a análise, o controle e o gerenciamento dos custos de produção dos bens e serviços

Leia mais

Custos Industriais. Introdução à Contabilidade de Custos. Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera

Custos Industriais. Introdução à Contabilidade de Custos. Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera Custos Industriais Introdução à Contabilidade de Custos Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera 1 Introdução Ø A apuração adequada, a análise, o controle e o gerenciamento dos custos de produção

Leia mais

Curvas de Custos. Varian - Cap. 21

Curvas de Custos. Varian - Cap. 21 Curvas de Custos Varian - Cap. 21 Funções de Custo Total, Fixo e Variável F = custo fixo da firma; diz respeito aos insumos fixos que não variam no curto-prazo e, portanto, não variam com o nível de produto

Leia mais

LISTA 01 - Contabilidade de Custos

LISTA 01 - Contabilidade de Custos LISTA 01 - Contabilidade de Custos Considerando os dados da tabela acima relativos a determinada indústria, julgue os itens subseqüentes, a respeito da relação custovolume-lucro dessa indústria. Considere

Leia mais

ECONOMIA 10º ANO. Os agentes económicos. Fluxos reais e fluxos monetários.

ECONOMIA 10º ANO. Os agentes económicos. Fluxos reais e fluxos monetários. ECONOMIA 10º ANO Os agentes económicos. Fluxos reais e fluxos monetários. O circuito económico como representação das relações entre os agentes económicos A atividade económica é todo o esforço desenvolvido

Leia mais

preço das matérias primas e dos fatores de

preço das matérias primas e dos fatores de Oferta Individual versus Oferta de Mercado A oferta de determinado bem depende de vários fatores: preço do próprio bem preço das matérias primas e dos fatores de produção tecnologia utilizada Oferta Individual

Leia mais

6 CUSTOS DE PRODUÇÃO QUESTÕES PROPOSTAS

6 CUSTOS DE PRODUÇÃO QUESTÕES PROPOSTAS 1 6 CUSTOS DE PRODUÇÃO QUESTÕES PROPOSTAS 1. Se conhecemos a função produção, o que mais precisamos saber a fim de conhecer a função custos: a) A relação entre a quantidade produzida e a quantidade de

Leia mais

Lista de exercícios 5 Microeconomia 1

Lista de exercícios 5 Microeconomia 1 Lista de exercícios 5 Microeconomia 1 Graduação em economia Exercícios para entrega 08 de junho de 2016 Exercício 1. Uma empresa produz bolas de gude e possui a seguinte função de produção: Q = 2(KL) 0.5,

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 14 PARTE II: PRODUÇÃO BIBLIOGRAFIA DA PARTE II: Krugman & Wells, cap. 7, 8 e 9 Varian, caps. 18,19,21,22,23 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells,

Leia mais

Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi.

Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi. 1 2 O objetivo deste capítulo é ensinar a calcular o custo de um produto por meio do sistema de custeio variável, identificando a margem de contribuição, o ponto de equilíbrio e a margem de segurança para

Leia mais

21.1. A curva de custo variável médio deve estar sempre em forma de U.

21.1. A curva de custo variável médio deve estar sempre em forma de U. Capitulo 21 Curvas de custos Questões de Verdadeiro ou falso 21.1. A curva de custo variável médio deve estar sempre em forma de U. 21.2. A curva de custo marginal passa pelo ponto mínimo da curva de custo

Leia mais

Economia é a ciência que se preocupa em alocar recursos escassos, orientando a escolha do que, como e para quem produzir com teorias e informação.

Economia é a ciência que se preocupa em alocar recursos escassos, orientando a escolha do que, como e para quem produzir com teorias e informação. Economia é a ciência que se preocupa em alocar recursos escassos, orientando a escolha do que, como e para quem produzir com teorias e informação. Escassez Necessidades Ilimitadas Recursos Limitados 1

Leia mais

Aplicações da Curva de Possibilidades de Produção

Aplicações da Curva de Possibilidades de Produção Aplicações da Curva de Possibilidades de Produção Introdução Diariamente estamos em contato com informações a respeito da situação econômica do país. Em geral, um dos principais debates diz respeito à

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1ª PARTE: Concorrência Perfeita, Concorrência Monopolística, Monopólio e Oligopólio.

LISTA DE EXERCÍCIOS 1ª PARTE: Concorrência Perfeita, Concorrência Monopolística, Monopólio e Oligopólio. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II ESTÁGIO DOCÊNCIA: VÍVIAN DOS SANTOS QUEIROZ PROFESSOR:

Leia mais

Concorrência Perfeita

Concorrência Perfeita UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS Disciplina: Teoria Microeconômica II Professor: Sabino da Silva Porto Junior Lista 1-2007/01 Concorrência Perfeita (ANPEC 97)

Leia mais

Monitoria de Microeconomia II Victória Martinez Terceira Lista de Exercícios

Monitoria de Microeconomia II Victória Martinez Terceira Lista de Exercícios Monitoria de Microeconomia II Victória Martinez Terceira Lista de Exercícios Questões Referentes aos Tópicos do capítulo 22,23 Varian,Hal R. 7 o edição 1. A que preço mínimo uma rma competitiva que tenha

Leia mais

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 1 Os países envolvem-se no comércio internacional por dois motivos básicos: Os países diferem quanto aos recursos ou à tecnologia.

Leia mais

Os custos podem ser fixos ou variáveis e outras subdivisões: CT = CF + CV CT Custo Total CF Custos Fixos CV Custos Variáveis

Os custos podem ser fixos ou variáveis e outras subdivisões: CT = CF + CV CT Custo Total CF Custos Fixos CV Custos Variáveis FIRMA (OU EMPRESA): É UMA UNIDADE TÉCNICA QUE PRODUZ BENS! Uma vez discutido o funcionamento do mercado, vamos deter-nos um pouco mais na Teoria da Firma (ou Empresa). A Teoria da Firma investiga as variáveis

Leia mais

Fundamentos de Economia

Fundamentos de Economia Fundamentos de Economia Marco Antonio S. Vasconcellos Manuel Enriquez Garcia 3º Edição 2009 4.1 Introdução A microeconomia ou teoria dos preços analisa a formação de preços de benseserviçosedefatoresdeproduçãoemmercadosespecíficos.éo

Leia mais

Estrutura de Mercado e Tomada de Decisão

Estrutura de Mercado e Tomada de Decisão Estrutura de Mercado e Tomada de Decisão Material Teórico Custos Responsável pelo Conteúdo: Prof. Ms. Bruno Leonardo Silva Tardelli Revisão Textual: Profa. Ms. Luciene Oliveira da Costa Santos Custos

Leia mais

Teoria da Firma. Capítulo VI. Introdução. Introdução. Medição de custos: quais custos considerar?

Teoria da Firma. Capítulo VI. Introdução. Introdução. Medição de custos: quais custos considerar? Introdução Teoria da Firma A tecnologia de produção representa a relação entre os insumos e a produção. Dada a tecnologia de produção, os administradores da empresa devem decidir como produzir. Capítulo

Leia mais

RECURSOS NATURAIS. Recursos renováveis correspondem à utilização de recursos não esgotáveis. Recursos não renováveis

RECURSOS NATURAIS. Recursos renováveis correspondem à utilização de recursos não esgotáveis. Recursos não renováveis RECURSOS NATURAIS Fator de produção constituído pelos elementos da natureza (exs.: terra, recursos do subsolo, cursos de água, mares) disponíveis em cada sociedade. Recursos renováveis correspondem à utilização

Leia mais

Profa. Luciana Rosa de Souza

Profa. Luciana Rosa de Souza Profa. Luciana Rosa de Souza o Curto prazo e Longo prazo No estudo da produção, é importante que se diferencie o curto prazo do longo prazo. Curto Prazo: refere-se ao período de tempo no qual um ou mais

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 13 PARTE II: PRODUÇÃO BIBLIOGRAFIA DA PARTE II: Krugman & Wells, cap. 7, 8 e 9 Varian, caps. 18,19,21,22,23 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells,

Leia mais

Microeconomia. 4. Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência. Francisco Lima

Microeconomia. 4. Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência. Francisco Lima Microeconomia 4 Custos da empresa, economias de escala, gama e experiência Francisco Lima 1º ano 2º semestre 2011/2012 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Objectivos Distinguir entre custos

Leia mais

Economia dos Custos de Produção

Economia dos Custos de Produção Economia dos Custos de Produção Custo de oportunidade Livro: Pindyck e Rubinfeld, cap 7 (8ed, Pearson Education, 2013) Slides da Pearson modificados por Alexandre Nunes LES/ESALQ/USP Tópicos para discussão

Leia mais

MODELO DE SOLOW: O MODELO BÁSICO. Profa. Maria Isabel Busato

MODELO DE SOLOW: O MODELO BÁSICO. Profa. Maria Isabel Busato MODELO DE SOLOW: O MODELO BÁSICO Profa. Maria Isabel Busato SOLOW SEM PROGRESSO TÉCNICO Hipóteses do Modelo Economia fechada e sem governo; Economia produz um único bem que pode ser investido ou consumido

Leia mais

ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1

ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1. Constitui um bem de capital: ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1 a) os bens e serviços que se destinam ao atendimento direto das necessidades humanas. b) os bens que aumentam a eficiência do trabalho humano.

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Contabilidade de Custos PROFA. DRA. NATÁLIA DINIZ MAGANINI Agenda - Gestão de Custos e Tomada de Decisão - Custo x Volume x Lucro - Ponto de Equilíbrio (Contábil, Financeiro, Econômico) - Grau de Alavancagem

Leia mais

MICROECONOMIA Resolução

MICROECONOMIA Resolução INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DO PORTO EXAME ÉPOCA DE RECURSO 27 DE JULHO DE 2009 Duração: 2 horas Nome Nº informático Turma Professor(a) Preencha o cabeçalho e, para cada uma das

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos seleção março/2014 GABARITO 1 A B C D E 2 A B C D E 3 A B C D E 4 A B C D E 5 A B C D E 6 A B C D E 8 A B C D E

Prova de Conhecimentos Específicos seleção março/2014 GABARITO 1 A B C D E 2 A B C D E 3 A B C D E 4 A B C D E 5 A B C D E 6 A B C D E 8 A B C D E Prova de Conhecimentos Específicos seleção março/2014 GABARITO Questões Respostas 1 A B C D E 2 A B C D E 3 A B C D E 4 A B C D E 5 A B C D E 6 A B C D E 7 A B C D E 8 A B C D E 9 A B C D E 10 A B C D

Leia mais

PRO INTRODUÇÃO A ECONOMIA. Aula 12 Mercados Perfeitamente Competitivos

PRO INTRODUÇÃO A ECONOMIA. Aula 12 Mercados Perfeitamente Competitivos PRO2208 - INTRODUÇÃO A ECONOMIA Aula 12 Mercados Perfeitamente Competitivos Estruturas de Mercado Preço e Quantidade de equilíbrio Oferta e Demanda Resultados diferentes em diferentes mercados Estruturas

Leia mais

5 Funções de produção na agricultura irrigada

5 Funções de produção na agricultura irrigada 5 Funções de produção na agricultura irrigada 5.1 A água e seus efeitos na produção agrícola Os processos fisiológicos envolvidos na produção vegetal tem uma relação muito estreita com a maior ou menor

Leia mais

Cap. 2 Empresa, Indústria e Mercados

Cap. 2 Empresa, Indústria e Mercados 1. Introdução Analisar os conceitos de empresa, indústria e mercado Cap. 2 Empresa, Indústria e Mercados Economia de Empresas Profa. Michele Polline Veríssimo Incapacidade da teoria neoclássica em tratar

Leia mais

TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES

TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES 1 PLANO FINANCEIRO 2 PRINCÍPIOS GERAIS DE PLANEJAMENTO DIRETRIZES CENÁRIOS PREMISSAS PRÉ-PLANEJAMENTO PLANO DE MARKETING

Leia mais

DECISÕES ESTRATÉGICAS DE CURTO PRAZO: Programação Linear

DECISÕES ESTRATÉGICAS DE CURTO PRAZO: Programação Linear DECISÕES ESTRATÉGICAS DE CURTO PRAZO:! O que é?! Como a pode ajudar na maximização da lucratividade?! Como a pode ajudar na minimização dos custos?! Como determinar um mix de produção através da Programação

Leia mais

Notas de Aula 5: MONOPÓLIO (Varian cap.23) Uma firma em uma indústria Não há substitutos próximos para o bem que a firma produz Barreiras à entrada

Notas de Aula 5: MONOPÓLIO (Varian cap.23) Uma firma em uma indústria Não há substitutos próximos para o bem que a firma produz Barreiras à entrada TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto

Leia mais

TEORIA DA PRODUÇÃO E DOS CUSTOS

TEORIA DA PRODUÇÃO E DOS CUSTOS TEORIA DA PRODUÇÃO E DOS CUSTOS - Tópicos de correcção de exercícios seleccionados - Exercício 1 1 Examine os rendimentos técnicos à escala das seguintes funções de produção: a) 0,5 0,75 0,4 0,6 1 = L

Leia mais

CORREÇÃO PROVA AUDITOR FEDERAL DE CONTROLE EXTERNO TCU 2015

CORREÇÃO PROVA AUDITOR FEDERAL DE CONTROLE EXTERNO TCU 2015 CORREÇÃO PROVA AUDITOR FEDERAL DE CONTROLE EXTERNO TCU 2015 APRESENTAÇÃO Olá, meus amigos. Como estão?! Apresentamos, a seguir, a correção da prova de Contabilidade de Custos, bem como as possibilidades

Leia mais

Planejamento Elaboração Análise

Planejamento Elaboração Análise Samsão Woiler Washington Franco Mathias Projetos Planejamento Elaboração Análise 2ª Edição Capítulo 5 ESCALA E APRENDIZAGEM DEFINIÇÃO E MEDIDA DO TAMANHO Conceito de capacidade sob o ponto de vista técnico:

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 CAPES. FUNÇÕES Parte A

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 CAPES. FUNÇÕES Parte A Universidade Federal do Rio Grande FURG Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 5 CAPES FUNÇÕES Parte A Prof. Antônio Maurício Medeiros Alves Profª Denise Maria Varella Martinez UNIDADE

Leia mais

Comparação dos Métodos de Custeamento por Absorção e Variável/Direto

Comparação dos Métodos de Custeamento por Absorção e Variável/Direto Comparação dos Métodos de Custeamento por Absorção e Variável/Direto Resumo Fernando Henrique Lermen fernando-lermen@hotmail.com Dieter Randolf Ludewig dludewig@fecilcam.br Sabrina Chavarem Cardoso sabrina_chavarem@hotmail.com

Leia mais

Matemática Aplicada à Economia I Lista 3 Cálculo a Várias Variáveis. 1) Use o método das fatias para esboçar os gráficos das seguintes funções:

Matemática Aplicada à Economia I Lista 3 Cálculo a Várias Variáveis. 1) Use o método das fatias para esboçar os gráficos das seguintes funções: Matemática Aplicada à Economia I Lista 3 Cálculo a Várias Variáveis 1) Use o método das fatias para esboçar os gráficos das seguintes funções: f) 2) Esboce conjuntos de nível de cada uma das seguintes

Leia mais

CONCEITOS. Custos de produção

CONCEITOS. Custos de produção CONCEITOS Na agricultura, a administração do empreendimento rural exige tecnologia e conhecimentos para lidar com os riscos e incertezas próprias do setor (clima, política, economia, legislação, etc),

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga. CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 01

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga. CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 01 Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 01 Quanto mais cedo se recebe informação, mais fácil é resolver algum problema. Principais Diferenças entre

Leia mais

Introdução à. Macroeconomia

Introdução à. Macroeconomia Introdução à Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez IBMEC-RJ / UCP O que é? É o estudo da economia como um todo, pois analisa a economia através de suas variáveis fortemente agregadas. Abrange o comportamento

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA NO PREÇO DE VENDA DOS PRODUTOS. Claudio Ciambelli Junior

CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA NO PREÇO DE VENDA DOS PRODUTOS. Claudio Ciambelli Junior CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA NO PREÇO DE VENDA DOS PRODUTOS Claudio Ciambelli Junior Resumo: A Contabilidade é uma ciência fundamental em todo e qualquer ramo de atividade comercial e industrial, que

Leia mais

CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS

CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS Prof. Marcos Vinicius CON 2015/2 DESEMBOLSOS Saídas de dinheiro do caixa ou das contas bancárias das empresas, ou seja, entrega a terceiros de parte dos numerários

Leia mais

Métodos de Custeamento. Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame

Métodos de Custeamento. Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Métodos de Custeamento Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Método de Custeamento RKW ou Pleno e Integral Também denominado método de custeio pleno ou integral, foi desenvolvido na Alemanha no início

Leia mais

P rodução 1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITOS BÁSICOS 2.1 A ESCOLHA DO PROCESSO DE PRODUÇÃO

P rodução 1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITOS BÁSICOS 2.1 A ESCOLHA DO PROCESSO DE PRODUÇÃO P rodução 1 INTRODUÇÃO Uma vez discutido o funcionamento do mercado, vamos deter-nos um pouco mais na Teoria da Firma, que está por trás da curva de oferta de mercado. O grande objetivo da firma que opera

Leia mais

Unidade I. Prof. Luiz Felix

Unidade I. Prof. Luiz Felix Unidade I MATEMÁTICA APLICADA Prof. Luiz Felix Conjuntos Designa-se conjunto uma representação de objetos, podendo ser representado de três modos: representação ordinária A = 0, 1, 2, 3, 4 representação

Leia mais

Parte III: Construindo a Curva de Oferta. Marta Lemme - IE/UFRJ

Parte III: Construindo a Curva de Oferta. Marta Lemme - IE/UFRJ Parte III: Construindo a Curva de Oferta A Firma na Escola Neoclássica Fatores de Produção Em concorrência perfeita, preço é determinado pelo mercado Bens tangíveis ou intangíveis Objetivo da Firma (Neoclássica):

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Última Atualização: 03/06/01 1) A tabela abaixo demonstra que conforme o número de insumos variáveis aumenta com a produção de um bem, teremos um

Leia mais

Conceito de estoque e Apuração do Resultado do Exercício Seção 6

Conceito de estoque e Apuração do Resultado do Exercício Seção 6 Conceito de estoque e Apuração do Resultado do Exercício Seção 6 Prof. Me. Hélio Esperidião O que é estoque? Conceito de Estoque Estoque é a acumulação de recursos materiais em um sistema de produção,

Leia mais

IFSC Câmpus Lages Economia Microeconomia Profª. Larisse Kupski

IFSC Câmpus Lages Economia Microeconomia Profª. Larisse Kupski IFSC Câmpus Lages Economia Microeconomia Profª. Larisse Kupski Fundamentos microeconomia A Microeconomia, ou Teoria de Preços, é a parte da teoria econômica que estuda o comportamento das famílias e das

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE GERENCIAL. Profª Divane Silva

Unidade I CONTABILIDADE GERENCIAL. Profª Divane Silva Unidade I CONTABILIDADE GERENCIAL Profª Divane Silva Objetivos Gerais Desenvolver com os alunos conhecimentos necessários para as seguintes competências: Avaliar os fundamentos teóricos da contabilidade

Leia mais

PONTO DE EQUILÍBRIO CONTABILIDADE DE CUSTOS. Revisão de conceitos... CONTABILIDADE DE CUSTOS. Revisão de conceitos... GASTOS

PONTO DE EQUILÍBRIO CONTABILIDADE DE CUSTOS. Revisão de conceitos... CONTABILIDADE DE CUSTOS. Revisão de conceitos... GASTOS PONTO DE EQUILÍBRIO CONTABILIDADE DE CUSTOS Revisão de conceitos... GASTOS é uma expressão mais genérica, significa aquisição de algo, compra. É o sacrifício financeirodespendido pela empresa na aquisição

Leia mais

FEA-RP/ USP. Análise de Custos. Capítulo 22: Relação Custo/Volume/Lucro. Profa. Luciana C. Siqueira Ambrozini

FEA-RP/ USP. Análise de Custos. Capítulo 22: Relação Custo/Volume/Lucro. Profa. Luciana C. Siqueira Ambrozini FEA-RP/ USP Análise de Custos Capítulo 22: Relação Custo/Volume/Lucro Profa. Luciana C. Siqueira Ambrozini Relação Custo / Volume / Lucro Relembrando... Custos (e despesas) variáveis: São os custos (e

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VI Procura, oferta e equilíbrio de mercado

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VI Procura, oferta e equilíbrio de mercado EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VI Procura, oferta e equilíbrio de mercado Exercício Nº 1 Defina e caracterize os seguintes conceitos: a) Procura individual de um bem. Descreve as quantidades alternativas,

Leia mais