FÁBIO PEIXOTO MEZZADRI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÁBIO PEIXOTO MEZZADRI"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SEAB DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL DERAL DIVISÃO DE CONJUNTURA AGROPECUÁRIA - DCA FÁBIO PEIXOTO MEZZADRI CURITIBA 2007 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ

2 SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SEAB DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL DERAL DIVISÃO DE CONJUNTURA AGROPECUÁRIA - DCA Cenário Atual da Pecuária de Corte Aspectos do Brasil com Foco no Estado do Paraná Ano 2007 CURITIBA 2007 ESTADO DO PARANÁ

3 Governador de Estado Roberto Requião de Mello e Silva Secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento Valter Bianchini Diretor Geral da SEAB Herlon Goelzer de Almeida Chefe do DERAL Francisco Carlos Simioni Mezzadri, Fábio Peixoto XXXX Cenário Atual da Pecuária de Corte - Aspectos do Brasil com Foco no Estado do Paraná - Ano 2007 Fábio Peixoto Mezzadri. Curitiba: SEAB/DERAL/DCA, xxxxxxxxx Colaboradores: Revisão Ortográfica: SUMÁRIO

4 1.0 Introdução Pecuária no Mundo Mundo Pecuária no Brasil Resumo Abates, Produção e Exportação Pecuária no Paraná Características da Pecuária Paranaense Paraná Índices de Produtividade Mercado da Carne Bovina Paranaense Cabeças Abatidas e Produção de Carne Exportações Paranaenses Paraná Preço Médio Corrente Arroba B.ovina Paraná Preço Médio do Bezerro e Boi Magro Parque Industrial Programas Ligados à Pecuária de Corte no Paraná Rastreabilidade Pecuária de Curta Duração Nova Metodologia de Comercialização Alianças Medológicas Ações e filosofia de trabalho das Alianças Mercadológicas Tabela Padrão do Novilho Precoce Paranaense Características da Produção no Paraná Pastagense Alimentação Descrição das Principais Espécies Forrageiras Cultivadas no Paraná Aspectos Sanitários Aspectos Ambientais Praticas de Conservação e Manejo Ambiental, utilizadas também para propriedades que trabalham com pecuária de corte Setores que trabalham o Meio-Ambiente, Produção Correta e Sustentável Raças de Corte Criadas no Paraná Aberdeen e Red Angus Charolês Simental Limousin Caracu Nelore Guzerá Principais raças criadas no Paraná e Brasil, oriundas de cruzamentos(sintéticas) Canchin Brangus Simbrasil Perspectivas Conclusão...43

5 1.0 INTRODUÇÃO O Brasil, atualmente possui o maior rebanho bovino comercial do mundo, com aproximadamente 200 milhões de cabeças, criadas quase que em sua totalidade de maneira extensiva, a pasto, sem o uso de qualquer alimento suplementar, a não ser os minerais e da forma mais natural possível, integrando a atividade pecuária ao meio-ambiente, resultando, cada vez mais, em uma carne produzida de maneira sustentável, natural, buscando-se minimizar agressões à natureza. Assim como o restante do País, o Estado do Paraná apresenta uma pecuária na maioria extensiva, possuindo uma variedade de solos e climas que propiciam a implantação de diversas pastagens de qualidade, a criação e adaptação de diferentes espécies bovinas e seus cruzamentos. Além das favoráveis características naturais, o Paraná conta com produtores cada vez mais profissionais e capacitados, que buscam atingir grandes índices produtivos, com respeito ao meio-ambiente. No estado desenvolvem-se programas de governo que visam o aprimoramento da atividade pecuária, em busca de maior rentabilidade do produtor rural com sustentabilidade, buscando levar ao consumidor final, produtos de qualidade e com garantia sanitária. Este trabalho mostrará alguns dados da pecuária de corte mundial, números e aspectos relevantes da atividade no cenário nacional com foco em aspectos fundamentais da atividade no Estado do Paraná; descritos e comentados. 5

6 2.0 PECUÁRIA NO MUNDO 2.1 Mundo Certamente, o Brasil ainda é um dos únicos países que possui condições para expandir na pecuária de corte visto que ainda existem muitas áreas a serem exploradas, de forma ecologicamente correta e com tecnologias de produção que visam não agredir o meio ambiente. Países tradicionais produtores de carne bovina como a Austrália e Argentina, encontram problemas para a expansão de seus rebanhos, como a seca e a falta de território. Nosso país conta com uma grande variedade de espécies forrageiras e raças bovinas de alta produtividade e perfeitamente adaptadas ao nosso território. Todos estes aspectos levam o Brasil a possuir uma pecuária de corte saudável, com animais alimentados, com produtos e rações de origem vegetal e criados dentro de modernos e corretos conceitos ambientais. Segundo estimativa da FAO, o mundo no ano de 2005, produziu 264,7 milhões de toneladas de carnes, com crescimento de 2,8% em relação ao ano de Deste total, 63,5 milhões de toneladas foram de carnes bovina. 6

7 Produção Mundial de Carnes (em milhões de toneladas) Países (estimativa) 2005 (previsão) Total Mundial 253,3 257,6 264,7 Carne de Aves 76,2 77,8 80,0 Carne Suína 98,5 100,8 103,4 Carne Bovina 61,5 61,5 63,5 Carne Caprina e Ovina 12,2 12,4 12,8 Outras Carnes 5,0 5,1 5,1 Exportações 19,5 19,3 20,1 Carne de Aves 8,2 7,8 8,2 Carne Suína 4,2 4,5 4,5 Carne Bovina 6,1 6,0 6,3 Carne Caprina e Ovina 0,7 0,7 0,8 Outras Carnes 0,2 0,2 0,2 40,3 40,5 41,7 Carne de Aves 12,2 12,2 12,6 Carne Suína 15,7 15,9 16,3 Carne Bovina 9,8 9,7 10,0 Carne Caprina e Ovina 1,9 2,0 2,0 Outras Carnes 0,8 0,8 0,8 Consumo Capita (kg) Per Fonte: FAO Food Outlook Abril

8 3 3.0 PECUÁRIA NO BRASIL O Brasil tem o maior rebanho comercial do mundo: aproximadamente 200 milhões de cabeças em 2006 Maior exportador mundial de carne bovina Em 2006, o Brasil abateu 44 milhões de cabeças de bovinos e produziu aproximadamente 9 milhões de toneladas de carne, sendo que deste total 28% foram exportados e 72% vendidos no mercado interno. Em 2006, o Brasil superou a Austrália em receita de exportação com carnes bovina A quantidade de carne exportada aumentou 13% em 2006, passando de 1,96 milhão de toneladas em equivalente carcaça, em 2005, para 2,22 milhões de toneladas no ano de Mas, segundo a CNA, os ganhos não chegam ao produtor que enfrentou em 2006 o quarto ano consecutivo de perdas. Falta renda para o pecuarista manter a produtividade em nível satisfatório, afirma o presidente do Fórum da Pecuária de Corte da CNA, Antenor Nogueira. Nos quatro anos de pesquisa CNA/CEPEA foi possível constatar uma perda de margem de lucro na atividade de 42%, devido ao aumento de 32% nos custos de produção e queda de 9,5 no preço da arroba do boi. Apesar do quadro de dificuldades enfrentado pelo Brasil em 2006, devido a problemas com a febre aftosa, nos estados do Paraná e Mato Grosso do Sul, o país fechou 2006 como o maior exportador de carne do mundo, superando a Austrália também em receita de exportação, devido à melhoria da qualidade da nossa carne e a venda de cortes industrializados e embalados, agregando valor ao nosso produto. Quando surgiram focos e suspeitas de febre aftosa, em algumas regiões produtoras brasileiras, em 2005, mais de 50 países restringiram as importações da carne brasileira. Mesmo assim, contando apenas com a carne produzida nos estados não embargados, o País exportou US$ 3,92 bilhões no ano de 2006, o que representa 28% de aumento em relação a 2005, quando foram exportados US$ 3,06 bilhões. 3.1 Resumo Abates, Produção e Exportações BRASIL - Maior rebanho comercial do mundo com aproximadamente 200 milhões de cabeças bovinas Abates (cabeças) Ano milhões de cabeças 4 Produção de carne Ano milhões de toneladas Crescimento das Exportações 8

9 Aumento das exportações em 28% no ano de devido a uma série de fatores positivos como: valorização da carne brasileira no mercado externo, recuperação do consumo mundial e a incapacidade de outros países produtores, como Argentina, Estados Unidos e União Européia, de atenderem a essa demanda, principalmente por motivos geográficos, territoriais, ambientais e sanitários. Receita Ano 2005 = US$ 3,06 bilhões Ano 2006 = US$ 3,92 bilhões Crescimento de 28% em 2006 Volume Ano 2005 = 1,96 milhão de toneladas Ano 2006 = 2,22 milhão de toneladas Crescimento de 13% em 2006 (Fonte: MAPA) No ano de 2006, 28% da carne produzida no Brasil foi exportada e 72% permaneceu no mercado interno. 9

10 4.0 PECUÁRIA NO PARANÁ 5 7º rebanho no ranking brasileiro 10 milhões de cabeças bovinas (rebanho de leite, corte e misto) 5% do rebanho nacional Aproximadamente 7,5 milhões de cabeças formam o rebanho de corte paranaense, alocado em propriedades com tamanho médio de 140 cabeças e 40 mil produtores. As regiões mais expressivas em pecuária de corte no estado são Umuarama e Paranavaí, embora existam outras regiões muito importantes na atividade como: Londrina, Maringá, Campo Mourão, Jacarezinho, Ponta Grossa, entre outras. UMUARAMA 1º lugar = cabeças PARANAVAÍ 2º lugar = cabeças 10

11 6 Os bovinos da raça nelore e anelorados compõem aproximadamente, 70% do rebanho de bovinos do Brasil e também do Paraná, onde a raça adaptou-se perfeitamente ao clima subtropical observado nas regiões do Norte, Noroeste e Oeste do Estado. A constante busca de melhores índices de produtividade na pecuária moderna faz com que cada vez mais sejam utilizadas técnicas reprodutivas, como: a inseminação artificial, a transferência de embriões e o cruzamento industrial. No cruzamento industrial são utilizados reprodutores de raças européias, DISTRIBUIÇÃO DO REBANHO NO PARANÁ SEGUNDO APTIDÃO E RAÇAS REBANHO Total % Corte Misto Leiteiro Nelore % Cruzamento Industrial - % Fonte: SEAB/DERAL sobre um rebanho de matrizes de sangue zebuíno (maioria base nelore no Brasil e Paraná). Este tipo de cruzamento agrega ao produto obtido, através da heterose (choque de sangue), fatores positivos, como: rusticidade, maior ganho de peso, melhor qualidade de carcaça, maior conversão alimentar, melhor habilidade materna nas fêmeas, maior fertilidade, adaptabilidade, entre outras características. Além do nelore, outras raças puras européias e zebuínas merecem destaque no Estado, entre elas: a charolesa, simental, limousin, guzerá, caracu, aberdeen angus, etc. 11

12 7 4.1 Características da Pecuária Paranaense Produtores cada vez mais tecnificados Pastagens de qualidade Aumento da lotação (> 1,5 cab/ha) Rebanhos de alto valor genético Sanidade dos rebanhos Crescimento em produtividade INDICADORES REFERÊNCIA ATUAL META Taxa de natalidade 60% 75 a 80% Mortalidade no 1º ano 2% 1% 1,5 U.A 3,0 U.A 36 meses 24 meses Intervalo entre partos 14,5 meses 12 meses Produção de carne 82 kg/ha/ano 180 a 200 kg/ha/ano 36 meses 24 a 15 meses Rendimento de carcaça 52% > 55 a 56% (machos) Taxa de desfrute 22% 30% Taxa de lotação de pastagens Idade média 1ª cria Idade média de abate Fonte: SEAB/DERAL/EMATER 2007 / PR Paraná Índices De Produtividade 2007 O Estado do Paraná está se tornando um pólo superior em pecuária de corte. Os rebanhos possuem qualidade genética e sanidade, os produtores preocupam-se cada vez mais em conhecer e utilizar tecnologias sejam elas, sanitárias, de manejo, reprodutivas e nutricionais que levem a uma maior produtividade de seus rebanhos. O uso destas tecnologias, o entendimento de novos conceitos na pecuária de corte e a modernização das propriedades rurais, estão resultando, na melhoria constante dos níveis de produtividade, demonstrados no quadro acima. Estes índices são uma média das marcas atingidas em todo o Estado, sendo que em muitas propriedades os índices de produtividade apresentam-se bem superiores aos apresentados. 12

13 9 4.3 Mercado da Carne Bovina Paranaense Produção Exportação Variação Preços Cabeças Abatidas e Produção de Carne Ano 2005 com SIF e SIP cabeças - * t de carne Ano 2006 com SIF e SIP cabeças - * t de carne * convertido peso de carcaça de 225 kg No total, no ano de 2006, o Paraná abateu cerca de cabeças com uma produção de 530 mil toneladas de carne. 4.5 Exportações Paranaenses Ano 2005 Carnes in natura t US$ 78 milhões Carnes industrializadas 500 t Ano 2006 Carnes in natura t US$ 14 milhões Carnes industrializadas 718 t 13

14 *FOB - Fonte: MDIC/SECEX/ sistema aliceweb 14

15 Paraná - Preço Médio Corrente - Arroba Bovina Ano 2002 Ano 2003 Ano 2004 Ano 2005 Ano ,41 54,14 55,89 50,76 48,86 VARIAÇÃO ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2006 Ano ,76 Fonte: SEAB/DERAL/DEB Ano 2006 Variação % 48,86-3,74 Elaboração: SEAB/DERAL/DCA Arroba Bovina Paraná - Evolução dos Preços - Anos 2002 a 2006 R$ 60,00 R$ 55,00 R$ 50,00 R$ 45,00 R$ 40,00 Ano 2002 Ano 2003 Ano 2004 Ano 2005 Ano 2006 Fonte: SEAB/DERAL 15

16 12 Arroba Bovina - Paraná Cotações Médias Janeiro a Julho de 2007 em Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho 51,65 52,14 52,79 52,23 51,55 52,57 57,25 Fonte: SEAB/DERAL/DEB Elaboração: SEAB/DERAL/DCA Paraná - Preços Médios Estaduais da Arroba Bovina - Janeiro a Julho de 2007 R$ 58,00 R$ 57,00 R$ 56,00 R$ 55,00 R$ 54,00 R$ 53,00 R$ 52,00 R$ 51,00 R$ 50,00 R$ 49,00 R$ 48,00 Jan Fev Fonte: SEAB/DERAL/DEB Mar Abr Mai Jun Julho Elaboração: SEAB/DERAL/DCA O ano de 2007 iniciou-se apresentando ainda baixas cotações para a arroba bovina. O clima atípico que ocorreu aproximadamente até o mês de abril de calor prolongado e chuvas constantes, contribuiu para a boa produtividade das pastagens por maior tempo, propiciando maior período de engorda para o gado, situação que explica um pequeno declínio nas cotações da arroba neste mês, quando ocorreu grande oferta de animais no mercado proveniente dos últimos lotes, ainda retirados de pastagens de verão. Esta situação, aliada a fatores que serão descritos, a seguir, contribuiu para a crescente oferta de carnes no mercado interno, fato que ocasionou até o 1º semestre de 2007 as baixas cotações da arroba. Os fatores que ocasionaram a queda e estagnação dos preços em baixos patamares, mais expressivamente, desde o ano de 2004, foram: MAIOR OFERTA NO MERCADO INTERNO 16

17 13 Ocasionada por: Liberação de áreas de pastagens para o plantio de cereais; Liberação de áreas de pastagens para o plantio da cana-de-açúcar, principalmente no noroeste do Paraná; Aumento no custo dos principais insumos; Perda de rentabilidade; Maior volume de matrizes abatidas = 50%; Redução nas exportações; = excesso na oferta interna de carne!!! O início do mês de junho marcou a retomada dos preços da arroba bovina, o que acentuou-se mais concretamente a partir de julho (2ºsemestre como era o previsto), chegando ao fim do mês ao valor de R$ 58,12, sendo que, as cotações chegaram a R$ 60,00 nas regiões de Curitiba, Londrina e Umuarama e a R$ 59,00 na de Paranavaí. Além do início da recuperação dos preços do boi gordo, outro setor que esboça recuperação é o da cria. O grande abate de matrizes que acontece desde 2003, aproximadamente, ainda continua, porém agora mais expressivamente na região noroeste (Umuarama e Paranavaí), a mais importante em pecuária de corte no Estado, onde muitas e tradicionais propriedades de pecuária de corte estão mudando para a cana-de-açúcar. Estes pecuaristas estão abatendo todos os seus animais, inclusive matrizes em idade produtiva, na intenção de transformarem suas pastagens em canaviais, retirando suas estruturas de currais, cercas e cochos e dificilmente voltarão para a atividade pecuária. Esta situação que já ocorre a alguns anos e hoje continua em função do avanço da cana, aliada a outros fatores econômicos e também ao ciclo pecuário, está causando declínio na oferta de bezerros e também em outras categorias do mercado de reposição, como bois magros e novilhas. O preço do bezerro de desmama, com dos 7 a 9 meses, que no ano de 2005, não ultrapassou na média R$ 370,00 hoje está apresentando cotações entre R$ 400,00 a R$ 450,00, sendo que em algumas praças, dependendo da raça e qualidade dos animais, estes valores chegam a R$ 500,00 por cabeça, mostrando um acréscimo médio de 22%, no valor destes animais. Outra importante categoria da reposição que apresentou elevação nas cotações foi o boi magro. No mês de julho de 2006, a média dos preços desta categoria levantada pelo DERAL foi de R$ 487,60/cabeça, acrescendo em 26%, em relação ao mês de julho de 2007, onde o valor observado foi de R$ 615,32/cabeça. 17

18 4.7 Paraná - Preços Médios de Bezerros e Bois Magros Paraná - Preços Médios do Bezerro Ano 2005 e julho de 2006 Ano 2005 Julho 2007 R$ 370,0 R$ 450,0 Fonte: DERAL Pesquisa de Mercado Paraná - Variação dos Preços Médios do Bezerro R$ 500,00 R$ 400,00 R$ 300,00 R$ 200,00 R$ 100,00 R$ 0,00 Ano 2005 Julho de 2007 Fonte: DERAL Pesquisa de Mercado Paraná Preços Médios do Boi Magro p/ Engorda Julho de 2006 e Julho de 2007 Julho 2006 Julho 2007 R$ 487,60 R$ 615,32 Fonte: SEAB DERAL Paraná - Variação dos Preços do Boi Magro p/ Engorda - Julho de 2006 e Julho de 2007 R$ 800,00 R$ 600,00 R$ 400,00 R$ 200,00 R$ 0, Fonte: SEAB - DERAL 15 18

19 5.0 PARQUE INDUSTRIAL 26 frigoríficos com SIF (Serviço de Inspeção Federal) 71 plantas com SIP (Serviço de Inspeção Estadual) Atualmente 3 frigoríficos no Estado exportam carne bovina: Frig. Mercosul Paiçandu e Nova Londrina Frig. Garantia Maringá (empresa adquirida pelo grupo Friboi) Frig. Margen - Paranavaí 19

20 6.0 PROGRAMAS LIGADOS À PECUÁRIA DE CORTE NO ESTADO DO PARANÁ 16 Rastreabilidade SEAB/DEFIS/PR Pecuária de Curta Duração EMATER/PR Rastreabilidade É a identificação individualizada dos animais e o acompanhamento da fazenda até o frigorífico, conhecendo e registrando dados sobre a espécie, sexo, raça, data de nascimento, filiação, sistema de criação e alimentação, vacinações e exames realizados. A rastreabilidade será executada por entidades certificadoras credenciadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA -. No Paraná, a Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento SEAB -, por meio do Departamento de Fiscalização e Defesa Agropecuária/Divisão de Defesa Sanitária Animal (DEFIS/DDSA), dispõe da certificadora oficial denominada CERT SEAB/DDSA, sendo o único órgão público a realizar a rastreabilidade. A entidade certificadora identifica os animais individualmente e registra todos os dados de relevância ao longo de sua vida, em banco de dados do seu próprio sistema e também dados das propriedades e proprietários. Supervisiona o registro das informações, o controle das movimentações de animais, o manejo reprodutivo, alimentar, sanitário e a utilização de insumos. Os animais rastreados deverão ter dupla identificação, podendo ser adotada uma das opções: a) Duplo brinco (brinco grande + bóton); b) Brinco grande + dispositivo eletrônico; c) Brinco grande + tatuagem; d) Brinco grande + marca à fogo (desaconselhável); 20

21 cabeças estão rastreadas no Paraná, sendo pelo CERT-SEAB (dados de abril de 2007) Pecuária de Curta Duração EMATER PR - Sistema intensivo de criação de bovinos, do nascimento até a terminação O Programa Pecuária de Curta Duração, desenvolvido e coordenado pela equipe de técnicos da EMATER, busca orientar os pecuaristas a utilizarem técnicas modernas, atuais e eficazes de manejo, reprodução, sanidade e nutricionais para que estes venham a obter animais melhorados, chegando ao objetivo final que é a produção de um bovino precoce, de carne macia e com cobertura de gordura adequada. OBJETIVOS Produzir carnes de excelente qualidade; Aumentar a renda do pecuarista e acelerar o giro de capital; Terminação de animais precoces em até 24 meses e superprecoces em até 16 meses; Incentivar as Alianças Mercadológicas ; Incentivar a profissionalização dos produtores; Focar a produção de carnes e não somente a criação de bovinos; 21

22 7.0 NOVA METODOLOGIA DE COMERCIALIZAÇÃO ALIANÇAS MERCADOLÓGICAS 19 O Estado do Paraná, desde 1998, conta com um importante projeto pioneiro no cenário nacional, as Alianças Mercadológicas, quando surgiu a primeira organização no município de Guarapuava. As Alianças são uma nova metodologia para a produção e comercialização de carne bovina diferenciada, proveniente de animais precoces, rastreados, com sanidade e qualidade de carne garantida. Este projeto beneficia o pecuarista que participa do processo de comercialização da carne, recebendo um valor justo pela venda de animais de qualidade superior e, também, os consumidores que tem a opção de adquirir um produto diferenciado que apresente aspectos como: textura, maciez e sabor, além de estarem consumindo um produto com garantia de sanidade e origem. Busca de produção de carnes de qualidade superior entregue a nichos de mercados específicos, com remuneração superior e mais justa ao produtor; Ano organizações (5 alianças e 3 cooperativas); 130 produtores com potencial de abate de cabeças de novilhos precoces/ ano; 7.1 Ações e filosofia de trabalho das Alianças organização dos produtores escala de produção constância de abastecimento padrão de qualidade e sanidade fidelização dos consumidores 7.2 Padrão do Novilho Precoce Paranaese Fonte: Instrução Normativa SEAB CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO NO PARANÁ Confinamentos - Noroeste e Norte; Oferta constante de animais ao longo do ano; Posição climática e topográfica privilegiada; Adaptação de diferentes espécies bovinas (zebuínas e taurinas), o que possibilita o cruzamento industrial; 22

23 No Estado do Paraná, o sistema totalmente intensivo (confinamento) não é uma prática amplamente utilizada. Existe uma maior concentração deste sistema nas regiões noroeste (Umuarama e Paranavaí) e na região norte (Londrina e Maringá). O município onde se localizam em maior parte os confinamentos é Cidade Gaúcha, localizada no núcleo regional de Umuarama. O Paraná possui um clima diversificado. O norte do Estado é cortado pelo Trópico de Capricórnio que divide o clima em subtropical e temperado, o que favorece a cultura de variadas espécies forrageiras em todas as estações do ano, e permite a criação de diferentes raças bovinas adaptadas ao frio e ao calor, favorecendo a oferta constante de animais precoces e com bom peso ao longo do ano. 23

24 PASTAGENS E ALIMENTAÇÃO 6,7 milhões de hectares de pastagens: 1,4 milhões de ha de pastagens nativas e 5,3 milhões de ha de pastagens cultivadas; No Sul do Estado são utilizados, além das pastagens plantadas, feno e concentrados; Possibilidade de utilização de resíduos e subprodutos das culturas de verão, como o milho, trigo, cana-de-açúcar, soja e mandioca; A utilização de subprodutos vegetais, elimina a necessidade de se fazer uso de rações com resíduos de origem animal. As pastagens paranaenses são formadas por espécies forrageiras diversas e de qualidade, como as Braquiárias (Brizanta, Decubens, Humidícola), as Hermátrias (Roxinha, Estrela, Flórida), Capim-Elefante, Napier, Colonião, Capim Jaraguá, Setárias, Milheto entre outras espécies tropicais. Entre as variedades de inverno (clima temperado), as mais difundidas são a aveia-preta e o azevém, consorciadas muitas vezes com leguminosas como os trevos branco e vermelho. Nos sistemas intensivos de criação, nos quais se busca produtividade máxima e a produção de animais pesados e precoces, também são utilizados outros alimentos volumosos, como silagens de milho e sorgo, pré-secados de aveia e azevém, além de fenos. Os alimentos concentrados vêm na forma de rações, produzidas com resíduos totalmente de origem vegetal ( subprodutos do milho, trigo, soja, mandioca, cana-de-açúcar, etc...), produtos de fácil acesso em um Estado de expressiva produção agrícola como o Paraná. 9.1 Descrição das Principais Espécies Forrageiras Cultivadas no Paraná * Espécies Tropicais (verão): Capim colonião - adaptação a solos arenosos de boa fertilidade - baixa resistência ao frio - reprodução tanto por muda como por semente - boa resistência ao pisoteio - manejo com melhor aproveitamento não inferior a 40 cm e não superior a 1,5 m. - produtividade de 40 a 50 t de massa verde/ha/ano em 3 ou 4 cortes/ano, podendo chegar entre 180 e 200 t adubando

25 Brachiaria decumbens - alta resistência à seca - bastante agressiva, boa para controle de erosão - responde bem à adubação - manejo: entrar com os animais com a altura da planta entre 30 e 40 cm e retirar com 10 a 15 cm, com descanso de 15 dias - boa resistência ao pisoteio. Brachiaria humidícola - resistente ao pisoteio - tolerante ao ataque de cigarrinhas - bastante agressiva - mais exigente que a decumbens quanto à qualidade do solo - usada para eqüinos. Brachiaria Ruzziziensis - menos agressivas que as outras - não é exigente em fertilidade, mas responde bem à adubação - resistente à alta pluviosidade. Setária Kazungula - grande resistência à seca - tolera baixas temperaturas, mas não geadas - solos de textura média e férteis - manejo de 50 cm até 10 cm (não deixar atingir alto grau de maturação) - elevada palatabilidade - sofre ataque de cochonilha. 24 Capim elefante - resistência relativa ao frio, fogo e seca - baixa resistência à geada - manejo como pastagem - 70 a 80 cm até 30 cm - manejo como capineira: 1,30 a 1,50 m até 15 a 20 cm - idade de maturação 100 dias - plantar as mudas com 15 cm de profundidade, com 50 cm até 1,0 m de espaçamento. Capim Jaraguá - curto período de aproveitamento - alta resistência ao fogo, pisoteio e solos fracos - pouco tolerante a secas e baixas temperaturas 25

26 Capim gordura - baixa produtividade - resistente a solos fracos - não tolerante ao fogo, pisoteio e seca - bom para terrenos com alta declividade. MILHETO Capim anual de verão, possui muito boa condição nutricional para gado leiteiro e de corte, sendo recomendado como pasto de verão para vacas em produção. Possui proteína, média a alta, com boa digestibilidade e NDT. Requer manejo adequado (seja sob cortes ou em pastejo direto), tendente a prolongar o uso no fim de verão/outono antes da emissão da haste floral. Utilizado na região em cultivo exclusivo, sendo implantado, preferencialmente, a partir do mês de novembro. Usa-se em torno de 25 a 30 kg/ha. É uma planta bastante sensível merecendo cuidados especiais na sua implantação, devido a vulnerabilidade das sementes. 25 Espécies de Clima Temperado (inverno): AZEVÉM O azevém anual é a principal gramínea de inverno para a produção de leite e carne. Possui alta palatabilidade, alto nível de proteína e digestibilidade, bem como boa composição mineral. Possui, entretanto, excesso de água no inverno, o que limita um maior consumo de matéria. É uma gramínea de clima sub-tropical temperado, rústica, agressiva, com boa capacidade de perfilhamento, vegetando bem em solos com razoável umidade, não tolerando, entretanto encharcamento. Possui bastante resistência às geadas. Além de excelente opção forrageira, presta-se como alternativa para cobertura de solo, proporcionando boa produção de massa e proteção. Além do cultivo exclusivo pode ser consorciada com outras gramíneas (aveia, centeio) e com leguminosas (serradela, trevos, alfafa, ervilhaca, cornichão, etc.). Normalmente, em comparação com a aveia, apresenta um crescimento inicial um pouco lento, mas, em compensação, seu pastejo é mais prolongado, variando de 60 a 180 dias, conforme o sistema adotado. 26

27 AVEIA É uma planta anual bastante difundida no Sul do País, desenvolvendo-se no outono, inverno e início da primavera. Tem características semelhantes às do azevém, porém, um período de aproveitamento mais curto e mais precoce. É comum consorciar-se com azevém para aumento do período de pastagem. Existem as espécies: branca, amarela e preta, sendo esta preferível para forragem. A aveia preta, principalmente, pode ser utilizada na alimentação animal em pastejo direto, na forma de feno, de silagem ou através do aproveitamento dos grãos na formulação de concentrados. No crescimento vegetativo, a aveia possui alta proporção de folhas, é suculenta, com elevado grau de umidade, proteínas e sais minerais. A aveia preta é mais rústica, possui maior capacidade de perfilhamento, panícula mais aberta e semente menor, quando comparada à branca e a amarela. É mais resistente ao ataque de doenças e pulgões. Além disso, é mais resistente à seca e menos exigente em fertilidade, sendo, portanto, mais indicada para adubação verde que as outras duas. A aveia-preta pode ser cultivada solteira ou consorciada com azevém, ervilhaca, centeio, trevos, tremoço e nabo forrageiro etc. Além de excelente forrageira, é melhoradora de solos, inclusive utilizada como regeneradora da sua sanidade, diminuindo a população de patógenos, resultando em aumentos no rendimento das culturas de verão. Por isso, é recomendada para rotação de culturas, dentro do sistema de produção e como planta de cobertura para o sistema Plantio Direto. TREVO BRANCO É a principal leguminosa componente de pastagens perenes de inverno. Tem características decumbentes, com elevado valor nutritivo, é rica fonte de proteína, cálcio fósforo e caroteno. Esta espécie é glabra, de hábito prostrado, com muitos talos estendendo-se pela superfície do solo e produzindo raízes adventícias em cada nó. Este hábito estolonífero é uma característica valiosa em uma planta que se utiliza em pastagens submetidas a pastoreio intenso. O sistema radicular primário se perde logo que a planta se estabelece. Os folíolos são ovalados e com freqüência possuem uma mancha branca, em forma de meia lua, na base superior. A inflorescência é um capítulo com muitas flores (50200) brancas ou rosadas. A semente tem forma de coração e cor amarela dourado. Há aproximadamente sementes por kg. Apresenta boa persistência e capacidade para recuperar-se rapidamente de corte ou pastoreio

28 Ainda que em semeadura isolada o trevo branco possa render até kg/ha de matéria seca, o seu principal objetivo deve ser a consorciação com gramíneas e até outras leguminosas. É perigoso quando dominante, dada sua característica de gerar timpanismo (meteorismo) nos bovinos, sendo que o principal cuidado é manter sempre gramíneas em consorciação. Nestas circunstâncias, a sua produção é reduzida devido à competição por água, luz e nutrientes, contribuindo com 25% (2.800 a kg/ha) da produção de forragem da área, porém proporciona incrementos na produção e qualidade da forragem total produzida na área. 27 TREVO VERMELHO Leguminosa com até 70 cm de altura, de raiz pivotante e profunda. O trevo-vermelho é uma planta não rasteira, com talos erguidos ou decumbentes, podendo apresentar raízes adventícias ao lado da pivotante. Inflorescência sobre uma ou duas folhas normais com estípulas dilatadas. É uma planta de clima temperado e sub-tropical, de ciclo outono/inverno/primavera, decrescendo no verão. Produz boa massa verde com ótimo valor nutritivo Normalmente tem apresentado melhor comportamento nas regiões mais frias. Nesses locais, em regiões mais quentes, sofre com a seca estival, perdendo folhas. Geralmente é de ciclo bienal, mas com verões secos torna-se anual. Normalmente suporta geadas, preferindo outono/inverno frios e verões frescos para o melhor desenvolvimento. É uma planta que apresenta bom comportamento em solos semiprofundos, drenados e de boa fertilidade. É menos exigente em fósforo que o trevo branco. Usado principalmente em consorciação com trevo branco, cornichão, azevém, festuca, dactilo e cevadilha. Não suporta pastejo intenso e quando submetido a esse sistema torna-se dominado pelos outros componentes da consorciação, porém, em regime de pastejo leve acaba suprimindo o desenvolvimento das outras espécies. Fonte das fotos e texto * sites: / acesso em 26/07/2007 www. copercampos.com.br / acesso em 26/07/

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Diária. Serviço de Informação. 10/fevereiro/2012. Foto: Josnei, Guarapuava

Diária. Serviço de Informação. 10/fevereiro/2012. Foto: Josnei, Guarapuava Serviço de Informação Diária 10/fevereiro/2012 Foto: Josnei, Guarapuava Núcleos Regionais da SEAB Edição e Publicação: SEAB/Departamento de Economia Rural APUCARANA Ontem o dia foi ensolarado na parte

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Diária. Serviço de Informação 19/11/2012. Foto: Tonon, frutas de caroço no ER Lapa.

Diária. Serviço de Informação 19/11/2012. Foto: Tonon, frutas de caroço no ER Lapa. Serviço de Informação Diária Foto: Tonon, frutas de caroço no ER Lapa. 19/11/2012 Núcleos Regionais da SEAB Edição e Publicação: SEAB/Departamento de Economia Rural APUCARANA Final de semana com tempo

Leia mais

S D. Serviço de Informação Diária 31/05/2010. DERAL Departamento de Economia Rural. SEAB - PR Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento

S D. Serviço de Informação Diária 31/05/2010. DERAL Departamento de Economia Rural. SEAB - PR Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento Serviço de Informação Diária S D 31/05/2010 SEAB - PR Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento DERAL Departamento de Economia Rural Agenor Santa Ritta Neto Luiz Roberto de Souza APUCARANA Bom

Leia mais

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON ASSOCON Associação Nacional dos Confinadores Entidade nacional com 85 membros 21% do volume confinado

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL 1. A RAÇA ABERDEEN ANGUS Originária da Escócia, a raça foi selecionada em função de suas características superiores de precocidade, fertilidade, rusticidade,

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

Análise Técnica e Econômica de Sistemas de Produção de Bezerros

Análise Técnica e Econômica de Sistemas de Produção de Bezerros Análise Técnica e Econômica de Sistemas de Produção de Bezerros Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG A fase de Cria Aspectos Econômicos Eficiência econômica encontra-se altamente

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Armindo Neivo Kichel 1 ; José Alexandre Agiova da Costa 1 ; Roberto Giolo de Almeida 1 1 Pesquisador EMBRAPA Gado de Corte,

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade.

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade. OUTUBRO 2006 Para chegar ao novo animal, os criadores contaram com a ajuda do superintendente do laboratório de inseminação artificial Sersia Brasil, Adriano Rúbio, idealizador da composição genética

Leia mais

ASPECTOS MUNDIAIS - BRASILEIROS - PARANAENSES

ASPECTOS MUNDIAIS - BRASILEIROS - PARANAENSES GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO - SEAB DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL - DERAL DIVISÃO DE CONJUNTURA AGROPECUÁRIA DCA ASPECTOS MUNDIAIS - BRASILEIROS -

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL Senepol SL Programa SLde Melhoramento Estância Santa Luzia SENEPOL Benefícios dos Touros Senepol Santa Luzia Venda permanente Reprodutores & Doadoras Qualidade diferenciada a preço justo Na condução, Pedro

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus ANGUS: Rentabilidade e mercado Fábio Schuler Medeiros Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus Nossos Questionamentos... Como está a

Leia mais

16/06/2010. Serviço de Informação Diária. DERAL Departamento de Economia Rural. SEAB - PR Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento

16/06/2010. Serviço de Informação Diária. DERAL Departamento de Economia Rural. SEAB - PR Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento Serviço de Informação Diária S D 16/06/2010 16 10 SEAB - PR Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento DERAL Departamento de Economia Rural Agenor Santa Ritta Neto Luiz Roberto de Souza APUCARANA

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG 1Elmer Ferreira Luiz de Almeida; 2José Alberto de Àvila Pires 1 Coordenador Técnico Bovinocultura de Leite da EMATER-MG 2Coordenador Técnico Bovinocultura de

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

Serviço de Informação Diária 14/06/2010. DERAL Departamento de Economia Rural. SEAB - PR Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento

Serviço de Informação Diária 14/06/2010. DERAL Departamento de Economia Rural. SEAB - PR Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento Serviço de Informação Diária S D 14/06/2010 SEAB - PR Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento DERAL Departamento de Economia Rural Agenor Santa Ritta Neto Luiz Roberto de Souza APUCARANA Bom

Leia mais

Potencial Agropecuário da

Potencial Agropecuário da Potencial Agropecuário da região Centro Norte de MT Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. CARACTERIZAÇÃO DA REGIÃO... 3 2.1 CARACTERIZAÇÃO DAS ÁREAS E PRODUÇÃO DA REGIÃO... 5 2.2 IMPORTÂNCIA ECONÔMICA... 7 B Geração

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

Projeto SIMGIR. 1 Introdução. 2 Escolha das Raças. 3 Parceria. 4 Produção. 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais. Receptoras.

Projeto SIMGIR. 1 Introdução. 2 Escolha das Raças. 3 Parceria. 4 Produção. 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais. Receptoras. Projeto SIMGIR 1 1 Introdução 2 Escolha das Raças 3 Parceria 4 Produção 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais Receptoras Bezerras F1 5-2 Calendário de Manejo 5-3 Projeto de Comercialização dos

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

A raça Canchim em cruzamentos para a produção de carne bovina

A raça Canchim em cruzamentos para a produção de carne bovina ISSN 1516-4111X A raça Canchim em cruzamentos para a produção de carne bovina 36 São Carlos, SP Dezembro, 2004 Autor Pedro Franklin Barbosa Eng. Agr., Dr., Pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste, Rod.

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS José Rubens Hermann dos Santos 1 ; Anderson Clayton Rhoden 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Neuri

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais. Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago

Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais. Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago Colonial Agropecuária e Fazenda Calciolândia F-1, A MATRIZ MAIS ADEQUADA AO SISTEMA DE PRODUÇÃO

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Relatório Visita técnica Embrapa Gado de Corte-MS Grupo de estudos e pesquisa em forragicultra UFU GEPFOR Guilherme Amorim Soares da Silva Zootecnia Uberlândia 2014 I

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Área total: 354 ha Área pastoril: 330 ha Sistema de produção: Cria de Bovinos Histórico 1982 Início da propriedade

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 0 INTRODUÇÃO Para Filgueira, Fernando Reis, Olericultura é um termo técnico-científico, muito preciso, utilizado no meio agronômico. Derivado

Leia mais

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR Aspectos abordados Carne no mundo (Visão Geral) Histórico: ambiente institucional e

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011 Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 747 CEP 80.510-040 Curitiba PR - Fone (41) 3221-7504 Internet: http://www.claspar.pr.gov.br e.mail: claspar@claspar.pr.gov.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br CLASSIFICAÇÃO NÍVEL DE TECNOLOGIA ADOTADO: extensivo, semi-extensivo, semi-intensivo e intensivo

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

APRESENTAÇÃO. O IAPAR e outras instituições de pesquisa dispõem de resultados experimentais, mostrando como aumentar a lotação das pastagens.

APRESENTAÇÃO. O IAPAR e outras instituições de pesquisa dispõem de resultados experimentais, mostrando como aumentar a lotação das pastagens. APRESENTAÇÃO Este útil e objetivo trabalho é um alerta aos pecuaristas da Região Noroeste do Paraná, no sentido de tornar mais produtivas suas propriedades. É a região pecuária mais importante do Paraná,

Leia mais

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Introdução Representa até 60% custos Mais importante para o sucesso Exigências nutricionais Mantença Produção Reprodução Alimentos Nutrientes Energia,

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Feijão - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Feijão - Análise da Conjuntura Agropecuária Feijão - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2013 INTRODUÇÃO A importância mundial do cultivo e consumo do feijão é apresentado no site do Centro Tropical de Agricultura Tropical (CIAT): Um prato

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DE OVINOS REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS - PARANÁ. Bartmeyer, T.N. 1

ESTRUTURAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DE OVINOS REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS - PARANÁ. Bartmeyer, T.N. 1 ESTRUTURAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DE OVINOS REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS - PARANÁ Bartmeyer, T.N. 1 RESUMO O consumo da carne de cordeiro no Brasil está em expansão e hoje há uma demanda deste produto em restaurantes,

Leia mais

Manual. do Produtor. de bezerro de corte

Manual. do Produtor. de bezerro de corte Manual do Produtor de bezerro de corte INTRODUÇÃO 02 A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracterizase como um período fundamental no processo de produção. As técnicas

Leia mais

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar ISSN 0103-376X Setembro, 2006 Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar 57 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 MAURICIO SILVEIRA COELHO 35 9133 1825 mauricio@grupocaboverde.com.br WWW.GRUPOCABOVERDE.COM.BR FAZENDA SANTA LUZIA - HISTÓRICO Proprietário: José Coelho

Leia mais

COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS

COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS Cristiane Otto de Sá 1 e José Luiz de Sá 2 1. QUE TIPO DE PESSOA TEM VOCAÇÃO PARA CRIAR OVINOS O ovino foi um dos primeiros animais a ser domesticado pelo homem. Após

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos É Exite uma grande diversidade dos sistemas de produção de leite praticados nos vários países produtores Argentina Austrália Nova Zelândia É

Leia mais

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS Ricardo Dias Signoretti 1 Em sistemas de produção de bovinos leiteiros a criação de bezerras na fase compreendida do nascimento ao desaleitamento,

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

Manual de Produção Pecuária

Manual de Produção Pecuária Copyright 2013 Agropecuária Guapiara. Todos os direitos reservados. PERMITIDA A REPRODUÇÃO DESDE QUE COM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DA AGROPECUÁRIA GUAPIARA. Agropecuária Guapiara Rua Heráclio Mendes de Camargo,

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

São Paulo SP 23/10/2012

São Paulo SP 23/10/2012 São Paulo SP 23/10/2012 Apoio Realização APRESENTAÇÃO DO PROJETO Objetivos Avaliar as condições das pastagens e das fazendas pecuárias do Brasil. Avaliar índices zootécnicos e a qualidade do rebanho brasileiro.

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS Tomás Lérisson da Silva Augusto Hauber Gameiro 1. INTRODUÇÃO A semente forrageira tem amparo legal conforme a Lei n o 10.711, de 05 de agosto de 2003

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico

Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico II Congreso Ganadero Nacional CORFOGA 2008 Prof. Dr. Raysildo B. Lôbo ANCP, USP Crescimento da Pecuária de Corte Brasileira: produção de carne e abate 71,0%

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida

Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida XXIII FÓRUM ABAG INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA Maringá, 18 de maio de 2012. João Kluthcouski joaok@cnpaf.embrapa.br Produtividade (kg ha -1 ) Evolução da

Leia mais

Projeto Agrisus 1084-13

Projeto Agrisus 1084-13 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE RELATÓRIO FINAL DE PROJETO Projeto Agrisus 1084-13 TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA OCUPADA COM SISTEMAS DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA

Leia mais

Sumário. 3. Sistema orgânico de produção animal. 1. Contexto mundial 2. Modelo industrial de produção

Sumário. 3. Sistema orgânico de produção animal. 1. Contexto mundial 2. Modelo industrial de produção Angela Escosteguy Fiscal Federal Agropecuário, Méd. Veterinária Presidente do Instituto do Bem-Estar Porto Alegre,RS, Brasil E-mail: angela@ibembrasil.org Sumário 1. Contexto mundial 2. Modelo industrial

Leia mais

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa

MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento. Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE BOVINOS DE CORTE Confinamento Prof : Ricardo Alexandre Silva Pessoa Julho/2013 1 Confinamento - sistema de criação onde lotes de animais são encerrados em piquetes ou currais com área restrita

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Desde sua criação, em 1977, o Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Leite (CNPGL), da EMBRAPA, vem se

Leia mais

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Objetivando-se uma criação rentável e tecnicamente planejada, nada mais correto que o produtor venha a preocupar-se com a disponibilidade

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

POR QUE USAR GUZERÁ? ACGB

POR QUE USAR GUZERÁ? ACGB POR QUE USAR GUZERÁ? ACGB PRODUÇÃO DE CARNE E LEITE: SUSTENTÁVEL POR NATUREZA O brasileiro elegeu a carne bovina como um dos seus alimentos preferidos nas refeições diárias. O consumo per capita é um dos

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

Análise da Conjuntura Agropecuária

Análise da Conjuntura Agropecuária Análise da Conjuntura Agropecuária Ano 2012/13 PECUÁRIA DE CORTE MUNDO No ano de 2011 o Brasil perdeu a condição de maior exportador mundial de carne bovina para os Estados Unidos. Neste ano, os EUA exportaram

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 MERCADO INTERNACIONAL O Brasil teve uma performance impressionante na produção de carnes nos últimos anos: tornou-se o maior exportador

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA

DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições Ambientais à Expansão Sustentável da Agropecuária Brasileira Assuero Doca Veronez Presidente da Comissão Nacional do Meio Ambiente da CNA assuero@mdnet.com.br

Leia mais

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste INTRODUÇÃO Mauro Sartori Bueno Eduardo Antonio da Cunha Luiz Eduardo dos Santos Cecília José Veríssimo

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO

PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO PLANEJAMENTO E GESTÃO DE SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO RODRIGO OTÁVIO SPENGLER BEEF TEC - Consultoria Pecuária Campo Grande/MS rodrigospengler@beeftec.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

V PROVA DE AVALIAÇÃO A CAMPO DE REPRODUTORES DA RAÇA ABERDEEN ANGUS 2014-2015

V PROVA DE AVALIAÇÃO A CAMPO DE REPRODUTORES DA RAÇA ABERDEEN ANGUS 2014-2015 V PROVA DE AVALIAÇÃO A CAMPO DE REPRODUTORES DA RAÇA ABERDEEN ANGUS 2014-2015 A Prova de Avaliação a Campo (PAC) da raça Aberdeen Angus é realizada através de convênio firmado entre a Associação Brasileira

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais