PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS"

Transcrição

1 SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no mês de março, aponta uma produção de 24,9 milhões de toneladas de grãos para a safra 05/06. Esta produção é 15% inferior ao potencial produtivo desta safra, quando eram esperados 29,3 milhões de toneladas. O Estado continua sendo o maior produtor nacional de grãos, mesmo com o aumento na quebra desta safra. Por outro lado, é 11,2% superior a produção obtida na safra 04/05, quando se colheu 22,4 milhões de toneladas. TABELA 1 - COMPARATIVO DA ESTIMATIVA INICIAL E ATUAL DA PRODUÇÃO, REDUÇÃO DA PRODUÇÃO DOS PRINCIPAIS PRODUTOS AFETADOS PELAS ADVERSIDADES CLIMÁTICAS SAFRA 05/06 CULTURA ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO (t) INICIAL ATUAL VARIAÇÃO RELATIVA DA PRODUÇÃO (%) ALGODÃO AMENDOIM ARROZ SEQUEIRO ARROZ IRRIGADO CAFÉ FEIJÃO DAS ÁGUAS FEIJÃO DA SECA MILHO NORMAL MILHO SAFRINHA SOJA NORMAL TOTAL GRÃOS (a) BATATA DAS ÁGUAS BATATA DA SECA ,5 1,4 0,1 0,4 1,5 7,2 13,2 16,6 16,5 19,1 20,9 21,8 CEBOLA ,7 CANA-DE-AÇÚCAR ,5 FUMO ,1 MANDIOCA TOTAL OUTRAS (b) , PERCENTUAL (%) 1

2 Pelos números do DERAL, em fevereiro, a quebra na produção era estimada em 4,0 milhões de toneladas (13,8%), neste momento, a redução chega a 4,4 milhões de toneladas (tabela 1). Considerando este volume de grãos que não será colhido e a produção de outras culturas (batata, fumo, cana-de-açúcar, etc.), as perdas financeiras são projetadas em R$ 1,57 bilhão. Este valor somente não é maior, porque os preços recebidos pelos produtores sofreram decréscimo em relação ao mês passado. O volume que deixará de ser obtido é proveniente, principalmente, do milho (41%) e da soja (56%). De acordo com o Quarto Levantamento da CONAB (março/06), o Estado do Paraná amplia mais ainda sua participação na produção de grãos. A produção nacional estimada para esta safra é de 122,6 milhões de toneladas. O Paraná é responsável por 20,2% da produção desta safra (tabela 2). Em janeiro, o Estado respondia por 20,0%, ou seja, ganhou mais representatividade porque o Estado do Mato Grosso apresentou uma redução de 2,5% em relação ao levantamento de janeiro e, o Paraná apresenta decréscimo de apenas 0,5% no mesmo período. TABELA 2. BRASIL: ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO DE GRÃOS SAFRA 04/05 E 05/06 (milhões de t) SAFRA / ESTADO 04/05 (a) % 05/06 (b) % b/a PR 22,4 19,6 24,7 20,2 +10,4 MT 24,5 21,5 22,5 18,3-8,2 RS 13,0 11,4 21,5 17,6 +66,2 BR 113,9 122,6 +7,6 Fonte: CONAB Quarto Levantamento Março 2006 Na seqüência, são apresentadas informações das culturas mais afetadas pelas adversidades climáticas, complementada pela visualização gráfica dos Núcleos Regionais e das Regiões. 2

3 SOJA 1ª SAFRA A cultura da soja foi prejudicada pela estiagem em praticamente todo o Estado, mais acentuadamente nas Regiões Sudoeste (37%), Oeste (30%) e Noroeste Paranaense (28%), figura 1. O potencial produtivo para esta safra era de 11,75 milhões de t. Em janeiro, o levantamento do DERAL apontou uma redução de 14,2% (1,67 milhão de t); em fevereiro, as perdas chegaram a 15,7% (1,84 milhão de t). Com o avanço da colheita, atingindo 54,3% até o dia 20/03, é possível mensurar melhor os estragos nesta cultura, comprometendo 2,46 milhões de t (20,9%). A produtividade esperada nesta safra era de kg/ha (122 sc/alq.). Na área já colhida (2,11 milhões de ha), a produtividade média obtida foi de kg/ha, mas na área ainda à colher (1,77 milhão de ha), espera-se colher com uma produtividade melhor (2.615 kg/ha) pois, as lavouras mais afetadas foram as plantadas mais cedo, principalmente, as variedades precoces. Se os indicadores atuais se confirmarem, a produtividade média desta safra será de kg/ha (97 sc/alq.), sendo, portanto, 3,9% superior à obtida em 2005 (2.305 kg/ha). A quebra na produção é mais significativa no Núcleo Regional de Francisco Beltrão, onde a redução é de 45,2%, em Toledo a quebra é de 36,2% e em Paranavaí, compromete 32,3% da produção. FIGURA 1. PERCENTUAL (%) DE REDUÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA, POR NÚCLEO REGIONAL E REGIÃO, SAFRA 05/06 Percentual (%) das perdas por Núcleo Regional, totalizando 20,9% no Estado Percentual (%) de perdas por Região SOJA NORMAL PARANAVAÍ CORNÉLIO PROCÓPIO APUCARANA JACAREZINHO Sem Cultivo Sem Perdas < 15 % % > 30 % - (5) (10) (15) (20) (25) CENTRO OESTE NOROESTE NORTE OESTE SUDOESTE SUL CAMPO MOURÃO PONTA GROSSA (30) (35) (40) LARANJEIRAS DO SUL PARANAGUÃ FRANCISCO BELTRÃO PATO BRANCO UNIÃO DA VITÓRIA Área Colhida: 54,3% 3

4 Até o momento, o volume de soja que deixará de ser produzido nesta safra é estimado em 2,46 milhões de t. Os quatro Núcleos Regionais que mais perderam produção (Campo Mourão: t; Cascavel: t; Francisco Beltrão: t; e, Toledo: t) são responsáveis por 55,7% desta quebra, contra 69,3% de representatividade em fev/06, demonstrando que as perdas aumentaram nos demais Núcleos Regionais. Mesmo com um volume perdido superior ao registrado em fevereiro (34%), as perdas financeiras aumentaram 23%, porque no mês passado, o produtor recebeu, em média, R$ 25,58 pela saca de 60 kg do produto e, na semana de 13 a 17 de março, apenas R$ 23,32 (decréscimo de 8%). Hoje, a Divisão de Estatística Básica do DERAL calcula que as perdas financeiras com a soja alcançam um montante de R$ 956,3 milhões. MILHO 1ª SAFRA No mês de fevereiro o DERAL projetava uma redução de 22,1% na produção de milho, mas com o avanço da colheita (52,3% no dia 20/03) e a estabilidade climática, a estimativa atual indica uma quebra de 19,1%. O potencial produtivo para esta safra era de 9,39 milhões de t, mas com a perda reavaliada, a estimativa atual é de 7,60 milhões de toneladas. A condição das lavouras do milho encontra-se melhor do que em fevereiro, exceto no Sudoeste, indicando que a redução não será tão abrangente como e previsto. Nos Núcleos Regionais de Cornélio Procópio e Maringá, onde a colheita já foi realizada em 80% da área, a produtividade obtida é 3% e 9%, respectivamente, superior à inicialmente esperada. A produtividade média esperada no Paraná era de kg/ha (248 sc/alq.). Na área colhida de 775 mil ha a produtividade obtida foi de kg/ha, mas no restante da área a ser colhida (707 mil ha), a produtividade esperada é um pouco melhor, cerca de kg/ha. Se os indicadores se concretizarem, é possível concluir que a produtividade média desta safra será de kg/ha, ou seja, apenas, 36 kg/ha superior à obtida na safra 04/05 (5.086 kg/ha). 4

5 FIGURA 2. PERCENTUAL (%) DE REDUÇÃO NA PRODUÇÃO DE MILHO, POR NÚCLEO REGIONAL E REGIÃO, SAFRA 05/06 Percentual (%) das perdas por Núcleo Regional, totalizando 19,1% no Estado Percentual (%) de perdas por Região MILHO NORMAL PARANAVAÍ CORNÉLIO PROCÓPIO APUCARANA JACAREZINHO CAMPO MOURÃO PONTA GROSSA Sem Perdas < 20 % % > 40 % - (10) (20) (30) (40) (50) (60) CENTRO OESTE NOROESTE NORTE OESTE SUDOESTE SUL LARANJEIRAS DO SUL PARANAGUÃ FRANCISCO BELTRÃO PATO BRANCO UNIÃO DA VITÓRIA Área Colhida: 52,3% O Núcleo Regional de Francisco Beltrão foi o mais afetado e a redução comprometeu 61,9% da produção e no Núcleo de Pato Branco, 42,0% (Figura 02). Nos Núcleos Regionais de Cascavel e Toledo (Região Oeste) a quebra da produção é superior a 20%. Do volume perdido, 74,2% são provenientes dos Núcleos Regionais de Cascavel ( t); Francisco Beltrão ( t); Pato Branco ( ) e; Ponta Grossa ( t). Em fevereiro o DERAL estimava uma redução de 2,07 milhões de t, em termos financeiros, R$ 443,26 milhões. Com o levantamento de março, as perdas foram reavaliadas para 1,79 milhão de t (13,5% inferior ao do mês passado). As perdas monetárias demonstraram um recuo ainda maior, 27,6%, sendo estimada em R$ 320,77 milhões, devido à desvalorização do produto, tendo em vista o avanço na colheita e ao volume ofertado ao mercado. Há um mês atrás, o produtor recebeu, em média, R$ 12,67 pela saca de 60 kg de milho; na semana passada este valor foi de R$ 10,75 (decréscimo de 15%). 5

6 FEIJÃO 1ª SAFRA Com o encerramento da colheita do feijão das águas foi possível mensurar melhor os números desta safra. O potencial produtivo era estimado em 537 mil t e, considerando uma redução de 117 mil t, devido, principalmente, as adversidades climáticas, o produtor paranaense colheu 420 mil toneladas. As perdas registradas são de 21,8% da produção, contra os 20,8% apresentados anteriormente pelo DERAL. FIGURA 3. PERCENTUAL (%) DE REDUÇÃO NA PRODUÇÃO DE FEIJÃO, POR NÚCLEO REGIONAL E REGIÃO, SAFRA 05/06 Percentual (%) das perdas por Núcleo Regional, totalizando 21,85 no Estado Percentual (%) de perdas por Região FEIJÃO DAS ÁGUAS PARANAVAÍ CORNÉLIO PROCÓPIO APUCARANA JACAREZINHO Sem Perdas < 15 % % > 30 % - (5) (10) (15) (20) CENTRO OESTE NOROESTE NORTE OESTE SUDOESTE SUL CAMPO MOURÃO PONTA GROSSA (25) (30) (35) LARANJEIRAS DO SUL PARANAGUÃ FRANCISCO BELTRÃO PATO BRANCO UNIÃO DA VITÓRIA Área Colhida: 100% As perdas ficaram concentradas (68,2%) nos Núcleos Regionais de Curitiba ( t); Guarapuava ( t); Irati ( t) e Ponta Grossa ( t). A produtividade esperada era de kg/ha, mas na área colhida ( ha), a média foi de apenas kg/ha, ou seja, 11% inferior à obtida em 2005 (1.346 kg/ha). O produtor do Núcleo Regional de Cascavel registrou a melhor produtividade nesta safra, obtendo kg/ha, indicando uma redução de 19,7% naquela região. O volume de feijão que não foi produzido representou uma perda financeira de R$ 137,15 milhões, portanto, 7,2% superior ao divulgado pelo DERAL em fevereiro. O produtor recebeu, em média, R$ 64,31 pela saca de 60 kg do feijão preto no mês passado e, na semana passada, R$ 60,10, cerca de 6% menos. Por outro lado, o feijão de cor apresentou uma valorização de 9% neste período, passou de R$ 73,61 para R$ 80,70. Salientando que na safra das águas (1ª safra) a produção estadual é predominantemente do feijão preto, aproximadamente 69%. 6

7 ALGODÃO A quebra na produção do algodão compromete 16,6% da produção estadual. A redução só não foi maior porque no Núcleo Regional de Campo Mourão (maior produtor estadual) não foram registrados perdas na produtividade. No Núcleo Regional de Jacarezinho a quebra na produção é de 43,9%. Enquanto que, nos Núcleos Regionais de Cornélio Procópio (26,8%), Maringá (23,4%) e Umuarama (28,4%) a redução é superior a 20% (figura 4). O potencial produtivo desta safra era estimado em t, mas com 21,4% da área colhida, o DERAL contabiliza uma estimativa de t, significando uma redução de 60,1% em relação à produção obtida pelos produtores paranaense em 2005, quando se colheu toneladas de algodão em caroço. FIGURA 4. PERCENTUAL (%) DE REDUÇÃO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO, POR NÚCLEO REGIONAL E REGIÃO, SAFRA 05/06 Percentual (%) das perdas por Núcleo Regional, totalizando 16,6% no Estado Percentual (%) de perdas por Região ALGODÃO PARANAVAÍ CORNÉLIO PROCÓPIO APUCARANA JACAREZINHO CAMPO MOURÃO PONTA GROSSA Sem Cultivo Sem Perdas < 15 % % > 30 % - (5) (10) (15) (20) (25) (30) CENTRO OESTE NOROESTE NORTE OESTE SUDOESTE SUL LARANJEIRAS DO SUL PARANAGUÃ FRANCISCO BELTRÃO PATO BRANCO UNIÃO DA VITÓRIA Área Colhida: 21,4% 7

8 ARROZ DE SEQUEIRO O arroz de sequeiro foi cultivado em ha nesta safra. O potencial produtivo era estimado em t, porém, com as ocorrências registradas o DERAL estima uma produção de toneladas, redução de t (13,2%). A produtividade esperada era de kg/ha, com 32,3% da área colhida ( ha), a produtividade obtida foi de kg/ha, mas, levando em consideração que as lavouras mais prejudicadas já foram colhidas, a produtividade média desta safra deve ficar próxima de kg/ha. FIGURA 5. PERCENTUAL (%) DE REDUÇÃO NA PRODUÇÃO DE ARROZ, POR NÚCLEO REGIONAL E REGIÃO, SAFRA 05/06 Percentual (%) das perdas por Núcleo Regional, totalizando 13,2% no Estado Percentual (%) de perdas por Região ARROZ SEQUEIRO PARANAVAÍ CORNÉLIO PROCÓPIO APUCARANA JACAREZINHO Sem Perdas < 15 % % > 30 % - (10) (20) (30) (40) CENTRO OESTE NOROESTE NORTE OESTE SUDOESTE SUL CAMPO MOURÃO PONTA GROSSA (50) (60) (70) LARANJEIRAS DO SUL PARANAGUÃ FRANCISCO BELTRÃO PATO BRANCO UNIÃO DA VITÓRIA Área Colhida: 32,3% O Núcleo Regional de Francisco Beltrão é o mais afetado e, as perdas chegam a 76,7% (área perdida 48% e redução da produtividade de 55%).No Núcleo Regional de Cascavel a redução na produção é de 38,5%, ou seja, toneladas, respondendo por 28,3% da perda estadual. Guarapuava e Apucarana registram perdas superiores a 20% (figura 5). 8

9 BATATA 1ª SAFRA O potencial produtivo desta safra era de t, provenientes de ha cultivados. Com as adversidades climáticas, estima-se que t deixaram de ser produzidas (16,5%). Os Núcleos Regionais de Guarapuava e União da Vitória são os mais prejudicados com esta cultura, registrando perdas superiores a 20% (figura 6). FIGURA 6. PERCENTUAL (%) DE REDUÇÃO NA PRODUÇÃO DE BATATA, POR NÚCLEO REGIONAL E REGIÃO, SAFRA 05/06 Percentual (%) das perdas por Núcleo Regional, totalizando 16,5% no Estado Percentual (%) de perdas por Região BATATA DAS ÁGUAS PARANAVAÍ CORNÉLIO PROCÓPIO APUCARANA JACAREZINHO CAMPO MOURÃO PONTA GROSSA Sem Cultivo Sem Perdas < 10 % % > 20 % - (2) (4) (6) (8) (10) (12) (14) (16) (18) (20) CENTRO OESTE NOROESTE NORTE OESTE SUDOESTE SUL LARANJEIRAS DO SUL PARANAGUÃ FRANCISCO BELTRÃO PATO BRANCO UNIÃO DA VITÓRIA Área Colhida: 100% 9

10 FUMO A cultura do fumo foi cultivada em ha nesta safra. Até o momento, aponta redução de 13,1% na produção, decorrente de dois fatores climáticos: a estiagem e a ocorrência de chuva de granizo. A produção paranaense era estimada em 167 mil t, com a redução de 22 mil t, a produção é estimada em 145 mil t. Mesmo com uma área de 4,6% superior a safra 04/05, a produção deverá ser 4,7% inferior, devido a produtividade obtida (1.776 kg/ha) ser 8,4% menor a obtida em 2005 (1.938 kg/ha). As perdas são mais significativas nos Núcleos Regionais de Francisco Beltrão ( t), Irati (5.957 t) e Pato Branco (2.137 t), cerca de 37,5%, 15,8% e 16,7%, respectivamente (figura 7). FIGURA 7. PERCENTUAL (%) DE REDUÇÃO NA PRODUÇÃO DE FUMO, POR NÚCLEO REGIONAL E REGIÃO, SAFRA 05/06 Percentual (%) das perdas por Núcleo Regional, totalizando 31,1% no Estado Percentual (%) de perdas por Região FUMO PARANAVAÍ CORNÉLIO PROCÓPIO APUCARANA JACAREZINHO Sem Cultivo Sem Perdas < 15 % % > 30 % - (5) (10) (15) (20) (25) CENTRO OESTE NOROESTE NORTE OESTE SUDOESTE SUL CAMPO MOURÃO PONTA GROSSA (30) (35) (40) LARANJEIRAS DO SUL PARANAGUÃ FRANCISCO BELTRÃO PATO BRANCO UNIÃO DA VITÓRIA Área Colhida: 94,1% 10

11 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com as chuvas registradas no final de janeiro e começo de fevereiro (figura 8), as lavouras mantiveram-se estabilizadas. FIGURA 8. PRECIPITAÇÕES PLUVIOMÉTRICAS JANEIRO E FEVEREIRO DE 2006 Fonte: PROJETO GEOSAFRAS Em algumas regiões, as culturas reagiram positivamente, recuperando o vigor da planta, o que amenizou a situação, por exemplo: milho, onde as estimativas de fevereiro apontavam redução de 22,1% e hoje é estimada em 19,1%. A redução da produção da soja é responsável por 60,9% da projeção das perdas financeiras, o milho ocupa o segundo lugar, com 20,5% e o restante (18,6%) é proveniente das demais culturas. 11

12 A perda financeira atinge um montante de R$ 1,57 bilhão e os Núcleos Regionais de Francisco Beltrão, Toledo, Cascavel, Pato Branco e Ponta Grossa absorvem 57% do prejuízo (figura 9). FIGURA 9. PERDAS FINANCEIRAS POR NÚCLEO REGIONAL ( R$ 1.000,00) ( ) F. BELTRÃO ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) P. BRANCO P. GROSSA C. MOURÃO (80.968) (80.378) (72.618) (66.263) (61.545) (44.447) (43.593) (37.435) (79.919) C. PROCÓPIO DEMAIS NR Na tabela 3 são apresentadas, percentualmente, a variação da produção das principais culturas afetadas, por Núcleo Regional da SEAB. 12

13 TABELA 3. ESTIMATIVA DA VARIAÇÃO (%) DA PRODUÇÃO DAS PRINCIPAIS CULTURAS AFETADAS PELAS ADVERSIDADES CLIMÁTICAS, POR NÚCLEO REGIONAL, SAFRA 05/06 NÚCLEO REGIONAL ALGODÃO ARROZ FEIJÃO 1ª safra MILHO 1ª safra SOJA 1ª safra BATATA 1ª safra FUMO APUCARANA - (22,73) (14,29) (6,16) (15,08) - (9,31) CAMPO MOURÃO - (1,35) (10,00) (4,01) (16,66) - 1,99 (11,68) (38,51) (19,71) (26,91) (23,72) - (9,19) COR. PROCÓPIO (26,83) - (1,82) 2,67 (20,82) (10,03) (14,34) (5,23) - (15,85) (5,62) FRAN. BELTRÃO - (76,69) (28,66) (61,85) (45,16) - (37,47) (12,12) (26,89) (25,22) (12,45) - (20,00) (5,14) - (9,47) (24,24) (19,01) (7,34) (8,94) (15,80) (7,11) (1,76) (10,71) (12,04) (9,69) (5,88) (2,38) JACAREZINHO (43,93) (0,33) (1,34) (2,37) (1,78) - - LAR. DO SUL - (10,40) (14,37) (8,68) (7,81) (15,29) (2,63) (11,04) (3,10) 11,01 (2,75) (29,69) - - (23,37) (11,76) 7,69 8,89 (27,16) - - PARANAGUÁ - 1,27 10,00 1, PARANAVAÍ - (1,35) (9,77) (2,22) (32,32) - 1,45 PATO BRANCO - (17,74) (38,51) (41,96) (29,82) 1,55 (16,67) PONTA GROSSA - (11,11) (37,51) (13,38) (6,06) (14,79) (6,82) (20,51) - (12,06) (21,13) (36,23) - (17,95) (28,40) (2,53) - (9,09) (27,59) - - UNIÃO VITÓRIA - - (22,58) (7,28) - (25,66) 2,18 TOTAL ESTADUAL (16,60) (13,18) (21,82) (19,07) (20,94) (16,47) (13,14) A tabela 4 apresenta o resumo estadual da situação das culturas acompanhadas pelo DERAL, como suas respectivas variações. 13

14 TABELA 4. PARANÁ - COMPARATIVO DA ESTIMATIVA INICIAL E ATUAL DA PRODUÇÃO DOS PRODUTOS SELECIONADOS SAFRA 2005/06 PRODUTO ÁREA (ha) PRODUÇÃO (t) VARIAÇÃO DA PRODUÇÃO PLANTADA PERDIDA INICIAL (a) ATUAL (b) RELATIVA (%) (b/a) ABSOLUTA (t) (a-b) PRODUTIVIDADE (kg/ha) INICIAL ATUAL GRÃOS DE VERÃO 1ª SAFRA ALGODÃO (16,60) (6.252) AMENDOIM (7,18) (769) ARROZ IRRIGADO (0,53) (565) ARROZ SEQUEIRO (13,19) (10.809) FEIJÃO - 1ª SAFRA (21,82) ( ) GIRASSOL 1ª SAFRA (9,43) (8) MAMONA MILHO - 1ª SAFRA (19,07) ( ) SOJA - 1ª SAFRA (20,94) ( ) SORGO - 1ª SAFRA (1,96) (3) Sub - Total (A) (20,02) ( ) GRÃOS DE VERÃO 2ª SAFRA CAFÉ (1,43) (1.818) FEIJÃO - 2ª SAFRA (0,11) (311) FEIJÃO - 3º SAFRA GIRASSOL 2ª SAFRA MILHO 2ª SAFRA (0,40) (14.000) SOJA 2ª SAFRA SORGO - 2ª SAFRA Sub - Total (B) (0,40) (16.129) TOTAL (A + B) (16,97) ( ) GRÃOS DE INVERNO AVEIA BRANCA AVEIA PRETA CANOLA CENTEIO CEVADA TRIGO TRITICALE Sub - Total (C) TOTAL (A + B + C) (15,01) ( ) OUTRAS CULTURAS ALHO BATATA - 1ª SAFRA (16,47) (59.266) BATATA - 2ª SAFRA (1,46) (3.750) CANA-DE-AÇUCAR (1,48) ( ) CEBOLA (4,67) (4.830) FUMO (13,14) (21.957) MANDIOCA (0,17) (7.060) RAMI , SERICICULTURA (2,75) (204) TOMATE - 1ª SAFRA (2,38) (2.957) TOMATE - 2ª SAFRA (0,47) (381) Sub - Total (C) (1,54) ( ) TOTAL (A+B+C) Curitiba-PR, 27 de março de DIRLEI ANTONIO MANFIO Setor de Previsão de Safras 14

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 212, em relação à produção obtida em 211 A quinta avaliação da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas

Leia mais

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais.

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. PA2 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. Abacaxi 8 7 6 5 4 3 2 1 199 1995 2 25 21 A produção nacional de abacaxi que vinha crescendo até 22 sofreu uma inflexão, voltou a subir

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 0 INTRODUÇÃO Para Filgueira, Fernando Reis, Olericultura é um termo técnico-científico, muito preciso, utilizado no meio agronômico. Derivado

Leia mais

1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000.

1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000. 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas A décima segunda estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas, indica uma produção da ordem de 149,5 milhões de toneladas,

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011 Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 747 CEP 80.510-040 Curitiba PR - Fone (41) 3221-7504 Internet: http://www.claspar.pr.gov.br e.mail: claspar@claspar.pr.gov.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1

SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 2 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 3 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 4 5. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 6 6. ESTIMATIVAS DE ÁREA, PRODUÇÃO E PRODUTIVIDADE 13 7. BALANÇO DE OFERTA

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 6 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 7 5. INFLUÊNCIAS CLIMÁTICAS 8 6. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 9 6.1 Algodão 9 6.2 Arroz 10 6.3 - Canola 11

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Abril de 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Setembro de 2013 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

Aperfeiçoamento Metodológico do Sistema de Previsão de Safras no Brasil (GeoSafras. Projeto GeoSafras (CONAB/PNUD)

Aperfeiçoamento Metodológico do Sistema de Previsão de Safras no Brasil (GeoSafras. Projeto GeoSafras (CONAB/PNUD) Aperfeiçoamento Metodológico do Sistema de Previsão de Safras no Brasil (GeoSafras (GeoSafras)) Projeto GeoSafras (CONAB/PNUD) Caracterização da Evolução de Plantios no Estado do Paraná Safra de Verão

Leia mais

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL Fevereiro 2012 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento,

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

PANORAMA DA CAFEICULTURA ARÁBICA NO PARANÁ. Armando Androcioli Filho Iapar Londrina, Pr.

PANORAMA DA CAFEICULTURA ARÁBICA NO PARANÁ. Armando Androcioli Filho Iapar Londrina, Pr. PANORAMA DA CAFEICULTURA ARÁBICA NO PARANÁ Armando Androcioli Filho Iapar Londrina, Pr. VIII Curso de Atualização Manejo Tecnológico da Lavoura Cafeeira Varginha, MG 13 a 15 de julho de 2010 ZONEAMENTO

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. julho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. julho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola julho de 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL janeiro 2013 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento,

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

FEIJÃO. Engº Agrº Gilberto M.B.da Silva. Panorama Mundial

FEIJÃO. Engº Agrº Gilberto M.B.da Silva. Panorama Mundial FEIJÃO Engº Agrº Gilberto M.B.da Silva Panorama Mundial A cultura do feijoeiro (phaseolus vulgares) ocupa uma área mundial em torno de 27 milhões de hectares e constitui-se na leguminosa mais importante

Leia mais

ITAMAR PIRES DE LIMA JUNIOR. COMPARAÇÃO METODOLÓGICA ENTRE OS LEVANTAMENTOS DE SAFRAS DE GRÃOS NO ESTADO DO PARANÁ REALIZADOS PELA CONAB, DERAL e IBGE

ITAMAR PIRES DE LIMA JUNIOR. COMPARAÇÃO METODOLÓGICA ENTRE OS LEVANTAMENTOS DE SAFRAS DE GRÃOS NO ESTADO DO PARANÁ REALIZADOS PELA CONAB, DERAL e IBGE ITAMAR PIRES DE LIMA JUNIOR COMPARAÇÃO METODOLÓGICA ENTRE OS LEVANTAMENTOS DE SAFRAS DE GRÃOS NO ESTADO DO PARANÁ REALIZADOS PELA CONAB, DERAL e IBGE Trabalho de Conclusão de curso apresentado para obtenção

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

Janeiro de 2013 Volume 01

Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento - Conab Dipai - Diretoria de Política Agrícola e Informações

Leia mais

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Organização das Cooperativas Brasileiras OCB Gerência de Apoio ao Desenvolvimento em Mercados GEMERC 1. INTRODUÇÃO O agronegócio brasileiro representa

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Maio de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Maio de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Maio de 2013 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam

Leia mais

MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE

MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE A Fundação Pró-Sementes aponta que um dos grandes problemas encontrados nos arrozais é a forte atuação de plantas invasoras, que são de difícil controle, prejudicando

Leia mais

Milho Período: 13 a 17/07/2015

Milho Período: 13 a 17/07/2015 Milho Período: 13 a 17/07/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,1507 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

Diária. Serviço de Informação 19/11/2012. Foto: Tonon, frutas de caroço no ER Lapa.

Diária. Serviço de Informação 19/11/2012. Foto: Tonon, frutas de caroço no ER Lapa. Serviço de Informação Diária Foto: Tonon, frutas de caroço no ER Lapa. 19/11/2012 Núcleos Regionais da SEAB Edição e Publicação: SEAB/Departamento de Economia Rural APUCARANA Final de semana com tempo

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Metodologia... 2 3. Estimativa da Área Plantada... 3 4. Estimativa da Produção... 3 5. Avaliação das Culturas... 4 5.1 Algodão... 4 5.2 Arroz... 4 5.3 Feijão... 5 5.4 Milho...

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

Apresentação AGRIANUAL 2015

Apresentação AGRIANUAL 2015 Apresentação Em anos de eleições, os empresários costumam ficar apreensivos quanto às posições dos candidatos em relação ao segmento em que operam. Mas quem está no agronegócio não precisa ter grandes

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades 1 São Paulo, 06 de novembro de 2014. NOTA À IMPRENSA Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades Em outubro, houve aumento dos preços do conjunto de bens alimentícios essenciais em 12 das 18 cidades onde

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO:

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: O Estado do Espírito Santo encontra-se como o segundo maior produtor nacional de café, destacando-se o plantio das espécies Arábica e Conilon, sendo

Leia mais

GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola. Diretor de Política Agrícola e Informações

GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola. Diretor de Política Agrícola e Informações GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola Diretor de Política Agrícola e Informações Mandato Legal Empresa pública, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 03/05/2013 a 09/05/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO

SEGURO RURAL BRASILEIRO SEGURO RURAL BRASILEIRO Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto DESIGUALDADE no campo e o risco climático em áreas de produção da soja no sul do brasil Vinicius Carmello Grupo de Pesquisa GAIA; UNESP/FCT - Presidente Prudente, São Paulo, Brasil viniciuscarmello@gmail.com

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

Projeto GeoSafras. PrevSafras. Boletim de acompanhamento da safra de trigo. 31 de maio de Safra 2007 Paraná IAPAR CONAB SIMEPAR.

Projeto GeoSafras. PrevSafras. Boletim de acompanhamento da safra de trigo. 31 de maio de Safra 2007 Paraná IAPAR CONAB SIMEPAR. Projeto GeoSafras PrevSafras Boletim de acompanhamento da safra de trigo Safra 27 Paraná IAPAR CONAB SIMEPAR 31 de maio de 27 (Parcial) Próxima edição: 15 de junho de 27 II. ESTADO DO PARANÁ Resumo A área

Leia mais

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 RELATÓRIO TÈCNICO Técnico: João Adolfo Kasper Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 Objetivo: Realizar o 5º Levantamento da Safra 2004/2005 sendo a 3ª avaliação para as culturas, Arroz Sequeiro, Milho

Leia mais

&(67$%É6,&$62%((0&$3,7$,6

&(67$%É6,&$62%((0&$3,7$,6 São Paulo, 02 de maio de 2005. &(67$%É6,&$62%((0&$3,7$,6 Apenas uma das 16 capitais onde o DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos realiza mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

Agronegócio Sul-mato-grossense

Agronegócio Sul-mato-grossense Agronegócio Sul-mato-grossense (cenário atual, perspectivas e desafios) Eduardo Riedel Presidente do Sistema Famasul Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso do Sul Sistema Sindical

Leia mais

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês 1 São Paulo, 04 de agosto de 2010. NOTA À IMPRENSA Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2012 Vitória, dezembro de 2012 Cesta Básica

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2009/10

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2009/10 1 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2009/10 OLERICULTURA Economista Marcelo Garrido Moreira Outubro de

Leia mais

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na O MERCADO DE TRIGO 1. INTRODUÇÃO O Brasil é o maior importador mundial de trigo e a sua dependência se torna acentuada à medida que os estoques públicos e privados se reduzem. A safra 2007/08 apresenta-se

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 02/2014 Dezembro, 2014 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA DA SAFRA A área destinada à produção de cana-deaçúcar na safra 2014/15 apresentou

Leia mais

Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas

Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas 1 São Paulo, 04 de novembro de 2015. NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta básica tem comportamento diferenciado nas capitais pesquisadas Em outubro, entre as 18 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL - SEAB Apresentação Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Câmara Setorial de Seguros Brasília - DF Junho de 2013 Programa de Subvenção ao Prêmio de Base Legal Lei Estadual 16.166/2009

Leia mais

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 1 Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 Porto Alegre, 07 de julho de 2014. NOTA À IMPRENSA Em junho de 2014, a Cesta Básica de Porto Alegre registrou queda de 4,00%, passando

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SOCORRO PÚBLICO - ASPECTOS NEGATIVOS Elevado custo político Baixa eficiência econômica Elevado

Leia mais

Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade

Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade Segurança e Qualidade dos Alimentos Lei 12.593/12 institui o PPA 2012-2015 Programa 2028 Defesa Agropecuária Objetivo 0570 Assegurar a qualidade dos

Leia mais

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Cláudio Takao Karia Chefe Adjunto de P&D Embrapa Cerrados VI Foro por el desarrollo de

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 MILHO (Zea mays) Sustento da Vida Maior cultura agrícola do mundo;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL INSTRUMENTOS DE Minimização de Riscos I Proagro Mais II Seguro Privado. Coberturas: - Variações Climáticas - Preços - Índices III Cobertura Complementar

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Milho Período: 19 a 23/10/2015

Milho Período: 19 a 23/10/2015 Milho Período: 19 a 23/10/2015 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços médios semanais apresentados nas praças de

Leia mais

Ata da 4ª Reunião da Comissão de Acompanhamento e Avaliação do Programa COMSUS Curitiba, 20 de fevereiro de 2014.

Ata da 4ª Reunião da Comissão de Acompanhamento e Avaliação do Programa COMSUS Curitiba, 20 de fevereiro de 2014. Ata da 4ª Reunião da Comissão de Acompanhamento e Avaliação do Programa COMSUS Curitiba, 20 de fevereiro de 2014. Aos vinte dias do mês de fevereiro de 2014, às 09:00 horas, esteve reunida na sala de reuniões

Leia mais

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015 TRIGO Período de 2 a 6/0/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,5 34,0 35,42 35,94 Semana Atual

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

Metodologia. Modelos de Séries Temporais Específicos para previsão

Metodologia. Modelos de Séries Temporais Específicos para previsão Metodologia CONAB IBGE MAPA EMBRAPA FAPRI (Food and Agricultural Policy Research Institute ) USDA (United States Department of Agriculture) Modelos de Séries Temporais Específicos para previsão Foram usados

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

1 Lavouras. Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2008

1 Lavouras. Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2008 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas A quinta estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas 1, indica uma produção da ordem de 144,3 milhões de toneladas,

Leia mais