PROJETO DE CRIAÇÃO DE EMPRESA NO SETOR PRIVADO: Implantação de um empreendimento no ramo de reciclagem. RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE CRIAÇÃO DE EMPRESA NO SETOR PRIVADO: Implantação de um empreendimento no ramo de reciclagem. RESUMO"

Transcrição

1 PROJETO DE CRIAÇÃO DE EMPRESA NO SETOR PRIVADO: Implantação de um empreendimento no ramo de reciclagem. Autores: (1): Orientadores : Proff. Helio Rocha de Lira; Prof Luiz Lira. Discentes do Curso de Tecnólogo em Gestão Financeira da Faculdade JK Sobradinhpo (2): Edivan do Nascimento Viana;Eufrásio Lima da Costa; Nelson de Farias Guimarães; Nilton José de Almeida; Tarcísio de Oliveira RESUMO Por meio desse trabalho procuramos destacar a importância do estudo científico na criação de um novo empreendimento, possibilitando assim o seu sucesso ou insucesso. Muitas pessoas tentam montar seu próprio negócio, talvez por simplesmente não aceitar ser subordinado de alguém, entre outros motivos. Sendo importante destacar que muitos podem não alcançar o sucesso esperado do empreendimento, por falta de um planejamento especifico, por não perceberem os riscos que podem vir a acontecer ou por não acompanharem as modificações do mercado. O objetivo deste trabalho é orientar como planejar, construir e administrar um novo empreendimento no ramo de reciclagem de Pneus com redestinação sustentável de seus derivados. A nossa empresa Eco-line, vem através do conceito de Responsabilidade Social, sustentabilidade e da ferramenta PLANO DE NEGÓCIO demonstrar a viabilidade do projeto, avaliando assim os aspectos financeiros, as estratégias de marketing, análise de mercado e SWOT, como formas demonstrativa de obter ótima percepção deste empreendimento inovador. Palavras-chave: Empreendimento, Responsabilidade Social, Sustentabilidade, Redestinação, Eco-line. ABSTRACT Through this work we sought to highlight the importance of scientific study in cocreating a new enterprise, thus enabling their success or failure. Many people try to build your own business, perhaps by simply not accept being subordinate to anyone, among other reasons.is important to note that many may not be successful specialerate the project for lack of a specific plan, not rem perceived risks that may happen or not to monitor.the changes in the marketing.the objective of this work is to guide how to plan, build and manage a new venture in the business of recycling tires with re-allocation of sustainable-able products. Our company Eco line comes through the concept of social responsibility, sustainability and BUSINESS PLAN tool to demonstrate the feasibility of the project, thus evaluating the financial, marketing strategies, market analysis and SWOT, as demonstrative ways to get perception of this great undertaking innovative. Key Words: Entrepreneurship, Social Responsibility, Sustainability, redestination, Eco-line

2 INTRODUÇÃO O surgimento do pneu ocorreu de forma acidental nas experiências do norte americano Charles Goodyear, que juntou uma mistura de vermelhão e chumbo para dar um aspecto de couro á borracha adicionando enxofre em varias bolsas. Depois de alguns dias, a maioria das bolsas, estavam numa condição imprestável, porem uma delas deixada perto de um forno quente queimou de uma forma que chamou a atenção de Goodyear. Ele concluiu que a carbonização poderia parar naquele ponto e manter a estabilidade do material. Experimentos com enxofre mantinham suas condições de elasticidade no frio ou no calor, assim foi descoberto o processo de vulcanização nome que dá referencia ao Deus Romano do fogo e da metalurgia Vulcano. Com essa inovação e a descoberta dos pneus de borracha, em virtude da resistência, durabilidade e conforto para transporte de cargas e pessoas, a comercialização de pneus no mundo foi crescendo vertiginosamente devido à evolução na composição, o que trouxe benefícios como elasticidade e durabilidade entre outros (RAMOS, 2005, p.38). A partir de 1960, o Brasil passou por um intenso e profundo ritmo de industrialização, teve como consequência um aumento expressivo da população nas áreas urbanas por conta de vários movimentos migratórios, que veio a ocasionar a intensificação dos impactos nocivos ao meio ambiente. Estudos estimam que o Brasil descarte algo entorno de 260 mil toneladas de pneus inservíveis anualmente, em média considerando-se que cada pneu possua 10 quilos, chegamos em um total de 26 milhões de pneus. Nosso estudo apresentará uma proposta de criação de uma empresa de reciclagem de pneus no Distrito Federal, a Eco-line, cujo processo de reciclagem se resume à coleta destes pneus como forma de combustível em fábrica de cimento, situada em uma região administrativa. Com a criação da Eco-line reciclagem de pneus objetivo principal é manter o seu crescimento. Aprimoramento da qualidade de seus produtos envolvendo, portanto, diretamente, as ações de marketing que visam transformar as necessidades e desejos dos clientes em fornecimento de produtos. A estrutura do projeto original detalha a importância do empreendimento, a responsabilidade social, o plano de marketing, o investimento inicial, a análise do mercado, a visão, a missão da empresa, a estrutura de recursos humanos e importância do financeiro. CARACTERIZAÇÕES DO EMPREENDIMENTO A ECO-LINE PNEUS é uma empresa voltada para o ramo de reciclagem de pneus. Inserida no mercado do Distrito Federal onde a matéria Prima está cada vez mais em abundância e por sua vez possui uma concorrência expressivamente nula na extensão de seu território, devendo ficar atento ao mercado da região centro oeste. Exercendo suas atividades de redução na geração de resíduos. a empresa visa aproveitar todas as substâncias decorrente de sua transformação. Nesta "Ideia de Negócio" são apresentadas informações importantes para o empreendedor que tem intenção de abrir uma empresa de reciclagem de qualquer material.

3 O QUE É RECICLAR Reciclagem é o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. Muitos materiais podem ser reciclados e os exemplos mais comuns são o papel, o vidro, o metal e o plástico. As maiores vantagens da reciclagem são a minimização da utilização de fontes naturais, muitas vezes não renováveis; e a minimização da quantidade de resíduos que necessita de tratamento final, como aterramento, ou incineração. O conceito de reciclagem serve apenas para os materiais que podem voltar ao seu estado original e ser transformado novamente em um produto igual em todas as suas características. O conceito de reciclagem é diferente do de reutilização. O reaproveitamento ou reutilização consiste em transformar um determinado material já beneficiado em outro. REFERENCIAL TEÓRICO Bernardi (2007, p.187) define que um empreendimento ou novo projeto surge de varias formas: da observação, da percepção e análise de atividades, necessidades, tendências e desenvolvimentos, na cultura, na sociedade, nos hábitos sociais e de consumo, ou até como desenvolvimento natural de um negócio existente. A concepção de um empreendimento ou projeto, por vezes, nasce de habilidades pessoais, gosto por determinada atividade e outras características pessoais, até mesmo por pessoas que não tiveram experiência com o ramo, inovando ou criando novas formas de negócio. A importância da responsabilidade social é enfatizada como estratégia empreendedora, pois a atividade empresarial é um instrumento da sociedade e da economia, e estas podem acabar com a existência de uma empresa se acreditar que ela não executa um trabalho necessário, útil e produtivo. Enfatizando assim o termo sustentabilidade dentro do ramo empresarial. O modelo atual de desenvolvimento econômico vem gerando enormes desequilíbrios sociais. Em outras palavras, nunca houve tanto crescimento, riqueza e fartura ao lado de tanta miséria, degradação ambiental e a poluição, é nesse cenário que se encaixa o desenvolvimento sustentável, como uma maneira de equilibrar e dar continuidade as atividades essenciais a qualidade de vida, surge então os ideais sobre o desenvolvimento sustentável, produzindo mudanças para melhorar a vida das pessoas, preservando a riqueza da vida humana e renovando as razões de esperança no futuro do mundo. Através desse planejamento a empresa consegue o retorno financeiro com um lucro social, além de contribuir para melhoria na qualidade de vida de todos seus stakeholders. O empreendedor busca um equilíbrio entre a acumulação de riqueza e a resolução dos problemas sociais. A empresa tem como um dos objetivos o lucro, mas também procura agir com responsabilidade social. O empreendedor que age com responsabilidade social reconhece que as pessoas que trabalham na sua empresa são os guardiões do principal fator gerador

4 de competitividade da empresa moderna: o conhecimento. O respeito pelos colaboradores envolve o pagamento de salários justos e a preocupação com o seu desenvolvimento pessoal. Além disto, o empreendedor procura criar uma comunidade interna de colaboradores conscientes das responsabilidades sociais da empresa. Só assim a empresa pode cumprir a sua missão social. No contexto todo empreendedor deveria ter como incentivo primordial a declaração feita pela Comissão Mundial do Meio Ambiente e Desenvolvimento (criada em 1983). Onde [...] o desenvolvimento sustentável possui uma dimensão, globalizante, tanto desde o lado do questionamento dos problemas ambientais como a ótica das reações e soluções que é formulada pela sociedade. Não se refere especificamente ao problema limitado de adequações ecológicas de um processo social, mas uma estratégia para a sociedade que deve levar em conta tanto à viabilidade econômica quanto a ecológica. Num sentido abrangente, a noção de que a sustentabilidade leva à necessária redefinição das relações sociedades humanas/natureza. (OLIVEIRA FILHO, 2004, p.08). REFERENCIAL PRÀTICO: DESENVOLVENDO O PLANO DE NEGÓCIO De acordo com Bernardi (2007, p.04), o plano de negócio trata-se de um planejamento importantíssimo para uma boa prática de gestão no desenvolvimento da empresa, seja para revisar periodicamente o atual modelo de negócio, tanto para processos estratégicos e estabelecer premissas fundamentais para o desenvolvimento da empresa. Considerando que toda empresa possui um ciclo de vida bem definido, sua sobrevivência está relacionada diretamente a esse ciclo, onde o empreendedor deve renovar-se a cada momento evolutivo, a vida e a continuidade do empreendimento.

5 Figura 01-ciclo de vida da empresa O plano de negócio não é garantia de sucesso da empresa ou de sua lucratividade, mais com uma boa elaboração, com tranquilidade, aumenta as possibilidades de o empreendimento dar certo, através da reflexão e da compreensão das necessidades. As questões de extrema importância a serem respondidas pelo plano de negócio em qualquer estágio de evolução são: Qual é o nosso negócio? Onde estamos? Para onde vamos? Quais são os objetivos? Como vamos? É viável? Quais os riscos? Conforme Bernardi (2007.p.171), Estruturar um plano de negócio parte do princípio pensado e atrativo na forma, na estrutura e no visual. A estrutura em partes específicas, dividindo as informações em categorias, é fundamenta. DEFINIÇÕES DO NEGÓCIO A ECO-LINE PNEUS é uma microempresa do ramo de reciclagem de pneus usado e descartado. A ênfase da empresa são os derivados do pneu, que consiste na borracha e no aço sendo reaproveitado no mercado com base na responsabilidade social, oferecendo aos nossos clientes o melhor produto possível com um ambiente de trabalho acolhedor e com ótimo serviço além da excelente localização. Com a perspectiva de criar uma empresa socialmente responsável e sustentavelmente correta através de uma política de valores com base ética aplicável a todo o grupo e a sociedade.

6 O empreendimento tende a estabelecer uma nova política de reciclagem de um produto em abundância no mercado atual, com pouca destinação correta. Com o intuito de se tornarem independentes financeiramente e mostrar para a sociedade que existe um local que ofereça destinação correta e consequentemente o aproveitamento de seus derivados, criando um ciclo sustentável no ambiente interno e externo e na sociedade. A Eco-Line Pneus possuirá uma área relativamente satisfatória para atender a demanda do Distrito federal, que tem um grande aumento anual de veículos em circulação do seu território, gerando assim muito material a ser reaproveitado pela empresa. A grande maioria dos pneus tem seu descarte em lugares não apropriado causando muito transtorno para a sociedade e o meio ambiente, com a política de responsabilidade social e a sustentabilidade como um objetivo da Eco-Line Pneus como visa modificar essa situação na capital do país e posteriormente a região centro-oeste. Situado na Região administrativa IV Sobradinho-DF, na área de expansão econômica próximo a BR 020, local apropriado para a logística e distribuição de produtos. A empresa por possuir máquinas avançada no ramo de reciclagem, irá oferecer para o desenvolvimento de habilidades de seus colaboradores treinamentos adequado a sua posição dentro da empresa e gratificações por metas concluídas. Com uma ampla área irá oferecer ainda refeições saudáveis para todos os colaboradores, criando assim um ambiente de trabalho saudável e propício para o seu desenvolvimento. Tipo de negócio: Eco-Line Pneus reciclagem Ramo de atividade: Empresa de reciclagem de Pneus Definição do produto: Borracha e aço reciclado Principais clientes: indústria de cimento, artesão e Metalúrgicas. Estrutura legal: Microempresa A análise SWOT é uma peça fundamental em qualquer plano de negócio e estudos de viabilidade econômica de um projeto ou empresa. Tem por finalidade avaliar a posição competitiva de determinada empresa, marca ou produto no mercado.

7 Figura 2 A matriz SWOT. Fonte: Gestor vencedor, Acesso em 10/ OPORTUNIDADES Pouca concorrência; Aumento crescente de demanda AMEAÇAS Mudanças climáticas Ausência de assistência técnica Possibilidade de Novos Mercados Escassez de mão-de-obra qualificada. Aumento expressivo da matéria-prima Existência de poucos Fornecedores. Preços excelentes Falta de Concorrentes do mesmo ramo alimentício; Aumento de concorrência Tabela 01 Analise S.W.O.T Oportunidades e Ameaças

8 FORÇAS Bom relacionamento entre funcionários; FRAQUEZAS Falta de experiência de gestão do dono do negócio. Localização excelente Produto de qualidade, Fator sustentável; Ambiente confortável; Encargos trabalhista/impostos Condições de Trabalho Favoráveis; Uso da imagem de reciclagem Grau de automatização eficaz; Manutenção de equipamentos alta Facilita os financiamentos Baixa capacidade produtiva. Pouco efeito do marketing. PLANO DE MARKETING O marketing é, hoje, uma das mais importantes ferramentas para o sucesso de qualquer empresa, seja ela pequena grande ou até mesmo global. Sendo praticado de uma forma intensa em todo o mundo. Ele surge muito antes da empresa ter o produto, incluindo a fase de detecção de necessidades e sua transformação em oportunidade. Cresce ao longo da vida do produto, tentando conquistar novos clientes, melhorando o aspecto e desempenho do produto, aprendendo com os resultados das vendas. (kotler, 2003, p.115) Marketing é um processo social e de gestão, através do qual os indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e querem através de troca recíproca de produtos e valor entre eles. Uma estratégia bem preparada à chance de o sucesso ser maior aumenta expressivamente, dando uma garantia concreta. Para isso será necessário que se estude bem detalhadamente o mercado. Com base neste estudo o empreendedor poderá analisar melhor sua empresa e produto, desde se ele é viável ou inviável, para que assim suas chances de fracasso não ultrapassem as suas chances de sucesso. ANÁLISE DE MERCADO Os pneus usados estão se tornando um problema mundial. O Brasil foi o primeiro país na América Latina a regulamentar a reciclagem de pneus. Após a aprovação da resolução CONAMA no 258/99 que instituiu a responsabilidade do

9 produtor e importador pelo ciclo total do produto, ocorreu um avanço na cadeia de reciclagem de pneus, sendo no período de 2002 a 2006, 805,26 mil toneladas de pneus inservíveis reciclado, o equivalente a 161,05 milhões de pneus de automóvel. Apesar de todo o esforço para o cumprimento das metas de reciclagem, os fabricantes de pneus e importadores de pneus usados não conseguiram cumprir as metas de reciclagem no período determinado. A resolução no 258/99 encontra-se em revisão pelo CONAMA e IBAMA desde Fabricantes, reformadores, entidades ambientalistas e indústrias de cimento estão participando desta revisão. Para buscar o melhor planejamento de implantação desse método de desenvolvimento social e ecologicamente correto. Sendo representadas no quadro as principais vantagens e desvantagem no reaproveitamento de pneus inservíveis: Figura 3- Comparação de tecnologias para destinação final de pneus No Distrito Federal, esse ramo de negócio é bastante escasso, apesar de possuir uma grande evolução no conceito de responsabilidade social. O mercado automobilístico da capital do país vem crescendo significativamente gerando um

10 enorme aumento no uso de pneus e consequentemente ocorre o aumento desses pneus inservíveis no meio ambiente sem destinação correta, ocasionando muitos danos em seu meio. Mensalmente, cerca de 10 mil novos veículos são emplacados no Distrito Federal. Atualmente, a frota que circula pelas ruas da capital federal ultrapassa a casa de 1 milhão e trezentos mil veículos, tornando o DF a 5ª maior frota de automóveis do país. Tantos veículos acabam causando problemas de engarrafamentos e falta de vagas para estacionamento, Além dos poluentes despejados na atmosfera, com mais veículos cresce a quantidade de pneus descartados em Brasília. Veja o quadro: Tabela 2 Frota de veículos Fonte: ( PESQUISA DE CAMPO Na pesquisa de campo o instrumento escolhido foi do tipo questionário, pois, de acordo como Gil (2002,p.89), o estudo de campo aprofunda-se a realidade através de entrevista com informantes para captar as explicações e interpretações que ocorre naquela realidade. Aplicado em um universo pequeno, optamos por perguntas claras, com respostas pequenas e também claras, para facilitar sua ordenação no estudo e não inibir o entrevistado. O questionário foi aplicado a 50 voluntários. Com o intuito de analisar a falta de empresa desse ramo e o crescimento de material no mercado externo, com algumas perguntas direcionadas para medir a má destinação de pneus no Distrito Federal, a falta de campanhas educativas, o não incentivo do governo, analisar a concorrência direta e indireta e a opinião dos entrevistados para a implantação de uma empresa de reciclagem de pneus no território da capital do Brasil. Analisando os entrevistados, 90% aprovam a implantação de uma empresa de reciclagem no DF, 95% dos pesquisados possui veículo automotivo sendo que 100% não veêm o incentivo do governo a respeito desse assunto. E todos os entrevistados não percebem o governo realizando algum tipo de incentivo na reciclagem de pneus no Distrito Federal.

11 Gráfico 01- Análise da criação de uma empresa de reciclagem de pneus. Gráfico 02- análise de quem possui veículo.

12 Gráfico 03- Análise do incentivo governamental na reciclagem de pneus. Gráfico 04- análise de postos de coletas de pneus. PROCESSO DE PRODUÇÃO A matéria- prima para a empresa se obtida através do recolhimento em borracharia, tendo em troca um valor peculiar de forma simbólica, com bastante cuidado de evitar a imobilização de capital de giro desnecessária. Para o funcionamento inicial da empresa devem fazer compra em grande quantidade para dar inicio as atividades. O responsável pelas compras tem também como objetivo o máximo de lucratividade da empresa, através de um processo de coleta e da separação desses materiais necessário para sua sobrevivência, descartando os não aproveitáveis. Para melhor controlar os estoques, o responsável fará uma análise e controlará as entradas e saídas com o auxilio de um sistema de informação. Esta

13 atividade será realizada por um dos sócios diariamente e apresentada semanalmente para o gerente. As finanças serão de responsabilidade do gerente, juntamente com o auxilio dos sócios e contador. PLANEJAMENTO FINANCEIRO O planejamento financeiro é uma das principais ferramentas de um plano de negócio bem elaborado, com a administração financeira identificam-se uma série de pontos, os quais são de extrema importância para a sua elaboração dando mais segurança quanto a sua eficácia. Segundo Bernardi (2007, p. 178) O planejamento financeiro servirá a três propósitos: análise da viabilidade do negócio, capacidade de liquidez e forma de Capitalização de um empreendimento. ESTIMATIVA DO INVESTIMENTO ESTIMATIVA DE FATURAMENTO MENSAL Custo Direto Faturamento % do Faturamento Produtos ,05, ,00 100,0% Serviços 0,0% Total , ,00 PRODUTOS Descrição do Produto Vendas Unitárias Estimativa de Custos Custo Unit. Custo da Mercadoria Preço de Venda Unitário Estimativa de Vendas Faturamento Aço , ,00 2, ,00 Borracha , ,00 1, , CMV ,00 TOTAL DE PRODUTOS ,00

14 FINANCIAMENTO SIMULADOR DE FINANCIAMENTO Valor a Financiar ,00 Carência Prazo Juros IOF 3.000,00 12 Meses 60 Meses 0,97% ao mês Parcela 5.361,69 Tabela 03- Financiamento ESTRUTURAS DE RESULTADOS ESTRUTURA GERENCIAL DE RESULTADOS DISCRIMINAÇÃO VALOR R$ % 1. Receita Total ,00 100,00% Vendas (à vista) ,00 15,00% Vendas (a prazo) ,00 85,00% 2. Custos Variáveis Totais ,35 59,20% Previsão de Custos (Custo da Mercadoria) ,00 47,05% Impostos Federais (PIS, COFINS, IPI ou SUPER SIMPLES) 10,01% ,59 10,01% Impostos Estaduais (ICMS) Imposto Municipal (ISS) Previsão de Inadimplência 1,50% 2.037,90 1,50% Comissões 611,37 0,45% Cartões de Crédito e Débito 259,49 0,19% Outros Custos Variáveis 0,00 0,00% 3. Margem de Contribuição ,65 40,80% 4. Custos Fixos Totais ,42 21,49% Mão-de-Obra + Encargos ,00 9,40% Retirada dos Sócios (Pró-Labore) 544,00 0,40% Água 180,00 0,13% Luz 1.000,00 0,74% Telefone 280,00 0,21% Contador 545,00 0,40% Despesas com Veículos 2.800,00 2,06% Material de Expediente e Consumo 440,00 0,32% Aluguel 1.360,00 1,00% Seguros 0,00 0,00% Propaganda e Publicidade 1.100,00 0,81% Depreciação Mensal 2.002,73 1,47% Manutenção 700,00 0,52% Condomínio 0,00 0,00% Despesas de Viagem 0,00 0,00% Serviços de Terceiros 0,00 0,00% Ônibus, Táxis e Selos 110,00 0,08% Outros Custos Fixos 5.361,69 3,95%

15 RECURSOS NECESSÁRIOS INDICADORES FINANCEIROS FINANCEIRO RESUMO Investimento ,00 Faturamento ,00 Capital de Giro ,80 Custos Variáveis ,35 59,20% Total ,80 Custos Fixos ,42 21,49% Investimentos 5.361,69 3,95% Financiamento ,00 Resultado ,53 15,36% Capital Próprio ,80 PONTO DE EQUILIBRIO Operacional Mensal ,32 Diário 2.862,61 Financeiro Mensal ,73 Diário 3.388,31 Econômico Lucro Desejado 3.000,00 2,21% Mensal ,23 Diário 3.682,45 Dias Úteis Resultado Operacional ,23 19,31% 6. Investimentos 5.361,69 3,95% Financiamento 5.361,69 3,95% 7. Imposto Renda Pessoa Jurídica e Contribuição Social (Presumido/Real) 0,00 0,00% Imposto de Renda Pessoa Jurídica - IRPJ 0,00 0,00% Contribuição Social - CS 0,00 0,00% 8. Resultado Líquido Financeiro ,53 15,36% Tabela 04- Estrutura Gerencial de Resultados

16 ESTOQUE E DISPONIBILIDADE DE CAPITAL INDICADORES Prazo Médio de Recebimento 0 Rotação do Estoque 3,31 dias Necessidade de Capital de Giro Mensal ,80 Acumulado dos 3 Anos 0,00 Tabela 05- Estoque e disponibilidade de capital INDICADORES DE DESEMPENHO Margem de Contribuição 40,80% Lucratividade Rentabilidade Operacional 19,31% Resultado Final 15,36% Prazo de Retorno do Investimento Operacional 5,68% Operacional 23 meses Resultado Final 4,52% Resultado Final 25 meses ANÁLISE DE SENSIBILIDADE Acréscimo no Preço 10,0% Acréscimo nas Vendas 10,0% Receita ,00 Receita ,00 Custo Variável ,18 Custo Variável ,68 Custo Fixo ,42 Custo Fixo ,42 Investimentos 5.361,69 Investimentos 5.361,69 Resultado ,70 Resultado ,20 Redução no Custo da Mercadoria 10,0% Redução no Custo Fixo 10,0% Receita ,00 Receita ,00 Custo Variável ,85 Custo Variável ,35 Custo Fixo ,42 Custo Fixo ,78 Investimentos 5.361,69 Investimentos 5.361,69 Resultado ,03 Resultado ,18 Tabela 06- indicadores de desempenho e sensibilidade

17 PRAZOS E ESTOQUES POLÍTICA DE VENDA Prazo médio de venda das mercadorias % Dias Venda à Vista 15,00 - Venda a Prazo 85,00 45 Prazo Este quadro apresenta a divisão das vendas à vista e a prazo Médio 38 em relação às vendas totais. POLÍTICA DE COMPRA Prazo médio de compras % Dias À Vista 100,00 - A Prazo 0,00 Este quadro apresenta a divisão das compras à vista e a prazo Prazo Médio 0 em relação às compras totais. POLÍTICA DE ESTOQUE Necessidade média de estoques 15 Este quadro define qual deve ser o estoque mínimo necessário em dias. Dias ESTIMATIVA DE ESTOQUE INICIAL R$ Estoque Inicial ,00 Este quadro define o valor do estoque inicial Tabela 07- prazos de Estoques

18 CUSTOS COM MÃO DE OBRA Cargo/Função Nº func. Salário %* Encargos Total Operador de Máquina ,00 37,56% 439, ,89 Colaborador 4 640,00 37,56% 240, ,53 Motorista 1 920,00 37,56% 345, ,55 Empregada Doméstica 1 545,00 37,56% 204,70 749,70 Secretária 1 590,00 37,56% 221,60 811,60 Vendedor 2 820,43 37,56% 308, ,58 Gerente ,00 37,56% 567, ,15 TOTAL , , ,00 Tabela 08- custo de mão de obra TRIBUTAÇÃO TOTAL Faturamento Mensal ,00 IMPOSTOS IR - Imposto de Renda CSLL - Contribuição Social COFINS - Contribuição Financeira Social PIS - Programa de Integração Social IPI - Imposto sobre Produtos Industrializados ICMS - Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços ISS - Imposto sobre Serviços SIMPLES ,59 TOTAL DE IMPOSTOS ,59 RELAÇÃO PERCENTUAL DE IMPOSTOS 10,01% ENCARGOS FGTS 929,27 TOTAL DE ENCARGOS 929,27 TOTAL GERAL DA TRIBUTAÇÃO ,85 OPTAREMOS PELO REGIME: Tabela 09- tributação Simples

19 COMISSÕES E OUTROS CUSTOS VARIÁVEIS COMISSÕES Descrição das Comissões % do Faturamento % da Comissão Valor Vendedores 2,0% 10,0% 271,72 Motorista 1,5% 10,0% 203,79 Operador das Máquinas 1,0% 10,0% 135,86 CARTÃO DE CRÉDITO E DÉBITO Descrição % do Faturamento % da Comissão Valor Cartões de Débitos 2,0% 2,5% 67,93 Cartões de Créditos 3,0% 4,7% 191,56 PREVISÃO DE INADIMPLÊNCIA 1,5% Tabela 10- Comissões e custos variáveis CONSIDERAÇÕES FINAIS Um plano bem estruturado e com concepção nos limites da realidade, leva um empreendedor a realizar um trabalho com otimismo e motivação crescente. Esperase que este plano de negocio possa ser utilizado por empresários ou gestores que queiram implantar e aprofundar a discussão sobre esse projeto. As atividades desenvolvidas na Eco-Line Pneus alcançaram o sucesso, uma vez que, analisando os dados do projeto que foram registrados, comprovar-se-á sua viabilidade. O Valor total do investimento é de R$ ,00 com a geração de 13 empregos diretos. Dentro desta perspectiva, esperamos proporcionar, diversidade e inovação, atraindo o maior número possível de novos clientes e buscando ser uma empresa socialmente responsável no cuidado com o meio ambiente e dando oportunidade para as pessoas de baixa renda. Por fim, concluímos que a implantação da Eco-Line Pneus é viável e de acordo com os índices de análise para financiamento propostos pela instituição financeira BNDES. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PNEUS E ARTEFATOS DE BORRACHAS (AREBOP). Aproveitamento de pneus na construção civil. Ago Disponível em: <www.arebop.org.br>. Acesso em: 01 junho BERNARDI, Luiz. A. Manual de plano de negócio. São Paulo: Atlas, CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução N 258, de 26 de agosto de DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRANSITO. Brasília. DETRAN DF em números.

20 Gil, Antonio C. Gestão de Pessoas. São Paulo: Atlas, KOTLER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de Marketing. 12. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA BRASÍLIA: Diagnóstico da gestão ambiental no Brasil Região Centro-Oeste. Brasília, DF: Dagama Editora LTDA, OLIVEIRA, Djalma. P.R. Planejamento estratégico.são Paulo: Atlas, PEREIRA, Lauero Charlet. TOCCHETTO, Marta Regina Lopes. Resíduos: É preciso inverter a pirâmide reduzir a geração. /resid uos.htm

21 ANEXO I COLETA DE DADOS QUESTIONÁRIO DE PESQUISA Este questionário tem por finalidade identificar a aceitação de uma empresa de reciclagem de pneus em na região administrativa IV- Sobradinho-DF. Essa pesquisa tem finalidade acadêmica. As informações serão tratadas de forma consolidada. Nenhuma informação individual será divulgada. Instruções para preenchimento do questionário: 1. Leia atentamente todas as questões; 2. Responda com bastante sinceridade, pois suas informações são importantes para o resultado final desta pesquisa. DADOS PESSOAIS: Nome: Idade: 1. Sexo: 1 - ( ) Masculino 2 - ( ) Feminino 2. Formação escolar: 1 - ( ) Ensino Fundamental 2- ( ) Ensino Médio 3- ( ) Ensino Superior 3. Morador (a) de há quando tempo? ( ) 06 meses ( ) 01 ano ( ) 02 anos ( ) 04 anos ( ) mais de 05 anos. 4. Possui veículo automotivo? ( ) sim ( ) não 5. De quanto em quanto tempo troca de pneu? ( ) 06 meses ( ) 10 meses ( ) 12 meses ( ) 18 meses 6. Onde você deixa os pneus usados? ( ) borracharia ( ) em casa ( ) no lixo ( ) na rua 7. Conhece algum posto de coleta de pneu usado? ( ) sim ( ) não 8. Você sabe que o pneu pode ser reciclado? ( ) Sim ( ) não 9. Sabe de algum programa do governo voltado para reciclagem de pneus? ( ) sim. Qual: ( ) não 10. Você gostaria de uma empresa que recolheria e reciclaria pneus usados? ( ) sim ( ) não

TÍTULO: PROJETO DE CRIAÇÃO DE EMPRESA NO SETOR PRIVADO: IMPLANTAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO NO RAMO DE RECICLAGEM.

TÍTULO: PROJETO DE CRIAÇÃO DE EMPRESA NO SETOR PRIVADO: IMPLANTAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO NO RAMO DE RECICLAGEM. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROJETO DE CRIAÇÃO DE EMPRESA NO SETOR PRIVADO: IMPLANTAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO NO RAMO DE

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS.

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. Resumo efetuado a partir do Manual Como Elaborar um plano de negócios SEBRAE/ 2013 Profa. Célia Regina Beiro da Silveira ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS PARA O 1º CONCURSO

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula Formação de Preços Fatores Determinantes: Influência do macroambiente Análise da concorrência Comportamento de compra do consumidor Ciclo de vida do produto Segmentação do mercado

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

Total de meses de duração: 10 x 12 = 120 meses

Total de meses de duração: 10 x 12 = 120 meses CUSTO FIXO: É a soma de todas as despesas mensais de uma empresa que esteja funcionando, mesmo que não venda ou não preste nenhum serviço. CUSTO VARIÁVEL: são todos aqueles que variam conforme a quantidade

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração.

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PLANO DE NEGÓCIIOS Prroff.. Carrllos Mellllo Saal lvvaaddoorr JJANEI IRO/ /22000066 Introdução Preparar um Plano de Negócios é uma das coisas mais úteis que um empresário

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA! O que é Lucro Real?! O que é Lucro Presumido?! Como é calculada a tributação pelo SIMPLES?! Qual o regime tributável mais vantajoso para a elaboração de um projeto?!

Leia mais

ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO. Identificação

ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO. Identificação ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO Nome da Entidade Identificação Razão Social CGC/CNPJ Inscrição Estadual Inscrição Municipal Descreva as Pricipais Atividades Desenvolvidas pela Entidade

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos Exemplos de Aplicação de Projetos Cálculo do Valor de um Negócio ou Empresa; Avaliar Viabilidade de Projetos; Projetos para solicitação de Financiamentos.

Leia mais

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Maria Tereza da Silva Santos Confecção - Exemplo Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Data criação: 09/01/2014 14:36 Data Modificação: 21/02/2014 14:36 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

CLEVERSON FORATO ORÇAMENTO E FINANÇAS 1

CLEVERSON FORATO ORÇAMENTO E FINANÇAS 1 ORÇAMENTO E FINANÇAS 1 ORÇAMENTO E FINANÇAS 2 SUMÁRIO: 1) INTRODUÇÃO A GESTÃO FINANCEIRA a. A IMPORTANCIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DAS EMPRESAS b. O CONTEXTO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA c. A FUNÇÃO DO ADMINISTRADOR

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

especificamente para facilitar o trabalho de escritórios contábeis e/ou consultorias tributárias, auxiliando na escolha da melhor forma de tributação

especificamente para facilitar o trabalho de escritórios contábeis e/ou consultorias tributárias, auxiliando na escolha da melhor forma de tributação Programa desenvolvido especificamente para facilitar o trabalho de escritórios contábeis e/ou consultorias tributárias, auxiliando na escolha da melhor forma de tributação (Simples/Presumido/Real) para

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS POUSADA BOUGAINVILLE "EDNA MARIA" Empreendedor(a): EDNA MARIA DE OLIVEIRA

PLANO DE NEGÓCIOS POUSADA BOUGAINVILLE EDNA MARIA Empreendedor(a): EDNA MARIA DE OLIVEIRA PLANO DE NEGÓCIOS POUSADA BOUGAINVILLE "EDNA MARIA" Empreendedor(a): EDNA MARIA DE OLIVEIRA Dezembro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

Tema Nº 3 Primeiros Passos

Tema Nº 3 Primeiros Passos Tema Nº 3 Primeiros Passos Habilidades a Desenvolver: Reconhecer as etapas iniciais do empreendedorismo. Analisar o tipo de negócio, bem como sua viabilidade e demandas de recursos de novos empreendimentos.

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 6 PLANO DE NEGÓCIOS (PN): UMA VISÃO GERAL - O QUE É E PARA QUE SERVE? Plano de negócios (do inglês business plan), também chamado plano empresarial, é um documento que especifica, em linguagem

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s Justificativa do trabalho As Empresas, com fim lucrativo ou não, enfrentam dificuldades para determinar o preço de seus produtos ou serviços, visto que o preço sofre grande influência do mercado, levando

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco PLANO DE NEGÓCIO Roteiro Financeiro Prof. Fábio Fusco ANÁLISE FINANCEIRA INVESTIMENTO INICIAL O investimento inicial expressa o montante de capital necessário para que a empresa possa ser criada e comece

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 PizzarIFSC - Pizzaria IFSC Pizzaria IFSC Elaborado por: Edson Watanabe Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário Executivo 1.1 - Resumo

Leia mais

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br COMPRA certa Treinamento para o profissional de compras www.contento.com.br 503117 Tributação e seus impactos na rentabilidade editorial Calculando a rentabilidade Gerir uma farmácia requer conhecimentos

Leia mais

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2 Análise Panorâmica Análise Panorâmica Sumário 1. Introdução... 2 2. Indicadores de desempenho... 3 2.1 Carga Tributária da Empresa - Composição Anual... 3 2.2 Grau de Endividamento Tributário... 4 2.3

Leia mais

Coletânea de Literatura

Coletânea de Literatura Custo x Preço para Mão de Obra Coletânea de Literatura Edição 09/08 Universo da Reparação Automotiva Linha Leve SINDIREPA-SP lança coletânea inédita para o setor de reparação de veículos *Por Antonio

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Plano de Negócios. Fast Break

Plano de Negócios. Fast Break Plano de Negócios Fast Break Aislan Amadio 1 José Marcio Alves Thomé 2 Valéria Figueiredo 3 Vagner Roberto da Costa 4 Maria Eliza Zandarim 5 Resumo O presente estudo tem como objetivo demonstrar e de estruturar

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Estudo da viabilidade econômico-financeira de uma Sociedade Empresária Limitada Distribuidora de Bebidas, na categoria

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

uvaeverde.com.br Apresentação ao Shopping

uvaeverde.com.br Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping Retorno do investimento garantido em contrato ou a devolução da verba inicial investida* Cláusula vigésima: do retorno do investimento inicial 20.1 A Franqueadora se compromete

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA DESAFIOS Estabelecer a logística reversa Regulamentar planos de gerenciamento de resíduos Implantação

Leia mais

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1 Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V): Atividades Práticas ( ) Os custos fixos são totalmente dependentes dos produtos e volumes de produção executados no período.

Leia mais

C O N S U L T O R I A. T r i b u t á r i a & F i n a n c e i r a. Serviços

C O N S U L T O R I A. T r i b u t á r i a & F i n a n c e i r a. Serviços C O N S U L T O R I A Consultoria Tributária Serviços Os serviços de consultoria tributária oferecidos pela GT Consultoria são extremamente abrangentes e com perfis diferenciados para cada demanda. Entre

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO 04 APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing,

Leia mais

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso 01 Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

Plano de Negócios. Dojô. Empresa: Empresa Modelo

Plano de Negócios. Dojô. Empresa: Empresa Modelo Plano de Negócios Dojô Empresa: Empresa Modelo Responsável: Administrador do Sistema 20/09/2009 Introdução Enunciado do Projeto Identificamos a oportunidade de oferecer aos atletas e praticantes de artes

Leia mais

Consultoria, Assessoria e Desenvolvimento em Gestão de Projetos

Consultoria, Assessoria e Desenvolvimento em Gestão de Projetos OUTSOURCI NG Oferece tercerização de processos de negócios e alocação de recursos especializados nas áreas de tecnologia da informação, desenvolvimento e gerenciamento de projetos. Consultoria, Assessoria

Leia mais

ANEXO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA O PARTICIPANTE

ANEXO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA O PARTICIPANTE ANEXO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA O PARTICIPANTE 1. APRESENTAÇÃO Abaixo estão as principais informações que você precisa saber sobre o 7º Concurso Estadual de Planos de Negócio para Universitários SEBRAE/SC.

Leia mais

MODELO DE GESTÃO PARA CORRETORES

MODELO DE GESTÃO PARA CORRETORES SINCOR - ES Cleber Batista de Sousa MODELO DE GESTÃO PARA CORRETORES Estrutura Básica de uma GESTÃO ADMINISTRATIVA ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Gestão Operacional; Gestão de Pessoas; Gestão Financeira; Gestão

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS SÓ DELLA LINGERIES

PLANO DE NEGÓCIOS SÓ DELLA LINGERIES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALESSANDRA PAIXÃO HUNGRIA Mat: 0201010801 FABIANA SUELI DAMASCENO DOS SANTOS Mat: 0101009601

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO

Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO Roteiro para Projeto Econômico-Financeiro - FCO 1. A Empresa 1.1. Histórico / Aspectos Organizacionais 1.2. Razão Social 1.3. CNPJ 1.4. Inscrição Estadual e/ou Municipal 1.5. Número e data de registro

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO EM CIENCIAS CONTÁBEIS PROF: HÉBER LAVOR MOREIRA Eline Cristina Miranda 0501006001 Administração

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO 1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA 1.1. Razão Social: 1.2. Endereços: Fone: - Escritório - Fábrica 1.3.

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO E INVESTIMENTO DE UMA FÁBRICA DE CASCÕES DE SORVETES

ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO E INVESTIMENTO DE UMA FÁBRICA DE CASCÕES DE SORVETES ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO E INVESTIMENTO DE UMA FÁBRICA DE CASCÕES DE SORVETES Cristina Raquel Reckziegel (FAHOR) cr000900@fahor.com.br Gezebel Marcela Bencke (FAHOR) gb000888@fahor.com.br Catia Raquel

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

Métricas empresariais

Métricas empresariais Métricas empresariais 1 Índice 1. Lista de Indicadores Setoriais Pág. 4 2. Métricas de Marketing Geral Pág. 5. Métricas de Propaganda Pág. 4. Métricas de Promoção Pág. 7 5. Métricas de Distribuição Pág.

Leia mais

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Plano de Negócio AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Rodovia Celso Garcia Cid 2500 86051-990, Londrina - PR aztech@aztech.com.br André Ricardo Gonçalves - CEO / Tecnologia argoncalves@aztech.com.br

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1 CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Temos observado que é muito comum encontrar empresários do segmento da prestação de serviços que apresentam dificuldades na Gestão dos Custos em suas empresas. Essas dificuldades

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Plano de Negócios. Curso: Gestão Financeira 14/8/2012. Prof. Vitor Gustavo. Objetivos da aula

Plano de Negócios. Curso: Gestão Financeira 14/8/2012. Prof. Vitor Gustavo. Objetivos da aula Curso: Gestão Financeira Plano de Negócios Prof. Vitor Gustavo Objetivos da aula Conceituar EMPREENDEDORISMO na atual conjuntura nacional; Conhecer e Compreender a importância do PLANO DE NEGÓCIOS na gestão

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais