Gestão Estratégica de Recursos Humanos em uma Instituição Pública de C&T: o caso Fiocruz

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão Estratégica de Recursos Humanos em uma Instituição Pública de C&T: o caso Fiocruz"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRGIO AROUCA MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE C&T EM SAÚDE Gestão Estratégica de Recursos Humanos em uma Instituição Pública de C&T: o caso Fiocruz Dissertação apresentada como pré-requisito para a obtenção do título de Mestre em Saúde Pública Aluno: Márcio Luiz Braga Corrêa de Mello Orientador : Dr. Antenor Amâncio Filho Rio de Janeiro Março de 2007

2 FICHA CATALOGRAFICA Mello, Márcio Luiz Braga Corrêa de Gestão Estratégica de Recursos Humanos em uma Instituição Pública de Ciência e Tecnologia: O caso Fiocruz. / Márcio Luiz Braga Corrêa de Mello. Rio de Janeiro: s.n., , p., ilus., tab. Orientador:, Antenor Amâncio Filho. Dissertação de Mestrado Profissional de Política e Gestão de Ciência e Tecnologia apresentada à Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz, Recursos Humanos, 2- Instituição Pública de Ciência e Tecnologia, 3-Gestão Estratégica, 4-Planejamento Estratégico, 5- Gestão por Competências, 6-Mundo do Trabalho, 7-Fiocruz. I.Título. 2

3 Dedico aos meus pais, Carlos Ramiro e Liege e ao meu filho, João Paulo. 3

4 Agradecimentos Neste momento tão especial tenho a alegria de agradecer a Deus por cada dia vivido, cada lição aprendida e todas as benções que me concedeu, e pelo privilégio de conhecer tantas pessoas que contribuíram para que eu chegasse aqui, e que, ainda que não sejam citadas, merecem a minha sincera gratidão. Aos meus pais, Carlos Ramiro e Liege e ao meu irmão Marcelo, pelo carinho, atenção e por representarem a origem de tudo o que sou. Ao meu orientador, professor Antenor Amâncio Filho, pela sensibilidade, generosidade e precisão na orientação deste trabalho. Ao professor José Maldonado pelos ensinamentos e incentivos. Ao professor Francisco Javier Uribe Rivera, por valorizar o potencial criativo das pessoas que o rodeiam. À professora Maria de Fátima Lobato Tavares pelos ensinamentos durante a análise dos resultados. À professora Márcia Texeira pela receptividade na Fiocruz, oportunidade de realização do mestrado e incentivos ao meu trabalho. Aos meus professores do mestrado pelo que cada um representou em minha formação. Em especial à minha amiga Cláudia Parente por ter me ajudado a superar todas as barreiras durante o curso. Aos meus amigos e companheiros do mestrado, pelo convívio e aprendizagem. À Valéria Falcão pela ajuda na seleção inicial. Aos meus amigos da informática Márcio Tadeu, Paulo Roberto e João Paulo pelo apoio. À Leila Mello, diretora de Recursos Humanos da Fiocruz pela compreensão. À nossa auditora Silvina Marques pela ajuda na coleta de informações. A todos aqueles que, ao longo da minha vida, de maneira direta ou indireta, contribuíram para a realização deste trabalho. 4

5 RESUMO A partir da década de 70, ocorreu a crise do padrão de acumulação capitalista estruturado no binômio taylorismo-fordismo e sua substituição por formas produtivas flexibilizadas e desregulamentadas. Como conseqüência, surge a necessidade de implantação de um novo modelo de gestão do trabalho. Para melhor enfrentar os novos desafios, as empresas passaram a investir em novas tecnologias, de base microeletrônica - que impulsionou o novo paradigma técnico econômico (PTE) - e adotaram novas concepções organizacionais, utilizando-se destas inovações para sua sobrevivência, com reflexos na gestão do trabalho. Nessa perspectiva, criar e implementar ações estratégicas que permitam a recriação de modelos de formação e gestão de recursos humanos, inclui a previsão de ações voltadas à gestão e à implementação de processos que impulsionem este novo modelo exigido pelos novos requerimentos do mundo do trabalho. Nesse sentido, o objetivo desta pesquisa foi avaliar o Planejamento e a Gestão de Recursos Humanos na Fiocruz, a partir da ótica da incorporação dos trabalhadores e do ambiente complexo no qual está inserida uma instituição de C&T e das novas exigências do mundo do trabalho, focalizando de maneira especial uma de suas Unidades Técnico-Científicas, e assim, contribuir com o fortalecimento das ações no campo dos recursos humanos da instituição, levando em consideração as diretrizes traçadas no seu Plano Quadrienal. Espera-se que este trabalho se constitua material para sustentação de uma Gestão Estratégica de Recursos Humanos na Fiocruz, e que possa contribuir com a instituição e com suas Unidades no aprimoramento da Gestão de RH. Particularmente, face à sua posição estratégica no SUS e no Sistema Brasileiro de C&T em Saúde, espera-se que a Fiocruz possa ampliar, por meio de seus recursos humanos, seu espaço e importância, frente às questões de saúde da população. 5

6 SUMÁRIO Capítulo I - INTRODUÇÃO...08 Capítulo II - REFERENCIAIS TEÓRICOS...16 II.1 AS ATUAIS EXIGÊNCIAS DO MUNDO DO TRABALHO...17 II.2 O ENFOQUE EM COMPETÊNCIAS NA ÁREA DA SAÚDE...20 II.2.1 O CONCEITO DE COMPETÊNCIA...22 II COMPETÊNCIAS HUMANAS, INDIVIDUAIS OU PROFISSIONAIS...24 II COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS...27 II.2.2 MODELO DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA...28 II.2.3 POTENCIALIDADES E LIMITES DA ABORDAGEM DAS COMPETÊNCIAS...31 II.3 DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO À GESTÃO ESTRATÉGICA...34 II.3.1 O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE RH...41 II.4 - A GESTÃO CONTEMPORÂNEA...50 Capítulo III - DIAGNÓSTICO SITUACIONAL...52 III.1 FIOCRUZ...52 III.1.2 FATOS RELEVANTES ASSOCIADOS AO TEMA...55 III.1.3 ATIVIDADES DE ENSINO DA FIOCRUZ EM NÚMEROS...57 III.1.4 A GESTÃO DA FIOCRUZ...58 III.1.5 O SISTEMA DE PLANEJAMENTO DA FIOCRUZ

7 III.1.6 FORÇA DE TRABALHO NA FIOCRUZ...65 III.2 FARMANGUINHOS...76 III.2.1 CARACTERIZAÇÃO DA UNIDADE...80 III MISSÃO...85 III VISÃO DE FUTURO...83 III POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO...83 III ESTRUTURA ORGANIZACIONAL...84 III.2.2 OS RECURSOS HUMANOS DE FARMANGUINHOS...85 Capítulo IV - METODOLOGIA E ANÁLISE DOS RESULTADOS...89 IV.1 CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS...89 IV.1.1 DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA...92 IV.2 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS...93 Capítulo V - CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES V.1 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS ANEXO I: ROTEIRO DE ENTREVISTA INDIVIDUAL ANEXO II - TERMO DE CONSENTIMENTO

8 Lista de Figuras Item Descrição Página Figura 1 Figura 2 Construção das competências e da estratégia por meio da aprendizagem Competências como fonte de valor para o indivíduo e a organização Figura 3 Modelo de Gestão por Competências 29 Figura 4 Estrutura Organizacional da Fiocruz 55 Figura 5 Estrutura Organizacional de Farmanguinhos 84 Lista de Gráficos Item Descrição Página Gráfico 1 Distribuição da força de trabalho da Fiocruz em Gráfico 2 Distribuição da força de trabalho da Fiocruz em Gráfico 3 Evolução da produção de medicamentos Gráfico 4 Evolução da produção de medicamentos Gráfico 5 Evolução da produção de medicamentos Gráfico 6 Evolução de RH de Farmanguinhos

9 Lista de Tabelas Item Descrição Página Tabela 1 Força de Trabalho da Fiocruz por Unidade e Tipo de Vínculo em fevereiro de Lista de Quadros Item Descrição Página Quadro 1 Relação entre intento estratégico, competências organizacionais e competências individuais. 27 9

10 Lista de Abreviaturas FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz IOC Instituto Oswaldo Cruz IPEC Instituto de Pesquisas Evandro Chagas IFF Instituto Fernandes Figueira ENSP Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca ESPJV Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Biomanguinhos Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Farmanguinhos Instituto de Tecnologia em Fármacos INCQS Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde CICT Centro de Informação Científica em Tecnológica COC Casa de Oswaldo Cruz CECAL Centro de Criação de Animais de Laboratório DIRAD Diretoria de Administração DIREH Diretoria de Recursos Humanos DIRAC Diretoria de Administração do Campus DIPLAN Diretoria de Planejamento DIREB Diretoria Regional de Brasília AUDIN Auditoria Interna PF Procuradoria Federal da Fiocruz CPqRR Centro de Pesquisas René Rachou CPqGM Centro de Pesquisas Gonçalo Muniz CPqAM Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães CPqM&D Centro de Pesquisas Leônidas e Maria Deane 10

11 UTCs Unidades Técnico-Científicas SUS Sistema Único de Saúde PPA Plano Plurianual MS Ministério da Saúde SIIG Sistema Integrado de Informações Gerenciais POM Plano de Objetivos e Metas PSF Programa Saúde da Família 11

12 Capítulo I 1 INTRODUÇÃO Observam-se, atualmente, grandes transformações em várias áreas da nossa vida, as quais se processam de maneira intensa e acelerada, em geral associadas ao desenvolvimento tecnológico e que se constitui em um dos pilares do processo de globalização. A difusão dessas transformações por todos os setores trouxe conseqüências ao desenvolvimento social e econômico e, por isso, a capacidade de gerar e absorver inovações vem sendo considerada crucial para uma nação se tornar competitiva, mediante investimentos em educação, pesquisa e desenvolvimento tecnológico. Em nosso país, intensificaram-se nos últimos tempos os esforços para reestruturação do complexo científico e tecnológico visando, sobretudo, gerar inovações. Assim, as instituições de pesquisa e desenvolvimento têm procurado assumir um papel fundamental nesse processo, buscando implementar estruturas e formas de gestão estratégicas em P&D, para que adquiram condições de fazer a ponte com o setor produtivo e responder, efetivamente, por inovações tecnológicas. Pode-se dizer, também, que as transformações empreendidas no Brasil a partir dos anos 90, impactaram de forma decisiva a organização das atividades de pesquisa científica, influenciaram os processos de desenvolvimento tecnológico e afetaram o sistema educacional, com conseqüências para o campo das inovações tecnológicas e promovendo mudanças significativas nas esferas econômica, social e cultural. No que diz respeito à saúde, no Brasil, a Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), na qualidade de instituição de ciência e tecnologia e de suporte ao Ministério da Saúde e ao Sistema Único de Saúde (SUS), vem fortalecendo o seu compromisso social ao atuar de forma significativa na construção de políticas públicas que atendam às diretrizes do 12

13 SUS, viabilizando ações no campo da saúde pública, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida da população. Vinculada ao Ministério da Saúde, a FIOCRUZ tem como missão Gerar, absorver e difundir conhecimentos científicos e tecnológicos em saúde, pelo desenvolvimento integrado de atividades de pesquisas, ensino, informação, tecnologia e produção de bens e serviços, com a finalidade de proporcionar apoio estratégico ao Sistema Único de Saúde e contribuir para a melhoria da qualidade de vida da população e para o exercício da cidadania (FIOCRUZ, 2001:p. 3). Portanto, a FIOCRUZ se constitui, essencialmente, em uma instituição de pesquisa e desenvolvimento tecnológico, ensino, produção de fármacos e de imunobiológicos, serviços de referência e informação, direcionada para atender às demandas da sociedade no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), com sua trajetória histórica pautada pelo fortalecimento de atividades voltadas para o campo da saúde pública, articulando e conjugando, dentre outras, as atividades mencionadas, além de assistência materno-infantil. Cabe destacar também que, no Brasil, com as transformações decorrentes da crise mundial verificada nos anos 80 ganhou fôlego o Movimento da Reforma Sanitária, que aglutinou forças políticas progressistas em torno da luta pela universalização do acesso aos serviços de saúde e pelo reconhecimento desta como direito de todos e dever do Estado, promovendo um amplo debate nacional que culminou com a criação do Sistema Único de Saúde e que estabeleceu os princípios e as diretrizes norteadoras das ações e serviços de saúde a serem ofertados à população: A implementação do Sistema Único de Saúde se constituiu por ser um projeto de inovação setorial, configurando-se como um 13

14 sistema público descentralizado, integrado pelas três esferas de governo que atribuiu o caráter de relevância pública às ações e serviços de saúde, assegurando ao Estado o poder de regulação sobre os mesmos (OPAS/OMS, 2002). Assim, a essência da concepção do SUS é assegurar a todos os brasileiros o direito à saúde, atendendo aos princípios da universalidade, da eqüidade e da integralidade e às diretrizes operacionais de descentralização da gestão, com ênfase na estadualização e na municipalização, permitindo maior velocidade nas respostas às demandas da população. Nessa perspectiva, criar e implementar ações estratégicas que permitam a recriação de modelos de formação de recursos humanos para atender ao SUS, inclui a previsão de ações voltadas à gestão e à implementação de processos que impulsionem este novo modelo exigido pelos novos requerimentos do mundo do trabalho. O objetivo geral do estudo foi avaliar o Planejamento e a Gestão de Recursos Humanos na Fiocruz, a partir da ótica da incorporação dos trabalhadores e do ambiente complexo no qual está inserida uma instituição de C&T e das novas exigências do mundo do trabalho, focalizando de maneira especial uma de suas Unidades Técnico- Científicas. Destacam-se, no estudo, os seguintes objetivos específicos: Identificar as práticas de Planejamento e Gestão de Recursos Humanos na Fiocruz e em uma Unidade de produção do setor saúde; Analisar o Planejamento de Recursos Humanos em Far-Manguinhos e na Fiocruz, à luz dos novos conceitos e exigências do mundo do trabalho, baseadas em competências e o modelo de Gestão Estratégica de Recursos Humanos e suas características; 14

15 Verificar a existência de competências requeridas para as atividades desenvolvidas no principal segmento de produção de Far-Manguinhos (Instituto de Tecnologia em Fármacos); Propor e formular diretrizes, políticas, práticas e ações para uma Gestão Estratégica de Recursos Humanos 1 na Fiocruz, podendo serem aplicadas em outras Unidades, considerando suas especificidades e particularidades. Considerando as ações previstas Plano Quadrienal da Fiocruz, entendeu-se oportuna a realização do estudo diante dos desdobramentos de variadas ações de caráter institucional para cumprimento da missão da Fiocruz e do Instituto de Tecnologia em Fármacos - Farmanguinhos que, para tanto, necessitam de uma Gestão Estratégica de Recursos Humanos. Nesse sentido, foi realizado um estudo de caso, objetivando conhecer e analisar a gestão de recursos humanos, na perspectiva das políticas e procedimentos da incorporação da força de trabalho. Mais especificamente relacionado às atividades de gestão de recursos humanos na FIOCRUZ, o Plano Quadrienal considerava, entre outros, os aspectos de Estrutura de Gestão de Recursos Humanos, Sistema de Benefícios, Valorização e Desenvolvimento, Informação e Interação, Gestão do Trabalho, Adequação/Renovação de Quadros e Saúde Ocupacional. Desde 2001, a gestão de recursos humanos na Fiocruz vem sendo orientada com base em grandes diretrizes políticas, retratadas no Plano Quadrienal , cujas linhas de atuação foram sistematizadas e descritas em 2001 no documento Gestão de Recursos Humanos. A experiência de gestão, aliada a essas bases de orientação, foi traduzida em quatro grandes campos de atuação: planejamento, monitoramento e 1 A Gestão Estratégica de Recursos Humanos (GERH) em uma instituição deve possibilitar o alcance de sua missão e de seus objetivos, levando-se em conta a sua proposta estratégica, as competências necessárias para desenvolvê-la e o perfil de seus trabalhadores, bem como suas necessidades presentes e futuras de pessoas no tocante ao quantitativo, composição e perfil, podendo ser disponibilizado de forma a gerar conhecimentos codificados úteis a serem difundidos, compartilhados, e incorporados pela Instituição. 15

16 avaliação da gestão do trabalho; regulação do trabalho; descentralização da administração de recursos humanos e qualificação do trabalhador. Como desdobramento dessa política, o Plano Quadrienal previa ações coerentes com gradativa substituição de um modelo tradicional 2 de gestão de recursos humanos, de forma a criar condições para operar mudanças capazes de terem visibilidade no seu sistema como um todo. Na FIOCRUZ, com ênfase no planejamento estratégico, o modelo de gestão que vem sendo adotado está associado ao desenvolvimento institucional, ao adequado dimensionamento e à valorização dos seus recursos humanos e à modernização e descentralização administrativas e à permanente atualização da infra-estrutura de C&T em Saúde. Análises de documentos institucionais e do modelo de gestão de recursos humanos na FIOCRUZ, feitas em 2001 pelos órgãos diretamente responsáveis pela área (Vice-Presidência de Ensino e Recursos Humanos e Diretoria de Recursos Humanos), apontaram que este encontrava-se pautado por atividades típicas de administração de pessoal (cargos e salários, benefícios, pagamentos, contratos), com algumas incursões na área de desenvolvimento de recursos humanos e rotinas baseadas em normas e no atendimento a demandas formuladas pelo nível central do Governo. Alguns fatores contribuíram para a necessidade de substituição desse modelo. Um deles diz respeito à estrutura organizacional da Fiocruz, que permite a efetivação de uma gestão descentralizada nas Unidades que a compõem, mas que ao mesmo tempo possibilita manter a integralidade e coesão da instituição, por meio da adoção de princípios comuns, consubstanciados no pacto estabelecido para o cumprimento da missão institucional. 2 Pautado por atividades típicas de administração de pessoal (cargos e salários, benefícios, pagamentos, contratos). 16

17 A implantação do planejamento estratégico de recursos humanos, segundo o documento Diretrizes para o Planejamento e Monitoramento da Gestão do Trabalho na Fiocruz (FIOCRUZ, 2004) tem por objetivos: estruturar o Planejamento de recursos humanos nas Unidades por meio da articulação de objetivos e metas institucionais com os custos necessários à sua realização; integrar a Gestão de Recursos Humanos às diretrizes estratégicas da FIOCRUZ e especificamente de cada Unidade; oferecer instrumentos de gestão de recursos humanos que possibilitem o aperfeiçoamento e a articulação dos processos de captar, cultivar e valorar; tornar eficiente a gestão de Recursos Humanos na FIOCRUZ. Para a implantação do planejamento de recursos humanos e conseqüentemente da Gestão Estratégica de RH faz-se necessário levar em consideração a proposta estratégica das Unidades, as competências necessárias para desenvolvê-la e o perfil de seus colaboradores. Nesta perspectiva, a elaboração de instrumentos de gestão e planejamento apropriados são os elementos que darão suporte à relação contínua entre pessoas e instituição. É de extrema importância para o gerenciamento de qualquer organização conhecer suas características, sejam elas relacionadas à produção, ou a seu contingente de trabalhadores. Porém, em que pese os esforços que, ao longo dos últimos anos, a instituição tem empreendido para (re)organizar e reorientar as ações relacionadas ao planejamento de recursos humanos, constata-se, na FIOCRUZ, diferentes tentativas de realização do Planejamento de Recursos Humanos em suas Unidades que reduzem a potencialidade de adequada contratação e captação da força de trabalho, com reflexos negativos para a instituição e, especialmente, para a gestão de recursos humanos. Portanto, não é sem razão que, entre as prioridades fixadas pelo V Congresso Interno da Fiocruz, destaca-se a necessidade de implantar o Projeto Planejamento Local de Recursos Humanos, com os objetivos de integrar a gestão de RH das unidades às diretrizes estratégicas da Fiocruz. (FIOCRUZ, 2005). 17

18 Assim, o presente estudo é adequado às diretrizes e ao esforço institucional que vem sendo desenvolvido no sentido da modernização e da profissionalização da gestão na FIOCRUZ. As possibilidades de adoção da proposta levam em conta o propósito da Presidência e das demais Unidades da instituição, que vêm buscando internalizar uma cultura de planejamento estratégico de recursos humanos, que poderá ser uma das etapas para a Gestão Estratégica de Recursos Humanos na FIOCRUZ. O trabalho realizado teve como princípio o atendimento às diretrizes institucionais previstas no Plano Quadrienal , com o propósito de buscar uma modernização do atual modelo de gestão de RH, particularmente, propondo inovações gerenciais que sejam internalizadas e contribuam significativamente para o desempenho institucional. Assim, ele foi dividido em cinco capítulos. O Capítulo I, o contextualiza a Fiocruz e Farmanguinhos em um mundo marcado por mudanças aceleradas, destacando a Fiocruz no âmbito da Ciência e Tecnologia em Saúde e como instituição pública estratégica de suporte ao SUS e ao Ministério da Saúde. Apresenta, também, os objetivos e justificativa para elaboração do estudo. No Capítulo II, nos apoiamos em considerações teóricas que tratam da gestão de recursos humanos, incorporando à discussão o enfoque das competências no mundo do trabalho, o planejamento e a gestão estratégica de recursos humanos e contemporânea. No Capítulo III, apresentamos o contexto de análise e buscamos caracterizar o perfil institucional da Fiocruz e de Farmanguinhos, refletindo sobre suas estruturas organizacionais, posicionamento estratégico e modus operandi. No Capítulo IV, descrevemos como foi realizado o estudo, o método de investigação e a experiência empírica, apresentada e analisada com base nos resultados da pesquisa qualitativa, a partir das entrevistas quanto às práticas organizacionais, tentando relacionar os depoimentos aos aspectos teóricos desenvolvidos no estudo. 18

19 No Capítulo V, apresentamos as conclusões e recomendações advindas do estudo, procurando apontar diretrizes estratégicas gerenciais relacionadas à gestão de Recursos Humanos na Fiocruz e a conseqüente melhoria da gestão de RH 3. 3 A utilização neste estudo dos termos recursos humanos, força de trabalho e trabalho em expressões como Planejamento de Recursos Humanos, Gestão da Força de Trabalho e Gestão Estratégica do Trabalho se refere aos elos que unem Gestão, Pessoas e Trabalho, sem qualquer juízo de valor e sem seguir qualquer corrente de pensamento. É importante frisar também que, na área da Saúde tem se utilizado mais a nomenclatura Gestão do Trabalho. Na literatura da área, no entanto, a utilização dos referidos termos pode significar identificação do autor com uma corrente de pensamento. (...) as abordagens conceituais do termo recursos humanos sofrem uma evolução sendo (re)significadas a partir de sua definição clássica oriunda da ciência da administração, absorve o conceito de força de trabalho da economia política e configura-se na gestão do trabalho da sociologia do trabalho. (PIERANTONI, VARELLA, FRANÇA, 2006). 19

20 Capítulo II REFERENCIAIS TEÓRICOS A melhoria da gestão na FIOCRUZ, mediante a utilização de instrumentos mais adequados ao planejamento e à tomada de decisão, assume relevância, pois o resultado de sua performance gerencial (como um todo), principalmente na área de recursos humanos, deve se constituir componente estratégico para atender aos ditames da sociedade em relação à Ciência e Tecnologia e à Saúde, fazendo-se necessário considerar, ainda, os requerimentos impostos pelos novos paradigmas da era da inovação às organizações, em que se destacam a instabilidade permanente nos negócios e nas lideranças, a identificação de vantagens competitivas em termos de custo e qualidade e a busca da eficiência dinâmica de longo prazo (CASSIOLATO, 1999). Os requerimentos de recursos humanos estão, portanto, determinados pela existência de uma gestão pautada por padrões de eficiência, eficácia e efetividade, ditados pela dinâmica dos processos de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação, em um mundo cada vez mais dinâmico e competitivo. No contexto de incessantes transformações do mundo corporativo, o maior desafio da área de Recursos Humanos tem sido integrar as organizações e as pessoas numa única direção: a que produza os melhores resultados empresariais e que ao mesmo tempo satisfaça os anseios de crescimento e valorização, tanto profissional, quanto humana, de cada indivíduo. Esse objetivo conduz a uma nova formulação do 20

21 papel de recursos humanos, agora reconhecido como estratégico para as empresas. Como conseqüência, as políticas, práticas e programas de RH estão sofrendo nova conceituação, considerando mais profundamente os aspectos culturais, os valores, as atitudes, as competências requeridas e as necessidades das organizações e seus colaboradores (SIGOLLO e PRESTES ROSA, 2002, p.141) II.1 - AS ATUAIS EXIGÊNCIAS DO MUNDO DO TRABALHO A partir da década de 70, ocorreu a crise do padrão de acumulação capitalista estruturado no binômio taylorismo-fordismo e sua substituição por formas produtivas flexibilizadas e desregulamentadas. Como conseqüência, surge a necessidade de implantação de um novo modelo de gestão do trabalho. Para melhor enfrentar os novos desafios, as empresas passaram a investir em novas tecnologias, de base micro-eletrônica - que impulsionou o novo paradigma técnico econômico (PTE) - e adotaram novas concepções organizacionais, utilizando-se destas inovações para sua sobrevivência, com reflexos na gestão do trabalho. O aprofundamento do processo de internacionalização do capitalismo nas duas últimas décadas trouxe um novo padrão de relacionamento econômico entre os países e as reformas políticas de perfil neoliberal adotadas como solução para a crise econômica, como o enxugamento da máquina estatal, objetivando diminuir os gastos públicos, tiveram como conseqüência o desmonte das políticas sociais efetivadas pelo Estado de Bem-Estar Social. Nesse contexto, a globalização econômica representou a globalização do mundo do trabalho e da questão social e trouxe como algumas de suas conseqüências o uso intensivo das inovações tecnológicas no sistema produtivo, a redução dos postos de trabalho, o desemprego estrutural, o aumento da exclusão social com a conseqüente substituição do trabalho rotineiro e repetitivo por um trabalho que requer capacidades de 21

22 análise, decisão e reprogramação em tempo real, em um nível que apenas o cérebro humano pode dominar. Todas as outras atividades são potencialmente susceptíveis de automação e, portanto, o trabalho nelas envolvido é dispensável, embora os trabalhadores em si não o sejam. (CASTELLS, 2005, p ). O lado negativo deste processo revela-se no enxugamento das estruturas de operação e na terceirização de atividades, cujas conseqüências são o desemprego e o emprego precário. O lado positivo é a possibilidade de um trabalho com novos conteúdos, a partir de novas concepções gerenciais e da introdução de tecnologias que exigem maior base de educação geral, além de novos requisitos e atributos de qualificação profissional. Assim, a qualificação profissional ganha importância fundamental. Nesse contexto de crise da sociedade do trabalho ocorreu um fenômeno contraditório: a ampliação do desemprego e do trabalho precarizado e informal, e, simultaneamente, a emergência de um trabalho revalorizado, no qual o trabalhador polivalente, multiqualificado deve exercer, cada vez mais, funções abstratas e executar, cada vez menos, trabalho manual. Tem-se novas tendências em relação ao trabalho, pois este se torna mais intelectualizado, complexo, autônomo e coletivo. Assim, o trabalho não-qualificado, fragmentado, repetitivo, rotineiro e prescrito, característico do modelo taylorista/fordista, é substituído, nas empresas e instituições que adotaram novas formas de organização do trabalho, por um trabalho polivalente, integrado, em equipe, com mais flexibilidade e autonomia. (DELUIZ, 2000) Nesse novo contexto, exige-se uma maior capacidade de reflexão por parte do trabalhador. O trabalho individualizado foi substituído pelo trabalho em grupo. Assim, percebe-se a importância que as equipes de trabalho foram ganhando gradativamente. Portanto, podemos dizer que as capacidades de diagnóstico e de solução de problemas, e aptidões para tomar decisões, trabalhar em equipe, enfrentar situações em constantes mudanças e intervir no trabalho para melhoria da qualidade dos processos, produtos e serviços, passaram a ser exigidas dos trabalhadores no quadro atual de mudanças na natureza e no processo de trabalho. Para CASTELLS (2005), 22

23 A primeira e mais abrangente tendência de evolução organizacional identificada, é a transição da produção em massa para a produção flexível, ou do fordismo ao pós-fordismo. (...) Quando a demanda de quantidade e qualidade tornou-se imprevisível; quando os mercados ficaram mundialmente diversificados e, portanto, difíceis de ser controlados; e quando o ritmo da transformação tecnológica tornou obsoletos os equipamentos de produção com objetivo único, o sistema de produção em massa ficou muito rígido e dispendioso para as características da nova economia. O sistema flexível surgiu como uma possível resposta para superar essa rigidez. (...) As novas tecnologias permitem a transformação das linhas de montagem típicas da grande empresa em unidades de produção de fácil programação que podem atender às variações do mercado (flexibilidade do produto) e das transformações tecnológicas (flexibilidade do processo). (CASTELLS, 2005, p ). Esse processo de ajuste macroestrutural que vêm atingindo o setor industrial nas duas últimas décadas também se deu no setor saúde. O trabalho em saúde guarda, porém, algumas características e especificidades singulares: é um trabalho reflexivo, no qual as decisões a serem tomadas implicam na articulação de vários saberes que provêm de várias instâncias. Assim, o trabalho em saúde não pode seguir uma lógica rígida como a racionalidade dos critérios da produção material, sendo difícil a sua normatização técnica e a avaliação de sua produtividade. Portanto, no contexto atual de mudanças no processo de trabalho em saúde, com a constante introdução de inovações tecnológicas e de novas formas de organização do trabalho em busca da melhoria da qualidade e da produtividade dos serviços, tornam-se imperativos a compreensão global do processo de trabalho, a maior articulação entre os diversos setores para o desenvolvimento de modelos de atenção voltados para a qualidade de vida, a maior integração das ações dos diferentes agentes que atuam na área da saúde dado o seu caráter multiprofissional e interdisciplinar, a necessidade de 23

Gestão Estratégica de Recursos Humanos em uma Instituição Pública de C&T: o caso Fiocruz

Gestão Estratégica de Recursos Humanos em uma Instituição Pública de C&T: o caso Fiocruz FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRGIO AROUCA MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE C&T EM SAÚDE Gestão Estratégica de Recursos Humanos em uma Instituição Pública de C&T: o caso Fiocruz

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

A Educação a Distância como Estratégia de Implementação de Política Pública: a experiência da EAD-ENSP/Fiocruz

A Educação a Distância como Estratégia de Implementação de Política Pública: a experiência da EAD-ENSP/Fiocruz Fundação Oswaldo Cruz 2º Encontro de Educação a Distância para a Rd Rede de Escolas de Governo A Educação a Distância como Estratégia de Implementação de Política Pública: a experiência da EAD-ENSP/Fiocruz

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

entrevista semi-estruturada; estruturada;

entrevista semi-estruturada; estruturada; MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO DA APS: CONCEPÇÃO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DA SESA Equipe dos Núcleos da Normalização e Desenvolvimento de Recursos Humanos/SESA/ES Brasília Agosto/2008 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

FORMAÇÃO: ADMINISTRAÇÃO PADRÃO DE RESPOSTA ( 2 a FASE)

FORMAÇÃO: ADMINISTRAÇÃO PADRÃO DE RESPOSTA ( 2 a FASE) Questão n o 1 a) Na visão de Chiavenato, há pelo menos 10 ações que podem colaborar para a criação de um ambiente de criatividade na organização, duas das quais o candidato deve citar e descrever (evidentemente

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ 1 Contextualizando a Apresentação Gestão do Conhecimento, primeira abordagem: TI + Tecnologias Organizacionais

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010.

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. O Global e o Contextualtual no Aprendizado Gerencial de Multinacionais Uma Perspectiva Brasileira Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. OBJETIVO

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais Evolução da Disciplina Modelos de Gestão Aula 1: Principais Modelos das Teorias da Administração Aula 2: Origem, Evolução, Classificação e Tipologia das Organizações Aula 3: Termos comuns às Organizações;

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos componentes e fatores condicionantes Glaucia Falcone Fonseca Nos dias de hoje, em todas as organizações, seja ela voltada para serviços, ramo industrial

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração 5ª Série Administração de Recursos Humanos I A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Governança Clínica. As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995.

Governança Clínica. As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995. Governança Clínica As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995. O Modelo de Gestão Atual foi desenvolvido a 100 anos. Repensar o Modelo de Gestão nos serviços

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais