ANÁLISE DE PREVALÊNCIA DE MICRORGANISMOS MULTIRRESISTENTES NO HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL DE SÃO PAULO (HSPE) NO ANO DE 2012.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE PREVALÊNCIA DE MICRORGANISMOS MULTIRRESISTENTES NO HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL DE SÃO PAULO (HSPE) NO ANO DE 2012."

Transcrição

1 JOSAPHAT S. NASCIMENTO IVANA MARIA FRÓIO ANÁLISE DE PREVALÊNCIA DE MICRORGANISMOS MULTIRRESISTENTES NO HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL DE SÃO PAULO (HSPE) NO ANO DE FACULDADE FAMESP MBA GESTÃO EM SAÚDE E CONTROLE DE INFECÇÃO SÃO PAULO 2013

2 JOSAPHAT S. NASCIMENTO IVANA MARIA FRÓIO ANÁLISE DE PREVALÊNCIA DE MICRORGANISMOS MULTIRRESISTENTES NO HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL DE SÃO PAULO (HSPE) NO ANO DE Monografia de Conclusão de Curso apresentada à Faculdade Famesp, como parte dos requisitos para obtenção do título de MBA Gestão em Saúde e controle de Infecção. Orientadora: Profa. Dra. Thais Guimarães São Paulo 2013

3 Nascimento, Josaphat S. N193a Análise de prevalência de microrganismos multirresistentes no hospital do servidor público estadual de São Paulo (HSPE) no ano de [manuscrito] / Josaphat S. Nascimento; Ivana Maria Fróio. 26f.,enc. Orientadora: Profa. Dra. Thais Guimarães Monografia: Faculdade Método de São Paulo Bibliografia: f Microrganimos multirresistentes 2. Antimicrobianos 3. Exames microbiológicos 4. Infecção hospitalar I. Título. II. Fróio, Ivana Maria CDU: (043.2)

4 AGRADECIMENTOS Após superação das dificuldades enfrentadas, coisas que fazem parte da rotina de todos os seres humanos principalmente de profissionais que buscam aprimorar seus conhecimentos na busca de melhorias no cotidiano da existência humana, principalmente na qualidade de suas vidas, seja na saúde ou na ausência desta, promovendo trocas e formando grupos e/ ou equipes de atuação com intenções e afinidades comuns o bem estar. Acima de tudo e de todos a Deus por sua infinita bondade e intervenção em nossas vidas sobremaneira dando saúde, determinação e colocando as pessoas certas em nosso caminho para nos ajudar, daí a importância da prevenção o que nos motivou a realizar esta pesquisa. Gostaríamos de agradecer a todos que de diversas formas colaboraram para esta proposta já que de certa maneira às vezes nos incentivaram a persistir até a conclusão, muito em especial à Profa. Dra. Thais Guimarães que abriu mão de seu tempo e afazeres em diversas ocasiões compartilhando seu conhecimento com explicações e em orientações de como proceder neste estudo, à Sra. Maria dos Anjos Calazans que muito colaborou na formatação, tarefa que não é tão simples como se apresenta, que graças ao seu conhecimento nesta área facilitou a finalização. Gostaríamos de expressar a nossa gratidão também aos nossos familiares pela paciência neste período durante todo o curso e pelo apoio devido as nossas ausências quando contavam com nossas presenças em momentos que talvez nunca se repitam de forma igual. Que todos estes tenham a certeza que os amamos muito, que mesmo diante da ausência física sempre morarão em nossos corações mesmo nos momentos mais difíceis e atarefados como estes que vivenciamos neste período. O nosso muito obrigado. "Boa parte do conhecimento humano inicia de maneira empírica, cabendo aos profissionais torná-lo verdade científica, por meio de persistências em pesquisas e ensaios, comprovando os fatos, dando a este conhecimento fortalecimento a fim de transformálo em referência para as comunidades de pesquisadores..." Josaphat Nascimento O segredo do sucesso é a constância do propósito Benjamin Disraeli

5 RESUMO As infecções relacionadas à assistência a saúde (IRAS) atingem aproximadamente 10% dos pacientes hospitalizados, podendo gerar morbidades e mortalidade. Além disso, a aquisição de IRAS gera aumento do tempo de internação. Quando há um aumento dos custos diretos e indiretos, muitas destas IRAS são causadas por microorganismos multi R. O objetivo deste trabalho foi analisar a prevalência de microorganismos multirresistentes (MR) em pacientes internados no Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE) no ano de 2012, analisando-se os dados recebidos do setor de microbiologia e registrados pelo Gerência Executiva Comissão de Infecção Hospitalar (GE- CIH). Analisamos 1422 cepas, onde foi constatado que a Klebsiella sp é a bactéria de maior prevalência, sendo responsável por 455 casos (32%), sendo 214 casos de infecções e 241 casos de colonizações, seguida pelo Acinetobacter sp que foi isolado em 370 casos (26%), sendo 167 casos de infecções e 203 caso de colonizações. Este estudo demonstrou a prevalência de bactérias MR no HSPE no ano de 2012, onde pudemos notar uma tendência de aumento do número de casos de Acinetobacter, Klebsiella e Enterococos e uma estabilidade nos casos de Pseudomonas e despertar para ações educativas, intervenção de prevenção e controle de situações problemas. Palavras-chave: Microrganismos Multirresistentes, antimicrobianos, exames microbiológicos, infecção hospitalar.

6 ABSTRACT Hospital infection affects approximately 10% of hospitalized patients, and can cause major and costly epidemic infection, becoming an economic problem and risks the health of those who are hospitalized. In this work we have analyzed the prevalence of multiresistant microorganisms (MR) in patients treated at the HSPE in 2012, analyzing data received from industry microbiology and recorded in CCIH. Analysis in 1393 specimens, where it was found that the bacterium Klebsiella is most prevalent 455 cases (32%), 214 and 241 infection colonization, followed by Acinetobacter MR 370 cases ( 26%), and infections and colonization. This study contributed to the knowledge of the bacteria isolated in MR HSPE, enabling reflect on the issue of MR, is virulence, and through culture distinguish whether colonization or infection is considered, according to the criteria of CCIH, awakening to educational and intervention prevention and control of problem situations. Key words: multidrug-resistant Microorganisms, antimicrobial, microbiological tests, hospital infection.

7 Sumário 2 - INTRODUÇÃO Microrganismos Multirresistentes no âmbito dos Serviços de Saúde Infecção Hospitalar DEFINIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Cocos Gram-Positivos Cocos Gram-Positivos Enterococcus spp Pacientes de risco para infecção ou colonização por Enterococcus multirresistente Reservatório de Enterococcus Staphylococcus aureus Pacientes de risco para infecção ou colonização por MARSA Reservatório do MARSA BACILOS GRAM-NEGATIVOS Bacilos Gram-negativos fermentadores de glicose (Família Enterobacteriacea) Os principais agentes Pacientes de risco para infecção ou colonização por Bacilos Gram-negativos Reservatórios de bacilos Gram-negativos Meios de transmissão dos bacilos Gram-negativos Contato direto Contato indireto FATORES DE COLONIZAÇÃO Fimbrias Adesinas não Fibrilares Cápsulas Biofilmes TRANSMISSÃO CRUZADA OBJETIVO MATERIAL E METÓDO RESULTADOS Gráficos e Tabelas DISCUSSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...27

8 8 INTRODUÇÃO Embora o controle do fenômeno da resistência microbiana tenha aspectos que envolvem ações intersetoriais que não se restringem ao âmbito do sistema de saúde, as medidas de prevenção aqui elencadas são dirigidas à prevenção e contenção de microrganismos multirresistentes no âmbito dos Serviços de Saúde. Microrganismos multirresistentes são microrganismos resistentes a diferentes classes de antimicrobianos testados em exames microbiológicos. Alguns pesquisadores também definem microrganismos pan-resistentes, como aqueles com resistência comprovada in vitro a todos os antimicrobianos testados em exame microbiológico. (Agência Nacional de Vigilância Sanitária. NOTA TÉCNICA No 1/2010) Bactérias Gram-negativas da família Enterobacteriaceae representam importante causa de infecções do trato urinário, sepses, abscessos abdominais e pneumonias nosocomiais (PATERSON, 2006). Dentro da família, Klebsiella pneumoniae destaca-se como patógeno oportunista responsável por surtos nosocomiais, sendo geralmente associado à elevada morbi-letalidade (VERNET et al, 1995). Além disso, a espécie tem se tornado um dos maiores problemas de saúde pública nas últimas décadas, dada a emergência de resistência antimicrobiana devido, principalmente a pressão seletiva proporcionada pelo aumento expressivo na utilização de agentes antimicrobianos em unidades de terapia intensiva (UTI), além de outros setores hospitalares especializados (FONTANA et al, 2002). Aproximadamente 10% dos pacientes hospitalizados infectam-se freqüentemente em conseqüência de procedimentos invasivos ou terapia imunossupressora. Considera-se infecção hospitalar (IH): quando se desconhecer o período de incubação do microrganismo e não houver evidência clinica e dado laboratorial de infecção no momento da internação, convenciona-se infecção hospitalar toda manifestação clinica de infecção que se apresentar a partir de 72h após a admissão. São também convencionadas IH: aquelas manifestadas antes de 72 h da internação, quando associadas aos procedimentos diagnósticos e terapêuticos, realizados durante este período ou quando na mesma topografia em que foi diagnosticada infecção comunitária, for isolado um germe diferente, seguido do agravamento das condições clinicas do paciente, o caso deverá ser considerado como infecção hospitalar.

9 9 As infecções no recém-nascido também são consideradas hospitalares, com exceção das transmitidas de forma transplacentária e aquelas associadas à bolsa rota superiores há 24 horas. Os pacientes provenientes de outro hospital que se internam com infecção, são considerados portadores de infecção hospitalar do hospital de origem. DEFINIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Cocos Gram-Positivos Enterococcus spp O Gênero Enterococcus é representado por nove espécies, sendo as duas espécies principais e que causam a maioria das infecções: E.faecalis (mais frequente no Brasil 90%) e E.faecium com 5% a 10%. São de natureza saprófita e habitam o solo, os alimentos o trato gastrointestinal e o trato geniturinário., crescem em soluções salinas e em detergentes, e coloração do gram, são gram positivos aeróbicos e facultativos anaeróbicos. SEGUNDO Neumam, 1998 e Noskin, 1995, os Enterococcus podem sobreviver até sete dias em superfícies. São naturalmente resistentes a vários antimicrobianos e, em diversas situações clínicas, os pacientes com infecção necessitam de dois antimicrobianos para o tratamento. Os antimicrobianos que agem na parede celular como penicilina, ampicilina e glicoptídeos são bacteriostáticos e alteram a permeabilidade da parede celular, permitindo a ação de medicamentos que atuam na síntese de proteínas como aminoglicosídeos. (Gerencia de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos (Gipea) Controle de Bactérias Multirresistente). Pacientes de risco para infecção ou colonização por Enterococcus multirresistente: Uso prévio de antimicrobianos de amplo espectro; Longa permanência hospitalar; Internação em UTI ou Unidade de Queimados; Ter infecção de sítio cirúrgico; Leito próximo ao de um paciente colonizado ou infectado por MARSA; Insuficiência Renal; Cateterismo vesical e cateterismo vascular

10 10 Reservatório de Enterococcus: Pacientes colonizados e infectados, internados em UTI, berçário unidade de queimados; Profissionais de saúde colonizados e infectados; Grupos especiais: hemodialisados, pacientes com eczemas externos, usuário de drogas, DM; Artigos hospitalares contaminados (estetoscópios, termômetros, torniquetes etc.). A preocupação atual em relação aos Enterococos é a resistência à vancomicina, medicamento tradicionalmente empregado para o tratamento de infecções por cepas resistentes a penicilina / ampicilina. Staphylococcus aureus Agente que causa principalmente infecções de corrente sanguínea relacionada a cateteres e infecções de pele e partes moles mas é também um dos agentes mais freqüentes de pneumonias associadas à ventilação mecânica. O Staphylococcus aureus resistente a oxicilina (MRSA), embora não seja mais patogênico que os isolados sensíveis a oxicilina, pode causar grandes e dispendiosas infecções epidêmicas, de difícil tratamento e controle. MRSA é o termo utilizado como referência a S.aureus com resistência intrínseca a meticilina, oxacilina, cefalosporinas, imipenem e aos aminoglicosídeos. (Gerencia de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos (Gipea) Controle de Bactérias Multirresistente). Pacientes de risco para infecção ou colonização por MARSA: Longa permanência hospitalar; Uso prévio de antimicrobianos de amplo espectro; Internação em UTI ou Unidade de Queimados; Ter infecção de sítio cirúrgico; Leito próximo ao de um paciente colonizado ou infectado por MARSA;

11 11 Reservatório do MARSA: Pacientes colonizados e infectados, internados em UTIs, berçários, unidade de queimados; Profissionais de saúde colonizados e infectados; Grupos especiais: hemodialisados, pacientes com eczemas extensos, usuário de drogas, DM; Artigos hospitalares contaminados (estetoscópio, termômetro, torniquetes etc.) Bacilos Gram-Negativos Constituem o principal problema em UTIs brasileira, em função das altas taxas de resistência de antimicrobianos de última geração disponíveis. Podemos classificar os bacilos Gram-negativos multirresistentes em dois grandes grupos. São agentes de quase todas as infecções adquiridas na UTI em particular, infecções do trato respiratório. São representados, principalmente por cepas de Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter spp. Sua sobrevivência em água e outros ambientes com requisição de nutrientes favorecem sua presença no trato respiratório por colonizarem coleções de água relacionada ao aparato de ventilação mecânica. As Stenotrophomonas maltophylia e Burkholderia cepacea são também bactérias não fermentadoras de glicose, embora sua importância como agentes etiológicos de infecções em UTI seja menor mais importantes em infecções nas unidades de hemodiálise e de imunodeprimidos. S. maltophylia são naturalmente resistentes aos carbapenens, mas podem ser sensíveis aa quinolonas, sulfas, aminoglicosídeos e ticarcilina/ clavunato. Muitas UTIs brasileiras convivem com cepas de Pseudomonas e Acinetobacter resistentes a todos os antimicrobianos disponíveis representando um alto custo no tratamento dos pacientes infectados. Os principais mecanismos de resistência estão relacionados à produção de enzimas em particular as beta-lactamases, que conferem resistência à cefalosporinas e penicilinas de amplo espectro. Um subgrupo particularmente de beta-lactamases, produzidas principalmente por Pseudomonas e Acinetobacter conferem resistência aos carbapenens (imipenem e meropenem), os quais constituem as principais armas para o tratamento de Gram-negativos multirresistentes. Conceitualmente, são definidas como multirresistentes as cepas de A. baumannii que são resistentes aos carbapenens, amicacina e sulbactam; e como panresistentes que são inclusive as polimixinas. No entanto, já podem ser encontrados

12 12 relatos sobre resistência a esta última. Outros mecanismos de resistência estão associados à perda de porinas da parede bacteriana, mecanismo de efluxo a partir do ambiente intracelular e modificação do sítio de ligação dos antibióticos. Felizmente, as taxas de resistência a polimixinas são muito baixas (<5%) único antimicrobiano disponível para esta situação. Os problemas relacionados ao uso de polimixinas estão na toxicidade (nefrotoxicidade, principalmente), no pouco conhecimento sobre aspectos farmacocinéticos e farmacodinâmicos e na pouca disponibilidade do medicamento no mercado brasileiros. Diferentemente do que ocorre com os estafilococos nos quais a transmissão entre pacientes por profissionais de saúde é um componente de destaque para P.aeruginosa e Acinetobacter spp o uso excessivo antimicrobianos é um fator muito importante. Bacilos Gram-negativos fermentadores de glicose (Família Enterobacteriacea) Estão envolvidos em quase todas as infecções adquiridas na UTIs, particularmente infecções respiratórias e infecções urinárias. São relatadas em muitos hospitais taxas de resistências elevada quinolonas, beta-lactâmicos e aminoglicosídeos, em geral por produção de beta-lactamases. Os principais agentes deste grupo são: Enterobacter spp, E.coli, Klebsiella spp, Serratia spp, Citrobacter spp, Proteus spp e outros. Têm particular importância os agentes que produzem beta-lactamases de espectro ampliado EBSL, principalmente Klebsiella spp e E.coli 40% a 50% e 10% respectivamente em cepas isoladas nos hospitais brasileiros. Quando da produção destas enzimas, muitas vezes apenas os carbapenens permanecem como alternativa terapêutica eficaz. Pacientes de risco para infecção ou colonização por bacilos Gram-negativos: Longa permanência hospitalar; Uso prévio de antimicrobianos; Internação em UTI; Severidade das doenças de base e deficiência imunológica; Queimaduras graves ou cirurgia extensa; Uso de procedimentos invasivos.

13 13 Reservatório dos bacilos Gram-negativos: Pacientes e profissionais de saúde colonizados ou infectados, Artigos hospitalares contaminados (estetoscópio, termômetro, torniquetes, nebulizadores, umidificadores, circuito de respiradores e outros), As bactérias têm predileção pelos locais úmidos, pias, panos de chão, medicamentos abertos, vegetais e são altamente resistentes a variações de temperatura. Meios de transmissão dos bacilos Gram-negativos: Contato direto, através das mãos dos profissionais de saúde. Contato indireto, através de artigos contaminados. NOTA: Conceitualmente, são definidas como multirresistentes as cepas de A. baumannii que são susceptíveis aos carbapenens. Amicacina, sulbactam e minociclina; e como panresistentes que são resistentes inclusive aos Carbapenêmicos e usualmente, sensíveis às polimixinas, como a colistina. No entanto, já podem ser encontrados relatos sobre resistência a esta última. IMPORTÂNCIA Não há dúvida de que as bactérias que causam as infecções hospitalares, ou que colonizam os pacientes e os profissionais que lá trabalham, são mais resistentes aos antibióticos do que as oriundas da comunidade, pois a resistência a antibiótico é característica mais ligada ao hospital do que à comunidade, muito embora não seja exclusiva do primeiro. A resistência bacteriana ocorre devido à dependência da pressão seletiva imposta a estas populações bacterianas. Embora possa ser considerada como uma conseqüência natural do uso de antibióticos na realidade, a resistência tem sido bem mais exteriorizada em função do uso intenso e extenso dos antibióticos, muitas vezes inadequado e abusivo. Atualmente não são tão excepcionais os pacientes acometidos por infecções para as quais existam poucas, ou, por vezes, nenhuma alternativa terapêutica (RODRIGUES et al, 1997). Em algumas circunstâncias, a expressão da resistência aos antibióticos esta acompanhada de alteração da virulência do patógeno, podendo, por vezes, a expressão de certos fenótipos de resistências estarem associadas a uma virulência aumentada, com sugestão epidemiológica de morbidade e mortalidade aumentada, comparativamente à observada para as cepas sensíveis, mesmo após correção para o possível confouding effect das doenças subjacentes (CHOW etal. 1991).

14 14 FATORES DE COLONIZAÇÃO Os fatores de aderência (também denominados, fatores de colonização, adesinas ou antígenos de aderência) são componentes estruturais das células bacterianas que as capacitam a colonizar, sobreviver e multiplicar-se em um dado tecido. Praticamente todos os patógenos possuem estratégias de adesão aos tecidos de seus hospedeiros. A adesão é particularmente importante em órgãos como a boca, o intestino delgado e a bexiga. Nestes sítios, a superfície das mucosas é constantemente banhada por fluídos. Por exemplo, quando o intestino delgado de uma pessoa torna-se infectado com linhagens diarregênicas de Escherichia coli, a adesão às células da mucosa desse órgão evita que a bactéria seja removida pelos movimentos peristálticos, sendo um evento essencial para a colonização e um dos primeiros passos para o estabelecimento de um quadro clínico. Os fatores de colonização são produzidos por números as bactérias e constituem um passo vital para o processo infeccioso, aumentando as chances de sobrevivência no hospedeiro, sendo reconhecidos fatores de virulência. Dois sistemas de aderência são bem conhecidos em bactérias os mediados por fimbrias e os mediados por cápsulas. FIMBRIAS Fimbrias são filamentos protéicos delgados que se projetam da superfície da bactéria e a adesão ocorre quando sítios de ligação em suas extremidades reagem com receptores específicos situados na superfície das células do hospedeiro. Esses receptores são comumente resíduos de carboidratos de glicoproteínas ou de glicolipideos. Normalmente, tais moléculas estão envolvidas com a fixação da célula em seu tecido específico. As bactérias fimbriadas subvertem a função normal desses receptores para proveito próprio. A ligação de uma fimbria a um receptor é tecido-específico e espécie-específica. Essa especificidade irá determinar se uma bactéria poderá ou não colonizar um dado tecido de um determinado hospedeiro. A ausência de um receptor específico para uma fimbria particular pode tornar um hospedeiro imune à infecção por um determinado patógeno. Para causar uma infecção, muitas bactérias precisam primeiramente aderir à superfície de um tecido do hospedeiro, como as superfícies das mucosas das vias aéreas superiores ou do intestino delgado. No trato respiratório superior, as células

15 15 ciliadas movimentam muco e bactérias aprisionadas em direção à laringe. A mucosa do intestino delgado, por sua vez, é continuamente limpa pela liberação de muco e pela atividade peristáltica. Além disso, as células dos epitélios renovam rapidamente as suas. Por exemplo, a monocamada epitelial do trato intestinal é continuamente preenchida e novas células são movidas das criptas para as extremidades das vilosidades em cerca de 50 horas. Para que uma bactéria estabeleça uma infecção no intestino, esta deve aderir-se firmemente ao epitélio e multiplicar-se antes de ser removida pelo muco e pela extrusão das células epiteliais. Bactérias colonizando um tecido estão constantemente perdendo suas fimbrias por quebra mecânica devido à fragilidade de suas estruturas. Por outro lado, estas estão continuamente sintetizando e montando novas unidades. O hospedeiro é capaz de produzir anticorpos que se aderem às pontas das fimbrias bloqueando fisicamente a interação com seus receptores celulares e conseqüentemente, impedindo sua aderência ao tecido. Algumas bactérias são capazes de produzir diferentes tipos de fimbrias, tornando obsoleta a resposta imune. Algumas bactérias que causam do trato urinário e gonorréia usam essa estratégia tornando praticamente impossível a montagem de uma resposta imunológica que evite a colonização. Muitas bactérias patogênicas parecem usar fimbrias para um contato inicial, seguido de uma anexação mais firme envolvendo proteínas de superfície que promovem um contato íntimo de sua superfície com a célula do hospedeiro. As fimbrias mais bem estudadas são aquelas de bactérias Gram-negativas, especialmente as de linhagens de E.coli associadas à diarréia em humanos e animais que aderem às células da mucosa do intestino delgado de seus hospedeiros através de diferentes fimbrias espécie-específica. Algumas bactérias Gram-positivas possuem estruturas de superfície semelhantes a fimbrias, mas sua função na colonização não está clara. ADESINAS NÃO FIBRILARES Algumas bactérias possuem proteínas de superfície que são componentes importantes de sistema que mediam a adesão e/ou a invasão de células de um determinado tecido. Diferentes linhagens a mesma espécie bacteriana podem ter sua aderência mediada por adesinas não-fibrilares ou por fimbrias. Por exemplo, linhagens enteropatogênicas de E.coli (EPEC) aderem às células da mucosa do

16 16 intestino delgado através de proteína de superfície enquanto que linhagens enterotoxigênicas de E.coli (ETEC) aderem a estas mesmas células por meio de fimbrias. CÁPSULAS Cápsulas são redes de polímeros não bem estruturadas e que recobrem frouxamente a superfície bacteriana. As cápsulas são formadas principalmente por camadas de polissacarídeos produzidas em grande quantidade e que muitas vezes confinam uma população de bactérias em uma massa densa e viscosa. Por exemplo, a placa bacteriana dos dentes, nas gengivas e na língua. Bactérias encapsuladas são mais virulentas e mais resistentes à fagocitose que as não-encapsuladas. Microorganismos que causam bacteremia, como Pseudomonas aeruginosa, apresentam maior resistência sérica que outras bactérias. A resistência sérica pode estar relacionada à quantidade e a composição dos antígenos capsulares. A bactéria Salmonella typi possui um antígeno de superfície, o antígeno Vi, composto de um polímero de galactosamina, que se acredita aumentar sua virulência. Algumas bactérias têm capacidade de sobreviver e multiplicar-se em fagócitos. Um exemplo é a bactéria Mycobacterium tuberculosis, cuja sobrevivência parece depender de estrutura e composição de sua superfície celular. BIOFILMES Biofilmes são comunidades complexas de microrganismos compostas por densos agregados de células microbianas embebidas em uma matriz viscosa produzida por elas mesmas a anexada a superfícies. Biofilmes bacterianos formam-se em muitos tipos de ambientes e têm sido observados em micrografias eletrônicas dos tratos vaginal, bucal e intestinal. A microbiota residente nestes sítios pode estar organizada em biofilmes e os densos tegumentos que formam podem explicar em parte sua barreira funcional na proteção ao seu hospedeiro. Os biofilmes têm importância clínica por constituírem um mecanismo de colonização da superfície dos dentes, de cateteres e de implantes plásticos como válvulas cardíacas artificiais, podendo causar doenças graves.

17 17 Infecções hospitalares em pacientes com cateteres urinários ou venosos são geralmente precedidas pela formação pela formação de biofilmes nas paredes internas dos cateteres, fragmentos liberados do biofilme podem penetrar na bexiga ou na corrente sanguínea. Cateteres estão especialmente sujeitos ao desenvolvimento de biofilme. Instrumentos esterilizados contaminam-se com membros da microbiota orgânica durante sua inserção. Se o cateter permanecer no local por um período de tempo, os biofilmes desenvolvem-se e servem de fonte de infecções duradoras por liberam células bacterianas continuamente. Microrganismos presentes em biofilmes são mais refratários a antibióticos que organismos livres e são parcialmente protegidos de ação destruidora dos fagócitos. Implantes plásticos contaminados com bactérias são removidos cirurgicamente ao invés de se tratar o paciente com antibióticos. A capacidade de formar biofilmes sobre superfícies plásticas deve ser considerada como um fator de virulência bacteriana. (http://microbiologiabrasil.blogspot.com.br/2009/01/fatores-de-colonizao.html) 24/4/2013. TRANSMISSÃO CRUZADA Essas infecções por bactérias multirresistentes são comumente causadas por Estafilococus resistentes à metilicina, Enterobactérias e Pseudomonas. A identidade do microrganismo causador pode fornecer alguma indicação em relação à sua fonte, todavia, certos patógenos têm significado especial porque pode causar grandes surtos em todo o hospital. As infecções que se desenvolvem nos pacientes hospitalizados podem ser causadas por bactérias trazidas da comunidade para dentro do hospital ou pelos próprios pacientes; por bactérias que já estavam presentes no hospital, sejam nos pacientes (causando infecção ou como colonizantes), ou na equipe assistencial (como colonizantes) ou no ambiente inanimado. Então, além das resistências naturais, próprias de tais bactérias, uma importante condição de sobrevivência destas, passa a ser a capacidade de aquisição adicional de novos determinantes de resistência, evidentemente correlacionável com a freqüente exposição aos antibióticos (RODRIGUES et al.,1997).

18 18 As infecções que se desenvolvem nos pacientes hospitalizados podem ser causadas por bactérias trazidas da comunidade para dentro do hospital ou pelos próprios pacientes, por bactérias que já estavam presentes no hospital, sejam nos pacientes (causando infecção ou como colonizantes), ou na equipe assistencial (como colonizantes) ou no ambiente inanimado. Então além das resistências naturais próprias de tais bactérias, uma importante condição de sobrevivência destas, passa a ser a capacidade de aquisição de novos determinantes de resistência evidentemente correlacionado com a freqüente exposição aos antibióticos (RODRIGUES et al., 1997). A Comissão/Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH/SCIH) do estabelecimento de saúde tem suas atribuições definidas pela Portaria nº 2.616, de 12 de maio de 1998, que inclui a implantação de um Sistema de Vigilância Epidemiológica das Infecções Hospitalares. Dentre as atribuições, a comunicação dos indicadores aos demais entes, que compõem a organização nacional de prevenção e controle das IRAS, por meio do formulário eletrônico conforme orientações descritas no Manual dos Indicadores Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde. (Elaboração: Comissão de Assessoria Técnica em Resistência Microbiana em Serviços de Saúde (CATREM) Grupo de Trabalho para Propor ações relativas ao seguimento de surtos de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) Coordenação Geral de Laboratórios de Saúde Pública (CGLAB) da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), Organização Mundial de Saúde (OMS) Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos (UIPEA) Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde (GGTES) Núcleo de Gestão do Sistema Nacional de Notificação e Investigação em Vigilância Sanitária (NUVIG) Unidade de Tecnovigilância (UTVIG) Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública (GGLAS) Gerência Geral de Saneantes (GGSAN) Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde Diretoria Dirceu Brás Aparecido Barbano (DIDBB)). Objetivo: Analisar a prevalência de microrganismos multirresistente (MR) no HSPE no ano de Material e métodos: O estudo foi realizado no Hospital do Servidor Publico Estadual no período de Janeiro a Dezembro de 2012.

19 19 Esta análise foi realizada através do banco de dados da CCIH que recebe do laboratório de microbiologia a notificação de todo isolado de microorganismo MR. A CCIH do HSPE considera como microorganismo MR todo patógeno Gram positivo resistente a glicopeptídeo e todo patógeno Gram negativo resistente a carbapenêmico. Nesta prevalência foram analisadas as espécies de Enterococos resistentes a vancomicina; Pseudomonas aeruginosa resistente a carbapenêmico, Acinetobacter sp e Klebsiella pneumoniae resistente a imipenem e/ou meropenem pelo método automatizado Vitek 2. A análise foi realizada mês a mês para observar evolução temporal e linha de tendência globalmente e por patógenos. Também analisamos as unidades de internação e se a cultura foi considerada colonização ou infecção segundo os critérios da CCIH. RESULTADOS: Durante o ano de 2012 obtivemos 1422 casos isolados de microrganismos resistentes, sendo a Klebsiella MR o microrganismo mais prevalente conforme demonstrado no Gráfico 1. GRÁFICO1 Panorama Geral dos MR em 2012 no HSPE

20 20 29; 2% 352; 25% 216; 15% 455; 32% Klebsiella Acinetobacter Enterococos Pseudomonas Outros 370; 26% GRÁFICO2: Porcentagem de colonização e infecção de Klebsiella MR 2012 Total das colonizações e Infecções por Klebsiella MR 2012 N= ; 47% 241; 53% colonização infecções A Tabela 1 demonstra a distribuição dos patógenos mês a mês durante o ano de 2012.

21 21 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Total Acinetobacter MR Klebsiella MR Pseudomonas MR Enterococos R Outros tipos 29 Os gráficos três a cinco demonstram a prevalência mês a mês e a linha de tendência dos patógenos por espécie. GRÁFICO3: Distribuição de Acinetobacter MR mês a mês no ano de Acinetobacter MR isolados no HSPE N=370 Acinetobacter MR Linear (Acinetobacter MR) GRÁFICO 4: Distribuição de Klebsiella MR mês a mês no ano de Klebsiella MR isolados no hspe N = 455 Klebsiella MR Linear (Klebsiella MR)

22 22 GRÁFICO 5: Distribuição de Pseudomonas MR mês a mês no ano Pseudomonas MR isolados no HSPE N = 216 Pseudomonas MR Linear (Pseudomonas MR) GRÁFICO 6: Distribuição de Enterococos MR mês a mês no ano de Enterococos R isolados no HSPE N = 352 Enterococos R Linear (Enterococos R) Os gráficos sete a nove demonstram a porcentagem de colonização e infecção dos patógenos MR isolados no HSPE no ano de GRAFICO 7: Porcentagem de colonização e infecção de Acinetobacter MR 2012

23 23 Total das colonizações e Infecções por Acinetobacter MR 2012 N= 370 Colonização 167; 45% 203; 55% Infecção GRAFICO 8: Porcentagem de colonização e infecção por Pseudomonas MR Total das Colonizações e Infecções por Pseudonomas MR N=216 83; 38% colonização 133; 62% infecções GRAFICO 9: Porcentagem de colonização e infecção por Enterococos MR 2012.

24 24 Total das Colonizações e Infecções por Enterococos MR N= ; 42% colonização 203; 58% infecção DISCUSSÃO: A Klebsiella MR foi à bactéria que demonstrou maior prevalência, 455 (32%) casos sendo 214 infecções e 241 colonizações, seguidas pelo Acinetobacter MR 370 casos (26%) sendo 167 infecções e 203 colonizações. O conhecimento das bactérias MR permitiu refletir sobre a problemática dos MR, orientar as ações educativas e favorecer as intervenções de prevenção e controle de problema. A emergência das bactérias multirresistente (MR) é um problema mundial. Dados de CDC estimam que pelo menos doenças, sendo estas responsáveis por mortes ano. (CDC.GOV) Desde a descoberta da penicilina em 1943 convivemos com aparecimento de bactérias resistentes com uma rápida disseminação e evolução. A partir da década de 1990, pudemos observar o surgimento das Enterobactérias resistentes, dos bacilos Gram negativos não fermentadores resistentes a Carbapenêmicos e dos Enterococos resistentes a Vancomicina. Em 2009 um marco na evolução da resistência foi o aparecimento da Klebsiella Pneumoniae Carbapenemase (KPC). (CDC.GOV) As conseqüências da resistência são maior chance de falha no tratamento, perda de tempo no tratamento em algumas situações preciosas, usa de antimicrobianos mais tóxicos, mais caros ou só disponíveis por via parenteral. Não há evidências definitivas hoje apontando maior virulência das bactérias resistentes, mas as

25 25 infecções causadas por elas possuem alta mortalidade por acometerem pacientes mais graves e imunocomprometidos. Há, entretanto, um aumento de custos direto e indiretos decorrentes destas infecções. No Brasil, dados do estudo SENTRY, avaliando o perfil de resistência de bactérias Gram-negativas na América Latina demonstram um aumento da porcentagem de resistência no Acinetobacter e na Klebsiella, enquanto a Pseudomonas aeruginosa permanece estável. (SENTRY) Estes mesmos dados puderam ser observados no HSPE no ano de 2012, onde notamos um aumento do número de casos de Acinetobacter, Enterococos e Klebsiella e uma estabilidade da Pseudomonas. Não há mecanismo biológico capaz de explicar este fenômeno, mas fato é que a disseminação horizontal das KPC ocorre frequente em pacientes hospitalizados, sobretudo em unidades de terapia intensiva. Conhecer a epidemiologia local é essencial para estabelecer medidas de prevenção e controle. Entre estas medidas, podemos citar: a) Colocar os pacientes colonizados e infectados em isolamento de contato e estabelecer coorte de pacientes para impedir a transmissão cruzada de paciente para paciente através do contato direto ou indireto; b) Higienizar as mãos antes e após o contato com paciente ou com superfícies próximas a ele; c) Estabelecer coorte de funcionários para impedir a disseminação; d) Tratamento precoce dos casos infectados para diminuir a colonização e melhorar a sobrevida dos pacientes; e) Uso adequado de antimicrobianos no hospital e na comunidade para tentar minimizar a emergência da resistência; Obviamente é o conjunto de todas estas medidas que pode proporcionar melhores resultados. Cabem as Comissões de Controle de Infecção Hospitalar estabelecer rotinas de prevenção e controle de bactérias Multi-resistente e propiciar dados epidemiológicos que possam contribuir para estas medidas.

26 26 O presente estudo pode demonstrar a epidemiologia das bactérias multi-resistente no HSPE em 2012 para intensificar as ações da CCIH. Concluímos então que houve uma tendência de aumento do número de casos de bactérias Multi-R (Acinetobacter, Enterococos e Klebsiella) e uma estabilidade do número de casos de Pseudomonas. As unidades de maior prevalência são as unidades de terapia intensiva, onde há busca sistemática dos casos de colonização através das culturas de vigilância. A KPC, assim como em outros locais, teve grande disseminação a partir de 2011, sendo endêmica em Referências Bibliográficas: Agência Nacional de Vigilância Sanitária. NOTA TÉCNICA No 1/2010 Chow et al Elaboração: Comissão de Assessoria Técnica em Resistência Microbiana em Serviços de Saúde (CATREM) Grupo de Trabalho para Propor ações relativas ao seguimento de surtos de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) Coordenação Geral de Laboratórios de Saúde Pública (CGLAB) da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde Organização Pan- Americana de Saúde (OPAS), Organização Mundial de Saúde (OMS) Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos (UIPEA) Gerência Geral de Tecnologia em Fontana et al, Prevalência e Perfil de Susceptibilidade antimicrobiana em cepas... Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos (Gipea) Controle de Bactérias Multirresistente - 24/4/2013. Paterson... responsável por surtos nosocomiais, sendo geralmente associada-... ductors, in the period of January of 2002 to December of Rodrigues et al., FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ Escola Nacional de Saúde Pública...bvssp.icict.fiocruz.br/lildbi/docsonline/get.php?id=1852 Sader HS, Jones RN, Gales AC, Klugler K, Pfaller MA, Doern GV, and the SENTRY Latin America Study Group. Antimicrobial susceptibility of patterns for pathogens isolated from patients in Latin American medical centers with a diagnosis of pneumonia: Results from the SENTRY Antimicrobial Surveillance Program (1997). Diag Microbiol Infect Dis 1998;32: Serviços de Saúde (GGTES) Núcleo de Gestão do Sistema Nacional de Notificação e Investigação em Vigilância Sanitária (NUVIG) Unidade de Tecnovigilância (UTVIG) Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública (GGLAS) Gerência Geral de Saneantes (GGSAN) Centro de Informações

27 27 Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde Diretoria Dirceu Brás Aparecido Barbano (DIDBB)) Vernet et al, Prevalência e Perfil de Susceptibilidade antimicrobiana em... - SBAC

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle.

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. INFORME TÉCNICO XXXVII Outubro 2010 Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. Definição de microorganismos multi-resistentes: São microrganismos resistentes

Leia mais

Biossegurança Resistência Bacteriana. Professor: Dr. Eduardo Arruda

Biossegurança Resistência Bacteriana. Professor: Dr. Eduardo Arruda Biossegurança Resistência Bacteriana Professor: Dr. Eduardo Arruda Introdução Penicilina (1940): Revolução; Ilusão de que as infecções foram vencida; Ser vivo em resposta à agressão: Resistir; Hoje: Estafilococos

Leia mais

Controvérsias: FIM da vigilância para MRSA, VRE, ESBL

Controvérsias: FIM da vigilância para MRSA, VRE, ESBL Controvérsias: FIM da vigilância para MRSA, VRE, ESBL M A R T A F R A G O S O I N F E C T O L O G I S T A / E P I D E M I O L O G I S T A G E R E N T E N G S A / E Q H O S P I T A I S V I T A M É D I C

Leia mais

Bastonetes Gram Negativos Multi-Resistentes. SCIH Hospital Pró-Cardíaco Marisa Santos, Kátia Marie Senna, Giovanna Ferraiuoli.

Bastonetes Gram Negativos Multi-Resistentes. SCIH Hospital Pró-Cardíaco Marisa Santos, Kátia Marie Senna, Giovanna Ferraiuoli. Bastonetes Gram Negativos Multi-Resistentes SCIH Hospital Pró-Cardíaco Marisa Santos, Kátia Marie Senna, Giovanna Ferraiuoli. Origem dos dados: Hospital privado terciário com 88 leitos ativos 55% dos leitos

Leia mais

Histórias de Sucesso no Controle da Infecção Hospitalar. Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar

Histórias de Sucesso no Controle da Infecção Hospitalar. Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar Médico Assistente da Disciplina de Moléstias Infecciosas e Tropicais HC-FMRP-USP Médico da CCIH do Hospital Estadual de Ribeirão (HER) e HSP

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria Infectologista e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada 14/04/2015 13:19 1 O QUE É USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS?

Leia mais

Antibióticos. Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente

Antibióticos. Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente Antibióticos Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente Introdução São produtos que eliminam os microorganismos vivos que causam danos aos pacientes. Os agentes antimicrobianos podem ser de origem

Leia mais

PATOGENICIDADE BACTERIANA

PATOGENICIDADE BACTERIANA PATOGENICIDADE BACTERIANA Fatores de de Virulência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

INVESTIGAÇÃO E CONTROLE DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES

INVESTIGAÇÃO E CONTROLE DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES Agência Nacional de Vigilância Sanitária INVESTIGAÇÃO E CONTROLE DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos (Gipea) Gerência Geral de Tecnologia

Leia mais

SUPERBACTÉRIAS: UM PROBLEMA EMERGENTE

SUPERBACTÉRIAS: UM PROBLEMA EMERGENTE SUPERBACTÉRIAS: UM PROBLEMA EMERGENTE Yasmim de Souza; Kely Raiany Araujo da Costa; Prof Ms.Silvana Barbosa Santiago. yaasmimsouza@gmail.com; kellyraianny@outlook.com; silvanasantiago@unifan.edu.br Instituto

Leia mais

Antibióticos. O impacto causado pelo mau uso no desenvolvimento de resistência bacteriana. Caio Roberto Salvino

Antibióticos. O impacto causado pelo mau uso no desenvolvimento de resistência bacteriana. Caio Roberto Salvino Antibióticos O impacto causado pelo mau uso no desenvolvimento de resistência bacteriana Caio Roberto Salvino Laboratório Saldanha Hospital Nossa Senhora dos Prazeres SBAC-SC Resistência Bacteriana Problema

Leia mais

Bactérias não-fermentadoras

Bactérias não-fermentadoras Universidade Estadual do Oeste do Paraná Centro de Ciências Médicas e Farmacêuticas Especialização em Microbiologia Aplicada II Bactérias não-fermentadoras Profª. Graziela Braun Bactérias não-fermentadoras

Leia mais

Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC

Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC Hospital Santa Isabel 22.900m² de área construída. N total de leitos: 250. 20 leitos provisórios

Leia mais

Elevado custo financeiro: R$ 10 bilhões/ano Elevado custo humano: 45 mil óbitos/ano 12 milhões de internações hospitalares Dados aproximados,

Elevado custo financeiro: R$ 10 bilhões/ano Elevado custo humano: 45 mil óbitos/ano 12 milhões de internações hospitalares Dados aproximados, Elevado custo financeiro: R$ 10 bilhões/ano Elevado custo humano: 45 mil óbitos/ano 12 milhões de internações hospitalares Dados aproximados, referentes apenas a infecções hospitalares. Quando começa

Leia mais

PRINCIPAIS INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE

PRINCIPAIS INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE O QUE É INFECÇÃO HOSPITALAR? PRINCIPAIS INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada Atualmente, tem sido sugerida a

Leia mais

Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança

Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança Guarda Junho 2015 Arminda Jorge Particularidades na criança Prematuridade Alteração da barreira cutânea Imunodepressão Ambientes

Leia mais

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Relação bactéria-hospedeiro Profa. Alessandra B. F. Machado O mundo microbiano Os microrganismos são ubíquos.

Leia mais

Oliveira Angélica rocha 3 ; Machado Karine Cáceres 2 ; Pereira Simone Barbosa 3 RESUMO 1.INTRODUÇÃO

Oliveira Angélica rocha 3 ; Machado Karine Cáceres 2 ; Pereira Simone Barbosa 3 RESUMO 1.INTRODUÇÃO INFECÇÃO HOSPITALAR E SUA CONEXÀO NO CONTEXTO DO USO IRRACIONAL DE ANTIMICROBIANOS, ALIADO A MEDIDAS DE TRANSMISSÃO E PREVENÇÃO DE DOENÇAS INFECCIOSAS EM UNIDADE HOSPITALAR 1. Oliveira Angélica rocha 3

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Introdução Questão 1 Questão 2 DESAFIOS DO TESTE DE SENSIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS Antônia Maria de Oliveira Machado. Médica, Patologista Clínica, Microbiologia, Doutora em Medicina.

Leia mais

Infecções por Gram Positivos multirresistentes em Pediatria

Infecções por Gram Positivos multirresistentes em Pediatria Infecções por Gram Positivos multirresistentes em Pediatria FABIANE SCALABRINI PINTO JUNHO DE 2017 Principais tópicos Importância dos Gram positivos nas infecções pediátricas Fatores relacionados à resistência

Leia mais

PERFIL DE SENSIBILIDADE APRESENTADO POR BACTÉRIAS ISOLADAS DE CULTURAS DE SECREÇÃO TRAQUEAL

PERFIL DE SENSIBILIDADE APRESENTADO POR BACTÉRIAS ISOLADAS DE CULTURAS DE SECREÇÃO TRAQUEAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 PERFIL DE SENSIBILIDADE APRESENTADO POR BACTÉRIAS ISOLADAS DE CULTURAS DE SECREÇÃO TRAQUEAL Luzia Néri Machado 1, Cristane

Leia mais

Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem

Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem Introdução: Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem causar infecções em pacientes suscetíveis, tais como pacientes em Unidades de Terapia Intensiva, portadores

Leia mais

USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS. Prof. Dra. Susana Moreno

USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS. Prof. Dra. Susana Moreno USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS Prof. Dra. Susana Moreno 1 Antibióticos Uma das mais importantes descobertas da medicina moderna Salva milhões de vidas ANTIBIÓTICOS BETA-LACTÂMICOS 3 Antibióticos Beta Lactâmicos

Leia mais

PROTOCOLO DE TRATAMENTO ANTIMICROBIANO EMPÍRICO PARA INFECÇÕES COMUNITÁRIAS, HOSPITALARES E SEPSE

PROTOCOLO DE TRATAMENTO ANTIMICROBIANO EMPÍRICO PARA INFECÇÕES COMUNITÁRIAS, HOSPITALARES E SEPSE PROTOCOLO DE TRATAMENTO ANTIMICROBIANO EMPÍRICO PARA INFECÇÕES COMUNITÁRIAS, HOSPITALARES E SEPSE Sumário Introdução...6 Informações Importantes...6 Infecções Comunitárias...8 Infecções Relacionadas

Leia mais

RESISTÊNCIA BACTERIANA AOS ANTIBIÓTICOS

RESISTÊNCIA BACTERIANA AOS ANTIBIÓTICOS RESISTÊNCIA BACTERIANA AOS ANTIBIÓTICOS Um fantasma que nós tornamos real Goreth Barberino & Ana Verena Mendes [10.08.2016] [Type the abstract of the document here. The abstract is typically a short summary

Leia mais

Sistema de Vigilância Epidemiológica das Infecções Hospitalares do Estado de São Paulo Análise dos dados de 2005

Sistema de Vigilância Epidemiológica das Infecções Hospitalares do Estado de São Paulo Análise dos dados de 2005 Rev Saúde Pública 2007;41(4):674-683 Informes Técnicos Institucionais Technical Institutional Reports Divisão de Infecção Hospitalar do Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac. Coordenadoria

Leia mais

Infecções por Bacterias Multiresistentes a Antimicrobianos: Medidas de Controle

Infecções por Bacterias Multiresistentes a Antimicrobianos: Medidas de Controle Infecções por Bacterias Multiresistentes a Antimicrobianos: Medidas de Controle Tigeciclina e Polimixina B, Glicopeptídeos S. aureus Acinetobacter spp. Enterobacter spp. Carbapenêmicos K. pneumoniae Carbapenêmicos

Leia mais

NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES Nº 01/2017

NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES Nº 01/2017 Agência Nacional de Vigilância Sanitária NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES Nº 01/2017 Orientações para a notificação nacional das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) e Resistência Microbiana 2017.

Leia mais

Antimicrobianos e bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas

Antimicrobianos e bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Antimicrobianos e bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas Daniele Maria Knupp Souza Sotte Abril

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde Controle de Infecção. NVES-INFEC

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde Controle de Infecção. NVES-INFEC Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde Controle de Infecção NVES-INFEC scies-dvs@saude.rs.gov.br

Leia mais

Antibiograma em controlo de infecção e resistências antimicrobianas. Valquíria Alves 2015

Antibiograma em controlo de infecção e resistências antimicrobianas. Valquíria Alves 2015 Antibiograma em controlo de infecção e resistências antimicrobianas Valquíria Alves 2015 Teste de susceptibilidade aos antimicrobianos As metodologias de que dispomos na rotina são todas dependentes da

Leia mais

ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Alessandra Maria Stefani NOGUEIRA Franceline Gravielle Bento PEREIRA Lisliana Garcia BELCHIOR Leizer Cordeiro da Silva FREITAS Discentes

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ELIMINAÇÃO DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES (BMR) USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS

PLANO ESTADUAL DE ELIMINAÇÃO DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES (BMR) USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS 2016 PLANO ESTADUAL DE ELIMINAÇÃO DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES (BMR) USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS Uso racional de antimicrobianos Luis Gustavo Oliveira Cardoso, Milton Lapchik, Thaís Guimarães, Valquíria

Leia mais

Terapia Antimicrobiana para Infecções por K. pneumoniae produtora de carbapenemase Proposta da Disciplina de Infectologia UNIFESP

Terapia Antimicrobiana para Infecções por K. pneumoniae produtora de carbapenemase Proposta da Disciplina de Infectologia UNIFESP Terapia Antimicrobiana para Infecções por K. pneumoniae produtora de carbapenemase Proposta da Opções Terapêuticas Polimixina Peptídeo cíclico Mecanismo de ação: interação eletrostática (cátion/antimicrobiano

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV IMPORTÂNCIA, PREVENÇÃO CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E NOTIFICAÇÃO

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV IMPORTÂNCIA, PREVENÇÃO CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E NOTIFICAÇÃO PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV IMPORTÂNCIA, PREVENÇÃO CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E NOTIFICAÇÃO IRAS PAINEL GERAL O risco de um passageiro morrer numa viagem aérea é de cerca de um em dez milhões

Leia mais

PERFIL DE SENSIBILIDADE E RESISTÊNCIA ANTIMICROBIANA DE Pseudomonas aeruginosa E Escherichia coli ISOLADAS DE PACIENTES EM UTI PEDIÁTRICA

PERFIL DE SENSIBILIDADE E RESISTÊNCIA ANTIMICROBIANA DE Pseudomonas aeruginosa E Escherichia coli ISOLADAS DE PACIENTES EM UTI PEDIÁTRICA PERFIL DE SENSIBILIDADE E RESISTÊNCIA ANTIMICROBIANA DE Pseudomonas aeruginosa E Escherichia coli ISOLADAS DE PACIENTES EM UTI PEDIÁTRICA Roselle Crystal Varelo Dantas (1); Patrícia da Silva Oliveira (1);

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE SURTO

INVESTIGAÇÃO DE SURTO INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE ORIGEM HOSPITALAR Dra Dominique Thielmann Infectologista Coordenação da CCIH do Hospital Pró Cardíaco RJ Serviço de Doenças Infectoparasitárias HUPE / UERJ Laboratório DASA RJ

Leia mais

Vigilância Epidemiológica

Vigilância Epidemiológica Vigilância Epidemiológica Vigilância NNIS Investigação e Prevenção de Infecção e Eventos Adversos Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Agência Nacional Vigilância Epidemiológica Definição

Leia mais

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos Áreas para Submissão de Resumos (1) Microbiologia de Alimentos Trabalhos relacionados com micro-organismos associados aos alimentos: crescimento, identificação, biossíntese, controle, interação com o hospedeiro,

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS Fco Eugênio D. de Alexandria Prof. Mestrando em Genética e Toxicologia Aplicada Infectologista As lições retiradas do tempo de guerra devem ser transferidas aos médicos civis.

Leia mais

Sistemas de Qualidade em Controlo da Infecção

Sistemas de Qualidade em Controlo da Infecção Sistemas de Qualidade em Controlo da Infecção Paula Brito Alguns conceitos de qualidade no controlo da infecção A satisfação alcançada por um serviço, depende das expectativas do utente/doente. Conformidade

Leia mais

COMPARAÇÃO DE AGENTES INFECCIOSOS DO TRATO URINÁRIO DE PACIENTES AMBULATORIAIS VERSUS PACIENTES HOSPITALIZADOS

COMPARAÇÃO DE AGENTES INFECCIOSOS DO TRATO URINÁRIO DE PACIENTES AMBULATORIAIS VERSUS PACIENTES HOSPITALIZADOS COMPARAÇÃO DE AGENTES INFECCIOSOS DO TRATO URINÁRIO DE PACIENTES AMBULATORIAIS VERSUS PACIENTES HOSPITALIZADOS Freitas MAA 1, Kroll CM 2, Silveira GC 3, Morais WV 4, Giana HE 5, Beltrame N 6 Laboratório

Leia mais

Prevalência de infecções hospitalares em um hospital geral de alta complexidade no município de Ponta Grossa

Prevalência de infecções hospitalares em um hospital geral de alta complexidade no município de Ponta Grossa Acta Scientiarum http://www.uem.br/acta ISSN printed: 1679-9291 ISSN on-line: 1807-8648 Doi: 10.4025/actascihealthsci.v34i1.8943 Prevalência de infecções hospitalares em um hospital geral de alta complexidade

Leia mais

As opções para tratar Grampositivos:

As opções para tratar Grampositivos: As opções para tratar Grampositivos: vantagens e desvantagens Dra. Thaís Guimarães Hospital do Servidor Público Estadual Instituto Central HC-FMUSP Antimicrobianos - Gram positivos Glicopeptídeos: Vancomicina

Leia mais

O USO DE ANTIMICROBIANOS NO ÂMBITO HOSPITALAR E AS ATRIBUIÇÕES DO FARMACÊUTICO NA COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH)

O USO DE ANTIMICROBIANOS NO ÂMBITO HOSPITALAR E AS ATRIBUIÇÕES DO FARMACÊUTICO NA COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) O USO DE ANTIMICROBIANOS NO ÂMBITO HOSPITALAR E AS ATRIBUIÇÕES DO FARMACÊUTICO NA COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) 1 Douglas Vaz Vasconcelos 1 Thais Borges de Oliveira 2 Laís Lima Nabuco

Leia mais

Identificação de Bacilos Gram-negativos

Identificação de Bacilos Gram-negativos Identificação de Bacilos Gram-negativos QUESTÕES PARA AS PROVAS; CONTEÚDO DAS AULAS; HORÁRIO DE ATENDIMENTO ON-LINE; blog do professor: http://chicoteixeira.wordpress.com Bacilos Gram-Negativos Não-Fermentadores

Leia mais

Informativo da Coordenação Estadual de Controle de Infecção Hospitalar

Informativo da Coordenação Estadual de Controle de Infecção Hospitalar Maio/Junho 2015 Edição Extraordinária Informativo da Coordenação Estadual de Controle de Infecção Hospitalar Divulgação dos dados referentes a IRAS no Estado do Rio de Janeiro 2014 As Infecções Relacionadas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESPRETRO DE RESISTÊNCIA DA Escherichia coli EM CIDADE DO INTERIOR DA BAHIA

AVALIAÇÃO DO ESPRETRO DE RESISTÊNCIA DA Escherichia coli EM CIDADE DO INTERIOR DA BAHIA AVALIAÇÃO DO ESPRETRO DE RESISTÊNCIA DA Escherichia coli EM CIDADE DO INTERIOR DA BAHIA TAVARES, Walter. Docente do Curso de Medicina Unifeso. SANTOS, Maria Queiroz. Discente do curso de graduação em Medicina

Leia mais

Perfil epidemiológico das infecções hospitalares por bactérias multidrogarresistentes em um hospital do norte de Minas Gerais

Perfil epidemiológico das infecções hospitalares por bactérias multidrogarresistentes em um hospital do norte de Minas Gerais PUBLICAÇÃO OFICIAL DO NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL SANTA CRUZ E PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DA SAÚDE - DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E FARMÁCIA DA UNISC ISSN 2238-3360 Ano III -

Leia mais

ANTIBIÓTICOS EM ODONTOPEDIATRIA NÃO PROFILÁTICOS E PROFILÁTICOS

ANTIBIÓTICOS EM ODONTOPEDIATRIA NÃO PROFILÁTICOS E PROFILÁTICOS ANTIBIÓTICOS EM ODONTOPEDIATRIA NÃO PROFILÁTICOS E PROFILÁTICOS QUANDO RECEITAR ANTIBIÓTICOS? Fístulas não usar abscessos não drenáveis comprometimento sistêmico causado pela disseminação de infecção de

Leia mais

Unidade II MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA. Profa. Dra. Eleonora Picoli

Unidade II MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA. Profa. Dra. Eleonora Picoli Unidade II MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA Profa. Dra. Eleonora Picoli Metabolismo bacteriano Conjunto de reações responsáveis pela manutenção das funções bacterianas básicas. Tipos de metabolismo

Leia mais

Projeto Recém-Ingresso

Projeto Recém-Ingresso Projeto Recém-Ingresso Farmacologia: Uso de Antibióticos Bárbara Bastos de Oliveira bolsista do PET Medicina UFC Março/2008 Gram-Positivas Gram-Negativas Mecanismos de resistência 1) Produção de beta-lactamase:

Leia mais

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Airton Bagatini Vice-Presidente da SBA Corresponsável pelo CET do SANE Coordenador da Perspectiva Assistencial

Leia mais

Orientações Programáticas

Orientações Programáticas Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e Resistências aos Antimicrobianos Orientações Programáticas 1 - Enquadramento As infeções associadas aos cuidados de saúde dificultam o tratamento adequado

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE RISCO N O 001/ GVIMS/GGTES-ANVISA

COMUNICAÇÃO DE RISCO N O 001/ GVIMS/GGTES-ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária COMUNICAÇÃO DE RISCO N O 001/2013 - GVIMS/GGTES-ANVISA Circulação de micro-organismos com mecanismo de resistência denominado "New Delhi Metalobetalactamase" ou

Leia mais

Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas

Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas Drogas antimicrobianas: mecanismo de ação Um aspecto do controle do crescimento dos microrganismos envolve a utilização de fármacos no tratamento de

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS USO IRRACIONAL DE ANTIBIÓTICOS infecções virais ( sarampo, catapora e 90% das infecções do trato respiratório superior ) tratamento de estados febris de origem desconhecida,

Leia mais

O Problema da Doença Pneumocócica na América Latina

O Problema da Doença Pneumocócica na América Latina O Problema da Doença Pneumocócica na América Latina Dr. Raul E. Istúriz: Olá. Eu sou o Dr. Raul Istúriz, do Centro Médico de Caracas, na Venezuela. Bem-vindos a esta discussão sobre o problema da doença

Leia mais

O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde

O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde O papel do Laboratório de Microbiologia na Prevenção e Controlo das Infeções associadas aos Cuidados de Saúde Sandra Paulo Laboratório de Microbiologia Serviço de Patologia Clínica - CHCB Infeções associadas

Leia mais

Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal

Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal Introdução Em 1930 a D.G.S. aborda o problema Em 1974 vai a enf.franco Henriques ao grupo de trabalho do Conselho da Europa Em 1978 criada a 1ª CCI,no

Leia mais

Antimicrobianos: Resistência Bacteriana. Prof. Marcio Dias

Antimicrobianos: Resistência Bacteriana. Prof. Marcio Dias Antimicrobianos: Resistência Bacteriana Prof. Marcio Dias Resistência Capacidade adquirida de resistir aos efeitos de um agente quimioterápico, normalmente que um organismo é sensível. Como eles adquiriram:

Leia mais

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor Parasitologia Humana Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro Prof. Cor Divisão da Parasitologia MICROBIOLOGIA: bactéria, fungos e vírus PARASITOLOGIA: protozoários, helmintos e artrópodes Microbiota

Leia mais

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE TRATO VASCULAR Definição: Infecção relacionada ao cateter: Isolamento de um mesmo microorganismo da ponta do cateter

Leia mais

recipiente de roupa o paciente pelo suja após a conclusão hospital.

recipiente de roupa o paciente pelo suja após a conclusão hospital. Paciente que necessite Quando a transferência Quando o transporte é fazer exames em ou movimento entre as necessário, cobrir outras áreas do unidades de saúde é áreas do paciente hospital, os necessário,

Leia mais

Principais Mecanismos de Resistência aos Antimicrobianos em Staphylococcus aureus Agnes Marie Sá Figueiredo, PhD

Principais Mecanismos de Resistência aos Antimicrobianos em Staphylococcus aureus Agnes Marie Sá Figueiredo, PhD Principais Mecanismos de Resistência aos Antimicrobianos em Staphylococcus aureus Agnes Marie Sá Figueiredo, PhD Laboratório de Biologia Molecular de Bactérias Universidade Federal do Rio de Janeiro agnes@micro.ufrj.br

Leia mais

Afinal, quem tem medo da KPC?

Afinal, quem tem medo da KPC? HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO - USP Bactérias multiresistentes: testando nossa resistência Afinal, quem tem medo da KPC? 16º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar

Leia mais

Coprocultura. Identificação de Bacilos Gram-negativos

Coprocultura. Identificação de Bacilos Gram-negativos Coprocultura. Identificação de Bacilos Gram-negativos QUESTÕES PARA AS PROVAS; CONTEÚDO DAS AULAS; HORÁRIO DE ATENDIMENTO ON-LINE; blog do professor: http://chicoteixeira.wordpress.com As Enterobacteriaceae

Leia mais

3/23/17. https://www.ted.com/talks/maryn_mckenna_what_do_we_do_whe n_antibiotics_don_t_work_any_more?language=en

3/23/17. https://www.ted.com/talks/maryn_mckenna_what_do_we_do_whe n_antibiotics_don_t_work_any_more?language=en https://www.ted.com/talks/maryn_mckenna_what_do_we_do_whe n_antibiotics_don_t_work_any_more?language=en 1 Escherichia, Klebsiella, Proteus Thomas Hänscheid Definições e terminologia Enterobacteriaceae

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DE RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DE RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DE RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS José Artur Paiva MD, PhD Coordenador do Programa Nacional de Prevenção de Resistências aos Antimicrobianos Departamento de Qualidade Direcção

Leia mais

DROGAS ANTIMICROBIANAS

DROGAS ANTIMICROBIANAS DROGAS ANTIMICROBIANAS HISTÓRICO 1495: Mercúrio (SÍFILIS) 1630 : Quinino (MALÁRIA) 1905 Paul Ehrlich composto 606 (Salvarsan) 1910: Salvarsan para tratamento da sífilis-paul Ehlrich 1928: Penicillina -

Leia mais

RESISTÊNCIA A ANTIBIÓTICOS: DA FAZENDA A MESA

RESISTÊNCIA A ANTIBIÓTICOS: DA FAZENDA A MESA RESISTÊNCIA A ANTIBIÓTICOS: DA FAZENDA A MESA Orientador: Prof. Dr. Victor Augustus Marin Juliana Wolff Salles de oliveira RESISTÊNCIA A ANTIBIÓTICOS A capacidade das bactérias resistirem aos efeitos das

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde. Rejane Maria de Souza Alves COVEH/DEVEP/SVS/MS 2006

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde. Rejane Maria de Souza Alves COVEH/DEVEP/SVS/MS 2006 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Rejane Maria de Souza Alves COVEH/DEVEP/SVS/MS 2006 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Vigilância Epidemiológica da Síndrome Hemolítica

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS BACTÉRIAS AULA 1

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS BACTÉRIAS AULA 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS BACTÉRIAS AULA 1 ASSUNTOS ABORDADOS q Presença e distribuição das bactérias no organismo humano; q Aspectos da infecção; q Morfologia bacteriana. PRESENÇA E DISTRIBUIÇÃO DAS

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 1 PROCEDIMENTOS PARA AVALIAÇÃO E CONTROLE DE AGENTES BIOLÓGICOS Objetivo: Determinar a natureza, grau e o tempo de exposição dos trabalhadores

Leia mais

Prof. Deise Laura Cocco Microbiologia Cursos da Saúde BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE

Prof. Deise Laura Cocco Microbiologia Cursos da Saúde BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE Prof. Deise Laura Cocco Microbiologia Cursos da Saúde BACTÉRIAS: DA MICROBIOTA NORMAL A PATOGENICIDADE MICROBIOTA NORMAL O corpo humano é continuamente habitado por vários microrganismos diferentes, em

Leia mais

Sepse por Klebsiella pneumoniae - Revisão de 28 casos

Sepse por Klebsiella pneumoniae - Revisão de 28 casos Sepse por Klebsiella pneumoniae - Revisão de 28 casos Ana M. U. Escobar, Solange S. Rocha, Sérgio Sztajnbok, Adriana P. Eisencraft, Sandra J.F E. Grisi J pediatr (Rio J) 1996;72(4):230-234 Introdução A

Leia mais

Uso Racional de Antibióticos

Uso Racional de Antibióticos Uso Racional de Antibióticos ticos O que háh de novo Denise Marangoni UFRJ Uso Racional de Antibiótico tico Indicação Finalidade Condições do paciente Fatores da infecção Fatores do antibiótico tico O

Leia mais

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde"

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde" QUALIHOSP São Paulo 18/04/2011 Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

Bases do diagnóstico bacteriológico

Bases do diagnóstico bacteriológico Bases do diagnóstico bacteriológico Prof. Cláudio Galuppo Diniz Diagnóstico clínico Sinais (mensuráveis) e sintomas (subjetivos) Origem Etiologia Natureza Diagnóstico laboratorial Identificação agentes

Leia mais

INDICADORES DE RESULTADOS

INDICADORES DE RESULTADOS INDICADORES DE RESULTADOS INQUÉRITO DE PREVALÊNCIA DE INFECÇÃO HOSPITAL SÃO MARCOS - BRAGA JUNHO DE 2006 as Jornadas Nacionais Controlo de Infecção Maio 2007 CCI - HSM MISSÃO Promover a segurança dos doentes

Leia mais

INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES HOSPITALARES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DURANTE O SEGUNDO SEMESTRE DE 2010.

INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES HOSPITALARES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DURANTE O SEGUNDO SEMESTRE DE 2010. INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES HOSPITALARES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DURANTE O SEGUNDO SEMESTRE DE 2010. 1 FAVARIN, Simone S. 2 ; CAMPONOGARA, Silviamar 3 ;.WILHELM,

Leia mais

A INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A UCC DATA DO ENPI A GENERAL INFORMATION ABOUT THE FACILITY

A INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A UCC DATA DO ENPI A GENERAL INFORMATION ABOUT THE FACILITY Infecção associada a cuidados de saúde, resistência antimicrobiana, uso de antibióticos e recursos para controlo de infecção em unidades de cuidados continuados Anexo V - QUESTIONÁRIO INSTITUCIONAL Nota:

Leia mais

Exame Bacteriológico Indicação e Interpretação

Exame Bacteriológico Indicação e Interpretação Exame Bacteriológico Indicação e Interpretação Clínica Augusto Cezar Montelli 2009 Clínica Médica Departamento de Clínica Médica M Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP Unesp Diagnóstico Microbiológico

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE SUPERFÍCIES INANIMADAS DE CONTATO DE UMA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO

IDENTIFICAÇÃO DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE SUPERFÍCIES INANIMADAS DE CONTATO DE UMA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO IDENTIFICAÇÃO DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE SUPERFÍCIES INANIMADAS DE CONTATO DE UMA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO ISOLATED MICROORGANISMS IDENTIFICATION INANIMATE SURFACES CONTACT A UNIT RESPONSIVENESS

Leia mais

Bactérias Gram negativas de grande relevância em saúde humana

Bactérias Gram negativas de grande relevância em saúde humana Bactérias Gram negativas de grande relevância em saúde humana Prof. Cláudio Galuppo Diniz GN oportunistas: Infecções endógenas Contaminantes secundários em lesões GN patógenos obrigatórios: Doenças do

Leia mais

GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE

GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE GERMES MULTIRRESISTENTES E O USO DE SANEANTES NA UNIDADE DO PACIENTE Kazuko Uchikawa Graziano Professora Titular do Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica da Escola de Enfermagem da USP Produtos Saneantes

Leia mais

Goreth Barberino PhD, MsC em Ciências - FIOCRUZ - Bahia Consultora do Serviço de Microbiologia - HSR

Goreth Barberino PhD, MsC em Ciências - FIOCRUZ - Bahia Consultora do Serviço de Microbiologia - HSR Goreth Barberino PhD, MsC em Ciências - FIOCRUZ - Bahia Consultora do Serviço de Microbiologia - HSR O que disse a teoria revolucionária? Resistência bacteriana A capacidade dos micro-organismos de evoluírem

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA NOSOCOMIAL

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA NOSOCOMIAL TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA NOSOCOMIAL DEFINIÇÕES Pneumonia nosocomial: Pneumonia adquirida > 48 horas após internamento hospitalar Pneumonia definitiva provável: Infiltrado pulmonar de novo/progressivo,

Leia mais

Perfil bacteriano de cultura de ponta de cateter venoso central

Perfil bacteriano de cultura de ponta de cateter venoso central doi:.5123/s21766226 ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL ARTICLE ARTÍCULO ORIGINAL Perfil bacteriano de cultura de ponta de cateter venoso central Profile of bacterial culture of central venous catheter probe Perfil

Leia mais

Infecções hospitalares por enterobactérias produtoras de Kpc em um hospital terciário do sul do Brasil

Infecções hospitalares por enterobactérias produtoras de Kpc em um hospital terciário do sul do Brasil ARTIGO ORIGINAL Infecções hospitalares por enterobactérias produtoras de Kpc em um hospital terciário do sul do Brasil Nosocomial infections by KPC-producing enterobacteria in a tertiary hospital in Southern

Leia mais

RESISTÊNCIA nas BACTÉRIAS GRAM NEGATIVO M. HELENA RAMOS CHP

RESISTÊNCIA nas BACTÉRIAS GRAM NEGATIVO M. HELENA RAMOS CHP nas BACTÉRIAS GRAM NEGATIVO M. HELENA RAMOS CHP - 29 S AOS ANTIMICROBIA Transferência de doentes dentro e entre hospitais Prescrição e uso inadequados Medidas de controlo de infecção Viagens de pessoas

Leia mais

A Salmonella em avicultura. Ana Martins Funchal, 15 de Março 2010

A Salmonella em avicultura. Ana Martins Funchal, 15 de Março 2010 A Salmonella em avicultura Ana Martins Funchal, 15 de Março 2010 Introdução A Salmonellose é uma das toxi-infecções alimentares mais comuns e amplamente disseminada por todo o mundo. Salmonellose : agravamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS ASSOCIAÇÃO ENTRE USO PRÉVIO DE ANTIMICROBIANOS, PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICROORGANISMOS

Leia mais

Projeto. Implantação da Rede Nacional de Monitoramento Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Projeto. Implantação da Rede Nacional de Monitoramento Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Projeto Implantação da Rede Nacional de Monitoramento Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Propostas dos I e II Seminário de Gerenciamento de Informação sobre Resistência Microbiana I - RESUMO EXECUTIVO

Leia mais

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV Quais são os principais agentes da meningite? Etiologia meningites Brasil 2007-2010 (fonte: SINAN) Etiologia

Leia mais

Resistência bacteriana as drogas antimicrobianas

Resistência bacteriana as drogas antimicrobianas Resistência bacteriana as drogas antimicrobianas Prof. Adj. Ary Fernandes Junior Departamento de Microbiologia e Imunologia Instituto de Biociências UNESP Tel. 14 3880.0412 ary@ibb.unesp.br Sítios de ação

Leia mais

CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES CONTROLO DE INFEÇÃO EM AMBIENTE HOSPITALAR OPERACIONALIDADE COM VPH PPCIRA

CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES CONTROLO DE INFEÇÃO EM AMBIENTE HOSPITALAR OPERACIONALIDADE COM VPH PPCIRA CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES PPCIRA OPERACIONALIDADE COM VPH CHL CENTRO HOSPITALAR DE LEIRIA HABLO Hospital de Alcobaça HSA Hospital de Santo André HDP Hospital Distrital de Pombal

Leia mais

INFECÇÕES HOSPITALARES EM UM CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL DE ENSINO NO NORTE DO PARANÁ 1

INFECÇÕES HOSPITALARES EM UM CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL DE ENSINO NO NORTE DO PARANÁ 1 INFECÇÕES HOSPITALARES EM UM CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL DE ENSINO NO NORTE DO PARANÁ 1 Jacir Júlio Leiser Maria Cristina Bronharo Tognim ** João Bedendo *** * RESUMO Este estudo teve como

Leia mais

Projeto. Implantação da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Projeto. Implantação da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Projeto Implantação da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Propostas do Curso de Gerenciamento de Informação sobre Resistência Microbiana, realizado no período

Leia mais

Simone Suplicy Vieira Fontes

Simone Suplicy Vieira Fontes Simone Suplicy Vieira Fontes Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais