TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF"

Transcrição

1 TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF

2 TRAUMA Definição: Problema de saúde pública Principais causas: acidentes e violência Evolução e prognóstico Gravidade

3 CIRURGIA TRAUMA INFLAMAÇÃO RESPOSTA IMEDIATA AO TRAUMA Resistência à insulina Vias anabólicas inibidas favorecendo a mobilização de substratos Proteólise muscular

4 PRÉ- OPERATÓRIO A TN em cirurgias de grande porte reduz as complicações, como deiscência de feridas e vazamento anastômico Jejum prolongado traz prejuízos Indicação: - Cirurgias eletivas: jejum de 6 horas para sólidos e - 2 horas para líquidos com carboidratos (12,5% em volume de 200 a 400 ml) A TNE recomenda a pacientes com desnutrição moderada a grave por um período de 7 a 14 dias.

5 Terapia Nutricional no Pós-operatório Evidências x cuidados tradicionais Jejum de por mais 24 horas - sem evidência Jejum prolongado ou restrição calórica perpetuam a perda proteica Pode desenvolver desnutrição associada à lesão ou doença aguda

6 Terapia Nutricional no Pós-operatório Condições do paciente no pós-operatório: 1. Avaliação Nutricional do paciente no pré-operatório 2. Grau de estresse da cirurgia 3. Região operada 4. Procedimento cirúrgico realizado

7 Terapia Nutricional no Pós-operatório Dieta líquida reinício da alimentação, dependendo do procedimento (anastomoses) a líquida restrita é recomendada Colecistectomia e herniorrafias reiniciar de 6 a 12 horas a dieta pastosa, principalmente em videolaparoscópicas Gastrectomias parciais pode ser iniciada dieta líquida após 24 horas

8 Terapia Nutricional no Pós-operatório Esofagectomias Gastrectomias totais Duodenopancreatectomias sonda nasogástricas, nasoenterais jejunostomias distais a anastomose.

9 Terapia Nutricional no Pós-operatório Quando iniciar? Retorno da peristalse intestinal

10 Cirurgias de cabeça e pescoço Tratamento individualizado Iniciar TNE o paciente não consegue se alimentar ou não atingirá 60% das necessidades por 7 a 10 dias Uso de imunotrição (grau de evidência A)

11 Cirurgias de câncer do trato digestório A terapia nutricional pré-operatória é fundamental A perda de peso e desnutrição 2/3 dos pacientes Suplementos via oral ou TNE Diminuição das complicações PO Tempo de internação Mortalidade

12 Cirurgias de câncer do trato digestório Objetivos Nutricionais (DITEN, 2011; INCA,2011): Evitar a desnutrição ou minimizar seus efeitos Modular a resposta orgânica Controlar os efeitos adversos ao tratamento oncológico Imunomodulação Melhora do estresse oxidativo Melhora dos resultados no PO Diminui a incidência de complicações infecciosas Tempo de internação

13 Cirurgias de câncer do trato digestório Terapia Nutricional: Via oral mais fisiológica Suplementos sempre indicado NE x NP (Gabor et al,2005) Acelera peristaltismo intestinal

14 Cirurgias de câncer do trato digestório Imunomoduladores (arginina, glutamina, ômega -3, nucleotídeos e antioxidantes) 7 a 14 dias do pré-operatório. (DITEN) Melhora resposta imunológica Oxigenação intestinal e microperfusão Menor taxa de infecção

15 Fístulas Digestivas Tratamento: Corrigir distúrbios hidroeletrolíticos Identificar e tratar processo infeccioso Reduzir e controlar o débito Proteger a pele Planejar e estimular o suporte nutricional

16 Fístulas Digestivas Considerações: NPT mais indicado para fístulas de alto débito Fístulas esofágicas pode ser utilizado NE quando há possibilidade de passar a sonda Utilizar NE para estimular o trofismo intestinal O reinício de dieta oral depende da diminuição do débito. Iniciando líquida restrita e evoluindo de acordo com a aceitação

17 Úlceras por pressão (UPP) e Cicatrização de feridas Estado Nutricional Proteína: importante na cicatrização, melhorar a função imune e manter a massa corporal magra

18 TCE e Politraumatismo Nutrição precoce até 48 após internação SNG devido rapidez e facilidade na colocação calorias/kg de peso/dia para TCE moderado a grave calorias/kg de peso/dia quando estável Proteína: 1,2-2,0 g/kg

19 Inflamação Fase Ebb Duração média 48 horas Tentativa de manter a homeostasia Normo ou hipometabolismo

20 Inflamação Fase Flow Predomina o catabolismo Degradação das reservas proteicas Aumento da atividade metabólica Aumento do gasto calórico

21 Inflamação objetivo da TN: Minimizar o catabolismo Impedir a desnutrição ou que se agrave

22 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL TRIAGEM NUTRICIONAL NRS (Nutritional Risk Screening),2002 MAN (Mini Avaliação Nutricional) ASG

23 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NRS,2002 Rápido, simples e prever riscos associados a desnutrição Avaliar os pacientes que se beneficiam da TN Deve ser realizada em até 72 horas após a internação Validado pela ESPEN,2003 Inclui gravidade da doença e alterações do estado clínico Pode adiar a cirurgia em acordo com a equipe médica

24 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL Exame físico História dietética Dados antropométricos Exames laboratoriais

25 Necessidades calóricas e proteicas Individualizada através de fórmulas Bolso de bolso Harris Benedict

26 Suplemento em dieta oral Pré-operatório de cirurgias de grande porte e em pacientes em risco nutricional, de 7 a 14 dias (DITEN) Pacientes oncológicos em risco de desnutrição ou risco nutricional, mantido até as necessidades atinjam 75% (consenso INCA) Quando a dieta oral é incapaz de suprir as necessidades

27 Terapia Nutricional Protocolos de atendimento nutricional Pré-operatório Pós-operatório

28 OBRIGADA!

29

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PREZADO PACIENTE: O Termo de Consentimento Informado é um documento no qual sua AUTONOMIA (vontade) em CONSENTIR (autorizar) é manifestada. A intervenção cirúrgica indicada

Leia mais

AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL. Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes

AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL. Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL - Método simples, de rápida execução e baixo custo; -Validado para aplicação em pacientes cirúrgicos e clínicos.

Leia mais

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Fóruns 28 de setembro de 2013 15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Insuficiência Cardíaca Como abordar na: IC Fração de ejeção reduzida / normal IC descompensada IC Crônica IC Chagásica

Leia mais

Avaliação nutricional do paciente

Avaliação nutricional do paciente Avaliação nutricional do paciente Muito gordo ou muito magro? O que fazer com esta informação? Avaliação nutricional do paciente 1) Anamnese (inquérito alimentar) 2) Exame físico 3) Exames laboratoriais

Leia mais

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail:

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: andrea@salesiano-ata.br 1 A Obesidade Definida como doença crônica caracterizada pelo excesso de peso corporal Decorre na maior parte dos casos de um desequilíbrio

Leia mais

Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005

Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005 Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005 Dispõe sobre conteúdos do Programa de Residência Médica de Cirurgia Geral e Cirurgia Geral Programa Avançado. O Presidente da Comissão Nacional de Residência

Leia mais

[CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS]

[CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS] [CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS] Geriatria é o ramo da Medicina que foca o estudo, a prevenção e o tratamento de doenças e da incapacidade em idosos. Seus objetivos maiores são: manutenção da saúde, impedir

Leia mais

Preparo pré-operatório do Paciente Diabético Manejo de insulina e antidiabéticos orais. Daniel Barretto Kendler GEMD 21/05/2016

Preparo pré-operatório do Paciente Diabético Manejo de insulina e antidiabéticos orais. Daniel Barretto Kendler GEMD 21/05/2016 Preparo pré-operatório do Paciente Diabético Manejo de insulina e antidiabéticos orais Daniel Barretto Kendler GEMD 21/05/2016 Por que a preocupação? 50% dos diabéticos sofrerão alguma cirurgia Hiperglicemia

Leia mais

Assistência de Enfermagem rio

Assistência de Enfermagem rio Assistência de Enfermagem Pós-operatóriorio Pós-operatório rio O período pós-operatp operatóriorio tem início logo após o término t da operação e vai até a alta do paciente, podendo ainda se estender a

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PREZADO PACIENTE: O Termo de Consentimento Informado é um documento no qual sua AUTONOMIA (vontade) em CONSENTIR (autorizar) é manifestada. A intervenção cirúrgica indicada

Leia mais

Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 34/2016

Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 34/2016 Empresa: Endereço: Fundaçao Hospitalar Santa Terezinha de Erechim Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 34/2016 Fone: Cidade: Bairro: Cep: Data Abertura: 08/11/2016 09:00:00 Data Emissão: 25/10/2016

Leia mais

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE. Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE. Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH 15 de agosto de Incidência de Queda de Paciente Incidência de Queda de Paciente 3,0

Leia mais

7 anos desde a última atualização

7 anos desde a última atualização Introdução Guidelines for the Provision and Assessment of Nutrition Support Therapy in the Adult Critically III Patient: Society of Critical Care Medicine (SCCM) and American Society for Parenteral and

Leia mais

Tratamento de hiperglicemia no paciente internado

Tratamento de hiperglicemia no paciente internado Tratamento de hiperglicemia no paciente internado Dra. Roberta Frota Villas-Boas GruPAC DM Hiperglicemia x internação alta incidência pouco valorizada aumenta morbi-mortalidade e permanência hospitalar

Leia mais

SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR DE OBESIDADE GRAVE

SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR DE OBESIDADE GRAVE Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE PSICOLOGIA POP nº 04 PSI/HU Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR

Leia mais

6. Metabolismo de Água e Eletrólitos na Saúde e na Doença. 7. Energia, necessidades nutricionais e métodos de avaliação

6. Metabolismo de Água e Eletrólitos na Saúde e na Doença. 7. Energia, necessidades nutricionais e métodos de avaliação MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1. Nutrientes 2. Metabolismo dos Macronutrientes 3. Vitaminas 4. Função Fisiológica e Deficiência de Minerais 5. Biodisponibilidade de Minerais 6. Metabolismo de Água e Eletrólitos

Leia mais

Exame Físico e Cuidados. Patrícia Friedrich. de Enfermagem

Exame Físico e Cuidados. Patrícia Friedrich. de Enfermagem Exame Físico e Cuidados Patrícia Friedrich de Enfermagem EXAME FÍSICO INSPECIONAR AUSCULTAR PERCUTIR (delimitando vísceras); PALPAR - cada quadrante abdominal; INSPEÇÃO Visualização de cicatrizes, hematomas,

Leia mais

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde Claudia Witzel CONCEITOS DE SAÚDE E DOENÇA Saúde pode ser definida como ausência de doença Doença ausência de saúde... Saúde é um

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Nutrição e Produção Animal Campus Rio Pomba ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA. Leia, com atenção, antes de começar!

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Nutrição e Produção Animal Campus Rio Pomba ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA. Leia, com atenção, antes de começar! ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA Leia, com atenção, antes de começar! 1. Este Caderno de Prova contém 10 (dez) questões: 5 (cinco) questões: Linha de Pesquisa 1. Nutrição e Produção de Bovinos; 5 (cinco) questões:

Leia mais

Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9

Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9 Sumário Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9 PARTE I Introdução à profissão de enfermagem 1 Enfermagem uma profissão em evolução...21 Visão geral...22 Revisão histórica...22

Leia mais

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE Um dos principais problemas de saúde pública da atualidade, Doença nutricional que mais cresce no mundo e de mais difícil tratamento; Etiologia

Leia mais

EMTN EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE TERAPIA NUTRICIONAL

EMTN EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE TERAPIA NUTRICIONAL EMTN EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE TERAPIA NUTRICIONAL Localização: sala 1120, andar térreo, ramal 8593. A EMTN é um grupo formal e obrigatoriamente formado por pelo menos um profissional de cada área, a

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCO DE BRONCOASPIRAÇÃO

GERENCIAMENTO DE RISCO DE BRONCOASPIRAÇÃO 1 de 8 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial MGO,,MRM,PAD,GAA,FCA,AMR,RRM 1 Objetivo Diminuir a incidência de pneumonia hospitalar

Leia mais

ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA

ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA Principal função do ESÔFAGO : conduzir o alimento da faringe para o estômago, peristaltismo primário e secundário Peristaltismo Primário: continuação da

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II SONDAS. Professora: Enfª:Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br)

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II SONDAS. Professora: Enfª:Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br) FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II SONDAS Professora: Enfª:Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br) SONDAS CURTAS NASOGÁSTRICAS As mais utilizadas são as sondas de Levin e de reservatório gástrico

Leia mais

CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR

CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR A Circulação Extracorpórea marcou o início da fase moderna da Cirurgia Cardiovascular. Seu desenvolvimento e evolução permitiu que patologias cardiovasculares

Leia mais

Avaliação Nutricional

Avaliação Nutricional Avaliação Nutricional Prof a Renato Marques 5 o período de Enfermagem Importância e conceitos da Avaliação Nutricional ESTADO NUTRICIONAL Definição Condição de saúde de um indivíduo, influenciada pelo

Leia mais

SINDNUT-PA Sindicato dos Nutricionistas no Estado do Pará

SINDNUT-PA Sindicato dos Nutricionistas no Estado do Pará ANEXO I APROVADO NA ATA DE ASSEMBLÉIA DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 TABELA DE HORONÁRIOS PARA O ANO DE 2015/2016 DEFINIDA E APROVADA EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 28/10/2014. Unidade de Serviço em Nutrição (USN)

Leia mais

ÍNDICE. Trophic Basic. 06 Trophic 1.5. Trophic EP Trophic Fiber Trophic Bio + SABOR! Trophic Infant. Diamax Peptimax HDmax. Bemmax.

ÍNDICE. Trophic Basic. 06 Trophic 1.5. Trophic EP Trophic Fiber Trophic Bio + SABOR! Trophic Infant. Diamax Peptimax HDmax. Bemmax. GUIA NUTRICIONAL ÍNDICE Trophic Basic 06 Trophic 1.5 10 PADRÃO Trophic EP Trophic Fiber Trophic Bio + SABOR! 12 14 16 Trophic Infant 18 ESPECIALIZADA Diamax Peptimax HDmax 20 22 24 Na Prodiet, acreditamos

Leia mais

CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL).

CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL). CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL). Eu, abaixo assinado, autorizo o Dr....e/ou os seus assistentes a realizar uma PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (remoção

Leia mais

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO A Diabetes Mellitus é uma doença crónica, cujos índices de incidência e prevalência aumentam a cada ano. Para poderem prestar cuidados de saúde globais

Leia mais

Protocolo de Normotermia Qual o papel do Enfermeiro?

Protocolo de Normotermia Qual o papel do Enfermeiro? Protocolo de Normotermia Qual o papel do Enfermeiro? ENFº FERNANDO MALGUEIRO ESPECIALISTA DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS AQUECIMENTO DO PACIENTE - DIVISÃO DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO Hipotermia Perioperatória

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES Disciplina Nutrição aplicada à Educação Física e ao Esporte Prof. Dr. Ismael Forte Freitas Júnior HISTÓRICO

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA NUTRIÇÃO CLÍNICA 2010/2011 2º SEMESTRE OBJECTIVOS Verificar desvios nutricionais egrau Identificar doentes com necessidade de intervenção nutricional Avaliar a

Leia mais

Mesa redonda: A importância da Equipe Interdisciplinar no tratamento das feridas Terapia Nutricional no Tratamento da Úlcera por Pressão

Mesa redonda: A importância da Equipe Interdisciplinar no tratamento das feridas Terapia Nutricional no Tratamento da Úlcera por Pressão Mesa redonda: A importância da Equipe Interdisciplinar no tratamento das feridas Terapia Nutricional no Tratamento da Úlcera por Pressão Dra. Karoline Calfa Nutróloga Atenção Interdisciplinar Assistente

Leia mais

Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não?

Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não? Clínica de Risco Familiar Instituto Português de Oncologia de Lisboa Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não? Hugo Nunes 1, Ana Clara 1,2, Ana Luis 1,2, Ana

Leia mais

CIRURGIA DO PÂNCREAS

CIRURGIA DO PÂNCREAS UNIFESP CIRURGIA DO PÂNCREAS PANCREATITE CRÔNICA Educação Continuada - 2007 Cirurgia Geral CBC-SP EJL PANCREATITE CRÔNICA Alterações pancreáticas parenquimatosas e ductais evolutivas e de caráter irreversível

Leia mais

Avaliação antropométrica de crianças

Avaliação antropométrica de crianças Avaliação antropométrica de crianças Sylvia do Carmo Castro Franceschini Taís Cristina Araújo Magalhães Fabiana de Cássia Carvalho de Oliveira Viçosa Agosto, 2010 Peso: início da vida perda de peso fisiológica

Leia mais

Benefícios da Nutrição Parenteral. Dr. José Alberto Caliani

Benefícios da Nutrição Parenteral. Dr. José Alberto Caliani Benefícios da Nutrição Parenteral Dr. José Alberto Caliani Desnutrição Hospitalar A prevalência da desnutrição em ambiente hospitalar varia de 20% a 50% - Sungurtckin HE - Nutrition 2004; A desnutrição

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DOS PRINCÍPIOS ATIVOS ADULTOS IDR CRIANÇAS IDR 20 gotas (1 ml) 1 vez ao dia até 20 gotas (1 ml) 4 vezes ao dia

CONCENTRAÇÃO DOS PRINCÍPIOS ATIVOS ADULTOS IDR CRIANÇAS IDR 20 gotas (1 ml) 1 vez ao dia até 20 gotas (1 ml) 4 vezes ao dia VITER C ácido ascórbico APRESENTAÇÃO Linha Hospitalar: Caixa contendo 50 frascos com 20 ml. FORMA FARMACÊUTICA Solução oral USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml da solução oral contém: Ácido

Leia mais

Qualidade no Atendimento Nutricional do Paciente Oncológico. Nutricionista Fernanda Pires CRN 13358

Qualidade no Atendimento Nutricional do Paciente Oncológico. Nutricionista Fernanda Pires CRN 13358 Nutricional do Paciente Oncológico Nutricionista Fernanda Pires CRN 13358 O conceito de que a qualidade é importante surge em 1970, com o renascimento da indústria japonesa que, seguindo os preceitos do

Leia mais

Fístulas Digestivas. Aparece em 5-7 dias no estomago e duodeno, 8-12 no esôfago e reto, 3 no resto (colon, int delgado) 8-12 d. 5-7 d.

Fístulas Digestivas. Aparece em 5-7 dias no estomago e duodeno, 8-12 no esôfago e reto, 3 no resto (colon, int delgado) 8-12 d. 5-7 d. Fístulas Digestivas Definição Fístula gastrointestinal (FGI) é a comunicação anormal entre o tubo digestivo e qualquer víscera oca ou cavidade abdominal (fístula interna) ou, ainda, com a superfície cutânea

Leia mais

DISFONIA. Justificativa Tipos N máximo de sessões Videolaringoscopia: é um exame

DISFONIA. Justificativa Tipos N máximo de sessões Videolaringoscopia: é um exame DISFONIA Justificativa Tipos N máximo de Videolaringoscopia: é um exame Disfonias Funcionais: São alterações realizado com anestesia tópica e permite uma detalhada avaliação da estrutura anatômica da hipofaringe

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: ENFERMAGEM Professores:. Sandrea Tavares Período/ Fase: 4º Semestre: 1º Ano: 2013 Disciplina: NUTRIÇÃO Pré-Requisitos:

Leia mais

Tema da Aula: Nutrição e Cirurgia Autores: Rita Isabel Mendes Silva Equipa Revisora: Mário Canastro e Tiago Oliveira

Tema da Aula: Nutrição e Cirurgia Autores: Rita Isabel Mendes Silva Equipa Revisora: Mário Canastro e Tiago Oliveira Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 10 de Dezembro de 2007 Disciplina: Cirurgia I Prof.: Helena Cortez Pinto Tema da Aula: Nutrição e Cirurgia Autores: Rita Isabel Mendes Silva Equipa Revisora: Mário Canastro

Leia mais

Equilíbrio térmico durante o exercício

Equilíbrio térmico durante o exercício Equilíbrio térmico durante o exercício Objetivo da termorregulação? - Manutenção da temperatura interna constante - Manter a proporção em produção e perda de calor Centro de controle da temperatura? -

Leia mais

PERFIL DOS HOSPITAIS EM RELAÇÃO AO USO DE FÓRMULAS ENTERAIS NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA, UBERABA E ARAGUARI- MG.

PERFIL DOS HOSPITAIS EM RELAÇÃO AO USO DE FÓRMULAS ENTERAIS NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA, UBERABA E ARAGUARI- MG. PERFIL DOS HOSPITAIS EM RELAÇÃO AO USO DE FÓRMULAS ENTERAIS NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA, UBERABA E ARAGUARI- MG. RESUMO Introdução:Nutrição enteral (NE) é definida como alimento para fins especiais, com

Leia mais

NUTRIÇÃO. 4. Os pacientes com insuficiência cardíaca moderada a severa, 35 a 53% possuem caquexia cardíaca, que é caracterizada por:

NUTRIÇÃO. 4. Os pacientes com insuficiência cardíaca moderada a severa, 35 a 53% possuem caquexia cardíaca, que é caracterizada por: NUTRIÇÃO Assinale a alternativa CORRETA: 1. A idade fisiológica de uma pessoa reflete: a) O estado de saúde, mas pode ou não refletir a idade cronológica; b) A idade cronológica, mas não reflete o estado

Leia mais

Principais cuidados preventivos para evitar distúrbios nutricionais

Principais cuidados preventivos para evitar distúrbios nutricionais Principais cuidados preventivos para evitar distúrbios nutricionais Lilian Cardia Guimarães Curso Continuado de Cirurgia Geral Módulo Obesidade Cirurgia Bariátrica CBCSP OUTUBRO 2016 Onde começa a prevenção?

Leia mais

Pâncreas Endócrino Controle da glicemia

Pâncreas Endócrino Controle da glicemia Pâncreas Endócrino Controle da glicemia Curso de Odontologia da UEM Prof. Kellen Brunaldi Silverthorn (Cap. 22) Guyton (Cap. 78) O SNC é responsável por cerca de 50% da glicose diariamente consumida para

Leia mais

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica Obesidade Bibliografia Conclusão A Bulimia nervosa é um transtorno alimentar causado pela ingestão de grandes quantidades de alimentos, seguidos

Leia mais

Influenza (gripe) 05/07/2013

Influenza (gripe) 05/07/2013 Influenza (gripe) 05/07/2013 O que é? Doença infecciosa aguda Vírus Influenza A e B Sazonal (outono e inverno) Incubação: 1 a 4 dias Transmissibilidade: Adultos: 24h antes dos sintomas e 24h após febre

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM 41/13 PARECER CFM 34/13 INTERESSADO:

PROCESSO-CONSULTA CFM 41/13 PARECER CFM 34/13 INTERESSADO: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 41/13 PARECER CFM nº 34/13 INTERESSADO: Universidade Federal do Paraná Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição Cecan-Sul ASSUNTO: Competência do médico referente à nutrição

Leia mais

Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações

Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações WORKSHOP SOBRE ANTIOXIDANTES ILSI BRASIL Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações Ana Paula de R. Peretti Giometti GPESP / GGALI / ANVISA São Paulo,

Leia mais

Contagem de Carboidratos

Contagem de Carboidratos Leticia Fuganti Campos Nutricionista da Nutropar Mestre pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Especialista em Nutrição Clínica pelo GANEP Pós-graduanda em Educação em Diabetes Treinamento

Leia mais

ZINCO. Papel no organismo

ZINCO. Papel no organismo ZINCO Ter uma alimentação rica em minerais é essencial para manter a saúde em dia. Mas, entre tantos nutrientes, um deles assume papel de destaque: o zinco. "Esse mineral é essencial para que nosso corpo

Leia mais

Tipos de dietas hospitalares

Tipos de dietas hospitalares Tipos de dietas hospitalares Dieta livre ou geral Manter o estado nutricional de pacientes com ausência de alterações metabólicas significativas ao risco nutricional. Para pacientes que não necessitam

Leia mais

CIRURGIA BARIÁTRICA Critérios de Indicação. Prof. Ms. Everton Cazzo Assistente Grupo de Cirurgia Bariátrica e Metabólica HC/UNICAMP

CIRURGIA BARIÁTRICA Critérios de Indicação. Prof. Ms. Everton Cazzo Assistente Grupo de Cirurgia Bariátrica e Metabólica HC/UNICAMP CIRURGIA BARIÁTRICA Critérios de Indicação Prof. Ms. Everton Cazzo Assistente Grupo de Cirurgia Bariátrica e Metabólica HC/UNICAMP Obesidade Acúmulo excessivo de gordura causado pelo desequilíbrio entre

Leia mais

TROMBOPROFILAXIA DURANTE A GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO

TROMBOPROFILAXIA DURANTE A GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO TROMBOPROFILAXIA DURANTE A GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO FRANCISCO EDSON DE LUCENA FEITOSA IDENTIFICAÇÃO DE FATORES DE RISCO A gestação é fator de risco para tromboembolismo venoso (TEV) e está associada

Leia mais

Código Produto Descrição / Especificação Unidade Quantidade Fórmula de nutrientes para recém nascido de alto * UN

Código Produto Descrição / Especificação Unidade Quantidade Fórmula de nutrientes para recém nascido de alto * UN IVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Página: 1 / 6 Gestor de Compras 3 - HOSPITAL IVERSITÁRIO REGIONAL DE MARINGÁ Itens: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Emissão: 15/03/2010 1.26.033-000001 Fórmula de nutrientes para recém

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 8: Metabolismo muscular Prof. Carlos Castilho de Barros FORNECIMENTO DE AGL PARA O MÚSCULO Lipoproteínas TA músculo LLP AGL FABP AGL-alb LLP - lipase lipoprotéica FABP-

Leia mais

Criação de Novilhas Leiteiras

Criação de Novilhas Leiteiras Criação de Novilhas Leiteiras Introdução Tópicos Objetivos da criação de novilhas Estimativa do número de novilhas no rebanho Manejo da Novilha Considerações Econômicas (Criar ou Terceirizar?) Salvador,

Leia mais

NUTRIÇÃO PARENTERAL PROLONGADA (NPP)

NUTRIÇÃO PARENTERAL PROLONGADA (NPP) NUTRIÇÃO PARENTERAL PROLONGADA (NPP) INTRODUÇÃO A Nutrição Parenteral pode ser utilizada tanto como terapia exclusiva quanto como de apoio, dependendo basicamente da capacidade fisiológica de digestão

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel CATETERISMO CARDÍACO CATETERISMO CARDÍACO Método diagnóstico invasivo É avaliada a presença ou não de estreitamentos nas artérias coronárias secundário às "placas de gordura" além do funcionamento das

Leia mais

A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos. detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos

A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos. detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos Material Suplementar On-line MÉTODOS E PROCESSO A análise da evidência para esta diretriz se baseia em dois processos detalhados de revisão anteriores. O primeiro foi a conferência de consenso dos National

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV A Comissão Examinadora da Prova para cargo de Fisioterapeuta efetuou a análise do Conhecimentos Específicos - QUESTÃO 22 O requerente está se referindo ao item correto como sendo a letra E. A respiração

Leia mais

Diabetes Novasource GC...80 Novasource GC Pó Novasource GC Novasource GC HP Pediatria Nutren Junior Pó...

Diabetes Novasource GC...80 Novasource GC Pó Novasource GC Novasource GC HP Pediatria Nutren Junior Pó... Portfólio de produtos 2016 ÍNDICE NFactor... 3 Situações Críticas... 5 Peptamen Pó... 6 Peptamen Prebio... 8 Peptamen 1.5... 10 Peptamen ARG... 12 Peptamen AF... 14 Peptamen HN... 16 Peptamen Intense...

Leia mais

CONSULTORIA ESPORTIVA

CONSULTORIA ESPORTIVA CONSULTORIA ESPORTIVA O que é a 4FitClub Consultoria Esportiva Trata-se de um programa de exercícios físicos, reeducação alimentar e orientação psicológica destinado a homens e mulheres que buscam um estilo

Leia mais

PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL

PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo,

Leia mais

ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II GRUPO III

ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II GRUPO III ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II 0209030011 - HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA Nome: HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA 0209040017 - BRONCOSCOPIA (BRONCOFIBROSCOPIA) CBO: 223120 0301010170 - CONSULTA/AVALIAÇÃO

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 36 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Departamento de Neonatologia Obstrução nasal no recém-nascido Departamento de Adolescência Minhas dúvidas

Leia mais

Proviron. Bayer S.A. Comprimidos 25 mg mesterolona

Proviron. Bayer S.A. Comprimidos 25 mg mesterolona Proviron Bayer S.A. Comprimidos 25 mg mesterolona 1 Proviron mesterolona APRESENTAÇÃO: Proviron é apresentado na forma de comprimido simples, com 25 mg de mesterolona, em embalagens contendo 2 blísteres

Leia mais

Articulação com a Comunidade na Prestação de Cuidados Integrados

Articulação com a Comunidade na Prestação de Cuidados Integrados Articulação com a Comunidade na Prestação de Cuidados Integrados Filipa Rodrigues SERVIÇO DE PEDIATRIA IPOLFG, EPE Fevereiro 2016 Serviço de Pediatria - Objetivos dos Cuidados Cuidar das Crianças com doença

Leia mais

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? Profa. Dra. Rosália Morais Torres VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial Arq Bras Cardiol 2010; 95 (1 supl.1): 1-51 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

Leia mais

PROVA Nutrição. Nome: Data: 12/07/2016

PROVA Nutrição. Nome: Data: 12/07/2016 Nome: Data: 12/07/2016 1. A síndrome do intestino curto pode ser definida como uma capacidade inadequada de absorção, resultante de comprimento reduzido ou de diminuição funcional do intestino após a ressecção.

Leia mais

NATURETTI. Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 28,9 mg + 19,5 mg

NATURETTI. Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 28,9 mg + 19,5 mg NATURETTI Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 28,9 mg + 19,5 mg Espécie vegetal e parte da planta utilizada Espécie vegetal: Senna alexandrina Miller (sene), Cassia fistula (cássia). Partes utilizadas:

Leia mais

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier Palavras-Chave: Destinatários Médicos dos ACES da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Dr.ª Sandra Ferreira, Dr.ª Carla Loureiro, Dr. Pascoal Moleiro Aprovação Diretor do Serviço Dr.

Leia mais

1 Squibb Farmacêutica S.A. - Uso E Reprodução Proibidos

1 Squibb Farmacêutica S.A. - Uso E Reprodução Proibidos MODELO DE TEXTO DE BULA PARA OMCILON-A EM ORABASE BRISTOL-MYERS SQUIBB OMCILON-A acetonida de triancinolona em base emoliente para uso odontológico Em orabase APRESENTAÇÃO OMCILON-A EM ORABASE é apresentado

Leia mais

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO OVÁRIO E ÚTERO Ovariosalpingohisterectomia Cesariana Ovariosalpingohisterectomia Indicações Inibição do ciclo estral Distúrbios

Leia mais

GUIÕES. É um inquérito de Bem-Estar, onde é medido o IMC, a necessidade proteica de cada pessoa e o Índice Metabólico em Repouso.

GUIÕES. É um inquérito de Bem-Estar, onde é medido o IMC, a necessidade proteica de cada pessoa e o Índice Metabólico em Repouso. GUIÕES Uma Avaliação de Bem-Estar GRÁTIS Tudo bem contigo? Estou a ligar-te porque iniciei um novo part-time, numa grande empresa da área do Bem-Estar, e como estou a iniciar deram-me a possibilidade de

Leia mais

NOME: Cirurgia II. Código: CIR015. Carga horária: 150 horas. Créditos: 10. Período do curso: 6º período

NOME: Cirurgia II. Código: CIR015. Carga horária: 150 horas. Créditos: 10. Período do curso: 6º período NOME: Cirurgia II Código: CIR015 Carga horária: 150 horas Créditos: 10 Período do curso: 6º período Pré-requisitos: Cirurgia I; Clínica Médica II; Pediatria II; Anatomia Patológica I EMENTA PLANO DE ENSINO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:Prof. Massuyuki Kawano Código: 136 Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação: Auxiliar

Leia mais

Orientações domiciliares para paciente com. Nutrição Enteral

Orientações domiciliares para paciente com. Nutrição Enteral Orientações domiciliares para paciente com Nutrição Enteral Comissão de Suporte Nutricional Serviço de Nutrologia Serviço de Nutrição e Dietética Serviço de Enfermagem Programa de Apoio à Família do Seped

Leia mais

Tumores Neuroendócrino do Pâncreas - Tratamento cirúrgico dos insulinomas pancreáticos

Tumores Neuroendócrino do Pâncreas - Tratamento cirúrgico dos insulinomas pancreáticos Tumores Neuroendócrino do Pâncreas - Tratamento cirúrgico dos insulinomas pancreáticos Dr. José Jukemura Assistente Doutor da Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo FMUSP Classificação WHO 2004 TEBD-PB

Leia mais

Desnutrição na Adolescência

Desnutrição na Adolescência Desnutrição na Adolescência Adolescência CRIANÇA Desnutrição Anorexia/Bulimia Obesidade / Diabetes ADULTO Dietas não convencionais e restritivas Deficiência de ferro Cálcio, vitamina A, zinco, Vitamina

Leia mais

Graduação. Áreas de Atuação do profissional de nutrição. Áreas de Atuação do Nutricionista

Graduação. Áreas de Atuação do profissional de nutrição. Áreas de Atuação do Nutricionista Graduação Áreas de Atuação do profissional de nutrição Áreas de Atuação do Nutricionista Apesar das diversidades de seu campo de atuação, as principais áreas de atuação do profissional nutricionista têm

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 ENFERMAGEM NOS CUIDADOS INTEGRAIS AO ADULTO E IDOSO NO PERÍODO PERI OPERATÓRIO Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina(s): Local: Campos de Observação: Profissional responsável

Leia mais