TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF"

Transcrição

1 TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF

2 TRAUMA Definição: Problema de saúde pública Principais causas: acidentes e violência Evolução e prognóstico Gravidade

3 CIRURGIA TRAUMA INFLAMAÇÃO RESPOSTA IMEDIATA AO TRAUMA Resistência à insulina Vias anabólicas inibidas favorecendo a mobilização de substratos Proteólise muscular

4 PRÉ- OPERATÓRIO A TN em cirurgias de grande porte reduz as complicações, como deiscência de feridas e vazamento anastômico Jejum prolongado traz prejuízos Indicação: - Cirurgias eletivas: jejum de 6 horas para sólidos e - 2 horas para líquidos com carboidratos (12,5% em volume de 200 a 400 ml) A TNE recomenda a pacientes com desnutrição moderada a grave por um período de 7 a 14 dias.

5 Terapia Nutricional no Pós-operatório Evidências x cuidados tradicionais Jejum de por mais 24 horas - sem evidência Jejum prolongado ou restrição calórica perpetuam a perda proteica Pode desenvolver desnutrição associada à lesão ou doença aguda

6 Terapia Nutricional no Pós-operatório Condições do paciente no pós-operatório: 1. Avaliação Nutricional do paciente no pré-operatório 2. Grau de estresse da cirurgia 3. Região operada 4. Procedimento cirúrgico realizado

7 Terapia Nutricional no Pós-operatório Dieta líquida reinício da alimentação, dependendo do procedimento (anastomoses) a líquida restrita é recomendada Colecistectomia e herniorrafias reiniciar de 6 a 12 horas a dieta pastosa, principalmente em videolaparoscópicas Gastrectomias parciais pode ser iniciada dieta líquida após 24 horas

8 Terapia Nutricional no Pós-operatório Esofagectomias Gastrectomias totais Duodenopancreatectomias sonda nasogástricas, nasoenterais jejunostomias distais a anastomose.

9 Terapia Nutricional no Pós-operatório Quando iniciar? Retorno da peristalse intestinal

10 Cirurgias de cabeça e pescoço Tratamento individualizado Iniciar TNE o paciente não consegue se alimentar ou não atingirá 60% das necessidades por 7 a 10 dias Uso de imunotrição (grau de evidência A)

11 Cirurgias de câncer do trato digestório A terapia nutricional pré-operatória é fundamental A perda de peso e desnutrição 2/3 dos pacientes Suplementos via oral ou TNE Diminuição das complicações PO Tempo de internação Mortalidade

12 Cirurgias de câncer do trato digestório Objetivos Nutricionais (DITEN, 2011; INCA,2011): Evitar a desnutrição ou minimizar seus efeitos Modular a resposta orgânica Controlar os efeitos adversos ao tratamento oncológico Imunomodulação Melhora do estresse oxidativo Melhora dos resultados no PO Diminui a incidência de complicações infecciosas Tempo de internação

13 Cirurgias de câncer do trato digestório Terapia Nutricional: Via oral mais fisiológica Suplementos sempre indicado NE x NP (Gabor et al,2005) Acelera peristaltismo intestinal

14 Cirurgias de câncer do trato digestório Imunomoduladores (arginina, glutamina, ômega -3, nucleotídeos e antioxidantes) 7 a 14 dias do pré-operatório. (DITEN) Melhora resposta imunológica Oxigenação intestinal e microperfusão Menor taxa de infecção

15 Fístulas Digestivas Tratamento: Corrigir distúrbios hidroeletrolíticos Identificar e tratar processo infeccioso Reduzir e controlar o débito Proteger a pele Planejar e estimular o suporte nutricional

16 Fístulas Digestivas Considerações: NPT mais indicado para fístulas de alto débito Fístulas esofágicas pode ser utilizado NE quando há possibilidade de passar a sonda Utilizar NE para estimular o trofismo intestinal O reinício de dieta oral depende da diminuição do débito. Iniciando líquida restrita e evoluindo de acordo com a aceitação

17 Úlceras por pressão (UPP) e Cicatrização de feridas Estado Nutricional Proteína: importante na cicatrização, melhorar a função imune e manter a massa corporal magra

18 TCE e Politraumatismo Nutrição precoce até 48 após internação SNG devido rapidez e facilidade na colocação calorias/kg de peso/dia para TCE moderado a grave calorias/kg de peso/dia quando estável Proteína: 1,2-2,0 g/kg

19 Inflamação Fase Ebb Duração média 48 horas Tentativa de manter a homeostasia Normo ou hipometabolismo

20 Inflamação Fase Flow Predomina o catabolismo Degradação das reservas proteicas Aumento da atividade metabólica Aumento do gasto calórico

21 Inflamação objetivo da TN: Minimizar o catabolismo Impedir a desnutrição ou que se agrave

22 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL TRIAGEM NUTRICIONAL NRS (Nutritional Risk Screening),2002 MAN (Mini Avaliação Nutricional) ASG

23 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NRS,2002 Rápido, simples e prever riscos associados a desnutrição Avaliar os pacientes que se beneficiam da TN Deve ser realizada em até 72 horas após a internação Validado pela ESPEN,2003 Inclui gravidade da doença e alterações do estado clínico Pode adiar a cirurgia em acordo com a equipe médica

24 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL Exame físico História dietética Dados antropométricos Exames laboratoriais

25 Necessidades calóricas e proteicas Individualizada através de fórmulas Bolso de bolso Harris Benedict

26 Suplemento em dieta oral Pré-operatório de cirurgias de grande porte e em pacientes em risco nutricional, de 7 a 14 dias (DITEN) Pacientes oncológicos em risco de desnutrição ou risco nutricional, mantido até as necessidades atinjam 75% (consenso INCA) Quando a dieta oral é incapaz de suprir as necessidades

27 Terapia Nutricional Protocolos de atendimento nutricional Pré-operatório Pós-operatório

28 OBRIGADA!

29

Prof a. Ms. Francine Perrone CONDUTA NUTRICIONAL NO PACIENTE CRÍTICO

Prof a. Ms. Francine Perrone CONDUTA NUTRICIONAL NO PACIENTE CRÍTICO Prof a. Ms. Francine Perrone CONDUTA NUTRICIONAL NO PACIENTE CRÍTICO Paciente crítico Paciente que requer cuidados intensivos Risco eminente de morte São os pacientes que mais utilizam a terapia nutricional.

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

Título principal. Modelo_3. Texto

Título principal. Modelo_3. Texto Acompanhamento nutricional de pacientes de Cabeça e Pescoço Vitor Modesto Rosa Aspectos nutricionais da doença Câncer Tipo Localização Estágio Tratamento Radioterapia Sintomas Alteração no paladar Boca

Leia mais

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA Avaliação, diagnóstico e acompanhamento do paciente no pré e pós operatório REALIZAÇÃO APOIO JUSTIFICATIVA É crescente

Leia mais

REDUÇÃO & REEDUCAÇÃO PROGRAMA DE EMAGRECIMENTO

REDUÇÃO & REEDUCAÇÃO PROGRAMA DE EMAGRECIMENTO Go Mag R do o Os Efeitos negativos da Obesidade na sua saúde e na sua vida: Menor expectativa de vida Baixa autoestima Mobilidade limitada Problemas nas articulações Ataque cardíaco Pressão alta 2R QUE

Leia mais

Influência do Câncer no Estado Nutricional. UNIFESP Profa. Dra. Nora Manoukian Forones Setor de Oncologia Disciplina de Gastroenterologia Clínica

Influência do Câncer no Estado Nutricional. UNIFESP Profa. Dra. Nora Manoukian Forones Setor de Oncologia Disciplina de Gastroenterologia Clínica Influência do Câncer no Estado Nutricional UNIFESP Profa. Dra. Nora Manoukian Forones Setor de Oncologia Disciplina de Gastroenterologia Clínica Caquexia Definição: Síndrome multifatorial caracterizada

Leia mais

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci Nutrição Aplicada à Educação Física Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci ARROZ 100 gramas CÁLCULO DE DIETA CH 25,1 PT 2,0 Lip 1,2 Consumo 300 gramas 100 gr

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 386/2013. Assunto: NUTRISON SOYA NATS GL. Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora SOLICITANTE

RESPOSTA RÁPIDA 386/2013. Assunto: NUTRISON SOYA NATS GL. Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora SOLICITANTE RESPOSTA RÁPIDA 386/2013 Assunto: NUTRISON SOYA SOLICITANTE Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora NÚMERO DO PROCESSO 13 008656-8 DATA 26/11/2013 SOLICITAÇÃO Para fins

Leia mais

Manual para prescrição de dietas

Manual para prescrição de dietas Manual para prescrição de dietas Índice 5 6 7 8 9 10 11 12 13 Introdução Dieta Geral Dieta Branda Dieta Pastosa Dieta Leve Dieta Cremosa Dieta Líquida Dieta Líquida sem Resíduos Dieta Líquida de Prova

Leia mais

JEJUM PRÉ-ANESTÉSICO E OPERATÓRIO. Localizador: Data: Vigência: Revisão: Página: HND.ANT.POP /5

JEJUM PRÉ-ANESTÉSICO E OPERATÓRIO. Localizador: Data: Vigência: Revisão: Página: HND.ANT.POP /5 HND.ANT.POP.002 20.10.2015 20.10.2017 01 1 /5 1. FINALIDADE Este procedimento tem como objetivo estabelecer regras e normas para orientar a realização do jejum pré-anestésico visando redução dos riscos

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto HIPERÊMESE GRAVÍDICA Msc. Roberpaulo Anacleto Introdução A ocorrência ocasional de náuseas e vômitos até 14 semanas de gestação, mais comum no período da manhã, é rotulada como êmese gravídica e pode ser

Leia mais

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica PANCREATITE AGUDA ETIOLOGIA Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÃO CLÍNICA CRITÉRIOS PROGNÓSTICOS Ranson Na admissão: Idade > 55 anos Leucócitos > 1600 N uréico aumento

Leia mais

TOP 10 RAZÕES PARA BEBER GEL DE ALOE VERA

TOP 10 RAZÕES PARA BEBER GEL DE ALOE VERA TOP 10 RAZÕES PARA BEBER GEL DE ALOE VERA Gel de Aloe Vera Imagine cortar uma folha de babosa e consumir o gel diretamente da planta. Um produto certificado pela Forever Living, o Aloe Vera Gel está tão

Leia mais

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin NUTRIÇÃO??? A nutrição é a ciência que estuda a composição dos alimentos e as necessidades nutricionais do indivíduo,

Leia mais

CIRURGIA PERIODONTAL

CIRURGIA PERIODONTAL Disciplina de Periodontia 5 o período CIRURGIA PERIODONTAL Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 Tratamento completo do paciente com doença periodontal: FASES DA TERAPIA

Leia mais

Contribuições da Consulta Pública sobre Agente imunomodulador (Impact ) para uso no pré-operatório - CONITEC

Contribuições da Consulta Pública sobre Agente imunomodulador (Impact ) para uso no pré-operatório - CONITEC Contribuições da Consulta Pública sobre Agente imunomodulador (Impact ) para uso no pré-operatório - CONITEC Dt. contrib. Contribuiu como Descrição da contribuição Referência 06/10/2015 Interessado no

Leia mais

Sumário Detalhado. PARTE I Gerenciamento de riscos 21. PARTE II Patologia da lesão esportiva 177. Capítulo 4 Equipamento de proteção 116

Sumário Detalhado. PARTE I Gerenciamento de riscos 21. PARTE II Patologia da lesão esportiva 177. Capítulo 4 Equipamento de proteção 116 Sumário Detalhado PARTE I Gerenciamento de riscos 21 Capítulo 1 Técnicas de condicionamento 22 A relação entre os fisioterapeutas esportivos e os preparadores físicos 23 Princípios do condicionamento 23

Leia mais

Análise do tempo de jejum inadequado em pacientes admitidos na UTI de um hospital oncológico

Análise do tempo de jejum inadequado em pacientes admitidos na UTI de um hospital oncológico Análise do tempo de jejum inadequado em pacientes admitidos na UTI de um hospital oncológico Juliana Corrêa do NASCIMENTO¹, juliana.nascimento@hotmail.com; Elaine ESTEVAM 1 ; Ana Carolina Ferreira FÉLIX

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES Dra Fabrícia de Oliveira Assis Cantadori Cardiologista do HUJM Cuiabá, maio de 2015 UFMT PREVENÇÃO É procurar e utilizar métodos para prevenir doenças e/ou suas complicações,

Leia mais

Patricia Santiago Carvalho Grasiela Scavassa Costa Suelen Catarino Sampaio

Patricia Santiago Carvalho Grasiela Scavassa Costa Suelen Catarino Sampaio Patricia Santiago Carvalho Grasiela Scavassa Costa Suelen Catarino Sampaio Santos Dumont Hospital Média e alta complexidade Inaugurado em 2009 10 leitos UTI geral 10 leitos UCO 69 leitos de internações

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA O CARGO EFETIVO DE PROFESSOR DA CARREIRA DE MAGISTÉRIO PROVA ESCRITA. Áreadeconcurso:

CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA O CARGO EFETIVO DE PROFESSOR DA CARREIRA DE MAGISTÉRIO PROVA ESCRITA. Áreadeconcurso: P grad Pró-reitona de Graduação UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA O CARGO EFETIVO DE PROFESSOR DA CARREIRA DE MAGISTÉRIO SUPERIOR EDITAL Nº

Leia mais

Izabela Alves Gomes Nutricionista UERJ Mestranda em Alimentos e Nutrição - UNIRIO

Izabela Alves Gomes Nutricionista UERJ Mestranda em Alimentos e Nutrição - UNIRIO Izabela Alves Gomes izabela.nut@gmail.com Nutricionista UERJ Mestranda em Alimentos e Nutrição - UNIRIO Rio de Janeiro - 2016 É considerado vegetariano todo aquele que exclui de sua alimentação todos os

Leia mais

Edital 08/2015 Processo Seletivo para Residência Multiprofissional Nutrição Data: 29/01/2016

Edital 08/2015 Processo Seletivo para Residência Multiprofissional Nutrição Data: 29/01/2016 Edital 08/2015 Processo Seletivo para Residência Multiprofissional Nutrição Data: 29/01/2016 Leia com atenção estas instruções gerais antes de realizar a prova. 1. Confira os dados impressos neste caderno

Leia mais

Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição

Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição glicose

Leia mais

SUPORTE NUTRICIONAL NO QUEIMADO

SUPORTE NUTRICIONAL NO QUEIMADO Prefeitura Municipal de Fortaleza Instituto Dr. José Frota Centro de Tratamentos Queimados Unidade de Nutrição e Dietética SUPORTE NUTRICIONAL NO QUEIMADO Ricardo Vasconcelos de Oliveira, MSc ricardo.fortaleza@hotmail.com

Leia mais

17/10/2010. Você tem certeza que isso é suficiente? Mirtallo et al., 2004; Sriram & Lonchyna, 2009; Visser, ANVISA, 2005; DRI Otten et al.

17/10/2010. Você tem certeza que isso é suficiente? Mirtallo et al., 2004; Sriram & Lonchyna, 2009; Visser, ANVISA, 2005; DRI Otten et al. ESTRATÉGIAS PARA OTIMIZAR OS BENEFÍCIOS E MINIMIZAR OS RISCOS EM TN Aporte de vitaminas e minerais e Minerais: O Excesso e a Falta na Recuperação do Paciente Helena Sampaio Você tem certeza que isso é

Leia mais

1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE

1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE Título 1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE Classificação 2.SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM E OS MODELOS ORGANIZACIONAIS:

Leia mais

Nutrição para a beleza dos cabelos através dos alimentos

Nutrição para a beleza dos cabelos através dos alimentos Beleza não põe mesa, Ou seja, aparência não é tudo. Mas é na mesa que a beleza começa. Ciência da nutrição visa Melhor aparência física e a saúde do paciente; Trata ou ameniza o envelhecimento cutâneo;

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 17:00

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 17:00 NUTRIçãO E SUPLEMENTAçãO NO DESPORTO (SET 2016) LISBOA A nutrição é um dos fatores com maior peso na saúde e, aliada à atividade física, contribui para a manutenção de um peso e composição corporal adequados,

Leia mais

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica.

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Enf. Ana Paula de Mattos Coelho Hemodinâmica - Hospital TotalCor E-mail: acoelho@totalcor.com.br Joint Commission Acreditação do atendimento hospitalar;

Leia mais

Material de orientação para o cuidador do paciente com doença de Alzheimer Vol. III.

Material de orientação para o cuidador do paciente com doença de Alzheimer Vol. III. Material de orientação para o cuidador do paciente com doença de Alzheimer Vol. III www.drmoksha8.com.br Fase avançada da doença de Alzheimer Dr. Renato Anghinah Doutor em Neurologia pela Faculdade de

Leia mais

Prática Clínica Nutrição Esportiva

Prática Clínica Nutrição Esportiva Estratégias nutricionais para perda, manutenção e ganho de peso Profa. Raquel Simões Prática Clínica Nutrição Esportiva Manutenção do peso Saúde Desempenho esportivo Perda de peso (mais comum) Estética

Leia mais

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Currículo Disciplina Carga Horária Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Assistência de Enfermagem a Criança a ao Adolescente Grave ou de Risco Estágio

Leia mais

NUTRIÇÃO. Problemas nutricionais associados à pobreza: Desnutrição /Hipovitaminose / Bócio

NUTRIÇÃO. Problemas nutricionais associados à pobreza: Desnutrição /Hipovitaminose / Bócio NUTRIÇÃO NUTRIÇÃO Problemas nutricionais associados à pobreza: Desnutrição /Hipovitaminose / Bócio Problemas nutricionais associados à hábitos alimentares inadequados: Dislipdemias / Anemia / Obesidade

Leia mais

Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC

Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC Hospital Santa Isabel 22.900m² de área construída. N total de leitos: 250. 20 leitos provisórios

Leia mais

O que é e para que serve a Próstata

O que é e para que serve a Próstata O que é e para que serve a Próstata A próstata é uma glândula que faz parte do aparelho genital masculino. Está localizada abaixo da bexiga, atravessada pela uretra. Seu tamanho e forma correspondem a

Leia mais

A fase inicial do câncer de próstata apresenta uma evolução silenciosa e não causa sintomas, mas alguns sinais merecem atenção:

A fase inicial do câncer de próstata apresenta uma evolução silenciosa e não causa sintomas, mas alguns sinais merecem atenção: Novembro Azul O movimento mundialmente conhecido como Novembro Azul ou Movember visa conscientizar os homens sobre a importância da prevenção do câncer de próstata e tem o bigode como símbolo adotado para

Leia mais

CONDUTAS E REABILITAÇÃO NA DISFAGIA OROFARÍNGEA. Priscila Watson Ribeiro Serviço de Fonoaudiologia do HCFMB

CONDUTAS E REABILITAÇÃO NA DISFAGIA OROFARÍNGEA. Priscila Watson Ribeiro Serviço de Fonoaudiologia do HCFMB CONDUTAS E REABILITAÇÃO NA DISFAGIA OROFARÍNGEA Priscila Watson Ribeiro Serviço de Fonoaudiologia do HCFMB Informações importantes - Qual a patologia/ diagnóstico médico - Manifestações observadas na avaliação

Leia mais

Solicitante Dr. Eduardo Soares de Araujo - 2ª Vara da Comarca de Andradas Numeração :

Solicitante Dr. Eduardo Soares de Araujo - 2ª Vara da Comarca de Andradas Numeração : NT 19/2012 Data: 20/11/2012 Medicamento Material Procedimento Cobertura X Solicitante Dr. Eduardo Soares de Araujo - 2ª Vara da Comarca de Andradas Numeração : TEMA: Emprego de fórmulas alimentares Cubitan,

Leia mais

OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL!

OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL! OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL! 17 de Outubro a 2 de Novembro Exposição promovida pelo Serviço de Ginecologia do HNSR EPE OSTEOPOROSE: O QUE É? Osteoporose significa "osso poroso". É uma doença que se

Leia mais

1. Sumário. Data: 29/04/2013 NOTA TÉCNICA 60/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura

1. Sumário. Data: 29/04/2013 NOTA TÉCNICA 60/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 60/2013 Solicitante Juiz Dr. Flávio Moreira Barros 1ª Vara Cível de Passos Data: 29/04/2013 Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura SUMÁRIO 1. Sumário 2. Resumo executivo... 2

Leia mais

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina Informações Técnicas OMELETE DE CLARAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Albumina O omelete trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na porção. Uma excelente alternativa

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 17:00

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 17:00 NUTRIçãO E SUPLEMENTAçãO NO DESPORTO (OUT 2015) PORTO A nutrição é um dos fatores com maior peso na saúde e, aliada à atividade física, contribui para a manutenção de um peso e composição corporal adequados,

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 PLANO DE ENSINO

CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 PLANO DE ENSINO CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 DISCIPLINA: ENFERMAGEM NA SAUDE DO ADULTO I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: Estudar o estado de doença do indivíduo em sua fase adulta. Intervir adequadamente

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck Introdução O seguimento ambulatorial dos recém-nascidos (RN), iniciando até 7 dias após a alta hospitalar, é importante

Leia mais

Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia

Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia N i i l d d d b d Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia Câncer de próstata :malignidade mais diagnosticada em homens Incontinência urinária afeta diretamente qualidade de vida Cirurgia:

Leia mais

Avaliação da Composição Corporal. Profª Tatianne Estrela

Avaliação da Composição Corporal. Profª Tatianne Estrela Avaliação da Composição Corporal Profª Tatianne Estrela Constituição, Tamanho e Composição Corporais Constituição: Muscularidade; Linearidade; Gordura. Tamanho: Estatura; Massa. Constituição, Tamanho e

Leia mais

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DIETAS ENTERAIS

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DIETAS ENTERAIS TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS 82026 82025 82021 MEDICAMENTOS NUTRICAO, NUTRICAO ENTERAL, HIPERCALORICA, OLIGOMERICA, COM PROTEINA DE ORIGEM ANIMAL HIDROLISADA. ISENTA DE SACAROSE, LACTOSE E GLUTEN. PRINCIPIO/CONCENTRACAO1:

Leia mais

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO 1. TRIAGEM SOROLÓGICA - É recomendada a realização de teste anti-hiv com aconselhamento e com consentimento para todas as gestantes na primeira consulta pré-natal; - Enfatiza-se

Leia mais

Medicina preventiva em cães

Medicina preventiva em cães Medicina preventiva em cães Os animais saudáveis desempenham um papel muito importante na atividade da clínica durante um tempo de vida médio de 12 anos, o animal é levado à consulta 10 a 15 vezes por

Leia mais

Uso da Irrigação Intestinal: como fazer e quando indicar

Uso da Irrigação Intestinal: como fazer e quando indicar III SIMPÓSIO SOBRE FERIDAS E ESTOMAS EM PACIENTE ONCOLÓGICOS A.C. CAMARGO Uso da Irrigação Intestinal: como fazer e quando indicar Talita de Lima Pedro Enfermeira Estomaterapeuta Departamento de Estomaterapia

Leia mais

Bexiga Neurogênica por TRM. Alfredo Felix Canalini

Bexiga Neurogênica por TRM. Alfredo Felix Canalini Bexiga Neurogênica por TRM Alfredo Felix Canalini TRM Mortalidade 1 a guerra 80% Morton (1901) Elsberg (1913) Ludwig Guttmann 1939 1944 (Trueta) 1948 Donald Munro (1947) 2 a guerra 45% Guerra da Coréia

Leia mais

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas Dieta Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas particulares. Contudo, popularmente, o emprego da palavra

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS Acadêmica de medicina: Jéssica Stacciarini Liga de diabetes 15/04/2015 Benefícios do exercício físico em relação ao diabetes mellitus:

Leia mais

As fases de cura das feridas incluem hemostasia, inflamação, proliferação e remodelamento (1).

As fases de cura das feridas incluem hemostasia, inflamação, proliferação e remodelamento (1). Suporte nutricional para cura de feridas Cura das lesões em menor período de tempo (1) A cicatrização de úlceras/feridas envolve uma série complexa de interações entre diferentes tipos celulares, mediadores

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução otológica - Frasco com 10 ml, provido de conta-gotas.

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução otológica - Frasco com 10 ml, provido de conta-gotas. Lidosporin lidocaína 43,4 mg/ml sulfato de polimixina B 10.000 UI/ml Solução otológica FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução otológica - Frasco com 10 ml, provido de conta-gotas. USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Informações Técnicas SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Proteína de ervilha A sopa de ervilha trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na

Leia mais

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A número 08 - agosto/2015 DECISÃO FINAL RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é

Leia mais

NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA

NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA Ementa Nutrição na atividade física: A atividade física na promoção da saúde e na prevenção e recuperação da doença. Bases da fisiologia do exercício e do metabolismo energético

Leia mais

Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória

Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória 1. Anatomia e fisiologia do sistema cardiorrespiratório Egan. 1 ed. São Paulo: Manole, 2000. (Seção 3, caps.7 e 8) WEST, J.B. Fisiologia respiratória

Leia mais

NERVITON MEGA Ômega Vitaminas + 8 Minerais

NERVITON MEGA Ômega Vitaminas + 8 Minerais M.S. 6.6969.0023.001-6 NERVITON MEGA Ômega 3 + 13 Vitaminas + 8 Minerais NERVITON MEGA é um produto inovador no Brasil, pois possui em sua fórmula o óleo de peixe ( ÔMEGA 3 ) e diversas vitaminas e minerais

Leia mais

Plano de ensino. 1) Identificação Curso

Plano de ensino. 1) Identificação Curso Plano de ensino 1) Identificação Curso Nutrição Disciplina Fisiopatologia e Dietoterapia II Carga horária 136h Semestre letivo 1 /2012 Professores Cristina M. Bragança de Moraes (Anne y Castro) e Thiago

Leia mais

A campanha Mude de Lado e Evite a Pressão, realizada em 19 de novembro, conta com o apoio da Associação Brasileira de Estomaterapia Estomias, Feridas

A campanha Mude de Lado e Evite a Pressão, realizada em 19 de novembro, conta com o apoio da Associação Brasileira de Estomaterapia Estomias, Feridas A campanha Mude de Lado e Evite a Pressão, realizada em 19 de novembro, conta com o apoio da Associação Brasileira de Estomaterapia Estomias, Feridas e Incontinências (SOBEST). Tem por objetivo conscientizar

Leia mais

COMO CHEGAR De metro: estação Saldanha (linha amarela ou vermelha), ou estação S. Sebastião (linha Azul ou vermelha)

COMO CHEGAR De metro: estação Saldanha (linha amarela ou vermelha), ou estação S. Sebastião (linha Azul ou vermelha) NUTRIçãO E SUPLEMENTAçãO NO DESPORTO (MAR 2016) LISBOA A nutrição é um dos fatores com maior peso na saúde e, aliada à atividade física, contribui para a manutenção de um peso e composição corporal adequados,

Leia mais

Ovos Além de poucas calorias, os ovos contêm mais de 12 vitaminas e minerais e ainda uma quantidade nada desprezível de proteínas, substância

Ovos Além de poucas calorias, os ovos contêm mais de 12 vitaminas e minerais e ainda uma quantidade nada desprezível de proteínas, substância Ovos Além de poucas calorias, os ovos contêm mais de 12 vitaminas e minerais e ainda uma quantidade nada desprezível de proteínas, substância essencial para a intensa produção de células que acontece no

Leia mais

número 29 - setembro/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 29 - setembro/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 29 - setembro/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS INSULINAS ANÁLOGAS RÁPIDAS NO TRATAMENTO DO DIABETES MELLITUS

Leia mais

Descrição do produto. Categoria Fiscal ANVISA. MS: RDC 27/2010 / Anexo 1. Características. Pó de cor bege-marrom, solúvel em água.

Descrição do produto. Categoria Fiscal ANVISA. MS: RDC 27/2010 / Anexo 1. Características. Pó de cor bege-marrom, solúvel em água. Vida Forte Ind. e Com. de Prod. Naturais Ltda. Descrição do produto Ficha Técnica de TERMO PLUS Sabores: Frutas Vermelhas Laranja Limão Termo Plus é um produto para auxiliar na redução de gordura com ingredientes

Leia mais

Terapia Nutricional nas Doenças do Trato

Terapia Nutricional nas Doenças do Trato Terapia Nutricional nas Doenças do Trato Gastrointestinal Raquel Bessa Nutricionista CRN6 12246 Um pouco sobre a minha trajetória... 2005 2008 2009 2012 12/13 Início da Graduação em Nutrição - UNIFOR Estágio

Leia mais

Minha Saúde Análise Detalhada

Minha Saúde Análise Detalhada MODELO DE RELATÓRIO / Identificação de cliente: 1980M32 Data: 07/03/2016 Seu Peso = 79,0 kg Minha Saúde Análise Detalhada Seu peso está na categoria: Saudável sua altura é 180 cm, você tem 35 anos de idade

Leia mais

D e s n u t r i ç ã o. Prof. Orlando Antônio Pereira Pediatria e Puericultura FCM - UNIFENAS

D e s n u t r i ç ã o. Prof. Orlando Antônio Pereira Pediatria e Puericultura FCM - UNIFENAS D e s n u t r i ç ã o Prof. Orlando Antônio Pereira Pediatria e Puericultura FCM - UNIFENAS O estado nutricional de uma população é um excelente indicador de sua qualidade de vida, espelhando o modelo

Leia mais

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA Omero Francisco Bertol 1,2, Percy Nohama 1, Deborah Ribeiro Carvalho 3

Leia mais

Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais

Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais - Princípios cirúrgicos básicos: assepsia/antissepsia; pré, trans e pós-operatório; instrumentação cirúrgica; fundamentos em esterilização

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CRONOGRAMA DE EXTENSÃO 2013

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CRONOGRAMA DE EXTENSÃO 2013 CURSO: BIOFÍSICA FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST MINISTRANTE: Prof. Drª. Adriana Leandro Camara PÚBLICO ALVO: Alunos da área de saúde: Cursos de Fisioterapia,Nutrição,Terapia Ocupacional,Fonoaudiologia,Enfermagem,Farmácia,Odontologia

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO DO PROTOCOLO E O IMPACTO NO RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE X MORTALIDADE

REESTRUTURAÇÃO DO PROTOCOLO E O IMPACTO NO RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE X MORTALIDADE REESTRUTURAÇÃO DO PROTOCOLO E O IMPACTO NO RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE X MORTALIDADE Autores: Enf. Izabela Tortoza Enf. Luciane Torrano Dr. Marcelo Nunes Superintendência de Recursos Próprios O QUE

Leia mais

Sarcopenia e Risco Cardiovascular Fernanda S. Bortolon CRN

Sarcopenia e Risco Cardiovascular Fernanda S. Bortolon CRN Sarcopenia e Risco Cardiovascular Fernanda S. Bortolon CRN-2 6210 Envelhecimento da População Projeção da População Brasileira Projeção da População Brasileira Estima-se que, de 1996 a 2025, o percentual

Leia mais

Notícias do Medscape Medical. Diretrizes de avaliação pré-operatória geriátrica emitidas por ACS/AGS Laurie Barclay, MD

Notícias do Medscape Medical. Diretrizes de avaliação pré-operatória geriátrica emitidas por ACS/AGS Laurie Barclay, MD Notícias do Medscape Medical Diretrizes de avaliação pré-operatória geriátrica emitidas por ACS/AGS Laurie Barclay, MD Em 2 de outubro de 2012, o Colégio Americano de Cirurgiões (ACS) e a Sociedade Americana

Leia mais

Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24

Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24 Componente: Teórica AULA n.º: 1 Turno n.º: 0 Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24 Dia 16-09-2014 das 14:00 às 17:00 Local: SJ2C25 - Auditório Nutrição

Leia mais

Energia: medidas e. necessidade

Energia: medidas e. necessidade Energia: medidas e necessidade Bioenergética Energia é quantitativamente o item mais importante da dieta do animal. Todos os padrões alimentares se baseiam nas necessidades energéticas. Definição => energia

Leia mais

Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A, H1N1, Influenza A

Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A, H1N1, Influenza A Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A, H1N1, Influenza A H3N2 e Influenza B): ALERTAMOS QUE OS ÓBITOS RESIDENTES

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO Maputo 11 de Novembro de 2015

PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO Maputo 11 de Novembro de 2015 PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO 2015-2018 Maputo 11 de Novembro de 2015 Conteúdo 1. Conceitos Básicos 2. Contextualização 3. Análise da situação e Justificação 4. Visão e

Leia mais

Visão clínica: desregulação epigenética. Há como reverter o fenótipo (obesidade e crescimento)?

Visão clínica: desregulação epigenética. Há como reverter o fenótipo (obesidade e crescimento)? Visão clínica: desregulação epigenética. Há como reverter o fenótipo (obesidade e crescimento)? Cristiane Kochi Profa Adjunta da FCMSCSP Desnutrição ou ganho ponderal aumentado na gestação PIG GIG DCNT

Leia mais

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A Bioquímica Da Célula Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A importância da água em nossa vida A água é indispensável para o nosso planeta. Foi através dela que surgiram as primeiras

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA AUTO APLICAÇÃO DE INSULINA

ORIENTAÇÕES PARA AUTO APLICAÇÃO DE INSULINA rte INFORMAÇÕES GERAIS Em caso de dúvidas, alterações no estado de saúde do paciente, você pode entrar em contato com o Ambulatório da ALA I do HUSM através do telefone 3220 8538. Telefones úteis: Bombeiros:

Leia mais

Dra Letícia Guimarães

Dra Letícia Guimarães Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica Residência em Dermatologia

Leia mais

Atualização em Feridas Atenção Multiprofissional no Tratamento

Atualização em Feridas Atenção Multiprofissional no Tratamento Atualização em Feridas Atenção Multiprofissional no Tratamento O Manejo Adequado das Estomias ET Eduardo Bittencourt Tenório Pós-Graduado em Estomias, Feridas e Incontinências Professor de Pós-Graduação

Leia mais

Hemato-Oncologia Pediátrica, Coordenadora da UMAD Ana Paula Fernandes Assistente Hospitalar Graduada Pediatria, Unidade de

Hemato-Oncologia Pediátrica, Coordenadora da UMAD Ana Paula Fernandes Assistente Hospitalar Graduada Pediatria, Unidade de es d n a n r la Fe u a P a An ilva S s e d esen R é r d An de nidade U, a i r t a edi MA D uada P ra da U d o a r d a G n r e ord itala ica, Co e Hosp t r t n á e i t d s i e úde A ss logia P ista Sa l

Leia mais

CH Setúbal, EPE - Hospital de S. Bernardo

CH Setúbal, EPE - Hospital de S. Bernardo Histórico do rating CH Setúbal, EPE - Hospital de S. Bernardo Dimensão Excelência Clínica Área de Ortopedia Artroplastias da Anca e Joelho e Fraturas proximais do fémur Alteração de apresentação da área

Leia mais

PROGRAMA PRELIMINAR DIA 4/4 SEXTA- FEIRA SALA COPACABANA 1

PROGRAMA PRELIMINAR DIA 4/4 SEXTA- FEIRA SALA COPACABANA 1 PROGRAMA PRELIMINAR DIA 4/4 SEXTA- FEIRA SALA COPACABANA 1 8:00 9:20h: Mesa Redonda: Diminuindo Risco Nutricional em Cirurgia Moderador: Dr. Eduardo Rocha (RJ) 1. Triagem e avaliação nutricional no doente

Leia mais

SEÇÃO 1 IMPORTÂNCIA DO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E DE SUA PREVENÇÃO

SEÇÃO 1 IMPORTÂNCIA DO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E DE SUA PREVENÇÃO SEÇÃO 1 Capítulo 1 IMPORTÂNCIA DO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E DE SUA PREVENÇÃO 1 Epidemiologia da prevenção do acidente vascular cerebral e urgência do tratamento 2 Introdução / 2 Incidência e prevalência

Leia mais

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana.

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. : 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. Conteúdo: Doenças relacionadas ao sedentarismo Diabetes. Doenças relacionadas ao sedentarismo Hipertensão arterial e dislipidemias. Habilidades:

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

PROTOCOLO DE GERENCIAMENTO DE SEPSE 11- INSTRUÇÕES MULTIPROFISSINAIS ESPECÍFICAS: TIPO DE INSTRUÇÃO. Primeiras 06 horas

PROTOCOLO DE GERENCIAMENTO DE SEPSE 11- INSTRUÇÕES MULTIPROFISSINAIS ESPECÍFICAS: TIPO DE INSTRUÇÃO. Primeiras 06 horas PROTOCOLO DE GERENCIAMENTO DE SEPSE 11- INSTRUÇÕES MULTIPROFISSINAIS ESPECÍFICAS: EQUIPE TIPO DE INSTRUÇÃO Primeiras 06 horas ü Garantir restauração volêmica imediata (30ml/Kg) em 30 minutos. ü Solicitar

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO

TERMO DE ADJUDICAÇÃO Processo n 1547/2016 Pregão Eletrônico nº. 04/2016 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Os itens do referido certame foi adjudicado pelo Pregoeiro Sr. Edson Carlos Pereira as empresas participantes com valores unitários

Leia mais

SPIRARE +METRUM = MEDIDA DA RESPIRAÇÃO

SPIRARE +METRUM = MEDIDA DA RESPIRAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA E SAÚDE OBJETIVO DA AULA FUNÇÃO PULMONAR ESPIROMETRIA e PICO DE FLUXO EXPIRATÓRIO (PFE) - Definir espirometria e Peak Flow ; - Identificar suas aplicações; -

Leia mais

Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino. Tem uma função exócrina (segregando suco pancreático que contém enzimas digestivas) e

Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino. Tem uma função exócrina (segregando suco pancreático que contém enzimas digestivas) e Projecto Tutorial - Diabetes Trabalho realizado por: Carlos Bernardo 2 º Ano Bioquímica No âmbito da Cadeira de M.E.T. III Ano Lectivo: 2007/2008 Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino.

Leia mais

Câncer de Endométrio Hereditário

Câncer de Endométrio Hereditário Disciplina de Cirurgia Geral e do Aparelho Digestivo Coordenador do Serviço de Cirurgia Oncológica I Disciplina Eletiva de Fundamentos da Cirurgia Oncológica Professor Afiliado Abner Jorge Jácome Barrozo

Leia mais

Terapia Nutricional nas Fístulas Digestivas

Terapia Nutricional nas Fístulas Digestivas Autoria: Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral Associação Brasileira de Cirurgia Pediátrica Sociedade Brasileira de Clínica Médica Associação Brasileira de Nutrologia Elaboração Final:

Leia mais

XIII Jornada de Nutrição Parenteral e Enteral da SBNPE-RJ III Encontro Sudeste de Nutrição Clínica

XIII Jornada de Nutrição Parenteral e Enteral da SBNPE-RJ III Encontro Sudeste de Nutrição Clínica editorial O boletim deste trimestre aborda a doença inflamatória intestinal e suas complicações. Uma patologia complexa que acomete criança e adultos. Na qual a terapia nutricional é de grande importância,

Leia mais

Ementas das Disciplinas do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética

Ementas das Disciplinas do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética Ementas das Disciplinas do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética 1º SEMESTRE 802310 - ANATOMOFISIOLOGIA APLICADA À ESTÉTICA Ementa: Estudo de conhecimentos de anatomia integrados à fisiologia

Leia mais