GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP"

Transcrição

1 Estratégias concorrenciais e crédito bancário no Brasil no contexto pós-crise Maria Cristina Penido de Freitas 1 Doutora em Economia, Consultora do Grupo de Economia / Fundap 1. A autora agradece os comentários da equipe do Grupo de Economia / Fundap e a leitura atenta de Maria Luiza Levi, assumindo a responsabilidade por erros e omissões. Introdução Ao final de 2008, a economia brasileira experimentou uma fase de dificuldades associada aos impactos do agravamento da crise global. Reagindo com o excesso de prudência à reversão das expectativas e crescentes rumores sobre as perdas, de empresas e bancos, com derivativos de câmbio, os bancos privados contraíram fortemente o crédito tanto para as empresas e pessoas físicas como para outros bancos, contribuindo para a rápida desaceleração da atividade econômica. As repercussões da retração do crédito privado só não foram mais intensas em função da ação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e das demais instituições financeiras públicas, notadamente Banco do Brasil (BB) e Caixa Econômica Federal (CEF) que, seguindo orientação de política financeira do governo federal, ampliaram a oferta de crédito agindo de modo complementar às medidas de reativação do crédito adotadas pelo Ministério da Fazenda no último trimestre de Ao aliar a ação anticíclica a suas próprias estratégias operacionais, os bancos públicos criadores de moeda, ou seja, aqueles que operam com depósitos à vista e atuam em concorrência direta com as instituições bancárias privadas, diversificaram sua atuação, penetrando em segmentos do mercado de crédito até então dominados pelas instituições privadas, e ampliaram suas bases de clientes. Somente a partir do final de 2009, com a recuperação da atividade econômica e a retomada do crescimento e dos planos empresariais de investimentos, os bancos privados começaram a reagir ao avanço dos seus concorrentes públicos. O propósito deste artigo é analisar os reflexos das estratégias concorrenciais bancárias sobre o desempenho dos distintos segmentos do mercado de crédito ao setor privado no período dezem- temas setoriais 19

2 bro de 2008 a junho de Além dessa introdução, o artigo está organizado em três seções. Na primeira, com base nas estatísticas de operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) disponibilizadas pelo Banco Central do Brasil (BCB), são sumarizados os principais aspectos da evolução recente do mercado de crédito no Brasil sob o prisma da propriedade do capital das instituições. Na segunda, examinam-se o avanço dos bancos públicos e a reação dos bancos privados, cotejando-se os desempenhos da carteira de crédito dos cinco maiores bancos atuantes no país, dois públicos (BB e CEF) e três privados (Itaú Unibanco, Bradesco e Santander), com base nas informações disponíveis nos demonstrativos financeiros. Na terceira e última, a guisa de conclusão, discutem-se as perspectivas do crédito bancário em um contexto de medidas de contenção do crédito e moderação do crescimento. Evolução do crédito bancário ao setor privado por propriedade do capital no período recente O volume de crédito do SFN, medido em termos do produto interno bruto (PIB), cresceu 6,7 pontos percentuais (p.p.) entre dezembro de 2008 e junho de 2011, alcançando 47,2% (Gráfico 1). Já o estoque de crédito ao setor privado atingiu 45,4% do PIB (39,6% em dezembro de 2008), com acréscimo de 5,7 p.p. no mesmo período, o maior patamar da série histórica do BCB iniciada em Gráfico 1. Crédito do SFN em Percentual do PIB 1 segundo a Propriedade do Capital 21,0 48,0 19,0 46,0 17,0 44,0 15,0 42,0 % do PIB 13,0 40,0 11,0 9,0 7,0 5,0 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 % do PIB mai/11 jun/11 38,0 36,0 34,0 SF Público2 SF Privado Nacional SF Estrangeiro Total SFN (eixo direito) Fonte: BCB. Série histórica de Empréstimos do Sistema Financeiro Nacional. Elaboração própria. (1) PIB acumulado dos 12 últimos meses valores correntes. (2) Inclui bancos federais e estaduais, BNDES, agências estaduais de fomento. Em termos de propriedade de capital, o aumento do volume de crédito ao setor privado foi liderado pelo subsistema das instituições financeiras públicas. Este saltou de 14,0% do PIB em dezembro de 2008 para 18,1% do PIB em junho de 2011, com ganho de 4,1 p.p. Embora em ritmo mais lento, o subsistema privado nacional também expandiu o crédito que atingiu 19,2% em junho de 2011, com 20 temas setoriais

3 acréscimo de 1,9 p.p. em relação a dezembro de 2008, enquanto o estoque de crédito do subsistema financeiro estrangeiro, medido também em termos do PIB, encolheu 0,5 p.p., declinando de 8,6% para 8,1% no mesmo período (ver Tabela A1, ao final deste artigo). Contudo, analisando-se a evolução do crédito do SFN ao setor privado entre dezembro de 2008 e junho de 2011 em termos de taxas de crescimento reais em 12 meses, é possível identificar dois períodos distintos, nos quais o desempenho dos subgrupos das instituições financeiras, classificadas por propriedade do capital, também difere marcadamente (Tabela 2). No primeiro período que se estende do final de 2008 até novembro de 2009, houve forte desaceleração do ritmo de concessão do crédito, expressa em taxas decrescentes de crescimento reais em 12 meses (Gráfico 2). No segundo período, iniciado em dezembro de 2009, com a recuperação da atividade econômica e a retomada do crescimento e dos planos empresariais de investimentos, os bancos privados começaram a reagir ao avanço dos seus concorrentes públicos. Desse modo, a expansão do crédito ao setor privado voltou a ganhar ímpeto, sem, contudo, retornar ao padrão de elevado crescimento observado entre agosto de 2007 e setembro de 2008, quando chegou a registrar taxa média real da ordem de 24%. Porém, a intensidade da reação variou segundo a propriedade do capital, sendo bem mais forte entre os privados nacionais, o que sugere que, não obstante o mercado brasileiro ser fonte de parte expressiva dos lucros obtidos pela rede mundial, as filiais brasileiras das instituições estrangeiras sofrem as consequências do baixo dinamismo das economias dos países de origem de suas matrizes. Gráfico 2. Taxa de Crescimento Real 1 em 12 Meses do Crédito ao Setor Privado, por Propriedade do Capital (em %) 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0-5,0-10,0 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 % SF Público2 SF Privado Nacional SF Estrangeiro Total SFN Fonte: BCB. Série histórica de Empréstimos do Sistema Financeiro Nacional. Elaboração própria. (1) Deflacionado pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). (2) Inclui bancos federais e estaduais, BNDES e agências estaduais de fomento. No primeiro período, enquanto o subsistema público sustentou a expansão do crédito a uma taxa real média superior a 20%, o subsistema de instituições estrangeiras retraiu fortemente as concessões de crédito, o que resultou em taxas de crescimento reais negativas. Já com relação ao temas setoriais 21

4 2. O depósito bancário com garantia especial do Fundo Garantidor de Crédito em até R$ 20 milhões por investidor foi regulamentado em 26 de março de 2009 pela Resolução nº do Conselho Monetário Nacional (CMN). Sobre o empoçamento de liquidez no interbancário e as medidas adotadas para a mitigação dos seus efeitos, ver Freitas (2009). 3. Como será visto na próxima seção, a indústria foi o setor econômico que mais sofreu com a retração do crédito bancário. Enquanto os setores terciários se beneficiaram da sustentação da demanda doméstica, os efeitos da crise financeira internacional na indústria foram muito mais intensos e prolongados. subsistema privado nacional, cujo volume de crédito ao setor privado vinha, antes do impacto da crise global, crescendo a taxas reais médias próximas de 30%, o ritmo das concessões arrefeceu consideravelmente. As instituições públicas federais ampliaram e/ou criaram novas linhas de crédito para suprir a necessidade de capital de giro das empresas nos diversos setores de atividade econômica e para suprir a demanda de financiamento do consumo das famílias. Desse modo, contribuíram para evitar uma forte retração da demanda doméstica, viabilizando uma reativação do crescimento econômico muito mais rápida do que a verificada em outros países. Além disso, essas instituições adquiriram carteiras de crédito dos bancos de menor porte, que sofriam com escassez de recursos em razão do empoçamento de liquidez no interbancário e da fuga para segurança dos grandes depositantes, o qual só foi efetivamente equacionado com a criação do depósito a prazo com garantia especial em março de Desse modo, esses bancos menores puderam dar continuidade às suas operações ativas, em particular ao financiamento de capital de giro para pequenas e médias empresas, crédito para aquisição de veículos e crédito consignado. Em razão da ação anticíclica do BNDES e dos bancos federais e da maior aversão ao risco das instituições privadas, as instituições financeiras públicas ampliaram a participação no mercado de crédito, passando de 35,1% em dezembro de 2008 para 39,3% do total de crédito em dezembro de 2009, enquanto as privadas nacionais recuaram de 43,4% para 41,6% no mesmo período. As instituições financeiras estrangeiras foram as que mais perderam espaço no mercado (-2,5 pontos percentuais ante -1,6 dos privados nacionais), reduzindo sua participação para 18,9% no total de crédito do SFN. Além de uma provável maior aversão ao risco em cenário de incerteza e baixo dinamismo da atividade econômica, a redução da participação desse grupo refletiu o efeito da apreciação do real em 2009 sobre o saldo das operações com funding externo, cujo peso é relativamente maior nas carteiras desse subsistema. Nesse primeiro período, a contração do crédito pelas instituições financeiras privadas, nacionais e estrangeiras, atingiu de forma distinta os segmentos do mercado de crédito ao setor privado. Como é possível observar nos Gráficos 3 e 4, bem como na Tabela A1 ao final do artigo, a retração na concessão de crédito foi mais acentuada no segmento de crédito a pessoas jurídicas do que no segmento de pessoas físicas. Enquanto no segmento de pessoas físicas houve um arrefecimento no ritmo de expansão do crédito, no segmento de crédito corporativo ocorreu queda real no volume de empréstimos. No contexto de aversão ao risco, de elevada preferência pela liquidez e de rápida desaceleração econômica nos meses seguintes ao impacto da crise global, os bancos privados deixaram de renovar parte das linhas de crédito, sobretudo para pequenas e médias empresas industriais 3, e tornaram-se mais seletivos na avaliação de risco dos tomadores. Ao longo de 2009, a elevação da inadimplência e a prolongada reestruturação de dívida das empresas, em particular daquelas envolvidas com as operações com derivativos de câmbio, contribuíram para aumentar a reticência das instituições privadas em conceder crédito ao setor corporativo, uma vez que nesses casos a regulamentação vigente exige maiores provisões e base de capital. Nesse primeiro período, a maior cautela dos bancos privados em ampliar crédito para o setor corporativo enquanto prevaleceu o cenário de baixo crescimento da economia brasileira também está por trás do menor dinamismo das operações de repasse com recursos do BNDES, modalidade do 22 temas setoriais

5 Gráfico 3. Taxa de Crescimento Real 1 em 12 Meses do Crédito as Pessoas Físicas 2, por Propriedade do Capital (em %) 45,0 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 % SF Público3 SF Privado Nacional SF Estrangeiro Total SFN Fonte: BCB. Série histórica de Empréstimos do Sistema Financeiro Nacional. Elaboração própria. (1) Deflacionado pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). (2) Inclui financiamento habitacional. (3) Inclui bancos federais e estaduais, BNDES e agências estaduais de fomento. Gráfico 4. Taxa de Crescimento Real 1 em 12 Meses do Crédito as Pessoas Jurídicas 2, por Propriedade do Capital (em %) 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0-5,0-10,0-15,0 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 % SF Público3 SF Privado Nacional SF Estrangeiro Total SFN Fonte: BCB. Série histórica de Empréstimos do Sistema Financeiro Nacional. Elaboração própria. (1) Deflacionado pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). (2) Soma das operações de crédito à indústria, setor rural, comércio e outros serviços. (3) Inclui bancos federais e estaduais, BNDES e agências estaduais de fomento. temas setoriais 23

6 4. O crédito com recursos direcionados refere-se às operações de crédito, com prazos e custos regulamentados, relacionadas às exigibilidades sobre os depósitos bancários, à vista e de poupança, os fundos de natureza parafiscal, como o FGTS, e os fundos constitucionais regionais. Nessa modalidade estão incluídos os empréstimos concedidos diretamente pelo BNDES ao tomador final, os repasses de recursos do BNDES intermediados pelos bancos, o crédito rural e o financiamento habitacional. 5. Em algumas linhas, o BNDES concede financiamento diretamente ao tomador final. Nesses casos, o próprio BNDES realiza a avaliação de risco da operação e assume os riscos. 6. Financiado com recursos do Tesouro, o PSI reduziu o custo final para o tomador dos financiamentos para aquisição e produção de máquinas e equipamentos. crédito direcionado 4 na qual o risco de crédito é assumido pelos agentes financeiros repassadores. Enquanto o volume de crédito do BNDES direto 5 cresceu 40,7% em termos reais entre dezembro de 2008 e dezembro de 2009, as operações de repasse avançaram apenas 18% (Gráfico 5). O crescimento dessa modalidade foi sustentado pela ação anticíclica do BB e também pelos bancos estrangeiros controlados pelas montadoras de veículos automotivos e fabricantes de tratores e máquinas agrícolas, que aderiram ao Programa de Sustentação ao Investimento (PSI), lançado pelo BNDES em junho de , com o propósito de sustentar as vendas e, por consequência, as receitas das matrizes, já bastante fragilizadas pela recessão nas economias avançadas. Gráfico 5. Taxa de Crescimento Real 1 em 12 Meses do Crédito Direcionado 2, por Modalidade (em %) 70,0 60,0 50,0 40,0 % 30,0 20,0 10,0 0,0-10,0 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 BNDES - Direto BNDES - Repasses Habitação3 Rural 4 Outros5 7. Nas operações de crédito com recursos livres, a alocação dos empréstimos e financiamentos é realizada a critério da instituição financeira com taxas livremente pactuadas entre as partes. 8. Segundo o BCB (2010), a combinação desses fatores com a reativação das linhas de crédito mais longas e relativamente menos onerosas, como financiamento à aquisição de veículos e crédito consignado, resultou na redução do comprometimento da renda das famílias, expresso na relação entre fluxo de renda e serviço da dívida, ao longo de 2009, o que viabilizou a forte expansão do crédito a pessoas físicas observada em Fonte: BCB. Operações de crédito do sistema financeiro. Elaboração própria. (1) Deflacionado pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). (2) Refere-se a operações de crédito com recursos compulsórios ou governamentais. (3) Refere-se às operações realizadas com pessoas físicas e cooperativas habitacionais. (4) Refere-se apenas a crédito concedido por bancos e agências de fomento. Exclui cooperativas. (5) Incluem, dentre outros, financiamentos do Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO) e créditos dos bancos de desenvolvimento e agências de fomento. Já a relativa sustentação do crédito das instituições privadas para as pessoas físicas em 2009, que pode ser comprovada pela evolução do segmento com recursos livres 7 (ver Gráfico 6), resultou da combinação de diversos fatores, tanto do lado da oferta de crédito como do da demanda. Pelo lado da oferta, houve a reativação da concessão de crédito nas modalidades aquisição de veículos e crédito consignado pelos bancos de menor porte, em decorrência do desempoçamento da liquidez do interbancário e da regulamentação, já mencionada, dos depósitos bancários a prazo com garantia especial do Fundo Garantidor de Crédito (DPGE). Pelo lado da demanda, atuaram a relativa estabilidade do nível de emprego e da massa de rendimentos, a queda dos juros e a retomada da tendência de alongamento dos prazos 8, bem como a desoneração fiscal de bens de consumo duráveis, como geladeiras, automóveis e alguns produtos do seg- 24 temas setoriais

7 mento de material de construção, cujas aquisições são, em geral, financiadas pelas instituições financeiras que mantêm parcerias com as grandes lojas varejistas e/ou revendas. Igualmente, a demanda por empréstimos foi estimulada pela ampliação do limite de comprometimento da renda líquida para o crédito consignado para aposentados e pensionistas do INSS, que em março passou de 20% para 30%. Gráfico 6. Taxa de Crescimento Real 1 em 12 Meses do Crédito com Recursos Livres, por Destino (em %) 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0-5,0-10,0 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 % out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 Pessoa jurídica Pessoa Física Total Setor Privado Fonte: BCB. Operações de crédito do sistema financeiro. Elaboração própria. (1) Deflacionado pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em flagrante contraste com os seus congêneres privados, o subsistema financeiro público ampliou a concessão de crédito tanto às famílias como às empresas em Ao garantir a sustentação da demanda doméstica, fornecendo capital de giro às empresas e financiando o consumo das famílias, a ação anticíclica desempenhada pelo BNDES, pela CEF e pelo BB contribuiu para atenuar o impacto da crise sobre a economia brasileira e impulsionou a rápida retomada do crescimento. Além de ampliar a concessão de crédito com recursos direcionados, as duas instituições bancárias públicas federais passaram a operar com novas modalidades de crédito com recursos livres, penetrando em segmentos do mercado de crédito bancário até então exclusivos e/ou dominados pelos bancos privados, nacionais e estrangeiros 9. A forte expansão do crédito com taxas reais de crescimento em 12 meses superiores a 30% no segmento de pessoas físicas e crescimento real médio em 12 meses de 23% no segmento corporativo no subsistema público resultou na elevação da participação desse subgrupo no total de crédito do SFN a pessoas físicas e a pessoas jurídicas. No segmento de pessoas físicas, a fatia das instituições públicas saltou de 26,1% em dezembro de 2008 para 30,3% em dezembro de 2009 (28,4% em junho). No segmento de crédito corporativo, mais intensamente afetado pela aversão ao risco das instituições privadas, o avanço do subsistema público foi ainda maior. De uma fatia de mercado já expressiva, da ordem de 40,6% em dezembro de 2008 (38,8% no mês de setembro), o grupo 9. Em 2009, insatisfeito com a manutenção dos spreads bancários em níveis elevados, o governo federal orientou os bancos públicos federais a reduzirem os juros das suas operações ativas. Ao longo do primeiro semestre daquele ano, tanto o BB como a CEF realizaram diversas rodadas de corte de taxas nas operações de crédito com recursos livres sobretudo para pessoas físicas, desencadeando a esperada reação dos bancos privados (FUNDAP, 2010). Para não perder fatias ainda maiores de mercado, os bancos privados também diminuíram os juros cobrados em seus empréstimos. Em consequência, ao longo de 2009, os juros médios praticados no SFN caíram 8,1 p.p., enquanto os spreads médios diminuíram 6,1 p.p. No segmento de pessoas físicas, essa redução, mais acentuada do que no segmento de crédito corporativo, estendeu-se até o final de A partir de dezembro, em resposta ao efeito combinado das medidas de política macroprudencial com as expectativas de elevação da meta da Selic, os juros e spreads médios voltaram a subir. temas setoriais 25

8 das instituições públicas alcançou 45,4% de participação no crédito total do SFN a pessoas jurídicas, assumindo a liderança no segmento do mercado de crédito ao setor privado. Esse expressivo avanço do subsistema de instituições públicas nesses dois segmentos do mercado de crédito ao setor privado suscitou dúvidas sobre a qualidade das suas carteiras de crédito. Os críticos da política financeira anticíclica argumentavam que o rápido crescimento do crédito provavelmente se traduziria em elevação da inadimplência e consequente fragilidade financeira dessas instituições, algumas das quais haviam sofrido, em um passado não muito distante, amplo e profundo processo de saneamento. No entanto, tal temor se revelou infundado. O nível de inadimplência do subsistema público permaneceu muito abaixo do observado nos subsistemas privado nacional e estrangeiro. No primeiro subperíodo, o percentual máximo de inadimplência no subsistema público foi de 2,8% do estoque total de crédito, registrado em maio e em setembro de Já nos subsistemas privados, a inadimplência atingiu 5,8% no mês de setembro no caso das instituições nacionais. O mesmo percentual foi alcançado no mês de outubro no caso das instituições estrangeiras (Gráfico 7). Gráfico 7. Evolução da Inadimplência 1 nas Operações de Crédito do SFN, por Propriedade do Capital (em %) 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 % do total do crédito SF Público 2 SF Privado Nacional SF Estrangeiro Total SFN Fonte: BCB. Série histórica de Empréstimos do Sistema Financeiro Nacional. Elaboração própria. (1) Percentual do saldo em atraso superior a 90 dias. (2) Inclui bancos federais e estaduais, BNDES e agências estaduais de fomento. Diversas hipóteses não excludentes podem explicar a menor inadimplência no subsistema público em relação à média do SFN. Uma delas é que a expansão do crédito foi feita em modalidades com menor risco de crédito, como os empréstimos consignados e os financiamentos à aquisição de veículos e habitação, nos quais o próprio bem é a garantia da operação. Outra é que as instituições bancárias públicas conquistaram clientes de bom risco dos seus concorrentes privados, oferecendo melhores condições, em um momento de forte incerteza, em que os bancos privados preferiram se manter líquidos e aumentaram as exigências junto aos potenciais tomadores. Em terceiro lugar, a 26 temas setoriais

9 rápida recuperação da economia brasileira, que saiu da recessão já no final do segundo trimestre de 2009 impulsionada pelo desempenho dos setores terciários e pelo consumo das famílias, seguramente contribuiu para garantir a adimplência dos tomadores. A partir do final de 2009, a inadimplência entrou em trajetória de queda em todos os três grupos de instituições financeiras. Essa trajetória associada às expectativas favoráveis de desempenho da atividade econômica resultou em ampliação do crédito em condições gerais mais favoráveis para os tomadores, com queda dos juros e ampliação dos prazos. Nesse segundo período (dezembro de 2009 a junho de 2010), marcado pelo crescimento vigoroso da economia em 2010 e pelo forte ritmo de expansão dos créditos às pessoas físicas, o subsistema financeiro público manteve-se na liderança da ampliação do volume do crédito ao setor privado, sustentando taxas reais de dois dígitos (Gráfico 2). No segmento de pessoas físicas, a concessão de crédito pelo subsistema público cresceu acima de 25% em termos reais até março de 2011 (Gráfico 3), impulsionada sobretudo pelos financiamentos habitacionais. Mas, a trajetória de desaceleração teve continuidade e tornou-se mais acentuada em 2011, o que sugere o alinhamento dessas instituições às orientações da política financeira governamental de contenção do crédito para o desaquecimento do consumo das famílias. No segmento de pessoas jurídicas, as taxas reais de crescimento em 12 meses do subsistema registram desaceleração desde agosto de 2010, em razão do expressivo arrefecimento da concessão direta de crédito pelo BNDES (Gráficos 4 e 5). O recuo do BNDES direto teve como contrapartida a ampliação das operações de repasses, sobretudo pelas instituições financeiras privadas que, com a retomada do crescimento e dos planos empresariais de investimento, voltaram a atuar como agentes financeiros. Em evidente comportamento procíclico, as instituições privadas nacionais aceleraram a concessão de crédito ao setor privado em um esforço para recuperar fatias de mercado perdidas para os bancos públicos, registrando taxas reais de crescimento acima da média do SFN. Porém, nota-se que apenas no final desse período, que coincide com a entrada em vigor das medidas de contenção do crédito, o subsistema privado nacional logrou taxas reais de crescimento em 12 meses superiores às do congênere público. No segmento de pessoas físicas, diferentemente do que se observa para o subsistema público, o grupo privado nacional não desacelerou a concessão do crédito no primeiro semestre de 2011 (Gráfico 3). Contudo, ao longo desse segundo período, as instituições privadas continuaram a perder participação para as instituições bancárias públicas, que, em concorrência acirrada, ampliaram sua base de clientes, beneficiando-se das condições favoráveis do mercado de trabalho e da crescente bancarização da população de níveis de renda mais baixa, que ampliou seu acesso ao mercado bancário especialmente em função da conquista da carteira de trabalho. Com o avanço dos bancos públicos, notadamente CEF e BB, a participação do subsistema privado no crédito total do SFN destinado a pessoas físicas declinou de 48,1% em dezembro de 2009 para 46,1% em junho de 2011 (Tabela A1, ao final do artigo). No segmento de crédito corporativo, com a reativação do repasse dos recursos do BNDES e a ampliação da concessão de crédito com recursos livres (Gráficos 5 e 6), as instituições privadas nacionais foram bem-sucedidas em sua reação à concorrência das instituições públicas, bem como das estrangeiras. Embora ainda não tenha recuperado a liderança, perdida para o subsistema público em temas setoriais 27

10 10. Exemplo da revisão de estratégias de instituições estrangeiras é a recente decisão do HSBC de encerrar negócios considerados não estratégicos na América Latina. Em consequência, em julho de 2011, a filial brasileira demitiu mais de 300 funcionários da área de financiamento de veículos a não clientes, da qual o banco irá se retirar, vendendo a carteira para outra instituição. Igualmente, o banco decidiu reduzir as atividades de crédito pessoal realizados pela sua financeira, a Losango (COTIA e MANDL, 2011). dezembro de 2008, o grupo privado nacional elevou sua participação de 37,1% para 39,5% do total do crédito do SFN a pessoas jurídicas. No segundo período, o grupo das instituições estrangeiras também elevou o crédito ao setor privado, mas a retomada teve início bem mais tarde (em maio de 2010) e em ritmo bem mais lento que o dos demais grupos (ver Gráfico 2). Provavelmente, esse baixo dinamismo do subsistema estrangeiro é consequência da revisão de estratégias operacionais definidas pelas matrizes, que enfrentam dificuldades em seus mercados domésticos em virtude do fraco crescimento das economias avançadas e das maiores exigências de capital mínimo 10. O corte por segmento mostra que as taxas reais de crescimento do crédito desse grupo foram mais elevadas no segmento de pessoas físicas (variação real média de 7,5%, ver Gráfico 3) do que no de pessoas jurídicas (variação real média de 0,3%, ver Gráfico 4). Mesmo se for considerado o efeito estatístico da baixa base de comparação, associado à forte retração do crédito corporativo em 2009, os dados da evolução do crédito sugerem que as instituições estrangeiras priorizaram o segmento de crédito a pessoas físicas, possivelmente em razão dos indicadores favoráveis do mercado de trabalho e das expectativas positivas para a expansão do mercado interno. Ademais, nesse segmento, além de mais rentáveis, as operações de crédito são padronizadas e a avaliação dos riscos é bem mais fácil e menos onerosa do que no segmento corporativo. Com o propósito de aprofundar a análise das estratégias concorrenciais bancárias e seus efeitos sobre o mercado de crédito ao setor privado, coteja-se a seguir a atuação dos cinco maiores bancos, que respondiam em março de 2011 por 79,2% do total do crédito do sistema bancário estrito senso, ou seja, aquele integrado exclusivamente por bancos criadores de moeda, e por 66,1% do crédito total do Sistema Financeiro Nacional. O avanço do BB e da CEF e a reação dos bancos privados Como mencionado anteriormente, o BB e a CEF aproveitaram a oportunidade criada pela forte aversão ao risco dos bancos privados, em razão do impacto da crise global na economia brasileira, para ampliar a sua participação no mercado de crédito ao setor privado. Aliando as diretrizes governamentais com suas próprias estratégias operacionais, os dois maiores bancos federais avançaram em diferentes segmentos de negócios, alguns até então dominados por instituições privadas, como é o caso das modalidades de crédito consignado e de financiamento à aquisição de bens duráveis no segmento de pessoas físicas e o de pequenas e médias empresas no segmento de pessoas jurídicas. Essa diversificação da área de atuação operacional foi ainda maior no caso da CEF, cujas atividades estavam bastante concentradas no financiamento habitacional e imobiliário (ver Tabela A2, ao final do artigo). Para essa instituição, a contração do crédito privado em razão da crise global representou uma excelente oportunidade para a ampliação e diversificação da base de clientes, tanto no segmento de pessoas físicas como no de pessoas jurídicas. Em 2009, o volume de crédito concedido pela CEF ao setor corporativo aumentou 103,3% em termos reais, enquanto a concessão de crédito a pessoas físicas (incluindo habitação) cresceu 42,6% na mesma base de comparação. Naquele ano, a CEF ultrapassou o Santander, tornando-se o quarto maior do país por volume de ativos, posição que consolidou no ano seguinte. Em 2010 e no primeiro semestre de 2011, a CEF continuou registrando 28 temas setoriais

11 expressivas taxas de crescimento, bem superiores às dos demais bancos da amostra em ambos os segmentos do mercado de crédito ao setor privado (Tabela 1). Tabela 1. Bancos Selecionados: Taxa de Crescimento Real1 em 12 Meses da Carteira de Crédito ao Setor Privado (em %) Instituição Pessoa Fisica 2 Pessoa Jurídica Total Setor Privado Dez./09 Jun./10 Dez./10 Jun./11 Dez./09 Jun./10 Dez./10 Jun./11 Dez./09 Jun./10 Dez./10 Jun./11 BB 3 80,3 40,9 16,3 13,6 18,6 17,2 12,2 8,4 29,2 21,3 12,6 9,3 Itaú Unibanco 5,5 6,3 8,9 13,5-7,8 6,8 2,1 13,7-2,1 6,5 5,2 13,6 Bradesco 6,9 15,1 13,0 7,7-2,3 8,2 15,6 16,8 1,4 11,0 14,5 12,9 CEF 42,6 39,6 36,1 34,5 103,3 57,2 27,0 23,0 53,8 43,5 33,9 31,7 Santander 4,7 7,9 12,9 13,9-7,3 2,5 7,6 5,4-2,3 4,9 10,0 9,3 Fonte: Demonstrativos financeiros dos bancos. Elaboração própria. (1) Valores deflacionados pelo IPCA. (2) Inclui financiamento habitacional. (3) No caso do BB, Pessoas Físicas exclui as operações de crédito rural, as quais, contudo, estão contabilizadas no total do crédito ao setor privado. O BB também diversificou sua carteira de crédito em 2009, ampliando sua atuação nas modalidades de crédito consignado, financiamento à aquisição de veículos e financiamento habitacional. Essa diversificação se reflete na carteira de crédito ao setor privado, com forte crescimento real em 12 meses da carteira de pessoas físicas (excluídas as operações de crédito rural), que registrou incremento de 80,3% em dezembro de 2009 em relação a dezembro de 2008 (Tabela 1), impulsionada pela expansão do financiamento de veículos (197%) e do crédito pessoal (variação de 88,7%). A carteira de pessoas jurídicas também registrou aumento real (18,6%) em 2009, sob a liderança das operações de crédito ao setor de serviços (22,7%). Considerando o porte dos clientes, a carteira de pequenas e médias empresas também subiu 23,4% em termos reais, bem acima da média do setor corporativo (ver Tabela A3 ao final do artigo), em clara indicação da estratégia do BB em priorizar esse segmento, que, de resto, foi fortemente afetado pela retração do crédito privado. Destaque-se, adicionalmente, que os bancos públicos continuaram a expandir o crédito ao setor privado em ritmo forte em 2010, já em um contexto de retomada do crescimento e normalização do mercado de crédito. Ao combinar estratégias concorrenciais agressivas com a aquisição de participação minoritária em bancos privados com forte atuação em nichos específicos do mercado caso do banco Votorantim 11, líder no financiamento de veículos usados, ou do banco PanAmericano, com expressiva presença no financiamento ao consumo das classes C, D e E, o BB e a CEF ampliaram suas fatias de mercado ao longo de quase todo o período em tela, tanto no segmento de crédito a pessoas físicas quanto no de pessoas jurídicas Tomando como referência o volume de crédito total do SFN ao setor privado, observa-se que o BB assumiu a liderança em junho de 2009 (Gráfico 8), quando ultrapassou o Itaú Unibanco, que até então era também o maior banco brasileiro no ranking por volume de ativos 12. De uma participação de 17% no total do crédito ao setor privado em dezembro de 2008, o BB atingiu 20,5% em junho de Nos dois semestres seguintes, o BB perdeu participação, declinando para 19,9% do total em junho de 2011, mas ainda se mantinha à frente de seu principal concorrente, o Itaú Unibanco. Esse 11. Em janeiro de 2009, o BB adquiriu participação de 49,9% do capital do banco Votorantim, fortemente atingido pelo aperto de liquidez no último trimestre de 2008, enquanto a CEF adquiriu 49% do capital votante (36,6% do capital social) do banco PanAmericano em dezembro de Após a descoberta de vultosa fraude relacionada à contabilização de cessão de carteira de crédito no PanAmericano em novembro de 2010, que motivou intervenção do Fundo Garantidor de Crédito, o controlador dessa instituição vendeu sua participação ao banco de investimento BTG Pactual no final de janeiro de Pelo acordo de acionista firmado, o BTG Pactual passou a dividir o controle do banco com a CEF (ADACHI, 2011). 12. Cabe ressaltar que, em 2009, o BB incorporou o banco estadual paulista Nossa Caixa, adquirido em novembro de temas setoriais 29

12 banco, após recuar para uma participação equivalente a 16,6% do volume de crédito total ao setor privado em dezembro de 2010, voltou a aumentar sua fatia em junho de 2011 para 17,9%. Gráfico 8. Bancos Selecionados: Participação no Volume de Crédito Total do SFN Concedidos ao Setor Privado (em %) 20,5 20,5 20,2 19,9 19,9 19,0 18,7 18,0 17,8 17,9 17,1 16,6 14,9 14,3 14,2 14,0 14,0 14,1 % 11,6 11,0 10,9 10,5 10,3 9,9 10,1 9,9 9,3 8,5 7,3 6,0 BB Itaú Unibanco Bradesco CEF Santander dez/08 jun/09 dez/09 jun/10 dez/10 jun/11 Fonte: Demonstrativos financeiros dos bancos. Elaboração própria. 13. A oferta pública no mercado acionário doméstico foi o caminho encontrado pelo banco matriz para capitalizar a subsidiária brasileira em condições mais favoráveis do que a emissão de dívida subordinada no mercado internacional. 14. De fato, parte dos recursos captados foi destinada ao resgate antecipado de dívida subordinada, garantida pela matriz, e à aquisição de carteira de crédito da matriz espanhola, integrada por operações de financiamento a exportações de clientes brasileiros (MANDL, 2011b). O Bradesco, terceiro maior banco brasileiro por volume de ativos, também sofreu os efeitos do avanço dos bancos públicos no mercado de crédito ao setor privado, porém em menor intensidade que o Itaú e o Santander. Entre dezembro de 2008 e dezembro de 2009, a participação desse grande banco privado de capital nacional no saldo do crédito total do SFN ao setor privado diminuiu 0,9 p.p. ante queda de 1,9 p.p. do Itaú Unibanco e de 1,1 p.p. do Santander. Desde então, a sua fatia de mercado tem-se mantido relativamente estável, em torno de 14%. Já a participação do Santander no mercado de crédito ao setor privado declinou continuamente, alcançando 9,9% em junho de Cabe ressaltar que embora essa instituição tenha elevado o capital em outubro de 2009 mediante oferta pública de certificados de ações no Brasil e na Bolsa de Nova Iorque 13, esse reforço ainda não se traduziu no incremento de suas operações de crédito no Brasil. Provavelmente, as dificuldades enfrentadas pela matriz no seu mercado de origem, fragilizado pelo fraco crescimento da economia espanhola, explicam a cautela desse banco estrangeiro em alavancar o seu crescimento no mercado brasileiro 14. No segmento de pessoas físicas, o avanço dos bancos públicos introduziu significativa pressão concorrencial sobre os bancos privados (ver Gráfico 9). Tanto o BB como a CEF ampliaram suas participações. Porém, a CEF conquistou uma fatia maior desse mercado, desbancando o líder Itaú Unibanco, ao saltar de 12,9% do crédito total para esse segmento para 19,6% entre dezembro de 2008 e junho de Em grande medida, isso decorreu do expressivo aumento do financiamento habitacional, alavancado pelo programa federal Minha Casa, Minha Vida (lançado em abril de 2009, para garantir 30 temas setoriais

13 crédito subsidiado à população de baixa renda) e pelas condições favoráveis do mercado de trabalho. Já o BB, após o ganho inicial de 5,8 p.p. entre dezembro de 2008 e 2009, manteve a participação de 16,6% do total até junho de 2010, declinando nos dois semestres seguintes, não obstante o forte aumento das concessões de crédito nas modalidades de crédito pessoal, sobretudo consignado, e financiamento à aquisição de veículos (Tabela 2A ao final do artigo). Gráfico 9. Bancos Selecionados: Participação no Volume de Crédito Total do SFN Concedidos às Pessoas Físicas 1 (em %) 22,7 % 16,6 16,6 16,4 16,2 13,6 10,8 21,1 20,4 19,4 18,9 18,9 16,0 14,6 14,6 14,5 14,1 13,4 19,6 18,2 16,9 15,6 14,0 12,9 12,9 12,1 11,5 11,3 11,1 11,1 BB Itaú Unibanco Bradesco CEF Santander dez/08 jun/09 dez/09 jun/10 dez/10 jun/11 Fonte: Demonstrativos financeiros dos bancos. Elaboração própria. (1) Inclui financiamento habitacional. Contudo, se forem desconsideradas as operações de financiamento habitacional, o domínio do Itaú Unibanco se mantém incontestável ao longo de todo o período em exame (ver Gráficos 9 e 10), não obstante o avanço do BB, que em dezembro de 2010 alcançou participação de 22,5% no volume de crédito nesse segmento (ante 12,5% em dezembro de 2008). Embora tenham perdido participação, o Bradesco e o Santander controlam uma parcela importante desse segmento, da ordem, respectivamente, de 16,2% e 12,9% do total em junho de É provável que a concorrência nesse segmento se acirre ainda mais com a vitória do BB no leilão de licitação do Banco Postal 15, até então operado pelo Bradesco, que, desde 2001, mantinha parceria com os Correios. Do ponto de vista macroeconômico, observa-se que a atuação do BB e da CEF no segmento de crédito para o setor corporativo teve evidentes efeitos anticíclicos. Enquanto os três maiores bancos privados do país foram ainda mais conservadores e diminuíram as concessões de empréstimos, registrando variações negativas em termos reais na comparação com dezembro de 2008 (à exceção do crédito destinado às empresas do setor de serviços), os bancos públicos ampliaram significativamente as linhas de financiamento às empresas (ver Tabela 1 e Tabela A2, ao final do artigo). Em consequência, ambos aumentaram suas fatias de mercado. No caso da CEF, a magnitude do ganho foi ainda mais significativa, dado que passou de uma participação no volume de crédito total do SFN de apenas 1,8% em 2008 para 4,4% em junho de Com presença expressiva e 15. Em maio de 2011, o BB bateu o Bradesco na 12ª rodada do leilão ao oferecer R$ 2,3 bilhões para operar o Banco Postal a partir de janeiro de 2012 (ADACHI e LIMA, 2011). temas setoriais 31

14 consolidada nesse segmento, o BB registrou incremento menor, mas não menos importante, de 2,4 p.p. entre dezembro de 2008 e junho de 2010, quando alcançou participação de 17,3%, recuando para 17,1% em junho de 2011 (Gráfico 11). Gráfico 10. Bancos Selecionados: Participação no Volume de Crédito Total do SFN Concedidos às Pessoas Físicas, Exceto Habitação (em %) 20,1 19,9 20,1 19,5 15,7 12,5 24,6 23,122,8 22,5 22,5 22,2 18,0 16,9 17,1 16,9 16,6 16,4 13,8 13,1 12,7 12,7 12,7 12,9 4,4 4,6 4,8 4,8 5,1 3,9 BB Itaú Unibanco Bradesco CEF Santander dez/08 jun/09 dez/09 jun/10 dez/10 jun/11 Fonte: Demonstrativos financeiros dos bancos. Elaboração própria. Gráfico 11. Bancos Selecionados: Participação no Volume de Crédito Total do SFN Concedidos às Pessoas Jurídicas (em %) 18,3 17,3 17,2 17,3 17,7 17,0 17,0 17,1 16,6 16,2 14,9 15,0 14,7 14,2 14,1 14,0 13,9 13,5 10,8 10,2 9,7 9,6 9,4 9,1 4,4 3,9 4,0 3,5 2,7 1,8 BB Itaú Unibanco Bradesco CEF Santander dez/08 jun/09 dez/09 jun/10 dez/10 jun/11 Fonte: Demonstrativos financeiros dos bancos. Elaboração própria. 32 temas setoriais

15 Observe-se que no caso do Itaú Unibanco e do Santander, a retração do crédito às pessoas jurídicas em 2009 foi mais acentuada do que a verificada no caso do Bradesco (Tabela 1). É provável que além da elevação da inadimplência e do efeito da desvalorização do dólar nos estoques de crédito em moeda estrangeira, a reestruturação de dívida das empresas, em particular daquelas envolvidas com as operações com derivativos de câmbio, tenha contribuído para essa contração, uma vez que a regulamentação em vigor exige aumento de provisões e da base de capital. Essa hipótese é reforçada pelo fato de que foram as operações com as grandes empresas que lideraram a diminuição da carteira corporativa do Itaú Unibanco, uma vez que o volume de crédito concedido às pequenas e médias empresas aumentou 20,4% em termos reais na comparação com dezembro de 2008 (ver Tabela A3, ao final do artigo). No segmento de pessoas jurídicas, chama atenção a forte reação dos bancos privados nacionais ao avanço dos seus concorrentes públicos. Após perder 3,3 p.p. na sua fatia no volume de crédito do SFN a pessoas jurídicas, declinando de 18,1% em dezembro de 2008 para 15,0% em dezembro de 2010, o Itaú Unibanco reagiu e acelerou a concessão de crédito para as empresas no primeiro semestre de 2011 (variação real de 13,7% em 12 meses terminados em junho), em particular aquelas dos setores da indústria e comércio (17,9%) e de pequeno e médio portes (32,6%), recuperando parte do terreno perdido para os seus concorrentes. Em junho de 2011, o Itaú Unibanco reassumiu a liderança desse segmento, mas com uma diferença mínima em relação ao BB, de apenas 0,1 p.p. Com relação ao Bradesco, que ocupa a terceira posição nesse segmento, a resposta teve início em Na comparação com dezembro de 2009, o volume de crédito cresceu 15,6% em dezembro de 2010 em termos reais, expandindo-se a dois dígitos também no primeiro semestre de Como resultado dessa reação, a participação do Bradesco no volume de crédito do SFN a pessoas jurídicas alcançou 14,7% em junho de 2011, 0,5 p.p. a mais do que a parcela de mercado controlada em dezembro de 2008 (Gráfico 11). A indústria foi o setor corporativo que mais recebeu crédito do Bradesco no período recente, seguida pelo setor de comércio. Contudo, a participação das empresas industriais na carteira de pessoa jurídica dessa instituição caiu a 33% em junho de 2011 (42% em dezembro de 2008), enquanto o peso das empresas do setor de serviços subiu de 33% para 37% no mesmo período (Tabela A2, ao final do artigo). A participação do Santander no segmento de crédito corporativo recuou continuamente no período analisado, passando de 10,8% em dezembro de 2008 para 9,1% em junho de A indústria foi o setor corporativo que mais sofreu com a retração desse banco privado estrangeiro, com variação real negativa da ordem de 20% em 12 meses terminados em junho de Já o crédito ao setor de serviços registrou variação positiva ao longo de 2009 e 2010, ampliando sua participação na carteira de pessoas jurídicas dessa instituição. Apenas em junho de 2011, esse setor registrou queda real de 6,9% em relação a junho de 2010 (Tabela 1). A combinação da ação anticíclica com estratégias de conquista de parcelas do mercado pelos bancos públicos iniciada em 2009 foi bem-sucedida, pois, além de se traduzir no aumento expressivo da participação relativa dessas instituições no SFN, resultou em melhoria significativa da qualidade de sua carteira de crédito. Tanto no caso do BB como no da CEF, a parcela dos créditos de melhor nível de risco (operações classificadas como AA, A e B) subiu no período em exame (Gráfico 12). Na CEF, a parcela de crédito de melhor qualidade mantém-se um pouco menor do que no BB, possivelmente em razão do peso dos financiamentos imobiliários. temas setoriais 33

16 Gráfico 12. Qualidade da Carteira de Crédito dos Bancos Selecionados: Participação dos Créditos com Nível de Risco AA a B no Total (em %) 85,5 83,1 83,0 83,2 83,6 83,6 81,8 79,9 76,2 78,6 78,13 77,47 87,1 87,9 86,6 85,5 71,7 70,2 69,4 69,9 BB Itaú Unibanco Bradesco CEF Santander dez/08 dez/09 dez/10 jun/11 Fonte: Demonstrativos financeiros dos bancos. Elaboração própria. 16. No final de 2010, o Bradesco lançou novas linhas de crédito (capital de giro e aquisição de máquinas e equipamentos) para pequenas e médias empresas, com faturamento anual até R$ 2,4 milhões. O volume inicialmente previsto de R$ 200 milhões foi dobrado em junho, porque até o mês de maio o banco já havia fechado 10 mil contratos, com valor médio de R$ 20 mil (LIMA, 2011). Entre os bancos privados, apenas o Bradesco registrou piora na qualidade relativa de sua carteira, com diminuição das operações de melhor classificação de risco. Ao longo do período em foco, o percentual de operações AA a B no total da sua carteira de crédito ao setor privado se reduziu continuamente, declinando de 76,2% em dezembro de 2008 para apenas 69,4% em junho de A hipótese mais provável para esse desempenho no período mais recente, caracterizado pelo recuo da inadimplência, é a ampliação no crédito para pequenas e médias empresas (variação real de 34,9% em 12 meses terminados em junho de 2011) 16, segmento que apresenta maior risco. Em contraste, embora tenha recuado entre dezembro de 2008 e dezembro de 2009, o percentual de créditos classificados como de melhor risco no Itaú Unibanco e no Santander superou o dos bancos públicos em dezembro de 2010 e em junho de No que se refere à inadimplência, ou seja, o percentual das operações de crédito com atraso superior a 90 dias, o Bradesco se encontra, porém, em posição melhor do que os seus congêneres privados. Em junho de 2011, esse banco registrava inadimplência de 3,7% (3,6% em dezembro de 2011), enquanto no Itaú Unibanco e no Santander o percentual dos créditos em atraso, além de subir mais, ficou acima da média do SFN (4,2%). No Itaú, a inadimplência alcançou 4,5% (4,2% em dezembro de 2010), refletindo o aumento dos atrasos na carteira de crédito de pessoas jurídicas e, em particular, de pequenas e médias empresas. No Santander, a inadimplência passou de 4,0% em dezembro de 2010 para 4,3% em junho de Em contraste, os bancos públicos registraram menor inadimplência. No BB, essa taxa, que se mantém em trajetória de queda desde dezembro de 2009 (3,3%), foi de 2% em junho de 2011, mesmo percentual registrado pela CEF. Nessa instituição, a elevação do percentual de atraso na carteira de pessoas jurídicas foi compensada pela diminuição da redução da inadimplência nos financiamentos habitacionais, que têm maior peso na carteira de crédito dessa instituição. 34 temas setoriais

17 Perspectivas A análise da evolução do crédito ao setor privado no período dezembro de 2008 a junho de 2011 sob a ótica da propriedade do capital mostrou que as instituições públicas assumiram a dianteira da oferta de empréstimos e financiamentos aos consumidores e às empresas, desempenhando papel-chave como instrumento da política financeira anticíclica de mitigação dos efeitos da contração do crédito privado durante o período de aversão ao risco e incerteza quanto aos efeitos da crise global sobre a economia brasileira. Essa ação anticíclica do sistema financeiro público foi fundamental para reativar o mercado de crédito doméstico e sustentar a demanda interna, impulsionando a retomada do crescimento econômico. A retração do crédito privado ofereceu uma oportunidade ímpar para os dois principais bancos públicos federais criadores de moeda, BB e CEF, diversificarem sua atuação em vários segmentos do mercado bancário ao setor privado. Na conquista de fatias de mercado e no uso de diversas estratégias concorrenciais, essas duas instituições lideraram a expansão do crédito mesmo após a recuperação da economia brasileira, que retomou trajetória de crescimento a partir de meados em A reação dos concorrentes privados ao avanço dos bancos públicos só foi ocorrer no final de Com a concorrência acirrada e os esforços dos bancos privados em recuperar fatias de mercado perdidas para os bancos públicos, a ampliação dos volumes de crédito, sobretudo no segmento de pessoas físicas, se deu em ritmo acelerado ao longo de Porém, as elevadas taxas de crescimento do crédito às pessoas físicas, em particular nas modalidades de financiamento para aquisição de veículos e empréstimos consignados, acenderam o alarme das autoridades econômicas. Em razão das pressões inflacionárias associadas à forte expansão do consumo lastreado em crédito, o BCB anunciou, em dezembro de 2010, um conjunto de medidas de natureza macroprudencial, para a contenção do crédito 17. Além de elevar de 8% para 12% o adicional do compulsório sobre depósitos à vista e a prazo, aumentou de 11,0% para 16,5% o capital mínimo para operações de crédito a pessoas físicas financiamento para aquisição de bens (veículos e outros bens), rotativo do cartão de crédito, cheque especial e crédito pessoal, inclusive consignado com prazo superior a 24 meses. Essas medidas tiveram efeitos diferenciados no sistema bancário. Como os bancos são agentes econômicos ativos, que nem sempre reagem no sentido esperado às ações dos bancos centrais, aqueles com maior folga de capital, passado o choque inicial do anúncio das medidas, continuaram a ampliar o crédito. Esse é o caso, sobretudo, dos bancos maiores. Já os bancos de pequeno e médio portes foram mais afetados pela ação da autoridade monetária. Além da base de capital mais estreita, as perspectivas de menor crescimento de suas carteiras de crédito resultaram na elevação do seu custo de captação. Ademais, esses bancos sofreram o impacto dos problemas associadas à cessão de carteira de crédito no PanAmericano, casos do Schahin e do Morada, que também resultaram em perda de depositantes e aumento no custo da cessão de crédito, importante fonte de recursos, dada a baixa capilaridade de suas redes de agências. O Sachin terminou sendo adquirido em abril de 2011 pelo BMG, um dos líderes privados do segmento de crédito consignado. 17. Para maiores detalhes sobre as medidas de contenção ao crédito, ver o texto Intervenções macroprudenciais no mercado de crédito e no mercado de câmbio, no Boletim de Conjuntura / Fundap, nº 3, de abril de temas setoriais 35

18 Portanto, se a nova rodada de crise nas economias avançadas não resultar em forte desaceleração do crescimento econômico do Brasil, é de se esperar que o crédito ao setor privado prossiga em sua trajetória de elevação, impulsionado pelos grandes bancos e, em particular, os de capital nacional, de origem pública ou privada. Contudo, não se exclui a possibilidade de que os bancos estrangeiros, como o Santander, que também possui folga de capital, adotem uma estratégia mais agressiva de conquista de mercado, inclusive mediante a aquisição de concorrentes. Também é de se esperar aumento na concentração no mercado brasileiro de crédito, em particular em determinados segmentos. No segmento do crédito consignado, por exemplo, em que os bancos de menor porte têm forte presença, o BB e os grandes bancos privados Itaú, Bradesco e Santander vêm ganhando terreno. Em uma estratégia de manter sob controle a inadimplência de suas carteiras de crédito em um contexto de elevação da taxa de juros, esses bancos vêm ampliando suas concessões de crédito consignado em 2011 a um ritmo superior ao da média das demais instituições. O mesmo vem ocorrendo no segmento de pequenas e médias empresas, tradicionalmente atendidos pelas instituições de menor porte. Tanto o BB como o Itaú e o Bradesco vêm priorizando esse segmento. Em tal cenário de concentração do mercado brasileiro de crédito é fundamental que o governo federal utilize os bancos públicos, como fez em 2009, como instrumento de pressão concorrencial sobre os bancos privados para que, ante o temor de perder mercado, se vejam obrigados a reduzir spreads (e tarifas cobradas pelos serviços) e a melhorar a qualidade do atendimento aos clientes. Naquela ocasião, o BB e a CEF reduziram spreads e ampliaram o volume de empréstimos, mantendo a qualidade da carteira do crédito, exemplo que poderia ser seguido pelos bancos privados. Referências Bibliográficas ADACHI, Vanessa. Pactual paga R$ 450 milhões a Silvio Santos. Valor Econômico, p. C1, 01/02/2011. ADACHI, Vanessa. LIMA, Aline. Correios ainda opõem BB e Bradesco. Valor Econômico, 01/06/2011. BB - Banco do Brasil. Demonstrativos financeiros, 2008 a junho de Disponível em: http//www.bb.com.br BCB Banco Central do Brasil. Evolução dos Indicadores de Endividamento e Comprometimento de Renda após a Crise. In: BCB. Relatório de Inflação, p , março de Disponível em: http//www.bcb.gov.br BRADESCO. Demonstrativos financeiros, 2008 a junho de Disponível em: http//www.bradesco.com.br CEF - Caixa Econômica Federal. Demonstrativos financeiros, 2008 a junho de Disponível em: http//www.cef.gov.br COTIAS, Adriana; MANDL, Carolina. HSBC negocia venda de carteira de veículo para o PanAmericano. Valor Econômico, pg. C1, 02/08/2011. Grandes avançam no consignado. Valor Econômico, 04/05/ temas setoriais

19 FREITAS, M. Cristina P. Os efeitos da crise global no Brasil: aversão ao risco e preferência pela liquidez no mercado de crédito. Estudos Avançados 23 (66), São Paulo, p , FUNDAP Fundação do Desenvolvimento Administrativo. O mercado de crédito em 2009: a força dos bancos públicos. Nota Técnica do Grupo de Conjuntura, São Paulo: Fundap, junho, Disponível em LIMA, Aline, Bradesco dobra linha para micro e pequenas. Valor Econômico, 12/07/2011 ITAÚ Itaú Unibanco. Demonstrativos financeiros, 2008 a junho de Disponível em: http//www. itau.com.br MANDL, Carolina. Critério de risco limita aumento a carteira de crédito do Santander. Valor Econômico, 29/04/2011 Banco compra R$ 1,4 bilhão em crédito da matriz.valor Econômico, 29/04/2011 ROMERO, Cristiano; Travaglini Fernando BB mira 13 milhões de clientes com perfil para crédito, Valor Econômico, 12/05/2011 SANTANDER Demonstrativos financeiros, 2008 a junho de. Disponível em: http//www.santander.com.br temas setoriais 37

20 Tabela A1. Crédito do Sistema Financeiro ao Setor Privado, por Propriedade do Capital e Destino Crédito ao Setor Privado - Pessoas Físicas 1 Crédito ao Setor Privado - Pessoas Jurídicas 2 Volume (R$ milhões) Sistema Financeiro Público 4 Variação real em 12 meses (%) 3 Participação no Total do SFN (%) % do PIB Volume (R$ milhões) Variação real em 12 meses (%) 3 Participação no Total do SFN (%) % do PIB set./ ,1 24,6 3, ,9 38,8 9,0 dez./ ,0 26,1 3, ,2 40,6 10,1 jun./ ,6 28,4 4, ,5 43,7 10,7 dez./ ,5 30,3 5, ,9 45,4 11,4 jun./ ,2 32,0 5, ,4 45,6 11,4 dez./ ,5 32,8 6, ,0 44,6 11,5 jun./ ,2 34,2 6, ,7 44,0 11,4 Sistema Financeiro Privado Nacional set./ ,3 24,8 51,0 7, ,9 41,2 9,6 dez./ ,5 49,8 7, ,8 39,6 9,8 jun./ ,1 49,2 8, ,7 37,6 9,2 dez./ ,4 48,1 8, ,8 37,1 9,3 jun./ ,0 47,3 8, ,6 37,6 9,4 dez./ ,7 47,1 8, ,3 38,8 10,0 jun./ ,3 46,1 8, ,0 39,5 10,3 Sistema Financeiro Estrangeiro set./ ,3 24,4 3, ,6 20,0 4,7 dez./ ,3 24,1 3, ,3 19,8 4,9 jun./ ,8 22,3 3, ,2 18,8 4,6 dez./ ,9 21,5 3, ,2 17,5 4,4 jun./ ,1 20,7 3, ,3 16,7 4,2 dez./ ,7 20,2 3, ,0 16,5 4,3 jun./ ,4 19,7 3, ,3 16,5 4,3 Total Sistema Financeiro Nacional set./ ,9 100,0 14, ,6 100,0 23,3 dez./ ,7 100,0 15, ,7 100,0 24,9 jun./ ,0 100,0 16, ,5 100,0 24,4 dez./ ,4 100,0 17, ,8 100,0 25,1 jun./ ,6 100,0 17, ,4 100,0 25,0 dez./ ,2 100,0 18, ,0 100,0 25,9 jun./ ,2 100,0 19, ,6 100,0 26,0 Fonte: BCB. Série histórica de Empréstimos do Sistema Financeiro Nacional. (1) Inclui financiamento habitacional. (2) Soma das operações de crédito à indústria, setor rural, comércio e outros serviços. (3) Deflacionado pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). (4) Inclui bancos federais e estaduais, BNDES e agências estaduais de fomento. 38 temas setoriais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Evolução do Mercado de Crédito Brasileiro em 2011 1 1. Este artigo foi elaborado com informações disponíveis até o dia 24 de março de 2012. A autora agradece os comentários e sugestões da equipe do Grupo

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Ritmo da atividade econômica e mudança nas regras da poupança Grupo de Economia / Fundap Introdução A frustração com o ritmo de crescimento da economia brasileira é evidente. A produção industrial permaneceu,

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Em maio, a carteira de crédito do SFN totalizou aproximadamente 56,2% do PIB, indicando crescimento de 12,7% em 12 meses. O maior dinamismo

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Governador do Estado Geraldo Alckmin Secretário de Gestão Pública Davi Zaia Fundação do Desenvolvimento Administrativo (Fundap) Diretor Executivo Geraldo Biasoto Junior GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Luis

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO 5 MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Na reunião de fevereiro último, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a meta para a taxa Selic em 25 pontos-base (pb), fazendo-a chegar a 10,75% ao ano (a.a.). Essa redução

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

(Ver Visão do Desenvolvimento

(Ver Visão do Desenvolvimento Visão do Desenvolvimento nº 86 20 set 2010 Atuação dos bancos públicos faz Nordeste liderar aumento do crédito no Brasil Por Adriana Inhudes, Gilberto Borça Jr. e Pedro Quaresma Economistas da APE Ciclo

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 1º semestre de 2013 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade

Leia mais

Bancos financiam crescentemente a produção

Bancos financiam crescentemente a produção Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nota do dia 25 de julho de 2007 Fontes: Bacen, IBGE e CNI Elaboração: Febraban Bancos financiam crescentemente a produção Pessoa Jurídica O crédito destinado

Leia mais

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010 Visão do Desenvolvimento nº 84 6 ago 2010 Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009 Por Gilberto Borça Jr. e Leandro Coutinho Economista e advogado da APE Expansão

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras As principais modalidades de aplicação financeira disponíveis no mercado doméstico caderneta de poupança, fundos de investimento e depósitos a prazo

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

2.2 - MOEDA E CRÉDITO

2.2 - MOEDA E CRÉDITO 2.2 - MOEDA E CRÉDITO 2.2.1. Aspectos gerais A evolução dos agregados de moeda e crédito em 2009 esteve condicionada pelos reflexos da recente crise financeira internacional sobre a economia brasileira.

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 24-06-2008) Edição de 25 de junho de 2008 Operações de crédito à pessoa física apresentam

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Desempenho de vendas do setor segue forte

Desempenho de vendas do setor segue forte Macro Setorial segunda-feira, 20 de maio de 2013 Veículos Desempenho de vendas do setor segue forte Depois de obter recorde na venda de automóveis e comerciais leves em 2012, impulsionado por incentivos

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO CONJUNTURA ECONÔMICA INTERNACIONAL E NACIONAL

CENÁRIO ECONÔMICO CONJUNTURA ECONÔMICA INTERNACIONAL E NACIONAL BRB - Crédito, Financiamento e Investimento S.A. Relatório da Administração 1º semestre 2012 Senhor Acionista, Para dar conformidade à Lei das Sociedades por Ações, do Conselho Monetário Nacional, do Banco

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5%

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5% FINANCIAMENTO EMPRESAS, GOVERNO E FAMÍLIAS INFORMATIVO MENSAL DEZEMBRO/2011 1. FINANCIAMENTO GERAL DE ENTIDADES NÃO FINANCEIRAS: DÍVIDA CONSOLIDADA. O Financiamento geral consolidado de entidades não financeiras,

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões.

Reestruturação operacional reduz os custos e as despesas operacionais, proporcionando Ebitda de R$ 2,4 milhões. Última Cotação em 30/09/2013 FBMC4 - R$ 43,90 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2013): R$ 31.893,9 milhões US$ 14.431,7 milhões São Bernardo do Campo,

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 Brasília, 26 de agosto de 2015 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008 Fonte: Bacen 27/01/2009 DESTAQUES DE DEZEMBRO / 2008 As operações de crédito no SFN, incluindo recursos livres e direcionados, finalizaram o ano com um incremento

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Junho 2015 1 SUMÁRIO ANÁLISE DE DESEMPENHO... 4 SUMÁRIO EXECUTIVO 1S15... 6 MERCADO COMPETITIVO... 8 MARGEM ANALÍTICA... 9 Desempenho da Intermediação Financeira... 9 Variações

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Macro Brasil. Impacto do corte dos spreads bancários dependerá da abrangência dessa medida. 2 de maio de 2012 Emerging Markets Research Brasil

Macro Brasil. Impacto do corte dos spreads bancários dependerá da abrangência dessa medida. 2 de maio de 2012 Emerging Markets Research Brasil Emerging Markets Research Brasil Macro Brasil Análise Econômica Credit Suisse Brasil Nilson Teixeira +55 11 3841 6288 nilson.teixeira@credit-suisse.com Iana Ferrão +55 11 3841 6345 Iana.ferrao@credit-suisse.com

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada A nossa carteira para este mês de Outubro continua estruturada considerando a expectativa de aumento da taxa de juros a partir do próximo ano. Acreditamos que

Leia mais

TABELA 1 Destaques dos seis maiores bancos Brasil - 2013

TABELA 1 Destaques dos seis maiores bancos Brasil - 2013 DESEMPENHO DOS BANCOS EM 2013 Resultados diferenciados e fechamento de postos de trabalho caracterizaram o desempenho do setor bancário em 2013 Em 2013, os seis maiores bancos do país 1 apresentaram resultados

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

BOLETIM ECONÔMICO JANEIRO/08. Sumário: 1 Conjuntura: 1.1 Índices de Preços:

BOLETIM ECONÔMICO JANEIRO/08. Sumário: 1 Conjuntura: 1.1 Índices de Preços: BOLETIM ECONÔMICO JANEIRO/08 Sumário: 1 Conjuntura: 1.1 Índices de Preços: A variação do IPCA acumulado em dezembro alcançou 4,46%. Com isso inverteu a tendência de queda da inflação que vinha sendo observada

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

Relatório de estabilidade financeira Comentários. Fonte: Banco Central do Brasil, março/2014

Relatório de estabilidade financeira Comentários. Fonte: Banco Central do Brasil, março/2014 Relatório de estabilidade financeira Comentários Fonte: Banco Central do Brasil, março/214 Sumário Base: até 2º sem./13 Com base nos números relativos ao ano de 213, o último Relatório de Estabilidade

Leia mais

Preferência pela Liquidez e a Natureza da Crise Brasileira +

Preferência pela Liquidez e a Natureza da Crise Brasileira + Preferência pela Liquidez e a Natureza da Crise Brasileira + Luiz Fernando de Paula * Considerando a solidez dos fundamentos econômicos (reservas cambiais elevadas, bons indicadores de vulnerabilidade

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

Antídoto contra o spread bancário

Antídoto contra o spread bancário Antídoto contra o spread bancário LUIZ FERNANDO DE PAULA Professor da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FCE/UERJ) Um dos grandes entraves ao crescimento econômico

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

seu dinheiro Consórcio ou financiamento? #103 Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel

seu dinheiro Consórcio ou financiamento? #103 Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel #103 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel Consórcio ou financiamento? Poupança com ganho real Investimento volta a superar a inflação

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

O crédito ao setor privado atingiu R$1.948 bilhões no final de 2011, após acréscimos de 2,2% no mês e de 18,9% em relação a dezembro de 2010.

O crédito ao setor privado atingiu R$1.948 bilhões no final de 2011, após acréscimos de 2,2% no mês e de 18,9% em relação a dezembro de 2010. O volume total de crédito do sistema financeiro, computadas as operações com recursos livres e direcionados, atingiu R$2.030 bilhões em dezembro, após crescimento mensal de 2,3%. Ao longo de 2011, o crédito

Leia mais

A EVOLUÇÃO RECENTE DO CRÉDITO E SUA PARTICIPAÇÃO NO COMBATEA CRISE FINANCEIRA INTERNACIONAL RESUMO

A EVOLUÇÃO RECENTE DO CRÉDITO E SUA PARTICIPAÇÃO NO COMBATEA CRISE FINANCEIRA INTERNACIONAL RESUMO 105 A EVOLUÇÃO RECENTE DO CRÉDITO E SUA PARTICIPAÇÃO NO COMBATEA CRISE FINANCEIRA INTERNACIONAL Carlos Eduardo Lopes do Nascimento 1 RESUMO Este artigo analisa o desenvolvimento do crédito no cenário nacional,

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Cenário econômico Cenário econômico Contexto Macro-econômico e Regulamentação Redução de spreads Incremento

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Tendências importantes para o spread e inadimplência

Tendências importantes para o spread e inadimplência Tendências importantes para o spread e inadimplência A inadimplência confirma mínima histórica em 3,0% e o spread bancário volta a se elevar, alcançando 13,1%. Os dois movimentos são os principais destaques

Leia mais

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Todas as linhas de crédito para pessoas jurídicas subiram. Para pessoas físicas, houve aumento nos juros do comércio,

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015.

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na abertura do X Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 Como Presidente e Gestora do Instituto de Previdência

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Banco Central do Brasil: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em agosto de 2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,13 trilhões

Leia mais

Destaque Depec - Bradesco

Destaque Depec - Bradesco Destaque Depec - Bradesco Ano XII - Número 11-0 de julho de 015 Melhora da composição da carteira de crédito e desalavancagem das famílias deverão conter a alta da inadimplência Ellen Regina Steter Departamento

Leia mais