ETEC ANTONIO DEVISATE RMA (RETURN MATERIAL AUTHORIZATION) OU REMESSA DE MATERIAL AUTORIZADA: UM ESTUDO DE CASO COMPARATIVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETEC ANTONIO DEVISATE RMA (RETURN MATERIAL AUTHORIZATION) OU REMESSA DE MATERIAL AUTORIZADA: UM ESTUDO DE CASO COMPARATIVO"

Transcrição

1 ETEC ANTONIO DEVISATE RMA (RETURN MATERIAL AUTHORIZATION) OU REMESSA DE MATERIAL AUTORIZADA: UM ESTUDO DE CASO COMPARATIVO MARÍLIA 2010

2 ETEC ANTONIO DEVISATE RMA (RETURN MATERIAL AUTHORIZATION) OU REMESSA DE MATERIAL AUTORIZADA: UM ESTUDO DE CASO COMPARATIVO TCC apresentado à ETEC Antonio Devisate, como requisito parcial à obtenção do certificado de conclusão de Técnico em Logística. Aluno: João Carlos de Souza Conceição RM: 9543 MARÍLIA 2010

3 COMISSÃO EXAMINADORA NOME DO PROFESSOR ASSINATURA Marília, 29 de Novembro de 2010.

4 DEDICATÓRIA Primeiramente faço um memorial à D. Deodete, minha inesquecível mãe, que me deu a vida com amor e com quem aprendi muito; à Aquele, que me permitiu tudo isso, na minha vida, e, não somente nestes anos como aluno, à Você meu DEUS, obrigado, reconheço cada vez mais em todos os meus momentos, que Você é o maior mestre, que uma pessoa pode conhecer e reconhecer!

5 AGRADECIMENTOS Gostaria em primeiro lugar de agradecer a Deus, por me proporcionar tempo e discernimento para realizar esse curso de Logística na ETEC Antonio Devisate Expansão Monsenhor Bicudo; e aos meus professores que tiveram paciência ao explicar e destreza no decorrer do curso, lapidando-me para ser um profissional gabaritado às diferentes exigências do dia-a-dia de um profissional de logística. Gostaria também de agradecer em especial à minha professora orientadora Cristina Gonçalves de Souza, que não poupou esforços para me orientar; e ao meu professor Paulo Augusto Mendes, que teve participação direta à este estudo, onde o mesmo me ajudou na tomada de direção para o tema proposto. Obrigado!

6 Seja simpático com os estudiosos aqueles estudantes que muitos julgam que são uns idiotas. Existe uma grande probabilidade de vocês virem um dia a trabalhar para eles (Bill Gates).

7 RESUMO O tema desse estudo é o RMA (RETURN MATERIAL AUTHORIZATION) ou REMESSA DE MATERIAL AUTORIZADA, onde será abordado através do estudo de caso; tendo como justificativa a necessidade do setor de informática na redução de burocracias e numa maior padronização dos processos; será utilizada a metodologia de pesquisação, onde as pesquisas serão fundamentadas em sua maioria em: (Closs, 2010), (LACERDA, 2010), (WIKIPÉDIA, 2010), (Kroetz, 2001), e outros, assim como na prática diária atuando diretamente no setor; após as pesquisas e o estudo do caso chegamos à conclusão de que na maneira que o setor se encontra, tornasse cada vez mais difícil as solicitações de RMAs, uma vez que cada fornecedor utiliza um método para se obter os RMAs.

8 ABSTRACT The theme of this study is the RMA (Return Material Authorization) or AUTHORIZED SHIPMENT OF MATERIAL, which will be addressed through case study, whose main justification the need of the computer industry in reducing bureaucracy and greater standardization of processes, will be used action research methodology, where the research is based mostly on: (Closs, 2010), (Lacerda, 2010), (WIKIPEDIA, 2010), (Kroetz, 2001), and others, as well as in daily practice working directly in industry and after research and study of the case came to the conclusion that the way the industry is, become increasingly difficult to requests for RMAs, since each vendor uses a method of obtaining the RMA.

9 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1, O ciclo infinito.... Erro! Indicador não definido. Retirada de < acessado em 06/12/2010 as 19:00. Figura 2, custo... 4 Retirada de < acessado em 06/12/2010 as 19:00. Figura 3, O processo de logística reversa... Erro! Indicador não definido. Autoria própria. Figura 4, RMA... Erro! Indicador não definido. Retirada de < acessada em 06/12/2010 as 19:00 Figura 5, Teclado Y Retirada de <sistema ERP, empresa de informática. em 30/11/2010 as 14:30. Figura 6, Gráfico indicador de desempenho, empresa Y Autoria própria. Figura 7, Teclado Z Retirada de <sistema ERP, empresa de informática. em 30/11/2010 as 14:30. Figura 8, Gráfico indicador de desempenho, empresa Y Autoria própria.

10 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA METODOLOGIA LOGÍSTICA CUSTO CUSTO DIRETO CUSTO INDIRETO CUSTOS FIXOS CUSTOS VARIÁVEIS LOGÍSTICA REVERSA DEFINIÇÃO DE RMA TIPOS DE RMA RMA TOTAL RMA PARCIAL RMA SEM CUSTEIO PROCESSO DE RMA PROCESSO DE RMA MAIS UTILIZADO NO SETOR DE INFORMÁTICA ESTUDO DE CASO EXPERIMENTO DE RMA COM A EMPRESA Y E A EMPRESA Z EMPRESA Y EMPRESA Z CONCLUSÃO SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 18

11

12 1 1. INTRODUÇÃO Habitualmente pensamos em logística como sendo o fluxo de materiais da fábrica até o ponto de consumo; entretanto há algo além desse pensamento, que hoje se discute muito nos principais meios de comunicação, tanto acadêmicos quanto corporativos, que é a questão do fluxo reverso, ou seja, do retorno do material avariado ou inservível. Várias questões têm influenciado tal discussão, tornando possível citar uma delas como sendo a questão ambiental. Há uma forte tendência na responsabilização das empresas pela destinação correta de seus produtos, assim como a obrigatoriedade das empresas em prestar serviços de assistência a seus clientes no que diz respeito a produtos avariados. De acordo com o Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990), em seu Capitulo IV, Sessão II, Artigo 12º, parágrafo primeiro, tem-se: O fabricante, o produtor, o construtor, nacional ou estrangeiro, e o importador respondem, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos decorrentes de projeto, fabricação, construção, montagem, fórmulas, manipulação, apresentação ou acondicionamento de seus produtos, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua utilização e riscos. 1º O produto é defeituoso quando não oferece a segurança que dele legitimamente se espera, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes (PROCON-SP, 2010). Trata das disposições referentes à responsabilidade; onde podemos ver que todo produto citado tecnicamente como avariado tem sua responsabilidade em cabida ao produtor, distribuidor, etc. 2. OBJETIVO GERAL Este estudo tem por finalidade apresentar o processo de RMA (Remessa de Material Autorizada) realizado no setor de informática, onde será exposta a realização do processo entre a revenda e o distribuidor neste setor. Serão buscadas, por meio da análise de processo de dois fornecedores diferentes de produtos similares, as melhores opções no ramo, e a apresentação de alternativas para a melhoria do processo de RMA (Remessa de Material Autorizada).

13 2 3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Análise do processo; Busca pela diminuição do custo. 4. JUSTIFICATIVA Tem-se por justificativa deste estudo a necessidade do setor em aprimorar e diminuir o tempo de resposta no processo de RMA (Remessa de Material Autorizada). 5. METODOLOGIA Este estudo tem por fundamentação de pesquisas o método de pesquisação, onde ao mesmo tempo que se é pesquisado em fontes externas obtem-se informações da vivencia diária com o tema proposto.

14 3 6. LOGÍSTICA Figura 1, O ciclo infinito. Segundo Faria, Ana e Costa, Maria (COSTA & FARIA, 2009) (2009 apud Conselho dos Profissionais de Gestão da Cadeia de Suprimentos, 2005), O conceito de logística tem sido definido de acordo com a ocasião, tais como, por exemplo, Distribuição física, Administração de Materiais, Logística da Marketing e Administração da Cadeia de Abastecimento, entre outros. Entretanto a definição atual mais aceita no meio logístico é: Logística é a parte do processo de cadeia de suprimentos que planeja, programa e controla, de forma eficiente e eficaz, a expedição, o fluxo reverso e a armazenagem de bens e serviços, assim como do fluxo de informações relacionadas, entre o ponto de origem e o ponto de consumo, com o propósito de atender às necessidades dos clientes Temos acima a definição moderna de logística, entretanto a logística a logística surgiu na guerra, a partir da necessidade dos militares em programar o recebimento de suprimentos da melhor maneira possível.

15 4 Atualmente a logística é utilizada nas organizações tal como podemos encontrar abaixo:...a logística de uma empresa é um esforço integrado com o objetivo de ajudar a criar valor para o cliente pelo menor custo total possível. A logística existe para satisfazer às necessidades do cliente, facilitando as operações relevantes de produção e marketing. Do ponto de vista estratégico, os executivos de logística procuram atingir uma qualidade predefinida de serviço ao cliente por meio de uma competência operacional que represente o estado-da-arte. O desafio é equilibrar as expectativas de serviços e os gastos de modo a alcançar os objetivos do negócio. (Closs, 2010) Sintetizando ambas as citações acima, entendemos que a logística, é vista atualmente pelas organizações como parte crucial ao seu desenvolvimento, ou seja, as mesmas buscam cada vez mais investir em seus Departamentos Logísticos CUSTO Figura 2, custo Custo é, Gasto relativo a bem ou serviço utilizado na produção de outros bens e serviços [ (Mendes, 2009) apud (NAKAGAWA, 1994)] Após a definição acima citada, podemos desenvolver o custo de diferentes modos, baseando-se nos princípios da contabilidade de custos, tais como:

16 CUSTO DIRETO É aquele que pode ser identificado e diretamente apropriado a cada tipo de bem ou órgão ou objeto a ser custeado, no momento de sua ocorrência, isto é, está ligado diretamente a cada tipo de bem ou função de custo. É aquele que pode ser atribuído (ou identificado) direto a um produto, linha de produto, centro de custo ou departamento. Não necessita de rateios para ser atribuído ao objeto custeado. (Kroetz, 2001) O custo direto, então, é aquele que podemos ligar diretamente à um bem ou serviço CUSTO INDIRETO...pode ser entendido, como aquele custo que não pode ser atribuído (ou identificado) diretamente a um produto, linha de produto, centro de custo ou departamento. Necessita de taxas/critérios de rateio ou parâmetros para atribuição ao objeto custeado. (Kroetz, 2001) Entendemos, então, que o custo indireto não pode ser ligado à apenas um produto sem critérios de rateio (proporções para divisão) bem apropriado CUSTOS FIXOS São aqueles que mantém um dimensionamento constante, independentemente do volume de produção, ou ainda, os custos de estrutura que permanecem período após período sem variações, não ocorrendo em conseqüência de variação no volume de atividade em períodos iguais. (Kroetz, 2001) Nos custos fixos são abordados os custos que independentemente da operção ou processo, os mesmos ocorre, ou seja, exemplificando, se uma empresa produz dez mil toneladas mês de borracha em períodicamente, e em outro mês a mesma empresa produz quatro mil toneladas, o custo operacional (mão-de-obra, Aluguel, etc) permanecerão os mesmo.

17 CUSTOS VARIÁVEIS São custos que variam de acordo com o objeto de custeio ou ainda, em alguns casos que se modificam em função da variação do volume/atividades das operações, ou seja, da variação na quantidade produzida no período. Quanto maior o volume de produção, no período, maior será o custo variável. (Kroetz, 2001) Utilizando o mesmo exemplo da empresa produtora de borracha, podemos então definir os custos variáveis, como os mesmos variando de acordo com a produção da borracha, ou seja, quanto mais borracha se produzir, custos variáveis teremos; ao produzir 10 mil toneladas de borracha, digamos que a empresa possui uma máquina que precisa de 4 litros de fluido para resfriamento à cada tonelada de borracha produzida, assim teremos 40 litros de fluido utilizados na produção das dez mil toneladas de borracha produzidas; aplicando o mesmo exemplo para a produção das quatro mil toneladas em um mês de baixa, teremos dezesseis litros de fluido utilizados. Ao aplicar esses princípios na logística, chegamos à concluir que os custos é um ponto chave para a logística empresarial, ou seja, a logística deve contribuir ao máximo, propondo e executando planos para reduzir os custos da empresa, assim tornando-a mais lucrativa; entretanto a logística deve alertar-se para o nível de satisfação do cliente para com a empresa ou bem/serviço que a mesma oferece.

18 LOGÍSTICA REVERSA Figura 3, O processo de logística reversa A conceitualização de logística reversa: [...] podemos então definir logística reversa como sendo o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo de matériasprimas, estoque em processo e produtos acabados (e seu fluxo de informação) do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recapturar valor ou realizar um descarte adequado. (LACERDA, 2010) Podemos entender, que a logística reversa está diretamente ligada ao produto; onde podemos destacar exemplificadamente a necessidade das empresas que eventualmete opinaram pela implantação da logística em vossas cadeias de abastecimento, ou seja, a logística reversa vêem a ser em suma a logística do fluxo reverso.

19 8 Segundo (LACERDA, 2010) temos entre os principais fatores influenciadores, da atual situação da logística reversa, os abaixo citados: Questões ambientais -Existe uma clara tendência de que a legislação ambiental caminhe no sentido de tornar as empresas cada vez mais responsáveis por todo ciclo de vida de seus produtos. Isto significa ser legalmente responsável pelo seu destino após a entrega dos produtos aos clientes e do impacto que estes produzem no meio ambiente. Um segundo aspecto diz respeito ao aumento de consciência ecológica dos consumidores que esperam que as empresas reduzam os impactos negativos de sua atividade ao meio ambiente. Isto tem gerado ações por parte de algumas empresas que visam comunicar ao público uma imagem institucional ecologicamente correta. Redução de Custo - As iniciativas relacionadas à logística reversa têm trazido consideráveis retornos para as empresas. Economias com a utilização de embalagens retornáveis ou com o reaproveitamento de materiais para produção têm trazido ganhos que estimulam cada vez mais novas iniciativas. Além disto, os esforços em desenvolvimento e melhorias nos processos de logística reversa podem produzir também retornos consideráveis, que justificam os investimentos realizados. Nas seções seguintes deste artigo serão apresentados conceitos básicos relacionados à logística reversa e discutidos alguns dos fatores críticos que influenciam a eficiência dos processos de logística reversa.

20 9 7. DEFINIÇÃO DE RMA Figura 4, RMA Seguindo a filosofia de logística reversa, foi criado o sistema RMA. Segundo a enciclopédia virtual (WIKIPÉDIA, 2010) o RMA (Return Merchandise Authorization ou Return Material Authorization): É uma transação onde o dono de um produto envia o material defeituoso para o fornecedor de forma a obter uma reparação do produto ou um novo, ou de forma a ter o seu crédito reembolsado para poder adquirir um outro produto do mesmo fornecedor ou empresa. Em muitos casos, uma RMA é dada após várias séries de testes. Por exemplo, para um produto de hardware, se existe algum defeito, um engenheiro irá analisar o produto à procura de defeitos. Se for encontrado algum defeito, o engenheiro irá analisar se este foi provocado pelo consumidor. Isto é feito para que o fornecedor não sofra perdas devido à negligência do integrador, usuário, distribuidor ou revenda. Geralmente, é feito com bens que estão novos e vieram com defeitos de fábrica, quando se tornam defeituosos e ainda se encontram na garantia. O consumidor geralmente telefona para um número de apoio ao cliente e recebe um "Número de RMA" (WIKIPÉDIA, 2010). Sintetizando a citação acima, pode-se dizer que o RMA é a autorização da remessa do material para reparo ou devolução.

21 TIPOS DE RMA Há diversos tipos de RMA, no que diz respeito principalmente ao seu centro de custos, ou seja, na relação entre o processo e à parte que cabe os custos RMA TOTAL Nessa modalidade, todos os custos ficam por conta do fornecedor, ou seja, cabe ao fornecedor o custeio do transporte dês de a revenda até a chegada desse material e o despacho para a revenda; assim como o custeio de reparação da mercadoria, e quando não há a possibilidade de reparação o fornecedor custeia o retorno de outro material similar ou superior à revenda RMA PARCIAL Nessa modalidade, a revenda deve custear o transporte do material até o fornecedor, que por sua vez custeia o transporte de retorno da mercadoria; assim como o custeio de reparação da mercadoria, e quando não há a possibilidade de reparação o fornecedor custeia o retorno de outro material similar ou superior à revenda RMA SEM CUSTEIO Nessa modalidade, a revenda custeia todos os custos de transporte, ou seja, dês de a remessa do material até a coleta do mesmo no fornecedor; entretanto cabe ao fornecedor o custeio de reparação da mercadoria, e quando não há a possibilidade de reparação o fornecedor custeia o retorno de outro material similar ou superior à revenda.

22 11 Ao analisar esses conceitos básicos definitivos de RMA, acreditamos que o RMA TOTAL, é aquele que traz maiores ganhos à empresa que realizará o processo, pois desonera a mesma para realizar os investimentos necessários, para agilizar cada vez mais os processos; e a empresa que custeara (pagara) pelos custos gerados com o RMA trará à seus clientes a segurança, ao menos, da certeza da conclusão do RMA de acordo com os parâmetros anteriormente pré-estabelecidos. 8. PROCESSO DE RMA O processo de RMA é previamente definido pela política de RMA do fornecedor da mercadoria, sendo assim, há diversos tipos de processo para o RMA PROCESSO DE RMA MAIS UTILIZADO NO SETOR DE INFORMÁTICA O processo de RMA mais utilizado no setor de informática, entre fornecedor e revenda é aquele no qual ocorrem os seguintes procedimentos, em ordem cronológica: A revenda deve primeiramente preencher um formulário com os materiais que precisam ser enviados para RMA. No preenchimento do formulário consta, descrição do produto, número de série (quando houver), número da nota fiscal (NF) de compra, data da compra, defeito apresentado, e a quantidade para envio. Enviar o formulário para o fornecedor. O envio pode ser através de diversos meios, tais como , fax, site do fornecedor, entre outros. Aguardar o retorno do fornecedor autorizando o envio dos materiais; entretanto o fornecedor pode não autorizar o envio de todos os produtos, pois em alguns casos a garantia não cobre o defeito detalhado ou o prazo de garantia, que é pré-estabelecido pelo fornecedor. Após a confirmação do fornecedor a revenda deve emitir a NF com os produtos autorizados e enviá-la para o fornecedor, através de um dos meios de

23 12 comunicação supracitados. O fornecedor analisa a NF, e ao concluir que todos os campos da mesma estão devidamente preenchidos e corretamente, o mesmo autoriza o envio dos materiais avariados (RMA) Nessa etapa a revenda envia o material autorizado. O fornecedor tem 30 dias para devolver o material. A revenda após receber o material dá entrada e o processo de RMA é findado.

24 13 9. ESTUDO DE CASO O presente estudo de caso é de caráter prático e tem por finalidade apresentar a atual situação do processo de RMA em duas diferentes empresas, comparando como o processo se dá em ambas. Neste trabalho, serão cognominadas de Empresa Y e na Empresa Z, com a justificativa de preservar a identidade das mesmas EXPERIMENTO DE RMA COM A EMPRESA Y E A EMPRESA Z O material a ser enviado por cada empresa é um teclado básico de PC. Observa-se que as duas empresas são concorrentes no mercado de informática EMPRESA Y Figura 5, Teclado Y Na empresa Y o processo baseia-se no tipo de RMA total. O processo ocorre da maneira descrita a seguir: A revenda deve preencher um formulário com os produtos a serem enviados ao fornecedor Y, e enviá-lo por e aguardar o retorno que normalmente demora aproximadamente 2 dias para o retorno com a lista de materiais autorizando fazer a NF, que posteriormente deverá se passada por novamente, para que a empresa Y possa analisar se a NF encontra-se tal como foi autorizado. Após a revenda X passar por a NF com os materiais, a empresa Y em aproximadamente três dias retorna o autorizando a postagem, que será custeada pela empresa Y, utilizando a autorização de postagem da ECT. A revenda empacota os materiais e envia-os para o fornecedor Y através da autorização de postagem, que deve ser utilizada apenas nas agências da ECT

25 Tempo em min. Tempo dias Figura 6, Gráfico indicador de desempenho, empresa Y EMPRESA Z Figura 7, Teclado Z Na empresa Z o processo baseia-se também no tipo de RMA TOTAL. O processo ocorre da maneira descrita a seguir: - A revenda deve fazer uma NF para os produtos que serão enviados para RMA, e enviar essa NF por para a empresa Z. - O retorno o autorizando o envio dos produtos perdura por aproximadamente 2 dias, entretanto nessa operação o envio dos produtos para RMA é feito através de transportadora, onde, a empresa Z solicita via à transportadora para retirar os

26 15 produtos na empresa X. - entre o retorno do autorizando o despacho e a retirada pela transportadora á aproximadamente 3 dias de lead time. Em ambas as empresas os produtos retornam os mesmos, e quando não há os mesmos produtos para as mesmas retornarem, as empresas retornam um produto similar ou superior ao enviado no RMA. Em média o processo de retorno das em questão acontece dentro dos trinta dias Tempo em min. Tempo dias Figura 8, Gráfico indicador de desempenho, empresa Y

27 CONCLUSÃO A partir das pesquisas e exposição do estudo de caso, concluímos e defendemos o quão importante é ou tornar-se-á a logística reversa para as organizações, uma vez que a legislação nesse país caminha para esse importante destino. O RMA será de fundamental importância, não apenas ao setor de informática, também para os demais setores, pois o mesmo funciona tal como um método de controle e mensuração do índice de retorno dos produtos, oferecendo a um baixo custo um método avaliativo da qualidade dos produtos, atuando para melhorar a imagem da organização para seu consumidor. De acordo com o estudo de caso; acreditamos que a maior busca pelas organizações no setor de informática deva ser pela padronização dos processos, assim acarretaríamos na melhora dos processos, dando às mesmas melhor controle dos RMAs,

28 17 SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS Aos que por ventura vierem a pesquisar sobre o tema RMA, acreditamos que devam buscar mais fundamentos em bibliografias Estados Unidenses, pois, foi constatado que o pais EUA, por ser uma economia plenamente desenvolvida encontram-se em melhores condições logísticas, ou seja, já possuem conhecimentos suficientes e admiráveis nessa importante área administrativa.

29 18 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Closs, D. J. (2010). Logística Empresarial. São Paulo: ATLAS. COSTA, M. D., & FARIA, A. C. (2009). Gestao de Custos Logisticos. SÃO PAULO: ATLAS. Dantas, A. P. (06 de 12 de 2010). O ciclo infinito. Site. Kroetz, C. E. (2001). APOSTILA DE CONTABILIDADE DE CUSTOS 1. Ijuí: Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS. LACERDA, L. (10 de 01 de 2010). Acesso em 22 de 11 de 2010, disponível em ILOS: d=74 Mendes, P. A. (19 de 08 de 2009). Príncipios de custo. Elementos de custo no processo produtivo. Marília, SP, Brasil: Material Didático. NAKAGAWA, M. (1994). ABC Custo Baseado em Atividades. São Paulo, SP: Atlas. PROCON-SP. (20 de 11 de 2010). codigo%20defesa%20consumidor.pdf. Acesso em 20 de 11 de 2010, disponível em PROCON SP: WIKIPÉDIA. (20 de novembro de 2010). Acesso em 20 de novembro de 2010, disponível em WIKIPÉDIA:

Políticas de Garantia

Políticas de Garantia Políticas de Garantia RMA RETURN MERCHANDISE AUTHORIZATION (Autorização de Devolução de Mercadoria) SUMÁRIO 1. OBJETIVO 3 2. VISÃO GERAL SOBRE GARANTIA 3 3. PROCESSO DE DEVOLUÇÃO 3 4. MODALIDADE DE RMA

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

RMA - DN Automação (Autorização para Retorno de Mercadoria)

RMA - DN Automação (Autorização para Retorno de Mercadoria) RMA - DN Automação (Autorização para Retorno de Mercadoria) Orientações gerais aos parceiros de negócios A DN Automação trabalha exclusivamente através de parceiros de negócios (revendedores e agentes),

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC de São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

GARANTIA DELTAFIRE. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA

GARANTIA DELTAFIRE. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA GARANTIA DELTAFIRE Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA Deltafire Ltda. R. Pinheiro Machado, 3271 Caxias do Sul, RS Tel. 54 3204-4000 CEP 95020-172 www.deltafire.com.br Garantia

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS Bruno Aguilar da Cunha 1, Diego Alamino de Oliveira 2 1,2 FATEC SOROCABA - Faculdade de Tecnologia de Sorocaba José Crespo Gonzales 1 bruno.cunha2@fatec.sp.gov.br,

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

Para comprar, você coloca cada produto desejado no carrinho e depois indica a quantidade. Para efetivar a compra, clique em comprar.

Para comprar, você coloca cada produto desejado no carrinho e depois indica a quantidade. Para efetivar a compra, clique em comprar. Como Comprar Comprar na loja virtual Cia do Catalisador é fácil, rápido e seguro. Tudo funciona como em uma loja normal: logo na entrada, você vê na vitrine nossos produtos em destaque, os lançamentos

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Estatística I Aula 1. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística I Aula 1. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística I Aula 1 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística Estatística

Leia mais

MBA em Gestão Logística

MBA em Gestão Logística Pág. 1/5 MBA em Gestão Logística Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados das 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas de R$ 380,00* * Valor

Leia mais

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3.

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. PROBLEMA: É UM OBSTÁCULO QUE ESTÁ ENTRE O LOCAL ONDE SE ESTÁ E O LOCAL EM QUE SE GOSTARIA DE ESTAR. ALÉM DISSO, UM PROBLEMA

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Descrição do serviço

Descrição do serviço Descrição do serviço Serviço de substituição de bateria (BRS) para baterias de Unidade de substituição de campo (FRU) 1. Visão geral do serviço O serviço de substituição de bateria para baterias de unidade

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Prof. M.Sc. Diego Fernandes Emiliano Silva diego.femiliano@gmail.com Agenda Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados Sistemas integrados

Leia mais

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO 5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) CAROLINA PASQUOT Orientador(es) José Roberto Soares Ribeiro

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Administração de Materiais e Logística

Administração de Materiais e Logística Administração de Materiais e Logística Com abordagem a Supply Chain Scorecard Prof. Me Clesio L. Landini Jr. - 2012 - Dedicatória Aos meus alunos, a mola propulsora para a realização desta obra; Aos meus

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

DOS PROCEDIMENTOS QUANTO À OCORRÊNCIA DE SINISTROS COM VEÍCULOS... 6. DO RECEBIMENTO DE BENS DOADOS PELA Receita Federal do Brasil (RFB)...

DOS PROCEDIMENTOS QUANTO À OCORRÊNCIA DE SINISTROS COM VEÍCULOS... 6. DO RECEBIMENTO DE BENS DOADOS PELA Receita Federal do Brasil (RFB)... Manual de Frota 2 SUMÁRIO DO CONTRATO DE MOTORISTAS TERCEIRIZADOS... 3 DAS SOLICITAÇÕES DE VEÍCULOS OFICIAIS... 3 DO ABASTECIMENTO... 4 Do Abastecimento de veículos de outros órgãos... 5 DA MANUTENÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

REGULAMENTO TCC DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO: BACHARELADO e LICENCIATURA DA FACULDADE SÃO SEBASTIÃO

REGULAMENTO TCC DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO: BACHARELADO e LICENCIATURA DA FACULDADE SÃO SEBASTIÃO 1 REGULAMENTO TCC DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO: BACHARELADO e LICENCIATURA DA FACULDADE SÃO SEBASTIÃO 2015 2 SUMÁRIO REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO... 3 CAPÍTULO I GENERALIZAÇÕES... 3 CAPÍTULO

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

MBA É COM A FGV. MBA em Logística e Supply. Chain Management SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP

MBA É COM A FGV. MBA em Logística e Supply. Chain Management SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP MBA É COM A FGV SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP MBA em Logística e Supply Chain Management Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas

Leia mais

Troca e Devolução Lojasmm.com

Troca e Devolução Lojasmm.com Troca e Devolução Lojasmm.com Informações Gerais. Nosso objetivo é garantir sempre sua satisfação nas compras realizadas no nosso site. Visando uma parceria de respeito e confiança, criamos a Política

Leia mais

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais)

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

Serviço de Clientes. Gestix Enterprise. Gestix.com

Serviço de Clientes. Gestix Enterprise. Gestix.com Serviço de Clientes Gestix Enterprise Serviço de Clientes Objectivo O módulo Serviço de Clientes permite organizar o expediente pós-venda de forma a aumentar a qualidade do serviço prestado ao cliente.

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA Antonia Maria Gimenes¹, Marcio Jabour de Oliveira², William Gonçalves São Leão⁴

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068 Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Programa da Disciplina I Unidade II Unidade Logística Visão geral e funções Suprimentos

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA LOGÍSTICA E O USO DE SOFTWARE DE CONTROLE LOGÍSTICO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA LOGÍSTICA E O USO DE SOFTWARE DE CONTROLE LOGÍSTICO 1 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA LOGÍSTICA E O USO DE SOFTWARE DE CONTROLE LOGÍSTICO Jéssica Weber * Letícia Muskopf ** Viviane Cristine Fries *** RESUMO Este artigo tem como objetivo mostrar como

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DAS SECRETARIAS DE OBRAS E AGRICULTURA PROJETO DE TRABALHO

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DAS SECRETARIAS DE OBRAS E AGRICULTURA PROJETO DE TRABALHO SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DAS SECRETARIAS DE OBRAS E AGRICULTURA PROJETO DE TRABALHO INTRODUÇÃO O avanço da tecnologia trouxe inúmeros benefícios à população. Quando usada de maneira saudável e inteligente,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012

Plano de Trabalho Docente 2012 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Gestão Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM MARKETING Qualificação:

Leia mais

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE A) APLICABILIDADE 1. Os presentes termos de uso são aplicáveis aos Usuários da INTERNET POOL COMÉRCIO ELETRONICO LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 09.491.113/0001-01,

Leia mais

efagundes com Curso Online sobre Comércio Eletrônico Eduardo Mayer Fagundes

efagundes com Curso Online sobre Comércio Eletrônico Eduardo Mayer Fagundes Curso Online sobre Comércio Eletrônico Eduardo Mayer Fagundes 1 Programa do Curso 1. Os consumidores 2. A Tecnologia 3. Marketing Digital 4. Logística 5. Meios de Pagamento 2 O Consumidor O objetivo do

Leia mais

Gestão da Logística Reversa

Gestão da Logística Reversa Gestão da Logística Reversa Custos com a Logística Reversa nos EUA (em US$) e no Brasil Custo Logístico Total nos EUA $1,006,000,000 Custo Aproximado da LR % 4.00% Custos Estimados com LR $40,240,000 Source

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA O presente conjunto de Condições Gerais de Venda da GLUAL HIDRÁULICA se aplica a todas as entregas e a todos os serviços. ARTIGO 1. INFORMAÇÕES GERAIS ARTIGO 2. - OFERTAS E PEDIDOS ARTIGO 3. ESTUDOS, PLANTAS

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO José Carlos Ferreira Maia A Cadeia Produtiva na Indústria de Construção Imobiliária: Estudo de Caso na Cidade do Rio de Janeiro DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL Programa de

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÂ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS Escola de Engenharia Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Manual Módulo de Custos

Manual Módulo de Custos Manual Módulo de Custos Emissão: 24/01/2014 Revisão: 20/05/2015 Revisado por: Juliana shp group 1 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema Conteúdo Introdução...... 3 I - TIPOS DE CUSTOS QUE O ERP JAD POSSUI.......

Leia mais

Proposta de uma Metodologia de Análise Para Operações Logísticas em Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros

Proposta de uma Metodologia de Análise Para Operações Logísticas em Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros Proposta de uma Metodologia de Análise Para Operações Logísticas em Empresas de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros Guilherme Castro Ferreira (UFOP) guilhermecferreira@yahoo.com.br Gustavo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS SUPPLY CHAIN, REESTRUTURANDO A ÁREA DE COMPRAS: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LUNAMED. FABIO RAPHAEL C. DE OLIVEIRA KARINA

Leia mais

SIG Capítulo 2 - Parte 2

SIG Capítulo 2 - Parte 2 Estudo de Caso: Flextronics SIG Capítulo 2 - Parte 2 Produtora de componentes para PC s, celulares e outros equipamentos Clientes como a Cisco, Dell e a Ericsson Pratica margens baixíssimas de 3% a 5%

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

Produtos de armazenamento

Produtos de armazenamento Produtos de armazenamento Garantia Global Limitada e Suporte Técnico Esta garantia cobre os produtos aqui especificados, adquiridos depois de 1 de outubro de 2003. Termos Gerais EXCETO CONFORME EXPRESSAMENTE

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

Indicadores de Desempenho Logístico

Indicadores de Desempenho Logístico Indicadores de Desempenho Logístico Lívia B. Ângelo, liviabangelo@hotmail.com 1. Estratégia X Indicadores de Desempenho As estratégias servem como guia para as empresas desenvolverem e utilizarem recursos

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE

Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE GARANTIA WALLFUTURE 1 Descrição das Garantias WALLFUTURE 1.1 A Garantia WALLFUTURE destina-se a repor a normalidade

Leia mais

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por:

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por: NBC TSP 12 Estoques Objetivo 1. O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para os estoques. Uma questão fundamental na contabilização dos estoques é quanto ao valor do custo a

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

REGAL-BELOIT CORPORATION PROGRAMA Corporativo Anticorrupção Política de Contratação de Terceiros Anexo 1

REGAL-BELOIT CORPORATION PROGRAMA Corporativo Anticorrupção Política de Contratação de Terceiros Anexo 1 Instruções: O REPRESENTANTE DEVIDAMENTE AUTORIZADO DO TERCEIRO DEVE RESPONDER ÀS QUESTÕES DA VERIFICAÇÃO MINUCIOSA E PREENCHER O TERMO DE CERTIFICAÇÃO E ENVIAR TODAS AS INFORMAÇÕES PARA O FUNCIONÁRIO REGAL

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

O que é Sigma? E o que é Seis Sigma?

O que é Sigma? E o que é Seis Sigma? O que é Sigma? Sigma é uma letra grega (s) usada na Estatística para representar o desvio-padrão de uma distribuição. Em Estatística, letras gregas são usadas para representar parâmetros, e seus valores

Leia mais

ITIL. Information Technology Infrastructure Library

ITIL. Information Technology Infrastructure Library Information Technology Infrastructure Library 34929 - Daniel Aquere de Oliveira 34771 - Daniel Tornieri 34490 - Edson Gonçalves Rodrigues 34831 - Fernando Túlio 34908 - Luiz Gustavo de Mendonça Janjacomo

Leia mais