ETEC ANTONIO DEVISATE RMA (RETURN MATERIAL AUTHORIZATION) OU REMESSA DE MATERIAL AUTORIZADA: UM ESTUDO DE CASO COMPARATIVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETEC ANTONIO DEVISATE RMA (RETURN MATERIAL AUTHORIZATION) OU REMESSA DE MATERIAL AUTORIZADA: UM ESTUDO DE CASO COMPARATIVO"

Transcrição

1 ETEC ANTONIO DEVISATE RMA (RETURN MATERIAL AUTHORIZATION) OU REMESSA DE MATERIAL AUTORIZADA: UM ESTUDO DE CASO COMPARATIVO MARÍLIA 2010

2 ETEC ANTONIO DEVISATE RMA (RETURN MATERIAL AUTHORIZATION) OU REMESSA DE MATERIAL AUTORIZADA: UM ESTUDO DE CASO COMPARATIVO TCC apresentado à ETEC Antonio Devisate, como requisito parcial à obtenção do certificado de conclusão de Técnico em Logística. Aluno: João Carlos de Souza Conceição RM: 9543 MARÍLIA 2010

3 COMISSÃO EXAMINADORA NOME DO PROFESSOR ASSINATURA Marília, 29 de Novembro de 2010.

4 DEDICATÓRIA Primeiramente faço um memorial à D. Deodete, minha inesquecível mãe, que me deu a vida com amor e com quem aprendi muito; à Aquele, que me permitiu tudo isso, na minha vida, e, não somente nestes anos como aluno, à Você meu DEUS, obrigado, reconheço cada vez mais em todos os meus momentos, que Você é o maior mestre, que uma pessoa pode conhecer e reconhecer!

5 AGRADECIMENTOS Gostaria em primeiro lugar de agradecer a Deus, por me proporcionar tempo e discernimento para realizar esse curso de Logística na ETEC Antonio Devisate Expansão Monsenhor Bicudo; e aos meus professores que tiveram paciência ao explicar e destreza no decorrer do curso, lapidando-me para ser um profissional gabaritado às diferentes exigências do dia-a-dia de um profissional de logística. Gostaria também de agradecer em especial à minha professora orientadora Cristina Gonçalves de Souza, que não poupou esforços para me orientar; e ao meu professor Paulo Augusto Mendes, que teve participação direta à este estudo, onde o mesmo me ajudou na tomada de direção para o tema proposto. Obrigado!

6 Seja simpático com os estudiosos aqueles estudantes que muitos julgam que são uns idiotas. Existe uma grande probabilidade de vocês virem um dia a trabalhar para eles (Bill Gates).

7 RESUMO O tema desse estudo é o RMA (RETURN MATERIAL AUTHORIZATION) ou REMESSA DE MATERIAL AUTORIZADA, onde será abordado através do estudo de caso; tendo como justificativa a necessidade do setor de informática na redução de burocracias e numa maior padronização dos processos; será utilizada a metodologia de pesquisação, onde as pesquisas serão fundamentadas em sua maioria em: (Closs, 2010), (LACERDA, 2010), (WIKIPÉDIA, 2010), (Kroetz, 2001), e outros, assim como na prática diária atuando diretamente no setor; após as pesquisas e o estudo do caso chegamos à conclusão de que na maneira que o setor se encontra, tornasse cada vez mais difícil as solicitações de RMAs, uma vez que cada fornecedor utiliza um método para se obter os RMAs.

8 ABSTRACT The theme of this study is the RMA (Return Material Authorization) or AUTHORIZED SHIPMENT OF MATERIAL, which will be addressed through case study, whose main justification the need of the computer industry in reducing bureaucracy and greater standardization of processes, will be used action research methodology, where the research is based mostly on: (Closs, 2010), (Lacerda, 2010), (WIKIPEDIA, 2010), (Kroetz, 2001), and others, as well as in daily practice working directly in industry and after research and study of the case came to the conclusion that the way the industry is, become increasingly difficult to requests for RMAs, since each vendor uses a method of obtaining the RMA.

9 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1, O ciclo infinito.... Erro! Indicador não definido. Retirada de < acessado em 06/12/2010 as 19:00. Figura 2, custo... 4 Retirada de < acessado em 06/12/2010 as 19:00. Figura 3, O processo de logística reversa... Erro! Indicador não definido. Autoria própria. Figura 4, RMA... Erro! Indicador não definido. Retirada de < acessada em 06/12/2010 as 19:00 Figura 5, Teclado Y Retirada de <sistema ERP, empresa de informática. em 30/11/2010 as 14:30. Figura 6, Gráfico indicador de desempenho, empresa Y Autoria própria. Figura 7, Teclado Z Retirada de <sistema ERP, empresa de informática. em 30/11/2010 as 14:30. Figura 8, Gráfico indicador de desempenho, empresa Y Autoria própria.

10 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA METODOLOGIA LOGÍSTICA CUSTO CUSTO DIRETO CUSTO INDIRETO CUSTOS FIXOS CUSTOS VARIÁVEIS LOGÍSTICA REVERSA DEFINIÇÃO DE RMA TIPOS DE RMA RMA TOTAL RMA PARCIAL RMA SEM CUSTEIO PROCESSO DE RMA PROCESSO DE RMA MAIS UTILIZADO NO SETOR DE INFORMÁTICA ESTUDO DE CASO EXPERIMENTO DE RMA COM A EMPRESA Y E A EMPRESA Z EMPRESA Y EMPRESA Z CONCLUSÃO SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 18

11

12 1 1. INTRODUÇÃO Habitualmente pensamos em logística como sendo o fluxo de materiais da fábrica até o ponto de consumo; entretanto há algo além desse pensamento, que hoje se discute muito nos principais meios de comunicação, tanto acadêmicos quanto corporativos, que é a questão do fluxo reverso, ou seja, do retorno do material avariado ou inservível. Várias questões têm influenciado tal discussão, tornando possível citar uma delas como sendo a questão ambiental. Há uma forte tendência na responsabilização das empresas pela destinação correta de seus produtos, assim como a obrigatoriedade das empresas em prestar serviços de assistência a seus clientes no que diz respeito a produtos avariados. De acordo com o Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990), em seu Capitulo IV, Sessão II, Artigo 12º, parágrafo primeiro, tem-se: O fabricante, o produtor, o construtor, nacional ou estrangeiro, e o importador respondem, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos decorrentes de projeto, fabricação, construção, montagem, fórmulas, manipulação, apresentação ou acondicionamento de seus produtos, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua utilização e riscos. 1º O produto é defeituoso quando não oferece a segurança que dele legitimamente se espera, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes (PROCON-SP, 2010). Trata das disposições referentes à responsabilidade; onde podemos ver que todo produto citado tecnicamente como avariado tem sua responsabilidade em cabida ao produtor, distribuidor, etc. 2. OBJETIVO GERAL Este estudo tem por finalidade apresentar o processo de RMA (Remessa de Material Autorizada) realizado no setor de informática, onde será exposta a realização do processo entre a revenda e o distribuidor neste setor. Serão buscadas, por meio da análise de processo de dois fornecedores diferentes de produtos similares, as melhores opções no ramo, e a apresentação de alternativas para a melhoria do processo de RMA (Remessa de Material Autorizada).

13 2 3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Análise do processo; Busca pela diminuição do custo. 4. JUSTIFICATIVA Tem-se por justificativa deste estudo a necessidade do setor em aprimorar e diminuir o tempo de resposta no processo de RMA (Remessa de Material Autorizada). 5. METODOLOGIA Este estudo tem por fundamentação de pesquisas o método de pesquisação, onde ao mesmo tempo que se é pesquisado em fontes externas obtem-se informações da vivencia diária com o tema proposto.

14 3 6. LOGÍSTICA Figura 1, O ciclo infinito. Segundo Faria, Ana e Costa, Maria (COSTA & FARIA, 2009) (2009 apud Conselho dos Profissionais de Gestão da Cadeia de Suprimentos, 2005), O conceito de logística tem sido definido de acordo com a ocasião, tais como, por exemplo, Distribuição física, Administração de Materiais, Logística da Marketing e Administração da Cadeia de Abastecimento, entre outros. Entretanto a definição atual mais aceita no meio logístico é: Logística é a parte do processo de cadeia de suprimentos que planeja, programa e controla, de forma eficiente e eficaz, a expedição, o fluxo reverso e a armazenagem de bens e serviços, assim como do fluxo de informações relacionadas, entre o ponto de origem e o ponto de consumo, com o propósito de atender às necessidades dos clientes Temos acima a definição moderna de logística, entretanto a logística a logística surgiu na guerra, a partir da necessidade dos militares em programar o recebimento de suprimentos da melhor maneira possível.

15 4 Atualmente a logística é utilizada nas organizações tal como podemos encontrar abaixo:...a logística de uma empresa é um esforço integrado com o objetivo de ajudar a criar valor para o cliente pelo menor custo total possível. A logística existe para satisfazer às necessidades do cliente, facilitando as operações relevantes de produção e marketing. Do ponto de vista estratégico, os executivos de logística procuram atingir uma qualidade predefinida de serviço ao cliente por meio de uma competência operacional que represente o estado-da-arte. O desafio é equilibrar as expectativas de serviços e os gastos de modo a alcançar os objetivos do negócio. (Closs, 2010) Sintetizando ambas as citações acima, entendemos que a logística, é vista atualmente pelas organizações como parte crucial ao seu desenvolvimento, ou seja, as mesmas buscam cada vez mais investir em seus Departamentos Logísticos CUSTO Figura 2, custo Custo é, Gasto relativo a bem ou serviço utilizado na produção de outros bens e serviços [ (Mendes, 2009) apud (NAKAGAWA, 1994)] Após a definição acima citada, podemos desenvolver o custo de diferentes modos, baseando-se nos princípios da contabilidade de custos, tais como:

16 CUSTO DIRETO É aquele que pode ser identificado e diretamente apropriado a cada tipo de bem ou órgão ou objeto a ser custeado, no momento de sua ocorrência, isto é, está ligado diretamente a cada tipo de bem ou função de custo. É aquele que pode ser atribuído (ou identificado) direto a um produto, linha de produto, centro de custo ou departamento. Não necessita de rateios para ser atribuído ao objeto custeado. (Kroetz, 2001) O custo direto, então, é aquele que podemos ligar diretamente à um bem ou serviço CUSTO INDIRETO...pode ser entendido, como aquele custo que não pode ser atribuído (ou identificado) diretamente a um produto, linha de produto, centro de custo ou departamento. Necessita de taxas/critérios de rateio ou parâmetros para atribuição ao objeto custeado. (Kroetz, 2001) Entendemos, então, que o custo indireto não pode ser ligado à apenas um produto sem critérios de rateio (proporções para divisão) bem apropriado CUSTOS FIXOS São aqueles que mantém um dimensionamento constante, independentemente do volume de produção, ou ainda, os custos de estrutura que permanecem período após período sem variações, não ocorrendo em conseqüência de variação no volume de atividade em períodos iguais. (Kroetz, 2001) Nos custos fixos são abordados os custos que independentemente da operção ou processo, os mesmos ocorre, ou seja, exemplificando, se uma empresa produz dez mil toneladas mês de borracha em períodicamente, e em outro mês a mesma empresa produz quatro mil toneladas, o custo operacional (mão-de-obra, Aluguel, etc) permanecerão os mesmo.

17 CUSTOS VARIÁVEIS São custos que variam de acordo com o objeto de custeio ou ainda, em alguns casos que se modificam em função da variação do volume/atividades das operações, ou seja, da variação na quantidade produzida no período. Quanto maior o volume de produção, no período, maior será o custo variável. (Kroetz, 2001) Utilizando o mesmo exemplo da empresa produtora de borracha, podemos então definir os custos variáveis, como os mesmos variando de acordo com a produção da borracha, ou seja, quanto mais borracha se produzir, custos variáveis teremos; ao produzir 10 mil toneladas de borracha, digamos que a empresa possui uma máquina que precisa de 4 litros de fluido para resfriamento à cada tonelada de borracha produzida, assim teremos 40 litros de fluido utilizados na produção das dez mil toneladas de borracha produzidas; aplicando o mesmo exemplo para a produção das quatro mil toneladas em um mês de baixa, teremos dezesseis litros de fluido utilizados. Ao aplicar esses princípios na logística, chegamos à concluir que os custos é um ponto chave para a logística empresarial, ou seja, a logística deve contribuir ao máximo, propondo e executando planos para reduzir os custos da empresa, assim tornando-a mais lucrativa; entretanto a logística deve alertar-se para o nível de satisfação do cliente para com a empresa ou bem/serviço que a mesma oferece.

18 LOGÍSTICA REVERSA Figura 3, O processo de logística reversa A conceitualização de logística reversa: [...] podemos então definir logística reversa como sendo o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo de matériasprimas, estoque em processo e produtos acabados (e seu fluxo de informação) do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recapturar valor ou realizar um descarte adequado. (LACERDA, 2010) Podemos entender, que a logística reversa está diretamente ligada ao produto; onde podemos destacar exemplificadamente a necessidade das empresas que eventualmete opinaram pela implantação da logística em vossas cadeias de abastecimento, ou seja, a logística reversa vêem a ser em suma a logística do fluxo reverso.

19 8 Segundo (LACERDA, 2010) temos entre os principais fatores influenciadores, da atual situação da logística reversa, os abaixo citados: Questões ambientais -Existe uma clara tendência de que a legislação ambiental caminhe no sentido de tornar as empresas cada vez mais responsáveis por todo ciclo de vida de seus produtos. Isto significa ser legalmente responsável pelo seu destino após a entrega dos produtos aos clientes e do impacto que estes produzem no meio ambiente. Um segundo aspecto diz respeito ao aumento de consciência ecológica dos consumidores que esperam que as empresas reduzam os impactos negativos de sua atividade ao meio ambiente. Isto tem gerado ações por parte de algumas empresas que visam comunicar ao público uma imagem institucional ecologicamente correta. Redução de Custo - As iniciativas relacionadas à logística reversa têm trazido consideráveis retornos para as empresas. Economias com a utilização de embalagens retornáveis ou com o reaproveitamento de materiais para produção têm trazido ganhos que estimulam cada vez mais novas iniciativas. Além disto, os esforços em desenvolvimento e melhorias nos processos de logística reversa podem produzir também retornos consideráveis, que justificam os investimentos realizados. Nas seções seguintes deste artigo serão apresentados conceitos básicos relacionados à logística reversa e discutidos alguns dos fatores críticos que influenciam a eficiência dos processos de logística reversa.

20 9 7. DEFINIÇÃO DE RMA Figura 4, RMA Seguindo a filosofia de logística reversa, foi criado o sistema RMA. Segundo a enciclopédia virtual (WIKIPÉDIA, 2010) o RMA (Return Merchandise Authorization ou Return Material Authorization): É uma transação onde o dono de um produto envia o material defeituoso para o fornecedor de forma a obter uma reparação do produto ou um novo, ou de forma a ter o seu crédito reembolsado para poder adquirir um outro produto do mesmo fornecedor ou empresa. Em muitos casos, uma RMA é dada após várias séries de testes. Por exemplo, para um produto de hardware, se existe algum defeito, um engenheiro irá analisar o produto à procura de defeitos. Se for encontrado algum defeito, o engenheiro irá analisar se este foi provocado pelo consumidor. Isto é feito para que o fornecedor não sofra perdas devido à negligência do integrador, usuário, distribuidor ou revenda. Geralmente, é feito com bens que estão novos e vieram com defeitos de fábrica, quando se tornam defeituosos e ainda se encontram na garantia. O consumidor geralmente telefona para um número de apoio ao cliente e recebe um "Número de RMA" (WIKIPÉDIA, 2010). Sintetizando a citação acima, pode-se dizer que o RMA é a autorização da remessa do material para reparo ou devolução.

21 TIPOS DE RMA Há diversos tipos de RMA, no que diz respeito principalmente ao seu centro de custos, ou seja, na relação entre o processo e à parte que cabe os custos RMA TOTAL Nessa modalidade, todos os custos ficam por conta do fornecedor, ou seja, cabe ao fornecedor o custeio do transporte dês de a revenda até a chegada desse material e o despacho para a revenda; assim como o custeio de reparação da mercadoria, e quando não há a possibilidade de reparação o fornecedor custeia o retorno de outro material similar ou superior à revenda RMA PARCIAL Nessa modalidade, a revenda deve custear o transporte do material até o fornecedor, que por sua vez custeia o transporte de retorno da mercadoria; assim como o custeio de reparação da mercadoria, e quando não há a possibilidade de reparação o fornecedor custeia o retorno de outro material similar ou superior à revenda RMA SEM CUSTEIO Nessa modalidade, a revenda custeia todos os custos de transporte, ou seja, dês de a remessa do material até a coleta do mesmo no fornecedor; entretanto cabe ao fornecedor o custeio de reparação da mercadoria, e quando não há a possibilidade de reparação o fornecedor custeia o retorno de outro material similar ou superior à revenda.

22 11 Ao analisar esses conceitos básicos definitivos de RMA, acreditamos que o RMA TOTAL, é aquele que traz maiores ganhos à empresa que realizará o processo, pois desonera a mesma para realizar os investimentos necessários, para agilizar cada vez mais os processos; e a empresa que custeara (pagara) pelos custos gerados com o RMA trará à seus clientes a segurança, ao menos, da certeza da conclusão do RMA de acordo com os parâmetros anteriormente pré-estabelecidos. 8. PROCESSO DE RMA O processo de RMA é previamente definido pela política de RMA do fornecedor da mercadoria, sendo assim, há diversos tipos de processo para o RMA PROCESSO DE RMA MAIS UTILIZADO NO SETOR DE INFORMÁTICA O processo de RMA mais utilizado no setor de informática, entre fornecedor e revenda é aquele no qual ocorrem os seguintes procedimentos, em ordem cronológica: A revenda deve primeiramente preencher um formulário com os materiais que precisam ser enviados para RMA. No preenchimento do formulário consta, descrição do produto, número de série (quando houver), número da nota fiscal (NF) de compra, data da compra, defeito apresentado, e a quantidade para envio. Enviar o formulário para o fornecedor. O envio pode ser através de diversos meios, tais como , fax, site do fornecedor, entre outros. Aguardar o retorno do fornecedor autorizando o envio dos materiais; entretanto o fornecedor pode não autorizar o envio de todos os produtos, pois em alguns casos a garantia não cobre o defeito detalhado ou o prazo de garantia, que é pré-estabelecido pelo fornecedor. Após a confirmação do fornecedor a revenda deve emitir a NF com os produtos autorizados e enviá-la para o fornecedor, através de um dos meios de

23 12 comunicação supracitados. O fornecedor analisa a NF, e ao concluir que todos os campos da mesma estão devidamente preenchidos e corretamente, o mesmo autoriza o envio dos materiais avariados (RMA) Nessa etapa a revenda envia o material autorizado. O fornecedor tem 30 dias para devolver o material. A revenda após receber o material dá entrada e o processo de RMA é findado.

24 13 9. ESTUDO DE CASO O presente estudo de caso é de caráter prático e tem por finalidade apresentar a atual situação do processo de RMA em duas diferentes empresas, comparando como o processo se dá em ambas. Neste trabalho, serão cognominadas de Empresa Y e na Empresa Z, com a justificativa de preservar a identidade das mesmas EXPERIMENTO DE RMA COM A EMPRESA Y E A EMPRESA Z O material a ser enviado por cada empresa é um teclado básico de PC. Observa-se que as duas empresas são concorrentes no mercado de informática EMPRESA Y Figura 5, Teclado Y Na empresa Y o processo baseia-se no tipo de RMA total. O processo ocorre da maneira descrita a seguir: A revenda deve preencher um formulário com os produtos a serem enviados ao fornecedor Y, e enviá-lo por e aguardar o retorno que normalmente demora aproximadamente 2 dias para o retorno com a lista de materiais autorizando fazer a NF, que posteriormente deverá se passada por novamente, para que a empresa Y possa analisar se a NF encontra-se tal como foi autorizado. Após a revenda X passar por a NF com os materiais, a empresa Y em aproximadamente três dias retorna o autorizando a postagem, que será custeada pela empresa Y, utilizando a autorização de postagem da ECT. A revenda empacota os materiais e envia-os para o fornecedor Y através da autorização de postagem, que deve ser utilizada apenas nas agências da ECT

25 Tempo em min. Tempo dias Figura 6, Gráfico indicador de desempenho, empresa Y EMPRESA Z Figura 7, Teclado Z Na empresa Z o processo baseia-se também no tipo de RMA TOTAL. O processo ocorre da maneira descrita a seguir: - A revenda deve fazer uma NF para os produtos que serão enviados para RMA, e enviar essa NF por para a empresa Z. - O retorno o autorizando o envio dos produtos perdura por aproximadamente 2 dias, entretanto nessa operação o envio dos produtos para RMA é feito através de transportadora, onde, a empresa Z solicita via à transportadora para retirar os

26 15 produtos na empresa X. - entre o retorno do autorizando o despacho e a retirada pela transportadora á aproximadamente 3 dias de lead time. Em ambas as empresas os produtos retornam os mesmos, e quando não há os mesmos produtos para as mesmas retornarem, as empresas retornam um produto similar ou superior ao enviado no RMA. Em média o processo de retorno das em questão acontece dentro dos trinta dias Tempo em min. Tempo dias Figura 8, Gráfico indicador de desempenho, empresa Y

27 CONCLUSÃO A partir das pesquisas e exposição do estudo de caso, concluímos e defendemos o quão importante é ou tornar-se-á a logística reversa para as organizações, uma vez que a legislação nesse país caminha para esse importante destino. O RMA será de fundamental importância, não apenas ao setor de informática, também para os demais setores, pois o mesmo funciona tal como um método de controle e mensuração do índice de retorno dos produtos, oferecendo a um baixo custo um método avaliativo da qualidade dos produtos, atuando para melhorar a imagem da organização para seu consumidor. De acordo com o estudo de caso; acreditamos que a maior busca pelas organizações no setor de informática deva ser pela padronização dos processos, assim acarretaríamos na melhora dos processos, dando às mesmas melhor controle dos RMAs,

28 17 SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS Aos que por ventura vierem a pesquisar sobre o tema RMA, acreditamos que devam buscar mais fundamentos em bibliografias Estados Unidenses, pois, foi constatado que o pais EUA, por ser uma economia plenamente desenvolvida encontram-se em melhores condições logísticas, ou seja, já possuem conhecimentos suficientes e admiráveis nessa importante área administrativa.

29 18 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Closs, D. J. (2010). Logística Empresarial. São Paulo: ATLAS. COSTA, M. D., & FARIA, A. C. (2009). Gestao de Custos Logisticos. SÃO PAULO: ATLAS. Dantas, A. P. (06 de 12 de 2010). O ciclo infinito. Site. Kroetz, C. E. (2001). APOSTILA DE CONTABILIDADE DE CUSTOS 1. Ijuí: Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS. LACERDA, L. (10 de 01 de 2010). Acesso em 22 de 11 de 2010, disponível em ILOS: d=74 Mendes, P. A. (19 de 08 de 2009). Príncipios de custo. Elementos de custo no processo produtivo. Marília, SP, Brasil: Material Didático. NAKAGAWA, M. (1994). ABC Custo Baseado em Atividades. São Paulo, SP: Atlas. PROCON-SP. (20 de 11 de 2010). codigo%20defesa%20consumidor.pdf. Acesso em 20 de 11 de 2010, disponível em PROCON SP: WIKIPÉDIA. (20 de novembro de 2010). Acesso em 20 de novembro de 2010, disponível em WIKIPÉDIA:

Políticas de Garantia

Políticas de Garantia Políticas de Garantia RMA RETURN MERCHANDISE AUTHORIZATION (Autorização de Devolução de Mercadoria) SUMÁRIO 1. OBJETIVO 3 2. VISÃO GERAL SOBRE GARANTIA 3 3. PROCESSO DE DEVOLUÇÃO 3 4. MODALIDADE DE RMA

Leia mais

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE A) APLICABILIDADE 1. Os presentes termos de uso são aplicáveis aos Usuários da INTERNET POOL COMÉRCIO ELETRONICO LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 09.491.113/0001-01,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

GUIA PRÁTICO DO ARRENDAMENTO MERCANTIL

GUIA PRÁTICO DO ARRENDAMENTO MERCANTIL GUIA PRÁTICO DO ARRENDAMENTO MERCANTIL Sumário O que é Leasing?... 04 As partes deste negócio... 05 Entendendo o Leasing... 06 Modalidades de Leasing... 07 A escolha do bem... 08 Este guia tem por objetivo

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS Consigo rastrear o minha Compra? Sim. As informações mais atualizadas sobre sua Compra e a situação de entrega de sua Compra estão disponíveis em Meus pedidos.

Leia mais

Certificação Profissional de Análise e Aprovação de Crédito - CERT.FBB-200

Certificação Profissional de Análise e Aprovação de Crédito - CERT.FBB-200 MANUAL DE CANDIDATURA da Abril de 2012 Versão 2.0 A Federação Brasileira de Bancos FEBRABAN vem, neste Manual de Candidatura, divulgar as regras e informações necessárias para a realização dos exames pertinentes

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO

CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO Formação de preço CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO O preço se define a partir do público a quem se dirige o produto e como a empresa se coloca em relação aos produtos e serviços dos concorrentes. Por isso, depende

Leia mais

Frequently Asked Questions Perguntas & Respostas

Frequently Asked Questions Perguntas & Respostas Frequently Asked Questions Perguntas & Respostas FAQ (frequently asked questions) Perguntas e Respostas 1 Quando surgiu a UNS? A UNS Idiomas iniciou suas atividades na cidade de São Paulo, onde está localizada

Leia mais

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3.

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. PROBLEMA: É UM OBSTÁCULO QUE ESTÁ ENTRE O LOCAL ONDE SE ESTÁ E O LOCAL EM QUE SE GOSTARIA DE ESTAR. ALÉM DISSO, UM PROBLEMA

Leia mais

Índice. Política Geral de Garantia...3. Equipamento com Defeito...4. Envio de Equipamentos...5. Pessoa Física...5. Pessoa Jurídica...

Índice. Política Geral de Garantia...3. Equipamento com Defeito...4. Envio de Equipamentos...5. Pessoa Física...5. Pessoa Jurídica... Índice Política Geral de Garantia...3 Equipamento com Defeito...4 Envio de Equipamentos...5 Pessoa Física...5 Pessoa Jurídica...5 Emissão da Nota Fiscal (Pessoa Jurídica)...4 Pessoa Jurídica sem inscrição

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

POLÍTICA COMERCIAL. COMO COMPRAR: 1. Cadastrando-se como Cliente 2. Obrigatoriedade para compra

POLÍTICA COMERCIAL. COMO COMPRAR: 1. Cadastrando-se como Cliente 2. Obrigatoriedade para compra 1 POLÍTICA COMERCIAL Para realizar um excelente atendimento e garantir uma ótima experiência de compra aos nossos clientes, nos preocupamos com todos os detalhes que envolvem a venda. E um quesito ao qual

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

c) O Programa tem prazo para acúmulo de Pontos do Catálogo 03/2015 de Outubro de 2015, a 30 de Março de 2016.

c) O Programa tem prazo para acúmulo de Pontos do Catálogo 03/2015 de Outubro de 2015, a 30 de Março de 2016. Regulamento Clube do Desejo Miess 1. DISPOSIÇÕES GERAIS a) As presentes disposições regulam o programa de pontos * Clube do Desejo Miess * (Programa), por meio do qual são atribuídos (*Pontos *) os clientes

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA

Leia mais

GARANTIA DELTAFIRE. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA

GARANTIA DELTAFIRE. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA GARANTIA DELTAFIRE Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA Deltafire Ltda. R. Pinheiro Machado, 3271 Caxias do Sul, RS Tel. 54 3204-4000 CEP 95020-172 www.deltafire.com.br Garantia

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA REVISÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Para comprar, você coloca cada produto desejado no carrinho e depois indica a quantidade. Para efetivar a compra, clique em comprar.

Para comprar, você coloca cada produto desejado no carrinho e depois indica a quantidade. Para efetivar a compra, clique em comprar. Como Comprar Comprar na loja virtual Cia do Catalisador é fácil, rápido e seguro. Tudo funciona como em uma loja normal: logo na entrada, você vê na vitrine nossos produtos em destaque, os lançamentos

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE

Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE GARANTIA WALLFUTURE 1 Descrição das Garantias WALLFUTURE 1.1 A Garantia WALLFUTURE destina-se a repor a normalidade

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

RMA - DN Automação (Autorização para Retorno de Mercadoria)

RMA - DN Automação (Autorização para Retorno de Mercadoria) RMA - DN Automação (Autorização para Retorno de Mercadoria) Orientações gerais aos parceiros de negócios A DN Automação trabalha exclusivamente através de parceiros de negócios (revendedores e agentes),

Leia mais

Sobre as Franquias Honing Brasil A Honing Brasil é a marca de roupa masculina inspirada no Hóquei no Gelo canadense. A paixão dos canadenses por este esporte e a garra de seus praticantes inspiram a Honing,

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Departamento Comercial. Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8. Tânia Leão n.

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Departamento Comercial. Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8. Tânia Leão n. Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Departamento Comercial Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8 Tânia Leão n.º19 Diferença de Aprovisionamento e Compra O aprovisionamento é um conjunto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Custos Logísticos. Visão holística da cadeia logística de: Suprimentos

Custos Logísticos. Visão holística da cadeia logística de: Suprimentos Visão holística da cadeia logística de: Suprimentos Demanda Planejamento Compras Remessas Transportes Recebimento Armazenagem Atendimento Aduaneira Visão holística da cadeia logística de: Suprimentos Transportes

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

REGAL-BELOIT CORPORATION PROGRAMA Corporativo Anticorrupção Política de Contratação de Terceiros Anexo 1

REGAL-BELOIT CORPORATION PROGRAMA Corporativo Anticorrupção Política de Contratação de Terceiros Anexo 1 Instruções: O REPRESENTANTE DEVIDAMENTE AUTORIZADO DO TERCEIRO DEVE RESPONDER ÀS QUESTÕES DA VERIFICAÇÃO MINUCIOSA E PREENCHER O TERMO DE CERTIFICAÇÃO E ENVIAR TODAS AS INFORMAÇÕES PARA O FUNCIONÁRIO REGAL

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade Serviços Associados Manual de Procedimentos ATAP

Sistema de Gestão da Qualidade Serviços Associados Manual de Procedimentos ATAP Pág. 1 / 6 1 Objetivos do Programa Neste manual, estão descritos os procedimentos, a política e os pré-requisitos que regem o Programa para Assistência Técnica Autorizada Perto, singularmente denominada

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 -

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Brochura - Panorama ILOS Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Por que adquirir este Panorama ILOS? O Supply Chain Finance é a forma

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial

Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial AGRODISTRIBUIDOR: O Futuro da Distribuição de Insumos no Brasil. São Paulo: Atlas, 2011. Org: Matheus Alberto Cônsoli, Lucas Sciencia

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 6: DECISÕES DE FINANCIAMENTO A CURTO PRAZO Nossa experiência, após centenas de demonstrações financeiras examinadas, sinaliza que as empresas entram num cenário de dificuldades

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC de São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos EE: Arlindo Bittencourt Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão da Tecnologia da Informação 3ª Série Programação para Web A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

2. Número de identificação de cliente, fornecido pelo(s) distribuidor(es) autorizado(s) Juniper Networks.

2. Número de identificação de cliente, fornecido pelo(s) distribuidor(es) autorizado(s) Juniper Networks. Tradução do formulário Solicitação para se tornar um J-Partner para a região APAC Cadastre-se para se tornar um J-Partner (primeira página): 1. Número de identificação de sua empresa, se aplicável (CNPJ-

Leia mais

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208

NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: GESTÃO DE DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 528/2012, de 10/12/2012 VIGÊNCIA: 11/12/2012 NORMA DE ARQUIVO - NOR 208 1/21 ÍNDICE

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Movimentação de bens patrimoniais

Movimentação de bens patrimoniais pág.: 1/3 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos a serem observados pelos empregados quando da movimentação de bens patrimoniais móveis no âmbito da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Gestão de Compras

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Gestão de Compras Módulo Suprimentos Gestão de Compras Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Gestão de Compras. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE CONSTAT

MANUAL DO CLIENTE CONSTAT MANUAL DO CLIENTE CONSTAT 2013 Todos os direitos reservados à Constat. Distribuição ou repasse a terceiros não autorizados. Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512 Fone (51) 3025.6699 www.constat.com.br

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

Política de Garantia Placa Mãe

Política de Garantia Placa Mãe Política de Garantia Placa Mãe Com a certeza de que a ASUS no Brasil fornece produtos com o mesmo padrão de qualidade que a tornou líder mundial através da VISUM SISTEMAS, que é fabricante da marca ASUS

Leia mais

Conteúdo 1.1 O que é o Banco... 2

Conteúdo 1.1 O que é o Banco... 2 POLÍTICA DO BANCO DE BOAS PRÁTICAS Conteúdo 1.1 O que é o Banco... 2 1.1.1 Descrição... 2 1.1.2 Objetivo... 2 1.1.3 O que é uma prática de gestão... 2 1.2 Funcionalidades... 3 1.2.1 Fluxo de acesso às

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 9 O crédito divide-se em dois tipos da forma mais ampla: o crédito público e o crédito privado. O crédito público trata das relações entre entidades públicas governo federal,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS CSGII - COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO. Nota Fiscal Alagoana Manual do Consumidor

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS CSGII - COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO. Nota Fiscal Alagoana Manual do Consumidor GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS CSGII - COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO Nota Fiscal Alagoana Manual do Consumidor Versão 1.0 07/11/2008 Índice Analítico 1. Considerações Gerais...

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012

Plano de Trabalho Docente 2012 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Gestão Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM MARKETING Qualificação:

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE UNISINOS Unidade 07 Professora Liz Beatriz Sass 2010/II O direito brasileiro e a informática Lei nº 7.232/84 Política Nacional de Informática Criou

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Gestão de Processos. Prof. Msc. Cláudio Márcio 1

Gestão de Processos. Prof. Msc. Cláudio Márcio 1 Gestão de Processos Prof. Msc. Cláudio Márcio 1 - Muralha da China - Segundo anunciaram cientistas chineses em abril de 2009, o comprimento total da muralha é de 8.850 km - Acredita-se que os trabalhos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Empresários de pequeno, médio e grande

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA TÉCNICOS 2015

MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA TÉCNICOS 2015 MANUAL DA CERTIFICAÇÃO POR PROVA PARA TÉCNICOS 2015 1 1. A Certificação por Prova é destinada a profissionais de Previdência Complementar Fechada que atuem na área de Contabilidade. IMPEDIMENTOS 2. O candidato

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

ECF Equipamento Emissor de Cupom Fiscal

ECF Equipamento Emissor de Cupom Fiscal ECF Equipamento Emissor de Cupom Fiscal 1. O que é ECF? R. É o equipamento devidamente autorizado pelo fisco e instalado no estabelecimento utilizado para a emissão de cupons fiscais em operações de vendas

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sua consulta é muito fácil, abaixo daremos algumas dicas que facilitarão o seu dia a dia.

INTRODUÇÃO. Sua consulta é muito fácil, abaixo daremos algumas dicas que facilitarão o seu dia a dia. Referência Rápida INTRODUÇÃO Este manual de referência rápida foi criado com o objetivo de orientar de uma forma simples o caminho para as rotinas mais usadas no sistema Megga Fransys. Sua consulta é muito

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Coordenador do Curso de Administração Prof. Marcos Eduardo dos Santos Supervisor de Estágio do Curso Prof. Marcos Eduardo dos Santos JUIZ DE

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

CHIP PERFORMANCE SERVICE

CHIP PERFORMANCE SERVICE CHIP PERFORMANCE SERVICE Nossa História Fundada em 1990 pelos até hoje sócios João C. Carvalho e Fátima Carvalho, passou em 2004 a ser franquia de chip de potência, mais conhecido como chipar ou repotenciar.

Leia mais