Cód. 05 Analista de AO II (Custos)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cód. 05 Analista de AO II (Custos)"

Transcrição

1 EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 05 Analista de AO II (Custos) 1. Uma empresa incorre diariamente em uma série de gastos para realizar suas atividades administrativas, de vendas e fabris, tais como compra de matérias -primas para seus produtos, compras de materiais de escritório, pagamento de taxas e impostos, manutenções, folha de pagamento, etc. Para efeito contábil, tanto os custos como as despesas são considerados gastos. Leia com atenção as afirmativas abaixo. I. As despesas correspondem aos gastos relativos à obtenção dos produtos. II. Os custos correspondem aos gastos relacionados com a administração. III. O planejamento e o controle de produção são gastos considerados de custo. IV. Atividades comerciais como vendas e propaganda são gastos considerados de custo. V. A atividade relacionada a gastos com contabilidade e recursos humanos são considerados despesas. Assinalar a alternativa correta. A) As afirmativas I e IV estão corretas. B) As afirmativas III e V estão corretas. C) As afirmativas I, II e III estão erradas. D) As afirmativas III e IV estão erradas. 2. A nova empresa deve comportar-se de forma mais harmônica, integrada ao meio ambiente quase naturalmente, deve ainda preocupar-se em encontrar o ponto de equilíbrio que permita aos três elementos que a compõem maximizar os esforços de produção. Esses três elementos que compõem qualquer empresa e que interagem são: A) mercado, microambiente e a informação. B) mercados, processos e estruturas administrativas. C) pessoas, estrutura organizacional e processos. D) pessoas, processos e tecnologias de informação. 3. Organização administrativa é um tipo de associação em que os indivíduos se dedicam a tarefas complexas e estão entre si relacionados por um consciente e sistemático estabelecimento e consecução de objetivos mutuamente aceitos. A definição apresenta uma abordagem da organização por meio do estudo de quatro variáveis, a saber: A) procedimentos, processos, necessidades e estrutura. B) tarefas, normas, processos e pessoas. C) tamanho, complexidade, consciente racionalidade e presença de objetivo. D) pessoas, sistemas, complexidade e objetivos. 4. Existem cinco etapas básicas na aplicação do custeio por atividade (Custeio ABC): A) determinar as linhas do produto; entender os processos; selecionar processos importantes do ponto de vista do cliente; atribuir os custos com base no consumo dos recursos e desenvolver um modelo de custo por linha de produto. B) determinar as linhas do produto; definir o preço de venda pretendido; definir a margem de lucro pretendida; calcular o custo admissível e estabelecer os objetivos de vendas e lucros a longo prazo. C) desenvolver produtos que satisfaçam os clientes da empresa pelo custo admissível; determinar as linhas do produto; definir um custo-alvo do produto viável; adequar o custo do produto ao nível-alvo, sem sacrificar a funcionalidade e a qualidade e reduzir custos estratégicos. D) desenvolver produtos que satisfaçam os clientes da empresa pelo custo admissível; estabelecer os objetivos de vendas e lucro a longo prazo; atribuir os custos com base no consumo dos recursos; reduzir custos estratégicos e definir a margem de lucro pretendida. 1

2 5. O sistema de custeio ABC considera que as atividades desenvolvidas pela empresa geram custos e que os diversos produtos consomem essas atividades. Para a operacionalização desse sistema, busca-se estabelecer a relação entre atividades e produtos através de cost drivers, ou seja, apura-se: A) o custo dos recursos consumidos por uma única atividade. B) a correlação entre os direcionadores de custos selecionados e o produto fabricado. C) o custo das diversas atividades, sendo esses custos alocados aos produtos via direcionadores específicos. D) o percentual em que a produção total participa nos recursos consumidos. 6. Os custos indiretos são apropriados aos produtos através de: A) centralização. B) departamentalização. C) valorização. D) rateio Ponderado. 7. Considerando a maior complexidade do sistema ABC, comparado ao sistema de custeio tradicional, por ocasião da avaliação quanto à conveniência da mudança na sistemática, é recomendável sua aplicação somente nos seguintes casos: I. o custo indireto ser a parcela significativa na composição do custo total. II. diversidade de produtos e ou serviços com variação relevante nos volumes de produção ou processo produtivo. III. encomendas especiais onde volume e/ou especificações do produto variam de acordo com determinações impostas pelo cliente. IV. o custo total da matéria-prima ultrapassar os limites impostos pela empresa, com conseqüente acúmulo de gastos no setor fabril. Assinalar a alternativa correta. A) As afirmativas I, II e IV estão corretas. B) As afirmativas II, III e IV estão corretas. C) As afirmativas I, III e IV estão corretas. D) As afirmativas I, II e III estão corretas. 8. Dentro do processo de desenvolvimento do projeto de sistemas, uma das fases é o estudo da viabilidade. O fator principal do relatório que documenta o estudo da viabilidade é: A) custos. B) orçamento. C) análise de custo-benefício. D) retorno de Investimento. 9. Um sistema mostra-se eficaz e eficiente à medida que atinge seus objetivos e desempenha suas funções dentro dos padrões estabelecidos. Existem certos aspectos que, geralmente, conduzem os sistemas à eficácia e à eficiência: I. economicidade: o sistema é mais eficaz e eficiente à medida que apresenta acréscimos de produtividade durante a consecução de seus objetivos, otimizando cada vez mais a relação custo-benefício. II. aceitabilidade: o sistema é mais eficaz e eficiente à medida que é aceito pela totalidade dos membros que dele fazem parte, pois cria condições mais favoráveis de trabalho. III. racionalidade: o sistema é mais eficaz e eficiente à medida que todos os meios (estrutura, acervo físico, recursos humanos, procedimentos, etc) são coerentes e indispensáveis ao alcance dos objetivos propostos. Assinale a alternativa correta. A) Apenas as afirmativas I e II estão incorretas. B) Apenas a afirmativa II está incorreta. C) Apenas a afirmativa I está incorreta. D) Todas as afirmativas estão incorretas. 10. Atividade com base do método ABC, é definida como sendo: A) a acumulação dos custos do produto encerrado no momento de sua passagem ao estoque de produtos acabados. B) a acumulação dos custos nos produtos somente durante o processamento de matéria-prima. C) o custo do produto ou serviço executado. D) uma conjugação coordenada de recursos, como mão-de-obra, material, tecnologia e ambiente, inseridos na gestão total da empresa. 2

3 11. Assinalar a alternativa incorreta em relação à afirmação: Os direcionadores de custos são fatores que geram ou influenciam o nível dos gastos de uma atividade ou de um objeto de custeio. A empresa, ao selecionar um direcionador de custo, deve dispor, no mínimo, de dados estatísticos comprobatórios de correlação direta entre a ocorrência desse direcionador e o nível de consumo de recursos da atividade correspondente. Para a escolha de direcionadores de custos devem ser considerados os seguintes fatores. A) correlação entre os direcionadores de custos selecionados e os recursos consumidos. B) facilidade ou dificuldade na obtenção e processamento dos dados relativos aos direcionadores de custos. C) influência dos direcionadores de custos sobre o comportamento das pessoas. D) complexidade do sistema e resistência à mudança. 12. O sistema RKW consiste: A) no rateio não só dos custos de produção, como também de todas as despesas da empresa, inclusive financeiras, a todos os produtos. B) na avaliação da soma de custo e despesa variável. C) numa ferramenta auxiliar na verificação de quais produtos obtêm a maior rentabilidade ou restrinjem a produção. D) na determ inação do nível mínimo de atividades em que o negócio passa a ser rentável. 13. Vários são os métodos por rateio dos custos indiretos de fabricação, dentre os quais destacamos: I. Método por Rateio. II. Método Direto. III. Método Periódico. IV. Método de Hierarquização. V. Método da Atribuição. Assinale a alternativa correta. A) Os itens II, III e IV estão errados. B) Os itens I, IV e V estão corretos. C) Os itens II e IV estão corretos. D) Os itens III, IV e V estão errados. 14. Inicialmente os custos dos departamentos são decorrentes de suas estruturas e compreendem os custos fixos, sendo que em alguns departamentos ocorrem os custos variáveis, decorrentes da produção por eles elaboradas. Os departamentos fabris são subdivididos em dois grupos: departamentos auxiliares e departamentos produtivos. São considerados, respectivamente departamento produtivo e auxiliar: A) administração da fábrica e controle de qualidade. B) departamento de pintura e almoxarifado. C) departamento de usinagem e montagem. D) controle de qualidade e departamento de pintura. 15. Assinalar a alternativa incorreta em relação a algumas desvantagens da implantação de um ERP: A) altos custos que muitas vezes não compensam o custo/benefício. B) dependência do fornecedor do pacote. C) corte de pessoal, que gera um problema social. D) a utilização do ERP por si só torna uma empresa integrada. Leia com atenção. A firma Atlântida Ltda., fabrica dois produtos: A e B. Em determinado mês foram fabricadas 800 unidades de A e unidades de B. Os custos incorridos no mês foram: Fixos: R$ ,00 Variáveis alocados a A = R$ 200,00/u e a B = R$ 300,00/u. Os preços de venda praticados foram: A = R$ 220,00/u e B = R$ 350,00/u. Supondo que toda a produção tenha sido vendida e que as despesas todas fixas, foram de R$ ,00, no mês considerado, responda, com os dados acima, as questões n os 16 e A margem de contribuição foi de: A) R$ ,00. B) R$ ,00. C) R$ ,00. D) R$ ,00 3

4 17. O lucro da empresa foi de: A) R$ ,00 B) R$ ,00. C) R$ ,00. D) R$ ,00. Através das informações abaixo, responder às questões de n os 18 e 19. A empresa Alviverde Ltda. teve suas atividades iniciadas no ano de Nesse ano a sua produção foi de unidades do produto A e suas vendas foram de 900 unidades, sendo que os custos e despesas foram os seguintes: Custos fixos = R$ ,00 a.a. Custos variáveis = R$ 120,00 por unidade. Despesas administrativas = R$ ,00 a.a. Despesas de vendas fixas = R$ ,00 a.a. O preço de venda foi R$ 400,00 por unidade, e a empresa pagou 5% de comissão sobre as vendas aos seus representantes. 18. O lucro operacional dessa empresa, utilizando o Método de Custeio por Absorção foi de: A) R$ ,00. B) R$ ,00. C) R$ ,00. D) R$ , O lucro operacional dessa empresa, utilizando o Método de Custeio Variável foi de: A) R$ ,00. B) R$ ,00. C) R$ ,00. D) R$ , Para se adotar o tipo de sistema de custos a ser utilizado, bem como o seu nível de detalhamento, inicialmente, é importante que sejam: A) colhidas informações precisas. B) realizados treinamentos específicos com pessoal. C) definidos os objetivos. D) avaliados os desempenhos do pessoal a ser utilizado no sistema. 21. Um trabalhador é contratado com salário de R$ 4,00 a hora. Nessa empresa, os encargos sociais e trabalhistas representam 113,5% dos salários. O custo/hora desse trabalhador será : A) R$ 5,48. B) R$ 4,58. C) R$ 8,45. D) R$ 8, O custo/hora de um operário é de R$ 18,48. O salário/hora é de R$ 8,40. O percentual de encargos sociais e trabalhistas é de: A) 115%. B) 130%. C) 125%. D) 120%. 23. Completar as lacunas com as afirmativas corretas. Os custos diretos em relação aos produtos são, enquanto que os custos indiretos de fabricação em relação aos produtos são. A) custos de produção custos variáveis. B) custos variáveis custos fixos. C) custos fixos custos de produção. D) custos variáveis custos de produção. 4

5 24. O principal objetivo da fase de detalhamento de um novo sistema é apresentar o projeto em um nível que permita implantá-lo da melhor maneira possível. Antes de considerar as atividades do detalhamento de um sistema, é necessário lembrar que todo sistema depende da combinação de quatro elementos básicos, a saber: A) objetivos, políticas, organização e técnicas. B) normas, procedimentos, políticas e objetivos. C) pessoas, fluxos de trabalho, procedimentos e políticas. D) hardware, software, pessoas e processos. 25. Constitui um novo sistema de trabalho desenvolvido atualmente, devido às pressões de competição global e da concorrência, além do próprio papel da reengenharia de negócios, pela qual vem passando boa parte das organizações, e que trabalha com o conceito de novos níveis gerenciais e suporte executivo para comunicações, cooperação e colaboração dentro das empresas. A essas tecnologias, damos o nome de: A) workgroup. B) network. C) groupware. D) datawarehouse. 26. A utilização do sistema ABC no controle de estoques segrega o estoque em três grupos: A, B e C. Assim, I. os itens do grupo A são aqueles que requerem o maior investimento, que configura a típica distribuição dos itens do estoque. II. os itens do grupo A consistem em 20% dos itens dos estoques que representam 90% do investimento da empresa, são os mais caros e de giro lento. III. o grupo C consiste de itens dos estoques que representam maior investimento depois de A. O grupo B constitui 30% dos itens que representam 8% do investimento. IV. o grupo B consiste de aproximadamente 50% de todos os itens dos estoques, porém, é responsável por apenas cerca de 2% do investimento em estoque. V. itens como parafusos, pregos e produtos de limpeza estariam no grupo B. Assinalar a alternativa correta. A) As afirmativas III e IV estão corretas. B) As afirmativas II e V estão corretas. C) As afirmativas I e II estão corretas. D) As afirmativas I e IV estão erradas. 27. Completar as lacunas com a alternativa correta. A e o devem ser feitos individualmente, por item fabricado ou por família de produtos ou grupo de itens que apresentem semelhanças no processo produtivo. Como normalmente ocorre, alguns poucos itens representam a maior parte do faturamento e da produção, de modo que é necessário ordenar os itens numa, seguindo um critério de valor e dedicando maior atenção aos itens representativos. A) programação do orçamento - controle dos estoques - curva de prioridade. B) programação da produção - controle dos investimentos - curva ABC. C) programação de investimento - controle dos investimentos - curva ABC. D) programação da produção - controle dos estoques - curva ABC. 28. Determinada pessoa aplicou em uma instituição financeira R$ ,00, resgatando ao final de (4) quatro meses a importância de R$ ,00. A taxa mensal de juros simples auferida nesta aplicação foi: A) 0,48% a.m. B) 4,8% a.m. C) 3,8% a.m. D) 8,3% a.m. 29. A taxa bimestral de juros simples que faz com que um capital duplique de valor após 4 anos é: A) 26,6% a.b B) 45,5% a.b. C) 37,5% a.b. D) 35,7% a.b 5

6 30. O critério adotado para rateio dos custos indiretos aos produtos, denomina-se: A) base de rateio. B) base de produção. C) base de cálculo. D) base de fabricação. 31. Assinalar a alternativa que não corresponda a um custo indireto: A) depreciação das máquinas. B) energia Elétrica. C) material de embalagem. D) aluguel da fábrica. 32. Leia com atenção o enunciado. Gasto relativo a bem ou serviço utilizado na produção de outros bens ou serviços. A definição acima corresponde a: A) gasto. B) despesa. C) custo. D) consumo. 33. A empresa J. Cardoso Ltda. aplicou a importância de R$ 650,00, com rendimentos de 1,5% ao mês. O saldo final do investimento após (a)- 1 mês, (b)- 2 meses e (c)- 4 meses foi: A) (a)-r$ 596,57, (b)-r$ 696,65 e (c)-r$ 869,89. B) (a)-r$ 659,75, (b)-r$ 669,65 e (c)-r$ 689,89. C) (a)-r$ 695,75, (b)-r$ 969,56 e (c)-r$ 869,98. D) (a)-r$ 956,57, (b)-r$ 966,56 e (c)-r$ 698, Foi aplicada a importância de R$ 500,00 durante 5 meses e rendeu R$ 75,00 de juros. As taxas mensal e anual, respectivamente foram de: A) 4% e 48%. B) 2,5% e 30%. C) 3,5% e 42%. D) 3% e 36%. 35. O ERP, conhecido no Brasil como SIGE Sistema Integrado de Gestão Empresarial integra, num único sistema de informações, todos os dados e processos de uma organização. Algumas das vantagens de sua implementação numa empresa são: I. otimizar o uso de interfaces manuais. II. reduzir de custos. III. reduzir as incertezas do lead-time. IV. otimizar o processo de tomada de decisões. V. otimizar os limites de tempo de resposta ao mercado. VI. eliminar a redundância de atividades. Assinalar a alternativa correta. A) As afirmativas II, III, IV e VI estão corretas. B) As afirmativas II, III, IV e V estão corretas. C) As afirmativas I, III, IV e V estão corretas. D) As afirmativas I, II, III e VI estão corretas. 6

7 36. Na figura do gráfico os números 1, 2, 3,4 estão indicando, respectivamente: A) área do gráfico eixo de valores legenda eixo de categorias. B) área de plotagem eixo de categorias eixo de valores legenda. C) paredes eixo de valores eixo de categorias legenda. D) paredes legenda eixo de categorias eixo de valores. 37. O Microsoft Excel fornece várias configurações opcionais que permitem ajustar a aparência final da página impressa: modo de exibição normal, modo de visualização de impressão e modo de visualização de quebra de página. Ao criar configurações que afetam a maneira como sua planilha será impressa, você pode alternar entre os diferentes modos de exibição para ver os efeitos antes de enviar os dados para a impressora. Os cabeçalhos e rodapés são separados dos dados da sua planilha e só aparecem quando você visualiza e imprime. Além de cabeçalhos e rodapés, você pode repetir dados da planilha como títulos de impressão em todas as páginas. Você pode usar os cabeçalhos e rodapés internos no Microsoft Excel ou criar seus próprios. Se os dados da sua planilha tiverem rótulos de colunas ou linhas (também chamados de títulos de impressão), o Microsoft Excel repetirá esses rótulos em todas as páginas da planilha impressa. Alterne para paisagem quando você precisar imprimir um número muito maior de colunas de dados do que cabe em uma página com orientação retrato. Se você não deseja usar paisagem, poderá alterar o layout da planilha impressa para ajustar os dados ao espaço disponível ou ajustar as margens. Você pode fazer com que a imagem impressa se ajuste ao tamanho da página ou do papel reduzindo ou expandindo a imagem impressa. Outras alterações possíveis no layout da planilha impressa incluem definir o tamanho do papel, centralizar os dados na página impressa e controlar como as páginas são numeradas. Essas alterações afetam somente a aparência impressa da planilha, não como ela aparece na tela. São afirmações corretas: A) apenas 6 delas. B) todas. C) apenas 5 delas. D) apenas 4 delas. 38. Você pode usar todos os efeitos especiais e recursos do PowerPoint para tornar interessante uma apresentação on-line. É incorreto afirmar sobre as apresentações on-line do PowerPoint que: A) em uma reunião on-line, você pode compartilhar programas e documentos, enviar mensagens de texto em bate-papo, transferir arquivos, etc. B) você pode arquivar a transmissão num servidor Web que ficará disponível para reproduções futuras. C) a apresentação é salva em formato HTML e, para exibi-la, há necessidade de um browser (navegador Web). D) para que você compartilhe uma apresentação on-line e troque informações com pessoas em sites diferentes em tempo real, é necessária a integração entre o Access e o PowerPoint. 39. Utilizando o Access você pode gerenciar todas as suas informações a partir de um único arquivo de banco de dados. 1) Dentro do arquivo, divida seus dados em compartimentos de armazenamento separados, denominados. 2) Visualize, adicione e atualize os dados da tabela, utilizando. 3) Localize e recupere apenas os dados desejados, utilizando. 4) Analise ou imprima dados em um layout específico, utilizando. Completam corretamente as afirmativas 1, 2, 3 e 4, na seqüência: A) formulários tabelas relatórios consultas. B) relatórios consultas tabelas formulários. C) tabelas formulários consultas relatórios. D) consultas relatórios formulários tabelas. 7

8 40. Se mais de uma pessoa utilizar o mesmo computador para , cada uma delas poderá ter uma caixa de correio separada no Outlook Express. Isso é possível através da criação de várias identidades em que cada pessoa poderá ter mensagens, contatos e configurações pessoais separados. Sobre criação e exclusão de identidades, é incorreto afirmar que: A) quando uma identidade é excluída, as configurações correspondentes e todos os dados também são excluídos. B) após criadas as identidades, pode-se alternar entre elas sem precisar desligar o computador ou sem que haja perda da conexão com a internet. C) o recurso Gerenciar Identidades permite remover as identidades desejadas. D) a identidade atual não pode ser excluída. Implementando um projeto GED É comum observarmos empresas tendo de pagar indenizações ou perder a oportunidade de participar de concorrências por não localizar a documentação necessária em tempo hábil. O verdadeiro valor da informação muitas vezes só é percebido quando já é tarde demais. O custo para reverter essa situação, adotando-se tecnologias de colaboração e Gerenciamento Eletrônico de Documentos (GED), muitas vezes é mais baixo do que o prejuízo obtido por não ter a informação exata na hora certa. Agora, o fato de implantar uma tecnologia de GED e automatizar todo o processo de produção de documentos não quer dizer também que documentos ou informação sejam encontrados em tempo hábil, caso não sejam tomados cuidados com alguns procedimentos básicos. GED é a sigla de uma tecnologia voltada para o Gerenciamento Eletrônico de Documentos. Gerenciar eletronicamente significa acompanhar a vida útil de um documento, incluindo todas as versões sofridas por ele, poder obter o histórico das pessoas que criaram e alteraram o documento e gerenciar níveis de acesso para cada um. Documentos têm um ciclo de vida que deve ser determinado a partir do desenvolvimento de uma tabela de temporalidade para todos os tipos de documentos existentes na empresa. As empresas sabem por quanto tempo deve ser guardado um comprovante de pagamento do INSS ou um registro de um funcionário, mas não sabem por quanto tempo deveriam guardar um relatório, um m anual ou uma correspondência. Renate Landshoff, Mercado & Negócios Advogados 41. De acordo com o texto: 1. O GED serve para localizar documentos necessários à concorrência pública. 2. Gerenciar eletronicamente é a mesma coisa que acompanhar a vida útil de um documento, todas as versões por que ele passa, saber o histórico de pessoas que criaram e alteraram o documento e gerenciar níveis de acesso para cada um. 3. As empresas não sabem por quanto tempo guardar um documento. Com relação às afirmativas acima, podemos dizer que: A) estão corretas apenas 1 e 3. B) está correta apenas a número 2. C) estão corretas apenas 2 e 3. D) todas estão corretas. 42. A palavra grifada no primeiro parágrafo do texto acima tem o mesmo significado que: A) comprar. B) gerenciar. C) obter. D) introduzir. 43. Todos os vocábulos proparoxítonos são acentuados. O único dos vocábulos abaixo que não partilha dessa regra de acentuação é: A) fábrica. B) lâmpada. C) mútuo. D) América. 44. O único dos vocábulos abaixo que está incorretamente grafado é: A) crânio. B) facínora. C) calabreza. D) coalizão. 8

9 45. O termo grifado é sujeito na alternativa: A) Foram despedidos todos os funcionários da empresa. B) A todas as crianças foram oferecidos doces. C) A ele foi dada a oportunidade de se retratar. D) Paula, venha até aqui. 46. Assinale a alternativa em que o termo grifado está incorretamente utilizado. A) Diga-me o porquê da sua desistência. B) Eu lhe perguntei por quê! C) Porque você não me disse nada? D) As dificuldades por que passamos foram muitas. 47. Assinale a alternativa em que o substantivo esteja incorretamente flexionado. A) o guardião? os guardiões. B) o blêizer? os blêizers. C) a malcriadez? as malcriadezes. D) o arroz? os arrozes. 48. O verbo grifado está no pretérito na alternativa: A) Que eles façam o que quiserem, não me importa!. B) Você se alegrará, quando eu lhe der o presente. C) Se couber no carro, eu próprio levarei a tevê ao conserto. D) Se eu desse as costas a você, você não gostaria. 49. Leia as orações abaixo. 1) O filme desagradou Maria. 2) Eu moro à rua da Mooca, n o 7. 3) Pedro Alves aspirava à presidência do clube. 4) Era um filme à Pedro Almodovar. Com relação às orações acima, é correto o que se afirma em: A) 1 e 2 não contêm erro de regência verbal; 3 e 4 não representam corretamente o fenômeno crase. B) 1 não contém erro de regência verbal; 2, 3 e 4 não representam corretamente o fenômeno crase. C) 1 e 2 contêm erro de regência verbal; 3 está correta em relação à regência verbal e 4 representa corretamente o fenômeno crase. D) 1 e 2 estão corretas em relação à regência verbal e 3 e 4 estão corretas em relação ao fenômeno crase. 50. Leia as orações abaixo. 1. Ela mesmo assou o bolo de aniversário. 2. É necessário muitas horas de treino para jogar bem futebol. 3. Não só meus pais, mas também eu apanhei. 4. Sonhar e amar faz bem de vez em quando. Com relação às orações acima, é correto o que se afirma em: A) 1 tem erro de concordância nominal; 2 não tem erro de concordância nominal; 3 têm erro de concordância verbal e 4 não tem erro de concordância verbal. B) 1 e 2 não têm erro de concordância nominal; 3 e 4 não têm erro de concordância verbal. C) 1 não tem erro de concordância nominal; 2 tem erro de concordância nominal; 3 não têm erro de concordância verbal e 4 tem erro de concordância verbal. D) 1 e 2 não têm erro de concordância nominal; 3 e 4 têm erro de concordância verbal. 9

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

MICROSOFT EXCEL - AULA NÚMERO 06

MICROSOFT EXCEL - AULA NÚMERO 06 MICROSOFT EXCEL - AULA NÚMERO 06 IMPRIMINDO PLANILHAS E GRÁFICOS Até este ponto, você viu como introduzir dados e criar formulas, formatar texto e criar gráficos. Agora você vai apresentar os dados ou

Leia mais

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A Como estruturar o orçamento? A importância dos centros de custos. O plano de contas orçamentário. Qual a função da árvore de produtos? Autores: Carlos Alexandre Sá(carlosalex@openlink.com.br)

Leia mais

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro EXERCÍCIO 01 Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro - Despesas de viagens 1.000 - Material direto 35.000 - Salário da administração 14.000

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Bases para o conhecimento de custos

Bases para o conhecimento de custos capítulo 1 Bases para o conhecimento de custos OBJETIVO O objetivo deste capítulo é apresentar os principais conceitos relacionados a custos, possibilitando ao leitor: identificar os métodos de custeio

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO AMAPÁ- SEBRAE/AP PROCESSO SELETIVO N O 001/2008 RETIFICAÇÃO Nº. 01 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Estado

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

Custos para Tomada de Decisões. Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição

Custos para Tomada de Decisões. Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição Custos para Tomada de Decisões Terminologia e Conceitos: comportamento dos custos, ponto de equilíbrio e margem de contribuição Exemplo Planilha de Custos Quantidade Vendida 10.000 12.000 Item de Custo

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos

PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos A montagem de um orçamento consistente é uma ciência. Diferentemente de uma simples estimativa de custos, quando a avaliação é empírica, o orçamento que segue os

Leia mais

Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software

Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software Universidade Salgado de Oliveira Especialização em Tecnologia da Informação Qualidade em Engenharia de Software Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software Prof. Msc. Edigar Antônio Diniz Júnior

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

Cód. 09 Analista de AO III (Compras e Contratações)

Cód. 09 Analista de AO III (Compras e Contratações) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 09 Analista de AO III (Compras e Contratações) 1. O Processo Licitatório para

Leia mais

Manual de Conversão para PDF Envio de Arquivos ao Diário Oficial

Manual de Conversão para PDF Envio de Arquivos ao Diário Oficial Manual de Conversão para PDF Manual de Conversão para PDF 3 Conversão para PDF Microsoft Office 2003 Instalação da impressora PDF O pacote de aplicativo Office 2003 não possui nativamente o recurso de

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E CARGA HORÁRIA DE CADA MÓDULO

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E CARGA HORÁRIA DE CADA MÓDULO Ministério da Educação SETEC Instituto Federal do Rio de Janeiro Campus Rio de Janeiro CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS E CARGA HORÁRIA DE CADA MÓDULO 1. MÓDULO DE INICIAÇÃO 20 HORAS/AULA: através do qual o servidor

Leia mais

Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira

Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira XXIII SEMINÁRIO INTERNACIONAL DO CILEA Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira Nelson Machado Camboriu, julho 2011 Ambiente e Desafios Democratização e ampliação da participação social

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS Bruno Aguilar da Cunha 1, Diego Alamino de Oliveira 2 1,2 FATEC SOROCABA - Faculdade de Tecnologia de Sorocaba José Crespo Gonzales 1 bruno.cunha2@fatec.sp.gov.br,

Leia mais

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING Métodos de Custeio Os métodos de custeio são as maneiras de alocação dos custos aos produtos e serviços. São três os métodos mais utilizados: Custeio por absorção

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Word 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Barra de Ferramentas de Acesso Rápido

Leia mais

Treinamento para o acesso a Informação Científica e Tecnológica em Saúde Excel

Treinamento para o acesso a Informação Científica e Tecnológica em Saúde Excel Treinamento para o acesso a Informação Científica e Tecnológica em Saúde Excel O Excel é um software de planilha eletrônica que integra o pacote dos produtos Microsoft Office, que pode ser utilizado para

Leia mais

A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes:

A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes: ANÁLISE CUSTO/VOLUME/LUCRO Sabe-se que o processo de planejamento empresarial envolve a seleção de objetivos, bem como a definição dos meios para atingir tais objetivos. Neste sentido, cabe assinalar que

Leia mais

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por:

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por: NBC TSP 12 Estoques Objetivo 1. O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para os estoques. Uma questão fundamental na contabilização dos estoques é quanto ao valor do custo a

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

ANÁLISE DOS CUSTOS DE COMERCIALIZAÇÃO

ANÁLISE DOS CUSTOS DE COMERCIALIZAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente.

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente. CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade Gerencial CUSTO PADRÃO O que significa ter um padrão de custos ou um custo-padrão? Como a empresa pode se beneficiar

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Pós-Graduação Senac. Gerenciamento de Custos. Lista de Exercícios

Pós-Graduação Senac. Gerenciamento de Custos. Lista de Exercícios Pós-Graduação Senac Gerenciamento de Custos Lista de Exercícios Prof. Geovani Maciel 1 EXERCÍCIO 01 A empresa Tecnologia por Projetos Ltda atua no desenvolvimento de sistemas de gestão para seus clientes.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Microsoft Excel. Índice

Microsoft Excel. Índice Índice Introdução...2 Fórmulas...3 Cópia Relativa...3 Cópia Não Relativa...3 Funções...4 Assistente de Função...4 Formação de Preço de Venda...5 Ponto de Equilíbrio com a ferramenta Atingir Meta...7 Cálculo

Leia mais

Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica I Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Conteúdo Part I Introdução

Leia mais

O que é ERP e suas vantagens

O que é ERP e suas vantagens Sistema 8Box ERP O que é ERP e suas vantagens Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa, possibilitando a automação e

Leia mais

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

Modelagem e Decisão Planilhas Eletrônicas

Modelagem e Decisão Planilhas Eletrônicas Modelagem e Decisão Planilhas Eletrônicas Modelagem e Decisão (07181) Instituto de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis (ICEAC) Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Introdução Objetivo

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Vendas. Manual do Usuário. Copyright 2014 - ControleNaNet

Vendas. Manual do Usuário. Copyright 2014 - ControleNaNet Manual do Usuário Copyright 2014 - ControleNaNet Conteúdo A Ficha de Vendas...3 Os Recibos...6 Como imprimir?...7 As Listagens...9 Clientes... 10 Consulta... 11 Inclusão... 13 Alteração... 14 Exclusão...

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Cenário 1 - SIGNUS ERP Back-office

Cenário 1 - SIGNUS ERP Back-office Gestão e-commerce São 3 cenários possíveis: 1º SIGNUS ERP Back-office integrado a sua loja virtual 2º SIGNUS B2B e-commerce on-line 3º SIGNUS B2C e-commerce on-line Cenário 1 - SIGNUS ERP Back-office Integração

Leia mais

SISTEMA DECUSTOS E INFORMAÇÕESGERENCIAIS NO BANCOCENTRAL DOBRASIL. Outubro/2012

SISTEMA DECUSTOS E INFORMAÇÕESGERENCIAIS NO BANCOCENTRAL DOBRASIL. Outubro/2012 SISTEMA DECUSTOS E INFORMAÇÕESGERENCIAIS NO BANCOCENTRAL DOBRASIL Outubro/2012 1. Antecedentes 2. Características 3. Módulo de Apontamentos 4. SAS/ABM 5. MIG - Módulo de informações gerenciais 6. Alguns

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1 Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V): Atividades Práticas ( ) Os custos fixos são totalmente dependentes dos produtos e volumes de produção executados no período.

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning. (Planejamento de Recursos Empresariais)

ERP Enterprise Resource Planning. (Planejamento de Recursos Empresariais) ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento de Recursos Empresariais) ERP Os ERPs, em termos gerais, são plataformas de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa;

Leia mais

Questões Microsoft PowerPoint 2003

Questões Microsoft PowerPoint 2003 1. 2009.Cespe.MMA.MOF.Por meio de editores de texto e planilhas eletrônicas, é possível criar links para arquivos disponíveis na Internet, a partir da digitação do endereço de destino do arquivo no documento

Leia mais

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais)

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Manual Módulo de Custos

Manual Módulo de Custos Manual Módulo de Custos Emissão: 24/01/2014 Revisão: 20/05/2015 Revisado por: Juliana shp group 1 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema Conteúdo Introdução...... 3 I - TIPOS DE CUSTOS QUE O ERP JAD POSSUI.......

Leia mais

Planilha Eletrônica - Excel

Planilha Eletrônica - Excel 29/04/2016 99 O Excel é um programa de planilha eletrônica desenvolvido pela Microsoft para Windows, que pode ser utilizado para calcular, armazenar e trabalhar com lista de dados e fazer relatórios e

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior Mozart de Melo Alves Júnior WORD 2000 INTRODUÇÃO: O Word é um processador de texto com recursos de acentuação, formatação de parágrafo, estilo de letras diferentes, criação de tabelas, corretor ortográfico,

Leia mais

PLANO DE AULA. IPD introdução a processamento de dados Componentes do computador, gabinete, memórias RAM e ROM, periféricos de entrada e saída.

PLANO DE AULA. IPD introdução a processamento de dados Componentes do computador, gabinete, memórias RAM e ROM, periféricos de entrada e saída. 1 AULA 01. CURSO: INFORMÁTICA BÁSICA - MATUTINO Sensibilização e contextualização do programa IPD introdução a processamento de dados Componentes do computador, gabinete, memórias RAM e ROM, periféricos

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas.

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Cátia Raquel Felden Bartz (FAHOR) catia@fahor.com.br Jonas Mazardo (FAHOR) jonas_mazardo@yahoo.com.br>,

Leia mais

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Documento técnico Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Embora a transição para o software CAD 3D aumente significativamente o desempenho dos negócios, o investimento levanta questões

Leia mais

Microsoft Word INTRODUÇÃO

Microsoft Word INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O Word é uma ferramenta utilizada para o processamento e editoração eletrônica de textos. O processamento de textos consiste na possibilidade de executar e criar efeitos sobre um texto qualquer,

Leia mais

Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE

Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE Garantindo que o código certo está no produto certo Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE 2 As soluções CLARiSUITE ajudam a garantir que o código certo esteja no produto

Leia mais

Informática. Aula: 04/06. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Informática. Aula: 04/06. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Informática Aula: 04/06 Prof. Márcio Hollweg UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Concorrência nº 22/2008

Concorrência nº 22/2008 Concorrência nº 22/2008 Brasília, 20 de julho de 2009. A Comissão Permanente de Licitação (CPL) registra a seguir perguntas de empresas interessadas em participar do certame em referência e respostas da

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Sandromir Almeida. Treinamentos Realizados nas Empresas

Sandromir Almeida. Treinamentos Realizados nas Empresas Sandromir Almeida Consultor de Informática desde 1995 Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Docente de Informática há 15 anos Palestrante desde 2001 Técnico em Informática Webmaster Proprietário

Leia mais

Curva ABC. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br

Curva ABC. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Curva ABC Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Introdução... 3 Utilização no sistema TCar-Win... 3 Configuração da curva ABC... 4 Configuração

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 06

PROVA ESPECÍFICA Cargo 06 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 06 QUESTÃO 41 Correlacione a primeira com a segunda coluna: COLUNA I COLUNA II 1 Manual de Organização ( ) deveres e direitos dos funcionários 2 Manual de Normas e Procedimentos

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais