Priscila Capucci 1, Luís Carlos de Siqueira 1, Miguelangelo Geimba Lima 1, Luciele Cristina Pelicioni 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Priscila Capucci 1, Luís Carlos de Siqueira 1, Miguelangelo Geimba Lima 1, Luciele Cristina Pelicioni 1"

Transcrição

1 106 REDUÇÃO DE CUSTO DE FRETE EM UM PROCESSO DE TRANSFERÊNCIA DE UMA EMPRESA NO SETOR DE PAPEL E CELULOSE Priscila Capucci 1, Luís Carlos de Siqueira 1, Miguelangelo Geimba Lima 1, Luciele Cristina Pelicioni 1 RESUMO: A empresa analisada refere-se a uma indústria que atua no ramo de papel e celulose e possui um grande destaque no mercado. No entanto, identificou-se que ela vinha tendo gastos excessivos com custos em seu processo de transferência entre fábrica e Centro de Distribuição, originados por fretes contratados para atendimento de um grupo específico de clientes. Embasado por todo referencial bibliográfico, foi possível desenvolver uma proposta que teve por objetivo a criação de um novo fluxo logístico para atendimento dos pedidos desse grupo de clientes. Com os resultados encontrados na aplicação dessa proposta, concluiu-se que os objetivos propostos no início da pesquisa, não só foram atingidos, como geraram outros benefícios para a empresa e a sociedade. Diante disso, identificou-se uma necessidade de aprofundamento da pesquisa e de desenvolvimento de novos estudos e propostas, no intuito de maximizar os resultados e abranger as demais áreas envolvidas no processo logístico. Palavras-chave: Centro de distribuição. Logística. Suply chain. Recebido em 10 jan Aceito em 07 mar Faculdade de Tecnologia São Francisco FATESF.

2 107 Reduction of freight cost in the process of transfer of a company in the pulp and paper ABSTRACT: The company under analysis operates in the pulp and paper sector and is highly regarded by the market. It was found however, that the company was spending excessively (with reference to costs in the process of transfer between the factory and the Distribution Centre - CD). This was the case due to costs generated by freight services contracted for a specific group of customers. Grounded throughout bibliographic references, it was possible to develop a proposal that aimed to create a new stream system to meet the logistical demands of this group of customers. Based on the results obtained via the application of this proposal, it is concluded that the goals at the beginning of the research were achieved (and even surpassed expectations with extra benefits for businesses and society). A need was therefore identified to promote further research and development of new studies and proposals in order to maximize results (also dealing with other areas involved in the logistics process). Keywords: Distribution center. Logistics. Supply chain. 1 INTRODUÇÃO Com os grandes avanços tecnológicos ocorridos nas últimas décadas e o crescente processo de globalização mundial, torna-se necessário que as empresas adotem métodos que as diferenciem da concorrência. Para Novaes (2001), junto ao crescimento e a globalização mundial, crescem também, pautadas em desenvolvimento, as exigências dos clientes, assim como, a pressão pelas reduções de custos e maiores eficácias nos processos por parte das organizações. As empresas precisam buscar meios de se tornarem mais competitivas e, a partir de então, entender que o necessário para a solidificação no mercado está em possuir um diferencial entre a concorrência, englobando qualidade, satisfação e preços competitivos. Vollmann e Cordon 1996 (apud PIRES, 2005) abordam que o emprego da logística de uma forma integrada nas indústrias tem como intuito eliminar os desperdícios e maximizar os resultados, de forma que todos os elos da cadeia trabalhem em sintonia, aumentando o lucro do negócio, atendendo de forma eficiente os clientes finais, tendo como base a redução de custos e adição de valor ao produto.

3 108 Na maioria dos países, a aplicação logística e de suas reais funcionalidades nas organizações vem sendo muito bem aproveitadas e os usuários dessa poderosa ferramenta vêm conseguindo destaques no mercado. Porém, segundo Rodrigues (2005), no Brasil, somente as grandes empresas são detentoras do verdadeiro conceito de logística empresarial e o aplicam. Como o conceito logístico, ainda, não é bem disseminado na maioria das empresas brasileiras, é de grande relevância que estudos e análises sobre os benefícios e impactos da logística nos resultados de uma organização sejam elaborados, de modo que contribuam com o desenvolvimento da economia das empresas, assim como a do país. Sendo o Brasil um país muito dependente dos modais rodoviários para movimentação de cargas, faz-se ainda mais necessário obter-se conhecimento e conceitos voltados à contratação de fretes. O objetivo do presente trabalho foi contribuir com soluções para a redução dos custos de fretes ocasionados pelo processo de transferência de veículos completos entre fábrica e centro de distribuição, no atendimento de vendas realizadas por filiais de distribuição, buscando, dessa forma, não só a redução do custo de frete de transferência, mas também a redução dos gastos operacionais e mão de obra, ocasionados pelo processo de carregamento na unidade fabril e pelo processo de recebimento no CD. 2 MATERIAL E MÉTODOS Essa pesquisa foi realizada em uma empresa de destaque no segmento de papel e celulose, que teve início na década de 1950, através da iniciativa de um co-fundador de um grande grupo de investimentos, juntamente com um sócio. A empresa possui a área de logística como um dos principais setores que mais impactam, positiva ou negativamente, a organização,além de ser um dos setores que a companhia escolheu para realizar atividades que a diferencie da concorrência, tornando-a mais competitiva. A empresa analisada atua com uma área de logística em cada fábrica. Essa área é composta por um setor administrativo e um setor operacional. O setor administrativo é responsável por programar as expedições dos materiais de acordo com os pedidos que estão cadastrados no sistema, analisar juntamente com a transportadora contratada o valor do custo de frete, disponibilizar os caminhões contratados para carregamento e acompanhar todo o processo até a entrega ao cliente final, usando ferramentas como o sistema SAP e indicadores de nível de serviço de carregamento e faturamento.

4 109 Já o setor operacional é responsável por toda parte de movimentação e armazenagem das matérias-primas e dos produtos acabados. Esse setor é terceirizado e comandado por uma empresa prestadora de serviços logísticos. Suas principais atividades são movimentar e armazenar internamente a matéria prima adquirida, bem como o produto acabado nos depósitos. A empresa terceirizada atua nesse processo fornecendo mão de obra e maquinários que fazem todo o processo de retirada do produto acabado da linha de produção à estocagem no depósito e depois um futuro carregamento nos veículos contratados para embarque. As atividades de faturamento e emissão de notas fiscais das ordens, também, ficam por conta da terceirização. O processo de embarque de cargas da empresa acontece através de dois modais no processo da celulose e um modal para o papel. No caso da celulose, o material é expedido através dos modais rodoviário e ferroviário e, para os casos de exportação, a celulose sempre é expedida direto da fábrica para o porto pelo modal ferroviário e/ ou da fábrica para o cliente final, pelo modal rodoviário. Para a expedição de papel, existem duas formas de análise, a primeira são os faturamentos feitos para clientes de grande porte que compram, normalmente, cargas fechadas de veículos (aproximadamente 24t ou mais) que são expedidas da fábrica direto para o cliente, pelo modal rodoviário. As vendas para os demais clientes, que representam médio e pequeno porte, ficam por conta da distribuidora. A segunda análise é feita considerando o abastecimento da distribuidora. Para abastecimento de papel nas 19 filiais do país, a empresa conta com um centro de distribuição que recebe o material expedido pela fábrica, armazena no depósito e depois fraciona as cargas, fazendo um mix de vários produtos e enviando para as filiais, também, no modal rodoviário. Nesse cenário, a empresa opera com um custo maior, pois ela arca com as despesas de frete da fábrica até o Centro de Distribuição (CD) e do CD até as filiais. O Centro de Distribuição funciona como um estoque de segurança para as filiais de distribuição e, a cada vez que existe uma redução no volume de estoque das filiais, mais cargas são fracionadas, conjugadas e enviadas para o abastecimento delas. No total, a distribuidora dispõe de atividades em 19 filiais e essa operação acontece diariamente e de forma intensa. As necessidades de reabastecimento das filiais são apontadas por sistema, em cada venda realizada. A gestão dos estoques acontece através de um sistema chamado MRP (Material Requirement Planning), que se refere a um software lógico, pelo qual são realizados cálculos que convertem a demanda prevista, em real programação de

5 110 necessidades. A utilização do MRP permite que a empresa trabalhe com necessidades reais e exatas, o que eleva em grande escala o atendimento de pedido de clientes e reduz os estoques parados no processo. O MRP precisa ser parametrizado com as necessidades e dados reais da empresa para apresentar um bom desempenho. Seu acompanhamento e sua análise são, diariamente, realizados por oito analistas, que estão localizados no escritório central em São Paulo. A cada necessidade de abastecimento gerada no sistema, o analista dispara (por sistema SAP) um pedido de transferência para o CD, informando a necessidade da filial, qual material deverá ser embarcado e o volume necessário. Os analistas do CD recebem todos os pedidos de transferências via sistema e mediante a essas solicitações irão conjugar as cargas, fazendo um mix de todos os produtos que cada filial necessita para, em seguida, embarcar os volumes em caminhões (carretas ou trucks) para as 19 filiais. Todas as filiais de distribuição trabalham com clientes de pequeno e médio porte e que adquirem tipos de papéis variados em cada compra realizada. Das vendas realizadas pelas filiais,85% são efetuadas com volumes pequenos e lotes fracionados, dessa forma o reabastecimento de seus estoques precisa acontecer sempre de forma rápida e diária, demandando muitas movimentações de produtos e pessoas. Os outros 15% das vendas das filiais, são voltadas para clientes que compram volumes de cargas fechadas (13t ou 24t), mas que por motivos culturais da empresa, não são direcionados a comprar direto de fábrica. A opção da terceirização nos processos de movimentação e armazenagem foi definida pela empresa como o modelo logístico ideal, mediante os cálculos de custos realizados. Com a terceirização, todo custo com funcionários, operacionais e manutenção das empilhadeiras fica com a prestadora de serviços, sendo a empresa responsável apenas pelo pagamento do valor contratual todo mês, conseguindo, assim, alguns ganhos financeiros através das atividades operacionais e redução de esforços. O controle dos estoques do CD e filiais é feito mensalmente e passa por inventário periodicamente ou quando surge alguma eventual necessidade. Todo o sistema do centro de distribuição é interligado com as fábricas e com as filiais de revendas, o que facilita todo o trâmite de recebimento e expedição de materiais. Assim, como em toda organização, o custo logístico de maior impacto da empresa analisada são os custos dedicados a fretes. O modal rodoviário é muito usual nessa empresa e a falta de veículos próprios para a movimentação das cargas, obriga a empresa a direcionar todos os serviços ligados a esse modal, para fornecedores, nesse caso, transportadoras contratadas. Tal direcionamento encarece, ainda mais, o custo do frete no processo de

6 111 transferência. Considerando que 100% da movimentação dos produtos, que são destinados às filiais, estão ligados ao modal rodoviário, observou-se que a empresa necessitava analisar e implantar melhorias no processo logístico que vinha sendo executado no negócio de distribuição, a fim de se obter redução nos custos relacionados a fretes. Toda venda realizada pelas filiais de distribuição eram faturadas do CD ou da própria filial para os clientes, não sendo usual o faturamento direto de fábrica, ainda que o embarque fosse com volume de carga fechada, ou seja, lotação completa do caminhão. É exatamente nessa lacuna, que a proposta de melhoria foi desenvolvida, visando reduzir gastos com fretes até o CD, de material que já estava vendido. A presente pesquisa teve por objetivo, propor uma nova metodologia no processo de distribuição e faturamento de vendas já realizadas pelas filiais, cujos volumes formavam carga de um veículo completo, adaptando o processo, de modo que as emissões das notas fiscais de venda ocorressem direto da fábrica, evitando, dessa forma, um gasto com transferência entre fábrica e CD para um produto que já estava vendido. Embasado pelos conhecimentos teóricos adquiridos no decorrer da pesquisa, bem como o estudo e acompanhamento realizado no processo da empresa, fez-se possível identificar esses gastos excessivos com fretes, motivando o desenvolvimento dessa proposta para essa nova metodologia. As dezenove filiais de distribuição faturam uma média de toneladas de papéis juntas. Todo esse volume de faturamento passava pelo primeiro processo logístico, em que os materiais eram enviados do CD para as filiais e das filiais para os clientes finais.isso significa que a empresa tinha custo com frete em três etapas: 1- custo de frete na transferência do produto que está na fábrica, com destino ao centro de distribuição; 2- custo de frete na transferência do produto que está no CD, com destino às filiais e 3- custo de frete no faturamento dos produtos nas filiais, com destino ao cliente final. Sendo o modal rodoviário o único meio de movimentação dessas cargas, observou-se o quanto a empresa vinha gastando com fretes em todo o seu processo de distribuição, mais do que realmente seria necessário. A empresa não possui transportes próprios e por esse motivo contrata transportadoras terceirizadas para o seu processo logístico. A transportadora, que é a prestadora dos serviços de movimentação de cargas tanto para venda direta ao cliente como para transferências, utiliza uma tabela de fretes negociada junto à empresa. Essa tabela tem valores pré-fixados, baseados na quilometragem percorrida do ponto de origem até o ponto de destino final e são preços em reais, cobrados por tonelada.

7 112 Não existe nenhuma restrição de capacidade física ou tecnológica, que impossibilite a fábrica de faturar os pedidos direto aos cliente, quando realizam compras de carga completa (24t ou 13t), apenas não era cultural para a empresa adotar esse processo nos casos de distribuição. No processo anterior, o faturamento direto da fábrica para o cliente, só acontecia para os casos em que as vendas eram feitas por vendedores internos. Esses vendedores, iam até os clientes de grande porte, para vender os produtos da empresa e fechar contratos de volumes muito superiores, aos que são vendidos nas filiais. Analisando que as vendas das filiais são 85% voltadas para clientes de pequeno porte, que realizam compras de lotes fracionados de produtos, o CD é uma ótima saída para atendimento das necessidades dos clientes, pois como ele funciona como um estoque de segurança que possibilita a segregação e fracionamento de cargas, as filiais conseguem rapidamente ter seus estoques repostos da forma como precisam, com um mix grande de materiais, para um melhor atendimento nos pedidos do cliente final. No entanto, os outros 15% das vendas realizadas pelas filiais, são voltadas para clientes de médio porte, que realizam compras mensais, em volumes fechados. Esses clientes são potenciais para as filiais, pois compram mensalmente, valores significativos comparados aos demais clientes que compõe os 85% do faturamento. O volume de suas compras sempre é fechado na capacidade total dos veículos que a empresa utiliza para movimentação de cargas (24t ou 23t), o que possibilita o atendimento de seus pedidos direto pela fábrica Após a obtenção desses dados, verificou-se a oportunidade de desenvolver uma proposta que tinha por objetivo a mudança no processo de faturamento, para esses clientes, que representam 15% do faturamento nos negócios de distribuição. A proposta foi fundamentada na realidade da empresa, bem como de seus canais de distribuição, já abordados anteriormente, com objetivo de reduzir os valores gastos com fretes. Para se obter a redução da porcentagem proposta, verificou-se a necessidade da empresa adotar uma nova metodologia no faturamento, de parte do seu processo de distribuição, seguindo alguns princípios básicos como: 1- utilizar o centro de distribuição como estoque de segurança, enviando para ele, somente produtos que serão transferidos para as filiais de forma fracionada; 2- as vendas que as filias realizarem para clientes de pequeno porte, necessitando de fracionamento da carga, deverão continuar sendo faturadas pelas filiais (85% dos faturamentos) e 3- as vendas que as filiais realizarem, para clientes de médio porte, que não necessitem de fracionamento de cargas e atendam a capacidade total do veículo, deverão ser faturadas direto da fábrica para o cliente (15% dos faturamentos).

8 113 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Com o desenvolvimento e implantação dessa proposta, a empresa adaptou um novo modelo de fluxo, passando a trabalhar com dois modos de atendimento aos pedidos dos clientes, que compram pelo canal de distribuição. O primeiro fluxo logístico manteve-se o atual, que visa o atendimento dos 85% de clientes que compõe o faturamento da distribuidora. Dessa forma, o processo logístico continua o mesmo praticado anteriormente, os materiais são carregados nas fábricas, enviados para o CD e lá são segregados, fracionados e enviados para as filiais, que por sua vez faturam para os clientes, conforme ilustrado na Figura 1. Figura 1 Fluxo logístico para atendimento de vendas fracionadas. Para o atendimento desse ranking de clientes, 85% do faturamento, a empresa continua tendo o gasto com fretes em três etapas do processo, a que envolve a transferência da fábrica para o CD, a de transferência do CD para as filiais e por último,a que envolve o faturamento da filial até a entrega ao cliente. O segundo fluxo foi desenvolvido para o atendimento dos clientes de médio porte, que compõem os 15% do faturamento total e para o qual, exatamente, a proposta foi desenvolvida. Para atender a demanda dos 15% de clientes, as filiais inserem no sistema SAP, todas as ordens de vendas confirmadas. A fábrica, via sistema também, acessa os pedidos fechados pelas filiais, todos com 24t ou 13t cada um e a partir desse momento, realiza a programação e

9 114 produção dos volumes. Ao término da produção, os materiais acabados, correspondentes a cada pedido cadastrado no sistema, são carregados em caminhões, ocupando a carga máxima e faturados na própria unidade fabril. Ao contrário do fluxo anterior, o faturamento ocorre direto para o cliente, não necessitando passar pelo CD, conforme mostra a Figura 2. Figura 2 Fluxo logístico para atendimento de 15% dos clientes. Para o atendimento dessa parte da carteira de clientes, 15% do faturamento, a empresa reduziu de três contratações de frete, para uma contratação apenas, eliminando a transferência do material em duas etapas e direcionando a entrega diretamente para o cliente. Os dados levantados apontam que a empresa, tinha um gasto médio mensal de aproximadamente R$ ,00 com fretes, devido ao fluxo logístico que era praticado. Desse valor total, aproximadamente R$ ,00 eram gastos direcionados ao atendimento das vendas diretas, realizadas pelos vendedores internos. A outra parte, sendo R$ ,00, eram gastos relacionados com o atendimento das vendas realizadas pelas filiais. Com a adoção desse novo procedimento proposto na pesquisa e já implantado na empresa, desde outubro de 2010, a empresa tem economizado uma média de R$45.900,00 por mês, com fretes, e uma média de R$ ,00 por ano, no processo de distribuição, como demonstra a Figura 3.

10 115 Figura 3 Análise dos gastos com fretes no período de um ano. Observa-se na Figura 3, que no período de outubro de 2009 a setembro de 2010, somente a área de distribuição, apresentou um gasto com fretes no valor aproximado de R$ ,00. Destaca-se nesse cenário que, nesse período, a empresa ainda praticava o processo anterior no atendimento do grupo de clientes selecionado, ou seja, todo atendimento era baseado no fluxo logístico 1. Já nos dados analisados entre outubro de 2010 a setembro de 2011, período em que a proposta foi implementada, esse valor anual foi reduzido para R$ ,00, o que representa uma redução de R$ ,00 no período de 1 ano. A aplicação dessa proposta no processo logístico, não resultou em nenhum custo extra para a empresa, uma vez que, foram considerados e utilizados todos os recursos já existentes nos locais de operação. Toda a mudança na estrutura, para atendimento desse grupo de clientes, foi realizada através de uma adaptação no processo fabril. A fábrica quando recebe o pedido dos clientes que fazem parte desse grupo escolhido, fatura o pedido direto para o cliente, ao invés de faturar o produto para o CD. Dessa forma, as despesas que a fábrica já possuía com mão de obra, carregamento, faturamento e movimentação interna, não sofreram nenhum tipo de mudança.

11 116 Além da redução nos custos com fretes, que é o objetivo principal da presente pesquisa, foram constatadas, também, outras economias e benefícios obtidos pela empresa, o que torna, ainda mais viável a obtenção de novos estudos e desenvolvimentos nesse processo. Foram identificados, a princípio, alguns empregados que estavam resistentes em realizar essa mudança processual na empresa, alegando isso acarretaria desempregos, reduzindo não só o custo logístico, bem como os custos com mão de obra. Como toda mudança gera desconforto e resistência nas pessoas envolvidas, foram encontradas algumas dificuldades na implantação do projeto junto à equipe. Os empregados sentiram-se ameaçados e passaram a questionar a proposta, relatando que não seria a melhor saída e se recusavam a adotar os novos procedimentos.no entanto, no decorrer de toda a mudança e reestruturação, a equipe foi sendo orientada, treinada e capacitada para o entendimento e aceitação do novo modelo de trabalho. A equipe do CD era composta por dezoito funcionários que faziam o descarregamento dos caminhões e mais seis funcionários administrativos que ficavam responsáveis pela emissão de notas fiscais. Somente quatro colaboradores da área operacional foram dispensados e apenas um da área administrativa. Os demais funcionários passaram por uma reestruturação, participando de palestras e treinamentos, objetivando a conscientização do retorno financeiro que essa mudança traria para a empresa, bem como das novas oportunidades de desenvolvimento na empresa para cada um deles. Os funcionários que permaneceram na equipe tiveram pequenos reajustes em seus salários,sendo, também, capacitados através de vários treinamentos e direcionados a realizar outras atividades dentro do armazém, no tempo que estavam livres. Tal iniciativa resultou em melhorias para a área do Centro de Distribuição,pois os funcionários operacionais passaram a ter metas de arrumação, limpeza e organização dentro do armazém e os funcionários administrativos, no tempo que tinham livre, foram treinados e orientados a desenvolverem indicadores de níveis de serviços, como acompanhamento de tempo de carregamento, análise de anomalias/avarias, entre outros. Essas mudanças, decorrentes da implantação da proposta com qualidade, trouxeram redução com custos de mão de obra e hora extra para a empresa, melhoria no processo, organização e limpeza dos depósitos, bem como capacitação profissional e oportunidade de desenvolvimento aos colaboradores. Ainda, no Centro de Distribuição, em fevereiro de 2011, foi possível renovar a contratação da prestadora de serviços responsável pela movimentação de cargas internas, por um custo contratual menor do que do ano anterior. Esse ganho foi embasado, também, na

12 117 proposta aplicada, que ao reduzir o número de caminhões carregados envolvidos no processo, reduziu, também, a utilização de empilhadeiras para movimentação das cargas, assim como os gastos com manutenção, combustível e operadores. Ao reduzir a contratação de veículos para transferência de papel, a empresa não obteve nenhum problema contratual com a transportadora vinculada, uma vez que as contratações de veículos para atendimento desse grupo de clientes e dos abastecimentos das filiais ainda superam o volume mínimo previsto no contrato firmado com o fornecedor. Outro benefício adquirido pela empresa, após a implantação da proposta, foi a significativa redução no volume de avarias, ocasionado pela movimentação das cargas no processo de transferência, como pode ser observado na Figura 4. Figura 4 Análise do volume de avarias no ano de Em um levantamento de dados realizado via sistema, verificou-se que a empresa apresentava uma média de 5% de avaria, com relação ao volume mensal faturado para esse grupo de clientes. Esse percentual era ocasionado devido à quantidade de vezes que os fardos de papel eram carregados e descarregados nos caminhões. O processo de carregamento na fábrica acontecia no estoque da própria unidade, onde todas as docas são cobertas. No entanto, as docas para carregamento e recebimento no CD, são muito disputadas e somente quatro delas são cobertas. A descarga dos produtos muitas

13 118 vezes acontecia com exposição ao clima (sol, chuva), fazendo com que o material sofresse avarias. Além disso, o tempo que o produto ficava estocado no armazém até atender ao prazo de entrega solicitado pelo cliente também era, em alguns casos, um causador de avaria. Com o desenvolvimento e implantação da proposta, esse percentual de avaria reduziu para uma média de 0,35%, uma queda de 4,65% com relação ao cenário anterior, como mostra a Figura 5. Figura 5 Análise do volume de avarias no ano de Embora, muito reduzido, esse percentual de avaria ainda existe, devido ao erro de operadores que conduzem as empilhadeiras na movimentação da carga, tirando o produto do depósito e levando até o caminhão. Quando um material é avariado, o impacto causado no atendimento do pedido do cliente é muito grande. Em contato com água ou calor excessivo, o papel pode apresentar inúmeros defeitos técnicos que fazem com que ele perca sua qualidade original. Na maioria dos casos, esse material, tem que ser refugado ou vendido como aparas, por um preço bem inferior ao que realmente seria vendido. Obter uma redução no volume de avarias significa que a empresa está obtendo uma redução nos custos fabris como um todo, como redução dos custos no processo produtivo,

14 119 reduzindo despesas com matéria prima e insumos, redução nos gastos com mãos de obra e possíveis horas extras, redução nos gastos com fretes de veículos que precisam ser enviados mais de uma vez para repor a carga que foi avariada no CD e, principalmente, redução no tempo para atendimento do pedido do cliente, sendo possível atender suas expectativas quanto ao prazo de entrega e à qualidade, efetuando com maior qualidade a prática do Just in Time, que é uma ferramenta de qualidade que visa o atendimento da quantidade certa, na hora certa. Houve a redução não só das avarias dos produtos no processo de carga e descarga, mas também a redução de perda de cargas completas, originadas por incidentes como roubo, furto e tombamento de veículos, sendo mais um benefício identificado na empresa. Como o processo envolvia muitos carregamentos, o índice desses incidentes na empresa era muito alto e causava grandes prejuízos, pois embora a empresa tivesse seguro nas cargas, ela perdia o tempo gasto na produção do produto, os insumos e matérias prima utilizados, a mão de obra paga no processo produtivo e, ainda, corria riscos de não atender ao cliente no prazo estabelecido. A empresa não divulgou o valor de redução financeira para esses índices, porém sabe-se que a economia foi grande nesse processo. A empresa estudada tem uma enorme preocupação com a questão ambiental e através da aplicação da proposta, ela está contribuindo, também, com a preservação do meio ambiente e atendendo aos princípios de sustentabilidade, de uma maneira diferente da qual ela já contribuía. Os veículos liberam na atmosfera, inúmeros poluentes. O uso de combustíveis, como a gasolina e o diesel, liberam um dos poluentes mais agressivos ao meio ambiente na atualidade, o monóxido e o dióxido de carbono. Ao reduzir a movimentação de cargas, nos processos de transferências, automaticamente a empresa passou a contratar menos caminhões, reduzindo, assim, o número de veículos nas ruas. Com a aplicação da proposta, um processo que antes envolvia três veículos para que o produto fosse entregue ao cliente final, hoje atua com somente um veículo em toda a cadeia. A redução de caminhões nas ruas colabora com o combate à poluição do ar e à poluição sonora, causada por ruídos do trânsito, bem como o próprio tráfego de caminhões nas estradas, amenizando os danos à saúde da sociedade e colaborando para um trânsito mais seguro e menos congestionado. Sendo o princípio da sustentabilidade um fator de grande importância para as empresas e para a sociedade, destaca-se aqui uma oportunidade de aprofundar os estudos no processo logístico, a fim de colaborar, ainda mais, com a preservação do meio ambiente, através de ações que ainda não foram totalmente estudadas e/ou disseminadas.

15 120 4 CONCLUSÕES Destacam-se como pontos importantes na pesquisa, a aplicação da proposta na empresa e a obtenção dos resultados propostos no que tange a redução dos custos gastos com fretes no processo de atendimento das vendas realizadas pelas filiais, bem como os demais benefícios que foram originados e identificados através da implantação do novo fluxo logístico. Como ponto de atenção, vale ressaltar a necessidade de um trabalho de conscientização com toda a equipe envolvida nessa ou em outras mudanças que sejam propostas na empresa, para que dessa forma os colaboradores reconheçam as mudanças como fonte de melhorias e oportunidades de desenvolvimentos. Através da presente pesquisa, observou-se, também, a possibilidade e a necessidade de novos estudos serem desenvolvidos nessa área,com o intuito de maximizar os resultados, com a possibilidade de novos ganhos e novas reduções. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CORRENTE, V. Função dos Distribuidores. In:. Marketing: A Distribuição. Coimbra, Disponível em:<http://prof.santana-e-silva.pt/egi_estrategia_mk/trabalhos_dos_alunos /marketing/word/05%20-%20a%20distribui%c3%a7%c3%a3o.pdf>. Acesso em: 18 mar NOVAES, A. G. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição: Estratégia, Operação e Avaliação. Rio de Janeiro: Campus, PIRES, S. R. I. SCM Conceitos básicos Disponível em: <http://www.supplychainonline.com.br/modules.php?name=news&file=article&sid=196>. Acesso em: 17 mar RODRIGUES, S. O marketing da logística: diferenciação pelos serviços Disponível em: >. Acesso em 17 mar VERLANGIERI, M. V. Logística no Organograma das empresas Disponível em <http://www.guialog.com.br/artigo1.html>. Acesso em: 18 mar

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO FABIANA SOUZA COSTA CUNHA (UFG ) fabisoucos@yahoo.com.br Marco Paulo Guimaraes (UFG ) mp-gui@uol.com.br

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA Antonia Maria Gimenes¹, Marcio Jabour de Oliveira², William Gonçalves São Leão⁴

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Benefícios na Implantação dos Centros de Distribuição para a Logística: a Indústria de óleo Lubrificante e o Cd Suape

Benefícios na Implantação dos Centros de Distribuição para a Logística: a Indústria de óleo Lubrificante e o Cd Suape Benefícios na Implantação dos Centros de Distribuição para a Logística: a Indústria de óleo Lubrificante e o Cd Suape Henrique Albernaz henriquealbernazfreitas@gmail.com CEFET/RJ Úrsula Maruyama maruyama.academic@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE RASTREAMENTO POR SATÉLITE PARA MELHOR EFICIÊNCIA DA GESTÃO LOGÍSTICA - ESTUDO DE CASO

GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE RASTREAMENTO POR SATÉLITE PARA MELHOR EFICIÊNCIA DA GESTÃO LOGÍSTICA - ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

,OGÓSTICA. Os tempos mudaram muito, estão bem mais dinâmicos. A competitividade e a concorrência entre produtos e mercadorias,

,OGÓSTICA. Os tempos mudaram muito, estão bem mais dinâmicos. A competitividade e a concorrência entre produtos e mercadorias, ,OGÓSTICA a c i t s í g o L e n i a h C ply Sup Por Marco Aurélio Dias A logística sempre foi de grande importância no mundo, a qual, na verdade, é praticada desde 200 a.c. Lógico, os comerciantes daquela

Leia mais

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento 01 SISTEMA ANALÍTICO DE PLANEJAMENTO QUE PERMITE OTIMIZAR O ATENDIMENTO DAS DEMANDAS, A PRODUÇÃO DE CIMENTO E SUPRIMENTO DE INSUMOS, MAXIMIZANDO A MARGEM DE CONTRI- BUIÇÃO DA OPERAÇÃO O CILO É uma ferramenta

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL.

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. Vanessa Teresinha Alves (UFSM) vanerotta@gmail.com Julio Cezar Mairesse

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

GIOVANNO DA SILVA NEIVA gsn1977@gmail.com

GIOVANNO DA SILVA NEIVA gsn1977@gmail.com CURRICULUM VITAE Nome : Giovanno da Silva Neiva Idade: 36 anos Estado Civil: Casado Fone : 4199379882 Meus Pontos Fortes: grande facilidade em trabalhar com equipe, fácil comunicação, competência para

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos

6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos 6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos 6.1 Introdução Esse capítulo tem o objetivo de descrever todos os ganhos observados após a implantação do

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO 5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) CAROLINA PASQUOT Orientador(es) José Roberto Soares Ribeiro

Leia mais

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS Hoje, mais do que nunca, o conhecimento é o maior diferencial de uma organização, mas somente quando administrado e integrado com eficácia. Para melhor atender os seus

Leia mais

Logística e Organização de Cadeias Produtivas

Logística e Organização de Cadeias Produtivas II SEMANA ACADÊMICA DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ENGENHARIA DO AGRONEGÓCIO Logística e Organização de Cadeias Produtivas Prof. Luís César da Silva UFES - CCA Desafios do Agronegócio Globalizado Atender padrões

Leia mais

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Fernanda Hashimoto e Celso Hino O presente trabalho tem como objetivo avaliar a utilização do melhor modelo de distribuição

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Produto : Logix, WMS, 12 Chamado : PCREQ-1926 Data da criação : 03/07/2015 Data da revisão : 24/07/15 País(es) : Todos Banco(s) de

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

O relatório produzido se dispõe a responder às seguintes perguntas sobre os embarcadores:

O relatório produzido se dispõe a responder às seguintes perguntas sobre os embarcadores: Introdução Esse trabalho é uma iniciativa da GKO Informática, líder no mercado nacional com o TMS GKO Frete, e da RC Sollis, empresa especialista em Gestão e Desenvolvimento de Negócios em Logística. A

Leia mais

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Transporte Rodoviário de Cargas Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Panorama do Segmento de Transporte Rodoviário de Carga Brasileiro Panorama TRC Infraestrutura

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

Inventário Geral versus Inventário Cíclico

Inventário Geral versus Inventário Cíclico Inventário Geral versus Inventário Cíclico Qual a melhor opção para combater divergências de inventário e melhorar os indicadores de estoque e de atendimento ao cliente. Iuri Destro Coordenador de produtos

Leia mais

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

Prêmio ABRALOG de Logística. Soluções Logísticas no Agronegócio

Prêmio ABRALOG de Logística. Soluções Logísticas no Agronegócio Prêmio ABRALOG de Logística Soluções Logísticas no Agronegócio Sumário 1. Informações Gerais...02 2. Política de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade...03 3. Projeto...05 4. Dificuldade Encontrada...08

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Atração, retenção e qualificação de mão de obra;

Atração, retenção e qualificação de mão de obra; São Paulo - Abril de 2012 As amplas deficiências de infraestrutura do País comprometem fortemente os resultados do setor logístico. Diante da expectativa de investimento público insuficiente para reverter

Leia mais

2.0 A Logística 2.1 O Conceito da Logística

2.0 A Logística 2.1 O Conceito da Logística 2.0 A Logística Neste capítulo será realizada uma breve análise sobre os conceitos e métodos aplicados à logística empresarial, construindo o arcabouço teórico necessário para o desenvolvimento do modelo

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Indicadores de Desempenho Logístico

Indicadores de Desempenho Logístico Indicadores de Desempenho Logístico Lívia B. Ângelo, liviabangelo@hotmail.com 1. Estratégia X Indicadores de Desempenho As estratégias servem como guia para as empresas desenvolverem e utilizarem recursos

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

Help RentaVision FRETE - NTC

Help RentaVision FRETE - NTC Help RentaVision FRETE - NTC Introdução O RentaVision foi desenvolvido com o intuito de ser uma ferramenta precisa para ser utilizada na montagem de Tabelas de Preços de transporte rodoviário de forma

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA ROTEIRO TMS GESTÃO DE TRANSPORTES PRA QUE SERVE? NÍVEIS DE DECISÃO QUAL A UTILIDADE? BENEFÍCIOS MODELOS EXERCÍCIO GESTÃO DE TRANSPORTE

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS O OUTSOURSING ESTRATÉGICO DE OPERAÇÕES LOGÍSTICAS

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS O OUTSOURSING ESTRATÉGICO DE OPERAÇÕES LOGÍSTICAS 1 TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS O OUTSOURSING ESTRATÉGICO DE OPERAÇÕES LOGÍSTICAS Prof. Marco Antonio Paletta Curso Superior de Tecnologia em Logística Centro Universitário Padre Anchieta Faculdade

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

Eliminando os picos artificiais de vendas. Alexandre Cardoso

Eliminando os picos artificiais de vendas. Alexandre Cardoso Eliminando os picos artificiais de vendas Alexandre Cardoso Os mercados se comportam de maneiras erráticas e imprevisíveis, gerando sempre uma variação nos volumes e no mix de produção. As causas estão

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Habilitação, qualificações e especializações: 1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Carga-Horária: 960 horas 1.2 Objetivo Geral do Curso O curso de Educação

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis. Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE

Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis. Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE Giovanna Fornaciari Mestranda da FUCAPE Maria Mariete A. M. Pereira Mestranda da FUCAPE

Leia mais

Luiz Carlos Policarpo da Silva (FANOR) engluizpolicarpo@gmail.com

Luiz Carlos Policarpo da Silva (FANOR) engluizpolicarpo@gmail.com COMO MEDIR A PRODUTIVIDADE DOS SERVIÇOS DE AGENCIAMENTO DE TRANSPORTES DE CARGAS INTERNACIONAIS: ESTUDO DE CASO EM UM AGENTE DE CARGAS INTERNACIONAIS NO CEARÁ Luiz Carlos Policarpo da Silva (FANOR) engluizpolicarpo@gmail.com

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Valor total de compras de materiais e serviços da Companhia em relação ao faturamento bruto Valor total de estoques da Companhia em relação ao

Valor total de compras de materiais e serviços da Companhia em relação ao faturamento bruto Valor total de estoques da Companhia em relação ao Valor total de compras de materiais e serviços da Companhia em relação ao faturamento bruto Valor total de estoques da Companhia em relação ao faturamento bruto Valor total de compras de materiais/serviços

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

Consultoria Fiscal e Tributária

Consultoria Fiscal e Tributária Consultoria Fiscal e Tributária A precária legislação fiscal para o segmento logístico e o complexo sistema tributário nacional para os demais segmentos, faz da consultoria especializada uma ferramenta

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL

PROJETO INTERNACIONAL PROJETO INTERNACIONAL EM 10 PASSOS Ubirajara Marques Direitos: Todos os direitos reservados para Center Group International Duração: 1 hora Apresentação: Linguagem simples, para micros e médios empresários

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais

5. Práticas de SCM na GSK

5. Práticas de SCM na GSK 5. Práticas de SCM na GSK Desde a fusão em 2001, a GSK estima que obteve cerca de 1 bilhão em economias relacionadas à racionalização da sua rede de suprimentos e das atividades de SCM. Além das economias

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais