Cartilha do projeto Book de Projeto. Cartilha Comunitas: Projeto Acolhe Saúde Campinas - SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cartilha do projeto Book de Projeto. Cartilha Comunitas: Projeto Acolhe Saúde Campinas - SP"

Transcrição

1 Cartilha do projeto Book de Projeto JUNTOS acolhe CAMPINAS saúde Cartilha Comunitas: Projeto Acolhe Saúde Campinas - SP Campinas-SP

2

3 5 Iniciativa Parceiro Técnico Realização Conteúdo: Agência Tellus Diagramação: Inketa Revisão: Comunitas Imagens: Agência Tellus, Prefeitura Municipal de Campinas, ToLife, Apiacás Arquitetos

4 4 Índice Índice INTRODUÇÃO Contexto do Projeto O DESIGN DE SERVIÇOS NA SAÚDE

5 5 29 ACOLHE SAÚDE 33 SOLUÇÕES DESENVOLVIDAS Reforma do Espaço Sistemas e Processos Treinamentos Comunicação

6 6 Introdução

7 INTROdUÇÃO 7

8 8 Introdução COMUNITAS Organização da sociedade civil de caráter apartidário criada em 2000, é a líder do programa Juntos Pelo Desenvolvimento Sustentável. A Comunitas promove parcerias com entidades empresariais, públicas e sociedade civil e estimula o engajamento do setor privado no desenvolvimento social. Encoraja e promove ações para o aprimoramento da gestão pública e a melhoria nos serviços oferecidos à população. JUNTOS PelO desenvolvimento SUSTeNTáVel Juntos é um programa de aprimoramento da gestão pública criado com foco nos governos municipais, esferas administrativas mais próximas da população. Seu maior objetivo é investir em parcerias inovadoras entre o setor público, privado e a sociedade para, desta forma, fortalecer a gestão pública e promover o desenvolvimento local e melhorar os serviços à comunidade. todas no interior paulista. Para participar do programa, o município deve atender diversos requisitos, entre eles: diversidade de partidos, prefeito em primeiro mandado, ficha-limpa e cidades de diferentes regiões do país. Os projetos do Juntos são realizados em várias áreas, entre elas e prioritariamente gestão fiscal, saúde e educação. Atualmente o projeto é desenvolvido em doze municípios brasileiros: Campinas (SP), Pelotas (RS), Santos (SP), Juiz de Fora (MG), Teresina (PI), Curitiba (PR) e Itirapina (SP) - em modelo de consórcio com as cidades de Brotas, Corumbataí, Limeira e São Carlos,

9 9 TellUS A Agência Tellus é a primeira agência de design de serviços públicos no Brasil. Auxilia o Governo e organizações provedoras de serviços públicos a encontrar e priorizar oportunidades de melhoria e inovação, partindo da ótica do cidadão para pensar soluções a partir do entendimento profundo e vivencial de suas necessidades. Desenvolve serviços públicos, não apenas eficientes, mas que ofereçam uma experiência positiva e inovadora ao cidadão. Diferencia-se por desenhar e implementar soluções na prática. MeTOdOlOGIA de TRABAlhO TRêS PIlAReS do design ThINKING A Tellus desenvolve projetos baseada na metodologia do Design Thinking e Inovação. Esse modo de pensar e fazer segue três princípios: empatia COCRIAÇÃO experimentação Entendimento empático e exploração do contexto dos cidadãos e servidores Construir com e não para a sociedade Testar para aprender de forma rápida e barata e aprimorar as soluções

10 10 Contexto do Projeto

11 CONTexTO do PROJeTO 11

12 12 Contexto do Projeto O MUNICÍPIO de CAMPINAS/SP População do município: 1.09 mi. de hab. (3ª maior do estado) Idh: 0,852 Elevado (8ª maior do estado) PIB: aprox. R$36.6 bi (11ª maior do Brasil) PIB per Capita: R$ 34 mil/ano 795,7 km² (52% da área do município de São Paulo) Possui economia baseada em serviços (72.9% do PIB municipal), com grande número de micro e pequenas empresas Campinas corresponde a um terço da produção industrial do estado, e seu setor industrial representa 27% do PIB municipal PIB municipal maior que de países como Jamaica, Paraguai e Nicarágua Fonte: Prefeitura Municipal de Campinas (2011)

13 MAPA 13

14 14 Contexto do Projeto Secretaria MUNICIPAL da saúde Dez Maiores cidades DO BRASIL despesas com saúde Em Bilhões de R$ 5,785 São Paulo 2,858 Rio de Janeiro 1,168 Belo Horizonte 1,130 0,955 0,911 0,907 0,836 0,742 0,672 despesas com saúde per capta em r$ Belo Horizonte Campinas Porto Alegre Fortaleza Goiana Guarulhos São Paulo Curitiba Fortaleza Rio de Janeiro Salvador Porto Alegre Salvador Curitiba Goiana Campinas Guarulhos Fonte: Prefeitura Municipal de Campinas (2012) Fonte: Prefeitura Municipal de Campinas (2012)

15 o serviço de pronto atendimento 15 As Unidades de Pronto Atendimento (UPA) ofertam um serviço intermediário, entre a atenção básica das UBSs e a atenção mais complexa dos hospitais. São unidades que funcionam em tempo integral e propõem resolver casos de emergência de média complexidade. Alguns dos serviços comuns prestados pelos Prontos Atendimentos são: atendimento clínico, ortopedia, medicação, leitos de observação, laboratório de exames, raio-x e eletrocardiografia; além de uma sala de emergência. Portas Abertas ou Urgência e Emergência Apenas 9% dos pacientes são da Urgência e Emergência 4% 5% 31% 60% Não há uma definição clara a respeito do público alvo dos Prontos Atendimentos. De um lado existe a visão de PAs como portas abertas, que recebam pacientes com dor e ajudem a desafogar filas dos hospitais. De outro, há o posicionamento de que Centros de Saúde poderiam absorver demandas mais simples, enquanto os PAs focam o trabalho na estabilização de casos de urgência. Pouco urgente Não urgente Urgente Emergência Fonte: Pesquisa Tellus (2012)

16 16 Contexto do Projeto PAs como Termômetros da Saúde Quadros de saúde crônicos são tratados na rede básica, mas em casos de surtos ou descompensações pacientes dessa classificação acabam precisando do serviço de pronto atendimento. Registros de casos como diabetes, hipertensão, etilismo e drogadição realizados em PAs são importantes indicadores do nível de eficácia e alcance de tratamentos contínuos e rotineiros feitos por UBSs e CAPS. As equipes dos PAs A mistura de profissionais com jornadas de trabalho verticais e horizontais e uma gestão que não pode estar presente em todos os plantões traz desafios no estabelecimento de acordos de trabalho e consequentemente nos fluxos de atendimento. Funcionários que trabalham em jornadas verticais têm vínculo com mais de uma instituição e pouco se fixam num único serviço, levando a altas taxas de rotatividade no serviço. PRONTO ATeNdIMeNTO CAMPO GRANde A região do Campo Grande conta com uma expansão demográfica recente. Hoje, com cerca de 300 mil habitantes, as residências foram se afastando de outras unidades de saúde já existentes como o Hospital Universitário da PUC e o Centro Hospitalar do Ouro Verde. Com isso, a necessidade de uma nova unidade de saúde se fez, levando à construção do Pronto Atendimento Sérgio Arouca, conhecido como o PA Campo Grande. A unidade foi inaugurada em 25 de Julho de 2008 e está em funcionamento pleno desde então.

17 17 A escolha de atuar no PA Campo Grande foi tomada com base em alguns critérios. A região do entorno é de grande vulnerabilidade social e consequentemente conta com um alto percentual de usuários dos SUS. Dessa forma, a unidade do Campo Grande passou a ser um serviço de saúde fundamental para a população local. Aliado a isso, o PA conta com uma ampla estrutura física, porém com diversas falhas de construção que afetavam diretamente a qualidade do atendimento, trazendo alto potencial de transformação no serviço. distribuição de ReNdA POR ReGIÃO % População 90% 80% 70% 60% NúMeRO de ATeNdIMeNTOS ANUAIS POR PA 50% 40% PA Anchieta PA Centro PA Campo Grande PA São José Total 30% 20% 10% 0% Até 2 De 2 a 5 De 5 a 15 Mais de 15 Renda em Salários Mínimos Fonte: Secretaria da Saúde de Campinas (2011) Fonte: Secretaria da Saúde de Campinas (2011) Cambuí Campo Grande Campinas

18 18 O Design de Serviços na Saúde Este projeto se diferencia pela humanização. É uma parceria inovadora e de qualidade, que chegou na unidade para transformá-la, transformá-la estruturalmente, funcionalmente e humanizá-la, trazendo as pessoas que trabalham ali para dentro do projeto. E isso é muito importante, não é? Cármino de Souza, Secretário Municipal da Saúde

19 O design de SeRVIÇOS NA SAúde 19

20 20 O Design de Serviços na Saúde INTROdUÇÃO A metodologia aplicada é baseada na abordagem do Design Thinking e Inovação. Dividido em dois grandes momentos, a equipe local inicia seu trabalho com o mergulho no sistema, entendendo junto a usuários e prestadores do serviço quais são pontos de transformação. O resultado final deste primeiro momento é a Cocriação das Ideias. Em um segundo momento, a equipe passa a transformar essas ideias em projetos reais, apoiando a implementação das soluções. Num papel de articulação e facilitação, são envolvidos profissionais de diversas áreas para fazer as ideias saírem do papel. Esse segundo momento é o Desenvolvimento e Execução de Soluções. Desta forma, em Campinas, o trabalho de desenvolvimento e execução das soluções já foi iniciado e agora conta com responsáveis da prefeitura para ser finalizado.

21 21 COCRIAÇÃO das IdeIAS No primeiro momento, de cocriação, o cenário do desafio em questão precisa ser entendido e para isso a Secretaria da Saúde trabalha de forma conjunta, unindo serviços e departamentos com o intuito de fortalecêlos e aprofundar sua compreensão do sistema e, em seguida, propor ideias. Para isso, algumas ferramentas são previstas: Mantendo todos na mesma página: Blog O encontro dos diversos atores: Oficina de Cocriação O cidadão como propositor: Campinas e-você desenvolvimento e execução de SOlUÇÕeS Na segunda fase, as muitas ideias são decantadas e amadurecidas a fim de tomarem forma de soluções eficazes que deem conta de resolver desafios complexos, ao mesmo tempo que trazem inovações para o serviço. As soluções foram desenvolvidas da seguinte forma: 1 Exploração do potencial da prefeitura: Desenvolvimento de soluções locais 2 Expansão de horizontes: Incorporação de práticas de excelência

22 22 O Design de Serviços na Saúde Cocriação Mantendo todos na mesma página Blog Para que as descobertas não ficassem apenas com a equipe de consultores, foram desenvolvidas ferramentas de comunicação com os interessados no projeto. Os principais aprendizados foram registrados em gravações denominadas Tellus TV e postadas em um blog aberto, para que os interessados pudessem assistir e comentar, acompanhando as pesquisas. A página ainda está no ar e pode ser visitada no seguinte link: O encontro dos diversos atores Oficina de Cocriação Durante o mergulho no projeto, médicos e enfermeiros, gestores de saúde e cidadãos foram colocados na mesma sala para juntos pensarem em desafios do serviço de pronto atendimento. O diálogo entre atores de diferentes serviços permite que os participantes trabalhem agregando diversas perspectivas, o que fomenta a produção de insights valiosos. Para quebrar as barreiras de linguagem e postura decorrentes da diversidade de atores, são trabalhados elementos lúdicos e inspiracionais, que transportam o diálogo para além de percepções cotidianas e facilitam o acesso a camadas mais profundas de entendimento.

23 23

24 24 O Design de Serviços na Saúde CAMPINAS e VOCê A Campinas e-você é uma plataforma de inovação aberta, na qual a prefeitura de Campinas convida os cidadãos a participarem de decisões de governo. Desafios são lançados em forma de perguntas e os cidadãos interagem compartilhando inspirações e propostas. No estágio final, as ideias propostas são colocadas em votação, e a solução mais votada recebe o compromisso de ser implementada. A plataforma foi codesenvolvida inspirada em casos de sucesso e direcionada para uma população que nunca havia tido a chance de participar em tomadas de decisão virtuais. Para garantir eficácia da plataforma, testes de interface foram realizados com pacientes nas esperas de unidades de saúde. o desafio LANÇAdo FoI: COMO POdeMOS deixar O SeRVIÇO de SAúde MAIS eficiente, CONfORTáVel e ACOlhedOR? Ao final do processo a proposta vencedora foi de UNIfORMeS PARA OS PROfISSIONAIS dos PAS

25 25 ATIVIdAde Inspirações Propostas Propostas na votação Comentários Dias ativos Membros na comunidade Visitantes únicos Visualizações Link:

26 26 O Design de Serviços na Saúde desenvolvimento de SOlUÇÕeS No contexto de Campinas as soluções propostas foram e estão sendo executadas inteiramente através da estrutura da prefeitura do município. Com isso, buscou-se ao máximo tangibilizar e ampliar o potencial existente no município. Onde recursos financeiros foram utilizados, foram feitos junto a mecanismos de sustentabilidade para que a prefeitura pudesse se apropriar dos conhecimentos obtidos. 1. desenvolvimento de SOlUÇÕeS locais Buscou-se acessar o potencial máximo de atores e contextos locais e próprios da Prefeitura. Articulando encontros inspiradores e unindo pontos de vista diversos, servidores foram empoderados a inovar dentro de sua instituição, sem a necessidade de grandes aquisições e dispêndio público. Exemplos: No projeto de Comunicação Não Violenta (Ver página 64), ao invés da contratação de consultores externos, profissionais atuantes em CNV foram articulados e empoderados a expandirem e qualificarem seus trabalhos Na Linha de Cuidado, (Ver página 56) a experiência do gestor do PA Campo Grande foi aproveitado para assegurar mais atenção a pacientes que necessitem de atendimento em múltiplos serviços de saúde.

27 27 2. Incorporação de práticas de excelência Soluções externas trazidas ao município, quando bem alinhadas com os funcionários do serviço, podem trazer vigor e alavancar melhorias. Exemplos: Ao estabelecer um protocolo único de classificação de risco (Ver página 52), a Prefeitura optou pelo Protocolo de Manchester, que é adotado internacionalmente, facilitando a integração com os municípios do entorno, e conferindoo respaldo internacional à estação. A solução da ToLife (Ver página 54), possibilita agilidade e maior gestão para a estação de classificação de risco. Para aprovar a implantação da ferramenta, houve construção de consenso na Prefeitura, engajando atores da gestão à ponta.

28 28 Acolhe Saúde

29 ACOlhe SAúde 29

30 30 Acolhe Saúde NOSSO CONCeITO de INOVACÃO Ao entrar no Pronto Atendimento, o paciente está em estado de dor e deseja que essa dor passe o mais rápido possível. Mais do que isso, o paciente quer sentir-se seguro de que o atendimento que receberá será de qualidade, para que essa dor não volte mais. Para atender as expectativas do usuário, a equipe local estruturou um conjunto de soluções a partir de um conceito que traz as demandas do paciente para o foco do cuidado.

31 31 O conceito Acolhe Saúde trabalha quatro pressupostos, partindo dos desejos e necessidades do paciente para nortear soluções O paciente quer ter Segurança e confiança de que ele receberá o melhor atendimento possível, o ajudando a superar sua dor da melhor forma. O paciente quer ter seu tempo em dor respeitado e espera o serviço com a maior Agilidade possível. O paciente precisa experimentar Conforto, amenizando sempre que possível seus picos de ansiedade e tensão. A Autonomia do paciente deve ser considerada no atendimento; ele deve ser empoderado para entender as causas de sua dor, formas de remediá-la, de cuidar dela e evitá-la em futuros cenários.

32 32 Soluções Desenvolvidas

33 SOlUÇÕeS desenvolvidas 33

34 34 Soluções Desenvolvidas Reforma do Espaço A reforma não existe pela reforma. Ela existe porque a gente quer melhorar a assistência, qualificar o atendimento Carlos Henrique Martins, Coordenador do PA Campo Grande

35 35 24h RefORMA do espaço

36 36 Soluções Desenvolvidas Reforma do Espaço Imagem ilustrativa / PA Campo Grande

37 37 A mudança do espaço é uma das transformações mais notáveis do serviço no olhar do paciente. Essa reforma ultrapassa uma simples mudança física e agrega soluções que qualificam a assistência e aprimoram os fluxos de atendimento. No seu processo também, a reforma é inovadora. Profissionais da saúde de diversos setores em conjunto com usuários do serviço trazem propostas, que são sistematizadas e estruturadas por um time de arquitetos para chegar a soluções sistêmicas. A otimização do espaço possibilita a criação de novos leitos e novos serviços, como um consultório odontológico e um laboratório-satélite. Além disso, espaços de espera são repensados para o conforto do cidadão e fluxos de atendimento são reestruturados. Por fim, a reforma visa adequar a unidade aos padrões de UPA24h do Ministério da Saúde, garantindo repasses federais significativos para o município.

38 38 Soluções Desenvolvidas Reforma do Espaço 1 CONfORTO e ACOlhIMeNTO NA espera BeNefÍCIO das SOlUÇÕeS Agilidade Segurança Autonomia Conforto As soluções de conforto e acolhimento aparecem em muitos espaços, mas recebem ênfase na sala de espera. Por ser um espaço em que pacientes aguardam atendimento médico, elementos de ambiência são importantes para amenizar a ansiedade da espera

39 39 espera dividida Descrição Reorganização da espera para otimização do fluxo dos pacientes Origem da Demanda ReCePÇÃO INTeGRAdA e ACOlhedORA Descrição Balcão de atendimento fechado lateralmente, com saída para área ambulatorial da unidade e rebaixado com cadeiras para pacientes Origem da Demanda Múltiplas etapas de atendimento: uma espera única para pessoas de diferentes quadros de saúde e estágios de atendimento provoca impaciência e desconforto em pacientes Métricas de Acompanhamento Número de reclamações recebidas no PA Avaliação da jornada do paciente Recepcionistas sentem-se desprotegidos: casos de agressão verbal e até física contra os recepcionistas por parte de pacientes frustrados por esperas longas trazem a sensação de desproteção Atendimento em pé: pacientes chegam ao balcão de atendimento e não têm a possibilidade de sentar durante o cadastramento de sua ficha Métricas de Acompanhamento Avaliação de pacientes sobre o serviço

40 40 Soluções Desenvolvidas Reforma do Espaço elementos NATURAIS NA espera espaços de espera externos Descrição Descrição Plano de paisagismo com plantas e flores apropriadas para espaços internos Espaços externos onde pacientes e acompanhantes podem aguardar atendimento. Origem da Demanda Origem da Demanda Salão amplo, mas vazio: o salão da espera não conta com cores ou elementos de ambiência e distração, causando uma sensação de espaço frio e pouco acolhedor Espera externa informal: pacientes e acompanhantes têm o costume de esperar nos espaços externos por contar com presença de elementos naturais, apesar de não haver estruturas para facilitar essa espera Métricas de Acompanhamento Métricas de Acompanhamento Avaliação de pacientes sobre o serviço Avaliação de pacientes sobre o serviço

41 41 habilitação e QUAlIfICAÇÃO UPA 24h Prontos Atendimentos podem receber uma certificação por parte do Ministério da Saúde que possibilita repasses mensais ao município de valores entre R$ e R$ , dependendo do porte da unidade e de suas formas de construção. A certificação acontece em dois estágios, sendo o primeiro no cumprimento de exigências relativas a infrestrutura e espaço, enquanto o segundo estágio envolve elementos de maior complexidade, como quadros mínimos de RH, definições de fluxos de trabalho e estabelecimento de acordos de rede. UMA RefORMA POR CONTRAPARTIdA empresarial Todo empreendimento imobiliário feito no município de Campinas precisa oferecer contrapartidas para investimentos em serviços públicos, celebrados sob a forma de TAC (Termo de Acordo e Compromisso). Tanto o projeto arquitetônico quanto a obra foram financiadas utilizando essa ferramenta, possibilitando maior celeridade ao processo e eficiência no uso de recursos públicos.

42 42 Soluções Desenvolvidas Reforma do Espaço 2 MelhOR ATeNdIMeNTO e MAIS SeRVIÇOS BeNefÍCIO das SOlUÇÕeS Agilidade Segurança Autonomia Conforto A agilidade do atendimento está relacionada, entre outros fatores, a uma estrutura física que facilite a fluidez da jornada do usuário. Ao redimensionar espaços, pode-se dar condições à equipe de saúde para atender mais pacientes e em menor tempo. A integração de novos serviços amplia a capacidade resolutiva do PA, reduzindo o tempo de espera dos pacientes para diagnóstico e tratamento e diminuindo casos de redirecionamento para outras unidades

43 43 expansão de espaços de ATeNdIMeNTO Descrição leitos de OBSeRVAÇÃO Descrição Espaços ampliados para melhorar as condições de trabalho Seis novos leitos de observação Origem da demanda Origem da demanda Área física inadequada: as salas de emergência e raio-x não contam com espaço físico adequado para a manobra de macas. Além disso, falta na sala de emergência estrutura para atendimento pediátrico e de casos com múltiplos feridos Demanda de atendimento para UPA Porte III: a expansão dos serviços da unidade pede a criação de novos leitos, aumentando em 30% a capacidade de atendimento na estação da Observação Métricas de Acompanhamento Métricas de Acompanhamento Avaliação de pacientes sobre o serviço Pesquisa de clima organizacional Avaliação de pacientes sobre o serviço Número de atendimentos

44 44 Soluções Desenvolvidas Reforma do Espaço 3 laboratório de ANálISeS Descrição Criação de laboratório de urgência para diminuir espera pelo resultado de exames Origem da demanda Demora para resultado de exames: exames colhidos no PA e encaminhados para análise em laboratório externo retornam com intervalos maiores de tempo Alta taxa de exames hemolizados: amostras que chegam com atraso e demoram a ser analisados podem expirar e requerer novos procedimentos Métricas de Acompanhamento Número de exames realizados Avaliação do tempo de espera por resultados de exames Avaliação de pacientes sobre o serviço

45 45 4 CONSUlTÓRIO OdONTOlÓGICO Descrição Instalação de uma sala de atendimento para emergências odontológicas Origem da demanda Alta demanda do serviço na região: a falta de atendimento especializado em emergências odontológicas resulta em tratamento paliativo dos pacientes, e encaminhamentos a outras unidades de saúde Métricas de Acompanhamento Avaliação de pacientes sobre o serviço Número de atendimentos Número de pacientes encaminhados de outras Unidades

46 46 Soluções Desenvolvidas Sistemas e Processos Tudo está sendo pensado do cidadão para dentro. Não é mais o que eu faço para este prédio virar um posto de saúde?. E sim, o que eu faço dentro daquele prédio para que o cidadão seja bem atendido?. Então nós mudamos a forma de receber o cidadão fisica e logicamente. Fábio Pagani, Presidente da IMA

47 Sistemas e Processos 47

48 48 Soluções Desenvolvidas Sistemas e Processos

49 49 5 A realidade de Prontos Atendimentos é plena de elementos de alta volatilidade. Diferentes turnos ocupam o mesmo espaço em jornadas de trabalho verticais e portanto não têm contato direto entre si. As filas são gerenciadas por prioridade clínica e não por ordem de chegada. A chegada de pacientes não é agendada e varia mais de 200% ao longo da semana, com a possibilidade de chegada de casos simultâneos de urgência. Em meio a esse cenário, fica evidente a necessidade de fortalecer e trazer novos sistemas e processos para o serviço, de modo a organizar os fluxos de atendimento, conferir maior assertividade no acolhimento de urgências e emergências, e garantir a segurança e cuidado de pacientes em toda a rede.

50 50 Soluções Desenvolvidas Sistemas e Processos 5 GeSTÃO lean Descrição Aplicação de Metodologia de Gestão de Processos no PA Campo Grande, formando médicos, enfermeiros e gestores para replicação das atividades Origem da Demanda Falta de ferramentas de gestão: a gestão baseada em dados e informação é incipiente nas unidade de saúde, fragilizando a visão integral dos seus processos Pouco direcionamento na aplicação de diretrizes: existem diretrizes gerais, mas unidades têm alta responsabilidade em organizar sua aplicação Pouca participação de equipes de saúde: equipes de saúde decidem pouco sobre processos de trabalho, fazendo com que não se sintam protagonistas na resolução de problemas imprevistos

51 BeNefÍCIOS da SOlUÇÃO 51 Autonomia Conforto Segurança & Agilidade A metodologia do Lean Thinking é conhecida pela redução de desperdícios, sendo tempo de espera e retrabalho dois dos seus principais enfoques. Na saúde, e mais ainda na urgência e emergência, a redução de desperdícios traz aos pacientes, além de maior eficiência, maior assertividade e segurança de que receberão o tratamento certo em tempo Métricas de Acompanhamento Avaliação de servidores sobre os novos processos Pesquisa de clima organizacional Uso do orçamento Número de processos de trabalho e tempo gasto na execução

52 52 Soluções Desenvolvidas Sistemas e Processos 6 ClASSIfICAÇÃO de RISCO Descrição Estabelecimento de Protocolo de Classificação de Risco para rede de urgência e emergência e formação de classificadores Origem da Demanda Falta de acordo de rede: PAs encaminham pacientes para hospitais, e para garantir transferências seguras precisa haver um acordo único sobre o risco de vida dos pacientes Diferentes turnos requerem padrão: a estação de classificação é ocupada por diversos profissionais em diferentes turnos, e os fluxos de pacientes devem ser padronizados Paciente sente falta de transparência: pacientes muitas vezes não entendem porque estão esperando mais ou menos que seu vizinho

53 53 BeNefÍCIOS da SOlUÇÃO Segurança Autonomia Conforto Agilidade O estabelecimento de um protocolo único de classificação de risco é importante para um município e até em regiões intermunicipais para garantir a transferência segura de pacientes entre unidades de saúde. Protocolos diferentes utilizam códigos diferentes para classificar o risco de seus pacientes. Quando existe uma única forma de classificar é assegurado que as unidades respeitem os mesmos fluxos de atendimento para os pacientes Métricas de Acompanhamento Tempo de espera para atendimento médico Registros de reclamações sobre espera recebidas pelo PA Avaliação de pacientes sobre o serviço

54 54 Soluções Desenvolvidas Sistemas e Processos 7 TO life Descrição Implantação de sistema informatizado de classificação de risco para a rede. Origem da Demanda Falta de sistematização da classificação de risco: a falta de registros claros na estação da classificação impede medições relacionadas à recorrência de casos de saúde e ao rítmo de atendimento Demoras ligadas a processos manuais: processos manuais são demorados e demandam retrabalho ao longo do atendimento Equipamentos deslocados: equipamentos utilizados na classificação são frequentemente levados para outras estações, causando interrupções no atendimento

55 55 BeNefÍCIOS da SOlUÇÃO Autonomia Conforto Segurança Agilidade A estação de Acolhimento com Classificação de Risco requer agilidade e assertividade para garantir uma priorização adequada do atendimento médico. A solução da ToLife traz benefícios que aceleram o atendimento, como a digitalização dos sinais vitais do pacientes e acoplamento dos equipamentos à máquina que operacioniliza a classificação Métricas de Acompanhamento Avaliação de pacientes sobre o serviço Tempo de espera e realização do atendimento com classificação de risco Número de atendimentos por categoria de risco

56 56 Soluções Desenvolvidas Sistemas e Processos 8 linha de CUIdAdO Descrição Implantação de estação de trabalho que garanta a integração de pacientes na rede de saúde, assegurando cuidado contínuo. Origem da Demanda Impossibilidade de resolver casos crônicos: pacientes com quadros de saúde complexos precisam transitar entre unidades para obter um tratamento completo Falta de sistemas e ferramentas para pacientes crônicos: profissionais de urgência e emergência não dispõem do histórico dos pacientes em mãos, o que limita o cuidado contínuo e integral que podem oferecer Importância da prevenção: é consensual a necessidade de conscientizar pacientes sobre sintomas de saúde para além de realizar atendimentos pontuais de tratamento de queixas

57 57 BeNefÍCIOS da SOlUÇÃO Segurança & Autonomia Conforto Agilidade Alguns usuários do SUS precisam de tratamentos complexos, utilizando mais de um serviço de saúde, como UBS, CAPS e PAs. Exemplos desses quadros são: diabéticos e hipertensos, gestantes, drogaditos e etilistas. Esses pacientes podem usufruir dos serviços do PA, porém precisam contar com acompanhamento contínuo, que não pode ser ofertado nas unidades de urgência e emergência. Muitos pacientes nem têm consciência disto. A estação da Linha de Cuidado garante a passagem de informações importantes e também, quando necessário, permite encaminhamentos dos pacientes para unidades de referência após o atendimento Métricas de Acompanhamento Número de atendimentos de pacientes com quadros de saúde crônicos Avaliação de pacientes sobre o serviço

58 58 Soluções Desenvolvidas Treinamentos O projeto acabou agregando coisas muito técnicas como o treinamento de médicos e enfermeiros, e coisas muito lúdicas e humanas como a comunicação não violenta Cármino de Souza, Secretário Municipal da Saúde

59 Treinamentos 59

60 60 Soluções Desenvolvidas Treinamentos

61 561 Servidores de saúde apontam com muita ênfase a necessidade de treinamentos e capacitações voltadas para a área de urgência e emergência e ferramentas para lidar o cotidiano de alta tensão. O contexto das unidades de Pronto Atendimento requer preparo técnico para atendimento de casos sem retaguarda de equipe especializada, além de sensibilidade para lidar com situações de tensão. As ações, de um lado, resgatam a cultura da educação continuada, promovendo qualificação e a valorização dos servidores. De outro lado, resultam em maior segurança e qualidade no atendimento de pacientes.

62 62 Soluções Desenvolvidas Treinamentos 9 ATUAlIzAÇÃO TÉCNICA Origem da Demanda PA como primeiro emprego: é grande o número de médicos e enfermeiros recémformados e sem experiência de campo Alta rotatividade de profissionais: plantões verticais são comuns entre os funcionários dos PAs, que têm vínculo com diversas instituições ao mesmo tempo e transitam entre unidades Profissionais experientes na prefeitura: com a vocação do município em saúde, muitos profissionais já são professores em instituições de ensino e podem trazer seus conhecimentos para a rede

63 563 BeNefÍCIOS da SOlUÇÃO Agilidade Segurança Autonomia Conforto O pedido de atualização técnica é uma das principais demandas dos profissionais de PAs, que precisam assegurar o bem estar de seus pacientes. As capacitações são importantes não só pelo conteúdo que trazem, mas também por proporcionarem momentos de integrar as equipes de urgência e emergência e fortalecer acordos de trabalho. Treinamentos junto a instituições de ensino, em primeira instância, suprem demandas de forma mais célere. No longo prazo, a prefeitura, que já conta com o potencial de profissionais experientes na rede, poderá se estruturar com equipamentos e didática para treinar os novos ingressos da rede Solução curto prazo: Treinamentos com parceiros externos Solução médio prazo: Treinamentos internos Descrição: Treinamentos realizados em parceria com instituições de ensino superior abordando principais demandas técnicas levantadas pelos médicos e enfermeiros dos PAs. Descrição: Fortalecimento de estrutura interna da prefeitura para desenvolvimento de treinamentos próprios Métricas de Acompanhamento Número de servidores capacitados Horas de capacitação Avaliação dos servidores sobre os cursos realizados

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Smartcity Business América 2015 Curitiba PR Brazil Maio de 2015 Sociedades Inteligentes e Governaça Airton Coelho, MsC, PMP Secretário de Ciência e

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO. Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU. Dário Nunes dos Santos

TÍTULO DO PROJETO. Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU. Dário Nunes dos Santos CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde TÍTULO DO PROJETO Programa de Formação em Saúde e Trabalho (PFST) no HMU Dário Nunes dos Santos Guarulhos Agosto/2012

Leia mais

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDO 1. OUVIDORIA INTERNA... 4 2. OUVIDORIA EXTERNA... 6 3. PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO... 7 4. CALL CENTER ATIVO DA SAÚDE... 12 5. OUVIDORIA UNIDADES

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados.

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados. 1- OFICINAS DE FEEDBACK Aprofundar a reflexão e abordagem de Feedback como processo, fluxo e ferramenta indispensável no desenvolvimento dos profissionais, bem como elementos fundamentais de comunicação

Leia mais

Classificação de Risco &

Classificação de Risco & Enfermagem em Trauma e Emergência Classificação de Risco & Protocolo de Manchester Tiziane Rogério UNIVERSO Objetivo: Compreender e aplicar o Acolhimento com Classificação de Risco e o Protocolo de Manchester.

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

CONTRATOS DE GESTÃO NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - UMA EXPERIÊNCIA DE DESCENTRALIZAÇÃO AO NÍVEL LOCAL 1

CONTRATOS DE GESTÃO NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - UMA EXPERIÊNCIA DE DESCENTRALIZAÇÃO AO NÍVEL LOCAL 1 CONTRATOS DE GESTÃO NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - UMA EXPERIÊNCIA DE DESCENTRALIZAÇÃO AO NÍVEL LOCAL 1 O sistema de serviços de saúde é um sistema complexo, composto por diferentes atores sociais,

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM URGÊNCIA E

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Claudilene Fernandes da Silva

Claudilene Fernandes da Silva CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CONSCIENTIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA IMPLANTAÇÃO ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO: ASSEGURANDO SATISFAÇÃO

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE UPA ENGENHO VELHO

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE UPA ENGENHO VELHO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO UPA ENGENHO VELHO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 2º TRIMESTRE DO 2º ANO DO CONTRATO DE GESTÃO Período de Dezembro de 2012 à Fevereiro de 2013 2 INTRODUÇÃO O presente relatório apresenta

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014

Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014 Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014 Proposta Geral de Trabalho DESIGN THINKING PARA EDUCAÇÃO ALUNAS Paula Tauhata Ynemine RA

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Participa Curitiba! Oficina sobre participação cidadã. Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer. Material para aplicação.

Participa Curitiba! Oficina sobre participação cidadã. Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer. Material para aplicação. Participa Curitiba! Oficina sobre participação cidadã Realização: Material para aplicação Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer Essa Oficina sobre educação política e participação cidadã

Leia mais

Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO

Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO PARCERIAS Governo do Estado do Espírito Santo por meio do Instituto Jones

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER ÍNDICE Por que utilizar Business Intelligence no call center? Introdução Business Intelligence na área de saúde Por que usar Business Intelligence

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE UPA CARUARU RELATÓRIO DE EXECUÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE UPA CARUARU RELATÓRIO DE EXECUÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO UPA CARUARU RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 1º TRIMESTRE DO 4º ANO DO CONTRATO DE GESTÃO Período de outubro à dezembro de 2013 fevereiro

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES DIRETORIA GERAL DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES Período Junho a Agosto de 2013 Novembro 2013 2 INTRODUÇÃO O excesso de pacientes com problemas médicos

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA Á SAÚDE UPA ENGENHO VELHO RELATÓRIO

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

Saúde mais Perto de Você

Saúde mais Perto de Você Saúde mais Perto de Você FINANCIAMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA Ano PAB fixo PAB variável Estruturação + Construção e Ampliação Valor total 2010 R$ 3,65 Bi R$ 5,92 Bi R$ 147 Mi R$ 9,73 Bi 2012 R$ 4,42 Bi R$ 8,31

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

O primeiro Planejamento Estratégico em 2003.

O primeiro Planejamento Estratégico em 2003. Missão Desenvolver ações de promoção, proteção e reabilitação da saúde em nível ambulatorial, com equipe multiprofissional e interdisciplinar, propondo e implementando políticas de saúde articuladas em

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 07/2014 DATA DA ENTRADA: 07 de janeiro de 2014 INTERESSADA: Sra. M. C. da S. CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO: classificação

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Acordo de Empréstimo BIRD - Nº 7841-BR PROJETO

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Soluções em TI ao alcance de todos

Soluções em TI ao alcance de todos Você sabia que a sua prefeitura, independentemente do tamanho, pode ser beneficiada com o uso de mais de 50 aplicações que fazem parte do Portal do Software Público Brasileiro? Soluções em TI ao alcance

Leia mais

Relatório Atividades Comitê de Enfrentamento da Dengue IBEDESS Ações realizadas:

Relatório Atividades Comitê de Enfrentamento da Dengue IBEDESS Ações realizadas: Relatório Atividades Comitê de Enfrentamento da Dengue IBEDESS Ações realizadas: Inserção no site do IBEDESS e envio, para todas as entidades que compõem o Instituto, do material citado abaixo, incluindo

Leia mais

Emergências saem do preto e branco

Emergências saem do preto e branco Triagem Emergências saem do preto e branco Evolução dos prontos-socorros envolve a implantação da triagem, que utiliza cores para distinguir as prioridades de atendimento 26 A complicada situação dos prontos-socorros

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

CARTILHA DO INGRESSANTE U N I V E R S I D A D E E S T A D U A L D E C A M P I N A S

CARTILHA DO INGRESSANTE U N I V E R S I D A D E E S T A D U A L D E C A M P I N A S CARTILHA DO INGRESSANTE U N I V E R S I D A D E E S T A D U A L D E C A M P I N A S Bem-vindo a U N I V E R S I D A D E E S TA INTRODUÇÃO Prezado Servidor, Estamos felizes em tê-lo conosco, pois a partir

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

aumentar a arrecadação?

aumentar a arrecadação? Como aumentar a arrecadação? Como economizar recursos públicos? Como modernizar a Gestão Pública? Como oferecer melhores serviços ao cidadão? Melhoria da Gestão com o uso de Tecnologia da Informação Melhore

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Processos de Trabalho e Transição Tecnológica na Saúde: Um olhar a partir do Sistema

Processos de Trabalho e Transição Tecnológica na Saúde: Um olhar a partir do Sistema Processos de Trabalho e Transição Tecnológica na Saúde: Um olhar a partir do Sistema Cartão Nacional de Saúde 1. Túlio Batista Franco Professor Dr da Universidade Federal Fluminense O Projeto Sistema Cartão

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE INTERNACIONAL CONTEXTO HISTÓRICO -1978 Declaração de Alma Ata Cazaquistão: Até o ano de 2000 todos os povos do mundo deverão atingir um nível

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA

DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA Identificação do Cargo Departamento / Área Cargo a que reporta (Liderança direta) Cargos sob sua dependência (Liderança direta) Organograma Diretoria de

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Politica Nacional de Humanizacao , ~ PNH. 1ª edição 1ª reimpressão. Brasília DF 2013

Politica Nacional de Humanizacao , ~ PNH. 1ª edição 1ª reimpressão. Brasília DF 2013 ,, ~ Politica Nacional de Humanizacao PNH 1ª edição 1ª reimpressão Brasília DF 2013 ,, O que e a Politica Nacional de ~ Humanizacao?, Lançada em 2003, a Política Nacional de Humanização (PNH) busca pôr

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM:

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM: PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM: AMPLIAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DA CENTRAL DE MARCAÇÃO DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS DE JOÃO PESSOA/PB: UMA

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional CENÁRIO A comunicação nas empresas, num mercado impactado por fusões, aquisições, reposicionamentos etc., tem procurado ferramentas de comunicação interna, capazes de integrar

Leia mais

PRO PERFORMANCE EMPRESAS

PRO PERFORMANCE EMPRESAS Uma proposta cultural única aprimore o seu potencial Crie um versão melhor de is mesmo Conheça, pratique, supere-se, aprimore-se PRO PERFORMANCE EMPRESAS Programa de Excelência e Alta Performance para

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3 Plano Plurianual 2.002 2.005 Saúde Objetivo Geral Principais secretarias envolvidas: SMS A Secretaria Municipal de Saúde, cumprindo o programa do Governo da Reconstrução, implantará o SUS no município.

Leia mais

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br 03 a 05 Agosto 2015 São Paulo Brasil connectedsmartcities.com.br Por que Connected Smart Cities? As grandes e modernas cidades são, talvez, as mais importantes realizações do homem, por serem responsáveis,

Leia mais

Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda. A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê. Haydée Lima Julho/ Agosto 2012

Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda. A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê. Haydée Lima Julho/ Agosto 2012 6º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda Espontânea na Atenção Básica em Saúde: A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê Haydée Lima Julho/ Agosto 2012

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Protocolo de atendimento inicial ao trauma. José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE

Protocolo de atendimento inicial ao trauma. José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE Protocolo de atendimento inicial ao trauma José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE TRIAGEM Significa seleção, estratificação de risco Protocolo de Classificação de Risco para priorização dos

Leia mais

Art of Hosting. 8 a 12. julho de 2013. Rota Romântica Serra Gaúcha/ RS

Art of Hosting. 8 a 12. julho de 2013. Rota Romântica Serra Gaúcha/ RS Art of Hosting Rota Romântica Serra Gaúcha/ RS 8 a 12 julho de 2013 A Arte de Anfitriar conversas significativas e colher resultados que importam Uma abordagem para a Liderança Colaborativa Como potencializar

Leia mais

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Agenda A trajetória da Gestão de Processos no Governo de Minas A trajetória

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho 1 2 Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretário da Saúde Jorge Solla Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho Equipe Técnica: Celurdes Carvalho Flávia Guimarães Simões

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento BOAS PRÁTICAS para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais ÍNDICE Introdução 3 Explique e difunda a importância do termo 4 A humanização e o ambiente físico 6 Aperfeiçoamento

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL DE AUDITORIA EM SAÚDE E QUALIDADE DA GESTÃO E DA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

CONGRESSO NACIONAL DE AUDITORIA EM SAÚDE E QUALIDADE DA GESTÃO E DA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR CONGRESSO NACIONAL DE AUDITORIA EM SAÚDE E QUALIDADE DA GESTÃO E DA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR 1 PERSPECTIVAS DE UM DIA A DIA MELHOR PARA GESTORES E PRESTADORES DE SAÚDE MARIA DO CARMO CABRAL CARPINTÉRO SECRETÁRIA

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

O que é Inovação em Saúde?

O que é Inovação em Saúde? Capa foto: dreamstime.com O que é Inovação em Saúde? A competitividade no setor da saúde depende essencialmente de melhorar a qualidade da assistência e a segurança do paciente reduzindo custos Por Kika

Leia mais

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas.

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. BENATO, L. Informática dos Municípios Associados (IMA) Resumo Campinas-SP conta com mais de 1 milhão de usuários do SUS, incluindo os munícipes de Campinas

Leia mais

Boletim Informativo. O ano de 2013. Informe RH - Redução da Jornada de Trabalho. Próxima edição C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I

Boletim Informativo. O ano de 2013. Informe RH - Redução da Jornada de Trabalho. Próxima edição C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I Boletim Informativo Nossa Missão: Promover assistência segura à saúde, com respeito e ética aos usuários, desenvolvendo o ensino e pesquisa na busca

Leia mais

30/03/2010 a 30/03/2011

30/03/2010 a 30/03/2011 POP ACCR 01 Abertura da Ficha do Usuário ASSUNTO: Padronizar o procedimento para abertura da ficha do usuário. Nº 01 Resultados esperados: Cadastros atualizados dos Usuários Este POP aplica-se na recepção

Leia mais

Programa da Qualidade e Participação na Administração Pública

Programa da Qualidade e Participação na Administração Pública Programa da Qualidade e Participação na Administração Pública Professor José Luís Bizelli Alessandra D Aquila Cacilda de Siqueira Barros Luiz Antonio de Campos Paulo Desidério Rogério Silveira Campos Programa

Leia mais

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Índice Fora da sombra da área administrativa 3 Como atingir o equilíbrio financeiro 4 O Financeiro encontra várias barreiras até

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

Como sobreviver e crescer em tempos de crise? Como tornar sua empresa mais produtiva?

Como sobreviver e crescer em tempos de crise? Como tornar sua empresa mais produtiva? Portfólio 2015 IP Como sobreviver e crescer em tempos de crise? Como tornar sua empresa mais produtiva? Como fazer com que as pessoas trabalhem mais e felizes? Como implantar um modelo de gestão de vanguarda?

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. comunicação interna, lidar e aprender com não-conformidades e interagir com as demais áreas da Instituição.

CONSULTA PÚBLICA. comunicação interna, lidar e aprender com não-conformidades e interagir com as demais áreas da Instituição. Dimensão Hospitalar A dimensão hospitalar foi estruturada em perspectivas, critérios e itens de avaliação, sendo que os critérios e itens de avaliação estão contemplados em seis perspectivas: 01 Ações

Leia mais

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual Somando forças até o fim da pobreza CARE Brasil Relatório Anual 2012 CARE Internacional Em 2012, a CARE apoiou 997 projetos de combate à pobreza em 84 países, beneficiando estimadamente 84 milhões de pessoas.

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22. Catálogo de Treinamentos 2014

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22. Catálogo de Treinamentos 2014 Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22 Nesta edição Siqueira Campos valida Escala de Alienação Parental Novo cliente: Castrolanda Gráficos e análise de

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA

DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Fortalecer o Direito à Saúde, a Garantia de Acesso e a Atenção de Qualidade

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais