Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1"

Transcrição

1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação do Programa de Saúde da Família (também conhecido por Estratégia de Saúde da Família pela assistência ser planejada em função também da família e não só do individuo) possibilitam a identificação de um conjunto de perguntas relacionadas à operação da Atenção Básica à Saúde (o correspondente à Atenção Primária à Saúde) no Brasil e as suas relações com os demais níveis do sistema de saúde (secundário e o terciário). O crescimento no número de equipes de saúde da família (denominado por expansão do PSF) e a melhoria da qualidade da assistência na atenção básica (denominada por qualificação da atenção básica) por meio da Saúde da Família fazem parte das prioridades do Ministério da Saúde. O Programa de Saúde da Família busca superar os modelos de assistência centrados exclusivamente na doença. Procura desenvolver práticas de gerencia de serviço e assistência à população de cunho participativo por meio do trabalho em equipe que se responsabilizam pela assistência de populações em territórios delimitados (geralmente denominados de micro áreas). Os princípios mais importantes da atenção básica no Brasil são: integralidade (definir o que deve ser atendido), qualidade, eqüidade (usado para garantir na prática a igualdade na assistência a todos os cidadãos) e a participação social (participação da população para definir as prioridades no atendimento e fiscalizar o funcionamento do serviço). Por meio da definição do número de pessoas a serem atendidas (tecnicamente chamada de adstrição da população), as Equipes Saúde da Família estabelecem ligação (denominada de vínculo) com a população, possibilitando o compromisso e a co-responsabilidade destes profissionais com os usuários e a comunidade. O principal desafio do Programa de 1 Texto modificado em 2011 por Paulo Eduardo Elias da versão integral disponível no site do Ministério da Saúde. Disponível em: (07/03/07) 1

2 Saúde da Família é o de ampliar as fronteiras de atuação na assistência à saúde visando uma maior e mais completa resolução dos problemas de saúde. SAÚDE DA FAMÍLIA A Saúde da Família deve ser entendida como um modo de mudar o atendimento às pessoas (reorientação do modelo assistencial) mediante a implantação de equipes integradas por diferentes profissionais (multiprofissionais) em Unidades Básicas de Saúde (UBS). Estas equipes são responsáveis pelo acompanhamento de um número definido de famílias, localizadas em uma área geográfica delimitada e próxima a UBS. As equipes atuam com ações de promoção da saúde (ações para estimular hábitos e atitudes saudáveis na população), prevenção (ações para evitar que as pessoas adoeçam), recuperação (ações realizadas nas pessoas para curar ou minimizar danos causados pelas doenças), reabilitação de doenças (ações realizadas nas pessoas para minimizar os danos causados pelas doenças) com objetivo de assegurar o bom padrão de saúde da comunidade. A Saúde da Família é um projeto para melhorar a assistência prestada pelo SUS (dinamizador do SUS). A velocidade de expansão da Saúde da Família comprova a adesão de secretários estaduais e municipais (gestores do SUS) aos seus objetivos. O Programa de Saúde da Família começou em 1993 e apresentou um grande crescimento nos últimos anos. A consolidação do PSF necessita que se façam mudanças nas Unidades Básicas tradicionais (unidades de saúde integradas por clínico gerais, ginecologistas obstetras, pediatras e enfermeiras que não trabalham em equipe) para torná-las unidades de saúde da família (unidades só com Equipes de Saúde da Família). Necessita também que o PSF mostre sua real superioridade na assistência por meio de resultados positivos nos indicadores de saúde (taxas de doenças e de morte) e na qualidade de vida da população assistida. EQUIPES DE SAÚDE O trabalho das ESF é o elemento-chave para a busca permanente de comunicação e troca de experiências e conhecimentos entre os integrantes da equipe e desses com o saber popular do Agente Comunitário de Saúde (ACS). As 2

3 equipes são compostas, no mínimo, por um médico de família, um enfermeiro, um auxiliar de enfermagem e 6 Agentes Comunitários de Saúde. As equipes ampliadas são as que contam com assistência odontológica integradas por um dentista, um auxiliar de consultório dentário e um técnico em higiene dental. Cada equipe se responsabiliza pelo acompanhamento de cerca de 3000 a 4500 pessoas ou de 800 a 1000 famílias de uma determinada área com coresponsabilidade no cuidado à saúde. Sua atuação abrange a UBS, as residências e ações realizadas na comunidade. Os principais resultados esperados para o PSF são: 1-atuar como porta de entrada de um sistema hierarquizado (atenção primaria, secundaria e terciaria) e regionalizado (abrangendo um conjunto de municípios) de saúde; 2- atuar em território definido e em população delimitada sob a sua responsabilidade; 3- intervir sobre os fatores que interferem na saúde da comunidade (fatores de risco aos quais a comunidade está exposta); 4- prestar assistência para as principais doenças que atingem a população (assistência integral) continuamente e com qualidade; 5- realizar atividades de educação e ações para manutenção e melhoria da saúde (promoção da saúde). 6- estabelecer vínculos de compromisso na assistência e de co-responsabilidade na manutenção da saúde da população; 7- estimular a organização das comunidades para exercerem o controle social sobre as ações e os serviços de saúde; 8- utilizar sistemas de informação (por exemplo, o Sistema de Informação da Atenção Básica SIAB) para o monitoramento da população assistida e a tomada de decisões; 9- atuar de forma a estabelecer parcerias com outras instituições que não as da área da saúde (atuação intersetorial) como, por exemplo, as escolas, os serviços de assistência social para intervir em situações que apesar de interferirem na saúde das pessoas não se vinculam diretamente as instituições de saúde, como a coleta de lixo, a obtenção de aposentadoria, do passe livre no transporte coletivo para idosos, a educação escolar para hábitos e boas praticas em saúde. AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE Os ACS podem ser encontrados em duas situações no SUS: a) vinculados a uma Unidade Básica de Saúde como membro da Equipe de Saúde da Família multiprofissional. Em 2005 encontravam-se em atividade no País 204 mil ACS, presentes tanto em comunidades rurais e pequenos municípios quanto em municípios altamente urbanizados e industrializados. 3

4 b) a) ligados a uma Unidade Básica de Saúde sem Equipe de Saúde da Família. Neste caso o ACS integra o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS), considerado pelo Ministério da Saúde como programa de transição para o Programa de Saúde da Família. No PACS, as ações dos ACS são acompanhadas e orientadas por um enfermeiro/supervisor lotado na UBS. VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL O Ministério da Saúde reconhece e valoriza a formação dos trabalhadores do PSF como um componente para o processo de qualificação da força de trabalho no sentido de contribuírem decisivamente para a efetivação da política nacional de saúde. Neste sentido busca-se a elevação da escolaridade e dos perfis de desempenho profissional para possibilitar o aumento da autonomia intelectual dos trabalhadores, o domínio do conhecimento técnico-científico, a capacidade de gerenciar melhor o tempo e o espaço no trabalho, a criatividade nas ações, a interação com os usuários dos serviços, elevação do grau de consciência da qualidade e das implicações éticas de seu trabalho. DESAFIOS DO MINISTERIO E DAS SECRETARIAS ESTADUAIS E MUNICIPAIS DE SAUDE Como desafios institucionais para ampliar e melhorar a qualidade da atenção básica no contexto brasileiro destaca-se: 1) o aumento no numero de UBS com Equipes de Saúde da Família; 2) a revisão continua da organização do trabalho das equipes de saúde da família ao mesmo tempo em que se reforça estruturas gerenciais (setores responsáveis pela Saúde da Família) nos municípios e estados; 3) a elaboração de normas para os problemas de saúde mais freqüentes na população (protocolos de atendimento) que incluam ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação; 4) a construção ou a melhoria de estruturas gerenciais nos municípios e estados para aperfeiçoar a atenção básica, supervisionar as equipes de saúde da família, supervisão dos municípios, supervisão regional, uso das informações para a tomada de decisão. No caso dos estados estas estruturas devem estar habilitadas a realizarem o acompanhamento e a avaliação da Atenção Básica oferecidas pelos municípios; 5) a revisão na formação e educação em saúde com ênfase na educação permanente ( utilizar instrumentos de educação à distância para viabilizá-la) das equipes de saúde da família, das coordenações e dos dirigentes do SUS (gestores); 6) a definição de mecanismos para provisão financeira (mecanismos de financiamento) que contribuam para a redução das desigualdades entre as regiões do Pais regionais e 4

5 também na proporção do dinheiro gasto entre os três níveis de atenção (primário, secundário e terciário); 7) a melhoria nos processos de acompanhamento, monitoramento e avaliação da atenção básica; 8) desenvolver ações junto as universidades publicas e privadas para promoverem mudanças na graduação e na pós-graduação dos profissionais de saúde, de modo a que contribuam com os desafios da expansão e da qualificação da atenção básica. A Saúde da Família como desenhada no caso brasileiro se destaca entre os modelos de Atenção Primaria a Saúde vigentes em outros países. Ao longo dos anos a Atenção Básica em Saúde vem tendo importância crescente na política de saúde do Brasil. Ao mesmo tempo a Saúde da Família vem crescendo nos municípios brasileiros. Vários estudos sobre a eficácia da Saúde da Família apresentam resultados animadores na redução da mortalidade infantil. Pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, em parceria com a Universidade de São Paulo e Universidade de Nova York, demonstra que a cada 10% de aumento na cobertura populacional pelo PSF provoca uma queda de 4,6% no índice de mortalidade infantil. RESPONSABILIDADES DOS GOVERNOS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL ( ESFERAS GESTORAS) NA ATENÇÃO BASICA Federal - Elaborar as normas gerais (diretrizes) da política nacional de atenção básica; - Participar no gasto (co-financiar) do sistema de atenção básica; - Elaborar normas gerais para a formação de recursos humanos; - Propor instrumentos para a programação, controle, regulação e avaliação da atenção básica; - Manter as informações ( bases de dados ) nacionais da atenção básica. Estadual - Acompanhar a implantação e a execução das ações de atenção básica no Estado; - Criar sistemas para controle do fluxo de pessoas entre os municípios de uma mesma região ( Regular as relações inter-municipais); - Coordenar a execução das políticas de educação continuada dos trabalhadores que atuam na atenção básica no Estado; - Participar nos gastos (co-financiar) das ações de atenção básica; - Auxiliar na avaliação da atenção básica fornecida a população no Estado. Municipal - Definir e implantar a maneira de atender a população do município na atenção básica (modelo de atenção básica ); 5

6 - Elaborar os contratos dos trabalhadores da atenção básica da atenção básica garantindo os direitos trabalhistas previstos em Lei; - Manter a rede de unidades básicas de saúde em funcionamento; - Participar nos gastos (co-financiar) das ações de atenção básica; - Alimentar o Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB) e os demais sistemas de informação da atenção básica; - Avaliar o desempenho das equipes de atenção básica no município. 6

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

Saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família Oral health in the Family Health Strategy

Saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família Oral health in the Family Health Strategy 1 Saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família Oral health in the Family Health Strategy Adrielly Oliveira Barbosa 1 Angélica Haíssa Galvão 1 Petrônio José de Lima Martelli 2 1 Alunas do Curso de Graduação

Leia mais

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006.

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DOS MEMBROS DAS EQUIPES DE AB I - Participar do processo de territorialização e mapeamento da área de atuação da equipe, identificando grupos, famílias e indivíduos

Leia mais

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas

Leia mais

FINOM FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS GUILHERME DE ANDRADE RUELA A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE NA GESTÃO DO PSF

FINOM FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS GUILHERME DE ANDRADE RUELA A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE NA GESTÃO DO PSF FINOM FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS GUILHERME DE ANDRADE RUELA A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE NA GESTÃO DO PSF SÃO JOÃO DO MANTENINHA 2008 FINOM FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS GUILHERME

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

PROJETO TELESSAÚDERS. Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul.

PROJETO TELESSAÚDERS. Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul. PROJETO TELESSAÚDERS Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul. (TelessaúdeRS) O que é o TelessaúdeRS? É um serviço de suporte assistencial

Leia mais

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE-PSF. 05 Matemática. 05 Conhecimentos Específicos. 30 Total de questões 40

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE-PSF. 05 Matemática. 05 Conhecimentos Específicos. 30 Total de questões 40 CONCURSO PÚBLICO Nº 002/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHEIRO PRETO - SC AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE-PSF Nome do (a) Candidato (a) Número de Inscrição Este caderno de questões está assim constituído: DISCIPLINAS

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO A Secretaria Municipal da Saúde, gestora do Sistema Único de Saúde no Município, é responsável pela formulação e implantação de políticas, programas e projetos

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2015 Consultor Conteudista para elaboração do Curso EAD voltado à Implantação de Serviço de Clínica Farmacêutica Intervenção Sistêmica Gestão da Assistência Farmacêutica : Implantação

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

A INSERÇÃO DO BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Flávia B. da Costa; Mara A.do N. Trindade; Mauro Lúcio T. Pereira. 1

A INSERÇÃO DO BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Flávia B. da Costa; Mara A.do N. Trindade; Mauro Lúcio T. Pereira. 1 Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 27 33 A INSERÇÃO DO BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Flávia B. da Costa; Mara A.do N. Trindade; Mauro Lúcio T. Pereira. 1 RESUMO O projeto

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE 1. Marcos Lógicos Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração Americana dos Direitos

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

Profª Márcia Rendeiro

Profª Márcia Rendeiro Profª Márcia Rendeiro CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA AMBIENTES INSTRUMENTOS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS O PROCESSO DE TRABALHO ODONTOLÓGICO VEM SOFRENDO TRANSFORMAÇÕES AO LONGO

Leia mais

De portas abertas para as comunidades

De portas abertas para as comunidades De portas abertas para as comunidades VALÉRIA DOS SANTOS NORONHA 1 Apresentação Este projeto de gestão é fruto da experiência vivenciada no Programa Saúde da Família de Macaé em 2005 enquanto assessora

Leia mais

A Educação Física no campo da saúde

A Educação Física no campo da saúde A Educação Física no campo da saúde V Encontro de Coordenadores de Cursos De Educação Física do Estado do Paraná A atuação do profissional de Educação Física no Sistema Único de Saúde - SUS Prof.Ms. Alexandre

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UAPS INDUSTRIAL Construindo planejamento em saúde JUIZ DE FORA

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Carta da Região Sudeste

Carta da Região Sudeste I FÓRUM ESTADUAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES I SEMINÁRIO SUDESTE DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Carta da Região Sudeste Gestores da Saúde, Servidores da Saúde, Representantes de

Leia mais

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS 1 ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS I. PROPÓSITOS A Política Estadual em Saúde do Trabalhador tem por propósito definir princípios, diretrizes e estratégias para

Leia mais

O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS SISTEMAS DE SAÚDE?

O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS SISTEMAS DE SAÚDE? Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0640 Prof. Dr. Paulo Eduardo Elias 2011 Paulo Eduardo Elias Ana Luiza Viana O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS SISTEMAS DE SAÚDE?

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Aline Paula

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica

Política Nacional de Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE Política Nacional de Atenção Básica 4.ª edição Brasília DF 2007 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção Básica Departamento de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica

Leia mais

Programa de Saúde Familiar Uma Análise na Região do Caparaó/ES

Programa de Saúde Familiar Uma Análise na Região do Caparaó/ES Programa de Saúde Familiar Uma Análise na Região do Caparaó/ES Letícia Polastrelli de Carvalho UVV Faculdade de Guaçuí guacui@uvv.br Marcio José Furtado UVV Faculdade de Guaçuí marciofurt@yahoo.com.br

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM DISCIPLINA: ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA 5º semestre Profª Luci Cristina P. Sudan

CURSO: ENFERMAGEM DISCIPLINA: ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA 5º semestre Profª Luci Cristina P. Sudan 1 CURSO: ENFERMAGEM DISCIPLINA: ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA 5º semestre Profª Luci Cristina P. Sudan AULA 1 - HISTÓRICO DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF) 1991 - Ministério da Saúde: formula o Programa

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

PORTARIA Nº 750, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006.

PORTARIA Nº 750, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006. PORTARIA Nº 750, DE 10 DE OUTUBRO DE 2006. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a competência da Secretaria para o estabelecimento de normas de cadastramento das equipes

Leia mais

Política de Saúde da Pessoa Idosa

Política de Saúde da Pessoa Idosa Política de Saúde da Pessoa Idosa Conselho Estadual de Saúde LUCYANA MOREIRA Março/2015 O TEMPO É IRREVERSÍVEL Pernambuco em dados: PERNAMBUCO: 8.796.448 hab. 937.943 pessoas idosas 10,7% (IBGE- Censo

Leia mais

Força de Trabalho em Saúde

Força de Trabalho em Saúde Força de Trabalho em Saúde Eixo 4 Força de Trabalho em Saúde A saúde tem uma dimensão interpessoal do cuidado que jamais permitirá sua automatização. Por mais máquinas que haja não haverá produção do

Leia mais

Programa Saúde da Família - PSF

Programa Saúde da Família - PSF COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP Programa Saúde da Família - PSF REUNIÃO DO GRUPOS TÉCNICOS DE PADRONIZAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 09/2015

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 09/2015 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 09/2015 Consultor em Tecnologia da Informação para o desenvolvimento do conjunto de ferramentas do EPI INFO para a implantação e monitoramento das ações e serviços da Assistência

Leia mais

MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA?

MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA? MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO: QUEM PAGA A CONTA? De acordo com a Constituição Federal do Brasil, no capítulo dos direitos sociais, todo cidadão tem o direito à saúde, educação, trabalho, moradia, lazer,

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional e normas para sua operacionalização

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional e normas para sua operacionalização NOTA TÉCNICA 33 2013 Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional e normas para sua operacionalização Brasília, 21 de agosto de 2013 INTRODUÇÃO NOTA

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA

Leia mais

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 FUNÇÃO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Realizar mapeamento de sua área; Cadastrar as famílias

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

As escolas podem transformar os cenários de atuação?

As escolas podem transformar os cenários de atuação? As escolas podem transformar os cenários de atuação? Jorge Harada COSEMS/SP Premissas Relação da Instituição de Ensino com o serviço... com a gestão local é mais amplo do que a autorização ou disponibilização

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA NOTA TÉCNICA 05 2007 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA Versão preliminar Brasília, 20 de março de 2007. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA 1. Antecedentes

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sooretama Estado do Espírito Santo

Prefeitura Municipal de Sooretama Estado do Espírito Santo ANEXO I S POR EXECUTIVO MUNICIPAL SOORETAMA CÓD. REQUISITO ESCOLARIDA S OBJETIVAS Nº CADA 01 Engenheiro Civil Engenharia Civil + Registro no CREA R$ 805,00 40 horas 02 Médico Clinico Geral Medicina +.

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE MAIA, Indiara da 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 2 ; BARBOSA, Elisa Gisélia dos Santos 3 ; KAEFER, Cristina T.

Leia mais

Maria Rachel Jasmim de Aguiar

Maria Rachel Jasmim de Aguiar III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família A ATENÇÃO PRIMÁRIA E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO EM UM MODELO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE Maria Rachel Jasmim de Aguiar Orientação: Carlos Eduardo Aguilera

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

Análise crítica do programa Mais Médicos: perspectivas e desafios

Análise crítica do programa Mais Médicos: perspectivas e desafios Análise crítica do programa Mais Médicos: perspectivas e desafios Modelo de Regionalização de Saúde no Ceará População Estado do Ceará - 8.530.058 habitantes Modelo de reorganização de saúde: 4 Macrorregiões

Leia mais

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina da USP - FMUSP Núcleo de Pesquisa em Direito

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

Programa Saúde da Família

Programa Saúde da Família Programa Saúde da Família Diretriz conceitual O acúmulo técnico-político dos três níveis de gestão do SUS, na implantação do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e da estratégia de Saúde da Família,

Leia mais

Metodologia Atividades Desenvolvidas em Saúde da criança

Metodologia Atividades Desenvolvidas em Saúde da criança A ATUAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA ATENÇÃO BÁSICA PRESTADA À SAÚDE DA CRIANÇA Maisa de Oliveira Sanday Sônia Regina Leite de Almeida Prado 1 Introdução Apesar dos avanços na

Leia mais

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e interdisciplinares, visando à melhoria da qualidade de vida

Leia mais

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA 1363 PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA Laís Ramos Queiroz¹; Erenilde Marques de Cerqueira² 1. Bolsista PROBIC, Graduanda em

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1 CONHECIMENTOS GERAIS SOBRE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (QUESTÕES 01 a 30) Questão 01 (Peso 1) A saúde, através do Sistema Único de Saúde, é desenvolvida através de uma política social e econômica que visa,

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL - SC CONCURSO PÚBLICO - EDITAL N o 001/2013 ANEXO I

PREFEITURA MUNICIPAL DE INDAIAL - SC CONCURSO PÚBLICO - EDITAL N o 001/2013 ANEXO I DO (ESCOLARIDA/ FORMAÇÃO) NÍVEL SUPERIOR - MAGISTÉRIO 01 PEDAGOGO Pedagogia com habilitação em Supervisão Escolar / Orientação Educacional ou Pedagogia com diploma expedido a partir da resolução CNE CP

Leia mais

ESTUDO Nº 41, DE 2005

ESTUDO Nº 41, DE 2005 SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais Visita da Delegação da Assembléia Nacional da República Socialista do Vietnã ao Presidente da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS em 07/03/2005 ESTUDO Nº 41, DE 2005

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001

PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001 PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001 Publicada no DOU de 07/03/2001, seção 1, pg. 67 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando a necessidade de: - regulamentação da Portaria

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM HIGIENE DENTAL. ESTRUTURA CURRICULAR TURMA MONTES CLAROS / 2004 em diante

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM HIGIENE DENTAL. ESTRUTURA CURRICULAR TURMA MONTES CLAROS / 2004 em diante EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM HIGIENE DENTAL AUXILIAR DE CONSULTÓRIO DENTÁRIO CONVÊNIO COM MINISTÉRIO DA SAÚDE ESTRUTURA CURRICULAR TURMA MONTES CLAROS / 2004 em diante MODÚLO I Do Processo

Leia mais

Planejamento intersetorial e Gestão Participativa. Recife, 04/09/2013

Planejamento intersetorial e Gestão Participativa. Recife, 04/09/2013 Planejamento intersetorial e Gestão Participativa Recife, 04/09/2013 Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social,

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro PRÁTICA ODONTOLÓGICA= FATORES EXTERNOS + FATORES INTERNOS CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA RECURSOS HUMANOS AMBIENTES RECURSOS HUMANOS

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? -

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? - ENFERMAGEM HUMANITÁRIA - Que competências? - - Que futuro? - Filomena Maia Presidente do Conselho de Enfermagem Regional Norte Vice-Presidente do Conselho de Enfermagem Universidade Fernando Pessoa Porto

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

ANEXO I DO EDITAL Nº 001/2009 DE 30 DE SETEMBRO DE 2009

ANEXO I DO EDITAL Nº 001/2009 DE 30 DE SETEMBRO DE 2009 ANEXO I DO EDITAL Nº 001/2009 DE 30 DE SETEMBRO DE 2009 COMPETÊNCIAS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS: PROFESSOR COM HABILITAÇÃO LEGAL PARA O EXERCÍCIO DO MAGISTERIO COM FORMAÇÃO EM : CIÊNCIAS; LÍNGUA PORTUGUESA;

Leia mais

Modelos de atenção revisando conceitos e práticas no SUS

Modelos de atenção revisando conceitos e práticas no SUS Modelos de atenção revisando conceitos e práticas no SUS Voltando às perguntas simples O que é atenção à saúde? O que é saúde? O que é atenção à saúde? Prestar atenção= Cuidar? Cuidar de si, cuidar do

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE IMBITUBA SC PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PMI/CERSP/PSS N o 08/2013 Anexo I Atualizado em 18/10/2013

PREFEITURA MUNICIPAL DE IMBITUBA SC PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL PMI/CERSP/PSS N o 08/2013 Anexo I Atualizado em 18/10/2013 PREFEITURA MUNICIPAL IMBITUBA SC NÍVEL SUPERIOR COMPLETO 201 Assistente Social 202 Enfermeiro 203 Farmacêutico 204 Fonoaudiólogo 205 Médico Clínico Geral - ESF 206 Médico Dermatologista 207 Médico Endocrinologista

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua ... Lei nº 8.742, conhecida como Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) art. 1º define a assistência social como um direito do cidadão e

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família

O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família O Enfermeiro na Prevenção do Uso/Abuso de Drogas: uma perspectiva para o Programa Saúde da Família Autoras: Margarida Maria Rocha Bernardes Elaine Cristina Valadares Gertrudes Teixeira Lopes Grupo de Estudos

Leia mais

Currículo - Lúcia Freitas

Currículo - Lúcia Freitas Currículo - Lúcia Freitas Bairro Continental Osasco SP Cel. (11) 951409948 email contato@luciafreitas.com.br site: www.luciafreitas.com.br Coren- 34470-E Formação UFPE - Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA DNME/MINSA/ ANGOLA 1 CONCEITO E ENQUADRAMENTO DA FARMÁCIA HOSPITALAR O Hospital é o local onde as intervenções mais diferenciadas, invasivas e salvadoras de vida devem ter lugar, constituindo-se, por isso

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais