Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro);

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro);"

Transcrição

1 PLANO DE TRABALHO 2014

2 Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); 1.2. Estratégia da Saúde da Família no território 3.1 (Rio de Janeiro); 1.3. Estratégia da Saúde da Família no território 3.3 (Rio de Janeiro); 1.4. Unidades de Pronto Atendimento

3 1. EDUCAÇÃO, ESPORTE E ARTES Coordenador de Saúde: Regina Pinto Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro) Gerente do Projeto: Fabiane Minozzo Descrição do Programa: O programa municipal começou em 2009, integrado à Estratégia Saúde da Família (ESF) do governo federal. Agentes Comunitários atuam na prevenção, promoção e assistência médica aos doentes dentro das unidades de saúde ou em suas residências. Cada equipe acompanha quatro mil pessoas, ou mil famílias. O Viva Comunidade concorreu às licitações municipais do ESF e ganhou três s programáticas: 2.1, 3.1 e 3.3. A da 3.3 abrange a zona norte do município do Rio de Janeiro, desde São Conrado ao Catete.

4 O atendimento leva em conta não só a doença, mas o meio socioeconômico da população. O objetivo é proporcionar melhor qualidade de vida às pessoas. O diferencial do Estratégia Saúde da Família, desenvolvido por meio de práticas gerenciais, sanitárias, democráticas e participativas, são as equipes multidisciplinares. O trabalho em equipe é o elemento-chave para a comunicação e a troca de experiências e conhecimentos entre os componentes. As equipes são formadas por um médico, um enfermeiro, um ou dois técnicos de enfermagem e cinco a dez Agentes Comunitários de Saúde. Cada uma responde pelo acompanhamento de quatro mil pessoas ou mil famílias de uma determinada, estabelecendo fortes vínculos de responsabilidade no cuidado com a saúde. As unidades podem contar, ainda, com equipes de saúde bucal formadas por dentistas, auxiliares e técnicos. Merecem destaque o engajamento e o apoio da Prefeitura do Rio de Janeiro no desenvolvimento de políticas públicas e na prioridade à melhoria dos níveis de saúde da população. A opção pela Estratégia Saúde da Família busca o fortalecimento da Atenção Primária à Saúde e a reestruturação da Rede de Atenção à Saúde, fundamentais para a implantação do programa em grande escala. A parceria é realizada com total transparência, por meio de editais públicos, viabilizando o estabelecimento do plano municipal de saúde, o Saúde Presente. Objetivo Geral: Apoiar a SMSDC/RJ na gestão das unidades de saúde de atenção primária, por meio do Contrato de Gestão, onde a ações e serviços de saúde atendem a uma população adstrita, em território definido, especialmente a populações de vulnerabilidade econômica e social, estabelecendo mecanismos efetivos de coordenação clínica e gerencial; com eficiência e transparência na gestão dos recursos.

5 Metas para 2014: Meta 1 Meta 2 Meta 3 Meta 4 Implantação de comissões de s nas unidades Acompanhamento do cadastramento no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES) Percentagem de consultas ao paciente pelo seu próprio médico de família Acompanhamento do plano de trabalho odontológico Nº de unidades com comissões implantadas x 100 Nº de unidades com equipes de Saúde da Família Nº de profissionais cadastrados no SCNES x 100 Nº de profissionais contratados e cadastrados no Nº de consultas médicas realizadas a pacientes da equipe pelo próprio médico da equipe X 100 Nº de consultas médicas realizadas a pacientes da Nº de altas realizadas x100 total de usuários que iniciaram o tratamento (acumulativo para os últimos 12 meses para numerador e denominador) 90% 60 a 80 % 80%

6 Meta 5 Meta 6 Meta 7 Meta 8 Meta 9 Programação anual de atividades das unidades Acompanhamento do cronograma de atividades propostas pelas unidades Percentual de escolas no território com atividades de promoção, prevenção e assistência acompanhadas pelas ESF e ESB Informatização dos postos de trabalho Acesso a utilização de insumos para saúde bucal Nº de programação recebidas X 100 Total de unidades Numero de atividades realizadas X 100 total de atividades previstas no trimestre Nº de escolas que receberam alguma ação de saúde no período X 100 Total de escolas da Nº de consultórios e outros postos de trabalho com terminais do eletrônico X 100 total de consultórios e outros postos de trabalho registrados no CNES N) Total de alunos com escovação supervisionada com entrega de kits individuais aos alunos das escolas e creches públicas X 100 total de alunos das escolas e creches públicas da de abrangência da unidade 80% 80% 90%

7 Meta 10 Meta 11 Meta 12 Meta 13 Custo médio de medicamentos prescritos por usuário Custo médio de serviços de apoio a diagnóstico e terapia prescritos por usuário Abastecimento regular das unidades Descentralização do fornecimento de insulina Somatório do valor das prescrições médicas das ESF nos últimos 3 meses (REMUME e não REMUME) No total de usuários atendidos pelos médicos das ESF nos últimos 3 meses Somatório do valor dos exames de SADT solicitados por médicos das ESF (fonte valores tabela SIGTAP) No total de usuários atendidos pelos médicos das ESF nos últimos 3 meses Nº de declarações de abastecimento adequado X 100 no de unidades recebendo apoio a gestão Nº de unidades que realizam o fornecimento registrados pelo Máx. 51,78 máx. 41,80

8 Meta 14 Meta 15 Meta 16 Meta 17 Descentralização do fornecimento de medicamentos para asma Descentralização do fornecimento de medicamentos para tuberculose e hanseníase Descentralização do fornecimento de medicamentos controlados Regularidade no envio da produção (BPA e SIAB) Nº de unidades que realizam o fornecimento registrados pelo Nº de unidades que realizam o fornecimento registrados pelo Nº de unidades que realizam o fornecimento registrados pelo No de unidades com comprovação de envio pelo 80%

9 Meta 18 Regularidade no envio dos indicadores de desempenho (variáveis 2 e 3) aos profissionais das equipes No de profissionais das ESF e ESB que receberam mensalmente por pelo PEP o envio do resultado de indicadores de desempenho (variáveis 2 e 3), SIA e SIAB de sua unidade No total de profissionais de ESF e ESB na Previsão de Número de Beneficiários: A 2.1 prevê beneficiar cerca de pessoas que residem em s desfavorecidas economicamente ou socialmente, incluindo favelas, cortiços, comunidades pobres e vilas. Orçamento Estimado: Cerca de R$ ,00 para o ano de 2014 em serviços destinados exclusivamente à Área Programática da 2.1.

10 1.2 - Estratégia da Saúde da Família no território 3.1 (Rio de Janeiro) Gerente do Projeto: Lysiane de Medeiros Descrição do Programa: O programa municipal começou em 2009, integrado à Estratégia Saúde da Família (ESF) do governo federal. Agentes Comunitários atuam na prevenção, promoção e assistência médica aos doentes dentro das unidades de saúde ou em suas residências. Cada equipe acompanha quatro mil pessoas, ou mil famílias. O Viva Comunidade concorreu às licitações municipais do ESF e ganhou três s programáticas: 2.1, 3.1 e 3.3. A da 3.1 abrange a zona norte do município do Rio de Janeiro, desde Manguinhos ao Jardim América, passando pela Penha e pelo Complexo do Alemão. O atendimento leva em conta não só a doença, mas o meio socioeconômico da população. O objetivo é proporcionar melhor qualidade de vida às pessoas. O diferencial do Estratégia Saúde da Família, desenvolvido por meio de práticas gerenciais, sanitárias,

11 democráticas e participativas, são as equipes multidisciplinares. O trabalho em equipe é o elemento-chave para a comunicação e a troca de experiências e conhecimentos entre os componentes. As equipes são formadas por um médico, um enfermeiro, um ou dois técnicos de enfermagem e cinco a dez Agentes Comunitários de Saúde. Cada uma responde pelo acompanhamento de quatro mil pessoas ou mil famílias de uma determinada, estabelecendo fortes vínculos de responsabilidade no cuidado com a saúde. As unidades podem contar, ainda, com equipes de saúde bucal formadas por dentistas, auxiliares e técnicos. Merecem destaque o engajamento e o apoio da Prefeitura do Rio de Janeiro no desenvolvimento de políticas públicas e na prioridade à melhoria dos níveis de saúde da população. A opção pela Estratégia Saúde da Família busca o fortalecimento da Atenção Primária à Saúde e a reestruturação da Rede de Atenção à Saúde, fundamentais para a implantação do programa em grande escala. A parceria é realizada com total transparência, por meio de editais públicos, viabilizando o estabelecimento do plano municipal de saúde, o Saúde Presente. Objetivo Geral: Apoiar a SMSDC/RJ na gestão das unidades de saúde de atenção primária, por meio do Contrato de Gestão, onde a ações e serviços de saúde atendem a uma população adstrita, em território definido, especialmente a populações de vulnerabilidade econômica e social, estabelecendo mecanismos efetivos de coordenação clínica e gerencial; com eficiência e transparência na gestão dos recursos.

12 Metas para 2014: Meta 1 Meta 2 Meta 3 Meta 4 Implantação de comissões de s nas unidades Acompanhamento do cadastramento no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES) Percentagem de consultas ao paciente pelo seu próprio médico de família Acompanhamento do plano de trabalho odontológico Nº de unidades com comissões implantadas x 100 Nº de unidades com equipes de Saúde da Família Nº de profissionais cadastrados no SCNES x 100 Nº de profissionais contratados e cadastrados no Nº de consultas médicas realizadas a pacientes da equipe pelo próprio médico da equipe X 100 Nº de consultas médicas realizadas a pacientes da Nº de altas realizadas x100 total de usuários que iniciaram o tratamento (acumulativo para os últimos 12 meses para numerador e denominador) 90% 60 a 80 % 80%

13 Meta 5 Meta 6 Meta 7 Meta 8 Meta 9 Programação anual de atividades das unidades Acompanhamento do cronograma de atividades propostas pelas unidades Percentual de escolas no território com atividades de promoção, prevenção e assistência acompanhadas pelas ESF e ESB Informatização dos postos de trabalho Acesso a utilização de insumos para saúde bucal Nº de programação recebidas X 100 Total de unidades Numero de atividades realizadas X 100 total de atividades previstas no trimestre Nº de escolas que receberam alguma ação de saúde no período X 100 Total de escolas da Nº de consultórios e outros postos de trabalho com terminais do eletrônico X 100 total de consultórios e outros postos de trabalho registrados no CNES N) Total de alunos com escovação supervisionada com entrega de kits individuais aos alunos das escolas e creches públicas X 100 total de alunos das escolas e creches públicas da de abrangência da unidade 80% 80% 90%

14 Meta 10 Meta 11 Meta 12 Meta 13 Custo médio de medicamentos prescritos por usuário Custo médio de serviços de apoio a diagnóstico e terapia prescritos por usuário Abastecimento regular das unidades Descentralização do fornecimento de insulina Somatório do valor das prescrições médicas das ESF nos últimos 3 meses (REMUME e não REMUME) No total de usuários atendidos pelos médicos das ESF nos últimos 3 meses Somatório do valor dos exames de SADT solicitados por médicos das ESF (fonte valores tabela SIGTAP) No total de usuários atendidos pelos médicos das ESF nos últimos 3 meses Nº de declarações de abastecimento adequado X 100 no de unidades recebendo apoio a gestão Nº de unidades que realizam o fornecimento registrados pelo Máx. 51,78 máx. 41,80

15 Meta 14 Meta 15 Meta 16 Meta 17 Descentralização do fornecimento de medicamentos para asma Descentralização do fornecimento de medicamentos para tuberculose e hanseníase Descentralização do fornecimento de medicamentos controlados Regularidade no envio da produção (BPA e SIAB) Nº de unidades que realizam o fornecimento registrados pelo Nº de unidades que realizam o fornecimento registrados pelo Nº de unidades que realizam o fornecimento registrados pelo No de unidades com comprovação de envio pelo 80%

16 Meta 18 Regularidade no envio dos indicadores de desempenho (variáveis 2 e 3) aos profissionais das equipes No de profissionais das ESF e ESB que receberam mensalmente por pelo PEP o envio do resultado de indicadores de desempenho (variáveis 2 e 3), SIA e SIAB de sua unidade No total de profissionais de ESF e ESB na Previsão de Número de Beneficiários: A 3.1 prevê beneficiar cerca de pessoas que residem em s desfavorecidas economicamente ou socialmente, incluindo favelas, cortiços, comunidades pobres e vilas. Orçamento Estimado: Cerca de R$ ,00 para o ano de 2014 em serviços destinados exclusivamente à Área Programática da 3.1.

17 1.3 - Estratégia da Saúde da Família no território 3.3 (Rio de Janeiro) Gerente do Projeto: Renata Porto Descrição do Programa: O programa municipal começou em 2009, integrado à Estratégia Saúde da Família (ESF) do governo federal. Agentes Comunitários atuam na prevenção, promoção e assistência médica aos doentes dentro das unidades de saúde ou em suas residências. Cada equipe acompanha quatro mil pessoas, ou mil famílias. O Viva Comunidade concorreu às licitações municipais do ESF e ganhou três s programáticas: 2.1, 3.1 e 3.3. A da 3.3 abrange a zona norte do município do Rio de Janeiro, desde Quintino a Pavuna. O atendimento leva em conta não só a doença, mas o meio socioeconômico da população. O objetivo é proporcionar melhor qualidade de vida às pessoas. O diferencial do Estratégia Saúde da Família, desenvolvido por meio de práticas gerenciais, sanitárias, democráticas e participativas, são as equipes multidisciplinares. O trabalho em equipe é o

18 elemento-chave para a comunicação e a troca de experiências e conhecimentos entre os componentes. As equipes são formadas por um médico, um enfermeiro, um ou dois técnicos de enfermagem e cinco a dez Agentes Comunitários de Saúde. Cada uma responde pelo acompanhamento de quatro mil pessoas ou mil famílias de uma determinada, estabelecendo fortes vínculos de responsabilidade no cuidado com a saúde. As unidades podem contar, ainda, com equipes de saúde bucal formadas por dentistas, auxiliares e técnicos. Merecem destaque o engajamento e o apoio da Prefeitura do Rio de Janeiro no desenvolvimento de políticas públicas e na prioridade à melhoria dos níveis de saúde da população. A opção pela Estratégia Saúde da Família busca o fortalecimento da Atenção Primária à Saúde e a reestruturação da Rede de Atenção à Saúde, fundamentais para a implantação do programa em grande escala. A parceria é realizada com total transparência, por meio de editais públicos, viabilizando o estabelecimento do plano municipal de saúde, o Saúde Presente. Objetivo Geral: Apoiar a SMSDC/RJ na gestão das unidades de saúde de atenção primária, por meio do Contrato de Gestão, onde a ações e serviços de saúde atendem a uma população adstrita, em território definido, especialmente a populações de vulnerabilidade econômica e social, estabelecendo mecanismos efetivos de coordenação clínica e gerencial; com eficiência e transparência na gestão dos recursos.

19 Metas para 2014: Meta 1 Meta 2 Meta 3 Meta 4 Implantação de comissões de s nas unidades Acompanhamento do cadastramento no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES) Percentagem de consultas ao paciente pelo seu próprio médico de família Acompanhamento do plano de trabalho odontológico Nº de unidades com comissões implantadas x 100 Nº de unidades com equipes de Saúde da Família Nº de profissionais cadastrados no SCNES x 100 Nº de profissionais contratados e cadastrados no Nº de consultas médicas realizadas a pacientes da equipe pelo próprio médico da equipe X 100 Nº de consultas médicas realizadas a pacientes da Nº de altas realizadas x100 total de usuários que iniciaram o tratamento (acumulativo para os últimos 12 meses para numerador e denominador) 90% 60 a 80 % 80%

20 Meta 5 Meta 6 Meta 7 Meta 8 Meta 9 Programação anual de atividades das unidades Acompanhamento do cronograma de atividades propostas pelas unidades Percentual de escolas no território com atividades de promoção, prevenção e assistência acompanhadas pelas ESF e ESB Informatização dos postos de trabalho Acesso a utilização de insumos para saúde bucal Nº de programação recebidas X 100 Total de unidades Numero de atividades realizadas X 100 total de atividades previstas no trimestre Nº de escolas que receberam alguma ação de saúde no período X 100 Total de escolas da Nº de consultórios e outros postos de trabalho com terminais do eletrônico X 100 total de consultórios e outros postos de trabalho registrados no CNES N) Total de alunos com escovação supervisionada com entrega de kits individuais aos alunos das escolas e creches públicas X 100 total de alunos das escolas e creches públicas da de abrangência da unidade 80% 80% 90%

21 Meta 10 Meta 11 Meta 12 Meta 13 Custo médio de medicamentos prescritos por usuário Custo médio de serviços de apoio a diagnóstico e terapia prescritos por usuário Abastecimento regular das unidades Descentralização do fornecimento de insulina Somatório do valor das prescrições médicas das ESF nos últimos 3 meses (REMUME e não REMUME) No total de usuários atendidos pelos médicos das ESF nos últimos 3 meses Somatório do valor dos exames de SADT solicitados por médicos das ESF (fonte valores tabela SIGTAP) No total de usuários atendidos pelos médicos das ESF nos últimos 3 meses Nº de declarações de abastecimento adequado X 100 no de unidades recebendo apoio a gestão Nº de unidades que realizam o fornecimento registrados pelo Máx. 51,78 máx. 41,80

22 Meta 14 Meta 15 Meta 16 Meta 17 Descentralização do fornecimento de medicamentos para asma Descentralização do fornecimento de medicamentos para tuberculose e hanseníase Descentralização do fornecimento de medicamentos controlados Regularidade no envio da produção (BPA e SIAB) Nº de unidades que realizam o fornecimento registrados pelo Nº de unidades que realizam o fornecimento registrados pelo Nº de unidades que realizam o fornecimento registrados pelo No de unidades com comprovação de envio pelo 80%

23 Meta 18 Regularidade no envio dos indicadores de desempenho (variáveis 2 e 3) aos profissionais das equipes No de profissionais das ESF e ESB que receberam mensalmente por pelo PEP o envio do resultado de indicadores de desempenho (variáveis 2 e 3), SIA e SIAB de sua unidade No total de profissionais de ESF e ESB na Previsão de Número de Beneficiários: A 3.3 prevê beneficiar cerca de pessoas que residem em s desfavorecidas economicamente ou socialmente, incluindo favelas, cortiços, comunidades pobres e vilas. Orçamento Estimado: Cerca de R$ ,00 para o ano de 2014 em serviços destinados exclusivamente à Área Programática da 3.3.

24 1.4 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) Gerente do Projeto: Regina Pinto Descrição do Programa: As Unidades de Pronto Atendimento - UPA 24h são estruturas de complexidade intermediária entre as Unidades Básicas de Saúde e as portas de urgência hospitalares, onde em conjunto com estas compõe uma rede organizada de Atenção às Urgências. São integrantes do componente pré-hospitalar fixo e devem ser implantadas em locais/unidades estratégicos para a configuração das redes de atenção à urgência, com acolhimento e classificação de risco em todas as unidades, em conformidade com a Política Nacional de Atenção às Urgências. A estratégia de atendimento está diretamente relacionada ao trabalho do Serviço Móvel de Urgência SAMU que organiza o fluxo de atendimento e encaminha o paciente ao serviço de saúde adequado à situação. O Viva Comunidade administra, por meio de contratos de licitação, as seguintes UPAs: Rocinha (esfera municipal), Penha, Ilha do Governador, Engenho Novo, Maré e Irajá (esfera estadual). Objetivo Geral: O objetivo é desafogar o atendimento nos prontos-socorros do município, oferecendo serviços de saúde pré-hospitalar para a população inserida principalmente em determinada localidade. Visam essencialmente atendimentos de urgência e emergência em: Clínica médica e Odontologia.

25 Metas para 2014: Atender prioritariamente os casos de urgência e emergência, ou seja, pessoas que necessitam de atendimento imediato com risco de morte ou de sequelas, como nos casos de acidentes, ferimentos por arma de fogo, queimaduras, dor no peito, falta de ar e pressão alta. Prestar também atendimento imediato à pacientes com quadros agudo, em casos cirúrgicos ou trauma promovendo a estabilização do paciente e sua observação por período de até 24 horas ou até que seja providenciada remoção para uma unidade de alta complexidade, caso seja necessária transferência. Previsão de Número de Beneficiários: Com a gestão das seis unidades, o Viva Comunidade beneficiará cerca de 200 a 300 mil pessoas que moram nas redondezas, seja na Zona Sul ou na Zona Norte. Orçamento Estimado: Estima-se orçamentos que totalizem R$ ,00 para administração das seis UPAs gerenciadas pelo Viva Comunidade.

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 1 ÍNDICE 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família Área Programática 2.1 (Rio de Janeiro) 1.2. Estratégia da Saúde da Família Área Programática 3.1 (Rio de Janeiro) 1.3.

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 1 ÍNDICE 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família Área Programática 2.1 (Rio de Janeiro) 1.2. Estratégia da Saúde da Família Área Programática 3.1 (Rio de Janeiro) 1.3.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 2.1

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 2.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 2.1 Setor de Sistemas de Informação Coordenador: Silvio Maffei Consultora: Paola Dias CTA MAIO / JUNHO / JULHO 2013 1 SUMÁRIO 1- APRESENTAÇÃO... pg 03 2- RESULTADOS

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 3.3 CTA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 3.3 CTA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 3.3 CTA DEZEMBRO/2012 JANEIRO/2013 Relatório da Variável 1 Justificativas Indicador 1: Proporção de unidades de saúde da família com comissões de prontuários implantadas

Leia mais

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 FUNÇÃO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Realizar mapeamento de sua área; Cadastrar as famílias

Leia mais

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DOS MEMBROS DAS EQUIPES DE AB I - Participar do processo de territorialização e mapeamento da área de atuação da equipe, identificando grupos, famílias e indivíduos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 3.1 CTA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 3.1 CTA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 3.1 CTA DEZEMBRO/2012 JANEIRO/2013 Relatório da Variável 1 Justificativas Indicador 1: Proporção de unidades de saúde da família com comissões de prontuários implantadas

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 INTRODUÇÃO Última edição do Manual (revista e atualizada): 2006 Objetivo: Implantação do Serviço de Atendimento Móvel às Urgências Atende aos princípios e diretrizes do

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias Equipamentos de Saúde Gerenciados pelo CEJAM em Embu das Artes 11 Unidades Básicas de Saúde com 25 equipes de Estratégia Saúde da Família 1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde 1 Projeto Dengue

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Atualizado por Danusa em Nov/2007 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Para organizar um serviço local de atenção à saúde é necessário que o administrador, coordenador, gerente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS CARGO: ALMOXARIFE a) Descrição Sintética: Zelar pelo Patrimônio Público. b) Descrição Analítica: Controlar as mercadorias de uso da administração municipal;

Leia mais

Saúde mais Perto de Você

Saúde mais Perto de Você Saúde mais Perto de Você FINANCIAMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA Ano PAB fixo PAB variável Estruturação + Construção e Ampliação Valor total 2010 R$ 3,65 Bi R$ 5,92 Bi R$ 147 Mi R$ 9,73 Bi 2012 R$ 4,42 Bi R$ 8,31

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ - UVA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE ENFERMAGEM. Relatório Pró-Saúde Enfermagem UVA

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ - UVA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE ENFERMAGEM. Relatório Pró-Saúde Enfermagem UVA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ - UVA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE ENFERMAGEM Relatório Pró-Saúde Enfermagem UVA Sobral - 2007 Resumo do projeto: Dentre os principais trabalhos referentes

Leia mais

Saúde. Rio é pioneiro em Programa de Sustentabilidade na Saúde. UPA Vila Kennedy recebe certificado da Unicef 1

Saúde. Rio é pioneiro em Programa de Sustentabilidade na Saúde. UPA Vila Kennedy recebe certificado da Unicef 1 Saúde Informativo do IABAS Ed.01 Ano I Janeiro/ Fevereiro Março - 01 Rio é pioneiro em Programa de Sustentabilidade na Saúde Pág UPA Vila Kennedy recebe certificado da Unicef 1 Pág De olho em você: Sou

Leia mais

PRIMEIRO TERMO DE RETIFICAÇÃO

PRIMEIRO TERMO DE RETIFICAÇÃO PRIMEIRO TERMO DE RETIFICAÇÃO A Comissão do Processo Seletivo da Prefeitura Municipal de Planura comunica a seguinte alteração no Edital de seu Processo Seletivo nº 01/2014: ONDE SE LÊ: 3 - DAS CONDIÇÕES

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família

ESF Estratégia de Saúde da Família ESF Estratégia de Saúde da Família A Estratégia de Saúde da Família é um modelo de atenção que visa a prevenção de doenças, promoção e manutenção da saúde. Essas ações são realizadas por uma equipe multiprofissional,

Leia mais

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA GREGÓRIO NETO BATISTA DE SOUSA 2010 1 INTRODUÇÃO A comunidade do Alecrim

Leia mais

Processo de contratualização ao PMAQ 1º Ciclo 2011/2012

Processo de contratualização ao PMAQ 1º Ciclo 2011/2012 Processo de contratualização ao PMAQ 1º Ciclo 2011/2012 Departamento de Atenção Básica e Gestão do Cuidado. Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo/SP São Bernardo do Campo/SP População IBGE (estimativa

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS IDENTIFICAÇÃO MUNICIPAL Município: Prefeito: Endereço da Prefeitura: São José do Rio Preto Valdomiro Lopes da Silva Junior

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002.

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. Cria e extingue cargos na estrutura do Quadro Permanente de Cargos, lei Municipal 1338/98, e dá outras providências. WOLMIR ÂNGELO DALL`AGNOL, Prefeito

Leia mais

ESTUDO Nº 41, DE 2005

ESTUDO Nº 41, DE 2005 SENADO FEDERAL Comissão de Assuntos Sociais Visita da Delegação da Assembléia Nacional da República Socialista do Vietnã ao Presidente da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS em 07/03/2005 ESTUDO Nº 41, DE 2005

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO GERÊNCIA DE COORDENAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA DUPLICIDADE DE

Leia mais

SECRETARIA DA SAUDE. Fonte:http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1

SECRETARIA DA SAUDE. Fonte:http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1 SECRETARIA DA SAUDE Fonte:http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1 1 2 UBS Equipe da Atenção Básica UBS Equipe da Atenção Básica + EACS Equipe de Agentes Comunitários da Saúde UBS Equipe da Atenção

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/01

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/01 RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/01 A Associação Beneficente de Saúde ASBESAAN, entidade de direito privado e sem fins lucrativos, qualificado como Organização Social, através do Decreto

Leia mais

Classificação de Risco &

Classificação de Risco & Enfermagem em Trauma e Emergência Classificação de Risco & Protocolo de Manchester Tiziane Rogério UNIVERSO Objetivo: Compreender e aplicar o Acolhimento com Classificação de Risco e o Protocolo de Manchester.

Leia mais

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE Blocos de financiamento: Com a implementação do Pacto pela Saúde, os recursos federais, destinados ao custeio de ações e serviços da saúde, passaram a ser divididos

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE (Fonte: Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS) O planejamento é uma função estratégica de gestão assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL MANUAL PARA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE BUCAL DO SUS PORTO ALEGRE Julho 2007 1- APRESENTAÇÃO Este

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de Florianópolis Gabinete do Prefeito Municipal

Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de Florianópolis Gabinete do Prefeito Municipal Mensagem n. 002/2012 Florianópolis, 07 de março de 2012 Excelentíssimo Senhor Presidente, Excelentíssimos Senhores Vereadores, No uso das atribuições que me confere a Lei Orgânica do Município de Florianópolis,

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

CONSTRUINDO UMA NOVA PROPOSTA PARA REMUNERAÇÃO VARIÁVEL

CONSTRUINDO UMA NOVA PROPOSTA PARA REMUNERAÇÃO VARIÁVEL CONSTRUINDO UMA NOVA PROPOSTA PARA REMUNERAÇÃO VARIÁVEL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE CURITIBA - JULHO 213 CONTEXTO 22 CONTRATO DE GESTÃO E O IDQ Objetivo de incentivar qualidade e produtividade Componente

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 1 Brasília/DF - 2007 1. Introdução A meta deste trabalho é estruturar e auxiliar no correto preenchimento das Guias

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica. Portaria 2.488 de 21 de Outubro de 2011; Define e dispõem sobre:

Política Nacional de Atenção Básica. Portaria 2.488 de 21 de Outubro de 2011; Define e dispõem sobre: Portaria 2.488 de 21 de Outubro de 2011; Define e dispõem sobre: -Princípios, diretrizes gerais e funções nas Redes; -Responsabilidades de todas as esferas de governo; -Infraestrutura e sistema logístico

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária Passo a Passo: Monitoramento Laboratório

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil Gestão do Relacionamento Externo Posicionamento no Sistema de Saúde Coeficiente de Mortalidade Nº de Óbitos / Nº de Indivíduos da Amostra * 1.000 Geral (toda a amostra), por idade (ex: infantil), por sexo

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006.

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família

Leia mais

Saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família Oral health in the Family Health Strategy

Saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família Oral health in the Family Health Strategy 1 Saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família Oral health in the Family Health Strategy Adrielly Oliveira Barbosa 1 Angélica Haíssa Galvão 1 Petrônio José de Lima Martelli 2 1 Alunas do Curso de Graduação

Leia mais

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 horas - CAPS AD III. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

LEI Nº 3.518/2011, DE 06 DE SETEMBRO DE 2011.

LEI Nº 3.518/2011, DE 06 DE SETEMBRO DE 2011. 1 LEI Nº 3.518/2011, DE 06 DE SETEMBRO DE 2011. Autoriza contratação temporária de excepcional interesse público, em função da adesão do Município aos Programas de Saúde da Família ESF e da Saúde Bucal

Leia mais

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE Marcos Calvo Secretário de Saúde de Santos A organização da Rede de Atenção às Urgências

Leia mais

LINHA DO TEMPO 2014 23 ANOS

LINHA DO TEMPO 2014 23 ANOS Hospital Pérola Byington 1991 Fundação do CEJAM UBS Jardim Souza 1998 Recebe Título de Utilidade Pública Municipal e Estadual em São Paulo, Título de Utilidade Pública Federal, Certificado de Entidade

Leia mais

Programa de Saúde Familiar Uma Análise na Região do Caparaó/ES

Programa de Saúde Familiar Uma Análise na Região do Caparaó/ES Programa de Saúde Familiar Uma Análise na Região do Caparaó/ES Letícia Polastrelli de Carvalho UVV Faculdade de Guaçuí guacui@uvv.br Marcio José Furtado UVV Faculdade de Guaçuí marciofurt@yahoo.com.br

Leia mais

I Seminário dos Coordenadores Regionais de Saúde Bucal de Goiás Indicadores de Saúde Bucal

I Seminário dos Coordenadores Regionais de Saúde Bucal de Goiás Indicadores de Saúde Bucal I Seminário dos Coordenadores Regionais de Saúde Bucal de Goiás Indicadores de Saúde Bucal Carlos Rodolfo Mohn Neto carl.mohn@hotmail.com carlos.neto@saude.go.gov.br 2012 Indicador de Saúde Uma medida

Leia mais

Processo Seletivo: Cirurgião Dentista. Para atuar no PSF Para Vagas em Aberto e Formação de Cadastro Reserva

Processo Seletivo: Cirurgião Dentista. Para atuar no PSF Para Vagas em Aberto e Formação de Cadastro Reserva Processo Seletivo: Cirurgião Dentista Para atuar no PSF Para Vagas em Aberto e Formação de Cadastro Reserva Pré-requisitos: 1. Ter Superior Completo; 3. Registro Profissional no Conselho Regional de Odontologia;

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA Á SAÚDE UPA ENGENHO VELHO RELATÓRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL. Monitoramento da produção de próteses dentárias

MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL. Monitoramento da produção de próteses dentárias MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Monitoramento da produção de próteses dentárias 2015 2004 Política Nacional de Saúde Bucal Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 16.627, DE 19 DE AGOSTO DE 2013. Define os exemplos de atribuições dos cargos de Arquiteto, Assistente Social, Contador, Enfermeiro, Fonoaudiólogo e Odontólogo, criado pela Lei Complementar

Leia mais

OUVIDORIA ATIVA: A INOVAÇÃO DAS PESQUISAS DE SATISFAÇÃO NA OUVIDORIA-GERAL DO SUS

OUVIDORIA ATIVA: A INOVAÇÃO DAS PESQUISAS DE SATISFAÇÃO NA OUVIDORIA-GERAL DO SUS Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 OUVIDORIA ATIVA: A INOVAÇÃO DAS PESQUISAS DE SATISFAÇÃO NA OUVIDORIA-GERAL DO SUS Luís Carlos Bolzan Luciana Camila dos Santos

Leia mais

Os avanços e novos desafios da gestão local da saúde na perspectiva do CONASEMS Antônio Carlos F. Nardi

Os avanços e novos desafios da gestão local da saúde na perspectiva do CONASEMS Antônio Carlos F. Nardi Os avanços e novos desafios da gestão local da saúde na perspectiva do CONASEMS Antônio Carlos F. Nardi A HISTÓRIA DO SUS Década de 1970 Sistema Nacional de Saúde: direito à saúde apenas aos dependentes

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Histórico 2005: Início do trabalho. I Seminário de Assistência Domiciliar. 2006: Portaria GM 2529. Fundação da ABRASAD Associação Brasileira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UAPS INDUSTRIAL Construindo planejamento em saúde JUIZ DE FORA

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED. Cuidamos de quem é importante para você

PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED. Cuidamos de quem é importante para você PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED Cuidamos de quem é importante para você plano individual ou familiar Unimed Atenção, respeito e e ciência são pré-requisitos indispensáveis quando se pensa em uma operadora

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica

Política Nacional de Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE Política Nacional de Atenção Básica 4.ª edição Brasília DF 2007 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção Básica Departamento de Atenção Básica Política Nacional de Atenção Básica

Leia mais

Sumário 1. EDUCAÇÃO CONTINUADA...03. 5. Deficit de Médicos PSF/AMA...20

Sumário 1. EDUCAÇÃO CONTINUADA...03. 5. Deficit de Médicos PSF/AMA...20 Sumário 1. EDUCAÇÃO CONTINUADA...03 2. INDICADORES DE PRODUÇÃO PSF 0...08 3. INDICADORES DE PRODUÇÃO ODONTO... 18 4. REFORMAS... 19 5. Deficit de Médicos PSF/AMA...20 6. INDICADORES DE QUALIDADE... 23

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Competência Outubro a Dezembro /2014

RELATÓRIO TÉCNICO Competência Outubro a Dezembro /2014 RELATÓRIO TÉCNICO Competência Outubro a Dezembro /04 Sumário QUANTITATIVO GERAL... 5.RELATÓRIO DE DEMANDAS OUVIDORIA COMPETÊNCIA OUTUBRO A DEZEMBRO/04... 5.Classificação de demandas... 6..Tipificação das

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

Instrução Normativa nº 01/2011

Instrução Normativa nº 01/2011 Instrução Normativa nº 01/2011 Institui e normatiza o Programa de Assistência Estudantil do Instituto Federal de Minas Gerais - IFMG. As PRÓ-REITORIAS DE ADMINISTRAÇÃO; ENSINO; EXTENSÃO; PESQUISA, INOVAÇÃO

Leia mais

A Estratégia e-sus. Vinícius Araújo Secretário Municipal de Saúde Caxias- MA

A Estratégia e-sus. Vinícius Araújo Secretário Municipal de Saúde Caxias- MA A Estratégia e-sus AB em Caxias/MA Estratégia e-sus AB Vinícius Araújo Secretário Municipal de Saúde Caxias- MA Caxias- MA Localizada no leste maranhense, fica à 360 km da capital, São Luís. Possui 160.291

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADO PARA NÍVEL MÉDIO E SUPERIOR

PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADO PARA NÍVEL MÉDIO E SUPERIOR PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADO PARA NÍVEL MÉDIO E SUPERIOR SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 001/2013 UPA PENHA, UPA ILHA DO GOVERNADOR, UPA MARÉ E UPA ENGENHO NOVO Dispõe sobre o processo seletivo simplificado

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DO SUS GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Baseado no Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS Elaborado

Leia mais

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE PORTARIA No- 1.600, DE 7 DE JULHO DE 2011 Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Gestão da dengue no município de Niterói

Gestão da dengue no município de Niterói Gestão da dengue no município de Niterói Fundação Municipal de Saúde de Niterói Veronica Alcoforado de Miranda Coordenação do Núcleo de Educação Permanente e Pesquisa A questão da reemergência da dengue

Leia mais

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3 Plano Plurianual 2.002 2.005 Saúde Objetivo Geral Principais secretarias envolvidas: SMS A Secretaria Municipal de Saúde, cumprindo o programa do Governo da Reconstrução, implantará o SUS no município.

Leia mais

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Smartcity Business América 2015 Curitiba PR Brazil Maio de 2015 Sociedades Inteligentes e Governaça Airton Coelho, MsC, PMP Secretário de Ciência e

Leia mais

Dicas para você acertar na hora de contratar seu plano de saúde

Dicas para você acertar na hora de contratar seu plano de saúde Dicas para você acertar na hora de contratar seu plano de saúde A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) elaborou este guia para orientar você na hora de contratar um plano de saúde. São dicas sobre

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde

Secretaria Municipal de Saúde Secretaria Municipal de Saúde A Estratégia Saúde da Família é, desde 1994, a opção brasileira para expansão e fortalecimento da atenção básica. Desde então, observamos importante aumento de sua cobertura

Leia mais

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

A Implantação da Gestão Local no Município de Contagem

A Implantação da Gestão Local no Município de Contagem A Implantação da Gestão Local no Município de Contagem Ao modelar um governo para ser exercido por homens sobre homens, a maior dificuldade é esta: primeiro, é preciso aparelhar o governo para que controle

Leia mais

Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social

Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social Flávia J.Rodrigues de Sá Pinheiro de Melo Assistente Social Especialista em Saúde Mental e Moléstias Infecciosas - Unicamp Serviço Atenção

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DOS IDOSOS

QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DOS IDOSOS QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DOS IDOSOS Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

Leia mais

NOTA TÉCNICA PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO e-sus AB Outubro/2014

NOTA TÉCNICA PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO e-sus AB Outubro/2014 NOTA TÉCNICA PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO e-sus AB Outubro/2014 Recomendações do TelessaúdeRS/UFRGS e SES-RS sobre o uso do SIA, SIAB e/ou SISAB durante o processo de implantação do e-sus AB Atualmente,

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica Edson

Leia mais

REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE

REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE ACOMPANHAMENTO DA SAÚDE BUCAL (ABRIL/2015) ORDEM MUNICÍPIO ÁGUA FLUORETADA ESB NA ATENÇÃO PRIMÁRIA ESB NA ESF COBER- ASSENTA- LRPD ESB T ESB I ESB - II Teto PMAQ

Leia mais

PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001

PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001 PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001 Publicada no DOU de 07/03/2001, seção 1, pg. 67 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando a necessidade de: - regulamentação da Portaria

Leia mais

Política de Saúde da Pessoa Idosa

Política de Saúde da Pessoa Idosa Política de Saúde da Pessoa Idosa Conselho Estadual de Saúde LUCYANA MOREIRA Março/2015 O TEMPO É IRREVERSÍVEL Pernambuco em dados: PERNAMBUCO: 8.796.448 hab. 937.943 pessoas idosas 10,7% (IBGE- Censo

Leia mais

44 ESB MII Equipe de Saúde Bucal Modalidade II

44 ESB MII Equipe de Saúde Bucal Modalidade II PORTARIA Nº 17, DE 15 DE JANEIRO DE 2013 A Secretária de Atenção à Saúde Substituta, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 750/SAS/MS, de 10 de tubro de 2006, que institui a Ficha Complementar

Leia mais