CARLOS SASAI O COMANDANTE DA INDÚSTRIA ACREANA PELOS PRÓXIMOS 4 ANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARLOS SASAI O COMANDANTE DA INDÚSTRIA ACREANA PELOS PRÓXIMOS 4 ANOS"

Transcrição

1 Ano 06 Número 20 Setembro/2011 INDÚSTRIA TEM PAPEL DE DESTAQUE NAS METAS DO GOVERNO PARA O DESENVOLVIMENTO DO ESTADO NOVO CÓDIGO FLORESTAL PREOCUPA SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL CARLOS SASAI O COMANDANTE DA INDÚSTRIA ACREANA PELOS PRÓXIMOS 4 ANOS

2 SUMÁRIO 28 Carlos Sasai, comandante da indústria acreana pelos próximos 4 anos INDUSTRIAL 05 - Editorial 06 - Destaques 09 - Artigo Oscar Motomura 10 - Assuntos Legislativos 14 - A influência da pecuária na vida do acreano FIEAC 18 - Inovação na pauta das indústrias 2ª CAPA ANÚNCIO 38 Indústria tem papel de destaque nas metas do governo para o desenvolvimento do Estado 34 Novo Código Florestal preocupa setor da construção civil SÉRGIO VALE SESI 22 - Cidadãos do futuro SENAI 24 - Dois em um IEL 26 - Unidos pelo sucesso 42 - O "milagre" da habitação 46 - Peixes, o novo signo da indústria local 50 - Artigo Eloi Zanetti EXPEDIENTE A Revista Acre Industrial é uma publicação do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Acre, Ano 06, número 20, setembro de Jornalista Responsável: Daniele Carlos (DRT 2268/03 DF). Colaboração: Marcela Barrozo (DRT 018/03 AC), Lara de Freitas (DRT 56344/09 - SP), Jorge Luiz Araújo Vila Nova, Ulisses Lima, Aline Lourrany. Projeto Gráfico e Editoração: Allgraf Gráfica e Editora. site: / Tel: (68) / Fax: (68) AC. Ceará, 3727 Floresta. Rio Branco / AC. CEP:

3 DIRETORIA Federação das Indústrias do Estado do Acre DIRETORIA Presidente Carlos Takashi Sasai Vice-Presidentes: José Luiz Assis Felício João Francisco Salomão Raimunda Holanda de Paula João Oliveira de Albuquerque Abrahão Assis Felício José de Ribamar Nina Lamar Antônio Jorge de Azevedo Barbosa Jandir Santin José Adriano Ribeiro da Silva Joafran Antônio Guedes Nobre Secretários 1º Secretário: João Paulo de Assis Pereira 2º Secretário: Jorge Wanderlau Tomás Tesoureiros 1º Tesoureiro: Aristides Formighieri Júnior 2º Tesoureiro: George Dobré ANÚNCIO Suplentes da Diretoria Carlos Afonso Cipriano dos Santos José Osmar Zanatta Sérgio Nakamura Ely Assem de Carvalho Adalberto José Moreto Anísio Fernandes Maia Conselho Fiscal Efetivos Antônio Leônidas de Araújo Neto Sérgio Tsuyoshi Murata Célio Pereira Suplentes Paulo Roberto Cavalcanti João Evangelista Quintela Rodrigues Luiz Carlos Guimarães EDITORIAL Agenda positiva para o Acre Ao assumir a presidência da Federação das Indústrias do Estado do Acre FIEAC, reafirmo minha disposição de fortalecer vários segmentos de extrema importância para o nosso Estado. Áreas como educação, formação e qualificação de mão-de-obra, pesquisa aplicada e prospecção de mercado serão valorizadas. A infraestrutura base para este tão almejado desenvolvimento vai consolidar-se em breve, com a conclusão das obras da Rodovia Transoceânica, que liga o Acre aos portos do Oceano Pacífico, e da BR-364, que integrará todo o Estado. Além das estradas, há ainda o Complexo Hidrelétrico do Madeira, que propiciará a oferta de energia abundante e de custo mais baixo para a região. Isso sem mencionar uma das maiores bandeiras da FIEAC, a criação da Zona de Processamento de Exportação (ZPE), e a consolidação da Copiai (Comissão Política de Incentivo às Atividades Industriais), com alguns ajustes que iremos propor, oferecem-nos um bom ambiente fiscal. Além disso, estamos comprometidos com alguns temas de extrema importância para o nosso Estado: Responsabilidade Social Empresarial - Não vamos admitir que seja apenas uma peça de marketing, mas algo vivo e cristalino que permeie a consciência e as atitudes de todos os empresários acreanos. Meio Ambiente - tema que gera maior preocupação em todo o planeta; claro que vamos estar inseridos nesta discussão, sem maniqueísmo e sem radicalismos filosóficos ou ideológicos. Mas, à luz da ciência, havemos de encontrar o necessário equilíbrio. Inovação - Pretendemos implantar o Centro de Inovação Tecnológica do Acre, e criar uma grande rede de parceiros, incluindo as universidades, não só a do Acre, mas de todo o país e instituições de pesquisa, como a Embrapa e o Sebrae. Além disso, temos certeza de que contaremos com o importante e decisivo apoio do Governo do Estado do Acre, especialmente por meio de sua Secretaria de Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia, Indústria e Comércio. Reformas - A sociedade brasileira tem consciência da necessidade de que elas aconteçam para que o país experimente um ciclo de desenvolvimento com alta competitividade e sustentabilidade a longo prazo. Entretanto, devo ressaltar aquela que, a nosso ver, é a mais importante de todas: a Reforma do Estado Brasileiro. Fortalecimento sindical - O trabalho junto aos sindicatos filiados é fundamental para os setores que eles representam, e por isso a FIEAC vai dar continuidade às propostas junto à classe política, além dos programas de qualificação profissional já existentes. Interiorização do desenvolvimento - Precisamos consolidar nossa indústria e torná-la mais competitiva e sustentável. Com a conclusão da BR 364 que interliga Rio Branco aos municípios do Vale do Juruá teremos que sensibilizar os empresários dessa região que o Sistema FIEAC pode ser usado em benefício do seu setor. Só conseguiremos prestar um serviço de excelência no Estado a partir do momento em que o próprio industrial tiver plena noção do poder se sua contribuição. Relacionamento com a classe política - Além de darmos continuidade à Agenda para o Crescimento, precisamos manter e fortalecer o diálogo com a classe política em todos os níveis: municipal, estadual e federal, sempre atuando como parceiros no intermédio com a classe empresarial acreana. * Carlos Takashi Sasai presidente da FIEAC 05

4 DESTAQUES Dia da Construção Social promove mais de 11 mil atendimentos no Acre Mais de 11 mil atendimentos foram realizados no dia 20 de agosto em função do Dia Nacional da Construção Social, promovido durante todo o dia no Ginásio do SESI e unidades adjacentes. O evento tinha por objetivo incentivar a qualidade de vida dos trabalhadores da indústria da construção civil e seus familiares, por meio de atividades de educação, cultura, saúde, lazer e da mobilização da cidadania, semelhantemente ao naipe da Ação Global. O mutirão solidário é promovido, nacionalmente, pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e Confederação Nacional da Indústria (CNI). No Acre, o Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), em parceria com o Sistema Federação das Indústrias do Estado do Acre (FIEAC), por meio do SESI e do SENAI, Grupo Votorantin e governo do Estado, realizaram o evento durante todo o sábado. De acordo com o presidente Sinduscon, Carlos Afonso Cipriano dos Santos, a realização do evento foi um sucesso. As metas foram atingidas e as nossas expectativas, superadas. Agradecemos aos parceiros que estiveram junto com a gente, apoiando esta importante causa. Ação Pró-Amazônia e parlamentares do Norte se unem O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Acre (FIEAC), Carlos Sasai, e o vice, João Francisco Salomão, reuniram-se nesta quinta-feira, 21 de julho, com os presidentes da Comissão da Amazônia no Congresso, deputado Gladson Cameli, e da Ação Pró-Amazônia da Confederação Nacional da Indústria (CNI), empresário Edilson Baldez (presidente da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão-FIEMA). O propósito do encontro foi unir forças entre as duas instituições em favor de iniciativas que contemplem os interesses empresariais da Amazônia Legal (Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins), como o Projeto Norte Competitivo, que aponta os nove eixos de integração prioritários que permitirão reduzir os custos logísticos dessa região com aumento da competitividade da região; a necessidade da ponte sobre o rio Madeira, para evitar o isolamento do Estado do Acre; e o estímulo à cultura empreendedora, com realização de palestras, treinamentos e cursos de liderança. Queremos nos fortalecer e definir uma pauta única para discutir os interesses em comum. Em agosto, realizaremos uma reunião com todos os presidentes de federações de Indústria dos estados da Amazônia Legal com esta finalidade, informou Sasai, que convidou Gladson para estar presente na ocasião. Sistema FIEAC renova certificação ISO Numa prova de que está sempre em busca de aprimoramento para melhor atender seu público, o Sistema FIEAC obteve, junto à BRTUV, nova certificação da ISO 9001:2008, uma garantia de qualidade e confiabilidade para os clientes. A ISO 9001:2008 é uma das mais rigorosas normas de qualidade do mundo e estabelece requisitos do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) nas organizações. Desta forma, os clientes conseguem saber que suas necessidades serão asseguradas, compreendidas, aceitas e atendidas. A função do Sistema é de promover a satisfação dos clientes por meio da normatização de procedimentos, visando à melhoria contínua. Para o presidente da FIEAC, Carlos Sasai, a certificação mostra que o Sistema Indústria continua no caminho certo. Com essa certificação temos mais certeza de que estamos no caminho certo, que é o de buscar continuamente a melhoria dos serviços que prestamos ao setor industrial acreano, concluiu. Jogos do SESI: Correios é campeão do futebol sete máster Mais uma empresa marcou passagem para Manaus, de 11 a 15 de novembro, para representar o Acre nos Jogos Regionais do SESI. Ao vencer a Albuquerque Engenharia por 6 a 1, a equipe de futebol sete máster dos Correios integra a delegação acreana, que já conta com 91 pessoas. O jogo decisivo foi realizado em agosto, no campo de futebol society do Sesc-Bosque. Artilheiro da partida, o carteiro Erlei Oliveira assinou três dos seis gols, sendo ele o responsável pelos dois primeiros. Ele abriu o placar aos 17 minutos do primeiro tempo e, em exato 1 minuto e seis segundos depois, ampliou para os Correios. Foi ele também quem encerrou a conta, marcando o 6º gol aos 24 minutos da etapa complementar, liquidando de vez a possibilidade de reação da equipe adversária. Nós estávamos muito focados neste jogo. Ficamos em segundo lugar no ano passado e, neste ano, só a vitória nos interessava. Tanto, que preferimos perder por W.O no futebol de campo para estarmos com força total nesta final, revelou Oliveira. Apesar da dedicação, devido ao pouco tempo que os trabalhadores-atletas dispõem para se preparar, ele confessa que não puderam treinar com mais afinco. É só a vontade que temos de jogar que nos motiva. Os Jogos do SESI são bons por isso, porque podemos nos divertir e ao mesmo tempo é bom para a saúde

5 ARTIGO Oscar Motomura Tempo de qualidade O futuro é resultante do que criamos coletivamente. Muito do que virá em 20 anos vem sendo moldado há décadas. Podemos mudar o curso dos acontecimentos? Sabemos que futuro é esse que vem sendo moldado? Na verdade, sim. Conhecemos as condições em que o planeta se encontra. Sabemos que a violência continua fragmentando a sociedade. Que o modo de vida e o tipo de consumo que se multiplicam pelo mundo não são sustentáveis. A mesma mente que sabe também racionaliza. Postergamos ações que curam. E justificamos. Todos fingimos acreditar. Num imenso jogo de ilusões. O que está na base de tudo isso, também sabemos: o egoísmo e a falta de desprendimento dos que têm muito, a ganância e a ambição desmedida de alguns, a manipulação das instituições, a deterioração dos valores, a busca de crescimento ilimitado num mundo com recursos finitos... Mas por que racionalizamos e não agimos rapidamente na direção da cura? A resposta pode estar muito perto de nós. Tudo que vemos no macro talvez esteja acontecendo no micro. Em nossa vida pessoal, insistimos num modo de vida não saudável. Sabemos o que temos de fazer e não fazemos. Nas empresas, idem. Vamos nos acostumando a um jeito de atuar também não saudável: muito estresse, excesso de competição, fragmentação de todo tipo, ações predatórias... Na cultura organizacional que criamos, tudo tem de ser resolvido em breves reuniões. Estamos nos enganando. Nesse tipo de reflexão, a questão sempre presente é: Precisamos chegar ao fundo do poço para, só então, fazer o que é preciso?. Para agir antes do ponto de colapso, será preciso romper barreiras poderosas. A mais relevante é a do piloto automático. Há uma rotina, os tempos estão alocados, as pessoas atuam dentro de processos estabelecidos. Não sobra quase tempo de qualidade para o diferente. O mesmo acontece nas empresas e na sociedade. Fazer a rotina mudar e dar uma guinada requer energia. Em certos casos, muita energia, tempo, recursos. Energia extra. Ou seja, em adição a toda energia e recursos que alocamos ao piloto automático da vida cotidiana. Tudo o que é preciso para curar nosso modo de viver exige doses maciças de investimento, dedicação integral de nossos melhores talentos. E principalmente: tempo de qualidade. Sem essa dose maciça de energia, o transatlântico não mudará seu curso e continuará no piloto automático, rumo a um futuro que ninguém deseja. Quando você fará seu sabático para repensar seu modo de vida e dar a guinada necessária? Sua empresa estaria disposta a investir um grande volume de recursos extras e formar uma superequipe para ficar seis meses, dez horas por dia, focada na reinvenção do transatlântico? Os mais de 200 países do mundo estão a fim de alocar centenas de bilhões e seus melhores cérebros, por alguns anos, para idealizar e fazer acontecer a guinada que o mundo precisa dar? Na cultura que criamos em nossas organizações, tudo precisa ser resolvido em breves reuniões ou retiros de poucos dias... Estamos nos enganando. Nossos maiores desafios jamais serão superados se não houver energia em quantidade proporcional à magnitude dos problemas que queremos resolver. (Artigo publicado na Revista Época em abril de 2011) *Oscar Motomura é diretor-geral da Amana-Key, especializada em inovações radicais em gestão e estratégia. 09

6 Assuntos Legislativos Para desenvolver determinadas atividades, as empresas terão que comprovar a inexistência de débitos perante a Justiça do Trabalho. É o que prevê o substitutivo ao Projeto de Lei nº 7.077/2002, aprovado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados. A emenda institui a Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas (CNDT), que deverá ser apresentada pelas empresas para demonstrar a regularidade trabalhista quando se candidatarem a processos de licitação junto à administração pública, devendo ser válida para todos os estabelecimentos e pelo prazo de 180 dias contados da emissão. Publicada em 7 de julho, a Lei /11, oriunda do Projeto de Lei do Senado (PLS) 77/02, do ex-senador Moreira Mendes, faz alterações na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e na Lei de Licitações (Lei 8.666/93), e entrará em vigor em 4 de janeiro de Com as mudanças, as empresas que quiserem ser contratadas pela administração pública terão de quitar suas dívidas trabalhistas, para ser consideradas habilitadas a participar de licitações. A certidão, que poderá ser retirada de forma gratuita e eletrônica pelas empresas interessadas, comprovará a inexistência de débitos com a Justiça do Trabalho. A CNDT não será emitida quando o empregador tiver pendências decorrentes de sentença condenatória transitada em julgado ou de acordos firmados com o Ministério Público do Trabalho ou Comissão de Conciliação Prévia. Robson Braga, presidente da Confederação Nacional Pior Emenda determina que empresas terão de comprovar isenção de débitos trabalhistas para participar de concorrências que o das Indústrias (CNI), alerta que a Certidão Negativa de Débito Trabalhista aumentará a burocracia e os custos para as empresas, podendo comprometer os processos de compras do governo. A medida é inadequada e prejudica especialmente as micro e as pequenas empresas e poderá até impedir o pagamento dos débitos. Isso porque, ao ser eliminada de uma concorrência pública pela falta de pagamento de uma dívida trabalhista, a empresa corre o risco de fechar as portas, demitir empregados e elevar os débitos com seus trabalhadores, enfatiza. Para o presidente da FIEAC, Carlos Sasai, a Certidão não evitará a inadimplência dos débitos trabalhistas, mas representará outro impedimento para as empresas. O país deve buscar sempre um ambiente de negócios favorável ao empreendedorismo, visto que a sustentabilidade financeira das empresas é a maior segurança contra a inadimplência trabalhista, assegura. A nova medida também poderá trazer prejuízos aos interesses públicos. Ao desclassificar empresas que cumpram todas as determinações legais, mas tenham algum débito trabalhista, cairá o número de candidatas às licitações, e a tendência é que os produtos e serviços sejam oferecidos a preços mais altos. Além disso, representará um atraso na gestão pública, porque reafirma um modelo ultrapassado em que o Estado age com desconfiança em relação às empresas e aos cidadãos. Para a CNI, em vez de exigir certidões, o Estado deve reforçar a fiscalização orientadora, para diminuir os custos e garantir o cumprimento da lei. S oneto Coordenador da assessoria jurídica da FIEAC, o advogado Jefferson Marinho ressalta que a Certidão foi criada com o intuito de acelerar a cumprimento de débitos oriundos de execuções trabalhistas, visando claramente beneficiar os trabalhadores. A Certidão pode ter um efeito contrário, pois, ao ficar fora de licitações, muitas empresas podem simplesmente falir, aumentando assim a taxa de desemprego e não se alcançando a alegada efetividade nas execuções, acredita. O empresário do setor da construção civil, José Adriano Ribeiro, acredita que a Certidão será somente mais um papel para criar dificuldades. A certidão só vai contribuir para a burocratização das licitações. É mais uma documentação, dentre inúmeras outras, que será exigida nos certames. Em vez de impedir a empresa de participar do processo licitatório, poderia consignar uma parte da verba do contrato para quitar a dívida trabalhista. Marinho explica que a medida visa reduzir o volume de ações que aguardam pagamento de direitos trabalhistas e, além de inadequada, irá afetar as micro e pequenas empresas. No Estado do Acre, o impacto principal e imediato será sentido pelas empresas do ramo da construção civil, por serem as que mais contratam mão-de-obra e possuem grande rotatividade de pessoal e, consequentemente, são as maiores vítimas de reclamações trabalhistas, salienta. A certidão será exigida nos casos de contratação ou renovação dos mesmos com o poder público, no recebimento de benefícios, incentivos fiscais e creditícios concedidos pelo poder público e na alienação, na oneração de bem imóvel e no registro ou arquivamento de ato relativo à baixa redução de firma individual, redução de capital social, cisão total ou parcial, transformação e extinção de entidade ou sociedade comercial e civil e transferências de cotas de sociedades de responsabilidade limitada. A Indústria analisa ainda que a medida possa ser inconstitucional. O inciso 21 do Artigo 37 da Constituição estabelece que, nas licitações públicas, só serão permitidas exigências de qualificação técnica e econômica indispensáveis à garantia do cumprimento das obrigações. De acordo com a CNI, a falta da Certidão Negativa de Débito Trabalhista não é prova de que a empresa vencedora está impossibilitada de cumprir o contrato. Caso a demora na obtenção da CNDT coloque em risco a participação da empresa em uma licitação pública ou inviabilize a obtenção de incentivos fiscais, o interessado poderá ingressar com ação judicial de Mandado de Segurança, na tentativa de se obter uma decisão liminar que determine a expedição da certidão em tempo hábil ou, ainda, que autorize a participação da empresa no processo licitatório, independentemente da exibição imediata da CNDT

7 Assuntos Legislativos PROPOSTA INDECENTE Oaviso prévio serve para evitar a surpresa na ruptura do contrato de trabalho, possibilitando ao empregador o preenchimento do cargo vago e ao empregado uma nova colocação no mercado de trabalho. Atualmente, a regra do aviso prévio determina que o trabalhador fique no emprego por 30 dias após a comunicação da rescisão de contrato por parte da empresa ou do empregado. Essa regra só não vale para as demissões em justa causa. Mas, uma decisão do Superior Tribunal Federal (STF) pode mudar tudo. Em sessão realizada em 22 de julho, o Conselho decidiu, por unanimidade, ao julgar processos movidos por trabalhadores, regulamentar o inciso 21 do artigo 7º da Constituição. O dispositivo fixa em 30 dias o prazo mínimo do pagamento do aviso prévio, que, determina o texto constitucional, será proporcional ao tempo de serviço. A votação da nova regra ainda não foi concluída, pois os ministros não chegaram a um acordo sobre a melhor fórmula de calcular o aviso prévio proporcional. Somente na Comissão de Trabalho da Câmara, existem, exatamente, 23 projetos sobre o tema. Analisando todos os projetos, a Confederação Nacional da Indústria (CNI), apesar de não concordar com a mudança, está apoiando o Projeto de Lei nº 3941/89, apresentado pelo ex-senador Carlos Chiarelli. A proposição define que o aviso prévio será concedido na proporção de 30 dias aos empregados que tenham até 1 ano de serviço na mesma empresa. O projeto também determina que sejam acrescidos 3 dias por ano de serviço prestado na mesma empresa, até o máximo de 60, completando um total de no máximo 90 dias. O presidente da CNI, Robson Andrade, informou que a opinião do senador Armando Monteiro se inclinava também pelo apoio ao projeto de Chiarelli, avaliando que outras propostas mais favoráveis ao setor empresarial não passarão. Andrade considera que qualquer adicional ao piso pago atualmente traria insegurança aos negócios e aos próprios trabalhadores, uma vez que as empresas não se planejaram financeiramente para arcar com esse custo. Aviso prévio poderá ser proporcional ao tempo de serviço, trazendo mais insegurança às empresas Estamos preocupados, pois a decisão poderá causar expressivo impacto econômico para quem gera empregos formais. Fica a dúvida, por exemplo, se quanto maior a estabilidade e longevidade de funcionários de uma empresa, maior o passivo que ela terá acumulado sem ter previsto, questiona. Para o presidente da FIEAC, Carlos Sasai, a regulamentação do aviso prévio proporcional pode ser necessária, mas deve levar em conta que existem outros meios de amparo para o trabalhador, como é o caso do seguro-desemprego e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A medida não será favorável para ninguém, além de ter outros meios para resolver os problemas. As empresas já enfrentam sérias dificuldades, como os juros elevados e a alta carga tributária, aos quais se somaria a elevação de custos da folha de pessoal, avalia. Sasai acredita que a nova regra pode encarecer o emprego. Estamos preocupados, pois a proporcionalidade pode gerar expressivo impacto econômico para quem gera empregos formais e sinaliza para a insegurança no ambiente de negócios, afirmou. Esse mesmo raciocínio também é pactuado pelo presidente da CNI. Essa mudança vai fazer com que as empresas pensem em trabalhar com mais informalidade, e com isso o trabalhador não terá nenhuma segurança. O que o trabalhador quer é trabalho, enfatizou Robson Braga, reforçando que a mudança no aviso prévio é uma demanda que nunca existiu no meio sindical e que as regras atuais foram consagradas pela prática. Como a decisão final ainda não foi tomada pelo STF, Sasai acredita na manutenção da regra atual, pelo menos até que o tema possa ser discutido adequadamente no Congresso Nacional, com a participação dos representantes de empregadores e trabalhadores. Acreditamos que o Supremo avaliará que as empresas atuaram e fazem seus investimentos dentro das regras vigentes. Não é certo que seja atribuído aos empresários custos não previstos, completa

8 Economia Ocalendário acreano tem marcado ali, entre os meses de julho e agosto, um período festivo dedicado a impulsionar os negócios do setor produtivo de pequeno a grande porte. Batizado de Expoacre e de sobrenome Feira de Negócios, o evento, a cada ano, vem mostrando que a pecuária está não só consolidada como também influencia fortemente a cultura local. É na Cavalgada, abertura oficial do evento, que isso se torna mais evidente. O comércio se aquece para o grande dia, ampliando as vendas de vestimentas e acessórios da moda country. Pessoas vindas de todos os bairros e, principalmente, comitivas formadas por centenas de cavaleiros e amazonas se concentram na Gameleira um dos mais importantes pontos turísticos de Rio Branco para, após as bênçãos ecumênicas e dos organizadores do evento, desfilar pelas ruas do Segundo Distrito até chegar ao Parque de Exposições Marechal Castelo Branco. Especialmente nesta época do ano, o setor mostra mais claramente a sua importância para o cidadão local por contribuir expressivamente para a economia e até mesmo seu prestígio em outras atividades, como a culinária, a moda e a música com a cavalgada e os esportes referentes à atividade, analisa Assuero Doca Veronez, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Acre (FAEAC). Melhoramento genético Considerado o maior evento do Acre, a primeira edição da Expoacre foi realizada em 1972, por iniciativa de um grupo de pecuaristas, a fim de promover e impulsionar o setor agropecuário à época, segundo relata o secretário Estadual de Agropecuária, Mauro Ribeiro. Hoje, a Expoacre abrange outras áreas de negócio do setor produtivo, até porque o evento cresceu à medida que a economia do Acre também se expandiu. Mas o que a caracteriza ainda hoje é a exposição de animais de elite, todos daqui do Estado, melhorados geneticamente, e que não nos envergonhariam em nenhuma outra exposição do país. Estamos em pé de igualdade. Segundo dados oficiais, neste ano a 39ª edição da Feira de Negócios registrou crescimento de 34% em relação a O setor de leilões e exposições continua sendo um dos carros-chefes, com crescimento de 50% FOTOS SÉRGIO VALE em relação ao último ano. Resultado do aquecimento dos preços, afirma a FAEAC. Mauro Ribeiro ratifica que este foi o ano em que foram realizados os melhores leilões da história do evento. A partir de agora, o desafio será a criação de novos espaços para a atividade no local. Nas casas agropecuárias sempre havia pessoas sendo atendidas, conhecendo novos produtos. Cada vez mais os pecuaristas estão se conscientizando de sua importância na economia local. São os maiores planejadores de áreas manejadas, recuperando áreas degradas e investindo pesado em modernização, elogiou o secretário. Tenho muita satisfação em falar sobre essa atividade. Patrimônio Na época da Expoacre, pecuária acreana mostra todo o seu potencial e influência sobre a cultura local Assuero Veronez, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Acre Country 14 15

9 Economia Principal gerador de divisas internas Zona livre de aftosa desde 2005, o Acre passou a ser um dos centros mais importantes da pecuária no país. Na publicação Acre em Números, a agropecuária foi responsável por 17,2% do PIB local no ano de 2007 (pesquisa mais recente). O segmento ficou atrás apenas do setor de serviços que engloba comércio, transporte, informação, entre outros. Mauro Ribeiro afirma que, em termos econômicos, é a pecuária o setor produtivo mais importante do Estado, sendo, durante muito tempo, a principal geradora de divisas internas e o maior superávit comercial. De acordo com Assuero Veronez, do setor rural acreano, é ela a principal atividade, responsável por 92% das exportações de produtos rurais, como carne e derivados. O crescente avanço de animais de elite e o investimento em melhoramento da qualidade genética equipararam o rebanho local ao de qualquer parte do país. As novas tecnologias, de ponta, vêm agregando novos criadores, que estão lançando mão desses recursos para que tenham à disposição animais de alto padrão genético a fim de usá-los em cruzamentos nas suas propriedades. Secretário Mauro Ribeiro orienta criadores sobre lotes de ovinos Números subestimados Para Mauro Ribeiro, o número de geração de emprego neste setor é bastante subestimado, uma vez que, se os moradores destas propriedades também trabalham nela além dos funcionários com carteira assinada este número é, no mínimo, o dobro do que se supõe. De acordo com dados da FAEAC, atualmente o Acre conta com mais de 18 mil propriedades que praticam a pecuária. Se houver pelo menos dois moradores em cada propriedade dessas, são, no mínimo 36 mil empregos diretos. Em 80% dessas estâncias, há menos de 100 cabeças de gado. Os proprietários fazem parte, portanto, de uma nova categoria: os micropecuaristas. Isso mostra a democratização da atividade e sua disseminação na pequena propriedade rural. Não é mais um privilégio só dos grandes proprietários, analisa Veronez. Portanto, embora ainda experimente resquícios de preconceito por uma parcela da sociedade, a pecuária pode ser considerada um patrimônio dos acreanos. Diversificação Nossa pecuária, hoje, está mais forte e outros setores já começam a ganhar impulso com políticas públicas de incentivo para diversificação das propriedades rurais, como a piscicultura, a ovinocultura, a suinocultura e a avicultura, enumera Veronez. De fato, neste ano o governo do Estado implantou o Projeto de Ovinocultura do Acre. A meta é de distribuir oito mil ovinos para 600 produtores familiares sendo que, até o fechamento desta edição, ao menos 117 famílias já haviam sido beneficiadas com exemplares. Entre os requisitos para fazer parte do projeto, os produtores tiveram que comprovar aptidão para a atividade e que possuíam área apropriada para tal. O frigorífico Anassara, que será o principal cliente desses produtores, já se prepara para os primeiros abates. No período da Expoacre, foi realizado um seminário sobre o tema, reunindo técnicos, produtores e órgãos de pesquisa, a fim de estimular o potencial rentável da atividade no Estado. Os palestrantes abordaram temas como seleção de rebanho, manejo nutricional e sanitário. Não à toa, neste ano os ovinos ganharam maior destaque na Feira Agropecuária, com exposição de 250 animais. Produção sustentável No interior do Estado, a aposta é na produção sustentável a fim de impulsionar a qualidade de vida dos trabalhadores rurais e populações tradicionais da região. Grandes investimentos tanto na ovinocultura, quanto em piscicultura, plantações de coco e açaí 1 milhão de mudas só em Feijó, município conhecido pelo tradicional Festival do Açaí. Em julho, o governador Tião Viana entregou 30 Planos de Desenvolvimento Comunitário (PDCs), garantindo R$ 3,4 milhões para a compra de implementos e insumos agrícolas, barcos e outros equipamentos para os municípios de Manoel Urbano, Feijó, Tarauacá e Jordão. Esses PDCs fazem parte de um projeto maior, o Programa de Inclusão Social e Desenvolvimento Econômico e Sustentável do Acre (Proacre), que são elaborados em conjunto com a comunidade. Esta última indica quais são seus maiores gargalos para o crescimento, e assinam um termo de compromisso socioambiental junto com o governo do Estado. Estado possui hoje mais de 18 mil propriedades praticantes da pecuária 16 17

10 FIEAC INOVAÇÃONAPAUTA Maior competitividade das empresas exige políticas públicas e parcerias com a iniciativa privada DAS I NDÚSTRIAS OBrasil tem uma oportunidade ímpar de moldar seu futuro. Vive-se um ciclo de crescimento virtuoso, com melhoria do perfil distributivo e ganhos reais de renda. A demanda asiática por matérias-primas e o novo patamar do consumo doméstico devem assegurar, no futuro próximo, taxas elevadas de crescimento, que serão reforçadas pelo investimento e pelos gastos em infraestrutura. Uma dinâmica que nos dá graus de liberdade, diante de um contexto problemático da economia mundial. Nesse cenário, a indústria brasileira também tem uma oportunidade única de crescer e se tornar cada vez mais competitiva. Para isso é preciso apostar na inovação. Pensando nisto, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) realizou no mês de agosto, em São Paulo, o 4º Congresso Brasileiro de Inovação na Indústria. Um dos momentos mais importantes do evento foi a assinatura do acordo que prevê a instalação da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii). Com gestão privada, a nova empresa fará parcerias e credenciará instituições de pesquisa e tecnologia. Esses centros ajudarão as empresas a desenvolver projetos inovadores. Os recursos da Embrapii serão formados por aportes do governo, dos centros de pesquisa e das empresas. Vamos expandir o sistema de inovação e atender principalmente as médias e pequenas empresas, disse o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante. Conforme Mercadante, a nova empresa funcionará nos moldes do Instituto Fraunhofer, da Alemanha, que mantém parcerias com mais de 60 instituições de pesquisa tecnológica, formando uma das maiores redes de inovação do mundo. O memorando de entendimento entre o Ministério 18 MIGUEL ÂNGELO Ministro Aloizio Mercadante garante expandir sistema de inovação no Brasil 19

11 FIEAC de Ciência e Tecnologia e a CNI estabelece a formação de um grupo de trabalho que definirá o projeto piloto da Embrapii. A princípio, adiantou o ministro, a nova empresa firmará parceria com três instituições de tecnologia: o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial da Bahia (SENAI-Cimatec), o Instituto de Pesquisa Tecnológica (IPT) e o Instituto Nacional de Tecnologia (INT). A proposta é ampliar essa rede para 30 instituições. De acordo com o presidente da CNI, a criação da Embrapii é resultado do diálogo entre a indústria e o governo, fortalecido com a implementação da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), movimento coordenado pela CNI que pretende colocar a inovação no centro da estratégia das empresas brasileiras. Na visão do presidente da CNI Robson Braga, a indústria é o setor da economia brasileira que mais precisa de inovação para continuar crescendo e enfrentar a crescente concorrência nos mercados interno e externo. Não há outro caminho para a indústria senão inovar, disse. Destacou, no entanto, que apesar dos avanços, os empresários enfrentam vários obstáculos para inovar e ganhar competitividade. E enumerou as dificuldades: Infraestrutura precária, impostos demasiados e cumulativos, créditos tributários não recebidos, uma burocracia exasperante, taxas de juros altíssimas e, agora, o câmbio demasiadamente valorizado. Para Andrade, a superação desses gargalos e os avanços na inovação dependem da estreita colaboração entre governo e o setor privado. Ele sugeriu ao governo medidas para reduzir os riscos da inovação, ajustes nos instrumentos de estímulo à pesquisa e desenvolvimento tecnológico, a maior articulação das universidades com as empresas e o aumento da qualidade da educação. Exigência do mercado Na visão da CNI, o compromisso de estimular o setor privado a investir no desenvolvimento tecnológico e a reconhecer que inovar é uma exigência dos consumidores é uma imposição do mercado. A posição está expressa no documento Compromisso pela Inovação, entregue aos ministros do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, e da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, pelo presidente da CNI, Robson MIGUEL ÂNGELO Braga de Andrade, durante o 4º Congresso Brasileiro de Inovação na Indústria, No documento, os empresários resumem em dez itens propostas consideradas estratégicas para o avanço da inovação do país. Entre as ações, destacamse a necessidade do país formar um maior número de pessoas em cursos técnicos profissionalizantes e em engenharia, aprimorar o marco legal de apoio à inovação, melhorar a infraestrutura e a cultura de propriedade intelectual, criar programas setoriais de inovação efetivos e apoiar projetos estruturantes de pesquisa e desenvolvimento (P&D). Todos os temas foram amplamente discutidos pela Mobilização Empresarial pela Inovação com o objetivo de fazer da inovação prioridade da indústria. A principal meta da MEI é dobrar em quatro anos o número de empresas inovadoras. A meta, fixada em 2009, quando havia no Brasil cerca de 40 mil empresas inovadoras, foi reafirmada durante o 4º Congresso Brasileiro de Inovação na Indústria. A proposta é de que o país tenha 80 mil empresas inovadoras até O ministro Fernando Pimentel advertiu não haver outro caminho a não ser a inovação e o investimento Empresários e presidentes de federações de indústrias unidos para enfrentar a crescente concorrência nos mercados interno e externo Presidente da CNI, Robson Braga, ladeado pelos ministros de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante (esq.), e do Desenvolvimento, Fernando Pimentel (dir.) maciço em pesquisa e tecnologia. Destacou que o governo deu passos importantes para fortalecer a indústria e defender a competitividade do produto brasileiro, ao lançar o Plano Brasil Maior, a nova política industrial. Pimentel assinalou que o governo apoia integralmente o plano da MEI e pretende trabalhar em conjunto com os empresários. Estamos plenamente integrados neste compromisso, resumiu. Na visão do presidente da FIEAC, Carlos Sasai, que participou do evento juntamente com os executivos da instituição, para que uma cadeia produtiva possa inovar e tornar um produto ou serviço competitivo no mercado é necessário não só investimentos financeiros, mas também uma integração com outras cadeias produtivas relacionadas. Para isso, a inovação consolidou-se como um dos principais temas na pauta do setor industrial. A inovação é o principal determinante da competitividade e do crescimento da produtividade. Novos produtos, novos processos, novos modelos de negócios são a forma com que as empresas conquistam mercados, aumentam a eficiência dos processos, reduzem custos, desenvolvem ou incorporam novas tecnologias, explica Sasai. MIGUEL ÂNGELO 20 21

12 SESI Cidadãos do futuro Programa do SESI forma e prepara as próximas gerações por meio dos valores do esporte Desenvolver no esporte os conceitos transversais, como saúde, educação, empreendedorismo e sustentabilidade, atividades interdisciplinares que auxiliarão na formação não só do atleta, mas do cidadão, são as metas almejadas pelo SESI, por meio do Programa Atletas do Futuro (PAF), iniciativa do Departamento Nacional do SESI, tendo como piloto o Estado de São Paulo, há dez anos. No Acre, o projeto nasceu em março e tem buscado promover a inclusão social de crianças e adolescentes com idade entre sete e 17 anos, filhos de trabalhadores da indústria e moradores de comunidades localizadas próximas a instalações industriais. O SESI/AC executa este trabalho no Estado em parceria com o Departamento de Educação Física da Uninorte, Centro de Inclusão Social (CIS) e Secretaria Estadual de Esporte, tendo como madrinhas as empresas Albuquerque Engenharia e Laticínios Buriti. O PAF é um projeto sócio-educativo gratuito e de cunho esportivo, tendo como diferencial o esporte de forma humanizada para as crianças e adolescentes, pois transmite valores como o espírito de equipe, a ética e o compromisso, ensinamentos válidos por toda a vida dos jovens atletas. Diferentemente das escolinhas esportivas, o PAF dá oportunidade de experimentar várias atividades. Somente depois de vivenciar todas elas, o atleta foca numa modalidade específica. A ideia principal é fazer com que as crianças escolham o esporte preferido de acordo com suas habilidades. De acordo com Luziane Mesquita, coordenadora da Unidade de Esporte e Lazer do SESI/AC, no Acre são atendidas 730 crianças que participam de modalidades PAF, além do esporte, ensina valores para a vida esportivas como futebol de campo, natação, basquete, futsal e balé. Nossa intenção é inserir estas crianças em competições internas e, futuramente, externas, desenvolvendo assim o espírito de responsabilidade, respeito e companheirismo que o esporte pode oferecer, explica. A coordenadora explicou também todo o desenvolvimento do Programa. O SESI está preocupado em formar cidadãos e o Atleta do Futuro prioriza essa formação, pois em cada fase de desenvolvimento, a criança vai aprender conteúdos diferentes baseados nos valores do esporte, pontuou. Neste ano, a meta é atender 2 mil crianças no Acre. As aulas são realizadas quatro vezes por semana, nos Centros de Atividades do SESI que, além da infraestrutura, ainda fornece material esportivo, instrutores e estagiários para ministrarem as atividades. Luziane acrescenta que o PAF também busca promover a cidadania, a mudança do comportamento pessoal e, principalmente, construir a cultura participativa dentro das indústrias, valorizando a integração, o trabalho em equipe e o autoconhecimento dentro das pessoas por meio da disseminação dos valores do esporte. É um trabalho que visa à formação da cidadania através do esporte, buscando não só promover a inclusão, mas também a formação desses atletas para o futuro, afirmou. De acordo com a superintendente do SESI, Gisélia Belmina Beserra, o Atleta do Futuro é um projeto muito bem formatado, cujo foco está na inclusão social por meio do esporte. É um programa importantíssimo que tem chamado a atenção, ressaltou. Devo parabenizar toda a equipe envolvida na realização deste projeto por conseguir este alto número de inscrições. Com certeza, sairão daqui atletas de sucesso, que poderão fazer do esporte a sua forma de vida. Mas o PAF não se resume apenas ao esporte, ensina aos jovens, também, valores e vida. O SESI, dessa forma, está contribuindo com o desenvolvimento da sociedade, corroborou a superintendente. Aluno do 6º ano da Escola João Aguiar, Diego Lourenço da Silva, 12, foi um dos escolhidos para representar a primeira turma do PAF no Estado na solenidade de entrega simbólica dos kits de uniformes, que aconteceu no dia 30 de julho. Estou gostando muito de participar. Aprendo mais sobre o futebol, esporte que mais gosto de praticar, além de conhecer novos colegas e de interagir com eles, resumiu. Zenildo Vieira, do Centro de Inclusão Social (CIS), parabenizou a instituição pela iniciativa. A indústria não poderia ficar de fora na contribuição para o desenvolvimento do nosso país, para a formação de atletas para as Olimpíadas de Parabéns por desempenharem tão bem este papel, cumprimentou. O Atleta do Futuro é um programa de investimento social, porque consegue avaliar positivamente os reflexos que as atividades têm como ferramenta educativa nas comunidades. Estamos, diretamente, formando o futuro trabalhador da indústria, afirmou Gisélia

13 SENAI Dois em um Ebep é o diferencial na formação de profissionais para mercado de trabalho seguindo noções da física articulada com a eletricidade, contou. Para Fábio, a empolgação demonstrada pelos alunos do curso de Eletricista de Manutenção Predial e Industrial é o diferencial nesse balanço. É interessante observar que mesmo com uma rotina complexa, esta ação articulada está sendo gratificante para eles. Estão satisfeitíssimos, cada vez mais participativos, querendo buscar e descobrir mais, salientou. Trabalho em conjunto Para o diretor regional do SENAI/AC, César Dotto, a oferta da educação básica do SESI articulada com a educação profissional do SENAI consolida mais um passo no trabalho conjunto desenvolvido pelas duas instituições, como resposta à demanda da sociedade por uma educação de qualidade, apresentando um diferencial competitivo no mercado. Esta integração representa a união de forças entre SESI e SENAI e de suas potencialidades, cada uma com sua especificidade de trabalho, agora juntas para pensar num só produto: o cidadão a ser formado em todas as suas nuances. Isso permite um salto na qualidade do ensino/aprendizagem e uma melhor articulação entre os professores, destacou. O Ebep forma integralmente o cidadão e amplia as possibilidades de sua inserção social e produtiva, já que os cursos são selecionados de acordo com as demandas do mercado. A qualidade do ensino do SESI e a alta tecnologia dos cursos do SENAI vão gerar o diferencial competitivo no mercado de trabalho, acrescentou Dotto. A superintendente do SESI, Gisélia Belmina Bezerra, argumenta que o Ebep, assim como outras iniciativas, está voltado para o fortalecimento da indústria acreana, na medida em que devolverá ao mercado de trabalho cidadãos preparados para assumir as atribuições industriais. O Ebep é visão de futuro e qualidade da educação para a indústria. A metodologia parece simples, mas é incrível, concluiu. Contente por estar a um passo da profissionalização, a auxiliar de limpeza Sabrina Pereira, 22 anos, aguarda ansiosamente pelas aulas do curso de Pequenos Objetos de Madeira. O mercado de trabalho está cada vez mais exigente, mas sei que tenho capacidade, inclusive porque estou no lugar certo para aprender tudo que preciso. Na vida precisamos fazer um esforço para conseguir o que queremos. Assim a gente valoriza mais as conquistas. Auxiliar de circuleiro numa madeireira, José da Silva, 30 anos, vê uma chance de adquirir mais experiência e, com isso, agregar mais valor a sua mão-de-obra. Decidi retomar os estudos porque fui motivado dentro da empresa. Apesar de estar parado há 10 anos, estou conseguindo acompanhar. Além disso, o ensino profissionalizante, de Pequenos Objetos de Madeira, vai ajudar a complementar minha profissão e minha renda, acredita. Ampliar as possibilidades de inserção profissional de jovens e adultos, estabelecendo uma nova dimensão na qualidade da educação é ao que visa o Programa de Educação Básica e Educação Profissional (Ebep), desenvolvido numa parceria entre SENAI e SESI. O Ebep prepara cidadãos para o mercado de trabalho, permitindo maior qualificação profissional em um menor espaço de tempo, além de oferecer duas certificações, sendo o diploma de ensino médio e o certificado de qualificação profissional. Em Rio Branco, o programa está contemplando cerca de 50 alunos. A primeira turma, do curso de Eletricista de Manutenção Predial e Industrial, concluirá o curso em agosto de 2012, e já mostrou resultados. A segunda turma se iniciou em agosto, com o curso de Pequenos Objetos de Madeira. Fábio Reis, instrutor Trainne de Eletroeletrônica da Escola SENAI Cel. Áuton Furtado, faz uma avaliação positiva das atividades realizadas até o momento. Em reflexo, a primeira turma já mostrou bons resultados desta educação articulada. Os alunos expuseram aos novos ingressantes o projeto de uma maquete que foi construída Alunos do Ebep e do Enem juntos em aulão de boas-vindas 24 25

14 IEL Quando duas instituições de reputação e credibilidade consolidadas no mercado se aliam a fim de impulsionar os mecanismos de gestão das empresas industriais, o resultado não poderia ser mais estimulante. É o caso da inédita parceria entre IEL e HSM Educação, que se uniram para a elaboração e execução de um novo produto voltado para a capacitação em gestão e management: o Programa de Desenvolvimento Empresarial (PDE). Objetivando preparar executivos de empreendimentos de pequeno para médio porte, de acordo com necessidades específicas das empresas onde atuam, os cursos serão promovidos pelos núcleos regionais do IEL, primeiramente nas unidades de nove estados, a partir de outubro: Acre, Amazonas, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e São Paulo. Além da teoria dividida em cinco áreas professores, consultores e alunos farão uma imersão na identificação dos problemas das empresas participantes e buscarão, juntos, possíveis soluções. O mundo mudou. Está mais aberto, conectado e colaborativo. Os consumidores mudaram e os mercados e desafios aos executivos também. Só as escolas não mudaram. É isso que estamos fazendo, um jeito novo de capacitar os gestores, disse o presidente da HSM Educação, Marcos Barboza. Unidos pelo sucesso A metodologia foi criada pela HSM Educação em conjunto com o IEL, que inclui plataforma virtual e conteúdos exclusivos desenvolvidos pelos maiores gurus do mundo dos negócios, como Lawrence Hrebiniak, expert em execução da estratégia. No primeiro momento, o PDE abordará, em 80 horas de aula, temas como Estratégia e Execução ; Liderança e Gestão de Pessoas ; Instrumentos financeiros para tomada de decisões ; Marketing e Gestão de operações. Já a segunda etapa será inteiramente dedicada para o diagnóstico de problemas e busca de soluções personalizadas de acordo com a demanda de cada empresa participante. Ao final dos nove meses de curso, se o problema que a empresa apresentou não for resolvido, no mínimo deve haver o entendimento de sua resolução. E, para isso, é preciso que o participante se dedique e faça o 'dever de casa'. Afinal, ele está sendo formado para ser um coaching, uma espécie de consultor exclusivo daquela empresa, avisou Socorro Bessa, superintendente do IEL/AC. O PDE é uma capacitação exclusiva do IEL e HSM Educação um novo negócio da HSM Management, que tem o propósito de oferecer conteúdos de excelência na gestão de empresas, sendo, atualmente, referência em educação executiva. Toda a proposta do curso foi apresentada na segunda quinzena de agosto aos empresários associados aos sindicatos filiados à FIEAC, na Sala de Reuniões da instituição. Na ocasião, estiveram presentes a gerente executiva do IEL Nacional, Ana Paula Almeida, e o superintendente da HSM Educação, Fabiano Ceretta. Trata-se de uma capacitação totalmente diferenciada, com soluções voltadas para atender a realidade local, não é um produto pronto. Na verdade, nossa intenção é 'ensinar a empresa a pescar'. É dar condições para que ela consiga seguir em frente sozinha ao término do curso, explicou Almeida. Diferenciais do PDE Processo de ensino e aprendizagem voltado para o resultado; Consultores experientes conduzindo a prática empresarial; Plataforma tecnológica e de conteúdo virtual; Conteúdos exclusivos de experts nacionais e internacionais; Profissionais no mesmo momento de carreira participando, compartilhando e absorvendo conhecimento; Participantes que contribuem tanto quanto adquirem novos conhecimentos; Ambiente virtual inédito para compartilhar experiências do curso; Rede colaborativa formada pelos professores e executivos participantes. Por que a HSM escolheu o IEL? A experiência em capacitação de empresas e empresários, a reputação e respeitabilidade do IEL e o compromisso com a elevação da competitividade da indústria eram os pontos em comum que a HSM Educação buscava em parceiros para este projeto, justificou Ana Paula. Em virtude da expertise do IEL, seu histórico, capilaridade e cadeia de valor, a instituição encontrou o parceiro ideal para desenvolver esse tipo de capacitação, intensiva, de alta qualidade e abordagem inovadora como o PDE. Seu conteúdo é alinhado às tendências e práticas mundiais em management, com vistas à elaboração de projeto para a solução de problema real da empresa. A capacitação é limitada ao máximo de três pessoas por empreendimento de preferência do porte de pequena para média e média empresa, as mais desprotegidas, segundo os idealizadores do projeto sendo que os participantes assinarão um termo de compromisso se responsabilizando pelas pessoas indicadas, uma vez que o PDE é um processo de ensino e aprendizagem voltado para o resultado. Nós percebemos que esta é uma necessidade da empresa atual, que tem foco na alta competitividade do mercado. Portanto, esta parceria entre IEL e HSM acontece em um momento bastante significativo e oportuno. É importante que os empresários se sensibilizem para a necessidade de se aderir a um programa como este, analisou Carlos Sasai, presidente da FIEAC e diretor regional do IEL. Conheça o PDE: um produto exclusivo da inédita parceria entre IEL e HSM Educação para capacitar empresários de maneira inovadora Apresentação da metodologia do PDE, feita pela gerente executiva do IEL Nacional, Ana Paula Almeida, e superintendente da HSM Educação, Fabiano Ceretta 26 27

15 Gestão 2011/2015 O novo líder da Aclamada pelos colegas e presidentes dos dez sindicatos filiados à FIEAC, a Chapa Consensual, liderada pelo então presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), Carlos Takashi Sasai, 60, foi eleita para substituir uma gestão ininterrupta de oito anos do antecessor João Francisco Salomão. O processo eletivo ocorreu no dia 24 de maio, véspera do Dia da Indústria, com o empresário assumindo o cargo oficialmente em 1º de julho. Sasai é o quinto presidente da instituição, que completou 23 anos em Paulista de Santo André, engenheiro civil formado pela Universidade de Mogi das Cruzes, foi como empresário do setor da construção civil que ele se destacou no ramo industrial acreano. Tanto, que presidiu o Sinduscon por 17 anos e durante esse tempo participou ativamente da diretoria da FIEAC, exercendo o cargo de diretor tesoureiro. De janeiro de 2009 à dezembro de 2010, Sasai presidiu, também, o Conselho Deliberativo Estadual do Sebrae. A posse festiva da nova diretoria da FIEAC foi realizada no dia 21 de julho, evento que substituiu o tradicional Baile da Indústria. Em seu discurso, o atual presidente assumiu o compromisso de unir a instituição à sociedade acreana na luta pelo desenvolvimento do Estado e sua definitiva inserção no cenário econômico nacional. Na ocasião, João Francisco Salomão, fez a transmissão do cargo ao colega de profissão desejando-lhe sucesso em sua mais nova missão. Hoje, venho para dar posse ao meu sucessor e o faço com muito gosto, com alegria no coração, com a consciência do dever cumprido. Sinto, com orgulho e satisfação, que a FIEAC desfruta de conceito e reconhecimento por parte da sociedade e dos Poderes constituídos. Nossa palavra é ouvida, nossos pontosde-vista são respeitados, observou Salomão, em seu discurso de despedida. Sasai e Salomão são dois baluartes do setor da construção civil acreana, ao qual, coincidentemente, também pertencem os presidentes da FIEAC que os antecederam: Naildo Carlos de Assis, Jorge Tomás e João Albuquerque, respectivamente. Quando vejo que todos os companheiros que me antecederam continuam presentes, com suas experiências adquiridas, contribuindo para essa nova gestão, minha preocupação por saber da enorme responsabilidade que tenho em liderar o setor industrial do Acre se atenua, disse o novo presidente. Autoridades como o governador Tião Viana, prefeito Raimundo Angelim, senador Sérgio Oliveira Petecão, bem como representantes do Poder Judiciário, empresários dos diversos setores representativos do Estado fizeram questão de prestigiar o evento. É uma honra poder participar deste momento. Temos o dever de olhar para a indústria com o mais absoluto respeito e reverência, porque é o setor privado que assegura o aumento do nível de emprego, da qualificação de mão-de-obra e é o futuro da nossa economia. Temos que ousar muito e acreditar muito no empresariado acreano, e que, juntos, poderemos superar os problemas matemáticos que hoje enfrentamos, declarou Tião. Além deles, fizeram-se presentes também os presidentes das federações das indústrias dos estados do Espírito Santo, Maranhão, Roraima, Amazonas, Alagoas, Rio Grande do Norte, Rondônia, bem como o Diretor Nacional do IEL, Paulo Afonso, e o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade. O Sistema Indústria, que congrega as 27 federações do país, vive um tempo de saudável alternância dos seus dirigentes. Esse processo democrático valoriza e revigora nossas instituições. Sinto-me, assim, particularmente feliz em participar desta cerimônia de posse da nova diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Acre, presidida pelo companheiro Carlos Takashi Sasai, afirmou Indústria Empresário da construção civil, Carlos Sasai assume compromisso com o Acreana fortalecimento do setor e o desenvolvimento do Estado 28 29

16 Gestão 2011/2015 Andrade. Esta Federação tem tido a felicidade de contar com competentes e dedicados dirigentes, salientou. Agenda Durante a cerimônia, Sasai discursou sobre a importância de se concentrar atenções nas áreas de educação, formação e qualificação de mão-de-obra, pesquisa aplicada e prospecção de mercado a fim de se identificar o que, como e quanto o setor industrial terá que produzir para conquistar futuros clientes. São tarefas que demandam tempo, recursos humanos e financeiros, mas que precisam ser realizadas de imediato. Esta é a nossa agenda. Uma agenda positiva para o Acre e para o Brasil. Temos consciência do papel estratégico que a indústria exerce no desenvolvimento do nosso Estado e no seu destino. A infraestrutura base para este tão almejado desenvolvimento, declarou o novo presidente, consolidar-se-á em breve, com a conclusão das obras da Rodovia Transoceânica, que liga o Acre aos portos do Oceano Pacífico, e da BR-364, que integrará todo o Estado. A expectativa do setor industrial é de que ambas resolvam, em caráter definitivo, o problema de logística enfrentado pelas empresas que aqui se instalam. Além das estradas, há ainda o Complexo Hidrelétrico do Madeira, que propiciará a oferta de energia abundante e de custo mais baixo para a região. Isso sem mencionar uma das maiores bandeiras da FIEAC, a criação da Zona de Processamento de Exportação (ZPE), e a consolidação da Copiai (Comissão Política de Incentivo às Atividades Industriais), com alguns ajustes que iremos propor, oferecem-nos um bom ambiente fiscal, finalizou Sasai. Não podemos admitir que seja apenas uma peça de marketing, mas algo vivo e cristalino que permeie a consciência e as atitudes de todos os empresários, e que, sobretudo, esteja ancorada no entendimento da função social da empresa, que é a de produzir bens com melhor qualidade e menor impacto ao meio ambiente, gerar emprego, distribuir renda, auferir lucro, pagar impostos que retornarão à sociedade em forma de educação, saúde, transporte, segurança e novos investimentos para gerar um novo círculo virtuoso. - Meio Ambiente: Este é o tema que gera maior preocupação em todo o planeta e, é claro, vamos estar inseridos nesta discussão, mas sem maniqueísmo e sem radicalismos filosóficos ou ideológicos, mas à luz da ciência, como bem sintetizou nosso saudoso Samuel Benchimol que era um misto de empresário e cientista que o desenvolvimento deve estar apoiado em três pilares: socialmente justo, economicamente viável e ambientalmente correto. Não resta dúvida de que este é o paradigma ideal, mas, como alcançá-lo? Este será um desafio permanente, portanto, pretendemos interagir com instituições científicas, de ensino superior e tecnologia. Haveremos de encontrar o equilíbrio. - Inovação Tecnológica: Precisamos incorporar em todos os processos das nossas empresas, sob pena de perdermos a competitividade. Sabemos que não é uma tarefa que podemos realizar isoladamente. Assim, em se tratando de um tema que terá prioridade alta no âmbito tanto do Sistema CNI quanto do Sistema FIEAC, as instituições SESI, SENAI e IEL, contando com toda sua capilaridade nacional, estarão engajadas para trabalhar a Inovação e, assim, desmistificá-la no meio empresarial. Além disso, pretendemos implantar o Centro de Inovação Tecnológica do Acre, e criar uma grande rede de parceiros, incluindo as universidades, não só a do Acre, mas de todo o país. As instituições de pesquisa, como a Embrapa, que, embora atuando no campo da pesquisa agropecuária, é de grande importância para a cadeia da agroindústria; o Sebrae e, é claro, temos certeza de que contaremos com o importante e decisivo apoio do Governo do Estado do Acre, especialmente por meio de sua Secretaria de Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia, Indústria e Comércio. É com esta transversalidade que pretendemos transpor alguns obstáculos, como a falta de investimento em pesquisas aplicadas, a ausência de mecanismos de difusão para superar a pouca percepção da inovação como diferencial competitivo, dentre outros. - Reformas: A sociedade brasileira tem consciência da necessidade de que elas aconteçam para que o país experimente um ciclo de desenvolvimento com alta competitividade e sustentabilidade a longo prazo. Entretanto, devo ressaltar aquela que, a nosso ver, é a mais importante de todas: a Reforma do Estado Brasileiro. No nosso entendimento, o Brasil tem um conjunto de instituições que geram, em alguns momentos, insegurança jurídica, apresentam superposição de poderes, exigem cada vez mais recursos da sociedade para sua manutenção, tornando-se responsável por grande parte dos efeitos danosos que emperram a nossa efetiva consolidação como um país competitivo e definitivamente posicionado como uma potência econômica. Temos que reconhecer e comemorar o bom momento de nossa economia e os formidáveis avanços nos indicadores sociais, com a inclusão de milhões de brasileiros no mercado formal de Nova diretoria da FIEAC terá pela frente os desafios da inovação e qualificação de mão-de-obra Temas prioritários Ao lutar pelo desenvolvimento econômico do Acre nos próximos quatro anos, Carlos Sasai garantiu a inclusão dos seguintes temas, considerados, por ele, preponderantes para que se alcance este objetivo. - Responsabilidade Social Empresarial: 30 31

17 Gestão 2011/2015 trabalho, a ascensão de outros tantos nas classes sociais, e a melhoria da educação, por exemplo. Não é paradoxal dizermos que, por isso mesmo, temos que nos preocupar. Não podemos mais uma vez perder a oportunidade de promover as mudanças já amplamente identificadas pela sociedade, as quais dependem, essencialmente, de vontade política de seus atores, dos quais nós, empresários, somos parte. A visão de Carlos Sasai para a gestão 2011/2015 Fortalecimento sindical: O trabalho junto aos sindicatos filiados é fundamental para fortalecermos os setores que eles representam, e por isso a FIEAC vai dar continuidade às propostas junto à classe política, além dos programas de qualificação profissional já existentes. Precisamos criar mecanismos ainda mais sólidos para fortalecermos o associativismo, e minha gestão sempre estará de portas abertas para a colaboração dos sindicatos. Interiorização do desenvolvimento: Precisamos consolidar nossa indústria e torná-la mais competitiva e sustentável. Com a conclusão da BR 364 que interliga Rio Branco aos municípios do Vale do Juruá teremos muito trabalho em sensibilizar os empresários dessa região que o Sistema FIEAC pode ser usado em benefício do seu setor. Só conseguiremos prestar um serviço de excelência no Estado a partir do momento em que o próprio industrial tiver plena noção do poder se sua contribuição, incluindo propostas a serem enviadas para os governos do Estado e Federal por meio da FIEAC e de nossos representantes na CNI. Relacionamento com a classe política: Além de darmos continuidade à Agenda para o Crescimento, precisamos manter e fortalecer o diálogo com a classe política em todos os níveis: municipal, estadual e federal, sempre atuando como parceiros no intermédio com a classe empresarial acreana. Expectativas: Suceder Salomão será extremamente difícil, porque ele fez um grande trabalho, teve um grande desempenho. Mas tentarei sempre dar o meu melhor para a instituição, até porque fui eleito em função do trabalho realizado por ele, que também veio do mesmo segmento que o meu, a construção civil. Diretoria Presidente: Carlos Takashi Sasai. Vice-presidentes: José Luiz Assis Felício; João Francisco Salomão; Raimunda Holanda de Paula; João Oliveira de Albuquerque; Abrahão Assis Felício; José de Ribamar Nina Lamar; Antônio Jorge de Azevedo Barbosa; Jandir Santin; José Adriano Ribeiro da Silva; Joafran Antônio Guedes Nobre. Secretários: (1º Secretário) João Paulo de Assis Pereira; (2º Secretário) Jorge Wanderlau Tomás. Tesoureiros: (1º Tesoureiro) Aristides Formighieri Júnior; (2º Tesoureiro) George Dobré. Suplentes: Carlos Afonso Cipriano dos Santos; José Osmar Zanatta; Sérgio Nakamura; Ely Assem de Carvalho; Adalberto José Moreto; Anísio Fernandes Maia. Carlos Sasai, Robson de Andrade, governador Tião Viana e o ex-presidente João Francisco Salomão Sasai é prestigiado por Amaro Sales, Rivaldo Neves, Edilson Baldez e Paulo Afonso Conselho Fiscal: (Efetivos) Antônio Leônidas de Araújo Neto; Sérgio Tsuyoshi Murata; Célio Pereira; (Suplentes) Paulo Roberto Cavalcanti; João Evangelista Quintela Rodrigues; Luiz Carlos Guimarães. Posse festiva foi bastante prestigiada por empresários, autoridades e presidentes de federações de outros estados Carlos Sasai recebe os cumprimentos do presidente da CNI, Robson de Andrade Delegados Representantes junto a CNI: (Efetivos) Carlos Takashi Sasai; João Francisco Salomão; (Suplentes) João Oliveira de Albuquerque; José Luiz Assis Felício. Empresário Carlos Sasai recebe apoio da família para a nova empreitada 32 33

18 Apreensão Com a palavra, a construção civil Empresários se unem para debater o impacto do Novo Código Florestal no setor CBIC Assunto foi destaque do último Encontro Nacional da Indústria da Construção (ENIC), que contou com a presença do relator do projeto, o senador Jorge Viana (PT-AC) Adiscussão do Novo Código Florestal, talvez, seja o assunto mais importante que tramita no Senado Federal neste segundo semestre. Como é de conhecimento de todos, a Câmara dos Deputados aprovou o texto, em maio deste ano, por 273 votos a favor e 182 contra, inclusive com um racha na base do governo. No entanto, o Projeto aprovado na Câmara dos Deputados cria um vazio jurídico preocupante sobre temas extremamente relevantes para as áreas urbanas. O texto aprovado esquece que o novo Código Florestal terá impacto não apenas sobre as áreas rurais ou de florestas, mas sobre todas as cidades, avaliou o presidente da FIEAC, Carlos Sasai. Por isso, entidades representativas do setor imobiliário e da indústria da construção ficaram apreensivas e se uniram para debater sobre os impactos do novo Código Florestal no referido segmento. Prova disto foi o destaque dado a discussão do Código Florestal durante o último Encontro Nacional da Indústria da Construção (ENIC), realizado em São Paulo, no mês de agosto. Participaram dos debates o presidente da CMA/CBIC, José Antonio de Lucas Simon; o senador e ex-governador do Estado do Acre, Jorge Viana relator do Projeto no Senado Federal; o presidente da Aelo/SP e vice-presidente de Desenvolvimento Urbano Sustentável do Secovi-SP, Caio Carmona Cesar Portugal; o presidente do Conselho de Administração da Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Brasil (ADIT Brasil), Felipe Cavalcanti, e o vice-presidente do SindusCon-SP, Francisco Vasconcelos. O presidente da FIEAC, Carlos Sasai, e do Sinduscon/AC, Carlos Afonso, prestigiaram o evento. Na ocasião, Felipe Cavalcanti abordou "As Restingas e o Desenvolvimento Imobiliário Turístico", ou seja, a construção civil nas cidades litorâneas. O especialista destacou a importância da fixação de regras ambientais claras para o setor da construção, a fim de combater empresas que atuam de forma ilegal e evitar a devastação do meio ambiente, principalmente de matas nativas. "Atualmente temos várias legislações para a regulamentação de construções em áreas de restingas: Código Florestal, Lei da Mata Atlântica, Resolução Conama 303/2002, enumerou. Merece atenção O novo Código Florestal, se aprovado como proposto, irá paralisar a expansão urbana e o desenvolvimento turístico no litoral brasileiro, já que traz diferentes definições para a restinga, que ora pode ser interpretada como solo, ora como vegetação e ora como formação geológica, impossibilitando a construção de empreendimentos próximos à costa. Discussões sobre as Áreas de Preservação Permanente (APPs) Urbanas também estiveram em pauta e foram apresentadas pelo presidente da AELO/SP e vicepresidente de Desenvolvimento Urbano Sustentável do Secovi-SP, Caio Carmona Cesar Portugal. "As regulamentações e licenciamentos de parcelamento de solo para loteamentos são tortuosos, comentou. Na visão de Caio Portugal, o setor precisa de uma diretriz ambiental que assegure um processo transparente. A revisão do texto do Novo Código Florestal é fundamental para que sejam definidos instrumentos que permitam a construção de empreendimentos imobiliários e de obras publicas de infraestrutura em áreas regulamentadas. Temos que ter 34 35

19 Apreensão garantia de licenciamento ambiental e segurança jurídica, enfatizou Durante o evento, Jorge Viana destacou que a maneira mais eficiente de preservar áreas de proteção sem ocupação é promover atividades econômicas nessas regiões, que incorporem a paisagem existente aos seus projetos, ou seja, que possibilitem a preservação ambiental e a utilização sustentável dessas áreas. "Estamos trabalhando para que o Novo Código Florestal seja claro e proporcione segurança jurídica. Além disso, o objetivo é desburocratizar os processos de licenciamento, permitindo que o incorporador e o construtor possam implantar seus empreendimentos sem agredir o meio ambiente", ressaltou Viana. O presidente da CBIC, Paulo Simão, acrescentou que o setor precisa de leis ambientais que não permitam interpretações dúbias, pois este cenário pode inibir a atividade imobiliária no país. "O setor da construção não é contra o meio ambiente. Muito pelo contrário, precisamos saber exatamente o que deve ser preservado para atuar de maneira correta e legal, avaliou Simão afirmando que o setor está aberto para debater o Novo Código Florestal com o governo e contribuir para uma mudança positiva expressa no documento que foi entregue à presidente Dilma Rousseff durante o encontro. Também no mês de agosto, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo realizou um debate sobre o Código Florestal, que contou com a participação da presidente da Confederação Nacional da Agricultura, senadora Kátia Abreu, e do relator do projeto na Câmara dos Deputados, Aldo Rebelo. O diretor do Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais (Icone) e coodenador da Rede de Conhecimento do Agro Brasileiro (RedeAgro), André Nassar, esteve presente ao evento e disse concordar que a supressão das APPs é um assunto delicado. Porém, disse que uma lei não vai acabar com o desmatamento, por mais moderna que seja. Pensar que o novo Código vai trazer desmatamento é um argumento falho, já que nem mesmo o atual tem conseguido manter florestas em pé. Nós nem sequer sabemos como estão ocupadas as áreas rurais, diz. Para ele, é preciso antes cadastrar todas as propriedades rurais, para saber de forma ampla e confiável como estão ocupadas essas áreas. Como pode CBIC haver lei se não se sabe nem como a terra é usada?, questiona Nassar, defendendo que o produtor rural seja incentivado a trazer essas informações, o que passaria, na sua visão, pela liberação dos Termos de Ajustamento de Conduta (TAC). Apesar das necessidades de mudança, para Nassar o novo texto não mutila o meio ambiente, apenas legaliza o que já está consolidado. É preciso lembrar que a ocupação que hoje é ilegal ocorreu em um contexto constitucional diferente. Então é até errado chamar essas áreas de passivo ambiental. A Senadora Kátia Abreu, em sua exposição, defendeu o uso pleno das unidades de produção, ou seja, se disse contra as áreas de reserva ambiental. Uma unidade produtiva precisa de todo o seu potencial para gerar valor. Com as reservas legais elas já saem pelo menos 20% atrás de concorrentes de outros países, já que só no Brasil existe essa obrigatoriedade. Para a senadora, se é mesmo preciso ter reservas legais não caberia ao Congresso definir o tamanho, mas sim à ciência. Porque uma regra geral pode ser muito rígida em alguns casos e pouco em outros, acredita. Durante o evento na FIESP, tanto a senadora Kátia Abreu quanto o deputado federal Aldo Rebelo manifestaram otimismo e afirmaram que até dezembro o debate no Congresso Nacional deve ser equacionado. Para Rebelo, mesmo que o texto seja alterado no Senado, a Câmara dos Deputados deve aprovar as alterações. Estados e desmatamento Para o relator da Câmara, não há polêmica no fato de os estados legislarem sobre desmatamento em áreas Empresários acreanos querem evitar que Novo Código Florestal se torne instrumento de exclusão social de preservação. Ele argumentou que o Artigo 24 da Constituição prevê esse mecanismo. "Eu sou otimista quanto à aprovação. Não há polêmica sobre isto (os estados legislarem) porque a Constituição, no seu Artigo 24, já autoriza o estado a legislar sobre floresta, meio ambiente, proteção da natureza. E a própria Constituição estabelece o limite, ou seja: nenhuma norma estadual pode abranger o limite de uma norma federal. E ao mesmo tempo, se a norma federal não existir, o estado preenche essa lacuna. É um debate já resolvido do ponto de vista legal", disse Rebelo. A senadora emendou que não há predisposição alguma dos senadores de derrotar o governo na votação do Código Florestal. "Nós queremos sair do Senado também com uma grande maioria de votos, num consenso em que o governo participe, enfatizou. Visão da FIEAC O texto aprovado na Câmara não especificou as definições de intervenção de baixo impacto e utilidade pública, dentre outras definições imprescindíveis para as cidades: sem eles, não será possível a travessia de córregos e cursos d'água, tampouco a implantação de infraestrutura de saneamento, que tecnicamente ocorrem na porção mais baixa dos terrenos, normalmente nas áreas de preservação permanente. Na visão do presidente da FIEAC, Carlos Sasai, esse é apenas um exemplo de falhas apresentadas no documento da CBIC que, a exemplo de demandas de todos os envolvidos, devem ser examinadas com atenção para que o novo código não seja transformado em instrumento de exclusão social dos cidadãos que residem em áreas urbanas, inviabilizando o progresso econômico e social dessas regiões. As sugestões apresentadas pela indústria de construção merecem um cuidadoso estudo, já que a CBIC tem uma opinião abalizada sobre o assunto, sem o radicalismo de setores que acham que o novo código acarretará apenas destruição ou o otimismo exagerado daqueles que acreditam que a nova lei será a solução para todas as mazelas do País, reafirma Sasai. (Com informações da CBIC e FIESP) 36 37

20 METAS Governo estabelece agenda para a nova economia do Acre, dando à industrialização o papel de protagonista Protagonista: subst. m+f. 1. aquele que se destaca num processo; 2. pessoa que desempenha o papel principal. Na história da nova economia do Estado do Acre, este é o papel designado à indústria, o de personagem mais importante, do qual o enredo gira em torno. Nesta obra, que já está em fase de produção, a industrialização local viverá um personagem chamado vetor de desenvolvimento, que lhe foi atribuído pelo próprio governo do Estado autor da trama, tal como a novelista acreana Glória Perez. A saga começa em 2011 e tem desfecho previsto para 2014, espera-se, com o final feliz a que tem direito: um Estado com receita própria, livre da dependência do setor público, ainda hoje o maior gerador de riqueza local. Para isso, ao longo dos capítulos, serão realizados investimentos da ordem de R$ 685 milhões, destinados à infraestrutura urbana, ao fortalecimento econômico da produção rural familiar e do ecoturismo, desenvolvimento do setor industrial, fortalecimento da economia regional e modernização do sistema de gestão. O anúncio foi feito durante reunião com representantes da força produtiva acreana. Na ocasião, o governador Tião Viana, a quem foi solicitada a audiência por iniciativa da FIEAC e apoiada pelas demais entidades representativas, estabeleceu uma agenda de trabalho com resultados objetivos a ser rigorosamente obedecida durante a vigência de seu mandato. Em verdade, a saga intitulada Programa Integrado de Desenvolvimento Sustentável do Estado do Acre se encontra na fase 5, no entanto, só agora tem início um episódio inteiramente dedicado à industrialização. Constituiu-se, portanto, o que Tião batizou de Agenda de Resultados : o governo cumprindo suas metas de liberação de recursos e o setor produtivo executando sua parte no prazo estabelecido. Dinheiro não será problema, garantiu. SÉRGIO VALE Entre as fontes de recursos para tamanho propósito, estão o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Caixa Econômica Federal (CEF), Banco Mundial (Bird), Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Orçamento Federal (OGU), Recursos Próprios (OGE), Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o setor privado. São aproximadamente R$ 2,4 bilhões disponíveis para que tudo corra conforme o script. O roteiro VETOR DESENVOLVIMENTO Apesar de não citar diretamente a indústria, os investimentos no primeiro item do Programa Integrado, Infraestrutura Urbana, aquecerão em larga escala o setor da construção civil e a cadeia que o envolve. Com o projeto Ruas do Povo, que prevê a de drenagem, pavimentação e saneamento das vias na capital e interior, serão 2,4 mil ruas pavimentadas, gerando 4,2 mil empregos diretos e 10 mil indiretos. Para tanto, os insumos necessários são da ordem de 490 mil metros cúbicos de barro, 45 mil milheiros de tijolo, 140 mil metros cúbicos de brita, 100 mil metros cúbicos de areia, 1,7 milhão de metros quadrados de asfalto, além de 1,2 mil máquinas e caminhões. Para a duplicação e urbanização da Rodovia AC 010 trecho urbano de 1,64 quilômetros de Rio Branco serão realizados serviços de terraplanagem, pavimentação em CBUQ (concreto betuminoso usinado a quente), drenagem, sinalização, proteção ambiental e iluminação pública. Está prevista a construção de 2 metros de ciclovia do lado esquerdo e 1,85 metros de calçadas. A pavimentação da Rodovia AC 445 envolverá, também, a construção de pontes mistas (obras de artes especiais), com fundação e colunas em concreto, transversais e longarinas em perfis metálicos, tabuleiro em laje e concreto armado, e guarda corpos em peças de madeira. Elas terão entre 12 e 24 metros, sendo erguidas sobre quatro igarapés: Baijão, São José I, São José II e São Raimundo. Também serão construídos pontes e bueiros nos ramais das principais áreas produtivas do Estado uma das maiores reivindicações dos empresários para impulsionar o setor. Com o Programa Estadual de Habitação, aliado ao Minha Casa, Minha Vida, a meta é entregar 10 mil Unidades Habitacionais em Rio Branco, 2,4 mil no interior e 500 para famílias em áreas alagadiças. Aqui também estão envolvidos serviços de infraestrutura, como a construção de vias de acesso, pavimentação asfáltica, adutora de água e coletor tronco de esgoto. Já no segmento Economia e Produção Sustentável, subitem Fortalecimento da Micro Agroindústria, serão destinados R$ 1 milhão para fomentar cinco indústrias artesanais de processamento de peixes. Entre os impactos gerados, espera-se a produção de 3,7 mil toneladas de pescado, beneficiando mil famílias ao ano. Mais R$ 3,5 milhões serão destinados para dez abatedouros artesanais de aves e suínos e a uma central de incubação no Vale do Juruá. No subitem Aquisição de Máquinas e Implementos Agrícolas, onde serão injetados R$ 50 milhões, prevê-se a compra de 113 máquinas agrícolas, 243 implementos agrícolas, 10 caminhões, oito veículos utilitários e cinco motocicletas. Com isso, os impactos gerados serão 11 mil hectares de aração e gradagem ao ano, 8 mil famílias sendo beneficiadas e dobrar a produção de grãos. Outra proposta nesta área é a de Fortalecimento da Produção Leiteira, com investimento de R$ 9,9 milhões. A ideia é beneficiar 3 mil famílias ao ano com a construção da Usina de Produção de Nitrogênio Líquido, aquisição de 137 tanques de resfriamento, 50 ordenhadeiras e seis unidades de produção artesanal de queijo. Mais R$ 12 milhões serão utilizados para a construção da Unidade de Armazenamento de Grãos. O objetivo é incrementar em 200% a capacidade de armazenamento, passando de 7,8 mil para 23,4 mil toneladas. Fase intermediária O item que trata do Desenvolvimento do Setor Industrial propriamente dito destinará R$ 8 milhões para desenvolver a agroindústria no interior, com a implantação do Frigorífico de Peixes e do Núcleo 38 39

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

ConstruBusiness - Rumo a 2022

ConstruBusiness - Rumo a 2022 ConstruBusiness - Rumo a 2022 EXPRESS ANO 1/12 Nº44 DEZ/12 CONSTRUBUSINESS 2012 10º CONGRESSO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO Em sua 10ª edição, o Construbusiness elaborou o programa Compete Brasil, com soluções

Leia mais

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO educação para o trabalho Equipe Linha Direta DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO Evento realizado na CNI apresentou as demandas da indústria brasileira aos principais candidatos à Presidência da República Historicamente

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS.

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA 2016 A Política de Responsabilidade Social da AngloGold Ashanti define como um de seus princípios que a presença de nossa

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro

Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro Se hoje investir em responsabilidade socioambiental é uma opção, em breve será praticamente obrigatório para se manter no mercado. Especialistas da indústria

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR Dispõe sobre o aperfeiçoamento dos instrumentos de seguro rural

Leia mais

Rede Brasileira de Produção mais Limpa

Rede Brasileira de Produção mais Limpa Rede Brasileira de Produção mais Limpa Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável SENAI Sistema FIERGS Rede Brasileira de Produção mais Limpa PARCEIROS Conselho Empresarial Brasileiro

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 770 AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Tiago Valenciano Mestrando do Programa de

Leia mais

PROJETO GOIÁS ASSOCIAÇÃO DOS JOVENS EMPREENDEDORES E EMPRESÁRIOS DE GOIÁS

PROJETO GOIÁS ASSOCIAÇÃO DOS JOVENS EMPREENDEDORES E EMPRESÁRIOS DE GOIÁS PROJETO GOIÁS PROJETO AGROJOVEM AJE-GOIÁS CONTEXTO Uma das principais preocupações da agricultura na atualidade é a sucessão nas propriedades rurais, não somente aqui no Brasil, mas como em grandes países

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 66 Discurso na solenidade de comemoração

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual Somando forças até o fim da pobreza CARE Brasil Relatório Anual 2012 CARE Internacional Em 2012, a CARE apoiou 997 projetos de combate à pobreza em 84 países, beneficiando estimadamente 84 milhões de pessoas.

Leia mais

Sindicatos fortes amplificam a voz da indústria, diz presidente da FIEP. Menu CASAS CONTEÚDO. Notícias. Vídeos. Publicações

Sindicatos fortes amplificam a voz da indústria, diz presidente da FIEP. Menu CASAS CONTEÚDO. Notícias. Vídeos. Publicações Menu CASAS CONTEÚDO Notícias Vídeos Publicações Estatísticas Eventos Sites Áreas de Atuação Conheça a CNI Busca Somar forças. Multiplicar resultados. Programa de Desenvolvimento Associativo Home Sobre

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania A União dos Vereadores do Estado de São Paulo UVESP, desde 1977 (há 38 anos) promove parceria com o Poder Legislativo para torná-lo cada vez mais forte, através de várias ações de capacitação e auxílio

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional ROTEIRO PPT DICA: TREINE ANTES O DISCURSO E AS PASSAGENS PARA QUE A APRESENTAÇÃO FIQUE BEM FLUIDA E VOCÊ, SEGURO COM O TEMA E COM A FERRAMENTA. Para acessar cada uma das telas,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PARA GESTORES PÚBLICOS

PARA GESTORES PÚBLICOS UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PARA GESTORES PÚBLICOS 1 2014 - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Minas Gerais - Sebrae. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É

Leia mais

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes?

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? Apresentação - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? 2 Importância dos Pequenos Negócios 52% dos empregos formais 40% da massa salarial 62%

Leia mais

Presidente da CBF participa de reunião na Câmara dos Deputados

Presidente da CBF participa de reunião na Câmara dos Deputados Frente Parlamentar em Defesa dos Conselheiros Tutelares é reinstalada na Câmara dos Deputados Com o objetivo de discutir e acompanhar as demandas dos Conselhos Tutelares na Câmara dos Deputados, foi reinstalada

Leia mais

BrazilFoundation abre edital para de projetos e negócios sociais

BrazilFoundation abre edital para de projetos e negócios sociais Financiamento e apoio técnico BrazilFoundation abre edital para de projetos e negócios sociais Estão abertas inscrições online até 30 de novembro para o edital bianual da BrazilFoundation que selecionará

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999.

Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999. GESTÃO PARA UM MUNDO MELHOR Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999. RESUMO: Para o consultor e empresário Oscar Motomura, a sociedade global precisa evoluir, abandonando sua ganância

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO 11/2010

BOLETIM INFORMATIVO 11/2010 Sindicato das Secretárias e Secretários do Estado do Rio Grande do Sul SISERGS Unindo você a todos os Secretários do RS! SISERGS BOLETIM INFORMATIVO 11/2010 Dia 06 de novembro ocorreu o penúltimo treinamento

Leia mais

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho.

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho. 1 A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Marlene das Graças de Resende 1 RESUMO Este artigo científico de revisão objetiva analisar importância do trabalho na vida das pessoas portadoras

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

PROJETO DE CIDADANIA

PROJETO DE CIDADANIA PROJETO DE CIDADANIA PROJETO DE CIDADANIA A Anamatra A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho Anamatra congrega cerca de 3.500 magistrados do trabalho de todo o país em torno de interesses

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável Placa de reconhecimento foi entregue ao engenheiro durante a Conferência Aqua,

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

AÇÕES INTEGRADAS Inovação e tecnologia Sistema Indústria incentiva projetos de inovação 4

AÇÕES INTEGRADAS Inovação e tecnologia Sistema Indústria incentiva projetos de inovação 4 AÇÕES INTEGRADAS Inovação e tecnologia Sistema Indústria incentiva projetos de inovação 4 IEL Nova gestão Diretor-geral projeta crescimento do Instituto 8 Curso BSC Capacitação abrange mais de 700 funcionários

Leia mais

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO I DA CONVOCAÇÃO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO Sebrae/RJ, entidade associativa de direito privado, sem fins econômicos, torna público que promoverá seleção de expositores para

Leia mais

Relatório Gestão do Projeto 2013

Relatório Gestão do Projeto 2013 Relatório Gestão do Projeto 2013 Fundação Aperam Acesita e Junior Achievement Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO SUMÁRIO Resultados 2013... 6 Resultados dos Programas... 7 Programa Vamos Falar de Ética...

Leia mais

Consultoria Especializada Para empresas de transportes e logística

Consultoria Especializada Para empresas de transportes e logística Solution Consultoria Especializada Para empresas de transportes e logística Redução de gastos e impostos Aumento de Lucro e aproveitamento de recursos Otimização de processos e contratação profissional.

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé 1. Objetivo O presente guia tem como objetivo orientar o empreendedor a como preencher o Formulário de Pré-proposta para financiamento, item fundamental para início

Leia mais

Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos

Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos Alimento adequado e seguro é direito da população, e o uso indiscriminado de agrotóxicos envenena o planeta. Alimentação saudável, contra o uso

Leia mais

Sua empresa mais competitiva! Projeto de Patrocínio EXPEN 2014

Sua empresa mais competitiva! Projeto de Patrocínio EXPEN 2014 Sua empresa mais competitiva! Projeto de Patrocínio EXPEN 2014 1ª FEIRA DO SUL DO BRASIL COM SOLUÇÕES COMPLETAS DE GESTÃO, SERVIÇOS E TECNOLOGIA PARA A SUA EMPRESA Na EXPEN 2014, você encontrará tecnologia,

Leia mais

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional A união faz a força O dito popular encaixa-se como uma luva quando o assunto é associativismo o assunto em pauta no meio sindical. As principais confederações patronais do País estão investindo nessa bandeira

Leia mais

PRÊMIO CARLOS DREHER. Um negócio que não produz nada além de dinheiro é um negócio pobre. (Henry Ford) REGULAMENTO

PRÊMIO CARLOS DREHER. Um negócio que não produz nada além de dinheiro é um negócio pobre. (Henry Ford) REGULAMENTO PRÊMIO CARLOS DREHER Um negócio que não produz nada além de dinheiro é um negócio pobre. (Henry Ford) Carlos Dreher dedicou mais de duas décadas a uma fotografia transformadora, aquela que propicia cidadania

Leia mais

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Companheiras e companheiros de caminhada, nossas sinceras saudações. Há aqueles que lutam um dia; e por isso são

Leia mais

AGENDA. 5ª Edição. Hotel Staybridge. Realização:

AGENDA. 5ª Edição. Hotel Staybridge. Realização: AGENDA 5ª Edição D? 06 de Maio de 2015 Hotel Staybridge Realização: w w w.c o r p b us i n e s s.c o m.b r Patrocínio Gold Patrocínio Bronze Apoio Realização: APRESENTAÇÃO C GESTÃO DE PESSOAS: DESAFIOS

Leia mais

Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO. Manual do participante

Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO. Manual do participante Palestras Gerenciais EMPREENDEDORISMO O CAMINHO PARA O PRÓPRIO NEGÓCIO Manual do participante Autoria: Renato Fonseca de Andrade Responsáveis pela atualização: Consultores da Unidade de Orientação Empresarial

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

PROJETO DESENVOLVIMENTO DO COOPERATIVISMO E ASSOCIATIVISMO EM COMUNIDADES DE BAIXA RENDA

PROJETO DESENVOLVIMENTO DO COOPERATIVISMO E ASSOCIATIVISMO EM COMUNIDADES DE BAIXA RENDA INSTITUTO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO, EDUCACIONAL E ASSOCIATIVO INSTITUTO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO, EDUCACIONAL E ASSOCIATIVO PROJETO DESENVOLVIMENTO DO COOPERATIVISMO E

Leia mais

Motivação. Capacitar para transformar. O desempenho do agronegócio no Brasil tem apresentando rendimentos significativos na

Motivação. Capacitar para transformar. O desempenho do agronegócio no Brasil tem apresentando rendimentos significativos na FAZENDA LEGAL Motivação O desempenho do agronegócio no Brasil tem apresentando rendimentos significativos na formação do PIB nacional. Grande parte desses resultados credita-se aos produtores e trabalhadores

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes.

Qualidade na saúde. Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Mais recursos para o SUS, universalização do acesso e humanização das relações dos profissionais da saúde com os pacientes. Qualidade na saúde Essa iniciativa da CNTU, em conjunto com

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

EDUCAÇÃO GRUPO POSITIVO

EDUCAÇÃO GRUPO POSITIVO EDUCAÇÃO 38 GRUPO POSITIVO Contribuição para o desenvolvimento Positivo trabalha para que sua contribuição ao ensino de O qualidade extrapole suas unidades e alcance de forma construtiva toda a sociedade.

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

O LABORATÓRIO DE PESQUISA DA UNICARIOCA

O LABORATÓRIO DE PESQUISA DA UNICARIOCA Ingressar em um emprego mediante concurso público é ambição para muitas pessoas, isso se deve ao fato de que o salário oferecido, a estabilidade, os benefícios na maioria dos cargos é bastante superior

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Investimento e Financiamento

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Investimento e Financiamento PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

O valor da educação Um aprendizado para a vida. Relatório do Brasil

O valor da educação Um aprendizado para a vida. Relatório do Brasil O valor da educação Um aprendizado para a vida Relatório do Brasil A pesquisa O valor da educação é uma pesquisa do consumidor independente sobre tendências globais de educação realizada para o HSBC. O

Leia mais

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador

VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE. Guayaquil Ecuador VI Conferencia Regional de voluntariado IAVE Guayaquil Ecuador 2013 PerguntAção no Programa de Voluntariado Promon: conectando o conhecimento para criar, construir e transformar Autora: Marisa Villi (Assessora

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Modalidade Caminho para a Inovação e Desenvolvimento em Sustentabilidade (CIDeS)

Modalidade Caminho para a Inovação e Desenvolvimento em Sustentabilidade (CIDeS) Modalidade Caminho para a Inovação e Desenvolvimento em Sustentabilidade (CIDeS) Estaleiro JURONG ARACRUZ com o projeto Navegar é preciso Conteúdo Caracterização da iniciativa O Estaleiro Jurong Aracruz

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 1 de 30 16/11/2015 15:16 Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 Prezado(a) Como o OBJETIVO de apurar o nível de maturidade em governança da Justiça Federal, foi desenvolvido instrumento

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Mais segurança e benefícios para 40 milhões de brasileiros Chegou a vez do trabalhador terceirizado. Depois de nove anos de debates, negociações

Leia mais

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Mais segurança e benefícios para 40 milhões de brasileiros Chegou a vez do trabalhador terceirizado. Depois de nove anos de debates, negociações

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento.

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento. DISCURSO DE POSSE Boa Noite a todos! Cumprimento o ex-diretor presidente Sebastião Calais, o Prefeito Leris Braga, o vice-prefeito Alcemir Moreira, o presidente da Câmara de Vereadores Juarez Camilo, o

Leia mais

Uma consultoria diferente, superintensiva, que efetivamente faz acontecer.

Uma consultoria diferente, superintensiva, que efetivamente faz acontecer. Uma consultoria diferente, superintensiva, que efetivamente faz acontecer. Soluções fora da caixa. Caminhos inéditos para viabilização do impossível. Exemplos de Advances e projetos de consultoria (casos

Leia mais

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo)

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) Aviso nº 603/2009 C. Civil Submete à deliberação do Congresso Nacional o Texto do Acordo Geral de Cooperação entre o Governo da República

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais