Aula 6 A lírica camoniana

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 6 A lírica camoniana"

Transcrição

1 Aula 6 A lírica camoniana

2 Lírica Camoniana Poemas em medida velha: Poemas em medida nova: - Tradição popular medieval - Doce estilo novo -- Influência de Petrarca: soneto - Redondilha Menor: pentassílabo - Redondilha Maior: heptassílabo - Decassílabo - Universo das mulheres humildes - Reflexões - Reflexões (em geral) -- Neoplatonismo -- Maneirismo -- Desconcerto do mundo -- Desconcerto amoroso

3 Exemplo de poema em medida velha Perdigão que o pensamento Subiu a um alto lugar, Perde a pena do voar, Ganha a pena do tormento. Não tem no ar nem no vento Asas com que se sustenha: Não há mal que lhe não venha. Mote alheio Perdigão perdeu a pena Não há mal que lhe não venha. Voltas Quis voar a u~a alta torre, Mas achou-se desasado; E, vendo-se depenado, De puro penado morre. Se a queixumes se socorre, Lança no fogo mais lenha: Não há mal que lhe não venha. Per - di - gão - que o - pen - sa - men - to Heptassílabo

4 Livro VII da República - Platão Mito da caverna Busca da essência das coisas para além do mundo sensível. mundo sensível pensamento mundo das ideias

5 Mito da caverna

6 Neoplatonismo Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito imaginar; Não tenho, logo, mais que desejar, Pois em mim tenho a parte desejada. Se nela está minha alma transformada, Que mais deseja o corpo de alcançar? Em si somente pode descansar Pois consigo tal alma está liada. Neoplatonismo: o amor no mundo das ideias é superior ao do mundo sensível, e, portanto, é ele que deve ser almejado Mas esta linda e pura semideia, Que, como o acidente em seu sujeito, Assim co a alma minha se conforma, Está no pensamento como ideia; E o vivo e puro amor de que sou feito, Como a matéria simples busca a forma. Mas esta linda e pura semideusa - que se liga à minha alma, assim como uma característica se liga ao seu ser - está no pensamento como ideia; Aristóteles: a matéria (substância) se integra à forma (essência).

7 Maneirismo Transição entre o Classicismo e o Barroco Expressão emocional mais enfatizada Exagero Figuras de linguagem: Paradoxo e Antítese

8 Maneirismo: prenúncio do desequilíbrio barroco Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer; É um não querer mais que bem querer; É solitário andar por entre a gente; É nunca contentar-se de contente; É cuidar que se ganha em se perder; É querer estar preso por vontade; É servir a quem vence, o vencedor; É ter com quem nos mata lealdade. Mas como causar pode seu favor Nos corações humanos amizade, Se tão contrário a si é o mesmo Amor? Camões, século XVI Davi de Michelangelo, 1504

9 Maneirismo: prenúncio do desequilíbrio barroco Mãos desproporcionais ao resto do corpo, que tem exatas proporções. Davi de Michelangelo, 1504

10 Maneirismo: prenúncio do desequilíbrio barroco Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer; É um não querer mais que bem querer; É solitário andar por entre a gente; É nunca contentar-se de contente; É cuidar que se ganha em se perder; É querer estar preso por vontade; É servir a quem vence, o vencedor; É ter com quem nos mata lealdade. Mas como causar pode seu favor Nos corações humanos amizade, Se tão contrário a si é o mesmo Amor? Camões, século XVI

11 Maneirismo: prenúncio do desequilíbrio barroco Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer; É um não querer mais que bem querer; É solitário andar por entre a gente; É nunca contentar-se de contente; É cuidar que se ganha em se perder; Pares paradoxais para se descrever o amor. Desconcerto amoroso É querer estar preso por vontade; É servir a quem vence, o vencedor; É ter com quem nos mata lealdade. Mas como causar pode seu favor Nos corações humanos amizade, Se tão contrário a si é o mesmo Amor? Camões, século XVI

12 Texto para as questões 1, 2 e 3 Se as penas com que Amor tão mal me trata quiser que tanto tempo viva delas que veja escuro o lume das estrelas em cuja vista o meu se acende e mata; e se o tempo, que tudo desbarata, secar as frescas rosas sem colhê-las, mostrando a linda cor das tranças belas mudada de ouro fino em bela prata; vereis, Senhora, então também mudado o pensamento e aspereza vossa, quando não sirva já sua mudança. Suspirareis então pelo passado, em tempo quando executar-se possa em vosso arrepender minha vingança.

13 Texto para as questões 1, 2 e 3 Se as penas com que Amor tão mal me trata quiser que tanto tempo viva delas que veja escuro o lume das estrelas em cuja vista o meu se acende e mata; e se o tempo, que tudo desbarata, secar as frescas rosas sem colhê-las, mostrando a linda cor das tranças belas mudada de ouro fino em bela prata; Fatos condicionantes: vereis, Senhora, então também mudado o pensamento e aspereza vossa, quando não sirva já sua mudança. Fatos condicionados: Suspirareis então pelo passado, em tempo quando executar-se possa em vosso arrepender minha vingança.

14 Texto para as questões 1, 2 e 3 Se as penas com que Amor tão mal me trata quiser que tanto tempo viva delas que veja escuro o lume das estrelas em cuja vista o meu se acende e mata; e se o tempo, que tudo desbarata, secar as frescas rosas sem colhê-las, mostrando a linda cor das tranças belas mudada de ouro fino em bela prata; Fatos condicionantes: 1 Amor infrutífero -- não correspondido -- sofrimento 2 Passagem do tempo: -- envelhecimento da amada vereis, Senhora, então também mudado o pensamento e aspereza vossa, quando não sirva já sua mudança. Fatos condicionados: Suspirareis então pelo passado, em tempo quando executar-se possa em vosso arrepender minha vingança.

15 Texto para as questões 1, 2 e 3 Se as penas com que Amor tão mal me trata quiser que tanto tempo viva delas que veja escuro o lume das estrelas em cuja vista o meu se acende e mata; e se o tempo, que tudo desbarata, secar as frescas rosas sem colhê-las, mostrando a linda cor das tranças belas mudada de ouro fino em bela prata; Fatos condicionantes: 1 Amor infrutífero -- não correspondido -- sofrimento 2 Passagem do tempo: -- envelhecimento da amada vereis, Senhora, então também mudado o pensamento e aspereza vossa, quando não sirva já sua mudança. Suspirareis então pelo passado, em tempo quando executar-se possa em vosso arrepender minha vingança. Fatos condicionados: 3 Perda da beleza - desejo tardio de corresponder - arrependimento - vingança do eu lírico

16 Exercício 1 - Apostila Se as penas com que Amor tão mal me trata quiser que tanto tempo viva delas que veja escuro o lume das estrelas em cuja vista o meu se acende e mata; e se o tempo, que tudo desbarata, secar as frescas rosas sem colhê-las, mostrando a linda cor das tranças belas mudada de ouro fino em bela prata; vereis, Senhora, então também mudado o pensamento e aspereza vossa, quando não sirva já sua mudança. Suspirareis então pelo passado, em tempo quando executar-se possa em vosso arrepender minha vingança. A passagem do tempo é representada por uma mudança na aparência das tranças usadas pela mulher amada. De que forma isso se manifesta?

17 Exercício 1 - Apostila Se as penas com que Amor tão mal me trata quiser que tanto tempo viva delas que veja escuro o lume das estrelas em cuja vista o meu se acende e mata; e se o tempo, que tudo desbarata, secar as frescas rosas sem colhê-las, mostrando a linda cor das tranças belas mudada de ouro fino em bela prata; vereis, Senhora, então também mudado o pensamento e aspereza vossa, quando não sirva já sua mudança. Suspirareis então pelo passado, em tempo quando executar-se possa em vosso arrepender minha vingança. A passagem do tempo é representada por uma mudança na aparência das tranças usadas pela mulher amada. De que forma isso se manifesta? O enunciador afirma que as belas tranças da mulher mudarão de ouro fino a bela prata. Com isso, ele sugere que a cor do cabelo da dama passará de loiro para grisalho.

18 Exercício 2 - Apostila Se as penas com que Amor tão mal me trata quiser que tanto tempo viva delas que veja escuro o lume das estrelas em cuja vista o meu se acende e mata; e se o tempo, que tudo desbarata, secar as frescas rosas sem colhê-las, mostrando a linda cor das tranças belas mudada de ouro fino em bela prata; vereis, Senhora, então também mudado o pensamento e aspereza vossa, quando não sirva já sua mudança. Suspirareis então pelo passado, em tempo quando executar-se possa em vosso arrepender minha vingança. O eu lírico ameaça a dama a quem se dirige alegando um futuro arrependimento por não ter feito aquilo que poderia ter feito antes. Todo o poema explora uma antiga temática da poesia ocidental. De que temática se trata?

19 Exercício 2 - Apostila Se as penas com que Amor tão mal me trata quiser que tanto tempo viva delas que veja escuro o lume das estrelas em cuja vista o meu se acende e mata; e se o tempo, que tudo desbarata, secar as frescas rosas sem colhê-las, mostrando a linda cor das tranças belas mudada de ouro fino em bela prata; vereis, Senhora, então também mudado o pensamento e aspereza vossa, quando não sirva já sua mudança. Suspirareis então pelo passado, em tempo quando executar-se possa em vosso arrepender minha vingança. O eu lírico ameaça a dama a quem se dirige alegando um futuro arrependimento por não ter feito aquilo que poderia ter feito antes. Todo o poema explora uma antiga temática da poesia ocidental. De que temática se trata? Da temática do Carpe Diem.

20 Exercício 3 - Apostila Se as penas com que Amor tão mal me trata quiser que tanto tempo viva delas que veja escuro o lume das estrelas em cuja vista o meu se acende e mata; e se o tempo, que tudo desbarata, secar as frescas rosas sem colhê-las, mostrando a linda cor das tranças belas mudada de ouro fino em bela prata; vereis, Senhora, então também mudado o pensamento e aspereza vossa, quando não sirva já sua mudança. Suspirareis então pelo passado, em tempo quando executar-se possa em vosso arrepender minha vingança. No poema, o Amor é representado de maneira positiva ou negativa? Justifique a sua resposta.

21 Exercício 3 - Apostila Se as penas com que Amor tão mal me trata quiser que tanto tempo viva delas que veja escuro o lume das estrelas em cuja vista o meu se acende e mata; e se o tempo, que tudo desbarata, secar as frescas rosas sem colhê-las, mostrando a linda cor das tranças belas mudada de ouro fino em bela prata; vereis, Senhora, então também mudado o pensamento e aspereza vossa, quando não sirva já sua mudança. Suspirareis então pelo passado, em tempo quando executar-se possa em vosso arrepender minha vingança. No poema, o Amor é representado de maneira positiva ou negativa? Justifique a sua resposta. O Amor é personificado como um elemento de vontade própria que oprime o enunciador, como se nota no primeiro verso do texto, em que se afirma que o sentimento trata com penas ou seja, com castigos o eu lírico.

Prof. Eloy Gustavo. Aula 4 Renascimento

Prof. Eloy Gustavo. Aula 4 Renascimento Aula 4 Renascimento Renascimento ou Renascença O florescimento intelectual e artístico que começou na Itália no século XIV, culminou nesse país no século XVI e influenciou enormemente outras partes da

Leia mais

RENASCIMENTO David de Michelangelo (1504) CLASSICISMO INFLUÊNCIA TRADICIONAL VS INFLUÊNCIA CLÁSSICA OU RENASCENTISTA. A influência / corrente tradicional A influência / corrente clássica CORRENTE TRADICIONAL

Leia mais

Quando eu, senhora...

Quando eu, senhora... Quando eu, senhora... Sá de Miranda Quando eu, senhora, em vós os olhos ponho, e vejo o que não vi nunca, nem cri que houvesse cá, recolhe-se a alma em si e vou tresvariando, como em sonho. Isto passado,

Leia mais

QUANDO EU, SENHORA...

QUANDO EU, SENHORA... QUANDO EU, SENHORA... Sá de Miranda Quando eu, senhora, em vós os olhos ponho, e vejo o que não vi nunca, nem cri que houvesse cá, recolhe-se a alma em si e vou tresvariando, como em sonho. Isto passado,

Leia mais

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor.

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. O Poeta canta o amor platónico, a saudade, o destino e a beleza

Leia mais

Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta

Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta Amor & desamor Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta edição foram garimpados criteriosamente pelo escritor Sergio Faraco, que os editou nos volumes Livro dos sonetos, Livro do corpo, Livro das cortesãs,

Leia mais

DATA: 26 / 09 / 2014 II ETAPA AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA 1.º ANO/EM ALUNO(A): Nº: TURMA:

DATA: 26 / 09 / 2014 II ETAPA AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA 1.º ANO/EM ALUNO(A): Nº: TURMA: SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 26 / 09 / 2014 1 UNIDADE: II ETAPA AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA 1.º ANO/EM ALUNO(A): Nº: TURMA: PROFESSOR(A):

Leia mais

A arte de escrever um soneto

A arte de escrever um soneto A arte de escrever um soneto Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais

Leia mais

Soneto a quatro mãos

Soneto a quatro mãos Soneto a quatro mãos Circus do Suannes "Aonde quer que eu vá, eu descubro que um poeta esteve lá antes de mim". Sigmund Freud Não sou de dar lição a ninguém, pois meu tempo de magistério pertence à História

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS LÍNGUA PORTUGUESA 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Cultura A pluralidade na expressão humana 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 10.2 Conteúdo

Leia mais

Síntese da unidade 4

Síntese da unidade 4 Síntese da unidade 4 Influências da lírica camoniana (Século XVI) Medida velha/corrente tradicional TEMAS Influência dos temas da poesia trovadoresca. Tópicos de circunstância; a saudade, o sofrimento

Leia mais

Luís de Camões (1524?-1580?)

Luís de Camões (1524?-1580?) Prof. André de Freitas Barbosa Análise literária Luís de Camões (1524?-1580?) SONETOS (1595) Aspectos da lírica camoniana Luís de Camões é o maior expoente do Classicismo literário e, por extensão, do

Leia mais

1) Soneto: Enquanto quis Fortuna que tivesse

1) Soneto: Enquanto quis Fortuna que tivesse 1) Soneto: Enquanto quis Fortuna que tivesse Enquanto quis Fortuna que tivesse Esperança de algum contentamento, O gosto de um suave pensamento Me fez que seus versos escrevesse. Porém, temendo Amor que

Leia mais

AULA 03 LITERATURA. Classicismo

AULA 03 LITERATURA. Classicismo AULA 03 LITERATURA Classicismo PROFª Edna Prado O Classicismo, terceiro grande movimento literário da língua portuguesa, marca o início a chamada Era Clássica da Literatura. A Era Clássica é formada por

Leia mais

Literatura 1º ano João J. Classicismo

Literatura 1º ano João J. Classicismo Literatura 1º ano João J. Classicismo LITERATURA 1º ANO Tema: CLASSICISMO O Classicismo, terceiro grande movimento literário da língua portuguesa, marca o início a chamada Era Clássica da Literatura. A

Leia mais

Luís Vaz de Camões Retrato pintado em Goa, 1581.

Luís Vaz de Camões Retrato pintado em Goa, 1581. Luís Vaz de Camões +- 1524-1580 Retrato pintado em Goa, 1581. Vida Provavelmente nasceu e faleceu em Lisboa Um dos maiores poetas da literatura de língua portuguesa Frequentou a corte de D. João III 1755:

Leia mais

luís de camões Sonetos de amor Prefácio de richard zenith

luís de camões Sonetos de amor Prefácio de richard zenith luís de camões Sonetos de amor Prefácio de richard zenith Copyright do prefácio 2016 by Richard Zenith Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que entrou em vigor no

Leia mais

Luís de Camões (Sonetos)

Luís de Camões (Sonetos) Luís de Camões (Sonetos) TEXTO 1 Bendito seja o dia, o mês, o ano A sazão, o lugar, a hora, o momento E o país de meu doce encantamento Aos seus olhos de lume soberano E bendito o primeiro doce afano Que

Leia mais

*O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo,

*O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo, * *O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo, elevando os heróis à suprema dignidade de, através

Leia mais

Orientação de estudos

Orientação de estudos Roteiro de estudos 2º trimestre. Português O roteiro foi montado especialmente para reforçar os conceitos dados em aula. Com os exercícios você deve fixar os seus conhecimentos e encontrar dificuldades

Leia mais

Fabiana Medeiros Júlio Balisa

Fabiana Medeiros Júlio Balisa Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Letras Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID Escola Estadual José Fernandes Machado Subprojeto: Língua Portuguesa Fabiana

Leia mais

Amor. Amor Livre. Amor Livre

Amor. Amor Livre. Amor Livre ...Se o desejo de ser amado for mais forte e você se prender a alguém com insistência, ele se aborrecerá e acabará se afastando de você. O primeiro estágio do amor é a simpatia. A simpatia aumenta e se

Leia mais

Roteiros Mensais para Grupos

Roteiros Mensais para Grupos Roteiros Mensais para Grupos JULHO 2017 INTENÇÃO DE ORAÇÃO DO PAPA Ajudar a aprofundar e rezar com a INTENÇÃO DE ORAÇÃO DO PAPA de cada mês, para mobilizar os grupos e a vida pessoal diante dos grandes

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA - 2016 Nome: Nº 1ª Série Professores : Danilo / Fernando / Nicolas Nota: I Introdução Caro aluno, Neste ano, você obteve média inferior a 6,0 e, portanto, não

Leia mais

Exercícios Revisionais de Língua Portuguesa e Literatura Para 15/06/2015

Exercícios Revisionais de Língua Portuguesa e Literatura Para 15/06/2015 Nome: Nº.: Ano: 1 T: Prof.: Luciana Arleu Vieira Data: 08/06/2015 Exercícios Revisionais de Língua Portuguesa e Literatura Para 15/06/2015 As primeiras manifestações literárias em galego-português ocorreram

Leia mais

DEIXA-ME SENTIR TUA ALMA ATRAVÉS DO TEU CALOROSO ABRAÇO

DEIXA-ME SENTIR TUA ALMA ATRAVÉS DO TEU CALOROSO ABRAÇO EU AMO VOCÊ: DEIXA-ME SENTIR TUA ALMA ATRAVÉS DO TEU CALOROSO ABRAÇO Cleber Chaves da Costa 1 O amor é paciente, o amor é benigno, não é invejoso; o amor não é orgulhoso, não se envaidece; não é descortês,

Leia mais

Sebenta: Camões lírico

Sebenta: Camões lírico Sebenta: Camões lírico Curso: Nome: Nº Turma: Disciplina: Português CAMÕES LÍRICO: Camões produziu poemas nas duas vertentes que vigoravam no seu tempo, a medieval, expressa na medida velha (redondilhas),

Leia mais

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3.

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Senhora, partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem, que nunca tão tristes vistes outros

Leia mais

POEMAS AVULSOS. Gonzaga Filho Página 1

POEMAS AVULSOS. Gonzaga Filho Página 1 Gonzaga Filho Página 1 Gonzaga Filho Página 2 Gonzaga Filho POEMAS AVULSOS Primeira Edição Guamaré RN 2016 Gonzaga Filho Página 3 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira

Leia mais

Solução Comentada Prova de Língua Portuguesa. Texto 1

Solução Comentada Prova de Língua Portuguesa. Texto 1 Texto 1 Lira XXI Marília de Dirceu 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 Não sei, Marília, que tenho, Depois que vi o teu rosto; Pois quanto não é Marília, Já não posso

Leia mais

Introdução à Literatura

Introdução à Literatura L.E. Semana 3 Sexta Feira Introdução à Literatura Gênero Lírico Gênero Lírico Lírico vem do latim lyricu e quer dizer lira, um instrumento musical grego. Áudio: Musique de la Gréce Antique Épitaphe de

Leia mais

O texto poético Noções de versificação

O texto poético Noções de versificação O texto poético Noções de versificação Género lírico métrica, rima, composição Introdução A poesia é uma arte muito antiga e sabe-se que todas as literaturas começaram com textos em versos. Quando ouvimos

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO DO AMOR NA LÍRICA CAMONIANA

A REPRESENTAÇÃO DO AMOR NA LÍRICA CAMONIANA A REPRESENTAÇÃO DO AMOR NA LÍRICA CAMONIANA Marcos Paulo de Azevedo (UERN) marcos_h.p@hotmail.com Maria Joseane Rodrigues Silva (UERN) joseanesilva_29@hotmail.com Introdução Luís Vaz de Camões é considerado

Leia mais

MEU JARDIM DE TROVAS

MEU JARDIM DE TROVAS ANGÉLICA DA SILVA ARANTES MEU JARDIM DE TROVAS PRIMEIRA EDIÇÃO / 2011-1 - SINOPSE: Com intensidade tem se falado sobre o tema trova, acontece que nem todas as pessoas sabem o que é tecnicamente uma trova.

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA Textos literários em meio eletrônico Gregório de Matos

LITERATURA BRASILEIRA Textos literários em meio eletrônico Gregório de Matos LITERATURA BRASILEIRA Textos literários em meio eletrônico Gregório de Matos Texto-fonte: Obra Poética, de Gregório de Matos, 3ª edição, Editora Record, Rio de Janeiro, 1992. Crônica do Viver Baiano Seiscentista

Leia mais

António Gedeão. Relógio D'Água. Notas Introdutórias de Natália Nunes. A 383134 Obra Completa

António Gedeão. Relógio D'Água. Notas Introdutórias de Natália Nunes. A 383134 Obra Completa António Gedeão A 383134 Obra Completa Notas Introdutórias de Natália Nunes Relógio D'Água ÍNDICE Notas Introdutórias de Natália Nunes 19 Poesia POESIAS COMPLETAS (1956-1967) A Poesia de António Gedeão

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

Sheikespir, sim, é que era bão: só escrivia citação! (Millôr Fernandes) *

Sheikespir, sim, é que era bão: só escrivia citação! (Millôr Fernandes) * Sheikespir, sim, é que era bão: só escrivia citação! (Millôr Fernandes) * * Este livro é dedicado a Millôr Fernandes, o melhor de todos. 12 Shakespeare disse, disse, disse... A mulher e um prato para os

Leia mais

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana.

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. 30.2 Conteúdo: Intertextualidade no texto literário. Habilidade: Estabelecer, em textos de diferentes gêneros, relações entre recursos verbais e não

Leia mais

ALMA CRUCIFICADA. A alma que o próprio Senhor Quis voltar seu olhar E quis revelar seus mistérios Prá nela habitar

ALMA CRUCIFICADA. A alma que o próprio Senhor Quis voltar seu olhar E quis revelar seus mistérios Prá nela habitar ALMA CRUCIFICADA A alma que o próprio Senhor Quis voltar seu olhar E quis revelar seus mistérios Prá nela habitar Recebe do Crucificado A prova de amor Forjada aos pés do madeiro Sentirá também sua dor

Leia mais

Minha inspiração. A Poesia harmoniza o seu dia

Minha inspiração. A Poesia harmoniza o seu dia Minha inspiração A Poesia harmoniza o seu dia Meu jeito de amar Meu jeito de amar é alegre e autêntico É sincero puro e verdadeiro Meu jeito de amar é romântico Me doo me dedico por inteiro Meu jeito de

Leia mais

INVASORA DOS MEUS SONHOS

INVASORA DOS MEUS SONHOS Gonzaga Filho Página 1 Gonzaga Filho Página 2 Gonzaga Filho INVASORA DOS MEUS SONHOS Primeira Edição Guamaré - RN 2015 Gonzaga Filho Página 3 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara

Leia mais

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS Estilos de época Estilos de época O que são? Traços comuns na produção de um mesmo período/época. O amor em Camões Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito

Leia mais

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos.

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos. Aos Poetas Venho prestar homenagem a uma grande nação, Que são os nossos poetas que escrevem com dedicação, Os poemas mais lindos e que por todos são bemvindos, Que vem trazer esperança a um povo tristonho,

Leia mais

Atividade extra. Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Atividade extra. Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Atividade extra Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos Textos para os itens 1 e 2 I. Pálida, à luz da lâmpada sombria Sobre o leito de flores reclinada, como a lua

Leia mais

FIGURAS DE LINGUAGEM

FIGURAS DE LINGUAGEM FIGURAS DE LINGUAGEM Figuras de linguagem figura do latim aspecto, forma, aparência. Exercem papel preponderante na construção do sentido do texto literário. QUAIS AS FIGURAS DE LINGUAGEM MAIS COMUNS?

Leia mais

Eis que chega meu grande amigo, Augusto dos Anjos, ele com seu jeitão calado e sempre triste, me fala que não irá existir palavra alguma para

Eis que chega meu grande amigo, Augusto dos Anjos, ele com seu jeitão calado e sempre triste, me fala que não irá existir palavra alguma para Oceano em Chamas Querida, Tentei em vão, fazer um poema a você, não consegui. Me faltavam palavras para descrever-te, então pedi aos poetas do universo para me ajudarem. O primeiro com quem conversei,

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO. Profa. Ma. Marina Kaiser

Unidade II COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO. Profa. Ma. Marina Kaiser Unidade II COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Profa. Ma. Marina Kaiser Intertextualidade A intertextualidade é uma forma de diálogo entre os textos. Para que o leitor possa interpretar esse diálogo, é necessário

Leia mais

Luís Vaz de Camões. prof.: Pedro Augusto Furasté

Luís Vaz de Camões. prof.: Pedro Augusto Furasté EXERCÍCIO COM TEXTO SONETO Luís Vaz de Camões prof.: Pedro Augusto Furasté 1. Apenas um dos pares abaixo não se opõe. Assinale-o: a) dói / não se sente b) ganhar / perder c) querer // bem-querer d) contentamento

Leia mais

BARROCO PROFª FLÁVIA ANDRADE

BARROCO PROFª FLÁVIA ANDRADE BARROCO PROFª FLÁVIA ANDRADE CONTEXTO HISTÓRICO Século XVII; Fim do ciclo das grandes navegações; Mudanças políticas e socioeconômicas; Reforma Protestante, 1517; Contrarreforma, 1563. *Barroco: pedra

Leia mais

Confiança Estereótipos de Género e Papéis Sociais

Confiança Estereótipos de Género e Papéis Sociais Amor Ciúme Confiança Estereótipos de Género e Papéis Sociais Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer.. Luís Vaz de

Leia mais

Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 A linguagem nas tirinhas e nas charges

Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 A linguagem nas tirinhas e nas charges Atividade extra Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 A linguagem nas tirinhas e nas charges Leia a tirinha para responder às próximas questões Disponível em http://lpressurp.wordpress.com/2011/02/14/lista-de-exercicios/

Leia mais

3) As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a:

3) As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a: ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA - LITERATURA PROFESSOR: Renan Andrade TURMA: 1ª Série EM REVISÃO 1) Comente a respeito das vertentes lírica e épica da poesia de Camões. 2) Não se relaciona à medida

Leia mais

1º Edição

1º Edição Sensações 1º Edição WWW.Perse.com.br Página 1 Codinome: Tabrao Email: Tania_morenagata@hotmail.com Nasceu no dia 09 de Agosto de 1984 Natural da cidade de Lapa - PR Reside a Rua Francisco Veloso, 282 Ponta

Leia mais

Especulações sobre o amor

Especulações sobre o amor Especulações sobre o amor Janete Luiz Dócolas, Psicanalista O amor é um mistério que há muito tempo, talvez desde que fora percebido, os homens vem tentando compreender, descrever ou ao menos achar um

Leia mais

Encarte

Encarte Encarte e letras disponíveis em Encarte www.encartedigitalmk.com.br e letras disponíveis em Conheça mais esta inovação da MK Music. Uma empresa que pensa no futuro www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais

Leia mais

LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS

LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS OS GÊNEROS LITERÁRIOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS OS GÊNEROS LITERÁRIOS Conceito; Origem; Classificação. OS GÊNEROS LITERÁRIOS GÊNERO ÉPICO OU NARRATIVO; LÍRICO OU POÉTICO; DRAMÁTICO OU TEATRAL. O GÊNERO

Leia mais

01- Todos os pássaros se arrumaram para a escolha de Júpiter. a) O que a gralha fez de diferente? R.: b) Por que fez isso? R.:

01- Todos os pássaros se arrumaram para a escolha de Júpiter. a) O que a gralha fez de diferente? R.: b) Por que fez isso? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PRODUÇÃO TEXTUAL - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEXTO 1 A

Leia mais

Se nela está minha alma transformada, que mais deseja o corpo de alcançar? Em si somente pode descansar, pois consigo tal alma está liada.

Se nela está minha alma transformada, que mais deseja o corpo de alcançar? Em si somente pode descansar, pois consigo tal alma está liada. SONETOS DE CAMÕES Camões escreveu peças de teatro (Anfitriões, Filodemo, El rei Seleuco), a obra épica Os Lusíadas (única obra publicada em vida) e mais de duas centenas de soneto. O soneto é uma forma

Leia mais

Biblioteca. Educação literária. Poesia - 8o ano

Biblioteca. Educação literária. Poesia - 8o ano Biblioteca Educação literária Poesia - 8o ano AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE CANELAS BIBLIOTECA Conteúdo Sá de Miranda......4 Comigo me desavim,...4 O sol é grande, caem co a calma as aves,...4 Luís

Leia mais

Em síntese Camões Lírico. Maria Serafina Roque

Em síntese Camões Lírico. Maria Serafina Roque Em síntese Camões Lírico Maria Serafina Roque A época Renascimento movimento cultural que se caracteriza pelo gosto pelos textos da Antiguidade Clássica e que reflete a crença nas potencialidades do Homem,

Leia mais

PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II. Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira

PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II. Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira Descritor 15 Estabelecer relações lógicodiscursivas presentes no texto, marcadas por conjunções, advérbios

Leia mais

A vista incerta, Os ombros langues, Pierrot aperta As mãos exangues De encontro ao peito. (Manuel Bandeira)

A vista incerta, Os ombros langues, Pierrot aperta As mãos exangues De encontro ao peito. (Manuel Bandeira) SONORIDADE: FIGURAS E SENTIDO Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida, descontente, Repousa lá no Céu eternamente E viva eu cá na terra sempre triste. (Luís de Camões) A vista incerta, Os

Leia mais

AULA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos 1.2 Habilidade: Distinguir e utilizar a linguagem conotativa através das figuras de linguagem de som e de construção de forma textualizada.

Leia mais

Sócrates, Sofistas, Platão e Aristóteles (ética) Séc. III e IV a. C

Sócrates, Sofistas, Platão e Aristóteles (ética) Séc. III e IV a. C Sócrates, Sofistas, Platão e Aristóteles (ética) Séc. III e IV a. C Nunca deixou nada escrito Patrono da Filosofia Sh As principais fontes: Platão, Xenofonte e Aristóteles Questões Antropológicas O início

Leia mais

Poemas de um Fantasma. Fantasma Souza

Poemas de um Fantasma. Fantasma Souza 1 2 3 Poemas de um Fantasma Fantasma Souza 2012 4 5 Fantasma Souza Todos os Direitos Reservados TITULO ORIGINAL POEMAS DE UM FANTASMA Projeto Gráfico Midiartes Capa Erisvaldo Correia Edição e Comercialização

Leia mais

Arcadismo / Neoclassicismo

Arcadismo / Neoclassicismo Melhores Poemas de Cláudio Manuel da Costa (UPF) Arcadismo / Neoclassicismo Minas Gerais Vila Rica Século XVIII Contexto século XVIII Iluminismo Razão como luz da História A Liberdade guiando o povo, Delacroix

Leia mais

Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa

Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa Prof. Thiago Robson Aletro As Trovas Medievais Contexto histórico-cultural Idade Média (Séc XII) Feudalismo/vassalage m Nobreza Teocentrismo Cruzadas Galego-Português

Leia mais

ANÁLISE ESTILÍSTICA DE LETRAS DE MÚSICAS: CONTRIBUIÇÕES PARA A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA

ANÁLISE ESTILÍSTICA DE LETRAS DE MÚSICAS: CONTRIBUIÇÕES PARA A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA ANÁLISE ESTILÍSTICA DE LETRAS DE MÚSICAS: CONTRIBUIÇÕES PARA A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA Andréia Gaeta de Pontes Geraldo andreia17nov@hotmail.com Aline Sirlene de Souza alinesouza_guap@hotmail.com Josiane

Leia mais

Planificação Anual. Disciplina de Português

Planificação Anual. Disciplina de Português Planificação Anual Disciplina de Português N.º e nome Módulo Horas Tempos (45 ) Conteúdos de cada módulo 1. Poesia trovadoresca - Contextualização histórico-literária - Espaços medievais, protagonistas

Leia mais

Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este

Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este Vivo num sonho que não é realidade Faz parte do meu viver Crescer sonhando esquecendo os planos Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este EU Hoje deixei pra lá me esqueci de tudo Vivo minha vida sobre

Leia mais

Prefácio. Santo Tomás de Aquino. Suma Teológica, II-II, q. 28, a. 4.

Prefácio. Santo Tomás de Aquino. Suma Teológica, II-II, q. 28, a. 4. Prefácio A vida de São Francisco de Assis foi e continua sendo fonte de inspiração para tantos homens e mulheres de boa vontade que, percebendo a beleza que emana do amor, desejam experimentar também a

Leia mais

Bárbara da Silva. Literatura. Aula 12 - Barroco

Bárbara da Silva. Literatura. Aula 12 - Barroco Bárbara da Silva Literatura Aula 12 - Barroco Reforma protestante x contra-reforma Em 1517, na Alemanha, Martinho Lutero provocou uma cisão no seio da Igreja Católica apresentando suas teses sobre os abusos

Leia mais

Metáfora. Ó minha amada Que olhos os teus São cais noturnos cheios de adeus. São docas mansas. Que brilham longe Longe nos breus. Vinicius de Moraes

Metáfora. Ó minha amada Que olhos os teus São cais noturnos cheios de adeus. São docas mansas. Que brilham longe Longe nos breus. Vinicius de Moraes Metáfora Ó minha amada Que olhos os teus São cais noturnos cheios de adeus. São docas mansas Trilhando luzes Que brilham longe Longe nos breus. Vinicius de Moraes Comparação ou símile Amar é comomudar

Leia mais

OBRAS LITERÁRIAS PARA OS PROGRAMAS DE INGRESSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE INGRESSO SELETIVO MISTO PISM

OBRAS LITERÁRIAS PARA OS PROGRAMAS DE INGRESSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE INGRESSO SELETIVO MISTO PISM OBRAS LITERÁRIAS PARA OS PROGRAMAS DE INGRESSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE INGRESSO SELETIVO MISTO PISM Módulo I do triênio 2009-2011 Sonetos líricos e satíricos: Gregório de Matos

Leia mais

PROPOSTA PARA EVIDENCIAR COMPETÊNCIAS DE LEITURA

PROPOSTA PARA EVIDENCIAR COMPETÊNCIAS DE LEITURA PROPOSTA PARA EVIDENCIAR COMPETÊNCIAS DE LEITURA NOTA: LEIA ATENTAMENTE ESTE DOCUMENTO QUE CONTÉM UMA PARTE TEÓRICA E UMA PARTE PRÁTICA: UM EXEMPLO DAQUILO QUE DEVEM FAZER INTRODUÇÃO: PARTE UM: TEORIA

Leia mais

A fortaleza nas provas (2 Macabeus 7)

A fortaleza nas provas (2 Macabeus 7) Ficha No. 13 A fortaleza nas provas (2 Macabeus 7) os dons no momento da prova O r d e m d o s S e r v o s d e M a r i a Aconteceu também que sete irmãos foram presos, junto com sua mãe... o rei queria

Leia mais

PROVA DE LITERATURA 2 o BIMESTRE DE 2012 PROF. BANDINI

PROVA DE LITERATURA 2 o BIMESTRE DE 2012 PROF. BANDINI PROVA DE LITERATURA 2 o BIMESTRE DE 2012 PROF. BANDINI Boa Prova NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta

Leia mais

Alguns autores escrevem de acordo com o novo A. O., outros segundo a antiga ortografia

Alguns autores escrevem de acordo com o novo A. O., outros segundo a antiga ortografia Olhar de Amor - COLECTÂNEA DE POESIA - VÁRIOS AUTORES Título Olhar de Amor Colectânea de Poesia - Edição Tecto de Nuvens, Edições e Artes Gráficas, LDA. Rua Camilo Pessanha, 152, 4435-638 Baguim do Monte

Leia mais

SONETOS CAMONIANOS. Errei todo o discurso dos meus anos; Dei causa [a] que a Fortuna castigasse As minhas mal fundadas esperanças.

SONETOS CAMONIANOS. Errei todo o discurso dos meus anos; Dei causa [a] que a Fortuna castigasse As minhas mal fundadas esperanças. SONETOS CAMONIANOS LUÍS VAZ DE CAMÕES O LÍRICO Camões soube, como nenhum outro poeta, entrelaçar as formas da poesia culta, aristocrática de seu tempo e a lírica tradicional, bela e ingênua dos cancioneiros

Leia mais

CASO LUCAS TERRA - (Repassando)

CASO LUCAS TERRA - (Repassando) CASO LUCAS TERRA - (Repassando) Meu nome é CARLOS TERRA, sou pai do estudante LUCAS TERRA,14 anos, que foi QUEIMADO VIVO no dia 21/03/2001, segundo Laudo da Policia Técnica e científica. Meu filho foi

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO. Maria Helena Freiria

LÍNGUA PORTUGUESA NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO. Maria Helena Freiria LÍNGUA PORTUGUESA NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO Maria Helena Freiria Ortografia Significado A palavra ortografia é formada por orto elemento de origem grega que significa direito, reto, exato e por grafia, elemento

Leia mais

A tristeza. A tristeza

A tristeza. A tristeza E a leitura continua..."o Principezinho" - quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2013 No capítulo V, o Principezinho demonstra muita tristeza nas suas palavras. Após a leitura, foi proposto aos alunos escreverem

Leia mais

Classicismo. Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra

Classicismo. Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra Classicismo Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra Contexto O século XV traz o ser humano para o centro dos acontecimentos, relegando para segundo plano o deus todopoderoso do período medieval.

Leia mais

Língua Portuguesa. Respostas das Atividades

Língua Portuguesa. Respostas das Atividades Língua Portuguesa Respostas das Atividades LL.01 2. d 3. a) Em ambos os textos, a amada procura desprezar o amante ou aquele que a admira. b) Texto I: e me non falou Texto II: e nem escuta quem apela c)

Leia mais

Figuras de Linguagem

Figuras de Linguagem Figuras de Linguagem FIGURAS DE LINGUAGEM são recursos que tornam mais expressivas as mensagens. Subdividem-se em figuras de som, figuras de construção, figuras de pensamento e figuras de palavras. FIGURAS

Leia mais

Encarte

Encarte Encarte e letras disponíveis em Encarte www.encartedigitalmk.com.br e letras disponíveis em Conheça mais esta inovação da MK Music. Uma empresa que pensa no futuro www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais

Leia mais

MATERIAL PARA SEMANA DE REVISÃO LITERATURA. 1. (Unicamp 2016) Leia o soneto abaixo, de Luís de Camões:

MATERIAL PARA SEMANA DE REVISÃO LITERATURA. 1. (Unicamp 2016) Leia o soneto abaixo, de Luís de Camões: MATERIAL PARA SEMANA DE REVISÃO LITERATURA 1. (Unicamp 2016) Leia o soneto abaixo, de Luís de Camões: Cá nesta Babilônia, donde mana matéria a quanto mal o mundo cria; cá donde o puro Amor não tem valia,

Leia mais

CONHECE DEUS NA SUA ESSÊNCIA O AMOR

CONHECE DEUS NA SUA ESSÊNCIA O AMOR 2ªf (28 set) CONHECE DEUS NA SUA ESSÊNCIA O AMOR Guia Bom Dia! Jesus, numa das suas Parábolas, compara Deus a um pastor. Ao apresentar esta parábola, Jesus quis mostrar o tamanho do amor de Deus pelas

Leia mais

Língua Portuguesa e Literatura. Recuperação Anual e Periódica

Língua Portuguesa e Literatura. Recuperação Anual e Periódica Ensino Médio Comp. Curricular: Língua Portuguesa e Literatura Data: 3º Período Aluno (a): Nº Turma: -1M Professor: Márcia e Ivan Língua Portuguesa e Literatura Recuperação Anual e Periódica ORIENTAÇÕES

Leia mais

Platão, desiludido com a. escola de filosofia a Academia.

Platão, desiludido com a. escola de filosofia a Academia. Platão era filho da aristocracia ateniense. Foi discípulo de Sócrates. Sua obra reflete o momento caótico pelo qual passou Atenas no decorrer de sua vida A crise da sociedade ateniense está ligada à guerra

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 1º ano FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

COLÉGIO MONJOLO QUIZ N / 3 BIMESTRE PORTUGUÊS - ELIANE Aluno(a): 1ª Série

COLÉGIO MONJOLO QUIZ N / 3 BIMESTRE PORTUGUÊS - ELIANE Aluno(a): 1ª Série COLÉGIO MONJOLO QUIZ N 19 2017 / 3 BIMESTRE PORTUGUÊS - ELIANE Aluno(a): 1ª Série Data da entrega: 01/09/2017. 1. (FUVEST) Na avaliação da autora, o que habitualmente caracteriza a relação do adulto com

Leia mais

CONVITE. c Mateus C

CONVITE. c Mateus C CONVITE Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas

Leia mais

Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS

Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Literários GÊNERO ÉPICO (NARRATIVO) = Quando é contada uma história.

Leia mais

Classicismo em Portugal

Classicismo em Portugal Classicismo em Portugal Contexto Histórico Desenvolvimento do comércio; Reforma Protestante; Desenvolvimento científico-tecnológico Navegações Antropocentrismo Imprensa Nas artes valorização dos clássicos

Leia mais

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486 Luís Vaz de Camões 1º Abs Joana Santos nº2486 Ano lectivo: 2010/2011 Índice.. 2 Introdução...3 Vida de Luís de Camões.. 4 Obra. 5 Conclusão 6 Bibliografia..7 2 Neste trabalho irei falar sobre Luís Vaz

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1º EM Literatura Klaus Av. Dissertativa 21/09/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Encarte e letras disponíveis em Conheça mais esta inovação da MK Music. Uma empresa que pensa no futuro.

Encarte e letras disponíveis em  Conheça mais esta inovação da MK Music. Uma empresa que pensa no futuro. Encarte e letras disponíveis em www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music. Uma empresa que pensa no futuro. MARINA DE OLIVEIRA CASSIANE E JAIRINHO FERNANDA BRUM YERUSHALÉM VOCE

Leia mais

Velho do Restelo. De mil Religiosos diligentes, Em procissão solene, a Deus orando, Pera os batéis viemos caminhando.

Velho do Restelo. De mil Religiosos diligentes, Em procissão solene, a Deus orando, Pera os batéis viemos caminhando. 88 A gente da cidade, aquele dia, Da partida (Uns por amigos, outros por parentes, Outros por ver somente) concorria, curiosos Saudosos na vista e descontentes. E nós, co a virtuosa companhia O Gama e

Leia mais