Síntese da unidade 4

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Síntese da unidade 4"

Transcrição

1 Síntese da unidade 4

2 Influências da lírica camoniana (Século XVI) Medida velha/corrente tradicional TEMAS Influência dos temas da poesia trovadoresca. Tópicos de circunstância; a saudade, o sofrimento amoroso, a beleza da mulher, o ambiente pastoril; temas autobiográficos e filosóficos; o desconcerto do mundo; o desengano e o Amor. Medida nova/corrente clássica TEMAS Influência greco-latina (Renascimento) e petrarquista (Petrarca). O amor platónico e as suas contradições; a saudade; a mulher amada e os efeitos sobre a Eu; a morte da amada e o desconcerto sentimental, a FORMAS natureza (Locus amoenus) e a sua profunda relação com o Eu; temas autobiográficos e filosóficos; o desconcerto do mundo; a mudança. Métrica: redondilha maior (7 sílabas) FORMAS redondilha menor (5 sílabas) Vilancete. Cantiga. Esparsa. Endecha. Métrica: verso decassílabo (10 sílabas) Soneto.

3 Formas: medida velha e medida nova Formas da medida velha Vilancete: poema constituído por um mote, de dois ou três versos, e por voltas, de sete, sendo o último a repetição, com ou sem variante, do verso final do mote. Cantiga: poema composto por um mote de quatro ou cinco versos e glosas de oito, nove ou dez versos, com a repetição total ou parcial do último verso do mote no final de cada volta. Esparsa: composição de uma única estrofe, que varia entre oito e dezasseis versos. Endecha: poema formado por um número variável de estrofes (quadras ou oitavas), com versos de cinco ou seis sílabas.

4 Formas: medida velha e medida nova Formas da medida nova (dolce stil nuovo italiano) Soneto: poema constituído por duas quadras e dois tercetos de versos decassilábicos, geralmente de esquema rimático abba/abba, nas quadras, e cde/cde ou cde/dce ou cdc/dcd, nos tercetos; no último terceto, a «chave de ouro», sugere-se/ revela-se o significado do soneto (normalmente, através de um pensamento elevado).

5 Síntese da unidade 4 A representação da amada. A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor. A representação da natureza. A reflexão sobre a vida pessoal. O desconcerto do mundo. A mudança.

6 A representação da amada Retrato objetivo/ realista Imagem da mulher retirada da vida quotidiana; heroínas apaixonadas, alegres, prontas a lutar pelos seus interesses e sentimentos. Ex.: «Leva na cabeça o pote» (p. 170) Mulher petrarquista Modelo feminino de cabelos loiros, pele branca e beleza serena, não palpável; abstrata; inacessível; símbolo de harmonia e perfeição, a beleza física está em equilíbrio com a beleza interior. Modelo feminino com características psicológicas muito marcantes: brandura, piedade, gravidade, modéstia, bondade e serenidade. Ex.: «Um mover d olhos, brando e piadoso» (p. 178) Leonardo da Vinci, Senhora com arminho, c (pormenor).

7 A experiência amorosa e a reflexão sobre o amor BINÓMIO CONTRADITÓRIO Amor espiritual e carnal, correspondente a dois tipos de mulher: A IDEAL A SENSUAL Amor físico/ carnal Amor platónico/espiritual A mulher ideal é objeto de culto, intocável e distante. Quando o sujeito deseja o objeto amado, surge a torturante contradição interior. Ex.: «Pede o desejo, Dama, que vos veja» (p. 182)

8 A representação da natureza

9 A representação da natureza Locus amoenus - paisagem ideal (campo fresco e verdejante, com vasto arvoredo e flores floridas, pássaros e doces odores) conducente ao amor, ao encantamento sensorial e espiritual do Homem. ENCANTAMENTO SENSORIAL DO HOMEM Personificação da natureza. ENCANTAMENTO ESPIRITUAL DO HOMEM Reflexo do estado de alma do poeta. Ex.: «Alegres campos, verdes arvoredos» (p. 185)

10 A reflexão sobre a vida pessoal A poesia camoniana mantém um diálogo com a biografia do poeta. Camões apresenta o Destino e as suas próprias ações como responsáveis pelo seu infortúnio. Reflexão sobre as causas do sofrimento atual (proveniente dos erros cometidos, do amor fracassado e de ser vítima de desígnios superiores). Retrato de Luís de Camões, de autor desconhecido, primeira metade do século XVII. Ex.: «Erros meus, má fortuna, amor ardente» (p. 188)

11 O desconcerto do mundo O mundo é um «desconcerto», no qual os prémios e castigos estão distribuídos desconformemente. Crescente interesse dos homens por valores materiais. Sofrimento pessoal do poeta por ser vítima de um Destino fatal e cruel. Ex.: «Os bons vi sempre passar» (p. 191) Hieronymus Bosh, O jardim das delícias: Inferno (tríptico, painel lateral direito),

12 A mudança Contraposição entre a mudança do tempo e a constância da própria alma. Oposição entre o passado contente e o presente infeliz. A mudança na Natureza é cíclica e harmónica. No Homem, a mudança opera-se sempre do bem para o mal. Ex.: «Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades» (p. 196) Mário Cesariny, Sem título, 1949.

*O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo,

*O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo, * *O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo, elevando os heróis à suprema dignidade de, através

Leia mais

Teste de Avaliação n.º 2 - Correção

Teste de Avaliação n.º 2 - Correção Teste de Avaliação n.º - Correção 0.º CT fevereiro/0 GRUPO I A. F. F. V 4. V 5. F 6. V 7. V B 7 X 5 pontos. 5 pontos. Era rara a correspondência mantida entre Camões e destinatário da carta.. Depreende-se

Leia mais

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor.

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. O Poeta canta o amor platónico, a saudade, o destino e a beleza

Leia mais

Alegres campos, verdes arvoredos. Elaborado por: André Cabral Carina Goulart Débora Melo Joana Costa

Alegres campos, verdes arvoredos. Elaborado por: André Cabral Carina Goulart Débora Melo Joana Costa Alegres campos, verdes arvoredos Elaborado por: André Cabral Carina Goulart Débora Melo Joana Costa Alegres campos, verdes arvoredos (pp. 85/86 manual) Alegres campos, verdes arvoredos, claras e frescas

Leia mais

Sebenta: Camões lírico

Sebenta: Camões lírico Sebenta: Camões lírico Curso: Nome: Nº Turma: Disciplina: Português CAMÕES LÍRICO: Camões produziu poemas nas duas vertentes que vigoravam no seu tempo, a medieval, expressa na medida velha (redondilhas),

Leia mais

António Gedeão. Relógio D'Água. Notas Introdutórias de Natália Nunes. A 383134 Obra Completa

António Gedeão. Relógio D'Água. Notas Introdutórias de Natália Nunes. A 383134 Obra Completa António Gedeão A 383134 Obra Completa Notas Introdutórias de Natália Nunes Relógio D'Água ÍNDICE Notas Introdutórias de Natália Nunes 19 Poesia POESIAS COMPLETAS (1956-1967) A Poesia de António Gedeão

Leia mais

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3.

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Senhora, partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem, que nunca tão tristes vistes outros

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 8 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou às Unidades 1 e 2 do Livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 1º ano FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

O substantivo faz parte da classe de palavras variáveis da língua portuguesa. Isso quer dizer que pode apresentar flexões de gênero, número e grau.

O substantivo faz parte da classe de palavras variáveis da língua portuguesa. Isso quer dizer que pode apresentar flexões de gênero, número e grau. s O substantivo faz parte da classe de palavras variáveis da língua portuguesa. Isso quer dizer que pode apresentar flexões de gênero, número e grau. A definição de substantivo é: a palavra que dá nome

Leia mais

Planificação do trabalho a desenvolver com a turma G do 10º ano (ano letivo 2015/2016) Conteúdos / Temas a lecionar

Planificação do trabalho a desenvolver com a turma G do 10º ano (ano letivo 2015/2016) Conteúdos / Temas a lecionar Disciplinas Português Aulas Previstas (aulas de 50 min) Planificação do trabalho a desenvolver com a turma G do 10º ano (ano letivo 2015/2016) Conteúdos / Temas a lecionar 1º 2º 3º 1º Período 2º Período

Leia mais

Língua Portuguesa 10º ano. Planificação anual e trimestral

Língua Portuguesa 10º ano. Planificação anual e trimestral Língua Portuguesa 10º ano Planificação anual e trimestral Ano lectivo: 2010 / 2011 As competências e objectivos que a seguir se indicam foram escolhidos e extraídos do Programa, no âmbito da Leitura, da

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 5º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 UM, DOIS, TRÊS COMEÇAR! UNIDADE

Leia mais

PROJETO EDUCARE. (Educação, Amor e. Reconhecimento)

PROJETO EDUCARE. (Educação, Amor e. Reconhecimento) EDUCAÇÃO DA VIDA PROJETO EDUCARE (Educação, Amor e Reconhecimento) DESEJOS FUNDAMENTAIS DO SER HUMANO EDUCAÇÃO AMOR RECONHECIMENTO EDUCAÇÃO *Ser elogiado AMOR *Ser amado *Ser livre RECONHECIMENTO *Ser

Leia mais

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é:

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é: Tovadorismo 1 - (PUC-Camp - 2011) A poesia medieval procurou enaltecer os valores e as virtures do cavaleiro. Nessa poesia, o amor cortês, referido no texto, pressupunha uma concepção mítica do amor, que

Leia mais

PROVA DE LITERATURA 2 o BIMESTRE DE 2012 PROF. BANDINI

PROVA DE LITERATURA 2 o BIMESTRE DE 2012 PROF. BANDINI PROVA DE LITERATURA 2 o BIMESTRE DE 2012 PROF. BANDINI Boa Prova NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

CAMÕES E A BÍBLIA: INTERTEXTUALIDADE NA LITERATURA PORTUGUESA

CAMÕES E A BÍBLIA: INTERTEXTUALIDADE NA LITERATURA PORTUGUESA CAMÕES E A BÍBLIA: INTERTEXTUALIDADE NA LITERATURA PORTUGUESA Maria Aparecida da Costa Gonçalves Ferreira 1 RESUMO: O estudo analisa o soneto Sete anos de pastor Jacob servia, de Camões, levando em consideração

Leia mais

OS LUSÍADAS, DE LUÍS DE CAMÕES

OS LUSÍADAS, DE LUÍS DE CAMÕES PORTUGUÊS 9º ANO Prof. António Alves OS LUSÍADAS, DE LUÍS DE CAMÕES PROVA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA I CONTEXTUALIZAÇÃO: RENASCIMENTO, HUMANISMO E CLASSICISMO 1. O Renascimento é a aceitação das formas artísticas:

Leia mais

Tanto de meu estado me acho incerto, Que em vivo ardor tremendo estou de frio; Sem causa, justamente choro e rio, O mundo todo abarco e nada aperto.

Tanto de meu estado me acho incerto, Que em vivo ardor tremendo estou de frio; Sem causa, justamente choro e rio, O mundo todo abarco e nada aperto. Nome: Nº: Turma: Português 1º ano Tanto de meu estado me acho incerto João J. Nov/09 Tanto de meu estado me acho incerto (Poema), de Luís Vaz de Camões O soneto Tanto de meu estado me acho incerto, de

Leia mais

CURRÍCULOS 2015/2016

CURRÍCULOS 2015/2016 CURRÍCULOS 2015/2016 Ensino Regular Departamento: Línguas Disciplina: Português Ano de Escolaridade: 10º ano 1.º Período Aulas Previstas: +/- 54 Conteúdos Programáticos: Unidade 0 Diagnóstico e Projeto

Leia mais

C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O

C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O Nome: N.º: Turma: Professora: Série: 1ª Data: / / LISTA DE RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA 1ª SÉRIE Texto 1: (As Brumas de Avalon Marion Zimmer Bradley,

Leia mais

ROTEIRO 23. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

ROTEIRO 23. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas ROTEIRO 23 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Objetivos Esclarecer por que a aceitação da influência espiritual comprova a continuidade

Leia mais

Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA

Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Orientações: - A lista deverá ser respondida na própria folha impressa ou em folha de papel

Leia mais

Trabalho realizado por: Mónica Algares. Nº10 Turma: S Ano: 11º. Disciplina de: Português. Módulo 8

Trabalho realizado por: Mónica Algares. Nº10 Turma: S Ano: 11º. Disciplina de: Português. Módulo 8 Trabalho realizado por: Mónica Algares Nº10 Turma: S Ano: 11º Disciplina de: Português Módulo 8 José Joaquim Cesário Verde nasceu no dia 25 de Fevereiro de 1855 em Lisboa, na Rua da Padaria, freguesia

Leia mais

O tempo outro na poesia de José Albano

O tempo outro na poesia de José Albano O tempo outro na poesia de José Albano Jorge Pieiro Mestre em Literatura Brasileira - UFC Resumo Estudo crítico sobre a atemporalidade da poesia do cearense José Albano, baseado na análise histórico-comparativa

Leia mais

Festa Sagrada Família

Festa Sagrada Família Festa Sagrada Família Homilia para a Família Salesiana (P. J. Rocha Monteiro) Sagrada Família de Jesus, Maria e José 1. No Domingo, dentro da oitava do Natal, celebra-se sempre a festa da Sagrada Família.

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL ANÁPOLIS, PROFESSORA: ALUNO (A): ANO: MÊS: DOMINGO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO

ESCOLA MUNICIPAL ANÁPOLIS, PROFESSORA: ALUNO (A): ANO: MÊS: DOMINGO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO PREENCHA O CALENDÁRIO ABAIXO: MÊS: DOMINGO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO AGORA, RESPONDA: A) QUANTOS DIAS TÊM NO MÊS? B) QUE DIA DA SEMANA COMEÇOU O MÊS? C) QUE DIA DA SEMANA TERMINOU O MÊS?

Leia mais

Disciplina: Literatura Professor (a): Felipe Amaral

Disciplina: Literatura Professor (a): Felipe Amaral COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2012 Disciplina: Literatura Professor (a): Felipe Amaral Ano: 2012 Turma:1º ano FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Livros de leitura orientada BE do Fujacal

Livros de leitura orientada BE do Fujacal Nº Capa TÍTULO AUTOR Exempl. Observações 1. O Gato dos Bigodes Soledade Martinho Costa Narrativa em verso ilustrada. 2. Uma Vaca de Estimação Luísa Ducla Soares Narrativa em prosa, com ilustrações 3. Uma

Leia mais

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do ROMANTISMO O ROMANTISMO O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do século XVIII. Perdura até meados do século XIX. Opunhase ao classicismo, ao racionalismo e Iluminismo.

Leia mais

urn Exercício de Análise

urn Exercício de Análise urn Exercício de Análise Maria Lúcia de Barros Camargo Andaló * "Peregrinação" Bandeira, Manuel. "Estrela da Tarde", Poesia Completa e Prosa, Rio,Aguilar 1974, p. 326. Quando olhada de face, era um abril.

Leia mais

Representações da superfície terrestre

Representações da superfície terrestre Representações da superfície terrestre Representações da superfície terrestre Formas de representação Formas de representação Mapas mentais Representações da imagem mental que cada um adquire de uma determinada

Leia mais

21. Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo. 22. Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor, 23. pois o marido é o cabeça da

21. Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo. 22. Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor, 23. pois o marido é o cabeça da 21. Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo. 22. Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor, 23. pois o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, que

Leia mais

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino do futebol/ futsal A metodologia para o ensino do futebol até a especialização

Leia mais

PROBABILIDADE. Numero de Resultados Desejado Numero de Resultados Possiveis EXERCÍCIOS DE AULA

PROBABILIDADE. Numero de Resultados Desejado Numero de Resultados Possiveis EXERCÍCIOS DE AULA PROBABILIDADE São duas as questões pertinentes na resolução de um problema envolvendo probabilidades. Primeiro, é preciso quantificar o conjunto de todos os resultados possíveis, que será chamado de espaço

Leia mais

REDAÇÃO LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL FUNÇÕES DA LINGUAGEM PROFª ISABEL LIMA

REDAÇÃO LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL FUNÇÕES DA LINGUAGEM PROFª ISABEL LIMA REDAÇÃO LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL FUNÇÕES DA LINGUAGEM PROFª ISABEL LIMA LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL Linguagem verbal faz uso das palavras, escritas ou faladas. Linguagem não verbal inclue algumas

Leia mais

As redondilhas de Camões

As redondilhas de Camões As redondilhas de Camões O Renascimento coincide com o declínio da concepção teocêntrica, cedendo lugar ao antropocentrismo e à exaltação da natureza humana. A concepção estética desse período ficou conhecida

Leia mais

Especulações sobre o amor

Especulações sobre o amor Especulações sobre o amor Janete Luiz Dócolas, Psicanalista O amor é um mistério que há muito tempo, talvez desde que fora percebido, os homens vem tentando compreender, descrever ou ao menos achar um

Leia mais

TROVAS MAIS ALÉM... ESPÍRITOS DIVERSOS PSICOGRAFIA DE LEONARDO PAIXÃO

TROVAS MAIS ALÉM... ESPÍRITOS DIVERSOS PSICOGRAFIA DE LEONARDO PAIXÃO TROVAS MAIS ALÉM... ESPÍRITOS DIVERSOS PSICOGRAFIA DE LEONARDO PAIXÃO 1 Capa: Leonardo Paixão Digitação: Leonardo Paixão Permitida a reprodução desde que citada a fonte, conforme Lei 9.610, de 19 de Fevereiro

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Claudia S. N. Vieira Disciplina: LPO Série: 1ª Tema da aula: O Trovadorismo Objetivo da aula: Trabalhar as principais características do estilo

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas Mensagem Fernando Pessoa Análise de poemas é o último poema da segunda parte de Mensagem: Mar Português ( Possessio Maris ); Os poemas anteriores exaltam a História de Portugal: Portugal feito ser ; A

Leia mais

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam.

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. Convite Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam.

Leia mais

Conceitos Básicos e História

Conceitos Básicos e História Psicologia na Educação Aula 1 Conceitos Básicos e História Profa. Adriana Straube Nesta aula discutiremos sobre o conceito de psicologia. As origens da psicologia como ciência nascendo na Alemanha. História

Leia mais

Medida Multidimensional Breve de Religiosidade/Espiritualidade BMMRS-p

Medida Multidimensional Breve de Religiosidade/Espiritualidade BMMRS-p Medida Multidimensional Breve de Religiosidade/Espiritualidade BMMRS-p A) Experiências espirituais diárias As seguintes questões lidam com as possíveis experiências espirituais. Com que frequência você

Leia mais

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes).

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes). REGULAMENTO 1. O ATL MINI TOUR 2014 (MT) é um circuito de provas para os escalões de Sub8 e Sub10, promovido pela Associação de Ténis de Lisboa (ATL), havendo uma calendarização das provas através de um

Leia mais

Antologia da poesia clássica chinesa

Antologia da poesia clássica chinesa Catálogo Teatro APRESENTAÇÃO Desde sua origem, em 1987, a Editora Unesp, braço editorial da Universidade Estadual Paulista, tem como objetivo desempenhar papel dinamizador da cultura, presumindo-se ser

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Educação Literária

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Educação Literária Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Educação Literária Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha Nota prévia Esta apresentação tem como objetivos:

Leia mais

Capítulo 8. Estruturas de Repetição. Rui Rossi dos Santos Programação de Computadores em Java Editora NovaTerra

Capítulo 8. Estruturas de Repetição. Rui Rossi dos Santos Programação de Computadores em Java Editora NovaTerra Capítulo 8 Estruturas de Repetição Objetivos do Capítulo Apresentar as três estruturas de repetição (loops) disponíveis no Java: while, do-while e for. Indicar a sintaxe que deve ser empregada para a construção

Leia mais

EVANGELHO Lc 20,27-38

EVANGELHO Lc 20,27-38 1 Ambiente: Este texto situa-nos já em Jerusalém, nos últimos dias antes da morte de Jesus. Discussão após discussão, torna-se claro que os líderes judaicos rejeitam a proposta de Jesus: prepara-se, assim,

Leia mais

Resultado dos recursos contra questões da prova objetiva

Resultado dos recursos contra questões da prova objetiva BIOLOGIA Uma antiga brincadeira consiste em questionar: Quem veio primeiro: o ovo ou a galinha?. Embora seja baseada em um raciocínio cíclico e retórico, à luz da Biologia, é possível estabelecer uma reposta

Leia mais

O Retrato Feminino Clássico na Literatura e nas Artes Plásticas ou Porque Sorri Lisa

O Retrato Feminino Clássico na Literatura e nas Artes Plásticas ou Porque Sorri Lisa O Retrato Feminino Clássico na Literatura e nas Artes Plásticas ou Porque Sorri Lisa Prof. Me. Flavio Felicio Botton 1 (UniABC) Resumo: Tendo como ponto de partida o fato de que todos artistas estão sujeitos

Leia mais

Luís Vaz de Camões. prof.: Pedro Augusto Furasté

Luís Vaz de Camões. prof.: Pedro Augusto Furasté EXERCÍCIO COM TEXTO SONETO Luís Vaz de Camões prof.: Pedro Augusto Furasté 1. Apenas um dos pares abaixo não se opõe. Assinale-o: a) dói / não se sente b) ganhar / perder c) querer // bem-querer d) contentamento

Leia mais

Cotas raciais nas universidades, a contradição do Brasil!

Cotas raciais nas universidades, a contradição do Brasil! Cotas raciais nas universidades, a contradição do Brasil! Nathália Norgi Weller 1 RESUMO: A partir do ano de 2001, entra em vigor a lei 3.708, que assegura a negros e pardos 20% das vagas nas universidades

Leia mais

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval História 6A Aula 17 A Cultura Medieval Cultura Medieval Síntese de elementos grecoromanos, cristãos e germânicos, reformulados com novas experiências. IGREJA CATÓLICA Instituição mais poderosa do mundo

Leia mais

PODER DO TESTE. Poder do Teste e Tamanho de Amostra para Testes de Hipóteses

PODER DO TESTE. Poder do Teste e Tamanho de Amostra para Testes de Hipóteses PODER DO TESTE Poder do Teste e Tamanho de Amostra para Testes de Hipóteses 1 Tipos de erro num teste estatístico Realidade (desconhecida) Decisão do teste aceita H rejeita H H verdadeira decisão correta

Leia mais

Federação Espírita Catarinense 14ª União Regional Espírita Departamento de Estudo e Divulgação Doutrinária PROJETO O CONSOLADOR

Federação Espírita Catarinense 14ª União Regional Espírita Departamento de Estudo e Divulgação Doutrinária PROJETO O CONSOLADOR PROJETO O CONSOLADOR TEMÁRIO PARA PALESTRAS DO TRIMESTRE JULHO, AGOSTO e SETEMBRO/2015 no HOSPITAL REGIONAL DE SÃO JOSÉ MÊS DE JULHO/2015 Dia 02/07/15 A VIDA FUTURA 1) O Evangelho Segundo o Espiritismo.

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

SIMBOLISMO LITERATURA BRASILEIRA II. Profª Drª NERY REINER

SIMBOLISMO LITERATURA BRASILEIRA II. Profª Drª NERY REINER SIMBOLISMO LITERATURA BRASILEIRA II Profª Drª NERY REINER CONTEXTO HISTÓRICO EXPANSIONISMO EUROPEU EM DIREÇÃO À ÁFRICA E ÁSIA. INDUSTRIALIZAÇÃO GUIADA PELO LUCRO DESIGUALDADES SOCIAIS REALIDADE CRUEL ORIGEM

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Comentário

TIPO DE PROVA: A. Comentário TIPO DE PROVA: A REDAÇÃO Redija uma dissertação a tinta, desenvolvendo um tema comum aos textos abaixo. Texto I etc são, sem dúvida, atitudes politicamente corretas. Mas, se desvinculadas de uma prática

Leia mais

Literatura, 03 - A Linguagem Poética

Literatura, 03 - A Linguagem Poética Literatura, 03 - A Linguagem Poética Para melhor entendimento e apreciação de um poema, existem alguns conceitos técnicos que precisam ser entendidos. São recursos de estilo que tornam a linguagem poética

Leia mais

Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo

Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo Reforço escolar M ate mática Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo Dinâmica 7 9º ano 2º Bimestre Aluno DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Fundamental 9ª Geométrico Teorema de Pitágoras

Leia mais

OS SONETOS A QUATRO MÃOS DE CAMÕES E VINICIUS DE MORAES THE FOUR-HANDED SONETS BY CAMOES AND VINICIUS DE MORAES

OS SONETOS A QUATRO MÃOS DE CAMÕES E VINICIUS DE MORAES THE FOUR-HANDED SONETS BY CAMOES AND VINICIUS DE MORAES OS SONETOS A QUATRO MÃOS DE CAMÕES E VINICIUS DE MORAES THE FOUR-HANDED SONETS BY CAMOES AND VINICIUS DE MORAES Marcos Hidemi de Lima (UEL) Márcia de Fátima Martinez (UEL) RESUMO: Valendo-se da literatura

Leia mais

Vivendo e Aprendendo o Sucesso

Vivendo e Aprendendo o Sucesso Vivendo e Aprendendo o Sucesso Descubra como cada experiência conta e muito para a construção do seu negócio Mary Kay! Por Priscila Martins Diretora Sênior de Vendas Independente Mary Kay Vislumbrei uma

Leia mais

I PRÊMIO URCA DE LITERATURA DE CORDEL Regulamento

I PRÊMIO URCA DE LITERATURA DE CORDEL Regulamento I PRÊMIO URCA DE LITERATURA DE CORDEL Regulamento I DOS OBJETIVOS Em sua primeira edição, o I Prêmio URCA de Literatura de Cordel atende ao objetivo de estimular a leitura e a produção literária no Cariri

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO PARA O ENEM 2015. Profº Uriel Bezerra

HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO PARA O ENEM 2015. Profº Uriel Bezerra HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO PARA O ENEM 2015 Profº Uriel Bezerra QUESTÃO 91 (ENEM - 2009) Os melhores críticos da cultura brasileira trataram-na sempre no plural, isto é, enfatizando a coexistência no Brasil

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

FIGURAS DE SINTAXE. h) i)

FIGURAS DE SINTAXE. h) i) FIGURAS DE SINTAXE 1. Identifique, nas frases e nos anúncios seguintes, as figuras de sintaxe. Atenção: há frases em que ocorrem duas figuras. a) Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, Muda-se o ser,

Leia mais

ESTUDO DO POEMA ESTRUTURA

ESTUDO DO POEMA ESTRUTURA ESTUDO DO POEMA ESTRUTURA O que é escansão? Escansão significa dividir o verso em sílabas métricas ou poéticas. VERSO Cada linha do poema Sete anos de pastor Jacó servia ESTROFE É o conjunto de vários

Leia mais

UM OLHAR SOBRE O DOENTE

UM OLHAR SOBRE O DOENTE UM OLHAR SOBRE O DOENTE Dizem que os olhos são as janelas da alma. É nisso em que minha mente se fixa a cada instante desde que você adoeceu. Parece-me tão próximo, e ainda me lembro: um dia, de repente,

Leia mais

PARTE I. Leia o tópico que lhe propomos e redija um texto coerente e coeso conforme solicitado.

PARTE I. Leia o tópico que lhe propomos e redija um texto coerente e coeso conforme solicitado. Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do Instituto Politécnico de Leiria dos Maiores de 23 Anos - 2011 Prova de conhecimentos específicos

Leia mais

NOME: Nº EDUCADORA: 2º ANO FULECO

NOME: Nº EDUCADORA: 2º ANO FULECO NOME: Nº EDUCADORA: 2º ANO FULECO 1 ESTAMOS EM RITMO DE COPA DO MUNDO E INÍCIO DAS FÉRIAS! QUE DELÍCIA! NESSES DIAS ESQUECEMOS DE TUDO PARA TORCER PELO NOSSO PAÍS DE FORMA ALEGRE E EDUCADA. E, COMO O BRASIL

Leia mais

ERWIN PANOFSKY. Panofsky com dois colegas

ERWIN PANOFSKY. Panofsky com dois colegas Sumário Os níveis de significado das obras de arte segundo Panofsky: o natural (pré-iconográfico), o convencional (iconográfico) e o intrínseco (iconológico). ERWIN PANOFSKY Panofsky com dois colegas ERWIN

Leia mais

SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA

SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA EDfTORIAL LM I PRESENÇA ÍNDICE PREFACIO 11 I. PERSPECTIVAS GLOBAIS 13 1. O homem e a obra 13 2. Contextualização sociocultural

Leia mais

Plataforma neuroespiritual e ativação de chaves neurais Adriana Mangabeira Multidimensional Físico Mental Emocional Energético. Sistema de crenças e autoimagem Matriz Primeira Infância Paradigma individual

Leia mais

APRENDENDO COM AS TRADIÇÕES RELIGIOSAS

APRENDENDO COM AS TRADIÇÕES RELIGIOSAS SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: / / 0 UNIDADE: III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 6.º ANO/EF PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO:

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LITERATURA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LITERATURA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE LITERATURA Nome: Nº 1 a. Série Data: / /2015 Professores: Fernando, Roberto Nota: (valor: 1,0) Introdução Caro aluno. 3º bimestre Neste semestre, você obteve média inferior a

Leia mais

Mário de Sá-Carneiro

Mário de Sá-Carneiro André Cabral Carina Goulart Poetas do século XX Mário de Sá-Carneiro Débora Melo Joana Costa Quando eu morrer batam em latas, Rompam aos saltos e aos pinotes - Façam estalar no ar chicotes, Chamem palhaços

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE LÍNGUA PORTUGUESA?... 8

VAMOS FALAR SOBRE LÍNGUA PORTUGUESA?... 8 Sumário 1 VAMOS FALAR SOBRE LÍNGUA PORTUGUESA?... 8 Para ler e conversar... 8 Texto 1 Problemas com o português, Mauricio de Sousa... 9 Pensando sobre o gênero: história em quadrinhos... 14 Língua: reflexão

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

Literatura estrangeira -- poesia. Literatura estrangeira -- estórias para ler e contar

Literatura estrangeira -- poesia. Literatura estrangeira -- estórias para ler e contar Literatura estrangeira -- poesia Título: O poeta aprendiz Autor: Vinicius de Moraes Editora: Quasi Título: Ciência para meninos em poemas pequeninos Autor: Regina Gouveia Editora: Porto Editora Literatura

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ]

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] ANA MAFALDA LEITE Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] Um dizer poético pleno. Professora e poeta luso-moçambicana encantada por Florbela Espanca,

Leia mais

TROVAS DO CORAÇÃO FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER CORNÉLIO PIRES

TROVAS DO CORAÇÃO FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER CORNÉLIO PIRES TROVAS DO CORAÇÃO FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER CORNÉLIO PIRES ÍNDICE 2 Afirmativa, Alegria, Beneficência, Candeia Viva, Caso Triste, Criação... 03 Desengano, Deserção, Despedida, Destaque, Disciplina, Divino

Leia mais

O ENSINO DE LITERATURA NO ENSINO MÉDIO: UMA TENTATIVA DE ALIAR O CONHECIMENTO AO PRAZER DA LEITURA.

O ENSINO DE LITERATURA NO ENSINO MÉDIO: UMA TENTATIVA DE ALIAR O CONHECIMENTO AO PRAZER DA LEITURA. O ENSINO DE LITERATURA NO ENSINO MÉDIO: UMA TENTATIVA DE ALIAR O CONHECIMENTO AO PRAZER DA LEITURA. JULIANA SYLVESTRE DA SILVA CESILA (UNICAMP). Resumo O desafio do professor de colocar o aluno em contato

Leia mais

Trechos do «Poemas para Você»

Trechos do «Poemas para Você» (Da Academia Mato-grossense de Letras) Trechos do «Poemas para Você» (Poesias 1943 1947) José Barnabé de Mesquita (*10/03/1892 22/06/1961) Cuiabá - Mato Grosso Biblioteca Virtual José de Mesquita http://www.jmesquita.brtdata.com.br/bvjmesquita.htm

Leia mais

Conteúdos: O gênero dos substantivos. Substantivos comuns de dois gêneros.

Conteúdos: O gênero dos substantivos. Substantivos comuns de dois gêneros. Conteúdos: O gênero dos substantivos. Substantivos comuns de dois gêneros. Habilidades: - Identificar os elementos para a construção da forma feminina dos substantivos. - Classificar e reconhecer as características

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Robótica 2012

Olimpíada Brasileira de Robótica 2012 Olimpíada Brasileira de Robótica 2012 Modalidade: Teórica Nível 2 (4º e 5º anos do ensino fundamental) Duração: 2 horas Nome do Aluno:...Matr:... Escola:... Cidade:... Estado:... Realização: Apoio: AVISO:

Leia mais

Motivação, Liderança e Desempenho. Professora: Renata Lourdes

Motivação, Liderança e Desempenho. Professora: Renata Lourdes HU 2012 Motivação, Liderança e Desempenho. Professora: Renata Lourdes 1 MOTIVAÇÃO Motivação é tudo aquilo que impulsiona a pessoa a agir de alguma forma; O impulso à ação pode ser: estímulo interno (pensar

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin NUTRIÇÃO??? A nutrição é a ciência que estuda a composição dos alimentos e as necessidades nutricionais do indivíduo,

Leia mais

5) Qual a probabilidade de sair um ás de ouros quando retiramos uma carta de um baralho de 52 cartas?

5) Qual a probabilidade de sair um ás de ouros quando retiramos uma carta de um baralho de 52 cartas? TERCEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS DE PROBABILIDADE CURSO: MATEMÁTICA PROF. LUIZ CELONI 1) Dê um espaço amostral para cada experimento abaixo. a) Uma urna contém bolas vermelhas (V), bolas brancas (B) e bolas

Leia mais

Estrutura e formação de palavras

Estrutura e formação de palavras Estrutura e formação de palavras Estrutura das palavras Toda palavra é formada por partículas denominadas morfemas. escol-a escol-ar escol-arização escol-arizar sub-escol-arização Morfemas formadores de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PREFEITURA UNIVERSITÁRIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PREFEITURA UNIVERSITÁRIA LÍNGUA PORTUGUESA Texto: A diferença no escritório Homens e mulheres se comportam de forma desigual no trabalho, dizem os números. - As mulheres representam 42% da população economicamente ativa no Brasil.

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 4.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 4.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 4.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

UFT/COPESE Vestibular

UFT/COPESE Vestibular QUESTÃO 01 João Filgueiras Lima (1932-2014), apelidado Lelé, foi um arquiteto que participou como protagonista no movimento moderno da arquitetura brasileira. Atuou em diversos projetos, em diferentes

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

OFICINA DE TROVAS DEPARTAMENTO CULTURAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL- RS REALIZAÇÃO: UBT POA

OFICINA DE TROVAS DEPARTAMENTO CULTURAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL- RS REALIZAÇÃO: UBT POA OFICINA DE TROVAS DEPARTAMENTO CULTURAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL- RS REALIZAÇÃO: UBT POA 1. MÓDULO 1 : NOÇÕES GERAIS SOBRE TROVA CONCEITO: Trova é uma competição poética de quatro versos (linhas)

Leia mais

Medidas Gerais do Corpo Humano Arranjadas em Diálogo e Método Fácil para uso da Real Aula de Desenho, e Pintura da Ilha da Madeira, em 1810

Medidas Gerais do Corpo Humano Arranjadas em Diálogo e Método Fácil para uso da Real Aula de Desenho, e Pintura da Ilha da Madeira, em 1810 Joaquim Leonardo da Rocha Medidas Gerais do Corpo Humano Arranjadas em Diálogo e Método Fácil para uso da Real Aula de Desenho, e Pintura da Ilha da Madeira, em 1810 O Ilustríssimo e Excelentíssimo Senhor

Leia mais

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A. Estatística. António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A. Estatística. António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A Estatística António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo O tema da Estatística nos Cursos Científico-Humanísticos de

Leia mais