Unidade II COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO. Profa. Ma. Marina Kaiser

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade II COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO. Profa. Ma. Marina Kaiser"

Transcrição

1 Unidade II COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Profa. Ma. Marina Kaiser

2 Intertextualidade A intertextualidade é uma forma de diálogo entre os textos. Para que o leitor possa interpretar esse diálogo, é necessário que ele tenha conhecimentos culturais extratextuais, ou, vindos de outros textos.

3 Intertextualidade Exemplo: Música de Renato Russo, Monte Castelo: Ainda que eu falasse a lingua dos homens e falasse a lingua dos anjos sem amor, eu nada seria. (...) 1ª carta do apóstolo Paulo aos moradores da cidade de Coríntio, cap. 13, versos 1 ao 13.

4 Intertextualidade Exemplo 2: Música de Renato Russo, Monte Castelo: O amor é um fogo que arde sem se ver, é ferida que dói e não se sente, é um contentamento descontente, é dor de desatina sem doer(...) E Camões??

5 Intertextualidade Luiz Vaz de Camões: Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer; É um não querer mais que bem querer; É solitário andar por entre a gente; É nunca contentar-se de contente; É cuidar que se ganha em se perder; (...)

6 Tipos de intertextualidade Intertextualidade temática: abordagem de um mesmo assunto por vários meios ou portadores de textos, o discurso focal é retomado nos diferentes textos.

7 Tipos de intertextualidade Intertextualidade temática: Exemplo: Itamarandiba No meio do meu caminho sempre haverá uma pedra / Plantarei a minha casa numa cidade de pedra / Itamarandiba, pedra corrida, pedra miúda / rolando sem vida (Milton Nascimento, Itamarandiba) No meio do caminho tinha uma pedra Tinha uma pedra no meio do caminho... (Carlos Drummond de Andrade)

8 Tipos de intertextualidade Intertextualidade estilística: Esse tipo de intertextualidade não apresenta ligação temática com o outro texto, mas apenas utiliza sua forma. Exemplo: Oração do Internauta Satélite nosso que estais no céu, acelerado seja o vosso link, venha a nós o vosso host, seja feita vossa conexão, assim em casa como no trabalho. /... / Não nos deixeis cair a conexão e livrai-nos do Spam, Amém!

9 Tipos de intertextualidade Intertextualidade explícita: Presença da citação da fonte do intertexto. Fragmento de outro texto. (por que e para que o autor citou a fonte, se tem a opção de não fazê-lo?) Exemplo: resumos, resenhas, traduções ou discursos relatados,

10 Tipos de intertextualidade Intertextualidade implícita: recorre ao sentido figurado, não permitindo que o leitor depreenda seu sentido de imediato. Ocorre quando há intertexto alheio, sem citação explícita da fonte. É esperado que o leitor conheça o texto fonte para poder entender o texto atual.

11 Tipos de intertextualidade Intertextualidade implícita: Exemplo: Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. (Canção do exílio, Gonçalves Dias) Teus risonhos, lindos campos têm mais flores; / "Nossos bosques têm mais vida", / "Nossa vida" no teu seio "mais amores." Ó Pátria amada, (Hino Nacional Parte II, Joaquim O. Duque Estrada)

12 Tipos de intertextualidade Intertextualidade genérica: Dois tipos: stricto sensu e lato sensu. Cada tipo de determina o grau de explicitação e a natureza do intertexto. Stricto sensu apresenta ordenação ideológica de argumentos e/ou contraargumentos.

13 Tipos de intertextualidade Intertextualidade tipológica: Latu sensu: Possibilita reconhecer nos tipos de textos (narrativas, descritivas, expositivas, outros) características comuns (estrutura, seleção lexical, uso de tempos verbais, advérbios - tempo, lugar, modo, ) para notar que pertencem à determinada classe.

14 Tipos de intertextualidade Intertextualidade: ( Latu sensu / Stricto sensu ) Tal intertextualidade revela elemento primordial para o encadeamento da leitura. Os sentidos apresentados no texto são compreendidos se os leitores tiverem previamente armazenados em sua memória discursiva o conhecimento dos textos originais.

15 Interatividade Leia o texto: Só o rock n roll salva Elvis Presley que estais no Céu, Muito escutado seja Bill Haley, (...) Seja feito barulho a vontade, Assim como Hendrix, Sex Pistols e Rolling Stones. Rock and roll que a cada dia nos melhora (...) E não deixei cair o volume do som Mas livrai-nos do Axé. Amém! A intertextualidade presente no texto lido está referenciada a que: a) Uma oração e nomes conhecido do Axé music b) Uma receita e nomes conhecidos do rock c) Uma oração e nomes conhecido do rock d) Uma lista sem algum sentido e) Uma lista de músicos do rock

16 Informações implícitas O leitor deve apresentar a habilidade e os conhecimentos necessários para desvendar a mensagem de um texto. Exemplo: As piadas são gêneros textuais desse tipo.

17 Informações implícitas Pressupostos e subentendidos: Ambos exigem do receptor/leitor o reconhecimento de alguns índices no texto que facilitam a interpretação de alguns tipos de mensagens.

18 Pressupostos e subentendidos Pressupostos: Ideias expressas de maneira explícita. Exemplo: André tornou-se um antitabagista convicto. Pressupõe-se que André deixou de fumar. ( tornar-se / vir a ser )

19 Pressupostos e subentendidos Subentendidos: Subentendido não apresenta expressões linguísticas É um processo de construção de sentido do ouvinte / receptor.

20 Pressupostos e subentendidos Subentendidos: Exemplo: Alguém com um cigarro na mão pergunta: Você tem fogo? Tenho. - mas não acende (Subentende-se: Acenda-me o cigarro por favor)

21 Pressupostos e subentendidos Subentendidos: O falante / emissor pode negar a interpretação de seu ouvinte/receptor. No subentendido o sujeito não se compromete com o que disse. Exemplo: políticos desonestos: Não foi isso o que eu disse.

22 Alteração de sentido das palavras Conotação e Denotação: Denotação: é o sentido literal das palavras, o sentido de dicionário. Exemplo: Em um livro de biologia, no capítulo Corpo Humano: cabeça / parte do corpo (assim como no dicionário)

23 Alteração de sentido das palavras Conotação e Denotação: A Conotação interpretação diferente, não a literal. Exemplo: João é o cabeça da sala. / cabeça não é o literal. Indica que João é o aluno mais inteligente da sala.

24 Alteração de sentido das palavras Metáfora e Metonímia: Duas importantes figuras de linguagem no processo de conotação. Elas provocam alterações no sentido literal das palavras e são muito utilizadas na poesia.

25 Alteração de sentido das palavras Metáfora Altera o sentido das palavras por um significado que aproxima os termos por uma relação de sentido. Amor é como fogo (comparação) amor é fogo (metáfora)

26 Alteração de sentido das palavras Metáfora Exemplo: (Luiz Vaz de Camões) O amor é o fogo que arde sem se ver. É ferida que dói e não se sente. É um contentamento descontente. É dor que desatina sem doer.

27 Alteração de sentido das palavras Metonímia: É a alteração de sentido com o acréscimo de um significado. Desse modo os termos se aproximam por relação de inclusão, coexistência ou interdependência.

28 Alteração de sentido das palavras Metonímia (sinédoque) É um tipo de metonímia que ocorre ao se utilizar parte de algo para designar seu todo; Exemplo: Na estrada, placas anunciando restaurante: garfo, colher e faca. (Objetos que fazem parte do que se utiliza em um restaurante (todo). )

29 Interatividade Na frase: O caso do contrabando tornouse público. Qual o pressuposto apresentado? a) O caso não era público antes b) O caso sempre esteve nos jornais c) O caso era sabido por poucos d) Não havia caso algum e) Defenderam-se do caso

30 Processo de argumentação Argumentar é reconhecer a intenção do texto e do texto do outro. Argumentar é saber elaborar (e ler) textos de informação e textos de opinião.

31 Processo de argumentação A Argumentação leva o indivíduo a reconhecer uma determinada tese ou verdade e aderir a ela. Para Argumentar são utilizados argumentos (exemplo: frases declarativas) que defendem uma ideia ou ponto de vista.

32 Processo de argumentação A informação é a base de uma boa argumentação. A opinião transforma a informação em argumento.

33 Processo de argumentação Texto de opinião (Argumentativo) implica provar que o seu ponto de vista sobre um determinado tema é pertinente e passível de adesão. Os procedimentos argumentativos orientam o desenvolvimento de textos persuasivos

34 Condições de argumentação a) Argumentação: definir uma tese e saber para que tipo de problema essa tese é resposta. Exemplo: Bom vendedor identifica as necessidades de seu público e sabe aproveitá-las como informação para seus argumentos.

35 Condições de argumentação b) Argumentação: linguagem comum com o público alvo do texto. Deve ser compatível com a escolaridade e especialização profissional de seu público.

36 Condições de argumentação c) Causar empatia, um contato positivo com o público que visa uma receptividade para os argumentos. Exemplo: Nunca diga que vai usar cinco minutos de alguém, se for precisar de vinte minutos. É preferível dizer que vai usar meia hora.

37 Procedimentos argumentativos Recursos utilizados para justificar uma opinião. a) exemplificação busca justificar os pontos de vista apresentados por meio de exemplos. Exemplos: por exemplo, considerando, analisando os dados, segundo

38 Procedimentos argumentativos b. Explicitação: explica, esclarece os pontos de vista apresentados. Exemplos: isto é, quer dizer, na verdade, segundo, é possível entender;

39 Procedimentos argumentativos c. Enumeração: No texto há uma sequência de elementos que provam a opinião do autor. Exemplos: Primeiro, por último, respectivamente, em seguida, atualmente, depois de, adiante

40 Procedimentos argumentativos d. Comparação: No texto, a comparação é apresentada como opinião do autor. A comparação, às vezes aparece como metáfora. Exemplos: tanto quanto, de outro lado, por um lado, da mesma forma,

41 Procedimentos argumentativos e. Síntese: Retoma o que foi dito anteriormente. Exemplo: A política de preservação do meio ambiente garante a sobrevivência de gerações futuras. Pode-se retomar essa ideia no final do texto argumentativo;

42 Procedimentos argumentativos f. Dedução: Na defesa de uma ideia, é possível deduzir uma conclusão. Exemplo: De acordo com, logo, deduzindo,

43 Procedimentos argumentativos g. Relação de causa e consequência: As causas e as consequências relacionadas à defesa de ideia são apontadas por expressões específicas. Exemplo: Por causa de; em virtude de (causa), consequentemente, de modo que, (consequência)

44 Procedimentos argumentativos h. por interrogação: Quando se deseja gerar uma dúvida que se transforma em tema para a reflexão. Exemplo: (afirmação) Necessidade de uma política para preservação do meio ambiente. (questionamento) Sem política de preservação do meio ambiente, as gerações futuras sobreviverão?

45 Interatividade Considere a afirmativa: O texto relata uma transformação, isto é, uma passagem de um estado inicial para um estado final. O procedimento argumentativo usado foi: a) Dedução b) Comparação c) Exemplificação d) Enumeração e) Explicitação

46 A estrutura do texto argumentativo Texto argumentativo organizado em partes. a) Introdução: Defesa de uma ideia ou anuncio do assunto. b) Desenvolvimento: os argumentos para a defesa de idéia. c) Conclusão: Pertinência da defesa de ideia e encerra raciocínio desenvolvido em forma de texto.

47 Texto argumentativo - artigo, editorial, crônica Nesse último bloco de conteúdos estão todos os conhecimentos adquiridos até esse momento. Artigo: Conceito O artigo veicula opinião sobre determinado tema. A política e a sociologia representam universos bastante explorados pelos artigos de jornais.

48 Artigo, editorial, crônica Artigo: Características: Caráter opinativo; linguagem adequada; título; recursos argumentativos; temas variados. Estruturação: a-introdução: oautor apresenta o assunto (político ou sociológico). Reflexão sobre o tema escolhido. a) Desenvolvimento: argumentos para a defesa. b) Conclusão: apresenta proposta de soluções.

49 Artigo, editorial, crônica Editorial: Conceito : Opinião do jornal, a linha de entendimento dos temas a abordados. Comenta o fato noticiado mais importante. Características: Opinativo, sem assinatura, representa a linha de pensamento do jornal.

50 Artigo, editorial, crônica Editorial: Estruturação: a) Introdução: não é longa. Chama a atenção do leitor para a linha de pensamento do jornal. b) Desenvolvimento: apresenta argumentos que a comprovem. c) Conclusão: deve reforçá-la.

51 Artigo, editorial, crônica Crônica Conceito: Relato de fatos cotidianos em contexto sócio-histórico. Características: Extensão limitada, narrativa leve, ironia, linguagem coloquial, visão subjetiva, pessoal e crítica.

52 Artigo, editorial, crônica Crônica Estruturação: Há três formas de crônicas: a) comentário, b-lírica, c-narrativa Comentário: primeira pessoa, fatos cotidianos geradores da história e reflexão;

53 Artigo, editorial, crônica Crônica b) lírica: primeira pessoa, linguagem sentimental e coloquial, não há fatos geradores da reflexão, visão sentimental da realidade interna ou externa.

54 Artigo, editorial, crônica Crônica c) Narrativa: primeira ou terceira pessoa, linguagem humorística, ironia, diálogo, história leve e divertida, final inesperado.

55 Resenha Resenha: Resumo com opinião, sem base teórica. O autor seleciona informações e as sintetiza, ampliando o texto com comentários e avaliações sobre o assunto.

56 Resenha Livro resenhado Emergência. A dinâmica de rede em formigas, cérebros, cidades e softwares Autor do livro Autor da resenha Título da resenha Steven Johnson Patrícia Mariuzzo Emergência. A dinâmica de rede em formigas, cérebros, cidades e softwares Leitor previsto Pessoas da área da Sociologia, História ou interessadas em sistemas sociais e sua organização Veículo de publicação Seção de publicação Organização dos parágrafos Linguagem Site Não é possível recuperar a informação Apresentação de cada tese apontada pelo autor Mais formal e com termos específicos da área

57 Resenha (apresenta título próprio) Título do livro, autor, data da publicação, Editora (2º Parágrafo) Uma frase resumo e opinativa (3º Parágrafo em diante) Resumo opinativo seguindo a sequência do livro. (Final) Outra frase resumo opinativa. Observação: Opinião sem na minha opinião eu acho

58 Interatividade Artigo, editorial, crônica são gêneros textuais encontrados usualmente em: a) jornais e revistas ; b) e twiter; c) chat e torpedo; d) televisão e rádio; e) cartas e telegramas.

59 ATÉ A PRÓXIMA!

Quanto aos textos de estrutura narrativa, identificam personagem, cenário e tempo.

Quanto aos textos de estrutura narrativa, identificam personagem, cenário e tempo. Língua Portuguesa - Ensino Médio SISPAE 2013 01 Abaixo do Básico 1º e 2º ano até 200 pontos Neste Padrão de Desempenho, os estudantes se limitam a realizar operações básicas de leitura, interagindo apenas

Leia mais

Roteiros Mensais para Grupos

Roteiros Mensais para Grupos Roteiros Mensais para Grupos JULHO 2017 INTENÇÃO DE ORAÇÃO DO PAPA Ajudar a aprofundar e rezar com a INTENÇÃO DE ORAÇÃO DO PAPA de cada mês, para mobilizar os grupos e a vida pessoal diante dos grandes

Leia mais

Aula 6 A lírica camoniana

Aula 6 A lírica camoniana Aula 6 A lírica camoniana Lírica Camoniana Poemas em medida velha: Poemas em medida nova: - Tradição popular medieval - Doce estilo novo -- Influência de Petrarca: soneto - Redondilha Menor: pentassílabo

Leia mais

Fabiana Medeiros Júlio Balisa

Fabiana Medeiros Júlio Balisa Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Letras Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID Escola Estadual José Fernandes Machado Subprojeto: Língua Portuguesa Fabiana

Leia mais

Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta

Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta Amor & desamor Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta edição foram garimpados criteriosamente pelo escritor Sergio Faraco, que os editou nos volumes Livro dos sonetos, Livro do corpo, Livro das cortesãs,

Leia mais

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais?

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Gêneros Textuais E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Para começar, vamos observar as imagens abaixo, reproduções de uma receita, uma manchete de

Leia mais

Compreensão e Interpretação de Textos

Compreensão e Interpretação de Textos Língua Portuguesa Compreensão e Interpretação de Textos Texto Texto é um conjunto coerente de enunciados, os quais podem serem escritos ou orais. Trata-se de uma composição de signos codificada sob a forma

Leia mais

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana.

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. 30.2 Conteúdo: Intertextualidade no texto literário. Habilidade: Estabelecer, em textos de diferentes gêneros, relações entre recursos verbais e não

Leia mais

EBSERH E D I I T T R A

EBSERH E D I I T T R A EBSERH E D I T R A APRESENTAÇÃO...3 INTERPRETAÇÃO DE TEXTO...5 1. Informações Literais e Inferências possíveis...6 2. Ponto de Vista do Autor...7 3. Significado de Palavras e Expressões...7 4. Relações

Leia mais

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema UFG/CS PS/011-1 RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS I ADEQUAÇÃO (SERÁ CONSIDERADO O USO DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO SEGUNDA LÍNGUA) A- ao tema

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2016

PLANEJAMENTO ANUAL 2016 PLANEJAMENTO ANUAL 2016 Professor Joabe Bernardo dos Santos Língua Portuguesa 9º ano Colégio Nossa Senhora da Piedade Referências: -SAE, 9º ano: Língua Portuguesa. Livro do professor: livro 1 / IESDE BRASIL

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO

LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO P1-1º BIMESTRE 8 º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Comparar textos, buscando semelhança e diferenças quanto às ideias

Leia mais

REGULAMENTO DE PRÁTICA EDUCACIONAL / PROJETOS INTERDISCIPLINARES Curso de Letras Português e Inglês Licenciatura Currículo: LPI00001

REGULAMENTO DE PRÁTICA EDUCACIONAL / PROJETOS INTERDISCIPLINARES Curso de Letras Português e Inglês Licenciatura Currículo: LPI00001 REGULAMENTO DE PRÁTICA EDUCACIONAL / PROJETOS Fundamentação Legal PARECER CNE/CP 28/2001, DE 02 DE OUTUBRO DE 2001 - Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS DESCRITORES D01 Distinguir letras de outros sinais gráficos. Reconhecer as convenções da escrita. D02 Reconhecer

Leia mais

DATA: 26 / 09 / 2014 II ETAPA AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA 1.º ANO/EM ALUNO(A): Nº: TURMA:

DATA: 26 / 09 / 2014 II ETAPA AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA 1.º ANO/EM ALUNO(A): Nº: TURMA: SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 26 / 09 / 2014 1 UNIDADE: II ETAPA AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA 1.º ANO/EM ALUNO(A): Nº: TURMA: PROFESSOR(A):

Leia mais

Figuras de Linguagem

Figuras de Linguagem Figuras de Linguagem FIGURAS DE LINGUAGEM são recursos que tornam mais expressivas as mensagens. Subdividem-se em figuras de som, figuras de construção, figuras de pensamento e figuras de palavras. FIGURAS

Leia mais

Tipos de Trabalhos Cientificos

Tipos de Trabalhos Cientificos Tipos de Trabalhos Cientificos CLÁUDIA BARBOSA O objetivo desta unidade é mostrar aos alunos os diferentes modelos e estruturas de trabalhos científicos. Monografias ou Trabalhos de Conclusão de Curso

Leia mais

TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO. Professor Marlos Pires Gonçalves

TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO. Professor Marlos Pires Gonçalves TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO 1 DISSERTAR é um ato que desenvolvemos todos os dias, quando: procuramos justificativas: para a elevação dos preços; para o aumento da violência; para os descasos com a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DISPONÍVEIS/2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DISPONÍVEIS/2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DISPONÍVEIS/015 I ADEQUAÇÃO A- ao tema = 0 a pontos B- à leitura da coletânea =

Leia mais

Artigo de opinião expressar o ponto de vista ou opinião

Artigo de opinião expressar o ponto de vista ou opinião Gênero Textual: Artigo de opinião Texto argumentativo que visa expressar o ponto de vista ou opinião do autor sobre determinado assunto e convencer o leitor da pertinência dessa opinião. Artigo de opinião

Leia mais

RENASCIMENTO David de Michelangelo (1504) CLASSICISMO INFLUÊNCIA TRADICIONAL VS INFLUÊNCIA CLÁSSICA OU RENASCENTISTA. A influência / corrente tradicional A influência / corrente clássica CORRENTE TRADICIONAL

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014

Plano de Trabalho Docente 2014 Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Geografia Série: 2ª

Leia mais

QUANDO EU, SENHORA...

QUANDO EU, SENHORA... QUANDO EU, SENHORA... Sá de Miranda Quando eu, senhora, em vós os olhos ponho, e vejo o que não vi nunca, nem cri que houvesse cá, recolhe-se a alma em si e vou tresvariando, como em sonho. Isto passado,

Leia mais

Quando eu, senhora...

Quando eu, senhora... Quando eu, senhora... Sá de Miranda Quando eu, senhora, em vós os olhos ponho, e vejo o que não vi nunca, nem cri que houvesse cá, recolhe-se a alma em si e vou tresvariando, como em sonho. Isto passado,

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

A arte de escrever um soneto

A arte de escrever um soneto A arte de escrever um soneto Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais

Leia mais

Soneto a quatro mãos

Soneto a quatro mãos Soneto a quatro mãos Circus do Suannes "Aonde quer que eu vá, eu descubro que um poeta esteve lá antes de mim". Sigmund Freud Não sou de dar lição a ninguém, pois meu tempo de magistério pertence à História

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Amor. Amor Livre. Amor Livre

Amor. Amor Livre. Amor Livre ...Se o desejo de ser amado for mais forte e você se prender a alguém com insistência, ele se aborrecerá e acabará se afastando de você. O primeiro estágio do amor é a simpatia. A simpatia aumenta e se

Leia mais

Matriz de referência de LÍNGUA PORTUGUESA - SAERJINHO 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL

Matriz de referência de LÍNGUA PORTUGUESA - SAERJINHO 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL 7 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL H0 Ler frases. Períodos compostos. H03 Inferir uma informação em um H04 Identificar o tema Trabalhar o tema baseando-se na complexidade do texto, partindo de um texto de curta

Leia mais

ESPANHOL INIC. Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade

ESPANHOL INIC. Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL INIC. 11º Ano de Escolaridade Prova 375 2014 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova a que esta

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS

INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS Unidade II INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS Prof. Adilson Oliveira Gênero O termo gênero é empregado em mais de uma área de estudo. Em: gramática significa a variação das palavras em língua portuguesa

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO RESPOSTAS DISCURSIVAS

ESTRUTURAÇÃO RESPOSTAS DISCURSIVAS NOTA DE AULA 3 ESTRUTURAÇÃO RESPOSTAS DISCURSIVAS R E S P O S T A S D I S C U R S I V A S Ao se responder a questões em provas escolares, exercícios, vestibulares, concursos, etc. sempre somos colocados

Leia mais

Língua Portuguesa UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO

Língua Portuguesa UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO Língua Portuguesa UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO Organizamos esta unidade para orientá-lo na revisão dos conteúdos trabalhados ao longo da disciplina. Siga as orientações desta apresentação, reveja os

Leia mais

Analfabeto funcional é o sujeito incapaz de interpretar o que lê e de usar a leitura e escrita em atividades cotidianas (UNESCO).

Analfabeto funcional é o sujeito incapaz de interpretar o que lê e de usar a leitura e escrita em atividades cotidianas (UNESCO). Segundo o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) Somente 26% dos brasileiros acima de 15 anos apresentam plenas habilidades de leitura e escrita; 74% dos brasileiros entre 15 e 64

Leia mais

LEITURA EM ANÁLISE DOCUMENTÁRIA. Profa. Giovana Deliberali Maimone

LEITURA EM ANÁLISE DOCUMENTÁRIA. Profa. Giovana Deliberali Maimone LEITURA EM ANÁLISE DOCUMENTÁRIA Profa. Giovana Deliberali Maimone O ato de ler envolve um processo mental de vários níveis; A boa leitura é uma confrontação crítica com o texto e as ideias do autor; O

Leia mais

MATRIZ DE AVALIAÇÃO DE LEITURA

MATRIZ DE AVALIAÇÃO DE LEITURA MATRIZ DE AVALIAÇÃO DE LEITURA A avaliação de leitura foi o foco das edições de 2000 e 2009 do PISA. Não ocorreram grandes alterações na matriz de avaliação para a edição de 2012, basicamente foi incluída

Leia mais

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 7 o ano EF

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 7 o ano EF Os alunos do 7º ano do Ensino Fundamental 150 identificam a finalidade de produção do texto, com auxílio de elementos não verbais e das informações explícitas presentes em seu título, em cartaz de propaganda

Leia mais

Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos. 3/6/5AD836_1.jpg

Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos.  3/6/5AD836_1.jpg Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos http://images.quebarato.com.br/photos/thumbs/ 3/6/5AD836_1.jpg Olá, Pessoal, Vamos acompanhar mais uma aula da prof. Alessandra. Hoje falaremos sobre alguns gêneros

Leia mais

Lógica Proposicional Parte 2

Lógica Proposicional Parte 2 Lógica Proposicional Parte 2 Como vimos na aula passada, podemos usar os operadores lógicos para combinar afirmações criando, assim, novas afirmações. Com o que vimos, já podemos combinar afirmações conhecidas

Leia mais

Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira

Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático O Funcionalismo As Funções da Linguagem de Roman Jakobson A Linguística Sistêmica de Michael Halliday

Leia mais

GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPOS 3e4

GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPOS 3e4 GRUPO 1 GRUPO GRUPOS 3e UFG/CS RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS GRUPO I ADEQUAÇÃO A-ao tema = 0 a pontos B-à leitura da coletânea = 0 a pontos C-ao gênero textual = 0 a pontos D-à modalidade = 0 a pontos CRITÉRIOS

Leia mais

Gêneros Textuais: conto e publicidade institucional impressa e folheto de divulgação. Escrita Contos e Minicontos Folheto de divulgação (Fôlder)

Gêneros Textuais: conto e publicidade institucional impressa e folheto de divulgação. Escrita Contos e Minicontos Folheto de divulgação (Fôlder) COLÉGIO ESTADUAL IRMÃO GERMANO RHODEN PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2014 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSORA: ZENAIDE GOMES BILHAR 1º Bimestre Criar hipóteses interpretativas

Leia mais

Metodologia Científica - Aula 6 - Fichamento Unidade 2 Seção 3. Profa. Ms. Ana Cabanas 21/03/2016

Metodologia Científica - Aula 6 - Fichamento Unidade 2 Seção 3. Profa. Ms. Ana Cabanas 21/03/2016 Metodologia Científica - Aula 6 - Profa. Ms. Ana Cabanas Fichamento Unidade 2 Seção 3 Comprometimento é tudo! Faça a diferença você também! FICHAMENTO Leitura Leitura Interpretação Escrita Análise crítica

Leia mais

O Despertar da Cidadania

O Despertar da Cidadania O Despertar da Cidadania EDUCAÇÃO LINGUÍSTICA: PRÁTICAS EM PARCERIAS Nome: Isolda Regina Coitinho Araujo e Jailson Luiz Jablonski Título da unidade: O Despertar da Cidadania Ano escolar: 9º ano Objetivo:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA REGIMENTO PARA PARTICIPAR DA SELEÇÃO DE REDAÇÃO EDITAL N.º 002/2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE ANÁPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE CIÊNCIA,

Leia mais

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG De onde vem a proposta de trabalhar com gêneros textuais? PCN de 1ª a 4ª séries

Leia mais

Prof. Eloy Gustavo. Aula 4 Renascimento

Prof. Eloy Gustavo. Aula 4 Renascimento Aula 4 Renascimento Renascimento ou Renascença O florescimento intelectual e artístico que começou na Itália no século XIV, culminou nesse país no século XVI e influenciou enormemente outras partes da

Leia mais

Inteligência Lingüística:

Inteligência Lingüística: Inteligência Lingüística: Capacidade de lidar bem com a linguagem, tanto na expressão verbal quanto escrita. A linguagem é considerada um exemplo preeminente da inteligência humana. Seja pra escrever ou

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE ESPANHOL

PLANEJAMENTO ANUAL DE ESPANHOL COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE ESPANHOL SÉRIE: PROFESSORAS: Anna Cláudia

Leia mais

RESOLUÇÃO COMENTADA 2014 NOME DO PRODUTO: Simulado 7 Caderno 1 COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura

RESOLUÇÃO COMENTADA 2014 NOME DO PRODUTO: Simulado 7 Caderno 1 COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura RESOLUÇÃO COMENTADA 2014 NOME DO PRODUTO: Simulado 7 Caderno 1 COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura QUESTÃO ASSUNTO GABARITO NÍVEL / COMENTÁRIO Habilidade 22 Relacionar, em diferentes

Leia mais

PERFIS DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA

PERFIS DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA PERFIS DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDOS EIXO TEMÁTICO COMPETÊNCIAS ESPERADAS Variedades lingüísticas; Diálogo; Turnos. Gênero

Leia mais

A escrita que faz a diferença

A escrita que faz a diferença A escrita que faz a diferença Inclua a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro em seu planejamento de ensino A Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro é uma iniciativa do Ministério

Leia mais

AULA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos 1.2 Habilidade: Distinguir e utilizar a linguagem conotativa através das figuras de linguagem de som e de construção de forma textualizada.

Leia mais

LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO;

LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO; LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO; COMUNICAÇÃO, INTERAÇÃO SOCIAL E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE. LINGUAGEM É TODO SISTEMA QUE SE UTILIZA DE SIGNOS E QUE SERVE COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO. VERBAL:

Leia mais

NOÇÃO DE TEXTO E ELEMENTOS TEXTUAIS. Professor Marlos Pires Gonçalves

NOÇÃO DE TEXTO E ELEMENTOS TEXTUAIS. Professor Marlos Pires Gonçalves NOÇÃO DE TEXTO E ELEMENTOS TEXTUAIS Professor Marlos Pires Gonçalves 1 TEORIA DA COMUNICAÇÃO Toda mensagem tem uma finalidade: ela pode servir para transmitir um conteúdo intelectual, exprimir (ou ocultar)

Leia mais

Regulamento do Concurso de FOTOGRAFIA

Regulamento do Concurso de FOTOGRAFIA Évora 2005 Regulamento do Concurso de FOTOGRAFIA ENQUADRAMENTO O concurso AS PROFISSÕES DA MINHA COMUNIDADE é um concurso integrado no evento a decorrer de 13 a 15 de Abril de 2005, em Évora, organizado

Leia mais

PROJETO ATUALIDADE EM FOCO

PROJETO ATUALIDADE EM FOCO Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha PRODUÇÃO TEXTUAL Nº3 ENTREGA: 17/ 03/ 2016 2º Ano do Ensino Médio Nome do aluno: Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA Nome: Nº 9º Data: / /2015 Professores: Belisa, Natália e Willian Nota: A - Introdução Neste ano, sua média final foi inferior a 6,0, o que revela

Leia mais

REDAÇÃO. Professor Moacir Cabral

REDAÇÃO. Professor Moacir Cabral REDAÇÃO Professor Moacir Cabral Redação (redigir/escrever): ação ou resultado de escrever com ordem e método. Tipos de texto: Narrativo Descritivo Dissertativo Qualidades fundamentais do texto Clareza:

Leia mais

Excelência acadêmica para a vivência dos valores humanos e cristãos. Admissão de Alunos CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

Excelência acadêmica para a vivência dos valores humanos e cristãos. Admissão de Alunos CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II Excelência acadêmica para a vivência dos valores humanos e cristãos. Admissão de Alunos 2018 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II CIÊNCIAS 1. O CORPO HUMANO 1.1 Células procariotas e eucariotas.

Leia mais

UNIDADE: Pegar o bonde andando / Brasil SITUAÇÃO DE USO Aprendizagem sobre ditos populares. MARCADORES Cultura; Arte popular; Folclore.

UNIDADE: Pegar o bonde andando / Brasil SITUAÇÃO DE USO Aprendizagem sobre ditos populares. MARCADORES Cultura; Arte popular; Folclore. UNIDADE: Pegar o bonde andando / Brasil SITUAÇÃO DE USO Aprendizagem sobre ditos populares. MARCADORES Cultura; Arte popular; Folclore. EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM - Aprender sobre ditos populares brasileiros.

Leia mais

SUMÁRIO. Unidade I Teoria da Comunicação. Capítulo 1 Linguagem, Língua, Fala, Signo Linguístico, Linguagem Verbal e Linguagem não Verbal

SUMÁRIO. Unidade I Teoria da Comunicação. Capítulo 1 Linguagem, Língua, Fala, Signo Linguístico, Linguagem Verbal e Linguagem não Verbal SUMÁRIO Unidade I Teoria da Comunicação Capítulo 1 Linguagem, Língua, Fala, Signo Linguístico, Linguagem Verbal e Linguagem não Verbal Linguagem Língua Fala Signo linguístico Significado Significante Linguagem

Leia mais

Professor MARIANA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 1º SEMESTRE DE 2011

Professor MARIANA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 1º SEMESTRE DE 2011 Disciplina LÍNGUA PORTUGUESA Curso ENSINO FUNDAMENTAL Professor MARIANA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 1º SEMESTRE DE 2011 Aluno (a): Série 7º ANO Número: 1 - Conteúdo: Classes gramaticais:

Leia mais

A Literatura no Ensino Médio

A Literatura no Ensino Médio A Literatura no Ensino Médio Ensino Médio no Brasil Um pouco de história 1-Período colonial e monárquico - formação das classes superiores 2-Primeira metade do século XX - preparação para o ensino superior

Leia mais

OS TIPOS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS

OS TIPOS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS OS TIPOS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS Peculiaridades e formas de conduzir seus estudos Thaisa Bueno Uma breve diferenciação antes de começarmos Divulgação científica Jornalismo científico Disseminação científica

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO Provas 2º Bimestre 2012 LÍNGUA PORTUGUESA DESCRITORES DESCRITORES DO 2º BIMESTRE

Leia mais

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA Processo de Admissão de Novos Estudantes 2016 Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA CONTEÚDOS Efetuar cálculos com números reais envolvendo as operações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Questão: 02 O candidato alega que, na questão 02, tanto a alternativa E como a alternativa A apresentam-se corretas, visto que as linhas 12 e 13 mostram que os violinistas mais relaxados também tinham

Leia mais

SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Tipo D4-08/2010 G A B A R I T O

SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Tipo D4-08/2010 G A B A R I T O Prova Anglo P-01 Tipo D4-08/2010 G A B A R I T O 01. D 07. A 13. D 19. C 02. B 08. B 14. A 20. D 03. C 09. C 15. B 21. A 04. A 10. A 16. D 22. C 05. C 11. D 17. B 00 06. B 12. B 18. D DESCRITORES, RESOLUÇÕES

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. Ensino Secundário DISCIPLINA: Português ANO: 11º ANO LETIVO: 2011/2012

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. Ensino Secundário DISCIPLINA: Português ANO: 11º ANO LETIVO: 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL Ensino Secundário DISCIPLINA: Português ANO: 11º ANO LETIVO: 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

Unidade II. Comunicação e Expressão. Prof. Dra Pilar Peñuela

Unidade II. Comunicação e Expressão. Prof. Dra Pilar Peñuela Unidade II Comunicação e Expressão Prof. Dra Pilar Peñuela Intertextualidade Ao utilizarmos de trechos originais ou parafraseados de textos na elaboração de nossos textos, criamos uma forma de diálogo:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 5ºANO CONTEÚDOS E AULAS PREVISTAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 5ºANO CONTEÚDOS E AULAS PREVISTAS DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 5ºANO CONTEÚDOS E AULAS PREVISTAS 1º PERÍODO 17 de setembro a 17 de dezembro 1ª INTERRUPÇÃO 18 de dezembro a 3 de janeiro 2º PERÍODO 04 de janeiro a 18 de março 2ª INTERRUPÇÃO

Leia mais

Luís Vaz de Camões. prof.: Pedro Augusto Furasté

Luís Vaz de Camões. prof.: Pedro Augusto Furasté EXERCÍCIO COM TEXTO SONETO Luís Vaz de Camões prof.: Pedro Augusto Furasté 1. Apenas um dos pares abaixo não se opõe. Assinale-o: a) dói / não se sente b) ganhar / perder c) querer // bem-querer d) contentamento

Leia mais

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 5 o ano EF

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 5 o ano EF Os alunos do 5º ano do Ensino Fundamental < 125 identificam o sentido de expressão típica da fala coloquial utilizada em segmento de história em quadrinhos; e o local em que se desenrola o enredo, em anedota.

Leia mais

ANÁLISE ESTILÍSTICA DE LETRAS DE MÚSICAS: CONTRIBUIÇÕES PARA A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA

ANÁLISE ESTILÍSTICA DE LETRAS DE MÚSICAS: CONTRIBUIÇÕES PARA A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA ANÁLISE ESTILÍSTICA DE LETRAS DE MÚSICAS: CONTRIBUIÇÕES PARA A AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA Andréia Gaeta de Pontes Geraldo andreia17nov@hotmail.com Aline Sirlene de Souza alinesouza_guap@hotmail.com Josiane

Leia mais

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO ESCOLA 31 DE JANEIRO 2012/13 PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA TRANSVERSALIDADE NA CORREÇÃO DA ESCRITA E DA EXPRESSÃO ORAL DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS INTRODUÇÃO A língua

Leia mais

Período Gênero textual Expectativa

Período Gênero textual Expectativa DISCIPLINA: Produção de texto ANO DE REFERÊNCIA: 2016 PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: 6ºano Período Gênero textual Expectativa P35 Compreender o papel do conflito gerador no desencadeamento dos episódios narrados.

Leia mais

INFORMAÇÃO DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA EQUIVALENTE A NACIONAL Secundário - 1.ª e 2.ª FASES CÓDIGO: 847

INFORMAÇÃO DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA EQUIVALENTE A NACIONAL Secundário - 1.ª e 2.ª FASES CÓDIGO: 847 2015/2016 ANO DE ESCOLARIDADE: 11.º ANO DURAÇÃO DO EXAME: 120 minutos TOLERÂNCIA: 30 minutos INFORMAÇÃO DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA EQUIVALENTE A NACIONAL Secundário - 1.ª e 2.ª FASES CÓDIGO: 847 DISCIPLINA:

Leia mais

... RIO DE JANEIRO, 14 DE DEZEMBRO DE 2008

... RIO DE JANEIRO, 14 DE DEZEMBRO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II DIRETORIA-GERAL SECRETARIA DE ENSINO EXAME DE SELEÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CANDIDATOS À MATRÍCULA NA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO REGULAR PROVA DE PORTUGUÊS 2009 UNIDADE

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol 1 Compre, compre, compre... Você já deve ter percebido a guerra que determinados anúncios ou

Leia mais

IBGE / FGV Gramática

IBGE / FGV Gramática GRAN ONLINE IBGE / FGV Gramática Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Analista e Tecnologista LÍNGUA PORTUGUESA: Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário

Leia mais

2º Módulo TEMA-PROBLEMA A COMUNICAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DO INDIVÍDUO

2º Módulo TEMA-PROBLEMA A COMUNICAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DO INDIVÍDUO 2º Módulo TEMA-PROBLEMA A COMUNICAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DO INDIVÍDUO 1. A comunicação- O conceito 2. Comunicação e meio envolvente 2.1 Diferenças culturais 2.2 Diferenças psico-sociais 3. O processo de comunicação-características

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica O PROCESSO DE LEITURA E DA PRODUÇÃO DE TEXTOS Profª Ma. Fabiana Rocha O PROCESSO DE LEITURA Importância da Leitura Aprendizagem do ser humano; Enriquecer o vocabulário; Obter conhecimento;

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/Letras Escola Estadual Prof.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/Letras Escola Estadual Prof. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/Letras Escola Estadual Prof. José Fernandes Machado Professor Supervisor: Ladmires Carvalho Bolsistas:

Leia mais

(...) Eu canto em português errado. Acho que o imperfeito não participa do passado. Troco as pessoas. Troco os pronomes ( ).

(...) Eu canto em português errado. Acho que o imperfeito não participa do passado. Troco as pessoas. Troco os pronomes ( ). (...) Eu canto em português errado Acho que o imperfeito não participa do passado Troco as pessoas Troco os pronomes ( ). (Meninos e Meninas Legião Urbana) ALGUMAS ESCOLHAS LINGUÍSTICAS TORNAM O IDIOMA

Leia mais

O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Direito e a Coordenação de Direito da Faculdade Católica de Rondônia - FCR RESOLVEM:

O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Direito e a Coordenação de Direito da Faculdade Católica de Rondônia - FCR RESOLVEM: O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Direito e a Coordenação de Direito da Faculdade Católica de Rondônia - FCR RESOLVEM: Estabelecer as normas inerentes à realização de atividade simulada, doravante

Leia mais

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Análise Estética (formal) Análise Estilística (figuras de linguagem) Análise Gramatical (morfossintática) Análise Semântica (de significado) Análise

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira COMUNICAÇÃO LINGUAGEM LÍNGUA FALA ESCRITA DISCURSO Forma de linguagem escrita (texto) ou falada (conversação no seu contexto social, político ou cultural).

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Glauber Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Redação Resultado / Rubrica

Leia mais

INFORMAÇÃO DE PROVA EQUIVALENTE A EXAME NACIONAL

INFORMAÇÃO DE PROVA EQUIVALENTE A EXAME NACIONAL INFORMAÇÃO DE PROVA EQUIVALENTE A EXAME NACIONAL Espanhol Continuação (Bienal)- Prova Escrita Prova 847 2016 Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos 11º Ano de Escolaridade (Decreto-lei nº

Leia mais

Escola Secundária de Manuel da Fonseca, Santiago do Cacém Disciplina: Língua Portuguesa Planificação do Ano Lectivo 2008/2009 Ano: 9º

Escola Secundária de Manuel da Fonseca, Santiago do Cacém Disciplina: Língua Portuguesa Planificação do Ano Lectivo 2008/2009 Ano: 9º Relativos ao programa dos anos transactos e do ciclo de estudos. A História da Língua Portuguesa: do indo-europeu ao português moderno. alguns processos de transformação. o mundo lusófono O Texto Dramático:

Leia mais

Conteúdo: - Emprego do Eu e Mim, Onde e Aonde, Há e A. LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER 1 FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: - Emprego do Eu e Mim, Onde e Aonde, Há e A. LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER 1 FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA APRENDER 1 Conteúdo: - Emprego do Eu e Mim, Onde e Aonde, Há e A. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA APRENDER 1 Habilidades:

Leia mais

Admissão de alunos 2017

Admissão de alunos 2017 Tradição em Excelência Admissão de alunos 2017 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1ª SÉRIE ENSINO MÉDIO CIÊNCIAS 1. CINEMÁTICA 1.1. Estudo dos movimentos e referenciais. 1.2. Movimentos uniformes. 2. PROPRIEDADES

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Transferência e Obtenção de Novo Título SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém seis questões,

Leia mais

ELABORANDO UMA BOA APRESENTAÇÃO DISCIPLINAS DE PESQUISA PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA

ELABORANDO UMA BOA APRESENTAÇÃO DISCIPLINAS DE PESQUISA PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA ELABORANDO UMA BOA APRESENTAÇÃO DISCIPLINAS DE PESQUISA 2016-1 PROF. DR. LUÍS EDUARDO ALMEIDA A COMUNICAÇÃO HUMANA Comunicar: Deriva do latim comunicare = por em comum; É uma expressão que define o grande

Leia mais

HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS

HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS A primeira necessidade? Comunicar-se. COMUNICAÇÃO É o processo que consiste em transmitir e receber uma mensagem, com a finalidade de afetar

Leia mais

Língua Portuguesa 7º ano

Língua Portuguesa 7º ano Escutar para Aprender e Construir Conhecimento Audição orientada. Ouvinte. Discurso; universo de discurso (assunto). Língua Portuguesa 7º ano Conteúdos 1º Período Comunicação Oral Falar para Construir

Leia mais