1) Soneto: Enquanto quis Fortuna que tivesse

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1) Soneto: Enquanto quis Fortuna que tivesse"

Transcrição

1 1) Soneto: Enquanto quis Fortuna que tivesse Enquanto quis Fortuna que tivesse Esperança de algum contentamento, O gosto de um suave pensamento Me fez que seus versos escrevesse. Porém, temendo Amor que aviso desse Minha escritura a algum juízo isento, Escureceu-me o engenho co tormento, Para que seus enganos não dissesse. Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos A diversas vontades! Quando lerdes Num breve livro casos tão diversos, Verdades puras são, e não defeitos... E sabei que, segundo o amor tiverdes, Tereis o entendimento de meus versos! Na 1ª estrofe, a Fortuna (destino ou entidade mítica) espera que o poeta escreva os efeitos dela: a esperança de algum contentamento e o o gosto de um suave pensamento. Porém, na 2ª estrofe, a voz poética introduz outra entidade mítica: o Amor. Este busca impedir o eu-lírico de advertir aqueles que não amam, sobre os perigos desse sentimento. Nas 3ª e 4ª estrofes, mostra a força do Amor que submete os amantes a seu domínio. E quando os amantes lerem sobre casos de amor, entenderão os versos do eu poemático de acordo com o tipo de amor a que estão submetidos. O soneto faz uma reflexão sobre os efeitos avassaladores do Amor.

2 2) Soneto: Amor é fogo que arde sem se ver Amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói, e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; é um andar solitário entre a gente; é nunca contentar-se de contente; é um cuidar que ganha em se perder. É querer estar preso por vontade; é servir a quem vence, o vencedor; é ter com quem nos mata, lealdade. Mas como causar pode seu favor nos corações humanos amizade, se tão contrário a si é o mesmo Amor? Nas estrofes 1, 2 e 3, define-se a natureza paradoxal do Amor, revelando ser um sentimento contraditório. Na 1ª estrofe, há os efeitos corporais da paixão. Já na 2ª, as sensações que o Amor desperta na alma do ser humano. E na 3ª, os dramas em que vivem os apaixonados: presos, dominados e mortos pelo Amor. No final, as afirmações expressas nas estrofes anteriores se deparam com uma dúvida: como o Amor pode despertar nos seres a amizade, se ele é contrário a si mesmo?

3 3) Soneto: Busque Amor novas artes, novo engenho, Busque Amor novas artes, novo engenho, para matar-me, e novas esquivanças; que não pode tirar-me as esperanças, que mal me tirará o que eu não tenho. Olhai de que esperanças me mantenho! Vede que perigosas seguranças! Que não temo contrastes nem mudanças, andando em bravo mar, perdido o lenho. Mas, conquanto não pode haver desgosto Onde a esperança falta, lá me esconde Amor um mal, que mata e não se vê. Que dias há que n alma me tem posto Um não sei quê, que nasce não sei onde, Vem não sei como, e dói não sei porquê. Este é um dos mais belos e conhecidos sonetos camonianos. Na 1ª estrofe, o Amor é visto como uma força poderosa, que causa sofrimento; porém o eu-poemático se mostra indiferente, já que lhe faltam esperanças. Se não as tem, para que sofrer? Na estrofe seguinte, reforça a indiferença, alegando não temer os contratempos e as mudanças das coisas. Afinal vive as perigosas seguranças, paradoxo que a vida lhe impõe. Assim anda pelo mundo como se estivesse num mar muito bravo e sem remo. Não há saída. Entretanto sua indiferença, introduzida pelo verbo não temo contrastes nem mudanças, é quebrada pela conjunção adversativa mas. A partir daí reconhece que o Amor é maléfico ( um mal ), mortal ( que mata ), invisível ( não se vê ), indefinível ( um não sei quê ), de origem desconhecida, inevitável ( vem não sei como ) e incompreensível ( dói nao sei porquê ).

4 4) Soneto: Está o lascivo e doce passarinho Está o lascivo¹ e doce passarinho Com o biquinho as penas ordenando, O verso sem medida, alegre e brando, Expedindo no rústico raminho. ¹ brincalhão,travesso O cruel caçador, que do caminho Se vem calado e manso desviando, Na pronta vista a seta endireitando, Lhe dá no Estígio² lago eterno ninho. ² refere-se ao lago Estígio, que os mortos deveriam atravessar Destarte³ o coração, que livre andava, ³ dessa forma (Posto que já de longe destinado), Onde menos temia, foi ferido. Porque o Frecheiro cego me esperava, Para que me tomasse descuidado, Em vossos claros olhos escondido. Mais um soneto em que Camões fala da força poderosa do Amor. Na 1º estrofe, vemos o passarinho, num ramo, colocando em ordem as penas e na 2ª o caçador cruel, vindo devagar e mirando com sua seta o bichinho para matá-lo. Observem que não se usa o verbo morrer, mas o verso Lhe dá no Estígio lago eterno ninho deixa clara a intenção, pois quer fazer desse lago a morada do animal. A partir de destarte (dessa forma), constatamos que o passarinho e o caçador representam duas metáforas. A primeira é o coração e a outra, o deus do Amor (Cupido). Assim o coração, livre como um passarinho, foi ferido onde temia menos, pelo frecheiro (aquele que manuseia flechas), num momento de descuido em que olhava para os olhos da amada. Era nesses olhos claros que o Amor estava escondido. Lindíssimo!!!!!!!!!!!!!!!!

5 5) Soneto: Alma minha gentil, que te partiste Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida, descontente, Repousa lá no Céu eternamente, E viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento etéreo, onde subiste, Memória desta vida se consente, Não te esqueças daquele amor ardente Que já nos olhos meus tão puro viste. E se vires que pode merecer-te Alguma cousa a dor que me ficou Da mágoa, sem remédio, de perder-te, Roga a Deus, que teus anos encurtou, Que tão cedo de cá me leve a ver-te, Quão cedo de meus olhos te levou. É um dos meus sonetos predileto. Tenho cá guardado no peito e na memória. Logo na 1ª estrofe estabelece-se a oposição entre o eu-poemático e a amada. Ela está morta (alma minha) e descansa no Céu (o mundo inteligível) e ele, sempre entristecido, habita a terra (mundo sensível). De um lado, o mundo da perfeição e do outro, o mundo das imperfeições, conforme a filosofia platônica. Na 2ª estrofe, o eu-lírico pede à amada que não esqueça o amor ardente que ela viu tão puro nos olhos dele, se lá no Céu (assento etéreo) for possível lembrar. Na 3ª estrofe, colocando o seu amor à prova, já que a perda da amada lhe causou mágoa, sem remédio, pede que ela rogue a Deus, que a levou tão cedo, que o leve também. Só assim as almas se unirão. Apesar das antíteses alma/corpo, lá/cá, Céu/terra, amor carnal (ardente)/amor espiritual (puro), que colocaria o poema na lista dos maneiristas, no final há uma síntese hamônica, portanto clássica.

Aula 6 A lírica camoniana

Aula 6 A lírica camoniana Aula 6 A lírica camoniana Lírica Camoniana Poemas em medida velha: Poemas em medida nova: - Tradição popular medieval - Doce estilo novo -- Influência de Petrarca: soneto - Redondilha Menor: pentassílabo

Leia mais

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor.

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. O Poeta canta o amor platónico, a saudade, o destino e a beleza

Leia mais

Luís de Camões (Sonetos)

Luís de Camões (Sonetos) Luís de Camões (Sonetos) TEXTO 1 Bendito seja o dia, o mês, o ano A sazão, o lugar, a hora, o momento E o país de meu doce encantamento Aos seus olhos de lume soberano E bendito o primeiro doce afano Que

Leia mais

Literatura 1º ano João J. Classicismo

Literatura 1º ano João J. Classicismo Literatura 1º ano João J. Classicismo LITERATURA 1º ANO Tema: CLASSICISMO O Classicismo, terceiro grande movimento literário da língua portuguesa, marca o início a chamada Era Clássica da Literatura. A

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS LÍNGUA PORTUGUESA 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Cultura A pluralidade na expressão humana 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 10.2 Conteúdo

Leia mais

Biblioteca. Educação literária. Poesia - 8o ano

Biblioteca. Educação literária. Poesia - 8o ano Biblioteca Educação literária Poesia - 8o ano AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE CANELAS BIBLIOTECA Conteúdo Sá de Miranda......4 Comigo me desavim,...4 O sol é grande, caem co a calma as aves,...4 Luís

Leia mais

Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta

Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta Amor & desamor Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta edição foram garimpados criteriosamente pelo escritor Sergio Faraco, que os editou nos volumes Livro dos sonetos, Livro do corpo, Livro das cortesãs,

Leia mais

luís de camões Sonetos de amor Prefácio de richard zenith

luís de camões Sonetos de amor Prefácio de richard zenith luís de camões Sonetos de amor Prefácio de richard zenith Copyright do prefácio 2016 by Richard Zenith Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que entrou em vigor no

Leia mais

*O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo,

*O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo, * *O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo, elevando os heróis à suprema dignidade de, através

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

Amor. Amor Livre. Amor Livre

Amor. Amor Livre. Amor Livre ...Se o desejo de ser amado for mais forte e você se prender a alguém com insistência, ele se aborrecerá e acabará se afastando de você. O primeiro estágio do amor é a simpatia. A simpatia aumenta e se

Leia mais

THESAURUS EDITORA DE BRA- SÍLIA LTDA.

THESAURUS EDITORA DE BRA- SÍLIA LTDA. 1 o organizador Thesaurus Editora - 2008 Armindo Ferreira é formou-se em Letras na antiga Universidade do estado da Guanabara, hoje Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professor de Português e de

Leia mais

Classicismo em Portugal

Classicismo em Portugal Classicismo em Portugal Contexto Histórico Desenvolvimento do comércio; Reforma Protestante; Desenvolvimento científico-tecnológico Navegações Antropocentrismo Imprensa Nas artes valorização dos clássicos

Leia mais

MEU JARDIM DE TROVAS

MEU JARDIM DE TROVAS ANGÉLICA DA SILVA ARANTES MEU JARDIM DE TROVAS PRIMEIRA EDIÇÃO / 2011-1 - SINOPSE: Com intensidade tem se falado sobre o tema trova, acontece que nem todas as pessoas sabem o que é tecnicamente uma trova.

Leia mais

Solução Comentada Prova de Língua Portuguesa. Texto 1

Solução Comentada Prova de Língua Portuguesa. Texto 1 Texto 1 Lira XXI Marília de Dirceu 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 Não sei, Marília, que tenho, Depois que vi o teu rosto; Pois quanto não é Marília, Já não posso

Leia mais

O amor que vem nos poemas

O amor que vem nos poemas O amor que vem nos poemas Este inferno de amar -como eu amo! Quem mo pôs aqui na alma...quem foi? Esta chama que alenta e consome, que é a vida -e que a vida destrói Como é que se veio atear, Quando -ai

Leia mais

Olá queridos leitores!

Olá queridos leitores! Poesias de amor Olá queridos leitores! Meu nome é Nagila da Silva ferreira tenho 15 anos e escrevi este livro para vocês que não sabem expressar seus sentimentos facilmente então sempre que puder leia

Leia mais

Luís Vaz de Camões. prof.: Pedro Augusto Furasté

Luís Vaz de Camões. prof.: Pedro Augusto Furasté EXERCÍCIO COM TEXTO SONETO Luís Vaz de Camões prof.: Pedro Augusto Furasté 1. Apenas um dos pares abaixo não se opõe. Assinale-o: a) dói / não se sente b) ganhar / perder c) querer // bem-querer d) contentamento

Leia mais

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana.

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. 30.2 Conteúdo: Intertextualidade no texto literário. Habilidade: Estabelecer, em textos de diferentes gêneros, relações entre recursos verbais e não

Leia mais

Eis que chega meu grande amigo, Augusto dos Anjos, ele com seu jeitão calado e sempre triste, me fala que não irá existir palavra alguma para

Eis que chega meu grande amigo, Augusto dos Anjos, ele com seu jeitão calado e sempre triste, me fala que não irá existir palavra alguma para Oceano em Chamas Querida, Tentei em vão, fazer um poema a você, não consegui. Me faltavam palavras para descrever-te, então pedi aos poetas do universo para me ajudarem. O primeiro com quem conversei,

Leia mais

PROVA DE LITERATURA 2 o BIMESTRE DE 2012 PROF. BANDINI

PROVA DE LITERATURA 2 o BIMESTRE DE 2012 PROF. BANDINI PROVA DE LITERATURA 2 o BIMESTRE DE 2012 PROF. BANDINI Boa Prova NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta

Leia mais

AS FACES DA LÍRICA CAMONIANA

AS FACES DA LÍRICA CAMONIANA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE HUMANIDADES CAMPUS III DEPARTAMENTO DE LETRAS E EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM LETRAS MARIA JUCINEIDE DE FARIAS FIGUEIREDO AS FACES DA LÍRICA CAMONIANA

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 1º ano FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Comigo mais poesia. Nelson Martins. Reflexões e Sentimentos

Comigo mais poesia. Nelson Martins. Reflexões e Sentimentos Comigo mais poesia Comigo mais poesia Nelson Martins Reflexões e Sentimentos Apresentação A poesia de Nelson Martins conduz o leitor à territorialidade da existência humana, como memória grifada de cada

Leia mais

Especulações sobre o amor

Especulações sobre o amor Especulações sobre o amor Janete Luiz Dócolas, Psicanalista O amor é um mistério que há muito tempo, talvez desde que fora percebido, os homens vem tentando compreender, descrever ou ao menos achar um

Leia mais

LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS

LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS OS GÊNEROS LITERÁRIOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS OS GÊNEROS LITERÁRIOS Conceito; Origem; Classificação. OS GÊNEROS LITERÁRIOS GÊNERO ÉPICO OU NARRATIVO; LÍRICO OU POÉTICO; DRAMÁTICO OU TEATRAL. O GÊNERO

Leia mais

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3.

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Senhora, partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem, que nunca tão tristes vistes outros

Leia mais

Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular.

Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular. Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular. Poesia Miguel Reale Eterna juventude Quando em meus olhos os teus olhos pousas vejo-te jovem como via outrora: luz interior

Leia mais

Nos primeiros discursos de Jó contidos nos capítulos 3, 6 e 7 podemos observar a angustia que afligia o patriarca. Neles, derrama sua alma em

Nos primeiros discursos de Jó contidos nos capítulos 3, 6 e 7 podemos observar a angustia que afligia o patriarca. Neles, derrama sua alma em Lição 5 para 29 de outubro de 2016 Nos primeiros discursos de Jó contidos nos capítulos 3, 6 e 7 podemos observar a angustia que afligia o patriarca. Neles, derrama sua alma em lamentos e perguntas. «Pereça

Leia mais

EU SOBRE A PAISAGEM

EU SOBRE A PAISAGEM www.perse.com.br Gonzaga Filho Página 1 Gonzaga Filho Página 2 Gonzaga Filho EU, SOBRE A PAISAGEM Primeira Edição São Paulo 2015 Gonzaga Filho Página 3 Gonzaga Filho Página 4 Gonzaga Filho Página 5 Gonzaga

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA - 2016 Nome: Nº 1ª Série Professores : Danilo / Fernando / Nicolas Nota: I Introdução Caro aluno, Neste ano, você obteve média inferior a 6,0 e, portanto, não

Leia mais

Sebenta: Camões lírico

Sebenta: Camões lírico Sebenta: Camões lírico Curso: Nome: Nº Turma: Disciplina: Português CAMÕES LÍRICO: Camões produziu poemas nas duas vertentes que vigoravam no seu tempo, a medieval, expressa na medida velha (redondilhas),

Leia mais

A tristeza. A tristeza

A tristeza. A tristeza E a leitura continua..."o Principezinho" - quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2013 No capítulo V, o Principezinho demonstra muita tristeza nas suas palavras. Após a leitura, foi proposto aos alunos escreverem

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM 1) Oração Sábado da 25ª Semana do Tempo Comum Ó Pai, que

Leia mais

não somos auto-suficientes precisamos de algo que nos energize e alimente

não somos auto-suficientes precisamos de algo que nos energize e alimente não somos auto-suficientes precisamos de algo que nos energize e alimente o que drena sua energia? esgotamento no corpo e na alma sinais de esgotamento: cansaço permanente tristeza profunda e contínua

Leia mais

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos.

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos. Aos Poetas Venho prestar homenagem a uma grande nação, Que são os nossos poetas que escrevem com dedicação, Os poemas mais lindos e que por todos são bemvindos, Que vem trazer esperança a um povo tristonho,

Leia mais

«Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.» (João 16:33)

«Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.» (João 16:33) Lição 4 para 22 de outubro de 2016 O livro de Jó e o de Gênesis foram escritos por Moisés durante o tempo que esteve em Midiã. Isto faz Jó um dos primeiros livros da Bíblia. A diferença do resto dos livros

Leia mais

Atividade extra. Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Atividade extra. Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Atividade extra Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos Textos para os itens 1 e 2 I. Pálida, à luz da lâmpada sombria Sobre o leito de flores reclinada, como a lua

Leia mais

REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS

REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS COLETÂNEA DE POESIAS: SER CRIANÇA, SONHAR, SER PROFESSOR, LEMBRANÇAS Maria Cecília Ribeiro Santana (FAFE) * É poder brincar livremente Escolher as brincadeiras E estar sempre contente. É ser feliz Da pontinha

Leia mais

VIGÍLIA DE ORAÇÃO POR QUEM NOS MORREU

VIGÍLIA DE ORAÇÃO POR QUEM NOS MORREU VIGÍLIA DE ORAÇÃO POR QUEM NOS MORREU PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DA HORA 2010-2011 P = Presidente: Aquele que preside à oração. Qualquer pessoa o pode fazer, desde que tenha gosto e capacidade para tal.

Leia mais

PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II. Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira

PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II. Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira PROVA BRASIL: LÍNGUA PORTUGUESA. Ensino Fundamental II Prof. Me. Luís Fernando Bulhões Figueira Descritor 15 Estabelecer relações lógicodiscursivas presentes no texto, marcadas por conjunções, advérbios

Leia mais

As Fadas Verdes. Matilde Rosa Araújo. Fichas de leitura. Criação intelectual: Fátima Patronilho

As Fadas Verdes. Matilde Rosa Araújo. Fichas de leitura. Criação intelectual: Fátima Patronilho As Fadas Verdes Matilde Rosa Araújo Fichas de leitura Criação intelectual: Fátima Patronilho Fichas de leitura Ficha 1 1. Lê os poemas Que o silêncio / verde, A cor do silêncio, A sandália de setembro

Leia mais

DEIXA-ME SENTIR TUA ALMA ATRAVÉS DO TEU CALOROSO ABRAÇO

DEIXA-ME SENTIR TUA ALMA ATRAVÉS DO TEU CALOROSO ABRAÇO EU AMO VOCÊ: DEIXA-ME SENTIR TUA ALMA ATRAVÉS DO TEU CALOROSO ABRAÇO Cleber Chaves da Costa 1 O amor é paciente, o amor é benigno, não é invejoso; o amor não é orgulhoso, não se envaidece; não é descortês,

Leia mais

COMUNICAÇÃO. João gritou, loucamente, após verificar a ocorrência de pedaços de tela sob a terra: Pedro, eis a obra por que tanto procuramos!

COMUNICAÇÃO. João gritou, loucamente, após verificar a ocorrência de pedaços de tela sob a terra: Pedro, eis a obra por que tanto procuramos! Língua portuguesa Linguagem e comunicação II Professor Mozer COMUNICAÇÃO Pessoas do discurso 1ª PESSOA EU, NÓS N FALA, ESCREVE 2ª PESSOA TU, VÓS V OUVE, LÊ 3ª PESSOA ELE(A), ELES(AS) ASSUNTO Pessoas do

Leia mais

LA MUTUALIDAD DEL AMOR SEGÚN LUÍS DE CAMOES

LA MUTUALIDAD DEL AMOR SEGÚN LUÍS DE CAMOES 114 Tema: Valores y creencias en el contexto sociolingüístico y cultural latinoamericano Facultad de Historia, Geografía y Letras. Universidad Metropolitana de Ciencias de la Educación, Santiago de Chile.

Leia mais

VINDE A MIM TODOS VÓS QUE ESTAIS FATIGADOS, QUE EU VOS ALIVIAREI

VINDE A MIM TODOS VÓS QUE ESTAIS FATIGADOS, QUE EU VOS ALIVIAREI O CRISTO CONSOLADOR O JUGO DO CRISTO Vinde a mim todos os que estais cansados sob o peso do vosso fardo e vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

AULA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos 1.2 Habilidade: Distinguir e utilizar a linguagem conotativa através das figuras de linguagem de som e de construção de forma textualizada.

Leia mais

POEMA NENHUM DEVANEIO

POEMA NENHUM DEVANEIO SENHA DE ENTRADA O mirone é um ser peculiar. O mirone quer saber de tudo. Quer coscuvilhar, meter o nariz onde não é chamado, espreitar. É totalmente dominado pela curiosidade. Quer experimentar novos

Leia mais

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486 Luís Vaz de Camões 1º Abs Joana Santos nº2486 Ano lectivo: 2010/2011 Índice.. 2 Introdução...3 Vida de Luís de Camões.. 4 Obra. 5 Conclusão 6 Bibliografia..7 2 Neste trabalho irei falar sobre Luís Vaz

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

António Gedeão. Relógio D'Água. Notas Introdutórias de Natália Nunes. A 383134 Obra Completa

António Gedeão. Relógio D'Água. Notas Introdutórias de Natália Nunes. A 383134 Obra Completa António Gedeão A 383134 Obra Completa Notas Introdutórias de Natália Nunes Relógio D'Água ÍNDICE Notas Introdutórias de Natália Nunes 19 Poesia POESIAS COMPLETAS (1956-1967) A Poesia de António Gedeão

Leia mais

Gabarito Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Grupos D, E, F e G. Texto I. Texto II

Gabarito Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Grupos D, E, F e G. Texto I. Texto II Mas já que se há de escrever que ao menos não se esmaguem com palavras as entrelinhas. Clarice Lispector. Os melhores contos. Texto I Nós, os escritores nacionais, se quisermos ser entendidos de nosso

Leia mais

Nº 11 A Domingo IV do Tempo Comum Sede felizes!

Nº 11 A Domingo IV do Tempo Comum Sede felizes! Nº 11 A Domingo IV do Tempo Comum-2.2.2014 Sede felizes! Combatei a miséria e reparti do que é vosso com os outros. Sede pacientes, tolerantes, dialogantes, humildes. Tende esperança no meio da escuridão,

Leia mais

Confiança Estereótipos de Género e Papéis Sociais

Confiança Estereótipos de Género e Papéis Sociais Amor Ciúme Confiança Estereótipos de Género e Papéis Sociais Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer.. Luís Vaz de

Leia mais

Quando a calamidade assalta as nossas vidas... Deus nos dá uma viva esperança!

Quando a calamidade assalta as nossas vidas... Deus nos dá uma viva esperança! Quando a calamidade assalta as nossas vidas... 11 Amados, exorto-vos, como peregrinos e forasteiros que sois, a vos absterdes das paixões carnais, que fazem guerra contra a alma, 12 mantendo exemplar o

Leia mais

Aos meus pais, Serafim e Maria que souberam inculcar já na minha consciência infantil o amor e adoração a Cristo Jesus e veneração a Maria, mãe de

Aos meus pais, Serafim e Maria que souberam inculcar já na minha consciência infantil o amor e adoração a Cristo Jesus e veneração a Maria, mãe de Aos meus pais, Serafim e Maria que souberam inculcar já na minha consciência infantil o amor e adoração a Cristo Jesus e veneração a Maria, mãe de Deus, dedico este trabalho. Prefácio Cristo deixou-nos

Leia mais

E le é também Poesia. Ilda Pinto Almeida. Tecto de Nuvens

E le é também Poesia. Ilda Pinto Almeida. Tecto de Nuvens E le é também Poesia Ilda Pinto Almeida Tecto de Nuvens Ilda Pinto Almeida Prefácio Agradeço ao Deus Altíssimo o privilégio de me ter escolhido como veículo à escrita desta poesia. É com grande alegria

Leia mais

Por que e para que Jesus morreu na cruz? Evangelho de João

Por que e para que Jesus morreu na cruz? Evangelho de João Por que e para que Jesus morreu na cruz? Evangelho de João 3.16-17 INTRODUÇÃO Do texto lido, faço à igreja duas perguntas: Por quejesus morreu na cruz? Para que Jesus morreu na cruz? O por que e o para

Leia mais

Figuras de Linguagem

Figuras de Linguagem Figuras de Linguagem FIGURAS DE LINGUAGEM são recursos que tornam mais expressivas as mensagens. Subdividem-se em figuras de som, figuras de construção, figuras de pensamento e figuras de palavras. FIGURAS

Leia mais

Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7)

Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7) Silêncio: o caminho para Deus Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7) 1 / 5 Não há dúvidas: nascemos para Deus e apenas nele podemos encontrar o repouso para nossas almas

Leia mais

O Amor deve reger nossa Obediência João

O Amor deve reger nossa Obediência João O Amor deve reger nossa Obediência João 14.15-31 15 "Se vocês me amam, obedecerão aos meus mandamentos. 16 E eu pedirei ao Pai, e ele lhes dará outro Conselheiro para estar com vocês para sempre, 17 o

Leia mais

Teoria Literária I Profª Angela Catonio

Teoria Literária I Profª Angela Catonio Teoria Literária I Profª Angela Catonio VERSIFICAÇÃO PROSA É o texto em linguagem natural e espontânea, a expressão do não-eu. A estrutura do texto não possui forma especial de composição, compõese em

Leia mais

eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda)

eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda) eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda) propósito Viver pouco mas viver muito Ser todo o pensamento Toda a esperança Toda a alegria ou angústia mas ser Nunca morrer enquanto

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM 1) Oração Sexta-feira da 18ª Semana do Tempo Comum Manifestai,

Leia mais

Pensamento e Sentimento

Pensamento e Sentimento Pensamento e Sentimento Pensar - Sentir - Fazer Espiritualidade e Evolução Amor-sabedoria Verdade -- Justiça A Conexão com a Consciência Superior Instr. Eliseu Mocitaíba da Costa Pensamento e Sentimento

Leia mais

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor CAPA, DIAGRAMAÇÃO e ILUSTRAÇÃO Reginaldo Paz Mulheres Maravilhosas PAZ, Reginaldo 1ª Edição 2015 ISBN: 978-85-919101-6-8 Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS

ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS O texto a seguir refere-se às questões de 1 a 5. Mal secreto Raimundo Correia Se a cólera que espuma, a dor que mora N alma, e destrói cada ilusão que nasce, Tudo o que punge, tudo o que devora O coração,

Leia mais

OXUM PONTOS DE LINHA. 2. Olha o barquinho de Cinda > Cinda é quem vem trabalhar >2x Cinda é mamãe Oxum, aieiêo > Cinda é a cobra coral >2x

OXUM PONTOS DE LINHA. 2. Olha o barquinho de Cinda > Cinda é quem vem trabalhar >2x Cinda é mamãe Oxum, aieiêo > Cinda é a cobra coral >2x OXUM PONTOS DE LINHA 1. Eu vi mamãe Oxum na cachoeira > Sentada na beira do rio >2x Colhendo lírios, lírio ê Colhendo lírios, lírio a Colhendo lírios Pra enfeitar nosso Congá 2. Olha o barquinho de Cinda

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1º EM Literatura Klaus Av. Dissertativa 21/09/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1

SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1 SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1 ADILSON VENTURA DA SILVA Departamento de Estudos Linguísticos e Literários Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Estrada do Bem Querer, km 4 Centro

Leia mais

Pela beleza que há no amor e na pureza da inspiração que não morre, e que adormece dentro de cada um, despertada no som do silêncio.

Pela beleza que há no amor e na pureza da inspiração que não morre, e que adormece dentro de cada um, despertada no som do silêncio. Pela beleza que há no amor e na pureza da inspiração que não morre, e que adormece dentro de cada um, despertada no som do silêncio. Que esta passagem por aqui seja alicerçada na harmonia da afeição natural

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM Sábado da 27ª Semana do Tempo Comum 1) Oração Ó Deus eterno

Leia mais

O começo da história

O começo da história O começo da história Fotografia: Anastácia de Moura Leonardo Koury Martins O começo da história Todos nós temos um começo, um início, uma primeira vez. O importante é que desde este primeiro passo, possamos

Leia mais

OS SONETOS A QUATRO MÃOS DE CAMÕES E VINICIUS DE MORAES THE FOUR-HANDED SONETS BY CAMOES AND VINICIUS DE MORAES

OS SONETOS A QUATRO MÃOS DE CAMÕES E VINICIUS DE MORAES THE FOUR-HANDED SONETS BY CAMOES AND VINICIUS DE MORAES OS SONETOS A QUATRO MÃOS DE CAMÕES E VINICIUS DE MORAES THE FOUR-HANDED SONETS BY CAMOES AND VINICIUS DE MORAES Marcos Hidemi de Lima (UEL) Márcia de Fátima Martinez (UEL) RESUMO: Valendo-se da literatura

Leia mais

Quero que vocês falem português! Falem comigo! O Presente do Subjuntivo no português

Quero que vocês falem português! Falem comigo! O Presente do Subjuntivo no português Quero que vocês falem português! Falem comigo! O Presente do Subjuntivo no português A Conjugação A origem: Eu - Presente do Indicativo ex. Falo, posso Retirar a terminação -o: Ex. Fal-, poss- Adicionar

Leia mais

SUMÁRIO O PRIMEIRO LIVRO: ADMOESTAÇÕES ÚTEIS PARA UMA VIDA ESPIRITUAL

SUMÁRIO O PRIMEIRO LIVRO: ADMOESTAÇÕES ÚTEIS PARA UMA VIDA ESPIRITUAL SUMÁRIO O PRIMEIRO LIVRO: ADMOESTAÇÕES ÚTEIS PARA UMA VIDA ESPIRITUAL 1. Desprezo de Todas as Vaidades do Mundo... 17 2. Conceito Humilde de Nós Mesmos... 18 3. Doutrina da Verdade... 19 4. Pensar Primeiro

Leia mais

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas Mensagem Fernando Pessoa Análise de poemas Pedro Sousa Pereira, in Fernando Pessoa Mensagem, Oficina do Livro, novembro de 2006 Entre Margens V I R I A T O Se a alma que sente e faz conhece Só porque lembra

Leia mais

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede:

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Português Leitura de texto 3 os anos Wilton fev/11 Nome: Nº: Turma: 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino escreve! No aconchego Do claustro, na

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino - foi um frade dominicano

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA 6 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª DINANCI SILVA PROF. MÁRIO PAIXÃO

LÍNGUA PORTUGUESA 6 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª DINANCI SILVA PROF. MÁRIO PAIXÃO LÍNGUA PORTUGUESA 6 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª DINANCI SILVA PROF. MÁRIO PAIXÃO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Trabalho: a trajetória humana, suas produções e manifestações. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

Mensagem do dia: Se for amor

Mensagem do dia: Se for amor Só se for amor Mensagem do dia: Se for amor Se for amor, vai reconsiderar, perdoar e seguir adiante, se for paixão vai se descabelar, se amargurar e não vai perdoar, vai carregar a dor pelos dias em que

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

A) Um tal home sei eu, ai bem talhada, que por vós tem a sa morte chegada; vedes quem é (e seed' ém nembrada): eu, mià dona.

A) Um tal home sei eu, ai bem talhada, que por vós tem a sa morte chegada; vedes quem é (e seed' ém nembrada): eu, mià dona. A) Um tal home sei eu, ai bem talhada, que por vós tem a sa morte chegada; vedes quem é (e seed' ém nembrada): eu, mià dona. Um tal home sei [eu] que preto sente de si [chegad' a] morte certamente; vedes

Leia mais

Alufá-Licutã Oxorongá ÚTERO DE PEDRA

Alufá-Licutã Oxorongá ÚTERO DE PEDRA 1 2 ÚTERO DE PEDRA 3 4 Alufá-Licutã Oxorongá ÚTERO DE PEDRA 5 Copyright Alufá-Licutã Oxorongá Direitos desta edição reservados à Alufá-Licutã Oxorongá alufalicuta@hotmail.com Recife Pernambuco - Brasil

Leia mais

O CÉU E A TERRA Catequese com adultos Chave de Bronze

O CÉU E A TERRA Catequese com adultos Chave de Bronze O CÉU E A TERRA 07-01-2011 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze O que significa que Deus é omnipotente? Deus revelou-se como «o Forte, o Potente», Aquele para quem «nada é impossível». A sua omnipotência

Leia mais

O primeiro suspiro de um poeta insano!

O primeiro suspiro de um poeta insano! 1 O primeiro suspiro de um poeta insano! 2012 2 O primeiro suspiro de um poeta insano Jonas Martins 1ª.Edição..Poesia Todos os direitos reservados ao autor A reprodução total ou parcial desta obra só é

Leia mais

FIGURAS DE LINGUAGEM

FIGURAS DE LINGUAGEM FIGURAS DE LINGUAGEM Elipse: É a omissão de um termo ou de uma oração inteira que já foi dita ou escrita antes, sendo que esta omissão fica subentendida pelo contexto. Exemplos: - Sobre a mesa, apenas

Leia mais

1º Edição

1º Edição Sensações 1º Edição WWW.Perse.com.br Página 1 Codinome: Tabrao Email: Tania_morenagata@hotmail.com Nasceu no dia 09 de Agosto de 1984 Natural da cidade de Lapa - PR Reside a Rua Francisco Veloso, 282 Ponta

Leia mais

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS 11. Já vimos que Jesus Cristo desceu do céu, habitou entre nós, sofreu, morreu, ressuscitou e foi para a presença de Deus. Leia João 17:13 e responda: Onde está Jesus Cristo agora? Lembremo-nos que: Jesus

Leia mais

Amor em Perspectiva Cultural - John Lennon, Paulo de Tarso et al

Amor em Perspectiva Cultural - John Lennon, Paulo de Tarso et al Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Cultura Educador: João Nascimento Borges Filho Amor em Perspectiva

Leia mais

Impressão da Capa: Gráfica São José

Impressão da Capa: Gráfica São José Direitos autorais reservados 2013 Mario de Almeida. 1ª Edição: novembro/2013 Impressão da Capa: Gráfica São José Obras do Autor Lindos Poemas de amor - 2001 Amor em Poesias - 2003 Poemas Proibidos - 2004

Leia mais

Romantismo Poesia 1ª e 2ª Geração

Romantismo Poesia 1ª e 2ª Geração Romantismo Poesia 1ª e 2ª Geração Minha terra Minha terra tem palmeiras Onde canta o sabiá Todos cantam sua terra, Também vou cantar a minha, Nas débeis cordas da lira Hei de fazê-la rainha; Hei de dar-lhe

Leia mais

BONS Dias. Ano Pastoral Educativo Colégio de Nossa Senhora do Alto. Com Maria Desperta a. Luz. que há em TI

BONS Dias. Ano Pastoral Educativo Colégio de Nossa Senhora do Alto. Com Maria Desperta a. Luz. que há em TI BONS Dias Com Maria Desperta a Luz que há em TI 2ª feira, dia 12 de dezembro de 2016 III Semana (11 de dezembro): ALEGRAR Ontem, a Igreja celebrou o domingo da alegria: Jesus está para chegar e só Ele

Leia mais

Camões (1525? 1580) Sobre a Obra e os Sonetos Camões

Camões (1525? 1580) Sobre a Obra e os Sonetos Camões 1 Camões (1525? 1580) Sobre a Obra e os Sonetos Camões Sabemos que a obra lírica camoniana, póstuma(1595), chama-se Rimas. Em vida, Camões só publicou três poemas. Um historiador contemporâneo, Diogo de

Leia mais

Metáfora. Ó minha amada Que olhos os teus São cais noturnos cheios de adeus. São docas mansas. Que brilham longe Longe nos breus. Vinicius de Moraes

Metáfora. Ó minha amada Que olhos os teus São cais noturnos cheios de adeus. São docas mansas. Que brilham longe Longe nos breus. Vinicius de Moraes Metáfora Ó minha amada Que olhos os teus São cais noturnos cheios de adeus. São docas mansas Trilhando luzes Que brilham longe Longe nos breus. Vinicius de Moraes Comparação ou símile Amar é comomudar

Leia mais

Trabalho realizado por: Mónica Algares. Nº10 Turma: S Ano: 11º. Disciplina de: Português. Módulo 8

Trabalho realizado por: Mónica Algares. Nº10 Turma: S Ano: 11º. Disciplina de: Português. Módulo 8 Trabalho realizado por: Mónica Algares Nº10 Turma: S Ano: 11º Disciplina de: Português Módulo 8 José Joaquim Cesário Verde nasceu no dia 25 de Fevereiro de 1855 em Lisboa, na Rua da Padaria, freguesia

Leia mais

QUANDO EU TINHA VOCÊ!

QUANDO EU TINHA VOCÊ! QUANDO EU TINHA VOCÊ! Local: Salvador(BA) Data: 02/02/1997 Estúdio:24/12/10 Estilo:Forró arrastapé Tom: C//(Dó sustenido) QUANDO EU TINHA VOCÊ A VIDA ERA TÃO BOA HOJE QUE TE PERDI VIVO COMO UM À TOA. VOCÊ

Leia mais

1.º C. 1.º A Os livros

1.º C. 1.º A Os livros 1.º A Os livros Os meus olhos veem segredos Que moram dentro dos livros Nas páginas vive a sabedoria, Histórias mágicas E também poemas. Podemos descobrir palavras Com imaginação E letras coloridas Porque

Leia mais

Geração compaixão A Revolução do Amor!

Geração compaixão A Revolução do Amor! 1 Geração compaixão A Revolução do Amor! A velocidade com que o tempo passa, nos mostra claramente a fugacidade da vida. Já estamos em 2016! E este será um ano diferente para a juventude adventista no

Leia mais