LIDERANÇA NA GESTÃO DE PROJETOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIDERANÇA NA GESTÃO DE PROJETOS"

Transcrição

1 1 LIDERANÇA NA GESTÃO DE PROJETOS Autor: Professor Orientador M. Sc. Márcio Alves Suzano, Doutorando em Engenharia Oceânica pela COPPE/UFRJ e Professor da Universidade Gama Filho/UGF/RJ; e Co-autor: Aluno Hugo Ferreira Martins, Graduando em Administração pela Universidade Gama Filho / UGF/ RJ. Março de 2011

2 2 LIDERANÇA NA GESTÃO DE PROJETOS Resumo Este artigo realiza um estudo que busca identificar como o exercício da liderança pelo gerente de projeto pode ser determinante na organização das tarefas nas fases do ciclo de vida de projetos. Com o objetivo de demonstrar como liderar projetos, vários pontos foram analisados como: que influência um gerente de projeto tem sobre os resultados, relacionando a motivação do líder e da equipe nas missões do projeto através de suas habilidades e competências, diferenciando os estilos de liderança voltados para a equipe ou para o projeto. Verificou-se que identificar conflitos e saber como tratá-los, deverá permitir maior pró-atividade e preparação dos gestores de projeto. Foram analisados os papéis principais do gerente de projeto com suas respectivas responsabilidades. Foi feito um estudo através de pesquisa bibliográfica para saber de que maneiras a liderança poderá influenciar na gestão de projetos. O trabalho não oferece recomendações, mas princípios encontrados nos estudos bibliográficos. Os resultados deste artigo serão importantes como peças teóricas fundamentais para o aumento do conhecimento de um futuro ou atual gestor de projetos, auxiliando com detalhes sobre, como um líder tomar melhores condutas na gestão de projetos. Palavras-chave: liderança, ciclo de vida do projeto, gerenciamento de projeto.

3 3 Abstract This article presents a study aiming to identify how the exercise of leadership by the project manager can be instrumental in organizing the tasks in the phases of the life cycle of projects. Aiming to demonstrate how to lead projects, several points were analyzed as to influence a project manager has over the results, relating to motivation and team leader on missions project through their skills and competencies, differing styles of leadership toward the team or the project. It was found that identify conflicts and how to treat them, should allow greater pro-activity and preparation of project managers. We analyzed the roles of project manager with their respective responsibilities. A study was done through literature search to find ways that leadership can influence the management of projects. The work does not offer recommendations, but the principles found in bibliographical studies. The results of this paper will be important as the fundamental theoretical pieces to increase the knowledge of a future or current project manager, assisting with details on how to make, a better leader behaviors in project management. Keywords: leadership, project life cycle, project management.

4 4 1. INTRODUÇÃO Com a economia moderna nas últimas décadas, o estudo sobre gerenciamento de projetos tem crescido, pois muitos desafios surgiram e para sobreviver num ambiente de alta velocidade e complexidade, as organizações passaram a adotar tecnologias e estratégias de gestão inovadoras. Com o objetivo de fornecer detalhes importantes à liderança na gestão de projetos para que o desenvolvimento de um projeto seja bem sucedido, a pesquisa de campo deste artigo buscou identificar e entender a importância de um gestor saber lidar com os conflitos típicos nos projetos, permitindo aos agentes envolvidos, a tomada de posturas preventivas e mais positivas para seu tratamento. Também buscou identificar as principais ocorrências das atividades nas fases do ciclo de vida de um projeto, destacando os papéis do gerente de projeto, competências gerenciais, estilos de liderança. Os tipos de autoridade não foram mensionados neste artigo, pois verificouse que não existe solução conclusiva para o problema de definir a dose ideal de autoridade do gerente de projeto sobre a equipe e os demais recursos do projeto. Essas premissas foram identificadas nos trabalhos de MAXIMINIANO (2002) e MENEZES (2001).

5 5 2. DESENVOLVIMENTO Liderança É a capacidade pessoal de aglutinar e influenciar pessoas para realização de objetivos. É uma das atribuições dos gerentes nas organizações formais, uma atribuição complexa, que envolve inúmeras tarefas e habilidades. (MAXIMINIANO, 2002, p. 202). Maximiniano (2002), destacou que na liderança da gestão de projeto, a autoridade formal hierárquica tem suas limitações, ou seja, a eficácia de um gestor fica mais condicionada às habilidades do que à autoridade. Ele define que liderar significa obter resultados mobilizando pessoas. Os efeitos que a liderança produz dependem de uma combinação complexa de diversos elementos. Na administração de projetos, quatro elementos devem ser estudados para que se tenha uma visão abrangente sobre a liderança: as motivações da equipe do projeto, a missão a que o projeto se propõe, as habilidades de liderança do gerente do projeto e a conjuntura dentro da qual o processo ocorre. Maximiniano (2008), conta que a liderança está inserida num processo interpessoal dentro de um contexto complexo em que as características pessoais do líder estão interligadas às motivações dos liderados. As características das tarefas servem como elo de ligação entre líderes e seguidores para execução de uma missão ou tarefa, que está relacionada com a conjuntura social, representada pelos fatores históricos, organizacionais e culturais onde ocorrem o processo de liderança. Em algumas culturas a liderança tem mais importância que a autoridade formal e o contrário também ocorre. Um exemplo disso é quando um gerente de um projeto estratégico necessita ter o cargo de diretor, porque como gerente intermediário, passaria por dificuldades para ser aceito. Há dois tipos principais de conteúdo nas missões de projeto, que correspondem aos dois tipos de motivações da equipe: moral e calculista. Missão de conteúdo moral. A principal recompensa do liderado, na execução de uma missão de conteúdo moral, é a própria participação na realização do projeto. A adesão do liderado às proposições do líder é fruto de sua atração pelo desafio do projeto, de sua crença na legitimidade do projeto ou de sua admiração pessoal pela figura do gerente. Missão de conteúdo calculista: a relação do tipo calculista entre a equipe e o projeto, baseia-se na expectativa de que o projeto trará recompensas como remuneração, promoções, liberalidade no uso do tempo e participação em programas de treinamento. As competências do líder revelam-se em seus traços de personalidade, habilidades, atitudes e outras características pessoais que são determinantes de seu desempenho eficaz. Traços de personalidade. Alguns dos traços de personalidade mais característicos dos líderes são a iniciativa nas relações pessoais e o senso de identidade pessoal. Isso significa, por exemplo, que os líderes reconhecem em si próprios a capacidade de liderança e a apreciam. Motivações do líder. Algumas pessoas são lideres porque gostam de liderar, interessando-se em perseguir, ocupar e exercitar posições de poder. A pessoa que tem esse interesse demonstra ou procura ocupar cargos gerenciais ou reage favoravelmente quando eles lhe são oferecidos. Um exame que um candidato à líder deve fazer em si próprio é o de sua disposição para liderar. Habilidades pessoais. Liderança não é um atributo inato, mas uma família de habilidades que qualquer pessoa pode desenvolver, desde que tenha

6 6 as motivações. O desenvolvimento das habilidades torna a liderança uma competência acessível por meio da educação, treinamento e experiência. O próprio processo de liderar projetos pode ser considerado uma escola de liderança. A conjuntura é representada pelos fatores históricos, organizacionais e culturais dentro dos quais ocorre o processo de liderança. A importância que tem a liderança, em contraste com a autoridade formal ou a organização formal, por exemplo, é um fator cultural. Em certas culturas, a liderança tem mais importância que a autoridade formal. Em outras, acontece o contrário. A posição permanente do líder é um fator organizacional. Em uma organização, por exemplo, o gerente de um projeto estratégico precisa ocupar o cargo de diretor. Um gerente intermediário teria dificuldades para ser aceito. Estilos de liderança Maximiniano (2002), destaca que o estilo de liderança é uma das principais habilidades como estratégia de condução da equipe que é caracterizada sob uma dimensão bipolar, com dois estilos extremos que correspondem às possibilidades (Figura 1). Sobre decidir qual o melhor estilo a ser adotado, seja voltado pra equipe ou para o projeto, ele define que os dois estilos têm suas vantagens e desvangens e poderão ser eficazes dependendo da situação, onde o líder que pretende ter eficácia na sua função, deverá ser capaz de escolher o melhor estilo que se adeque à situação. A situação compreende à equipe e ao projeto, que se interagem, mas serão analisadas separadamente a seguir. Figura 1: Dois estilos básicos de liderança. Fonte: (MAXIMINIANO, 2002, p. 206) Estilo voltado para equipe: Maximiniano (2002), conta que a equipe pode afetar a escolha do estilo de liderança, conforme sua maturidade que se mensura por duas variáveis: motivação e competência. A Figura 2 resume as quatro possibilidades produzidas pela combinação dessas variáveis e os estilos adequados e a seguir é feita um análise das quatro situações avaliadas em termos de motivação e competência da equipe: a) Motivação elevada, competência elevada: uma equipe motivada e competente praticamente não precisa de liderança. Quanto mais orientado para a equipe for o estilo de liderança, mais adequado é para a situação na qual a equipe é competente e motivada. O senso de responsabilidade, a

7 7 competência do autogoverno e a igualdade entre os membros de um grupo podem até mesmo tornar desnecessários os líderes, que assumem o papel não de condutores de pessoas, mas de coordenadores do processo decisório. Nesse caso, o objetivo do líder é alcançar um regime de autogestão dentro da equipe. b) Motivação baixa, competência baixa: baixos níveis de motivação e competência exigem ênfase em todas as funções da liderança. Treinamento, encorajamento, aconselhamento pessoal, acompanhamento do desempenho e verificação de resultados são as ações que o gerente deve realizar. Uma equipe de principiantes, selecionados arbitrariamente para um projeto sem desafios, e o caso que ilustra essa situação em que o estilo apropriado e a orientação simultânea para a obtenção de resultados e para o clima humano do projeto. c) Motivação alta, competência baixa: neste caso, a equipe compartilha um sentimento de predisposição positiva e interesse pelo projeto, mas tem carência de qualificações. Provavelmente, um grupo de novatos, que foram selecionados para um projeto desafiador, mas que não tem experiência nem conhecimentos sobre projetos. A motivação ou disposição elevada indica que o gerente não precisa se preocupar muito com o clima humano. É necessário, por outro lado, enfatizar a função de liderança para fornecer treinamento, orientação e feedback, bem como dirigir as ações da equipe nas tarefas em que o gerente se sinta mais proficiente. d) Motivação baixa, competência elevada: as pessoas da equipe "são do ramo e conhecem o serviço", mas estão desinteressadas. Não necessitam de treinamento, orientação ou feedback. No entanto, podem precisar de atenção pessoal, encorajamento e, possivelmente, algum tipo de incentivo. Provavelmente, um grupo de veteranos que esta na fase descendente de seu desempenho, ou um grupo de jovens de alto potencial, alocados a um projeto que esta aquém de suas possibilidades. Figura 2: Situação avaliada em termos de motivação e competência da equipe.. Fonte: (MAXIMINIANO, 2002, p. 208)

8 8 Estilo voltado para o projeto: Um projeto afeta o estilo de liderança à medida que a natureza da tarefa pode exigir maior ou menor participação da equipe e, inversamente, menor ou maior ênfase no papel do gerente. As exigências da tarefa estão relacionadas às fases do ciclo de vida do projeto De forma geral, o estilo orientado para a equipe é recomendado quando a atividade requer as contribuições de todos os integrantes, independentemente de sua maturidade. Este é o caso na fase conceitual. O estilo de liderança, porém, não e a delegação, mas a participação simultânea do gerente e da equipe no processo de tomar decisões. E o estilo democrático, caracterizado pelas decisões tomadas de forma compartilhada. A delegação é o estilo que provavelmente melhor se adapta a fase executiva do projeto, desde que a equipe e o gerente estejam de acordo quanto à realização das tarefas e aos resultados a serem alcançados. Aqui, o estilo continua orientado para a equipe, com pequena ênfase do gerente no acompanhamento dos resultados. A execução de determinados projetos, porém, pode exigir o estilo predominantemente orientado para o gerente. Isso ocorre quando ha uma pressão muito forte exercida pelo prazo do projeto, ou por seus requisitos de qualidade. Ou então, as atividades são interdependentes, mas cada integrante ou pequeno grupo esta tão concentrado em suas tarefas particulares, que não tem a visão do conjunto. Fornecer a visão do conjunto, encorajar e cobrar a equipe, e zelar pela observação dos prazos e da qualidade são as atividades que o gerente deve desempenhar. À medida que o projeto aproxima-se de seu encerramento, a liderança volta-se outra vez para o gerente. O gerente é o guardião das informações e, por causa disso, o participante mais ativo desta fase de finalização. PROJETO Projetos são sistemas ou sequência de atividades finitas, com começo, meio e fim bem definidos. Uma atividade repetitiva, ou que tem duração contínua não é um projeto. (MAXIMINIANO, 2002, p. 26, grifo pessoal). O projeto é o elo entre as motivações da equipe são o papel de líder como gerente. A aceitação do gerente como líder depende da correspondência entre o próprio e as motivações da equipe. (MAXIMINIANO, 2002, p ). Fases do Ciclo de Vida de um Projeto Maximiniano (2002), mensiona que todo projeto começa com uma idéia, às vezes, com um sonho que passa por fases diferentes antes de se definir como um produto a ser utilizado. O ciclo é iniciado com a descoberta da idéia. Após essa descoberta, o modelo mental transforma-se em um desenho detalhado do produto (protótipo ou maquete do prouto). Em seguida o produto é gradativamente elaborado e no final do projeto é apresentado ao cliente. Menezes (2001), define que entre o início e o final do projeto, existe todo um desenvolvimento, uma estruturação, uma implantação e uma conclusão. As atividades são próprias para cada projeto e algumas ocorrências dessas atividades serão descritas em quatro fases a seguir (Conceitual, Planejamento, Execução e Conclusão): Fase I Conceitual: o gestor deve identificar as necessidades e/ou oportunidades traduzindo-as e equacionando para definir o problema. Nesta fase determina-se os objetivos e metas a serem alcançados; analisa-se o

9 9 ambiente do problema e as potencialidades ou recursos disponíveis; avalia-se a viabilidade de atingimento dos objetivos estimando os recursos necessários; elabora-se a proposta do projeto; apresenta-se a proposta e venda da idéia; avalia-se e seleciona-se com base na proposta submetida e é feita a decisão quanto à execução do projeto. Fase II Planejamento: nesta fase são detalhadas as metas e objetivos a serem alcançados, com base na proposta aprovada; definição do gerente do projeto; detalhamento das atividades e estruturação analítica do projeto; programação das atividades no tempo disponível e/ou necessário; determinação dos resultados tangíveis a serem alcançados durante a execução do projeto; programação da utilização e aprovisionamento dos recursos humanos e materiais necessários ao gerenciamento e a execução do projeto; delineamento dos procedimentos de acompanhamento e controle a serem utilizados na implantação do projeto; estabelecimento da estrutura orgânica formal a ser utilizada para o projeto; estruturação do sistema de comunicação e de decisão a ser adotado; designação e comprometimento dos técnicos que participarão do projeto; treinamento dos envolvidos com o projeto. Fase III Execução: busca-se ativar a comunicação entre os membros da equipe do projeto; executa-se as etapas previstas e programadas; utiliza-se os recursos humanos e materiais, sempre que possível, dentro do que foi programado; efetua-se reprogramações no projeto, adotando os planos e programas iniciais como diretrizes, eventualmente, mutáveis. Fase IV Conclusão: corresponde ao término do projeto, onde há uma aceleração das atividades que, eventualmente, não tenham sido concluídas; realocação dos recursos humanos do projeto para outras atividades ou projetos; elaboração da memória técnica do projeto; elaboração de relatórios e transferência dos resultados finais do projeto; elaboração de avaliações globais sobre o desempenho da equipe do projeto e os resultados alcançados. Analisando todas as fases, poderemos identificar a possibilidade de conflitos típicos nos projetos e como poderemos lidar com esses conflitos. Conflitos Típicos nos projetos Cabe ressaltar que o Ciclo de Vida de um projeto também se manifesta na previsão dos problemas e conflitos possíveis de ocorrerem em cada uma de suas fases. Menezes (2001), destaca que esses conflitos envolvem o patrocinador do projeto que funciona como um facilitador na busca de soluções. O gerente do projeto, os gerentes funcionais e os especialistas, envolvem-se por estarem diretamente relacionados com o andamento do projeto. Wilemon e Taimhan (apud MENEZES, 2001), identificaram tipos de conflitos principais em um projeto: Estabelecimento de prioridades: ocorrem em razão de mudanças na organização, interna ou externa ao projeto; Procedimentos administrativos: se referem à identificação do grau de investimento e à dedicação a documentação e formalização dos fluxos de comunicação durante o empreendimento; Avaliação técnica da qualidade: são os que espelham divergências sobre os parâmetros que devem ser considerados e as medidas desses parâmetros na avaliação da qualidade dos resultados dos trabalhos realizados sejam esses trabalhos parciais ou finais;

10 10 Disponibilidade e qualificação dos recursos humanos: referem-se às tratativas feitas, normalmente, entre o gestor do projeto e os gestores funcionais que alocam os recursos especialistas para execução das atividades do projeto; Custos: corresponde aos desafios de controle do orçamento, através de recursos financeiros que possuem suas limitações; Programação de atividade: evoluem no detalhamento das atividades e crescem durante a implementação. Saber o que fazer com resultados diferentes do planejado originalmente, provoca conflitos desse tipo; Personalidade: referem-se àqueles interpessoais e intra-pessoais originados pela percepção de uma mudança na realidade do projeto ou da corporação na qual o projeto se insere. (mudança de equipe, troca de líder, clima do projeto, inícios e finalizações de fases). Em alguns elementos das fases do ciclo de vida do projeto, podemos identificar uma variação de pressão ao longo do período transcorrido desde a concepção até sua conclusão. A pressão sempre existirá, apenas a intensidade dos conflitos que poderá mudar como mostra a Figura 2.1. Figura 3: Intensidade dos conflitos em projetos. Fonte: (MENEZES, 2001, p. 162) Conforme a pesquisa de Wilemon e Thamhain (apud MENEZES, 2001), cada um dos principais conflitos em cada uma das fases do ciclo de vida do projeto também mostram essa variação de intensidade. Conforme a Figura 4 a seguir, verifica-se que existe maior intensidade na fase de estruturação, seguida pela fase de execusão, provavelmente por existir uma maior quantidade de proficionais envolvidos no projeto, com negociações e implementações mais intensas.

11 11 Figura 4: Variação da intensidade de conflitos ao longo do ciclo de vida dos projetos. Fonte: (MENEZES, 2001, p. 163) Como lidar com conflitos? Conforme Menezes (2001), as mais comuns maneiras de lidar com conflitos em projetos são: A negação ou retração e aplicada quando você não pode vencer. Dessa forma, você "bate de retirada" da situação. Outras vezes, você precisa apenas ganhar mais tempo para analisar determinada demanda. Nessa situação, a retração, ao e uma das melhores técnicas a ser aplicadas. O conflito não e dado por encerrado e, enquanto isso, você adquire mais informações e argumentos sobre o assunto em pauta. Outras vezes, utiliza-se essa técnica para preservar sua neutralidade ou reputação - como gestor do projeto ou mesmo como especialista. A supressão ou apaziguamento: é uma técnica empregada no tratamento de conflitos em projetos quando se quer atingir um objetivo extremamente difícil e é preciso contar com o apoio de todos os envolvidos no projeto. Por vezes, e preciso manter a harmonia entre as pessoas e essa técnica e, então, a mais indicada. Por outro lado, quando você vê que vai perder mesmo, empregue essa técnica e mantenha um bom clima de relacionamento dentro do projeto. O poder ou dominação: é uma técnica que você aplica quando cresce o conflito e você sabe que tem razão. A força também e aplicada em situações de "ou ele ou eu", tudo ou nada. Nessas circunstancias, você não pode titubear frente a seu, então, "oponente". Uma circunstancia em que aplicamos essa técnica e quando estamos diante de uma situação de elevado risco. Ser decisivo, preciso e não deixar nenhuma margem para duvidas, em tais circunstâncias, passa a ser fundamental para a continuidade do projeto. O acordo ou negociação: é aplicado quando as duas partes precisam vencer. Ambas preparam o que querem e identificam também "moedas de troca" para serem utilizadas durante as negociações, pois sabem que terão que "queima-

12 12 las" no processo de negociação. Em situações em que não pode vencer, você abre a negociação com o intuito de permitir que a outra parte crie a condição de arrebatar argumentos que lhe permitam vencer a negociação. Outras vezes, você não tem certeza que esta com a razão. Ai você abre a negociação para, inclusive, angariar argumentos que dêem sustentação a seu posicionamento. A integração ou colaboração: é a única maneira na qual o conflito, realmente, é eliminado. É empregada quando existem condições de envolvimento e motivação das pessoas em face do projeto, quando o objetivo do projeto é tido como sendo "seu" objetivo. Buscamos esse tipo de solução para os conflitos para reduzir custos no projeto ou quando sabemos que as habilidades se complementam e que o sucesso virá apenas com a colaboração das partes. Outra circunstancia em que a busca da colaboração é requerida, é quando há confiança na capacidade técnica do outro. As quatro primeiras formas apresentadas levam-nos a relações ganha-perde, ou seja, alguém sai vitorioso e outro derrotado pela forma de tratamento do conflito. Nota-se que as maneiras relatadas não são para eliminar os conflitos e sim a forma como tratálos. Para isso se torna necessário o gerente de projeto ter conhecimento de seus papéis com suas respectivas responsabilidades. Papéis do gerente de projeto Maximiniano (2002), define que a responsabilidade do gerente é assegurar a realização do projeto dentro dos padrões de desempenho da missão, prazo e custo o que exige a administração de comunicações, recursos humanos, contratos, rnateriais e riscos. As responsabilidades podem variar muito de uma organização para outra, dependendo da complexidade do projeto, do tipo de estrutura dos interesses do cliente e de muitos outros fatores. A seguir serão analisadas sete papéis principais com suas respectivas responsabilidades: a) Planejador: Como planejador, a principal tarefa do gerente é assegurar a preparação do projeto, com garantia de qualidade técnica, recursos aprovados e consenso de todos os stakeholders relevantes. Ao começar o projeto, o gerente deve ter uma idéia bem clara de como vai terniná-lo e o que acontecerá no caminho. As responsabilidades nesse papel são as seguintes: esclarecer precisamente as necessidades do cliente, os produtos do projeto, suas especificacções de desempenho, e outros objetivos; traçar estratégias eficazes para a realização dos objetivos; fazer projeções e estimativas de fatos, eventos e recursos; analisar o contexto em que o projeto será iniciado e realizado; enxergar o projeto como sistema, desde sua concepção básica até, se for o caso, seu ciclo de vida como produto comercial; coordenar e participar da elaboração de propostas, cronogramas, orçamentos, estruturas analíticas e outras ferramentas de planejamento; assegurar o consentimento do cliente e que a equipe entenda suas exigências em relação ao projeto; garantir o planejamento e controle realista do projeto. b) Organizador: Como organizador, o gerente de projetos deve prever e mobilizar os meios, especialmente as pessoas, para realizar o projeto. Nesse papel, o gerente está, essencialmente, trabalhando na montagem da estrutura organizacional do projeto. Algumas das principais responsabilidades sao as seguintes: definir o perfil das aptidões necessárias para forrnar a equipe do projeto; mobilizar as pessoas que tenham aptidões relevantes para o projeto; negociar participações e obter, dos gerentes funcionais, o compromisso do envolvimento de homens-hora ou de pessoas especificas; estruturar a equipe, dando-lhe uma organização mediante a divisão de atribuições entre seus

13 membros; assegurar que cada um conheça não apenas suas próprias atribuições, como também as atribuições dos demais membros da equipe e de outras pessoas vinculadas ao projeto; assegurar que todos os membros do projeto conheçam os objetivos e atividades do projeto; avaliar e atender as necessidades de modificações na composição da equipe. c) Administrador de pessoas: como administrador de pessoas, o gerente de projetos lida com as competências, corações e mentes da equipe. Nesse papel, ele e o diretor de equipe, trabalhando na dimensão humana e comportamental, lidando com as pessoas como pessoas e não como recursos do projeto. Suas principais responsabilldades nesse papel sao as seguintes: transforrnar a equipe num grupo de pessoas interessadas e empenhadas no sucesso do projeto, apresentando-lhes uma visão do desenvolvimento global do empreendimento e informações sobre seu andamento; desenvolver uma atitude favorável em relação ao projeto em outras pessoas envolvidas no empreendimento, mas que não estejarn diretamente sob sua autoridade formal; lidar com as frustrações decorrentes de decisões sobre alocação e movimentação de pessoal, que levam em conta as necessidades e limitações da empresa antes que os interesses pessoais; tomar e explicar decisões que afetam o território emocional dos integrantes da equipe, como promoções, escolhas de pessoas e outras; administrar e orientar as carreiras de seu pessoal; prestar orientação técnica e gerencial à equipe; avaliar e encaminhar o atendimento das necessidades de treinamento da equipe; detectar e resolver os conflitos técnicos e humanos ao longo do projeto; promover a integração da equipe e o intercâmbio entre as diferentes equipes de projetos; detectar, analisar e encaminhar as reivindicações da equipe; avaliar as potencialidades e o desempenho efetivo dos membros da equipe; enfrentar situações de administrar e compatibilizar comportamentos pessoais excêntricos, harmonizar interesses de pessoas e grupos com a estratégia da organização e reduzir os riscos da obsolescência profissional da equipe. d) Administrador de interfaces: administrar interfaces e articular acordos são tarefas predominantes em qualquer ambiente de projetos, que são, em grande parte dos casos, soluções organizacionais e coletivas. A administração eficaz de interfaces é uma das maneiras de elevar a probabilidade de êxito do projeto. Grande parte da qualidade do planejamento, organização e outras funções do projeto, depende muito mais da articulação de acordos do que da sofisticação das técnicas.articular a equipe do projeto com outras unidades da organização e estas entre si; trazer para o projeto o ponto de vista de outras unidades e stakeholders; responsabilizar-se pelos resultados do projeto, perante a administração superior e outras unidades; assegurar que todos conheçam os objetivos e necessidades do projeto; assegurar que a equipe entenda e atenda as necessidades e dificuldades das unidades funcionais envolvidas no projeto; testar continuamente o consenso dentro da equipe e das unidades com as quais há interfaces. e) Administrador de tecnologia: a administração da tecnologia envolve as tarefas, responsabilidades e decisões do gerente dentro do domíinio técnico do projeto. As mais importantes responsabilidades nessa area sao as seguintes: manter abertos os canais da atualização técnica da equipe; fornecer conhecimentos técnicos para a realização do projeto e a capacitação da equipe; orientar as atividades dos integrantes da equipe; conhecer a relação entre o resultado final desejado e as tecnologias necessárias para alcançá-lo; especificar o resultado final em termos de desempenho desejado e solicitar as 13

14 14 contribuições da equipe para fazer as definições dos detalhes técnicos; familiarizar-se com as pessoas e suas capacidades como especialistas; manterse atualizado nas áreas tecnológicas relevantes para o projeto; conhecer a linguagem técnica básica dos integrantes da equipe. f) Implementador: predominam nesse papel as funções e tarefas de executar e corrigir os pianos, cuidar do suprimento de recursos, fornecer informações, avaliar o desempenho e cobrar providências. Embora seja o papel mais exigido na execução, também é necessário desempenho nas fases de preparação e estruturação, quando o gerente deve "correr atrás das coisas" para assegurar a disponibilização dos recursos e do consenso necessários para a eficácia do empreendimento. Iniciar e fazer andar o projeto; identificar prontamente todos os desvios do planejamento e garantir sua correção; garantir o recebimento dos pagamentos de acordo com o contrato; manter controle sobre todos os contatos feitos com o cliente e promover contatos da equipe com o cliente; arbitrar e solucionar conflitos e diferenças entre as diferentes unidades organizacionais envolvidas no projeto; promover a qualidade da comunicação em todas as interfaces do projeto. Acompanhar operações de campo, envolvendo instalação de equipamentos, construções e experimentos, se for o caso. Manejar a política organizacional para obter o apoio necessário ao projeto. Carregar a bandeira do projeto e manter a equipe orientada para o resultado desejado, personificando o projeto e liderando a equipe; redigir, negociar e defender propostas; solicitar fundos e apoios para projetos; redigir e apresentar relatórios; controlar despesas e receitas; preparar prestações de contas; negociar participações de pessoas, complementações e remanejamentos de recursos e adiamentos de prazos. Concluir o que começou. g) Formulador de métodos: o papel de formulador de métodos não está ligado a nenhum projeto específico. É o papel que se relaciona com a formulação de metodologias, procedimentos, estruturas e sistemas de administração de projetos. Esse papel envolve refletir sobre o próprio papel e reunir-se com outros gerentes de projetos e unidades organizacionais, e com a administração superior, para: fornecer subsídios para a elaboração de estruturas organizacionais, descrições de responsabilidades, manuais e outros elementos do sistema de administração de projetos da organização; contribuir para a criação de políticas e procedimentos de administração de projetos; avaliar, registrar e disseminar informações sobre sucessos e insucessos na história dos projetos da empresa; participar de decisões que envolvem a escolha de modelos e sistemas de administração de projetos. Metodologia Considerando que o estudo tem o propósito de analisar o exercício da liderança sobre a gestão de projetos, adotou-se uma pesquisa bibliográfica, a fim de descrever quais os critérios que um líder deve utilizar para administrar um projeto. O trabalho não oferece recomendações, mas princípios encontrados nos estudos fornecidos em uma revisão bibliográfica. Resultados e discussão Os resultados deste artigo serão importantes como peças teóricas fundamentais para o aumento do conhecimento de um futuro ou atual gestor de projetos, auxiliando com detalhes sobre como um líder tomar melhores condutas na gestão de projetos.

15 15 3. CONCLUSÕES Líder é, geralmente, uma pessoa visionária quando o rumo do projeto não é conhecido, um colaborador quando o consenso é necessário e é capaz de motivar aqueles que estão ao seu redor, sua equipe. Embora não haja um padrão de líder estabelecido para todas as organizações, existem muitos estudos que definem as características de um líder ideal que atenda uma determinada situação. Para tanto, é importante conhecer a cultura organizacional e o desejo de mudanças. É muito importante saber escolher a equipe do projeto e fazer com que ela possa trabalhar corretamente, distribuindo bem a carga e o conhecimento sobre o trabalho. A formação de uma equipe depende da intuição e de outros atributos do líder. No entanto, sua capacidade poderá ser ainda aprimorada através da prática do feedback positivo, da comunicação, do interfaceamento eficaz e do envolvimento de outras pessoas. Uma participação maior das pessoas envolvidas em projetos é positiva tanto em termos pessoais como em termos de trabalho. Não apenas pelo desejo inerente aos membros da equipe de participar, mas também pelo fato de verem parte de suas idéias postas em prática. Quando bem aplicada, a liderança no projeto ajuda a formar equipes eficientes e favorece a motivação e a sinergia necessárias para que se possa atingir com êxito os objetivos do projeto. Saber lidar com conflitos é uma arte que começa com sua identificação. O estudo da intensidade do conflito a cada fase, nos permite identificar onde devemos colocar nosso foco e atenção durante o desenvolvimento do projeto. O conhecimento de algumas formas já experimentadas para tratá-los deverá permitir maior pró-atividade e preparação dos gestores de projeto. Um projeto é caracterizado por sua singularidade, ou seja, cada caso é um caso, sucessos ou insucessos desta ou daquela modalidade oraganizacional, poderão ser muito influenciados por uma infinidade de fatores, tais como: personalidades das pessoas-chave, mudanças de conjuntura, azar, influências políticas, situações de acaso. Com o presente estudo, concluímos que toda empresa possui processos e projetos. Processos são necessários para a continuidade dos negócios e cumprimento da sua missão. E como qualquer companhia, sempre existirá os objetivos estratégicos que precisam ser alcançados. Surgem os projetos, que são iniciativas com início, meio e fim, que se destinam a atingir essas finalidades. O principal instrumento de gestão que uma empresa pode ter para garantir que essas iniciativas serão bem-sucedidas é o gerenciamento de projetos. Para tal gerenciamento torna-se necessário um líder que seja adequado às necessidades da empresa nas fases de um projeto. Com base nisso, um líder é necessário para gerenciar projetos, buscando conciliar as exigências por resultados com a gestão eficaz de pessoas, e conforme relata Russo (2005), garantindo a elas a autonomia necessária para realizar seu trabalho, ao mesmo tempo em que exige delas a responsabilidade proporcional à autonomia recebida.

16 16 REFERÊNCIAS AZEVEDO, Creuza da Silva. Liderança e processos intersubjetivos em organizações públicas de saúde. Ciência e Saúde coletiva, v. 7, n. 2, p , CAÑIZARES, Juan Carlos Lara; NAKAYAMA, Mariana Keiko. Análise da gestão do líder em relação a implementação da mudança organizacional: um estudo de caso. Read, v. 7, ed. 22, n. 4, p. 1-15, Jul./Ago DAVEL, Eduardo; MACHADO, Hilka Vier. A dinâmica entre liderança e identificação: sobre a influência consentida nas organizações contemporâneas. Rac, v. 5, n. 3, p , Set./Dez MAXIMINIANO, Antonio César Amaru. Administração de projetos: como transformar idéias em resultados. 2. ed. São Paulo: Atlas, Teoria geral da administração. 1. ed. 4. reimpr. São Paulo: Atlas, MENEZES, Luís César de Moura. Gestão de projetos. São Paulo: Atlas, RUSSO, Rosária de Fátima Segger Macri; RUIZ, Jose Moreno; CUNHA, Rosana Paulo da. Liderança e influência nas fases da gestão de projetos. Revista Produção, v. 15, n. 3, p , Set./Dez SUZANO, Márcio Alves (2009). Logística, Planejamento e Controle na Gestão da Manutenção. PoDeditora; 2ª Ed. SUZANO, Márcio Alves (2009). Gestão da Produção e Operações para Administradores. PoDeditora; 2ª Ed.

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

O GERENTE E A EQUIPE DE PROJETOS O Gerente de Projeto. Gestão Pública - 2º Ano Desenvolvimento de Projetos Prof. Rafael Roesler Aula 5

O GERENTE E A EQUIPE DE PROJETOS O Gerente de Projeto. Gestão Pública - 2º Ano Desenvolvimento de Projetos Prof. Rafael Roesler Aula 5 O GERENTE E A EQUIPE DE PROJETOS O Gerente de Projeto Gestão Pública - 2º Ano Desenvolvimento de Projetos Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Introdução Níveis de gerenciamento A função de gerente de projetos

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS I

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PROCESSO DE PLANEJAMENTO GESTÃO DE Processo fundamental

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos Workshop PMBoK Gerenciamento de Recursos Humanos Paulo H. Jayme Alves Departamento de Inovação Tecnológica - DeIT Janeiro de 2009 1 Envolvimento da equipe Os membros da equipe devem estar envolvidos: Em

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO

GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA REITORIA DE PÓS P S GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO DE PÓS P S GRADUAÇÃO GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Equipes. As Equipes de Trabalho. Equipes. Diferenças entre Grupos e Equipes. Têm forte papel motivacional

Equipes. As Equipes de Trabalho. Equipes. Diferenças entre Grupos e Equipes. Têm forte papel motivacional Equipes As Equipes de Trabalho Melhoram o desempenho dos indivíduos quando a tarefa exige o uso de múltiplas habilidades, julgamentos e experiências. As equipes são mais flexíveis e reagem melhor às mudanças

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Gestão de Projetos 3 - Execução e conclusão do Projeto

Gestão de Projetos 3 - Execução e conclusão do Projeto Administração Gestão de Projetos 3 - Execução e conclusão do Projeto Prof. Luciano Venelli Costa Objetivos Conhecer os processos facilitadores do planejamento do projeto segundo o PMBOK; Conhecer as ferramentas

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso.

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. Vivian D. de Arruda e S. Pires Coordenadora de Planejamento do TJ/MT 23 de outubro de 2012 ESTRATÉGIAS

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Equipe de Alta Performance

Equipe de Alta Performance Equipe de Alta Performance Como chegar a ser uma EAP? Intelectual Razão Cognição Meta Estratégia EQUIPE EAP (Time) BANDO GRUPO Emocional Motivação Relação Ajuda O que é uma Equipe? Éumgrupodepessoas: com

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais