Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 1 25/02/ :21:09

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 1 25/02/2013 18:21:09"

Transcrição

1 IMPACTO TRIBUTÁRIO RELATIVO À MUDANÇA DO REGIME TRIBUTÁRIO DENOMINADO CUMULATIVO PARA O NÃO CUMULATIVO APLICADO AO SETOR DE SERVIÇOS E CONTRATAÇÃO DE MÃO DE OBRA TERCEIRIZADA E DE TRABALHO TEMPORÁRIO 1 Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 1 25/2/213 18:21:9

2 Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 2 25/2/213 18:21:9 2

3 REALIZAÇÃO SINDICATO DAS EMPRESAS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS A TERCEIROS, COLOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE MÃO DE OBRA E DE TRABALHO TEMPORÁRIO NO ESTADO DE SÃO PAULO Av. São Luís, andar São Paulo SP Tel.: (11) FEDERAÇÃO NACIONAL DOS SINDICATOS DE EMPRESAS DE RECURSOS HUMANOS, TRABALHO TEMPORÁRIO E TERCEIRIZADO. Av. São Luís, andar São Paulo SP Tel.: (11) ELABORADO POR Sérgio Volani Filho Telefone: (11) Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 3 25/2/213 18:21:1

4 ÍNDICE 1.1. INTRODUÇÃO O PERFIL DO SETOR NÚMEROS DO SETOR (BRASIL) ANÁLISES E CONSIDERAÇÕES RENÚNCIA FISCAL X ACRÉSCIMO DE ARRECADAÇÃO PASSIVO DO SETOR CONCLUSÃO FONTES DE PESQUISA E INFORMAÇÃO Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 4 25/2/213 18:21:1

5 1.1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objetivo analisar o impacto da efetiva entrada em vigência das Leis 1.637/2 e 1.833/3, que alteram de forma significativa a sistemática de apuração do PIS e da COFINS das empresas representadas pelo SINDEPRESTEM e FENASERHTT. Servirá, também, para dar subsídios e suporte para análise de nosso pleito referente à revisão da sistemática não cumulativa destes impostos. Esta providência é vital e de grande importância para o crescimento e o fortalecimento de um mercado que hoje emprega 2.5. de trabalhadores temporários e terceirizados em todo o Brasil, trabalhadores esses que possuem, em sua grande maioria, baixa remuneração e formação profissional deficiente % % 3 4 Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 5 25/2/213 18:21:11

6 1.2. O PERFIL DO SETOR O SINDEPRESTEM foi fundado em É a entidade de classe representativa das Empresas de Prestação de Serviços a Terceiros, Colocação e Administração de Mão de Obra e de Trabalho Temporário. É um dos sindicatos que compõem a FENASERHTT, Federação Nacional que representa um universo de mais de 35. empresas. Este setor abrange os segmentos, descritos a seguir: CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS > Recrutamento e Seleção > Treinamento > Consultorias > Terceirização de FOPAG (BPO) Atividades terceirizadas desenvolvidas por empresas de serviços especializados em Recursos Humanos. Serviço estratégico para as empresas contratantes, aplicado na base de colaboradores efetivos dos clientes atuantes em sua respectiva atividade fim. É, também, estratégico em face da crise de qualidade existente no mercado em termos de disponibilização de recursos humanos qualificados e especializados. A atividade de treinamento e qualificação profissional é uma das mais promissoras em termos de crescimento de curto prazo. SERVIÇOS AUXILIARES > Manutenção > Serviços Gerais e Administrativos > Mão de Obra para Construção Civil > Assistência Técnica > Operação de Elevadores Atividades terceirizadas já consolidadas nas estratégias de terceirização de atividades meio das organizações contratantes. Oferece a vantagem de permitir concentração dos clientes em suas respectivas atividades fim, contratando empresas de serviços especializados para a execução de tarefas de suporte e manutenção através de funcionários terceirizados (CLT) com supervisão, treinamento permanente e fornecimento de equipamentos e EPI s em situações operacionais específicas. BOMBEIRO CIVIL Atividades terceirizadas desenvolvidas por empresas altamente qualificadas e especializadas em técnicas de prevenção e combate a incêndios. Regulamentada por Lei Federal, tem uma perspectiva de crescimento excelente em curto prazo e adequação crescente das organizações tomadoras às determinações legais. Esta modalidade de prestação de serviços contempla treinamento, capacitação e a disponibilização de profissionais uniformizados, com EPI s especiais e equipamentos de alta complexidade técnica, além de supervisão permanente nas instalações da empresa cliente. LOGÍSTICA > Movimentação de Materiais > Empacotamento > Embalagem A utilização de empresas especializadas e mão de obra qualificada em operações terceirizadas de movimentação de materiais e manuseio de produtos e mercadorias cresceu consideravelmente junto ao segmento de logística nos últimos anos, principalmente nos ambientes operacionais localizados em centros de distribuição, portos, aeroportos e transportadoras. Este tipo de serviço, também, engloba treinamento e o fornecimento de equipamentos especiais, além de supervisão permanente. 6 Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 6 25/2/213 18:21:11

7 LEITURA E ENTREGA DE DOCUMENTOS Consiste no emprego de mão de obra para leitura e entrega de contas de água, luz, gás, boletos e documentos diversos. Este tipo de serviço especializado tem como base a atuação de profissionais treinados e especializados, além de um suporte logístico e tecnológico que permite o processamento de informações em tempo real. Uniformes, EPI s e supervisão permanente completam o ciclo de exigências e tornam esta atividade altamente complexa. CONTROLE DE ACESSO > Recepção > Portaria > Orientação de Estacionamentos > Atendimento > Controle de Acesso > Monitoramento Atividade que já faz parte permanente da estratégia de gestão das organizações tomadoras de serviços em relação à terceirização. Empresas especializadas com profissionais treinados e uniformizados. Supervisão permanente e equipamentos com tecnologia de ponta assumindo cada vez mais a responsabilidade de controlar o acesso de pessoas e materiais, administrando recepções e portarias em cenários empresariais de todos os setores econômicos e em todas as regiões do país onde não haja a necessidade de vigilância armada. PROMOÇÃO E MERCHANDISING > Fiscalização de lojas > Reposição de mercadorias > Promoção e Merchandising > Degustação de produtos Atividades terceirizadas que integram o Planejamento Estratégico de Marketing em organizações tomadoras com necessidades específicas em seus respectivos Pontos de Venda. O serviço tem como base o recrutamento, seleção, treinamento e supervisão de profissionais uniformizados e capacitados para a execução de tarefas voltadas para a comercialização de produtos e serviços com interface interna direta em relação ao cliente e performance de vendas. SERVIÇOS A BANCOS > Processamento de documentos Atividade de processamento e movimentação de documentos, atividades de apoio e suporte, atendimento e logística administrativa. TRABALHO TEMPORÁRIO Atividade regulamentada pela Lei Federal nº 619/74, utilizado em larga escala por organizações de todos os segmentos. Responsável pela porta de entrada de milhares de jovens em situação de primeiro emprego. É a alternativa legal para atender demandas sazonais ou substituição de empregados efetivos das empresas e que sejam eventualmente afastados. Serviço prestado por empresas devidamente autorizadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego sendo que a permanência do trabalhador contratado neste sistema pode ser de 1 a 9 dias e, se necessário, prorrogado por igual período. ESTÁGIOS Atividade, também, regulamentada por legis lação específica. Desenvolvida por empresas especializadas que servem como elo entre estudantes e organizações contratantes, recrutando, orientando e administrando o desempenho dos estagiários junto ao cliente. Tratase de um tipo de serviço que exige um nível de especialização diferenciado em termos de recursos humanos por parte das empresas prestadoras, face o nível de exigência, complexidade educacional e identificação de potencialidades pertinentes aos processos de contratação. 7 Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 7 25/2/213 18:21:12

8 1.3. NÚMEROS DO SETOR (BRASIL) Os dados constantes deste relatório leva em conta o período de 27 a 211. O número de empresas que hoje prestam os serviços descritos no item anterior chega a e estão espalhadas pelo nosso país, conforme o quadro I abaixo: ESTADOS TRABALHO TEMPORÁRIO EMPRESAS SERVIÇOS TERCEIRIZÁVEIS TOTAL AC De acordo com os dados históricos, houve uma evolução positiva no crescimento das empresas deste setor no período de 27 a 211 (quadro II): NÚMERO DE EMPRESAS CRESCIMENTO (%) ,89% AL AM AP BA CE DF ES Porém, o número de trabalhadores contratados para trabalho temporário e terceirizado sofreu uma retração significativa no mesmo período (quadro III): GO MA MG MS Nº DE TRABALHADORES TEMPORÁRIOS E TERCEIRIZADOS MT PA PB PE PI ,6 MILHÕES/ANO 2,4 MILHÕES/ANO PR RJ ,2 MILHÕES/ANO RN RO , MILHÕES/ANO RR RS SC SE EVOLUÇÃO ACUMULADA NO PERÍODO = 4,37% SP TO TOTAL Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 8 25/2/213 18:21:12

9 O faturamento global correspondente é o constante do quadro IV, abaixo: FATURAMENTO (BILHÕES/ANO) ,9 57,6 62,3 69,84 73,92 EVOLUÇÃO ACUMULADA NO PERÍODO = 25,5% Pode-se notar o efeito e a força desse mercado no tocante à geração de encargos e benefícios sociais, conforme os quadros V e VI abaixo: GERAÇÃO DE ENCARGOS SOCIAIS (BILHÕES R$ /ANO) ITEM FGTS 2,1 2,1 3,4 2,66 2,79 INSS 5,1 5, 6, 6,21 6,56 QUADRO V BENEFÍCIOS GERADOS NAS CONTRATAÇÕES (BILHÕES R$ /ANO) 1 ITEM VALE TRANSPORTE 3, 3,1 3,7 3,3 3,4 ALIMENTAÇÃO 2,1 2,4 2,7 3,9 4, QUADRO VI Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 9 25/2/213 18:21:13

10 1.4. ANÁLISES E CONSIDERAÇÕES Verificamos pelos dados apresentados nos quadros II e III que, enquanto o número de empresas cresceu 13,89% o de trabalhadores temporários e terceirizados teve um desempenho negativo equivalente à -4,37%. Este fato reflete um aumento da concorrência em grande escala, já que a oferta seguiu o caminho contrário, isto é, se retraiu. Deve-se levar em consideração que esse quadro, somado ao enorme aumento da carga tributária aplicada ao setor, apresenta condições para o crescimento da informalidade e da inadimplência das empresas. No tocante à evolução da inflação brasileira, no período de 27 a 211 (quadro VII), verificamos uma diferença entre os índices IPCA (oficial) e IGP-M (que reflete o aumento de custos das empresas) de 2,5%; esta porcentagem nos diz que a margem bruta das empresas, de maneira geral, foi reduzida, diminuindo, também, o capital de giro das mesmas ÍNDICE IGP-M IPCA 27 1,5883 1, ,9948 1, ,4561 1, ,1559 1, ,5224 1,5973 ACUMULADO 1, ,26929 QUADRO VII Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 1 25/2/213 18:21:14

11 O quadro VIII resume a evolução do faturamento do setor no período em questão. FATURAMENTO PERÍODOS ITENS TOTAL VARIAÇÃO TEMPORÁRIOS R$ (BILHÕES) 17,3 17, 19, 22,54 19,22 95,6 1,% IGP-M 16,34 15,46 19,87 2,39 18,27 9,32-4,99% IPCA 16,68 16,1 18,28 21,42 18,14 9,62-4,67% TERCEIRIZÁVEIS R$ (BILHÕES) 41,6 4,6 43,3 47,3 54,7 227,5 1,% IGP-M 39,29 36,93 45,27 42,78 51,98 216,26-4,94% IPCA 4,12 38,44 41,66 44,94 51,62 216,79-4,71% TOTAL R$ (BILHÕES) 58,9 57,6 62,3 69,84 73,92 322,56 1,% IGP-M 55,63 52,39 65,14 63,17 7,25 36,58-4,95% IPCA 56,8 54,54 59,95 66,36 69,75 37,4-4,7% QUADRO VIII Em um primeiro momento, essa evolução em moeda corrente nos mostra uma variação positiva de 25,5% (quadro IV). Se descontarmos do faturamento em moeda corrente o efeito da inflação do período (IPCA), veremos que o setor teve uma retração de -4,7%. A mudança do regime tributário de cumulativo para não cumulativo ocasionou o seguinte impacto nas contas das empresas (quadro IX): Como premissa, adotamos o valor base de R$ 1., nas 2 (duas) simulações, assim como somente a incidência do PIS e da COFINS. Pressupondo, também, que os custos diretos e fixos sejam os mesmos nos 2(dois) casos acima, nota-se que a margem foi impactada com uma redução de -5,82%. Se voltarmos ao quadro VII, iremos verificar que houve uma diferença desfavorável às empresas de 2,5%, resultante da diferença dos índices IPCA e IGP-M. REGIME TRIBUTÁRIO ITEM CUMULATIVO NÃO CUMULATIVO (=) VENDA (-) COFINS 3 76 (-) PIS (=) SALDO Portanto, a redução total das margens das empresas foi de -7,99%. Tal acréscimo, em sua grande maioria, precisou ser absorvido pelas empresas representadas por esta entidade, visto que muitos dos contratos têm validade de médio e longo prazo não permitindo negociação imediata de valores. Como consequência, houve forte aperto financeiro no QUADRO IX 11 Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 11 25/2/213 18:21:14

12 caixa dessas empresas dificultando a geração de caixa, honrar pagamentos, redução do capital de giro ocasionando o aumento da inadimplência e da informalidade. Para que parte dessa perda fosse recuperada, os preços dos contratos em vigor e os novos teriam que sofrer um reajuste de, no mínimo, 6,18%, conforme demonstrado no quadro X, abaixo: REGIME TRIBUTÁRIO ITEM CUMULATIVO NÃO CUMULATIVO REAJUSTE (=) VENDA (-) COFINS (-) PIS (=) SALDO Em complemento à análise feita no quadro VIII, faz-se necessária a inclusão do efeito da alteração do regime tributário (quadro XI): QUADRO X ITENS FATURAMENTO VARIAÇÃO TOTAL % ACUMULADA TEMPORÁRIOS EM MOEDA CORRENTE (BILHÕES R$) 17,3 17, 19, 22,54 19,22 95,6 1,% ** SEM DIFERENCIAL PIS/COFINS 16,29 16,1 17,9 21,23 18,1 89,53-5,82% -5,82% EM IGP-M 16,34 15,46 19,87 2,39 18,27 9,32-4,99% -1,81% EM IPCA 16,68 16,1 18,28 21,42 18,14 9,62-4,67% -1,49% TERCEIRIZÁVEIS EM MOEDA CORRENTE (BILHÕES R$) 41,6 4,6 43,3 47,3 54,7 227,5 1,% ** SEM DIFERENCIAL PIS/COFINS 39,18 38,24 4,78 44,55 51,52 214,27-5,82% -5,82% EM IGP-M 39,29 36,93 45,27 42,78 51,98 216,26-4,94% -1,76% EM IPCA 4,12 38,44 41,66 44,94 51,62 216,79-4,71% -1,53% TOTAL EM MOEDA CORRENTE (BILHÕES R$) 58,9 57,6 62,3 69,84 73,92 322,56 1,% ** SEM DIFERENCIAL PIS/COFINS 55,47 54,25 58,68 65,78 69,62 33,8-5,82% -5,82% EM IGP-M 55,63 52,39 65,14 63,17 7,25 36,58-4,95% -1,77% EM IPCA 56,8 54,54 59,95 66,36 69,75 37,4-4,7% -1,52% QUADRO XI 12 Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 12 25/2/213 18:21:15

13 Se descontarmos do faturamento em moeda corrente a majoração das alíquotas devido à nãocumulatividade e o efeito da inflação oficial do período (IPCA), veremos que o setor teve como resultado uma retração de -1,52% ; se analisarmos pela variação do IGP-M, essa variação chega a -1,77%. Fica nítido, portanto, o impacto que o aumento da carga tributária faz ao desempenho das empresas deste setor. O princípio da não-cumulatividade funciona razoavelmente para o setor industrial, que pode abater créditos correspondentes aos insumos utilizados em seu processo produtivo e, para o comércio varejista que pode descontar créditos correspondentes ao valor das mercadorias adquiridas para revenda. Entretanto, esse critério não se ajusta, de modo algum, às atividades deste setor de serviços, que não utiliza insumos nem revende mercadorias. Para que o impacto dessa alteração de tributação seja nulo, precisa ser desenvolvido um critério para adoção ou efetivação de um crédito, conforme o quadro XII a seguir: CONTRIBUIÇÕES ITEM CUMULATIVAS NÃO CUMULATIVAS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CRÉDITOS POSSÍVEIS 6.526,32 BASE DE CÁLCULO ,68 As informações e cálculos acima reforçam e embasam de maneira consistente o nosso pleito referente A revisão da sistemática de não-cumulatividade dos impostos em questão, visto que existe um seguro grande e real potencial de retomada do crescimento de nossas empresas. Soma-se a isso, a projeção positiva da evolução do PIB brasileiro. Isto fará com que a arrecadação destes impostos federais aumente, em termos reais, no mínimo, em 1,52%, em detrimento dos atuais 5,6% que hoje é o diferencial dos impostos arrecadados. Da mesma forma, os valores referentes ao recolhimento dos encargos sociais (FGTS e INSS) aumentarão proporcionalmente, junto com os benefícios de transporte e alimentação. Deve-se levar em consideração também, nesta análise que a inadimplência se reduzirá de forma significativa, já que a capacidade de pagamento e o capital de giro das empresas serão restabel e cidos gradativamente ALÍQUOTAS PIS/COFINS,65% E 3,% 1,65% E 7,6% VALOR PIS VALOR COFINS QUADRO XII Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 13 25/2/213 18:21:15

14 1.5. RENÚNCIA FISCAL x ACRÉSCIMO DA ARRECADAÇÃO Para estimular, fortalecer e recuperar financeiramente as empresas deste setor, tornam-se necessárias medidas que restabeleçam os valores de contratação dessa oferta de serviços aos níveis praticados quando da vigência do regime de cumulatividade, pois, atualmente, eles perderam em muito sua competitividade. Essa redução do custo financeiro e operacional do trabalho terceirizado e temporário irá preservar o emprego e a renda de muitas pessoas, assim como oferecer novas oportunidades de trabalho a quem precisa. Seguindo esse princípio, foram construídas simulações para avaliação da renúncia fiscal em comparação com a atividade econômica do setor. No quadro XIII, adotou-se como base de cálculo os dados do período de 211. Nessa simulação aparecem dados de arrecadação do PIS e da COFINS de acordo com os 2 (dois) regimes tributários (cumulatividade e não-cumulatividade). A retração média que o mercado está apresentando e continuará a apresentar ano a ano é de aproximadamente -2%. Como resultado, a renúncia fiscal chegaria a R$ 3,3 bilhões/ano. ITEM Num segundo cenário, também, com os dados do período de 211, com a volta do regime de tributação cumulativo, haveria a possibilidade de recuperação do mercado perdido nos últimos anos, calculado em 1,52% (vide quadro XI), aplicar a reposição de custos de 2,5%, (quadro VII), além de propiciar um crescimento real de, no mínimo, 15% ao ano, já que existem condições plenas e reais para tal, analisando-se a evolução do PIB nacional e suas projeções futuras. CENÁRIO II (MÉDIA ANUAL) VALORES (BILHÕES R$) FATURAMENTO 73,92 IMPOSTOS - REGIME CUMULATIVO 2,7 ITEM CENÁRIO I (MÉDIA ANUAL) VALORES (BILHÕES R$) COM RECUPERAÇÃO DO MERCADO (1,52%) REPOSIÇÃO DE CUSTOS (2,5%) DE AUMENTO REAL DE MERCADO (15% a.a.) 2,99 3,51 FATURAMENTO 73,92 QUADRO XIV IMPOSTOS - REGIME CUMULATIVO 2,7 NÃO CUMULATIVO 6,83 RENÚNCIA FISCAL 4,13 RENÚNCIA COM RETRAÇÃO 3,3 DO MERCADO (2% a.a.) QUADRO XIII Essa combinação de projeções fará com que a arrecadação destes impostos passe de R$ 3,3 bilhões/ ano parano mínimo R$ 3,51 bilhões/ano. Cabe salientar que, pelas projeções acima, não haverá renúncia fiscal e, sim, aumento de arrecadação. 14 Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 14 25/2/213 18:21:15

15 1.6. PASSIVO DO SETOR Durante o período de 24 a 211, o setor operou amparado por uma liminar que permitia a continuidade de utilização das alíquotas do PIS e da COFINS de acordo com o princípio da cumulatividade. Com a suspensão desta liminar, algumas empresas constituíram um passivo, visto que, como vimos, o aperto das margens operacionais e financeiras foi grande. O quadro XV faz uma análise dessa situação. Com o retorno ao regime de tributação de cumulatividade, as empresas passarão a ter condição de quitar esse passivo conforme simulações dos quadros XIV e XV. No regime tributário atualmente em vigor, a capacidade de pagamento e quitação das empresas não será técnicamente possível, visto que tal capacidade está fortemente comprometida nos dias de hoje. ITEM VALOR TOTAL (BILHÕES R$) PRAZO QUITAÇÃO (ANOS) - CENÁRIO II REGIME NÃO CUMULATIVO PASSIVO DO SETOR BASE DE CÁLCULO INADIMPLÊNCIA 1% 15% 2% 4,25 4,2 6,3 8,5 *** 5 ANOS 7 ANOS 1 ANOS (SEM CAPACIDADE PARA QUITAÇÃO) QUADRO XV Analisando o quadro XI, obtemos o valor de faturamento acumulado do período de 27 a 211, equivalente à R$ 322,56 bilhões; dividindo-se esse número por 5 anos, teremos um valor médio de faturamento de R$ 64,51 bilhões/ano; multiplicandose por 7, chegamos à R$ 451,58 bilhões. Sobre esse valor, aplica-se a alíquota total de 9,25%; como resultado teremos um valor final estimado de impostos no período de 7 anos de R$ 41,77 bilhões. Deste valor, deve-se descontar a alíquota de 3,65% que vigorava antes da mudança de regime tributário. Chegamos, portanto, ao valor de R$ 4,25 bilhões (quadro XV) Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 15 25/2/213 18:21:18

16 1.7. CONCLUSÃO O Governo Federal sinaliza para 213 novas mudanças com o objetivo de atenuar um pouco mais a carga tributária sobre algumas empresas, justificandoas como parte de seu esforço para estimular a economia. Ao mesmo tempo, porém, em um momento em que os empresários estão fechando o balanço de 212 e programando investimentos para o novo ano, as autoridades econômicas e fazendárias acabam de deixar um rastro de incertezas e muita insatisfação entre alguns segmentos do Setor de Serviços. Muitos deles têm sido ignorados das ações do chamado PLANO BRASIL MAIOR e continuam pagando a conta da sobrecarga fiscal. É de fundamental importância que estas mudanças sejam estendidas ao Setor de Serviços Temporários e Especializados, tanto em termos de Desoneração da Folha de Pagamento dos setores representados quanto ao pleito relacionado à sistemática do PIS/ COFINS, inserindo as Empresas nas ações do PLANO BRASIL MAIOR. É o caso das empresas prestadoras de Serviços de Terceirização e Trabalho Temporário que, desde 22, com a entrada em vigor do regime de não cumulatividade do PIS e da COFINS, viram seus custos com ambas as contribuições aumentarem entre 1% e 15%. A soma de suas alíquotas saltou de um patamar de 3,65% sobre a receita total bruta a 9,25%, taxa que o governo diz que manterá no próximo período. A notícia torna-se ainda pior porque tem sido acompanhada da informação de que as autoridades pretendem sepultar de vez o regime da cumulatividade do PIS e da COFINS, frustrando uma demanda que foi exaustivamente apresentada, debatida e justificada nos últimos dez anos pelo SINDEPRESTEM e a FENASERHTT, duas das mais representativas entidades do setor. Este aumento significou uma dramática redução da capacidade de investimentos em qualificação profissional e evolução tecnológica para o setor, elementos estruturais para a geração de empregos formais em nosso país. Nossas Entidades SINDEPRESTEM e FENASERHTT vêm, nos últimos 1 anos, lutando com muita intensidade para que esta justa demanda seja atendida e o setor recupere o seu equilíbrio econômico e financeiro. Assim como outros segmentos de Serviços de emprego de mão de obra massiva, como informática, telemarketing e segurança, já beneficiados por regimes específicos à sua natureza, as empresas de Trabalho Temporário e de Terceirização também demandam uma estrutura tributária diferenciada, pois operam com baixíssimas margens de lucro e veem pelo menos 9% de seu faturamento direcionados ao pagamento dos salários e encargos trabalhistas. E no regime da não cumulatividade elas nem podem usufruir do benefício do abatimento de insumos ou materiais, já que são itens pouco relevantes em sua realidade de custos. Ou seja, essas empresas vivem, há quase uma década, mediante um regime injusto em termos de tributação, com comprometimento de suas mar gens e impedidas de investirem em programas de capacitação profissional e tecnologia que permitam a recuperação de seus índices de crescimento. Em resumo, fomos e continuamos excluídos do processo de reformas e medidas promovidas pelo Governo Federal voltadas para o aumento 16 Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 16 25/2/213 18:21:19

17 de competitividade das Organizações Privadas de nosso país, e este Estudo Econômico visa, inclusive, apresentar às nossas Autoridades um conjunto de informações a respeito de um setor que congrega mais de 35. Empresas Prestadoras de Serviços no Brasil. Sem perspectiva de alívio futuro ou pelo menos de alternativas à diminuição progressiva de suas margens de ganho, essas empresas começam a ter dúvidas quanto à sua própria capacidade de manter os mais de 2,5 milhões de trabalhadores que empregam hoje com registro em carteira e pagamento de todos os benefícios assegurados em lei. É importante destacar aqui que o setor de Serviços responde, como um todo, por mais da metade dos empregos com registro em carteira no Brasil, e assim como em todo o mundo, desempenha um papel fundamental enquanto elo das cadeias produtivas. Na situação específica da Terceirização e do Trabalho Temporário, é um nicho que cresce conforme a economia se torna mais dinâmica, estimulando um círculo virtuoso de crescimento e expansão, e substituindo, em grande parte, a vocação anterior da indústria enquanto atividade de emprego de grandes contingentes de mão de obra. Somente as atividades representadas pela Terceirização e o Trabalho Temporário possuem Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 17 25/2/213 18:21:19

18 1.8. FONTES DE PESQUISA E INFORMAÇÃO CEBRASSE Central Brasileira do Setor de Serviços FEBRAC Federação Brasileira das Empresas Prestadoras de Serviços de Limpeza e Conservação SEBRAE Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios FUNDAÇÃO SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados CNC Confederação Nacional do Comércio FIESP Federação das Indústrias do Estado de São Paulo MTE Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior BACEN Banco Central do Brasil IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada FECOMÉRCIO Federação do Comércio e Serviços do Estado de São Paulo CNI Confederação Nacional da Indústria 18 Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 18 25/2/213 18:21:19

19 19 Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 19 25/2/213 18:21:2

20 SINDICATO DAS EMPRESAS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS A TERCEIROS, COLOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE MÃO DE OBRA E DE TRABALHO TEMPORÁRIO NO ESTADO DE SÃO PAULO FEDERAÇÃO NACIONAL DOS SINDICATOS DE EMPRESAS DE RECURSOS HUMANOS, TRABALHO TEMPORÁRIO E TERCEIRIZADO 2 Estudo Tácnico e Economico - FINAL - Posição 15 de fevereiro.indd 2 25/2/213 18:21:21

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Pesquisa Setorial 2007 2008

Pesquisa Setorial 2007 2008 Pesquisa Setorial 2007 2008 Pesquisa Setorial 2007 2008 REALIZAÇÃO Av. São Luís, 258-18º andar Cep: 01046-915 - São Paulo - SP PABX: (11) 3215-8250 - Fax: (11) 3215-8277 www.sindeprestem.com.br sindeprestem@sindeprestem.com.br

Leia mais

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Junho/2015 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes. Brasília, 10 de junho de 2014

Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes. Brasília, 10 de junho de 2014 Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes 1 Brasília, 10 de junho de 2014 Quem Somos? A Federação Nacional das Empresas de Segurança e Transporte de Valores- FENAVIST,

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR Situação Atual do Setor Têxtil e de Confecção Aguinaldo Diniz Filho Presidente da Abit Brasília, 19 de junho de 2013 PERFIL DO SETOR ESTRUTURA DA CADEIA TEXTIL E DE CONFECÇÃO

Leia mais

Propostas do Governo para o ICMS

Propostas do Governo para o ICMS Propostas do Governo para o ICMS Audiência pública da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 11 de março de 2013 Avaliação geral Proposta do Governo vai na direção correta em termos

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins Fórum Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy outubro de 2012 Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por:

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: 2014 PRIMEIRA PARTE: DEFINIÇÃO E VANTAGENS O que é a industrialização por encomenda? É uma forma de ganhar eficiência

Leia mais

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Avanços e Pontos para Reflexão Renato da Fonseca Secretário-Executivo do Conselho da Micro e Pequena Empresa da Confederação Nacional da Indústria Pontos para reflexão Por que devemos criar um regime especial

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

pesquisa setorial 2008 2009

pesquisa setorial 2008 2009 pesquisa setorial 2008 2009 Dados sobre o setor de Trabalho Temporário e Serviços Terceirizáveis Pessoas e Empresas que fazem a diferença em Serviços Dados setoriais e depoimentos de pessoas que cresceram

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais

Data Custos/Techno Training

Data Custos/Techno Training Apresentação A Data Custos é uma empresa de consultoria e tem como objetivo oferecer soluções integradas, precisas e de fácil aplicabilidade por meio de processos de alinhamento de seus métodos de trabalho

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% nos últimos 16 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados. 14 de Maio de 2009

1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados. 14 de Maio de 2009 1º Trimestre de 2009 Teleconferência de Resultados 14 de Maio de 2009 Aviso Legal Informações e Projeções Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração

Leia mais

$ $ À espera da competitividade

$ $ À espera da competitividade etanol À espera da competitividade foi mais um ano de sufoco para o setor sucroalcooleiro, que ainda sente os reflexos da crise de 2008, que deixou as usinas sem crédito, justamente quando haviam assumido

Leia mais

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5 PANORAMA DO SETOR Evolução do setor 2 Crescimento do setor x crescimento da economia 3 Comparativo de índices de preços 4 Comércio Exterior 5 Perfil Empresarial 8 Mercado Brasileiro 11 Canais de distribuição

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

E-Book Formação de Preço Débito e Crédito ICMS. Pricing - Treinamento, Consultoria e Auditoria

E-Book Formação de Preço Débito e Crédito ICMS. Pricing - Treinamento, Consultoria e Auditoria E-Book Formação de Preço Débito e Crédito ICMS Pricing - Treinamento, Consultoria e Auditoria Sobre o que é este Ebook! Se Você esta lendo este Ebook é porque tem interesse sobre Pricing. No Brasil mais

Leia mais

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Bernard Appy LCA Consultores TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Roteiro EFEITOS DO MODELO DE TRIBUTAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL A estrutura tributária

Leia mais

1 milhão de casas. Crédito, emprego, benefícios e esperança para os brasileiros.

1 milhão de casas. Crédito, emprego, benefícios e esperança para os brasileiros. 1 milhão de casas Crédito, emprego, benefícios e esperança para os brasileiros. Implementação do Plano Nacional de Habitação, construindo 1 milhão de moradias Aumento do acesso das famílias de baixa renda

Leia mais

pesquisa setorial 2012 2013

pesquisa setorial 2012 2013 7ª pesquisa setorial 2012 2013 2 7ª pesquisa setorial 2012 2013 3 EXPEDIENTE Projeto Gráfico e Editoração L2 Propaganda, Comunicação e Design Coordenação do Projeto Edison Belini Daniel Neves Responsabilidade

Leia mais

PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL MILHÕES

PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL MILHÕES A CONSTRUÇÃO CIVIL PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS, COMERCIAIS E RESIDENCIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL É UM DOS

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais Benefícios para Micro Empresa e Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais I) Objetivo Tópicos II) Avaliação da experiência do Governo Federal III) Principais Pontos da LC nº 123/2006 e do Decreto

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

O Desempenho do Investimento Público do Ceará, 2007 2012, uma análise comparativa entre os Estados.

O Desempenho do Investimento Público do Ceará, 2007 2012, uma análise comparativa entre os Estados. Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi EMPRESA CONTROLE

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi EMPRESA CONTROLE Oi MÓVEL S.A., no Setor Comercial Norte, quadra 03, Bloco A, Ed. Estação Telefônica Térreo Parte 2, Brasília, inscrita no CNPJ sob o nº 05.423.963/0001-11, doravante em conjunto denominada simplesmente

Leia mais

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi EMPRESA CONTROLE sem fidelização

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi EMPRESA CONTROLE sem fidelização TELEMAR NORTE LESTE S/A, com sede na cidade e estado do Rio de Janeiro, na Rua do Lavradio, n 71 Centro, inscrita no CNPJ sob o n 33.000.118/0001-79, Oi S.A., sociedade anônima, com sede na Cidade do Rio

Leia mais

MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011

MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011 MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011 1 MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO: O Mercado de títulos de capitalização vem mantendo crescimentos fortes e retornos robustos. Nesse período o volume de vendas atingiu

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais

Reunião Técnica de Estudos Tributários. Legislação tributária: ajuste fiscal e alterações

Reunião Técnica de Estudos Tributários. Legislação tributária: ajuste fiscal e alterações Reunião Técnica de Estudos Tributários Legislação tributária: ajuste fiscal e alterações Agenda 1. PIS e COFINS Majoração de alíquotas Receitas financeiras (Decreto Federal nº 8.426/2015) 2. PIS e COFINS

Leia mais

(MLRV) SEGURO GARANTIA ESTENDIDA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO GARANTIA ESTENDIDA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO GARANTIA ESTENDIDA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: O seguro de Garantia Estendida tem como objetivo fornecer ao segurado, facultativamente

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região. Pedro José Granja Sella

Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região. Pedro José Granja Sella Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região Pedro José Granja Sella Objetivos Conhecer, em dados, o setor de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região de Londrina;

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011 RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011 Março 2012 SUMÁRIO I - EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE COOPERATIVAS, COOPERADOS E EMPREGADOS, 3 II - ANÁLISE POR RAMO, 8 2.1

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

$ $ Alto consumo. Nova fase: S10

$ $ Alto consumo. Nova fase: S10 diesel Alto consumo Em 2013, o cenário do mercado de diesel no país prosseguiu trajetória ascendente, assim como em anos anteriores. Impulsionado pela forte demanda pelo combustível, o faturamento do segmento

Leia mais

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de 2011 1 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal

Leia mais

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica Emissão de Nota Fiscal Eletrônica DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. É um documento que serve para acobertar a circulação da mercadoria. Impresso em via única; Validade em meio digital

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º - Águas minerais são aquelas provenientes de fontes naturais ou de fontes artificialmente

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

Educação e desenvolvimento. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013.

Educação e desenvolvimento. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Educação e desenvolvimento Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Circuito de influencia Fatores do desenvolvimento Ampliação da participação política e social Consumo (Novo padrão

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tem

Leia mais

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO Treinamento atualizado com base na legislação vigente em: 20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO JP CONTÁBIL S/S LTDA AGOSTO/2012 Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador,

Leia mais

Perspectiva Regulatória. Novembro de 2015

Perspectiva Regulatória. Novembro de 2015 Perspectiva Regulatória Novembro de 2015 acesso móvel TV por assinatura telefone fixo banda larga fixa Panorama Setorial - Tradicional 44,1 milhões de assinantes 25,2 milhões de assinantes R$ 204 bi RECEITA

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

Gestão da Qualidade da Banda Larga

Gestão da Qualidade da Banda Larga Gestão da Qualidade da Banda Larga Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17 de maio de 2013 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO INDICADORES DE BANDA LARGA FIXA Avaliações realizadas através de medidores instalados

Leia mais

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012 Member of ICMCI International Council of Management Consulting Institutes PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição 2011 / 2012 Av. Paulista, 326 Conj. 77 Bela Vista CEP 01310902

Leia mais

Caracterização dos postos de trabalho

Caracterização dos postos de trabalho Fundação Escola de Sociologia - FESPSP Rua Heitor de Morais, 299 Pacaembú São Paulo/SP Tel. (011) 3868-6900 PROJETO: SINDEPRESTEM Caracterização dos postos de Responsável pelo fornecimento das informações:

Leia mais

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Brasília, Novembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA IMPACTOS DAS DISTORÇOES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Este estudo

Leia mais

Resultados do 2T09. Teleconferência de Resultados

Resultados do 2T09. Teleconferência de Resultados Resultados do 2T09 Teleconferência de Resultados Destaques do 2T09 2 Destaques do 2T09 em linha com a estratégia geral da Companhia Nossas conquistas do 2T09 são refletidas nos resultados da Companhia

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE O QUE É A SONDAGEM INDUSTRIAL A Sondagem é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente pela CNI e pelas Federações das s de 19 estados do país (AC, AL, AM, BA, CE, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PB, PE,

Leia mais

SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO. Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora.

SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO. Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. PALESTRA: Os Novos Benefícios da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa

Leia mais

Reforma Tributária ria e Política de Desenvolvimento Regional Cuiabá,, Agosto 2007 Reuniões com Governadores Natureza das reuniões anteriores: Governadores de diferentes regiões do país e dirigentes das

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência)

Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência) Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

Brasília, agosto de 2012.

Brasília, agosto de 2012. Brasília, agosto de 2012. Contas de Governo Cap. 4 (Análise Setorial) Execução do gasto Orçamentário (OFSS + RPNP) Gasto tributário (renúncia de receita) Resultado da atuação governamental no exercício

Leia mais

Crescer agregando valor

Crescer agregando valor Crescer agregando valor Marcio Araujo de Lacerda Presidente do Conselho de Administração Maio de 2008 1/XX Orientações do Governo Mineiro Para Minas Gerais: Um Estado para Resultados Visão: Tornar Minas

Leia mais

Inovação. no Estado de São Paulo. Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e

Inovação. no Estado de São Paulo. Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e no Estado de São Paulo Inovação Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia Subsecretaria de Ciência e Tecnologia Vantagens

Leia mais

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação Junho 2013 ESTUDO IBPT AUMENTO DO FRETE MARÍTIMO NA IMPORTAÇÃO TEM REFLEXOS NA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA E NA INFLAÇÃO Frete marítimo na importação teve aumento de 82,11% em Dólar no período de janeiro de

Leia mais

Em busca do fôlego perdido

Em busca do fôlego perdido gnv Em busca do fôlego perdido Distante dos tempos áureos de crescimento Em 2012, o etanol enfrentou safra ruim e preços elevados, em meio a uma crise que se arrasta desde 2008. Por causa disso, motoristas

Leia mais

ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS

ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO NÚCLEO DE ESTUDOS EM CONTROLADORIA E CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS

Leia mais

As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil

As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil A ABIPLAST representa as empresas de transformação de material plástico ( 3ª geração ) e as Industrias de Reciclagem de Material Plástico.

Leia mais

CONTRATO DE PERMANÊNCIA E REGULAMENTO DA PROMOÇÃO BANDA LARGA SEM FIXO DA OI REGIÕES DE BAIXA DENSIDADE ADESÃO DE 01/01/2016 a 31/01/2016

CONTRATO DE PERMANÊNCIA E REGULAMENTO DA PROMOÇÃO BANDA LARGA SEM FIXO DA OI REGIÕES DE BAIXA DENSIDADE ADESÃO DE 01/01/2016 a 31/01/2016 Via Oi CONTRATO DE PERMANÊNCIA E REGULAMENTO DA PROMOÇÃO BANDA LARGA SEM FIXO DA OI REGIÕES DE BAIXA DENSIDADE ADESÃO DE 01/01/2016 a 31/01/2016 DADOS DO CLIENTE TITULAR DO PLANO: Nome Completo:........................._.....

Leia mais

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL JUSTIFICATIVA A experiência na implementação da primeira versão do Programa Contabilizando o Sucesso

Leia mais

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP UBS Elpidio Moreira Souza AC Quadra da Escola Municipal Érico de Souza, Águas Lindas GO UPA município de Ribeirão Pires SP UBS Clínica da Família,

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato de máquinas têxteis; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ gera mais

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos CFOP correta e Alíquota na prestação de serviço de transporte.

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos CFOP correta e Alíquota na prestação de serviço de transporte. de Segmentos CFOP 17/03/2015 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1. Lei Complementar nº 87/1996... 4 3.2. RICMS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA DECRETO Nº 12310, DE 10 DE JULHO DE 2006 PUBLICADO NO DOE Nº 0551, DE 10.07.06 Incorpora alterações oriundas da 121ª reunião ordinária do CONFAZ O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso das atribuições

Leia mais

$ $ Sem folga à vista

$ $ Sem folga à vista gasolina Sem folga à vista Nunca se consumiu tanta gasolina no Brasil. Somente em, a demanda cresceu 12%, totalizando 39,7 milhões de metros cúbicos. Um patamar recorde, especialmente se levarmos em conta

Leia mais

METOLOGIA. 1. Histórico

METOLOGIA. 1. Histórico METOLOGIA O Índice de Confiança do Empresário Industrial do Rio Grande do Sul (ICEI/RS) é um indicador antecedente utilizado para identificar mudanças na tendência da produção industrial gaúcha. O ICEI

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Contribuição dos títulos de capitalização para a formação de poupança financeira interna: aspectos macroeconômicos

Contribuição dos títulos de capitalização para a formação de poupança financeira interna: aspectos macroeconômicos Contribuição dos títulos de capitalização para a formação de poupança financeira interna: aspectos macroeconômicos Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Outubro/2009 Cenário Atual Definições Principais

Leia mais

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio e Serviços Departamento de Micro, Pequenas e Médias M Empresas Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno

Leia mais

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e tem como finalidade promover,

Leia mais

O PRESENTE E O FUTURO DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA. SINDUSCON RIO MAIO 2013

O PRESENTE E O FUTURO DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA. SINDUSCON RIO MAIO 2013 O PRESENTE E O FUTURO DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA. SINDUSCON RIO MAIO 2013 DEMANDA HABITACIONAL O crescimento da Demanda Habitacional é influenciado principalmente por fatores como: Distribuição

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA Hoje a floricultura é um dos principais segmentos do agronegócio no Brasil. A qualidade das flores, a crescente competitividade e o crescimento do segmento são percebidos quando observa-se que muitos estados

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

APRESENTAÇÃO PARA INVESTIDORES 1T08

APRESENTAÇÃO PARA INVESTIDORES 1T08 APRESENTAÇÃO PARA INVESTIDORES 1T08 Agenda Visão Geral e Desempenho Consolidado Editora Saraiva Livraria Saraiva 2 Governança Corporativa Nível 2 de Governança Corporativa da Bovespa Primeira empresa no

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO VIVO FIXO ILIMITADO LOCAL

REGULAMENTO PROMOÇÃO VIVO FIXO ILIMITADO LOCAL REGULAMENTO PROMOÇÃO VIVO FIXO ILIMITADO LOCAL Válido para os Estados de RS, ES, MG, GO, PR, SC, BA, PE, CE, RN, PI, AP, MA, PA, DF, MS, RR e AM, AC, MT, RJ, RO e TO. Antes de participar da Promoção, o

Leia mais

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê?

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? O profissional mais estratégico que a empresa precisa ter: O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? Diagnostica. Avalia. Cria. Planeja. Resolve. O Economista é um profissional imprescindível

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi Velox 3G + mini modem Wi-fi"

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi Velox 3G + mini modem Wi-fi Oi MÓVEL S.A., autorizatária do Serviço Móvel Pessoal com sede no Setor Comercial Norte, quadra 03, Bloco A, Ed. Estação Telefônica Térreo Parte 2, Brasília, inscrita no CNPJ sob o nº 05.423.963/0001-11,

Leia mais

COMUNICADO AOS CLIENTES Lei De olho no Imposto

COMUNICADO AOS CLIENTES Lei De olho no Imposto São Paulo, 23 de Maio de 2013. COMUNICADO AOS CLIENTES Lei De olho no Imposto Conforme é de conhecimento de V. Sas., a Presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei nº 12.741/12, publicada no DOU em 10/12/2012,

Leia mais

2013 José Carlos Guarino

2013 José Carlos Guarino José Carlos Guarino 2013 OBJETIVOS 1- Panorama Atual X Panorama Futuro ( O Que vai mudar?) 2-Aumento do COFINS de 1% em alguns itens importados (com similar nacional) Porque? Que devemos fazer? 3- Prestadores

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF Crédito Fundiário no combate a pobreza rural: Sustentabilidade e qualidade de vida 2011 PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO

Leia mais

Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia

Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia Vantagens do uso do Selo da Agricultura Familiar para os empreendimentos da Bahia Guilherme Cerqueira Mateus e Souza 1 Daniel Costa Ferreira 2 Jeandro L. Ribeiro 3 1 Economista (UFBA), Consultor do PNUD/MDA/

Leia mais