Está em vigor a Medida Provisória n. 680, de 6 de julho de 2015, que institui o Programa de Proteção ao Emprego.

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Está em vigor a Medida Provisória n. 680, de 6 de julho de 2015, que institui o Programa de Proteção ao Emprego."

Transcrição

1 INFORMA TRABALHISTA Está em vigor a Medida Provisória n. 680, de 6 de julho de 2015, que institui o Programa de Proteção ao Emprego. Programa de Proteção ao Emprego comparado com o Lay Off ASPECTOS GERAIS DO PPE julho de 2015 Para informações, entrar em contato com: Dario Rabay D Aldo Martinez Neto D A recém publicada Medida Provisória n. 680/2015 (MP 680), regulamentada pelo Decreto n /2015 (Decreto) institui o Programa de Proteção ao Emprego (PPE). Tratase de um programa temporário do Governo Federal que tem por objetivo desestimular a dispensa de empregados por empresas em dificuldades financeiras.

2 Dentre as principais regras estabelecidas pela MP 680 destacam-se: Permissão de redução de salário e jornada dos empregados em até 30%, mediante acordo coletivo de trabalho firmado entre a empresa e o respectivo sindicato dos empregados. O Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT) do Governo Federal complementa 50% da redução salarial para compensar parcialmente a redução dos salários dos empregados. Esse complemento do FAT está limitado a R$ 900,84 (65% do maior benefício do segurodesemprego). Não pode haver demissões durante a vigência do PPE e pelo período adicional de 1/3 do período de vigência do PPE. PRINCIPAIS REGRAS Em que consiste o PPE? O PPE autoriza a redução da jornada de trabalho dos empregados em até 30%, com a redução proporcional do salário do empregado. A empresa pagará o salário equivalente ao das horas trabalhadas pelo empregado. Se a empresa optar pela redução da jornada no limite máximo de 30%, também reduzirá o pagamento do salário em 30%, pagando apenas 70% do salário. O salário a ser pago pelo empregador durante o período de adesão ao PPE não poderá ser inferior ao salário mínimo. O Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT) do Governo Federal complementará 50% da redução salarial para compensar parcialmente a redução dos salários dos empregados. Esse complemento do FAT está limitado, entretanto, a R$ 900,84 (65% do maior benefício do seguro-desemprego). Assim, ainda que metade da parcela reduzida do salário seja maior do que R$ 900,84, este será o valor máximo recebido pelo trabalhador. Competirá ao MTE definir a forma de pagamento da compensação que será paga pelo FAT. Exemplos Exemplo 1 Empregado (salário de R$ 1.500/mês) que teve sua jornada de trabalho reduzida em 30%, terá redução de salário também em 30%. Assim, o empregador pagará ao empregado, durante o período de adesão ao PPE, o valor de R$ 1.050,00 (R$ 1.500,00 x 70% = R$ 1.050,00). O FAT pagará 50% do valor da parcela a ser reduzida, correspondente a R$ 225,00 (R$ 1.500,00 x 30% = R$ 450,00/2 = R$ 225,00). Remuneração total de R$ 1.275,00 correspondente a 85% do salário original. Exemplo 2 Empregado (salário de R$ 9.000/mês) que teve sua jornada de trabalho reduzida em 30%, terá redução de salário também em 30%. Assim, O empregador pagará ao empregado, durante o período de adesão ao PPE, o valor de R$ 6.300,00 (R$ 9.000,00 x 70% = R$ 6.300,00). O FAT pagará 50% do valor da parcela a ser reduzida, correspondente a R$ 1.350,00 (R$ 9.000,00 x 30% = R$ 2.700,00/2 = R$ 1.350,00). Como neste caso a metade do valor da parcela a ser reduzida supera o limite de R$ 900,84, o FAT pagará ao empregado apenas o limite de R$ 900,84. Remuneração total de R$ 7.200,84 correspondente a 80% do salário original. REGRAS DE ELEGIBILIDADE Quem pode aderir ao PPE? Empresas em dificuldade econômico-financeira. O PPE deverá abranger todos os empregados ou, no mínimo, os empregados de um setor específico da empresa. O empregado não poderá se opor à adesão ao PPE. 2

3 Quais são as condições de elegibilidade? As empresas que pretenderem aderir ao PPE deverão comprovar: (i) Registro no CNPJ há pelo menos 2 anos (em caso de filial, poderá ser considerado o tempo da matriz); (ii) Certidão de regularidade fiscal, previdenciária e em relação ao FGTS; (iii) A dificuldade econômico-financeira (conforme regras que ainda serão definidas); e (iv) Existência de Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico, firmado entre a empresa e o respectivo sindicato dos empregados, registrado no Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Além dessas condições, o Comitê do PPE (CPPE), composto pelos Ministros do Trabalho e Emprego; do Planejamento, Orçamento e Gestão; da Fazenda; do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, e pelo Chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, definirá até o dia 22/07/2015 as demais condições de elegibilidade, a forma de adesão e as regras de funcionamento do PPE. Quem será responsável por deferir a adesão ao PPE? Competirá à Secretaria de Políticas Públicas de Emprego do MTE o recebimento, análise e deferimento das solicitações de adesão ao PPE. PRAZOS E RESTRIÇÕES DO PPE Qual o prazo do PPE? A empresa poderá aderir ao PPE por um período de até 6 meses, podendo prorrogá-lo até o limite de 12 meses. A adesão ao PPE poderá ser feita até 31/12/2015 Quais são as restrições que devem ser observadas pelas empresas que aderirem ao PPE? As empresas que aderirem ao PPE ficam proibidas de dispensar imotivadamente os empregados que tiverem sua jornada reduzida durante o período de adesão ao PPE e, após o seu término, durante o prazo equivalente a um terço do período de adesão. Assim, a empresa que aderir ao PPE pelo prazo de 12 meses ficará impedida de dispensar imotivadamente os empregados abrangidos pelo PPE até 4 meses após o término do período de adesão do PPE. Durante o período de adesão ao PPE, a empresa não poderá contratar empregados para executar, total ou parcialmente, as mesmas atividades exercidas pelos trabalhadores abrangidos pelo PPE, exceto nos casos de (i) reposição e (ii) aproveitamento de menor aprendiz (desde que o novo empregado também seja abrangido pela adesão). NECESSIDADE DE ACORDO COLETIVO DE TRABALHO Informações mínimas que devem constar do ACT: O ACT deverá ser aprovado em assembleia dos trabalhadores abrangidos pelo PPE e deverá conter as seguintes informações: (i) o período pretendido de adesão ao PPE; (ii) os percentuais de redução da jornada de trabalho e de redução da remuneração; (iii) os estabelecimentos ou os setores da empresa a serem abrangidos pelo PPE; (iv) a relação dos trabalhadores abrangidos, identificados por nome, números de inscrição no CPF e no PIS; e (v) a previsão de constituição de comissão paritária composta por representantes da empresa e dos empregados abrangidos pelo PPE, para acompanhamento e fiscalização do PPE e do acordo coletivo. Obrigações prévias ao ACT: Antes da elaboração do ACT, a empresa deverá demonstrar ao sindicato que foram esgotados os períodos (i) de férias (inclusive coletivas) e (ii) de folgas pendentes em bancos de horas. 3

4 A empresa deverá fornecer previamente ao sindicato as informações financeiras a serem apresentadas para adesão ao PPE. PENALIDADES Quais são as penalidades para as empresas que descumprirem as regras do PPE? As empresas que descumprirem os termos do ACT ou qualquer regra da MP 680, do Decreto ou demais normas regulamentares relacionadas ao PPE serão excluídas e ficarão impedidas de aderir novamente ao PPE. Em caso de fraude no âmbito do PPE, a empresa ficará obrigada a restituir ao FAT os pagos aos empregados, devidamente corrigidos, e a pagar multa administrativa correspondente a 100% desse valor, a ser revertida ao FAT. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA E FGTS Como calcular a contribuição previdenciária e os depósitos de FGTS? As empresas deverão recolher a contribuição previdenciária devida ao INSS e o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) sobre o valor do salário reduzido, bem como sobre os valores que serão pagos pelo FAT. As empresas que aderirem ao PPE gerarão sua folha de pagamento com os salários reduzidos, no entanto, a contribuição previdenciária e os depósitos do FGTS serão calculados com base na soma dos salários reduzidos acrescidos com os valores da compensação paga pelo FAT. PONTOS RELEVANTES DO PPE O trabalhador continuará empregado, com a garantia de recebimento de 85% de sua renda; A empresa evita os custos de dispensa do empregado; A empresa já disporá de mão de obra treinada quando retomar a normalidade das atividades; Para o Governo, as despesas do FAT serão menores do que seriam no caso de dispensas sem justa causa, pois evita o pagamento de seguro-desemprego; Durante o período de adesão ao PPE, a empresa continuará recolhendo as contribuições devidas ao INSS e ao FGTS. A adesão ao PPE depende de negociação com o sindicato; Necessidade de demostrar dificuldade financeira para os sindicatos (ou seja, as empresas precisarão abrir suas informações financeiras aos sindicatos); A adesão ao PPE depende da realização de uma assembleia com os trabalhadores abrangidos pelo PPE aprovando a adesão; Para aderir ao PPE as empresas deverão demonstrar que foram esgotados os períodos de férias e de folgas dos bancos de horas; As empresas que aderirem ao PPE ficam proibidas de dispensar imotivadamente os empregados que tiverem sua jornada reduzida durante o período de adesão ao PPE e, após o seu término, durante o prazo equivalente a um terço do período de adesão. LAY OFF Em que consiste o Lay Off? O Lay Off é uma suspensão temporária do contrato de trabalho para qualificação profissional, prevista no artigo 476-A da CLT, e consiste em uma medida que permite a suspensão temporária do contrato de trabalho do empregado, por um período de 2 a 5 meses, para participação em curso ou programa de qualificação profissional oferecido pelo empregador, com duração que deve corresponder à suspensão contratual. Como instituir o Lay Off? O Lay Off deve ser instituído por meio de Convenção ou Acordo Coletivo de Trabalho (ACT ou 4

5 CCT) e necessita anuência formal do empregado. Como fica a remuneração do empregado durante o Lay Off? Durante o período de suspensão do contrato de trabalho o empregador estará dispensado de pagar o salário do empregado. Durante este período, o empregado fará jus ao recebimento de uma bolsa de qualificação profissional (Bolsa), custeada pelo Governo Federal, através do FAT. O valor da Bolsa é calculado pela média dos 3 últimos salários recebidos pelo empregado, não podendo ser inferior ao valor do salário mínimo, nem superior a R$ 1.385,91. O empregador poderá oferecer ao empregado ajuda compensatória mensal, sem natureza salarial, durante o período de Lay Off, com valor a ser definido em ACT ou CCT. Os benefícios voluntariamente concedidos pelo empregador serão devidos ao empregado durante o período de Lay Off. No período de suspensão do contrato de trabalho, o empregador precisa recolher os valores relativos ao INSS e FGTS? Enquanto o contrato de trabalho estiver suspenso, o empregador fica desobrigado do pagamento das contribuições previdenciárias e do FGTS, pois neste período não há pagamento de salário. É possível prorrogar o período do Lay Off? O prazo de 2 a 5 meses poderá ser prorrogado mediante ACT ou CCT e anuência do empregado, desde que o empregador arque com o ônus correspondente ao valor da bolsa de qualificação profissional. Quais são as penalidades para as empresas que descumprirem as regras do Lay Off? Se o empregador não oferecer o curso ou programa de qualificação profissional, ou o empregado permanecer trabalhando para o empregador, ficará descaracterizada a suspensão do contrato de trabalho, sujeitando o empregador ao pagamento imediato dos salários e dos encargos sociais referentes ao período, às penalidades cabíveis previstas na legislação em vigor, bem como às sanções previstas em ACT ou CCT. 5

6 COMPARATIVO PPE VS LAY OFF Este boletim apresenta um resumo de alterações legislativas ou decisões judiciais e administrativas no Brasil. Destina-se aos clientes e integrantes do Souza, Cescon, Barrieu & Flesch Advogados. Este boletim não tem por objetivo prover aconselhamento legal sobre as matérias aqui tratadas e não deve ser interpretado como tal. 6

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO (PPE)

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO (PPE) PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO (PPE) Recentemente (Medida Provisória nº 680/2015), foram divulgadas regras para adesão das empresas ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE). Segundo consta, o objetivo

Leia mais

Programa de Proteção ao Emprego PPE. Definição de regimento, critérios de adesão e funcionamento

Programa de Proteção ao Emprego PPE. Definição de regimento, critérios de adesão e funcionamento Programa de Proteção ao Emprego PPE Definição de regimento, critérios de adesão e funcionamento Kurzarbeit curto tempo de trabalho O Kurzarbeit é antigo na Alemanha. Ele fez a sua primeira aparição antes

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO ABRIL DE 2015

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO ABRIL DE 2015 1 PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO ABRIL DE 2015 COMO SURGIU A IDEIA 2 Na crise internacional de 2008, um grupo de sindicalistas, empresários e representantes do governo, preocupados com os poucos instrumentos

Leia mais

Programa de Proteção ao Emprego (PPE) MP/ASSEC

Programa de Proteção ao Emprego (PPE) MP/ASSEC Programa de Proteção ao Emprego (PPE) MP/ASSEC Programa de Proteção ao Emprego (PPE) Consiste em um mecanismo de proteção ao emprego em períodos de redução do nível da atividade econômica. Permite-se a

Leia mais

LAY OFF LEGISLAÇÃO encontra-se transcrito todo o texto, posto que pertinente. Ao final de cada item,

LAY OFF LEGISLAÇÃO encontra-se transcrito todo o texto, posto que pertinente. Ao final de cada item, LAY OFF LEGISLAÇÃO O Lay Off encontra-se definido por legislação específica. Seguem os três itens legislativos a serem considerados, sendo que, nos casos dos itens 1 e 3, respectivamente o artigo 476-A

Leia mais

Trench, Rossi e Watanabe

Trench, Rossi e Watanabe Trench, Rossi e Watanabe Carlos Eduardo Morais Grupo de Prática Trabalhista Programa de Proteção ao Our offices Emprego - PPE PPE - Legislação Medida Provisória n.º 680 de 06 de Julho de 2015 Decreto n.º

Leia mais

Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise

Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise Maria Lúcia L Menezes Gadotti Telefone : (11) 3093-6600 e-mail: marialucia.gadotti@stussinevessp.com.br Constituição Federal CLT e outras

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS 2 de abril de 2013 CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Hoje foi promulgada uma Emenda Constitucional que amplia os direitos trabalhistas dos empregados domésticos. Alguns direitos

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2006 / 2007

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2006 / 2007 2006 / 2007 O SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE AVIAÇÃO AGRÍCOLA SINDAG e o SINDICATO DOS TÉCNICOS AGRÍCOLAS DE NÍVEL MÉDIO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SINTARGS, firmam a presente CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000358/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039171/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001331/2014-04 DATA DO

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos)

Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos) O que muda Perguntas e respostas sobre a criação do Funpresp (Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos) 1. Por que é necessário criar a Fundação de Previdência Complementar do Servidor

Leia mais

A Lei 6.019/74 que trata da contratação da mão de obra temporária abrange todos os segmentos corporativos ou há exceções?

A Lei 6.019/74 que trata da contratação da mão de obra temporária abrange todos os segmentos corporativos ou há exceções? LUANA ASSUNÇÃO ALBUQUERK Especialista em Direito do Trabalho Advogada Associada de Cheim Jorge & Abelha Rodrigues - Advogados Associados O CONTRATO TEMPORÁRIO DE TRABALHO São as conhecidas contratações

Leia mais

TESTE RÁPIDO LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA PARA O MTE

TESTE RÁPIDO LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA PARA O MTE TESTE RÁPIDO LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA PARA O MTE LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA A respeito da estrutura regimental do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), julgue os itens a seguir. 102 É exemplo de órgão de assistência

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016 A seguir reproduzimos as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho entre o SINPROCIM e SINDPRESP, em relação a convenção anterior. REAJUSTE SALARIAL A partir de 1º de março

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações

SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 26/10/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Seguro-Desemprego 3 - Finalidade 4 - Requisitos 4.1

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO. PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO. PISO SALARIAL inglês.espanhol Acordo Coletivo de Trabalho, com vigência entre 02/05/2014 a 31/04/2015, que entre si fazem o Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar do Estado do Rio de Janeiro, com sede à Rua

Leia mais

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO 2 CSB - Central dos Sindicatos Brasileiros CUT - Central Única dos Trabalhadores Força Sindical NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores UGT - União

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/8 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos operacionais na administração de recursos humanos; 1.2) Garantir maior segurança na admissão e exoneração de pessoal; 1.3) Manter atualizado

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000334/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039626/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001278/2014-33 DATA DO

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO LEI N. 1.021, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Define microempresa para efeito fiscal previsto na Lei Complementar n. 48/84 e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

FEVEREIRO 2015 BRASÍLIA 1ª EDIÇÃO

FEVEREIRO 2015 BRASÍLIA 1ª EDIÇÃO Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e Identificação Profissional SEGURO-DESEMPREGO E ABONO SALARIAL NOVAS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AL000123/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023370/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46201.002929/2011-79 DATA DO

Leia mais

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

FAQ. Participante Ativo Alternativo

FAQ. Participante Ativo Alternativo FAQ Participante Ativo Alternativo O que mudou na Previdência do Servidor Público Federal? A previdência do servidor público passou por mudanças nos últimos anos a partir da emenda 41, da Constituição

Leia mais

PARÁGRAFO ÚNICO PARÁGRAFO PRIMEIRO

PARÁGRAFO ÚNICO PARÁGRAFO PRIMEIRO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FIRMADA PERANTE O EXMO. DR. DELEGADO REGIONAL DO TRABALHO QUE ENTRE SI FAZEM O SINDICATO DOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, LOCALIZADO À

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

Menor Aprendiz Perguntas Frequentes

Menor Aprendiz Perguntas Frequentes Menor Aprendiz Perguntas Frequentes A aprendizagem é regulada pela CLT e passou por um processo de modernização com a promulgação das Leis nºs. 11.180/2005, 10.097/2008 e 11.788/2008. O Estatuto da Criança

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO Viviani R. Anze 1 Vinicius Gomes Lobo 2 Patrícia F. Anjos 3 Manoel Eugênio Guimarães de Oliveira 4 1 INTRODUÇÃO O Programa de Proteção ao Emprego (PPE) é, segundo a Medida

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 Processo no Ministério do Trabalho nº 46218.018897/2014-97 Número da Solicitação: MR074363/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO ATACADISTA DE ALCOOL E BEBIDAS EM GERAL NO

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso CONTRATO DE TRABALHO Empregado Preso Muitas dúvidas surgem quando o empregador toma conhecimento que seu empregado encontra-se preso. As dúvidas mais comuns são no sentido de como ficará o contrato de

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

Gestão estratégica de PJs e autônomos em empresas de TI

Gestão estratégica de PJs e autônomos em empresas de TI Gestão estratégica de PJs e autônomos em empresas de TI 2009 Renato da Veiga Advogados Titular: Renato da Veiga OAB/RS 24.681 Especialidades: Direito da Informática e Tecnologia Início das atividades:1987

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA

JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA 1 / 5 JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA A jornada máxima de trabalho, fixada pela Constituição Federal de 1988 e confirmada pelo art. 58 do Estatuto Laboral, é de 8

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS ASSUNTO: OUTROS ASSUNTOS RELACIONADOS AO SREP 1. Quais são os principais pontos da Portaria MTE 1.510/2009? a. Proíbe todo tipo de restrição à marcação de ponto, marcações automáticas

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS Data Vencimento 07 Obrigação Salário Mensal Fato Gerador e Fundamento Legal Pagamento mensal da remuneração. (ver nota 1) Salário-Mínimo Valor atual de R$ 788,00 - Decreto nº 8.381/14. Pró-labore Código

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001188/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/08/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038092/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.477193/2009-15 DATA DO

Leia mais

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO 1. Aplicação Esta política aplica-se a todos os colaboradores Técnico-administrativos, sejam vínculo CLT ou contrato de estágio. 2. Objetivo Estabelecer critérios

Leia mais

Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? Faturar até R$ 36 mil por ano;

Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? Faturar até R$ 36 mil por ano; cultura 1. Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? 2. Faturar até R$ 36 mil por ano; Não participar de outra empresa, como sócio ou titular; Trabalhar sozinho

Leia mais

Devem constar do Termo de Compromisso, dentre outras disposições: - qualificação da empresa concedente, do estagiário e da instituição de ensino;

Devem constar do Termo de Compromisso, dentre outras disposições: - qualificação da empresa concedente, do estagiário e da instituição de ensino; ESTÁGIO O Estágio de Estudantes é regido pela Lei nº 6.494, de 07/12/1977, regulamentada pelo Decreto nº 87.497, de 18/08/1982, com posteriores alterações do Decreto nº 89.467/84. Define-se como estagiários,

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

Movimentação Externa Temporária - Disposição

Movimentação Externa Temporária - Disposição Movimentação Externa Temporária - Disposição Conceito É uma modalidade de movimentação externa transitória entre órgãos ou entidades dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios,

Leia mais

RAIS 2014 Relação Anual de. Informações Sociais

RAIS 2014 Relação Anual de. Informações Sociais RAIS 2014 Relação Anual de Informações Sociais Copyright 2013 1 Definição: Relação Anual de Informação Social: Todo estabelecimento deve fornecer ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), por meio da

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004311/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/10/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053641/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008617/2011-50 DATA DO

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

Contratação e Modelo de Contrato

Contratação e Modelo de Contrato Contratação e Modelo de Contrato Deveres da Empresa Firmar contrato especial de aprendizagem com o adolescente e inscrevê-lo em curso de aprendizagem desenvolvido por uma entidade qualificada de ensino

Leia mais

TERMO ADITIVO Á CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

TERMO ADITIVO Á CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO TERMO ADITIVO Á CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1 Entre as partes, de um lado o SINDICATO DOS EMPREGADOS VENDEDORES E VIAJANTES DO COMÉRCIO, PROPAGANDISTAS, PROPAGANDISTAS VENDEDORES E VENDEDORES DE PRODUTOS

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002030/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/09/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054079/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.033057/2010-51 DATA

Leia mais

E-SOCIAL. Comunicamos que entrará em vigor, a partir de Abril de 2014, o novo projeto do governo, denominado E-Social.

E-SOCIAL. Comunicamos que entrará em vigor, a partir de Abril de 2014, o novo projeto do governo, denominado E-Social. E-SOCIAL Comunicamos que entrará em vigor, a partir de Abril de 2014, o novo projeto do governo, denominado E-Social. O E-Social é um projeto do governo federal que vai unificar o envio de informações

Leia mais

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (Lei nº 8.036, de 11/5/90, e Decreto nº 99.684, de 8/11/90). 11.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é uma conta

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial Contabilidade Empresarial Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Operações com Pessoal 1 Folha de Pagamento de Salários Conceito É o documento no qual são relacionados os nomes dos empregados com

Leia mais

Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual

Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual Lição 6. Férias Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual 6.1. FÉRIAS INDIVIDUAIS: arts. 129 a 138 da CLT. As férias correspondem

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I. nº 1628/09 FOR-101 1/5 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/5 2 Definição, 2/5 3 Competências,

Leia mais

Cálculo das férias proporcionais e faltas

Cálculo das férias proporcionais e faltas Informativo 0 Página 0 Ano 2013 Cálculo das férias proporcionais e faltas FÉRIAS Após cada 12 meses de vigência do contrato de trabalho (período aquisitivo), o empregado tem direito ao gozo de um período

Leia mais

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA INTRODUÇÃO Após a mobilização de vários setores da economia juntamente com as proposições formuladas pelo Congresso Nacional, foi publicada a Lei 12.996/2014,

Leia mais

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias 1 TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º - Gratificação Natalina A Gratificação de Natal, popularmente conhecida como, foi instituída pela Lei 4.090, de 13/07/1962, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029334/2013 NÚMERO DO PROCESSO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: DATA DE REGISTRO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: 46261.003131/2012-11

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO DE CURTA DURAÇÃO

CONTRATO DE TRABALHO DE CURTA DURAÇÃO CONTRATO DE TRABALHO DE CURTA DURAÇÃO BSB,25.02.2014 COMO SE SABE O GOVERNO ( RE) APRESENTOU( NOVA INVESTIDA ) ANTEPROJETO DE LEI ELABORADO COM VISTAS A ESTABELECER O CONTRATO DE TRABALHO DE CURTA DURAÇÃO.

Leia mais

Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665

Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665 Resumo das regras nas medidas provisórias nº 664 e nº 665 Cenário Aumentou o emprego e a formalização: 15,5 milhões no setor privado de 2003 a 2013 Base de segurados da previdência aumentou em 30 milhões

Leia mais

Novo cronograma de implantação do e-social e outros assuntos de interesse. Novo cronograma de implantação do e-social INFORMA TRABALHISTA

Novo cronograma de implantação do e-social e outros assuntos de interesse. Novo cronograma de implantação do e-social INFORMA TRABALHISTA INFORMA TRABALHISTA Novo cronograma de implantação do e-social e outros assuntos de interesse. Novo cronograma de implantação do e-social julho de 2015 Para informações, entrar em contato com: NOTÍCIAS

Leia mais

CONTRATO 035/2014 CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO

CONTRATO 035/2014 CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO CONTRATO 035/2014 A Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência (FATEC), inscrita no CNPJ n.º 89.252.431/0001-59, sediada na Cidade Universitária, em Santa Maria /RS, neste ato representada pelo Diretor Presidente,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE.

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE. MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE. Operadora: Unimed Campo Grande MS Cooperativa de Trabalho Médico. CNPJ: 03.315.918/0001-18 Nº de registro na ANS: 312851 Site: http://www.unimedcg.com.br

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 Regulamenta a Lei Complementar n 975/2013 que dispõe sobre a criação do Programa ISS Tecnológico, que institui benefícios

Leia mais

Manual do Estagiário

Manual do Estagiário CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA NILO DE STÉFANI - JABOTICABAL Manual do Estagiário CURSO DE TECNOLOGIA EM BIOCOMBUSTÍVEIS 2º Semestre de 2014 Sumário 1 Informações

Leia mais

Contratualização de Serviços de Saúde. Gestão de Contratos

Contratualização de Serviços de Saúde. Gestão de Contratos Contratualização de Serviços de Saúde Gestão de Contratos C0NTROLE DA ADMISTRAÇÃO PÚBLICA O CONTROLE CONSTITUI PODER-DEVER DOS ÓRGÃOS A QUE A LEI ATRIBUI ESSA FUNÇÃO, PRECISAMENTE PELA SUA FINALIDADE CORRETIVA;

Leia mais

Seu futuro está em nossos planos!

Seu futuro está em nossos planos! 1/8 CONHEÇA O PLANO DE BENEFÍCIOS CD-METRÔ DF Seu futuro está em nossos planos! 2014 2/8 1 Quem é a REGIUS? A REGIUS Sociedade Civil de Previdência Privada é uma entidade fechada de previdência privada,

Leia mais

CONTRATO ADMINISTRATIVO N 10/2015

CONTRATO ADMINISTRATIVO N 10/2015 CONTRATO ADMINISTRATIVO N 10/2015 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE PACIENTE PSIQUIÁTRICO, QUE CELEBRAM O MUNICÍPIO DE BOZANO E A EMPRESA LORENA MENDES DOS SANTOS -.-.-.-.-.-.-.-.-..-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO AUGUSTO COUTINHO

COMISSÃO DE TRABALHO, ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO AUGUSTO COUTINHO COMISSÃO DE TRABALHO, ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 4.475, DE 2008. Concede horário especial ao trabalhador estudante. Autor: Dep. Cândido Vacarezza(PT/SP) Relator: Dep. Assis Melo

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000792/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/10/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR050907/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.011100/2015-21 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS SINDICATO AUX ADM ESCOLAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, CNPJ n. 31.249.428/0001-04, neste ato representado (a) por seu Presidente, Sr(a). ELLES CARNEIRO PEREIRA; E ASSOCIACAO NOBREGA DE EDUCACAO E ASSISTENCIA

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO PREVIDENCIAL DOS PARTICIPANTES VINCULADOS AO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - IMA REGULAMENTO ESPECÍFICO - RP6 CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PLANO PREVIDENCIAL DOS PARTICIPANTES VINCULADOS AO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - IMA REGULAMENTO ESPECÍFICO - RP6 CAPÍTULO I DOS PARTICIPANTES VINCULADOS AO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - REGULAMENTO ESPECÍFICO - RP6 CAPÍTULO I DAS PRESTAÇÕES PREVIDENCIAIS Art. 1º - O Regulamento Específico - RP6 disciplina a concessão

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO... 4 6. PRAZOS... 4 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 5 8. GARANTIAS... 5 9. CONDIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Saiba o que muda com as novas regras para seguro-desemprego, auxíliodoença e pensão por morte.

Saiba o que muda com as novas regras para seguro-desemprego, auxíliodoença e pensão por morte. Saiba o que muda com as novas regras para seguro-desemprego, auxíliodoença e pensão por morte. O governo federal publicou na noite da terça-feira, 30 de dezembro de 2014, em edição extraordinária do Diário

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe acerca da Política de uso do ponto eletrônico e da jornada de trabalho dos servidores públicos do Poder Executivo município de Querência - MT. atribuições,

Leia mais

Como é calculado o salário do aprendiz?

Como é calculado o salário do aprendiz? Como é calculado o salário do aprendiz? 1º PASSO - Cálculo da hora nua: Hora nua = salário mínimo / 150 horas (n. de horas/mês) * 150 = 30 horas semanais x 5 semanas Ex.: 424,00 / 150 = 2,826 Salário base

Leia mais

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes.

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes. COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROMOVER ESTUDOS E PROPOSIÇÕES VOLTADAS À REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO TERCEIRIZADO NO BRASIL SUGESTÃO DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Prorrogação do Período Licença Maternidade Posterior ao Parto

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Prorrogação do Período Licença Maternidade Posterior ao Parto 17/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares... 5 6. Referências... 5 7.

Leia mais

Art. 3º Para concretização do disposto nesta Lei fica o Poder Executivo autorizado a suplementar a seguinte dotação orçamentária:

Art. 3º Para concretização do disposto nesta Lei fica o Poder Executivo autorizado a suplementar a seguinte dotação orçamentária: LEI Nº 3570/2014, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014. AUTORIZA O MUNICÍPIO CONCEDER CONTRIBUIÇÃO À ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO BAIRRO SÃO CRISTÓVÃO, SUPLEMENTAR DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA, FIRMAR CONVÊNIO E DÁ OUTRAS

Leia mais

Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no REDOM

Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no REDOM Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no De: Mario Avelino [mailto:marioavelino@domesticalegal.org.br] Enviada em: quarta-feira, 9 de setembro de 2015 23:50 Para:

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

Medida Provisória nº de de 2008

Medida Provisória nº de de 2008 Medida Provisória nº de de 008 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Controle Interno e de Apoio Técnico ao Controle Interno no âmbito das Instituições Federais vinculadas

Leia mais

AFASTAMENTO PARA SERVIR EM OUTRO ÓRGÃO - CESSÃO DE SERVIDOR

AFASTAMENTO PARA SERVIR EM OUTRO ÓRGÃO - CESSÃO DE SERVIDOR AFASTAMENTO PARA SERVIR EM OUTRO ÓRGÃO - CESSÃO DE SERVIDOR DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Cessão ou requisição

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001644/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/06/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026139/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004129/2010-92 DATA DO

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO. Edição: 25/02/14

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO. Edição: 25/02/14 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO Edição: 25/02/14 Direito de migrar para plano individual ou familiar aproveitando carência do plano coletivo empresarial Os beneficiários

Leia mais

PORTARIA 1.510 DE 21 DE AGOSTO DE 2009 - VOCÊ SABIA?

PORTARIA 1.510 DE 21 DE AGOSTO DE 2009 - VOCÊ SABIA? PORTARIA 1.510 DE 21 DE AGOSTO DE 2009 - VOCÊ SABIA? Desde 25/08/2009 todas as empresas que adotam o registro eletrônico de ponto devem utilizar o Programa de Tratamento de Registro de Ponto (PTRP), bem

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL Nº 01/2015 SEMED (Prazo: 30 dias) Processo Seletivo para a concessão de licença para qualificação profissional

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 Dia 06-10-2010 (Quarta-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais

Dispõe sobre a redução do valor global das gratificações de encargos especiais nos casos em que menciona e dá outras providências.

Dispõe sobre a redução do valor global das gratificações de encargos especiais nos casos em que menciona e dá outras providências. DECRETO Nº 25.826, DE 14 DE DEZEMBRO DE 1999. Publicado no D.O. nº 237, de 15 Dez 99, Pág, 04 e 05 e 06 e Transcrito no Boletim da SEDEC nº 179, de 15 Dez 99. Dispõe sobre a redução do valor global das

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000484/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR040108/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001341/2013-51 DATA DO

Leia mais

CCT 2013/2015. Comparativo entre a atual Convenção Coletiva e a Pauta entregue pelo SINDPD-RJ em 31/07/2013

CCT 2013/2015. Comparativo entre a atual Convenção Coletiva e a Pauta entregue pelo SINDPD-RJ em 31/07/2013 CCT 2013/2015 Comparativo entre a atual Convenção Coletiva e a Pauta entregue pelo SINDPD-RJ em 31/07/2013 Vigência O SINDPD-RJ propõe que a Convenção Coletiva de Trabalho passe a ter vigência anual em

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, APROVA e eu, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO a seguinte lei

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, APROVA e eu, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO a seguinte lei PROJETO DE LEI N 0 1.971/06, de 21 de novembro de 2006. Cria cargos que especifica, fixa quantitativos, atribuições, vencimentos e regime jurídico, adequando-a a Emenda Constitucional Federal nº 51/06

Leia mais

MP 664 e MP 665 Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e Previdência Social

MP 664 e MP 665 Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e Previdência Social MP 664 e MP 665 Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e Previdência Social Abono Salarial Seguro Desemprego Seguro Defeso Pensão por Morte Auxílio-Doença Transformações Estruturais Nos últimos anos, o processo

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08 AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08 PORTARIA Nº. 17, DE 23 DE JANEIRO DE 2015. Aprova

Leia mais

2 Lei 13.134/2015. 2.3 Alterações no Abono Salarial: 2.3.1 Quanto ao período de tempo e valor

2 Lei 13.134/2015. 2.3 Alterações no Abono Salarial: 2.3.1 Quanto ao período de tempo e valor 2 Lei 13.134/2015 2.2 Conteúdo da Lei 13.134/2015: Altera as Leis no 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa do Seguro-Desemprego e o Abono Salarial e institui o Fundo de Amparo ao Trabalhador

Leia mais

Programa de Assistência Médica para Aposentados CargillPrev (Plano Assistencial)

Programa de Assistência Médica para Aposentados CargillPrev (Plano Assistencial) Programa de Assistência Médica para Aposentados CargillPrev (Plano Assistencial) Programa de Assistência Médica para Aposentados CargillPrev (Plano Assistencial) Material Explicativo Encontre aqui as informações

Leia mais

REQUERIMENTO PESSOA JURÍDICA

REQUERIMENTO PESSOA JURÍDICA REQUERIMENTO PESSOA JURÍDICA A pessoa jurídica localizada em nº bairro cidade CEP, telefone. Vem pelo presente documento solicitar: ( ) Baixa de Registro Interrupção das Atividade ( ) Baixa por solicitação

Leia mais

RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA DO TRABALHO 2014/2015.

RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA DO TRABALHO 2014/2015. RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA DO TRABALHO 2014/2015. Cláusula primeira REAJUSTE SALARIAL As empresas concederão a todos os empregados integrantes da categoria profissional representada, que perceberem salário

Leia mais

AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSÃO NO EXTERIOR

AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSÃO NO EXTERIOR AFASTAMENTO PARA ESTUDO OU MISSÃO NO EXTERIOR DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Afastamento do servidor de suas atividades

Leia mais

Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem. destaque.

Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem. destaque. Alterações no auxílio doença e trabalho e regras do seguro desemprego -Uma abordagem empresarial dos temas em destaque. Professora: Luciana Saldanha Advogada, especialista em direito trabalhista e previdenciário.

Leia mais