Cálculo das férias proporcionais e faltas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cálculo das férias proporcionais e faltas"

Transcrição

1 Informativo 0 Página 0 Ano 2013 Cálculo das férias proporcionais e faltas FÉRIAS Após cada 12 meses de vigência do contrato de trabalho (período aquisitivo), o empregado tem direito ao gozo de um período de férias, sem prejuízo da remuneraçãoo período aquisitivo é contado de data a data, se iniciando no dia de sua contratação Assim, se o empregado foi contratado em , seu período aquisitivo vai até O segundo período aquisitivo vai de a e assim sucessivamentepara o empregado que trabalha em tempo integral (mais de 25 até 44 horas semanais), as férias são fixadas considerando se as faltas injustificadas, não sendo relevante a sua jornada de trabalho contratual, já que ele é contratado para trabalhar mais de 25 horas semanais Na tabela a seguir, pode ser observado o número de dias de férias que o empregado irá gozar em função das faltas injustificadas que teve no período aquisitivo: Nº DE FALTAS INJUSTIFICADAS DIAS CORRIDOS DE FÉRIAS 0a5 30 6a a a32 12 Mais de 32 Perde o direito a Férias Para o empregado que trabalha em tempo parcial (até 25 horas semanais), o período de férias será fixado da seguinte forma: JORNADA DE TRABALHO SEMANAL DIAS CORRIDOS DE FÉRIAS DIAS CORRIDOS DE FÉRIAS HAVENDO MAIS DE 7 FALTAS 1/5

2 INJUSTIFICADAS Mais de 22 até 25 horas 18 9 Mais de 20 até 22 horas 16 8 Mais de 15 até 20 horas 14 7 Mais de 10 até 15 horas 12 6 Mais de 5 até 10 horas 10 5 Igual ou inferior a 5 horas 8 4 As férias devem ser concedidas por ato do empregador, em um só período, nos 12 meses subseqüentes à data em que o empregado tiver adquirido o respectivo direito Esse período de 12 meses constitui o período concessivo ou de fruição das férias Assim, se o período aquisitivo se completou em , o período concessivo vai de a As férias devem ser comunicadas ao empregado, por escrito, com antecedência de, no mínimo, 30 dias, cabendo ao empregado assinar a notificação É assegurado ao empregado remuneração com pelo menos 1/3 a mais do que o salário normal Por salário normal, entende se o salário fixo acrescido das verbas de caráter salarial O pagamento das férias normais e em dobro deve ser efetuado até dois dias antes do início do período de gozo ABONO PECUNIÁRIO O abono pecuniário de férias consiste em uma quantia em dinheiro correspondente a 1/3 do período de férias a que o empregado faz jus Essa quantia é devida ao empregado quando ele solicita ao empregador a conversão daquele período de férias em valor monetário Isto porque a conversão é uma faculdade atribuída ao empregado, devendo ser concedida obrigatoriamente pela empresa, quando solicitada Os empregados que trabalham em regime parcial não poderão converter 1/3 de suas férias em abono pecuniário Nas férias coletivas o pedido individual de abono pecuniário não prevalecerá, devendo a concessão ser negociada com o sindicato da categoria profissional O empregado que optar por converter 1/3 de suas férias em abono pecuniário deve requerê lo ao empregador até 15 dias antes do término do período aquisitivo FÉRIAS COLETIVAS 2/5

3 Férias coletivas significa a concessão simultânea de períodos de descanso, extensivos a todos os empregados da empresa ou apenas aos empregados de determinados setores, estabelecimentos ou seção desta, independentemente de terem sido completados os respectivos períodos aquisitivos As férias coletivas podem ser gozadas em dois períodos anuais, sendo que nenhum período pode ser inferior a 10 dias corridos As férias coletivas devem ser comunicadas ao órgão local do Ministério do Trabalho e Emprego e ao sindicato com antecedência mínima de 15 dias No caso de empregados contratados há menos de 12 meses, as férias serão concedidas em proporção ao respectivo período de trabalho na empresa, sendo o período restante concedido a título de licença remunerada FÉRIAS NA RESCISÃO DE CONTRATO As férias que não forem concedidas na vigência do contrato de trabalho terão de ser pagas na rescisão Neste caso, o empregado poderá ter direito a receber as férias vencidas e/ou proporcionais O Tribunal Superior do Trabalho TST, através do Enunciado 261, garante o pagamento de férias proporcionais, no caso de pedido de demissão de empregado com menos de um ano de serviço No caso de férias proporcionais, o pagamento será devido em relação ao número de meses decorridos do início do último período aquisitivo até o término do contrato de trabalho, devendo ser observado o número de faltas no período A remuneração será proporcional ao período apurado Para determinação dos dias de férias a que o empregado faz jus, nos casos de período aquisitivo incompleto e faltas injustificadas ao serviço, deve ser observada a seguinte tabela: FÉRIAS PROPORCIONAIS 1/12 2/12 3/12 4/12 5/12 6/12 7/12 8/12 9/12 10/1211/12 12/12 30 (Até 5 Faltas) 2,5 5 7, , , , ,5 30 DIAS DE FÉRIAS 24 (De 6 a Faltas) DEVIDOS 18 (De 15 a 1,5 Dia3 4,5 7, Faltas) 9 10, , , (De 24 a 1 Dia Faltas) 12 Para os empregados contratados com tempo parcial, deve ser observada a seguinte tabela: 3/5

4 FÉRIAS PROPORCIONAIS EM DIAS JORNA DA DIAS DE CORRI TRABALHO DOS DE SEMAN AL FÉRIAS 1/12 2/12 3/12 4/12 5/12 6/12 7/12 8/12 9/12 10/12 11/12 12/12 MAIS DE 22 ATÉ ,5 3 4,5 6 7,5 9 10, , ,5 18 MAIS DE 20 ATÉ ,33 2,66 3,99 5,32 6,65 8 9,31 10,64 11,97 13,30 14,63 16 MAIS DE 15 ATÉ ,17 2,34 3,51 4,68 5,85 7 8,19 9,36 10,53 11,70 12,87 14 MAIS DE 10 ATÉ MAIS DE 5 ATÉ ,83 1,66 2,49 3,32 4,15 5 5,81 6,64 7,47 8,30 9,13 10 IGUAL OU INFERIOR A 5 8 0,67 1,34 2,01 2,68 3,35 4 4,69 5,36 6,03 6,70 7,37 8 Para os empregados contratados com tempo parcial, deve ser observada a seguinte tabela: FÉRIAS PROPORCIONAIS EM DIAS JORNA DA DE TRABA LHO SEMA NAL DIAS CORRI DOS DE FÉRIAS HAVENDO 1/12 2/12 3/12 4/12 5/12 6/12 7/12 8/12 9/12 10/12 11/12 12/12 MAIS DE 7 FALTAS INJUSTIFICA DAS 4/5

5 MAIS DE 22 ATÉ ,75 1,5 2,25 3 3,75 4,5 5,25 6 6,75 7,5 8,25 9 MAIS DE 20 ATÉ 22 HORA S 8 0,67 1,34 2,01 2,68 3,35 4 4,69 5,36 6,03 6,70 7,37 8 MAIS DE15 ATE ,58 1,16 1,74 2,32 2,90 3,5 4,06 4,64 5,22 5,80 6,38 7 MAISDE10ATÉ ,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 4,5 5 5,5 6 MAIS DE 5 ATÉ ,42 0,84 1,26 1,68 2,10 2,5 2,94 3,36 3,78 4,20 4,62 5 IGUAL OU INFERIOR A 5 4 0,33 0,66 0,99 1,32 1,65 2 2,31 2,64 2,97 3,30 3,63 4 FÉRIAS EM DOBRO Sempre que as férias forem concedidas após o período concessivo, o empregador deve efetuar em dobro o pagamento da remuneração devida Suponhamos um empregado com direito a férias de 30 dias relativas ao período de a , as quais seriam concedidas no período de a Caso as férias sejam concedidas total ou parcialmente após , o valor devido a partir desta data terá de ser pago em dobro No caso de ter havido solicitação de abono pecuniário, este também deverá ser pago em dobro Área exclusiva do cliente Fechar Janela 5/5

Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual

Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual Lição 6. Férias Férias Individuais e Coletivas; Período Aquisitivo e Concessivo; Remuneração; Abono; Efeitos na Rescisão Contratual 6.1. FÉRIAS INDIVIDUAIS: arts. 129 a 138 da CLT. As férias correspondem

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE FÉRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE FÉRIAS 23/04/203. INTRODUÇÃO A Política de Férias tem por objetivo estabelecer os critérios relativos a concessão de férias dos empregados da Melhoramentos Papéis 2. ESCOPO Férias solicitadas pelos funcionários

Leia mais

mesmo empregador recebendo

mesmo empregador recebendo AULA 6: Salário e Remuneração: a partir do art. 457, CLT Equiparação Salarial empregado que almeja ganhar um salário maior, deseja o salário de outro, que é o chamado paradigma ou modelo idêntica função

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil Rotina de Férias Sumário Calculo de Férias Abono Pecuniário Períodos consecutivos Licença Remunerada Parâmetros da rotina Id_calculo utilizado Férias em Dobro Férias Empregado com menos de 12 Meses Férias

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: SOLICITAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, CONCESSÃO E PAGAMENTO DE FÉRIAS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 023, de 04/02/2013 VIGÊNCIA: 04/02/2013 NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 1/12

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário 1/6 1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS 2.1 Abono Pecuniário Valor pago ao beneficiário que optar expressamente por converter 1/3 (um terço) do seu período

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I. nº 1628/09 FOR-101 1/5 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/5 2 Definição, 2/5 3 Competências,

Leia mais

DECRETO Nº 524, DE 02 DE JULHO DE 2003.

DECRETO Nº 524, DE 02 DE JULHO DE 2003. DECRETO Nº 524, DE 02 DE JULHO DE 2003. Dispõe sobre a concessão das férias dos servidores públicos do Município de Pinhais. O PREFEITO MUNICIPAL DE PINHAIS, Estado do Paraná, D E C R E T A Art 1º Fica

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

Gestão de Pessoas - 4w

Gestão de Pessoas - 4w P á g i n a 1 Gestão de Pessoas - 4w Modulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: Férias P á g i n a 2 Sumário 1 Conceito... 3 1.1 Parametrizações no Sistema... 3 1.1.1 - Sindicato... 3 1.1.2 - Situações...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário afastado, e no decorrer ultrapassa o período de concessão de férias, terá diretito as férias

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário afastado, e no decorrer ultrapassa o período de concessão de férias, terá diretito as férias Funcionário afastado, e no decorrer ultrapassa o período de concessão de férias, terá diretito as férias 31/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3

Leia mais

FÉRIAS INDIVIDUAIS. Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais.

FÉRIAS INDIVIDUAIS. Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais. FÉRIAS INDIVIDUAIS Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais. 1) Quem tem direito a férias individuais? Todos os empregados

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR. RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR. RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO CONSELHEIRO LUIZ MOREIRA GOMES JÚNIOR RESOLUÇÃO Nº, de de de 2013. Dispõe sobre as férias dos Membros dos Ministérios Públicos da União e dos

Leia mais

Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise

Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise Maria Lúcia L Menezes Gadotti Telefone : (11) 3093-6600 e-mail: marialucia.gadotti@stussinevessp.com.br Constituição Federal CLT e outras

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

Evento Presencial Férias Individuais e Coletivas 24 de outubro de 2014. Evento Presencial - Férias Individuais e Coletivas - Considerações Gerais

Evento Presencial Férias Individuais e Coletivas 24 de outubro de 2014. Evento Presencial - Férias Individuais e Coletivas - Considerações Gerais Evento Presencial - Férias Individuais e Coletivas - Considerações Gerais FÉRIAS INDIVIDUAIS Introdução Todo empregado tem direito a um período anual de férias, sem prejuízo de sua remuneração. (Art. 129,

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT TURMA EXTENSIVA SEMANAL Prof. Otavio Calvet Data: 09.11.2009 Aula nº 31 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Contratos de Trabalho Especiais: I. Bancário a) Duração do trabalho - art. 224 CLT a.1) normal: 06 horas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Calculo Adicionais e Médias para Férias e 13º Salário

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Calculo Adicionais e Médias para Férias e 13º Salário 21/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares... 5 6. Referências... 5 7.

Leia mais

DEFINIÇÃO PARA FOLHA DE PAGAMENTO DE FÉRIAS COLETIVAS DOCENTES NOVEMBRO / 2007

DEFINIÇÃO PARA FOLHA DE PAGAMENTO DE FÉRIAS COLETIVAS DOCENTES NOVEMBRO / 2007 DEFINIÇÃO PARA FOLHA DE PAGAMENTO DE FÉRIAS COLETIVAS DOCENTES NOVEMBRO / 2007 SERVIDORES DO CEETEPS CLIENTE 092 REGIME C.L.T DOCENTES FOLHA DE FÉRIAS COLETIVA PERÍODO A SER CONSIDERADO: JANEIRO á DEZEMBRO

Leia mais

Produto Gestão de Pessoas - Versão 4w

Produto Gestão de Pessoas - Versão 4w Produto Gestão de Pessoas - Versão 4w Módulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: Férias Senior Sistemas S.A Rua São Paulo, 825 - Bairro Victor Konder - CEP 89012.001 - Blumenau/SC Fone: (047) 3221-3300

Leia mais

AVISO PRÉVIO AVISO PRÉVIO - CONCEITO. (art. 7, XXI, CRFB/88 e art. 487, CLT)

AVISO PRÉVIO AVISO PRÉVIO - CONCEITO. (art. 7, XXI, CRFB/88 e art. 487, CLT) Direito do Trabalho Aviso prévio Maria Inês Gerardo (art. 7, XXI, CRFB/88 e art. 487, CLT) - CONCEITO É comunicação que uma parte do contrato deve fazer à outra de que pretende rescindir o referido pacto

Leia mais

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas Conheça as regras especiais do contrato de trabalho do professor O professor no exercício do magistério em estabelecimento particular de ensino mereceu tratamento especial

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Concessão de Férias Coletivas

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Concessão de Férias Coletivas Segmentos Concessão de Férias Coletivas 28/01/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Referencia...

Leia mais

COMUNICADO DA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS

COMUNICADO DA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS COMUNICADO DA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Senhor Responsável, Tupã, 06 de outubro de 2014. Encaminhamos em anexo, instruções para o preenchimento da Escala de Férias para o Exercício de 2015, dos servidores

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

b) Não remunerados: Não entram no cômputo da jornada de trabalho. Exemplo: 15 minutos ou 1 hora até 2 horas intrajornada.

b) Não remunerados: Não entram no cômputo da jornada de trabalho. Exemplo: 15 minutos ou 1 hora até 2 horas intrajornada. 1 PERÍODOS DE DESCANSO Os períodos de descanso são necessidades biológicas, fisiológicas do corpo humano para que possa recompor suas energias e continuar trabalhando com eficiência. Além de o lazer ser

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003231/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046809/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.009204/2014-25 DATA DO

Leia mais

ASPECTOS POLÊMICOS SOBRE A CONTAGEM DO PERÍODO AQUISITIVO DE FÉRIAS

ASPECTOS POLÊMICOS SOBRE A CONTAGEM DO PERÍODO AQUISITIVO DE FÉRIAS ASPECTOS POLÊMICOS SOBRE A CONTAGEM DO PERÍODO AQUISITIVO DE FÉRIAS Paulo Sérgio Basílio Advogado OBJETO DE ESTUDO O presente artigo se limitará a analisar questão controvertida sobre a contagem dos períodos

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA 2015/2016 A seguir reproduzimos as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho entre o SINPROCIM e SINDPRESP, em relação a convenção anterior. REAJUSTE SALARIAL A partir de 1º de março

Leia mais

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS Na melhor forma de direito, pelo presente instrumento de conciliação que entre si celebram, de um lado a pessoa jurídica de direito

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001902/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019390/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46236.000751/2012-13 DATA DO

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho SINPEFESP-(empregados)-SINDELIVRE-(patronal) Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015. VIGÊNCIA E DATA-BASE As cláusulas e condições da presente Convenção Coletiva de Trabalho que

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

Férias Coletivas no Persona Gold

Férias Coletivas no Persona Gold Férias Coletivas no Persona Gold Esta cartilha tem como objetivo explicar como se aplicam as configurações necessárias, dentro do Persona Gold, para que seja feito o cálculo das férias coletivas. Por dentro

Leia mais

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei (Lei 8.112/90 artigos 77 a 80).

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000640/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020835/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46232.001517/2015-88 DATA DO

Leia mais

Direitos na Rescisão Folha 1:

Direitos na Rescisão Folha 1: Direitos na Rescisão Folha 1: 1º dia útil após o término do 04 EXPERIÊNCIA c) Férias proporcionais aos meses trabalhados contrato d) Salário família (se for o caso) c) Férias proporcionais aos meses trabalhados

Leia mais

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO O TRABALHISTA PROGRAMA EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais) EMPREGADO DOMÉSTICO A Lei 5859/72 regulamentada pelo Decreto 71885/73 tornou reconhecida

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS Data Vencimento 07 Obrigação Salário Mensal Fato Gerador e Fundamento Legal Pagamento mensal da remuneração. (ver nota 1) Salário-Mínimo Valor atual de R$ 788,00 - Decreto nº 8.381/14. Pró-labore Código

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

GRUPO CICAL SISTEMA DE GESTÃO

GRUPO CICAL SISTEMA DE GESTÃO GRUPO CICAL / PO.RH./2008 RECURSOS HUMANOS.REV 1 de 7 VALIDAÇÃO NOMES DATA Elaborador: Verificador Sistema Gestão: Aprovador: Lygia Chaves Ana Paula Portugal Melgaço Wady Cecílio Neto Jair Cecilio Junior

Leia mais

FÉRIAS REMUNERADAS Yukyu kyuka

FÉRIAS REMUNERADAS Yukyu kyuka FÉRIAS REMUNERADAS 17 FÉRIAS REMUNERADAS Yukyu kyuka As férias remuneradas são um direito garantido aos trabalhadores fixos e aos que trabalham no sistema part-time (trabalho de tempo parcial) indiferente

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR000744/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/02/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR009359/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.002310/2013-05

Leia mais

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a)

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Carteira de Trabalho e Previdência Social, devidamente anotada Devidamente anotada, especificando- se as condições do contrato de trabalho (data de admissão, salário

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012 2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012 2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012 2013 Por este instrumento, de um lado, representando os empregados, o SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE CUIABÁ E VÁRZEA GRNADE, e do outro lado, representando

Leia mais

MUSA MINERAÇÃO USIMINAS S/A. - ARCELORMITTAL MINERAÇÃO SERRA AZUL S/A. E FERROUS RESOURCES DO BRASIL S/A.

MUSA MINERAÇÃO USIMINAS S/A. - ARCELORMITTAL MINERAÇÃO SERRA AZUL S/A. E FERROUS RESOURCES DO BRASIL S/A. MUSA MINERAÇÃO USIMINAS S/A. - ARCELORMITTAL MINERAÇÃO SERRA AZUL S/A. E FERROUS RESOURCES DO BRASIL S/A. REAJUSTE SALARIAL Concessão de reajuste salarial, sendo que para recomposição salarial será considerado

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO TÉCNICO LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO - CORDILHEIRA VERSÃO 2

BOLETIM INFORMATIVO TÉCNICO LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO - CORDILHEIRA VERSÃO 2 BOLETIM INFORMATIVO TÉCNICO LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO - CORDILHEIRA VERSÃO 2 CORDILHEIRA RECURSOS HUMANOS 2.93A 1- Adequada a rotina Módulos\ Férias\ Férias Normais para calcular as férias em dobro quando

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001596/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/08/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044387/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.017209/2014-00 DATA

Leia mais

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR

Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INSS FGTS IR Tabela de Incidência INSS/FGTS/IRRF INCIDÊNCIAS RUBRICAS INSS FGTS IR de qualquer natureza, salvo o de férias Sim. Art. 28, I, Lei nº e 1º, art. 457 da CLT Abono pecuniário de férias Arts. 28, 9º, e, 6

Leia mais

Precisamos também entender que existem dois tipos de rescisão: com aviso prévio trabalhado e com aviso prévio indenizado:

Precisamos também entender que existem dois tipos de rescisão: com aviso prévio trabalhado e com aviso prévio indenizado: Precisamos também entender que existem dois tipos de rescisão: com aviso prévio trabalhado e com aviso prévio indenizado: Aviso Prévio Trabalhado: neste caso, o funcionário é avisado com 30 dias de antecedência

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 363,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1996 SENAC SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1996 SENAC SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1996 SENAC SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO QUE entre si fazem o SESC SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO, Administração Regional do Distrito

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS Pelo presente termo de Acordo Coletivo de Trabalho, e de acordo com a convenção Coletiva de Trabalho conforme cláusulas específicas celebraram

Leia mais

Secretaria de Recursos Humanos

Secretaria de Recursos Humanos FÉRIAS CONCESSÃO/PAGAMENTO/INTERRUPÇÃO 1 - A cada exercício correspondente ao ano civil, os servidores fazem jus a trinta dias de férias? Resposta: sim, ressalvados os seguintes casos: I - o servidor que

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 201312015

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 201312015 (31) 3241-2811 - www.sinmedmg.org.br R. Padre Rolim 120- Santa Efigênia - CEP: 30130-090 - e-mail: geral@sinmedmg.org.br. SI NI4EDMG ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 201312015 O SINDICATO DOS MÉDICOS DE MINAS

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 5 05/11/2014 10:02 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002761/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/11/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR066410/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.007110/2014-12

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe acerca das regras e procedimentos para a concessão, indenização, parcelamento e pagamento da remuneração de férias dos servidores do Instituto

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

Parágrafo 1 - Somente os empregados que estejam no efetivo exercício de suas atividades na EMPRESA farão jus ao Vale Alimentação ou Refeição.

Parágrafo 1 - Somente os empregados que estejam no efetivo exercício de suas atividades na EMPRESA farão jus ao Vale Alimentação ou Refeição. PELO PRESENTE ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, DE UM LADO A CDN SERViÇOS DE ÁGUA E ESGOTO S.A., INSCRITA NO CNPJ SOB N 07.496.584/0001-87, COM SEDE NA AVENIDA 20 DE JANEIRO S/ N - RUA E., ILHA DO GOVERNADOR,

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais)

EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais) Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

NOME: MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. 1ª ATIVIDADE:

NOME: MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. 1ª ATIVIDADE: MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. 1ª ATIVIDADE: Pesquisar um tema referente a matéria na biblioteca e redigir um artigo nos termos da ABNT. Obs.: tema livre; obrigatória

Leia mais

Direito do Trabalho CARACTERÍSTICAS. Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS.

Direito do Trabalho CARACTERÍSTICAS. Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS. CARACTERÍSTICAS Empregados urbanos e rurais contratados a partir de 1988 inserem-se automaticamente no sistema do FGTS. O FGTS consiste em recolhimentos pecuniários mensais feitos pelo empregador em uma

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 27/2012 O PLENO DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL PROGRAMAÇÃO, REPROGRAMAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE FÉRIAS. Servidores docentes e técnico-administrativos da UFTM.

NORMA PROCEDIMENTAL PROGRAMAÇÃO, REPROGRAMAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE FÉRIAS. Servidores docentes e técnico-administrativos da UFTM. 50.05.009 1/7 1. FINALIDADE Regulamentar os procedimentos relacionados à programação, reprogramação e homologação de férias dos servidores da UFTM. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Servidores docentes e técnico-administrativos

Leia mais

ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS

ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS entre o Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO e a FENADADOS LOCAL: Sede da FENADADOS Brasília - DF DATA: 05/12/2014 HORÁRIO: 10h TEMA: Negociação

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n. 122, p. 1-2 em 24/6/2015. RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS. FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC

GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS. FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO CEARÁ CRC-CE CE GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC FORTALEZA-CE

Leia mais

Dirceu Medeiros Direito do Trabalho

Dirceu Medeiros Direito do Trabalho Dirceu Medeiros Direito do Trabalho Aulão EVP TRT-PE 6ª Região Assuntos em percentual de possibilidade Provas de Direito do Trabalho Princípios, Fontes e Generalidades do Direito do Trabalho 3,8% Proteção

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001702/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR014964/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006002/2013-41

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2006-2007

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2006-2007 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2006-2007 Que entre si firmam, de um lado o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Telecomunicações, Telefonia Móvel, Centros de Atendimento, Call Centeres, Transmissão

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS Página 1 de 5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP001238/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/02/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR071523/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46435.000013/2012-11

Leia mais