Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011"

Transcrição

1 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011

2 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos principais concorrentes internacionais; A2. Prazos de amortização e de cobertura adequados para o mercado interno e para o financiamento às exportações; A3. Acesso facilitado ao crédito com fundo de aval participando efetivamente das garantias; A4. Financiamento à inovação em condições adequadas ao risco e com participação significativa de subvenção econômica às empresas; A5. Financiamento à consolidação do setor e de sua internacionalização Ver anexo A 2 DEEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística

3 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) B. Desoneração tributária B1. Compensação imediata PIS/COFINS e ICMS para o comprador de BKs nacionais (ver cálculo no anexo B1 e complemento anexo B) B2. Crédito presumido de PIS/COFINS para Super Simples (anexo B) B3. Compensação automática dos créditos de PIS/COFINS referente às exportações com quaisquer outros impostos e/ou contribuições federais B4. Desoneração do INSS patronal na folha de pagamento (anexo B2) 3 DEEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística

4 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) B. Desoneração tributária B5. Aperfeiçoamento do uso e do mecanismo do drawback tanto para exportação como para vendas no mercado interno (anexo B3) B6. Ressarcimento imediato dos créditos acumulados de PIS/COFINS e de ICMS não compensados (anexo B) B7. Redução a zero das alíquotas de IPI de máquinas e equipamentos ainda não contemplados por esta desoneração (anexos C1 e C2 e D) 4 DEEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística

5 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) C. Compras governamentais e regimes especiais C1. Aperfeiçoar o conceito de conteúdo local e o método de sua aferição C2. Exigir Conteúdo nacional mínimo ao longo da cadeia produtiva, com abertura por famílias de bens de capital, nas compras e/ou financiamentos e/ou concessões públicas C3. Agilizar a regulamentação do MP 495/2010 referente à margem de preferência do produto nacional C4. Eliminação das distorções nos regimes especiais que beneficiam, na prática, a compra de equipamentos importados 5 DEEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística

6 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) D. Concorrência desleal D1. Adotar Licença de Importação Prévia (LI) para importação de bens de capital D2. Utilizar alíquotas de importação e/ou preço de referência por família de equipamentos para concessão da LI. D3. Restringir as importações de máquinas e equipamentos usados D4. Controle de origem na produção nacional para efeito de financiamento com recursos públicos 6 DEEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística

7 ANEXOS

8 A. Financiamento aos investimentos A.1 Os financiamentos do BNDES à aquisição de máquinas e equipamentos dentro do programa de modernização do parque industrial brasileiro deverão ter cobertura de 100% do bem adquirido. A.2 A carência para amortização destes financiamentos deverá ser estendida a 24 meses sem recolhimento de juros nos primeiros 12 meses. A.3 O FGPC deverá cobrir garantia mínima de 60% do valor do financiamento sendo o restante coberto pelo próprio bem financiado. A.4 O tesouro deverá equalizar a diferença entre a Selic e o IPCA enquanto a primeira for superior à última. VOLTAR 8 DEEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística

9 B. Desoneração ao comprador de bens de capital B.1 Ocorrerá no próprio mês de sua aquisição a apropriação do crédito fiscal de IPI, PIS, COFINS e ICMS, relativo à mercadorias listadas no Convênio ICMS nº 52/1991 e modificações posteriores, quando destinadas ao ativo permanente; B.2 Quando as mercadorias de que trata o item anterior forem adquiridas de contribuinte enquadrado no regime de tributação SIMPLES NACIONAL (art. 12 da Lei Complementar 123, de 14/12/2006), será concedido ao adquirente crédito outorgado relativo àqueles impostos e contribuições, sendo, no caso dos impostos, o valor do crédito equivalente à aplicação da alíquota do IPI e ICMS que incidiria sobre as mesmas operações promovidas por contribuintes enquadrados no regime normal, e, no caso das contribuições, o percentual de 0,65% e 3,0%, para o PIS e para a COFINS, respectivamente. B.3 Serão isentas de IPI, PIS, COFINS e ICMS, com manutenção dos respectivos créditos relativos às operações anteriores, as saídas das mercadorias referidas no item 1.1, com destino a contribuinte enquadrado no regime de tributação SIMPLES NACIONAL, desde que destinadas ao seu ativo permanente. VOLTAR 9 DEEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística

10 B1 - Impacto PIS/Cofins 1 - Antecipação da apropriação do PIS/Cofins 2 - Ampliação do prazo de recolhimento do PIS/Cofins para m+12 meses R$ milhões/mês Faturamento utilizado como base para o calculo do impacto Do faturamento foram descontados: 25% relativo ao valor das exportações 2% relativo às vendas dos Fabricantes enquadrados no Simples Nacional, e às vendas para empresas clientes enquadradas no Simples Nacional R$ milhões/mês - Base de Cálculo para Imposto Notas: 1. Foi adotada a alíquota de 9,25% para o PIS/Cofins 2. Na dilação de prazo foi aplicado a alíquota sobre o Valor Adicionado (VA), calculado com base nos dados setoriais fornecidos pela Pesquisa Industrial Anual PIA IBGE DEEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística

11 B1 - Impacto PIS/Cofins 1 - Antecipação da apropriação do PIS/Cofins: R$ milhões - Valor impactado no fluxo de caixa para ressarcimento de PIS/Cofins após implementação do Programa (valor acumulado para 12 meses) R$ 158 milhões - Custo do Carregamento devido ao Crédito antecipado do PIS/Cofins (considerando Taxa SELIC de 9,25% a.a) (valor acumulado para 12 meses) 2 - Ampliação do prazo de recolhimento do PIS/Cofins para m+12 meses : R$ milhões - Valor impactado no fluxo de caixa pela não contabilização do PIS/Cofins pelo período de 12 meses (dilação de 12 meses) após implementação do Programa R$ 334 milhões - Custo do Carregamento Devido à dilação de prazo do recolhimento do PIS/Cofins (considerando Taxa SELIC de 9,25% a.a) (valor acumulado para 12 meses) 11 DEEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística

12 B1 - Impacto ICMS 1 - Antecipação da apropriação do ICMS 2 - Ampliação do prazo de recolhimento do ICMS para m+12 meses. R$ milhões/mês Faturamento utilizado como base para o calculo do impacto Do faturamento foram descontados: 25% relativo ao valor das exportações 2% relativo às vendas dos Fabricantes enquadrados no Simples Nacional, e às vendas para empresas clientes enquadradas no Simples Nacional R$ milhões/mês - Base de Cálculo para Imposto Notas: 1. Foi adotada a alíquota média de 9,65% para o ICMS (alíquota média de 12% com redução de 80%). 2. Na dilação de prazo foi aplicado o ICMS sobre o Valor Adicionado (VA), calculado com base nos dados setoriais fornecidos pela Pesquisa Industrial Anual PIA IBGE

13 B1- Impacto ICMS 1- Antecipação da apropriação do ICMS R$ milhões - Valor impactado no fluxo de caixa para ressarcimento de ICMS após implementação do Programa (valor acumulado para 48 meses) R$ milhões - Custo do Carregamento Devido ao Crédito antecipado do ICMS (considerando Taxa SELIC de 9,25% a.a) (valor acumulado para 48 meses) R$ milhões - Custo 1º ano R$ milhões - Custo 2º ano R$ 603 milhões - Custo 3º ano R$ 189 milhões - Custo 4º ano 13

14 B1 - Impacto ICMS 2 - Ampliação do prazo de recolhimento do ICMS para m+12 meses R$ milhões - Valor impactado no fluxo de caixa pela não contabilização do ICMS pelo período de 12 meses (dilação de 12 meses) após implementação do Programa R$ 318 milhões - Custo do Carregamento Devido à dilação de prazo do recolhimento do ICMS (considerando Taxa SELIC de 9,25% a.a) (valor acumulado para 12 meses) R$ 159 milhões Custo 14 VOLTAR

15 B2. Impacto - INSS 1. INSS patronal da folha de pagamento Base de calculo: Faturamento líquido - R$ 58,7 bilhões Salários pagos R$ 6,7 bilhões INSS Patronal R$ 1,6 bilhões 2. PIS/Cofins Alíquota atual 9,25% - arrecadação R$ 184,7 bilhões (dados de 2010) Sugestão: Ampliação da alíquota de PIS/Cofins para 9,33% - Arrecadação adicional de R$ 1,6 bilhões VOLTAR 15 DEEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística

16 B3. Aperfeiçoamento do uso e do mecanismo do drawback PROPOSTAS Drawback Integrado Suspensão: Celebração de Convênio ICMS CONFAZ, permitindo que os Estados concedam isenção na saída de matérias-primas, produtos intermediários e componentes destinados à fabricação de produtos beneficiados por esta modalidade de regime. Drawback Isenção: Celebração de Convênio ICMS CONFAZ permitindo que os Estados concedam isenção na saída de matérias-primas, produtos intermediários e componentes destinados à fabricação de produtos beneficiados por esta modalidade de regime Drawback para Embarcação: Alteração da Lei 8.402, de 8 de janeiro de 1992, estabelecendo que o regime de drawback somente será aplicado às matérias-primas, produtos intermediários e componentes importados até o limite de 40% (quarenta por cento) do valor total do material aplicado em cada embarcação. Drawback para Fornecimento no Mercado Interno: Celebração de Convênio ICMS CONFAZ permitindo que os Estados concedam isenção na saída de matérias-primas, produtos intermediários e componentes destinados à fabricação de produtos beneficiados por esta modalidade de regime. 16 DEEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística

17 C. Estímulo ao fabricante de bens de capital C.1 Alterar a redação do parágrafo único do Art. 26 da Lei nº de 16/03/2007 suprimindo o veto que exclui a compensação dos débitos e das contribuições previdenciárias com outros tributos administrados pela Receita Federal do Brasil - RFB (alterar via medida provisória); C.2 Será constituído fundo com recursos da União para ressarcimento automático dos saldos credores de ICMS, represados na conta fiscal de fabricantes das mercadorias a que se refere o item 1.1, se após 90 dias da data da protocolização do requerimento para a respectiva apropriação, não houver o pronunciamento da autoridade fiscal. O montante dos recursos destinado aos contribuintes de cada unidade federada será deduzido da parcela que a ela cabe, relativa ao fundo previsto no Art. 91 do ADCT da Constituição Federal. C.3 Reduzir os encargos sociais incidentes sobre a mão-de-obra. C.4 Eliminar a incidência de IOF nos financiamentos concedidos aos fabricantes de máquinas e equipamentos a que se refere o item 1.1. VOLTAR 17 DEEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística

18 D. Incentivo ao investimento D.1 Os juros pagos no financiamento para a aquisição de máquinas e equipamentos a que se refere o item B.1 serão abatidos integralmente da base de cálculo do Imposto de Renda. D.2 O Spread bancário incidente nas operações de financiamento para aquisição de máquinas e equipamentos a que se refere o item B.1 deverá ser reduzido via eliminação dos impostos diretos e indiretos incidentes nas referidas operações. VOLTAR 18 DEEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística

19 OBRIGADO

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Medidas de Incentivo à Competitividade Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Devolução mais rápida de créditos tributários federais por exportações Devolução de 50% dos créditos de PIS/Pasep, Cofinse IPI

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO Medidas Fiscais da Política Industrial 2 Redução de Tributos Equalização de taxas de Juros Simplificação de Operações Redução do

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS REINTEGRA Medida Incentivo fiscal à exportação. Beneficiados Pessoa jurídica produtora que efetue exportação direta ou indireta. Condições Exclusivo para bens manufaturados

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato de máquinas têxteis; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ gera mais

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA DESAFIOS Estabelecer a logística reversa Regulamentar planos de gerenciamento de resíduos Implantação

Leia mais

Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e FEVEREIRO DE 2010

Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e FEVEREIRO DE 2010 Grupo II Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e setorial da indústria brasileira de bens de capital FEVEREIRO DE 2010 1 Objetivo O presente trabalho se propõe a mensurar o Custo Brasil,

Leia mais

Anexo I. Anexo I - Regimes Tributários Especiais Impactos desfavoráveis e alternativas para eliminação destes impactos

Anexo I. Anexo I - Regimes Tributários Especiais Impactos desfavoráveis e alternativas para eliminação destes impactos Anexo I Anexo I - Regimes Tributários Especiais Impactos desfavoráveis e alternativas para eliminação destes impactos 1. Os impactos desfavoráveis sobre a indústria nacional de bens de capital a. O viés

Leia mais

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Bernard Appy maio de 2015 Sistema tributário brasileiro Características desejáveis Características desejáveis de um sistema tributário

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 Cria contribuição de intervenção no domínio econômico, denominada Contribuição de Equalização Tributária (CET), com base no

Leia mais

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Política de Desenvolvimento Produtivo Elevar dispêndio em P&D Meta: 0,65% PIB Ampliar Investimento Fixo Meta: 21% PIB Posição 2007: 17,6% Macrometas 2010 Dinamização

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

TRIBUTAÇÃO ESTADUAL INCENTIVOS FISCAIS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: REGRAS E LIMITES DE IMPLEMENTAÇÃO

TRIBUTAÇÃO ESTADUAL INCENTIVOS FISCAIS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: REGRAS E LIMITES DE IMPLEMENTAÇÃO X Congresso de Direito Tributário em Questão TRIBUTAÇÃO ESTADUAL INCENTIVOS FISCAIS E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: REGRAS E LIMITES DE IMPLEMENTAÇÃO Gramado, julho de 2011 André Luiz Barreto de Paiva Filho

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Profa. Divane Silva Contabilidade tributária A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Introdução 2. Impostos Incidentes sobre o Valor Agregado 3. Impostos

Leia mais

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Bernard Appy LCA Consultores TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Roteiro EFEITOS DO MODELO DE TRIBUTAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL A estrutura tributária

Leia mais

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação Junho 2013 ESTUDO IBPT AUMENTO DO FRETE MARÍTIMO NA IMPORTAÇÃO TEM REFLEXOS NA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA E NA INFLAÇÃO Frete marítimo na importação teve aumento de 82,11% em Dólar no período de janeiro de

Leia mais

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012 SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 143 de 20 de Novembro de 2012 ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Cofins/ Contribuição para o PIS/Pasep EMENTA: CRÉDITOS VINCULADOS A RECEITA NÃO TRIBUTADA.

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

Reforma Tributária ria e Política de Desenvolvimento Regional Cuiabá,, Agosto 2007 Reuniões com Governadores Natureza das reuniões anteriores: Governadores de diferentes regiões do país e dirigentes das

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

CIRCULAR Medida Provisória 252/05

CIRCULAR Medida Provisória 252/05 CIRCULAR Medida Provisória 252/05 A Medida Provisória 252/05, publicada no Diário Oficial em 16 de junho de 2005, instituiu regimes especiais de tributação, alterou parte da legislação de Imposto de Renda,

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital PBM Agenda Setorial Bens de Capital São Paulo, 16 de janeiro de 2013 Objetivos Objetivos: Aumentar o Consumo Aparente de BK, com Redução Simultânea do Coeficiente de Importação Aumentar as Exportações

Leia mais

REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA

REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA Em 1º de dezembro de 2004, o Congresso Nacional aprovou o Projeto de Lei de Conversão nº 53, de 2004 (Medida

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Ampliação e aperfeiçoamento dos mecanismos de desoneração tributária dos sistemas de logística reversa e estudo de impacto econômico da desoneração Estudo preparado para

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO TRIBUTAÇÃO, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E CIDADANIA EDUCAÇÃO FISCAL NO CONTEXTO SOCIAL RAZÕES DA CARGA TRIBUTÁRIA. DESENVOLVIMENTO E CONTROLE SOCIAL DO GASTO PÚBLICO

Leia mais

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Viabilidade da Tributação Verde Lucilene Prado Existe no sistema jurídico brasileiro fundamentos para uma tributação que induza a comportamentos e atividades empresariais

Leia mais

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária 1 XI CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária Osvaldo Santos de Carvalho

Leia mais

PROGRAMA ICMS ANTECIPADO ESPECIAL COM GLOSA DE CRÉDITO. 1. O que é o Programa de ICMS ANTECIPADO GLOSA DE CRÉDITO?

PROGRAMA ICMS ANTECIPADO ESPECIAL COM GLOSA DE CRÉDITO. 1. O que é o Programa de ICMS ANTECIPADO GLOSA DE CRÉDITO? PROGRAMA ICMS ANTECIPADO ESPECIAL COM GLOSA DE CRÉDITO PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O que é o Programa de ICMS ANTECIPADO GLOSA DE CRÉDITO? R= É a cobrança do ICMS de mercadorias sujeitas à exclusão de crédito

Leia mais

TRIBUTÁRIO PROVISÓRIA Nº 651/14 ASPECTOS RELACIONADOS À TRIBUTAÇÃO DE SETORES DE INFRAESTRUTURA

TRIBUTÁRIO PROVISÓRIA Nº 651/14 ASPECTOS RELACIONADOS À TRIBUTAÇÃO DE SETORES DE INFRAESTRUTURA TRIBUTÁRIO 17/11/2014 LEI 13.043/14 - CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651/14 ASPECTOS RELACIONADOS À TRIBUTAÇÃO DE SETORES DE INFRAESTRUTURA A edição de 14 de novembro do Diário Oficial da União publicou

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 TRIBUTOS FEDERAIS EXPORTAÇÃO INDIRETA - CONSIDERAÇÕES BÁSICAS... ICMS - MS/MT/RO ENTREGA FUTURA - PROCEDIMENTOS... LEGISLAÇÃO

Leia mais

11 Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública

11 Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública TREINAMENTO: ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DOS CONTRATOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO REGULADA ACR E AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE - ACL PROGRAMA 1 Aspectos dos Contratos da

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR E AS RECENTES ALTERAÇÕES PELA

PLANO BRASIL MAIOR E AS RECENTES ALTERAÇÕES PELA PLANO BRASIL MAIOR E AS RECENTES ALTERAÇÕES PELA Lei 12.715/12 COMITÊ DA CADEIA PRODUTIVA DA INDÚSTRIA TÊXTIL, CONFECÇÃO E VESTUÁRIO 1 Plano Brasil Maior - Evolução Legislativa MP 540/11 Lei nº. 12.546/11

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Aspectos Tributários dos Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente de Contratação Regulada ACR e Ambiente de Contratação Livre - ACL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Aspectos dos Contratos da

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 A oitava reunião mensal do ano da Comissão Trabalhista e de Gestão Empresarial superou as expectativas. 50 representantes

Leia mais

Custo Brasil 2002-2012. Agosto de 2013

Custo Brasil 2002-2012. Agosto de 2013 Custo Brasil 2002-2012 Agosto de 2013 Objetivo Este trabalho é a atualização, baseada em dados de 2012*, do Custo Brasil já medido pela ABIMAQ em março de 2010. Ele quantifica o diferencial de custo para

Leia mais

Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões

Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões Departamento Jurídico - DEJUR Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões Painel - Reforma Tributária à luz do desenvolvimento regional Helcio Honda O que a Sociedade espera de uma Reforma

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 171, DE 2000

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 171, DE 2000 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 171, DE 2000 Dispõe sobre a aplicação do 5º do art. 150 da Constituição Federal, para que os consumidores sejam esclarecidos acerca dos

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE Fevereiro/2009 SUMÁRIO 1. Medidas já Adotadas 2. Novas Medidas 2 Medidas já adotadas Prorrogação para 31/12/09 do prazo de 60 dias fora o mês para

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, e a Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, para permitir a dedução, do imposto de renda das pessoas

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira 1. Introdução O dia 7 de agosto do corrente ano entrou para a história como uma das mais importantes datas para a possível concretização da reforma

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO 1 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO Objetivo: Atender a Lei 12.546/2011 (Confira as principais alterações legais no fim deste tutorial). Benefícios: Conceder benefícios adicionais para as empresas de setores

Leia mais

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês;

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês; Créditos Dos valores de Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins apurados, a pessoa jurídica submetida à incidência não-cumulativa poderá descontar créditos, calculados mediante a aplicação das alíquotas

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO?

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? É a substituição da contribuição previdenciária patronal de 20% sobre o salário de contribuição dos empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais.

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS. A) BONIFICAÇÕES CONDICIONADAS AO VOLUME DE COMPRAS ESTÃO SUJEITAS AO PIS/COFINS.... 2 B) CORRETORAS DE SEGUROS ESTÃO SUJEITAS À APURAÇÃO DE PIS/COFINS

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC 18/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Áreas de Livre

Leia mais

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA Tendo em vista a implantação das Áreas de Livre Comércio de Brasiléia,

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 (Do Sr. Vaz de Lima) Altera os Anexos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir o abatimento de parcela dedutível do valor devido mensalmente

Leia mais

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) Fonte: elaboração própria abril de 2013 EMENTA: CONTEXTO LEGISLATIVO. OS PRINCIPAIS SETORES. CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SUBSTITUÍDAS. CRITÉRIO

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

Avaliação do Plano MAIO de DE2011 Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano MAIO de DE2011 Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano MAIO de DE2011 Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA! O que é Lucro Real?! O que é Lucro Presumido?! Como é calculada a tributação pelo SIMPLES?! Qual o regime tributável mais vantajoso para a elaboração de um projeto?!

Leia mais

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br

COMPRA. certa. Treinamento para o profissional de compras. Tributação e seus impactos na rentabilidade. www.contento.com.br COMPRA certa Treinamento para o profissional de compras www.contento.com.br 503117 Tributação e seus impactos na rentabilidade editorial Calculando a rentabilidade Gerir uma farmácia requer conhecimentos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 5 5. Referências... 5 6. Histórico de alterações... 5 2 1.

Leia mais

Ministério da Fazenda. Reforma Tributária. Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária. Brasília Março de 2009

Ministério da Fazenda. Reforma Tributária. Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária. Brasília Março de 2009 Reforma Tributária Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária Brasília Março de 2009 1 O PROJETO DE REFORMA TRIBUTÁRIA RIA 2 Objetivos da Reforma Tributária ria A proposta de Reforma

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice I. Acesso ao Cadastro... 2 II. Seleção de Filtros... 3 III. Cadastro...

Leia mais

DICIONÁRIO DE TRIBUTOS

DICIONÁRIO DE TRIBUTOS DICIONÁRIO DE TRIBUTOS CGC/MF - Cadastro Geral de Contribuintes do Ministério da Fazenda. Substituído pelo CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica), da Receita Federal, identifica cada pessoa jurídica

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

Planejamento Tributário: O desafio da Logística

Planejamento Tributário: O desafio da Logística Planejamento Tributário: O desafio da Logística Contextualização Tributos O Brasil é considerado o país mais oneroso no que diz respeito a impostos e tributos. Fonte: Receita Federal Contextualização Tributos

Leia mais

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Jorge Lins Freire Presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia Congresso do Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda Brasília, 14 de setembro

Leia mais

2013 José Carlos Guarino

2013 José Carlos Guarino José Carlos Guarino 2013 OBJETIVOS 1- Panorama Atual X Panorama Futuro ( O Que vai mudar?) 2-Aumento do COFINS de 1% em alguns itens importados (com similar nacional) Porque? Que devemos fazer? 3- Prestadores

Leia mais

NÚCLEO DE METALMECÂNICAS

NÚCLEO DE METALMECÂNICAS NÚCLEO DE METALMECÂNICAS Incentivos fiscais e regimes especiais de tributação. Conceito de insumos para: ICMS, IPI, COFINS e PIS. REGULARIDADE, CONTROLES ELETRÔNICOS & INCENTIVOS FISCAIS DOIS conceitos

Leia mais

Carlos Biavaschi Degrazia. São Paulo, SP, 14 de julho de 2015

Carlos Biavaschi Degrazia. São Paulo, SP, 14 de julho de 2015 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Coordenação-Geral de Exportação e Drawback

Leia mais

MANUAL DO SPED FISCAL

MANUAL DO SPED FISCAL MANUAL DO SISTEMA TOP FOR WINDOWS ESCRITA FISCAL - SKILL MANUAL DO SPED FISCAL VERSÃO 2.11 Equipe de Especialistas: Claudio Aparecido Medeiros Cristiano Besson Ederson Von Mühlen Diretor Responsável: João

Leia mais

MANUAL DO SPED FISCAL

MANUAL DO SPED FISCAL MANUAL DO SISTEMA TOP FOR WINDOWS ESCRITA FISCAL - SKILL MANUAL DO SPED FISCAL VERSÃO 2.11 Equipe de Especialistas: Claudio Aparecido Medeiros Cristiano Besson Ederson Von Mühlen Diretor Responsável: João

Leia mais

Medidas de lançamento, agosto de 2011

Medidas de lançamento, agosto de 2011 Brasil Maior Medidas de lançamento, agosto de 2011 ANÁLISE O plano BRASIL MAIOR é a terceira versão de política industrial dos governos do PT. É importante reconhecer o esforço destes três últimos governos

Leia mais

A Complexidade tributária na saúde

A Complexidade tributária na saúde A Complexidade tributária na saúde 13 de Novembro de 2012 Essencialidade do Produto O medicamento é um bem essencial e que garantir o seu acesso aumenta o bem estar da população e garante o direito a vida

Leia mais

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 476, DE 2009

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 476, DE 2009 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 476, DE 2009 NOTA DESCRITIVA FEVEREIRO/2010 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO I Introdução...3 II Prazos para apreciação...5 III Emendas apresentadas...5 2010 Câmara dos Deputados. Todos os

Leia mais

NOVA CONTRIBUIÇÃO. Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins Não cumulatividade plena. Agosto/2015. Ministério da Fazenda

NOVA CONTRIBUIÇÃO. Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins Não cumulatividade plena. Agosto/2015. Ministério da Fazenda NOVA CONTRIBUIÇÃO Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins Não cumulatividade plena Agosto/2015 Proposta de Instituição de Nova Contribuição (Receita e Importação) OBJETO: REFORMULAÇÃO DO PIS/COFINS PIS

Leia mais

Regime Fiscal Brasileiro. Guido Vinci Veirano & Advogados Associados Março 2002

Regime Fiscal Brasileiro. Guido Vinci Veirano & Advogados Associados Março 2002 Regime Fiscal Brasileiro Guido Vinci Veirano & Advogados Associados Março 2002 Introdução - Base Legal Constituição Federal de 1988 Código Tributário Nacional de 1966 ("CTN") Constituição: estabelece os

Leia mais