Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento"

Transcrição

1 Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de

2 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal fonte de financiamento do RGPS); Debate deve ser visto como mudança da base tributária ou de financiamento alterar base da folha de pagamento para outra (faturamento ou outra); Segurança e garantia de que as receitas totais e o financiamento do Regime Geral de Previdência Social serão preservados gradualismo; A discussão da alteração de base de financiamento deve levar em consideração impactos sobre equidade, eficiência, competitividade e o emprego; Avaliar outras alternativas em relação à competitividade? O expressivo incremento do emprego nos anos 2000, ocorreu sem alteração da carga tributária, apenas com a melhora do crescimento econômico sustentado. 2

3 Breve Histórico 3

4 Fórum Nacional de Previdência Social Nos últimos anos, a discussão em torno da desoneração da contribuição patronal tem se intensificado e foi discutida no âmbito do Fórum Nacional da Previdência Social (FNPS); O Fórum Nacional de Previdência Social composto por representantes dos trabalhadores, dos empregadores e do governo, concluído em outubro de 2007, teve como um dos seus consensos a busca pela desoneração da folha de salários sem aumento da carga tributária, (...) mantendo se o equilíbrio financeiro do Regime Geral de Previdência Social (RGPS): deve ser buscada a desoneração da folha de salários sem aumento da carga tributária e conjugada com ações voltadas para a ampliação da formalização e da base de contribuintes, mantendo se o equilíbrio financeiro. 4

5 Importância da Arrecadação sobre Folha no financiamento do RGPS e a maior estabilidade da folha em relação a outras bases (faturamento) 5

6 Ano Arrecadação Contribuição Empregadores Arrecadação Total Participação no Total em % , , , , ,4 Fonte: SPS/MPS Obs. R$ correntes Tabela 1 Arrecadação Total e Contribuições de Empregadores para o RGPS 2006/2010 Inclui também Contribuição em regime de parcelamento, Reclamatória trabalhista, Contribuição Previdenciária na forma de Depósitos Judiciais e Recolhimento de Custas e Programas de recuperação fiscal. Não inclui a retenção sobre nota fiscal. 6

7 Desoneração de 1% implica perda de arrecadação estimada de R$ 26,5 bilhões no período de 2011 a Impacto na Arrecadação do Regime Geral da desoneração de 1% em R$ milhões TOTAL Série Fonte: DRGPS/SPPS/MPS 7

8 Evolução Contribuição Patronal da Previdência e COFINS 2004= ,0 200,0 180,0 160,0 140,0 120,0 100, Empregadores COFINS Fonte: DRGPS/SPPS/MPS 8

9 Variação anual da Contribuição Patronal Previdenciaria e da COFINS em % 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% 5,00% Empregadores COFINS Fonte: DRGPS/SPPS/MPS 9

10 A arrecadação sobre folha para Previdência cresceu 96% nos anos de 2005 a 2010 (11,9%a.a.), mais que a COFINS (76% ou 9,9%a.a.); A folha de salários é uma base mais estável que o faturamento, como ficou claro em 2009 houve queda na arrecadação real da ordem de 3% e crescimento real da arrecadação previdenciária da ordem de 6%. 10

11 O debate do ponto de vista do mercado de trabalho e da geração de empregos formais 11

12 Em comum, os três argumentos pró desoneração da folha salarial sustentavam o diagnóstico de que vivíamos uma crise do mercado de trabalho formal. Esse diagnóstico se apoiava na PME/IBGE, pesquisa realizada mensalmente nas 6 principais regiões metropolitanas do País. 60% Participação na ocupação, segundo posição ( ) 50% 40% 30% 20% 10% 0% Fonte: PME/IBGE. CC CP EM SC Inf 12

13 Entretanto, trabalhos publicados ainda nos primeiros anos da década anterior, tendo como base a PNAD/IBGE, demonstraram que a redução da formalidade era um problema metropolitano, e não de todo o País. Participação dos trabalhadores com carteira e dos trabalhadores contribuintes no total dos ocupados 55% 50% 49,4% 45% 43,6% 40% 35% 30% 29,6% 32,2% 25% 20% Fonte: PNAD/IBGE. CC Contribuintes 13

14 De acordo com dados da RAIS foram gerados cerca de 15,4 milhões de empregos formais no período de 2003 a A GFIP registrou a geração de cerca de 2,7 milhões de vínculos formais em Geração de Empregos Formais RAIS Geração de Empregos Formais RAIS

15 Estimativa da necessidade de aumento do número de contribuintes do RGPS para compensar uma política de redução progressiva da contribuição previdenciária em 1 ponto percentual ao ano entre 2011 e Um dos argumentos utilizados para se efetivar da desoneração da folha de salários é que a redução do custo do fator trabalho para a empresa estimulará a formalização de postos de trabalho hoje informais e também o aumento do emprego. Quanto à formalização cabe observar que o principal efeito da desoneração será sobre as médias e grandes empresas (onde o nível de informalidade é pequeno), uma vez que as micro e pequenas empresas já têm desoneração total da contribuição previdenciária patronal sobre a folha de salários. Da mesma forma, a redução do custo do fator trabalho não implica diretamente em aumento do emprego, uma vez que o nível de produção e, conseqüentemente o nível de emprego, é determinado por um extenso conjunto de variáveis, muitas das quais são tão ou mais importantes do que o custo da mão de obra, que será afetado apenas parcialmente pela redução da contribuição previdenciária. 15

16 Eficiência/Competitividade e Equidade 16

17 Caso a desoneração seja compensada por meio de alíquota específica em uma base tributária que incida sobre toda sociedade: a) a regressividade do sistema tributário brasileiro pode aumentar; b) os mais pobres passam a contribuir para o sistema previdenciário, sem necessariamente ter ganhos do ponto de visto de inclusão previdenciária; e c) o descolamento entre contribuições e benefícios aumente, minando o suporte social e político do sistema previdenciário. Os custos de uma desoneração sem compensação teriam fortes impactos sobre as contas do Regime Geral de Previdência Social (RGPS). 17

18 Se o objetivo da desoneração é aumentar a competitividade, cabe avaliar se não existem outras alternativas melhores; Obviamente, não deve ser papel exclusivo do financiamento da Previdência Social atenuar efeitos da valorização cambial sobre a competitividade; A contribuição patronal previdenciária não é o único encargo sobre a folha de pagamento, mas cabe debater o processo de mudança de base de financiamento em relação a outros encargos, em especial, aqueles que não têm necessidade de vinculação com os salários benefícios previdenciários tradicionalmente são calculados como média dos salários; 18

19 Diversidade da Base de Financiamento 19

20 É importante destacar que a legislação previdenciária já comporta uma série de tratamentos tributários diferenciados para determinadas categorias de atividades econômicas, com desoneração total ou parcial da folha de salários/mudança da base de financiamento para outras bases. Na realidade, a diversidade da base de financiamento é uma característica fundamental da seguridade social no Brasil. 20

21 Já há tratamentos diferenciados: a) associação desportiva que mantém equipe de futebol profissional, cuja contribuição patronal foi substituída por percentual incidente sobre a receita bruta que especifica espetáculos desportivos de que participem em todo território nacional, em qualquer modalidade desportiva, inclusive jogos internacionais, e de qualquer forma de patrocínio, licenciamento de uso de marcas e símbolos, publicidade, propaganda e de transmissão de espetáculos desportivos; ( 6º do art. 22, da Lei nº de 1991); b) micro e pequena empresa optante pelo Simples Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, cuja contribuição patronal passou a integrar a alíquota unificada incidente sobre o respectivo faturamento; (Lei Complementar nº 123, de 2006, com as alterações introduzidas pelas Leis Complementares 127, de 2007 e 128, de 2008); c) produtor rural inscrito como pessoa física, cuja contribuição patronal foi substituída por percentual da receita proveniente da comercialização da produção; (art; 25 da Lei nº 8.212, de 1991, na redação dada pela Lei nº 8.398, de 7 de janeiro de 1992); d) produtor rural pessoa jurídica, cuja contribuição patronal também passou a corresponder a parte da receita de comercialização da produção; (art. 25 da Lei 8.870, de ); e) agroindústria, tal como o produtor rural pessoa jurídica; (art. 22 A da Lei 8.212, de 1991, acrescentado pela Lei nº , de ); f) empresa prestadora de serviço de tecnologia da informação TI e/ou de tecnologia da informação e comunicação TIC, que podem ter redução de alíquotas das contribuições previdenciárias. (art. 14 da Lei , de 2008); 21

22 Renúncia Fiscal Os tratamentos tributários diferenciados, a substituição da contribuição previdenciária incidente sobre a folha de salário por contribuição incidente sobre o faturamento (fonte prevista no inciso I, alínea b do art. 195 da CF), visando manter a receita da Previdência Social. O tratamento diferenciado dado a segmentos considerados especiais e com reduzida capacidade contributiva pode gerar perda de receita, tecnicamente denominada por renúncia fiscal. A Lei de Responsabilidade Fiscal LC nº 101, de 2000, determina, no inciso V do 2º do art. 4º e no art. 5º, inciso II, que estimativa desse valor, bem como as respectivas medidas de compensação, deve acompanhar o Projeto de Lei Orçamentária Anual PLOA, de forma a compensar o Fundo do Regime Geral de Previdência Social FRGPS. Acrescente se que o art. 14 da mencionada Lei Complementar estabelece regras para a concessão ou ampliação de incentivo ou benefício de natureza tributária da qual decorra renúncia de receita. 22

23 Quantidade Gestão de Vínculos do Simples Nacional Qtdade Vínculos OPTANTES Qtdade Vínculos NÃO Optantes 23

24 Gestão do Simples Nacional Variação na Quantidade de Vínculos VARIAÇÃO NA QTDADE DE VÍNCULOS 12,00% 11,08% 10,00% 8,85% 8,00% 6,00% 7,24% 7,44% 6,56% Crescimento Qtdade Vínculos OPTANTES Crescimento Qtdade Vínculos NÃO Optantes 4,00% 3,74% 2,00% 0,00%

25 Salário Médio Gestão do Simples Nacional 1.800, , , , , , , ,00 800,00 717,65 784,92 863,07 600,00 400,00 200, Salário Médio OPTANTES Salário Médio NÃO Optantes 25

26 Crescimento da Massa Salarial Gestão do Simples Nacional 25,00% 22,14% 20,00% 19,32% 15,00% 16,24% 17,51% 15,87% 11,30% 10,00% 5,00% 0,00% Crescimento Massa Salarial OPTANTES Crescimento Massa Salarial NÃO Optantes 26

27 Crescimento do Salário Médio Gestão do Simples Nacional 12,00% 10,00% 8,00% 9,62% 8,39% 9,37% 9,96% 8,74% 7,29% 6,00% 4,00% 2,00% 0,00% Crescimento do Salário Médio OPTANTES Crescimento do Salário Médio NÃO Optantes 27

28 Relação Folha e Valor da Produção 28

29 DADOS DAS CONTAS NACIONAIS MATRIZ INSUMO PRODUTO Relação Salários/Valor da Produção em % Indústria Extrativa Mineral Produção e Distribuição de Eletricidade, Gás e Agua Intermediação Financeira Atividade Imobiliária ,0 16,9 23,8 6, ,5 8,7 19,8 2,2 Pessoal Ocupado Variação Pessoal Ocupado 83,4 20,7 81,6 162,3 29

Contribuições sociais para financiamento da seguridade social

Contribuições sociais para financiamento da seguridade social Contribuições sociais para financiamento da seguridade social Seminário: desoneração da folha de pagamento das empresas Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS Outubro de 2013 1 Financiamento da Seguridade Social Constituição de 1988 garantiu modelo de financiamento para seguridade social baseado na folha de salários, faturamento

Leia mais

Relação de Códigos de Receita (Contribuições Previdenciárias - GPS)

Relação de Códigos de Receita (Contribuições Previdenciárias - GPS) Relação de Códigos de Receita (Contribuições Previdenciárias - GPS) Código de Receita (GPS) Especificação da Receita 1007 Contribuinte Individual - Recolhimento Mensal NIT/PIS/PASEP 1058 Contribuinte Individual

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE O FATURAMENTO E A FOLHA. MP nº 540, de 02.08.2011. Lei nº 12.546, de 14.12.2011. MP nº 563, de 03.04.

CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE O FATURAMENTO E A FOLHA. MP nº 540, de 02.08.2011. Lei nº 12.546, de 14.12.2011. MP nº 563, de 03.04. CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE O FATURAMENTO E A FOLHA MP nº 540, de 02.08.2011 Plano Brasil Maior Lei nº 12.546, de 14.12.2011 Conversão da MP nº 540 MP nº 563, de 03.04.2012 Ampliação do benefício

Leia mais

Ato Declaratório Executivo nº 79/2010

Ato Declaratório Executivo nº 79/2010 28/10/2010 Ato Declaratório Executivo nº 79/2010 ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº 79, DE 27 DE OUTUBRO DE 2010 DOU 28.10.2010 Dispõe sobre a divulgação de códigos de receita para recolhimento das contribuições

Leia mais

CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL

CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 15 CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL A Seguridade Social é financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, mediante recursos provenientes

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Guia Da Previdência Social (GPS) - Relação de Códigos de Pagamento. 1007 Contribuinte Individual Recolhimento Mensal NIT/PIS/PASEP

Guia Da Previdência Social (GPS) - Relação de Códigos de Pagamento. 1007 Contribuinte Individual Recolhimento Mensal NIT/PIS/PASEP Guia Da Previdência Social (GPS) - Relação de Códigos de Pagamento Código Descrição 1007 Contribuinte Individual Recolhimento Mensal 1104 Contribuinte Individual Recolhimento Trimestral 1120 Contribuinte

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira 1. Introdução O dia 7 de agosto do corrente ano entrou para a história como uma das mais importantes datas para a possível concretização da reforma

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 (Do Sr. Vaz de Lima) Altera os Anexos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir o abatimento de parcela dedutível do valor devido mensalmente

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais

III -... IV sobre a movimentação financeira ou transmissão de valores e de créditos e direitos de natureza financeira (CSMF).

III -... IV sobre a movimentação financeira ou transmissão de valores e de créditos e direitos de natureza financeira (CSMF). Proposta de Emenda à Constituição n 256/2000 (Dos Srs. Fetter Júnior, Walfrido Mares Guia, Marcos Cintra, Roberto Argenta, Alberto Mourão, Roberto Brant, Max Rosenmann e Outros) Acrescenta ao art. 195,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Renúncias Previdenciárias

Renúncias Previdenciárias 198ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Previdência Social Brasília Renúncias Previdenciárias Raimundo Eloi de Carvalho Coordenador de Previsão e Análise da Receita Federal do Brasil Sumário 1.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 327 - Data 17 de novembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

Desoneração sobre folha de pagamento

Desoneração sobre folha de pagamento Desoneração sobre folha de pagamento Luciana Lupinucci Agosto/2015 Qual o conceito de contribuição patronal? Em regra, as empresas possuem os seguintes encargos previdenciários (INSS patronal), incidentes

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

Memorando Construção Civil e Instalações

Memorando Construção Civil e Instalações Memorando Construção Civil e Instalações Desoneração da Folha de Pagamento Setembro de 2013 Publicada em 19 de julho, a nova Lei nº 12.844, alterando a Lei nº 12.546, ampliou de forma definitiva o rol

Leia mais

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário)

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Integra o Programa de Unificação do Crédito Previdenciário) PUC 1 (Fazendário e Iniciativa

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Desoneração da Folha - Call Center - Atividade Concomitante

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Desoneração da Folha - Call Center - Atividade Concomitante Desoneração da Folha - Call Center - Atividade 17/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 5 3.1 Empresas que exercem atividades

Leia mais

36,6% dos empresários gaúchos julgam que o. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que. 66,0% das empresas contempladas pela medida a

36,6% dos empresários gaúchos julgam que o. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que. 66,0% das empresas contempladas pela medida a 36,6% dos empresários gaúchos julgam que o faturamento é a melhor base tributária para a contribuição patronal. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que a medida contribuirá parcialmente ou será fundamental

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

28/06/2012 (Orientação) Fato Gerador das Contribuições Previdenciárias

28/06/2012 (Orientação) Fato Gerador das Contribuições Previdenciárias 28/06/2012 (Orientação) Fato Gerador das Contribuições Previdenciárias 1. Introdução 2. Fato Gerador da Obrigação Previdenciária Principal 2.1. Em Relação ao Segurado Empregado 2.2. Em Relação ao Empregado

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011)

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO consiste na substituição, total ou parcial, do cálculo da contribuição previdenciária

Leia mais

Protocolo de Informações De Arrecadação

Protocolo de Informações De Arrecadação Protocolo de Informações De Arrecadação Protocolo GPS GPS Emenda 18 Seção I Registro de Alterações Atualizado em 01/03/2007 GPS_Emenda18.pdf Seção I - GPS Página 1 / 31 DATA SITUAÇÃO FOLHA 01/03/2007 01/03/2007

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Este documento tem por objetivo orientar na emissão de Guias de Retenção Previdenciária

Este documento tem por objetivo orientar na emissão de Guias de Retenção Previdenciária Versão 01 - Página 1/10 1. Objetivo Este documento tem por objetivo orientar na emissão de Guias de Retenção Previdenciária. 2. Aplicação Esta instrução aplica-se a emissão de todas as guias de retenções

Leia mais

DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS

DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS Jefferson José da Conceição* Patrícia Toledo Pelatieri** Fausto Augusto Junior*** SUMÁRIO: 1. Introdução

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.11 Renúncias Previdenciárias (Art. 4 o, 2 o, inciso V, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.11 Renúncias Previdenciárias (Art. 4 o, 2 o, inciso V, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.11 Renúncias s QUADRO I - 2014 Projeção 2014 Renúncia Simples Nacional 14.030.854.152 28,98 3,65 0,26 Entidades Filantrópicas 10.116.875.300 20,89 2,63 0,19 Exportação da Produção

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS

RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS - DAS EMPRESAS EM GERAL, sobre: Folha de Pagamento (EMP./AVULSOS) 20% Remunerações pagas aos CI 20% Terceiros (EMP./AVULSOS) 5,8% RAT (EMP./AVULSOS) 1% (leve) 2%

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária Todo(a) brasileiro(a), a partir de 16 anos de idade, pode filiar-se à Previdência Social e pagar mensalmente a contribuição para assegurar os seus direitos e a proteção à sua família. Vejamos com isso

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014.

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. (do Sr. Guilherme Campos e outros) Altera a Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006 para reorganizar e simplificar a metodologia de apuração do imposto

Leia mais

Local: Plenário 3 - Senado Federal 08/12/2009

Local: Plenário 3 - Senado Federal 08/12/2009 Seminário de Comissões Desoneração da Folha de Pagamento Local: Plenário 3 - Senado Federal 08/12/2009 Luigi Nese Presidente da Confederação Nacional de Serviços CNS e do CODEFAT PIB: Por Setor da Economia

Leia mais

BREVE ANÁLISE SOBRE AS ALTERAÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR Nº 123 DE 2006 (LEI DO SIMPLES NACIONAL) PELO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 60 DE 2014

BREVE ANÁLISE SOBRE AS ALTERAÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR Nº 123 DE 2006 (LEI DO SIMPLES NACIONAL) PELO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 60 DE 2014 BREVE ANÁLISE SOBRE AS ALTERAÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR Nº 123 DE 2006 (LEI DO SIMPLES NACIONAL) PELO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 60 DE 2014 (com ênfase nas sociedades prestadoras de serviços médicos)

Leia mais

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE 1 A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE Wagner Balera PUC-SP EQUIDADE V - Equidade na Forma de Participação

Leia mais

NOVA CONTRIBUIÇÃO. Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins Não cumulatividade plena. Agosto/2015. Ministério da Fazenda

NOVA CONTRIBUIÇÃO. Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins Não cumulatividade plena. Agosto/2015. Ministério da Fazenda NOVA CONTRIBUIÇÃO Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins Não cumulatividade plena Agosto/2015 Proposta de Instituição de Nova Contribuição (Receita e Importação) OBJETO: REFORMULAÇÃO DO PIS/COFINS PIS

Leia mais

LEI Nº 12.546/2011 (MP 540/2011) ORIENTAÇÕES PRÁTICAS - DESONERAÇÃO FOLHA DE PAGAMENTO TI/TIC

LEI Nº 12.546/2011 (MP 540/2011) ORIENTAÇÕES PRÁTICAS - DESONERAÇÃO FOLHA DE PAGAMENTO TI/TIC LEI Nº 12.546/2011 (MP 540/2011) ORIENTAÇÕES PRÁTICAS - DESONERAÇÃO FOLHA DE PAGAMENTO TI/TIC 1 INTRODUÇÃO Em 15 de dezembro de 2011 a Presidente da República SANCIONOU a Lei nº 12.546/2011 (decorrente

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Gastos Tributários do governo federal: um debate necessário

Gastos Tributários do governo federal: um debate necessário do governo federal: um debate necessário Coordenação de Finanças Sociais Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Assessoria Técnica da Presidência do Ipea Este Comunicado atualiza trabalho publicado ano

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR PRODUTOR RURAL PESSOA JURÍDICA. Receita Federal do Brasil

CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR PRODUTOR RURAL PESSOA JURÍDICA. Receita Federal do Brasil CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR Receita Federal do Brasil SEFIP/GFIP? Como declarar no SEFIP/GFIP a Receita da Comercialização Rural Versão 8.4 SENAR Previdência Rural CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR

Leia mais

AUTOR(ES): PAMELA CRISTINA FRANCO, MAIARA VEZANI, REBECA MOSQUETTO MARION

AUTOR(ES): PAMELA CRISTINA FRANCO, MAIARA VEZANI, REBECA MOSQUETTO MARION TÍTULO: A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO NA CONSTRUÇÃO CIVIL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): PAMELA CRISTINA

Leia mais

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) Fonte: elaboração própria abril de 2013 EMENTA: CONTEXTO LEGISLATIVO. OS PRINCIPAIS SETORES. CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SUBSTITUÍDAS. CRITÉRIO

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS REINTEGRA Medida Incentivo fiscal à exportação. Beneficiados Pessoa jurídica produtora que efetue exportação direta ou indireta. Condições Exclusivo para bens manufaturados

Leia mais

Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região. Sindicato dos Químicos e Plásticos de São Paulo e Região

Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região. Sindicato dos Químicos e Plásticos de São Paulo e Região 1 Entidades proponentes: Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté Sindicato dos Químicos e Plásticos

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

Desoneração da Folha AC Pessoal

Desoneração da Folha AC Pessoal Desoneração da Folha AC Pessoal É uma medida governamental voltada para o crescimento da produção: o governo está eliminando a atual contribuição previdenciária sobre a folha e adotando uma nova contribuição

Leia mais

PREVISÃO CONSTITUCIONAL - Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade,..., e das seguintes contribuições sociais:

PREVISÃO CONSTITUCIONAL - Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade,..., e das seguintes contribuições sociais: Contribuição Previdenciária Substitutiva sobre a Receita Bruta - Desoneração da Folha de Pagamento - Fundamentos e Aspectos Constitucionais. João Dácio Rolim IBDT, 06/02/2014 PREVISÃO CONSTITUCIONAL -

Leia mais

FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES

FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES AS MUDANÇAS DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA FIM DAS REFORMAS REGRESSIVAS DA PREVIDÊNCIA COM GANHOS PARA OS TRABALHADORES www.pepevargas.com.br dep.pepevargas@camara.gov.br AS MUDANÇAS DO REGIME GERAL DE

Leia mais

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS INTRODUÇÃO NORMAS LEI N. 12.546, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011, alterada pela Lei 12.715/2013 MEDIDA PROVISÓRIA N. 601, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 (vigência encerrada no dia 3 de junho de 2013) MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL ALTERAÇÕES NA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS, EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Porto Alegre 26 de Julho de 2010 CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO presidencia.cft@camara.gov.br

Leia mais

Simulado do concurso para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil

Simulado do concurso para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil Hugo Goes Simulado do concurso para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil Questões elaboradas pelo Prof. Hugo Goes 1. A respeito da base de incidência das contribuições previdenciárias, assinale

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

PARECER Nº, DE 2007. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2007. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2007 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 520, de 2007, que institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, e a Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, para permitir a dedução, do imposto de renda das pessoas

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

PLP 448/2014 Posicionamento dos Municípios

PLP 448/2014 Posicionamento dos Municípios PLP 448/2014 Posicionamento dos Municípios Projeto de Lei Complementar nº 448, de 2014 (PLP 448/2014), que altera a Lei Complementar nº 123/2006 (LC 123/2006), atualmente apensado ao PLP nº 25/2007. Tramita

Leia mais

A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA

A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA Pepe Vargas* Dep. Federal PT-RS Este texto reforça o alerta dos movimentos sociais sobre os riscos que a seguridade social corre caso aprovada sem modificações

Leia mais

Proposta de ajustes nas despesas do FAT e da Previdência. 29 de Dezembro de 2014

Proposta de ajustes nas despesas do FAT e da Previdência. 29 de Dezembro de 2014 Proposta de ajustes nas despesas do FAT e da Previdência 29 de Dezembro de 2014 Políticas para o Mercado de Trabalho nos governos Lula e Dilma 2 Aumento do poder de negociação dos trabalhadores, com forte

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO RESPOSTA DA RECEITA FEDERAL AO QUESTIONAMENTO DA CBIC Carla Soares Gerente Jurídica do Sinduscon-Rio juridico@sinduscon-rio.com.br LEI 12.546/2011 ART. 7 Art. 7 o Até

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12

DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/01/2013. Sumário: 1 - Introdução

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.11 Renúncias Previdenciárias (Art. 4 o, 2 o, inciso V, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.11 Renúncias Previdenciárias (Art. 4 o, 2 o, inciso V, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.11 Renúncias s QUADRO RESUMO - PROJEÇÃO LDO 2013 A 2015 Em R$ 1,00 Projeção 2013 2014 2015 Simples 16.076.488.870 17.608.690.864 19.489.489.657 Entidades Filantrópicas 9.144.886.229

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Simpósio UNIMED 2015 Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Mansueto Almeida 28 de agosto de 2015 Indústria: o que aconteceu? Produção Física da Indústria de Transformação 2002-

Leia mais

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS

CARTILHA Previdência. Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS CARTILHA Previdência Complementar REGIMES TRIBUTÁRIOS Índice 1. Os planos de Previdência Complementar e os Regimes Tributários... Pág. 3 2. Tratamento tributário básico... Pág. 4 3. Características próprias

Leia mais

Índice. Apresentação... 03. Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03. Contribuintes do SEST/SENAT... 03. Como contribuir ao SEST/SENAT...

Índice. Apresentação... 03. Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03. Contribuintes do SEST/SENAT... 03. Como contribuir ao SEST/SENAT... Índice Apresentação... 03 Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03 Contribuintes do SEST/SENAT... 03 Como contribuir ao SEST/SENAT... 04 Alíquotas das Contribuições e Vencimentos... 04 Formas de Contribuição...

Leia mais

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia A advocacia foi inserida no Simples Nacional por meio da Lei Complementar

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 OBRIGATORIEDADE A empresa é obrigada a elaborar mensalmente a folha de pagamento da remuneração paga devida ou creditada a todos os segurados

Leia mais

PEC 31: Apresentação Sintética de seus Fundamentos Básicos. 1 Criação do Sistema de Integração Tributária - SIT

PEC 31: Apresentação Sintética de seus Fundamentos Básicos. 1 Criação do Sistema de Integração Tributária - SIT PEC 31: Apresentação Sintética de seus Fundamentos Básicos 1 Criação do Sistema de Integração Tributária - SIT O que seria: uma ferramenta para que do ponto de vista do contribuinte o recolhimento de toda

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O PAGAMENTO DE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA, EM CARÁTER EVENTUAL, POR MEIO DE RECIBO DE PAGAMENTO A CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

Leia mais

NOVO REGIME TRIBUTÁRIO EM PLANOS PREVIDENCIÁRIOS

NOVO REGIME TRIBUTÁRIO EM PLANOS PREVIDENCIÁRIOS NOVO REGIME TRIBUTÁRIO EM PLANOS PREVIDENCIÁRIOS Base legal: Lei no 11.053, de 29 de dezembro de 2004, Instrução Normativa nº 497, Instrução Normativa Conjunta SRF/SPC/SUSEP nº 524 e Medida Provisória

Leia mais

Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo

Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo Uma nova era nas relações entre Empregados, Empregadores e Governo CONSTRUÇÃO CONJUNTA Receita Federal do Brasil; Caixa; Instituto Nacional do Seguro Social INSS; Ministério da Previdência Social MPS;

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE A RECEITA BRUTA

CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE A RECEITA BRUTA CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE A RECEITA BRUTA Exclusões da base de cálculo Lei nº 12.546/ e Instrução Normativa RFB nº 1.436/14 Set/2015 CPRB Visão panorâmica A desoneração da folha de pagamento

Leia mais

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL Seminário Técnico - CPLP Timor Leste, 06 e 07 de fevereiro de 2008 ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector O brasileiro é um povo sem memória, que esquece seus feitos e seus heróis...

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Dia: 07/01/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da

Leia mais

Financiamento da Seguridade Social

Financiamento da Seguridade Social Financiamento da Seguridade Social Prof. Eduardo Tanaka Receitas das contribuições sociais dos Empregadores Domésticos Prof. Eduardo Tanaka 1 2 Receitas do Empregador Doméstico (Decreto 3.048/99) Art.

Leia mais

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Lei Complementar LC 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Fórum AbineeTec 2011 Políticas Públicas Compras Governamentais

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL

esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL NF-e Abrangência ECD esocial EFD EFD - IRPJ CT-e NFS-e E-Lalur FCont O esocial é um projeto do governo federal que vai unificar

Leia mais

ANEXO III.11.a ESTIMATIVA DAS RENÚNCIAS PREVIDENCIÁRIAS

ANEXO III.11.a ESTIMATIVA DAS RENÚNCIAS PREVIDENCIÁRIAS ANEXO III..a ESTIMATIVA DAS RENÚNCIAS PREVIDENCIÁRIAS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA 2008 (Art. 4 o, 2 o, inciso V, Lei Complementar n o 0, de 4 de maio de 2000) (Art. 4º, 2º, inciso V, da Lei Complementar

Leia mais

Simples Nacional: sociedades simples podem ser consideradas "micro ou pequena empresa" (art. 146, III, "d" da CRFB) diante da legislação civil?

Simples Nacional: sociedades simples podem ser consideradas micro ou pequena empresa (art. 146, III, d da CRFB) diante da legislação civil? Simples Nacional: sociedades simples podem ser consideradas "micro ou pequena empresa" (art. 146, III, "d" da CRFB) diante da legislação civil? SILAS SANTIAGO MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA-EXECUTIVA

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

Inferior ou igual a 2 anos 35% Superior a 2 anos e inferior ou igual a 4 anos 30% Superior a 4 anos e inferior ou igual a 6 anos 25%

Inferior ou igual a 2 anos 35% Superior a 2 anos e inferior ou igual a 4 anos 30% Superior a 4 anos e inferior ou igual a 6 anos 25% Perguntas e respostas 1- Como funciona a Tabela Regressiva dos Planos de Previdência Complementar? R A Tabela Regressiva foi prevista a partir da Lei nº 11.053, de 29 /12 /2004. Em vigor desde 01/01/2005,

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA INTRODUÇÃO Após a mobilização de vários setores da economia juntamente com as proposições formuladas pelo Congresso Nacional, foi publicada a Lei 12.996/2014,

Leia mais

A Desoneração tributária na Construção Civil

A Desoneração tributária na Construção Civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 06 abril de 2014 Organização:

Leia mais