PROJETO INTEGRADO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO PARA A SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO INTEGRADO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO PARA A SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 16, 17 e 18 de abril de 2013 PROJETO INTEGRADO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO PARA A SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO Kênia da Cunha Martins Gracieli Gequelin Marina Junker Tomich Fugii Gabriela Lotta

2 2 Painel 37/141 Novos aportes na capacitação de servidores I PROJETO INTEGRADO DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO PARA A SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO Kênia da Cunha Martins Gracieli Gequelin Marina Junker Tomich Fugii Gabriela Lotta RESUMO Após uma análise histórica dos Programas de Capacitação da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz) observou-se que as demandas de capacitação nos temas de Gestão eram atendidas de forma pontual e desnivelada. Esse fato comprometia o alinhamento entre as áreas da Sefaz e o atingimento da missão da organização. Dessa forma, a Escola Fazendária do Estado de São Paulo e o Departamento de Planejamento e de Gestão elaboraram o Projeto de Capacitação em Gestão para alinhar a formação às diretrizes estratégicas da Sefaz. O programa é composto de três tipos de formação, vinculados às necessidades dos níveis hierárquicos da organização e ações a eles compatíveis: ciclo de palestras para sensibilização da alta e média gerência; curso de planejamento e gestão para a gerência de base; e cursos técnico-especializados para o corpo técnico. Todos os conteúdos foram desenvolvidos em reuniões coletivas com representantes das diversas coordenadorias para garantir que as demandas fossem contempladas na formação. Foram também desenvolvidas atividades de disseminação de conhecimento e informações alinhadas à formação para envolver os demais servidores.

3 3 1 INTRODUÇÃO A estrutura organizacional da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo é composta por cinco coordenadorias: a Coordenadoria da Administração Financeira (CAF), a Coordenadoria da Administração Tributária (CAT), a Coordenadoria de Entidades Descentralizadas e de Contratações Eletrônicas (CEDC), a Coordenadoria Geral da Administração (CGA) e a Coordenadoria de Planejamento Estratégico e Modernização Fazendária (CPM). São integrantes da CPM: a Unidade de Coordenação de Programa (UCP), o Departamento de Tecnologia da Informação (DTI), o Departamento de Planejamento e Gestão (DPG) que atua no apoio da gestão da estratégia e do desenvolvimento institucional de todas as áreas da Secretaria da Fazenda e a Escola Fazendária do Estado de São Paulo (Fazesp). A Escola é responsável pela capacitação dos servidores da Secretaria da Fazenda e atua de acordo com a Política de Desenvolvimento de Competências, instituída pela Resolução SF nº 29 de 19 de maio de 2008.

4 4

5 5 Além de abranger as coordenadorias, a Fazesp também realiza a capacitação dos servidores do Departamento de Controle e Avaliação DCA, que é responsável pelo acompanhamento, avaliação, auditoria e controle dos Órgãos do Poder Executivo Estadual, das assessorias do Gabinete do Secretário GS, e da SpPrev São Paulo Previdência, que é vinculada à Secretaria da Fazenda. Anualmente, a Fazesp gerencia o planejamento de capacitação, que é realizado juntamente com as diversas áreas da Secretaria por meio de um servidor/colaborador denominado gestor de capacitação. O gestor de capacitação é designado pelo seu superior imediato para atuar em colaboração à Escola no que diz respeito ao levantamento de lacunas de competências do seu departamento e também na execução dos cursos (discutindo com a Escola a organização do conteúdo que os cursos devem abordar). São três níveis de gestores de capacitação: setoriais, (que atuam nas coordenadorias e no GS), subsetoriais (que estão nas diretorias, abaixo das coordenadorias) e regionais (que estão nas 18 unidades da Secretaria da Fazenda distribuídas no Estado). Os gestores de capacitação setoriais sistematizam, em conjunto com os dirigentes, os desafios estratégicos de suas coordenadorias e áreas do GS. Esses desafios orientam o levantamento das competências necessárias ao desempenho com excelência das atividades específicas e ao atingimento dos resultados de cada uma das áreas. Nessa fase, cada gestor de capacitação setorial e subsetorial, num trabalho em conjunto com cada uma das equipes vinculadas à sua esfera de atuação, faz o levantamento dessas necessidades, especificando da melhor forma possível os aspectos de cada competência que precisa ser desenvolvida, incluindo, por exemplo, o nível de aprofundamento, a estimativa de tempo disponível para ser investido em cada necessidade e o quantitativo de pessoas a serem capacitadas. Aos gestores de capacitação regional, em particular, cabem duas frentes de atuação: primeiro, dimensionar as vagas em relação às demandas de capacitação propostas pelo gestor subsetorial a que se vincula, identificando, em conjunto com os dirigentes, os servidores que necessitam ter essas competências desenvolvidas; segundo, propor a inclusão de competências relativas à sua unidade regional que não foram elencadas pelo gestor subsetorial, mas que tenham sido identificadas no seu próprio processo de levantamento de necessidades junto às suas respectivas equipes.

6 6 Por fim, os gestores de capacitação setorial analisam as demandas de capacitação da sua coordenadoria e validam as demandas recebidas dos gestores de capacitação subsetoriais e regionais, encaminhando-as à Fazesp. Ao receber as demandas dos gestores de capacitação, a Escola propõe os eventos específicos que suprirão as lacunas de competências identificadas, o que resulta no Programa Anual de Capacitação. Essa metodologia, implantada na Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo em 2008, proporcionou uma mudança significativa na aderência do planejamento da capacitação dos servidores a sua real necessidade de desenvolvimento de competências, vinculadas às atividades que eles efetivamente realizam, e tendo como parâmetro inicial os objetivos estratégicos da Instituição e os desafios das Coordenadorias. Isso permitiu que os eventos de capacitação voltados para competências técnicas e comportamentais fossem cada vez mais direcionados à necessidade específica de cada servidor, uma vez que o processo de planejamento considerava as competências e atividades de todos os servidores. No entanto, ao observar historicamente os programas de capacitação, foi possível perceber que os eventos relacionados à área de Gestão vinham atendendo a demandas pontuais, até em decorrência da própria metodologia acima descrita, o que gerava um desnivelamento entre as diversas Coordenadorias da Secretaria. Esse fato vinha comprometendo o alinhamento entre esses setores, o planejamento estratégico e o avanço teórico e operacional das práticas de Gestão na Secretaria da Fazenda. 2 OBJETIVO Analisando este contexto, tornou-se oportuna e necessária a formulação de um programa integrado de capacitação para os temas relacionados à área de gestão, que fosse estruturado e coerente com as diretrizes do planejamento estratégico e com os projetos de gestão da Secretaria da Fazenda, resultado de uma ação conjunta entre o DPG e a Fazesp.

7 7 3 METODOLOGIA A primeira atitude para corrigir o problema identificado foi a contratação de uma consultoria, cujo escopo previu três grandes ações: orientar a construção de um modelo integrado de capacitação, avaliar os resultados propondo melhorias e planejar e coordenar a publicação do material teórico produzido. O modelo de capacitação foi construído em formato pirâmide, prevendo 3 níveis diferentes de público-alvo para que pudessem ser atendidos pela capacitação de acordo com suas especificidades. No topo da pirâmide (nível 1), foi estruturado um ciclo de eventos de curta duração, em formato de palestras e com foco principal na conscientização sobre temas específicos de relevância, direcionado para a alta e a média gerência. Para o estrato intermediário (nível 2), a capacitação apresentou metodologias, conceitos e boas práticas, relativos aos principais tópicos de Gestão, direcionado para a gerência de base da organização. Abaixo, no nível 3, foram propostos cursos e treinamentos de conteúdo técnico/especializado, direcionados à capacitação do corpo operacional. Na base da pirâmide, se assentam as equipes com atividade tipicamente de apoio, que são atingidas de maneira indireta pela capacitação formal que a estrutura acima recebe (por meio da aprendizagem informal, como reuniões, acompanhamento do superior imediato, acesso a textos e vídeos).

8 8 Após a definição do modelo, foram organizadas reuniões e selecionados representantes de todas as áreas da Sefaz, tomando por definição que a estrutura final seria fruto de uma construção coletiva dos principais temas a serem abordados nas diversas formas e etapas de capacitação. Um dos aspectos mais importantes nesse momento do levantamento participativo foi o diagnóstico das ações de gestão já implantadas na Sefaz, com intuito de difundir para toda a instituição os avanços já alcançados por cada uma das áreas. Uma questão essencial desde o início foi a busca da coerência temporal na realização das ações, definindo-se um cronograma de eventos que permitisse uma internalização do conhecimento de forma lógica e gradual de forma que os capacitandos pudessem se desenvolver da melhor forma dentro dos temas enfocados. Um instrumento muito importante foi a criação de um portal na intranet da Sefaz, o Portal de Capacitação em Gestão, instrumento de base para a disseminação de conhecimento e informações alinhadas à formação, com objetivo de ser o meio privilegiado de divulgação para envolver todos os servidores, inclusive aqueles que não tenham sido formalmente atingidos por cursos/treinamentos específicos. Nesse portal, são divulgadas ações complementares à capacitação formal dos três níveis desenhados, como vídeos, entrevistas, artigos e textos; além de ser um canal para avaliação das ações pelos participantes e de discussão e de críticas sobre o projeto, disponível a todos os servidores da Secretaria. O projeto também recebeu uma identidade visual exclusiva, usada desde o portal, até as apostilas dos cursos, apresentações e divulgação de todas as ações inseridas no contexto, como entrevistas, vídeos e s.

9 9 Figura 1: página inicial do Portal de Capacitação em Gestão Figura 2: página de uma das palestras do Ciclo no Portal de Capacitação em Gestão O projeto ainda não foi inteiramente concluído, portanto a avaliação e o planejamento da publicação dos materiais teóricos produzidos ainda estão em fase de discussão e serão realizados até o final do ano de 2013.

10 10 Pretendemos sintetizar todo o conhecimento produzido nos eventos realizados nos 3 níveis, organizando a publicação do conteúdo, física e eletronicamente, a fim de reforçar a utilização da capacitação informal e de disseminar o conhecimento sobre assuntos de gestão a todos os servidores interessados no tema, e não somente àqueles que são público-alvo direto dos eventos formais. A avaliação tem o objetivo de contribuir para que esse projeto personalizado de capacitação em gestão se constitua num processo continuado de aperfeiçoamento de práticas de gestão na Secretaria da Fazenda. Para a avaliação estão previstas as seguintes atividades: planejamento e execução da metodologia de avaliação; consolidação do resultado da avaliação; reuniões para apresentação e discussão sobre o resultado e relatório final com as propostas de melhoria. 3.1 Nível 1 Para atender ao nível 1 foi organizado um Ciclo de Palestras, segundo as atividades abaixo listadas: Proposta inicial de temas relevantes para o ciclo de palestras: Após uma avaliação inicial por parte da equipe da Fazesp e de conversas com a consultoria externa contratada para o trabalho foram selecionados, inicialmente, 6 temas para as palestras, que passaram, em seguida, por aprovação de um grupo com representantes de todas as coordenadorias Foi proposto também que cada uma das palestras contasse com, pelo menos, 3 tipos de palestrantes: Representante da academia: profissional acadêmico que pudesse discorrer sobre a literatura contemporânea e quais os principais enfoques e debates a respeito de cada um dos temas; Representante de outro órgão público: representante de uma organização pública que avançou em experiências interessantes nas temáticas abordadas;

11 11 Representante da Sefaz: apresentar como a Sefaz tem abordado o tema, quais os avanços e limites produzidos pela organização em contraposição com a discussão teórica e de outras experiências Tema do mês Também foi sugerido que cada um dos temas fosse tratado não apenas no dia da palestra, mas como Tema do Mês, dentro do qual poderiam ser desenvolvidas diversas atividades de comunicação ou sensibilização na Secretaria envolvendo outros servidores para além dos participantes da palestra Reunião de grupo de trabalho para validação dos temas Foi organizada uma primeira reunião para discussão dos temas de palestras para validação coletiva. Esta reunião contou com participação de todas as coordenadorias e teve como objetivo validar as propostas iniciais e levantar possibilidades de enfoques para cada um dos temas. Foram, então, validadas as seguintes palestras: Tendências mundiais em gestão pública; Ética no serviço público; Transparência e controle social; Gestão do conhecimento e inovação; Relacionamento com o usuário; Gestão de pessoas Reuniões de grupos de trabalho temáticos Após coletar as sugestões iniciais feitas na primeira reunião com todas as coordenadorias, a consultora aprofundou cada um dos temas selecionados para subsidiar as reuniões seguintes. Para tanto, foram coletadas informações de outras experiências, palestras, cursos, seminários nacionais e internacionais que pudessem iluminar o que tem sido produzido e discutido nos campos em questão. Além de selecionar enfoques temáticos, foram levantados alguns nomes iniciais de possíveis palestrantes ou de experiências que pudessem ser apresentadas nas palestras.

12 12 Foram realizadas 6 reuniões de grupos de trabalho, com representantes de todas as coordenadorias e da SpPrev. As reuniões foram conduzidas baseadas no material preliminar preparado, sobre o qual os participantes deveriam dar sugestões, comentários e expor a posição da Sefaz com relação aos temas e abordagens. Ao todo, participaram das reuniões mais de 60 pessoas, cujas contribuições foram discutidas coletivamente e sistematizadas Organização das Palestras Com base nas propostas validadas coletivamente pelos participantes, foram encaminhadas as atividades para organização das palestras, que envolveram, principalmente: Contato com palestrantes; Reuniões específicas para detalhamento das ementas com representantes da organização; Preparação de material para Tema do Mês ; Reuniões com os palestrantes; Checagem do material elaborado pelos palestrantes; Atividades de comunicação e sensibilização em torno das palestras Detalhamento dos Temas Abaixo apresentamos uma síntese das discussões feitas pelos grupos de trabalho em torno de cada um dos temas selecionados Tendências mundiais em gestão pública A proposta deste tema foi abordar os debates relativos à gestão pública na contemporaneidade, considerando quais os caminhos apontados tanto pela academia como por experiências concretas que consigam avançar e superar problemas históricos da gestão pública para construir políticas públicas com efetividade. Neste sentido, foram pensados alguns temas a serem abordados pelos palestrantes:

13 13 História das mudanças da gestão pública: abordar a mudança que levou à reforma gerencial e, atualmente, a um modelo baseado em gestão orientada para resultados (GEOR) e apontar quais são as tendências para o futuro; Experiências nacionais e internacionais em gestão orientada para resultados: experiências que conseguiram, de fato, adotar uma gestão voltada a resultados, levantando como a transição pode ser feita, quais foram os impactos da transição, seus obstáculos e potenciais. Incluir, nestas experiências (considerando a realidade da Sefaz): gestão estratégica, gestão por processos, gestão de custos e orçamento público, gestão das entidades descentralizadas; Posicionamento do Governo do Estado de SP quanto às tendências em gestão pública e a gestão orientada para resultados: qual o posicionamento do governo de SP quanto a estas tendências e quais as medidas que estão sendo adotadas atualmente e em qual modelo estas tendências apontam. Palestrantes: Acadêmico: Prof. Frederico Lustosa (UFF): história da gestão pública, nova gestão pública, gestão orientada para resultados. Experiências nacionais e internacionais: Fatima Cartaxo (BID): tendências nacionais e internacionais na gestão pública; Cibele Franzese (Secretaria de Gestão Pública do Estado de São Paulo): experiências do Estado de São Paulo na gestão orientada para resultados. Experiência Sefaz: Evandro Freire (CPM): a adoção da gestão estratégica na Sefaz. Ações Mobilizadoras para Tema do Mês: Vídeo entrevista, divulgada no Portal de capacitação em Gestão, com o Dr. Michael Di Francesco (Australia and New Zealand School of

14 14 Government ANZSOG), especialista em Administração Financeira Pública e Consultor de Assuntos Fiscais no FMI (Fundo Monetário Internacional) Ética no Serviço Público A proposta deste tema foi discutir a dimensão da ética aplicada ao serviço público e à atuação do servidor público, considerando ética como uma motivação e um valor inerente à atuação dentro da gestão pública. Além do aspecto filosófico dessa discussão, a proposta foi levantar instrumentos para a gestão da ética no serviço público, considerando experiências relacionadas aos conselhos de ética, código de ética, etc. Para tanto, foram selecionados como temas: Motivação no serviço público: como as especificidades do serviço público (olhar coletivo, pacto social, democracia, relação técnicos e políticos, sentido social, etc.) impactam na ética do servir ao público. Entre essas dimensões foram abrangidos: diferença entre Estado, Governo e Sociedade; sentido social ou sentido público; transformação social; conduta no serviço público: o que é ética no serviço público e como deve ser a postura dos servidores para agir com ética; dimensões importantes: respeito à hierarquia, obrigações, deveres e direitos do servidor público, comprometimento com o trabalho, accountability e transparência na ação dos servidores; ética comportamental; relação entre regras e ética; gestão da ética no serviço público: quais os instrumentos usados pelas organizações públicas para gerirem a ética, como: código de ética, comitê de ética, etc. Palestrantes: Acadêmico: Alipio Casali (USP): ética aplicada ao serviço público. Experiência de outro órgão público: Teresa Villac Pinheiro Barki (AGU): gestão da ética na Advocacia Geral da União.

15 15 Experiência Sefaz: Florêncio dos Santos Penteado Sobrinho (membro do Comitê de Ética da Sefaz e Ouvidor): como funciona o comitê, quais os principais problemas relacionados à ética na secretaria, papel dos valores do planejamento estratégico, etc. Ações Mobilizadoras para Tema do Mês: Divulgação por dos valores da Sefaz previstos no planejamento estratégico e de trechos do código de ética da Sefaz a todos os servidores da Secretaria Transparência e Controle Social A proposta deste tema foi apresentar as discussões recentes sobre transparência e controle social nas organizações públicas, abordando sua importância no contexto democrático, tendências e instrumentos que vêm sendo utilizados para promover a transparência. Entre os temas abordados estão: Gestão da transparência: história da transparência e do controle social, considerando os vários instrumentos que foram construídos nos últimos anos para as organizações públicas, como Constituição Federal, LRF, Lei de Acesso à Informação e a legislação ainda em fase de discussão (Lei de Qualidade Fiscal e Lei de Contabilidade Pública seguindo padrões internacionais); Os portais da transparência, as corregedorias, o papel dos órgãos de controle, transparência, controle e democracia: o papel da transparência e do controle como promotor da democracia e inerentes a um contexto democrático; Transparência como ferramenta de gestão: como a transparência pode ser usada para melhorar a própria gestão das organizações. Palestrantes (debate no formato talk-show, com discussões gerais sobre todos os temas): Acadêmico: Eurico de Santi (FGV).

16 16 Experiências de outros órgãos públicos: Nivaldo Germano (CGU Controladoria Geral da União); Claudio Abramo (ONG Transparência Brasil); Gustavo Ungaro (CGA Corregedoria Geral da Administração do Estado de São Paulo). Experiência Sefaz: Leandro Pampado (CAT); Roberto Yamazaki (CAF). Ação mobilizadora para Tema do Mês: Vídeo entrevista, divulgada no Portal de capacitação em Gestão, com Ieda Pimenta Bernardes, Diretora do Departamento de Gestão do SAESP (Sistema de Arquivos do Estado de São Paulo) Gestão do Conhecimento e Inovação A proposta deste tema foi debater as principais tendências em gestão do conhecimento e inovação buscando promover organizações que aprendem, gerenciam sua história e conseguem promover a criatividade em seus funcionários. Para tanto, foram abordados os temas: Gestão do conhecimento e o futuro da organização: pensar como as organizações podem planejar e gerenciar seu futuro, especialmente a entrada e saída de servidores, a partir da gestão de conhecimento e, ao mesmo tempo, conseguir promover uma troca positiva de conhecimento e trabalho entre as diferentes gerações da organização; Ferramentas para gestão do conhecimento e inovação: quais as ferramentas possíveis para promover a gestão do conhecimento e a inovação nas organizações, como elas funcionam e podem ser utilizadas; Organizações inovadoras: como promover uma organização que incentiva a criatividade e a inovação e como fomentar a criatividade nos processos.

17 17 Palestrantes (debate no formato talk-show, com discussões gerais sobre todos os temas): Acadêmicos: Rose Mary Juliano Longo (TransK); Sonia Wada Tomimori (Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento). Experiências de outros órgãos públicos: Marcelo Yamada (Promon Engenharia); Willian Ramalho (Sabesp). Experiências Sefaz: Fernanda Pagan Rivaroli (CEDC); Fábio Assunção Bagnolesi (DPG); Vanderlei Machado Vieira (CAT); Mauricio Barutti de Oliveira (CAT) Relacionamento com o Usuário A proposta deste tema foi apresentar as tendências recentes para promover o relacionamento das organizações públicas com o usuário, como forma de garantir acesso aos serviços, às informações, à participação nos processos de decisão e à resolução de suas necessidades com qualidade. Temas: Qualidade no atendimento: como os modelos de qualidade no atendimento promovem melhor prestação de serviços ao público; Relacionamento com usuário: canais de atendimento, governo eletrônico, centrais de atendimento integrado, ouvidorias, serviços de informação aos cidadãos. Palestrantes: Acadêmico: José Carlos Vaz (USP-EACH): desafios e tendências no atendimento e relacionamento com usuário de serviços públicos. Experiências de outros órgãos públicos: Daniel Annenberg (Detran/SP): experiências de implantação e reestruturação de serviços de atendimento ao cidadão.

18 18 Experiência Sefaz: Leandro Pampado (CAT): Programa de Melhoria do Atendimento da Sefaz/SP; Florêncio dos Santos Penteado Sobrinho (Ouvidoria Sefaz/SP): o papel do Serviço de Informação ao Cidadão e da Ouvidoria no relacionamento com usuários Tendências em Gestão de Pessoas A proposta deste tema será apresentar as principais tendências recentes de gestão de pessoas em organizações públicas, considerando o alinhamento entre gestão de pessoas e o planejamento estratégico e o potencial da gestão de pessoas para promover as organizações. Temas: Gestão estratégica: o papel da gestão de pessoas na promoção da gestão estratégica e o alinhamento entre a gestão de pessoas e a estratégia organizacional para alcance de resultados; Papel da liderança na gestão de pessoas e na melhoria da gestão organizacional; Comportamento: como fomentar um ambiente motivador e como considerar o comportamento em um serviço público (remetendo à discussão de ética); Gestão da Capacitação: importância da capacitação na gestão estratégica e no alcance de resultados organizacionais e o papel das áreas de formação das organizações. A palestra acontecerá no dia 09 de maio de Por isso, ainda não foram confirmados os nomes de todos os palestrantes. 3.2 Nível 2 A construção do plano de trabalho dos cursos voltados a metodologias, conceitos e boas práticas em gestão, cujo público-alvo é a gerência de base, foi desenvolvida por meio de reuniões com representantes de todas as coordenadorias, para que a proposta pudesse contemplar as necessidades da Secretaria.

19 19 Na primeira reunião foi apresentada uma avaliação das ações já realizadas no tema de gestão, em especial os cursos passados e as demandas solicitadas à Fazesp. A partir dessa apresentação, foram propostos os seguintes blocos temáticos que deveriam ser contemplados pelos cursos: Gestão estratégica; Planejamento estratégico; Gestão de processos; Gestão de pessoas; Gestão do conhecimento. Nesta proposta temática, foi decidido que deveria ser elaborado apenas um curso integrando os diversos temas relacionados à gestão estratégica, para que eles pudessem ser olhados de forma integrada e inter-relacionada. Além disso, foi decidido que o curso deveria trabalhar os conceitos, sua aplicação em outras organizações e como a Secretaria da Fazenda tem trabalhado com estes elementos. Assim, deve contemplar a realidade da organização e as escolhas estratégicas e metodológicas elaboradas por ela. Também foi sugerido que tivesse como resultado a construção de uma agenda de melhorias ou sugestões para a estratégia organizacional, elaborada pelos participantes ao final do curso. Com relação à carga horária, foi decidido que o curso deveria ser ministrado em 5 períodos de 4 horas cada, totalizando 20 horas aula. Com base nestes temas e no material já trabalhado anteriormente pelos cursos da Fazesp, a consultora elaborou uma proposta de conteúdo que contemplasse as demandas da Secretaria, aliando-as ao que tem sido abordado na academia e em outros cursos de formação de gestores. A proposta revisada foi apresentada novamente aos representantes das coordenadorias que, com sugestões de algumas alterações, fecharam a proposta temática, bem como alguns elementos que deveriam ser considerados no curso e que serão detalhados em seguida. Por fim, foram sugeridos nomes de palestrantes, devendo a consultoria contemplar as seguintes atividades: Contato com docentes; Reuniões específicas para detalhamento das demandas com os docentes;

20 20 Acompanhamento da elaboração de material didático pelos docentes; Validação do material didático Detalhamento dos Temas e da Metodologia Abaixo apresentamos uma síntese das discussões feitas nas reuniões com os representantes das coordenadorias a respeito dos temas para o curso. Tema 1: Gestão Estratégica Carga horária: 1,5 hora Este é o tema introdutório do curso e tem como objetivo homogeneizar os conceitos dos participantes a respeito da gestão estratégica de organizações públicas. A proposta deste tema é apresentar o conceito da gestão estratégica, considerando como a organização pode pensar no alinhamento dos diversos componentes de gestão voltando-os à gestão da estratégia organizacional. Entre os componentes considerados estão: Estratégia; Processos; Pessoas; TI; Arquitetura organizacional; Conhecimento. Tema 2: Planejamento Estratégico Carga horária: 2,5 horas A proposta deste tema é discutir o planejamento estratégico como um dos componentes da gestão estratégica, sendo aquele que busca propor uma visão de futuro à organização e os passos necessários para seu alcance. Neste sentido, a discussão de planejamento estratégico deve contemplar os seguintes enfoques:

21 21 Formulação (metodologias como BSC, GesPública, Cadeia de Valor, PPA e metodologia adotada na Secretaria da Fazenda); Implementação (como se implementa, barreiras à implementação, gestão da implementação); Monitoramento (função do monitoramento, instrumentos de monitoramento indicadores, metodologias de monitoramento BSC). Tema 3: Gestão de Processos Carga horária: 4 horas A proposta deste tema é discutir como se dá a gestão de processos em uma organização, considerando que os processos fazem parte da rotina organizacional e são responsáveis pelos resultados e entregas que a organização realiza. Na medida em que este curso é introdutório e não instrumental, a abordagem não será das metodologias de desenho e redesenho de processos, mas sim de seus conceitos, de como entendêlos na gestão estratégica e como garantir que eles contribuam para o alcance dos resultados com qualidade. Os temas propostos são, portanto: Papel dos processos nas organizações; TI e processos; Qualidade dos processos e qualidade da organização (eficiência, eficácia e efetividade); Inovação nos processos. Tema 4: Gestão de Pessoas Carga horária: 4 horas Este tema tem como objetivo abordar os principais elementos da gestão de pessoas que contribuam para a gestão estratégica das organizações. A ideia é introduzir conceitos de gestão de pessoas e algumas metodologias que possam contribuir para um olhar mais estratégico da gestão de pessoas nas organizações. O objetivo é introduzir estes conceitos e não trata-los de forma operacional ou prática. Principais conceitos e metodologias a serem abordadas:

22 22 Gestão estratégica de pessoas (olhar para a GP como um processo e como parte da gestão estratégica, considerando os pontos críticos para a Instituição); Gestão de e por competências; Papel da capacitação; Papel das lideranças e compromissos das equipes; Avaliação de pessoas; Sucessão; Motivação. Tema 5: Gestão do Conhecimento Carga horária: 4 horas A proposta deste tema é apresentar alguns conceitos de gestão do conhecimento considerando-a como um dos componentes da gestão estratégica, ou seja, analisar como a gestão do conhecimento contribui para o alcance da estratégia organizacional. Novamente, neste tema não serão aprofundadas as metodologias ou ferramentas de gestão do conhecimento, mas seus principais conceitos e contribuições para os resultados da organização. Temas a serem abordados: Ciclo de gestão do conhecimento; Conhecimentos críticos nas organizações; Alinhamento da gestão do conhecimento aos processos e à gestão de pessoas; Ferramentas para gestão do conhecimento (Wiki, Benchmarking e Sharepoint, entre outras); Gestão do conhecimento e inovação. Atividade Final: Agenda de Propostas para Gestão Estratégica da Sefaz Carga horária: 4 horas Esta atividade final tem como objetivo propor uma agenda de melhorias para a gestão estratégica da Sefaz. É realizada por meio da metodologia de World Café, em que os participantes se dividem em mesas temáticas (a partir dos temas do curso) e propõem melhorias para cada um dos temas do curso.

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS 1 PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho Serviço Social da Indústria de Santa Catarina SOLUÇÕES SOCIAIS 2 Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22 ÍNDICE Introdução 2 Missão 4 Visão de Futuro 5 Objetivos Estratégicos 6 Mapa Estratégico 7 Metas, Indicadores e Ações 8 Considerações Finais 22 1 INTRODUÇÃO O Plano Estratégico do Supremo Tribunal de Federal,

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI O modelo implantado e as lições aprendidas PEDRO BURLANDY Maio/2011 SUMÁRIO 1. PREMISSAS E RESTRIÇÕES 2. DIAGNÓSTICO SUMÁRIO 3. O PROBLEMA E A META 4. O MODELO

Leia mais

"A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO

A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia Marta Gaino Coordenadora PMO "A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia A Sefaz/BA é um órgão da Administração Pública Direta

Leia mais

TIControle. Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal. Doris Peixoto Diretora Geral

TIControle. Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal. Doris Peixoto Diretora Geral TIControle Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal Doris Peixoto Diretora Geral 11/04/2012 Tópicos para nossa conversa de hoje A migração da Governança de TI para o nível corporativo

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA. Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional BRA/09/004 Fortalecimento das Capacidades da CAIXA para seu processo de

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi 1- Objetivo Geral Capacitar profissionais para o exercício da consultoria empresarial com qualidade, possibilitando assim um melhor atendimento as demandas das empresas paraenses por estes serviços. Disseminar

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

PALESTRA CONFEA. Ricardo Garcia França

PALESTRA CONFEA. Ricardo Garcia França PALESTRA CONFEA Ricardo Garcia França OGU HOJE Ciclo que se encerra 40 Ouvidorias em 2002 para 165 em 2011; Investimento em criação de ouvidorias e capacitação PRIORIDADES Fortalecer sistema de Ouvidorias

Leia mais

Cronograma detalhado para elaboração do PDI do IFMG para o período de 2014-2018

Cronograma detalhado para elaboração do PDI do IFMG para o período de 2014-2018 Belo Horizonte, 07 de agosto de 2013. Cronograma detalhado para elaboração do PDI do IFMG para o período de 2014-2018 Documento elaborado pela designada pela Portaria 398/2013 Descrição 1. Realização de

Leia mais

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAÇÃO DE CURSOS DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS EM GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

RH Estratégico na Administração Pública Implementando um modelo de gestão de pessoas focado nas metas e objetivos do órgão

RH Estratégico na Administração Pública Implementando um modelo de gestão de pessoas focado nas metas e objetivos do órgão RH Estratégico na Administração Pública Implementando um modelo de gestão de pessoas focado nas metas e objetivos do órgão Brasília, 29 de agosto de 2006. HISTÓRICO DA DIGEP: SITUAÇÃO ANTERIOR Competências

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

Desenvolvendo pessoas e um melhor serviço à sociedade

Desenvolvendo pessoas e um melhor serviço à sociedade Desenvolvendo pessoas e um melhor serviço à sociedade Relatório de atividades 2014 Introdução No quadriênio de 2007 a 2010 a implantação de Modelo de Gestão de Pessoas por Competências na Secretaria da

Leia mais

OGU Ações e Projetos 2011/2012

OGU Ações e Projetos 2011/2012 OGU Ações e Projetos 2011/2012 FUNDAMENTOS NORMATIVOS Constituição Federal Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios

Leia mais

Fundação Habitacional do Exército. José Ricardo GODINHO Rodrigues

Fundação Habitacional do Exército. José Ricardo GODINHO Rodrigues Fundação Habitacional do Exército José Ricardo GODINHO Rodrigues MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS Caso de sucesso na Fundação Habitacional do Exército FHE Desafios e lições aprendidas Resultados gerados

Leia mais

Fundação Habitacional do Exército. José Ricardo GODINHO Rodrigues

Fundação Habitacional do Exército. José Ricardo GODINHO Rodrigues Fundação Habitacional do Exército José Ricardo GODINHO Rodrigues MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS A 18 de Fundação novembro 1980 POUPEX Habitacional Lei nº. 6.855 Instituição Criada pela pública FHE

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Estágio das Ações 2014

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Estágio das Ações 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Estágio das Ações 2014 VICE PRESIDÊNCIA OBJETIVO ESTRATÉGICO 3.3 Valorizar o diálogo em todos os fóruns e junto aos poderes constituídos, orientando as ações para a defesa intransigente

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores Apresentação A Rede de Nacional de Consultores "ad hoc" do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GesPública se constitui elemento de suma importância

Leia mais

V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento

V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento 24 V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento Orçamento Participativo e demais fóruns de planejamento e gestão O Planejamento e a Gestão do município do Recife estão hoje apoiados por um sistema

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5 2 Para acessar cada item do Sumário, clique nele. Para retornar ao sumário, clique na logo do ecolega em qualquer página. Sumário 1. Visão Geral do EcoLega 3 2. Alinhamento Estratégico 3 3. Orientações

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA Fabiana Alves de Souza dos Santos Diretora de Gestão Estratégica do TRT 10 1/29 O TRT da 10ª Região Criado em 1982 32 Varas do Trabalho

Leia mais

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho 1 2 Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretário da Saúde Jorge Solla Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho Equipe Técnica: Celurdes Carvalho Flávia Guimarães Simões

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

5.9 - Programa de Comunicação Social... 1/8. 5.9.1 - Objetivos... 1/8. 5.9.2 - Justificativas... 2/8. 5.9.3 - Metas... 2/8. 5.9.4 - Metodologia...

5.9 - Programa de Comunicação Social... 1/8. 5.9.1 - Objetivos... 1/8. 5.9.2 - Justificativas... 2/8. 5.9.3 - Metas... 2/8. 5.9.4 - Metodologia... 2818-00-EIA-RL-0000-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE 5.9 - Programa de Comunicação Social... 1/8 5.9.1 - Objetivos... 1/8 5.9.2 - Justificativas... 2/8 5.9.3 - Metas... 2/8 5.9.4 - Metodologia...

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados Mauro Ricardo Machado Costa Dezembro/2008 1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados PLANEJAMENTO

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

Auditoria Interna na Área de Tecnologia da Informação

Auditoria Interna na Área de Tecnologia da Informação Auditoria Interna na Área de Tecnologia da Informação André Luiz Furtado Pacheco, CISA 4º Workshop de Auditoria de TI da Caixa Brasília, agosto de 2011 Agenda Introdução Exemplos de Deliberações pelo TCU

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD - RS

PROGRAMA PROREDES BIRD - RS PROGRAMA PROREDES BIRD - RS TERMO DE REFERÊNCIA Nº TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA COM VISTAS À DEFINIÇÃO, ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA O DEPARTAMENTO

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Versão 1.0 Setembro de 2015 Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Felipe de Souza Leão Gabinete do Secretário

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL Versão 2.0 Setembro de 2014 Agosto de 2008 Índice ÍNDICE...2 1. CONTEXTO...3 2. VISÃO, ESCOPO E ATIVIDADES DESTE PROJETO...5

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA

ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Boletim Informativo Edição 01 19 de Março de 2012 ACESSO À INFORMAÇÃO PÚBLICA Controladoria-Geral da União Implementação da Lei de Acesso a Informação A Lei de Acesso à Informação (LAI) representa mais

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR. Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR. Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS Maria do Carmo Aparecida de Oliveira - (41) 3350-9565 - - - IMAP -

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 Anexo à Resolução CGM 1.143 DE 08/07/2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 INTRODUÇÃO Este trabalho é o produto de discussões finalizados em fevereiro de 2014, junto à Comissão

Leia mais

Breve histórico. 2 Análise de documentos e estudos relevantes. Painéis Temáticos com especialistas. 2* Diagnóstico Interno.

Breve histórico. 2 Análise de documentos e estudos relevantes. Painéis Temáticos com especialistas. 2* Diagnóstico Interno. 2 Análise de documentos e estudos relevantes Painéis Temáticos com especialistas Breve histórico 1 Reunião de partida e agenda de trabalho 2* Diagnóstico Interno 3 Mapeamento de tendências (mundo e Brasil)

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. 1ª Reuniao de Gestão Ampliada Reitoria, 18-9-2013

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. 1ª Reuniao de Gestão Ampliada Reitoria, 18-9-2013 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 1ª Reuniao de Gestão Ampliada Reitoria, 18-9-2013 Pauta 1)Introdução: Cronograma Geral da Fase III do PDI e da elaboração do capítulo 3 - Planejamento Estratégico Objetivos da

Leia mais

Capacitações e Eventos Exercício de 2014

Capacitações e Eventos Exercício de 2014 Capacitações e Eventos Exercício de 204 Público alvo: Integrantes das Unidades de Execução Municipal do PNAFM II e servidores da UCP NOME DO EVENTO PERÍODO PARTICIPANTES Seminário sobre Parceria Público

Leia mais

PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF

PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF 1 Agenda 9h Abertura da Oficina ( 15 min ) o Boas vindas e apresentação individual de todos os participantes e

Leia mais

identificação e detalhamento dos indicadores definidos para mensurar os resultados do projeto.

identificação e detalhamento dos indicadores definidos para mensurar os resultados do projeto. APRESENTAÇÃO O presente documento se refere ao Plano do Projeto de Implantação das Estratégias de Ensino - a ser executado por Instituição de Ensino Superior - IES que se inscreva para fazer parte do Projeto

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União.

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011 Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições,

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO GOVERNO DE MINAS GERAIS

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO GOVERNO DE MINAS GERAIS METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO GOVERNO DE MINAS GERAIS Setembro de 2013 1 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 ESPECIFICAÇÃO METODOLÓGICA... 5 2.1 - DIAGNOSTICAR... 5 2.1.1 - Realizar

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA DA GESTÃO MUNICIPAL

PROGRAMA DE MELHORIA DA GESTÃO MUNICIPAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 PROGRAMA DE MELHORIA DA GESTÃO MUNICIPAL Maria Luiza dos Santos Vellozo Rosangela Maria Luchi Flavia Cardoso Garcia Chaves Julio

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC

Planejamento Estratégico de TIC Planejamento Estratégico de TIC Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe 2010 a 2014 Versão 1.1 Sumário 2 Mapa Estratégico O mapa estratégico tem como premissa de mostrar a representação visual o Plano

Leia mais

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Evolução Estratégica do Movimento Qualidade RS 13 anos de atividade Instalação do Programa Cumulativo Consolidação do Programa como Promotor da Causa Evolução

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade do GERAES Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade Metodologia MPCM / Darci Prado Disponível em www.maturityresearch.com Metodologia da pesquisa 5 níveis e 6 dimensões

Leia mais

PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Satisfação do Cliente aluno em sala de aula. O diálogo como prática para a melhoria dos resultados Histórico da prática eficaz Uma das diretrizes institucionais do

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES

Unidade de Coordenação do PROFAZ/ES Governo do Estado do Espírito Santo Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo Subsecretaria de Estado da Receita Subsecretária do Tesouro Estadual Subsecretário de Estado para Assuntos Administrativos

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL MANUAL 2012 AV. Dr. Arnaldo, 351 3º andar - Pacaembu Cep: 01246-000 São Paulo - SP 1 Secretaria de Estado da Saúde São Paulo Grupo de Apoio ao Desenvolvimento Institucional

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais