EDUCAÇÃO INFANTIL E AS PRÁTICAS DE CUIDAR E EDUCAR NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO INFANTIL E AS PRÁTICAS DE CUIDAR E EDUCAR NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 EDUCAÇÃO INFANTIL E AS PRÁTICAS DE CUIDAR E EDUCAR NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS Jucilene de Souza Ruiz 1 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/ Campus do Pantanal INTRODUÇÃO Esta pesquisa se propôs em descrever e analisar as práticas educar e cuidar no contexto das relações entre professoras e assistentes e entre elas e as crianças, no cotidiano de uma instituição de educação infantil, além de confrontá-las com as políticas educacionais que se referem a integração do cuidar e educar e formação dos profissionais da Educação Infantil. Têm como tarefa primordial, contribuir para estudos referentes à criança pequena, assim como também ressaltar a importância da interação entre as práticas de cuidar e educar. Para sua realização foi necessário realizar observação direta e entrevistas com as professoras e assistentes de uma instituição de educação infantil, creche, localizada na cidade de Corumbá. Para que a integração das práticas ocorra é necessário que os profissionais envolvidos com a criança pequena estabeleçam em suas práticas os mesmos objetivos, a fim de proporcionar o desenvolvimento integral da criança. É por isso que Campos (1994), afirma que: Se torna muito importante reconhecer quais são os objetivos que se deseja alcançar com a criança, pois eles orientarão as ações: se são os objetivos de cuidar e educar, a formação de seus profissionais deve também assegurar essas facetas, aliando as questões pedagógicas com as questões ligadas à higiene, alimentação e cuidados em geral (...) e ambas se relacionam ás dimensões afetivas, ética e estética da prática educativa. (apud VIEIRA, p.36) Algumas questões se tornaram relevantes em nosso trabalho como: quem são os profissionais da creche? Por que abraçam essa profissão? Como vêem o próprio trabalho? Que aspectos consideram gratificantes e cansativos? Como é o relacionamento entre professoras e assistentes e entre elas e as crianças? Estas questões contribuíram para que fossem alcançados os objetivos traçados inicialmente na proposta da pesquisa, como o de investigar o perfil profissional das educadoras de creche, a relação entre professores e assistentes nas práticas de cuidar e educar, as interações entre adulto-adulto e adulto-criança, verificar se há (ou não) a presença de hierarquia entre as professoras e assistentes. 1 Aluna do programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/ Campo Grande, pesquisa de Iniciação Científica- PROPP/ CNPq, finalizada em 2005.

2 2 A formação dos profissionais de educação infantil No Brasil a formação de professores para os primeiros anos da educação básica era realizada nos cursos de formação de nível médio, antigo curso normal que com a Lei 5.692/71 passa a ser chamado de habilitação para o magistério - e no nível superior no curso de pedagogia. As primeiras iniciativas de formação de professora de criança pequena podem ser observadas nos pareceres de Rui Barbosa, em Nos anos 50 surgem seis cursos de pedagogia com formação para a educação pré-escolar. (SILVA, 2003, p.23) A Lei 5.692/71 criou a Habilitação para o Magistério, entre elas magistério em préescolas, escolas maternais e jardins de infância, As instituições de educação infantil durante a história, tiveram dupla trajetória: os jardins de infância, mais tarde chamados de pré-primário e pré-escolar, davam ênfase ao aspecto educacional, sendo destinado para as crianças ricas, com métodos e atividades pedagógicas, voltadas para o desenvolvimento social, cognitivo e outras habilidades, já as instituição denominadas como creches e escolas maternais era enfatizado a guarda, a alimentação, cuidados com a saúde, higiene e formação de hábitos de bom comportamento na sociedade, sendo destinada pra as crianças pobres e abandonadas. (VIEIRA,1999) Para as creches o profissional vinha das áreas da saúde e assistência, em geral eram dirigidas por médicos ou assistentes sociais (ou irmãs de caridade), contavam com educadoras leigas ou auxiliares das quais eram requeridos conhecimentos nas áreas de saúde, higiene e puericultura. E nos jardins de infância o profissional era o professor, destinado à tarefa de educar e socializar os pequenos. Na Década de 80 retomou-se a discussão sobre creches e a elaboração de proposta pedagógicas que rompe-se com o assistencialismo e passa-se a enfatizar o desenvolvimento cognitivo das crianças. Ainda nos anos 80, os cursos de pedagogia passam a ter dentre suas habilitações a formação para a pré-escola. Em MS, segundo pesquisas, realizadas por Silva (2003), a formação de profissionais para a educação das crianças pequenas, era atendida por curso de formação em serviço, projetos de extensão universitária, cursos promovidos por instituições como pela Organização Mundial pra a Educação Pré-Escolar (OMEP), pela Legião Brasileira de Assistência (LBA) e por outras entidades, além dos manuais elaborados e divulgados pelo Movimento Brasileiro de Alfabetização (MOBRAL) e por várias publicações do Fundo das Nações Unidas pra a Infância (UNICEF).

3 3 Nos anos 70 a Secretaria Estadual de Educação de Mato Grosso ofereceu cursos de formação para professoras que trabalham na casa Escola Infantil do Bom Senso, que foi a primeira iniciativa pública para as crianças de quatro a seis anos. Um segundo tipo de formação foram os cursos do Programa de atendimento ao Préescolar (PROAPE), visando complementar uma proposta pedagógica para a pré-escola, baseado na teoria piagetiana. Outro tipo de formação oferecida foram os cursos da OMEP que capacitava as professoras para atuar na pré-escola até o início dos anos 90, com o reconhecimento da Legislação do Conselho Estadual de Educação de Mato Grosso do Sul. Segundo a Política Nacional de Educação Infantil (1994), o adulto que atua na área de educação deve ser reconhecido como profissional, requerendo a valorização no que respeita ás condições de trabalho, plano de carreira, remuneração e formação, sendo que condições deverão ser criadas para que os profissionais de educação infantil que não possuam a qualificação mínima, de nível médio, obtenham-na no prazo máximo de 8 (oito) anos. Após a LDB de 1996 alguns cursos de pedagogia passam a se ocupar da formação de profissionais para a educação infantil, incluindo as crianças de 0 a 6 anos, situando-a como primeira etapa da Educação Básica (Art.24). Ela caracteriza o professor, como docente, cuja formação se fará em nível superior, admitindo-se como formação mínima a oferecida em nível de ensino médio- modalidade Normal (Art.62) Nas disposições transitórias determina que até o fim da década da Educação somente serão admitidos professores habilitados em nível superior ou formados por treinamento em serviço. (Art.87) Notamos que na Educação Infantil, em especial creche estão inseridas duas profissionais com formações distintas num mesmo espaço (sala de atendimento), para a atendente é exigida apenas que ela desenvolva ações de cuidados, nenhum curso a qualifica para as funções que ela terá que desempenhar, em relação ao grau de escolaridade destas notamos que diante dos dados apresentados algumas possuem nível fundamental incompleto. Para a professora é exigido formação em nível superior, no entanto não sabemos de que forma o cuidar e educar são contemplados em sua formação. O professor de educação infantil ao adentrar no espaço da creche acaba entrando em conflito ou não com um profissional que já estava ali, um profissional cuja força de trabalho é muito mais barata. No entanto o que vemos é que ambas cuidam do seu próprio trabalho sem se preocupar em desenvolver uma ação conjunta, a própria hierarquia de funções impede que uma se interesse pelo trabalho que é desenvolvido pela outra.

4 4 As práticas de cuidar e educar diante dos documentos A LDB de 1996 trouxe um fato novo ao colocar a educação infantil (creche e préescola) como a primeira etapa da educação básica, começa a ficar visível nos documentos posteriores a ênfase na integração do cuidar e educar. A creche que antes estava sobre a responsabilidade da secretaria de Assistência passa para o setor educacional. O Referencial Curricular Nacional para a educação infantil, criado em 1998, pelo Ministério da Educação, propõe a indissociabilidade das ações de cuidar e educar crianças de 0 a 6 anos idade, sem hierarquizar os profissionais ou a instituição que atuam com as crianças pequenas. De acordo com o referencial, educar significa: (...) propiciar situações de cuidados, brincadeiras e aprendizagens orientadas de forma integrada e que possam contribuir para o desenvolvimento das capacidades infantis de relação interpessoal, de ser e estar com os outros em uma atitude básica de aceitação, respeito e confiança, e o acesso, a educação poderá auxiliar o desenvolvimento das capacidades de apropriação e conhecimento das potencialidades corporais, afetivas, emocionais, estéticas, na perspectiva de contribuir para a formação de crianças felizes e saudáveis. (RCN/I, vol. I, 1998, p.23) Já o cuidar é definido como: (...) parte integrante da educação, embora exigir conhecimentos, habilidades e instrumentos que extrapolam a dimensão pedagógica, ou seja, cuidar de uma criança em um contexto educativo demanda integração de vários campos de conhecimentos e a cooperação de profissionais de diferentes áreas. (RCN/I, vol.i, 1998, p.24) O desenvolvimento integral depende tanto dos cuidados relacionais, que envolvem a dimensão afetiva e dos cuidados com os aspectos biológicos do corpo, como a qualidade da alimentação e dos cuidados com a saúde, quanto da forma como esses cuidados são oferecidos e das oportunidades de acesso a conhecimentos variados. Para cuidar é preciso antes de tudo estar comprometido com o outro, com sua singularidade, ser solidário com suas necessidades, confiando em suas capacidades. Disso depende a construção de um vínculo entre quem cuida e quem é cuidado. (RCN/I, vol. I, 1998, p.24/25) Assim, o cuidar deixa de ter uma conotação assistencialista e pode adquirir um caráter educativo se for visto como um momento privilegiado de interação entre criança-criança e criança-adulto, ao mesmo tempo em que o ato de educar perde aquele caráter exclusivamente escolar, com a preocupação exacerbada com o intelecto. (SILVA, 1999) Podemos também observar a questão do cuidar e educar nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil:

5 5 As instituições de Educação Infantil devem definir em suas propostas pedagógicas, práticas de educação e cuidados, que possibilitem a integração entre os aspectos físicos, emocionais, afetivos, cognitivos/lingüísticos e sociais da criança, entendendo que ela é um ser completo, total e indivisível. (Resolução nº022/98, artigo 3º inciso III) Nesses documentos podemos notar a proposta de integração entre o cuidar e o educar na Educação Infantil, no entanto não é mencionado que as práticas dos dois profissionais devem caminhar juntas, ou que devam partir de uma mesma proposta educativa. O cuidar e o educar de crianças de 0 a 6 anos envolve uma visão integrada de desenvolvimento da criança, dessa forma, os profissionais que trabalham com a criança pequena devem tomar precações para que suas práticas não se transformem em ações mecanizadas, guiadas por regras. O cuidar e o educar são duas práticas que devem caminhar de maneira indissociável, possibilitando que ambas as ações construam na totalidade, a identidade e autonomia da criança. A ação conjunta dos educadores e demais membros da equipe da instituição é essencial para garantir que o cuidar e o educar aconteçam de forma integrada. Essa atitude deve ser contemplada desde o planejamento educacional até a realização das atividades em si. A creche é o espaço do cuidado e da educação indissociados e indissociáveis. O cuidado e a educação, são na esfera pública, o direito à educação para as crianças de 0 a 6 anos. (ÁVILA, 2002, p.126) METODOLOGIA Na finalidade de analisar como vêm sendo desenvolvidas as práticas de cuidar e educar diante das relações entre professoras e assistentes e entre elas e as crianças, no cotidiano da Educação Infantil. A pesquisa iniciou-se com estudos teóricos sobre os temas: educação infantil, cuidar e o educar, profissionais da educação infantil. Analisou-se como o cuidar e o educar estão transpostos nas políticas educacionais, entre eles atentou-se no estudo de dois documentos, Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil (1998) e o Referencial Curricular para a Educação Infantil (1998). A presente pesquisa se concretizou na Creche Municipal Maria Candelária, localizada na parte alta da cidade de Corumbá, do Estado de Mato Grosso do Sul. Optamos para melhor observação em delimitar nosso campo empírico na Creche em duas salas, que foram os níveis 3A e 3B, as crianças dessa sala estavam na faixa etária de dois a três anos de idade, cada sala possuía uma professora e uma assistente.

6 6 As visitas ao campo foram permeadas pela observação e consequentemente o seu registro no diário de campo; foram elaboradas entrevistas destinadas às professoras e às assistentes da creche; as entrevistas possuíam perguntas abertas e de múltipla escolha. A pesquisa foi analisada através de uma visão qualitativa dos dados alcançados. Realizou-se conversas informais com as professoras e as assistentes o que nos possibilitou conhecer um pouco mais sobre os papéis que desempenham na creche, além de conversas com a diretora o que nos possibilitou ter em mãos a proposta pedagógica da instituição, fato que favoreceu um maior enriquecimento da pesquisa. RESULTADOS E DISCUSSÃO Instituição pesquisada Esta pesquisa foi realizada na creche municipal Maria Candelária Pereira Leite, localizada no bairro Centro América, na parte alta da cidade de Corumbá-MS. Essa instituição de atendimento a criança pequena foi fundada em 1985, através do Decreto Municipal Nº. 270/98, pelo Ex-Prefeito Municipal Eder Moreira Brambilla; atende crianças de zero a quatro anos de idade, é mantida pela Prefeitura Municipal de Corumbá. Atualmente, a creche atente 100 crianças em período integral, que são divididas em diferentes níveis de acordo com a faixa etária, ainda apontamos o número de crianças em cada nível, conforme podemos observar na tabela abaixo: Nível Faixa etária Número de Crianças por Nível 1 (berçário) Zero a um ano de idade; 16 2 Dois a três anos de idade; 34 (turmas A e B) 3 Três a quatro anos de idade. 40 (turmas A e B) Por cada nível, é responsável uma professora e uma assistente, com exceção do Nível 1 (Berçário) que possui uma professora e duas assistentes para cada período, apenas duas professoras trabalham durante os dois períodos na creche. A creche possui num total de oito professores, todos têm nível superior, sete em pedagogia e uma em psicologia, destes, seis são efetivos na instituição e quatro são contratados. As assistentes que permanecem na sala de atendimento totalizam em 12 profissionais, sendo que dez possuem ensino médio completo, uma tem nível superior e uma tem nível fundamental incompleto. A creche ainda conta com mais seis funcionários de serviços diversos, todos tem ensino médio completo.

7 7 Objetivos da instituição A instituição visa oferecer o atendimento a crianças de ambos os sexos e todos os credos e raças, sem discriminação, aos filhos de mães trabalhadoras ou não, criando um ambiente de acolhimento que dê segurança e confiança às crianças, garantido oportunidade para que sejam capazes de: Experimentar e utilizar os recursos de que dispõem para a satisfação de suas necessidades essenciais, expressando seus desejos, sentimentos, vontades e desagrados e agindo com progressiva autonomia; Familiarizar-se com a imagem do próprio corpo, conhecimento progressivo de seus limites, sua unidade e as sensações que ele produz; Interessar-se progressivamente pelo cuidado com o próprio corpo, executando ações simples relacionadas à saúde e higiene. Relacionar-se progressivamente com mais crianças, com seus professores e demais profissionais da instituição, demonstrando suas necessidades e interesses. Esses objetivos estavam dispostos na Proposta pedagógica criada no ano de 2004, pelo corpo docente e auxilio da diretora da creche. Nessa proposta estão definidos os conteúdos ou áreas de conhecimento que permearam no trabalho com a criança pequena na instituição, foram destacadas as seguintes: Movimento Expressividade Equilíbrio e coordenação Música Artes visuais Linguagem oral e escrita Natureza e sociedade Matemática Além das atividades permanentes: Alimentação Sono Higiene

8 8 Caracterização dos sujeitos da pesquisa Foram entregues no total de dezenove entrevistas na instituição, doze foram entregues para as assistentes que trabalham diretamente com a criança pequena e sete para as professoras; dessas entrevistas retornaram apenas doze, sendo que sete eram das assistentes e cinco das professoras, ressaltamos ainda que sete das entrevistas não foram devolvidas. 1. As assistentes - como são chamadas - possuem idade entre 21 e 59 anos, a cor da pele varia entre parda e branca, três assistentes são casadas, três são solteiras e uma é separada, 80% delas são mães, o número de filhos permeia entre um a seis filhos. O tempo em que trabalham na educação infantil varia entre 3 meses a menor e 20 anos a maior e o tempo de serviço na instituição em que trabalham hoje varia entre 3 meses a 10 anos de serviço. Seis dessas profissionais já participaram de algum curso de capacitação na área de educação infantil. Ressaltamos, ainda, que cinco assistentes possuem ensino médio completo, duas ensino Fundamental incompleto e uma nível superior no curso de Pedagogia. Foi perguntado como elas consideram as condições de trabalho: uma respondeu como sendo ótimo, três bom, uma regular e uma como sendo péssimo. O mesmo foi perguntado em relação a remuneração no qual apenas duas responderam como sendo bom, e três como regular e uma como péssimo, o salário ganho por período correspondem a um salário mínimo. As maiores dificuldades encontradas como assistentes de crianças pequenas foram o fato de terem que ficar sozinha na sala com as crianças, a quantidade de crianças na sala, cuidar de criança, na hora do banho e a falta de materiais pedagógicos. Os aspectos cansativos destacados, na maioria estavam relacionados à rotina do banho, fazer faxina na sala e no banho e cuidar de crianças. Os aspectos gratificantes na creche foram marcados como sendo a hora do sono, crianças limpas e saudáveis, carinho e respeitos das crianças. Seis assistentes afirmaram que existe divisão de tarefas entre ela e a professora da sala, o motivo dessa divisão são visíveis na hora do banho das crianças e quando a professora fica com a parte pedagógica. O que diferencia a divisão é o grau de escolaridade que elas possuem. A relação existente no trabalho entre elas e as professoras para a maioria é considerada como sendo ótima e bom e uma minoria como sendo péssima. 2. As professoras- possuem idade entre 29 e 37 anos, a cor da pele varia entre parda e preto, três delas são casadas, uma é solteira e uma é viúva, quatro professoras são mães, o número

9 9 de filhos varia entre um a sete. Todas as professoras possuem nível superior em pedagogia, duas professoras já fizeram um curso de especialização e uma está fazendo. Duas professoras trabalham na educação infantil há cinco anos, uma a três anos, uma há 3 meses e uma há 14 anos, o tempo de trabalho que possuem na creche pesquisada varia de dois a cinco anos; duas professoras trabalham nela durante os dois períodos; todas as professoras já participaram de vários curso de capacitações, específicos para a educação infantil. Também foi perguntado às professoras como elas consideram as condições de trabalho na creche, todas responderam como sendo boa; em relação às condições de remuneração, três responderam como sendo regular e duas como boa, o salário ganho por período corresponde a dois salários mínimos. As principais dificuldades apontadas no trabalho como professora de crianças pequenas foram: a falta de recursos materiais como brinquedos, a falta de formação das assistentes, o espaço físico, o número de crianças acima do permitido por lei; apenas uma das professoras não encontrou nenhuma dificuldade. Em relação aos aspectos cansativos do dia a dia da creche, foram apontadas como sendo a rotina e a indisponibilidade de recursos. Nos aspectos gratificantes na creche foram considerados o trabalho com as crianças, o conhecimento adquiridos pelas crianças, a aceitação das crianças na instituição, o entrosamento com as crianças. A maioria das professoras afirmou que existe a divisão de tarefas entre elas e as assistentes, principalmente porque a professora fica com a parte pedagógica e a assistente com a limpeza, pelo fato de faltar capacitação para as assistentes. Mas, a maioria reconhece que também cuidam da criança. Apenas uma das professoras apontou que tenta fazer trabalho em conjunto com a assistente. Todas as professoras afirmaram ter um bom relacionamento com as assistentes. No que se refere como a professora planeja, registra e avalia o seu trabalho com as crianças a maioria os executam conjuntamente com outros professores e também sozinhas Idade das professoras 21 a 25 anos 26 a 30 anos 31 a 35 anos 36 a 40 anos Idade das assistentes 21 a 25 anos 26 a 30 anos 31 a 35 anos 36 a 40 anos 41 a 50 mais de 51 anos

10 10 Grau de escolaridade das professoras Grau de escolaridade das assistentes Nível superior Ensino fundamental Incompleto Ensino médio completo Nivel superior Tempo de trabalho na educação infantil das professoras menos de 1 ano de 6 a 10 anos de 1 a 5 anos mais de 10 anos Tempo de trabalho na educação infantil das assistentes menos de 1 ano de6 a 10 anos de 1 a 5 anos mais de 10 anos Como as professoras consideram as condições de trabalho na creche bom ótimo regular péssimo Como as assistentes consideram as condições de trabalho na creche bom ótimo regular péssimo Como as professoras consideram as condições de remuneração Como as assistentes consideram as condições de remuneração bom ótimo regular péssimo bom ótimo regular péssimo

11 11 AS PRÁTICAS DE CUIDAR E EDUCAR NO COTIDIANO DA CRECHE A partir dos dados levantados no decorrer da pesquisa procuraremos descrever e discutir como vêm sendo desenvolvidas as práticas de cuidar e educar no cotidiano da creche; é por esse motivo que se fez necessário destacarmos as profissionais incumbidas em colocálas em prática. A creche se concebe como um espaço de educação e cuidado e se constitui por profissionais com formações diversas. As professoras possuíam formação em nível superior e as assistentes na maioria possuíam ensino médio completo ou ensino fundamental incompleto, além das diferenças relacionadas à formação, existem diversos aspectos interligados, tais como os princípios, valores morais, costumes, preconceitos e suas mais variadas visões de mundo, constituídos em uma esfera sócio, histórico e cultural. Tais aspectos acabam por direcionar suas ações, também fica visível que essas duas profissionais são responsáveis em desempenhar diferentes papéis no trabalho com as crianças pequenas. (...) esses fatores interferem na organização do trabalho cotidiano, embora não houvesse consciência dessa interferência e dessas diferenças quanto à forma de conceber o trabalho de cada segmento profissional. (ÁVILA, 2002, p.75) Tais influências puderam ser observadas através de duas cenas que ocorreram durante a pesquisa de campo, a primeira com a professora que não viu mal algum no fato dos meninos brincarem com bolsas de mulheres. A professora distribui brinquedos para as crianças, entre os brinquedos tinha duas bolsas dois meninos as pegaram e a colocaram no pescoço e começaram a passear pela sala, a professora viu e nada disse (diário de campo, Nível 3A, 14:00 horas, dia 10/05/2005) A segunda se refere ao fato da assistente ter demonstrado em sua atitude preconceitos que impedia os meninos de brincarem com brinquedos classificados como sendo de meninas; A assistente pegou um saco de bonecas, os meninos começaram a pedir e ela respondeu que bonecas era só para meninas. (Diário de campo, Nível 3B, 9:00 horas, dia 05/04/2005) Atitudes como o da assistente também é observada na prática de muitos educadores. Tais exemplos nos levam a refletir sobre a convivência da criança com adultos constituídos por princípios e valores extremamente opostos. Apontamos ainda que esses dois profissionais estão influenciando no modo de pensar e agir de futuros adultos. Devemos estar cientes de que no contexto da creche, apesar de existir um profissional específico para desenvolver as atividades pedagógicas (educar) e outro para as atividades de

12 12 cuidados básicos (cuidar), percebemos que tanto a professora quanto a assistente educa e cuida das crianças pequenas ao mesmo tempo. Porém, essas práticas são desenvolvidas por profissionais que possuem distintas concepções, além das diferenças relacionadas à formação, de modo que, suas ações são permeadas por objetivos diferentes em relação ao desenvolvimento dessa criança. Ou seja, cada profissional educa e cuida do modo que acredita ser correto. As professoras são reconhecidas por tratarem de questões ditas pedagógicas, ensino/aprendizagem e as monitoras por tratarem de questões ligadas aos cuidados. Tal associação traz as separações: mente/corpo; trabalho manual/trabalho intelectual; natureza/cultura; razão/emoção. (ÁVILA, 2002, p.2) A professora é responsável por desenvolver as atividades ditas pedagógicas, organiza e propõe atividades lúdicas e os espaços onde elas serão realizadas, além de disponibilizar os materiais necessários para a sua execução; na maioria das atividades propostas nota-se a preocupação em desenvolver as habilidades motoras, sensoriais e perceptivas nas crianças. A professora pegou três cadeiras, colocou-as enfileiradas, ao final da última cadeira colocou uma pequena escada que possuía três degraus, a professora demonstrou o que as crianças deveriam fazer, elas deveriam passar por baixo das cadeiras e depois subir nos degraus da escada e com a ajuda da professora iriam pulá-lo. (Diário de campo, Nível 3A, 14:00 horas, dia 01/04/2004) Além das atividades relacionadas à ampliação das habilidades motoras, são desenvolvidas atividades relacionadas à literatura infantil, brincadeiras de rodas; a professora costuma frequentemente organizar as crianças em círculo para cantarem cantigas de roda. Também são organizadas atividades em que as crianças possam brincar de forma mais livres e espontâneas, um momento onde elas criam e inventam as suas próprias brincadeiras e exploram com maior intensidade o ambiente à sua volta, sem a intervenção direta da figura do adulto. A professora pegou uma caixa com brinquedos e distribui entre as crianças, um menino estava enfileirando na parede as pequenas placas de madeira. (Diário de campo, Nível 3A, 14:15 horas, 16/03/05) No trabalho desenvolvido pelas assistentes na creche fica visível que suas ações são mais voltadas para os cuidados relacionados à alimentação, higiene e sono das crianças; além de fazerem a faxina das salas de atendimento e dos banheiros, também auxiliam as

13 13 professoras na organização das crianças durante algumas atividades e cuidam para que elas não briguem ou se machuquem. Segundo campos (1994): Os profissionais que atuam nas creches- com denominação diversa: monitoras, educadoras, ADIs, recreacionistas, e outras - são mulheres com pouca escolaridade, com salário reduzido, das quais se espera disposição para limpar, cuidar, alimentar e evitar riscos de quedas e machucaduras, controlando e contendo certo número de crianças. (CAMPOS, 1994, p.32/33) Ao observarmos a rotina dessa instituição verificamos que essa atividade é a que ocupa maior tempo se compararmos com o tempo destinado para as atividades pedagógicas. A assistente fica andado pelo refeitório na hora do almoço, ajudando algumas crianças a comer, recolhendo prato das que já terminaram, perguntava se queriam comer mais, servia água e limpava a boca das crianças. (Diário de campo, refeitório, 11:30 horas, dia 13/04/05) A assistente se levantou, e caminhou até o banheiro e chamou quatro meninas para dar banho. No momento do banho a assistente fala: -Cadê a sua mochila? - Vai jogando água! - Não abre a torneira! (Diário de campo, Nível 3ª, 14:00 horas, dia 15/04/2005) Nas entrevistas realizadas com as assistentes, a hora do banho foi apontado como um dos momentos mais cansativos da rotina da creche, pois alegam que são muitas crianças para dar banho, tirar e colocar roupas e pentear cabelos em um determinado tempo. Geralmente, o banho é realizado no período da manhã, antes do almoço e no período da tarde antes do jantar; ressaltamos que para cada período há uma assistente, todas trabalham em apenas um período na creche. Conhecendo-se as necessidades das crianças, o banho, a alimentação e o descanso terão papel de destaque na dinâmica do dia-a-dia. Mais do que um ritual de limpeza, o banho acalma a criança, ajuda a fortalecer laços afetivos e proporciona prazer. Representa divertimento, descoberta e proximidade ao ser realizado num ambiente previamente preparado. (ÁVILA, 2002, p.97) A correria do dia-a-dia na creche de certa forma impede a criança de vivenciar esses momentos de prazer, descoberta e divertimento durante as atividades relacionadas aos cuidados, principalmente na hora do banho, das refeições e do descanso; esses momentos ocorrem sempre de maneira rápida e mecânica. Assim, os momentos rotineiros, como as refeições ou higiene pessoal, muitas vezes considerados como tendo pouca importância, permite-nos estabelecer relacionamentos que oferecem as crianças possibilidades de compreender, aprender, analisar, reconhecer e recordar.

14 14 Tudo depende da forma como os adultos se relacionam com ela. (GHEDINI, Apud ÁVILA p. 90) Apesar da confirmação da presença da divisão de trabalho na creche entre as professoras e assistentes, também foi notado que as práticas desenvolvidas por ambas acabam se contagiando. A assistente muitas vezes se deparava com situações inesperadas, onde ela acabava manifestando conhecimentos aprendidos no convívio com a professora. Presenciamos várias situações onde as assistentes ficaram na sala com as crianças sem a presença da professora, mas em nenhum momento presenciamos a professora com as crianças sem a presença das assistentes. As crianças estavam na sala somente com a assistente, elas estavam sentadas em círculo, a assistente cantava algumas cantigas de roda e as crianças acompanhavam. A assistente disse: - Vamos lá atirei o pau no gato! - Não vi ninguém cantando! Quando a assistente errava a letra da cantiga alguma criança a corrigia. (Diário de campo, Nível3B, 14:00 horas, dia 30/03/2005) Nesse momento, a assistente percebeu que não podia deixar as crianças ociosas por muito tempo, algo deveria ser feito mesmo não tento consciência do objetivo da prática que estava desenvolvendo, ela sabia que essa atividade acalmava e chamava atenção das crianças. Houve também, uma sensibilidade por parte dessa profissional que ao perceber que as crianças tinham perdido o interesse pela atividade, logo propôs outra. (...) a contaminação das práticas educativas mostram a impossibilidade de separar cuidado e educação, a cabeça do corpo, a razão da emoção o cognitivo e o afetivo (...). (ÁVILA, 2002, p.221) A assistente vendo que a maioria das crianças não queria mais cantar, então resolveu pegar a caixa de brinquedos e distribuiu para elas, deixando-as livres para brincar. (Diário de Campo, Nível 3B, 14,00 horas, dia 30/03/2005) Mas nem sempre uma atitude como essa é tomada, presenciamos também situações em que havia a ausência da professora na sala e a assistente demonstrou que não sabia o que fazer com as crianças, assim achou mais plausível deixá-las sob controle. As crianças começaram a levantar do chão e a assistente pediu que as crianças voltassem a sentar e que ficassem encostadas na parede. A assistente falou para quatro crianças que estavam na porta da sala:

15 15 - Quem mandou ficar na porta! - Todo mundo sentado perto da parede! A assistente caminhou até a porta e pegou na mão delas, e as levou até o canto da sala. (Diário de campo, Nível 3A, 15;00 horas, dia 18/03/05) A contaminação de práticas também ocorre por parte da professora, que acaba se envolvendo com as atividades de cuidados físicos, por exemplo, a professora costuma pentear o cabelo das crianças após o banho, junto com a assistente ela serve o lanche, o almoço e a janta. As meninas que já tinham tomado banho iam até a professora que estava sentada numa cadeira, com a escova de cabelo na mão (Diário de campo, Nível 3A, 14:15 horas, dia 16/03/05) È importante focar que as práticas desenvolvidas pelos profissionais acabam se contaminando até mesmo pelas necessidades encontradas no dia-a-dia da creche. No entanto, essas ações não são pensadas e nem feitas de modo planejado e integrando. Cada profissional educa e cuida da criança à sua maneira, baseado na sua própria concepção de mundo. Chamo a atenção para o aspecto de que não é o cuidado e a educação que estão separados. (cuidar e educar estão indissociáveis) - não há uma profissional que cuida (monitora) e outra que educa (professora) são as ações educativas de cada profissional que estão separadas e cada uma pensa e faz seu trabalho paralelamente. Ambas estão cuidando e educando as crianças e trocando informações sobre elas, no entanto, uma profissional não entra naquilo que seja considerado esfera de atuação de outra profissional. (ÁVILA, 2002, p.100) Uma das professoras relatou que se assustou quando entrou na creche, porque ela não estava acostumada a fazer o que ela faz e disse que não é paga para ficar penteando o cabelo das crianças, mas não tem como não o fazer, como ela iria deixar a assistente fazer tudo sozinha. Esse relato demonstra que as atividades relacionadas aos cuidados básicos da criança não fazem parte do trabalho e nem do planejamento das professoras, elas apenas ajudam as assistentes. Essa afirmação vem a confirmar a existência da divisão de papéis e a presença da hierarquia nas relações entre as profissionais da creche. Assim, cuidar e educar, que deveriam ser propostas de uma mesma prática pedagógica, tornam-se divisores de águas da função exercida por esses profissionais em seu cotidiano de trabalho: cuidar passa a ser de responsabilidade daquele que possui menos formação (a auxiliar, a crecheira, etc.), ao passo que o educar torna-se responsabilidade do profissional com mais formação. (LANTER, 1999) Através das entrevistas realizadas notamos que o professor fica com a parte pedagógica; nas respostas das assistentes e das professoras fica explícito que as assistentes são

16 16 incumbidas de realizar as tarefas relacionadas aos cuidados físicos e da higiene pessoal da criança. Porém, algumas professoras demonstram a preocupação em realizar um trabalho integrado, mas segundo elas, a falta de formação das assistentes dificulta a sua realização. Tal divisão de trabalho é reflexo do próprio sistema capitalista, onde o trabalho acaba sendo dividido para obter rapidez em receber o produto final, porém os envolvidos na sua produção não participam de todas as etapas da qual resulto o produto. A pedagogia italiana (Montovanni e Perani) nos permite ver uma relação dialética nesta questão: Não há incompatibilidade entre contar uma história e trocar a roupa de uma criança. È possível trocar-lhe a roupa e contar-lhe uma história. Sem perder de vista o objetivo educativo presente nesta ação. (FARIA, Apud ÁVILA, 2002, p. 97) Fica visível na rotina da creche, momentos onde é revelado a existência de hierarquia durante as relações de trabalho, entre a professora e a assistente, apesar de haver momento de contágio das práticas desenvolvidas por ambas. Outro aspecto analisado diz respeito aos confrontos e conflitos vividos entre essas profissionais no dia-a-dia da creche. A relação com meu professor é péssima, ela com todo esse estudo que ela tem e eu apenas com 1º grau. Os professores por serem pedagogos ou psicólogos alegam que tem nível superior, nós assistentes não temos grau de escolaridade, temos que ralar, realmente. A divisão é a professora dá atividade para quatro e a assistente cuida do restante. (entrevista realizada com as assistentes) A assistente demonstra que está ciente das diferenças existentes entre ela e a professora, principalmente pelo grau de escolaridade que ambas possuem; afirma também a falta de importância do papel pedagógico desempenhado pela professora e considera que fica com as crianças muito mais tempo que a professora e que o seu trabalho é muito mais cansativo. As diferenças existentes entre professoras e assistentes contribuem para a ocorrência de situações conflituosas nas suas relações de trabalho. Os trabalhadores da creche têm diferentes formações escolares, o que dificulta o seu trabalho enquanto grupo. È um grande engano supor que o trabalho em grupo esteja garantido, ao invés de considerá-lo como uma competência que deve ser adquirida... (GHEDINI, Apud ÁVILA, 2002, p.75) Todo trabalho em grupo é conflituoso, principalmente quando os objetivos de suas ações perpassam por diferentes caminhos, porém vimos que a integração entre as práticas de cuidar e educar vai depender muito da escolha de um mesmo caminho (objetivo) para direcionar suas práticas. No entanto, para que essa unificação ocorra depende de fatores que o possibilitem, pois percebemos que a própria rotina da creche impede que a proposta do

17 17 professor esteja integrada com a prática desenvolvida pela assistente. A integração entre as práticas é um processo que ainda se encontra em construção. Destacamos ainda, que a própria formação acadêmica do profissional para a educação infantil não o subsidia o suficiente para que ele possa integrar em sua proposta pedagógica a ação de cuidados com caráter educativo. Em relação à interação entre adulto-adulto, podemos dizer que há uma relação de respeito entre ambas e pelo papel que desempenham; notamos ainda que a própria rotina na creche contribui para que haja pouco diálogo entre as duas profissionais. As poucas conversas presenciadas entre elas estavam relacionados à criança, mas também surgem conversas relacionadas a outros assuntos. A professora notou a falta da Soraia na sala e perguntou a assistente onde ela estava, a assistente respondeu que ela estava no banheiro (Diário de campo, nível 3A, horas 14:00, dia 12/05/05) A assistente perguntou a professora se ela iria assistir ao filme que estava passando no moinho cultural, comentou com a professora que ela não conseguiu assistir porque estava com seus netos e o filme era proibido para menores. (Diário de campo, nível 3A, horas14:00, dia 12/05/05) Durante o momento em que a professora fica desenvolvendo atividades com as crianças, a assistente costumeiramente fica observando-as de longe durante algum tempo e quando chega perto da hora do banho se dirige ao banheiro para limpá-lo e organizá-lo para receber as crianças. A assistente estava sentada do lado de fora da roda e apenas observava a professora e as crianças. Logo depois ela se levantou e foi limpar o banheiro. (Diário de campo, nível 3ª, horas 14:15, dia 16/03/05) Havia momentos em que a própria professora solicitava a ajuda da assistente para ajudá-la no trabalho que estava desenvolvendo com as crianças, a assistente demonstrou prazer e seriedade na hora de ajudá-la. Nesse momento houve a integração do trabalho entre a professora e a assistente, eram adultos inteiros educando crianças inteiras. A assistente pegou uma cola e ajudou a professora a passar cola nas folhas de sulfite e também ensinava como as crianças deveriam colocar o barbante sobre o papel. (Diário de campo, nível 3A, horas 14:00, dia 12/05/05) A professora estava sentada e pediu para a assistente pegar os brinquedos de encaixe, depois a assistente sentou no chão e ficou olhando as crianças brincando. (Diário de Campo, Nível 3A, horas 14:00, dia 11/03/05)

18 18 As professoras e assistentes encontravam-se cotidianamente, estavam juntas, mas suas práticas não estavam totalmente integradas. Portanto, havia tentativas de integração quando a assistente era convidada a participar das atividades que a professora estava desenvolvendo e quando professora e assistente trocavam informações sobre as crianças. Na interação entre adulto-criança, a questão da afetividade está presente tanto nas ações das professoras quanto das assistentes pelas crianças e destas por ambas as profissionais. As crianças também procuravam tanto as professoras, como as assistentes. Estas eram procuradas não só com o objetivo de satisfazer as suas necessidades básicas como higiene e alimentação, mas como uma forma de buscar colo e assim as sensações de conforto, aconchego e carinho. As crianças são capazes de estabelecer múltiplas relações entre elas e entre elas e os adultos. A assistente sentou numa cadeira, Soraia foi até ela, a assistente abraçou-a e ficou conversando com ela. (Diário de campo, nível 3A, 13:30 horas, dia 28/04/05) Soraia sentou no colo da professora, começou a passar a mão no seu rosto e a professora conversava com ela nesse momento. (Diário de campo, nível 3A, 14:20 horas, dia 10/05/05) Um fato que nos chamou a atenção foi a maneira como as crianças chamam as professoras e as assistentes, ambas são chamadas de tias. Quando a professoras não se importam de ser chamadas de tias, negligenciam uma dimensão da profissionalização e da política de atuação técnica que possui. (Ávila, 2002, p. 92) Uma menina falou para a professora: _ Tia eu sou uma coelhinha? Um menino pegou a sua mochila e disse para a assistente: - Tia já! (Diário de campo, nível 3B, 15:00 horas, dia 23/03/2005) Uma última questão a ser destacada é que os adultos responsáveis pelas crianças impediam que elas se expressassem, que fossem espontâneas; ou seja, elas eram limitadas por regras, pela disciplina, pela ordem. - Welliton, não mexe aí! Thaís vem pra cá! - Senta Geovani! - Fica todo mundo sentado! - Podem sair da porta! (Fala da professora e da assistente)

19 19 Nesse sentido, pode-se afirmar que ambos os profissionais desconsideram a importância do movimento, da brincadeira espontânea, da imaginação e da criatividade, privilegiando a ordem o silêncio e o ficar quieto. CONSIDERAÇÕES FINAIS No decorrer da pesquisa, observamos que as práticas de cuidar e educar são indissociáveis no cotidiano da creche, no entanto o que se encontra separado são os objetivos que permeiam nessas práticas; cada profissional educa e cuida da criança ao mesmo tempo, do modo que acredita ser correto. Há momentos em que os profissionais acabam utilizando conhecimentos que aprenderam no convívio com o outro, esses momentos demonstram a tentativa de aliar suas práticas, apesar de ambas as ações serem pensadas, planejadas e executadas de maneira separada. Essas tentativas também são percebidas quando a professora convida a assistente para participar das atividades que desenvolve e quando ambas trocam idéias e conversam sobre as crianças. A própria divisão de trabalho existente na creche acaba demarcando o trabalho que deve ser realizado por cada uma dessas profissionais. È através de suas relações de trabalho que notamos que ela se estabelece de forma contraditória e muitas vezes conflituosa, pois profissionais com características e princípios tão diferentes acabam se confrontando e negando a importância um do outro neste contexto. Através das relações estabelecidas entre professoras e assistentes, percebemos ainda a presença de hierarquia, que acaba existindo principalmente pelo fato de cada profissional possuir formações distintas e por serem incumbido em realizar determinadas tarefas. Essa distribuição de tarefas cria barreiras que impedem esses profissionais de adentrarem no trabalho que é desenvolvido pelo outro. Apesar de considerarmos que nesse contexto a integração das práticas é um processo que se encontra em construção, apontamos ainda a importância da criação de uma proposta educativa que considere o cuidar como parte integrante e vice-versa. No entanto, antes se faz necessário que a própria formação acadêmica do profissional de educação infantil dê subsídios para assegurar essa junção, além de capacitar, também as assistentes com conhecimentos relativos à criança pequena e seus direitos. A indissociabilidade entre as práticas de cuidar e educar requer que ambos os profissionais tenham os mesmos objetivos em suas ações, de modo que juntas proporcionem o

20 20 desenvolvimento infantil nos aspectos físicos, emocional, afetivo, cognitivo, lingüístico e social e assegurem em sua totalidade, a identidade e autonomia das crianças, livre de preconceitos e ideologias de caráter dominante. Assim, percebe-se a necessidade de políticas públicas especificas para a formação dos Profissionais de Educação Infantil que contemplem as práticas de cuidar e educar, pois notase que essas ações ainda não se encontram bem definidas diante dos documentos oficiais voltados para a educação infantil, assim como também o oferecimento de cursos que integrem a participação dos dois profissionais que atuam nesse espaço. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ÁVILA, Maria José Figueiredo. As professoras de Crianças Pequenininhas e o Cuidar e Educar. Um estudo sobre as práticas educativas em um CEMEI de Campinas/SP. Dissertação (Mestrado Educação) UNICAMP BRASIL. Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil/ Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental.- Brasília: MEC/SEF,1998. BRASIL. Parecer CEB nº 022 de 17 de dezembro de Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF. Disponível em: BRASIL. Lei n.º de 20 de dezembro de Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDBEN, 1996 Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. FOREST, Nilza Aparecida. Cuidar e Educar. Perspectiva para a prática pedagógica na educação infantil. Acessado em: 8 abril de LANTER, Ana Paula. A política de formação do profissional de educação infantil: os anos 90 e as diretrizes do MEC diante da questão. In: KRAMER, Sonia; LEITE, Izabel M. ; NUNES, Maria F. e GUIMARÃES, Daneila. (orgs.) Infância e educação infantil. Campinas: Papirus, SILVA, Anamaria S. A professora de Educação Infantil e sua formação universitária. Tese (doutorado em Educação). Curso de Pós-Graduação em educação, Universidade de Campinas, VIEIRA, Lívia Maria Fraga. A formação do profissional de educação infantil no Brasil no contexto da legislação, das políticas e da realidade do atendimento. Revista quadrimestral, Faculdade de Educação Unicamp. V.10, n.1, p.28-39, março

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL Acacia Silva Alcantara Graduanda/UEPB Danielly Muniz de Lima Graduanda/UEPB Glória Mª Leitão de Souza

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniele Barros Vargas Furtado Universidade Federal de Santa Maria dbvfurtado@yahoo.com.br Resumo Sendo a matemática tão presente em

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1007 O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Viviane Aparecida Ferreira

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Ana Lucia da Silva 1 Franchys Marizethe Nascimento Santana Ferreira 2 O presente projeto justifica-se pela necessidade verificada,

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo RIBEIRO, Amanda de Cassia Borges - UFSM acbr_amanda@hotmail.com JAHN, Angela Bortoli UFSM abjahn@terra.com.br BELING, Vivian Jamile UFSM

Leia mais

Palavras-chave: Creche, assistencialista, cuidar educar, dificuldades

Palavras-chave: Creche, assistencialista, cuidar educar, dificuldades EDUCAÇÃO SE TRAZ DA CRECHE: DIFICULDADES DE EDUCAR-CUIDAR EM UMA CRECHE DA REDE MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Aristeo Gonçalves Leite Filho Daise Silva dos Santos Resumo: O presente trabalho surgiu da experiência

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

Educação Infantil: Procedimentos. Teleaula 2. Contextualização. Educar e cuidar na Educação Infantil. Educar e cuidar. A importância do brincar

Educação Infantil: Procedimentos. Teleaula 2. Contextualização. Educar e cuidar na Educação Infantil. Educar e cuidar. A importância do brincar Educação Infantil: Procedimentos Teleaula 2 Prof. Me. Mônica Caetano da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Contextualização Pedagogia Educar e cuidar na Educação Infantil A partir da Constituição

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUBSÍDIOS PARA A REVISÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL TRABALHO ENCOMENDADO PELO MEC/SEB DIRETORIA DE CONCEPÇÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Emylle Barros de Almeida Fonseca Aluna graduanda do curso de Pedagogia - CAMEAM- UERN Thais Chaves de Oliveira

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 O PAPEL DO PROFESSOR E DO AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL E DO ESTAGIÁRIO: Um diálogo necessário OLIVEIRA, Elisangela 1 SERAFIM, Lindineide 2 OLIVEIRA, Elizabete Gaspar de 3 RESUMO O presente estudo

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR Francisca Helena Carlos- Graduanda do 7º período do Curso de Pedagogia CAP /UERN Maria Solange Batista da Silva Graduanda do

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil INTRODUÇÃO Currículo e Educação Infantil A Educação Infantil é dever e obrigação do Estado e responsabilidade política e social da sociedade e não apenas daqueles que vivenciam a realidade escolar, utilizando-se

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA CIÊNCIAS HUMANAS EDUCAÇÃO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA NATÁLIA CORRÊA Curso de Pedagogia Faculdade de Educação NEIDE BARBOSA SAISI

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE Patrícia da Silva Souza Graduanda de Pedagogia pela UEPB pipatricia278@gtmail.com Kátia Anne Bezerra da Silva Graduanda em Pedagogia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCENCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCENCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCENCIA FORMAÇÃO INICIAL DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÔES INICIAIS SOBRE O PIBID DE PEDAGOGIA Laís Vitória

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

IMPACTOS E REFLEXOS DA FORMAÇÃO LÚDICA DO EDUCADOR NAS PRÁTICAS COTIDIANAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IMPACTOS E REFLEXOS DA FORMAÇÃO LÚDICA DO EDUCADOR NAS PRÁTICAS COTIDIANAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL IMPACTOS E REFLEXOS DA FORMAÇÃO LÚDICA DO EDUCADOR NAS PRÁTICAS COTIDIANAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL BELO, Milena Domingos - UNIFESP 1 milena_dbelo@hotmail.com PANIZZOLO, Claudia - UNIFESP 2 claudiapanizzolo@uol.com.br

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

A LEGISLAÇÃO E A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

A LEGISLAÇÃO E A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL A LEGISLAÇÃO E A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL INTRODUÇÃO Márcia Barbosa Soczek 1 Este texto tem como referência básica os documentos oficiais que orientaram a implantação das políticas

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br Resumo: o presente trabalho cujo tema é a Evolução do desenho da criança teve por objetivo identificar o processo

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Bianca das Neves Silva Professora da rede municipal de Jundiaí Profa. Dra. Luciene Farias de Melo Coord. do Curso de Educação Física da Faculdade

Leia mais

JAPIASSU, Ricardo. A linguagem teatral na escola: pesquisa, docência e prática pedagógica. Campinas: Papirus, 2007.

JAPIASSU, Ricardo. A linguagem teatral na escola: pesquisa, docência e prática pedagógica. Campinas: Papirus, 2007. RESENHA REVIEW TEATRO E EDUCAÇÃO TEATHER AND EDUCATION JAPIASSU, Ricardo. A linguagem teatral na escola: pesquisa, docência e prática pedagógica. Campinas: Papirus, 2007. Danielle Rodrigues de Moraes*

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS Thyanna Silva dos Passos (Graduada/UFRB) Resumo Este trabalho tem como objetivo analisar a formação de professores e sua atuação na sala

Leia mais

Creche Municipal Pequeno Príncipe

Creche Municipal Pequeno Príncipe DESCRIPCIÓN DE LA INSTITUCIÓN UBICACIÓN GEOGRÁFICA Região: Centro Oeste Município: Porto dos Gaúchos MT Título da experiência: Construindo sua identidade no universo da brincadeira Autoras: Claudiane Eidt

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL.

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. Carmem Regina Calegari Cunha E. M. de Educação Infantil Prof Edna Aparecida de Oliveira - UDI Resumo Trabalho

Leia mais

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3.

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3. Resumo A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3 O trabalho apresentado é um relato de experiência que foi desenvolvida

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CUIDADO E EDUCAÇÃO:

CONCEPÇÃO DE CUIDADO E EDUCAÇÃO: 1 CONCEPÇÃO DE CUIDADO E EDUCAÇÃO: Ao longo dos tempos as mudanças nas evoluções educacionais possibilitaram que o educador construísse a sua identidade profissional, disponibilizando situações de aprendizagens

Leia mais

Sugestões de Rotina Diária. Creche

Sugestões de Rotina Diária. Creche jck 'Un trk Sugestões de Rotina Diária.-- Pauta:15/02/2013 Creche Idade- De 1 a 3. > Eixo Temático- Linguagem Oral e Escrita, Formação; Objetivo- Inserir a criança no mundo letrado respeitando o conhecimento

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC PREMIO AMAVI EDUCAÇÃO 2013 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO QUALIDADE

Leia mais

Capítulo I Da Educação Infantil

Capítulo I Da Educação Infantil RESOLUÇÃO Nº 443, de 29 de maio de 2001 Dispõe sobre a Educação Infantil no Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais e dá outras providências. O Presidente do Conselho Estadual de Educação, no uso das

Leia mais

Organização do espaço e do tempo na Educação Infantil. TEMA 03 Profª Luciana Ribeiro Pinheiro

Organização do espaço e do tempo na Educação Infantil. TEMA 03 Profª Luciana Ribeiro Pinheiro Organização do espaço e do tempo na Educação Infantil TEMA 03 Profª Luciana Ribeiro Pinheiro DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL (2010) (p. 19-20) Organização de Espaço, Tempo e

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL: DA LEGISLAÇÃO AO COMPROMISSO DA SALA DE AULA

EDUCAÇÃO INFANTIL: DA LEGISLAÇÃO AO COMPROMISSO DA SALA DE AULA EDUCAÇÃO INFANTIL: DA LEGISLAÇÃO AO COMPROMISSO DA SALA DE AULA BUENO, Gilmar Duarte Ribeiro UNICENTRO PR gilmarduarte@hotmail.com RODRIGUES, Roseli Viola UNICENTRO - PR jguego@yahoo.com.br Eixo Temático:

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Pedagogia 4ª Série Organização e Metodologia da Educação Infantil A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LINHARES, Clarice Schneider UNICENTRO clarinha_linhares@yahoo.com.br Área Temática: Formação de Professores Este trabalho partiu

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE Lorrania Miranda Nogueira Raquel da Silva Barroso Monica Rosana de Andrade Mateus Camargo Pereira

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO N 276/ 2000-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N 276/ 2000-CEE/MT. RESOLUÇÃO N 276/ 2000-CEE/MT. Fixa normas para a oferta da Educação Infantil no Sistema Estadual de Ensino. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais, em consonância

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALVES, Ana Paula PUCPR SAHEB, Daniele PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS RESUMO: Glenda Gabriele Bezerra Beltrão; Wanessa da Silva Reis;

Leia mais

Tripulação do Maternal A e as viagens com os piratas.

Tripulação do Maternal A e as viagens com os piratas. RELATÓRIO DE GRUPO MATERNAL A 2º SEMESTRE DE 2014 Professora: Jéssica Oliveira Professora auxiliar: Elizabeth Fontes Coordenação: Lucy Ramos Torres Tripulação do Maternal A e as viagens com os piratas.

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

AS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS DA REDE MUNICIPAL DE PRESIDENTE PRUDENTE, INQUIETAÇÕES, DESAFIOS E CAMINHOS.

AS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS DA REDE MUNICIPAL DE PRESIDENTE PRUDENTE, INQUIETAÇÕES, DESAFIOS E CAMINHOS. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 697 AS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS DA REDE MUNICIPAL DE PRESIDENTE PRUDENTE, INQUIETAÇÕES, DESAFIOS E CAMINHOS. ¹Indira

Leia mais

OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS

OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CHERUBINI, Iris Cristina Barbosa (UNIOESTE) Resumo: Este trabalho tem por propósito divulgar a importância da brincadeira

Leia mais

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS 110 A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS Dayanne Barbosa Dias Especializando em Educação Especial Inclusiva - CENSUPEG Dayanne16barbosa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho apresenta a relevância

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais