CALENDÁRIO 2014 MATERIAIS COMPLEMENTARES DIA 1 DE AGOSTO DIA DO ESTUDANTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CALENDÁRIO 2014 MATERIAIS COMPLEMENTARES DIA 1 DE AGOSTO DIA DO ESTUDANTE"

Transcrição

1 DIA 1 DE AGOSTO DIA DO ESTUDANTE ATIVIDADE 1: GINCANA ESTUDANTIL 1. RESUMO DA AÇÃO 1.1 Proposta Organizar uma gincana para que os estudantes de diferentes salas possam participar e competir, com provas de conhecimentos gerais, jogos, brincadeiras e ações de voluntariado. 1.2 Cronograma Ajuste esta tabela conforme sua necessidade e indique as datas de cada passo nas colunas das semanas. Passos 1. Apresentação e planejamento da ação Definir a ação com a direção da escola Definir e mobilizar os professores e funcionários a serem envolvidos 2. Organização da ação Definir todas as atividades e seus responsáveis 3. Realização da ação Divulgação da ação 1

2 1.3 Papéis e Responsabilidades CALENDÁRIO 2014 O voluntário: propõe, articula, organiza e executa a atividade com os alunos. A escola: apoia disponibilizando espaço para a gincana, organizando o calendário para sua realização e envolvendo os professores e demais funcionários diretamente na realização da ação. A família/comunidade: poderá contribuir com a organização e realização da atividade ou com prendas para os alunos. 2. OBJETIVOS DA ATIVIDADE Promover um momento de gincana, de forma lúdica e estimulante, para a valorização do conhecimento de diversas habilidades esportivas e cognitivas dos estudantes e engajamento voluntário dos mesmos. 3. PÚBLICO RECOMENDADO Qualquer público (Fundamental I, II ou Ensino Médio) pode participar, mas recomendamos que a escola defina quais e quantos segmentos deverão participar, conforme sua possibilidade de organização e engajamento da comunidade escolar. Os estudantes de diferentes anos de cada segmento formarão equipes para a realização de atividades conjuntas. 4. PASSO-A-PASSO PASSO 1: Apresentação e planejamento da ação Entre em contato com a escola e agende uma conversa para a apresentação e planejamento da proposta. Possivelmente, a articulação será encaminhada com a coordenação pedagógica e/ou a direção, que poderá indicar os professores, funcionários, estudantes e turmas mais adequadas para a atividade. No dia da primeira reunião de articulação é importante estar preparado. Para isso é fundamental: Levar a proposta por escrito para a instituição; Definir o período e o espaço para as ações; Pedir autorização para filmar e/ou fotografar a atividade. Nesta atividade é necessária a adesão dos professores, portanto, envolva-os em todos os passos previstos na atividade. Agende um bate papo com eles para discutir a proposta e o cronograma, buscando que todos estejam afinados no momento em que a ação for realizada com o(s) grupo(s). Aproveite também para levantar as possíveis contribuições indicadas pelos docentes. As perguntas para as gincanas deverão ser elaboradas por eles. 2

3 PASSO 2: Organização da ação Para esta ação, o processo de organização é fundamental. O voluntário deverá agir como o organizador geral, junto ao coordenador pedagógico. Algumas recomendações importantes para esse trabalho são: Deverá haver um período de planejamento de uma manhã ou tarde com a coordenação e, se possível, alguns professores. É interessante que cada equipe tenha um professor representante que a ajude na preparação e realização das tarefas ou um aluno maior que se responsabilize pela liderança do grupo. Outro período inteiro (manhã ou tarde) será necessário para a realização da gincana, com a participação dos responsáveis pelas turmas. A escola deverá decidir se é viável solicitar aos pais e comunidade doações dos materiais para os jogos e brincadeiras (sacos de corrida, por exemplo) e/ou prendas simples e baratas, como canetinhas coloridas ou guloseimas, para premiação dos alunos. Se decidirem por não premiar os alunos com prendas, as atividades valerão pontos e as equipes precisarão acumular a maior quantidade de pontos para ganhar a gincana dos estudantes. Isso já mobiliza muito os estudantes para a participação! PASSO 3: Realização da ação Organizar, junto ao coordenador e professores, todas as ações necessárias para o sucesso da gincana, incluindo a definição de um responsável para cada uma delas, conforme quadro abaixo: Ação 1. Definir quais as turmas participantes 2. Definir os espaços: - uma sala para a gincana do conhecimento - quadra ou pátio para brincadeiras e jogos - onde acontecerá a atividade voluntária 3. Dividir os alunos por atividade, de forma que todos participem de pelo menos uma delas 4. Definir os professores que ficarão em cada ambiente e os responsáveis por cada equipe 5. Definir as perguntas de cada rodada para a gincana do conhecimento 6. Definir as brincadeiras e jogos 7. Definir as atividades voluntárias 8. Montar uma programação detalhada, com horários, atividades e responsáveis Responsável 3

4 Fica a Dica Para a gincana de conhecimento... Estimule os professores a trabalharem o conteúdo do material Informação e reflexão com as salas participantes da gincana e oriente os organizadores das perguntas a inserirem curiosidades sobre a data comemorativa, sobre o movimento estudantil etc. As questões devem ser adaptadas conforme a idade dos alunos. Para os jogos e brincadeiras... Evite jogos de grande duração e pouca participação, como vôlei e handball. Dê preferência para brincadeiras que valorizam a participação, como corrida de saco, corrida da colher com ovo, queimada, etc. Para as ações voluntárias... Pense em melhorias dentro da própria escola: organização dos livros ou cantinhos de leitura na biblioteca, plantio na horta, intervenção artística na fachada da escola, etc. Não deixe de fazer fotos antes e depois da ação voluntária. Esse material será precioso para a valorização dos participantes e estímulo à replicação futura da ação com outras turmas. No dia da ação, pelo menos uma hora inicial deverá ser dedicada à organização do espaço, podendo inclusive envolver os alunos. O ambiente da gincana de conhecimento deverá ter cadeiras em destaque para os participantes e uma plateia para a torcida. O material dos jogos e brincadeiras deverá ficar sob a responsabilidade do professor que assumiu esse setor da gincana. Se possível, fale com o grupo de voluntários sobre a diferença que essa ambientação faz para o espaço e para as pessoas. A dedicação de cada equipe será recompensada! PASSO 4: Divulgação da atividade Posteriormente, a iniciativa poderá ser matéria no jornal interno, informativo ou blog da escola. Não se esqueça de publicar a atividade no site do PEB, registrando inclusive os resultados da experiência. Para isso, basta criar uma Ação Voluntária dentro da Ação Mãe. 5. ATIVIDADE COMPLEMENTAR VARAL DO MOVIMENTO ESTUDANTIL A escola poderá desenvolver uma atividade de montagem de varal sobre o movimento estudantil. O público recomendado são os últimos anos do Fundamental II e Ensino Médio. A coordenação poderá passar o conteúdo do documento Informações e reflexões, disponível no site do PEB, para estimular a ampliação da pesquisa sobre a história do movimento no Brasil e no mundo. Após seleção de conteúdos relevantes sobre o tema, poderá ser montado um varal por sala ou grupo de alunos. 4

5 Fica a Dica Para a confecção do varal... Materiais necessários: cartolinas coloridas, cola, tesoura, cordas e pregadores de roupa. O conteúdo pesquisado deverá ser impresso e colado nas cartolinas, que serão dispostas em varais. Os varais serão expostos nos espaços previamente acordados com a escola. Voluntário e professores deverão apoiar os alunos na montagem, garantindo que os varais fiquem firmes e numa altura adequada para leitura. 5

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 3 Planejando a Ação Voluntária

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 3 Planejando a Ação Voluntária Organizando Voluntariado na Escola Aula 3 Planejando a Ação Voluntária Objetivos 1 Entender a importância de fazer um planejamento. 2 Aprender como planejar o projeto de voluntariado. 3 Conhecer ferramentas

Leia mais

dicas para usar o celular nas aulas

dicas para usar o celular nas aulas E-book 11 dicas para usar o celular nas aulas Sugestões de atividades com os aplicativos mais básicos e simples de um aparelho Por Talita Moretto É permitido compartilhar e adaptar este material, desde

Leia mais

COMO ORGANIZAR UM EVENTO VAI ORGANIZAR UM EVENTO? TEMOS DICAS VALIOSAS PARA TE AJUDAR! womoz.mozillabrasil.org.br

COMO ORGANIZAR UM EVENTO VAI ORGANIZAR UM EVENTO? TEMOS DICAS VALIOSAS PARA TE AJUDAR! womoz.mozillabrasil.org.br COMO ORGANIZAR UM EVENTO VAI ORGANIZAR UM EVENTO? TEMOS DICAS VALIOSAS PARA TE AJUDAR! womoz.mozillabrasil.org.br Eventos são um dos melhores modos de fazer com que as pessoas se envolvam. Elas participam

Leia mais

Passo-a-passo para organizar Ações de Voluntariado

Passo-a-passo para organizar Ações de Voluntariado Passo-a-passo para organizar Ações de Voluntariado Um guia para dar mais autonomia aos grupos de voluntários e incentivar que organizem suas próprias ações. Grande parte das empresas estimulam que seus

Leia mais

REGULAMENTO ATIVIDADES

REGULAMENTO ATIVIDADES REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES Jandira 2012 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Atividades Complementares são componentes que possibilitam o reconhecimento, de habilidades, conhecimentos e

Leia mais

25/12: NATAL ATIVIDADE 1: PEDIDOS PARA A HUMANIDADE

25/12: NATAL ATIVIDADE 1: PEDIDOS PARA A HUMANIDADE ATIVIDADE 1: PEDIDOS PARA A HUMANIDADE 1. PASSO-A-PASSO DA AÇÃO 1.1 PROPOSTA Elaborar mensagens de solidariedade e desejos de confraternização entre os homens para serem colocadas na árvore de natal e/ou

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

C.LEO Jean Rasia. Diretoria de Preparação de Lideranças

C.LEO Jean Rasia. Diretoria de Preparação de Lideranças C.LEO Jean Rasia Diretoria de Preparação de Lideranças Planejamento de Campanhas O que é Planejamento É um processo contínuo e dinâmico que consiste em um conjunto de ações intencionais, integradas, coordenadas

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE FISIOTERAPIA Junho/2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares são prática acadêmicas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

ATIVIDADE: DIA DA FAMÍLIA NA ESCOLA

ATIVIDADE: DIA DA FAMÍLIA NA ESCOLA ATIVIDADE: DIA DA FAMÍLIA NA ESCOLA 1. PASSO-A-PASSO DA AÇÃO 1.1 PROPOSTA Organização de um encontro de integração entre a escola e a comunidade, onde o planejamento e sua realização sejam elaborados de

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Um punhado de sementes mágicas. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO O episódio Um punhado de sementes mágicas

Leia mais

PROJETO IMAGINAR CONTADORES DE HISTÓRIA DA UNICARIOCA

PROJETO IMAGINAR CONTADORES DE HISTÓRIA DA UNICARIOCA PROJETO IMAGINAR CONTADORES DE HISTÓRIA DA UNICARIOCA A UniCarioca, por meio do Núcleo de Ação Socioambiental (NASA) convida seus alunos a participarem da SEGUNDA EDIÇÃO do projeto IMAGINAR (inicialmente

Leia mais

14/11: DIA NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADE 1: CARTAZES DE APOIO À ALFABETIZAÇÃO

14/11: DIA NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADE 1: CARTAZES DE APOIO À ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADE 1: CARTAZES DE APOIO À ALFABETIZAÇÃO 1. PASSO-A-PASSO DA AÇÃO 1.1 PROPOSTA Divulgação na comunidade de cartazes com dicas de como apoiar a alfabetização das crianças. 1.2 CRONOGRAMA Ajuste esta

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG SUMÁRIO 1. Introdução 4 2. Obrigatoriedade das atividades complementares 5 3. Modalidades de Atividades Complementares

Leia mais

10/12: DIA DA DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS ATIVIDADE 1: DEBATE SOBRE A DECLARAÇÃO

10/12: DIA DA DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS ATIVIDADE 1: DEBATE SOBRE A DECLARAÇÃO 10/12: DIA DA DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS ATIVIDADE 1: DEBATE SOBRE A DECLARAÇÃO 1. PASSO-A-PASSO DA AÇÃO 1.1 PROPOSTA Promover um debate sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos,

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): Dia de acampamento. 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) Nesse episódio, Balinha e Dentinho

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Para facilitar a realização do

Para facilitar a realização do Para facilitar a realização do sugerimos 10 passos que consideramos primordiais para o sucesso da ação. Este livreto traz um resumo desse percurso. A versão completa da Cartilha dos 10 passos está disponível

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES SÃO CARLOS 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2015 Artigo 1 o : As Atividades Complementares (AC) do Curso de Graduação em Administração da Faculdade

Leia mais

Macapá-2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Macapá-2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Macapá-2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares que possibilitam

Leia mais

Apoio à Divulgação do projeto nas escolas

Apoio à Divulgação do projeto nas escolas Apoio à Divulgação do projeto nas escolas A LEITURA Um bem essencial Estimular o gosto pelos livros Diversificar experiências de leitura Detetar dificuldades Intervir o mais cedo possível Um projecto de

Leia mais

MANUAL DE FORMATURAS 2007

MANUAL DE FORMATURAS 2007 MANUAL DE FORMATURAS 2007 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DEFINIÇÃO DAS DATAS... 3 3. DEFINIÇÃO DO LOCAL... 3 4. DOCUMENTAÇÃO DE CONCLUSÃO DE CURSO... 4 5. COMISSÃO DE FORMATURA... 4 6. FORMANDOS... 5 7.

Leia mais

PROJETO CIDADANIA NA COMUNIDADE (COMUNIDADE DA ESCOLA SETE LÉGUAS)

PROJETO CIDADANIA NA COMUNIDADE (COMUNIDADE DA ESCOLA SETE LÉGUAS) PROJETO CIDADANIA NA COMUNIDADE (COMUNIDADE DA ESCOLA SETE LÉGUAS) Rio Verde 2010 MUNICÍPIO DE RIO VERDE-GO Professora responsável: Lílian Alves Rosa da Silva. Endereço: Rua Juarez Fernandes, nº. 178,

Leia mais

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissao de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Depois de realizar a Conferência... Realizada a Conferência em sua Escola ou Comunidade, é

Leia mais

BULLYING EI! QUEM É VOCÊ?

BULLYING EI! QUEM É VOCÊ? CONCURSO PARA PROFESSORES do EM das Etecs: Trabalhando com os roteiros de aprendizagem ROTEIRO DE APRENDIZAGEM BULLYING EI! QUEM É VOCÊ? a) APRESENTAÇÃO: Este roteiro tem como objetivo geral, trabalhar

Leia mais

Programa Cultura é Currículo Projetos: Lugares de Aprender: a escola sai da escola e Escola em Cena

Programa Cultura é Currículo Projetos: Lugares de Aprender: a escola sai da escola e Escola em Cena Programa Cultura é Currículo Projetos: Lugares de Aprender: a escola sai da escola e Escola em Cena Síntese da Orientação Técnica dos dias 6, 7 e 8/03/2012 com Supervisores de Ensino e Professores Coordenadores

Leia mais

REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA Título I BRINQUEDOTECA Capítulo I Princípios e Diretrizes Art 1º. A Brinquedoteca

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1 o. - As Atividades Curriculares são parte integrante

Leia mais

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL A nossa meta é envolver alunos e professores num processo de capacitação no uso de ferramentas tecnológicas. Para isto, mostraremos ao professor como trabalhar as suas disciplinas (matemática, português,

Leia mais

Plano de Trabalho com Projetos

Plano de Trabalho com Projetos PREFEITURA DE JARAGUÁ DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL Plano de Trabalho com Projetos 1. Identificação: Escola Municipal de Ensino Fundamental Renato Pradi Professora:

Leia mais

REGULAMENTO DA GINCANA UNIJUÍ MINHA ESCOLA É DEZ EDIÇÃO 2015. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DA GINCANA UNIJUÍ MINHA ESCOLA É DEZ EDIÇÃO 2015. Capítulo I Das Disposições Preliminares REGULAMENTO DA GINCANA UNIJUÍ MINHA ESCOLA É DEZ EDIÇÃO 2015 Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º. O presente documento regulamenta a Gincana UNIJUÍ MINHA ESCOLA É DEZ, promovida e organizada

Leia mais

Planejamento CPA Metropolitana 2013

Planejamento CPA Metropolitana 2013 Planejamento CPA Metropolitana 2013 1 Planejamento CPA Metropolitana Ano 2013 Denominada Comissão Própria de Avaliação, a CPA foi criada pela Legislação de Ensino Superior do MEC pela Lei 10.861 de 10

Leia mais

GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL

GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL O QUE É? É um processo educativo que oscila entre a inserção e a autonomia. É uma etapa do sistema de educação que tem como objectivo proporcionar às crianças experiências

Leia mais

COLÔNIA DE FÉRIAS. Tema: Brincando e aprendendo,que alegria.

COLÔNIA DE FÉRIAS. Tema: Brincando e aprendendo,que alegria. COLÔNIA DE FÉRIAS Tema: Brincando e aprendendo,que alegria. JANEIRO DE 2016 JUSTIFICATIVA Quando não tem aulas, os pais ficam preocupados com o que vão fazer com os seus filhos, pois muitos responsáveis

Leia mais

Tema: Juventude Missionária: a identidade do Verbo Divino Lema: : Como o Pai me enviou também eu vos envio (Jo 20, 21)

Tema: Juventude Missionária: a identidade do Verbo Divino Lema: : Como o Pai me enviou também eu vos envio (Jo 20, 21) Edital Tema: Juventude Missionária: a identidade do Verbo Divino Lema: : Como o Pai me enviou também eu vos envio (Jo 20, 21) A gincana paroquial da juventude verbita é um evento católico com o intuito

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Projeto recuperação paralela Escola Otávio

Projeto recuperação paralela Escola Otávio Projeto recuperação paralela Escola Otávio Público alvo: alunos com dificuldade ou defasagem de aprendizagem do Ensino Fundamental do 3º ano acima que estudam na Escola Otávio Gonçalves Gomes. Duração:

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

Educação em Saúde Planejamento em Saúde

Educação em Saúde Planejamento em Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disiciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde Educação em Saúde Planejamento em Saúde Profª Darléia O fim da ação educativa é desenvolver no indivíduo

Leia mais

Apresentação sobre a 3ª Série do Ensino Médio em 2014

Apresentação sobre a 3ª Série do Ensino Médio em 2014 1 Roteiro da Apresentação: Grade Curricular em 2014 Apresentação sobre Premiação pelo Desempenho Individual no ENEM de 2014 Programa de Mentoria Formatura em 2014 2 Grade Curricular em 2014 3 Em 2014,

Leia mais

Prêmio Atitude Ambiental 2012

Prêmio Atitude Ambiental 2012 Prêmio Atitude Ambiental 2012 TEMAS: 1. Carta da Terra (Para Educação Infantil e Ensino Fundamental I) 2. O Lixo de Bertioga e eu (para Ensino Fundamental II) 3. RIO +20 Conferência das Nações Unidas sobre

Leia mais

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH Documento final do "Seminário: O trabalho docente em educação física face às atuais políticas públicas na educação na RMBH: Repercussões nas instituições Formadoras" O presente documento tem por finalidade

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NORMAS DE FUNCIONAMENTO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Entrada O horário para a Educação Infantil tem início às 13h10min. No horário de 12h45min às 13h10min, os alunos são recebidos por uma monitora no saguão

Leia mais

Formação de Voluntários em Programas Corporativos. Trabalho em Grupo Encontro de 08/06/2011

Formação de Voluntários em Programas Corporativos. Trabalho em Grupo Encontro de 08/06/2011 Formação de Voluntários em Programas Corporativos Trabalho em Grupo Encontro de 08/06/2011 Questão 1 A empresa tem uma estratégia definida? A empresa planeja a formação dos voluntários? Se sim, qual o

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2. EPISÓDIO TRABALHADO Leite, O Meu Melhor Amigo. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Leite, O Meu Melhor Amigo é um episódio da

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIMESTRAL III Trimestre / 2009. PROFESSORA: Bianca de Souza NÚCLEO 3 TURMA N3-8 OBJETIVOS 1

PLANEJAMENTO TRIMESTRAL III Trimestre / 2009. PROFESSORA: Bianca de Souza NÚCLEO 3 TURMA N3-8 OBJETIVOS 1 PLANEJAMENTO TRIMESTRAL III Trimestre / 2009 PROFESSORA: Bianca de Souza OBJETIVOS 1 Os objetivos para o terceiro trimestre com a turma N3-8 é o estudo e a construção de uma maquete da escola. Uma sequência

Leia mais

Formação ética em Fonoaudiologia: vamos além da ética profissional? Ética de relacionamentos e responsabilidade social

Formação ética em Fonoaudiologia: vamos além da ética profissional? Ética de relacionamentos e responsabilidade social Formação ética em Fonoaudiologia: vamos além da ética profissional? Ética de relacionamentos e responsabilidade social Auores: ALESSANDRA SALLES MACHADO, MARCELA ALMEIDA, Introdução: A disciplina de Ética

Leia mais

PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na comunidade

PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na comunidade ESCOLA MUNICIPAL COSTA E SILVA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na comunidade Cursistas: Giana K. Mass, Irdes P. Kuhn, Rosane

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

Triathlon Faculdades FKB. Regulamento Geral

Triathlon Faculdades FKB. Regulamento Geral DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Triathlon Faculdades FKB Regulamento Geral Art. 1 Este Regulamento Geral é o conjunto de disposições que regem a 1ª Prova de Triathlon Faculdades FKB 2011 e implica obediência

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES CURSO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS - BACHARELADO 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES CURSO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS - BACHARELADO 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES CURSO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS - BACHARELADO 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Art. 2 o Art. 3 o Art. 4 o As Atividades Curriculares são parte integrante do

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM. Belo Horizonte

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM. Belo Horizonte MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM Belo Horizonte 2013 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 FINALIDADE... 3 3 DEVERES DO COORDENADOR EM RELAÇÃO AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 4 4 DEVERES

Leia mais

INSTITUTO AMERICANO DE LINS RELATÓRIO MENSAL JULHO - 2013

INSTITUTO AMERICANO DE LINS RELATÓRIO MENSAL JULHO - 2013 INSTITUTO AMERICANO DE LINS RELATÓRIO MENSAL JULHO - 2013 Início das férias escolares Coordenação Pedagógica da Educação Infantil Atendimento telefone/presencial Reunião com a diretora pedagógica toda

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): O pé de maçã 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio O pé de maçã faz parte

Leia mais

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO?

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? Apresentação Ir para a escola, passar um tempo com a família e amigos, acompanhar as últimas novidades do mundo virtual, fazer um curso de inglês e praticar um esporte são

Leia mais

Programa Escola Aberta

Programa Escola Aberta Programa Escola Aberta O Programa Escola Aberta foi criado a partir de um acordo de cooperação técnica entre Ministério da Educação e a Unesco, implantado em 2004. No Estado do Paraná tem seu início no

Leia mais

Prêmio Atitude Ambiental 2011 Para Educação Infantil e Ensino Fundamental I

Prêmio Atitude Ambiental 2011 Para Educação Infantil e Ensino Fundamental I Prêmio Atitude Ambiental 2011 Para Educação Infantil e Ensino Fundamental I Tema: O PROJETO CLOROFILA NA MINHA ESCOLA Prezado(a) Diretor(a), Estamos enviando o regulamento de 2011 do concurso escolar Prêmio

Leia mais

PASSO A PASSO PARA FAZER A CONFERÊNCIA NA ESCOLA*

PASSO A PASSO PARA FAZER A CONFERÊNCIA NA ESCOLA* IV CONFERÊNCIA NACIONAL INFANTOJUVENIL PELO MEIO AMBIENTE A PARA FAZER A CONFERÊNCIA NA ESCOLA* *Até 31 de AGOSTO 2013 Ministério do Meio Ambiente Ministério da Educação IV CNIJMA 1. PORQUE FAZER A CONFERÊNCIA

Leia mais

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Colégio Cenecista Dr. José Ferreira QUADRINHOS NA CIÊNCIAS Área de Concentração: Ciências Naturais Disciplina de Concentração: Ciências Professores: Maria José Lima, Polyana Noronha e Thaianne Lopes Uberaba

Leia mais

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi EJE: Comunicacion y Extensión AUTORES: Garcia, Gabriela Viero 1 Tumelero, Samira Valduga 2 Rosa, Rosane 3

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO PELA EDUCAÇÃO - MPEDUC ESCOLA COM PARTICIPAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO PELA EDUCAÇÃO - MPEDUC ESCOLA COM PARTICIPAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PELA EDUCAÇÃO - MPEDUC ESCOLA COM PARTICIPAÇÃO APRESENTAÇÃO O Ministério Público pela Educação MPEDUC é um projeto que foi desenvolvido em parceria pelo Ministério Público Federal/Procuradoria

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

2. Laboratório: uso do avental, organização e relatório 3. Tarefas. 1. Avaliação da Semana de Geociências e Meio Ambiente 2.

2. Laboratório: uso do avental, organização e relatório 3. Tarefas. 1. Avaliação da Semana de Geociências e Meio Ambiente 2. PIC VERSÃO PARA O PROFESSOR Produção Integrada ao Conteúdo 6. o ano Ensino Fundamental Componentes da PIC 2. o bimestre Arte Ciências A nota da PIC é a média entre a nota de tarefa (avaliação do conjunto

Leia mais

VESTIBULAR 2016.1 Regras da campanha de divulgação #vestibularfsa

VESTIBULAR 2016.1 Regras da campanha de divulgação #vestibularfsa VESTIBULAR 2016.1 Regras da campanha de divulgação #vestibularfsa A campanha de divulgação será realizada pelos alunos da FSA no período de 22 de outubro a 2 de novembro de 2015. Estas são as regras para

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

Importante: Ensino Médio

Importante: Ensino Médio Com muita interatividade, de forma lúdica e objetivando promover a sociabilização por meio do estímulo gerado pela competição, o projeto do Colégio IESP propõe mobilizar as competências e habilidades dos

Leia mais

Gincana ambiental: promovendo cultura e bem estar.

Gincana ambiental: promovendo cultura e bem estar. Gincana ambiental: promovendo cultura e bem estar. A realização da Gincana Ambiental tem como objetivos estimular a solidariedade, a cooperação e o respeito entre os moradores do Alto José do Pinho, atingindo

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

Atividade de Ligue da Fauna Silvestre. (Projeto Mini-hospital Veterinário UFPR) Graduandos em Medicina Veterinária, Universidade Federal do Paraná.

Atividade de Ligue da Fauna Silvestre. (Projeto Mini-hospital Veterinário UFPR) Graduandos em Medicina Veterinária, Universidade Federal do Paraná. Atividade de Ligue da Fauna Silvestre (Projeto Mini-hospital Veterinário UFPR) Juliana Ikeda Ishikura 1, Erick Zanello Milleo 1, Simone Tostes de Oliveira Stedile 2 1 Graduandos em Medicina Veterinária,

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S) Entrando nas Ondas do Rádio 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio Entrando nas ondas

Leia mais

2B 3A 3E 4D 5C 2A 2E 3D 4C 5B 2D 3C 4B 5A 5E 2C 3B 4A 4E 5D

2B 3A 3E 4D 5C 2A 2E 3D 4C 5B 2D 3C 4B 5A 5E 2C 3B 4A 4E 5D EQUIPES INFANTIL ENS. FUND. 1 ENS. FUND. 2 ENSINO MÉDIO Azul 2B 3A 3E 4D 5C 6B 7C 8D 9D 2B 2C 3A Branca 2A 2E 3D 4C 5B 6D 7A 8A 9B 1A 2A Verde 2D 3C 4B 5A 5E 6A 7D 8B 9C 1C 3C Vermelha 2C 3B 4A 4E 5D 6C

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DIURNO

PLANO DE AÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DIURNO FORMULÁRIO 14: Plano de Ação PLANO DE AÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DIURNO META PLURIANUAL: Aumentar para 87% a taxa de aprovação e reduzir para 7% a taxa de abandono no Ensino Fundamental até dezembro de

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional Programa de Desenvolvimento Local PRODEL Programa de Extensão Institucional Programa de Extensão Institucional Um programa de extensão universitária é o conjunto de projetos de extensão desenvolvido por

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA BRASIL. MANUAL DO VOLUNTÁRIO PORTAL www.voluntariadostd.v2v.net

PROGRAMA ESCOLA BRASIL. MANUAL DO VOLUNTÁRIO PORTAL www.voluntariadostd.v2v.net PROGRAMA ESCOLA BRASIL MANUAL DO VOLUNTÁRIO PORTAL www.voluntariadostd.v2v.net O que é o Portal do Voluntário? Este é o espaço virtual para você saber tudo sobre o Programa Escola Brasil - PEB, do qual

Leia mais

MOSTRA DE PROJETOS 2015. Iniciativas Sociais que contribuem para o desenvolvimento local. REGULAMENTO Anexos I e II

MOSTRA DE PROJETOS 2015. Iniciativas Sociais que contribuem para o desenvolvimento local. REGULAMENTO Anexos I e II MOSTRA DE PROJETOS 2015 Iniciativas Sociais que contribuem para o desenvolvimento local REGULAMENTO Anexos I e II O Sesi Paraná, por meio do programa Sesi Indústria e Sociedade e do Movimento Nós Podemos

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento de Projeto Integrador do Curso Superior de Tecnologia em Logística da FAE Blumenau.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento de Projeto Integrador do Curso Superior de Tecnologia em Logística da FAE Blumenau. RESOLUÇÃO CSA N.º 12/2010 APROVA O REGULAMENTO DE PROJETO INTEGRADOR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA DA FAE BLUMENAU. O Presidente do Conselho Superior de Administração CSA, no uso das atribuições

Leia mais

SISEB Informa. 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas

SISEB Informa. 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas Ano I Número 6 setembro 2014 3 Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias página 4 6 Encontro Prêmio São Paulo

Leia mais

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas.

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. Justificativa Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. A Escola de Ensino Fundamental Mondrian, fundada em 2011, começou suas atividades em

Leia mais

EDITAL Nº 03 DE AGOSTO DE 2015

EDITAL Nº 03 DE AGOSTO DE 2015 EDITAL Nº 03 DE AGOSTO DE 2015 SELEÇÃO PÚBLICA PARA MONITORIA DOS CURSOS GRADUAÇÃO DA FAI A Faculdade do Vale do Itapecuru - FAI, por meio da Direção Acadêmica, torna público pelo presente Edital que estarão

Leia mais

ANEXO Indicadores ENP! Tabela

ANEXO Indicadores ENP! Tabela ANEXO Indicadores ENP! Tabela Rua Bruxelas, nº 169 São Paulo - SP CEP 01259-020 Tel: (11) 2506-6570 escravonempensar@reporterbrasil.org.br www.escravonempensar.org.br Diminuir o número de trabalhadores

Leia mais

REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA

REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que o projeto dos cursos de engenharia

Leia mais

EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult

EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult JUSTIFICATIVA O estatuto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) no Capítulo 1, artigo 3º. define como finalidade

Leia mais

SEMEAR Serviço Médico Educacional de Atendimento em Reabilitação, uma entidade considerada de utilidade Pública Federal, com data de fundação em 12 de Outubro de 1985, foi registrado como Associação Civil

Leia mais

Projeto - Profissões. Público alvo: Educação Infantil / Crianças de 3 a 4 anos. Áreas: Natureza e Sociedade / Identidade e Autonomia

Projeto - Profissões. Público alvo: Educação Infantil / Crianças de 3 a 4 anos. Áreas: Natureza e Sociedade / Identidade e Autonomia Projeto - Profissões Público alvo: Educação Infantil / Crianças de 3 a 4 anos Áreas: Natureza e Sociedade / Identidade e Autonomia Duração: 5 semanas Justificativa: Este projeto visa apresentar às crianças

Leia mais

Anexo III ARTICULAÇÕES POSSÍVEIS

Anexo III ARTICULAÇÕES POSSÍVEIS QUADRO DE ARTICULAÇÃO DOS PROJETOS ESTRUTURANTES ENSINO FUNDAMENTAL PROJETOS ESTRUTURANTES ARTICULADOS ARTICULAÇÕES POSSÍVEIS OPERACIONALIZAÇÃO Gestão da Aprendizagem Escolar (GESTAR) + Programa Mais Educação

Leia mais

Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP

Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Art. 1 - Do serviço de apoio Psicopedagógico - SAPP O serviço de apoio

Leia mais

Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão

Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão OS RECURSOS FINANCEIROS DO ESPAÇO CRIANÇA ESPERANÇA TV GLOBO realiza CAMPANHA CRIANÇA ESPERANÇA com programa na TV UNESCO recebe DOAÇÃO e apóia diferentes

Leia mais