PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas"

Transcrição

1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014

2 Conteúdo 1. Introdução Objetivos Política de Nivelamento Diretrizes do Nivelamento Ações de integração do ingressante à Faculdade Zumbi dos Palmares Aprimoramento Acadêmico Módulo de Matemática Módulo de Comunicação e Expressão Fases do Programa Fase de Triagem e Diagnóstico Fase de Execução das Ações dos Mecanismos de Nivelamento Fase de acompanhamento Fase de Avaliação do Programa Institucional de Nivelamento... 7

3 1. Introdução Políticas de atendimento aos discentes são de extrema importância tanto para a permanência do aluno na instituição como respaldar o aluno ingresso no meio acadêmico. Existem diversas formas para auxiliar e estimular o discente, tais como: programas de apoio pedagógico e financeiro (bolsas de estudos). Neste sentido a Instituição cumpre de forma exemplar, por meio de bolsas para participantes do coral, atletas, etc. Organização estudantil (espaço para participação e convivência estudantil). Criação de Diretório Acadêmico no qual este grupo de alunos irá representar o corpo discente da Instituição. Outras atividades já existentes dentro da Faculdade estimulam a convivência dos alunos nos mais diversos cursos, como a capoeira. Acompanhamento dos ingressantes por meio do Programa de Tutoria, onde cada professor acompanha durante o primeiro semestre letivo uma turma de alunos, verificando deficiências e integrando o estudante no ambiente de ensino e pesquisa desde o início de sua entrada na Faculdade Zumbi dos Palmares. A necessidade da inserção de cursos de nivelamento, não apenas no primeiro semestre letivo, onde são alocadas as disciplinas básicas, mas também no decorrer dos cursos de graduação é consequência do desempenho insatisfatório dos alunos da educação básica nas avaliações, como pode ser visto por meio dos indicativos do Saeb (Sistema Nacional de Avaliação da Educação). 2. Objetivos Fortalecer o sistema de nivelamento durante os semestres do curso, com o intuito de suprir as necessidades de cada aluno, permitindo, de forma rápida, o preenchimento de lacunas ou defasagens nos conhecimentos. 3. Política de Nivelamento O Nivelamento é uma Política de Atendimento ao Discente exigida pelo Ministério de Educação (MEC) através do artigo 16 do Decreto nº de 09 de maio de 2006.

4 Também é um estímulo à permanência do aluno e ao contínuo acompanhamento psicopedagógico. A Faculdade Zumbi dos Palmares oferece o Nivelamento aos discentes ingressantes durante o primeiro semestre do curso e no decorrer do curso em disciplinas onde os alunos encontram dificuldades de aprendizagem. O Nivelamento tem como principal meta sanar algumas deficiências do processo de formação na Educação Básica, possibilitando um melhor desempenho no Ensino Superior. A participação dos alunos acontece via recomendação das coordenações ou por adesão voluntária. O Nivelamento é gratuito para os alunos e é ministrado como um Curso de Extensão, totalizando 20 horas aula. A oferta é realizada aos sábados pela manhã ou durante a semana, e os alunos que totalizam a carga horária recebem um certificado de extensão válido como horas de atividades complementares. 4. Diretrizes do Nivelamento 3.1 Ações de integração do ingressante à Faculdade Zumbi dos Palmares A ação oriunda da integração dos alunos ingressantes tem como meta integrar os alunos no Ensino Superior, preparando este aluno para uma nova etapa: a vida acadêmica. São realizadas diversas atividades para promover a integrações dos alunos ingressantes e os veteranos bem como no ambiente universitário. Ocorre apresentação dos laboratórios de informática, apresentação da coordenação acadêmica, matriz curricular, avaliação Institucional, apresentar os direitos e deveres dos alunos de Ensino Superior, informações gerais sobre o funcionamento do curso, corpo docente, métodos de avaliações, etc. Esta etapa é importante para a melhor adaptação dos alunos na realidade do ambiente universitário. 3.2 Aprimoramento Acadêmico Os cursos de Aprimoramento Acadêmico dentro do Nivelamento estão focados em oportunizar aos alunos ingressantes revisões de conteúdos curriculares nas áreas de matemática e língua portuguesa, pretendendo superar as lacunas deixadas pelo Ensino Básico, propiciando, assim, um melhor rendimento acadêmico.

5 3.2.1 Módulo de Matemática A disciplina de matemática é a base para as demais disciplinas das ciências exatas, desta forma, é imprescindível que o aluno tenha domínio desta importante ferramenta, porque será necessário utilizar os conhecimentos prévios de matemática básica em disciplinas como estatística, contabilidade entre outras que serão cursadas no decorrer dos semestres. Nas aulas de nivelamento de matemática, o aluno irá analisar e interpretar textos matemáticos, e terá a revisão de conceitos matemáticos e de operações lógico-matemáticas. Como objetivo, é esperado minimizar a deficiência dos alunos em relação ao conteúdo de matemática do Ensino Fundamental II. Pretende-se estimular os alunos a raciocinar em termos lógicos e matemáticos. Conteúdo Proposto: Transformação de números decimais em fracionários; Transformação de números fracionários em decimais; Potenciação; Produtos notáveis; Fatoração; Expressões algébricas; Equações e inequações do 1 grau; Equações e inequações do 2 grau; Sistemas de equações; Módulo de Comunicação e Expressão Percebe-se que a cada vestibular, o número de ingressantes que iniciam um curso superior sem as competências básicas essenciais para o entendimento de textos que permeiam tanto a sua realidade como discentes e como de cidadãos. Esta deficiência reflete não apenas nas disciplinas de comunicação e expressão, mas em todas as outras, pois a leitura e interpretação, bem como a escrita na norma culta são necessárias em todas as disciplinas. Esta dificuldade reflete no processo de ensinoaprendizagem de diversas disciplinas no decorrer da graduação, no processo de ler, interpretar e escrever.

6 Desta forma, nota-se a necessidade de um aprimoramento que dê oportunidade ao aluno desenvolver seus conhecimentos e habilidades em relação à linguagem suprindo suas lacunas. No decorrer das aulas de nivelamento de comunicação e expressão serão inseridos conhecimentos básicos de linguagem e redação estimulando a prática e o desenvolvimento do ato de escrever, incentivando o aluno a leitura e auxiliando na interpretação de texto e como consequência estas ações fará com que o estudante melhore o desempenho em suas atividades acadêmicas. Conteúdo Proposto: Linguagem: oralidade e escrita, o signo linguístico, variantes linguísticas, níveis de linguagem, funções de linguagem; Processo de comunicação: conceito, elementos de comunicação; Estrutura da descrição, narração e dissertação; Coesão e Coerência: conceito, formas de articular o texto; Tópicos gramaticais: ortografia, acentuação, emprego de classes gramaticais; 3.3 Fases do Programa Nas duas primeiras semanas de aula será realizada uma triagem para diagnosticar os alunos que necessitam de nivelamento, entretanto os demais alunos também serão convidados a participarem do programa. Será de responsabilidade do Coordenador do Curso o planejamento das ações que conduzirão a triagem dos ingressantes e o diagnóstico das necessidades. A triagem será realizada pelo professor da respectiva disciplina ministrada. Haverá a execução das ações do nivelamento, acompanhamento e avaliação do programa. Além da indicação do professor, qualquer aluno, a qualquer tempo poderá fazer sua inscrição no programa. 3.4 Fase de Triagem e Diagnóstico Nesta etapa os alunos irão participar de atividades propostas pelo professor responsável que possam proporcionar uma pré-avaliação das deficiências encontradas

7 em cada disciplina. As atividades realizadas serão elaboradas em diferentes níveis de dificuldade, sempre com questões dissertativas. 3.5 Fase de Execução das Ações dos Mecanismos de Nivelamento Nesta etapa os alunos deverão participar das atividades propostas pelo corpo docente responsável pelo Programa de Nivelamento. Estas atividades foram propostas baseando-se no diagnóstico obtido com os resultados da triagem inicial. 3.6 Fase de acompanhamento Os discentes serão acompanhados ao longo de todo o curso, com um processo de avaliação diagnóstica por semestre que proporcionará respaldo para a criação de um plano de ação estratégica com o objetivo de superar as dificuldades apresentadas. Este plano de ação estratégica não irá ter como foco apenas as disciplinas como matemática e comunicação e expressão (disciplinas relativas ao ensino básico), mas qualquer outra disciplina que grande parcela dos alunos venha apresentar dificuldades de aprendizagem, desta forma com este acompanhamento, os discentes poderão obter o máximo aproveitamento do curso. O Planejamento de todas estas ações será um trabalho executado em conjunto pelo Coordenador do Curso, professores que compõe o Colegiado e com o serviço de apoio psicopedagógico para recuperar defasagens apresentadas pelo discente. 3.7 Fase de Avaliação do Programa Institucional de Nivelamento Serão aplicadas diversas avaliações no decorrer do Programa: Serão aplicadas avaliações ou questionários durante e após cada atividade proposta como forma de analisar a evolução do processo de ensinoaprendizagem; Acompanhamento do rendimento tanto da turma como dos alunos individualmente em todas as disciplinas cursadas; Acompanhamento do número de trancamento e evasão do curso em todos os semestres;

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DA POLÍTICA DO NIVELAMENTO... 3 3. DAS DIRETRIZES DO NIVELAMENTO... 3 3.1. Ações de integração

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Escola de Ciências e Tecnologia Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia (Rascunho) Introdução O Bacharelado em Ciências e Tecnologia (BCT), da Universidade

Leia mais

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Consulta Pública para aprimoramento do Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Estamos disponibilizando para sugestões, avaliação e comentários o instrumento que será utilizado para a acreditação

Leia mais

PROJETO INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO

PROJETO INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO PROJETO INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Belo Horizonte, março de 2013. PROJETO INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO 1. Introdução No âmbito da Educação Superior, entendemos como princípio básico que é preciso propiciar

Leia mais

Projeto: Atualização em Língua Portuguesa

Projeto: Atualização em Língua Portuguesa Projeto: Atualização em Língua Portuguesa 1-Apresentação O Projeto Atualização em Língua Portuguesa - ALP que está integrado ao aspecto interdisciplinar das atividades complementares oferecidas pela Vice-Reitoria

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Projeto de nivelamento e as condições de Ensino dos Cursos de Graduação Engenharia Civil, Minas, Produção e Direito.

Projeto de nivelamento e as condições de Ensino dos Cursos de Graduação Engenharia Civil, Minas, Produção e Direito. Projeto de nivelamento e as condições de Ensino dos Cursos de Graduação Engenharia Civil, Minas, Produção e Direito. Resumo: Há uma constante manifestação dos Colegiados de Curso quanto à carência na formação

Leia mais

PROGRAMA DE NIVELAMENTO REGULAMENTO E NORMAS

PROGRAMA DE NIVELAMENTO REGULAMENTO E NORMAS PROGRAMA DE NIVELAMENTO REGULAMENTO E NORMAS Taquaritinga - SP 1 Conteúdo TÍTULO I... 1 DO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO... 1 CAPÍTULO I... 1 DO NIVELAMENTO... 1 CAPÍTULO II... 2 DO PROGRAMA DE

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares. Faculdade de Jussara

Regulamento das Atividades Complementares. Faculdade de Jussara ATIVIDADES COMPLEMENTARES O curso de Administração da Faculdade de Jussara, considerando a importância da existência de outras atividades acadêmicas na formação do profissional, reservará 5% (cinco por

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

MANUAL DE INFORMAÇÕES MÍNIMAS SOBRE O PROGRAMA DE BOLSA DE MONITORIA (PROBM) E SOBRE O PROGRAMA DE BOLSA INSTITUCIONAL DE TUTORIA (PROINT)

MANUAL DE INFORMAÇÕES MÍNIMAS SOBRE O PROGRAMA DE BOLSA DE MONITORIA (PROBM) E SOBRE O PROGRAMA DE BOLSA INSTITUCIONAL DE TUTORIA (PROINT) MANUAL DE INFORMAÇÕES MÍNIMAS SOBRE O PROGRAMA DE BOLSA DE MONITORIA (PROBM) E SOBRE O PROGRAMA DE BOLSA INSTITUCIONAL DE TUTORIA (PROINT) Santa Maria, RS 2014 Vanilde Bisognin Pró-reitora de Graduação

Leia mais

PROJETO DE NIVELAMENTO E AS CONDIÇÕES DE ENSINO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

PROJETO DE NIVELAMENTO E AS CONDIÇÕES DE ENSINO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1 PROJETO DE NIVELAMENTO E AS CONDIÇÕES DE ENSINO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 05/2008 LUIZ ROBERTO WAGNER Faculdade Interativa COC Ribeirão Preto-SP e-mail: prof.wagner@uol.com.br DJENANE SICHIERI WAGNER CUNHA

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS PROJETO NIVELAMENTO Assis-SP 2014 1 INTRODUÇÃO Unidade na

Leia mais

ExML: um Curso de Nivelamento na Modalidade EAD

ExML: um Curso de Nivelamento na Modalidade EAD ExML: um Curso de Nivelamento na Modalidade EAD Morgana Rossetti Falavigna 1,Diana F. Adamatti 1, Neiva L. Kuyven 1 1 FTEC Faculdade de Tecnologia Unidade de Caxias do Sul {morganarossetti, dianaadamatti,

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Aprovado pelo Colegiado do Curso de Bacharelado em Educação Física, em reunião

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Designamos atividades complementares o conjunto de eventos oferecidos aos alunos de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03/2015

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03/2015 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03/2015 A Coordenação do Curso de Ciências Contábeis, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UniRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UniRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UniRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Artigo 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades Complementares como

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET 1. DO CONCEITO E PRINCÍPIOS 1.1 As Atividades Complementares são componentes curriculares de caráter acadêmico, científico e cultural cujo foco

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CURSO DE QUÍMICA TECNOLÓGICA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CURSO DE QUÍMICA TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CURSO DE QUÍMICA TECNOLÓGICA Como lançar as atividades complementares no sistema acadêmico (QUALIDATA) Caro aluno As instruções a seguir orientam

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí RESOLUÇÃO Nº 02/2008 Implanta o Programa de Nivelamento e Monitoria Discente das Faculdades Integradas do Vale do Ivaí. CONSIDERANDO a responsabilidade assumida pelas Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CACCAU Centro de Atividades Complementares do Curso de Arquitetura e Urbanismo REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Nas

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO DOS OBJETIVOS Art. 1. O Programa Institucional de Iniciação Científica (Pró-Ciência) tem por objetivo geral o desenvolvimento

Leia mais

BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE

BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE ANO II Nº 003 Editado pela Secretaria Geral das FIPAR Faculdades Integradas de Paranaíba FIPAR Paranaíba, 08 de agosto de 2008. AVISO DE PUBLICAÇÃO E ADEQUAÇÃO DE MATRIZ

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO INTEGRAL CAMPUS PL PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL M A N U A L D O C A N D I D A T O

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL M A N U A L D O C A N D I D A T O 1 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL M A N U A L D O C A N D I D A T O PROCESSO SELETIVO - INVERNO / 2014 Rua Profº Duílio Calderari, nº 600 Jardim Paulista CEP 83.430-000 Campina Grande do Sul PR. Fone:

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO Art. 1º O Sistema de Avaliação tem por objetivo acompanhar o processo de ensinoaprendizagem, visando ao desenvolvimento

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015 1 A Coordenação do Curso de Administração, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições e em cumprimento ao Art. 5 o do Regulamento de Monitoria, Anexo da Resolução de 21 de dezembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Ética e Cidadania Organizacional Eixo Tecnológico: Segurança

Leia mais

REGULAMENTO DO SEMINÁRIO DE INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO -SINCAL

REGULAMENTO DO SEMINÁRIO DE INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO -SINCAL REGULAMENTO DO SEMINÁRIO DE INTERDISCIPLINARIDADE DO CÁLCULO -SINCAL A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE DIREITO - CAMPUS VN PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO

Leia mais

Orientações sobre o Programa de Nivelamento UNA Contagem - 2009.2

Orientações sobre o Programa de Nivelamento UNA Contagem - 2009.2 Orientações sobre o Programa de Nivelamento UNA Contagem - 2009.2 O que é o programa de Nivelamento? É uma atividade complementar obrigatória, que tem a finalidade de desenvolver as habilidades básicas

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: : Gestão e Negócios MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Superior em Administração/Bacharelado FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x

Leia mais

FEFISA FACULDADES INTEGRADAS DE SANTO ANDRÉ EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015

FEFISA FACULDADES INTEGRADAS DE SANTO ANDRÉ EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015 FEFISA FACULDADES INTEGRADAS DE SANTO ANDRÉ EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015 Dr a Dinah K. Zekcer, Diretora da FEFISA Faculdades Integradas de Santo André, faz saber que se encontram abertas as inscrições

Leia mais

Região do ABC. ABC paulista, Região do Grande ABC, ABCD:

Região do ABC. ABC paulista, Região do Grande ABC, ABCD: Tutoria: inclusão, permanência e êxito Andifes UFMG - 213 Região do ABC ABC paulista, Região do Grande ABC, ABCD: Região Metropolitana de São Paulo (Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul,

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

COMUNICADO AOS ALUNOS DA FMIt

COMUNICADO AOS ALUNOS DA FMIt COMUNICADO AOS ALUNOS DA FMIt Professora Mariléia Chaves Andrade Coordenadora das Atividades Complementares na FMIt Prezados alunos, Favor lerem atenciosamente esse comunicado. Venho através deste fornecer

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA CAMPUS PL PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA

Leia mais

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da Prática Eficaz descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I...4 Disposições preliminares...4 CAPÍTULO II...4 Das atividades complementares...4 Seção I...4 Atividades de iniciação científica...4 Seção

Leia mais

Palavras Chave: Monitoria, Matemática no Ensino Superior, Reprovação em Matemática.

Palavras Chave: Monitoria, Matemática no Ensino Superior, Reprovação em Matemática. ISSN 2177-9139 MONITORIAS NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: RESULTADOS E PERSPECTIVAS Juliana Borges Pedrotti julianabpedrotti@gmail.com Universidade Federal de Pelotas, Instituto de Física

Leia mais

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SALVADOR AGO / 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...02 2. JUSTIFICATIVA...02 3. OBJETIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS Rodovia JK, KM 02, Campus Marco Zero, Macapá AP CEP. 68906-970. Fone: (96) 3312-1748 home: www.unifap.br/proeac - e-mail: proeac@unifap.br

Leia mais

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC)

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) Escola de Enfermagem Wenceslau Braz DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (EEWB) da cidade

Leia mais

Audiência Pública 2014. Pró-Reitoria de Graduação Universidade Federal de Pelotas

Audiência Pública 2014. Pró-Reitoria de Graduação Universidade Federal de Pelotas Audiência Pública 2014 Pró-Reitoria de Graduação Universidade Federal de Pelotas Pró-Reitoria de Graduação Núcleo de Acessibilidade e Inclusão Coordenadoria de Ensino e Currículo Coordenadoria de Programas

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Ato de Aprovação:

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMAS DE APOIO ACADÊMICO AO DISCENTE PROAD

RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMAS DE APOIO ACADÊMICO AO DISCENTE PROAD 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMAS DE APOIO ACADÊMICO AO DISCENTE PROAD 2 SUMÁRIO Justificativa 03 Objetivos 04 PROAD Programas de Apoio Acadêmico aos Discentes 05 I. Programa de Ambientação

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO COMUNICAÇÃO SOCIAL, HABILITAÇÃO EM JORNALISMO

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO COMUNICAÇÃO SOCIAL, HABILITAÇÃO EM JORNALISMO Mantenedora FASIPE CENTRO EDUCACIONAL LTDA. Mantida FACULDADE FASIPE REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO COMUNICAÇÃO SOCIAL, HABILITAÇÃO EM JORNALISMO SINOP / MATO GROSSO Aprovado

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2011 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 4 Disposições preliminares... 4 CAPÍTULO II... 4 Das atividades complementares... 4 Seção I... 4 Atividades de iniciação científica...

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Grupo 1: Atividades Complementares de Ensino (Máximo de 120 horas)

Grupo 1: Atividades Complementares de Ensino (Máximo de 120 horas) CENTRO INTEGRADO DE ENSINO SUPERIOR DE FLORIANO FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE FLORIANO - FAESF RUA FÉLIX PACHÊCO, 1206 BAIRRO: MANGUINHA FONE: (89) 3521-6512 ou 3521-2956 CNPJ: 04.899.971/0001-76 E-MAIL:

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. A partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Serviço Social o planejamento acadêmico do deve assegurar, em termos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI 1 APRESENTAÇÃO O Presente Regulamento visa esclarecer ao acadêmico, a estrutura e o funcionamento das Atividades

Leia mais

PROJETO INTEGRADO SEMANA DE RECEPÇÃO DOS CALOUROS DIRETÓRIO ACADÊMICO GEOGRAFIA E COORDENAÇÃO DO CURSO DE GEOGRAFIA - 2014

PROJETO INTEGRADO SEMANA DE RECEPÇÃO DOS CALOUROS DIRETÓRIO ACADÊMICO GEOGRAFIA E COORDENAÇÃO DO CURSO DE GEOGRAFIA - 2014 PROJETO INTEGRADO SEMANA DE RECEPÇÃO DOS CALOUROS DIRETÓRIO ACADÊMICO GEOGRAFIA E COORDENAÇÃO DO CURSO DE GEOGRAFIA - 2014 Coordenação da Geografia Diretório Acadêmico PROJETO INTEGRADO SEMANA DE RECEPÇÃO

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES PERGUNTAS FREQUENTES

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES PERGUNTAS FREQUENTES FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES PERGUNTAS FREQUENTES 1) Que norma regulamenta as Atividades Complementares do Curso de ENGENHARIA DE PRODUÇÃO da

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DOS PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º A ASCES, por meio deste Regulamento, contempla as Normas Gerais de Atividades complementares, permitindo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74/2011

RESOLUÇÃO Nº 74/2011 Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão RESOLUÇÃO Nº 74/2011 DÁ NOVA REDAÇÃO À RESOLUÇÃO Nº 81/04 QUE TRATA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES COMO COMPONENTE CURRICULAR DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES AC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UFPE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES AC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UFPE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES AC DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA UFPE TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento objetiva disciplinar os procedimentos

Leia mais

PROPAV COCENAI RELATÒRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR. Introdução 3DUWH&217(;78$/,=$d 2'$%$6('($78$dÆ2'$68%&20,66 2

PROPAV COCENAI RELATÒRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR. Introdução 3DUWH&217(;78$/,=$d 2'$%$6('($78$dÆ2'$68%&20,66 2 PROPAV COCENAI RELATÒRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR Introdução 3DUWH&217(;78$/,=$d 2'$%$6('($78$dÆ2'$68%&20,66 2,%$6('($78$d 2'$68%&20,66 2,&XUVRVGHJUDGXDomRRIHUHFLGRVQDiUHDGD6XEFRPLVVmR

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 026/2012 CONSEPE (Alterada pela Resolução nº 019/2013 - CONSEPE) (Alterada pela Resolução n 043/2014 CONSEPE)

RESOLUÇÃO Nº 026/2012 CONSEPE (Alterada pela Resolução nº 019/2013 - CONSEPE) (Alterada pela Resolução n 043/2014 CONSEPE) RESOLUÇÃO Nº 026/2012 CONSEPE (Alterada pela Resolução nº 019/2013 - CONSEPE) (Alterada pela Resolução n 043/2014 CONSEPE) Regulamenta as atividades complementares nos cursos de graduação da UDESC. O Presidente

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO FASIPE CENTRO EDUCACIONAL LTDA. Mantenedora Faculdade Cenecista de Sinop Facenop/FASIPE Mantida REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO SINOP / MATO GROSSO 2014

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Regulamento de Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade São Salvador. Capítulo I Das Disposições Preliminares

Regulamento de Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade São Salvador. Capítulo I Das Disposições Preliminares 1 Regulamento de Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade São Salvador Capítulo I Das Disposições Preliminares Art.1º - As atividades Complementares são componentes curriculares exigidos

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM. Belo Horizonte

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM. Belo Horizonte MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM Belo Horizonte 2013 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 FINALIDADE... 3 3 DEVERES DO COORDENADOR EM RELAÇÃO AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 4 4 DEVERES

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina

Leia mais

NORMATIZAÇÃO PARA VALIDAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO. Considerações Iniciais. Princípios. Aspectos Importantes

NORMATIZAÇÃO PARA VALIDAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO. Considerações Iniciais. Princípios. Aspectos Importantes NORMATIZAÇÃO PARA VALIDAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO Considerações Iniciais As Atividades Complementares são componentes curriculares de caráter científico, cultural e acadêmico

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E PEDAGOGIA

PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E PEDAGOGIA EDITAL DG N.º 07/2012 PROGRAMA DE MONITORIA PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E PEDAGOGIA A Direção da Faculdade Internacional Signorelli, no uso de suas atribuições,

Leia mais

SUMÁRIO INSCRIÇÕES... 3. 1. Local/Período... 3. 2. Horário... 3. 3. Taxa de inscrição... 3. 4. Vagas... 3. 5. Sistema de opções... 4 PROVA...

SUMÁRIO INSCRIÇÕES... 3. 1. Local/Período... 3. 2. Horário... 3. 3. Taxa de inscrição... 3. 4. Vagas... 3. 5. Sistema de opções... 4 PROVA... SUMÁRIO INSCRIÇÕES... 3 1. Local/Período... 3 2. Horário... 3 3. Taxa de inscrição... 3 4. Vagas... 3 5. Sistema de opções... 4 PROVA... 4 1. Data... 4 2. Conteúdos... 4 3. Critério de avaliação... 5 4.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB SELEÇÃO DE TUTORES EDITAL N. 03/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB SELEÇÃO DE TUTORES EDITAL N. 03/2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB SELEÇÃO DE TUTORES EDITAL N. 03/2007 A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM), em parceria com os estados e municípios

Leia mais

EDITAL DO 2º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015

EDITAL DO 2º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 EDITAL DO 2º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 A Faculdade Panamericana de Ji Paraná (UNIJIPA), Instituição de Ensino Superior comprometida

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí RESOLUÇÃO Nº 05 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2012 Aprova alteração da matriz curricular do curso de Pedagogia.. A PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DAS FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO IVAÍ, no uso da delegação

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES PRÓ-REITORIA ACADÊMICA BURITIS / CARLOS LUZ / SILVA LOBO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As Atividades Complementares, conforme as Diretrizes Curriculares do MEC, são atividades extracurriculares obrigatórias

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE FISIOTERAPIA Junho/2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares são prática acadêmicas

Leia mais

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito.

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito do Centro Universitário do Cerrado-Patrocínio UNICERP. Capítulo I Das Disposições

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. A Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ Mackenzie Rio, proporcionará aulas de Nivelamento

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

REFORÇO ESCOLAR EM LÍNGUA PORTUGUESA

REFORÇO ESCOLAR EM LÍNGUA PORTUGUESA REFORÇO ESCOLAR EM LÍNGUA PORTUGUESA Bruna de Oliveira Nobre 1 Introdução Através do PIBID - Programa de Iniciação a Docência, que leva os alunos da graduação a terem um conhecimento prévio da escola e

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE SOROCABA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE SOROCABA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE SOROCABA O Programa de Iniciação Científica da FACULDADE DE SOROCABA destinase a alunos de graduação para desenvolvimento de pesquisa científica

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Fundamentos de Linguagens de Programação para Multimídia

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Fundamentos de Linguagens de Programação para Multimídia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2014

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2014 1 CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2014 A Coordenação do Curso de Engenharia de Produção e do Curso de Engenharia Civil, da

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015 A Coordenação do Curso de Ciências Contábeis, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições

Leia mais

NORMAS PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

NORMAS PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente conjunto de normas tem a finalidade de regulamentar as Atividades Complementares para os cursos que as incluem

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais