ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL - ESAB CURSO LATO SENSU EM GESTÃO ESTRATÉGICA, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO ADRIANA STEFANI CATIVELLI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL - ESAB CURSO LATO SENSU EM GESTÃO ESTRATÉGICA, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO ADRIANA STEFANI CATIVELLI"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL - ESAB CURSO LATO SENSU EM GESTÃO ESTRATÉGICA, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO ADRIANA STEFANI CATIVELLI MARKETING APLICADO EM BIBLIOTECAS: análise de conteúdo dos artigos publicados em periódicos da Ciência da Informação ( ) VILA VELHA (ES) 2012

2 1 ADRIANA STEFANI CATIVELLI MARKETING APLICADO EM BIBLIOTECAS: análise de conteúdo dos artigos publicados em periódicos da Ciência da Informação ( ) Monografia apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Gestão Estratégica, Inovação e Conhecimento da Escola Superior Aberta do Brasil como requisito para obtenção do título de Especialista em Gestão Estratégica, Inovação e Conhecimento, sob orientação do Profª Me. Janaina Costa Binda. VILA VELHA (ES) 2012

3 2 ADRIANA STEFANI CATIVELLI MARKETING APLICADO EM BIBLIOTECAS: análise de conteúdo dos artigos publicados em periódicos da Ciência da Informação ( ) Monografia aprovada em de de Banca examinadora VILA VELHA (ES) 2012

4 3 RESUMO Analisa os artigos publicados em periódicos referentes ao marketing no âmbito das bibliotecas. Visa verificar de que forma as bibliotecas estão utilizando o marketing em suas rotinas, reúne e examina a literatura existente sobre o assunto em questão, identifica o perfil dos autores que abordam o tema e verifica qual a ação de marketing é explorada com maior frequência pelas bibliotecas. Caracteriza a pesquisa como documental de natureza exploratória, descritiva e quali-quantitativa. Constitui o corpus de análise com artigos publicados em periódicos nacionais de Ciência da Informação, no período de 2000 a Analisa os dados usando como base a técnica de análise de conteúdo proposta por Bardin. Verifica que dentre as diversas ferramentas que o marketing oferece, a mais utilizada pelas bibliotecas é a da filosofia gerencial. Conclui que a adoção do marketing pelas bibliotecas, propiciou as bibliotecas realizarem trocas com seus usuários internos e externos, prestando mais atenção nas necessidades e desejos dos mesmos, além de instigar os gestores a repensar a forma de gerir as unidades de informação. Palavras-chave: Marketing em bibliotecas. Gestão de bibliotecas. Unidades de informação.

5 4 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Modelo simplificado do processo de marketing...12 Quadro 2: Principais tipos de marketing...14 Quadro 3: Composto de marketing para bibliotecas...19

6 5 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1: Artigos recuperados...23 Gráfico 2: Número de autores por artigo...25 Gráfico 3: Periódicos por artigo...27 Gráfico 4: Tipo de biblioteca/ nomenclatura por artigo...28 Gráfico 5: Quanto ao gênero...29 Gráfico 6: Quanto ao nível acadêmico...30

7 6 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Categoria de análise...31

8 7 LISTA DE ABREVIATURAS BRAPCI Informação CRM DSI Base Referencial de Revistas de Biblioteconomia e Ciência da Gestão de Relacionamento com o Cliente Disseminação Seletiva da Informação

9 8 SUMÁRIO 1INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA AFINAL O QUE SIGNIFICA MARKETING TIPOS DE MARKETING MARKETING EM ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS BIBLIOTECAS NESTE CONTEXTO BIBLIOTECAS E O MARKETING PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS RESULTADOS CARACTERIZAÇÃO DO CORPUS DA PESQUISA Artigos e suas autorias Caracterização dos autores: gênero, titulação acadêmica ANÁLISE DE CONTEÚDO O enfoque das publicações sobre o marketing no âmbito das bibliotecas CONCLUSÃO...45 REFERÊNCIAS...48

10 9 1 INTRODUÇÃO Hoje, vivemos em um mundo que sofre constantes transformações de forma abrupta. O avanço da ciência em todas áreas do conhecimento, tornando-as cada vez mais próximas, devido a interação de pesquisadores de diferentes áreas, a facilidade que as tecnologias de informação e comunicação proporcionam as pessoas de se comunicarem com o mundo. Todos estes fatores contribuem para que a informação esteja disponível, de forma democrática, ao alcance de todos. No entanto, as organizações sofrem com a forte pressão advinda destes fatores, tornando seus ambientes instáveis, exigindo delas uma incessante busca de novidades e aprimoramentos que otimizem o seu negócio. Nesse sentido, as bibliotecas, organizações sem fins lucrativos, também fazem parte do cenário de incertezas. A informação, principal produto que as bibliotecas ofertam através dos mais variados serviços, também é facilmente encontrada através de outros meios, como livrarias e a internet. O usuário que desejar obter a informação escolherá a opção que lhe trouxer melhor custo-benefício. Nesta ótica, é fundamental que os gestores de bibliotecas tomem conhecimento da filosofia administrativa voltadas para o marketing, com vistas a adaptá-las e aplicá-las, visando tornar estes ambientes que são estigmatizados há anos, em locais mais atraentes. O marketing como ferramenta gerencial, possibilita a biblioteca conhecer o universo em que atua, tanto internamente como externamente, permitindo a criação, desenvolvimento, promoção e distribuição de produtos e serviços de informação. Conforme exposto, esta pesquisa teve como objetivo o propósito de analisar o conteúdo dos artigos publicados em periódicos da Ciência da Informação, no período de , visando verificar de que forma as bibliotecas estão utilizando o marketing em suas rotinas. Afim de atingir o objetivo geral, foram determinados os seguintes objetivos

11 10 específicos: a) reunir e examinar a literatura existente sobre o assunto; b) identificar o perfil dos autores que abordam o tema; c) verificar qual a ação de marketing é explorada com maior frequência pelas bibliotecas. Este trabalho foi norteado pela seguinte pergunta de pesquisa: De que forma as bibliotecas estão relatando suas experiências na literatura a respeito da aplicação do marketing em seus ambientes? A pesquisa deu enfoque a todos os tipos de bibliotecas, visto que o tema marketing carece de publicações na área de Ciência da Informação, não possibilitando a escolha de somente um tipo de unidade. Elegeu-se como cobertura espacial o território nacional, com vistas a identificar a evolução do tema em nosso país. A importância na abordagem deste tema julgou-se necessária pelo fato da literatura de marketing em bibliotecas estar fragmentada e dispersa, demandando realizar um balanço da extensão e complexidade do processo. Além de servir como material para profissionais da informação buscarem inspiração nos artigos aqui reunidos. A metodologia adotada quanto aos objetivos da presente pesquisa, caracteriza-se como pesquisa exploratória e descritiva. Para análise dos dados foi utilizada a técnica cunhada por Bardin (1979), denominada de análise de conteúdo, composta por três polos cronológicos: pré-análise, exploração do material e o tratamento dos resultados, a inferência e a interpretação. A captura das publicações foi realizada na Base Referencial de Revistas de Biblioteconomia e Ciência da Informação (BRAPCI), a qual indexa artigos de periódicos brasileiros da referida área. Foram selecionados as publicações que trouxeram em seu título, resumo ou palavra-chave, os termos referentes a marketing e biblioteca.

12 11 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Esta sessão encontra-se fragmentada em cinco partes, inicialmente será apresentado o significado de marketing, em seguida os tipos de marketing, logo após passando por marketing em organizações sem fins lucrativos e por fim contextualizando no cenário das bibliotecas. 2.1 AFINAL O QUE SIGNIFICA MARKETING A palavra Marketing ao ser mencionada, logo nos remete a algo atrelado a propagandas, comerciais e coisas do gênero na qual faz uma empresa atingir sucesso nas vendas de seu produto ou serviço. Esta visão sobre o marketing não esta errada, visto que, nós, na posição de clientes, temos contato direto com estes recursos que o marketing proporciona. No entanto, o marketing tem um significado maior, e as propagandas, comerciais e derivados são algumas das ferramentas de marketing que as organizações utilizam para atingir seus objetivos. Para compreender a totalidade do significado da palavra marketing, Kotler e Arnstrong (2007, p. 4), definem marketing como: [..] um processo administrativo e social pelo qual indivíduos e organizações obtêm o que necessitam e desejam por meio de criação e troca de valor com os outros. Em um contexto mais especifico dos negócios, o marketing envolve construir relacionamentos lucrativos e de valor com os clientes. [...] o processo pelo qual as empresas criam valor para os clientes e constroem fortes relacionamentos com eles para capturar seu valor de troca. Outra definição importante, encontra-se na página da American Marketing Association (2007, np, tradução nossa), a qual descreve o marketing como: a atividade, conjunto de instituições e processos para criar, comunicar, entregar e trocar ofertas que têm valor para os consumidores, clientes, parceiros e sociedade

13 12 em geral. Analisando as definições apresentadas, constata-se que, o foco do Marketing representa a relação entre a organização e seus clientes. Relação essa, que requer trocas, a empresa encarrega-se de pesquisar, analisar, conhecer e fornecer aquilo que seu público-alvo deseja, que pode ser um bem de consumo (tangível) ou um serviço (intangível), e ao cliente caberá decidir se o objeto e o conjunto de elementos para consegui-lo, é merecedor de sua fidelização (BASTA, 2006). Já Drucker (2001, p. 36) acredita que pode-se presumir que sempre haverá alguma necessidade de vender. Mas a meta do marketing é tornar a venda supérflua, é conhecer e entender tão bem o consumidor que o produto ou o serviço se adapte a ele e se venda sozinho. É nas palavras de Drucker (2001) que encontra-se a verdadeira essência do marketing, que se resume em conhecer o consumidor, este é o segredo, colocar-se no lugar do cliente e captar suas necessidades e desejos. Falando desta maneira, pode parecer que conhecer o cliente e criar valor para ele é uma tarefa simples, mas na prática, requer uma série de processos para atingir este objetivo. Na quadro 1 é apresentado, de forma simplificada, os processos de marketing, onde é descrito o passo a passo para que as empresas conquistem o mercado que almejam. Entender o mercado e as necessidades e os desejos dos clientes Elaborar uma estratégia de marketing orientada para os clientes Desenvolver um programa de marketing integrado que proporcione valor superior Quadro 1: Modelo simplificado do processo de marketing Fonte: Kotler e Armstrong ( 2007, p.4) Construir relacionamentos lucrativos e criar o encantamento dos clientes Capturar valor dos clientes para gerar lucro e qualidade para os clientes Observando as etapas segundo Kotler e Arms trong (2007): a) primeira - Busca realizar pesquisa de mercado, visando encontrar as demandas das necessidades e desejos dos clientes e em cima destas demandas, criar valor, oferecendo um diferencial, no qual satisfaça o cliente;

14 13 b) segunda - Trata da escolha do mercado que se deseja atingir. Sendo necessário definir o público-alvo e os benefícios que serão oferecidos a eles. Outro ponto importante a ser desenvolvido nesta fase, é a elaboração das estratégias de marketing que podem ser orientadas e focadas nos seguintes segmentos: produção, vendas, marketing e marketing societal; c) terceira - É aquela que transformara a estratégia de marketing em ação. Isso ocorre através de um programa de marketing que a empresa deve desenvolver, no qual utilize o mix de marketing (produto, preço, praça, promoção), para implementar as estratégias; d) quarta Sem dúvidas é a etapa mais importante, a qual busca estabelecer relacionamento duradouro com o cliente, visando sua fidelização. Para isso, as organizações utilizam de ferramentas que possibilitam o fortalecimento dessas relações, além da Gestão de Relacionamento com o Cliente (CRM); e) quinta - A última etapa diz respeito a conquista do cliente para vendas continuas, construindo relacionamentos duradouros. 2.2 TIPOS DE MARKETING Ao longo dos anos, o marketing, como qualquer área do conhecimento, vem se modificando e nascem dele novas vertentes. Se pesquisarmos sobre os tipos de marketing, encontraremos dezenas deles, no entanto, conforme o quadro 2 será apresentado aqueles que são considerados mais significativos.

15 14 Tipo Descrição Exemplo Produto Serviço Pessoa Lugar Causa Organização Marketing destinado a criar trocas para produtos tangíveis Marketing destinado a criar trocas para produtos intangíveis Marketing destinado a criar ações favoráveis em relação a pessoas Marketing destinado a atrair pessoas para lugares Marketing destinado a criar apoio para ideias e questões ou a levar as pessoas a mudar comportamentos socialmente indesejáveis Marketing destinado a atrair doadores, membros, participantes ou voluntários Quadro 2 Principais tipos de marketing Fonte: Churchill e Peter (2010, p. 5) Estratégias para vender os computadores Infoway Estratégias da Hertz para alugar carros para viajantes Estratégias para obter votos para Fernando Henrique Cardoso Estratégias para levar pessoas a passar férias na Bahia Estratégias para coibir o uso de drogas ilícitas ou para aumentar o número de doações de sangue Estratégias para aumentar o número de associados do fã clube do Roberto Carlos Segundo Churchill e Peter (2010) grande parte dos tipos de marketing podem ser aplicados tanto em empresas que visam ou não lucros. Uma loja pode vender um objeto pelo dobro do valor que o comprou e lucrar com isso, assim como uma fundação pode vender um produto e com o lucro obtido cobrir seus custos. Outra possibilidade de utilização do marketing em organizações sem fins lucrativos é a de atingir metas, como a recuperação de dependentes químicos (CHURCHILL; PETER, 2010 ). Assim sendo, esta ferramenta revela suas diferentes facetas para que as organizações a utilizem na busca de realizar trocas para com seu público-alvo, visando benefícios para ambos. 2.3 MARKETING EM ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS Existe hoje, uma gama de organizações que não visam lucro, elas são chamadas de organizações sem fins lucrativos, dentre elas podemos citar: hospitais, fundações, escolas, museus, bibliotecas, entre outras. Com a crescente concorrência em todos

16 15 setores de mercado, essas instituições também precisam repensar a forma de gerenciar seus negócios, a maioria delas, ainda não se atentaram para ferramenta administrativas em busca de melhorias de seus ambientes. Realizar pesquisa de satisfação de seus diversos público-alvo, identificar as necessidades demandadas, divulgar serviços prestados. Estas são algumas das atividades essenciais, que as organizações sem fins lucrativos, devem desempenhar para cumprir sua missão e fazer com que seus usuários fiquem satisfeitos (KOTLER; LEE, 2007). Neste sentido, o marketing pode revelar-se um grande aliado não só das empresas que visam o lucro, mas também daquelas que não o visam, como revelam Churchill e Peter (2010) quando mencionam que as estratégias de marketing, podem ajudar estas organizações a alcançarem seus objetivos. A justificativa baseia-se no fato de que elas também tem metas a cumprir, seja em atingir um número x doações de sangue ou a visita de y pessoas a determinada exposição (CHURCHILL; PETER, 2010). Olhando deste prisma, todas as organizações tem este ponto em comum (metas), mas como revelam os autores enquanto a principal meta do marketing para uma empresa é trazer lucros, o marketing em organizações sem fins lucrativos é direcionado para outros objetivos, como incentivar o uso de serviços da organização (CHURCHILL; PETER, 2010, p. 304). Verificamos então, que a utilização dos elementos de marketing pelas instituições sem fins lucrativos é uma questão de adaptação. Onde estes componentes [ ] devem ser aplicados tendo como referência a finalidade da organização, sua missão, seu objetivo, seu produto e seus clientes. É necessário que os tomadores de decisão tenham claros para si,estes aspectos, para que possam estabelecer estratégias adequadas, para atingir o público e ao objetivo adequado à organização. (GUIMARÃES, 2003, p. 5). Conforme apresentada a definição de marketing no inicio do capitulo, mencionou-se a ideia que as pessoas costumam ter a respeito desta palavra. E quando ela é

17 16 abordada no setor público, muitas pessoas não conseguem nem imaginar como os elementos do marketing podem ser utilizados para ajudar estas organizações. Sendo que esta ferramenta não significava (KOTLER; LEE, 2007) apenas propaganda, vendas e comunicação, o que acaba sendo interpretado como manipulação ou competição, ela tem como principal foco o cidadão. Fazendo com que o mesmo seja ouvido pelas organizações e que elas desenvolvam estratégias visando melhorias no desempenho de seus papéis. Neste sentido, o marketing acaba sendo a melhor plataforma de planejamento para uma agencia pública que queira atender às necessidades do cidadão e que queira entregar valor real (KOTLER; LEE, 2007, p. 23) BIBLIOTECAS NESTE CONTEXTO No mundo globalizado em que vivemos a informação é insumo fundamental no desenvolvimento de atividades relacionadas a qualquer área do conhecimento. Todos os dias as pessoas acordam e imediatamente procuram meios de sanar sua sede informacional, seja para lazer ou trabalho, muitos são os meios para encontrar estas informações: internet, livrarias, bibliotecas,... aquela fonte que fornecer as pessoas agilidade, transmitir confiança, credibilidade, empatia e algum diferencial, certamente estará saindo na frente. Neste contexto a Biblioteca se insere num espaço onde usuários buscam informações que são disponibilizadas em diversos suportes que estão organizados de forma sistemática. Estas instituições oferecem a comunidade que atendem, diversos serviços, passando por um simples empréstimo de livro até o auxílio no desenvolvimento de uma pesquisa. Dependendo de seu segmento elas podem ter funções diferenciadas, sempre visando atender as demandas de seu público. Entre algumas das funções que cabem a estas instituições está: formar leitores, realizar a inclusão social, servir de

18 17 suporte no desenvolvimento de pesquisas, disponibilizar conteúdo específico de determinada área ou ser depositária de publicações culturais de um país (PIMENTEL; BERNARDES; SANTANA, 2007). Para compreender melhor o papel desempenhado pelas bibliotecas, seguem os principais tipos e suas características: Biblioteca escolar ela é parte integrante das escolas, cabendo a ela as seguintes funções: educativa - complementa o ensino pedagógico lecionado pelo professor em sala de aula; cultural e social fornece acesso ao aluno aos materiais culturais, desenvolve no indivíduo o pensamento critico, ; recreativa educativa busca desenvolver o hábito da leitura e pesquisa (CORRÊA et al., 2002). Biblioteca pública cabe a ela ser responsável em atender as demandas de sua comunidade, sem distinções de raça, sexo, idade ou crença. Também devendo proporcionar acesso à informação em qualquer suporte a qualquer pessoa e em qualquer tempo, inserindo sua clientela no processo global permeados pelo acesso às tecnologias da informação e da comunicação (BERNARDINO; SUAIDEN; 2011, p. 139). Biblioteca Universitária ela deve estar integrada a universidade, servindo como uma verdadeira e rica fonte de informação para sua comunidade acadêmica, atendendo as necessidades de ensino, pesquisa e extensão das universidades a que serve (SILVA, 2010). Biblioteca especializada São unidades que contém acervo especializado em determinada área do conhecimento destinado à satisfação das necessidades informacionais de um público específico (SALASARIO, 2000, p. 108). Biblioteca nacional - é responsável depositária do patrimônio cultural de um país, encarrega-se de editar a bibliografia nacional e fazer cumprir o depósito legal (PIMENTEL; BERNARDES, 2007, p. 23), cabe a ela a guarda, preservação e

19 18 divulgação desta coleção. 2.5 BIBLIOTECAS E O MARKETING As Bibliotecas enquadram-se como instituições sem fins lucrativos. Elas oferecem produtos e serviços ao seu público, tendo como objetivo principal possibilitar que seus usuários tenham acesso a informação desejada, independente do formato ou meio em que se encontra. E para que estas unidades tenham maior exito, seus gestores devem vislumbrando a biblioteca como um negócio, considerando seus usuários como clientes, afinal, hoje em dia há tantos recursos informacionais (internet, livrarias,...) concorrendo com as Bibliotecas, que é necessário torná-las mais atrativas e oferecer diferenciais, caso contrário, algumas bibliotecas podem estar com os dias contados (AMARAL, 2008). Oliveira (1985, p. 146) aponta, que com a mudança de atitude para o marketing, as bibliotecas melhorarão sua imagem, atrairão novos usuários e oferecerão serviços que melhor satisfarão as necessidades da comunidade alvo. Mas como isso seria possível? Kotler e Lee (2007) nos dão uma ideia de como uma Biblioteca aplicaria ferramentas de marketing em sua rotina implementando o composto de marketing (quadro 3), o qual busca descrever os principais elementos que influenciam nas decisões de marketing para produzir a resposta que deseja no mercado-alvo (BASTA, 2006).

20 19 PRODUTO PREÇO PRAÇA PROMOÇÃO Livros, materiais de referência, periódicos, Cds, DVDs, bases de dados, E-books. Número de atendentes, condições ambientais,... Tempo, esforço,... Redução de tempo para retirar um livro, esforço para encontrar uma vaga de estacionamento. Quadro 3: Composto de marketing para bibliotecas Fonte: Kotler e Lee (2007) Localização física, estacionamento, horário, dias da semana com atendimento ao público, operações sendo realizadas pelos usuários através de acesso remoto (pesquisa, renovação, reserva) Programa de leitura de verão- veículos promocionais incluiriam a propaganda, bibliotecários comunicariam aos alunos sobre o programa, distribuição de banners aos pais, divulgação do calendário e relatos em jornal local. Produto - representa o objeto da troca, no qual leva-se em consideração a variedade, qualidade, design, características, nome de marca, embalagem e serviços (KOTLER; ARMSTRONG, 2007, p. 42). No caso da Biblioteca o objeto principal em questão é a informação, mas como observa-se na tabela outros fatores também são levados em consideração. Preço refere-se a quantia, monetária ou não, que será fornecida em troca pelo objeto. No caso da Biblioteca este elemento do composto de marketing envolve o caminho e atividades que o usuário traçará para chegar até a informação que esta localizada na Biblioteca (KOTLER; LEE, 2007). Praça são os meios utilizados para a distribuição do objeto, que envolvem os canais, cobertura, variedade, locais, estoque, transporte, logística (KOTLER; ARMSTRONG, 2007, p. 42). Promoção dizem respeito aos canais que serão usados para transmitir a oferta do produto. Os recursos neste item abarcam a (KOTLER; ARMSTRONG, 2007, p. 42) propaganda, venda pessoal, promoção de vendas e relações públicas. Conforme o exposto, as técnicas mercadológicas evidenciam-se como grande aliada no desenvolvimento da prática bibliotecária.

21 20 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A caracterização da presente pesquisa identifica-se como pesquisa documental referente as abordagens de marketing no âmbito das bibliotecas. Segundo Duarte (2004, p. 182), a pesquisa documental, é um: trabalho de pesquisa de pesquisas; de nível exploratório-descritivo, oportunizando uma análise da produção científica, de forma que possa viabilizar generalizações e previsões no uso dos dados e apresentar novos caminhos para tomadas de decisões de novas pesquisas na área. Do ponto de vista dos seus objetivos, a pesquisa caracteriza-se como exploratória e descritiva. Conforme relata Gil (1991), a pesquisa exploratória tem por objetivo oferecer maior familiaridade com o problema de pesquisa com o intuito a sua explicitação ou construção de hipóteses. Neste sentido, foram averiguadas abordagens e intuições que trouxeram como resultados uma visão geral do assunto em questão. Já a pesquisa descritiva, enfatiza Gil (1991, p. 46) permite descrever as características de determinado fenômeno ou o estabelecimento de relações entre variáveis. No tocante a esta pesquisa descreveram-se as interpretações e experiências de cada escritor, onde foi averiguada relações entre as diferenças e similaridades nos discursos. Na examinação dos dados empregou-se o método sugerido por Bardin (1979, p. 43), chamado de análise de conteúdo, o qual possibilita elaborar uma análise dos resultados de forma quantitativa como também qualitativa, através da descrição dos conteúdos das mensagens e de unidades de registro correspondentes às variáveis categorias da pesquisa. A análise de conteúdo de Bardin (1979) é composta de três polos cronológicos: a) pré-análise: é a etapa de organização do material no plano da análise. No qual foram escolhidos os documentos que fizeram parte do corpus da

22 21 pesquisa, além da elaboração dos objetivos e indicadores que fundamentaram a interpretação final. Tais procedimentos se concretizaram ao longo da leitura superficial e do contato com os documentos; b) exploração do material: é a fase de codificação, desconto ou enumeração, em função de regras previamente formuladas (BARDIN, 1979, p. 101). Nesta etapa os dados brutos são convertidos de forma organizada, possibilitando um relato das características que dizem respeito ao conteúdo; c) tratamento dos resultados obtidos e interpretação: fase de codificação dos dados brutos em informações significativas e válidas. É neste momento que interpretações e inferências serão concretizadas, além do confronto dos resultados com os objetivos almejados. O corpus do estudo constituiu-se de publicações periódicas da área de Ciência da Informação, no qual utilizou-se a Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação (BRAPCI). A BRAPCI é um projeto desenvolvido pela Universidade Federal do Paraná, que realiza o trabalho de indexação de todos os artigos das revistas cientificas da área de Ciências da Informação, hoje totalizando 35 títulos, nos quais 27 periódicos encontram-se ativos. Na BRAPCI foram selecionados artigos que traziam em seu título, resumo ou palavras-chave, os termos pertinentes a marketing em bibliotecas. Alguns artigos apresentaram a nomenclatura unidade de informação, estes demandaram uma leitura mais aprofundada antes de serem selecionados, onde buscou-se verificar se as bibliotecas faziam parte do enfoque. A cobertura temporal do corpus foi restringida entre os últimos 12 anos ( ) e a cobertura espacial foi delimitada em território nacional brasileiro.

23 22 4 RESULTADOS Esta pesquisa objetivou analisar de que forma as bibliotecas estão utilizando as ferramentas de marketing em suas unidades. Conforme este panorama, foi elegido como universo da pesquisa, as bibliotecas no geral, visto que, o tema marketing, no âmbito das bibliotecas, é um assunto pouco abordado e se limitasse a somente um tipo de biblioteca, não seria possível realizar a pesquisa, devido a falta de material para constituir o corpus da pesquisa. A fonte de pesquisa do tema foi realizada através da ferramenta BRAPCI, que indexa os periódicos da área de Ciência da Informação publicados no Brasil. Hoje, a BRAPCI indexa em sua base de dados 36 títulos de periódicos, sendo 25 deles vigentes e 11 históricos. Ela tem cooperado nos estudos analíticos e descritivos no que se refere (LIMA; SOARES; OLIVEIRA, 2011, p. 300 ) a produção acadêmica e ampliando a compreensão sobre o comportamento da ciência na área de Ciência da Informação. O período escolhido para análise foi do ano de 2000 a 2011, neste espaço de tempo foram identificados 21 artigos que trataram de experiências e análises de literatura pertinentes ao marketing em bibliotecas. Observando a distribuição no tempo, percebe-se que o ano 2000 teve cinco artigos publicados, manifestando-se o ano mais prospero em abordar as questões de marketing, revelando uma tendência de abordagem, cogitando o período analisado. O ano de 2008 também obteve uma discrepância em comparativo com os demais anos, totalizando quatro publicações, em seguida apresenta-se o ano de 2011 com três publicações, 2007 e 2009 com duas e por fim 2002, 2003, 2004, 2006 e 2010 com somente um artigo publicado. Observa-se que os anos de 2001 e 2005 não existiram publicações do tema em questão, indicando defasagem.

24 23 Gráfico 1: Pesquisa sobre artigos publicados em periódicos da área de Ciência da Informação de referente a marketing no âmbito das bibliotecas: artigos recuperados. Vale lembrar que, a presente pesquisa não tem o intuito de ser um fim em si mesma, pois todas as áreas dos conhecimento humano, sofrem alterações e quebra de paradigmas com o passar dos anos, tornando-se obsoletas. Assim, as exposições aqui fundamentadas não devem ser avaliadas como esgotamento do assunto. Tendo a premissa de fomentar discussões e instigar outros pesquisadores das áreas afins a explorar o assunto, além de esperar que, de alguma forma, o estudo aqui realizado, seja relevante, possibilitando que os profissionais da informação busquem inspiração nas ideias e experiências descritas nos artigos recuperados. Os resultados da pesquisa serão exibidos em duas partes, primeiramente sendo considerada a caracterização do corpus da pesquisa, que dizem respeito aos trabalhos e autores, e em seguida será apresentada a análise de conteúdo, com as categorias de assunto definidas e abordagens dos autores sobre o marketing.

25 CARACTERIZAÇÃO DO CORPUS DA PESQUISA Aqui serão relatados e examinados os resultados encontrados referente a pesquisa no que tange a caracterização dos artigos e seus autores Artigos e suas autorias Nesta seção será apresentado os autores e suas relações com o corpus de pesquisa, formado por 21 publicações disposta nos últimos 12 anos em periódicos da área de Ciência da Informação. A distribuição dos artigos, ao longo dos 12 anos, variou entre um a cinco trabalhos por ano, resultando na média de 1,75 trabalhos publicados por ano. Lembrando que houveram dois anos em que não se obteve nenhuma publicação do tema. A autoria individual atingiu um número expressivo, totalizando 42,8%, revelando que o perfil destes autores optam em desenvolver suas pesquisas sozinhos, no qual preferem discorrer sobre seu ponto de vista, não sendo preferível a troca de ideias em grupo. Comentando ainda sobre este aspecto, a autoria realizada em parceria prevaleceu, obtendo 57% dos artigos publicados, vide gráfico 2. Este dado justifica-se pelo fato de existir maior interação na comunicação, facilitando o processo de desenvolvimento da pesquisa, possibilitando ter conhecimento dos diferentes pontos de vista dos autores. Para reforçar esta ideia Targino (2005, p. 46) aponta que a autoria múltipla ganha força, principalmente, depois da segunda guerra mundial, [...], alcançando o seu ápice, agora, na sociedade pós-moderna, com a possibilidade de integração e interação entre usuário e periódico, autor e leitor [...].

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Pesquisa de Marketing

Pesquisa de Marketing Pesquisa de Marketing CONCEITOS INICIAIS Prof. Daciane de Oliveira Silva Fonte: MALHORTA, Naresh K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. MATTAR, Fauze Najib.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão de Recursos Humanos DISCIPLINA: Ferramentas de Gestão de Recursos Humanos ALUNO(A):Aline de Souza MATRÍCULA:51811 Ribeiro da Rocha NÚCLEO REGIONAL: DATA:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line;

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line; Encontro Presencial Introdução ao Marketing e Marketing de Serviços Caro aluno, Conheça as três atividades distintas que ocorrerão durante o Encontro Presencial... 1. Revisão estudo, orientado pelo Professor-Tutor,

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

MARKETING DIGITAL PARA PME: APRENDA A DEFINIR QUANDO, COMO E EM QUAIS ESTRATÉGIAS INVESTIR

MARKETING DIGITAL PARA PME: APRENDA A DEFINIR QUANDO, COMO E EM QUAIS ESTRATÉGIAS INVESTIR MARKETING DIGITAL PARA PME: APRENDA A DEFINIR QUANDO, COMO E EM QUAIS ESTRATÉGIAS INVESTIR Introdução 02 A importância de calcular o ROI dos investimentos Capítulo 1 04 Aprendendo a definir os investimentos

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

Pós Graduação em Comunicação Organizacional Integrada

Pós Graduação em Comunicação Organizacional Integrada Público - alvo Pós Graduação em Organizacional Integrada Indicado para profissionais de comunicação organizacional, relações públicas, assessores de comunicação, gestores de comunicação, bem como para

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO OBIGATÓRIO CURRICULAR NA BIBLIOTECA SETORIAL DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIAS, CONTÁBEIS E SECRETARIADO

REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO OBIGATÓRIO CURRICULAR NA BIBLIOTECA SETORIAL DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIAS, CONTÁBEIS E SECRETARIADO XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES ALUNO RA: ASSINATURA: DATA: / / AS RESPOSTAS DEVERRÃO SER TOTALMENTE MANUSCRITAS Prof. Claudio Benossi Questionário: 1. Defina o que é Marketing? 2. Quais são

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO

MARKETING DE RELACIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO 1 O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00)

ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00) 3 ABRIL ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00) DATA: 06 a 10/04/2015 HORÁRIO: 19h às 22h CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Bem tratado ou bem atendido? Momentos da verdade das empresas O perfil do profissional de

Leia mais

Modelo de Excelência da Gestão. Plataforma da Informação

Modelo de Excelência da Gestão. Plataforma da Informação Modelo de Excelência da Gestão Plataforma da Informação Modelo de Excelência da Gestão; Uma visão sistêmica da gestão organizacional. O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) é o carro-chefe da FNQ para

Leia mais

5 Considerações finais 5.1. Reflexões sobre os resultados

5 Considerações finais 5.1. Reflexões sobre os resultados 5 Considerações finais 5.1. Reflexões sobre os resultados Ao longo da história o boca a boca sempre se mostrou como um meio eficaz de promoção de produtos e serviços, como advento da Internet esse poder

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário Organizando Voluntariado na Escola Aula 1 Ser Voluntário Objetivos 1 Entender o que é ser voluntário. 2 Conhecer os benefícios de ajudar. 3 Perceber as oportunidades proporcionadas pelo voluntariado. 4

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing de Moda

Pós-Graduação em Marketing de Moda Pós-Graduação em Marketing de Moda Público alvo Indicado para profissionais com formação em Moda, Design, Marketing, Comunicação, Arquitetura, dentre outros, e que atuem ou desejem atuar na área de Moda,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais