FILOSOFIA POLÍTICA: O PROBLEMA DA JUSTIFICAÇÃO E DA ORIGEM DO ESTADO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FILOSOFIA POLÍTICA: O PROBLEMA DA JUSTIFICAÇÃO E DA ORIGEM DO ESTADO."

Transcrição

1 FILOSOFIA POLÍTICA: O PROBLEMA DA JUSTIFICAÇÃO E DA ORIGEM DO ESTADO.

2 A justificação contratualista de John Locke -A proposta de Locke, em seu Segundo tratado sobre o Governo civil (1690), é mais influente do que a de Aristóteles; -Segundo Locke, o Estado tem origem em uma espécie de contrato social; - Esse contrato proporciona, segundo ele, a transição do Estado de natureza à sociedade civil Teoria de Locke é contratualista.

3 Mas o que levou essas pessoas a estabelecer este contrato? Para responder essa pergunta precisamos primeiro entender como eram as coisas antes de existir tal pacto, isto é, antes da existência do Estado, quando não havia poder político, nem governo, nem tribunais.

4 Lei natural e Estado de Natureza O Estado de natureza: - As pessoas viviam em perfeita liberdade; - Cada um era senhor absoluto da sua pessoa e de seus bens, sem ter que prestar contas a ninguém; - As pessoas viviam em um estado de completa igualdade, sem qualquer tipo de hierarquia; - Viviam de acordo com a lei natural que determina que ninguém infrinja os direitos dos outros nem ofenda-os.

5 Lei Natural - Segundo Locke, elabora-se a lei natural usando a razão natural, que é comum a todas as pessoas e independente de convenções humanas; - Estabelece a seguinte distinção:lei NATURAL versus LEI POSITIVA; - As leis positivas são leis que resultam das convenções humanas, são as leis que realmente existem nas sociedades civis organizadas em Estados.

6 - Enquanto que no Estado de Natureza as pessoas nada têm acima de si, a não ser a lei natural, na sociedade civil as pessoas aceitam submeter-se à autoridade de um governo; - A única lei que vigora no Estado de Natureza é a lei natural. Locke distingue a lei natural da lei positiva, mas também da lei divina

7 Lei Natural Lei Positiva Lei divina -É dada pela natureza; -É racional, porque é alcançada apenas pela razão e porque agir contra a lei natural é agir contra a razão; -É independente das convenções humanas, pois não depende do local e da época em que as pessoas vivem; -É convencional, pois é aplicada apenas nos locais em que essa convenção foi estabelecida; -É revelada por Deus através dos profetas e das escrituras; -Aplica-se àqueles a quem Deus escolheu revelá-la.

8 - Para Locke a lei natural não é uma lei científica que descreve o funcionamento efetivo da natureza como pensava Aristóteles. - Locke defende que a lei natural é normativa, isto é, que determina como nós devemos agir e não como nós de fato agimos. - Ora, dado que no Estado de Natureza as pessoas vivem conforme a lei natural, elas têm os direitos decorrentes da aplicação dessa lei. Quais sejam:

9 Os direitos oriundos da Lei Natural: 1. Todas as pessoas são iguais, pois têm exatamente o mesmo conjunto de direitos naturais; 2. Todas as pessoas têm o direito de julgar, por si, quais ações estão de acordo com a Lei natural quais não estão, pois ninguém tem acesso privilegiado à lei natural nem autoridade especial para julgar pelos outros; 3. Todas as pessoas têm individualmente o direito de se defender usando a força, se necessário dos que tentarem interferir em seus direitos e violar a lei natural;

10 O contrato social e a origem do governo - Locke pensa que qualquer poder exercido sobre as pessoas exceto os casos de auto-defesa ou de execução da lei natural só é legítimo se tiver seu consentimento, seu acordo. -Por isso, a existência de um poder político só pode ter tido origem em um acordo, ou contrato, entre pessoas livres que decidem unir-se para formar a sociedade civil. - Apesar de parecer que Locke caracteriza o estado de natureza como um estado quase perfeito, não deixa de reconhecer alguns problemas que podem instabilizar a vida nesse estado.

11 Problemas do Estado de Natureza Segundo Locke alguns problemas surgem no estado de natureza que podem provocar sua instabilidade, a saber: -Como o homem é movido por interesses, pela ganância ou pela ignorância ele pode recusar seguir a lei natural, ameaçando constantemente os direitos de propriedade das pessoas; -Além disso, podemos julgar alguém erroneamente ou por interesse.

12 Propriedade, segundo John Locke - Por propriedade Locke concebe algo bastante genérico. Representam propriedades das pessoas: além de seus bens materiais, também suas vidas e liberdade. -Aqueles problemas justificam o abandono do homem do estado de natureza em troca da proteção e estabilidade do governo civil. -Os problemas que podem surgir no estado de natureza podem também conduzir para um estado de guerra e confusão, prejudicial à todos.

13 Locke aponta 3 aspectos importantes que faltam no estado de natureza mas são garantidos pelo poder político: 1. Falta uma lei estabelecida e aprovada por consentimento, que sirva de padrão para decidir sobre ações de acordo ou desacordo com a lei natural. Por que apesar de a lei natural ser clara nós divergimos e a compreendemos mal.

14 2. Falta um juiz imparcial com autoridade para decidir segundo a lei, evitando que haja juízes que decidam em causa própria. Pois quando as pessoas julgam em causa própria têm a tendência de ser parciais e injustas; 3. Falta um poder suficientemente forte para executar a lei e fazer cumprir as sentenças justas, evitando que os mais fracos ou em menor número sejam injustiçados pelos mais fortes e em maior número.

15 Portanto, é para enfrentar todas essas dificuldades que surgem no estado de natureza que, segundo John Locke, as pessoas decidem abrir mão dos privilégios daquela situação cedendo o poder de executar a lei àqueles que forem escolhidos segundo as regras da comunidade. E, mesmo que digamos que ninguém nos perguntou se aceitamos viver numa sociedade civil, Locke defende que, a partir do momento em que usufruímos das suas vantagens estamos CONCORDANDO com a sociedade civil, isto é, com a existência do Estado.

16 Ou, na próprias palavras de Locke: O grande e principal objetivo, portanto, da união dos homens em estados e de colocar-se sob governo é a preservação da sua propriedade. E, para isso, no estado de natureza há muitas coisas que não estão à altura. Referências bibliográficas: ALMEIDA, Aires de; et al. A arte de pensar. Lisboa: Didactica BAKER, Ann; BONJOUR, Laurence. Filosofia: textos fundamentais comentados. Porto Alegre:Artmed

17 Referências bibliográficas: ALMEIDA, Aires de; et al. A arte de pensar. Lisboa: Didactica BAKER, Ann; BONJOUR, Laurence. Filosofia: textos fundamentais comentados. Porto Alegre:Artmed LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo civil. Lisboa: Edições ,

PENSADORES CONTRATUALISTAS

PENSADORES CONTRATUALISTAS PENSADORES CONTRATUALISTAS Thomas Hobbes (1588-1679) Principal obra: LEVIATÃ John Locke (1632-1704) Charles-Louis de Secondat, ou Montesquieu (1689-1755) Principal obra: O espírito das leis. Jean-Jacques

Leia mais

Jean-Jacques Rousseau (1753) de Maurice Quentin de La Tour Da vontade geral surge o Estado

Jean-Jacques Rousseau (1753) de Maurice Quentin de La Tour Da vontade geral surge o Estado 1 JEAN-JACQUES ROUSSEAU: A VONTADE GERAL. Jean-Jacques Rousseau (1753) de Maurice Quentin de La Tour Da vontade geral surge o Estado Rousseau e a democracia direta 2 Assim como os demais pensadores políticos

Leia mais

É proibida a COMERCIALIZAÇÃO

É proibida a COMERCIALIZAÇÃO - 1 - ESTUDO DO LIVRO DOS MÉDIUNS PARTE 1: NOÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I: EXISTEM ESPÍRITOS? Liz Bittar Fevereiro de 1998 (1 a. versão em Fevereiro de 1990) - 2 - ESTUDO DO LIVRO DOS MÉDIUNS CAP. I EXISTEM

Leia mais

ÉTICA E MORAL. profa. Karine Pereira Goss

ÉTICA E MORAL. profa. Karine Pereira Goss profa. Karine Pereira Goss Muitas vezes utiliza-se esses termos como sinônimos. Mas há diferenças entre eles, embora se relacionem estreitamente. MORAL é um conjunto de normas que regulam o comportamento

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos Orientação a Objetos 1. Manipulando Atributos Podemos alterar ou acessar os valores guardados nos atributos de um objeto se tivermos a referência a esse objeto. Os atributos são acessados pelo nome. No

Leia mais

Munição Referente ao Injusto Penal e Ilicitude

Munição Referente ao Injusto Penal e Ilicitude 1 UNIPOL MUNIÇÃO REFERENTE A ILICITUDE E INJUSTO PENAL Munição Referente ao Injusto Penal e Ilicitude Vamos lá! para falarmos de ILICITUDE não podemos esquecer nosso quadro do Crime nunca! PRIMEIRO DEVEMOS

Leia mais

ISO Fev / 11 CLAUDIA PEDRAL PAPEL DA FAMILIA NO COTIDIANO ESCOLAR

ISO Fev / 11 CLAUDIA PEDRAL PAPEL DA FAMILIA NO COTIDIANO ESCOLAR ISO Fev / 11 CLAUDIA PEDRAL PAPEL DA FAMILIA NO COTIDIANO O QUE É PAPEL? Dentro da Ciência, muitas teorias vieram para definir papéis e os espaços do sujeito na sociedade. DEFINI-SE COMO SENDO: A forma

Leia mais

Trabalho da página 92 à 94

Trabalho da página 92 à 94 Trabalho da página 92 à 94 1.O que significa perguntar sobre a natureza dos valores? Significa perguntar se os valores existem nas coisas e ações e o sujeito os descobre ou se existem apenas no sujeito

Leia mais

FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 14 A DEMOCRACIA GREGA

FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 14 A DEMOCRACIA GREGA FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 14 A DEMOCRACIA GREGA Como pode cair no enem (ENEM) Mirem-se no exemplo Daquelas mulheres de Atenas Vivem pros seus maridos Orgulho e raça de Atenas. (BUARQUE, C.; BOAL, A. Mulheres

Leia mais

Etnocentrismo, relativismo cultural e multiculturalismo

Etnocentrismo, relativismo cultural e multiculturalismo Etnocentrismo, relativismo cultural e multiculturalismo Por Prof. Rita MacCord http://maccord-rita-prof.blogspot.com.br/2012/11/sociologiaetnocentrismo-relativismo.html em 04 de junho de 2013 MULTICULTURALISMO

Leia mais

A filosofia e a ciência do Direito Tributário Adonis Costa e Silva

A filosofia e a ciência do Direito Tributário Adonis Costa e Silva A filosofia e a ciência do Direito Tributário Adonis Costa e Silva A filosofia A Filosofia é o estudo do transcendental. Não existe Filosofia de fatos concretos, de fenômenos que se manifestem no exterior.

Leia mais

O Livro dos Profetas

O Livro dos Profetas O Livro dos Profetas Os livros Proféticos são a parte da Bíblia que contém os escritos e a pregação de homens que desempenharam uma função fundamental no meio de seu povo:- os profetas. Os profetas não

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA OS DOIS MUNDOS DE PLATÃO A FILOSOFIA DENTRO DA PSICOLOGIA UM ENSAIO A RESPEITO DE UM SABER

RELATO DE EXPERIÊNCIA OS DOIS MUNDOS DE PLATÃO A FILOSOFIA DENTRO DA PSICOLOGIA UM ENSAIO A RESPEITO DE UM SABER RELATO DE EXPERIÊNCIA OS DOIS MUNDOS DE PLATÃO A FILOSOFIA DENTRO DA PSICOLOGIA UM ENSAIO A RESPEITO DE UM SABER Graciella Leus Tomé Quase a meados da década de 90, e aqui estamos falando do ano de 1990,

Leia mais

PROVA: QUESTÃO: RESULTADO DO RECURSO: JUSTIFICATIVA:

PROVA: QUESTÃO: RESULTADO DO RECURSO: JUSTIFICATIVA: ESTADO DO PIAUÍ CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE CANAVIEIRA INSTITUTO MACHADO DE ASSIS RESULTADO DOS RECURSOS GABARITO DA PROVA OBJETIVA EDITAL Nº 001/2015 CARGO: TODOS OS CARGOS DE PROFESSSOR

Leia mais

Conhecendo Deus pessoalmente

Conhecendo Deus pessoalmente Conhecendo Deus pessoalmente O que é preciso para se iniciar um relacionamento com Deus? Esperar que um raio caia? Devotar-se a obras de caridades em diferentes religiões? Tornar-se uma pessoa melhor para

Leia mais

DNA, o nosso código secreto

DNA, o nosso código secreto Ciências Naturais 9ºAno Texto de apoio DNA, o nosso código secreto Nome: Data: Imagina que poderias ter nas mãos uma célula e abrir o seu núcleo como se abre um baú. Lá dentro, encontrarias uma sequência

Leia mais

NORMA OPERACIONAL DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS

NORMA OPERACIONAL DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS NORMA OPERACIONAL DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS 2.5 Condições de Habilitação e Desabilitação dos Municípios I. Da Habilitação Para habilitação dos municípios nos níveis de gestão definidos

Leia mais

Cultivares(Obtenções Vegetais)

Cultivares(Obtenções Vegetais) Cultivares(Obtenções Vegetais) Por que proteger obtenções vegetais (cultivares)? O estabelecimento de um efetivo sistema de proteção de obtenções vegetais visa a encorajar o desenvolvimento de novas variedades

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DO PROCESSO DO TRABALHO 1) PRINCÍPIO DO DEVIDO PROCESSO LEGAL 2) PRINCÍPIO DA IMPACIALIDADE DO JUIZ

1. PRINCÍPIOS DO PROCESSO DO TRABALHO 1) PRINCÍPIO DO DEVIDO PROCESSO LEGAL 2) PRINCÍPIO DA IMPACIALIDADE DO JUIZ 1 1. PRINCÍPIOS DO 1) PRINCÍPIO DO DEVIDO PROCESSO LEGAL A justa composição da lide só pode ser alcançada quando a tutela jurisdicional for prestada dentro dos moldes delimitados pelas normas processuais.

Leia mais

GUIA DO PROFESSOR SHOW DA QUÍMICA

GUIA DO PROFESSOR SHOW DA QUÍMICA Conteúdos: Tempo: Objetivos: Descrição: Produções Relacionadas: Estudo dos gases Uma aula de 50 minutos SHOW DA QUÍMICA Testar o conhecimento do aluno quanto à teoria dos gases. Os alunos de um colégio

Leia mais

PERGUNTA 1 - Qual é o fim principal do homem? RESPOSTA - O fim principal do homem é glorificar a Deus, e encontrar prazer nele para sempre.

PERGUNTA 1 - Qual é o fim principal do homem? RESPOSTA - O fim principal do homem é glorificar a Deus, e encontrar prazer nele para sempre. A finalidade do homem e as obras vivendopelapalavra.com Por: Helio Clemente O Breve Catecismo de Westminster, na pergunta número um, diz: PERGUNTA 1 - Qual é o fim principal do homem? RESPOSTA - O fim

Leia mais

1. O amor que sabe. 2. A boa e a má consciência

1. O amor que sabe. 2. A boa e a má consciência 1. O amor que sabe A idéia de que devem e podem assumir algo pelos pais ou ancestrais faz parte do pano de fundo que causa dificuldades aos filhos. Isso leva a problemas intermináveis para eles. E de certa

Leia mais

Hermenêutica Aula 4. Professora Edna

Hermenêutica Aula 4. Professora Edna Professora Edna Hermenêutica Aula 4 Teoria Pura do Direito de Hans Kelsen: Crítica ao caráter ideológico da Escola da Exegese; A moldura da norma jurídica; ato de conhecimento de vontade; interpretação

Leia mais

Maquiavel ( 1469 1527 )

Maquiavel ( 1469 1527 ) Maquiavel ( 1469 1527 ) Maquiavel tentou ir ao cerne da questão e tratar a política não como uma parte da filosofia moral ou ética, mas simplesmente em termos práticos e realistas. Ao colocar a utilidade

Leia mais

Razões e proporções. Profa. Dra. Denise Ortigosa Stolf

Razões e proporções. Profa. Dra. Denise Ortigosa Stolf Razões e proporções Profa. Dra. Denise Ortigosa Stolf Sumário Página Razão... 1 Razões inversas... Algumas razões especiais... 5 As razões escritas na forma percentual... 6 Calculando a porcentagem...

Leia mais

Crianças em trabalho perigoso

Crianças em trabalho perigoso Crianças em trabalho perigoso As mais recentes estatísticas globais da OIT estimam que 115 milhões de crianças estão envolvidas em trabalho perigoso. São trabalhos que pela sua natureza ou pelas condições

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano. Demonstração e argumentação: Lógica e retórica

FILOSOFIA 11º ano. Demonstração e argumentação: Lógica e retórica FILOSOFIA 11º ano Demonstração e argumentação: Lógica e retórica Governo da República Portuguesa Demonstração/argumentação Conforme os tipos de argumentos (razões) que nos servimos para justificar uma

Leia mais

O iluminismo ou Século das luzes

O iluminismo ou Século das luzes O iluminismo ou Século das luzes Início O contexto histórico em que surgiu o Iluminismo Burguesia e Iluminismo As luzes da razão O que o iluminismo defendia O que o iluminismo combatia Os pensadores iluministas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 86/XIII/1.ª

PROJETO DE LEI Nº 86/XIII/1.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI Nº 86/XIII/1.ª GARANTE A IMPENHORABILIDADE E A IMPOSSIBILIDADE DE EXECUÇÃO DE HIPOTECA DO IMÓVEL DE HABITAÇÃO PRÓPRIA E PERMANENTE POR DÍVIDAS FISCAIS (ALTERA O CÓDIGO

Leia mais

TAX alert 15 NOVEMBRO / 2013

TAX alert 15 NOVEMBRO / 2013 15 NOVEMBRO / 2013 REGIME EXCEPCIONAL DE REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS FISCAIS E À SEGURANÇA SOCIAL (RERD) Foi recentemente aprovado o Decreto-Lei n.º 151-A/2013, de 31 de Outubro, mencionado na nossa última

Leia mais

alocação de custo têm que ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária (como o aluguel, a supervisão, as chefias, etc.

alocação de custo têm que ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária (como o aluguel, a supervisão, as chefias, etc. Professor José Alves Aula pocii Aula 3,4 Custeio por Absorção Custeio significa apropriação de custos. Métodos de Custeio é a forma como são apropriados os custos aos produtos. Assim, existe Custeio por

Leia mais

Modelo SWOT. Carlos A. C. Salles Jr., M.Sc.

Modelo SWOT. Carlos A. C. Salles Jr., M.Sc. Modelo SWOT Carlos A. C. Salles Jr., M.Sc. ESTRATÉGIA - Etimologia e Evolução Origem da Palavra: STRATEGOS - A arte do General Péricles (405 ac): Habilidades gerenciais (administração, liderança, oratória,

Leia mais

A taxa do IRC para as PME. Alguns aspetos a ter em conta para a sua utilização

A taxa do IRC para as PME. Alguns aspetos a ter em conta para a sua utilização A taxa do IRC para as PME Alguns aspetos a ter em conta para a sua utilização A reforma do IRC criou uma nova taxa de 17% (n.º 2 do artigo 87.º do Código do IRC) para pequenas e médias empresas, aplicável

Leia mais

Bases Matemáticas. Daniel Miranda 1. 23 de maio de 2011. sala 819 - Bloco B página: daniel.miranda

Bases Matemáticas. Daniel Miranda 1. 23 de maio de 2011. sala 819 - Bloco B página:  daniel.miranda Daniel 1 1 email: daniel.miranda@ufabc.edu.br sala 819 - Bloco B página: http://hostel.ufabc.edu.br/ daniel.miranda 23 de maio de 2011 Elementos de Lógica e Linguagem Matemática Definição Uma proposição

Leia mais

A Herança de Paulo Freire

A Herança de Paulo Freire A Herança de Paulo Freire Cinco Princípios-Chave que definem a visão Freiriana de Educação Musical. Eles são: Primeiro Princípio 1. Educação Musical é um Diálogo Alunos e professores apresentam um problema

Leia mais

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação 33 A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. Quase 5 milhões de crianças e adolescentes, com idade entre 7 e 14 anos (18,8% da população da região) vivem no Semi-árido. No Brasil,

Leia mais

O PRINCÍPIO RESPONSABILIDADE HANS JONAS

O PRINCÍPIO RESPONSABILIDADE HANS JONAS O PRINCÍPIO RESPONSABILIDADE HANS JONAS CAP. I: A NATUREZA MODIFICADA DO AGIR A obra foi escrita em 1979. O novo continente da práxis coletiva que adentramos com a alta tecnologia ainda constitui, para

Leia mais

PROGRAMA 5S. Uma dose de BOM SENSO em tudo o que a gente faz.

PROGRAMA 5S. Uma dose de BOM SENSO em tudo o que a gente faz. Uma dose de BOM SENSO em tudo o que a gente faz. Deve-se ter em mente: que não há nada mais difícil de executar, nem de sucesso mais duvidoso, nem mais perigoso de se conduzir, do que iniciar uma nova

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 1.1 Descrição de Jogos não-cooperativos (forma normal)

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 1.1 Descrição de Jogos não-cooperativos (forma normal) Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 1.1 Descrição de Jogos não-cooperativos (forma normal) Isabel Mendes 2007-2008 1. Teoria dos Jogos: definição e contexto

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO Participação Política e Cidadania Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir O Que é participação política? O conceito de participação política tem seu significado fortemente

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Apresentado por: Ricardo Quintão

Arquitetura TCP/IP. Apresentado por: Ricardo Quintão Arquitetura TCP/IP Apresentado por: Ricardo Quintão Roteiro Conexões Inter-redes Serviço Universal Rede Virtual (inter-rede ou internet) Protocolos para ligação inter-redes (TCP/IP) Divisão em camadas

Leia mais

TOM, SEMITOM, SUSTENIDO, BEMOL.

TOM, SEMITOM, SUSTENIDO, BEMOL. TOM, SEMITOM, SUSTENIDO, BEMOL. Tom e semitom (ou tono e semitono): são diferenças específicas de altura, existentes entre as notas musicais, isto é, são medidas mínimas de diferença entre grave e agudo.

Leia mais

AULA 8 31/03/11 O RECURSO ORDINÁRIO CONSTITUCIONAL

AULA 8 31/03/11 O RECURSO ORDINÁRIO CONSTITUCIONAL AULA 8 31/03/11 O RECURSO ORDINÁRIO CONSTITUCIONAL 1 O CONCEITO Alcunha-se de ordinário todo e qualquer recurso que se processa nas vias ordinárias, que são, senão, aquelas que excetuam o Supremo Tribunal

Leia mais

A Teoria do Conhecimento

A Teoria do Conhecimento A Teoria do Conhecimento Objeto Conhecimento Objetivo Estudar a origem, natureza, valor e limites do conhecimento e da nossa capacidade de conhecer Problemas As formas do conhecimento A definição de conhecimento

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI N 4.330, DE 2004.

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI N 4.330, DE 2004. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI N 4.330, DE 2004. Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços terceirizados e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO MATEMÁTICO ATIVIDADE DO BLOCO 1 20 QUESTÕES

RACIOCÍNIO LÓGICO MATEMÁTICO ATIVIDADE DO BLOCO 1 20 QUESTÕES RACIOCÍNIO LÓGICO MATEMÁTICO ATIVIDADE DO BLOCO 1 20 QUESTÕES As questões foram elaboradas pelo prof. Sérgio Faro e valerão apenas como exercício para o seu conhecimento. São 20 questões de múltipla escolha.

Leia mais

Jimboê. História. Avaliação. Projeto. 5 o ano. 3 o bimestre

Jimboê. História. Avaliação. Projeto. 5 o ano. 3 o bimestre Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao terceiro bimestre escolar ou à Unidade 3 do Livro do Aluno. Projeto Jimboê 5 o ano Avaliação 3 o bimestre 1 Avaliação NOME: ESCOLA: PROFESSOR: TURMA:

Leia mais

prodep Surge a 1 a equipa

prodep Surge a 1 a equipa Surge a 1 a equipa Neste século existiram duas Grandes Guerras. A Segunda foi a pior. As pessoas sofreram muito. Os países ficaram destruídos. Não havia alimentos para todos. Depois da guerra era necessário

Leia mais

Linha Técnica Sessão IV Variáveis Instrumentais

Linha Técnica Sessão IV Variáveis Instrumentais Impact Evaluation Linha Técnica Sessão IV Variáveis Instrumentais Human Development Human Network Development Network Middle East and North Africa Region World Bank Institute Spanish Impact Evaluation

Leia mais

Locke e Bacon. Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri

Locke e Bacon. Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri Locke e Bacon Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri John Locke Locke divide o poder do governo em três poderes, cada um dos quais origina um ramo de governo: o poder legislativo (que é o fundamental),

Leia mais

Educação Infantil: como fazer valer esse direito?

Educação Infantil: como fazer valer esse direito? Educação Infantil: como fazer valer esse direito? Sabemos o que é qualidade em cuidados e educação. Sabemos o que uma bela infância representa. A hora de se justificar já passou, há muito tempo. Agora

Leia mais

A palavra louvar significa: Enaltecer com palavras, falar bem, elogiar declarar digno de aprovação, aplaudir, aprovar, exaltar, declarar como bendito,

A palavra louvar significa: Enaltecer com palavras, falar bem, elogiar declarar digno de aprovação, aplaudir, aprovar, exaltar, declarar como bendito, Música ou Louvor? Isaías 6.1-7 A palavra louvar significa: Enaltecer com palavras, falar bem, elogiar declarar digno de aprovação, aplaudir, aprovar, exaltar, declarar como bendito, confiar, reconhecer

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO GERAL DOS CONTRATOS

CLASSIFICAÇÃO GERAL DOS CONTRATOS QTO AOS EFEITOS: unilaterais, bilaterais,plurilaterais; gratuitos ou onerosos; comutativos ou aleatórios QTO À FORMAÇÃO: paritários, de adesão; QTO AO MOMENTO DA EXECUÇÃO: de execução instantânea, diferida

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DAS AUDITORIAS INTERNAS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - SIAIFEME

SISTEMA INTEGRADO DAS AUDITORIAS INTERNAS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - SIAIFEME ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DAS AUDITORIAS INTERNAS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESTRUTURA PARA DEBATER O PROJETO SISTEMA INTEGRADO DAS AUDITORIAS INTERNAS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - SIAIFEME

Leia mais

OpenPDV: Sistema aberto para gerenciamento de restaurantes

OpenPDV: Sistema aberto para gerenciamento de restaurantes Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE5638 Introdução a Projetos Orientador: José Eduardo de Lucca OpenPDV: Sistema aberto para gerenciamento de restaurantes

Leia mais

Classificação da Pesquisa:

Classificação da Pesquisa: Classificação da Pesquisa: Do ponto de vista da sua natureza, ou seja, aquilo que compõe a substância do ser ou essência da pesquisa. Pesquisa Pura: Pesquisa Aplicada: Objetiva gerar conhecimentos novos

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1. Como conceituar os direitos humanos? 2. O que se entende por dignidade da pessoa humana? Existe alguma previsão legal acerca dela? 3. Qual a diferença entre os Direitos Humanos

Leia mais

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA 1 O meu Trabalho e o meu Patrão Lição 14 (volte para as páginas 4, e 5) Qual deve ser a minha atitude para com o meu serviço e o meu patrão? Desde que a Bíblia é a autoridade final em tudo o que se encontra

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS SUBGERÊNCIA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS SUBGERÊNCIA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS SUBGERÊNCIA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO Facilitador: Euzebio Raimundo da Silva Gestor de Pessoas ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

O Deus que tudo vê. Lc 12:1-5

O Deus que tudo vê. Lc 12:1-5 O Deus que tudo vê Lc 12:1-5 Pare e pense: será que podemos esconder algo de Deus? Será que tudo aquilo que fazemos não está diante de um Deus onipresente (presente em todos os lugares ao mesmo tempo)

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 3.743, DE 2008 Acrescenta parágrafo único ao art. 201 da Lei n.º 5.869, de 11 de janeiro de 1973, que institui o Código de Processo

Leia mais

Como se desenvolve o trabalho filosófico? Como constrói o filósofo esses argumentos?

Como se desenvolve o trabalho filosófico? Como constrói o filósofo esses argumentos? O que é filosofia? A filosofia é uma atividade interrogativa (dimensão teórica) que tenta responder a problemas e questões que nos são comuns, discutindo-os e analisando-os. Questões como O que é o conhecimento?,

Leia mais

FAMÍLIA FAMÍLIA FAMÍLIA FAMÍLIA

FAMÍLIA FAMÍLIA FAMÍLIA FAMÍLIA SOBRE A SÉRIE! 1. A FAMÍLIA enquanto instituição tem sido desacreditada e até mesmo atacada em nosso tempo. 2. É necessário conhecer quais são os perigos que nos cercam quando o quesito é FAMÍLIA. 3. Precisamos

Leia mais

ENSAIO FILOSÓFICO ACERCA DO TEMA FORA DA ARTE NÃO HÁ SALVAÇÃO

ENSAIO FILOSÓFICO ACERCA DO TEMA FORA DA ARTE NÃO HÁ SALVAÇÃO 27 ENSAIO FILOSÓFICO ACERCA DO TEMA FORA DA ARTE NÃO HÁ SALVAÇÃO Júlia de Holanda juliadeholanda@filosofiacapital.org Brasília-DF 2006 28 ENSAIO FILOSÓFICO ACERCA DO TEMA FORA DA ARTE NÃO HÁ SALVAÇÃO Júlia

Leia mais

Luiz Flávio Gomes Valerio de Oliveira Mazzuoli. O método dialógico e a magistratura na pós-modernidade

Luiz Flávio Gomes Valerio de Oliveira Mazzuoli. O método dialógico e a magistratura na pós-modernidade Luiz Flávio Gomes Valerio de Oliveira Mazzuoli O JUIZ e o DIREITO O método dialógico e a magistratura na pós-modernidade 01_Mazzuoli - O Juiz e o Direito.indd 3 19/04/2016 16:14:11 Capítulo 7 Controle

Leia mais

UNIÃO DE ASSOCIAÇÕES DO COMÉRCIO E SERVIÇOS

UNIÃO DE ASSOCIAÇÕES DO COMÉRCIO E SERVIÇOS UNIÃO DE ASSOCIAÇÕES DO COMÉRCIO E SERVIÇOS UNIÃO DE ASSOCIAÇÕES DO COMÉRCIO E SERVIÇOS 1 Qual o diploma legal que regula a venda com redução de preços sob a forma de Promoções, Saldos e Liquidação? -

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para publicação de andamento dos processos de Execução Fiscal.

Estabelecer critérios e procedimentos para publicação de andamento dos processos de Execução Fiscal. 111 PUBLICAR ANDAMENTO DE PROCESSOS DE EXECUÇÕES FISCAIS Proposto por: Equipe da Central de Dívida Ativa (CADAT) Analisado por: RAS Coordenador da Central de Dívida Ativa (CADAT) Aprovado por: Juiz Coordenador

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM SÁBADO DA 4ª SEMANA DA PÁSCOA - 1) Oração Deus eterno e todo-poderoso, fazei-nos viver sempre mais o

Leia mais

é 4. Portanto, o desvio padrão é 2. Neste caso 100% dos valores da população estão a um desvio padrão da média.

é 4. Portanto, o desvio padrão é 2. Neste caso 100% dos valores da população estão a um desvio padrão da média. Desvio Padrão From Wikipedia, the free encyclopedia probabilidade e estatística, o desvio padrão de uma distribuição de probabilidade, de uma variável aleatória, ou população é uma medida do espalhamento

Leia mais

Perguntas. Porque nosso papel é trazer respostas aos anseios do coração humano (aspecto pastoral)

Perguntas. Porque nosso papel é trazer respostas aos anseios do coração humano (aspecto pastoral) Perguntas 1. Por que partir de um livro? Porque nosso papel é trazer respostas aos anseios do coração humano (aspecto pastoral) Porque o que acontece no mundo tem a ver conosco (aspecto missional) Perguntas

Leia mais

Arquiteturas para Sistemas Distribuídos I

Arquiteturas para Sistemas Distribuídos I Arquiteturas para Sistemas Distribuídos I Pedro Ferreira Departamento de Informática Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Tópicos Estilos Arquiteturais: formas de desenhar o software do SD Organização

Leia mais

O Iluminismo. defesa dos ideais de liberdade, igualdade, tolerância e justiça. Frontispício da Enciclopédia (1772)

O Iluminismo. defesa dos ideais de liberdade, igualdade, tolerância e justiça. Frontispício da Enciclopédia (1772) O Iluminismo Movimento cultural e filosófico que se desenvolveu na Europa, no século XVIII (Século das Luzes), e que se caracterizou pela afirmação do valor da Razão e do conhecimento para atingir o progresso;

Leia mais

As 10 Maneiras mais GARANTIDAS De Se Conseguir uma Entrevista de EMPREGO

As 10 Maneiras mais GARANTIDAS De Se Conseguir uma Entrevista de EMPREGO As 10 Maneiras mais GARANTIDAS De Se Conseguir uma Entrevista de EMPREGO Quais são as melhores maneiras de se obter uma entrevista de emprego nos dias de hoje? Em nossa situação atual, às vezes somos levados

Leia mais

ANEXOS 2º CICLO O OUTRO EM MIRA

ANEXOS 2º CICLO O OUTRO EM MIRA ANEXOS 2º CICLO O OUTRO O VALOR DE MAIS UM Anexo 01 Um pássaro perguntou a uma pomba quanto pesava um floco de neve. A pomba respondeu: -Nada. Mesmo nada. Foi então que o pássaro contou esta história à

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL

TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL Julival Silva Rocha Auditor do TCEPA ESPÍRITO Rui Barbosa (O Justo e a Justiça Política) Julgamento de Jesus Cristo; O Direito daquela época já não se contentava com a mera

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. DIRETIVA n.º 9/2016. Tarifas sociais de eletricidade a vigorar de 1 julho a 31 de dezembro de 2016

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. DIRETIVA n.º 9/2016. Tarifas sociais de eletricidade a vigorar de 1 julho a 31 de dezembro de 2016 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA n.º 9/2016 Tarifas sociais de eletricidade a vigorar de 1 julho a 31 de dezembro de 2016 Nos termos dos seus Estatutos aprovados pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

PROVA ESCRITA DE NOÇÕES DE DIREITO E DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

PROVA ESCRITA DE NOÇÕES DE DIREITO E DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROVA ESCRITA DE NOÇÕES DE DIREITO E DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Na prova a seguir, faça o que se pede, usando, caso julgue necessário, as páginas para rascunho constantes deste caderno. Em seguida,

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO ENTRE O NOVO CÓDIGO CIVIL, O CÓDIGO CIVIL DE 1916 E O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE QUANTO A ADOÇÃO.

QUADRO COMPARATIVO ENTRE O NOVO CÓDIGO CIVIL, O CÓDIGO CIVIL DE 1916 E O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE QUANTO A ADOÇÃO. 1 QUADRO COMPARATIVO ENTRE O NOVO CÓDIGO CIVIL, O CÓDIGO CIVIL DE E O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE QUANTO A ADOÇÃO. Artigo 1618 Só a pessoa maior de 18 (dezoito) anos pode adotar. Artigo 368 -

Leia mais

Pronunciamento do Presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, no evento Boa Governança no Sistema Financeiro Nacional

Pronunciamento do Presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, no evento Boa Governança no Sistema Financeiro Nacional Pronunciamento do Presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, no evento Boa Governança no Sistema Financeiro Nacional 05 de setembro de 2008 1. É com satisfação que participo do encerramento deste

Leia mais

Prezado Igor Viegas, ganhador do concurso fotográfico na nossa pagina de Facebook,

Prezado Igor Viegas, ganhador do concurso fotográfico na nossa pagina de Facebook, Prezados... Prezado Igor Viegas, ganhador do concurso fotográfico na nossa pagina de Facebook, Vinte e cinco anos de Unidade Alemã. Para nós alemães, o dia três de outubro de dois mil e quinze é motivo

Leia mais

TIRO POLICIAL E A EXCLUDENTE DE ILICITUDE DA LEGÍTIMA DEFESA

TIRO POLICIAL E A EXCLUDENTE DE ILICITUDE DA LEGÍTIMA DEFESA 1 TIRO POLICIAL E A EXCLUDENTE DE ILICITUDE DA LEGÍTIMA DEFESA Yuri Hugo Neves Fagundes 1 Maio/2012 SUMÁRIO 1 Introdução. 2 O uso da força policial. 3 A excludente de ilicitude da legítima defesa na atuação

Leia mais

Erros e Incertezas. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011.

Erros e Incertezas. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011. Rafael Alves Batista Instituto de Física Gleb Wataghin Universidade Estadual de Campinas (Dated: 10 de Julho de 2011.) I. INTRODUÇÃO Quando se faz um experimento, deseja-se comparar o resultado obtido

Leia mais

Thomas Hobbes ( ) Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Ronaldo - (31)

Thomas Hobbes ( ) Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Ronaldo - (31) Thomas Hobbes (1588 1679) Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 O maior dos poderes humanos é aquele que é composto pelos poderes de vários homens, unidos por consentimento numa

Leia mais

Objeto Alteração ao Regulamento que estabelece Normas Comuns sobre o Fundo Social Europeu [ ]

Objeto Alteração ao Regulamento que estabelece Normas Comuns sobre o Fundo Social Europeu [ ] Portaria No âmbito do regime jurídico dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) para o período de programação 2014-2020, a Portaria n.º 60-A/2015, de 2 de março, com as alterações que lhe

Leia mais

RECONECTE. Um novo jeito de viver! BEM-VINDO! Andreza Frasseto www.inspireleveza.com

RECONECTE. Um novo jeito de viver! BEM-VINDO! Andreza Frasseto www.inspireleveza.com BEM-VINDO! Costumo ouvir as pessoas fazendo piadinha reclamando da atual situação. Saiba que um país do outro lado do mundo não será melhor que o seu; assim como a vida do vizinho não é mais fácil que

Leia mais

E.M.E.F. ANTONIO DUARTE DE ALMEIDA AREAS DE LAZER NO BAIRRO

E.M.E.F. ANTONIO DUARTE DE ALMEIDA AREAS DE LAZER NO BAIRRO E.M.E.F. ANTONIO DUARTE DE ALMEIDA AREAS DE LAZER NO BAIRRO Trabalho Apresentado para a conclusão do ciclo autoral Agnor de Souza Melo nº 02 Caio Miguel P. C. da Silva nº 06 Ricardo Welington nº 22 Augusto

Leia mais

O que o professor de matemática deve fazer para que seu aluno tenha motivação, interesse e dedicação em sua aula?

O que o professor de matemática deve fazer para que seu aluno tenha motivação, interesse e dedicação em sua aula? RENILSON ANDRADE COSTA¹ O que o professor de matemática deve fazer para que seu aluno tenha motivação, interesse e dedicação em sua aula? Dezembro/ 2014 SUMÁRIO 1- Introdução 2 - Motivação em sala de aula

Leia mais

Filosofia (aula 10) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 10) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 10) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Gnosiologia (GNOSIOLOGIA) - Relação do sujeito cognoscente com o objeto cognoscível. (GNOSIOLOGIA) - Relação do sujeito cognoscente com o objeto

Leia mais

PRINCIPAIS CAUSAS DE NULIDADE DE UM CASAMENTO

PRINCIPAIS CAUSAS DE NULIDADE DE UM CASAMENTO PRINCIPAIS CAUSAS DE NULIDADE DE UM CASAMENTO Renata Ferreira Silva * Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho ** RESUMO: Casamento nulo é aquele que foi celebrado com omissão de regras e formalidades

Leia mais

no Estado do Rio de Janeiro

no Estado do Rio de Janeiro MICROEMPREENDEDORES FORMAIS E INFORMAIS NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 PANORAMA GERAL De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra

Leia mais

Instruções para elaboração de TCC PROPOSTA DE NEGÓCIOS

Instruções para elaboração de TCC PROPOSTA DE NEGÓCIOS INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA PROGRAMAS CERTIFICATES Instruções para elaboração de TCC PROPOSTA DE NEGÓCIOS Estas instruções para elaboração de TCC do tipo Proposta de Negócio possuem dois tópicos:

Leia mais

Filosofia Medieval e Moderna

Filosofia Medieval e Moderna Medieval e Moderna 1. Quais auxílios divinos sem, os quais, a vida ética - na Idade Média - seria impossível? I. Aos humanos, cabe ignorar a vontade e a lei de Deus, cumprindo somente as leis humanas II.

Leia mais

AS CORRENTES NA SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO

AS CORRENTES NA SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO AS CORRENTES NA SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO 1 PARADIGMA DETERMINISTA FUNCIONALISMO ESTRUTURAL OU REPRODUÇÃO CONSENSUAL As perspectivas de reprodução consensual explicam a existência das sociedades e a sua continuidade

Leia mais

page 2 / 11 RELACIONAMENTOS antes de precisar deles. Quando surgir a necessidade, eles estarão lá, a postos, dispostos a lhe ajudar.

page 2 / 11 RELACIONAMENTOS antes de precisar deles. Quando surgir a necessidade, eles estarão lá, a postos, dispostos a lhe ajudar. page 1 / 11 Tenho certeza que você pensava o contrário, ou seja, que "O QUE ALGUÉM FAZIA" era mais importante do que "QUEM ERA AQUELA PESSOA". Entender a diferença entre essas duas afirmações, pode ter

Leia mais

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Universidade de São Paulo Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Qual a USP que queremos: A USP hoje e daqui a 20 anos Estela Damato NUSP 7693618 São Paulo 2014 Introdução Pensar no futuro de uma universidade

Leia mais

PREPARATIVOS PARA A NOVA LEGISLAÇÃO SOBRE EFICIÊNCIA E ROTULAGEM ENERGÉTICAS

PREPARATIVOS PARA A NOVA LEGISLAÇÃO SOBRE EFICIÊNCIA E ROTULAGEM ENERGÉTICAS PREPARATIVOS PARA A NOVA LEGISLAÇÃO SOBRE EFICIÊNCIA E ROTULAGEM ENERGÉTICAS ATLANTIC E A NOVA NORMATIVA ENERGÉTICA Há mais de 40 anos que a Atlantic investiga e desenvolve, diariamente, soluções para

Leia mais

Projecto de Lei n.º 437/X

Projecto de Lei n.º 437/X Projecto de Lei n.º 437/X Alteração ao Código do Trabalho e ao seu Regulamento Exposição de motivos A questão demográfica não é, tradicionalmente, um problema político central, mas, na verdade, a demografia

Leia mais

Plano para Facebook. Lojas XXX do segmento de Cosméticos, Roupas e Bijouterias

Plano para Facebook. Lojas XXX do segmento de Cosméticos, Roupas e Bijouterias Plano para Facebook Lojas XXX do segmento de Cosméticos, Roupas e Bijouterias Objetivo: 1- Estabelecer relacionamento com todos públicos envolvidos diretamente e indiretamente na página das Lojas Paris

Leia mais

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 572.499-9 SANTA CATARINA EMENTA

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 572.499-9 SANTA CATARINA EMENTA SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 572.499-9 SANTA CATARINA RELATORA: RECORRENTE (S): RECORRIDO (A/S): INTERESSADO (A/S): MIN. CÁRMEN LÚCIA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

Leia mais

A Nação é uma sociedade política e o autor do nosso livro-texto, em sua doutrina, dispõe que a Nação se compõe de dois elementos essenciais:

A Nação é uma sociedade política e o autor do nosso livro-texto, em sua doutrina, dispõe que a Nação se compõe de dois elementos essenciais: Resumo Aula-tema 02: Teoria Geral do Estado. A Teoria do Estado foi construída pela nossa história, é uma disciplina nova, embora já existissem resquícios desde a Antiguidade, mas faz pouco tempo que ela

Leia mais