A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação"

Transcrição

1 33

2 A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. Quase 5 milhões de crianças e adolescentes, com idade entre 7 e 14 anos (18,8% da população da região) vivem no Semi-árido. No Brasil, 20,8 milhões estão nesta faixa etária, representando 12,30% da população nacional. Nesta faixa etária, um aspecto se revela fundamental e merecedor de atenção especial das políticas públicas a educação. No Semi-árido, encontra-se o maior percentual de crianças e adolescentes não alfabetizados do país. O acesso à Educação Mais de 350 mil crianças e adolescentes, entre 10 e 14 anos, não freqüentam a escola no semi-árido. Das crianças e adolescentes entre 7 e 14 anos que não freqüentam a escola no Brasil, 23,8% estão no Semi-árido. Na região, existe o dobro de não alfabetizados e quase o dobro de ocupados que no Brasil, para a faixa etária de 7 a 14 anos. Cerca de 36% entre os 20% mais pobres do Semi-árido não são alfabetizados para a faixa entre 10 e 14 anos, como mostra o gráfico a seguir. Gráfico 10 - Proporção de crianças e adolescentes de 10 a 14 anos não Alfabetizadas, por classes de renda ,8% de todas as crianças e adolescentes entre 7 e 14 anos que não freqüentam a escola no Brasil estão no Semi-árido.

3 O mapa a seguir ilustra de modo comparado a situação do Semi-árido e a do Brasil. Fonte: IBGE. Tabulação Especial. Censo Na zona urbana, o total de não alfabetizados na região é muito superior ao do Brasil urbano. Até as cidades com melhor infra-estrutura apresentam nível elevado de crianças não alfabetizadas.

4 A tabela 6 apresenta o percentual de alfabetizados e não alfabetizados entre 10 e 14 anos. Um dado a ressaltar é que à medida em que a idade aumenta, cresce o número de alfabetizados. Em um cenário normal, a expectativa seria que todas as crianças com 10 anos já estivessem alfabetizadas. Tabela 6 - Semi-Árido: percentual da População Alfabetizada e não Alfabetizada segundo faixas etárias Paralelo à não alfabetização em idade adequada, vem a defasagem idade-série (idade maior do que a adequada à respectiva série escolar). Este fenômeno está relacionado, inclusive, ao número de anos de estudo. A média de anos para todo o Semi-árido (2,89) é menor que para o Brasil (3,77), demonstrado no mapa 2. Esta realidade funciona como causa e efeito da defasagem educacional que ocorre no Semi-árido. 36 O mapa 2 permite também ver a situação brasileira e a situação do Semi-árido por média de anos de estudos. A expressiva maioria dos municípios da região têm média menor do que as do Brasil. Em 95,4% das cidades do Semi-árido as crianças de 10 a 14 anos apresentam média de anos de estudo inferior ao patamar brasileiro que é de 3,77 anos. Foto: Alejandra Martins

5 Fonte: IBGE. Tabulação Especial. Censo A desigualdade porém é maior quando desagregamos por faixa de renda. Os mais ricos do Brasil não estão defasados quanto ao total de anos de estudo adequado para esta faixa etária. Para os mais ricos do Semi-árido, já se observa alguma defasagem, mas estes têm quase o dobro do número de anos de estudo do que os mais pobres. O maior impacto acontece para os mais pobres, e os do Semi-árido sofrem com maior intensidade. Na primeira fase da vida escolar, já saem em desvantagem em 2 anos de estudo, em média, para os mais ricos do próprio Semi-árido, e em quase 3 anos em relação aos mais ricos brasileiros, como se observa no gráfico

6 Gráfico 11 - Média de anos de estudo - 10 a 14 anos Há diferenças significativas, de acordo com a escolaridade da mãe. Os filhos de mães com mais de 11 anos de estudo já estão com 4,5 anos, enquanto que para mães não escolarizadas este número alcança apenas 2,14 anos de estudo no Semi-árido. Análise similar a anterior pode ser realizada diante do recorte regional, ficando sempre em desvantagem as populações rurais, inclusive a população rural do Brasil quando comparada ao Semi-árido urbano. Isso indica uma grande fragilidade da educação rural oferecida no país, sobretudo no Semi-árido. Gráfico 12 - Média de anos de estudo das crianças e adolescentes de 10 a 14 anos, por situação do domicílio 38 De um modo geral, comparados com a realidade brasileira, os indicadores para as crianças e adolescentes com idade de 7 a 14 anos dão o tom da fragilidade do Semiárido: a situação é muito desfavorável para este grupo - o dobro de não alfabetizados e quase o dobro de ocupados (Tabela 7).

7 Tabela 7 - Brasil e Semi-árido Crianças e Adolescentes de 7 a 14 anos Outro dado importante revela a frequëncia à escola para crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. Enquanto a média brasileira é de 5,50, no Semi-árido, passa para 7,19. Foto: Alejandra Martins O Ensino Fundamental no Semi-árido Para os que conseguem ingressar na escola outras variáveis devem ser observadas como a permanência, o desempenho e o sucesso escolar. Também nesses casos os resultados não são muito favoráveis. Existe certa homogeneidade entre a maioria dos semi-áridos dos Estados quando se observa o rendimento escolar. A taxa de aprovação, no ano de 2000, oscilava entre 65 e 70%, exceto Alagoas, que era de 60%, para o ano A maior taxa de aprovação encontra-se no Estado de Minas Gerais, seguido de perto pelo Ceará, a maior do Nordeste Semi-árido. A maior taxa de abandono está em Alagoas. Os estados acima da média do Semi-árido são Bahia, Pernambuco, Paraíba e Sergipe. A maior taxa de reprovação também está no Semi-árido alagoano (21,44%), seguido de perto pelo Piauí e Sergipe, ambos com mais de 19%. Pernambuco é outro estado com taxa de reprovação acima da média do Semi-árido. 39

8 Tabela 8 - Ensino Fundamental e Rendimento Escolar por estado - SAB 40 A tabela 9 apresenta outros indicadores para ilustrar a situação do ensino fundamental na região quanto ao número de matrículas versus docentes e estabelecimentos de ensino. Pode-se observar que o número de matrículas por docente é 30% maior no Semiárido do que para a região Nordeste (23,5 matrículas por docente, em 2000) e o Brasil (22,5), revelando um melhor aproveitamento dos recursos disponíveis. Foto: Alejandra Martins

9 Tabela 9 - Ensino Fundamental Principais Indicadores Outro indicador é a idade de conclusão. No Semi-árido está próxima dos 17 anos, idade em que as pessoas já deveriam estar concluindo o ensino médio. No Semi-árido brasileiro, são necessários 11 anos para concluir o ensino fundamental (tabela 10). Há uma desigualdade também diante do tamanho das cidades. Comparando-se os dois extremos de municípios, menos de habitantes e aqueles com mais de , a idade mediana de conclusão para as menores cidades é de 16,9 anos e para as maiores é de 16,3 anos. Em 24% das cidades menores a idade mediana de conclusão está acima dos 17 anos. Este fato não ocorre em nenhum dos maiores municípios. Na prática, há uma defasagem de meio ano de estudo apenas em função do tamanho da cidade. Foto: Alejandra Martins 41

10 Tabela 10 - Idade mediana de conclusão do ensino fundamental 42 Examinando o conjunto desses números, pode se perceber que há uma redução de 25,6% para 11,10%, na proporção de não alfabetizados com 10 e 14 anos, respectivamente. Isso representa 16,5% do total da faixa (10-14) ou 512 mil crianças e adolescentes não alfabetizadas que, quando dentro da escola, estarão em situação de defasagem de idade em relação à série correspondente. Os dados permitem concluir que 45% das pessoas atendidas no ensino fundamental estão fora da faixa etária correspondente, algo relativamente homogêneo nos diversos municípios do Semi-árido. A educação é, ainda, a principal estratégia de inclusão social dessas crianças e adolescentes e deve ser, de fato, o foco das políticas publicas para essa faixa etária. Como observado nas informações anteriores, o nível de analfabetismo, a média de anos de estudo e os indicadores de evasão escolar demonstram a pouca importância e falta de prioridade atribuída à escola. Se a nova geração, que está sendo formada na região semi-árida, já apresenta uma defasagem de escolarização e conhecimento (revelada pelo Censo Demográfico e Escolar de 2000), certamente irão se passar mais alguns anos até mesmo décadas para acontecer mudanças significativas na realidade local. É fundamental a focalização em políticas e ações que criem as condições de permanência desta e das futuras gerações na escola e recuperem aqueles que, mesmo estando na escola, têm nível inadequado de escolaridade.

Foto: Harald Schistek

Foto: Harald Schistek Foto: Harald Schistek 43 A adolescência é uma fase especial de afirmação da autonomia do indivíduo, vital para o exercício da cidadania e de seus múltiplos direitos. Caracteriza-se por uma etapa do desenvolvimento

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Betim, MG 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 346,8 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 378089 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Educação e Escolaridade

Educação e Escolaridade Já existe certo consenso de que um dos grandes obstáculos para o crescimento da economia brasileira é a capacitação dos nossos trabalhadores, sendo que boa parte desse processo ocorre nas escolas e universidades.

Leia mais

OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010

OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010 OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, MAIO

Leia mais

Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros

Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros TEXTO PARA DISCUSSÃO Nota Técnica: O Custo Público com Reprovação e Abandono Escolar na Educação Básica Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros Pesquisadores de Economia Aplicada do FGV/IBRE Fevereiro

Leia mais

Pernambuco. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Pernambuco (1991, 2000 e 2010)

Pernambuco. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Pernambuco (1991, 2000 e 2010) Pernambuco Em, no estado de Pernambuco (PE), moravam 8,8 milhões de pessoas, onde parcela relevante (7,4%; 648,7 mil habitantes) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 185 municípios,

Leia mais

Geografia População (Parte 2)

Geografia População (Parte 2) 1. Estrutura Etária: Geografia População (Parte 2) A Transição Demográfica corresponde à mudança no perfil de idade dos habitantes, engloba proporções de crianças, jovens/adultos, idosos, homens e mulheres.

Leia mais

PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JUNHO DE 2012 12 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

Maranhão. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Maranhão (1991, 2000 e 2010)

Maranhão. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Maranhão (1991, 2000 e 2010) Maranhão Em, no estado do Maranhão (MA), moravam 6,6 milhões de pessoas, onde parcela considerável (6,%, 396, mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 217 municípios, dos quais um

Leia mais

no Estado do Rio de Janeiro

no Estado do Rio de Janeiro MICROEMPREENDEDORES FORMAIS E INFORMAIS NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 PANORAMA GERAL De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra

Leia mais

Acre. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Acre (1991, 2000 e 2010)

Acre. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Acre (1991, 2000 e 2010) Acre Em, no estado do Acre (AC) moravam 734 mil pessoas, e uma parcela ainda pequena dessa população, 4,3% (32 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 22 municípios, dos quais sete

Leia mais

A Nova Política Educacional do Estado de São Paulo

A Nova Política Educacional do Estado de São Paulo A Nova Política Educacional do Estado de São Paulo Maria Helena Guimarães de Castro 1ª Jornada da Educação Tribunal de Contas do Estado de São Paulo 04 de dezembro de 2008 Panorama da Educação no Brasil

Leia mais

DESAFIOS PARA GARANTIR O TRABALHO DECENTE PARA OS/AS JOVENS, COM ESPECIAL ATENÇÃO ÀS QUESTÕES DE GÊNERO E RAÇA

DESAFIOS PARA GARANTIR O TRABALHO DECENTE PARA OS/AS JOVENS, COM ESPECIAL ATENÇÃO ÀS QUESTÕES DE GÊNERO E RAÇA DESAFIOS PARA GARANTIR O TRABALHO DECENTE PARA OS/AS JOVENS, COM ESPECIAL ATENÇÃO ÀS QUESTÕES DE GÊNERO E RAÇA FORUM NACIONAL TRABALHO DECENTE PARA OS JOVENS: FORTALECENDO A AGENDA NACIONAL DE TRABALHO

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características da população e dos domicílios: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2011 INTRODUÇÃO Por convenção, denomina-se Universo, o conjunto de características

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 1. Governo do Estado da Bahia Secretaria do Planejamento (Seplan) Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI)

NOTA TÉCNICA Nº 1. Governo do Estado da Bahia Secretaria do Planejamento (Seplan) Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) Governo do Estado da Bahia Secretaria do Planejamento (Seplan) Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) NOTA TÉCNICA Nº 1 resultados

Leia mais

A SITUAÇÃO DA PRIMEIRA INFÂNCIA NAS REGIÕES PAULISTAS

A SITUAÇÃO DA PRIMEIRA INFÂNCIA NAS REGIÕES PAULISTAS 1 A SITUAÇÃO DA PRIMEIRA INFÂNCIA NAS REGIÕES PAULISTAS O detalhamento da distribuição das crianças de 0 a 5 anos de idade nas regiões paulistas ressalta a contribuição do Índice Paulista da Primeira Infância

Leia mais

Dinâmica populacional. Porto Alegre 2015

Dinâmica populacional. Porto Alegre 2015 Dinâmica populacional Porto Alegre 2015 Conceitos demográficos fundamentais a distribuição mundial Os diferentes aspectos demográficos, tais como população absoluta, densidade demográfica, crescimento

Leia mais

Diplomados com o Ensino Superior

Diplomados com o Ensino Superior Ensino dos 30 aos 34 anos - dados e projeções Julho de 2016 Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência Ensino Julho de 2016 Ensino dos 30 aos 34 anos - dados e projeções Esta nota técnica visa

Leia mais

Os Processos de Construção e Implementação de Políticas Públicas para Crianças e Adolescentes em Situação de Rua 1

Os Processos de Construção e Implementação de Políticas Públicas para Crianças e Adolescentes em Situação de Rua 1 1 Os Processos de Construção e Implementação de Políticas Públicas para Crianças e Adolescentes em Situação de Rua 1 Boletim de Pesquisa n. 2, outubro de 2009. Um projeto do Centro Internacional de Estudos

Leia mais

Geografia População (Parte 1)

Geografia População (Parte 1) Geografia População (Parte 1) 1. População Mundial: Define-se população mundial como o número total de humanos vivos no planeta num dado momento. Em 31 de Outubro de 2011 a Organização das Nações Unidas

Leia mais

Sinopse Estatística do Ensino Superior Graduação - 1999

Sinopse Estatística do Ensino Superior Graduação - 1999 Sinopse Estatística do Ensino Superior - 1999,QVWLWXWRÃ1DFLRQDOÃGHÃ(VWXGRV HÃ3HVTXLVDVÃ(GXFDFLRQDLV Brasília-DF, 2000 1 0,1,67e5,2 '$Ã('8&$d 2 TIRAGEM: 4.500 exemplares INEP MEC Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

Em 95% das cidades do Semi-árido, a taxa de mortalidade infantil é superior à média nacional

Em 95% das cidades do Semi-árido, a taxa de mortalidade infantil é superior à média nacional 1 Quase 11 milhões de crianças e adolescentes vivem no Semi-árido brasileiro. É uma população mais jovem do que a média brasileira, mas com o futuro comprometido pelos graves indicadores sociais. Em 95%

Leia mais

Aumento do emprego contrasta com desindustrialização em SP e RJ

Aumento do emprego contrasta com desindustrialização em SP e RJ 3 set 2007 Nº 35 Aumento do emprego contrasta com desindustrialização em SP e RJ Por Antonio Marcos Ambrozio Economista da SAE Vagas na indústria de transformação foram deslocadas para outras regiões do

Leia mais

BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. FEVEREIRO - 2016 Comportamento do Emprego - Limeira/SP.

BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. FEVEREIRO - 2016 Comportamento do Emprego - Limeira/SP. BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados FEVEREIRO - 216 Comportamento do Emprego - Limeira/SP. A Consultoria Técnica Especializada da Câmara Municipal de Limeira apresenta os dados do

Leia mais

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE -

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Elaboração: (SPM), Fundo de Desenvolvimento das Nações

Leia mais

Cordilheira Alta. Distribuição dos alunos matriculados no município de Cordilheira Alta em 2005

Cordilheira Alta. Distribuição dos alunos matriculados no município de Cordilheira Alta em 2005 Cordilheira Alta Informações Gerais O município de Cordilheira Alta está localizado na mesorregião oeste, distante 566 Km da Capital. De colonização Italiana, tem uma população de 3.093 habitantes, sendo

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO A busca por oportunidades iguais de trabalho e renda entre homens e mulheres é o foco de discussão entre grupos feministas em todos os países. A discriminação no campo de

Leia mais

Experiência Brasileira

Experiência Brasileira SEGUNDA REUNIÓN REGIONAL SOBRE EVALUACIÓN Y ESTIMACIONES DEMOGRÁFICAS CON BASE EN INFORMACION CENSAL Análisis de la mortalidad adulta Experiência Brasileira Santiago, Chile, 11 al 16 junio de 2012 Tábuas

Leia mais

Alto Bela Vista. Distribuição dos alunos matriculados no município de Alto Bela Vista em 2005

Alto Bela Vista. Distribuição dos alunos matriculados no município de Alto Bela Vista em 2005 Alto Bela Vista Informações Gerais O município de Alto Bela Vista está localizado na mesorregião oeste, distante 503 Km da Capital. De colonização Italiana e Alemã, tem uma população de 2.098 habitantes,

Leia mais

Bela Vista do Toldo. Distribuição dos alunos matriculados no município de Bela Vista do Toldo em 2005

Bela Vista do Toldo. Distribuição dos alunos matriculados no município de Bela Vista do Toldo em 2005 Bela Vista do Toldo Informações Gerais O município de Bela Vista do Toldo está localizado na mesorregião norte, distante 382 Km da Capital. De colonização Italiana, Alemã, Polonesa, Ucraniana e Japonesa,

Leia mais

Urbanização Brasileira. Professora: Jordana Costa

Urbanização Brasileira. Professora: Jordana Costa Urbanização Brasileira Professora: Jordana Costa As cidades e a urbanização brasileira. Até os anos 1950 População predominantemente rural. Entre as décadas de 1950 e 1980, milhões de pessoas migraram

Leia mais

setembro/2014 São Miguel dos Campos Dados secundários + questionário Fontes: Atlas Brasil 2013; IDEB 2013; Mapa da violência 2012; Mapa DCA.

setembro/2014 São Miguel dos Campos Dados secundários + questionário Fontes: Atlas Brasil 2013; IDEB 2013; Mapa da violência 2012; Mapa DCA. São Miguel dos Campos setembro/2014 Levantamento diagnóstico Fórum Intersetorial Dados secundários + questionário Fontes: Atlas Brasil 2013; IDEB 2013; Mapa da violência 2012; Mapa DCA. Estrutura Etária

Leia mais

Desenvolvimento Humano e Social

Desenvolvimento Humano e Social Desenvolvimento Humano e Social Índices de Desenvolvimento Na seção referente aos índices de desenvolvimento, foram eleitos para análise o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M), o Índice de

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Aglomerados subnormais Primeiros resultados

Censo Demográfico 2010. Aglomerados subnormais Primeiros resultados Censo Demográfico 2010 Aglomerados subnormais Primeiros resultados Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 2011 Conceito de Aglomerado Subnormal Conceito de Aglomerado Subnormal no IBGE É um conjunto constituído

Leia mais

SOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO DO INSS - 2008 TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL PROVA BRANCA.

SOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO DO INSS - 2008 TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL PROVA BRANCA. SOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO DO INSS - 2008 TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL PROVA BRANCA. Professor Joselias www.concurseiros.org Março de 2008. Um dos indicadores de saúde comumente utilizados

Leia mais

A Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal (RIDE-DF) no Censo 2010

A Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal (RIDE-DF) no Censo 2010 A Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal (RIDE-DF) no Censo 2010 Coordenação: Rômulo José da Costa Ribeiro Responsável: Rômulo José da Costa Ribeiro 1 Colaboração: Juciano Rodrigues, Rosetta

Leia mais

Desenvolvimento humano e objetivos do milênio. Disciplina: Geografia IFMG Campus Betim

Desenvolvimento humano e objetivos do milênio. Disciplina: Geografia IFMG Campus Betim Desenvolvimento humano e objetivos do milênio Disciplina: Geografia IFMG Campus Betim A grande heterogeneidade dos países em desenvolvimento Processo de descolonização da África e na Ásia gerou vários

Leia mais

HETEROGENEIDADE REGIONAL

HETEROGENEIDADE REGIONAL HETEROGENEIDADE REGIONAL Miguel Matteo*1 Uma das faces da heterogeneidade estrutural é representada pela profunda desigualdade regional brasileira. A distribuição dos setores é profundamente desigual em

Leia mais

Cabo Verde Perfil do país EPT 2014

Cabo Verde Perfil do país EPT 2014 Cabo Verde Perfil do país EPT 4 Contexto geral Situado bem ao oeste africano, composto de uma dezena de ilhas e povoado com um pouco mais de 5 habitantes, Cabo Verde é um país de rendimento intermédio

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Centro de Imprensa. Índice Futuridade

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Centro de Imprensa. Índice Futuridade Índice Futuridade Plano Futuridade O FUTURIDADE: Plano Estadual para a Pessoa Idosa é uma iniciativa da Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social - Seads que objetiva fortalecer a rede

Leia mais

Palavras-chaves: Educação no Campo. Condições socioeconômicas. Alunos do campo.

Palavras-chaves: Educação no Campo. Condições socioeconômicas. Alunos do campo. REALIDADE SOCIOECONÔMICA DOS ALUNOS DO CAMPO DA E.E. WLADISLAU GARCIA GOMES ¹ Laís da Silva; ² Lais Gomes Borges; ³ Juliane Pivetta Ferro; 4 Ademilson Batista Paes. 1 Acadêmica do curso de Ciências Sociais

Leia mais

Cenário Educacional Brasileiro. Instituto Algar

Cenário Educacional Brasileiro. Instituto Algar Cenário Educacional Brasileiro Instituto Algar Equador, Guayaquil, Setembro 2011 Cenários Dados Sociais Brasileiros Dados Educacionais Brasileiros Contribuição da Algar para a Educação Pesquisa Censo GIFE

Leia mais

Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira

Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira Paulo Tafner São Paulo Março de 216. Previdência Social Os fatos Previdência Social Brasileira - 214 (% do PIB) Previdência Social Brasileira

Leia mais

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares 1 Rio de Janeiro, 17/01/2014 S I P D Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares O IBGE iniciou uma importante etapa no aprimoramento de seu sistema de pesquisas domiciliares, que propiciará maior eficácia

Leia mais

Enem e Saeb: jornais destacam o baixo desempenho e elaboram rankings de melhores escolas Qui, 15 de Fevereiro de 2007 21:00

Enem e Saeb: jornais destacam o baixo desempenho e elaboram rankings de melhores escolas Qui, 15 de Fevereiro de 2007 21:00 A divulgação dos resultados do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), os principais exames de avaliação dos estudantes da educação básica, recebeu

Leia mais

Relatório das metas Nacionais 2014 - Justiça do Trabalho Dados Sigest - Janeiro a Dezembro de 2014

Relatório das metas Nacionais 2014 - Justiça do Trabalho Dados Sigest - Janeiro a Dezembro de 2014 Meta Nacional 1 : Julgar quantidade maior de processos de conhecimento do que os distribuídos no ano corrente. (1º grau) TRT 1-1ª região Rio de Janeiro 94,55 TRT 2-2ª região São Paulo 95,28 TRT 3-3ª região

Leia mais

PARTICIPAÇÃO FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO 1

PARTICIPAÇÃO FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO 1 PARTICIPAÇÃO FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO 1 Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa 2 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas o papel da mulher na economia e na sociedade como um todo tem passado por

Leia mais

Comissão de Infraestrutura do Senado Federal Cenário do Saneamento Básico e suas Oportunidades 08.07.2015

Comissão de Infraestrutura do Senado Federal Cenário do Saneamento Básico e suas Oportunidades 08.07.2015 Comissão de Infraestrutura do Senado Federal Cenário do Saneamento Básico e suas Oportunidades 08.07.2015 O saneamento básico no Brasil não condiz com o país que é a 7ª. economia do mundo da população

Leia mais

Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte

Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Índice Programa Escola Integrada Avaliação de impacto Amostra Pesquisa Indicadores Resultados Impactos estimados Comentários Programa

Leia mais

Parte II - As negras e os negros nas bolsas de formação e de pesquisa do CNPq

Parte II - As negras e os negros nas bolsas de formação e de pesquisa do CNPq Parte II - As negras e os negros nas bolsas de formação e de pesquisa do CNPq Esta análise tem como base as principais bolsas de formação no País e de pesquisa, quais sejam: Iniciação Científica (IC),

Leia mais

PERSISTÊNCIA DO PODER POLÍTICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: O CASO DA TRANSIÇÃO DE REGIME NO BRASIL

PERSISTÊNCIA DO PODER POLÍTICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: O CASO DA TRANSIÇÃO DE REGIME NO BRASIL PERSISTÊNCIA DO PODER POLÍTICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: O CASO DA TRANSIÇÃO DE REGIME NO BRASIL Aluno: Rafael Campos de Mattos Orientador: Claudio Ferraz Introdução Nas últimas décadas, observou-se

Leia mais

LABORATÓRIO DE ESTUDOS DA POBREZA - LEP

LABORATÓRIO DE ESTUDOS DA POBREZA - LEP LABORATÓRIO DE ESTUDOS DA POBREZA - LEP uo UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA CAEN Nº 08 RELATÓRIO DE PESQUISA Uma Caracterização da Extrema Pobreza no Brasil Janeiro

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES SÓCIO- ECONÔMICOS DO ESTADO DO TOCANTINS

ANÁLISE DE INDICADORES SÓCIO- ECONÔMICOS DO ESTADO DO TOCANTINS ESTUDO ESTUDO ANÁLISE DE INDICADORES SÓCIO- ECONÔMICOS DO ESTADO DO TOCANTINS ESTUDO MAIO/2004 Luciana da Silva Teixeira Consultora Legislativa da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento

Leia mais

ESTRUTURA ETÁRIA, BÔNUS DEMOGRÁFICO E POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA NO BRASIL. Cenários de Longo Prazo e suas Implicações para o Mercado de Trabalho

ESTRUTURA ETÁRIA, BÔNUS DEMOGRÁFICO E POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA NO BRASIL. Cenários de Longo Prazo e suas Implicações para o Mercado de Trabalho CAPÍTULO 12 ESTRUTURA ETÁRIA, BÔNUS DEMOGRÁFICO E POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA NO BRASIL Cenários de Longo Prazo e suas Implicações Mercado de Trabalho Objetivos Caracteriza o processo de transição demográfica

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE)

CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE) CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE) METODOLOGIA DE PESQUISA DE DADOS SOCIOECONÔMICOS DOS MUNICÍPIOS CAPIXABAS FUCAPE BUSINESS SCHOOL - 2015 Av. Fernando Ferrari, 1358,

Leia mais

Educação Infantil: como fazer valer esse direito?

Educação Infantil: como fazer valer esse direito? Educação Infantil: como fazer valer esse direito? Sabemos o que é qualidade em cuidados e educação. Sabemos o que uma bela infância representa. A hora de se justificar já passou, há muito tempo. Agora

Leia mais

O LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DO CONTEÚDO GEOGRAFIA FÍSICA DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

O LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DO CONTEÚDO GEOGRAFIA FÍSICA DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO O LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DO CONTEÚDO GEOGRAFIA FÍSICA DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO ALVES, Joselma Ferreira Universidade Estadual da Paraíba Joselmaferreira133@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL: UMA VISÃO GERAL. Agosto/2007

GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL: UMA VISÃO GERAL. Agosto/2007 GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL: UMA VISÃO GERAL Agosto/2007 Quantidade de Resíduos Sólidos Urbanos Gerada e Coletada em 2005 (ton/dia) Macroregião RSU gerado (ton/dia) Ìndice de Coleta (%) RSU coletado (ton/dia)

Leia mais

PROVA DE REDAÇÃO. A partir da leitura dos textos 1 e 2, desenvolva o seguinte tema: A GERAÇÃO NEM-NEM E O FUTURO DO PAÍS

PROVA DE REDAÇÃO. A partir da leitura dos textos 1 e 2, desenvolva o seguinte tema: A GERAÇÃO NEM-NEM E O FUTURO DO PAÍS UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA FACULTATIVA, REINGRESSO E MUDANÇA DE CURSO 2016 CADERNO DE REDAÇÃO INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Você deverá ter recebido o Caderno com a Proposta de Redação, a

Leia mais

O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010

O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010 ENCONTROS DE ATUALIDADES ECONÔMICAS O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010 Prof. Dr. Laumar Neves de Souza Diagrama do

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

É PRECISO MELHORAR O ORÇAMENTO COM A ASSISTÊNCIA MÉDICA E ODONTOLÓGICANO TRT DE SÃO PAULO

É PRECISO MELHORAR O ORÇAMENTO COM A ASSISTÊNCIA MÉDICA E ODONTOLÓGICANO TRT DE SÃO PAULO É PRECISO MELHORAR O ORÇAMENTO COM A ASSISTÊNCIA MÉDICA E ODONTOLÓGICANO TRT DE SÃO PAULO O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª. Região TRT 2 tem uma dotação 1 inicial de R$ 26,4 milhões no orçamento de

Leia mais

DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA

DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA na região metropolitana do Rio de Janeiro entre 2010 e 2011 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JANEIRO DE

Leia mais

Pesquisa de Avaliação dos Serviços Públicos de Florianópolis

Pesquisa de Avaliação dos Serviços Públicos de Florianópolis Pesquisa de Avaliação dos Serviços Públicos de Florianópolis A carga tributária brasileira é uma das mais elevadas do mundo, em 2011 ela chegou a 35% do PIB, valor extremamente elevado. Seria de se esperar

Leia mais

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO OUTUBRO DE 2013 SUMÁRIO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO... 1 1. Núcleo de Informações

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Agrupamento de Escolas de Arraiolos Escola EB 2,3/S Cunha Rivara de Arraiolos Ano Lectivo 2009/2010 HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º Ano Teste de Avaliação nº 6 TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Leia mais

EDUCAÇÃO SOBE MAIS QUE INFLAÇÃO NOS ÚLTIMOS SETE ANOS

EDUCAÇÃO SOBE MAIS QUE INFLAÇÃO NOS ÚLTIMOS SETE ANOS SÃO PAULO, 19 DE FEVEREIRO DE 2004. EDUCAÇÃO SOBE MAIS QUE INFLAÇÃO NOS ÚLTIMOS SETE ANOS TODO INÍCIO DE ANO, PAIS, ESTUDANTES E ESPECIALISTAS EM INFLAÇÃO SE PREPARAM PARA O REAJUSTE DAS MENSALIDADES ESCOLARES

Leia mais

SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS, PARA JUNHO DE 2015

SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS, PARA JUNHO DE 2015 SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS, PARA JUNHO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores De acordo

Leia mais

Acesso à educação nas diferentes faixas etárias segundo a renda e a raça/cor *

Acesso à educação nas diferentes faixas etárias segundo a renda e a raça/cor * Acesso à educação nas diferentes faixas etárias segundo a renda e a raça/cor * Cibele Yahn de Andrade Norberto Dachs Palavras-chave: Níveis de Educação; Raça; Renda; Sexo. Resumo: As desigualdades do mercado

Leia mais

Renda per capita do brasileiro diminui e se distancia de países emergentes

Renda per capita do brasileiro diminui e se distancia de países emergentes Renda per capita do brasileiro diminui e se distancia de países emergentes PIB brasileiro cai e mantém recessão 1 de 11 Alex Almeida 5.out.2008/Folhapress ÉRICA FRAGA DE SÃO PAULO 14/02/2016 02h00 Compartilhar

Leia mais

2. COMPARAÇÃO DE PERFIL ENTRE ADIMPLENTES E INADIMPLENTES

2. COMPARAÇÃO DE PERFIL ENTRE ADIMPLENTES E INADIMPLENTES PERFIL DO CONSUMIDOR COM E SEM DÍVIDAS NO BRASIL 1. PESQUISA Pesquisa inédita realizada pela CNDL e SPC Brasil buscou avaliar o perfil dos brasileiros adimplentes e inadimplentes, sendo consideradoscomo:

Leia mais

Taxa de mortalidade infantil Descrição

Taxa de mortalidade infantil Descrição Ind020104RNE Taxa de mortalidade infantil, por ano, segundo Brasil, Região Nordeste, regiões metropolitanas do Nordeste e escolaridade da mãe Indicador Taxa de mortalidade infantil Descrição Número de

Leia mais

Índice de Bem-Estar Urbano Local da Região Metropolitana de Manaus

Índice de Bem-Estar Urbano Local da Região Metropolitana de Manaus Índice de Bem-Estar Urbano Local da Região Metropolitana de Manaus Por João Luiz Nery Introdução: O Índice de Bem-estar Urbano (IBEU), desenvolvido pelo INCT Observatório das Metrópoles, resultou na publicação

Leia mais

Exercícios de estrutura da população

Exercícios de estrutura da população Exercícios de estrutura da população Material de apoio do Extensivo 1. Os gráficos a seguir, extraídos do sítio eletrônico do IBGE, apresentam a distribuição da população brasileira por sexo e faixa etária

Leia mais

Educação Brasileira: Desafios e Oportunidades

Educação Brasileira: Desafios e Oportunidades Educação Brasileira: Desafios e Oportunidades VI Congresso Brasileiro de Gestão Educacional GEduc 2008 São Paulo, 26 de março de 2008 Gustavo Ioschpe desembucha@uol.com.br Brasil perde o bonde da História

Leia mais

Panorama do Trabalho Infantil em Mato Grosso

Panorama do Trabalho Infantil em Mato Grosso Panorama do Trabalho Infantil em Mato Grosso Ações realizadas para a Prevenção e a Erradicação Habitantes (milhares) PANORAMA DO TRABALHO INFANTIL EM MATO GROSSO A preocupação com a garantia dos direitos

Leia mais

1.2 Vitimização 1.2.6 Agressão física

1.2 Vitimização 1.2.6 Agressão física Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Características da vitimização e do acesso à justiça no Brasil 2009 Tabela 1.2.6.1.1 - Pessoas de 10 anos ou mais de idade que foram vítimas de agressão física,

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara

Leia mais

Escassez Hídrica em Grandes Regiões Metropolitanas O caso da Região Metropolitana de São Paulo

Escassez Hídrica em Grandes Regiões Metropolitanas O caso da Região Metropolitana de São Paulo BNDES Seminário de Recursos Hídricos Rio de Janeiro, 16 de Julho de 2004 Escassez Hídrica em Grandes Regiões Metropolitanas O caso da Região Metropolitana de São Paulo Mauro Guilherme Jardim Arce Secretário

Leia mais

UPP CHAPÉU-MANGUEIRA / BABILÔNIA

UPP CHAPÉU-MANGUEIRA / BABILÔNIA UPP CHAPÉU-MANGUEIRA / BABILÔNIA 09/2014 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS DEMOGRÁFICOS E ÁREA OCUPADA... 3 3. INDICADORES SOCIOECONÔMICOS E URBANOS CENSO 2010... 6 3.1. SERVIÇOS

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica. Novo Hamburgo, 25 de março o de 2014

Política Nacional de Atenção Básica. Novo Hamburgo, 25 de março o de 2014 Política Nacional de Atenção Básica Novo Hamburgo, 25 de março o de 2014 A ATENÇÃO BÁSICA A AB é o nível de atenção mais próximo das pessoas e deve ser, integral, resolutiva, inserida no território e a

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUCIANO TEIXEIRA

URBANIZAÇÃO LUCIANO TEIXEIRA URBANIZAÇÃO LUCIANO TEIXEIRA Urbanização Pouco mais de 50% da população do planeta é considerada urbana hoje, segundo a ONU. No Brasil, segundo o Censo 2010 do IBGE, a taxa é de 85%. A ideia do urbano

Leia mais

A DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE DAS PEQUENAS CIDADES DE GLÓRIA DE DOURADOS, DEODÁPOLIS, JATEÍ E VICENTINA PARA DOURADOS MS.

A DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE DAS PEQUENAS CIDADES DE GLÓRIA DE DOURADOS, DEODÁPOLIS, JATEÍ E VICENTINA PARA DOURADOS MS. A DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE DAS PEQUENAS CIDADES DE GLÓRIA DE DOURADOS, DEODÁPOLIS, JATEÍ E VICENTINA PARA DOURADOS MS. Fernando Andrade Caires 1, Mara Lúcia Falconi da Hora Bernardelli 2 1 Estudante

Leia mais

A Organização Federativa da Educação Brasileira e o Desafio da Equidade. Formatvorlage des Untertitelmasters Manuel Palácios durch Klicken bearbeiten

A Organização Federativa da Educação Brasileira e o Desafio da Equidade. Formatvorlage des Untertitelmasters Manuel Palácios durch Klicken bearbeiten A Organização Federativa da Educação Brasileira e o Desafio da Equidade Formatvorlage des Untertitelmasters Manuel Palácios durch Klicken bearbeiten Um Roteiro 1 2 3 As Bases do Federalismo Educacional

Leia mais

2.1 Educação. Por que Educação? Comparação Internacional. Visão 2022

2.1 Educação. Por que Educação? Comparação Internacional. Visão 2022 Por que Educação? Um dos principais determinantes da competitividade da indústria é a produtividade do trabalho. Equipes educadas e engenheiros bem formados utilizam melhor os equipamentos, criam soluções

Leia mais

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) apresentou queda de 2,3% no trimestre finalizado em julho, em relação ao mesmo período do ano passado.

Leia mais

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia Helena Vieira Cruz INTRODUÇÃO Os ganhos decorrentes das experiências vividas pelas crianças em creches e pré-escolas dependem diretamente

Leia mais

RESUMO TÉCNICO CENSO ESCOLAR 2010

RESUMO TÉCNICO CENSO ESCOLAR 2010 MEC Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO ESCOLAR 2010 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos

Leia mais

Mapa da Violência 2012: Os Novos Padrões da Violência Homicida no Brasil. Consolidação dos Dados da Violência Homicida por Unidade Federada

Mapa da Violência 2012: Os Novos Padrões da Violência Homicida no Brasil. Consolidação dos Dados da Violência Homicida por Unidade Federada Mapa da Violência 2012: Os Novos Padrões da Violência Homicida no Brasil Consolidação dos Dados da Violência Homicida por Unidade Federada Julgamos que seria de grande utilidade consolidar as informações

Leia mais

SISTEMA MINEIRO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR SIMADE

SISTEMA MINEIRO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR SIMADE SISTEMA MINEIRO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR SIMADE SISTEMA MINEIRO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR SIMADE 1- Objetivos do SIMADE Estrutura da apresentação 2- Obrigatoriedade e responsabilização 3- Uso das informações

Leia mais

Profissionalização da Gestão na Educação. Mozart Neves Ramos Diretor de articulação e Inovação do Instituto Ayrton Senna

Profissionalização da Gestão na Educação. Mozart Neves Ramos Diretor de articulação e Inovação do Instituto Ayrton Senna Profissionalização da Gestão na Educação Mozart Neves Ramos Diretor de articulação e Inovação do Instituto Ayrton Senna PDE (2007) IDEB: 5 Ano do Ensino Fundamental IDEB: 3 ano do Ensino Médio PAR: Plano

Leia mais

BRASIL: TÁBUA COMPLETA DE MORTALIDADE - 2010

BRASIL: TÁBUA COMPLETA DE MORTALIDADE - 2010 Diretoria de Pesquisas DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais COPIS Gerência de Estudos e Análises da Dinâmica Demográfica - GEADD BRASIL: TÁBUA COMPLETA DE MORTALIDADE - 2010 Em cumprimento

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Resultados preliminares da amostra

Censo Demográfico 2010. Resultados preliminares da amostra Censo Demográfico 2010 Resultados preliminares da amostra Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2011 INTRODUÇÃO Esta divulgação apresenta resultados preliminares para um conjunto de características dos domicílios

Leia mais

Estudo Temático: Desigualdade de Raça e Gênero no Mercado de Trabalho Formal na Região Metropolitana de Campinas NOVEMBRO DE 2009

Estudo Temático: Desigualdade de Raça e Gênero no Mercado de Trabalho Formal na Região Metropolitana de Campinas NOVEMBRO DE 2009 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS Estudo Temático: Desigualdade de Raça e Gênero no Mercado de Trabalho Formal na Região Metropolitana de Campinas NOVEMBRO DE 2009 Termo de Contrato Nº. 65/2009 2009

Leia mais

Presença a do Estado no Brasil: Federação, Suas Unidades e Municipalidades

Presença a do Estado no Brasil: Federação, Suas Unidades e Municipalidades Presença a do Estado no Brasil: Federação, Suas Unidades e Municipalidades Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Marcio Pochmann Presidente Brasília, 15 de dezembro de 2009 Justificativa

Leia mais

Programa Cisternas Programa Nacional de Apoio à Captação de Água de Chuva e Outras Tecnologias Sociais de Acesso à Água

Programa Cisternas Programa Nacional de Apoio à Captação de Água de Chuva e Outras Tecnologias Sociais de Acesso à Água Programa Cisternas Programa Nacional de Apoio à Captação de Água de Chuva e Outras Tecnologias Sociais de Acesso à Água Contexto Institucional/Legal Água enquanto alimento integra os direitos fundamentais

Leia mais

para esta temática que envolvem o enfrentamento ao trabalho infantil tais como o Projeto Escola que Protege.

para esta temática que envolvem o enfrentamento ao trabalho infantil tais como o Projeto Escola que Protege. A Coordenação Geral de Direitos Humanos DEIDHUC/SECAD/MEC tem como uma de suas atribuições fomentar ações de promoção e defesa dos direitos de crianças e adolescentes. Nesse sentido, considerando a escola

Leia mais

Tema 8 Exemplos de Conflitos de Uso de Água em Ambientes Urbanos

Tema 8 Exemplos de Conflitos de Uso de Água em Ambientes Urbanos 1 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamente de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 Água em Ambientes Urbanos Prof. Kamel Zahed Filho Tema 8 Exemplos de Conflitos de Uso de Água

Leia mais