Estatística - exestatmedposic.doc 25/02/09

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatística - exestatmedposic.doc 25/02/09"

Transcrição

1 Medidas de Posição Introdução Vimos anteriormente que, através de uma distribuição de freqüências se estabelece um sistema de classificação que descreve o padrão de variação de um determinado fenômeno estatístico. Ocorre, todavia, que poderia ser muito difícil trabalhar com a distribuição de freqüências completa, razão pela qual costuma-se lançar mão de determinadas medidas. Essas medidas sumarizam certas características importantes da distribuição de freqüências. Temos diversas medidas que possibilitam condensar as informações dentro da fase analítica da Estatística Descritiva. Concentraremos nossa atenção, de forma mais enfática, em dois tipos mais importantes: 1. Medidas de posição (especialmente as de tendência central) 2. Medidas de dispersão ou de heterogeneidade. Medidas de Posição As medidas de posição podem ser apresentar de várias formas, dependendo daquilo que se pretende conhecer a respeito dos dados estatísticos. As medidas de posição mais importantes são as medidas de tendência central ou promédias. Nossa pretensão aqui é a determinação e o cálculo de medidas que ofereçam o posicionamento da distribuição dos valores de uma variável que desejamos analisar. Estas medidas são assim denominadas em virtude da tendência dos dados observados se agruparem em torno desses valores centrais. As três medidas de tendência central ou promédias mais utilizadas para resumir o conjunto de valores representativos do fenômeno que se deseja estudar são a moda, a média aritmética e a mediana. E Nemer 1 / 18

2 Média ou média aritmética ou média amostral: x É a medida de tendência central mais comumente usada para descrever resumidamente uma distribuição de freqüências. A média aritmética de um conjunto de números pode ser de dois tipos: simples ou ponderada. Média aritmética simples É obtida calculando-se o quociente entre a soma dos valores de um conjunto de dados e o número total de elementos desse conjunto. Para uma amostra com n observações x 1, x 2,...,x n -, a média aritmética simples é calculada por: x soma _ dos _ valores _ de _ x número _ de _ observações n xi i 1 n Valor genérico da observação Número de observações Exemplo 1: Encontrar a média aritmética para o conjunto de observações 5, 1, 6, 2, 4. x 5 xi i ,6 5 5 Exemplo 2: Suponha que cinco funcionários em um escritório recebam os seguintes salários: R$ 800,00; R$ 780,00; R$ 820,00; R$ 810,00; R$ 790,00. Calcule a média aritmética dos salários. x 5 xi i , , , , ,00 800,00 5 E Nemer 2 / 18

3 Obs: A média aritmética simples será calculada sempre que os valores não estiverem tabulados, ou seja, quando aparecerem representados individualmente, como é o caso, por exemplo, dos dados brutos. Média aritmética ponderada A média aritmética é considerada ponderada quando os valores do conjunto tiverem pesos diferentes. No caso da média aritmética simples, todos os valores apresentam peso igual. O cálculo da média aritmética ponderada é executado através do quociente entre o produto dos valores da variável pelos respectivos pesos e a soma dos pesos. Exemplo 3: Um professor realiza quatro provas por ano em sua matéria, atribuindo a cada uma delas os seguintes pesos: 1, 2, 3, 4. Se um aluno tiver recebido as notas 8, 7, 9 e 9, nessa ordem, sua nota final será a média aritmética ponderada obtida da seguinte maneira: (8 1) + (7 2) + (9 3) + (9 4) x 8, Obs: No exemplo apresentado, os pesos dos valores da variável são fixados previamente, para efeito de cálculo. Contudo, tratando-se de distribuições de freqüências, os pesos dos valores da variável não são atribuídos arbitrariamente, mas correspondem ao número de vezes que cada valor ocorre. Exemplo 4: Imagine que tenhamos o quadro abaixo com a nota de 20 alunos i. Calculando a média aritmética dos dados brutos: Para este cálculo vamos usar a fórmula da média aritmética simples. Logo, temos: x xi i 1 K E Nemer 3 / 18 6,2

4 ii. Calculando a média aritmética a partir dos dados com suas freqüências absolutas: Para este cálculo, vamos montar uma tabela com as observações e suas freqüências absolutas. Nota F i Usando o cálculo da média aritmética ponderada, temos que: (4 1) + (5 5) + (6 6) + (7 5) + (8 3) x 6, Observe no exemplo anterior os dois cálculos para a média aritmética. Verifique que é indiferente somar o número 7 cinco vezes ou multiplicar o número 7 por cinco. Genericamente, se os valores x 1, x 2,..., x k ocorrerem f 1, f 2,..., f k vezes, respectivamente, ou seja, se os valores de x i estão agrupados com suas respectivas freqüências absolutas F i, a média aritmética ou média amostral será expressa por: x n x i i i 1 i 1 n F i 1 F i n x n i F i Obs: Quando os valores estão agrupados em classes, a tabela requer mais uma coluna, necessária para dispor os pontos médios de classes. Exemplo 5: Determinar a idade média para o conjunto dos 50 funcionários considerados no exemplo da tabela de distribuição de freqüências. Da tabela de distribuição de freqüências, temos: E Nemer 4 / 18

5 Classes Intervalos das classes Bloco Fi fi fi% Fac fac fac% Xi , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,5 Somas Logo, temos que: x n xif i i 1 n ,44 Obs: O resultado de 38,44 anos é aproximado, uma vez que utilizamos os pontos médios x i com representantes das classes em que foram agrupadas as 50 idades. Se voltássemos à tabela original e desconsiderássemos o agrupamento em classes, o valor da média aritmética seria: soma _ das _ idades x número _ de _ observações K , A diferença entre os resultados foi de 38,22 38,44-0,12. Assim, quando o analista dispuser da tabela de distribuição de freqüências, e admitir que uma aproximação do cálculo da média não vai comprometer suas conclusões, poderá usar a fórmula para os dados agrupados. Caso contrário, deverá utilizar a fórmula comum para o cálculo da média aritmética. E Nemer 5 / 18

6 Moda Dentre as principais medidas de posição, destaca-se a Moda. Considerando um conjunto ordenado de valores, a moda será o valor predominante, o valor mais freqüente desse conjunto. Um conjunto de valores pode não apresentar moda, sendo, então, denominado conjunto amodal, caso em que todos os valores da variável em estudo ocorreram com a mesma intensidade (freqüência). Por outro lado, podemos ter conjuntos plurimodais, quando houver mais de um valor predominante. Exemplo 6: Calcular a moda dos seguintes conjuntos de valores: x { 4,5,5,6,6,6,7,7,8, 8} Mo6 x { 4,4,5,5,6, 6} Conjunto amodal x { 1,2,2,2,3,3,4,5,5,5,6, 6} Conjunto bimodal com M o1 2 e M o2 5 x { 1,2,3,4, 5} Conjunto amodal Os valores da variável dispostos em uma tabela de freqüências podem apresentar-se individualmente ou agrupados em classes. No primeiro caso, a determinação da moda é imediata, bastando, para isso, consultar a tabela, localizando o valor que apresenta a maior freqüência. Assim, para a distribuição, temos que: x i F i Classe modal (classe com maior freqüência) A moda será 248 e indica-se : M o 248 E Nemer 6 / 18

7 No caso de uma tabela de freqüências com valores tabulados e agrupados em classes, o procedimento não é imediato, sendo disponíveis alguns métodos de cálculos distintos. Qualquer que seja o método adotado, o primeiro passo para determinar a moda é localizar a classe que apresenta a maior freqüência, comumente chamada de classe modal. Dentre os métodos existentes, destacaremos o cálculo da moda por meio da fórmula de Czuber. Onde: M o l mo + Δ1 Δ + 1 Δ 2 h l mo limite inferior da classe modal. 1 diferença entre a freqüência da classe modal e a freqüência da classe imediatamente anterior. 2 diferença entre a freqüência da classe modal e a freqüência da classe imediatamente posterior. h amplitude da classe modal. Exemplo 7: Calcular a moda para a distribuição abaixo: Classes Σ F i Classe modal 1 o passo: Indica-se a classe modal. No caso, trata-se da 3 a classe. 2 o passo: Calcula-se cada elemento da fórmula, da seguinte maneira: l mo h 1 3 o passo: Aplica-se a fórmula: M o M 2, o E Nemer 7 / 18

8 Exemplo 8: Calcular a moda para a distribuição abaixo: Classes Σ F i Classe modal 1 o passo: Indica-se a classe modal. No caso, trata-se da 3 a classe. 2 o passo: Calcula-se cada elemento da fórmula, da seguinte maneira: l mo h 10 3 o passo: Aplica-se a fórmula: M o M 38, o Exemplo 9: Calcular a moda para a distribuição abaixo: Salários (US$) No de empregados Observe que as amplitudes das classes não são iguais. Nesse caso, é preciso calcular as densidades das classes através da fórmula Fi / h, para identificar qual é a classe modal (aquela com maior densidade). Logo, temos que: Salários (US$) h F i F i / h , , ,3 Classe modal 1o passo: A classe modal é a terceira classe, pois é a que apresenta maior densidade. 2o passo: Calcula-se cada elemento da fórmula, da seguinte maneira: lmo ,8 2,0 0,8 2 2,8 0,3 2,5 h 50 E Nemer 8 / 18

9 3o passo: Aplica-se a fórmula: M o 0, M 262,12 0,8 + 2,5 o Portanto, o salário mais freqüente para esse grupo de 410 empregados é US$ 262,12. ~ Mediana : Md ou x É a terceira medida de tendência central e pode ser definida como o valor que divide uma série ordenada (uma amostra ou uma população) em duas partes iguais, de tal forma que pelo menos a metade ou 50% dos itens sejam iguais ou maiores do que ele, e que haja pelo menos outra metade ou 50 % dos itens menores do que ele. Por ser uma separatriz, ou seja, por separar um conjunto de dados em partes iguais de tal sorte que uma fração (0,5 ou ½) de valores lhe seja inferior e os restantes superiores, podemos concluir que essa medida apresenta um número de ordem. Assim é que, ordenando os valores da série, a mediana é um valor que ocupa uma determinada ordem ou posição na série ordenada. O número que indica a ordem em que se encontra o valor correspondente à mediana é denominado elemento mediano, cujo símbolo é E Md. Mediana a partir de dados não tabulados É calculada a partir de um rol ou lista ordenada dos dados. Podem ocorrer duas hipóteses com relação ao número de observações n: que ele seja ímpar ou par. 1. Número de observações é ímpar Este cálculo requer primeiro que se determine a ordem em que se encontra a mediana na série. Deve-se, então, encontrar o valor do elemento mediano, o que é feito da seguinte forma: E Md n +1 2 E Nemer 9 / 18

10 O passo seguinte será localizar a mediana na lista de valores, de acordo com o resultado obtido no cálculo do elemento mediano. Exemplo 10: Calcular a mediana do seguinte conjunto de números: x { 2,3,6,12,15,23,30} A primeira providência a ser adotada seria a de ordenar os valores. Neste exemplo, os valores da série já se encontram ordenados. Em seguida, determinaremos o valor do elemento mediano para um conjunto ímpar de observações (observe que n7). E Md n Observe que o valor 4 é um número ordinal. Assim, E Md 4 indica que a mediana é o valor que se encontra na quarta posição da lista ordenada de valores, é o quarto número da série. Finalmente, procuraremos no conjunto qual o valor que se encontra no quarto lugar da lista. Esse número corresponderá à mediana do conjunto. No nosso exemplo, temos: Md Número de observações é par O procedimento para calcular a mediana de um número par de observações é ligeiramente diferente do adotado para o caso em que n é ímpar. Primeiro calculamos o elemento mediano, conforme a fórmula abaixo: E Md n 2 Não podemos usar o mesmo procedimento usado para um número ímpar de observações pois, neste caso, temos dois valores centrais. Se usássemos o valor de E md acima para obter a mediana estaríamos contrariando a definição de mediana que determina que deva existir uma mesma proporção de valores menores e maiores do que ela. Portanto, toda vez que houver um número par de observações, a lista apresentará dois valores centrais e a mediana será determinada calculando E Nemer 10 / 18

11 a média aritmética entre os elementos da ordem n/2 e (n+1)/2, conforme o exemplo abaixo: Exemplo 11: Calcular a mediana do seguinte conjunto de números: x { 3,6,9,12,14,15,17,20} Observe que n8. O elemento mediano será: E Md 8 n Logo, o elemento de ordem n/2 é 12 e o elemento de ordem (n+1)/2 é 14. Logo, a mediana será dada por: Md Observe que agora temos a ocorrência de igual número de valores maiores (14, 15, 17, 20) e menores (3, 6, 9, 12) do que a mediana. Mediana a partir de dados tabulados mas não agrupados em classes Quando os valores já estiverem agrupados, o procedimento será praticamente o mesmo do item anterior. 1. Número de observações é ímpar Exemplo 12: Calcular mediana para a distribuição abaixo: x i F i F ac Σ 11 O conjunto de observações neste caso é ímpar: n 11. E Nemer 11 / 18

12 O elemento mediano será: E Md n A mediana deverá ser o sexto elemento do conjunto. Para identificá-lo, fica mais fácil se abrirmos uma coluna com as freqüências acumuladas, conforme mostrado na tabela. Por meio da F ac encontra-se o valor (x i ) correspondente à mediana. Neste exemplo, será o 3 ( Md 3 ). Observe: é o x i correspondente à classe que contiver a ordem calculada, no caso o sexto elemento. 2. Número de observações é par Exemplo 13: Calcular mediana para a distribuição abaixo: x i F i F ac Σ 42 O conjunto de observações neste caso é par: n 42. O elemento mediano será: E Md 42 n Logo, o elemento de ordem n/2 é 21 e o elemento de ordem (n+1)/2 é 22. Como no exemplo anterior, identificamos os elementos de ordem 21 e 22 pela F ac. Assim, temos que o elemento 21 corresponde a 87 e o elemento 22 também corresponde a 87. Logo, a mediana será dada por: Md E Nemer 12 / 18

13 Mediana a partir de dados tabulados agrupados em classes Quando os valores da variável estiverem agrupados em classes, o cálculo da mediana será realizado por interpolação. Tratando-se de dados agrupados, admite-se que os valores da variável na distribuição de freqüências distribuam-se continuamente. O procedimento para o cálculo da mediana apresenta os seguintes passos: o Passo 1: Calcula-se a ordem n/2. A variável é contínua, independentemente se n é par ou ímpar. o Passo 2: Pela F ac, identifica-se a classe que contém a mediana (classe Md). o Passo 3: Utiliza-se a fórmula: Onde: Md l Md n f 2 + h F Md l Md limite inferior da classe Md. n tamanho da amostra ou número de elementos. f soma das freqüências anteriores à classe Md. h amplitude da classe Md. F Md freqüência da classe Md. Exemplo 14: Dada a distribuição amostral, calcular a mediana: Intervalos das classes Fi Fac Soma 58 Classe Md 1 o passo: Calcula-se a ordem n/2. A variável é contínua, independentemente se n é par ou ímpar. Como n58, temos que o elemento n/229. E Nemer 13 / 18

14 2 o passo: Identifica-se a classe Md pela F ac. Nesse caso, a classe Md é a 3 a classe. 3 o passo: Calcula-se cada elemento da fórmula e aplica-se a fórmula: l Md 55 n 58 f 17 h 10 F Md 18 Logo, temos que: Md ,57 18 Então, 50% das observações têm medidas abaixo de 61,57 e 50% acima desse valor Quartis Há uma outra medida de posição semelhante à mediana, embora não seja uma medida de tendência central. Como vimos anteriormente, a mediana divide a distribuição em duas partes iguais quanto ao número de elementos de cada parte. Temos agora o quartil, que permite dividir a distribuição em quatro partes iguais quanto ao número de elementos de cada uma. 0% 25% 50% 75% 100% Q 1 Q 2 Md Q 3 Com relação à figura acima, temos que: o Q 1 1 o quartil, apanha 25% dos elementos o Q 2 2 o quartil, coincide com a mediana, apanha 25% dos elementos o Q 3 3 o quartil, apanha 75% dos elementos E Nemer 14 / 18

15 Determinação do 1 o quartil: Passo 1: Calcula-se a ordem n/4. Passo 2: Identifica-se a classe Q 1 pela Fac. Passo 3: Aplica-se a fórmula: Q 1 n f 4 + h Q l Q 1 F 1 Determinação do 3 o quartil: Passo 1: Calcula-se a ordem 3n/4. Passo 2: Identifica-se a classe Q 3 pela Fac. Passo 3: Aplica-se a fórmula: Q 3 3n f + 4 Q l Q 3 F 3 h Exemplo 15: Dada a distribuição amostral, determinar os quartis (Q1 e Q3) e mediana: Intervalos das classes Fi Fac Soma 56 Classe Q 1 (contém o 28 o elemento) Classe Md (contém o 28 o elemento) Classe Q 3 (contém o 28 o elemento) 1 o passo: n 56 n n n 3 (56) E Nemer 15 / 18

16 2 o passo: Pela F ac identificam-se a classe Q 1 (2 a ), a classe Md (3 a ) e a classe Q 3 (4 a ). 3 o passo: Aplica-se, então, a fórmula: Logo: Para Q 1, temos: l Q1 17; n56; f 6; h10; F Q1 15 Para Md, temos: l Q1 27; n56; f 21; h10; F Md 20 Para Q 3, temos: l Q3 37; n56; f 41; h10; F Q1 10 Q , Md ,5 20 Q 3 3(56) Diante desses resultados, pode-se afirmar que, nessa distribuição, tem-se: 25% 25% 25% 25% 7 22,33 30, Logo, observamos que: - 25% das observações estão entre 7 e 22,33-25% das observações estão entre 22,33 e 30,5-25% das observações estão entre 30,5 e 38-25% das observações estão entre 38 e 57 E Nemer 16 / 18

17 Decis Continuando o estudo das medidas separatrizes: mediana e quartis, tem-se os decis. São os valores que dividem a série em 10 partes iguais. O cálculo para um decil (D i ) é dado por: Passo 1: Calcula-se a ordem in/10, em que: i1,2,3,4,5,6,7,8 e 9. Passo 2: Identifica-se a classe D i pela Fac. Passo 3: Aplica-se a fórmula: Di in f 10 + h Di l D i F Em que: L Di limite inferior da classe D i i1,2,3,..., 9 n tamanho da amostra f soma das freqüências anteriores à classe D i. h amplitude da classe D i. F Di freqüência da classe D i. Percentis São as medidas que dividem a série em 100 partes iguais. O cálculo de um percentil (P i ) é dado por: Passo 1: Calcula-se a ordem in/100, em que: i1,2,3,...,98 e 99. Passo 2: Identifica-se a classe P i pela Fac. Passo 3: Aplica-se a fórmula: Pi in f Pi l P i F h E Nemer 17 / 18

18 Em que: L Di limite inferior da classe D i i1,2,3,..., 9 n tamanho da amostra f soma das freqüências anteriores à classe D i. h amplitude da classe D i. F Di freqüência da classe D i. Exemplo 16: Determinar o 4 o decil e o 72 o percentil da seguinte distribuição: Intervalos das classes Fi Fac Soma 40 Classe D 4 Classe P 72 Cálculo de D 4 : Cálculo de P 72 : 1 o passo: n 56 in 4 (40) in 72 (40) 28, o passo: Pela F ac identificam-se a classe D 4 e P o passo: Aplica-se, então, a fórmula: Logo: Para D 4, temos: l D4 9; n40; f 8; h5; F D4 12 Para P 72, temos: l P72 14; n40; f 20; h5; F P72 17 D 4 (40) , P 72 (40) , Portanto, nessa distribuição, o valor 12,33 divide a distribuição em duas partes: uma (à esquerda) com 40% dos elementos e a outra com 60%. O valor 16,89 indica que 72% dos elementos da distribuição estão abaixo de 16,89 e 28% acima. E Nemer 18 / 18

As outras medidas de posição são as separatrizes, que englobam: a própria mediana, os decis, os quartis e os percentis.

As outras medidas de posição são as separatrizes, que englobam: a própria mediana, os decis, os quartis e os percentis. RESUMO Medidas de Posição são as estatísticas que representam uma série de dados orientando-nos quanto à posição da distribuição em relação ao eixo horizontal do gráfico da curva de frequência As medidas

Leia mais

Estatística descritiva básica: Medidas de tendência central

Estatística descritiva básica: Medidas de tendência central Estatística descritiva básica: Medidas de tendência central ACH2021 Tratamento e Análise de Dados e Informações Marcelo de Souza Lauretto marcelolauretto@usp.br www.each.usp.br/lauretto *Parte do conteúdo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ MEDIDAS DESCRITIVAS Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições

Leia mais

n = 25) e o elemento (pois = 19) e terá o valor 8. Verifique que antes e depois do 19 o elemento, teremos 18 elementos.

n = 25) e o elemento (pois = 19) e terá o valor 8. Verifique que antes e depois do 19 o elemento, teremos 18 elementos. V) Mediana: A Mediana de um conjunto de números, ordenados crescente ou decrescentemente em ordem de grandeza (isto é, em um rol), será o elemento que ocupe a posição central da distribuição de freqüência

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATISTICA. Unidade III Medidas de Posição

PROBABILIDADE E ESTATISTICA. Unidade III Medidas de Posição PROBABILIDADE E ESTATISTICA Unidade III Medidas de Posição 0 1 MEDIDAS DE POSIÇÃO As medidas de posições mais importantes são as medidas de tendência central e as medidas separatrizes. As medidas de tendência

Leia mais

22/02/2014. AEA Leitura e tratamento de dados estatísticos apoiado pela tecnologia da informação. Medidas Estatísticas. Medidas Estatísticas

22/02/2014. AEA Leitura e tratamento de dados estatísticos apoiado pela tecnologia da informação. Medidas Estatísticas. Medidas Estatísticas Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Ciências Socioeconômicas e Humanas de Anápolis AEA Leitura e tratamento de dados estatísticos apoiado pela tecnologia da informação Prof. Elisabete

Leia mais

Medidas de Tendência Central

Medidas de Tendência Central ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas de Tendência Central 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL 3.1 Média Aritmética Uma das mais importantes medidas estatísticas utilizadas é a média. Ela é, por exemplo, utilizada

Leia mais

MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL

MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL Professor Jair Wyzykowski Universidade Estadual de Santa Catarina Média aritmética INTRODUÇÃO A concentração de dados em torno de um valor pode ser usada para representar todos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS Departamento de Estatística Tarciana Liberal Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de freqüências e gráficos. Pode ser

Leia mais

ESTATÍSTICA Medidas de Síntese

ESTATÍSTICA Medidas de Síntese 2.3 - Medidas de Síntese Além das tabelas e gráficos um conjunto de dados referente a uma variável QUANTITATIVA pode ser resumido (apresentado) através de Medidas de Síntese, também chamadas de Medidas

Leia mais

Para caracterizar um conjunto de dados é importante não só a média, mas também a dispersão dos valores em torno da média

Para caracterizar um conjunto de dados é importante não só a média, mas também a dispersão dos valores em torno da média 1 É muito diferente ter uma situação em que o salário médio mensal é R$600 e todos ganham R$600, ou ter o mesmo salário médio mas em que metade das pessoas ganha R$300 e a outra metade ganha R$900. Para

Leia mais

Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade

Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade Prof. Gilberto Rodrigues Liska UNIPAMPA 27 de Março de 2017 Material de Apoio e-mail: gilbertoliska@unipampa.edu.br Sumário 1 Introdução

Leia mais

MAIS SOBRE MEDIDAS RESUMO. * é muito influenciada por valor atípico

MAIS SOBRE MEDIDAS RESUMO. * é muito influenciada por valor atípico MAIS SOBRE MEDIDAS RESUMO Medidas de Tendência Central (1) média (aritmética) * só para variáveis quantitativas exceção: variável qualitativa nominal dicotômica, com categorias codificadas em 0 e 1; neste

Leia mais

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES U.E PROF EDGAR TITO

ESTATÍSTICA. PROF. RANILDO LOPES  U.E PROF EDGAR TITO ESTATÍSTICA PROF. RANILDO LOPES http://ueedgartito.wordpress.com U.E PROF EDGAR TITO 1 ESTATÍSTICA MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL MEDIDAS DE DISPERSÃO 2 Estatística ELEMENTOS TÍPICOS DE UMA DISTRIBUIÇÃO:

Leia mais

Prof. Francisco Crisóstomo

Prof. Francisco Crisóstomo Unidade II ESTATÍSTICA BÁSICA Prof. Francisco Crisóstomo Unidade II Medidas de posição Medidas de posição Tem como característica definir um valor que representa um conjunto de valores (rol), ou seja,

Leia mais

Estatística e Probabilidade

Estatística e Probabilidade Aula 3 Cap 02 Estatística Descritiva Nesta aula... estudaremos medidas de tendência central, medidas de variação e medidas de posição. Medidas de tendência central Uma medida de tendência central é um

Leia mais

Estatística

Estatística Estatística 1 2016.2 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos... 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO... 3 MEDIDAS DE DISPERSÃO... 5 EXERCÍCIOS CAPÍTULO 1... 8 Capítulo 2 Outliers e Padronização... 12 VALOR PADRONIZADO (Z)...

Leia mais

Aula 2 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E MEDIDAS DE POSIÇÃO

Aula 2 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E MEDIDAS DE POSIÇÃO MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E MEDIDAS DE POSIÇÃO Aula META Visualizar o comportamento de um conjunto de dados por intermédio de um único valor, neste caso representado pelo parâmetro médio, bem como em

Leia mais

Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA. Prof. Luiz Felix

Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA. Prof. Luiz Felix Unidade I ESTATÍSTICA APLICADA Prof. Luiz Felix O termo estatística Provém da palavra Estado e foi utilizado originalmente para denominar levantamentos de dados, cuja finalidade era orientar o Estado em

Leia mais

Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF Assinatura: CARTÃO RESPOSTA

Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF Assinatura: CARTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A2 DATA 08/10/2009 ESTATÍSTICA 2009/2 Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF Assinatura: CARTÃO

Leia mais

Sumário. Estatistica.indb 11 16/08/ :47:41

Sumário. Estatistica.indb 11 16/08/ :47:41 Sumário CAPÍTULO 1 CONCEITOS INICIAIS... 19 1.1. Introdução... 19 1.2. Estatística... 19 1.2.1. Estatística Descritiva ou Dedutiva... 21 1.2.2. Estatística Indutiva ou Inferencial... 21 1.3. População...

Leia mais

Elementos de Estatística

Elementos de Estatística Elementos de Estatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2013 Medidas Resumo Medidas Resumo Medidas que sintetizam informações contidas nas variáveis em um único

Leia mais

CURSO DE SPSS AULA 2 MEDIDAS DESCRITIVAS. UFBA/FACED José Albertino Lordello Sheila Regina Pereira

CURSO DE SPSS AULA 2 MEDIDAS DESCRITIVAS. UFBA/FACED José Albertino Lordello Sheila Regina Pereira CURSO DE SPSS AULA 2 MEDIDAS DESCRITIVAS UFBA/FACED José Albertino Lordello Sheila Regina Pereira MEDIDAS RESUMO Uma maneira conveniente de descrever um grupo como um todo é achar um número único que represente

Leia mais

AMEI Escolar Matemática 8º Ano Estatística: Organização e Tratamento de Dados

AMEI Escolar Matemática 8º Ano Estatística: Organização e Tratamento de Dados AMEI Escolar Matemática 8º Ano Estatística: Organização e Tratamento de Dados Conteúdos desta unidade: Organização, representação e interpretação de dados; Medidas de tendência central; Medidas de localização.

Leia mais

IFF FLUMINENSE CST EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL

IFF FLUMINENSE CST EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL IFF FLUMINENSE CST EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL Estatística e Probabilidade CH: 40 h/a Classificação de variáveis, Levantamento de Dados: Coleta; Apuração; Apresentação; e Análise de resultados. Séries Estatísticas.

Leia mais

MEDIDAS DE POSIÇÃO E DE DISPERSÃO. Profª Andréa H Dâmaso

MEDIDAS DE POSIÇÃO E DE DISPERSÃO. Profª Andréa H Dâmaso MEDIDAS DE POSIÇÃO E DE DISPERSÃO Profª Andréa H Dâmaso Bioestatística e Delineamento Experimental - 2012 Tópicos da aula Medidas de tendência central e dispersão Variáveis contínuas: distribuição normal

Leia mais

Medidas de Dispersão ou variabilidade

Medidas de Dispersão ou variabilidade Medidas de Dispersão ou variabilidade A média - ainda que considerada como um número que tem a faculdade de representar uma série de valores - não pode, por si mesma, destacar o grau de homogeneidade ou

Leia mais

ESTATÍSTICA. na Contabilidade Revisão - Parte 3. Medidas Estatísticas

ESTATÍSTICA. na Contabilidade Revisão - Parte 3. Medidas Estatísticas ESTATÍSTICA na Contabilidade Revisão - Parte 3 Luiz A. Bertolo Medidas Estatísticas A distribuição de frequências permite-nos descrever, de modo geral, os grupos de valores (classes) assumidos por uma

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA Prof.ª Sheila Regina Oro Projeto Recursos Educacionais Digitais Autores: Bruno Baierle e Maurício Furigo ESTATÍSTICA DESCRITIVA A Estatística Descritiva

Leia mais

Estatística I Aula 3. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística I Aula 3. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística I Aula 3 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística: Prof. André Carvalhal Dados quantitativos: medidas numéricas Propriedades Numéricas Tendência Central Dispersão Formato Média Mediana

Leia mais

Estatística I Aula 2. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística I Aula 2. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística I Aula 2 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Análise Exploratória de Dados Consiste em resumir e organizar os dados coletados Utiliza-se tabelas, gráficos ou medidas numéricas para resumir

Leia mais

Estatística Descritiva Lista 1 de exercícios (nivelamento)

Estatística Descritiva Lista 1 de exercícios (nivelamento) 1. População é um conjunto de: a) Pessoas. b) Elementos quaisquer. c) Pessoas com uma característica comum. d) Elementos com pelo menos uma característica em comum. e) Indivíduos de um mesmo município,

Leia mais

Consideremos uma função definida em um intervalo ] [ e seja ] [. Seja um acréscimo arbitrário dado a, de forma tal que ] [.

Consideremos uma função definida em um intervalo ] [ e seja ] [. Seja um acréscimo arbitrário dado a, de forma tal que ] [. 6 Embora o conceito de diferencial tenha sua importância intrínseca devido ao fato de poder ser estendido a situações mais gerais, introduziremos agora esse conceito com o objetivo maior de dar um caráter

Leia mais

CAP1: Estatística Descritiva para análise da variabilidade uma amostra de dados quantitativos

CAP1: Estatística Descritiva para análise da variabilidade uma amostra de dados quantitativos CAP1: Estatística Descritiva para análise da variabilidade uma amostra de dados quantitativos O aluno deverá utilizar calculadora científica Resumo Numérico dos dados Suponha que os dados sejam representados

Leia mais

Bioestatística. Aula 3. MEDIDAS SEPARATRIZES Quartis, Decis e percentis. Profa. Alessandra Bussador

Bioestatística. Aula 3. MEDIDAS SEPARATRIZES Quartis, Decis e percentis. Profa. Alessandra Bussador Bioestatística Aula 3 MEDIDAS SEPARATRIZES Quartis, Decis e percentis Profa. Alessandra Bussador Quartis dados não agrupados Dividem os dados ordenados em quatro partes: Primeiro Quartil (Q1): valor que

Leia mais

Amostra: é uma parte da população retirada para ser analisada, a qual permite que se conheça tal população.

Amostra: é uma parte da população retirada para ser analisada, a qual permite que se conheça tal população. 1 Estatística é a parte da Matemática Aplicada que fornece métodos para a coleta, organização, apresentação, análise e interpretação de dados para a tomada de decisões. Aplicações da estatística: _ Um

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Estatística e Probabilidade Carga Horária: 40h Período: 1º. Ementa

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Estatística e Probabilidade Carga Horária: 40h Período: 1º. Ementa Disciplina: Estatística e Probabilidade Carga Horária: 40h Período: 1º PLANO DE ENSINO Ementa Classificação de variáveis, Levantamento de Dados: Coleta; Apuração; Apresentação e Análise de resultados.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS Relacionam categorias ou classes de valores, juntamente com contagens (ou frequência) do número de valores que se enquadram em cada categoria. Tabela de distribuição de frequência Considere o seguinte

Leia mais

Descrevendo Distribuições com Números TADI

Descrevendo Distribuições com Números TADI Descrevendo Distribuições com Números TADI 1 Quanto ganha quem tem curso superior? Entrevistamos 15 pessoas que responderam (em milhares de R$/mês): 11 2,5 5 5 5,5 3 3,5 3 0,4 3,2 5 3 3,2 7,4 6 Salário

Leia mais

Adilson Cunha Rusteiko

Adilson Cunha Rusteiko Janeiro, 2015 Estatística , A Estatística Estatística: É a parte da matemática aplicada que fornece métodos para coleta, organização, descrição, análise e interpretação

Leia mais

Revisão de distribuições de probabilidades contínuas (Capítulo 6 Levine)

Revisão de distribuições de probabilidades contínuas (Capítulo 6 Levine) Revisão de distribuições de probabilidades contínuas (Capítulo 6 Levine) Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Pearson Prentice-Hall, Inc. Chap 6-1 Objetivos: Neste capítulo, você aprenderá:

Leia mais

5 Distribuição normal de probabilidade. Estatística Aplicada Larson Farber

5 Distribuição normal de probabilidade. Estatística Aplicada Larson Farber 5 Distribuição normal de probabilidade Estatística Aplicada Larson Farber Seção 5.1 Introdução às distribuições normais Propriedades de uma distribuição normal Suas média, mediana e moda são iguais. Tem

Leia mais

Unidade I. Profa. Ana Carolina Bueno

Unidade I. Profa. Ana Carolina Bueno Unidade I ESTATÍSTICA Profa. Ana Carolina Bueno Estatística Interpretar processos em que há variabilidade. Estatísticas indica qualquer coleção de dados quantitativos, ou ainda, ramo da matemática que

Leia mais

Conceito de Estatística

Conceito de Estatística Conceito de Estatística Estatística Técnicas destinadas ao estudo quantitativo de fenômenos coletivos, observáveis. Unidade Estatística um fenômeno individual é uma unidade no conjunto que irá constituir

Leia mais

EXERCÍCIOS SEÇÃO 1 - ESTATÍSTICA 1

EXERCÍCIOS SEÇÃO 1 - ESTATÍSTICA 1 EXERCÍCIOS SEÇÃO 1 - ESTATÍSTICA 1 1. População ou universo é: a) Um conjunto de pessoas; b) Um conjunto de elementos quaisquer c) Um conjunto de pessoas com uma característica comum; d) Um conjunto de

Leia mais

Nilza Nunes da Silva/Regina Bernal 1

Nilza Nunes da Silva/Regina Bernal 1 CAPÍTULO 1 - MEDIDAS QUANTITATIVAS UMA VARIÁVEL 1.10 MEDIDAS DE POSIÇÃO ( MÉDIA, MEDIANA, MODA) Variáveis Discretas Variáveis contínuas (valores em classes) 1.11 MEDIDAS DE DISPERSÃO (Variância, Desvio

Leia mais

Professora conteudista: Maria Ester Domingues de Oliveira. Revisor: Francisco Roberto Crisóstomo

Professora conteudista: Maria Ester Domingues de Oliveira. Revisor: Francisco Roberto Crisóstomo Estatística Básica Professora conteudista: Maria Ester Domingues de Oliveira Revisor: Francisco Roberto Crisóstomo Sumário Estatística Básica Unidade I 1 CICLO SEMPRE CRESCENTE...2 2 ESTATÍSTICA: CIÊNCIA

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira

Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira Currículo da disciplina de Matemática - 7ºano Unidade 1 Números inteiros Propriedades da adição de números racionais Multiplicação de números

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL Múltiplos e divisores. Critérios de divisibilidade. - Escrever múltiplos

Leia mais

Estatística I Aula 8. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística I Aula 8. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística I Aula 8 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS CONTÍNUAS Lembram o que vimos sobre V.A. contínua na Aula 6? Definição: uma variável

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C Ensino Fundamental Matemática Questão Conteúdo 1 Interpretação gráfica. Razão. Porcentagem. Habilidade da Matriz da EJA/FB H52 H36 H14 2 Sistema de equações do 1º grau. H38 H44

Leia mais

CURSO DE ESTATÍSTICA STICA DESCRITIVA Adriano Mendonça Souza Departamento de Estatística - UFSM -

CURSO DE ESTATÍSTICA STICA DESCRITIVA Adriano Mendonça Souza Departamento de Estatística - UFSM - CURSO DE ESTATÍSTICA STICA DESCRITIVA Adriano Mendonça Souza Departamento de Estatística - UFSM - A imaginação é mais importante que o conhecimento Albert Einstein Estatística stica?!? Conjunto de técnicas

Leia mais

ESTATÍSTICA. na Contabilidade Parte 4. Medidas Estatísticas

ESTATÍSTICA. na Contabilidade Parte 4. Medidas Estatísticas ESTATÍSTICA na Contabilidade Parte 4 Luiz A. Bertolo Medidas Estatísticas A distribuição de frequências permite-nos descrever, de modo geral, os grupos de valores (classes) assumidos por uma variável.

Leia mais

Estatística Descritiva (I)

Estatística Descritiva (I) Estatística Descritiva (I) 1 O que é Estatística Origem relacionada com a coleta e construção de tabelas de dados para o governo. A situação evoluiu: a coleta de dados representa somente um dos aspectos

Leia mais

Depois passamos para a Tabela de Frequências, separar os valores da variável e depois numa outra coluna, colocar sua frequência absoluta, assim:

Depois passamos para a Tabela de Frequências, separar os valores da variável e depois numa outra coluna, colocar sua frequência absoluta, assim: Aula 2 5Tabelas de frequência Para atingir os objetivos de uma pesquisa, é preciso que os dados estejam organizados de forma a facilitar o entendimento do leitor A primeira etapa após o levantamento dos

Leia mais

Análise descritiva de Dados. A todo instante do nosso dia-a-dia nos deparamos com dados.

Análise descritiva de Dados. A todo instante do nosso dia-a-dia nos deparamos com dados. Análise descritiva de Dados A todo instante do nosso dia-a-dia nos deparamos com dados. Por exemplo, para decidir pela compra de um eletrodoméstico, um aparelho eletrônico ou até mesmo na compra de uma

Leia mais

CV de VT - Um assunto recorrente em provas da ESAF

CV de VT - Um assunto recorrente em provas da ESAF CV de VT - Um assunto recorrente em provas da ESAF Freqüentemente temos, principalmente em provas da ESAF, questões envolvendo o Coeficiente de Variação de Variáveis Transformadas. São dadas a Média e

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA FERRAMENTA TECNOLÓGICA PARA DETERMINAR AS MEDIDAS RESUMO DE DADOS DISTRIBUÍDOS POR CLASSE

CONSTRUÇÃO DE UMA FERRAMENTA TECNOLÓGICA PARA DETERMINAR AS MEDIDAS RESUMO DE DADOS DISTRIBUÍDOS POR CLASSE na Contemporaneidade: desafios e possibilidades CONSTRUÇÃO DE UMA FERRAMENTA TECNOLÓGICA PARA DETERMINAR AS MEDIDAS RESUMO DE DADOS DISTRIBUÍDOS POR CLASSE Armando Handaya IFSP-Gru ahand@ifsp.edu.br Resumo:

Leia mais

A Estatística é aplicada como auxílio nas tomadas de decisão diante de incertezas para justificar cientificamente as decisões

A Estatística é aplicada como auxílio nas tomadas de decisão diante de incertezas para justificar cientificamente as decisões A IMPORTÂNCIA DA ESTATÍSTICA A Estatística é aplicada como auxílio nas tomadas de decisão diante de incertezas para justificar cientificamente as decisões Governo Indústria Ciências Econômicas, sociais,

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Viali, Dr. viali@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~viali/ Análise Exploratória de Dados As técnicas de análise exploratória de dados consistem em gráficos simples de desenhar que podem ser

Leia mais

Avaliação. Diagnóstico. Gerente Apuração de dados. Sistema integrado. Tudo que você precisa está a sua disposição no ambiente virtual.

Avaliação. Diagnóstico. Gerente Apuração de dados. Sistema integrado. Tudo que você precisa está a sua disposição no ambiente virtual. NÍVEL DE ENSINO: Graduação Tecnológica CARGA HORÁRIA: 40h PROFESSOR-AUTOR: Ricardo Saraiva Diniz DE DADOS ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO APRESENTAÇÃO Desempenho Olá! Seja muito bem-vindo à disciplina Análise

Leia mais

ESTATÍSTICA PROFESSOR ARGEU CARDIM. Só Concursos e Afins - (71)

ESTATÍSTICA PROFESSOR ARGEU CARDIM. Só Concursos e Afins - (71) ESTATÍSTICA PROFESSOR ARGEU CARDIM 1 NOÇÕES DE ESTATÍSTICA A realização de uma pesquisa envolve muitas etapas, como a escolha de uma amostra, a coleta e organização dos dados (informações), o resumo desses

Leia mais

Prof. Dr. Engenharia Ambiental, UNESP

Prof. Dr. Engenharia Ambiental, UNESP INTRODUÇÃO A ESTATÍSTICA ESPACIAL Análise Exploratória dos Dados Estatística Descritiva Univariada Roberto Wagner Lourenço Roberto Wagner Lourenço Prof. Dr. Engenharia Ambiental, UNESP Estrutura da Apresentação

Leia mais

Planificação Anual. Matemática Dinâmica 7º ano Luísa Faria; Luís Guerreiro Porto Editora. 1 Números inteiros. 10 Sequências e Regularidades

Planificação Anual. Matemática Dinâmica 7º ano Luísa Faria; Luís Guerreiro Porto Editora. 1 Números inteiros. 10 Sequências e Regularidades 3º Período 2º Período 1º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE Escola EBI de Mões Grupo de Recrutamento 500 MATEMÁTICA Ano lectivo 2012/2013 Planificação Anual Disciplina: Matemática Ano: 7º Carga

Leia mais

INTRODUÇÃO A ESTATISTICA PROF. RANILDO LOPES

INTRODUÇÃO A ESTATISTICA PROF. RANILDO LOPES INTRODUÇÃO A ESTATISTICA PROF. RANILDO LOPES DESCRIÇÃO DOS DADOS CONTÍNUOS Trazem informações que expressam a tendência central e a dispersão dos dados. Tendência Central: Média ( x ), Mediana ( Md ),

Leia mais

CAD. 8 SETOR A AULAS 45-48

CAD. 8 SETOR A AULAS 45-48 CAD. 8 SETOR A AULAS 45-48 48 ESTATÍSTICA STICA Prof. Suzart ESTATÍSTICA Elabora métodos para coleta, organização, descrição, análise e intepretação de dados. Experimentos não-determinísticos. Determinação

Leia mais

(em dias) Agrupados Isolados 58 a a a TOTAL

(em dias) Agrupados Isolados 58 a a a TOTAL 01 Um estudo sobre o tempo de vida de duas amostras de Biomphalaria straminea (Amostra A: 45 indivíduos agrupados numa bacia e Amostra I: 49 indivíduos isolados em copos de vidro), produziu os resultados

Leia mais

1. Registou-se o número de assoalhadas de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial

1. Registou-se o número de assoalhadas de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial Escola Superior de Tecnologia de Viseu Fundamentos de Estatística 2006/2007 Ficha nº 1 1. Registou-se o número de assoalhadas de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial 0; 0; 0; 1; 2; 0; 0; 1;

Leia mais

Técnicas Computacionais em Probabilidade e Estatística I. Aula I

Técnicas Computacionais em Probabilidade e Estatística I. Aula I Técnicas Computacionais em Probabilidade e Estatística I Aula I Chang Chiann MAE 5704- IME/USP 1º Sem/2008 1 Análise de Um conjunto de dados objetivo: tratamento de um conjunto de dados. uma amostra de

Leia mais

Aula 4 Medidas de dispersão

Aula 4 Medidas de dispersão AULA 4 Aula 4 Medidas de dispersão Nesta aula, você estudará as medidas de dispersão de uma distribuição de dados e aprenderá os seguintes conceitos: amplitude desvios em torno da média desvio médio absoluto

Leia mais

SÉRIE: Estatística Básica - Enfoque: Humanas Texto : ESTATÍSTICA DESCRITIVA UNIVARIADA SUMÁRIO GENERALIDADES...4

SÉRIE: Estatística Básica - Enfoque: Humanas Texto : ESTATÍSTICA DESCRITIVA UNIVARIADA SUMÁRIO GENERALIDADES...4 SUMÁRIO 1. 1. GENERALIDADES...4 1.1. INTRODUÇÃO...4 1.2. DIVISÃO DA ESTATÍSTICA...4 1.3. MENSURAÇÃO...6 1.3.1. Introdução...6 1.3.2. Formas de mensuração...6 2. RESUMO DE PEQUENOS CONJUNTOS DE DADOS...10

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Matemática Disciplina: Estatística Carga Horária: 60 eórica: 44 Prática: 16 Semestre: 2013/02 Professor: Alzinete Diniz da Silva Obrigatória: ( x ) Eletiva: ( ) EMENA Estatística

Leia mais

AULA 02 Distribuição de Probabilidade Normal

AULA 02 Distribuição de Probabilidade Normal 1 AULA 02 Distribuição de Probabilidade Normal Ernesto F. L. Amaral 20 de agosto de 2012 Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FAFICH) Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Fonte: Triola, Mario

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 4 09/2014 Estatística Descritiva Medidas de Variação Probabilidade e Estatística 3/42 Medidas de Variação Vamos

Leia mais

VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE

VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE.1 INTRODUÇÃO Admita que, de um lote de 10 peças, 3 das quais são defeituosas, peças são etraídas ao acaso, juntas (ou uma a uma, sem reposição). Estamos

Leia mais

1. Faça uma função que recebe por parâmetro o raio de uma esfera e calcula o seu volume.

1. Faça uma função que recebe por parâmetro o raio de uma esfera e calcula o seu volume. Instituto Federal do Pará Professor: Ricardo José Cabeça de Souza Disciplina: - Algoritmos e Construção de Programas LISTA DE EXERCÍCIOS 1. Faça uma função que recebe por parâmetro o raio de uma esfera

Leia mais

Medidas Resumo. Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão. A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão.

Medidas Resumo. Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão. A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão. Medidas Resumo Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão. Prof. MSc. Herivelto Marcondes Março/2009 1 Medidas Resumo

Leia mais

Composição de Funções

Composição de Funções Composição de Funções Existem muitas situações em que uma função depende de uma variável que, por sua vez, depende de outra, e assim por diante. Podemos dizer, por exemplo, que a concentração de monóxido

Leia mais

Aula 1: Reconhecendo Matrizes

Aula 1: Reconhecendo Matrizes Aula 1: Reconhecendo Matrizes Caro aluno, nesta aula você aprenderá a reconhecer matrizes, posteriormente vamos identificar os tipos de matrizes existentes e como realizar algumas operações entre elas.

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO - (Parte II)

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO - (Parte II) ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO - (Parte II)! Como calcular o retorno usando dados históricos?! Como calcular a variância e o desvio padrão?! A análise do retorno através da projeção de retornos

Leia mais

Cálculo das Probabilidades e Estatística I

Cálculo das Probabilidades e Estatística I Cálculo das Probabilidades e Estatística I Prof a. Juliana Freitas Pires Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba - UFPB juliana@de.ufpb.br Introdução O que é Estatística? Coleção de

Leia mais

Aula 00 Aula Demonstrativa

Aula 00 Aula Demonstrativa Aula 00 Modelos de questões comentadas CESPE-UnB... 3 Relação das questões comentadas... 12 Gabaritos... 13 1 Olá, pessoal. Como vocês já sabem, saiu o edital para o concurso do TCE-SC. Esta é a aula demonstrativa

Leia mais

Gráfico de Probabilidades

Gráfico de Probabilidades Gráfico de Probabilidades Objetivo: Verificar se um conjunto de dados pode ter sido gerado a partir de uma específica distribuição de probabilidades contínua. Exemplo: Os dados abaixo se referem aos retornos

Leia mais

Aula 2 Planejamento e Análise de Experimentos

Aula 2 Planejamento e Análise de Experimentos Aula 2 Planejamento e Análise de Experimentos Professores Miguel Antonio Sovierzoski, Dr. miguelaso@utfpr.edu.br; Vicente Machado Neto, Dr. vmachado@utfpr.edu.br; Revisão da aula anterior Fatores níveis

Leia mais

TADI Tratamento e Análise de Dados/Informações Prof. Camilo Rodrigues Neto

TADI Tratamento e Análise de Dados/Informações Prof. Camilo Rodrigues Neto TADI Tratamento e Análise de Dados/Informações Prof. Camilo Rodrigues Neto Aula - Estatística Descritiva Hieronymus Bosch (45-56) Medidas Resumo Medidas de tendência central: Média, Mediana e Moda Estatística

Leia mais

Métodos Experimentais em Ciências Mecânicas

Métodos Experimentais em Ciências Mecânicas Métodos Experimentais em Ciências Mecânicas Professor Jorge Luiz A. Ferreira Pertencem ao grupo de ferramentas estatísticas que permitem caracterizar um conjunto de dados sob ponto de vista da tendência

Leia mais

Se o número máximo de laranjas estragadas é 4, então temos, no mínimo, 140 laranjas não estragadas.

Se o número máximo de laranjas estragadas é 4, então temos, no mínimo, 140 laranjas não estragadas. 26. (IBGE 2016/FGV) Em uma caixa há doze dúzias de laranjas, sobre as quais sabe-se que: I - há pelo menos duas laranjas estragadas; II - dadas seis quaisquer dessas laranjas, há pelo menos duas não estragadas.

Leia mais

Métodos Estatísticos Básicos

Métodos Estatísticos Básicos Aula 4 - Medidas de dispersão Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Abril de 2014 Amplitude total Amplitude total: AT = X max X min. É a única medida de dispersão que não tem

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS 2ª PARTE

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS 2ª PARTE ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS 2ª PARTE 1 Medidas de síntese TERCEIRA maneira de resumir um conjunto de dados referente a uma variável quantitativa. Separatrizes Locação x % x % x % x % Dispersão Forma

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa e interpreta informações numéricas para

Leia mais

Aula 3 Medidas de posição

Aula 3 Medidas de posição Aula 3 Medidas de posição Nesta aula, você estudará as medidas de posição de uma distribuição de dados e aprenderá os seguintes conceitos: média mediana moda Medidas de posição ou tendência central A redução

Leia mais

Distribuição t de Student

Distribuição t de Student Distribuição t de Student Introdução Quando o desvio padrão da população não é conhecido (o que é o caso, geralmente), usase o desvio padrão da amostra como estimativa, substituindo-se σ x por S x nas

Leia mais

Padronização. Momentos. Coeficiente de Assimetria

Padronização. Momentos. Coeficiente de Assimetria Padronização Seja X 1,..., X n uma amostra de uma variável com com média e desvio-padrão S. Então a variável Z, definida como, tem as seguintes propriedades: a) b) ( ) c) é uma variável adimensional. Dizemos

Leia mais

SÉRIES ESTATÍSTICAS Í N D I C E

SÉRIES ESTATÍSTICAS Í N D I C E SÉRIES ESTATÍSTICAS Í N D I C E Séries Estatísticas 1- Tabela... 2- Elementos de uma Distribuição de Freqüência... 3- Gráficos Estatísticos... 4- Classificação dos Gráficos... 5- Histograma... 6- Tipos

Leia mais

ESTATÍSTICA DESCRITIVA

ESTATÍSTICA DESCRITIVA ESTATÍSTICA DESCRITIVA O principal objectivo da ESTATÍSTICA DESCRITIVA é a redução de dados. A importância de que se revestem os métodos que visam exprimir a informação relevante contida numa grande massa

Leia mais

Resumo de Dados. Tipos de Variáveis

Resumo de Dados. Tipos de Variáveis Resumo de Dados Tipos de Variáveis Exemplo 2.1 Um pesquisador está interessado em fazer um levantamento sobre alguns aspectos socioeconômicos dos empregados da seção de orçamentos da Companhia MB. Usando

Leia mais

Bioestatística. Aula 2. Prof. Alessandra Bussador

Bioestatística. Aula 2. Prof. Alessandra Bussador Bioestatística Aula 2 Prof. Alessandra Bussador 2 VARIÁVEIS CATEGÓRICA (qualitativa) NUMÉRICA (quantitativa) Nominal Ordinal Discreta Continua Exercício Classificar cada uma das seguintes variáveis (qualitativa

Leia mais

HEP Bioestatística

HEP Bioestatística HEP 57800 Bioestatística DATA Aula CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 05/03 Terça Níveis de mensuração, variáveis, organização de dados, apresentação tabular 07/03 Quinta Apresentação tabular e gráfica /03 Terça 3

Leia mais

Matrizes e Determinantes

Matrizes e Determinantes Aula 10 Matrizes e Determinantes Matrizes e Determinantes se originaram no final do século XVIII, na Alemanha e no Japão, com o intuito de ajudar na solução de sistemas lineares baseados em tabelas formadas

Leia mais

Autor: Colaboradores:

Autor: Colaboradores: Estatística Autor: Prof. Alan Rodrigo Navia Colaboradores: Profa. Silmara Maria Machado Prof. Nonato Assis de Miranda Profa. Ana Carolina Bueno Borges Professor conteudista: Alan Rodrigo Navia Alan Rodrigo

Leia mais