A SOFISTICAÇÃO DA GESTÃO E O CRM EM AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO OPERANDO NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SOFISTICAÇÃO DA GESTÃO E O CRM EM AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO OPERANDO NO BRASIL"

Transcrição

1 FABIANO DURÃO LANINI A SOFISTICAÇÃO DA GESTÃO E O CRM EM AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO OPERANDO NO BRASIL COPPEAD/UFRJ 2005

2 ii A SOFISTICAÇÃO DA GESTÃO E O CRM EM AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO OPERANDO NO BRASIL FABIANO DURÃO LANINI Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto COPPEAD de Administração Orientador: Prof. Dr. Antônio Roberto Ramos Nogueira RIO DE JANEIRO 2005

3 iii A SOFISTICAÇÃO DA GESTÃO E O CRM EM AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO OPERANDO NO BRASIL FABIANO DURÃO LANINI Dissertação submetida ao Corpo Docente do Instituto COPPEAD de Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro COPPEAD/UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre. Aprovada por: - Orientador e Presidente da Banca Prof. Dr. Antônio Roberto Ramos Nogueira COPPEAD/UFRJ Prof. Dr. Donaldo de Souza Dias COPPEAD/UFRJ Prof. Dr. José Afonso Mazzon - USP FEA/USP Rio de Janeiro 2005

4 iv Lanini, Fabiano Durão. A Sofisticação da Gestão e o CRM em Agências de Viagens e Turismo Operando no Brasil / Fabiano Durão Lanini. Rio de Janeiro, f. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Instituto de Pós-Graduação em Administração COPPEAD, Orientador: Antônio Roberto Ramos Nogueira 1. Tecnologia da informação. 2. CRM. 3. Administração - Teses. I. Nogueira, Antônio Roberto Ramos (Orient.). II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de Pós- Graduação em Administração. III. Título.

5 v RESUMO LANINI, Fabiano Durão. A Sofisticação da Gestão e o CRM em Agências de Viagens e Turismo Operando no Brasil. Orientador: Antônio Roberto Ramos Nogueira. Rio de Janeiro: COPPEAD/UFRJ; Dissertação (Mestrado em Administração). Os últimos anos têm sido turbulentos para a indústria de viagens. Uma recessão econômica diminuiu drasticamente as viagens em muitos mercados; novas formas de turismo alternativo ganham força, gerando uma redução do turismo de massa e, principalmente, a difusão das novas tecnologias de informação e comunicações tem feito com que novos entrantes ganhem mercado com novos modelos de negócio. As companhias aéreas reduziram drasticamente as comissões pagas às agências de viagem, devido ao crescente uso da Internet pelos clientes para obter informações de viagens e para fazer reservas de vôos. Para ter sucesso neste novo ambiente de negócios, as agências de viagem precisam prover uma quantidade significativa de informações de alta qualidade. Caso as agências forneçam menos do que informações perfeitas, será mais eficiente para clientes e operadoras sobrepassá-las. Sendo assim, uma gestão efetiva do relacionamento com o cliente se torna mais importante do que nunca, sendo considerada pelos principais executivos do setor como o ponto de inflexão entre as agências que terão sucesso neste novo ambiente e aquelas que serão expelidas dele. Neste contexto, esta dissertação buscou mensurar a sofisticação da Gestão do Relacionamento com o Cliente nas Agências de Viagem que operam no Brasil, identificando as principais dimensões organizacionais que podem estar correlacionadas a projetos de CRM, e segmentar os participantes da pesquisa de acordo com seu nível de Planejamento e Controle, Direcionamento para o Futuro, Administração de Recursos Humanos, Administração de Dados, Planejamento do Relacionamento com o Cliente, Abrangência da Aplicação de CRM e Resultados obtidos com o CRM. Foram identificados, pelas análises estatísticas, três grupos de empresas, denominadas de inovadoras pragmáticas, inovadoras empreendedoras e conservadoras. De forma geral, a Gestão do Relacionamento com o Cliente nas empresas estudadas ainda é limitada, com foco predominante em questões operacionais como a melhoria do atendimento e satisfação dos clientes. Ainda existe muito espaço para melhoria de resultados da gestão do relacionamento com os clientes, principalmente através da utilização das capacidades analíticas - que podem gerar, por exemplo, aumento de produtos vendidos por cliente, aumento do retorno das campanhas de marketing e aumento da base de clientes - e das capacidades colaborativas, que permitem, por exemplo, o aumento da capacidade de inovação. As empresas pesquisadas estão obtendo resultados financeiros modestos com a gestão do relacionamento com o cliente, como: redução de custos, aumento de vendas, aumento de rentabilidade, e melhoria do desempenho financeiro.

6 vi ABSTRACT LANINI, Fabiano Durão. A Sofisticação da Gestão e o CRM em Agências de Viagens e Turismo Operando no Brasil. Orientador: Antônio Roberto Ramos Nogueira. Rio de Janeiro: COPPEAD/UFRJ; Dissertação (Mestrado em Administração). Last years in the travel industry have been turbulent. An economic downturn has drastically diminished travels in many markets; new alternative tourism ways are gaining momentum, impacting the mass tourism market and the difusion of new information and communication technologies has allowed new entrants to gain market share with new business models. Airline companies have also drastically diminished the amount of comissions paid to travel agencies, due to the increasing use of the Internet by clients to get travel information and to buy tickets. To succeed in this new business environment, travel agencies must provide a relevant amount of high quality information. Unless they provide perfect information, it will be better for clients and operators to surpass them. So, an effective customer relationship management is more important than ever, and is rated by travel executives as the inflection point between successful and insolvent travel agencies. In this context, the present dissertation s goal was to measure the level of sophistication of customer relationship management at Brazilian tourism and travel agencies, identifying the main organizational dimensions that can be correlated to CRM initiatives, and segmenting the research s respondents in accordance with their level of Planning and Control Process, their Human Resources Orientation, their Future Orientation, their Data Administration, and their Planning, Scope and Results achieved with CRM initiatives. Statisctical analysis provided three different groups of firms, named pragmatic innovators, entrepreneur innovators and conservative. Generaly, the customer relationship management is still limited in the studied firms, with predominant focus on operational issues like customer care and satisfaction improvement, and there is much room to improve the results of customer relationship management in these companies by using analytical capabilities which can improve the number of goods sold per client, improve the return of marketing campaigns, and improve the customer base and by using colaboration capabilities, which can improve the innovation capability. As a result, the studied companies are getting modest financial results with customer relationship management, like cost reduction, sales improvement, profitability impovement and financial performance improvement.

7 vii AGRADECIMENTOS Ao meu orientador, Prof. Dr. Antônio Roberto Ramos Nogueira, por todo o conhecimento que comigo compartilhou e por todo o incentivo, apoio, paciência e críticas a este trabalho; Aos meus pais Edson e Regina pelo amor e apoio incondicional de toda uma vida; à minha irmã Fernanda e ao meu cunhado Rodrigo, pelo companheirismo, amor, amizade e incentivos constantes, sem os quais este trabalho não teria sido possível; Aos grandes amigos Fábio Meletti, Everton Silva e André Rodrigues, por todo o apoio técnico, conceitual e psicológico durante os anos de mestrado e, principalmente, nos meses de desenvolvimento deste trabalho; À Srta. Cláudia Durand, da ABAV-RJ, especialmente pela atenção e apoio dispensados à pesquisa; Aos professores José Afonso Mazzon e Donaldo de Souza Dias, pelas preciosas críticas e sugestões que enriqueceram esta pesquisa; A todos os professores que incutiram em mim o benefício da dúvida e a convicção da vitória; A todos os queridos funcionários do Coppead/UFRJ que fizeram deste tempo um álbum de lembranças inesquecíveis, seja pela recepção calorosa, pela busca infindável de livros, pela fotocópia às pressas, pelo lanche após o horário ou aquele indispensável sorriso diário. Aos novos e grandes amigos companheiros da Turma 2003 do Mestrado do Coppead/UFRJ, e todos que direta ou indiretamente me ajudaram neste trabalho. Enfim, agradeço, admirado, a dádiva da Vida, que nos surpreende e emociona a cada dia!

8 viii SUMÁRIO I PROBLEMA...9 I.1 INTRODUÇÃO...9 I.2 OBJETIVOS...11 I.3 DELIMITAÇÃO DO ESTUDO...11 I.4 RELEVÂNCIA DO ESTUDO...11 II - REFERENCIAL TEÓRICO II.1 PLANEJAMENTO E CONTROLE...14 II.2 - A ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS...27 II.3 - O DIRECIONAMENTO PARA O FUTURO...34 II.4 A ADMINISTRAÇÃO DE DADOS...47 II.5 A GESTÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE (CRM)...50 II O Segmento das Agências de viagem e o CRM II.6 - AS AGÊNCIAS DE VIAGEM NO BRASIL...78 III METODOLOGIA III.1 AS PERGUNTAS DA PESQUISA...83 III.2 AS HIPÓTESES DA PESQUISA...84 III.3 MACROCONSTRUTOS...86 III.4 TIPO DE PESQUISA...87 III.5 UNIVERSO E AMOSTRA...87 III.6 SELEÇÃO DOS SUJEITOS...88 III.7 COLETA DE DADOS...88 III.8 TRATAMENTO DOS DADOS...90 IV RESULTADOS E DISCUS SÃO IV.1 - DADOS DEMOGRÁFICOS DOS RESPONDENTES...93 IV.2 ANÁLISE DOS MACROCONSTRUTOS IV.3 TESTES DAS HIPÓTESES V CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES V.1 IMPLICAÇÕES ACADÊMICAS V.2 IMPLICAÇÕES GERENCIAIS E RECOMENDAÇÕES V.3 LIMITAÇÕES DO MÉTODO V.4 SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS VI REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS VII ANEXOS VII.1 MENSAGEM DE CONVITE À PARTICIPAÇÃO NA PESQUISA VII.2 QUESTIONÁRIO UTILIZADO NA PESQUISA...154

9 I PROBLEMA I.1 INTRODUÇÃO As relações comerciais têm sofrido profundas transformações com o passar das décadas. Durante a segunda metade do século XIX, as empresas podiam vender quase tudo que produzissem, o que caracterizou toda uma era de negócios focados em produção. No início do século XX, a competição estava aumentando e as empresas visualizariam que era necessário convencer os consumidores a comprar seus produtos, caracterizando um marketing orientado a vendas. Em meados da década de 50, as empresas começaram a perceber que precisavam produzir o que as pessoas queriam ao invés de convencê-las a comprar o que elas tinham a vender, caracterizando a era da orientação para marketing, a qual foca no atendimento das necessidades de segmentos de mercado. O novo milênio marca o início de uma nova era, de orientação centrada no cliente, na qual a empresa é capaz de tratar cada consumidor de forma individual e única, de acordo com suas preferências (Bose, 2002). O setor de agências de viagens e turismo, não obstante, tem sido alvo de constantes transformações. Com a desregulamentação do transporte aéreo e do aumento do poder de compra da população, houve um aumento significativo de pessoas viajando de avião, com uma parcela desse público adquirindo pacotes de viagens de negócio ou de lazer. Por outro lado, a diminuição do comissionamento feito pelas companhias aéreas pela emissão de bilhetes, e o fato das agências se encontrarem, em posição frágil, no meio do turbilhão provocado pela emergência das novas tecnologias de informação e comunicação, como a Internet, tem feito com que as empresas do setor repensem suas estratégias operacionais e comerciais (GAZETA MERCANTIL, 2002). A difusão das novas tecnologias de informação e comunicações tem feito com que novos entrantes ganhem força com novos modelos de negócio. Os clientes têm feito um uso cada vez maior da Internet para obter informações de viagens e para fazer reservas de vôos. Para ter sucesso neste novo ambiente de negócios, as agências de viagem precisam prover uma quantidade significativa de informações de alta qualidade. Caso as agências forneçam menos do que informações perfeitas, será mais eficiente para clientes e operadoras sobrepassá-las e lidar diretamente com os clientes finais (Lewis et. al., 1998).

10 10 Nesse contexto, no qual a gestão do relacionamento com o cliente tornou-se um elemento fundamental, senão o principal, da estratégia de sobrevivência e crescimento das agências de viagem e turismo, a presente pesquisa procura descrever como as empresas do setor operando no Brasil estão gerenciando seu relacionamento com os clientes, avaliando questões referentes ao planejamento para a Gestão do Relacionamento com o Cliente, à Abrangência do Relacionamento com o Cliente e aos Resultados obtidos com a Gestão do Relacionamento com o Cliente, bem como analisar os fatores organizacionais que influenciam esta postura, passando pelo processo de planejamento e de controle destas empresas, o direcionamento de seus recursos humanos, o grau de importância que a atenção ao futuro recebe da empresa e como elas gerenciam os dados corporativos. O texto está estruturado da seguinte forma: Capítulo II apresenta a Revisão da Literatura sobre os temas da pesquisa; Capítulo III relaciona didaticamente a metodologia empregada; Capítulo IV apresenta os resultados do trabalho; Capítulo V apresenta a conclusão; Capítulo VI exibe as referências bibliográficas. No anexo 1 encontram-se a carta-convite enviada aos respondentes e o questionário utilizado na pesquisa.

11 11 I.2 OBJETIVOS O objetivo desta pesquisa consiste em descrever a sofisticação da Gestão do Relacionamento com o Cliente nas empresas do setor de Agências de Viagens e Turismo no Brasil, fornecendo informações ainda não disponíveis aos profissionais da área e oferecendo subsídios para estudos posteriores sobre o tema. Para isso, busca analisar as principais dimensões organizacionais que podem estar correlacionadas com a Gestão do Relacionamento com o Cliente, e posteriormente classificar os participantes da pesquisa de acordo com o seu Processo de Planejamento e Controle, Direcionamento de Recursos Humanos, Direcionamento para o Futuro, Administração de Dados, Planejamento da Gestão do Relacionamento com o Cliente, Abrangência da Gestão do Relacionamento com o Cliente, e Resultados Obtidos com a Gestão do Relacionamento com o Cliente, além de verificar como estes Macroconstrutos estão relacionados entre si. I.3 DELIMITAÇÃO DO ESTUDO A presente pesquisa não pretende desenvolver um modelo de implantação para projetos do gênero, tampouco sugerir um novo modelo analítico e explicativo dos assuntos abordados, e sim descrever a percepção dos executivos das empresas do setor acerca dos fatores organizacionais que estão associados ao planejamento, à abrangência e aos resultados obtidos com a Gestão do Relacionamento com o Cliente, a partir de questões consolidadas na literatura sobre os temas abordados, que foram operacionalizadas por um instrumento de pesquisa desenvolvido pela linha de pesquisa iniciada por Nogueira (1999). O objeto de estudo desta pesquisa é o setor de agenciamento de viagens e turismo, que ainda não havia sido estudado pela linha de pesquisa. I.4 RELEVÂNCIA DO ESTUDO Do ponto de vista econômico, esta pesquisa aborda um dos mais importantes e expressivos setores da economia mundial. De acordo com o relatório anual de Progresso e Prioridades 2004/05 do Conselho Mundial de Viagens & Turismo (WTTC), espera-se que em 2004 a indústria tenha contribuído diretamente com cerca de 3,8 % para o PIB (produto interno bruto) mundial (US$ 1,5 trilhões). Se levarmos em consideração também os impactos

12 12 indiretos na economia, este valor subiria para 10,4% (US$ 4,2 trilhões). A tendência é que se criem 9,9 milhões de novos empregos, sendo que 3,3 milhões de empregos diretos, elevando o número de postos de trabalho do setor para um total de 214,7 milhões (WORLD TRAVEL & TOURISM COUNCIL, 2004). No Brasil, a expectativa é de que em 2004, a atividade de viagens e turismo no Brasil tenha tido uma demanda total de R$ 133 bilhões (US$ 44,4 bilhões), representando cerca de 3,0 % do produto interno bruto brasileiro e sendo responsável por empregos, ou aproximadamente 2,8% de toda a força de trabalho do país. Porém, considerando os impactos indiretos nos outros setores da economia, sua influência real seria ainda maior, contribuindo para cerca de empregos, ou quase 6,7% do total da força de trabalho do país, e com R$ 114,7 bilhões para o produto interno bruto brasileiro, cerca de 7% do total (WORLD TRAVEL & TOURISM COUNCIL, 2004). Entre os anos de 1998 e 2001, a utilização do meio de transporte aéreo em viagens subiu de 6,8% para 9,0% em número de viajantes. No setor hoteleiro, observa-se também um crescimento da participação de hotéis - de 11,5% em 1998 para 15% em e de pousadas - de 2,9% em 1998 para 5% em como meio de hospedagem em detrimento do aluguel de casas e do uso de casas de amigos. O número de viajantes que utilizam serviços de agências de viagens também obteve um aumento significativo, de 5,4% em 1998 para 7,7% em 2001 (EMBRATUR, 2003). No plano empresarial, a presente pesquisa aborda a gestão do relacionamento com o cliente (CRM), uma questão considerada fundamental para o sucesso futuro por mais de 80% dos executivos das agências de viagem e turismo, de acordo com pesquisa da consultoria KPMG com empresas dos EUA, Europa e Inglaterra (FRASER, 2002), muito em função do ambiente de pressão e constantes mudanças em que o setor encontra-se atualmente, fazendo com que as empresas revisem seus modelos de negócio e focalizem o relacionamento com os clientes como o seu principal ativo capaz de mantê-los competindo com os novos entrantes. Assim sendo, a pesquisa poderá colaborar para um aumento do grau de importância, por parte das agências de viagem e turismo operando no Brasil, de uma gestão efetiva do relacionamento com os clientes, e contribuir para melhorar seu desempenho financeiro. As empresas do setor podem identificar, com o auxílio dos resultados da pesquisa, os pontos que precisam aprimorar na gestão do relacionamento com o cliente e desenvolver planos de implementação de programas abrangentes de mudança organizacional com vistas a posicionar o cliente como o foco estratégico da empresa.

13 13 No âmbito acadêmico, a presente pesquisa vem confirmar a adequação do instrumento de pesquisa desenvolvido por Nogueira (1999), aplicado em diversos outros setores e aprimorado por esta pesquisa, para identificar a sofisticação da gestão das empresas pesquisadas, envolvendo principalmente elementos do processo de planejamento e controle, direcionamento dos recursos humanos e direcionamento para o futuro. Além disso, trata-se de uma pesquisa quantitativa inédita no setor de Agências de Viagem no Brasil, o que pode servir como subsídio para o desenvolvimento de diversas outras pesquisas para entender com maior quantidade de detalhes o fenômeno da gestão do relacionamento com clientes nas empresas brasileiras.

14 14 II - REFERENCIAL TEÓRICO Este estudo relaciona-se às áreas de conhecimento de Estratégia Empresarial, Marketing e Tecnologia de Informação, com ênfase nos aspectos de planejamento e controle gerencial. O conceito de Gestão do Relacionamento com o Cliente (CRM) é um ponto crítico neste contexto, por ser uma das áreas em que a interação entre o Marketing e a Tecnologia da Informação é mais profunda. Com o intuito de embasar solidamente os fundamentos teóricos envolvidos neste trabalho e situá-lo na fronteira destas áreas de conhecimento, aproveitando ao máximo as contribuições de outros autores e pesquisadores, foi realizada uma revisão da literatura referente aos itens de Estratégia, Planejamento e Controle, Administração dos Recursos Humanos, Direcionamento para o Futuro, Administração de Dados e Gestão do Relacionamento com o Cliente (CRM). II.1 PLANEJAMENTO E CONTROLE Christensen et al.(1973) fazem algumas perguntas que podem ajudar uma empresa a identificar a adequação e o alinhamento de uma estratégia. São elas: A estratégia está identificada e foi comunicada de forma clara, tanto em palavras quanto em ações práticas? A estratégia explora ao máximo as oportunidades do ambiente? A estratégia é consistente com as competências e recursos atuais e futuros? As provisões da estratégia e o programa de políticas que a definem são consistentes? O grau de risco da estratégia é viável em termos econômicos e pessoais? A estratégia está alinhada aos valores pessoais e aspirações dos principais gerentes? A estratégia é apropriada ao nível desejado de contribuição social definido pela organização? A estratégia provê um estímulo claro para o comprometimento e esforço organizacional?

15 15 Existem indicadores que avaliem a resposta dos mercados e segmentos de mercados à estratégia definida? Porter (1979) focaliza a formulação estratégica no ambiente de concorrência, e apresenta um modelo para a análise competitiva de um setor de atividade. Neste modelo, o potencial de atratividade de um setor de atividade é a resultante de cinco forças: Intensidade da rivalidade entre os concorrentes do setor, que pode levar a guerras de preço e corroer as margens da indústria; Ameaça de novos entrantes, que aumentam a capacidade da indústria e a competição por market share caso as barreiras de entrada sejam fracas; Ameaça de produtos e/ou serviços substitutos com boa relação custo/benefício, que exercem uma pressão sobre as margens da indústria; Poder de negociação dos fornecedores, que aumenta quando: existem poucos fornecedores, não existem concorrentes ou substitutos, existem altos custos de mudança, há possibilidade de integração para frente pelo fornecedor ou a empresa não é um cliente importante para o fornecedor; Poder de barganha dos clientes, que aumenta quando: estão concentrados, associados ou compram em grandes volumes, não há diferenciação entre os produtos ou há a possibilidade do cliente integrar para trás, adquirindo os suprimentos e produzindo por si só. O estrategista deve avaliar estas forças e suas causas, identificar os pontos fortes e fracos de sua empresa e dos concorrentes, e então criar um plano de ação que contenha: O posicionamento da empresa que melhor a defenda das forças competitivas; Movimentos estratégicos que influenciem o equilíbrio das forças; e Ações que aproveitem, antes dos competidores, as mudanças previstas nos fatores subjacentes às forças. Porter (1980) categoriza três estratégias genéricas que possibilitam enfrentar as cinco forças competitivas e superar as demais empresas de um mesmo setor de atividade: Liderança em custo - tem como objetivo atingir a liderança no custo total em uma indústria, por meio de um conjunto de políticas funcionais como ganhos de escala, programas de reduções e controle de custos.

16 16 Diferenciação tem como objetivo posicionar os produtos ou serviços da empresa de forma diferenciada no mercado, de forma que os consumidores percebam-nos como únicos no âmbito de toda indústria. Foco tem como objetivo focar a oferta de produtos e serviços da empresa a um determinado grupo comprador, um segmento da linha de produtos ou um mercado geográfico específico, partindo da premissa de que pode atender seu alvo estratégico estreito mais efetivamente do que os concorrentes que competem com escopo mais amplo. Uma empresa não deve parar no meio termo entre as estratégias genéricas, pelo risco de não suportar a pressão de concorrentes que focalizam sua atenção e seus recursos com o objetivo de serem os melhores em uma determinada estratégia. Ackoff(1983) alertou para o dilema comum na década de 60 envolvendo a previsão (forecasting ou especulação) versus a preparação, propondo que a adoção de uma estrutura organizacional flexível a mudanças e a aplicação de métodos de controle é uma alternativa melhor. Os fatores incontroláveis seriam manipulados de forma melhor com receptividade, e a eficácia das respostas dependeria da habilidade da organização de aprender e adaptar rapidamente. A falácia de que a estratégia deve estar separada das operações, a formulação da implementação, os pensadores dos realizadores, os estrategistas do objeto da estratégia, é debatida por Reid(1989), o qual propõe que a inseparabilidade destes fatores é um fator crítico para que o planejamento estratégico mostre seus benefícios na prática. A condição para o crescimento seria que as organizações tivessem um planejamento estratégico que se preocupe com a implementação numa visão contínua. O autor também enfatiza a importância de definir os objetivos estratégicos de acordo com as aspirações de todos os envolvidos nestes processos, desde sócios, administradores, empregados, clientes, credores, governo, fornecedores e comunidade em geral, estimulando sempre o pensamento fora da caixa, de forma a enfatizar a importância deste tipo de pensamento e a recompensá-lo, removendo também as penalizações. Outro desafio levantado é o de tornar o processo de planejamento estratégico contínuo e integrado ao estilo de vida da organização dentro de um ambiente de aprendizado. Para isso, sugere estabelecer uma filosofia operacional, posicionar o negócio, comprometer com os objetivos estratégicos e revisar e controlar o planejamento.

17 17 Apesar dos muitos significados e definições para os termos comumente usados em planejamento estratégico, parece existir uma tendência de convergência entre alguns principais conceitos (Quinn apud Mintzberg & Quinn, 1991): Missão visão de longo prazo, ou seja, como a organização se vê no futuro. Metas/objetivos o quê deve ser atingido e quando. Planos roteiros detalhados das ações a serem realizadas para que a organização consiga atingir suas metas ou objetivos principais. Políticas regras que definem os limites dentro dos quais as ações devem ocorrer. Estratégias formulações que agregam objetivos, políticas e ações de uma organização em direção a sua missão. Mais especificamente, estratégia seria um padrão ou plano que integra, de forma coesa, os principais objetivos, políticas e ações de uma organização. Uma estratégia bem formulada auxilia a alinhar e alocar recursos de uma empresa de maneira ótima, baseada nas suas competências centrais e deficiências, nos sinais de mudança observados no ambiente e na ação dos concorrentes. Segundo os autores, para que uma estratégia seja efetiva deve conter as seguintes características: Apresentar objetivos claros e decisivos; Promover a iniciativa, preservando a liberdade de ação e reforçando o comprometimento; Concentrar o poder de decisão no momento e local necessários; Ter flexibilidade e margem de manobra, por meio de reservas de recursos; Ser capaz de comprometer a liderança, mais do que simplesmente obter aceitação; Ser dinâmica e ágil o suficiente para surpreender os competidores; Oferecer bases seguras para o negócio, prevenindo aspectos negativos ou reforçando características positivas. O conceito de estratégia corporativa, segundo Andrews apud Mintzberg & Quinn (1991), se constitui de um padrão de decisões que determina os objetivos, propósitos ou metas de uma empresa, produz suas principais políticas e planos para alcançar as metas definidas, e

18 18 define o segmento de negócio no qual a empresa irá atuar, o tipo de organização econômica e humana que ela é ou pretende ser e a natureza da contribuição econômica e não-econômica que pretende oferecer aos acionistas, empregados, clientes e comunidade. A estratégia corporativa é definida como um processo organizacional que envolve dois importantes aspectos: a decisão do que fazer e a implementação. A formulação da estratégia envolve basicamente as seguintes etapas: Identificação de oportunidades e riscos; Determinação dos recursos materiais, técnicos, financeiros e gerenciais; Identificação dos valores pessoais e aspirações da gerência sênior; Reconhecimento das responsabilidades para com a sociedade. A implementação da estratégia, por sua vez, envolve os seguintes elementos: Estrutura organizacional e seus relacionamentos, detalhados na divisão do trabalho, na coordenação da responsabilidade dividida e nos sistemas de Informação; Processos e comportamento organizacionais, traduzidos em padrões e medidas, sistemas de incentivo e motivação, sistemas de controle, e no recrutamento e desenvolvimento de gestores; Liderança de topo estratégica, organizacional e pessoal. Kaplan & Norton (1992) estabeleceram um conjunto de medidas de desempenho empresarial denominado balanced scorecard, mais abrangente do que as tradicionais medidas de desempenho financeiro, que refletem apenas as ações tomadas pela empresa no passado. Por considerar que desempenho passado não é garantia de desempenho futuro, o balanced scorecard propõe a adoção de medidas operacionais que são os direcionadores do desempenho financeiro futuro. Estas métricas facilitam o entendimento e a operacionalização da visão da cúpula e dos objetivos da empresa. O acompanhamento, a avaliação e o replanejamento da atividade da empresa devem ser feitos levando em consideração as quatro dimensões: Dimensão do cliente Focaliza a satisfação dos clientes, estabelecendo métricas que permitam a empresa visualizar se está conseguindo aumentar os benefícios

19 19 percebidos pelos clientes. Tende a recair sobre quatro categorias que afetam a forma como o cliente percebe a empresa: tempo, custo, qualidade e serviço; Dimensão de processos internos Focaliza as capacitações da empresa para enfrentar os desafios do mercado. As principais métricas devem reflitam a capacidade da empresa em gerenciar processos eficientes ao atender as necessidades dos clientes e as que estiverem relacionadas ao aprimoramento das competências centrais (PRAHALAD & HAMEL, 1990) da empresa; Dimensão de inovação e aprendizado refere-se à capacidade da empresa lançar novos produtos, criar maior valor para os clientes e aprimorar eficiências operacionais, que podem resultar em penetração de novos mercados e no incremento das suas receitas e margens de lucro; Dimensão financeira Tipicamente tangibilizada por métricas como rentabilidade, crescimento e valor das ações. Tem a intenção de verificar se a estratégia da empresa e a sua implementação estão efetivamente contribuindo para a melhoria do lucro no curto prazo. Uma questão importante, levantada por Doyle(1994) é a definição do que é o sucesso para a organização, para a partir disso medir a performance da empresa de acordo com objetivos definidos para atingir este sucesso específico. De acordo com o autor, as empresas ocidentais focam na lucratividade como medida de performance, o que gera vários conflitos de interesses, pois avalia a performance somente da perspectiva dos acionistas. Já as empresas orientais trabalham com múltiplos objetivos, tentando balancear os interesses também dos funcionários, clientes, comunidade e de sobrevivência de longo prazo, avaliando a performance também por market share, valor de mercado, crescimento e outros parâmetros. A atual definição de padrão de excelência, focado em um único objetivo, gera conflitos de interesses fatais para as organizações. O desafio, neste caso, é balancear o interesse dos vários stakeholders. Doyle(1994) parte da premissa de que os colaboradores buscam para suas demandas mais a satisfação do que a maximização (o que pode não ser aplicável necessariamente em todos os casos), para introduzir o conceito de zona de tolerância margem mínima de tolerância de cada stakeholder para trabalhar em prol de um objetivo.

20 20 Mintzberg(1994) relembra o boom do planejamento estratégico no final da década de 60, onde foi considerado a solução para todos os problemas das organizações, e de muitos erros, dificuldades e conseqüências da utilização desembasada deste processo. O autor relata que as estratégias mais bem sucedidas eram visões e não planos, e possuíam elementos deliberados e emergentes, de flexibilidade de aprendizado e controle cerebral. O verdadeiro propósito do planejamento não seria a criação de planos, mas sim a mudança dos modelos mentais que os tomadores de decisão carregam nas suas mentes. O autor indica que o processo de criação de estratégia deve capturar o que os gerentes aprendem das várias fontes e sintetizar este conhecimento em uma visão da direção que o negócio deve seguir. Indica ainda que a essência da criação de estratégia como um processo de aprendizado é pensar para agir com convicção, mas também agir para ter mais sobre o que pensar. O autor apresenta ainda as três maiores falácias do planejamento estratégico: A Falácia da Previsão: Segundo o autor, visionários utilizam a intuição para antecipar tendências, mas é impossível prever o futuro. A Falácia da Separação: O autor anuncia que os gerentes brilhantes não são aqueles que se abstraem dos detalhes do trabalho diário, e sim aqueles que imergem neles enquanto mantêm-se aptos a abstrair mensagens estratégicas destes detalhes. E que a visão necessária para novas estratégias é indisponível para aqueles que não podem ver com os próprios olhos. A Falácia da Formalização: O autor debate a falácia de que os gerentes têm de programar suas estratégias formalmente, ponto que também é criticado por Reid(1989) e por Langley(1995). O autor chega a afirmar que na maioria das vezes o planejamento formal tem somente extrapolado o passado ou copiado as estratégias de outros competidores. O grande desafio do planejamento na visão de Langley(1995) é construir organizações que combinem checagens e balanços com formas de arbitrar, para que não ocorra a paralisia por excesso de análise nem a extinção por instinto sem análise. Segundo o autor, a paralisia por análise pode se causada por: Dialogue of the Deaf: conflitos de troca de informações entre níveis hierárquicos. O autor sugere que a análise precisa ser combinada com fontes informais de

21 21 influência, e que, para combater este problema, pode ser interessante criar equipes de projeto multinível ou diminuir os níveis hierárquicos (o que pode gerar o próximo problema: The Vicious Circle). The Vicious Circle: conflitos de troca de informação no mesmo nível hierárquico. Este problema pode ser gerado pela hierarquia ou pela liderança fraca. The Decision Vacumm: análises sem sentido de realidade e utilidade. Em muitos casos pode ser melhor manter grupos pequenos de pessoas-chave e enriquecê-los com gerentes contratados. O autor considera que a análise formal normalmente não é a causa da paralisia. São os aspectos estruturais como padrões de participação, poder e opinião. Já a extinção por instinto pode ser causada por: The Dominant Leader: situação em que ninguém confronta o líder, seja por afinidade, admiração, medo ou implicações sobre a carreira. A utilização de advogados do diabo seria uma alternativa para combater este problema. Parallel Power: situação em que pessoas em níveis mais baixos da hierarquia podem fazer o que quiserem. A sugestão seria tornar o processo de tomada de decisão mais transparente e apolítico, e alinhar objetivos estratégicos e pessoais, tendo cuidado para não alimentar tanto a paralisia quanto a extinção. Natural Unanimity: situação em que todos dividem a mesma opinião. Esta configuração pode ser boa em muitas ocasiões, mas pode também ser catastrófico em ambientes novos e de constante mudança, além de muitas vezes tender a manter um ambiente sem controle, que pode prejudicar os resultados da organização. A sugestão seria a busca de novas perspectivas por meio de consultores externos ou contratação de novos gerentes, criação de checagens e balanços, advogados do diabo e análises independentes. O autor reforça a necessidade de continuidade no processo de planejamento estratégico, ao definir que gestão é um processo dialético em que o ciclo de diagnóstico e realinhamento nunca termina. Kaplan & Norton (1996) afirmam que o balanced scorecard permite às empresas adotar um novo sistema de gestão estratégica composto de quatro processos que, separada ou conjuntamente, contribuem para o alinhamento entre os objetivos estratégicos e as ações de

22 22 curto prazo. Com isso, podem driblar uma séria deficiência em sistemas de gestão tradicionais, caracterizados pela falta de habilidade para associar a estratégia de longo prazo com as ações de curto prazo. Traduzindo a Visão Tornando-a clara Obtendo consenso Comunicando e associando Comunicando e educando Definindo metas Associando recompensas à medidas de desempenho Balanced Scorecard Planejando o negócio Definido alvos Alinhando iniciativas estratégicas Alocando recursos Estabelecendo marcos Obtendo Feedback e Aprendendo Articulando a visão compartilhada Fornecendo feedback estratégico Facilitando a revisão da estratégia e o aprendizado Figura 2.1 Sistema de gestão estratégica baseado no balanced scorecard Kaplan & Norton (1996). Os quatro processos deste novo sistema de gestão envolvem: Tradução da visão em objetivos: a declaração de visão estratégica deve ser traduzida em um conjunto de objetivos e métricas que descrevem os fatores de sucesso de longo prazo, acordados entre toda a alta gerência, para que possam ser transformados em ações pelas pessoas da organização; Comunicação: todos os níveis da organização precisam entender a estratégia de longo prazo, e como os objetivos departamentais estão alinhados com os objetivos individuais. Planejamento: o plano de negócio deve estar integrado com o planejamento financeiro, utilizando o conjunto de metas definidas para o balanced scorecard como a base para a alocação de recursos e definição de prioridades, permitindo realizar e coordenar somente as iniciativas que levem ao alcance dos objetivos estratégicos de longo prazo.

23 23 Aprendizado e feedback: avaliando o desempenho recente sob as óticas de satisfação dos clientes, de processos internos, de aprendizado e financeira, é possível obter aprendizado estratégico capaz de subsidiar a reavaliação dos planos estratégicos. Collis & Montgomery(1997) definem estratégia corporativa como a forma como a companhia cria valor por meio da configuração e coordenação de suas atividades multimarketing. Os autores propõem um framework para análise da estratégia corporativa, em forma de triângulo, composto por cinco elementos: Visão: envolve aspirações ambiciosas de onde a companhia deseja chegar, definindo o domínio ou fronteiras de atuação, além de identificar a contribuição para a sociedade e os valores éticos a serem valorizados nas atividades da companhia; Metas e Objetivos: devem traduzir a visão em alvos de curto e médio prazos; Recursos: conjunto de ativos, habilidades e capacitações que definem o que a empresa pode fazer e são as principais fontes de vantagem competitiva; Negócios: escolha das indústrias em que a firma opera; e Estrutura, sistemas e processos: definem como a organização controla e coordena as atividades das várias unidades de negócios e funções executivas. Quando estes cinco elementos estão sinérgicos, a companhia consegue identificar suas reais vantagens competitivas. Os autores apresentam a matriz BCG (Boston Consulting Group), ou matriz de crescimento/participação, para avaliação e planejamento de portfolio. A matriz analisa o potencial de geração e utilização de caixa pelos diversos negócios da empresa, classificando-os como vaca leiteira (grande market share e pouco crescimento do mercado boa geração de caixa), estrela (grande crescimento e participação próxima vaca leiteira), dog (pouco crescimento e participação bons para serem abandonados) e duvidosos (pouca participação e grande crescimento de mercado requer alto investimento). Apresentam também a visão de estratégia baseada em valor, que tem por objetivo maximizar o valor aos acionistas e propõe a incorporação do cálculo EVA (economic value added) na avaliação de todos os projetos de investimento e em todos os esquemas de incentivos de executivos.

24 24 Os autores debatem as possibilidades de economias de escala (quando o custo médio reduz com a produção ou venda em volumes maiores), e economias de escopo (quando o custo de produzir ou vender múltiplos produtos conjuntamente é menor do que o custo de produzi-los ou vende-los separadamente), e propõem a análise da cadeia de valor como um bom começo para mostrar e quantificar na prática as economias de escala e escopo. Mintzberg (1998) propõe um conjunto de estratégias genéricas, contendo cinco abordagens, de uma mais simples até a mais sofisticada: Posicionamento do negócio em que parte do sistema de valor a empresa deve se situar, no segmento inicial, médio ou final; Definição do negócio compreende as estratégias de diferenciação (preço, imagem, suporte, qualidade, projeto ou não-diferenciação) e de escopo (segmentação, nicho, customização ou não-segmentação); Desenvolvimento do negócio diz respeito ao como a estratégia vai ser levada ao mercado. Compreende as estratégias de penetração de mercados novos, desenvolvimento de um mercado existente, expansão geográfica e desenvolvimento de novos produtos; Extensão do negócio envolve estratégias de integração na cadeia de valor, de diversificação e estratégias de retirada; Reconcepção do negócio envolve estratégias de redefinição do negócio, de recombinação dos negócios e de re-alocação do negócio central. O quadro apresenta o resumo conceitual criado a partir da revisão de literatura sobre o tema Planejamento e Controle. AUTORES Christensen et al (1973) Porter (1979) Porter (1980) Ackoff (1983) Reid (1989) CONCEITOS APRESENTADOS Propõem diversas perguntas para identificar a adequação e alinhamento de uma estratégia, passando pela comunicação clara da estratégia, planejamento de competências, indicadores e avaliação de oportunidades. Apresenta o modelo de 5 forças para análise do ambiente competitivo industrial, composto pela intensidade da rivalidade entre os concorrentes, a ameaça de novos entrantes, a ameaça de produtos substitutos, o poder de barganha dos fornecedores e o poder de barganha dos clientes. Apresenta o modelo de estratégias genéricas, considerando que as empresas superam a concorrência por meio da liderança em custo, diferenciação ou foco. Propõe a adoção de uma estrutura flexível a mudanças e a aplicação de métodos de controle das variáveis cujos efeitos possam representar ameaças à empresa, ao invés da abordagem tradicional composta de uma previsão seguida de preparação. Debate a falácia de que a formulação deve ser separada da implementação da

25 25 Quinn apud Mintzberg & Quinn (1991) Andrews apud Mintzberg & Quinn (1991) Kaplan & Norton (1992) Doyle (1994) Mintzberg (1994) Langley (1995) Kaplan & Norton (1996) Collis & Montgomery (1997) Mintzberg (1998) estratégia e propõe o desafio de tornar o processo de planejamento estratégico contínuo e integrado ao estilo de vida da organização dentro de um ambiente de aprendizado. Define os termos estratégia, objetivos, metas, políticas e programas e cita os principais pontos que uma estratégia eficaz deve conter. Define estratégia corporativa como um processo organizacional que envolve dois importantes aspectos: a decisão do que fazer e a implementação. Apresentam o balanced scorecard, um conjunto de medidas de desempenho empresarial que inclui, além das tradicionais métricas financeiras, medidas operacionais que são os direcionadores do desempenho financeiro futuro, com base na satisfação dos clientes, nos processos internos e nas atividades de inovação e aprendizado. Sugere a existência de uma zona de tolerância margem mínima de tolerância de cada stakeholder para trabalhar em prol de um objetivo e, em virtude disso, a definição de metas e objetivos deve refletir um equilíbrio dos objetivos de todos os stakeholders envolvidos. Sugere que o verdadeiro propósito do planejamento estratégico não seria a criação de planos, e sim a mudança dos modelos mentais dos tomadores de decisão. O autor debate as falácias da previsão, da separação e da formalização, sugerindo que uma estratégia eficaz contém elementos deliberados e emergentes, é realizada com apoio de quem implementa e não necessariamente precisa estar formalizada. Afirma que o grande desafio do planejamento é construir organizações que combinem checagens e balanços com formas de arbitrar, para que não ocorra a paralisia por excesso de análise nem a extinção por instinto sem análise.o autor reforça a necessidade de continuidade no processo de planejamento, definindo a gestão como um processo dialético em que o ciclo de diagnostico e realinhamento nunca termina. Apresentam um sistema de gestão estratégica, baseado no balanced scorecard, que permite o desdobramento da estratégia de longo prazo em ações de curto prazo por meio de quatro processos: a tradução da visão em objetivos e medidas; a comunicação dos objetivos nos diversos níveis; o planejamento para alocação dos recursos; e a obtenção de feedback e aprendizado pelo acompanhamento e ajuste da estratégia. Propõem um framework para analise da estratégia corporativa, em forma de triângulo, composto por cinco elementos: visão, metas e objetivos, recursos, negócios e estrutura, sistemas e processos. Apresentam também a matriz BCG para avaliação e planejamento de portfolio. Propõe um conjunto de estratégias genéricas com 5 abordagens distintas, a saber: posicionamento do negócio, definição do negócio, desenvolvimento do negócio, extensão do negócio e reconcepção do negócio. Quadro Resumo conceitual da revisão de literatura para o Macroconstruto Planejamento e Controle. A partir da revisão de literatura supracitada, foi proposto um Macroconstruto para compor o questionário enviado aos participantes da pesquisa. O quadro relaciona os autores que embasam cada questão do questionário para este Macroconstruto. QUESTÃO AUTORES QUINN, ANDREWS, PORTER(1979), KAPLAN & NORTON (1996), COLLIS & MONTGOMERY. ANDREWS, CHRISTENSEN ET AL, DOYLE, REID, KAPLA N & NORTON (1996), COLLIS & MONTGOMERY. ANDREWS, CHRISTENSEN ET AL, QUINN, LANGLEY, MINTZBERG (1994), KAPLA N & NORTON (1996).

26 26 4 ACKOFF, ANDREWS, QUINN, REID, PORTER(1979), MINTZBERG(1994), KAPLAN & NORTON (1996), COLLI S & MONTGOMERY. 5 ANDREWS, COLLIS & MONTGOMERY. 6 QUINN, KAPLAN & NORT ON (1996). 7 QUINN, LANGLEY. 8 QUINN, KAPLAN & NORTON (1996). 9 CHRISTENSEN ET AL, ACKOFF, ANDREWS, DOYLE, LANGLEY, REID, KAPLAN & NORTON (1992), MINTZBERG(1994), KAPLAN & NORTON (1996). 10 KAPLAN & NORTON (1992), KAPLAN & NORTON (1996). 11 KAPLAN & NORTON (1992), KAPLAN & NORTON (1996). 12 ACKOFF, MINTZBERG(1998), KAPLAN & NORTON (1992), KAPLAN & NORTON (1996). 13 KAPLAN & NORTON (1992), KAPLAN & NORTON (1996). 14 ANDREWS 15 ANDREWS, KAPLAN & NORTON (1992). 16 ANDREWS Quadro Autores que embasam cada item do questionário do Macroconstruto Planejamento e Controle.

27 27 II.2 - A ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Recorrendo a um pouco da história, notamos que as primeiras organizações empresariais não possuíam sequer uma área de recursos humanos e todas as decisões sobre pessoal eram tomadas por uma única pessoa, invariavelmente o proprietário do negócio. À medida que as organizações foram crescendo e se tornando cada vez mais complexas, foram reconhecendo cada vez mais a importância das pessoas, seus conhecimentos, competências e motivações para o atingimento das metas e o crescimento de longo prazo. Esta constatação tem resultado também num crescimento da importância estratégica da gestão de recursos humanos. Fica cada vez mais evidente a enfâse necessária nos recursos humanos no novo cenário de negócios, principalmente em decorrência da globalização dos mercados e da migração para uma economia baseada em serviços e alta tecnologia (Miles & Snow, 1984). Ainda assim, tudo indica que tem sido difícil para os departamentos de recursos humanos agir estrategicamente, pois, invariavelmente, não são convidados ou mesmo têm autorização para participar efetivamente do processo de planejamento estratégico corporativo, conceitualizando e desenhando organizações flexíveis e resilientes, capazes de suportar a formulação de novas estratégias de negócios e mudanças no ambiente. Para que isso se torne realidade, é necessário que a alta gerência comprometa-se a envolver os departamentos de recursos humanos como uma parte importante e indispensável no processo de planejamento estratégico. Se este departamento passar a ser visto com a mesma importância que os departamentos de finanças, marketing, produção, dentre outros, poderá contribuir significativamente no processo de planejamento estratégico e desenho organizacional. Os autores apresentam então um modelo conceitual que relaciona as estratégias de negócio com os sistemas de gestão de recursos humanos, identificando três tipos básicos de papel estratégico e características de suporte organizacional desempenhados pelas empresas. O primeiro tipo de empresa engloba as chamadas Reativas. Estas empresas são caracterizadas pela oferta de um produto único, por adotarem um posicionamento de meio termo, conforme caracterizado por Porter (1986), não priorizando nem o custo mais baixo nem a diferenciação de seus produtos ou serviços, e por não apresentam nenhuma estratégia formal de recursos humanos. O segundo tipo enquadra as empresas Defensivas, que em geral possuem uma estrutura organizacional funcional, e uma estratégia competitiva baseada em liderança por custo, obtida por meio da padronização da linha de produtos. Nestas empresas já existe um

28 28 departamento de recursos humanos, onde as principais responsabilidades são a aquisição, o treinamento e a manutenção de pessoal. O terceiro tipo congrega as empresas Prospectivas, que são caracterizadas por ter uma estrutura divisional, onde a base de sua estratégia de negócios é formada pela diversificação da linha de produtos, por meio da diferenciação. Nestas empresas as estratégias de recursos humanos estão focadas na aquisição de recursos humanos por meio do desenvolvimento de políticas de recursos humanos e pelo uso significativo de consultoria externa. O último tipo de empresas agrega as empresas Analíticas, que são caracterizadas por serem empresas inovadoras, com uma estratégia bem definida de foco, ou seja, na escolha de nichos de mercado bem definidos e com uma estratégia de recursos humanos baseada na otimização da alocação de pessoas de acordo com as necessidades da estratégia de negócio da empresa, por meio de um processo cuidadoso de planejamento, desenvolvimento e alocação. Peters (1987) ressalta que o fenômeno da excelência e a preocupação míope com o desempenho administrativo dominante durante toda a década de 80, não foi capaz de provocar transformações suficientemente rápidas na maioria das empresas. Hoje, ser excelente já não é suficiente, pois o mercado está cada vez mais dinâmico, e a excelência de hoje pode significar a estagnação e obsolescência de amanhã. Desta forma, as empresas realmente excelentes são aquelas que conseguem evoluir rapidamente. O autor afirma que existem cinco áreas gerenciais que constituem a essência de um desempenho pró-ativo no mundo caótico da atualidade: Clientes: A obsessão pela atenção aos clientes, tornando-os o centro dos negócios, com flexibilidade e sensibilidade, procurando sempre adicionar valor de todas as maneiras; Inovação constante e em ritmo acelerado em todas as áreas da empresa, em um ambiente que estimule a geração de novas idéias e a implementação de iniciativas, e também seja capaz de promover a tolerância com fracassos bem-intencionados e com os inovadores persistentes; A participação consistente e constante de todas as pessoas ligadas à organização, e a divisão dos ganhos da empresa com todas as pessoas que contribuíram significativamente para o atingimento dos resultados planejados. O ritmo constante de mudança e inovação torna estritamente necessária a existência de uma força de

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 3 - AS PERSPECTIVAS DO BSC - FINANCEIRA E CLIENTES PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

Unidade Ribeirão Preto -SP

Unidade Ribeirão Preto -SP Unidade Ribeirão Preto -SP Gestão Estratégica de Controladoria O papel da controladoria na gestão estratégica de uma empresa Curriculum Luís Valíni Neto Técnico Contábil Administrador de Empresas pela

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA BALANCED SCORECARD: Uma ferramenta de gestão estratégica para empresa do ramo de consultoria contábil com foco

Leia mais

A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica

A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica No início dos anos 90, as organizações passaram a incorporar a visão de processos nos negócios na busca pela qualidade, produtividade

Leia mais

Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração

Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração 1 Apostila 7 Conteúdo Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 5 Processo de Administração Estratégica Diagnóstico Estratégico: Ambientes

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

Sistemas de Informação Aula 2

Sistemas de Informação Aula 2 Sistemas de Informação Aula 2 Prof. M.Sc. Diego Fernandes Emiliano Silva diego.femiliano@gmail.com Leitura p/ aula 3 Sugestão: Para preparação anterior ler capítulo 3 do Laudon e Laudon Posterior a aula,

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Agenda Apresentação Planejamento Estratégico Stratec Perguntas Agenda David Azevedo davidazevedo@hotmail.com (019) 99764-4664 Clientes dos Segmentos Eletrodomésticos Home Appliances

Leia mais

Aplicação da Matriz Importância x Desempenho com usuários de uma pizzaria no Município de Marabá- Sudeste do Pará

Aplicação da Matriz Importância x Desempenho com usuários de uma pizzaria no Município de Marabá- Sudeste do Pará Aplicação da Matriz Importância x Desempenho com usuários de uma pizzaria no Município de Marabá- Sudeste do Pará Bruna Dayanne da Silva Tavares (brunaday_tavares@hotmail.com / UEPA) Lenilton Godinho da

Leia mais

A SOFISTICAÇÃO DA GESTÃO E O CRM EM OPERADORAS DE SAÚDE NO BRASIL

A SOFISTICAÇÃO DA GESTÃO E O CRM EM OPERADORAS DE SAÚDE NO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO COPPEAD DE ADMINISTRAÇÃO LETÍCIA LAZARIDIS A SOFISTICAÇÃO DA GESTÃO E O CRM EM OPERADORAS DE SAÚDE NO BRASIL RIO DE JANEIRO 2005 LETÍCIA LAZARIDIS A SOFISTICAÇÃO

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica

A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica André Ribeiro Coutinho, Diretor da Symnetics, MBA pela Fundação Dom Cabral, Mestre em Relações Internacionais pela Universidade de Reading

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas Resumo. PEMPEC é um software de distribuição gratuita que visa auxiliar o gestor das micro e pequenas empresas na tomada de decisão, utilizando

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

CRM Series - Marketing 1to1

CRM Series - Marketing 1to1 CRM Series - Marketing 1to1 Aumentando O Valor De Seus Clientes Com CRM Peppers & Rogers Group América Latina e Ibéria R. Ferreira de Araújo, 202-10º andar Tel: +55 11 3097-7610 Fax: +55 11 3816-4977 email:

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Gestão Estratégica da Informação

Gestão Estratégica da Informação Gestão Estratégica da Informação Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society Conteúdo Introdução A gestão

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor.

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. 1 São Paulo, 06 de junho do 2003 O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. Peter Drucker (2001 p.67), fez a seguinte afirmação ao se referir ao terceiro

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CORPORATIVO E O PROCESSO DE MARKETING

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CORPORATIVO E O PROCESSO DE MARKETING O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CORPORATIVO E O PROCESSO DE MARKETING Planejamento estratégico é o processo de desenvolver e manter um ajuste estratégico entre os objetivos, habilidades e recursos de uma organização

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

UMA METODOLOGIA PARA ANÁLISE DOS PROCESSOS DE CERTIFICAÇÃO ISO 9000

UMA METODOLOGIA PARA ANÁLISE DOS PROCESSOS DE CERTIFICAÇÃO ISO 9000 UMA METODOLOGIA PARA ANÁLISE DOS PROCESSOS DE CERTIFICAÇÃO ISO 9000 Denise Dumke de Medeiros Departamento de Engenharia de Produção / UFPE Av. Acadêmico Hélio Ramos, s/n, Cidade Universitária, Recife/

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014. Eixo Temático: Gestão de bibliotecas universitárias (GBU)

XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014. Eixo Temático: Gestão de bibliotecas universitárias (GBU) 1 XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014 Eixo Temático: Gestão de bibliotecas universitárias (GBU) MODELO DE INDICADORES PARA A BIBLIOTECA FCA/UNICAMP Modalidade da apresentação:

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

Evolução dos sistemas de administração:

Evolução dos sistemas de administração: 24 2. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING 2.1. O AMBIENTE E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A administração estratégica de mercado inclui todos os quatro sistemas administrativos: o sistema de orçamentação

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

I. Balanced Scorecard - BSC

I. Balanced Scorecard - BSC MBA em Controladoria e Gestão Financeira (Aula 3) Prof. Marcio Rodrigues Sanches marcio@mrsconsult.com.br I. Balanced Scorecard - BSC O que é o BSC? O Balanced Scorecard é uma ferramenta gerencial que

Leia mais

Balanced Scorecard - BSC Indicadores de. Prof. Douglas Rocha, M.Eng.

Balanced Scorecard - BSC Indicadores de. Prof. Douglas Rocha, M.Eng. Balanced Scorecard - BSC Indicadores de Desempenho Prof. Douglas Rocha, M.Eng. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Estratégica 2. Definições de Visão Estratégica 3. Vantagem competitiva 4. Posicionamento Estratégico

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT

Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT Eduardo Alves de Oliveira eduaopec@yahoo.com.br SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Rua Pacheco Leão, 1235 - Fundos

Leia mais

Identidade e Identificação nas Organizações: Um Estudo de Caso sobre a Gestão destes Conceitos em uma Empresa de Consultoria e Outsourcing

Identidade e Identificação nas Organizações: Um Estudo de Caso sobre a Gestão destes Conceitos em uma Empresa de Consultoria e Outsourcing Thiago Toneli Chagas Identidade e Identificação nas Organizações: Um Estudo de Caso sobre a Gestão destes Conceitos em uma Empresa de Consultoria e Outsourcing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

ESTRATÉGIA DE EMPRESAS

ESTRATÉGIA DE EMPRESAS ESTRATÉGIA DE EMPRESAS Professor: Alexander Baer Fundação Getúlio Vargas MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil Resumo: Abdala Carim Nabut Neto, M.Sc. 26/02/2014 1) O que é ESTRATÉGIA?

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares Capítulo 4 Balanced Scorecard Disciplina : Avaliação de Desempenho Prof. Robson Soares À medida que são verificados os diversos conceitos e concepções ligados a avaliação de desempenho, torna-se necessário

Leia mais

Especialização em Negócios e Finanças

Especialização em Negócios e Finanças Especialização em Negócios e Finanças Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Nova Turma -->Turma02 *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas, em

Leia mais

Administração Estratégica UNIDADE II

Administração Estratégica UNIDADE II Administração Estratégica UNIDADE II Matriz BCG e Matriz GE Balanced scorecard BSC EVA - valor econômico agregado MVA - Valor de Mercado Adicionado 3 Prof. Mestre Demóstenes Farias Fortaleza, outubro/novembro

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE PARA O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL 1

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE PARA O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL 1 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE PARA O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL 1 DALCOL, Charlene Coser 2 ; SILUK, Julio Cezar 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Pós-Graduação em Gestão de Pessoas e Marketing

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc.

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico Balanced Scorecard Resumo Metodológico Estratégia nunca foi foi tão tão importante Business Week Week Entretanto... Menos de de 10% 10% das das estratégias efetivamente formuladas são são eficientemente

Leia mais

Estudo dos principais entraves e desafios para o fomento da Previdência Complementar VISÃO DE PATROCINADORES E INSTITUIDORES

Estudo dos principais entraves e desafios para o fomento da Previdência Complementar VISÃO DE PATROCINADORES E INSTITUIDORES Estudo dos principais entraves e desafios para o fomento da Previdência Complementar VISÃO DE PATROCINADORES E INSTITUIDORES Coordenação de Análise Conjuntural - COANC Coordenação de Estudos Técnicos e

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

50 termos para unificar a linguagem da sua Gestão Empresarial

50 termos para unificar a linguagem da sua Gestão Empresarial VOCÊ CONHECE O DICIONÁRIO DO CORPORATIVÊS? 50 termos para unificar a linguagem da sua Gestão Empresarial Os jargões na gestão empresarial são cada vez mais padronizados, tanto nos corredores das empresas

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

PAINEL GERENCIAL BASEADO NA UTILIZAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO, ANÁLISE DE BENCHMARKING E DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO GERENCIAL

PAINEL GERENCIAL BASEADO NA UTILIZAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO, ANÁLISE DE BENCHMARKING E DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO GERENCIAL PAINEL GERENCIAL BASEADO NA UTILIZAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO, ANÁLISE DE BENCHMARKING E DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO GERENCIAL OLIVAN GREINER Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai

Leia mais

BALANCED SCORECARD: UTILIZANDO INDICADORES ESTRATÉGICOS NA MELHORIA DO DESEMPENHO EMPRESARIAL

BALANCED SCORECARD: UTILIZANDO INDICADORES ESTRATÉGICOS NA MELHORIA DO DESEMPENHO EMPRESARIAL BALANCED SCORECARD: UTILIZANDO INDICADORES ESTRATÉGICOS NA MELHORIA DO DESEMPENHO EMPRESARIAL BALANCED SCORECARD: USING PERFORMANCE INDICATORS IMPROVEMENT IN STRATEGIC BUSINESS BALANCED SCORECARD: UTILIZANDO

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Palavras-chaves: Auditoria. Controle Interno. Sarbanes Oxley. Planejamento Estratégico. Gestão de Riscos Corporativos. Processo de Negócio.

Palavras-chaves: Auditoria. Controle Interno. Sarbanes Oxley. Planejamento Estratégico. Gestão de Riscos Corporativos. Processo de Negócio. GESTÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO: a participação dos controles internos na gestão estratégica corporativa Nome: Ricardo Alexandre Gonçalves de Moura (Auditor especialista em revisão de controles internos

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação

Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação slide 1 3.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como o modelo das cinco forças competitivas

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS A mentalidade de silos, fenômeno conhecido como políticas departamentais, rivalidade divisional ou guerras internas, devastam as organizações. Esta mentalidade

Leia mais

Modelos de Gestão Estratégica

Modelos de Gestão Estratégica Aula 04 Modelos de Gestão Estratégica TI-011 Gerenciamento Estratégico Corporativo Prof a. Gabriela Barbarán MISSÃO E VISÃO Dirige Direciona ESTRATÉGIAS PROCESSOS Aperfeiçoa Utiliza e Mensura RECURSOS

Leia mais

MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br

MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br Aula 3 Modelos de Estratégias de Crescimento MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br PRINCIPAIS MATRIZES DE ANÁLISE EM PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

Leia mais

9h: Um retrato da história. Agenda. 9h30: Talk show 10h20: Intervalo 10h40: Best Companies for Leadership 2014 11h30: A premiação

9h: Um retrato da história. Agenda. 9h30: Talk show 10h20: Intervalo 10h40: Best Companies for Leadership 2014 11h30: A premiação 9h: Um retrato da história Agenda 9h30: Talk show 10h20: Intervalo 10h40: Best Companies for Leadership 2014 11h30: A premiação O que vamos ver hoje O que vamos ver hoje Indivíduo Empresas Sociedade Desenvolvimento

Leia mais

Período de validade do curso: 60 (sessenta) dias podendo ser acessado a qualquer hora e quantas vezes desejar.

Período de validade do curso: 60 (sessenta) dias podendo ser acessado a qualquer hora e quantas vezes desejar. DETALHES DO CURSO Disciplina: Gestão Empresarial Professor: Wellington de Toledo Garcia, Graduado em Administração de Empresas com MBA Executivo (Master of Business Administration) em Gestão Empresarial

Leia mais

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros A experiência da Copel na implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros COPEL Projeto

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

OS MOTIVOS QUE LEVAM AS EMPRESAS A IMPLANTAREM O ITIL

OS MOTIVOS QUE LEVAM AS EMPRESAS A IMPLANTAREM O ITIL OS MOTIVOS QUE LEVAM AS EMPRESAS A IMPLANTAREM O ITIL Alexandre Morales, Davi Cunha e Rodrigo de Oliveira Neves (*) RESUMO. Nos tempos atuais, fatores como flexibilidade, agilidade e diferenciação são

Leia mais

Medição de Desempenho de Processos

Medição de Desempenho de Processos Medição de Desempenho de Processos Leandro Jesus VP Associações ABPMP Brasil as.abpmp.br@gmail.com 21 25615619 21 99790945 O Palestrante Leandro Jesus: Sócio-Diretor da ELO Group, consultoria especializada

Leia mais

A Inovação Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinando-os para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem contínua.

A Inovação Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinando-os para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem contínua. Balanced Score Card A Tecnologia da Informação é considerada fundamental para os vários setores, tanto no nível operacional como estratégico. Muitas das razões para Tecnologia da Informação fazer parte

Leia mais

ESTRATÉGIA CORPORATIVA

ESTRATÉGIA CORPORATIVA CORPORATIVA CORPORATIVA Por Rodrigo Cantusio Segurado Estratégia é o caminho escolhido para atingir objetivos e satisfazer ambições a partir da criação de uma única e valiosa posição envolvendo um conjunto

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO Resumo Denis Pereira Martins 1 - SESI-PR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência Financiadora: SESI PR O Sesi Paraná

Leia mais

Ges tão Estra tégica: 3 - I m plantaç ão

Ges tão Estra tégica: 3 - I m plantaç ão Todos gostamos de belas palavras, porém poucos de nós as transformam em atos (Sun Tzu) INTRODUÇÃO Se oferecermos a um piloto de avião, duas aeronaves distintas para ele voar, qual delas escolheria? (i)

Leia mais

Procura-se... o novo perfil do Controller (CFO) na era do Balanced Scorecard?!

Procura-se... o novo perfil do Controller (CFO) na era do Balanced Scorecard?! Procura-se... o novo perfil do Controller (CFO) na era do Balanced Scorecard?! Uma reflexão de Norbert J. Weinmann, SIEMENS LTDA sobre a futura atuação dos Administradores Comerciais/Financeiros nas empresas.

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS SÉRIE ESPECIAL PCSS A GOVERNANÇA EM TI, SEU DIFERENCIAL E APOIO AO CRESCIMENTO Prof. Acrisio Tavares G GOVERNANÇA EM

Leia mais

BALANCED SCORECARD E IMPLEMENTAÇÃO DE ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS: A IMPORTÂNCIA DOS MAPAS ESTRATÉGICOS

BALANCED SCORECARD E IMPLEMENTAÇÃO DE ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS: A IMPORTÂNCIA DOS MAPAS ESTRATÉGICOS V I I S E M E A D A D M I N I S T R A Ç Ã O G E R A L BALANCED SCORECARD E IMPLEMENTAÇÃO DE ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS: A IMPORTÂNCIA DOS MAPAS ESTRATÉGICOS Luís Eduardo de Carvalho Mestrando em Administração

Leia mais

Nesse momento, você deve estar se perguntando por que o BSC fala em estratégia balanceada.

Nesse momento, você deve estar se perguntando por que o BSC fala em estratégia balanceada. O que é o Balanced Scorecard A difícil tarefa de executar a estratégia exige que se criem instrumentos que a traduzam em uma linguagem comum a todos da organização, possibilitando a sua execução e gestão.

Leia mais

Glossário básico de Empreendedorismo

Glossário básico de Empreendedorismo Glossário básico de Empreendedorismo Análise Ambiental Estudo feito visando conhecer mais detalhadamente os agentes e fatores que por ventura podem influenciar nos planejamentos da empresa. Ativo Circulante

Leia mais

Simulação Aplicada no Processo de Pedidos: Estudo de Caso na Empresa XYZ

Simulação Aplicada no Processo de Pedidos: Estudo de Caso na Empresa XYZ Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas Simulação Aplicada no Processo de Pedidos: Estudo de Caso na Empresa XYZ Sidnei Teixeira da Silva Filho Fatec da Zona Leste São

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD Histórico Desenvolvimento do Balanced Scorecard: 1987, o primeiro Balanced Scorecard desenvolvido por Arthur Schneiderman na Analog Devices, uma empresa de porte

Leia mais

GLOSSÁRIO. www.ricardoalmeida.adm.br

GLOSSÁRIO. www.ricardoalmeida.adm.br GLOSSÁRIO ações otimizadas adequação agregado Andrews ANSOFF A A otimização é uma ação geralmente relacionada com as atividadesmeio da organização, enquanto a maximização é geralmente associada aos resultados

Leia mais

CASO HONDA. Em 1975, a situação:

CASO HONDA. Em 1975, a situação: CASO HONDA Em 1975, a situação: O governo britânico contratou o Boston Consulting Group para ajudar a explicar por que as empresas japonesas, em especial a Honda, superavam de forma tão acentuada as britânicas

Leia mais

FASF - FACULDADE SAGRADA FAMILIA - CURSO DE ADM 5º PERIODO CONTROLE INTERNO. Aula 3 e 4

FASF - FACULDADE SAGRADA FAMILIA - CURSO DE ADM 5º PERIODO CONTROLE INTERNO. Aula 3 e 4 CONTROLE INTERNO Aula 3 e 4 Objetivos Conceito Sistema Categorias de Controle Interno Controles Organizacionais e Segregação de Funções É o controle obtido por meio da maneira de designar responsabilidade

Leia mais

ANÁLISE E RELATO DOS ESTUDOS DE CASO

ANÁLISE E RELATO DOS ESTUDOS DE CASO ANÁLISE E RELATO DOS ESTUDOS DE CASO O que se pretende para o vosso trabalho de exame de Inovação e Empreendedorismo no Turismo é a realização de uma entrevista a um responsável de uma unidade hoteleira

Leia mais

2XVRGD$QiOLVHGH*DSVQD$YDOLDomRGD3HUFHSomRGRV &OLHQWHV VREUH R 3URFHVVR GH 'LVWULEXLomR )tvlfd (VWXGR GH&DVRHP'LVWULEXLGRUDGH%HELGDV

2XVRGD$QiOLVHGH*DSVQD$YDOLDomRGD3HUFHSomRGRV &OLHQWHV VREUH R 3URFHVVR GH 'LVWULEXLomR )tvlfd (VWXGR GH&DVRHP'LVWULEXLGRUDGH%HELGDV 7LUOr&UX]6LOYD 2XVRGD$QiOLVHGH*DSVQD$YDOLDomRGD3HUFHSomRGRV &OLHQWHV VREUH R 3URFHVVR GH 'LVWULEXLomR )tvlfd (VWXGR GH&DVRHP'LVWULEXLGRUDGH%HELGDV 'LVVHUWDomRGH0HVWUDGR Dissertação apresentada como requisito

Leia mais

GESTÃO TRIBUTÁRIA EM EMPRESAS DO SERTOR VAREJISTA DE ALIMENTOS

GESTÃO TRIBUTÁRIA EM EMPRESAS DO SERTOR VAREJISTA DE ALIMENTOS Faculdades Sudamérica Volume 6-2014 GESTÃO TRIBUTÁRIA EM EMPRESAS DO SERTOR VAREJISTA DE ALIMENTOS Cássio Roberto de Araújo Elielson Alves da Silva Fernando de Sousa Santana Giani Claudia Setto Vieira

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

A Perspectiva Financeira do Balanced Scorecard (BSC) e a Gestão Baseada em Valor (VBM ): Uma aplicação no Planejamento Estratégico

A Perspectiva Financeira do Balanced Scorecard (BSC) e a Gestão Baseada em Valor (VBM ): Uma aplicação no Planejamento Estratégico A Perspectiva Financeira do Balanced Scorecard (BSC) e a Gestão Baseada em Valor (VBM ): Uma aplicação no Planejamento Estratégico João Carlos de Oliveira (UNIMEP) joliveir@lpnet.com.br Clóvis Luiz Padoveze

Leia mais

O ALINHAMENTO ESTRATÉGICO E O CRM

O ALINHAMENTO ESTRATÉGICO E O CRM ANDRÉA MACHADO TERRA O ALINHAMENTO ESTRATÉGICO E O CRM EM SEGURADORAS OPERANDO NO BRASIL COPPEAD/UFRJ 2003 ii O ALINHAMENTO ESTRATÉGICO E O CRM EM SEGURADORAS OPERANDO NO BRASIL ANDRÉA MACHADO TERRA Universidade

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Por que medir? Para que medir?? Como e que medidas utilizar???

Por que medir? Para que medir?? Como e que medidas utilizar??? Palestra: O BSC e a Gestão Estratégica das EBT s Sergio Boeira Kappel, engenheiro eletrônico PUC-RS / 1979, especialista em Gestão Estratégica de Empresas (UFSC / 2001) e mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

Clique para editar o estilo do título mestre BSC. Mais do que uma ferramenta, um atalho para se alcançar a Visão de Futuro.

Clique para editar o estilo do título mestre BSC. Mais do que uma ferramenta, um atalho para se alcançar a Visão de Futuro. Clique para editar o estilo do título mestre BSC Mais do que uma ferramenta, um atalho para se alcançar a Visão de Futuro Outubro 2009 Como garantir a sustentabilidade dos resultados no curto e no longo

Leia mais

Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas

Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas Iris Campos Martins Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre

Leia mais

O USO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO EM SERVIÇOS HOTELEIROS RESUMO

O USO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO EM SERVIÇOS HOTELEIROS RESUMO O USO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO EM SERVIÇOS HOTELEIROS CHEHADE, Michelle Bellintani Docente do curso de Turismo da Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG e-mail: michellebc@faef.br RESUMO O presente

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Slide do Prof. Silvio Meira. http://www.innosight.com/documents/diprimer.pdf

Slide do Prof. Silvio Meira. http://www.innosight.com/documents/diprimer.pdf Slide do Prof. Silvio Meira http://www.innosight.com/documents/diprimer.pdf Slide do Prof. Silvio Meira http://www.innosight.com/documents/diprimer.pdf Slide do Prof. Silvio Meira Slide do Prof. Silvio

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS Marcela Souto Castro (UFF ) idearconsultoria@gmail.com Jose Rodrigues de Farias Filho (UFF ) rodrigues@labceo.uff.br Arnaldo

Leia mais

Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão

Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão Turmas de Agosto de 2014 Início das Aulas: 18/08/2014 Termino das Aulas: 31/08/2015 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30

Leia mais