PLANEJAMENTO DO NEGÓCIO: FATOR DETERMINANTE NA CRIAÇÃO E GESTÃO DE UM EMPREENDIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO DO NEGÓCIO: FATOR DETERMINANTE NA CRIAÇÃO E GESTÃO DE UM EMPREENDIMENTO"

Transcrição

1 1 PLANEJAMENTO DO NEGÓCIO: FATOR DETERMINANTE NA CRIAÇÃO E GESTÃO DE UM EMPREENDIMENTO Nelijane Ricarte Barreiro e Silva IESP - Curso de Especialização em Gestão de micro e pequena Empresa Resumo É preciso sonhar, mas com a condição de crer em nosso sonho, de observar com atenção a vida real, de confrontar a observação com o nossas fantasias. Sonhos acredite neles." Vladmir Lenin Uma das mais eficazes ferramentas de gestão, o plano de negócio, reúne informações preparadas de forma organizada sobre todos os aspectos do negócio. Permite ao idealizador-empreendedor, analisar as deficiências e potencialidades de sua idéia, além de prever os possíveis problemas e possibilitar uma visão mais ampla para enxergar a viabilidade de sua idéia de negócio. O plano de negócio não assegura o êxito do negócio, mas mostrará a direção a seguir, podendo ser um diferencial competitivo prévio na hora de iniciar, expandir e gerir seu negócio, ou ainda, ao lançar um produto e/ou serviço novo no mercado. Este artigo enfoca a importância do planejamento como um dos fatores determinantes na criação e na gestão de um pequeno empreendimento. Além de discutir alguns aspectos conceituais, apresenta-se uma sugestão de roteiro para a elaboração de um plano de negócio. A partir do levantamento bibliográfico realizado, pode-se afirmar que o planejamento, coordenação e controle das ações, bem como a disseminação da cultura empreendedora são fatores de suma importância para o surgimento e sobrevivência das pequenas empresas.

2 2 1. Considerações iniciais As mudanças provocadas pelos avanços tecnológicos e a globalização das atividades socioeconômicas, juntamente com a terceirização, o crescimento no setor de serviços e o alto índice de desemprego, impulsionaram o surgimento de novos negócios. As micro e pequenas empresas (MPEs) são as maiores geradoras de emprego e renda e contribuem para o desenvolvimento das regiões menos desenvolvidas. Dai a sua importância para o desenvolvimento econômico e social de um país. Abrir uma pequena empresa tem sido uma alternativa para profissionais de diversas áreas de atuação, pessoas que têm o desejo de deixar de ser meros empregados, sem autonomia decisória, para se tornarem "livres" e independentes profissionalmente e financeiramente. Porém, nem sempre abrir um pequeno negócio é a melhor solução, pois o candidato a empresário poderá enfrentar diversos problemas se não incorporar o espírito empreendedor. Para iniciar um empreendimento, só uma boa idéia não é suficiente. É necessário transformar a idéia, que é abstrata, em algo concreto, de tal forma que aponte suas forças, fraquezas, oportunidades e ameaças, permitindo, assim, uma melhor análise da provável oportunidade de negócio. É preciso estudar antecipadamente as ações que serão realizadas ou postas em prática e quais os objetivos que se pretende atingir. O presente artigo objetiva analisar a relevância do planejamento na abertura de um empreendimento como fator crítico para a sobrevivência. Além disso, pretende-se mostrar a importância do plano de negócio na gestão da empresa. Considera-se o planejamento, a organização e a coordenação das ações antes da abertura de uma empresa muito importante, como também, para auxiliar no gerenciamento e desenvolvimento negócio. 2. As Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Cenário Econômico Nacional Ao estudar as MPEs (Micro e Pequenas Empresas), encontra-se dificuldade para classificar o seu porte. Podem ser usadas duas formas de classificação:

3 3 Os critérios quantitativos (número de empregados, valor de faturamento bruto anual, ativos fixos, capital e reservas), que são puramente econômicos e os critérios qualitativos, (usar trabalho próprio ou de familiares, pouca ou nenhuma divisão social e técnica do trabalho, pouca ou nenhuma incorporação do processo técnico, falta de poder de barganha nas negociações de compra e venda.) que mostram melhor a estrutura, organização e estilo de gestão da empresa (Leone, 1991). Apesar dos critérios qualitativos descrever melhor o comportamento da empresa, eles são menos utilizados do que os critérios quantitativos. Analisando esses critérios, eles podem não ser eficazes se forem utilizados de forma unilateral. Para Rattner (1985, p ), a passagem de uma dimensão para outra (pequena - média - grande) implica em mudanças qualitativas na estrutura da empresa e num aprofundamento da divisão de trabalho, técnica e social, na unidade produtiva. Portanto, a definição do tamanho por indicadores quantitativos (faturamento, ativos fixos, capital e reservas e, sobretudo, número de empregados) não nos fornece informações válidas e fidedignas sobre o comportamento real da empresa, sua articulação e posição dentro da estrutura hierárquica das unidades que concorrem no mesmo ramo e mercado. As MPEs são classificadas segundo o SEBRAE/NA utilizando o critério quantitativo de empregados e a Legislação em vigor com base no faturamento bruto anual Lei nº de 05/10/1999, que instituiu o Estatuto das micro e Pequenas Empresas (MPEs). Talvez seja melhor unir os dois critérios quantitativos (número de empregados e o faturamento), como mostra a tabela a seguir: Tabela 01: Classificação das Micro e Pequenas Empresas CRITÉRIOS QUANTITATIVOS Número de Empregados Setor de Atividade Comércio e Serviços Microempresa Até 09 empregados PORTE Pequena Empresa De 10 a 49 empregados Indústria Até 19 empregados De 20 a 99 empregados Agropecuária De 10 a 50 hectares De 51 a 100 hectares Faturamento Anual Até R$ ,00 Acima de R$ ,00 até R$ ,00 Fonte: Estatuto das Micro e Pequenas Empresas Lei nº de 05/10/1999, Simples Federal Lei nº de 05/12/1996 e SEBRAE Para Rattner (1985, p ), Embora os dados quantitativos sejam necessários para dimensionar e comparar certos aspectos, funções e problemas das

4 4 PME, existe uma necessidade premente de se obter informações complementares qualitativas, a fim de apreender a dinâmica e as tendências do processo de acumulação, bem como as funções diferenciais que nele desempenham, pequenas e grandes unidades produtivas. "Os critérios que forem adotados têm que ajudar a classificar as empresas, segundo seu porte, do melhor modo, para que os estratos resultantes possam ser melhor considerados tanto do ponto de vista econômico, como social e político (Leone, 1991, p59). O número de pequenas empresas aumenta a cada ano, continuando a ocupar lugar de destaque no cenário econômico dos países, especialmente na Itália. Fato evidenciado pela competição internacional das grandes e médias empresas, mas principalmente da infinidade de pequenas empresas que fazem da sua especialização, flexibilidade e intuição empresarial a base de sua vantagem competitiva, ocupando espaços disponíveis no mercado mundial que vem crescendo, graças ao aumento do grau de personalização e flexibilidade dos produtos, dos processos e das relações, que seguem a evolução da demanda orientada às necessidades mais sofisticadas, e á evolução da tecnologia "em rede". ( Casarotto & Pires, 1999) Na região italiana da Emilia Romagna, são mais de 300 mil empresas para quatro milhões de habitantes, ou seja, uma empresas para praticamente 13 habitantes. Em alguns locais, como Cesena, chega-se a uma empresa para cada seis habitantes. (Casarotto&Pires, 1999 p.19) Hoje neste mundo de economia globalizada, de ambiente altamente competitivo, há uma necessidade das empresas, principalmente a pequena, de trabalharem em conjunto, na complementaridade, na ajuda mútua, compartilhando recursos (financeiros, materiais, tecnológicos, humanos, etc.), informações e conhecimento, criando redes inter-relacionais possibilitando o desenvolvimento econômico das regiões onde são formadas. Há vários modelos e tipologias de redes. Segundo os autores: Para Ernst, citado por Cândido ( 2000), a formação de redes entre as empresas é organizadas em cinco tipos diferentes, que são: redes de produtores, fornecedores, coalizões padrão, clientes, cooperação tecnológica. Segundo Miles & Snow, citados por Cândido(2000), propõem um modelo de rede, no qual há uma relação de interdependência e inter-relacionamento entre as empresas. Tendo no eixo principal empresas de ligação de uma dinâmica de

5 5 relacionamentos, cada uma delas com função bem definida. Para os autores, as redes só funcionam adequadamente se houver divulgação das informações entre seus componentes e se houver confiança entre eles. Já os autores Laumann, Galaskiewics & Mardsen, citados por Cândido (2000), a formação de redes é baseada nos princípios de competição e cooperação. Nas redes formadas pelo modo competitivo, as empresas mesmo praticando ajuda mutua e compartilhamento mantém sua autonomia nas suas operações, e as formadas pelo modo cooperativo, as empresas tem seus objetivos particulares, mas sabem que o beneficio é maior quando buscam alcança-los juntas. O surgimento destas novas formas organizacionais, baseadas na cooperação, na complementaridade, na formação de redes inter-relacionais, proporciona às micro e pequenas empresas maior rentabilidade, flexibilidade e agilidade, proporcionando a busca de uma maior competitividade. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) As MPE s representam 99% de um universo de 3,4 milhões de empresas formais existentes no Brasil. (PEGN, Abril 2001). Fonte: Revista PEGN, abril /2001 a partir dos dados colhidos pelo IBGE. As micro e pequenas empresas são 98% de cerca de 4,5 milhões de empresas brasileiras. Empregam aproximadamente 60% da mão-de-obra e participam com 43% da renda gerada nos setores industriais, comerciais e de serviço, além de contribuir com algo em torno de 20% do produto interno bruto (PIB) do Brasil. (SEBRAE/NA, 1998). Estes dados são bastante significativos, e revelam a importância das MPE s para o desenvolvimento econômico do Brasil. Elas representam para a sociedade em geral um excelente agente de desenvolvimento, contribuindo para geração de

6 6 emprego e renda, distribuição de riquezas, criam condições de expansão e desenvolvimento das regiões ignoradas pelas políticas governamentais. Apesar de sua importância, as pequenas empresas enfrentam várias dificuldades, geralmente decorrentes da falta de conhecimento de seus dirigentes sobre como gerenciar o empreendimento, da falta de um planejamento prévio do negócio e do desconhecimento do mercado onde atuam. Muitas empresas fecham as portas antes mesmo de completar um ano de vida. Uma pesquisa realizada em 12 estados pelo Sebrae Nacional e pela Gerencia de Planejamento, Estudo e Pesquisa (Gepep) mostra que a taxa de extinção de negócio no primeiro ano varia entre 30% e 61%; no segundo ano, vai de 40% a 60% e no terceiro ano, de 55% a 73%. (PEGN, 01/2001). As principais causas da mortalidade na ótica dos empresários e dos consultores são apresentadas a seguir. Quadro 01: Causas da Mortalidade dos pequenos empreendimentos CAUSAS DA MORTALIDADE SEGUNDO EMPRESÁRIOS SEGUNDO CONSULTORES Falta de capital de giro Desconhecimento do mercado. Carga tributária elevada Falta de capital de giro Recessão econômica no país Concorrência + ágil e preços melhores Maus pagadores Desconhecimento técnico Problemas financeiros Modismo Concorrência muito forte Saque de dinheiro para despesas pessoais Escassez de cliente Baixo investimento em comunicação Falta de crédito Descontrole contábeis e administrativo Mão-de-obra sem qualificação Baixa qualificação de mão-de-obra Ponto inadequado Nível de dívidas bancárias insustentável Fonte: Revista Pequenas empresas (PEGN) janeiro/2000 Segundo Silva ( 1998, p. 24): a sobrevivência de uma empresa depende de investimentos em tecnologia e desenvolvimento de novos produtos, capacitação de recursos humanos e implantação de uma filosofia empresarial que leva a empresa a tarefa empresarial de produzir produtos e/ou serviços com qualidade, de acordo com padrões de conduta aceitos pela sociedade.

7 7 3. A Importância do Empreendedor para o desenvolvimento das pequenas empresas. Iniciar um negócio não é tarefa fácil. Cabe ao candidato a empresário confiar em si e na sua idéia, se empenhar e se preparar para executá-la com determinação, criatividade e agilidade, observando as tendências do mercado em tempo hábil, para que a oportunidade não seja perdida. Enfim, é preciso ter espírito empreendedor. "O espírito empreendedor é, portanto uma característica distinta, seja de um individuo, ou de uma instituição. Não é um traço de personalidade."(drucker, 1987 p.33) Para Joseph Schumpeter, citado em Drucker (1987), um dos pioneiros no estudo sobre a importância do empreendedorismo no desenvolvimento econômico dos países, o empreendedor é um ser visionário, um homem de iniciativa, capaz de criar e desenvolver coisas novas, que provoca impacto na economia. Segundo Fillion citado por Dolabela (1999) o empreendedor "é uma pessoa que imagina, desenvolve, e realiza visões" Gerber (1996) afirma que o empreendedor "é o visionário dentro de nós. O sonhador. A energia por trás de toda atividade humana. A imaginação que acende o fogo do futuro. O caçador das mudanças (...) é a personalidade criativa; sempre lidando melhor com o desconhecido, perscrutando o futuro, transformando possibilidades em probabilidades, caos em harmonia." Já para Fortin citado por Dolabela (1999) Empreendedor "é uma pessoa capaz de transformar um sonho, um problema ou uma oportunidade de negócio em uma empresa viável." Para Drucker (1987), os empreendedores são inovadores, e todos aqueles que sabem enxergar as mudanças e aproveitá-las, pessoas que identificam e agarram oportunidades, buscam auxílio para transformar as oportunidades em negócios. O empreendedor confia plenamente em si, faz concessões e sacrifícios pela sua idéia para obter as recompensas no futuro, sabe agir diante das contrariedades, é ágil nas decisões, insiste nos seus sonhos, mesmo diante dos obstáculos e dificuldades que aparecem no caminho. Nem todos ficam ricos e conquistam fama. Muitos passam por diversos fracassos até aprender. Outros dependem de sócios e colaboradores para

8 8 suprir suas deficiências, mas todos, de uma forma ou de outra, contribuem para o desenvolvimento. Todos nós temos capacidade e potencial que podem ser desenvolvidos para nos tornamos empreendedores bem sucedidos. (Dolabela, 1999). Para tornar-se um empreendedor de sucesso é preciso ter imaginação, determinação, habilidade de organizar, liderar pessoas, ter humildade de reconhecer suas deficiências e procurar supri-las, pois o empreendedor é eixo de sustentação da pequena empresa. Cabe a ele tomar todas as decisões; suas características influenciam muito no andamento dos negócios. Alguns pretensos empreendedores acham perda de tempo escrever sobre sua idéia, que já conhece bem, ou ainda têm medo de colocá-la no papel com receio de que seja copiada. Iniciam o negócio prematuramente sem um planejamento, investem suas economias, achando que tudo sairá como foi imaginado. Quando os problemas começam a aparecer, como a falta de capital de giro, problemas com funcionários, com fornecedores e a concorrência, não sabem ou sentem muita dificuldade em resolvê-los e acabam falindo em pouco tempo. Um planejamento não impediria que os problemas aparecessem, mas ajudaria a resolvê-los. 4. Planejamento: fator determinante para a sobrevivência e o crescimento das pequenas empresas. Planejar um empreendimento é um processo dinâmico, necessariamente flexível para incorporar as mudanças imprevistas no ambiente. Não é adivinhar o futuro, mas tentar prevê-lo com o objetivo de minimizar as incertezas e tentar evitar supressas. É claro que nenhuma empresa sobrevive sem um adequado gerenciamento do dia-a-dia. Todavia, a chave do sucesso é aliar as ações presentes com uma postura voltada para o futuro. Quem planeja estrategicamente as ações avalia as perspectivas a curto, a médio e a longo prazo, passa a entender melhor o mercado, antecipa-se as situações desfavoráveis e tenta estabelecer subsídios para manter um bom nível de competitividade. Como afirma Filion, citado em Dolabela (1999), "antes de tomar qualquer iniciativa, isto é, antes de "por a mão na massa", o empreendedor precisa dispor de uma estrutura de pensamentos sistêmicos e visionários".

9 9 O planejamento não evita os riscos, mas pode preveni-los dando condições de enfrentá-los, possibilitando a busca de melhores soluções. Uma forma de planejar um novo empreendimento, de fazer sua idéia imaginária, em algo real, é elaborar um plano formal de negócio. Mas o que é plano de negócio? Segundo Dolabela (1999, p.127) O plano de negócio é a validação da idéia, a análise de sua viabilidade como negócio. Ele emula a forma de percepção e apreensão da realidade utilizada pelo empreendedor. O Plano de Negócio é mais que um documento. É um processo onde o empreendedor reúne informações sobre as característica, condições e necessidades do futuro empreendimento, descrevendo metas e objetivos do seu negócio. Possibilita ao empreendedor analisar a viabilidade de sua idéia de negócio. Por isso, é muito importante elaborá-lo. Ele não garante o êxito do negócio, mas dá credibilidade e autoridade à idéia e aponta direções a seguir. Segundo Longenecker et al (1997), um bom Plano de Negócios pode trazer os seguintes benefícios: Reúne, em um único documento, todas as informações necessárias para iniciar o empreendimento, procurando minimizar os erros; obriga o empreendedor a fazer uma avaliação do potencial do lucro e crescimento do novo negócio, suas necessidades financeiras e operacionais; do ponto de vista mercadológico, contribui para a elaboração de uma estratégia competitiva, a partir do estudo do mercado; Ajuda na captação de recursos, sejam através de sócios, ou de investidores para o negócio. Atualmente, a maioria das agências de financiamento condiciona a concessão de crédito à apresentação de um Plano de Negócios para o empreendimento. Ajuda na organização administrativa da empresa, sobretudo no recrutamento e seleção dos empregados, bem como auxilia na distribuição de atribuições entre as várias áreas funcionais da organização, servindo como um elemento norteador do negócio. " O processo de elaboração de um plano de negócio exige um trabalho de pesquisa sério e detalhado por parte do empreendedor, pois ele tem que encontrar respostas para uma série de perguntas, tais como: Será que estou disposto e preparado para levar esta idéia à diante? Onde posso encontrar auxílio para suprir minhas

10 10 deficiências? Qual é o meu negócio? Quais são os meus produtos e serviços? Qual será a aceitação dos meus produtos ou serviços no mercado? Quem são os meus clientes? Onde me estabelecer? Quem são meus concorrentes? Quem são e onde estão meus fornecedores? Qual será o meu investimento inicial? Como vender meu produto ou serviço? Em quanto tempo terei retorno do meu investimento? Essas questões ajudarão o empreendedor a definir sua idéia de negócio, a estrutura do empreendimento, nível de demanda para seus produtos ou serviços, número de concorrentes. Além disso, será capaz de descobrir uma vantagem competitiva e com isso estabelecer mecanismos capazes de convencer investidores e colaboradores a formar parcerias. Um plano de negócio bem elaborado, além de ser uma ferramenta de estruturação, implementação e gestão do empreendimento, proporciona o conhecimento dos aspectos ambientais, técnicos, mercadológicos, jurídicos e organizacionais que definirão o futuro do negócio. Com isso, a idéia torna-se atraente para investidores e para adquirir capital junto aos agentes financeiros. Segundo DOLABELA (1999, p.209) ao redigir um plano de negócio é fundamental lembrar que: deve ser completo, bastante claro, ter linguagem simples (evitar, sempre que possível, termos técnicos, siglas etc.); o sumário executivo deve ser excelente e não ultrapassar duas páginas: ele indicará se o plano de negócio merece ser analisado ou abandonado; nenhuma informação deve ser dada sem a citação da fonte; o tom será sempre afirmativo, não se deve usar o tempo de verbo no condicional; jamais deixar dúvidas. Os tópicos para a elaboração de um plano de negócio geralmente são: capa, sumário, resumo executivo, descrição da empresa, plano e estratégias de marketing e o plano financeiro. A seguir apresento um roteiro a ser seguido por qualquer indivíduo que queira iniciar ou expandir um pequeno negócio. Esse roteiro foi criado, levando em consideração a análise baseadas em alguns autores, Tais como: Dorabela (1999); Ferreira (1980); Chiavenato (1995); Geber (1995), do SEBRAE.

11 11 5. Roteiro para elaboração de um plano de negócio Capa - deve conter o título do plano, a data de elaboração, o nome e endereço do autor do plano, bem como uma boa apresentação visual. Sumário deve indicar as páginas onde estão os principais tópicos, de forma clara e objetiva. Resumo Executivo - deve ser elaborado por último, quando já estiver de posse de todas as informações, de forma resumida e clara para despertar o interesse do leitor, convencendo-o a analisar todo o plano. Deve conter os objetivos do plano; os benefícios que oferecerá aos seus clientes e as necessidades que esses benefícios atenderão; as competências dos responsáveis; os produtos e serviços e a tecnologia a serem utilizadas; quais os elementos de diferenciação do negócio em relação à concorrência; a previsão de venda e a rentabilidade. Descrição da Empresa - neste item devem estar o propósito e os objetivo da empresa, sua razão de ser, como é a estrutura organizacional e legal, o que faz ou produz, como faz ou produz, para quem faz ou produz, onde está localizada. Plano de Marketing - este item deve conter os produtos/serviços oferecidos pela empresa: suas características, qualidades, área de atuação, clientela em potencial etc.; Análise de mercado (concorrentes, fornecedores, Clientela alvo); elementos que vão distinguir sua empresa dos concorrentes, que são capazes da atrair o cliente; a localização; como será feita a comercialização; como será a distribuição dos produtos/serviços; qual o preço de venda dos produtos/serviços. Como serão feitas as propagandas e promoções. Plano Financeiro - este item contém todas as projeções financeiras, é através dele que saberá se a idéia é viável, se vale à pena investir ou não. O plano financeiro mostrará o valor inicial do investimento, custos totais, receitas e despesas totais esperadas, direitos e obrigações fiscais, demonstração de resultados, taxa e tempo de retorno do investimento, necessidade de capital de giro. Anexos - contendo relatório dos resultados das pesquisas realizadas. (com clientes, fornecedores, concorrentes, etc.) Apesar da estrutura do plano de negócio ser geralmente a mesma, ele pode torna-se mais complexo ou menos complexo dependendo do porte, do tipo de atividade a ser explorada pela empresa.

12 12 6. Considerações finais No mundo de economia globalizada e de rápidas mudanças tecnológicas, o acirramento da concorrência no mercado de trabalho aumenta a cada dia, e isso tem despertado interesse, nos mais diversos profissionais, para trabalharem por conta própria impulsionando o surgimento de novos negócios. Mas é sabido que a velocidade das mudanças, a concorrência, e a falta de planejamento têm deixado os pequenos empresários com sérias dificuldades, muitas vezes ocasionando a morte prematura de suas empresas. A partir do estudo realizado, percebeu-se que as pequenas empresas têm uma grande importância socioeconômica para o país; verificou-se ainda a importância de fazer um questionamento profundo sobre o futuro e aptidões dos candidatos a empresários, ressaltando a necessidade de planejar estrategicamente as ações, organizálas e coordená-las antes de iniciar, como também para gerenciar um empreendimento. O plano de negócio é uma ferramenta de planejamento eficiente e muito importante na implantação de um empreendimento, possibilitando uma avaliação melhor do negócio. Existem vários modelos de plano de negocio. Basicamente, eles têm a mesma estrutura, e cabe ao empreendedor escolher o que melhor se adequa ao tipo de negócio. Diante do que foi discutido no presente artigo, pode-se afirmar que o planejamento é um fator indispensável para um bom gerenciamento e êxito de qualquer negócio. Cabe ao empreendedor se conscientizar da sua importância e utiliza-lo como um mecanismo de apoio na criação e na gestão do seu empreendimento. Nelijane Ricarte é concluinte do curso de Especialização em Gestão de Micro e Pequena Empresa - IESP

13 13 5. Referências Bibliográficas CASAROTTO FILHO, Nelson, PIRES, Luis Henrique, Redes de Pequenas e Médias Empresas e Desenvolvimento Local. Editora Atlas, São Paulo, DEGEN, Ronald Jean, O Empreendedor: Fundamentos da iniciativa Empresarial, Mcgraw-Hiel, São Paulo DOLABELA, Fernando, O Segredo de Luiza, Cultura Editores Associados, São Paulo DOLABELA, Fernando, Oficina do Empreendedor, Cultura Editores Associados, São Paulo DRUCKER, Peter F., Inovação e Espirito Empreendedor, Prática e Princípios, 5ªedição, Pioneira, São Paulo, FERREIRA, F. Whitaker. Planejamento: Sim e Não. Rio de Janeiro, Paz & Terra 1980 GERBER, Michel E. O mito do Empreendedor revisado: como fazer de seu empreendimento um negócio bem sucedido. São Paulo: Saraiva, 1995 LEI de 05/10/1999, Estatuto das micro e pequenas empresas LEONE, Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra. A Dimensão Física das Pequenas e Médias Empresas.A procura de um critério homogeneizador. Revista de administração de empresas. São Paulo: v.31,n02p.53-59, abr/jun.,1991. LONGENECKER, J. G., MOORE, C. W., PETRY, J. W. Administração de pequenas empresas. São Paulo: Makron Books, SEBRAE, Como abrir seu próprio negócio, Brasília/ DF SEBRAE, O Perfil Empreendedor, Brasília/ DF. SEBRAE, Como planejar sua empresa, Roteiro para o Plano de Negócio, volume 2, Brasília SILVA, Anielson Barbosa da, A Pequena empresa na busca da excelência. João Pessoa. UFPB/Editora universitária, Notas de Texto: 1. CÂNDIDO, Gesinaldo Athaide., Competitividade e inovação organizacional, IESP, João Pessoa, SEBRAE/NA, A Questão Ambiental e as Empresas. Meio Ambiente e a Pequena Empresas, Brasilia/1998.

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE INTRODUÇÃO AO EMPREENDEDORISMO Prof. Marcos Moreira Conceito O empreendedorismo se constitui em um conjunto de comportamentos e de hábitos que podem ser adquiridos, praticados e reforçados nos indivíduos,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

Empreendedorismo: Fator Chave para o Êxito Profissional

Empreendedorismo: Fator Chave para o Êxito Profissional Empreendedorismo: Fator Chave para o Êxito Profissional Adm. Alvaro Mello alvaro@teletrabalho.info Conceito O empreendedorismo se constitui em um conjunto de comportamentos e de hábitos que podem ser adquiridos,

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE JULIANA APARECIDA DE SOUZA REIS MAIARA NATALIA MARINHO DUARTE SUSELI SANTOS DIAS RESUMO Neste artigo temos por objetivo apresentar que as micros e pequenas

Leia mais

Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade

Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade Prof. MSc. Afrânio Maia Miglioli (REGES) afraniomm@uol.com.br Prof. Dr. Antônio Fernando Traina (UNAERP) atraina@unaerp.br

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA Marco Antonio Henrique 1, Marlene Ferreira Santiago 2, Monica Franchi Carniello 3, Fábio Ricci 4 1,2,3,4 Universidade de Taubaté/ Pró-reitoria

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE NOVOS EMPREENDEDORES

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE NOVOS EMPREENDEDORES ANAIS DO I EGEPE, p. 123-131, out./2000 (ISSN 1518-4382) PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE NOVOS EMPREENDEDORES CARLOS AUGUSTO CANDÊO FONTANINI (Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUC/PR) Resumo O presente

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques "Um bom plano de negócios deve mostrar claramente a competência da equipe, o potencial do mercado-alvo e uma idéia realmente inovadora; culminando em um

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Estamos presentes em 20 estados

Estamos presentes em 20 estados http://goo.gl/7kuwo O IDEBRASIL é voltado para compartilhar conhecimento de gestão com o empreendedor do pequeno e micro negócio, de forma prática, objetiva e simplificada. A filosofia de capacitação é

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA RESUMO

PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA RESUMO 43 PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA Vivian Silveira Ferreira Eliane Vargas de Campos RESUMO Vive-se uma nova realidade no mercado brasileiro onde as micro e pequenas

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES

PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES 1 PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES Angela Brasil (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas -AEMS) E-mail:angelabrasil@ibest.com.br Cleucimar Aparecida Pereira Prudente

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI Empreendedorismo Por que abrir uma empresa? Por Oportunidade Empreendedorismo Por Necessidade Empreendedorismo por Necessidade Criação de empresas visando à sobrevivência e ao sustento familiar por falta

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 6 PLANO DE NEGÓCIOS (PN): UMA VISÃO GERAL - O QUE É E PARA QUE SERVE? Plano de negócios (do inglês business plan), também chamado plano empresarial, é um documento que especifica, em linguagem

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Os Objetivos Foram Definidos de Modo a Complementar os Estudos Necessários para Responder ao Problema de Pesquisa Proposto

Os Objetivos Foram Definidos de Modo a Complementar os Estudos Necessários para Responder ao Problema de Pesquisa Proposto Gestão de Pequenas e Médias Empresas Brasileiras por Sistema de Consórcio Trabalho de Conclusão de Curso - TCC MBA Executivo Internacional - Turma 34 Fábio Mattos Fernando Alcântara Fernando Moulin Jorge

Leia mais

Aula 2 Assunto: Modelos para Plano de Negócios

Aula 2 Assunto: Modelos para Plano de Negócios DISCIPLINA: Gestão Empresarial Aula 2 Assunto: Modelos para Plano de Negócios Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros

Empreendedorismo. Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Empreendedorismo Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Panorama histórico Empreendedores medievais Panorama histórico Desde a antiguidade até a Revolução Industrial (Século XVIII), o trabalho sempre foi feito

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA

PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA FELIPE RABELO DE AGUIAR Graduando do Curso de Ciências Contábeis da UFPA feliperabelo11@yahoo.com.br Héber Lavor Moreira Professor Orientador

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

NEGÓCIOS I PLANO DE PLANO DE NEGÓCIOS I. Ementa. Aula 1 PLANO DE NEGÓCIOS I. Prof. Fábio Guerra guerra@f12consultoria.com.br PLANO DE NEGÓCIOS I

NEGÓCIOS I PLANO DE PLANO DE NEGÓCIOS I. Ementa. Aula 1 PLANO DE NEGÓCIOS I. Prof. Fábio Guerra guerra@f12consultoria.com.br PLANO DE NEGÓCIOS I Aula 1 PLANO DE NEGÓCIOS I Prof. Fábio Guerra guerra@f12consultoria.com.br Ementa Como preparar um Plano de Negócios. Razões para elaborar um Plano de Negócios. Estrutura do Plano de Negócios. Concepção

Leia mais

SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU

SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU SIMPÓSIO ENSINO MÉDIO INTEGRADO FOZ DO IGUAÇU E I X O T E C N O L Ó G I C O : G E S T Ã O E N E G Ó C I O S O F I C I N A 2 : G E S T Ã O D E P E S S O A S E P R E S T A Ç Ã O D E S E R V I Ç O S Consultora

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 31/08/2015 Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Geanderson Geraldo Silva Oliveira geandersongg@yahoo.com.br

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS

EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS 1900 1910 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1980 1990 2000 Racionalização do trabalho: gerência administrativa Relações humanas: processo Movimento estruturalista: gerência

Leia mais

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas Geovana Alves de Lima Fedato 1 Claiton Pazzini Goulart 2 Lyss Paula de Oliveira

Leia mais

Coleção ajuda no sucesso profissional

Coleção ajuda no sucesso profissional COLEÇÃO Unic Josafá Vilarouca Renata Tomasetti (11) 5051-6639 josafa@unicbuilding.com.br renata@unicbuilding.com.br Coleção ajuda no sucesso profissional Série lançada pela Publifolha possui 36 títulos,

Leia mais

Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região PLENÁRIA

Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região PLENÁRIA Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região CRB 7ª PLENÁRIA Programação 18:00 às 19:30 Apresentação dos trabalhos desenvolvidos pelo CRB 7ª 19:30 às 20:30 Palestra Empreendedorismo e Intraempreendedorismo

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

PARTE VI O Plano de Negócios

PARTE VI O Plano de Negócios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

6. Planejamento do Negócio

6. Planejamento do Negócio 6. Planejamento do Negócio Conteúdo 1. O que é um Plano de Negócios 2. Elaboração de um Plano de Negócios 3. Sessões Propostas para um Plano de Negócios 4. Idéias para um Plano de Negócios 5. Sites para

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 PLANO DE NEGÓCIOS 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO O Plano de Negócios é parte fundamental do processo empreendedor, visto que os empreendedores precisam saber planejar suas ações e delinear

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

ETAPAS DO PROCESSO DE CRIAÇÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS. São muitos os motivos pelos quais as pessoas decidem montar sua própria empresa:

ETAPAS DO PROCESSO DE CRIAÇÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS. São muitos os motivos pelos quais as pessoas decidem montar sua própria empresa: ETAPAS DO PROCESSO DE CRIAÇÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS SER EMPREENDEDOR São muitos os motivos pelos quais as pessoas decidem montar sua própria empresa: Sensação de liberdade; Provar que é capaz; Certeza do

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS COM FOCO EM PROJETOS DE CRIAÇÃO DE MPEs. Profª. Esp. Eliane R. R. Message elianerro@gmail.com

PLANO DE NEGÓCIOS COM FOCO EM PROJETOS DE CRIAÇÃO DE MPEs. Profª. Esp. Eliane R. R. Message elianerro@gmail.com PLANO DE NEGÓCIOS COM FOCO EM PROJETOS DE CRIAÇÃO DE MPEs Profª. Esp. Eliane R. R. Message elianerro@gmail.com QUEM SOU... 1/30 Graduada em Informática para Gestão de Negócios Especialista em Gestão Empresarial

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ESCOLA DE IDIOMAS PARA CRIANÇAS

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ESCOLA DE IDIOMAS PARA CRIANÇAS OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ESCOLA DE IDIOMAS PARA CRIANÇAS 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Motivações e Competências Pessoais

Motivações e Competências Pessoais O PERFIL EMPREENDEDOR Motivações e Competências Pessoais A criação e a consolidação de empresas bem sucedidas num mercado competitivo depende de um conjunto de factores que não podem ser reduzidos à personalidade

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo

UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo PLANO DE ENSINO Novo Contexto Educacional ENSINO X APRENDIZAGEM SEGUNDO LESSARD Novo Contexto Educacional

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Empreendedorismo: ideias de negócio e desenvolvimento local

Empreendedorismo: ideias de negócio e desenvolvimento local Empreendedorismo: ideias de negócio e desenvolvimento local Ivone Junges João Antolino Monteiro Thais Tonon Grupo de Pesquisas em Empreendedorismo e Gestão de Micro e Pequenas Empresas Definições dos Termos

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo PN PLANO DE NEGÓCIOS Conceito PLANO DE NEGÓCIO É um documento que contempla a descrição do empreendimento e o modelo de gestão que sustentará a empresa É O CARTÃO DE VISITA DA EMPRESA Plano de Negócio

Leia mais

Proposta para Formataça o de Franquia

Proposta para Formataça o de Franquia Proposta para Formataça o de Franquia 1- O sistema de franchising para o seu negócio Quando falamos de franchising, não estamos falando de algum modismo e, sim, de um sistema de negócios que veio para

Leia mais

ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA AUXÍLIO NA ABERTURA DE MICROEMPRESAS

ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA AUXÍLIO NA ABERTURA DE MICROEMPRESAS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário Plano de Negócios Plano de Negócios Sumário Introdução... 3 Plano de Negócios... 3 Etapas do Plano de Negócio... 3 Fase 1... 3 Fase 2... 8 Orientação para entrega da Atividade de Avaliação... 12 Referências

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Por: Luiz Gustavo Gomes Curvelo Orientador: Professor: Nelson Magalhães Rio de Janeiro

Leia mais

O Empreendedor Fabiano Marques

O Empreendedor Fabiano Marques O Empreendedor Fabiano Marques O interesse pelo empreendedorismo no mundo é algo recente. Neste sentido, podese dizer que houve um crescimento acentuado da atividade empreendedora a partir de 1990. Com

Leia mais

CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido PLANO DE NEGÓCIOS. Everaldo da Silva Inajara Rubel Mendes Luan Philippe Pilatti Barbosa

CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido PLANO DE NEGÓCIOS. Everaldo da Silva Inajara Rubel Mendes Luan Philippe Pilatti Barbosa 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PLANO DE NEGÓCIOS Everaldo

Leia mais

Administração de Pequena e Média Empresas (PME s)

Administração de Pequena e Média Empresas (PME s) Administração de Pequena e Média Empresas (PME s) Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal larissabbl@hotmail.com 3047-2800 9161-7394 Conteúdo Programático Constituição de uma pequena ou média empresa.

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Av. Antônio Sales, 2371 loja 113 Dionísio Torres Fortaleza, CE

Av. Antônio Sales, 2371 loja 113 Dionísio Torres Fortaleza, CE Av. Antônio Sales, 2371 loja 113 Dionísio Torres Fortaleza, CE www.epossivelsim.com.br 3224.4940/3088.6161 INTRODUÇÃO Em nossa vida, é necessário planejarmos com cuidado em que direção pretendemos focar

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA SUMÁRIO

GESTÃO INTEGRADA SUMÁRIO SUMÁRIO 1. MISSÃO... 3 2. VISÃO... 3 3. PRINCÍPIOS... 3 4. CENÁRIOS... 3 4.1. ARUJÁ... 3 5. POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO... 5 6. ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS... 6 6.1 DIRETRIZES ESTRATÉGICAS... 6 6.2 ESTRATÉGIAS

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

e coletânea dos assuntos relacionados ao gerenciamento da informação em micro e pequenas empresas.

e coletânea dos assuntos relacionados ao gerenciamento da informação em micro e pequenas empresas. O gerenciamento da informação nas micro e pequenas empresas Sérgio Thode Filho, M.Sc. (UNICARIOCA) thode@oi.com.br Marco Antônio Farah Caldas, P.hD. (UFF) macaldas@logis.uff.br RESUMO: O segmento de micro

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 OBSERVAÇÃO: Esta apresentação é quase que a totalidade de uma apresentação do consultor em planejamento estratégico e palestrante Mario

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais