MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE (MI) (SELEÇÃO DE CONSULTORES) Programa de Modernização de Instrumentos e Sistemas de Gestão da Administração Pública Federal SOLICITAÇÃO PARA A APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE N o 08/2014 do Contrato de Empréstimo nº 2192/OC-BR. Processo nº / Seleção Baseada na Qualidade e Custo nº 08/2014. A República Federativa do Brasil recebeu um financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), e se propõe a utilizar parte destes fundos para efetuar pagamentos de despesas elegíveis em virtude do Programa de Modernização de Instrumentos e Sistemas de Gestão da Administração Pública Federal para prover os seguintes serviços de consultoria: Projeto de Engenharia e Gerenciamento da Plataforma de Ativos de Software do Governo Federal Orientado a Ecossistemas de Software no prazo de 12 (doze) meses. O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão convida os consultores elegíveis a apresentar o seu interesse na execução dos serviços solicitados. Os consultores interessados (empresas) deverão fornecer informação que demonstre que estão qualificados para prestar os serviços (folhetos, descrição de serviços semelhantes executados, experiência em condições idênticas, corpo técnico adequado etc.). É permitida a associação em consórcio para melhorar as suas qualificações. Os consultores serão selecionados de acordo com os procedimentos estabelecidos nas Políticas para Seleção e Contratação de Consultores Financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (edição atual), e está aberta a todos os Consultores de Países Elegíveis, conforme definido nestas normas. Os Consultores interessados poderão obter mais informação por meio do endereço abaixo indicado, durante o horário comercial [08h00-12h00 e 14h00-18h00]. As manifestações de interesse deverão ser enviadas via postal, ou correio eletrônico ao endereço abaixo indicado o mais tardar até às 18h do dia 05/11/2014.

2 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Diretoria de Administração Coordenação-Geral de Aquisições Coordenação de Compras At: Priscila Alves de Castro Chefe de Divisão Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Esplanada dos Ministérios, Bloco K, Sala 216, CEP: , Brasília/DF - Brasil. Tel: Fax: / com cópia para e 1. Objeto Contratação de empresa para especificação dos elementos estratégicos da plataforma de ativos de software de Governo, execução de estudos dirigidos e experimentais sobre cada elemento estratégico (gestão de portfólio, gerenciamento de projetos de software, redes sociais, versionadores, estatísticas) e especificação da estratégia de gerenciamento dos ativos de software orientado ao ecossistema de software do Governo. 2. Resultados Esperados No contexto do MP, apensar o desenvolvimento de software orientado a ECOS corresponde à necessidade de integração e de otimização de custos das atividades deste processo com as das suas secretarias e departamentos, fornecedores e clientes (áreas de negócio). Isso motiva a pesquisa para apoiar a concepção (definição) de um ambiente de ECOS, também denominado PAS, para apoiar a engenharia e o gerenciamento dos ativos de software do MP, que possa dar suporte ao seu processo de desenvolvimento e manutenção. Este cenário gera impactos nas relações com clientes e fornecedores, notadamente verificados por alguns elementos críticos relacionados a custo, cronograma, esforço e qualidade do processo em áreas como gestão de portfólio, desenvolvimento colaborativo, gestão de projetos, medição/métricas, aquisição/contratação e modelagem de arquitetura de software e de sistemas. Consequentemente, o MP enxerga como estratégico investir esforços na pesquisa exploratória acerca das necessidades de uma PAS, que melhor atenda às demandas de

3 software, sistemas e serviços relacionados, o que envolve o Governo e a sociedade. Isso representa a governança do MP sobre a PAS visando organizar um ambiente de ECOS sustentável e diversificado. Entre os resultados esperados, pode-se mencionar: o pesquisa e desenvolvimento de um modelo conceitual inicial da PAS, que norteie o trabalho a ser realizado neste projeto, assim como a geração de um modelo conceitual evoluído ao final deste projeto, que contemple o modelo da rede de produção de software e da rede socio-técnica do ECOS do MP; o especificação da estratégia de governança do MP sobre os ativos de software, que dará suporte à compreensão das características destes ativos, bem como a um guia de procedimentos que melhor exponha elementos envolvidos em sua engenharia e gerenciamento; o estudos experimentais sobre tecnologias (algoritmos, métodos, processos e/ou ferramentas) que permitam compreender e avaliar melhor as dimensões e elementos envolvidos na concepção da PAS na perspectiva dos ECOS; o avaliação de elementos de processo de desenvolvimento de software do Processo de Entrega de Soluções da DTI (e talvez de processos de software de outros departamentos) para compreender alguns impactos da forma de produção de software sobre o ambiente do ECOS e suas dimensões no MP. 3. Produtos a Serem Fornecidos Os produtos desta contratação serão voltados para consultoria na pesquisa e concepção de um ambiente para engenharia e gerenciamento de ativos de software no MP, contando com regras de negócio e documentação disposta pelo MP. Os produtos serão compostos por documentos, scripts e transferência de tecnologia, conforme destacados a seguir: Plano de Projeto da Consultoria em ECOS o O Plano de Projeto é um documento que contém o cronograma de atividades da consultoria, seu plano de execução, de comunicação, riscos envolvidos e outras descrições que suportem à tomada de decisão gerencial da consultoria. O Plano de Projeto é um importante artefato de acompanhamento e é um documento que pode e deve ser alterado de acordo com repriorizações realizadas pela alta gerência relacionada à consultoria.

4 o PRODUTO 1 - Plano de Projeto da Consultoria em ECOS Modelo Conceitual Inicial da PAS o Pesquisa e desenvolvimento de um modelo conceitual inicial (ou arquitetura conceitual) da PAS, que permita identificar, mapear, integrar e evoluir alguns componentes estratégicos das dimensões de ECOS e alguns elementos de governança de ativos de software. Entre os mecanismos envolvidos no modelo conceitual da PAS, pode-se mencionar busca e recuperação, armazenamento, classificação, publicação, documentação, avaliação e evolução. o PRODUTO 2 - Documento de Especificação do Modelo Conceitual Inicial da PAS Especificação da Estratégia de Governança do MP sobre os Ativos de Software o Um ativo de software é qualquer produto de cunho computacional que é gerado durante o ciclo de vida do software. Do ponto de vista de ECOS, um ativo de software é todo componente, serviço (webservice), aplicação e/ou necessidade que pode ser consumido interna ou externamente a uma organização, para auxiliar as atividades recorrentes do seu dia a dia. Dados, processos e leis relacionados a software também são incluídos. No MP, estes ativos podem ser públicos ou proprietários e, frente à justificativa discutida em seções anteriores, devem ser gerenciados por meio de um ambiente de ECOS, cujo ator central é o MP. o Do ponto de vista econômico, esta governança do MP dá suporte ao processo de desenvolvimento e aquisição de software, pois amplia o número de usuários e/ou clientes possíveis, com interesses comuns ou não, bem como favorece a interação com os fornecedores. Além disso, pode-se saber exatamente quem são os clientes e/ou usuários de seus produtos e quais de seus ativos cada um deles está adquirindo através de seu inventário. No que diz respeito às organizações consumidoras, i.e., órgãos do Governo, usuários e demais clientes, a gestão dos ativos adquiridos por meio de um ambiente

5 de ECOS é de suma importância, pois a sua manutenção e evolução está vinculada às necessidades e licenças de cada ativo. o Além disso, a compreensão do ciclo de vida destes ativos de software pode demandar a organização de um modelo da Rede de Produção de Software e da Rede Socio-técnica. Os itens relacionados são: Governança dos Ativos de Software do Governo: realização de estudos conceituais e pesquisas para definição e modelagem das características destes ativos (e seus tipos) e de um conjunto de critérios para gerir o seu ciclo de vida, i.e., aceitação, classificação, certificação, avaliação, licenciamento e descontinuidade na PAS. Inclui ainda a definição conceitual de um mecanismo de busca, armazenamento, publicação, recuperação, registo de dados de utilização e ciclo de vida destes ativos. As fontes a serem utilizadas envolvem normas e modelos como ISO/IEC (software asset management), ISO/IEC (software life cycle processes), Modelo MPS (Melhoria de Processo de Software), Modelo CMMI (capability maturity model integration) e RAS (reusable asset specification). Avaliação de Ativos de Software do MP: elaboração de um instrumento de pesquisa e desenvolvimento que possa ser instanciado para avaliar casos reais de governança do MP aplicada a um dado tipo de ativo de software de interesse do MP a fim de prover diagnósticos. O método envolve estruturar um template que contempla os principais elementos relacionados ao processo de avaliação de ativos de software do MP: Requisitos: lista de necessidades de um tipo de ativo de software; Critérios: diretrizes para avaliação dos requisitos de um tipo de ativo de software; Avaliações: aplicação dos critérios sobre um caso real do MP a fim de verificar a atendimento aos requisitos de um tipo de ativo de software;

6 Estudos experimentais: planejamento e execução de estudos que permitam melhor avaliar determinado caso real; Diagnóstico: análise dos resultados e indicações da estratégia de governança do MP. Instanciação do Método de Avaliação para Ativos de Software: escolha de um determinado caso real, que envolve um ou mais ativos de software de interesse do MP (a ser acordado com este), a fim de avaliar a estratégia de governança produzida. o PRODUTO 3 Documento da Estratégia de Governança do MP sobre os Ativos de Software o PRODUTO 4 Documento de Especificação do Método de Avaliação de Ativos de Software do MP o PRODUTO 5 Plano e Relatório da Execução do Método de Avaliação para um Caso de Ativo de Software do MP Especificação do Método de Avaliação dos Componentes Estratégicos da PAS o O método de avaliação dos componentes estratégicos consiste em um instrumento de pesquisa e desenvolvimento que possa ser instanciado para avaliar um ou mais componentes de cada dimensão do ambiente de ECOS (e.g., Portfólio de Software). O método envolve estruturar um template que contempla os principais elementos relacionados ao processo de avaliação de tecnologias que podem fazer parte do modelo conceitual da PAS, que serão abordados na análise das quatro dimensões de ECOS a partir de cada um dos quatro módulos do modelo conceitual da PAS, como mostra a Figura 1: Requisitos: lista de necessidades da PAS com relação a um componente estratégico; Critérios: diretrizes para avaliação dos requisitos de um componente estratégico da PAS; Possibilidades: tecnologias a serem avaliadas para atender aos requisitos de um ou mais componentes estratégicos;

7 Avaliações: aplicação dos critérios sobre as possibilidades a fim de verificar a atendimento aos requisitos de um componente estratégico; Estudos experimentais: planejamento e execução de estudos que permitam melhor avaliar determinadas possibilidades; Desenvolvimentos (opcional): integração de tecnologias em cenários reais do MP que simulem um ou mais componentes estratégicos. Figura 1. Esboço do Modelo Conceitual da PAS o Um componente estratégico pertence a uma das quatro dimensões do esboço do modelo conceitual da PAS (e.g., Catálogo de Software, no caso da dimensão Portfólio de Software). Este ainda será verificado para a construção do modelo conceitual inicial, conforme visa o PRODUTO 1. Um ou mais componentes estratégicos de uma dimensão serão tratados pelo método de avaliação a fim de analisar cada módulo do modelo conceitual inicial da PAS em relação às dimensões dos ECOS, podendo gerar um estudo experimental 1. 1 WOHLIN, C., RUNESON, P., HÖST, H., OHLSSON, M.C., REGNELL, B., WESSLÉN, A., 2012,

8 o Um estudo experimental consiste em um subconjunto de produtos (documento de texto, documento de apresentação, modelos, treinamento, código fonte, scripts, APIs, webservices e/ou gráficos) que permitem avaliar tecnologias de suporte às dimensões do modelo conceitual evoluído da PAS. Um estudo experimental pode ser do tipo experimento em laboratório, estudo de caso, pesquisa de opinião ou revisão sistemática. Nesse sentido, um estudo experimental visa embasar a avaliação dos componentes das dimensões do ambiente do ECOS do MP. o Um experimento em laboratório permite controle e manipulação de comportamento in vitro a partir de avaliação de tecnologias e é realizado com pesquisadores, gerentes, desenvolvedores, fornecedores, clientes e/ou usuários. Um estudo de caso é realizado on line, i.e., em um cenário real do MP que simule componentes estratégicos (comportamento relevante não pode ser manipulado). Uma pesquisa de opinião é realizada com pesquisadores, gerentes, desenvolvedores, fornecedores, clientes e/ou usuários para tentar identificar alguma evidência sobre componentes estratégicos (não permite controle). Uma revisão sistemática é uma metodologia para integrar pesquisas executadas previamente e casos reportados na literatura, para criar generalizações e gerar evidências, a fim de identificar informações importantes para o modelo conceitual evoluído da PAS. o PRODUTO 6 Método de Avaliação das Dimensões do Modelo Conceitual Inicial da PAS Instanciação do Método de Avaliação para a Dimensão Portfólio de Software o Consiste na avaliação de um ou mais componentes estratégicos relacionados a esta dimensão, e.g., aqueles preliminarmente dispostos na Figura 1, e.g., Catálogo de Software. Estes componentes devem ser avaliados e outros podem ser incluídos durante esse processo. o PRODUTO 7 Documento dos Requisitos e Critérios para os Componentes da Dimensão Portfólio de Software Experimentation in Software Engineering. Springer.

9 o PRODUTO 8 Plano e Relatório de Execução do Método de Avaliação sobre um ou mais Componentes da Dimensão Portfólio de Software, a ser acordado com a equipe do MP Instanciação do Método de Avaliação para a Dimensão Redes Sociais o Consiste na avaliação de um ou mais componentes estratégicos relacionados a esta dimensão, e.g., aqueles preliminarmente dispostos na Figura 1, e.g., Informações de Comunidades de Software. Estes componentes devem ser avaliados e outros podem ser incluídos durante esse processo. o PRODUTO 9 Documento dos Requisitos e Critérios para os Componentes da Dimensão Redes Sociais o PRODUTO 10 Plano e Relatório de Execução do Método de Avaliação sobre um ou mais Componentes da Dimensão Redes Sociais, a ser acordado com a equipe do MP Instanciação do Método de Avaliação para a Dimensão Gestão de Projetos de Software o Consiste na avaliação de um ou mais componentes estratégicos relacionados a esta dimensão, e.g., aqueles preliminarmente dispostos na Figura 1, e.g., Concepção de Projeto. Estes componentes devem ser avaliados e outros podem ser incluídos durante esse processo. o PRODUTO 11 Documento dos Requisitos e Critérios para os Componentes da Dimensão Gestão de Projetos de Software o PRODUTO 12 Plano e Relatório de Execução do Método de Avaliação sobre um ou mais Componentes da Dimensão Gestão de Projetos de Software, a ser acordado com a equipe do MP Documentos Produzidos pela Instanciação do Método de Avaliação para Componentes da Dimensão Estatísticas o Consiste na avaliação de um ou mais componentes estratégicos relacionados a esta dimensão, e.g., aqueles preliminarmente dispostos na Figura 1, e.g., Perfis de Adoção de Software. Estes componentes devem ser avaliados e outros podem ser incluídos durante esse processo.

10 o PRODUTO 13 Documento dos Requisitos e Critérios para os Componentes da Dimensão Estatísticas o PRODUTO 14 Plano e Relatório de Execução do Método de Avaliação sobre um ou mais Componentes da Dimensão Estatísticas, a ser acordado com a equipe do MP Treinamentos o Apresentação de uma visão geral dos conceitos envolvidos neste projeto com relação aos conceitos de Reutilização de Software e ECOS, referente à visão geral do tema central da consultoria o PRODUTO 15 Treinamento em Reutilização de Software (8h) o PRODUTO 16 Treinamento em Ecossistemas de Software (8h) Avaliação de Elementos de Processo de Software no Modelo Conceitual Inicial da PAS o Avaliação de elementos de processo de desenvolvimento de software do PES da DTI (e talvez de processos de software de outros departamentos) para compreender alguns impactos da forma de produção de software sobre o ambiente do ECOS do MP a partir de suas dimensões e respectivos componentes. A justificativa para este produto corresponde ao fato de que a qualidade do produto de software depende diretamente da qualidade do processo de software. Uma vez que o modelo conceitual inicial da PAS se propõe a dar suporte e estimular a engenharia e o gerenciamento de ativos de software do MP, é fundamental que elementos de processo sejam observados à luz do PES, que representa um cenário piloto para capturar informações para gerar o modelo conceitual evoluído da PAS. Ou seja, é importante que as dimensões e componentes do modelo conceitual da PAS se integrem com o contexto/cenário real de trabalho dos envolvidos. o PRODUTO 17 Relatório de Análise de Elementos do PES no Contexto do Modelo Conceitual Inicial da PAS

11 o PRODUTO 18 Documento de Especificação do Modelo Conceitual Evoluído da PAS Transferência de Tecnologia o Reuniões técnicas com a equipe da SE, do DTI e do DSI (MP), com analistas de tecnologia da informação e com demais envolvidos responsáveis por absorver conhecimento e tecnologia gerados pela consultoria. Segue detalhamento. Objetivo o PRODUTO 18 Relatório de Transferência de Tecnologia A Transferência de Conhecimento e Tecnologia deverá proporcionar aos usuários dados e conhecimento necessários ao entendimento dos trabalhos realizados ao longo do projeto, devendo ser ministrada pela própria empresa fornecedora dos serviços, em português e na cidade de Brasília-DF. A Contratada deverá realizar a Transferência de Conhecimento e Tecnologia para integrantes da Contratante e através de documentação correlata. Escopo A Transferência de Conhecimento e Tecnologia consiste em conjunto de reuniões técnicas com as equipes de análise de negócio, de arquitetura de dados, de gestores, além de analistas de tecnologia da informação responsáveis por absorver conhecimento e métodos gerados pelo projeto. A Transferência de Conhecimento e Tecnologia deverá atender a todos os profissionais indicados pelo MP e deverá contar com pelo menos 2 seminários com carga horária mínima de 8 (oito) horas, 2 reuniões técnicas e entrega formal dos documentos de gerenciamento do projeto e potenciais métodos gerados, modelos de dados, de arquitetura de informações, apresentações para posterior disseminação e relatório de transferência de conhecimento e tecnologia em formato digital. A Contratada deverá responsabilizar-se por todos os custos referentes à locomoção, alimentação e hospedagem dos profissionais que executarão o processo de transferência de conhecimento e tecnologia, bem como todo material utilizado para apoiar esse processo. O MP poderá solicitar a realização de um novo processo de transferência de tecnologia e conhecimento, com a reformulação

12 que achar necessária, caso o processo executado pela Contratada não atenda às expectativas da Contratante. Metas da Transferência de Conhecimento e Tecnologia Fornecer conhecimento necessário para que técnicos e gestores do MP possam atuar como replicadores de conhecimento Disseminar conhecimento através do relatório de transferência de conhecimento e tecnologia, manuais, documentos, apresentações e documentação atualizada do projeto. Realizar 2 seminários de pelo menos 8 (oito) horas de passagem de conhecimento Realizar 2 reuniões técnicas de passagem de conhecimento Realizar entrega de documentos de gerenciamento do projeto e potenciais métodos gerados, modelos de dados, de arquitetura de informações, apresentações para posterior disseminação e relatório de transferência de conhecimento e tecnologia em formato digital. Perfil do Especialista O Especialista que irá realizar a Transferência de Conhecimento e Tecnologia deverá ser brasileiro, integrante do projeto há pelo menos 6 meses, com Doutorado em Engenharia de Sistemas e Computação (ou área similar) e possuir conhecimento acadêmico e prático no objeto do Contrato. Perfil dos Participantes Os participantes devem ser gestores, gerentes técnicos, coordenadores, analistas de sistemas, profissionais técnicos e/ou de gestão indicados pelo Ministério do Planejamento. Cronograma da Transferência de Conhecimento e Tecnologia A Transferência de Tecnologia deverá ser realizada em cerca de quatro semanas, de acordo com o seguinte Cronograma. Atividade Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Reunião Técnica de Planejamento da Transferência de Conhecimento e Tecnologia Seminário de Transferência de Conhecimento e Tecnologia - Conceitos gerais e acadêmicos sobre o tema Seminário de Transferência de Conhecimento e Tecnologia - Artefatos técnicos, métodos e tecnologia envolvida

13 Reunião Técnica de Fechamento da Transferência de Conhecimento e Tecnologia Entrega do Relatório de Transferência e Tecnologia, artefatos e documentos gerais Supervisão e Avaliação A supervisão dos seminários e reuniões técnicas será realizada por gestores indicados pelo MP e, ao final de cada seminário, será aplicado um formulário aos participantes para avaliação das metas estabelecidas. Será considerado satisfatório se a avaliação média dos seminários de transferência de conhecimento e tecnologia obtiver pelo menos 70% de aprovação, caso contrário, um novo seminário deverá ser realizado, com novo especialista ou adequação de pontos falhos, quantas vezes forem necessárias para que os problemas identificados sejam corrigidos e o índice médio para aprovação seja alcançado. 4. Local de Execução dos Serviços Todas as apresentações gerenciais e as entregas dos produtos serão realizadas em Brasília. 5. Qualificações Técnicas Para a execução dos trabalhos / elaboração dos produtos, a equipe deverá ser composta por no mínimo 6 profissionais nas funções definidas a seguir. FUNÇÃO 1 Coordenador de Projetos 1 Gerente de Projetos FORMAÇÃO E EXPERIÊNCIA MÍNIMA Formação em nível superior na área de tecnologia ou engenharia. Mestrado em engenharia de sistemas, sistemas de informação, ciência da computação ou área correlata. Doutorado em engenharia de sistemas, sistemas de informação, ciência da computação ou área correlata. Mínimo de 10 anos de experiência na coordenação de projetos com o Governo ou órgãos públicos. Experiência de pesquisa em Gestão de Conhecimento e Colaboração Formação em nível superior, bacharelado em ciência da computação ou área similar. Pós-graduação, MBA ou especialização em Gerência de Projetos (min 360h). Mestrado em engenharia de sistemas ou área similar Doutorado em engenharia de sistemas ou área similar Mínimo de 5 anos de experiência na gerência de projetos com o Governo ou órgãos públicos Experiência comprovada de pesquisa ou trabalhos relacionados a Gestão do Conhecimento e Negociação em Projetos de Software

14 1 Especialista em Reutilização de Software Formação em nível superior, bacharelado em ciências exatas, ciência da computação ou área similar Mestrado ou Doutorado em ciência da computação ou área similar envolvendo Reutilização de Software Experiência de mais de 10 anos de pesquisa, incluindo projetos de consultoria no Governo e Reutilização de Software 1 Especialista em Ecossistemas de Software Formação em nível superior, bacharelado em ciência da computação ou área similar Mestrado em engenharia de sistemas ou área similar Mínimo de 3 anos de experiência de pesquisa, incluindo projetos de consultoria em Engenharia de Software 1 Analista em Engenharia de Software 1 Analista de Sistemas e Banco de Dados Formação em nível superior, bacharelado em ciência da computação ou área similar Mestrado em engenharia de sistemas ou área similar Mínimo de 3 anos de experiência de pesquisa, incluindo projetos de consultoria em Engenharia de Software Formação em nível superior, bacharelado em ciência da computação ou área similar. Mestrado em engenharia de sistemas ou área similar Mínimo de 3 anos de experiência no desenvolvimento de projetos com o Governo ou órgãos públicos Experiência comprovada de pesquisa ou trabalhos relacionados a Banco de Dados e Mineração de Dados

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo de Cooperação Técnica nº 1841/OC-BR Projeto: Programa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 001/2013

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 001/2013 MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 001/2013 Secretaria de Ciência e Tecnologia de Pernambuco - SECTEC Associação Instituto de Tecnologia de Pernambuco ITEP/OS UGP PROAPL BRASIL PROGRAMA DE PRODUÇÃO E DIFUSÃO

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 003/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 003/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 003/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo de Cooperação Técnica nº 1841/OC-BR Projeto: Aperfeiçoamento

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo IPEA/BID nº 1841/OC-BR Projeto: Dinâmica do Sistema Produtivo Brasileiro perspectivas

Leia mais

Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX

Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX QUALIFICACAO DE PROFISSIONAIS NO MODELO SEI/CMMI CHAMADA PÚBLICA SOFTEX No. CPS/01/2004 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTA PARA IMPLANTACAO

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA

MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODELO TOR CONSULTOR PESSOA FÍSICA PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO E DO PLANEJAMENTO DOS ESTADOS BRASILEIROS E DO DISTRITO FEDERAL - PNAGE Subexecutor: Secretaria do Estado do... Componente:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1383 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1383 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 23/03/2012-15:40:19 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1383 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. PROJETO IDF SAÚDE Nº 07/2014 2. TÍTULO Consultoria individual especializada em Tecnologia da Informação - TI 3. ENQUADRAMENTO DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: GERÊNCIA DE

Leia mais

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA VISCONDE DE CAIRU CEPPEV CURSO: GESTÃO DE DATACENTER E COMPUTAÇÃO EM NUVEM 2013.2

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA VISCONDE DE CAIRU CEPPEV CURSO: GESTÃO DE DATACENTER E COMPUTAÇÃO EM NUVEM 2013.2 NÚMERO DE VAGAS: 25 (Vinte e Cinco) Vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS 01 de Novembro de 2013 CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA VISCONDE DE CAIRU CEPPEV APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA A Fundação Visconde

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 14/09/2012-16:47:15 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 020/2015 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 020/2015 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 020/2015 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo de Cooperação Técnica nº 1841/OC-BR Projeto: Migração

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD

PROGRAMA PROREDES BIRD ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PROGRAMA PROREDES BIRD TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL PARA APOIO TÉCNICO À GESTÃO DOS PROJETOS DE RESTAURAÇÃO

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. PROJETO IDF SAÚDE Nº 06/2014 2. TÍTULO Consultoria individual especializada em Engenharia Clínica/Biomédica. 3. ENQUADRAMENTO NO PROJETO Componente

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

ANEXO 10 TDR AUDITORES

ANEXO 10 TDR AUDITORES ANEXO 10 TDR AUDITORES PROJETO DE SUSTENTABILIDADE HÍDRICA DE PERNAMBUCO PSHPE (N. DO EMPRÉSTIMO) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA PARA AUDITORIA DO XX ANO DO PROJETO DE

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional. Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação.

TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional. Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional 1. Função no Projeto: Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. 2. Nosso Número BRA/12/010 3. Antecedentes A missão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA CRM. Prof. Wilson Míccoli, MsC

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA CRM. Prof. Wilson Míccoli, MsC IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA CRM 1 Fase 1: Contextualização Fase 2: Revisão do Plano Estratégico da Organização Fase 3: Revisão do Portfólio de Produtos Fase 4: Definição da Visão e dos Objetivos do CRM Fase

Leia mais

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA ,r Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Proposta de atualização da tabela de remuneração de pessoa física para o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Divisão de Planejamento e Projetos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO 2/08/203 Recursos. INTRODUÇÃO A Política de Treinamento tem por objetivo estabelecer critérios para o tratamento das solicitações de Capacitação, Desenvolvimento, Cursos Intensivos, Seminários, Palestras,

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal 1. Há planejamento institucional em vigor? Deverá ser respondido SIM caso o Órgão/Entidade possua um planejamento estratégico

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para aprimoramento das estratégias e metodologias

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

IRM- Integrated Risk Management using Risk Simulator Strategic level

IRM- Integrated Risk Management using Risk Simulator Strategic level IRM- Integrated Risk Management using Risk Simulator Strategic level O curso de Gestão Integrada de Risco (IRM), nível estratégico, desenvolvido pela ROV-Brasil (Real Options Valuation Inc.) e oferecido

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO TOR/FNDE/DTI/MEC

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor 1. Em relação ao módulo para Atribuição de Limites, entendemos que Banco do Brasil busca uma solução para o processo de originação/concessão de crédito. Frente a essa necessidade, o Banco do Brasil busca

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Modelo de Referência 2011-2012

Modelo de Referência 2011-2012 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação - SLTI Modelo de Referência 2011-2012 Plano Diretor de Tecnologia de Informação Ministério do Planejamento,

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Módulo 4 Governança de TI Dinâmica 1 Discutir, em grupos: Por que então não usar as palavras ou termos Controle, Gestão ou Administração? Qual seria a diferença entre os termos:

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Soluções em TI para Web

Soluções em TI para Web Integração do Moodle com SIGA-EUC Lino Vaz Moniz lino@badiu.net linovazmoniz@gmail.com Outubro de 2010 1 Sumário 1- Objetivo...3 3- Justificativa...3 4 Funcionalidades do Modulo...4 5- Cronograma...6 6-

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A.

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. Estudo de Caso Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes um novo serviço, que foi denominado de

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV Certificação ISO/IEC 27001 SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação A Experiência da DATAPREV DATAPREV Quem somos? Empresa pública vinculada ao Ministério da Previdência Social, com personalidade

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino

Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Castanhal Faculdade de Sistemas de Informação Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino Elisiane M. Soares,

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

MS Project para Gerenciamento de Projetos

MS Project para Gerenciamento de Projetos MS Project para Gerenciamento de Projetos Sumário 03. A Voitto 05. MS Project para Gerenciamento de Projetos 06. Conteúdo Programático 11. Principais Instrutores 12. Visão dos Participantes 13. Vídeo Nossa

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

MBA 2010 - Gestão de Relacionamento com Investidores

MBA 2010 - Gestão de Relacionamento com Investidores MBA 2010 - Gestão de Relacionamento com Investidores Objetivos Qualificação em nível de especialização lato sensu em Relações com Investidores com vistas a preparar os profissionais para atuar em cargos

Leia mais

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013 Apresentação do Professor Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Formação Acadêmica: Bacharel em Sistemas de Informação Pós graduado em Didática e Metodologia para

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure melhores resultados em seus projetos com uma estrutura de comunicação simples, efetiva,

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 4 DE JANEIRO DE 205 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Projeto BRA/07/004 Seleciona: Consultor para identificação das melhores

Leia mais

EDITAL PF no. 008/2015 CONVOCAÇÃO DE INTERESSADOS À SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PESSOA FÍSICA

EDITAL PF no. 008/2015 CONVOCAÇÃO DE INTERESSADOS À SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PESSOA FÍSICA EDITAL PF no. 008/2015 CONVOCAÇÃO DE INTERESSADOS À SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PESSOA FÍSICA O CONASS: O Conselho Nacional de Secretários de Saúde é uma entidade

Leia mais

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área Especialista em TI Aplicada

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área Especialista em TI Aplicada Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área Especialista em TI Aplicada Projeto de Modernização Fiscal do Tocantins (PMF/TO) Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM NOV/2009 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Fiscalização

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Fiscalização Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Fiscalização Projeto de Modernização Fiscal do Tocantins (PMF/TO) Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI/SC em Florianópolis EDITAL DE PROCESSO SELETIVO. Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos a distância

Faculdade de Tecnologia SENAI/SC em Florianópolis EDITAL DE PROCESSO SELETIVO. Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos a distância Faculdade de Tecnologia SENAI/SC em Florianópolis EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos a distância A Faculdade de Tecnologia SENAI/SC em Florianópolis, informa

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais