MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE (MI) (SELEÇÃO DE CONSULTORES) Programa de Modernização de Instrumentos e Sistemas de Gestão da Administração Pública Federal SOLICITAÇÃO PARA A APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE N o 08/2014 do Contrato de Empréstimo nº 2192/OC-BR. Processo nº / Seleção Baseada na Qualidade e Custo nº 08/2014. A República Federativa do Brasil recebeu um financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), e se propõe a utilizar parte destes fundos para efetuar pagamentos de despesas elegíveis em virtude do Programa de Modernização de Instrumentos e Sistemas de Gestão da Administração Pública Federal para prover os seguintes serviços de consultoria: Projeto de Engenharia e Gerenciamento da Plataforma de Ativos de Software do Governo Federal Orientado a Ecossistemas de Software no prazo de 12 (doze) meses. O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão convida os consultores elegíveis a apresentar o seu interesse na execução dos serviços solicitados. Os consultores interessados (empresas) deverão fornecer informação que demonstre que estão qualificados para prestar os serviços (folhetos, descrição de serviços semelhantes executados, experiência em condições idênticas, corpo técnico adequado etc.). É permitida a associação em consórcio para melhorar as suas qualificações. Os consultores serão selecionados de acordo com os procedimentos estabelecidos nas Políticas para Seleção e Contratação de Consultores Financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (edição atual), e está aberta a todos os Consultores de Países Elegíveis, conforme definido nestas normas. Os Consultores interessados poderão obter mais informação por meio do endereço abaixo indicado, durante o horário comercial [08h00-12h00 e 14h00-18h00]. As manifestações de interesse deverão ser enviadas via postal, ou correio eletrônico ao endereço abaixo indicado o mais tardar até às 18h do dia 05/11/2014.

2 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Diretoria de Administração Coordenação-Geral de Aquisições Coordenação de Compras At: Priscila Alves de Castro Chefe de Divisão Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Esplanada dos Ministérios, Bloco K, Sala 216, CEP: , Brasília/DF - Brasil. Tel: Fax: / com cópia para e 1. Objeto Contratação de empresa para especificação dos elementos estratégicos da plataforma de ativos de software de Governo, execução de estudos dirigidos e experimentais sobre cada elemento estratégico (gestão de portfólio, gerenciamento de projetos de software, redes sociais, versionadores, estatísticas) e especificação da estratégia de gerenciamento dos ativos de software orientado ao ecossistema de software do Governo. 2. Resultados Esperados No contexto do MP, apensar o desenvolvimento de software orientado a ECOS corresponde à necessidade de integração e de otimização de custos das atividades deste processo com as das suas secretarias e departamentos, fornecedores e clientes (áreas de negócio). Isso motiva a pesquisa para apoiar a concepção (definição) de um ambiente de ECOS, também denominado PAS, para apoiar a engenharia e o gerenciamento dos ativos de software do MP, que possa dar suporte ao seu processo de desenvolvimento e manutenção. Este cenário gera impactos nas relações com clientes e fornecedores, notadamente verificados por alguns elementos críticos relacionados a custo, cronograma, esforço e qualidade do processo em áreas como gestão de portfólio, desenvolvimento colaborativo, gestão de projetos, medição/métricas, aquisição/contratação e modelagem de arquitetura de software e de sistemas. Consequentemente, o MP enxerga como estratégico investir esforços na pesquisa exploratória acerca das necessidades de uma PAS, que melhor atenda às demandas de

3 software, sistemas e serviços relacionados, o que envolve o Governo e a sociedade. Isso representa a governança do MP sobre a PAS visando organizar um ambiente de ECOS sustentável e diversificado. Entre os resultados esperados, pode-se mencionar: o pesquisa e desenvolvimento de um modelo conceitual inicial da PAS, que norteie o trabalho a ser realizado neste projeto, assim como a geração de um modelo conceitual evoluído ao final deste projeto, que contemple o modelo da rede de produção de software e da rede socio-técnica do ECOS do MP; o especificação da estratégia de governança do MP sobre os ativos de software, que dará suporte à compreensão das características destes ativos, bem como a um guia de procedimentos que melhor exponha elementos envolvidos em sua engenharia e gerenciamento; o estudos experimentais sobre tecnologias (algoritmos, métodos, processos e/ou ferramentas) que permitam compreender e avaliar melhor as dimensões e elementos envolvidos na concepção da PAS na perspectiva dos ECOS; o avaliação de elementos de processo de desenvolvimento de software do Processo de Entrega de Soluções da DTI (e talvez de processos de software de outros departamentos) para compreender alguns impactos da forma de produção de software sobre o ambiente do ECOS e suas dimensões no MP. 3. Produtos a Serem Fornecidos Os produtos desta contratação serão voltados para consultoria na pesquisa e concepção de um ambiente para engenharia e gerenciamento de ativos de software no MP, contando com regras de negócio e documentação disposta pelo MP. Os produtos serão compostos por documentos, scripts e transferência de tecnologia, conforme destacados a seguir: Plano de Projeto da Consultoria em ECOS o O Plano de Projeto é um documento que contém o cronograma de atividades da consultoria, seu plano de execução, de comunicação, riscos envolvidos e outras descrições que suportem à tomada de decisão gerencial da consultoria. O Plano de Projeto é um importante artefato de acompanhamento e é um documento que pode e deve ser alterado de acordo com repriorizações realizadas pela alta gerência relacionada à consultoria.

4 o PRODUTO 1 - Plano de Projeto da Consultoria em ECOS Modelo Conceitual Inicial da PAS o Pesquisa e desenvolvimento de um modelo conceitual inicial (ou arquitetura conceitual) da PAS, que permita identificar, mapear, integrar e evoluir alguns componentes estratégicos das dimensões de ECOS e alguns elementos de governança de ativos de software. Entre os mecanismos envolvidos no modelo conceitual da PAS, pode-se mencionar busca e recuperação, armazenamento, classificação, publicação, documentação, avaliação e evolução. o PRODUTO 2 - Documento de Especificação do Modelo Conceitual Inicial da PAS Especificação da Estratégia de Governança do MP sobre os Ativos de Software o Um ativo de software é qualquer produto de cunho computacional que é gerado durante o ciclo de vida do software. Do ponto de vista de ECOS, um ativo de software é todo componente, serviço (webservice), aplicação e/ou necessidade que pode ser consumido interna ou externamente a uma organização, para auxiliar as atividades recorrentes do seu dia a dia. Dados, processos e leis relacionados a software também são incluídos. No MP, estes ativos podem ser públicos ou proprietários e, frente à justificativa discutida em seções anteriores, devem ser gerenciados por meio de um ambiente de ECOS, cujo ator central é o MP. o Do ponto de vista econômico, esta governança do MP dá suporte ao processo de desenvolvimento e aquisição de software, pois amplia o número de usuários e/ou clientes possíveis, com interesses comuns ou não, bem como favorece a interação com os fornecedores. Além disso, pode-se saber exatamente quem são os clientes e/ou usuários de seus produtos e quais de seus ativos cada um deles está adquirindo através de seu inventário. No que diz respeito às organizações consumidoras, i.e., órgãos do Governo, usuários e demais clientes, a gestão dos ativos adquiridos por meio de um ambiente

5 de ECOS é de suma importância, pois a sua manutenção e evolução está vinculada às necessidades e licenças de cada ativo. o Além disso, a compreensão do ciclo de vida destes ativos de software pode demandar a organização de um modelo da Rede de Produção de Software e da Rede Socio-técnica. Os itens relacionados são: Governança dos Ativos de Software do Governo: realização de estudos conceituais e pesquisas para definição e modelagem das características destes ativos (e seus tipos) e de um conjunto de critérios para gerir o seu ciclo de vida, i.e., aceitação, classificação, certificação, avaliação, licenciamento e descontinuidade na PAS. Inclui ainda a definição conceitual de um mecanismo de busca, armazenamento, publicação, recuperação, registo de dados de utilização e ciclo de vida destes ativos. As fontes a serem utilizadas envolvem normas e modelos como ISO/IEC (software asset management), ISO/IEC (software life cycle processes), Modelo MPS (Melhoria de Processo de Software), Modelo CMMI (capability maturity model integration) e RAS (reusable asset specification). Avaliação de Ativos de Software do MP: elaboração de um instrumento de pesquisa e desenvolvimento que possa ser instanciado para avaliar casos reais de governança do MP aplicada a um dado tipo de ativo de software de interesse do MP a fim de prover diagnósticos. O método envolve estruturar um template que contempla os principais elementos relacionados ao processo de avaliação de ativos de software do MP: Requisitos: lista de necessidades de um tipo de ativo de software; Critérios: diretrizes para avaliação dos requisitos de um tipo de ativo de software; Avaliações: aplicação dos critérios sobre um caso real do MP a fim de verificar a atendimento aos requisitos de um tipo de ativo de software;

6 Estudos experimentais: planejamento e execução de estudos que permitam melhor avaliar determinado caso real; Diagnóstico: análise dos resultados e indicações da estratégia de governança do MP. Instanciação do Método de Avaliação para Ativos de Software: escolha de um determinado caso real, que envolve um ou mais ativos de software de interesse do MP (a ser acordado com este), a fim de avaliar a estratégia de governança produzida. o PRODUTO 3 Documento da Estratégia de Governança do MP sobre os Ativos de Software o PRODUTO 4 Documento de Especificação do Método de Avaliação de Ativos de Software do MP o PRODUTO 5 Plano e Relatório da Execução do Método de Avaliação para um Caso de Ativo de Software do MP Especificação do Método de Avaliação dos Componentes Estratégicos da PAS o O método de avaliação dos componentes estratégicos consiste em um instrumento de pesquisa e desenvolvimento que possa ser instanciado para avaliar um ou mais componentes de cada dimensão do ambiente de ECOS (e.g., Portfólio de Software). O método envolve estruturar um template que contempla os principais elementos relacionados ao processo de avaliação de tecnologias que podem fazer parte do modelo conceitual da PAS, que serão abordados na análise das quatro dimensões de ECOS a partir de cada um dos quatro módulos do modelo conceitual da PAS, como mostra a Figura 1: Requisitos: lista de necessidades da PAS com relação a um componente estratégico; Critérios: diretrizes para avaliação dos requisitos de um componente estratégico da PAS; Possibilidades: tecnologias a serem avaliadas para atender aos requisitos de um ou mais componentes estratégicos;

7 Avaliações: aplicação dos critérios sobre as possibilidades a fim de verificar a atendimento aos requisitos de um componente estratégico; Estudos experimentais: planejamento e execução de estudos que permitam melhor avaliar determinadas possibilidades; Desenvolvimentos (opcional): integração de tecnologias em cenários reais do MP que simulem um ou mais componentes estratégicos. Figura 1. Esboço do Modelo Conceitual da PAS o Um componente estratégico pertence a uma das quatro dimensões do esboço do modelo conceitual da PAS (e.g., Catálogo de Software, no caso da dimensão Portfólio de Software). Este ainda será verificado para a construção do modelo conceitual inicial, conforme visa o PRODUTO 1. Um ou mais componentes estratégicos de uma dimensão serão tratados pelo método de avaliação a fim de analisar cada módulo do modelo conceitual inicial da PAS em relação às dimensões dos ECOS, podendo gerar um estudo experimental 1. 1 WOHLIN, C., RUNESON, P., HÖST, H., OHLSSON, M.C., REGNELL, B., WESSLÉN, A., 2012,

8 o Um estudo experimental consiste em um subconjunto de produtos (documento de texto, documento de apresentação, modelos, treinamento, código fonte, scripts, APIs, webservices e/ou gráficos) que permitem avaliar tecnologias de suporte às dimensões do modelo conceitual evoluído da PAS. Um estudo experimental pode ser do tipo experimento em laboratório, estudo de caso, pesquisa de opinião ou revisão sistemática. Nesse sentido, um estudo experimental visa embasar a avaliação dos componentes das dimensões do ambiente do ECOS do MP. o Um experimento em laboratório permite controle e manipulação de comportamento in vitro a partir de avaliação de tecnologias e é realizado com pesquisadores, gerentes, desenvolvedores, fornecedores, clientes e/ou usuários. Um estudo de caso é realizado on line, i.e., em um cenário real do MP que simule componentes estratégicos (comportamento relevante não pode ser manipulado). Uma pesquisa de opinião é realizada com pesquisadores, gerentes, desenvolvedores, fornecedores, clientes e/ou usuários para tentar identificar alguma evidência sobre componentes estratégicos (não permite controle). Uma revisão sistemática é uma metodologia para integrar pesquisas executadas previamente e casos reportados na literatura, para criar generalizações e gerar evidências, a fim de identificar informações importantes para o modelo conceitual evoluído da PAS. o PRODUTO 6 Método de Avaliação das Dimensões do Modelo Conceitual Inicial da PAS Instanciação do Método de Avaliação para a Dimensão Portfólio de Software o Consiste na avaliação de um ou mais componentes estratégicos relacionados a esta dimensão, e.g., aqueles preliminarmente dispostos na Figura 1, e.g., Catálogo de Software. Estes componentes devem ser avaliados e outros podem ser incluídos durante esse processo. o PRODUTO 7 Documento dos Requisitos e Critérios para os Componentes da Dimensão Portfólio de Software Experimentation in Software Engineering. Springer.

9 o PRODUTO 8 Plano e Relatório de Execução do Método de Avaliação sobre um ou mais Componentes da Dimensão Portfólio de Software, a ser acordado com a equipe do MP Instanciação do Método de Avaliação para a Dimensão Redes Sociais o Consiste na avaliação de um ou mais componentes estratégicos relacionados a esta dimensão, e.g., aqueles preliminarmente dispostos na Figura 1, e.g., Informações de Comunidades de Software. Estes componentes devem ser avaliados e outros podem ser incluídos durante esse processo. o PRODUTO 9 Documento dos Requisitos e Critérios para os Componentes da Dimensão Redes Sociais o PRODUTO 10 Plano e Relatório de Execução do Método de Avaliação sobre um ou mais Componentes da Dimensão Redes Sociais, a ser acordado com a equipe do MP Instanciação do Método de Avaliação para a Dimensão Gestão de Projetos de Software o Consiste na avaliação de um ou mais componentes estratégicos relacionados a esta dimensão, e.g., aqueles preliminarmente dispostos na Figura 1, e.g., Concepção de Projeto. Estes componentes devem ser avaliados e outros podem ser incluídos durante esse processo. o PRODUTO 11 Documento dos Requisitos e Critérios para os Componentes da Dimensão Gestão de Projetos de Software o PRODUTO 12 Plano e Relatório de Execução do Método de Avaliação sobre um ou mais Componentes da Dimensão Gestão de Projetos de Software, a ser acordado com a equipe do MP Documentos Produzidos pela Instanciação do Método de Avaliação para Componentes da Dimensão Estatísticas o Consiste na avaliação de um ou mais componentes estratégicos relacionados a esta dimensão, e.g., aqueles preliminarmente dispostos na Figura 1, e.g., Perfis de Adoção de Software. Estes componentes devem ser avaliados e outros podem ser incluídos durante esse processo.

10 o PRODUTO 13 Documento dos Requisitos e Critérios para os Componentes da Dimensão Estatísticas o PRODUTO 14 Plano e Relatório de Execução do Método de Avaliação sobre um ou mais Componentes da Dimensão Estatísticas, a ser acordado com a equipe do MP Treinamentos o Apresentação de uma visão geral dos conceitos envolvidos neste projeto com relação aos conceitos de Reutilização de Software e ECOS, referente à visão geral do tema central da consultoria o PRODUTO 15 Treinamento em Reutilização de Software (8h) o PRODUTO 16 Treinamento em Ecossistemas de Software (8h) Avaliação de Elementos de Processo de Software no Modelo Conceitual Inicial da PAS o Avaliação de elementos de processo de desenvolvimento de software do PES da DTI (e talvez de processos de software de outros departamentos) para compreender alguns impactos da forma de produção de software sobre o ambiente do ECOS do MP a partir de suas dimensões e respectivos componentes. A justificativa para este produto corresponde ao fato de que a qualidade do produto de software depende diretamente da qualidade do processo de software. Uma vez que o modelo conceitual inicial da PAS se propõe a dar suporte e estimular a engenharia e o gerenciamento de ativos de software do MP, é fundamental que elementos de processo sejam observados à luz do PES, que representa um cenário piloto para capturar informações para gerar o modelo conceitual evoluído da PAS. Ou seja, é importante que as dimensões e componentes do modelo conceitual da PAS se integrem com o contexto/cenário real de trabalho dos envolvidos. o PRODUTO 17 Relatório de Análise de Elementos do PES no Contexto do Modelo Conceitual Inicial da PAS

11 o PRODUTO 18 Documento de Especificação do Modelo Conceitual Evoluído da PAS Transferência de Tecnologia o Reuniões técnicas com a equipe da SE, do DTI e do DSI (MP), com analistas de tecnologia da informação e com demais envolvidos responsáveis por absorver conhecimento e tecnologia gerados pela consultoria. Segue detalhamento. Objetivo o PRODUTO 18 Relatório de Transferência de Tecnologia A Transferência de Conhecimento e Tecnologia deverá proporcionar aos usuários dados e conhecimento necessários ao entendimento dos trabalhos realizados ao longo do projeto, devendo ser ministrada pela própria empresa fornecedora dos serviços, em português e na cidade de Brasília-DF. A Contratada deverá realizar a Transferência de Conhecimento e Tecnologia para integrantes da Contratante e através de documentação correlata. Escopo A Transferência de Conhecimento e Tecnologia consiste em conjunto de reuniões técnicas com as equipes de análise de negócio, de arquitetura de dados, de gestores, além de analistas de tecnologia da informação responsáveis por absorver conhecimento e métodos gerados pelo projeto. A Transferência de Conhecimento e Tecnologia deverá atender a todos os profissionais indicados pelo MP e deverá contar com pelo menos 2 seminários com carga horária mínima de 8 (oito) horas, 2 reuniões técnicas e entrega formal dos documentos de gerenciamento do projeto e potenciais métodos gerados, modelos de dados, de arquitetura de informações, apresentações para posterior disseminação e relatório de transferência de conhecimento e tecnologia em formato digital. A Contratada deverá responsabilizar-se por todos os custos referentes à locomoção, alimentação e hospedagem dos profissionais que executarão o processo de transferência de conhecimento e tecnologia, bem como todo material utilizado para apoiar esse processo. O MP poderá solicitar a realização de um novo processo de transferência de tecnologia e conhecimento, com a reformulação

12 que achar necessária, caso o processo executado pela Contratada não atenda às expectativas da Contratante. Metas da Transferência de Conhecimento e Tecnologia Fornecer conhecimento necessário para que técnicos e gestores do MP possam atuar como replicadores de conhecimento Disseminar conhecimento através do relatório de transferência de conhecimento e tecnologia, manuais, documentos, apresentações e documentação atualizada do projeto. Realizar 2 seminários de pelo menos 8 (oito) horas de passagem de conhecimento Realizar 2 reuniões técnicas de passagem de conhecimento Realizar entrega de documentos de gerenciamento do projeto e potenciais métodos gerados, modelos de dados, de arquitetura de informações, apresentações para posterior disseminação e relatório de transferência de conhecimento e tecnologia em formato digital. Perfil do Especialista O Especialista que irá realizar a Transferência de Conhecimento e Tecnologia deverá ser brasileiro, integrante do projeto há pelo menos 6 meses, com Doutorado em Engenharia de Sistemas e Computação (ou área similar) e possuir conhecimento acadêmico e prático no objeto do Contrato. Perfil dos Participantes Os participantes devem ser gestores, gerentes técnicos, coordenadores, analistas de sistemas, profissionais técnicos e/ou de gestão indicados pelo Ministério do Planejamento. Cronograma da Transferência de Conhecimento e Tecnologia A Transferência de Tecnologia deverá ser realizada em cerca de quatro semanas, de acordo com o seguinte Cronograma. Atividade Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Reunião Técnica de Planejamento da Transferência de Conhecimento e Tecnologia Seminário de Transferência de Conhecimento e Tecnologia - Conceitos gerais e acadêmicos sobre o tema Seminário de Transferência de Conhecimento e Tecnologia - Artefatos técnicos, métodos e tecnologia envolvida

13 Reunião Técnica de Fechamento da Transferência de Conhecimento e Tecnologia Entrega do Relatório de Transferência e Tecnologia, artefatos e documentos gerais Supervisão e Avaliação A supervisão dos seminários e reuniões técnicas será realizada por gestores indicados pelo MP e, ao final de cada seminário, será aplicado um formulário aos participantes para avaliação das metas estabelecidas. Será considerado satisfatório se a avaliação média dos seminários de transferência de conhecimento e tecnologia obtiver pelo menos 70% de aprovação, caso contrário, um novo seminário deverá ser realizado, com novo especialista ou adequação de pontos falhos, quantas vezes forem necessárias para que os problemas identificados sejam corrigidos e o índice médio para aprovação seja alcançado. 4. Local de Execução dos Serviços Todas as apresentações gerenciais e as entregas dos produtos serão realizadas em Brasília. 5. Qualificações Técnicas Para a execução dos trabalhos / elaboração dos produtos, a equipe deverá ser composta por no mínimo 6 profissionais nas funções definidas a seguir. FUNÇÃO 1 Coordenador de Projetos 1 Gerente de Projetos FORMAÇÃO E EXPERIÊNCIA MÍNIMA Formação em nível superior na área de tecnologia ou engenharia. Mestrado em engenharia de sistemas, sistemas de informação, ciência da computação ou área correlata. Doutorado em engenharia de sistemas, sistemas de informação, ciência da computação ou área correlata. Mínimo de 10 anos de experiência na coordenação de projetos com o Governo ou órgãos públicos. Experiência de pesquisa em Gestão de Conhecimento e Colaboração Formação em nível superior, bacharelado em ciência da computação ou área similar. Pós-graduação, MBA ou especialização em Gerência de Projetos (min 360h). Mestrado em engenharia de sistemas ou área similar Doutorado em engenharia de sistemas ou área similar Mínimo de 5 anos de experiência na gerência de projetos com o Governo ou órgãos públicos Experiência comprovada de pesquisa ou trabalhos relacionados a Gestão do Conhecimento e Negociação em Projetos de Software

14 1 Especialista em Reutilização de Software Formação em nível superior, bacharelado em ciências exatas, ciência da computação ou área similar Mestrado ou Doutorado em ciência da computação ou área similar envolvendo Reutilização de Software Experiência de mais de 10 anos de pesquisa, incluindo projetos de consultoria no Governo e Reutilização de Software 1 Especialista em Ecossistemas de Software Formação em nível superior, bacharelado em ciência da computação ou área similar Mestrado em engenharia de sistemas ou área similar Mínimo de 3 anos de experiência de pesquisa, incluindo projetos de consultoria em Engenharia de Software 1 Analista em Engenharia de Software 1 Analista de Sistemas e Banco de Dados Formação em nível superior, bacharelado em ciência da computação ou área similar Mestrado em engenharia de sistemas ou área similar Mínimo de 3 anos de experiência de pesquisa, incluindo projetos de consultoria em Engenharia de Software Formação em nível superior, bacharelado em ciência da computação ou área similar. Mestrado em engenharia de sistemas ou área similar Mínimo de 3 anos de experiência no desenvolvimento de projetos com o Governo ou órgãos públicos Experiência comprovada de pesquisa ou trabalhos relacionados a Banco de Dados e Mineração de Dados

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo de Cooperação Técnica nº 1841/OC-BR Projeto: Programa

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 001/2013

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 001/2013 MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 001/2013 Secretaria de Ciência e Tecnologia de Pernambuco - SECTEC Associação Instituto de Tecnologia de Pernambuco ITEP/OS UGP PROAPL BRASIL PROGRAMA DE PRODUÇÃO E DIFUSÃO

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe

As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe Aula 04 1 2 As partes interessadas incluem todos os membros da equipe de projetos, assim como todas entidades interessadas, tanto externas quanto internas; Cabe ao gestor de projetos compreender e gerenciar

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 003/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 003/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 003/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo de Cooperação Técnica nº 1841/OC-BR Projeto: Aperfeiçoamento

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo IPEA/BID nº 1841/OC-BR Projeto: Dinâmica do Sistema Produtivo Brasileiro perspectivas

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA CRM. Prof. Wilson Míccoli, MsC

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA CRM. Prof. Wilson Míccoli, MsC IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA CRM 1 Fase 1: Contextualização Fase 2: Revisão do Plano Estratégico da Organização Fase 3: Revisão do Portfólio de Produtos Fase 4: Definição da Visão e dos Objetivos do CRM Fase

Leia mais

IRM- Integrated Risk Management using Risk Simulator Strategic level

IRM- Integrated Risk Management using Risk Simulator Strategic level IRM- Integrated Risk Management using Risk Simulator Strategic level O curso de Gestão Integrada de Risco (IRM), nível estratégico, desenvolvido pela ROV-Brasil (Real Options Valuation Inc.) e oferecido

Leia mais

Esboço da proposta para gestão nos cinco anos

Esboço da proposta para gestão nos cinco anos Apresentação do primeiro esboço das propostas de atividades a serem desenvolvidas ao longo dos cinco anos previstos para seu desenho e execução. Proposta de estrutura de redação e disseminação dos documentos

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO:

Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO: Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 Compromisso celebrado entre [nome da CONTRATANTE], localizada à [inserir endereço completo], inscrita no [caso Administração indireta inserir número do CNPJ],

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

Os Esforços e Avanços da Sefaz na Gestão Documental. Alexandre Mendonça Secretaria da Fazenda Departamento de Tecnologia da Informação 28/03/2013

Os Esforços e Avanços da Sefaz na Gestão Documental. Alexandre Mendonça Secretaria da Fazenda Departamento de Tecnologia da Informação 28/03/2013 Os Esforços e Avanços da Sefaz na Gestão Documental Alexandre Mendonça Secretaria da Fazenda Departamento de Tecnologia da Informação 28/03/2013 Gestão de Conteúdo Digital - ECM GED/ECM é um conjunto de

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas A Coordenação de Bibliotecas e a informatização do sistema: onde estamos e o que queremos 1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Escritório de Projetos

Escritório de Projetos Escritório de Projetos Infra-estrutura de TI MPS Ministério da Previdência Social Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social A Empresa A Dataprev é uma empresa pública instituída pela Lei

Leia mais

Declaração de Escopo. Projeto PDTI Informações Gerenciais

Declaração de Escopo. Projeto PDTI Informações Gerenciais Declaração de Escopo Projeto PDTI Informações Gerenciais Maio/2008 PRESIDÊNCIA Belo Horizonte, MG 3 3 Revisão 2 após replanejamento do projeto Fátima Freiria 05/05/2008 2 2 Revisão 1 após contratação Consist

Leia mais

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Tiago Domenici Griffo 1, Gothardo Francisco de Magalhães Santos 1, Rodrigo Becke Cabral 1 1

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

POLÍTICA ORGANIZACIONAL

POLÍTICA ORGANIZACIONAL POLÍTICA ORGANIZACIONAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NA DR TECH Data 01/03/2010 Responsável Doc ID Danielle Noronha PoliticaOrg_DR_V003 \\Naja\D\Gerenciamento\Política Localização Organizacional Versão

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

IICA/BRA/09/005 Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2011 MODALIDADE PRODUTO

IICA/BRA/09/005 Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2011 MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA IICA/BRA/09/005 Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2011 MODALIDADE PRODUTO I - IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA. Área de Operações Indiretas - AOI

CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA. Área de Operações Indiretas - AOI CRITÉRIOS DE CREDENCIAMENTO DA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA Área de Operações Indiretas - AOI CARTA AO FORNECEDOR Classificação: Documento público Caro fornecedor, Este documento elenca os CRITÉRIOS exigidos para

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos

Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Escola de Informática Aplicada Curso: Bacharelado em Sistemas

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Reuso de Software. Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970 Londrina PR Brasil. cezbastos@gmail.com, jgpalma@uel.br

Reuso de Software. Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970 Londrina PR Brasil. cezbastos@gmail.com, jgpalma@uel.br Reuso de Software Cezar Bastos Filho 1, Jandira Guenka Palma 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970 Londrina PR Brasil cezbastos@gmail.com,

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: GERÊNCIA DE

Leia mais

MBA EM ARQUITETURA DE SOLUÇÕES

MBA EM ARQUITETURA DE SOLUÇÕES MBA EM ARQUITETURA DE SOLUÇÕES Você está trabalhando ou quer trabalhar em um mercado que precisa de soluções cada vez mais complexas, alinhadas ao negócio e, principalmente, soluções com características

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F:

MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F: MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F: um estudo de caso. Rodrigo Pereira Assunção 1 Fabrício Pires Vasconcellos 2 RESUMO: Muitas empresas têm buscado no modelo de

Leia mais

Vice-Presidência de Tecnologia. Governança de TI Uma Jornada

Vice-Presidência de Tecnologia. Governança de TI Uma Jornada Vice-Presidência de Tecnologia Governança de TI Uma Jornada Contexto Conhecer-se é condição fundamental para evoluir Evolução da TI Governança de TI Contexto Evolução da TI Aumento de importância e complexidade

Leia mais

Descritivo de Curso Pós-graduação

Descritivo de Curso Pós-graduação Descritivo de Curso Pós-graduação MBA Executivo em Gestão de Projetos Feira de Santana 2011 SENAI Serviço Nacional De Aprendizagem Industrial Departamento Regional da Bahia Rua Edístio Pondé, 342, STIEP

Leia mais

PROFISCO ROP Anexo XXXIV TERMOS DE REFERÊNCIA

PROFISCO ROP Anexo XXXIV TERMOS DE REFERÊNCIA PROFISCO ROP Anexo XXXIV TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE EMPRÉSTIMO N. XXXX/OC-BR ÍNDICE Parte A - Apresentação Parte B - O Termo de Referência Parte C - Termos de Referência C-1 - Termo de Referência

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Júlio César Marques de Lima Agenda O Processo de Expansão AT da CEMIG-D. Cronograma

Leia mais

PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1

PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1 PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1 Banco Central do Brasil, 2015 Página 1 de 13 Índice 1. FLUXO DO PPS - PROCESSO DE PROPOSTA DE SOLUÇÃO... 3 2. SOBRE ESTE DOCUMENTO... 4 2.1 GUIA DE UTILIZAÇÃO...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

ANEXO II - Especificações Técnicas

ANEXO II - Especificações Técnicas ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO... 24 1.1 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 24 1.2 CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT... 24 1.3 COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Rodrigo Araujo Barbalho 1, Marília Paulo Teles 2, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1,2 1 Faculdade de Computação

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA IT Asset Manager como gerenciar o ciclo de vida de ativos, maximizar o valor dos investimentos em TI e obter uma exibição do portfólio de todos os meus ativos? agility made possible

Leia mais

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC.

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC. Plano de Ensino CURSO: MBA Regular - Negócios Internacionais DISCIPLINA: Plano de Internacionalização Banca Final Última revisão: Abril/2015 Horas-aula: Orientação do projeto: 30 Desenvolvimento do projeto:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos Advancedit

Metodologia de Gerenciamento de Projetos Advancedit Metodologia de Gerenciamento de Projetos Advancedit Compromisso Modificando Métodos Roberto Petry roberto.petry@advancedit.com.br Diretor de Tecnologia da AdvancedIT S/A Sponsor do Projeto Rumo ao CMM

Leia mais

IICA/BRA/09/005 Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2011 MODALIDADE PRODUTO

IICA/BRA/09/005 Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2011 MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA IICA/BRA/09/005 Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2011 MODALIDADE PRODUTO I - IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

Projeto de Sistemas I

Projeto de Sistemas I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Projeto de Sistemas I Professora: Kelly de Paula Cunha E-mail:kellypcsoares@ifsp.edu.br Requisitos: base para todo projeto, definindo o

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

O processo unificado integrado ao desenvolvimento Web

O processo unificado integrado ao desenvolvimento Web O processo unificado integrado ao desenvolvimento Web Rodrigo S. Prudente de Aquino rodrigo@wpage.com.br É bacharel em Ciência da Computação pela PUC-SP e MBA em Engenharia de Software pela USP. Foi analista

Leia mais

MBA EM BUSINESS INTELLIGENCE

MBA EM BUSINESS INTELLIGENCE MBA EM BUSINESS INTELLIGENCE Como a sua empresa estrutura informações estratégicas? Como as decisões são tomadas? São considerados, dados, informações e tendências, de macroambientes? O quanto você conhece

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE VI: Como desenvolver Sistemas de Informação e Gerenciar Projetos. Novos sistemas de informação são construídos como soluções para os problemas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

17/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

17/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.2 2 ESCOPO 3 1 Gerência do Escopo Processos necessários

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS. Representação no Brasil Setor Fiduciário

Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS. Representação no Brasil Setor Fiduciário Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS Representação no Brasil Setor Fiduciário Ciclo de projetos Cada projeto financiado pelo BID passa por uma série de etapas principalmente as de

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO

TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO TEMPLATES DE REFERÊNCIA PARA PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIMENTO Estratégia & Desempenho Empresarial Gerência de Análise e Acompanhamento de Projetos de Investimento Março 2010 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

Modelos de Maturidade (CMMI, MPS-BR, PMMM)

Modelos de Maturidade (CMMI, MPS-BR, PMMM) UNEB - UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA - DCET1 COLEGIADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE PROFESSOR: EDUARDO JORGE Modelos de Maturidade

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Objetivo dessa aula é mostrar a importância em utilizar uma metodologia de implantação de sistemas baseada nas melhores práticas de mercado

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

Modelo de Governança

Modelo de Governança Nome do Projeto Subproduto Responsável do Projeto / Área E-mail Desenvolvimento do Centro Nacional de Terminologia Moacyr Esteves Perche - DATASUS moacyr.perche@saude.gov.br Telefone (61) 3315-2915 Responsável

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais