2º Forum Value Rio 7 de março de 2013 Valuation for Value Investors Luiz Codorniz

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.cvib.com.br 2º Forum Value Rio 7 de março de 2013 Valuation for Value Investors Luiz Codorniz"

Transcrição

1 2º Forum Value Rio 7 de março de 2013 Valuation for Value Investors Luiz Codorniz

2 Esta apresentação tem natureza meramente informativa e não caracteriza atividade de consultoria de valores mobiliários ou de gestão de recursos. Decisões de investimento com base nas informações publicadas nessa apresentação são de responsabilidade exclusiva do investidor.

3 MARGEM DE SEGURANÇA DISCLAIMER É o elo que une os mais diferentes praticantes de value investing. All exploit the difference between the market price of a business and its intrinsic value. Warren Buffett The Superinvestors of Graham and Doddsville

4 MARGEM DE SEGURANÇA DISCLAIMER Idéia compartilhada por: Investidores em bitucas de cigarrro ou em empresas com vantagens competitivas Investidores com carteiras concentradas ou bem diversificadas

5 MARGEM DE SEGURANÇA DISCLAIMER É definida como: Margem de segurança Valor Intrínsico = Preço da Ação A margem de segurança é sempre dependente do preço pago. Ben Graham

6 MARGEM DE SEGURANÇA DISCLAIMER As três grandes idéias preconizadas por Graham, que passaram o teste do tempo... Parábola do Mr. Market Margem de Segurança Private Market Value

7 FACETAS DA MARGEM DE SEGURANÇA Fonte: Luiz Codorniz

8 FACETAS DA MARGEM DE SEGURANÇA Fonte: Luiz Codorniz

9 MARGEM DE SEGURANÇA Facetas: Circulo de competência Aumenta a confiabilidade na estimativa do valor intrínsico. Risk comes from not knowing what you're doing. Buffett Gestão / Controlador Qualidade dos ativos Buffett diz: Inteligência, energia e integridade é o que o investidor deseja. Quando não se tem o último, os dois primeiros podem destruir o investimento. Exemplos: localização, modernidade das fabricas, matéria-prima de alta qualidade etc. Estrutura financeira Baixo endividamento, financiamentos vantajosos, baixo risco de refinanciamento.

10 MARGEM DE SEGURANÇA Facetas (cont.): Potenciais catalisadores Mudam a percepção do mercado e aceleram o fechamento do gap entre preço e valor. Atratividade / sustentabilidade do negócio Vantagens competitivas, marca top of mind, barreiras de entrada (moats), altos retornos sobre capital empregado etc. Método de avaliação Segregação da informação mais confiável da mais especulativa sobre o futuro.

11 MARGEM DE SEGURANÇA DISCLAIMER Origem: O conceito de margem de segurança (quantitativo) foi tomado emprestado da engenharia.

12 MARGEM DE SEGURANÇA DISCLAIMER Uma ponte que vai ser atravessada por caminhões de 20 toneladas, é melhor ser construida para suportar 40 tons.

13 MARGEM DE SEGURANÇA DISCLAIMER Restringir sua área de atuação àqueles negócios que consegue entender O investidor compreende o modelo de negócios da empresa Círculo de Competência Conclusão: Consegue estimar o valor intrínsico com um maior grau de confiabilidade Entende os riscos operacionais do negócio

14 MARGEM DE SEGURANÇA DISCLAIMER Tipos de gestores / controladores: Parceiros + Tratam os minoritários como sócios. Legalistas + / Tratam os minoritários como sócios de segunda classe, e exploram os furos da legislação societária em benefício próprio. O timing é deles. Integridade comprometida Já foram responsáveis por atos questionáveis.

15 MARGEM DE SEGURANÇA Potenciais catalisadores: Origem Externo Interno Atividade de M&A no setor Mudanças de legislação Venda de ativos Buybacks Cisões JVs Melhoria de setor cíclico (redução de capacidade, crescimento da demanda) Mudanças operacionais Novas estratégias Novos produtos Evento único Eventos contínuos Curto prazo Longo prazo Fonte: Adaptado de Klarman, S. Margin of Safety

16 MARGEM DE SEGURANÇA DISCLAIMER Aspectos qualitativos Vantagens competitivas sustentáveis (custo de troca etc.) Ativos tangíveis de difícil reprodução (mina, porto etc.) Altas barreiras de entrada (licenças especiais etc.) Reconhecimento da marca Participação de mercado Capacidade de aumentar os preços

17 MARGEM DE SEGURANÇA DISCLAIMER Aspectos qualitativos Graham sempre enfatizou o QUANTITATIVO Porém Buffett, Munger, Sequoia, Chieftain e outros também consideram o QUALITATIVO. Esses aspectos dão conforto quanto à parcela do valor intrinsico referente ao valor das oportunidades de crescimento (RoCE > WACC).

18 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Determinação do valor intrínsico: Um bom método de avaliação deve permitir segregar as informações que são conhecidas com alto grau de certeza daquelas que não são. You should be getting growth for free because growth is unpredictable, and the value of growth is unpredictable. Michael van Biema (van Biema Value Partners) Barrons 28 / 10 / 2006

19 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO

20 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Fórmula do DCF Tradicional

21 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DCF Tradicional Método preferido por: Analistas sell side (predominantemente) Analistas buy side (alguns) Controlador da empresa Bancos de investimento (M&A) Fundos de private equity (exit)

22 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DCF Tradicional Vantagens Apropriado para avaliação de operações BOT (Built, Operate and Transfer) e similares. É amplamente aceito. Ensinado em qualquer curso de Administração e outros. Considera o valor do $ no tempo (múltiplos como P/L, EV/FCF não o fazem)

23 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DCF Tradicional Vantagens (cont.) Engenharia Reversa: Possibilita fazer uma leitura das expectativas ( g, CAP etc.) do mercado implícitas no preço da ação. Razões da popularidade entre os vendedores: Obtêm um valor mais alto pelo ativo. É mais fácil de chegar no valor desejado e justificá lo. Exemplo do mercado local: O Sell Side usa o DCF tradicional na avaliação de ações preferenciais sem direitos de tag along, e não faz ajustes. Isso resulta em valor mais alto.

24 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DCF Tradicional Desvantagens Requer uma grande habilidade em fazer projeções de dados futuros (Ex: Taxa de crescimento; CAP (=Duração do RoC>WACC); etc.). Pequenas alterações (por ex.: g ) nos inputs pode provocar grande variação no valor da empresa. O Valor Terminal em geral representa 60% ou mais do valor da empresa.

25 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DCF Tradicional Desvantagens Não segrega informações com alto grau de certeza / confiabilidade daquelas mais especulativas Água Limpa + Água Turva = Água Turva + =

26 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DCF Tradicional Desvantagens Se o Valor Terminal representa a maior parte do resultado da valuation do DCF tradicional, e depende de poucas variáveis, então: O DCF dificulta a tomada de decisões de investimento em ações com margem de segurança.

27 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DCF Tradicional Citação de praticante: To us [DCF] is sort of like the Hubble Telescope you turn it a fraction of an inch and you re in a different galaxy. There are just so many variables in this kind of an analysis that s not for us. Curtis Jensen Third Avenue Small Cap Value Fund VII (Maio 2005)

28 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DCF Tradicional Dilbert by Scott Adams

29 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DCF Tradicional Alternativas Como contornar os problemas do DCF e similares? 1) Residual Income Valuation 2) Método das Três Dimensões 3) Modigliani & Miller Valuation

30 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Métodos com MENOR TEOR Especulativo 1) Valor Contábil do Pat. Líquido (RIV Ohlson) 2) Valor de Reposição (Keynes/Tobin) 3) Valor de Reprodução (Greenwald & Cia.) Fazem parte dos métodos mais abrangentes e menos estáticos. O Valor de Reprodução de certa forma incorpora os outros dois.

31 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Residual Income Valuation Modelo foi desenvolvido pelo Prof. Ohlson da NYU (1995) e utiliza basicamente dados contábeis. Baseia se no Book Value e nos Lucros Residuais Futuros (= Lucro Líquido Futuro menos o Custo de Capital) trazidos ao valor presente. O valor patrimonial atual da empresa é muito menos questionável do que a determinação do valor terminal em dez ou vinte anos.

32 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Residual Income Valuation Baseado no RIV, o valor intrinsico da empresa (Po) têm dois componentes: 1) O atual valor do patrimonio líquido, mais 2) O valor presente dos lucros residuais futuros. Isso pode ser expressado na seguinte fórmula: P 0 B 0 t 1 RI B t t 0 ( 1 r) t 1 Et (1 rb r) t 1 t Na fórmula: B 0 é o valor atual do patrimonio líquido, B t é valor do patrimonio líquido no data t, RI t é o lucro residual nos períodos futuros, r é a taxa requerida de retorno do equity (ROE), E t = Lucro Líquido durante o periodo t, RI t = E t rb t-1.

33 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Método das Três Dimensões Desenvolvido por Greenewald, Kahn, Sonkin, van Biema professores da Columbia University e publicado no livro Value Investing: from Graham to Buffett and Beyond. O primeiro passo é determinar o valor de reprodução da firma que está sendo avaliada. Na sequência é calculado o EPV Earnings Power Value = Lucro Corrente Ajustado dividido pelo Custo de Capital. A última etapa é feita uma estimativa do valor da empresa (PV = Capital x (RoC G)/(r G)) que inclui o valor do crescimento com retorno superior ao custo de capital (RoC > r).

34 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Método das Três Dimensões Fonte: Newsletter VIB 1 (fevereiro de 2009)

35 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Método das Três Dimensões Fonte: Newsletter VIB 1 (fevereiro de 2009)

36 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Modigliani & Miller Valuation A formula desenvolvida por Modigliani & Miller (1961) segrega o Valor da Empresa (VE) em dois componentes: VE = Valor das operações existentes + Valor das oportunidades de crescimento Ou seja, separa os dados com maior grau de certeza daqueles mais incertos.

37 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Fórmula M & M Primeira parte: VOE (Valor das Operações Existentes) = NOPAT (normalizado) + Caixa Liquido + At. Não Oper. r NOPAT = Lucro operacional líquido após IR r = Custo de capital Nota: Essa parte é igual a do Earning Power Value (Greenwald & cia.) A fórmula é condizente com Graham & Dodd (1934 pag. 439), cujo objetivo é basear a estimativa de valor intrínseco nos resultados da empresa apresentados durante um período de anos com a expectativa razoável que eles serão aproximados no futuro.

38 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Fórmula M & M Alternativas p/ Cálculo do VOE : 1)Valor de Reposição (Keynes/Tobin) Keynes na Teoria Geral do Emprego, Juro e Moeda (página 151) "Não faz sentido construir uma nova empresa a um custo superior ao preço que pode ser comprada uma empresa similar já existente." 2) Valor de Reprodução (Greenwald & Cia.)

39 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Formula M & M Segunda parte: VOC (Valor das Oportunidades de Crescimento) = Investimento x (RoC r) x CAP r x (1 + r) RoC = Retorno sobre o investimento CAP = Período de vantagem competitiva (onde RoC > r) Esse componente do valor da empresa é o mais incerto, porque ele depende da habilidade da empresa de crescer e obter um RoC > r.

40 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Modigliani & Miller Valuation Implicações: Valor Implícito do Crescimento Baseado no VOE e no VM (Valor de Mercado da empresa), podemos calcular o Valor implícito das oportunidades de crescimento (VIOC) VIOC = VM Valor das operações existentes

41 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO Modigliani & Miller Valuation Implicações: Valor Implícito do Crescimento O preço a ser pago pelo CRESCIMENTO deve ser julgado em função: Parcela que ele representa do preço total (ótimo se for grátis) É atrativo considerando os fatores qualitativos (vantagens competitivas) e outros aspectos da MS? Existem potenciais catalisadores?

42 EXEMPLO DE AVALIAÇÃO Quilmes Background Março 2002: Crise/corralito afugentou investidores Cervejaria argentina listada na NYSE (Ticker: LQU) Preço $ /ação Negociada com 30% de desconto do valor de reposição de $ 17.24/ação (fábricas) Valor das marcas e rede distribuição igual a zero Amplo reconhecimento de suas marcas na Argentina (+ 100 anos) Market share de aproximadamente 70% na Argentina Operações do Paraguai & Bolivia com geração de caixa de US$ 64 milhões Endividamento de US$ 300 milhões

43 EXEMPLO DE AVALIAÇÃO Quilmes Margem de Segurança Quantitativa: ação negociada com desconto de mais de 30% sobre o valor de reposição Endividamento podendo ser reduzido com geração de caixa das operações (US$ 64MM) fora da Argentina Qualitativa: Marcas, distribuição e market share precificadas como valendo zero Catalisadores: Na época estava havendo uma série de transações (M&A) no setor (foi adquirida pela AMBEV em Maio 2002 por cerca de US$ earnouts). Fonte: Value Investors Club Março 2002

44 EXEMPLO DE AVALIAÇÃO Quilmes Avaliação Valor de Reposição + Private Mkt. Value (BOL e PAR) 1) Capacidade de produção de cervejas (MM de HL) ( ) Capacidade de Bolívia e Paraguai (MM de HL) (5.04) = Capacidade avaliada pelo custo de reposição Custo de Reposição por HL (hectolitro) $47.00 Valor da capacidade instalada $669.2 MM 2) Valor das operações de Bolívia e Paraguai (MM): EBITDA Múltiplo Valor Bolívia $34 7 $238.0 Paraguai $30 6 $180.0 Total $418.0 MM Nota: SAB comprou (Nov. 2001) Cerveceria Hondureña por EV/EBITDA de 7,6x.

45 EXEMPLO DE AVALIAÇÃO Quilmes Avaliação 3) Valor das operações soft drinks Capacidade instalada (MM de HL) Custo de reposição por HL $12.00 Valor da capacidade instalada $125.0 MM 4) Enterprise Value (1+2+3) = $1,212.2 MM ( ) Dívida líquida ($307.2 MM) = Equity value $905 MM Market Cap $ 657 MM Número de Ações 52.5 MM Valor Intrinsico por ação $17.24 Cotação da Ação $12.52 Margem de Segurança 27% Upside 38%

46 EXEMPLO DE AVALIAÇÃO Quilmes Modigliani & Miller Valuation VE = Valor das operações existentes + Valor das oportunidades de crescimento Visando evitar projeções, calculamos o Valor do Crescimento que está implícito (VIOC). VIOC = VME (Valor de Mercado Empresa) Valor das Operações Existentes (US$ 1,212 MM) VME = Mkt Cap + Dívida Líquida = US$ 964 MM VIOC = US$ 964 US$ 1,212 MM = (US$ 248 MM)

47 FACETAS DA MARGEM DE SEGURANÇA Fonte: Luiz Codorniz

48 EXEMPLO DE AVALIAÇÃO Quilmes Facetas da Margem de Segurança Círculo de competência Gestão / Controlador Negócio Simples Gestão profissional Resultados bons dada a crise Qualidade dos ativos Fábricas modernizadas Rede de distribuição Estrutura financeira Dívida líquida US$ 307 MM Geração de caixa de Bolívia e Paraguai US$ 64MM Baixo risco de refinanciamento

49 EXEMPLO DE AVALIAÇÃO Quilmes Facetas da Margem de Segurança Potenciais catalisadores Atratividade / Sustentabilidade do negócio Alta atividade de M&A no setor Ativos de qualidade precificados abaixo do custo de reposição Reconhecimento da marca Market share de 70% (ARG) Alto ROI (condições normais) Risco macro / político Margem de segurança Queda no poder aquisitivo Produto não essencial Economia tumultuada X Valor por ação US$ Preço por ação US$ Upside: 38% X X

50 AVALIAÇÃO COM MARGEM DE SEGURANÇA: CONCLUSÕES Porque a Margem de Segurança é Fundamental: Risco: Mitiga o risco de perdas, ajuda a preservar o capital, e é um colchão para fazer frente a imprevistos, erros de julgamento / análises. Retorno: Quanto maior a margem de segurança maior o retorno potencial. Psicológico: Ela dá tranquilidade ao investidor que com isso consegue suportar e tirar proveito do ruído (volatilidade) provocado pelo comportamento da manada ( Mr. Market ).

51 AVALIAÇÃO COM MARGEM DE SEGURANÇA: CONCLUSÕES Porque a Margem de Segurança é Fundamental (Cont.): Psicológico (Cont.): Investing is simple but not easy Warren Buffett Warren Buffett comenta: "Um argumento usado é que existem muitas incertezas a respeito do futuro próximo e não seria melhor esperar até que a situação ficasse um pouco mais clara? Você conhece a idéia: 'Fique em caixa até que as atuais incertezas sejam resolvidas'. Antes de apegar se a isso, enfrente dois fatos desagradáveis: o futuro nunca é claro e você paga um alto preço pelo conforto do consenso. A incerteza é amiga do comprador de valor de longo prazo." É melhor estar aproximadamente certo do que exatamente errado. Anônimo

52 Luiz Codorniz

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

7º Congresso Value Investing Brasil

7º Congresso Value Investing Brasil www.cvib.com.br 7º Congresso Value Investing Brasil 22 de maio de 2014 Value investing em private equity Cassiano Leme Constância Investimentos A CONSTÂNCIA INVESTIMENTOS não comercializa nem distribui

Leia mais

2010 Incapital Finance - 3

2010 Incapital Finance - 3 METODOLOGIAS PARA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BELO HORIZONTE - MG Apresentação: Palestra Fusões e Aquisições Cenários e Perspectivas Valuation Metodologias e Aplicações Desenvolvimento: Índice: 1. Introdução

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

GAP Ações FIA O Fundo e sua Filosofia

GAP Ações FIA O Fundo e sua Filosofia GAP AÇÕES FIA GAP Ações FIA O Fundo e sua Filosofia Time formado por 7 pessoas (2 gestores de portifólio + 5 analistas) + suporte das áreas de análise macroeconômica e de risco Fundo long-only com um consistente

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63 Sumário Capítulo 1 Conceitos de matemática financeira 1 1.1 Introdução 1 1.2 Taxa de juro nominal e taxa de juro real 3 1.2.1 Fórmula 3 1.3 Capitalização simples 4 1.3.1 Fórmulas 4 1.4 Capitalização composta

Leia mais

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15 Relações com Investidores DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T15 Apresentação: José Rubens de la Rosa CEO José Antonio Valiati CFO & Diretor de Relações com Investidores Thiago Deiro Gerente Financeiro & de

Leia mais

FCLCapital. Junho 2015. www.fclcapital.com

FCLCapital. Junho 2015. www.fclcapital.com Junho 2015 www.fclcapital.com FCL Equities FIA Filosofia de Investimentos - Pág. 4 Estratégia Long-Biased - Pág. 5 Processo de Investimentos - Pág. 6 Gestão de Riscos - Pág. 10 1 Plano de Crescimento Plano

Leia mais

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa Roteiro de Laudo de Avaliação A elaboração de um Laudo de Avaliação de qualquer companhia é realizada em no mínimo 5 etapas, descritas sumariamente a seguir: 1ª. Etapa - Conhecimento inicial do negócio

Leia mais

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Julho. Carteira Sugerida de Junho

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Julho. Carteira Sugerida de Junho A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções de investimento para o mês subseqüente dentro dos ativos

Leia mais

Webcast 1T14 Maio 2014

Webcast 1T14 Maio 2014 Webcast 1T14 Maio 2014 Apresentação da Administração Apresentadores Currículos Marcelo Ernesto Zarzur Diretor Presidente e Diretor Técnico Silvio Ernesto Zarzur Diretor Vice-Presidente e de Incorporação

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006 SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o o A Quantidade do Capital Vendido o O Valor das Empresas no dia do IPO o O Valor das

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS! Qual o preço de lançamento de cada nova ação?! Qual a participação do novo investidor no capital social?! Por que o mercado

Leia mais

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Dezembro. Carteira Sugerida de Novembro

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Dezembro. Carteira Sugerida de Novembro A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções de investimento para o mês subseqüente dentro dos ativos

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

1T09 Divulgação de Resultados

1T09 Divulgação de Resultados Divulgação de Resultados Relações com Investidores: Frederico Dan Shigenawa Diretor de RI ir@tig.bm Sobre a TIG: A TIG Holding Ltd. (nova denominação da Tarpon Investment Group Ltd.) investe em companhias

Leia mais

Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br

Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br 6C0N021 Contabilidade Gerencial Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br Programa da Disciplina Introdução e delimitações Importância da formação do preço de venda na gestão do lucro. Principais elementos

Leia mais

www.estacioparticipacoes.com/ri Global Services Conference Phoenix-AZ, 27 de fevereiro de 2008

www.estacioparticipacoes.com/ri Global Services Conference Phoenix-AZ, 27 de fevereiro de 2008 www.estacioparticipacoes.com/ri Global Services Conference Phoenix-AZ, 27 de fevereiro de 2008 0 1. Visão Geral Setor de Ensino Superior no Brasil Visão Geral Estratégia Empresarial Destaques Financeiros

Leia mais

ALEXANDRE ASSAF NETO www.institutoassaf.com.br assaf@terra.com.br CONCENTRAÇÃO DE CAPITAL E DIVIDENDOS NO BRASIL

ALEXANDRE ASSAF NETO www.institutoassaf.com.br assaf@terra.com.br CONCENTRAÇÃO DE CAPITAL E DIVIDENDOS NO BRASIL ALEXANDRE ASSAF NETO www.institutoassaf.com.br assaf@terra.com.br CONCENTRAÇÃO DE CAPITAL E DIVIDENDOS NO BRASIL PRINCIPAIS TEMAS DESAFIOS E FATORES DE SUCESSO NA GLOBALIZAÇÃO. OBJETIVO DA EMPRESA. DIVIDENDOS:

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 8 de maio de 2015 Magazine Luiza Destaques do Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Luizacred Lucro Líquido Ganhos de market share, principalmente em tecnologia Receita

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

Empresa de Locação. Apresentação de avaliação financeira. São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial

Empresa de Locação. Apresentação de avaliação financeira. São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial Empresa de Locação Apresentação de avaliação financeira São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial A IGC Partners Sobre a empresa Líder em operações de Estrutura local e internacional Fusões e Aquisições

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

PARA CRIAR VALOR PARA O ACIONISTA NÃO BASTA TER EVAs POSITIVOS - É PRECISO QUE SEJAM "CRESCENTES"

PARA CRIAR VALOR PARA O ACIONISTA NÃO BASTA TER EVAs POSITIVOS - É PRECISO QUE SEJAM CRESCENTES PARA CRIAR VALOR PARA O ACIONISTA NÃO BASTA TER EVAs POSITIVOS - É PRECISO QUE SEJAM "CRESCENTES"! PODEMOS CRIAR VALOR APRESENTANDO EVAs NEGATIVOS?! PODEMOS DESTRUIR VALOR APRESENTANDO EVAs POSITIVOS?!

Leia mais

Webcast 2T14 Agosto 2014

Webcast 2T14 Agosto 2014 Webcast 2T14 Agosto 2014 Apresentação da Administração Apresentadores Currículos Marcelo Ernesto Zarzur Diretor Presidente e Diretor Técnico Silvio Ernesto Zarzur Diretor Vice-Presidente e de Incorporação

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS. Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006

ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS. Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006 ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006 No balanço real de uma empresa ativos e capacitações são financiados

Leia mais

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012 Opportunity Equity Hedge FIC FIM Agosto de 2012 Resultado Ao longo do segundo trimestre de 2012, o Opportunity Equity Hedge alcançou uma rentabilidade de 5% depois de taxas, o que representa 239,6% do

Leia mais

Webcast 4T14 Março 2015

Webcast 4T14 Março 2015 Webcast 4T14 Março 2015 Apresentação da Administração Apresentadores Currículos Marcelo Ernesto Zarzur Diretor Presidente e Diretor Técnico Silvio Ernesto Zarzur Diretor Vice-Presidente e de Incorporação

Leia mais

Demonstrativo de Preço

Demonstrativo de Preço 11:24 1/13 Demonstrativo de Preço 1. Sumário das Análises Apresentadas Nas análises apresentadas nesse documento demonstramos: (i) Como foi atingido o valor implícito da Telemig Celular (Operadora) (ii)

Leia mais

HORA DE COMPRAR AÇÕES DA PETROBRAS?

HORA DE COMPRAR AÇÕES DA PETROBRAS? A reprodução indevida, não autorizada, deste relatório ou de qualquer parte dele sujeitará o infrator a multa de até 3 mil vezes o valor do relatório, à apreensão das cópias ilegais, à responsabilidade

Leia mais

DEFINIÇÃO DE PREÇO DE EMISSÃO DE AÇÕES

DEFINIÇÃO DE PREÇO DE EMISSÃO DE AÇÕES DO GRUPO DE ESTUDOS DE DIREITO EMPRESARIAL FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DIREITO SOCIETÁRIO APLICADO DEFINIÇÃO DE PREÇO DE EMISSÃO DE AÇÕES Julio A. N. Queiroz Patrocinadores:

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14 27 de fevereiro de 2015 Magazine Luiza Destaques 2014 Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Ajustado Luizacred Lucro Líquido Ajustado Crescimento da receita

Leia mais

ENCONTRO ANUAL DO PAEX

ENCONTRO ANUAL DO PAEX ENCONTRO ANUAL DO PAEX Sustentabilidade Financeira para a Competitividade Prof. Haroldo Mota 2007 O CONFORTO DE CURTO PRAZO Empresa Acomodada Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 EBITDA 940 890 820 800 ( ) Var. NCG

Leia mais

XP CAPITAL PROTEGIDO X: BERKSHIRE HATHAWAY

XP CAPITAL PROTEGIDO X: BERKSHIRE HATHAWAY XP CAPITAL PROTEGIDO X: BERKSHIRE HATHAWAY BERKSHIRE HATHAWAY PORTFOLIO DE EMPRESAS Investimentos na Bolsa Americana Warren Buffett é considerado o maior investidor de todos os tempos. Sua filosofia consiste

Leia mais

Destaques do Trimestre

Destaques do Trimestre Resultados do 1T12 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

NUTRIPLANT ON (NUTR3M)

NUTRIPLANT ON (NUTR3M) NUTRIPLANT ON (NUTR3M) Cotação: R$ 1,79 (18/06/2014) Preço-Alvo (12m): R$ 2,10 Potencial de Valorização: 18% 4º. Relatório de Análise de Resultados (1T14) Recomendação: COMPRA P/L 14: 8,0 Min-Máx 52s:

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análise Fundamentalista Origem remonta do final do século XIX e princípio do século XX, quando as corretoras de bolsa tinham seus departamentos de análise

Leia mais

Luminus. Prezados Investidores e Amigos, Mas, afinal, o que é investir em Ações? Carta do Gestor: Filosofia de Investimentos

Luminus. Prezados Investidores e Amigos, Mas, afinal, o que é investir em Ações? Carta do Gestor: Filosofia de Investimentos Prezados Investidores e Amigos, Em março de 2012 tomei a decisão de fundar a. Não era a primeira vez que seria um empresário, mas era um desafio muito diverso daqueles aos quais eu estava acostumado, pois

Leia mais

DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL. Palavras-chave: longo prazo, financiamentos, investimentos, custo, capital.

DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL. Palavras-chave: longo prazo, financiamentos, investimentos, custo, capital. DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este trabalho considera os custos de dívidas a longo prazo,

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

GESTÃO DE CARTEIRA DE 3 ATIVOS

GESTÃO DE CARTEIRA DE 3 ATIVOS GESTÃO DE CARTEIRA DE 3 ATIVOS Eduardo Martin Alves Magaz (e.alves@grad.ufsc.br) Mercado de Capitais I Newton Carneiro Affonso da Costa Jr RESUMO Neste trabalho de conclusão de disciplina é apresentada

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Relatório Analítico 19 de abril de 2012

Relatório Analítico 19 de abril de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa AM BV4 Segmento de Atuação Principal Alimentos Categoria segundo a Liquidez 1 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 80,99 Valor Econômico por Ação (R$) 81,05 Potencial

Leia mais

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 BRITCHAM RIO 2009 AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 JUSTIFICATIVAS DO TEMA Permanente movimento de concentração Aumento da Relevância dos Intangíveis Convergência/Harmonização/Unificação de

Leia mais

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda 19/02/2010 CETIP S.A BALCÃO ORGANIZADO DE ATIVOS E DERIVATIVOS A Companhia A CETIP S.A. - Balcão Organizado de Ativos e Derivativos ( Companhia ou CETIP ) opera o maior Mercado Organizado para Ativos de

Leia mais

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa DECISÕES DE INVESTIMENTOS E ORÇAMENTO DE CAPITAL Orçamento de capital Métodos e técnicas de avaliação de investimentos Análise de investimentos Leia o Capítulo 8 do livro HOJI, Masakazu. Administração

Leia mais

cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 1 dicas dos especialistas Como investir em ações utilizando Análise Fundamentalista

cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 1 dicas dos especialistas Como investir em ações utilizando Análise Fundamentalista cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 1 dicas dos especialistas Como investir em ações utilizando Análise Fundamentalista cartilha_18x10.qxd 9/20/2005 1:45 PM Page 2 Como investir em ações utilizando

Leia mais

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 1T10 156.512.000,00

RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 1T10 156.512.000,00 RELATÓRIO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES RESULTADOS 156.512.000,00 Resultados do RESULTADOS São Paulo, 14 de maio de 2010 A BRADESPAR [BM&FBOVESPA: BRAP3 (ON), BRAP4 (PN); LATIBEX: XBRPO (ON), XBRPP (PN)]

Leia mais

Conhecimento é seu melhor ativo!

Conhecimento é seu melhor ativo! Conhecimento é seu melhor ativo! ANÁLISE FUNDAMENTALISTA Entenda o método de precificação de ativos! ÍNDICE Tipos de Investimentos Por que investir em bolsa? Grafista x Fundamentalista Análise Fundamentalista

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

Venda da Unidade Guaíba. 08 de outubro de 2009

Venda da Unidade Guaíba. 08 de outubro de 2009 Venda da Unidade Guaíba 08 de outubro de 2009 Aviso legal As informações contidas nesta apresentação poderão incluir afirmações que representem "forward looking statements" nos termos do disposto no Securities

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Análise Financeira de Balanço

Análise Financeira de Balanço UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Contabilidade Gerencial EPR 30 Análise Financeira de Balanço Juliano Jun Tatsumi nº11462 Marina Carvalho Brandão nº11466 Itajubá,

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito.

Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito. Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito. Valor da cota de um fundo de investimento É calculado

Leia mais

CAPÍTULO 7 - ÁRVORES DE DECISÃO

CAPÍTULO 7 - ÁRVORES DE DECISÃO CAPÍTULO 7 - ÁRVORES DE DECISÃO 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A árvore de decisão é uma maneira gráfica de visualizar as consequências de decisões atuais e futuras bem como os eventos aleatórios relacionados.

Leia mais

Estudo Grendene - jmeloblog - h3p://jmeloblog.wordpress.com - Jean Melo RELATÓRIO DE AÇÕES

Estudo Grendene - jmeloblog - h3p://jmeloblog.wordpress.com - Jean Melo RELATÓRIO DE AÇÕES RELATÓRIO DE AÇÕES EMPRESA: GRENDENE CÓDIGO: GRND3 Quantidade de ações: 300.720.000 SETOR: CALÇADOS PREÇO ATUAL: R$ 8,88 MÁXIMA 52 SEM: R$9,84 MÍNIMA 52 SEM: R$6,93 RECOMENDAÇÃO: WATCH LIST Atividade Principal

Leia mais

CARTA AO INVESTIDOR 4º TRIMESTRE

CARTA AO INVESTIDOR 4º TRIMESTRE CARTA AO INVESTIDOR 4º TRIMESTRE Você só precisa fazer algumas poucas coisas certas na vida desde que não faça muitas erradas. Warren Buffett Este material tem o único propósito de divulgar informações

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 3T14

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 3T14 Relações com Investidores DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DO 3T14 Apresentação: José Rubens de la Rosa CEO José Antonio Valiati CFO & Diretor de Relações com Investidores Thiago A. Deiro Gerente Financeiro &

Leia mais

Investment Research Contest. Como preparar um relatório

Investment Research Contest. Como preparar um relatório Investment Research Contest Como preparar um relatório Agenda Buscando Informações Estruturando o Raciocínio A Importância do Valuation Tese de Investimento Comparáveis e Múltiplos As Etapas do Relatório

Leia mais

Apresentação 4T11 & 2011. Abril, 2012

Apresentação 4T11 & 2011. Abril, 2012 Apresentação Resultados 4T11 & 2011 Abril, 2012 Destaques & Eventos Recentes Balanço do ano de 2011 Processo de integração da Agre: SAP; Revisão orçamentária; Processo contábil de combinação de negócios

Leia mais

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010

Apresentação da Companhia. Setembro de 2010 Apresentação da Companhia Setembro de 2010 Comprovada capacidade de execução Visão geral da Inpar Empreendimentos por segmento (1) Modelo de negócios integrado (incorporação, construção e venda) Comercial

Leia mais

8 dicas para quem vai abrir uma gestora de fundos

8 dicas para quem vai abrir uma gestora de fundos 8 dicas para quem vai abrir uma gestora de fundos Neste guia, apresentaremos alguns itens que devem ser observados ao abrir uma gestora independente. Por que montar uma gestora independente? Existem várias

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Aula 09 Matemática Financeira. Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica

Aula 09 Matemática Financeira. Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica Aula 09 Matemática Financeira Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica Introdução A partir da absorção do conceito de dinheiro no tempo, estamos aptos a fazer uso da Engenharia Econômica, que se

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

MBA Finanças (Turma II)

MBA Finanças (Turma II) MBA Finanças (Turma II) O MBA Executivo em Finanças do Ibmec é um programa de pós-graduação lato sensu para profissionais que necessitam de conhecimentos aprofundados na área de finanças. Ao longo do curso,

Leia mais

Resultados 1T15. 08 de maio de 2015

Resultados 1T15. 08 de maio de 2015 Resultados 1T15 08 de maio de 2015 2 Principais destaques do 1T15 Crescimento da receita líquida de 23%, sendo de 2 dígitos em todas unidades de negócio no comparativo ano vs. ano, favorecidas por 83%

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 CARTEIRA COMENTÁRIO Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

Cemig-Terna: mercado financeiro reprova e elétricos vêem movimento de consolidação (Alexandre Canazio)

Cemig-Terna: mercado financeiro reprova e elétricos vêem movimento de consolidação (Alexandre Canazio) Folha de S. Paulo SP 24/04/2009 Dinheiro B1 Valor Econômico SP 24/04/2009 Internacional / Armando Castelar CAPA / A 15 Canal Energia Online SP 24/04/2009 Plantão Canal Energia Online Cemig-Terna: mercado

Leia mais

Preço Médio Ponderado das Ações 39. Fluxo de Caixa Descontado 42. Valor do Patrimônio Líquido Contábil 56

Preço Médio Ponderado das Ações 39. Fluxo de Caixa Descontado 42. Valor do Patrimônio Líquido Contábil 56 Preço Médio Ponderado das Ações 39 Fluxo de Caixa Descontado 42 Valor do Patrimônio Líquido Contábil 56 1. A Ceres Inteligência Financeira Ltda. Participações em Ativos de Energia Elétrica - 2. A CERES

Leia mais

Análise de Viabilidade Econômica

Análise de Viabilidade Econômica UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Análise de Viabilidade Econômica Régis Kovacs Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Objetivos

Leia mais

PDG Realty aumenta para 50% sua participação na CHL

PDG Realty aumenta para 50% sua participação na CHL PDG Realty aumenta para 50% sua participação na CHL Relações com Investidores: Michel Wurman Diretor de Relações com Investidores João Mallet Gerente de Relações com Investidores Telefone: (21) 3804 3800

Leia mais

Aquisição da Uniasselvi

Aquisição da Uniasselvi Aquisição da Uniasselvi Maio/2012 As afirmações contidas neste documento relacionadas a perspectivas sobre os negócios, projeções sobre resultados operacionais e financeiros e aquelas relacionadas a perspectivas

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Ações

Conceitos básicos de negociação em Ações Conceitos básicos de negociação em Ações N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Ação: título representativo de uma fração do capital social

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08

Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08 Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08 RME Rio Minas Energia Participações S.A Luce Brasil Fundo de Investimentos - LUCE Missão da Light: Ser uma grande empresa

Leia mais

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO Patrimônio é o conjunto de posses, a riqueza de uma pessoa, quer seja ela física ou jurídica,

Leia mais

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique.

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique. Prova Parcial Malvessi Questão 1 (15%) 1. A teoria moderna de administração financeira consagra 3 decisões estratégicas básicas para a tomada de decisão do administrador financeiro. Conceitue-as claramente.

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 06-11-2013 aula revisão 1 Representação de Ativos 1) Um projeto produz um fluxo de caixa líquido depois de descontados

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Apresentação de Resultados 4T06 / 2006

Apresentação de Resultados 4T06 / 2006 Apresentação de Resultados 4T06 / 2006 16 de Março de 2007 1 / 17 Visão Geral da São Carlos Rolando Mifano Presidente 2 / 17 Visão Geral da São Carlos A São Carlos é uma das principais empresas de investimentos

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária II

Contabilidade Financeira e Orçamentária II Contabilidade Financeira e Orçamentária II Curso de Ciências Contábeis - 7º período Prof. Edenise Tópicos Iniciais Plano Orçamentário compreende: todo o processo operacional da empresa. Envolve todos os

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Após traçadas as estratégias através da análise de mercado propiciada pelo plano de negócios - e se mesmo diante das dificuldades

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O

I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O Sumário Prefácio, xiii Parte I - FUNDAMENTOS BÁSICOS DE FINANÇAS CORPORATIVAS, 1 1 O que são Finanças Corporativas?, 3 1 Introdução, 3 2 Objetivos empresariais, 4 3 Estratégias operacionais, 5 4 Estrutura

Leia mais

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008 Bovespa: TPIS3 www.tpisa.com.br Departamento de RI Diretoria Ana Cristina Carvalho ana.carvalho@tpisa.com.br Gerência Mariana Quintana mariana.quintana@tpisa.com.br Rua Olimpíadas, 205-14º andar Fone +55

Leia mais