GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro aula 3

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 30-10-2013 aula 3"

Transcrição

1 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro aula 3

2 Fluxo de Caixa Apuração do Imposto de Renda com base no Lucro Real Apuração do Imposto de Renda com base no Lucro Presumido

3 Dinâmica 1 1) As vendas, deste ano, da empresa CAROLA são da ordem de horas de serviços de consultoria. Ela cobra $200,00 por hora de consultoria. Os custos fixos anuais são de $ ,00 e o custo variável é de $80,00 por hora de serviços prestados. O governo presume que o seu lucro será 32% do seu faturamento e tributa 25% sobre lucro presumido Calcule o IR devido este ano, com base no Lucro Real e com base no Lucro Presumido. Solução: IR Presumido: Faturamento x $200,00 = $ ,00. O lucro presumido é 32% de $ ,00, ou seja, $ ,00. O IR (imposto de renda) será 25% de $ ,00, ou seja, $ ,00. IR Real: Faturamento x $200,00 = CF CV LAJIR IR de 25% Resposta: O valor do IR para operar na base do Lucro Presumido, este ano, é $ ,00. Já o valor do IR para operar na base do Lucro Real é $ ,00. Nesse caso, é melhor optar pela tributação com base no lucro presumido.

4 Dinâmica 1 2) A empresa OBA-OBA opera com base no Lucro Presumido e suas vendas, este ano, são da ordem de horas de serviços de consultoria. Ela cobra R$400,00 por hora de consultoria. O governo assume que o lucro será 42% do seu faturamento e tributa 27% sobre o lucro presumido. Calcule o IR devido este ano, com base no Lucro Presumido. Solução: IR Presumido Faturamento x R$400,00 = R$ ,00. O lucro presumido é 42% de R$ , ou seja, R$ ,00. O IR (imposto de renda) será 27% de R$ , ou seja, R$ ,00. Resposta: O valor do IR este ano de é R$ ,00

5 Dinâmica 1 3) Continuação... A empresa OBA-OBA quer mudar para operar com base no Lucro Real. Considere que as vendas são da ordem de horas de serviços e que ela cobra R$400,00 por hora de consultoria. O custo fixo é R$ ,00, por ano, e custo variável é R$200,00, por hora. O governo tributa 27% sobre o Lucro Real. Calcule o IR devido deste ano com base no Lucro Real e diga o que é melhor para essa empresa: optar pelo Lucro Real ou Lucro Presumido. Solução: IR Real Faturamento x R$400,00 = CF CV LAJIR IR de 27% Resposta: O valor do IR este ano é R$ ,00. Nesse caso, é melhor optar pelo Lucro Real.

6 Dinâmica 1 4) A prestadora de serviços PANDA vende atualmente dois produtos: A e B. A previsão do comercial é vender 1.450, e produtos A, e; 1.100, 1.400, e do produtos B, respectivamente, nos anos 1, 2 e 3. Os preços de venda esperados são: Produto A: $24, $28 e $32, e; Produto B: $22, $27 e $32, respectivamente, nos anos 1, 2 e 3. Os custos fixos são de $3.200,00, ao ano, constantes pelos próximos 3 anos e os custos variáveis unitários são: Produto A: $14, $16 e $16, e; Produto B: $16, $17 e $18, respectivamente, nos anos 1, 2 e 3. Considere que o Imposto de Renda é com base no Lucro real e que a alíquota seja 30%. Os investimentos totais necessários para o perfeito atendimento destes contratos são da ordem de $50.000,00, hoje, porém os sócios só têm $24.000,00. Empréstimos podem ser feitos, contudo as taxas de juros disponíveis no mercado são de 16%, ao ano. Assuma que somente serão feitos os pagamentos dos juros dos empréstimos, ficando o principal para ser pago no final do período de 3 anos. Determine os fluxos de caixa da empresa PANDA para seus sócios e credores, pelos próximos 3 anos.

7 Dinâmica 1 O fluxo de caixa da empresa prestadora de serviços PANDA é obtido com a ajuda do Demonstrativo de Resultados Projetados. EMPRESA PANDA Investimento ,00 Cap. Próprio ,00 Empréstimo ,00 Ano 1 Ano 2 Ano 3 Previsão de venda A Previsão de venda B Preço A 24,00 28,00 32,00 Preço B 22,00 27,00 32,00 Faturamento , , ,00 Custo Variável A 14,00 16,00 16,00 Custo Variável B 16,00 17,00 18,00 Custo Variável Total , , ,00 Custos Fixos 3.200, , ,00 LAJIR , , ,00 Juros 16% 4.160, , ,00 LAJIR , , ,00 IR 30% 4.122, , ,00 Lucro Líquido 9.618, , ,00 Reinvestimento ,00 Dividendos 9.618, , ,00 Fluxo de Caixa data t=0 t=1 t=2 t=3 para os Sócios , , , ,00 para os Credores , , , ,00

8 Risco X Retorno Comportamento em Relação ao Risco Identificando o Comportamento dos Investidores

9 Intervalo

10 Dinâmica 2 1ª parte: Paulo Emilio é um investidor que gosta de fazer investimentos imobiliários, com o objetivo de obter renda através aluguéis. Ele tem um capital de $ ,00 para investir em um imóvel comercial, a fim de alugá-lo. Com este recurso poderá comprar uma sala em um shopping, à vista. O aluguel deste imóvel, hoje, gira em torno de $60.000,00 anuais. Algumas despesas do shopping correm por conta dos proprietários e são da ordem de $12.000,00 anuais. Os seus custos fixos para gerenciar (incluindo contadores e diversos) são da ordem de $23.000,00 anuais. Determine a taxa de retorno que o imóvel proporcionará ao seu proprietário e os fluxos de caixa dos próximos 4 anos. Observação: Estamos desconsiderando existência de impostos, valorização ou desvalorização do imóvel no mercado, para efeitos de simplificar nosso exemplo.

11 Dinâmica 2 Faturamento Custos Variáveis Custos Fixos Lucro Bruto Juros Impostos Lucro Líquido Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano Resposta: Investindo $ ,00 e recebendo líquidos, todos os anos, $25.000,00, a taxa de retorno que Sr. Paulo Emilio receberá é 25% ao ano.

12 Dinâmica 2 2ª parte: Ao conversar com alguns amigos, Paulo Emilio percebeu que poderia comprar 2 salas idênticas, financiando 50% de cada uma delas, em vez de comprar apenas 1, à vista. Desta forma, ele teria 2 aluguéis em vez de 1 apenas. Sr. Paulo Emilio gostou da ideia e foi ao banco. Procurou um financiamento em que pagaria apenas os juros, deixando o principal para o final. Caso quisesse, poderia vender as salas a qualquer tempo e quitar a dívida pelo valor do principal. A taxa de juros que o banco cobra é 22%, ao ano. Paulo Emilio refez seus cálculos, considerando a compra de 2 salas. Qual conclusão ele pode chegar?

13 Dinâmica 2 Valor das 2 salas: $ ,00 Entrada: $ ,00 (capital próprio) Valor financiado: $ ,00 (capital de terceiros) Sistema de amortização: pagamento de juros com carência do principal Taxa de juros: 22% ao ano Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Faturamento Custos Variáveis Custos Fixos Lucro Bruto Juros Impostos Lucro Líquido Resposta: Investindo $ ,00 e recebendo líquidos, todos os anos, $28.000,00, a taxa de retorno que Sr. Paulo Emilio receberá é 28% ao ano, maior do que receberia com apenas uma sala. Seu risco agora é maior, pois tem juros a pagar e, se não pagar, o banco poderá tomar suas salas. Porém, o retorno também é maior. Paulo Emilio acha que o aumento da taxa de retorno de 25% para 28% compensa o risco maior.

14 Dinâmica 2 3ª parte: Conversando novamente com seus amigos, Paulo Emilio foi alertado para o fato de que se os juros fossem 26%, em vez de 22%, por exemplo, o cenário seria diferente. Com isso, ele refez os cálculos mais uma vez. O cenário fica diferente? Qual conclusão Sr. Paulo Emilio pode chegar?

15 Dinâmica 2 Valor das 2 salas: $ ,00 Entrada: $ ,00 (capital próprio) Valor financiado: $ ,00 (capital de terceiros) Sistema de amortização: pagamento de juros com carência do principal Taxa de juros: 26% ao ano Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Faturamento Custos Variáveis Custos Fixos Lucro Bruto Juros Impostos Lucro Líquido Resposta: Investindo $ ,00 e recebendo líquidos, todos os anos, $24.000,00, a taxa de retorno que Sr. Paulo Emilio receberá é 24% ao ano, menor do que receberia com apenas uma sala, que, como vimos, é 25% ao ano.

16 Dinâmica 2 Conclusão Observe o cenário: seu risco agora é maior, pois tem juros a pagar e, se não pagar, o banco poderá tomar suas salas. Porém, o retorno é menor. Nesse cenário, Paulo Emilio, certamente, vai decidir por não usar capital de terceiros em seu projeto. Conclusão: A taxa de retorno dos credores deve ser menor que a taxa de retorno para os sócios, pois, caso contrário, teríamos uma decisão incoerente: maior risco com menor retorno. Quando as taxas de juros são altas, os empreendedores decidem por não usar, ou usar pouco, capital de terceiros para financiar seus investimentos.

17 Custo Médio Ponderado do Capital CMPC

18 Dinâmica 3 1) Considere que a taxa RF é de 10%, ao ano, e que a taxa esperada de retorno do mercado seja de 16%, ao ano. Assuma que o risco relativo Beta ( ), adequado ao risco do investimento que você quer analisar, é de 1,3. Qual deve ser a taxa de retorno anual adequada ao risco desse investimento? Solução: Utilizando o modelo CAPM... Taxa de retorno (K) = RF + β (Erm RF) K = 0,10 + 1,3 (0,16 0,10) = 0,1780 = 17,80% Resposta: A taxa de desconto adequada ao risco desses FCs é de 17,8%.

19 Dinâmica 3 2) Questão conceitual. Você quer investir recursos em uma aplicação financeira de renda fixa, um fundo RF, por exemplo. Lembrando que a taxa de retorno de um investimento deve ser proporcional ao seu risco, qual deve ser a taxa esperada de retorno? Informações adicionais: Taxa de retorno para fundo RF do banco ALFA = 12% ao ano. Taxa de retorno para aplicações em prata = 18% ao ano. Taxa de retorno para aplicações em imóveis = 10% ao ano, acrescida da valorização ou desvalorização do imóvel. Taxa de retorno para aplicações na caderneta de poupança = 0,5% ao mês, acrescida da inflação do período. Resposta: Por comparação, vemos que a taxa de retorno mais adequada para essa classe de investimentos é a aplicação em fundo RF que paga uma taxa de 12% ao ano.

20 Dinâmica 3 3) Você quer investir em imóveis para aluguel na região metropolitana de Manaus. Qual deve ser a taxa de retorno esperada para estes investimentos? Informações adicionais: Taxa de retorno para aplicações em imóveis de aluguel em Porto Alegre = 1% ao mês de aluguel. Taxa de retorno para aplicações em imóveis de aluguel em Brasília = 2% ao mês de aluguel. Taxa de retorno para aplicações em imóveis de aluguel em Manaus = 0,8% ao mês de aluguel. Taxa de retorno para fundo RF do banco Baixus = 24% ao ano. Taxa de retorno para aplicações na caderneta de poupança = 0,5% ao mês, acrescida da inflação do período. Resposta: Por comparação, vemos que a taxa de retorno mais adequada para essa classe de investimentos é de 0,8% ao mês.

21 Dinâmica 3 4) Você quer determinar a taxa de retorno adequada a investimentos imobiliários em imóveis industriais para aluguel. Considere que a taxa RF seja 12%, ao ano, e que a taxa esperada de retorno do mercado seja 18%, ao ano. Assuma que o risco relativo beta ( ), adequado ao risco do investimento imobiliário, seja 0,7. Qual deve ser a taxa de retorno anual adequada ao risco desse imóvel? Solução: K = RF + β (Erm RF) K = 0,12 + 0,7 (0,18 0,12) = 0,1620 = 16,20% Resposta: A taxa de desconto adequada ao risco deste investimento é 16,2%.

22 Dinâmica 3 5) Determine a taxa de retorno adequada ao investimento em ações da empresa W. Considere que a taxa RF seja 9%, ao ano, e que a taxa esperada de retorno do mercado seja 15%, ao ano. Assuma que o risco relativo beta ( ), adequado ao risco do investimento em ações da W, seja 0,8. Qual deve ser a taxa de retorno anual adequada ao risco dessa empresa? Solução: K = RF + β (Erm RF) K = 0,09 + 0,8 (0,15 0,09) = 0,1380 = 13,80% Resposta: A taxa de desconto adequada ao risco das ações da W é 13,8%.

23 Dinâmica 3 6) Considere que a taxa RF seja 11%, ao ano, e que a taxa esperada de retorno do mercado seja 17%, ao ano. Assuma que o risco relativo beta ( ), adequado ao risco do investimento em uma determinada firma, seja 1,4. Qual deve ser a taxa de retorno anual adequada ao risco dessa firma? Solução: K = RF + β (Erm RF) K = 0,11 + 1,4 (0,17 0,11) = 0,1940 = 19,40% Resposta: A taxa de desconto adequada ao risco destes FCs é 19,4%. 7) Determine a taxa de retorno adequada a um projeto de floricultura de alta tecnologia. Empreendimentos similares apresentam os seguintes retornos: Trans-flor: 18% ao ano; Flower-HiTech: 20% ao ano; Bela-Flor SA: 19% ao ano. Qual deve ser a taxa de retorno anual adequada ao risco deste projeto? Solução: Vamos fazer a média simples... (18% + 20% + 19%) / 3 = 19% aa Resposta: A taxa de desconto adequada ao risco deste projeto é 19%.

24 Dinâmica 3 8) Considere que a taxa RF seja 12%, ao ano, e que a taxa esperada de retorno do mercado seja 17%, ao ano. Assuma que o risco relativo beta ( ), adequado ao risco do investimento na empresa X, seja 1,2. Qual deve ser a taxa de retorno anual adequada ao risco dessa empresa? Solução: K = RF + β (Erm RF) K = 0,12 + 1,2 (0,17 0,12) = 0,1800 = 18,00% Resposta: A taxa de desconto adequada ao risco desta empresa é 18%. 9) Considere que a taxa RF seja 6%, ao ano, e que a taxa esperada de retorno do mercado seja 12%, ao ano. Assuma que o risco relativo beta ( ), adequado ao risco do investimento em um projeto, seja 0,8. Qual deve ser a taxa de retorno anual adequada ao risco desse projeto? Solução: K = RF + β (Erm RF) K = 0,06 + 0,8 (0,12 0,06) = 0,1080 = 10,80% Resposta: A taxa de desconto adequada ao risco deste projeto é 10,8%.

25 Determinação da taxa de retorno Modelo do CAPM por semelhança com mercado

26 Dinâmica 4 1) Para administrar bem, você precisa conhecer o custo médio do capital que financia sua empresa. Considere que sua empresa, a LIGEIRO BUSINESS, tem uma dívida no valor de $ ,00 e patrimônio dos sócios de $ ,00. Assuma que a taxa de juros (Kd) que os bancos cobram seja 12%, ao ano, e a taxa de remuneração dos sócios (Ks) seja de 18%, ao ano. Calcule o CMPC da Ligeiro Business. Considere que não existem impostos. Solução: Tendo sido fornecido o custo do capital próprio, Ks = 18%, não precisamos usar a fórmula do CAPM para determiná-lo. Assim, basta calcular o CMPC... CMPC = Kd (1 IR) D/(D+S) + Ks S/(D+S) CMPC = 0,12 (1 0) ( / ) + 0,18 ( / ) CMPC = 0,1455 = 14,55% ao ano Resposta: O custo médio ponderado do capital da Ligeiro Business é 14,55% a.a.

27 Dinâmica 4 2) O projeto Albatroz é financiado por 50% de capital próprio, sobre o qual paga uma taxa de retorno (Ks) da ordem de 30%, ao ano, e o restante é financiado por capital de terceiros, com uma taxa de juros (Kd) de 20%, ao ano. A alíquota do IR é 22%. Calcule o CMPC do projeto Albatroz. Solução: Tendo sido informado que a proporção de capital próprio é 50%, então S/(D+S) = 0,5. CMPC = Kd (1 IR) D/(D+S) + Ks S/(D+S) CMPC = 0,2 (1 0,22) (0,5) + 0,3 (0,5) = 0,2280 Resposta: O custo médio ponderado do capital do projeto Albatroz é 22,8%.

28 Dinâmica 4 3) A empresa COTRIMUS tem uma dívida de $ ,00, sobre a qual paga taxa de juros de 14%, ao ano. O capital próprio dos sócios é $ ,00 e a empresa paga uma taxa de dividendos (Ks) de 18%, ao ano. A alíquota do IR é 20%. Calcule o CMPC para essa companhia. Solução: CMPC = Kd (1 IR) D/(D+S) + Ks S/(D+S) CMPC = 0,14 x (1-0,2) 2/(2+4) + 0,18 4/(2+4) = 0,1573 Resposta: O custo médio ponderado do capital da empresa COTRIMUS é 15,73%.

29 Dinâmica 4 4) A empresa de Mineração MINERÃO tem de ações nas mãos dos sócios. O valor justo de cada ação é $17,00. Os dividendos pagos, anualmente, são de $3,00. Não existem reinvestimentos. Hoje, essa empresa tem uma dívida de $ ,00, sobre a qual paga uma taxa de juros de 14%, ao ano. A alíquota do IR é 25%. Calcule o CMPC da Minerão. Solução: Pelo enunciado, vemos que a taxa de retorno sobre o capital próprio é 3,00/17,00 = 0,1765 = 17,65%. O valor do capital próprio é x $17,00 = $ ,00 CMPC = Kd (1 IR) D/(D+S) + Ks S/(D+S) CMPC = 0,14 x (1-0,25) 4/(4+17) + 0, /(4+17) = 0,1629 Resposta: O custo médio ponderado do capital da empresa MINERÃO é 16,29%.

30 Dinâmica 4 5) Sua empresa quer implantar o projeto COREL. O capital total necessário para essa implantação é $ ,00. Os sócios vão aportar $ ,00 e o restante do capital será via capital de terceiros. A taxa de juros é 16%, ao ano. A alíquota do IR é 28%. Os sócios esperam receber uma taxa de retorno de 20%, ao ano. Esse projeto promete uma taxa de retorno de 18%, ao ano. Calcule o CMPC do projeto COREL e informe se o projeto é viável ou não. Solução: Primeiro, vamos determinar a taxa do custo do capital. Pelo enunciado, se os sócios vão aportar $ ,00 de um total necessário de $ ,00, o capital de terceiros deverá ser $ ,00. CMPC = Kd (1 IR) D/(D+S) + Ks S/(D+S) CMPC = 0,16 x (1-0,28) 2.800/ , /4.200 = 0,1435 Pelo enunciado, sabemos que o retorno esperado do projeto, como um todo, é 18% ao ano, maior que o CMPC (14,35%). Então, podemos dizer que o projeto COREL é viável. Resposta: O custo médio ponderado do capital do projeto COREL é 14,35% e ele é viável, pois o CMPC é menor que taxa de retorno que o projeto espera proporcionar aos investidores.

31 Determinação da taxa do Custo Médio Ponderado do Capital

32 Dinâmica 5 1) A Empresa Aérea MUNDIAL é financiada por 30% de capital próprio e 70% de capital de terceiros. A esperada taxa de retorno do mercado é estimada em 16%, ao ano, e a taxa RF é de 10%, ao ano. O risco beta de suas ações é 1,6. O custo do capital de terceiros (Kd) é de 14%, ao ano. Determine o CMPC da empresa Mundial. Solução: Precisamos determinar a taxa Ks de retorno para os sócios, pois não foi fornecida. Ks = RF + βs (Erm RF) Ks = 0,10 + 1,6 (0,16 0,10) = 0,1960 = 19,60% Agora que temos Ks, podemos calcular o CMPC... CMPC = Kd (1 IR) D/(D+S) + Ks S/(D+S) CMPC = 0,14 x (1 0) x 0,70 + 0,196 x 0,30 CMPC = 0,1568 = 15,68% Resposta: O custo médio ponderado do capital da firma Mundial é 15,68%.

33 Dinâmica 5 2) O pet shop BICHO ELEGANTE tem um ativo total de R$ ,00. O financiamento por capital de terceiros é da ordem de R$ ,00. A esperada taxa de retorno do mercado é estimada em 16%, ao ano, e a taxa RF é 10%, ao ano. O risco beta das ações dessa empresa é 0,9. O custo do capital de terceiros é 12%, ao ano. Determine o CMPC da empresa Bicho Elegante. Solução: Precisamos determinar a taxa Ks de retorno para os sócios, pois não foi fornecida. Ks = RF + βs (Erm RF) Ks = 0,10 + 0,9 (0,16 0,10) Ks = 0,1540 = 15,40% Agora que temos Ks, podemos calcular o CMPC... CMPC = Kd (1 IR) D/(D+S) + Ks S/(D+S) CMPC = 0,12 x (1-0) x 2800/ ,154 x 2200/5000 CMPC = 0,1350 = 13,50% Resposta: O custo médio ponderado do capital do Bicho Elegante é 13,50%.

34 Dinâmica 5 3) A firma VERDE tem ações emitidas no valor de $3,00, cada. As dívidas da firma VERDE montam a $20.000,00, sobre as quais paga uma taxa de juros de 14% ao ano. O esperado retorno do mercado é 22%, ao ano, e a taxa RF é 12%, ao ano. O risco beta das ações dessa firma é 1,2. A alíquota do IR é 25%. Qual é o CMPC da firma VERDE? Solução: Precisamos determinar a taxa Ks de retorno para os sócios, pois não foi fornecida. Ks = RF + βs (Erm RF) Ks = 0,12 + 1,2 (0,22 0,12) Ks = 0,2400 = 24% Agora que temos Ks, podemos calcular o CMPC... CMPC = Kd (1 IR) D/(D+S) + Ks S/(D+S) CMPC = 0,14 x (1 0,25) x / ,24 x / CMPC = 0,1860 = 18,60% Resposta: O custo médio ponderado do capital da firma VERDE é 18,6%.

35 Fechamento Dúvidas

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 06-11-2013 aula revisão 1 Representação de Ativos 1) Um projeto produz um fluxo de caixa líquido depois de descontados

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 13-11-2013 aula 4

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 13-11-2013 aula 4 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 13-11-2013 aula 4 Avaliação de Ativos e Valor Presente. Dinâmica 1 Exercícios de Valor Presente e Valor Futuro 1) Joaquim

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O VPL DA OPERAÇÃO E O VPL DO ACIONISTA?

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O VPL DA OPERAÇÃO E O VPL DO ACIONISTA? QUAL A DIFERENÇA ENTRE O VPL DA OPERAÇÃO E O VPL O cálculo do VPL do acionista O cálculo do VPL da operação A diferença entre o VPL da operação e o VPL do acionista Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo programático Unidade I Avaliação de Empresas Metodologias Simples Unidade II Avaliação de Empresas - Metodologias Complexas

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança?

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança Novas regras 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Por ter parte de sua remuneração (chamada de adicional)

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo *

A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo * A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo * Estamos acostumados à idéia de que o valor do dinheiro muda ao longo do tempo, pois em algum momento convivemos com algum tipo de inflação e/ou

Leia mais

COMO CRIAR SUA PRÓPRIA FUNÇÃO UTILIZANDO PROGRAMAÇÃO VBA - EXCEL

COMO CRIAR SUA PRÓPRIA FUNÇÃO UTILIZANDO PROGRAMAÇÃO VBA - EXCEL COMO CRIAR SUA PRÓPRIA FUNÇÃO UTILIZANDO Como criar a minha própria função no Excel? O que é VBA? Quais são os parâmetros necessários para a criação de uma nova função em VBA - Excel? Como criar a função

Leia mais

TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) 16 Perguntas Importantes. 16 Respostas que todos os executivos devem saber. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira Atividade 1 Por que estudar matemática financeira? A primeira coisa que você deve pensar ao responder esta pergunta é que a matemática financeira está presente em muitos

Leia mais

Março/2012 - Parte3. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 - Parte3. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Métodos de Análise Valor Presente Líquido (VPL): Fácil de entender, fácil de calcular. Depende do conhecimento prévio de uma taxa de desconto. Taxa Interna de Retorno (TIR): Difícil de

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

REC 3600 Finanças 1 primeira prova

REC 3600 Finanças 1 primeira prova REC 3600 Finanças primeira prova Roberto Guena de Oliveira Setembro de 204 Nome Gaba² to nº usp:. Em um mundo com apenas duas datas, uma investidora dispõe de R$60 no ano corrente e pode fazer o li investimento

Leia mais

LL = Q x PVu Q x CVu CF

LL = Q x PVu Q x CVu CF UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ANÁLISE FINANCEIRA 2745 CARGA HORÁRIA: 68 PROFESSOR: MSc Vicente Chiaramonte

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco QUEM SOMOS 2 Conceitos básicos; 3 Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco Liquidez: Capacidade de transformar um ativo em dinheiro. Ex. Se você tem um carro ou uma casa e precisa vendê-lo, quanto tempo

Leia mais

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014 Introdução, perguntas e respostas que vão te ajudar a conseguir dialogar com clientes que tenham dúvidas sobre os investimentos que estão fazendo, ou alguma outra pessoa que realmente entenda do mercado

Leia mais

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo SONHOS AÇÕES Planejando suas conquistas passo a passo Todo mundo tem um sonho, que pode ser uma viagem, a compra do primeiro imóvel, tranquilidade na aposentadoria ou garantir os estudos dos filhos, por

Leia mais

Facilidade de entendimento do mercado imobiliário, leva esse tipo de investimento ainda ser muito procurado.

Facilidade de entendimento do mercado imobiliário, leva esse tipo de investimento ainda ser muito procurado. Brasília, 10 de Dezembro de 2012 NOTA À IMPRENSA Facilidade de entendimento do mercado imobiliário, leva esse tipo de investimento ainda ser muito procurado. Por: (*) Rafhael Carvalho Marinho O índice

Leia mais

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS! Qual o preço de lançamento de cada nova ação?! Qual a participação do novo investidor no capital social?! Por que o mercado

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES. Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ.

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES. Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ. RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ. Caso você entenda que cabe recurso em relação a alguma questão, não hesite

Leia mais

Engenharia Econômica Aula 6. Prof. Pablo

Engenharia Econômica Aula 6. Prof. Pablo Engenharia Econômica Aula 6 Prof. Pablo Propósito da aula Conhecer, interpretar e desenvolver um fluxo de caixa. Valor do dinheiro no tempo. Fluxo de Caixa Fluxo de caixa Segundo o Sebrae, fluxo de caixa

Leia mais

GESTÃO DE INVESTIMENTOS Unidade 3 Custo de Capital

GESTÃO DE INVESTIMENTOS Unidade 3 Custo de Capital GESTÃO DE INVESTIMENTOS Unidade 3 Custo de Capital Prof: Cleber Almeida de Oliveira 1. Introdução Neste módulo abordaremos as decisões de investimento e de financiamento. Os seguintes conceitos deverão

Leia mais

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA! O que é o EBITDA?! Como construir e analisar o EBITDA na prática? EBITDA! Que adaptações devem ser efetuadas nos DRE s para apresentar o cálculo do EBITDA?

Leia mais

Investimentos O Governo Federal oferece 1.047 vagas de até R$ 8.300,00

Investimentos O Governo Federal oferece 1.047 vagas de até R$ 8.300,00 Investimentos Segundo pesquisas, ao se fazer um curso de graduação, por exemplo, a média salarial aumentará cerca de 168%, ou seja, quem ganha R$ 1000,00, ao terminar um curso de graduação tem grandes

Leia mais

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil Guia Declaração Imposto de Renda 2013 Investimentos Março de 2013 Brasil Guia de Declaração IR 2013 -Investimentos 2 O dia 30/04/2013 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2013

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

ANEXO F: Conceitos Básicos de Análise Financeira

ANEXO F: Conceitos Básicos de Análise Financeira ANEXO F: Conceitos Básicos de Análise Financeira Juros e Taxas de Juros Tipos de Empréstimos Valor Atual Líquido Taxa Interna de Retorno Cobertura de Manutenção de Dívidas Juros e Taxa de Juros Juro é

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. 1 LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1) Certo banco concede um financiamento de 80.000

Leia mais

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio Engenharia Mecatrônica (ramal

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Unidade 28 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

Análise de Viabilidade em Projetos

Análise de Viabilidade em Projetos MBA em Projetos Análise de Viabilidade em Projetos Professor: Milton Juer E-mail: mmjuer@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE EM PROJETOS AVALIAÇÃO: TRABALHO Estudo de caso e/ou lista de exercícios individual

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

08 Capital de giro e fluxo de caixa

08 Capital de giro e fluxo de caixa 08 Capital de giro e fluxo de caixa Qual o capital que sua empresa precisa para funcionar antes de receber o pagamento dos clientes? Como calcular os gastos, as entradas de dinheiro, e as variações de

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

Investimentos. Inteligentes. Roberta e Bruno Omeltech

Investimentos. Inteligentes. Roberta e Bruno Omeltech Investimentos Inteligentes Roberta e Bruno Omeltech station centro de treinamentos (11) 3704-4377 contato@stationct.com.br !!!! ROBERTA OMELTECH DIRETORA COMERCIAL OMELTECH DESENVOLVIMENTO Empresa de Educação

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA PARTE I 1 1) Calcular a taxa de juros trimestral proporcional às seguintes taxas: a) 24% ao ano. b) 36% ao biênio c) 6% ao semestre 2) Determinar a taxa de juros anual proporcional, das as seguintes taxas:

Leia mais

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O INDICADOR : RETORNO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O INDICADOR : RETORNO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O INDICADOR : RETORNO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO! Quanto ao nome do indicador! Quanto à reinversão dos lucros mensais! Quanto aos novos investimentos em fase de maturação!

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução das questões de MATEMÁTICA da prova para o cargo de Técnico Bancário do Banco da Amazônia (BASA) 2015. Caso você entenda

Leia mais

A Matemática e o dinheiro

A Matemática e o dinheiro A Matemática e o dinheiro A UUL AL A Muita gente pensa que a Matemática, em relação ao dinheiro, só serve para fazer troco e para calcular o total a pagar no caixa. Não é bem assim. Sem a Matemática, não

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 8 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo IV ) Revisão da tentativa 3 Iniciado

Leia mais

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE Muitas vezes o desconhecimento sobre políticas de estoque, finanças e parcerias comerciais é a principal explicação das dificuldades que muitas empresas têm em progredir ou

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

Guia Declaração. Investimentos. Março de 2012. Brasil

Guia Declaração. Investimentos. Março de 2012. Brasil 1 Guia Declaração Imposto de Renda 2012 Investimentos Março de 2012 Brasil Guia de Declaração IR 2012 - Investimentos 2 O dia 30/04/2012 é ultimo dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda

Leia mais

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 04/10 Prof. Pedro Souza UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA

Leia mais

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 Introdução SABE COM EXATIDÃO QUAL A MARGEM DE LUCRO DO SEU NEGÓCIO? Seja na fase de lançamento de um novo negócio, seja numa empresa já em

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS! O que é alavacagem?! Qual a diferença entre a alavancagem financeira e operacional?! É possível

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 27-11-2012 aula 6

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 27-11-2012 aula 6 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 27-11-2012 aula 6 Revisão Geral Dinâmica 1 Lista de exercícios nº 28 1-A) A Grampão, empresa de grampos, pretende montar

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

COMENTÁRIOS. A Taxa Real Efetiva de Juros

COMENTÁRIOS. A Taxa Real Efetiva de Juros COMENTÁRIOS A Taxa Real Efetiva de Juros 1. Taxa Nominal e Taxa Real de Juros. 2. A Taxa Real" de Juros: Fórmula Alternativa. 3. Taxa Declarada de Juros Antecipados e Taxa Real Efetiva de Juros. 4. Exemplos

Leia mais

Principais Conceitos CAPÍTULO 1

Principais Conceitos CAPÍTULO 1 Principais onceitos APÍTULO 1 Principais onceitos O estudo da Matemática Financeira pode ser resumido como sendo a análise do valor do dinheiro ao longo do tempo. Diariamente nos deparamos com situações

Leia mais

Parte 1 Risco e Retorno

Parte 1 Risco e Retorno TÓPICOSESPECIAIS EM FINANÇAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E OPÇÕES REAIS. AGENDA 1. RISCO E RETORNO 2. CUSTO DE CAPITAL PROF. LUIZ E. BRANDÃO 3. CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL (WACC) RAFAEL IGREJAS Parte 1

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: CELG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: NOTA TÉCNICA

Leia mais

MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337

MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337 1 Análise de Investimentos MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337 2 Sumário 1- Juros------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

Leilão do IRB: Considerações Econômicas

Leilão do IRB: Considerações Econômicas Leilão do IRB: Considerações Econômicas Francisco Galiza - Mestre em Economia (FGV) Março/2000 SUMÁRIO: I) Introdução II) Parâmetros Usados III) Estimativas IV) Conclusões 1 I) Introdução O objetivo deste

Leia mais

ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE. Margem Bruta. VL = Vendas Líquidas (ou Receitas Líquidas ou Faturamento Líquido)

ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE. Margem Bruta. VL = Vendas Líquidas (ou Receitas Líquidas ou Faturamento Líquido) Índices econômico-financeiros sob a ótica de finanças 13 ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE LB = Lucro Bruto Margem Bruta MB = LB Margem Bruta é quanto a empresa tem de lucro após a dedução dos custos da empresa.

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

Matemática Régis Cortes. JURO composto

Matemática Régis Cortes. JURO composto JURO composto 1 O atual sistema financeiro utiliza o regime de juros compostos, pois ele oferece uma maior rentabilidade se comparado ao regime de juros simples, onde o valor dos rendimentos se torna fixo,

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

Sim a riqueza, que visa o valor! Para tomarmos a decisão ótima, precisamos saber responder 04 perguntas:

Sim a riqueza, que visa o valor! Para tomarmos a decisão ótima, precisamos saber responder 04 perguntas: Análise de Projetos e Investimentos Autor: Prof. Ms. Thiago Nunes Bazoli Investimentos Podemos chamar de investimento em um determinado período os gastos destinados a ampliar a futura capacidade de consumo.

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A COMPRA DE IMÓVEIS NOS EUA

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A COMPRA DE IMÓVEIS NOS EUA PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A COMPRA DE IMÓVEIS NOS EUA É normal as pessoas terem muitas dúvidas quanto ao processo de compra de um imóvel fora do país. Para ajudar, a PROFIT traz para você respostas para

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

Financiamento de Longo Prazo. Fontes Internas Lucro Retido Depreciação acumulada Fontes Externas Dívida Capital Próprio ADM 1409 GESTÃO FINANCEIRA II

Financiamento de Longo Prazo. Fontes Internas Lucro Retido Depreciação acumulada Fontes Externas Dívida Capital Próprio ADM 1409 GESTÃO FINANCEIRA II Financiamento de Longo Prazo Fontes Internas Lucro Retido Depreciação acumulada Fontes Externas Dívida Capital Próprio Financiamento com Dívida O financiamento com dívida é uma alternativa ao capital próprio

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

KA-dicas. Dicas que todo empreendedor deveria saber e seguir!

KA-dicas. Dicas que todo empreendedor deveria saber e seguir! KA-dicas Dicas que todo empreendedor deveria saber e seguir! Os KA-dicas são mini e-books com dicas rápidas e práticas para que você e sua equipe possam aplicar no seu dia a dia. Para mais, acesse nosso

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

Módulo Gestão Financeira e Controladoria 6 e 20 de Fevereiro de 2010 Jonas Lucio Maia

Módulo Gestão Financeira e Controladoria 6 e 20 de Fevereiro de 2010 Jonas Lucio Maia MBA em Gestão Empresarial Módulo Gestão Financeira e Controladoria 6 e 20 de Fevereiro de 2010 Jonas Lucio Maia Slides Teóricos Aula 2 20/fev/10 CLIQUE GESTÃO PARA FINANCEIRA EDITAR O ESTILO E CONTROLADORIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I PROFESSOR JORGE JUNIOR E.MAIL: JJUNIORSAN@CEUNES.UFES.BR Apostila integralmente

Leia mais

A ESTRUTURA DE CAPITAL NA ANÁLISE DE NOVOS INVESTIMENTOS

A ESTRUTURA DE CAPITAL NA ANÁLISE DE NOVOS INVESTIMENTOS A ESTRUTURA DE CAPITAL NA ANÁLISE DE NOVOS! O que é estrutura de capital alvo?! Estrutura de capital atual x estrutura de capital alvo.! Qual estrutura de capital devemos levar em consideração na análise

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos Aula 04 Matemática Financeira Equivalência de Capitais a Juros Compostos Introdução O conceito de equivalência permite transformar formas de pagamentos (ou recebimentos) em outras equivalentes e, consequentemente,

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br

Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Aprendendo a Usar Uma Calculadora Juros Compostos Tipos de Aplicação Conclusão Possui as teclas M+, M- e MRC para operações ligadas a memória; Porcentagem; As

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de ATE SEFAZ/PI

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Princípios de Finanças Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Material didático e acesso Site da disciplina http://frega.net Login: UFPRPRINCFIN 2 Prof. José Roberto Frega, Dr. Graduado em Engenharia

Leia mais