Avaliação Econômica Valuation

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação Econômica Valuation"

Transcrição

1 Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others are objective. Marcos Tulio Bullio MTB Engenharia Econômica Ltda.

2 Cálculo e Gestão do Valor das Empresas (e de seus Projetos) Valor de uma Empresa. Gestão de Valor. Geração de Valor para o Acionista. Valor Presente dos Fluxos de Caixa Futuros. Valor de Mercado x Fluxos de Caixa Descontados. VBM Value Based Management. EVA Economic Value Added. MVA Market Value Added. Como usar Valuation para tomar decisões sobre o curso de ação de uma Empresa. Discutir os métodos de precificação de opções para avaliar estratégias com base na flexibilidade que oferecem. Transição de sistemas de avaliação de desempenho baseados em informações contábeis para sistemas baseados em valor. Utilização dos value-drivers.

3 Gestão Baseada em Valor Utilidade da Abordagem 1. Estimar o valor de opções estratégicas e de projetos específicos dentro dessas opções lançamento de novos produtos, investimentos em tecnologia, joint-ventures, entrada em novos mercados, etc. 2. Avaliar transações relevantes fusões, aquisições, desinvestimentos, recapitalizações, recompra de ações, etc. 3. Usar a gestão baseada em valor para definir metas e monitorar o desempenho. 4. Comunicar aos stakeholders, principalmente os acionistas, o valor dos negócios da empresa.

4 Conflitos de Interesses ou de Objetivos USA o objetivo (obrigação) da alta administração é maximizar o valor para o acionista. Europa e Japão ponderações complexas envolvendo interesses de outros stakeholders (clientes, fornecedores, trabalhadores, governo, credores e da sociedade em geral). Crença desta nossa apresentação objetivo fundamental da gestão de uma empresa é a maximização de valor para o acionista. Retornos menores provocarão a escassez de capital, pois os mercados de capitais caminham na direção da globalização.

5 Conflitos de Interesses ou de Objetivos A geração de riqueza para o acionista não surge às custas dos demais stakeholders. Empresas vencedoras apresentam maior produtividade, maior oferta de emprego e maior aumento na riqueza do acionista. Indicadores sociais e econômicos incontestáveis: 1. Elevado Produto Interno Bruto (PIB) per capita padrão de vida da população. 2. Alta produtividade competitividade internacional. 3. Crescimento da oferta de emprego participação do trabalho.

6 Como Medir a Geração de Riqueza para o Acionista? Como medir o valor de um ativo? O valor de um ativo é exatamente o valor que o mercado está disposto a pagar. Nem mais nem menos. Pense no valor de seu carro ou no valor de sua casa.

7 Gestão Baseada em Valor Objetivos Conflitantes com a Gestão Baseada em Valor 1. Participação de mercado. 2. Crescimento de volumes. 3. Satisfação de clientes. 4. Tamanho da empresa = geração de receita. 5. Etc. Gestores de Primeira Linha = foco, quase que único e exclusivo, no tamanho da receita. O crescimento é a solução para todos os males.

8 Gestão Baseada em Valor Valor de Mercado x Criação de Riqueza O Valor de Mercado não diz absolutamente nada sobre a criação de riqueza. Valor de Mercado = Equity Value. Diz o valor da empresa, mas despreza o quanto de capital foi investido para alcançar aquele valor. A criação de riqueza é a diferença entre o valor de mercado e o capital que os investidores comprometeram naquela empresa.

9 Gestão Baseada em Valor Valor de Mercado x Criação de Riqueza MVA Market Value Added = valor de mercado capital total MVA é a verdadeira medida de criação de riqueza. Dell Computer Corporation 1996 DEC - Digital Equipment Corporation Valor de Capital Total Market Value Valor de Capital Total Market Value Mercado Investido Added - MVA Mercado Investido Added - MVA Criação de Riqueza para o Acionista desde o início. US$ 8,7 bilhões US$ 8,3 bilhões US$ 8,1 bilhões US$ 12 bilhões US$ 3,9 bilhões Destruição de Riqueza para o Acionista desde o início. US$ 418 milhões

10 Gestão Baseada em Valor Criação de Riqueza Trabalho da Stern & Stewart mostrou que a correlação estatística entre o valor de mercado e outros indicadores de desempenho (lucro por ação, vendas, etc.) é mais alta com o EVA Economic Value Added. Ou seja, o EVA, que é um indicador interno de desempenho (enquanto que o MVA é resultado de um indicador externo de desempenho o valor de mercado), é aquele que, dentre os analisados, melhor explica a criação de valor para o acionista.

11 Gestão Baseada em Valor O Administrador de Valor Segundo alguns autores, o objetivo principal de um Administrador de Valor é o retorno em termos de fluxo de caixa a longo prazo. Ou seja, a Gestão Baseada em Valor é realizada em regime de caixa. Vamos mostrar que é possível (e mais adequado) realizar a Gestão Baseada em Valor em regime de competência. Para tanto, vamos explorar o conceito do EVA Economic Value Added.

12 Gestão Baseada em Valor 1º Exemplo Projeto Simples de Investimento de Capital PREMISSAS DO PROJETO DE INVESTIMENTO Investimento inicial $ Vendas à vista $ por ano Vida 5 anos Compras à vista $ 600 por ano Valor residual $ 0 nulo TMAR 10% ao ano Fornecedor Materiais Mão de Obra Governo $ recursos $ Empresa $ produto $ Acionista Cliente

13 Gestão Baseada em Valor 1º Exemplo Projeto Simples de Investimento de Capital PREMISSAS DO PROJETO DE INVESTIMENTO Investimento inicial $ Vendas à vista $ por ano Vida 5 anos Compras à vista $ 600 por ano Valor residual $ 0 nulo TMAR 10% ao ano Fornecedor Materiais Mão de Obra Governo $ recursos $ Empresa $ produto Cliente Barraca de Cachorro-Quente $ Acionista

14 A atratividade de um projeto é exatamente a remuneração adicional que providenciará ao investidor além daquela remuneração que seria obtida no Banco Linear Infinito. Gestão Baseada em Valor PREMISSAS DO PROJETO DE INVESTIMENTO Investimento inicial $ Vendas à vista $ por ano Vida 5 anos Compras à vista $ 600 por ano Valor residual $ 0 nulo TMAR 10% ao ano Balanço de Caixa do Projeto - TMAR = 10% ao ano Elementos Investimento inicial (1.000) (1.000) (700) (370) (7) 392 Juros sobre capital - (100) (70) (37) (1) 39 Devoluções Embolsos Desembolsos - (600) (600) (600) (600) (600) Investimento final (1.000) (700) (370) (7) $ x (1 + 10%) 5 = $ $ 400 x (F / A, i = 10%, n = 5) = $ $ 832 = $ $ 1.611

15 Gestão Baseada em Valor A TIR Taxa Interna de Retorno não é a taxa de reinvestimento dos excedentes de caixa gerados pelo projeto. A premissa básica que sustenta os indicadores de atratividade é que os excedentes são reinvestidos pelo acionista à TMAR. Balanço de Caixa do Projeto - TMAR = 10% ao ano Elementos Investimento final (1.000) (700) (370) (7) Fluxo de Caixa do Projeto - TMAR = 10% ao ano Elementos Embolsos Recebimentos de vendas Desembolsos Equipamento Insumos operacionais Fluxo líquido de caixa (1.000) Valor presente líquido 516 $ TIR 29% ao ano Qual é a relação econômica entre $ 832 calculado no Balanço de Caixa do Projeto ao final do 5º ano e $ 516 calculado como o Valor Presente Líquido do Projeto?

16 Você venderia o direito de montar a barraca de cachorro quente antes de comprar o equipamento (data 0 à esquerda)? Se sim, por quanto? E após a compra do equipamento (data 0 à direita)? Gestão Baseada em Valor Balanço de Caixa do Projeto - TMAR = 10% ao ano Elementos Investimento final (1.000) (700) (370) (7) Fluxo de Caixa do Projeto - TMAR = 10% ao ano Elementos Embolsos Recebimentos de vendas Desembolsos Equipamento Insumos operacionais Fluxo líquido de caixa (1.000) Valor presente líquido 516 $ TIR 29% ao ano $ 832 = $ 516 * (1+10%) 5, ou seja, é um único valor expresso em datas diferentes. São valores economicamente equivalentes. Um é o valor presente líquido do projeto ($ 516) e o outro é o valor futuro líquido do projeto ($ 832).

17 Gestão Baseada em Valor VPL = $ 516. VFL = $ 832. Ambos são a medida exata da riqueza gerada para o acionista. De forma justa, o valor de mercado (equity value) deveria ser $ na data 0 (à direita). Riqueza do Acionista $ Instante da Final do Ano Expressão Avaliação 0 5 Inicial a =$1.000*(1+10%) 5 Final b =$400*(F/A,10%,5) MVA TMAR 10% ao ano a Se $ fosse investido à TMAR ao invés de ser aplicado no projeto. b Supondo-se que o projeto foi implantado e que os excentes de caixa foram reinvestidos à TMAR.

18 Valuation Tratamento mais formal da Abordagem. Conceito de EVA.

19 Gestão Baseada em Valor O Balanço Patrimonial indicado na data 0 é o balanço após a integralização do capital e a aquisição do equipamento (data 0 à direita). Cálculo do EVA - Depreciação linear com valor residual nulo $ Elementos Ativo Líquido Equipamento Depreciação acumulada - Passivo (Patrimônio Líquido) Capital Dividendos distribuídos - Lucros acumulados - Lucro - Receita líquida - Custo das vendas - Custos (materiais,...) - Depreciação - EVA - Lucro - Juros sobre capital - Valor presente da série de EVA $

20 Gestão Baseada em Valor EVA = Lucro juros sobre o capital (PL). A criação de riqueza é medida após a remuneração ao acionista da TMAR. Cálculo do EVA - Depreciação linear com valor residual nulo $ Elementos Ativo Líquido Equipamento Depreciação acumulada - (200) Passivo (Patrimônio Líquido) Capital Dividendos distribuídos - (400) Lucros acumulados Lucro Receita líquida Custo das vendas Custos (materiais,...) Depreciação EVA Lucro Juros sobre capital - (100) Valor presente da série de EVA $

21 Gestão Baseada em Valor Neste exemplo, não estamos respeitando algumas regras. Como uma distribuição de dividendos maior que o lucro do exercício. Mas, isso não prejudica o que queremos mostrar. Cálculo do EVA - Depreciação linear com valor residual nulo $ Elementos Ativo Líquido Equipamento Depreciação acumulada - (200) (400) Passivo (Patrimônio Líquido) Capital Dividendos distribuídos - (400) (800) Lucros acumulados Lucro Receita líquida Custo das vendas Custos (materiais,...) Depreciação EVA Lucro Juros sobre capital - (100) (80) Valor presente da série de EVA $

22 Gestão Baseada em Valor Perceba que, à medida que dividendos maiores que os lucros são distribuídos aos acionistas, o capital empregado (patrimônio líquido) diminui. Por isso, os juros sobre o capital diminuem e o EVA aumenta. Cálculo do EVA - Depreciação linear com valor residual nulo $ Elementos Ativo Líquido Equipamento Depreciação acumulada - (200) (400) (600) Passivo (Patrimônio Líquido) Capital Dividendos distribuídos - (400) (800) (1.200) Lucros acumulados Lucro Receita líquida Custo das vendas Custos (materiais,...) Depreciação EVA Lucro Juros sobre capital - (100) (80) (60) Valor presente da série de EVA $

23 Gestão Baseada em Valor Estamos claramente descapitalizando a Empresa. Mas, vamos pensar como sendo o Balanço de um Projeto de Investimento de Capital em Bens de Produção. Como o valor residual é nulo, o Balanço é nulo ao final do 5º ano. Cálculo do EVA - Depreciação linear com valor residual nulo $ Elementos Ativo Líquido Equipamento Depreciação acumulada - (200) (400) (600) (800) (1.000) Passivo (Patrimônio Líquido) Capital Dividendos distribuídos - (400) (800) (1.200) (1.600) (2.000) Lucros acumulados Lucro Receita líquida Custo das vendas Custos (materiais,...) Depreciação EVA Lucro Juros sobre capital - (100) (80) (60) (40) (20) Valor presente da série de EVA 516 $ Repare que o Valor Presente Líquido do Projeto (Fluxo de Caixa Descontado) é exatamente igual ao Valor Presente da Série de EVA. Ou seja, podemos avaliar um projeto ou uma empresa usando a Abordagem do Economic Value Added EVA.

24 Gestão Baseada em Valor Qual é o valor dessa empresa? E o valor justo de mercado ou o equity value? Cálculo do EVA - Depreciação linear com valor residual nulo $ Elementos Ativo Líquido Equipamento Depreciação acumulada - (200) (400) (600) (800) (1.000) Passivo (Patrimônio Líquido) Capital Dividendos distribuídos - (400) (800) (1.200) (1.600) (2.000) Lucros acumulados Lucro Receita líquida Custo das vendas Custos (materiais,...) Depreciação EVA Lucro Juros sobre capital - (100) (80) (60) (40) (20) Valor presente da série de EVA 516 $

25 Gestão Baseada em Valor Valor de Mercado Elementos Valor $ Valor Presente da Série de EVA 516 Elementos não Operacionais Equity na data 0 d Dívida Líquida na data 0 d - Valor de Mercado na data 0 d d Após a integralização do capital.

26 Gestão Baseada em Valor O valor anual do EVA é influenciado pela escolha do modelo de depreciação. Mas, o valor presente da série de EVA é sempre o mesmo qualquer que seja o modelo selecionado. Cálculo do EVA - Recuperação do capital com retorno $ Elementos Ativo Líquido Equipamento Depreciação acumulada - (164) (344) (542) (760) (1.000) Passivo Líquido Capital Dividendos distribuídos - (400) (800) (1.200) (1.600) (2.000) Lucros acumulados Lucro Receita líquida Custo das vendas Custos (materiais,...) Depreciação RCR Juros sobre capital a EVA Lucro Juros sobre capital b Valor presente da série de EVA 516 $ a para cálculo da depreciação, esses juros são calculados sobre o investimento líquido no equipamento. b para cálculo do EVA, esses juros são calculados sobre o patrimônio líquido.

27 Gestão Baseada em Valor O Administrador de Valor Segundo alguns autores, o objetivo principal de um Administrador de Valor é o retorno em termos de fluxo de caixa a longo prazo. Ou seja, a Gestão Baseada em Valor é realizada em regime de caixa. Estamos de acordo. Porém, mostramos, através de um exemplo simples, que a Gestão Baseada em Valor pode (e deve) ser feita em regime de competência. É praticamente impossível controlar projetos usando o regime de caixa. Mas, é muito simples fazê-lo usando o EVA.

28 Gestão Baseada em Valor O Administrador de Valor O objetivo da organização ou de seus gestores não é maximizar o valor presente da geração de caixa. Também não é maximizar o EVA. O EVA é apenas um caminho alternativo para se perceber o desempenho corporativo. O EVA é uma medida de desempenho. A criação de valor para os acionistas, medida pelo MVA, é o principal objetivo da organização e de seus gestores.

29 Gestão Baseada em Valor Tempo?

30 Gestão Baseada em Valor MVA Market Value Added O valor de mercado é função das expectativas que o mercado têm em relação aos fluxos líquidos de caixa futuros descontados pelo custo de capital. O valor de mercado reflete o juízo que o mercado faz do nível de sucesso com que os gestores utilizam o capital a eles confiado.

31 Gestão Baseada em Valor 2º Exemplo Investimento em Capital de Giro PREMISSAS DO PROJETO DE INVESTIMENTO Investimento inicial $ Estoques materiais 54 dias Vida econômica 5 anos Estoques processo 0 dias Valor residual 0 nulo Estoques acabados 9 dias Vendas - quantidade 100 / ano Materiais no produto $ 3 / unidade Preço unitário de venda $ 10 / unidade Demais custos a $ 3 / unidade Prazo médio recebimento 36 dias Dias no ano 360 dias Prazo médio pagamento materiais 18 dias TMAR 10% ao ano a Exceto depreciação. Fornecedor Materiais Mão de Obra Governo $ recursos $ Materiais Empresa $ produto Acabados $ Acionista Cliente

32 Gestão Baseada em Valor Produtos Acabados Elementos Unidades Acabadas Produção b 102,5 100,0 100,0 100,0 97,5 Estoque inicial - 2,5 2,5 2,5 2,5 Vendas a 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Estoque final a 2,5 2,5 2,5 2,5 - a Variáveis independentes (valores de entrada). b Variável dependente. Materiais Elementos Unidades Compras b 117,9 99,6 100,0 100,0 82,5 Estoque inicial - 15,4 15,0 15,0 15,0 Utilizado na produção a 102,5 100,0 100,0 100,0 97,5 Estoque final a 15,4 15,0 15,0 15,0 - a Variáveis independentes (valores de entrada). b Variável dependente.

33 Gestão Baseada em Valor Materiais $ Elementos Utilizado na produção b Estoque inicial Compras a Estoque final (custo médio) a a Variáveis independentes (valores de entrada). b Variável dependente. Custo dos Produtos Vendidos $ Elementos Custo dos Produtos Vendidos b Estoque inicial Produção a Materiais diretos Demais custos Depreciação Estoque final (custo médio) a a Variáveis independentes (valores de entrada). b Variável dependente.

34 Gestão Baseada em Valor Note que, agora, houve a postergação de $ 100 de embolsos e os desembolsos aumentaram no início, para a formação do capital de giro ($ 45), e diminuíram no último ano de operação com a monetização do capital de giro. Balanço de Caixa do Projeto - TMAR = 10% ao ano Elementos Investimento inicial (1.000) (1.000) (843) (529) (182) 199 Juros sobre capital (100) (84) (53) (18) 20 Devoluções à empresa c Embolsos do projeto c Recebimentos de vendas b Saldo inicial de clientes Receitas de vendas a Saldo final de clientes a Desembolsos c Pagamentos a fornecedores b Saldo inicial Compras a Saldo final a Demais custos (à vista) Investimento final d (1.000) (843) (529) (182) a Variáveis independentes (valores de entrada). b Variável dependente. c Fluxos de caixa. d Posição do ativo. Não é fluxo.

35 Gestão Baseada em Valor No exemplo anterior, onde não havia investimento em capital de giro, o Investimento final na data 5 era $ 832, o VPL era $ 526 e a TIR era 29% ao ano. A necessidade de investimento em capital de giro destruiu riqueza (valor presente da riqueza destruída = $ 51). Balanço de Caixa do Projeto - TMAR = 10% ao ano Elementos Investimento final d (1.000) (843) (529) (182) Fluxo de Caixa do Projeto - TMAR = 10% ao ano Elementos Embolsos Recebimentos de vendas Valor residual do equipamento - Desembolsos Equipamento Fornecedores Fluxo líquido de caixa (1.000) Valor presente líquido 475 $ TIR 25% ao ano Mais uma vez, $ 764 = $ 475 (1+10%) 5, ou seja, são valores economicamente equivalentes.

36 Gestão Baseada em Valor Cálculo do EVA - Depreciação linear com valor residual nulo Elementos Ativo Líquido Clientes - Estoques - Produtos acabados - Materiais - Equipamento Depreciação acumulada - Passivo Líquido Fornecedores - Patrimônio líquido Capital Dividendos distribuídos - Lucros acumulados - Lucro - Receita de vendas - Custo dos produtos vendidos - EVA - Lucro - Juros sobre capital - Valor presente da série de EVA - $

37 Gestão Baseada em Valor Cálculo do EVA - Depreciação linear com valor residual nulo Elementos Ativo Líquido Clientes Estoques - 67 Produtos acabados - 20 Materiais - 46 Equipamento Depreciação acumulada - (200) Passivo Líquido Fornecedores - 18 Patrimônio líquido Capital Dividendos distribuídos - (257) Lucros acumulados Lucro Receita de vendas Custo dos produtos vendidos EVA Lucro Juros sobre capital - (100) Valor presente da série de EVA - $

38 Gestão Baseada em Valor Mais uma vez, o valor presente da série de EVA é exatamente igual ao valor presente líquido do projeto de investimento de capital. Cálculo do EVA - Depreciação linear com valor residual nulo Elementos Ativo Líquido Clientes Estoques Produtos acabados Materiais Equipamento Depreciação acumulada - (200) (400) (600) (800) (1.000) Passivo Líquido Fornecedores Patrimônio líquido Capital Dividendos distribuídos - (257) (655) (1.055) (1.455) (2.000) Lucros acumulados Lucro Receita de vendas Custo dos produtos vendidos EVA Lucro Juros sobre capital - (100) (95) (75) (55) (35) Valor presente da série de EVA 475 $

39 Gestão Baseada em Valor Valor da Empresa e Equity Value $ data 0 Valor da Empresa e Equity Value $ data 0 Elementos Valor Elementos Valor Valor da empresa a Valor da empresa Valor presente líquido - operação 475 Valor presente dos ativos Valor presente dos ativos Valor presente da série de EVA b 475 Dívida líquida na data 0 - Valor presente da dívida bancária - Equity value Equity value a Com base na abordagem de fluxo de caixa b Valor presente da criação futura de valor. operacional descontado.

40 Gestão Baseada em Valor Tempo?

41 Gestão Baseada em Valor MVA Market Value Added O valor de mercado é função das expectativas que o mercado têm em relação aos fluxos líquidos de caixa futuros descontados pelo custo de capital. O valor de mercado reflete o juízo que o mercado faz do nível de sucesso com que os gestores utilizam o capital a eles confiado.

42 Gestão Baseada em Valor 3º Exemplo Investimento em Capital de Giro e Endividamento Bancário PREMISSAS DO PROJETO DE INVESTIMENTO Investimento inicial $ Estoques materiais 54 dias Vida econômica 5 anos Estoques processo 0 dias Valor residual 0 nulo Estoques acabados 9 dias Vendas - quantidade 100 / ano Materiais no produto $ 3 / unidade Preço unitário de venda $ 10 / unidade Demais custos a $ 3 / unidade Empréstimo bancário $ 400 data 0 Capital social em $ $ 600 data 0 Custo do empréstimo 12% ao ano Ativo não operacional $ 200 Amortização bullet final do 5 o ano Terreno integralizado como capital data 0 Prazo médio recebimento 36 dias Dias no ano 360 dias Prazo médio pagamento materiais 18 dias TMAR 10% ao ano a Exceto depreciação.

43 Gestão Baseada em Valor Banco $ Governo $ Fornecedor Materiais Mão de Obra recursos $ Materiais Empresa $ produto Acabados Cliente Banco $ Acionista $

44 Gestão Baseada em Valor Note que o valor futuro do projeto de investimento é exatamente igual ao do exemplo anterior, quando não havia endividamento. Ou seja, a avaliação econômica do projeto de investimento não leva em conta a origem dos recursos. Balanço de Caixa do Projeto - TMAR = 10% ao ano Elementos Investimento inicial (1.000) (1.000) (843) (529) (182) 199 Juros sobre capital (100) (84) (53) (18) 20 Devoluções à empresa c Embolsos do projeto c Recebimentos de vendas b Saldo inicial de clientes Receitas de vendas a Saldo final de clientes a Desembolsos c Pagamentos a fornecedores b Saldo inicial Compras a Saldo final a Demais custos (à vista) Investimento final d (1.000) (843) (529) (182) a Variáveis independentes (valores de entrada). b Variável dependente. c Fluxos de caixa. d Posição do ativo. Não é fluxo.

45 Gestão Baseada em Valor Geração de Caixa com o Endividamento Considerado Fluxo de Caixa do Projeto $ Elementos Geração de caixa após financeiro Embolsos Recebimentos de vendas Integralização de capital em $ Empréstimo bancário Desembolsos Equipamento Fornecedores Juros bancários Amortização do empréstimo Valor presente líquido da geração $ Os valores residuais do equipamento, da conta Clientes, da conta Fornecedores e do Endividamento Bancário estão sendo adotados como nulos ao final do 5º ano. Geração de Caixa com o Endividamento Considerado Fluxo de Caixa do Projeto $ Elementos Geração de caixa antes financeiro Geração de caixa após financeiro Juros bancários Amortização do empréstimo Valor presente líquido da geração $ VPL Projeto 475 Capital Total 1.000

46 Gestão Baseada em Valor Repare que a abordagem que não considera o endividamento bancário como operacional superestima o Equity Value quando o custo do endividamento é maior que a TMAR. Nesse exemplo, a melhor avaliação do Valor da Empresa é $ e $ para o Equity Value. Lucro e EVA $ Elementos Lucro Receita de vendas Custo dos produtos vendidos - (795) (800) (800) (800) (805) Juros bancários - (48) (48) (48) (48) (48) EVA Lucro Juros sobre o capital - (60) (55) (35) (15) 5 Valor presente da série de EVA 444 $ Valor da Empresa e Equity Value $ data 0 Elementos Valor Valor da empresa a Valor presente líquido - operação Valor presente do ativo não operacional 200 Valor presente da dívida bancária (400) Equity value a Com base na abordagem de fluxo de caixa operacional descontado (antes do financeiro). Valor da Empresa e Equity Value Elementos Valor da empresa b Valor presente dos ativos Valor presente da série de EVA c Valor presente da dívida bancária Equity value b b A diferença (31 $) é o valor presente da série de cinco valores anuais de 8 $. Essa é a diferença $ data 0 Valor entre o valor dos juros bancários e do custo de capital. c Valor presente da criação futura de valor (400) 1.244

47 Gestão Baseada em Valor MVA Market Value Added O valor de mercado é função das expectativas que o mercado têm em relação aos fluxos líquidos de caixa futuros descontados pelo custo de capital. O valor de mercado reflete o juízo que o mercado faz do nível de sucesso com que os gestores utilizam o capital a eles confiado.

Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim

Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim RESUMO O presente trabalho, apesar de ter sido publicado em 2000 é um assunto bem rico para os dias atuais, tem por objetivo fazer uma conciliação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Demonstrativo do Fluxo de Caixa Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Fluxo de Caixa Caixa = caixa em espécie, dinheiro em banco e investimentos de curto prazo.

Leia mais

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique.

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique. Prova Parcial Malvessi Questão 1 (15%) 1. A teoria moderna de administração financeira consagra 3 decisões estratégicas básicas para a tomada de decisão do administrador financeiro. Conceitue-as claramente.

Leia mais

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Por Oscar Malvessi Artigo publicado na revista Mercado de Capitais, ABAMEC-SP, ano IX, nº 81, em 03/2000. Por que, em duas empresas que apresentam lucro

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I.

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I. UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 3 COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS Autor: Francisco Cavalcante Circular para: CAVALCANTE& ASSOCIADOS AOS NOSSOS LEITORES Up-To-Date

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral

IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral NOME: RA: PARTE A - Testes 1. As quatro áreas básicas de finanças são,,, e. Finanças Corporativas trata das decisões financeiras

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS. Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006

ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS. Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006 ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006 No balanço real de uma empresa ativos e capacitações são financiados

Leia mais

EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO

EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 1 EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO LUCRO OPERACIONAL APÓS O IMPOSTO DE RENDA CUSTO DE TODOS OS CAPITAIS EMPREGADOS NA EMPRESA (PRÓPRIO E DE TERCEIROS) EVA Autor: Francisco Cavalcante

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T05

Apresentação de Resultados 3T05 Apresentação de Resultados 3T05 Destaques Crescimento do Lucro Líquido foi de 316% no Terceiro Trimestre Crescimento da Receita no 3T05 A receita bruta foi maior em 71% (3T05x3T04) e 63% (9M05x9M04) Base

Leia mais

Análise de Viabilidade em Projetos

Análise de Viabilidade em Projetos MBA em Projetos Análise de Viabilidade em Projetos Professor: Milton Juer E-mail: mmjuer@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE EM PROJETOS AVALIAÇÃO: TRABALHO Estudo de caso e/ou lista de exercícios individual

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5

Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5 Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5 Você e sua equipe são responsáveis por elaborar um relatório de Análise Financeira da Empresa GAMA. Abaixo estão dispostos o DRE e

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 22

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 22 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 22 GERENCIAMENTO DO CRESCIMENTO Cálculo da taxa de crescimento sustentável para as vendas (TCS) O que fazer quando o crescimento das vendas é diferente da TCS CAVALCANTE & ASSOCIADOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT )

AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT ) 1 AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT ) Clóvis Luiz Padoveze * João Carlos de Oliveira ** Resumo: O presente trabalho consiste numa aplicação

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

2010 Incapital Finance - 3

2010 Incapital Finance - 3 METODOLOGIAS PARA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BELO HORIZONTE - MG Apresentação: Palestra Fusões e Aquisições Cenários e Perspectivas Valuation Metodologias e Aplicações Desenvolvimento: Índice: 1. Introdução

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

Contabilidade bem básica

Contabilidade bem básica Contabilidade bem básica Instruções simples para que você possa compreender todo o conteúdo do site. A contabilidade é uma base para os demais. Conceitos de contabilidade básica O que é contabilidade?

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo programático Unidade I Avaliação de Empresas Metodologias Simples Unidade II Avaliação de Empresas - Metodologias Complexas

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

O QUE É MVA E COMO CALCULÁ-LO O CÁLCULO DO EVA E SUA LIGAÇÃO COM O MVA O MVA E A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA

O QUE É MVA E COMO CALCULÁ-LO O CÁLCULO DO EVA E SUA LIGAÇÃO COM O MVA O MVA E A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 13 O QUE É MVA E COMO CALCULÁ-LO O CÁLCULO DO EVA E SUA LIGAÇÃO COM O MVA O MVA E A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA CAVALCANTE & ASSOCIADOS Autor: Francisco Cavalcante Circular

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento.

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento. Logística Prof. Clóvis Luiz Galdino Administração Financeira Administração financeira (finanças corporativas) Administração: ato de reger, governar ou gerir negócios públicos ou particulares. Finanças:

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE! Como calcular o fluxo de caixa! Qual a fórmula para determinar a capacidade de pagamento! Como analisar a liquidez Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda 19/02/2010 CETIP S.A BALCÃO ORGANIZADO DE ATIVOS E DERIVATIVOS A Companhia A CETIP S.A. - Balcão Organizado de Ativos e Derivativos ( Companhia ou CETIP ) opera o maior Mercado Organizado para Ativos de

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA

CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA Revista Conjuntura Econômica 01/2000 Oscar Malvessi* COMPETIVIDADE, A VELOCIDADE COM QUE ESTÁ OCORRENDO A TRANSFORMAÇÃO dos negócios, a globalização dos mercados

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 5 Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Introdução Representação gráfica. Ativo. Passivo. Patrimônio Líquido. Outros acréscimos ao Patrimônio Líquido (PL) As obrigações

Leia mais

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O VPL DA OPERAÇÃO E O VPL DO ACIONISTA?

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O VPL DA OPERAÇÃO E O VPL DO ACIONISTA? QUAL A DIFERENÇA ENTRE O VPL DA OPERAÇÃO E O VPL O cálculo do VPL do acionista O cálculo do VPL da operação A diferença entre o VPL da operação e o VPL do acionista Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

segundo o processo de tomada de decisões:

segundo o processo de tomada de decisões: Curso de Especialização em Administração Judiciária Tópicos de Administração Financeira Turma II Prof: Carlos Vidal 1 - A FUNÇÃO FINANCEIRA DA EMPRESA segundo o processo de tomada de decisões: a) decisões

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 DFC DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA ( Exercícios ) 1. INTRODUÇÃO A Demonstração de Fluxos de Caixa, de acordo com a lei 11.638/2007, passou a ser obrigatória para as companhias abertas, companhias de

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa 1 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A Necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. Necessidade de

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Sumário. Parte Um Introdução à administração financeira. Capítulo l O papel e o ambiente da administração financeira 2

Sumário. Parte Um Introdução à administração financeira. Capítulo l O papel e o ambiente da administração financeira 2 Sumário Prefácio Parte Um Introdução à administração financeira xiii Capítulo l O papel e o ambiente da administração financeira 2 1.1 Finanças e empresas 3 O que são finanças? 3 Principais áreas e oportunidades

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 11

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 11 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 11 ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO EMPRESARIAL TRATAMENTO DOS GASTOS FIXOS O CONCEITO DE UNIDADE DE NEGÓCIO BALANÇO, RESULTADO E FLUXO DE CAIXA DO LUCRO PARA O FATURAMENTO DE EQUILÍBRIO

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

PARA CRIAR VALOR PARA O ACIONISTA NÃO BASTA TER EVAs POSITIVOS - É PRECISO QUE SEJAM "CRESCENTES"

PARA CRIAR VALOR PARA O ACIONISTA NÃO BASTA TER EVAs POSITIVOS - É PRECISO QUE SEJAM CRESCENTES PARA CRIAR VALOR PARA O ACIONISTA NÃO BASTA TER EVAs POSITIVOS - É PRECISO QUE SEJAM "CRESCENTES"! PODEMOS CRIAR VALOR APRESENTANDO EVAs NEGATIVOS?! PODEMOS DESTRUIR VALOR APRESENTANDO EVAs POSITIVOS?!

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I)

Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I) Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I) Procedimentos um guia prático Análise dos procedimentos Método direto e indireto Caso prático Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário.

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário. Viabilidade do Negócio Imobiliário Uma Gestão Consciente Prof. Daniel F. Falcão daniel.falcao@agexconsult.com.br Objetivo Central Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia

Leia mais

Resultados 4T05 e 2005

Resultados 4T05 e 2005 Resultados 4T05 e 2005 LUCRO DO SUBMARINO SOBE 192% EM 2005, A COMPANHIA APRESENTOU FLUXO DE CAIXA POSITIVO NO 4T05 E REVISOU O GUIDANCE PARA 2006 São Paulo, 13 de Fevereiro de 2006 - O Submarino S.A.

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

PROPOSTA PARA TRATAMENTO DA RECEITA FINANCEIRA NA ANÁLISE DOS RESULTADOS

PROPOSTA PARA TRATAMENTO DA RECEITA FINANCEIRA NA ANÁLISE DOS RESULTADOS PROPOSTA PARA TRATAMENTO DA RECEITA É operacional ou não? Justificativas antigas e atuais Como tratar na análise econômica (EVA) Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

COMO ELABORAR UMA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR UNIDADE DE NEGÓCIO

COMO ELABORAR UMA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR UNIDADE DE NEGÓCIO COMO ELABORAR UMA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR A Separação dos Ativos A Separação das Receitas e Custos A Consideração do Custo do Capital O Cálculo do EVA (Economic Value Added) O Rateio dos Custos

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL. Palavras-chave: longo prazo, financiamentos, investimentos, custo, capital.

DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL. Palavras-chave: longo prazo, financiamentos, investimentos, custo, capital. DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO UM ENFOQUE NO CUSTO DE CAPITAL Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este trabalho considera os custos de dívidas a longo prazo,

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18 COMO FAZER RAPIDAMENTE PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Projeção do Balanço, Resultado e do Caixa integrados Qual o melhor método para uma projeção rápida Finalidades

Leia mais

Resultados do 1T14 09 de Maio de 2014

Resultados do 1T14 09 de Maio de 2014 Resultados do T4 09 de Maio de 204 Destaques do T4 x T3 FINANCEIROS Receita Bruta: R$ 287,6 milhões 7,6% Lucro Líquido Ajustado (cash earnings): R$ 33,3 milhões 4,7% Unidade de Títulos e Valores Mobiliários:

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Prezados(as), para fins de revisão de alguns pontos da disciplina de Análise das Demonstrações Contábeis, exigida no concurso para Auditor Federal de

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005

LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005 LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005 São Paulo, 07 de Novembro de 2005 - O Submarino S.A. (Bovespa: SUBA3), empresa líder dentre aquelas que operam exclusivamente no varejo eletrônico

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes.

Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Data Base 31.12.2010 Dados do declarante Participação no capital social do declarante Poder de voto de residentes: informar o poder de voto na empresa declarante detido por residentes. Poder de voto de

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

ANÁLISE DE PROJETOS DE INVESTIMENTO

ANÁLISE DE PROJETOS DE INVESTIMENTO UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 9 ANÁLISE DE PROJETOS DE INVESTIMENTO Autor: Francisco Cavalcante Circular para: CAVALCANTE & ASSOCIADOS AOS NOSSOS LEITORES Neste Up-To-Date 9 daremos continuidade ao assunto

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO

ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO ATIVO I PASSIVO ATIVO I PASSIVO F ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO ATIVO PASSIVO 3) ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO AC ativo circulante ANC ativo não circulante PC passivo

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O INDICADOR : RETORNO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O INDICADOR : RETORNO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O INDICADOR : RETORNO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO! Quanto ao nome do indicador! Quanto à reinversão dos lucros mensais! Quanto aos novos investimentos em fase de maturação!

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais