Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras. Centro de Pesquisa em Logística Integrada à Controladoria e Negócios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras. Centro de Pesquisa em Logística Integrada à Controladoria e Negócios"

Transcrição

1 Supply Chain Management & Logística: Lucro, Retorno e Valor para o Acionista Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras Logicon Centro de Pesquisa em Logística Integrada à Controladoria e Negócios

2 O Que É Um Negócio? POUPANÇA OPORTUNIDADES RISCO RETORNO INVESTIMENTO RECURSOS PROCESSOS PROD. E SERVIÇOS RECEITAS (-) CUSTOS (=) LUCRO

3 A Empresa DECISÕES DE INVESTIMENTO DECISÕES DE FINANCIAMENTO de Giro Demais Ativos Operacionais de Terceiros (Exigibilidades) Próprio (Patrimônio Líquido)

4 A Empresa DECISÕES DE INVESTIMENTO DECISÕES DE FINANCIAMENTO de Giro Resultado gerado pelos investimentos Demais Ativos (Lucro Operacionais Operacional) juros lucros de Terceiros (Exigibilidades) Próprio (Patrimônio Líquido)

5 A Empresa DECISÕES DE INVESTIMENTO DECISÕES DE FINANCIAMENTO de Giro Resultado juros ResultadoO O QUE É gerado pelos investimentos Demais Ativos (Lucro Operacionais Operacional) LUCRO? lucros de Terceiros (Exigibilidades) Próprio (Patrimônio Líquido)

6 O lucro é importante, mas você tem que definir qual é o seu negócio.

7 O Lucro Contábil Empresa Delta Ltda. Receita Bruta (-) Impostos s/ Vendas (-) Deduções (=) Receita Líquida (-) Custo Prod./Serv. Vend. (=) Lucro Bruto (-) Despesas Comerciais (-) Desp. Administr./Financ. (=) Lucro antes Imp. Renda (-) Imp. de Renda/Contr. Soc. (=) Lucro Líquido

8 O Lucro Contábil Empresa Delta Ltda. Receita Bruta (-) Impostos s/ Vendas (-) Deduções (=) Receita Líquida (-) Custo Prod./Serv. Vend. (=) Lucro Bruto (-) Despesas Comerciais (-) Desp. Administr./Financ. (=) Lucro antes Imp. Renda O lucro gerado é satisfatório? Como ele afetou a riqueza do acionista? (-) Imp. de Renda/Contr. Soc. (=) Lucro Líquido

9 O Lucro Contábil Empresa Delta Ltda. Receita Bruta (-) Impostos s/ Vendas (-) Deduções (=) Receita Líquida Lucro é quantia que se O lucro gerado é pode consumir durante um período satisfatório? de tempo e estar tão bem no final Como ele afetou do período como a riqueza do estava no início. acionista? J. R. Hicks (-) Custo Prod./Serv. Vend. (=) Lucro Bruto (-) Despesas Comerciais (-) Desp. Administr./Financ. (=) Lucro antes Imp. Renda (-) Imp. de Renda/Contr. Soc. (=) Lucro Líquido

10 EVA Economic Value Added É uma metodologia de gerenciamento financeiro que gera um direcionamento para as decisões operacionais e estratégicas Permite avaliar o desempenho (unidades, produtos, projetos, empresas etc.) quanto ao valor adicionado ao acionista Promove o empreendedorismo, de forma que os gerentes pensem, atuem e sejam recompensados como se fossem acionistas da empresa

11 EVA Economic Value Added É uma metodologia de gerenciamento financeiro que gera um direcionamento para as decisões O EVA surgiu como uma operacionais e estratégicas resposta à demanda por Permite avaliar o desempenho (unidades, produtos, medidas projetos, de empresas desempenho etc.) quanto ao valor adicionado ao acionista que expressem a riqueza Promove o empreendedorismo, de forma que os gerada por um negócio! gerentes pensem, atuem e sejam recompensados como se fossem acionistas da empresa

12 EVA Economic Value Added Fundamentação Teórica: Lucro residual: são os recursos gerados em excesso ao custo de oportunidade do capital investido, ou seja, é o resíduo que sobra depois de todos os custos serem cobertos, evidenciando se houve um aumento na riqueza: Lucro Residual: ($Resultado Gerado $Juros s/ investimento)

13 EVA Economic Value Added EVA = (r c) x capital investido EVA = r x cap.inv. - c x cap. inv. EVA = Result.Oper. Custo do capital Sendo, r = taxa de retorno sobre o capital investido, e c = taxa de custo do capital investido

14 EVA Economic Value Added (r - c) x CAPITAL EMPREGADO Taxa de Retorno (Res. Oper / Cap.Empr.) Recursos Financeiros Disponibilizados Custo do Empr. (med. pond. CD e CCP) DESEMPENHO DAS OPERAÇÕES DESEMPENHO FINANCEIRO INVESTIMENTOS REALIZADOS

15 EVA Economic Value Added RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DA DESPESA FINANCEIRA LÍQUIDA) E DEPOIS DOS IMPOSTOS (NOPAT) EVA CUSTO MÉDIO PONDERADO DO CAPITAL EMPREGADO (%CMPCE X Vlr. CAPITAL)

16 EVA Economic Value Added RESULTADO EVA OPERACIONAL Aquilo que chamamos de lucro, o (ANTES dinheiro DA que sobra para remunerar o DESPESA capital, geralmente nem é lucro. CUSTO Até MÉDIO FINANCEIRA que o negócio gere um lucro PONDERADO maior LÍQUIDA) que E o seu custo de capital, DO estará CAPITAL DEPOIS DOS operando com prejuízo EMPREGADO (%CMPCE X IMPOSTOS Peter Drucker Vlr. CAPITAL) (NOPAT)

17 EVA Economic Value Added Investido $100 Próprio $100 Result. = $30,30 (-) I.R. =($10,30) (=) L.L = $20,00 Investido $120 Próprio $120 Investido $100 Cap.Terc. $60 Cap.Próprio $40 Result. = $30,30 (-) D.F. = ($ 9,00) (-) I.R. =($ 7,24) (=) L.L = $14,06 Investido $114,06 Cap.Terc. $60,00 Cap.Próprio $54,06

18 EVA Economic Value Added Investido $100 Próprio $100 O Custo de Oportunidade do Próprio é de 20% a. a. (%CCP) Result. = $30,30 (-) I.R. =($10,30) (=) L.L = $20,00 Investido $120 Próprio $120 Investido $100 Cap.Terc. $60 Cap.Próprio $40 O Custo da Dívida é de 15% a. a. (%CD) Result. = $30,30 (-) D.F. = ($ 9,00) (-) I.R. =($ 7,24) (=) L.L = $14,06 Investido $114,06 Cap.Terc. $60,00 Cap.Próprio $54,06

19 EVA Economic Value Added Investido $100 Próprio $100 LODIR = $20 (-)CCP = $20 (=)EVA= $ 0 Investido $120 Próprio $120 Investido $100 Cap.Terc. $60 Cap.Próprio $40 L.L. = $14,06 (+) D.F. = $ 9,00 (-) BFD =($ 3,06) LODIR = $20,00 (-) CD = ($5,94) (-)CCP = ($8,00) EVA = $6,06 Investido $114,06 Cap.Terc. $60,00 Cap.Próprio $54,06

20 EVA Economic Value Added Investido $100 Próprio $100 LODIR = $20 (-)CCP = $20 (=)EVA= $ 0 Investido $120 Próprio $120 Lucro Líq. = $20,00 (-) CCP = ($ 20,00) EVA = $ 0,00 Investido $100 Cap.Terc. $60 Cap.Próprio $40 L.L. = $14,06 (+) D.F. = $ 9,00 (-) BFD =($ 3,06) LODIR = $20,00 (-) CD = ($5,94) (-)CCP = ($8,00) EVA = $6,06 Lucro Líq. = $14,06 (-) CCP = ($ 8,00) EVA = $6,06 Investido $114,06 Cap.Terc. $60,00 Cap.Próprio $54,06

21 EVA Economic Value Added EMPRESA 1 Custo % Proporção %CMPC Próprio 20% 100% 20% Cap. Terceiros 0% x 66% 0% 0% CMPC 20% INV.$100 X 20% = $20,00 ($CMPC) A EMPRESA 2 TEM ALAVANCAGEM FINANCEIRA, ENQUANTO A EMPRESA 1 NÃO TEM!!!! EMPRESA 2 Custo % Proporção %CMPC Próprio 20% 40% 8,00% Cap. Terceiros 15% x 66% 60% 5,94% CMPC 13,94% INV.$100 X 13,94% = $13,94 ($CMPC)

22 EVA Economic Value Added ABORDAGEM OPERACIONAL ABORDAGEM FINANCEIRA de Giro Operacional (CP) Demais Ativos Operacionais Passivo Financeiro Oneroso, líquido dos Ativos Financeiros (CP/LP) Próprio

23 EVA Economic Value Added A vantagem é poder apurar o EVA para uma Unidade de Negócio, um Projeto, um Produto etc., basta identificar: de Giro Operacional Demais Ativos Operacionais Custo de (da Empresa) Resultado Operacional O EVA da empresa será a soma do EVA de cada Unidade, desde que todo o resultado operacional e todo o capital empregado sejam alocados às unidades

24 EVA Economic Value Added COMO AUMENTAR O EVA? Aumentar a taxa de retorno com mesmo valor de capital investido (capital de giro e ativos) Investir em projetos que gerem retornos maiores que o custo de capital Cortar projetos deficitários (retorno menor que o custo do capital) Reduzir o custo do capital buscando fontes de financiamento alternativas Eliminar ativos ociosos, terceirizar etc.)

25 Impacto Econômico da Logística Medidas financeiras tradicionais: Fora de foco ou parciais Visão comum: Logística é um custo e deve ser reduzido Logística cria valor: Para a empresa Para os clientes

26 Como o GCS/Logística Cria Valor? GCS / LOGÍSTICA EVA

27 Como o GCS/Logística Cria Valor? RECEITAS CUSTOS EVA CAPITAL DE GIRO ATIVOS FIXOS

28 Como o GCS/Logística Cria Valor? RECEITAS CUSTOS GCS/ LOGÍSTICA CAPITAL DE GIRO ATIVOS FIXOS

29 Impactos da Logística no EVA Empresa Delta Ltda. Receita Bruta (-) Impostos s/ Vendas (-) Deduções (=) Receita Líquida (-) Custo Prod.Serv. Vend. (=) Lucro Bruto (-) Despesas Logísticas (-) Demais Desp. Operac. (=) Result. Operac. S/IR (-) Imp. de Renda/C. Soc. (=) Result. Operac. C/IR (-) Custo do (xx% sobre o valor total dos Ativos Operacionais) (=) Valor Econ. Adicionado Efeito do Nível de Serviço Logístico Capacidade logística de atendimento da demanda Relações colaborativas entre empresas da cadeia de suprimento Stock outs Perda de vendas e/ou de clientes

30 Impactos da Logística no EVA Empresa Delta Ltda. Receita Bruta (-) Impostos s/ Vendas (-) Deduções (=) Receita Líquida (-) Custo Prod.Serv. Vend. (=) Lucro Bruto (-) Despesas Logísticas (-) Demais Desp. Operac. (=) Result. Operac. S/IR (-) Imp. de Renda/C. Soc. (=) Result. Operac. C/IR (-) Custo do (xx% sobre o valor total dos Ativos Operacionais) (=) Valor Econ. Adicionado Engenharia tributária das cadeias logísticas

31 Impactos da Logística no EVA Empresa Delta Ltda. Receita Bruta (-) Impostos s/ Vendas (-) Deduções (=) Receita Líquida (-) Custo Prod.Serv. Vend. (=) Lucro Bruto (-) Despesas Logísticas (-) Demais Desp. Operac. (=) Result. Operac. S/IR (-) Imp. de Renda/C. Soc. (=) Result. Operac. C/IR (-) Custo do (xx% sobre o valor total dos Ativos Operacionais) (=) Valor Econ. Adicionado Evitar problemas logísticos de entregas erradas Evitar danos aos produtos por problemas logísticos

32 Impactos da Logística no EVA Empresa Delta Ltda. Receita Bruta (-) Impostos s/ Vendas (-) Deduções (=) Receita Líquida (-) Custo Prod.Serv. Vend. (=) Lucro Bruto (-) Despesas Logísticas (-) Demais Desp. Operac. (=) Result. Operac. S/IR (-) Imp. de Renda/C. Soc. (=) Result. Operac. C/IR (-) Custo do (xx% sobre o valor total dos Ativos Operacionais) (=) Valor Econ. Adicionado Logística de abastecimento Localização de plantas x sourcing x mercados Logística de fábrica Custo da falha Terceirizações Inventários Tributos sobre insumos

33 Impactos da Logística no EVA Empresa Delta Ltda. Receita Bruta (-) Impostos s/ Vendas (-) Deduções (=) Receita Líquida (-) Custo Prod.Serv. Vend. (=) Lucro Bruto (-) Despesas Logísticas (-) Demais Desp. Operac. (=) Result. Operac. S/IR (-) Imp. de Renda/C. Soc. (=) Result. Operac. C/IR (-) Custo do (xx% sobre o valor total dos Ativos Operacionais) (=) Valor Econ. Adicionado Custos com transportes, CD s, armazenagens, estocagem, embalagens, processamento de pedidos,operadores logísticos, terceirizações etc.

34 Impactos da Logística no EVA Empresa Delta Ltda. Receita Bruta (-) Impostos s/ Vendas (-) Deduções (=) Receita Líquida (-) Custo Prod.Serv. Vend. (=) Lucro Bruto (-) Despesas Logísticas (-) Demais Desp. Operac. (=) Result. Operac. S/IR (-) Imp. de Renda/C. Soc. (=) Result. Operac. C/IR (-) Custo do (xx% sobre o valor total dos Ativos Operacionais) (=) Valor Econ. Adicionado Giro do estoque Necessidades de capital de giro Políticas de prazos e lotes Ativos Logísticos Capacidades Operativas Tecnologia Terceirizações Alianças

35 Em Síntese... Cliente Produto / Serviço SUPPLY CHAIN MANAGEMENT & LOGÍSTICA Custo/Preço Lucro/Retorno CRIAR VALOR PARA O CLIENTE, ao MENOR CUSTO TOTAL possível, CRIANDO VALOR PARA O ACIONISTA

36 Previsão e otimização podem ser complexas Vamos Come lá, on! não It can t podemos go errar todas... wrong every time...

37 Relacionamento Entre o GCS / Logística e o EVA Receita Líquida Res. Operacional Margem Bruta Níveis de serviços aos clientes / impostos EVA LODIR = (-) (-) IR s/ Res. (-) Despesas (-) CPV Estoques Estratégia de compras Planejamento capacidade Transportes Armazenagem Processam. de pedidos Sistemas de informações Embalagem De Giro Inventários Custo de %CMPC x Investido (+) Ativos Operacionais (+) Outros Contas a receber Veículos e equipamentos Imóveis próprios Ativos alugados

38 Experiência em simulações sempre ajuda! Alguém aqui sabe jogar o Flight Simulator da Microsoft?

39 Supply Chain Management & Logística: Lucro, Retorno e Valor para o Acionista Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras Logicon Centro de Pesquisa em Logística Integrada à Controladoria e Negócios

LOGÍSTICA COMO INVESTIMENTO. João Roberto Rodrigues Bio

LOGÍSTICA COMO INVESTIMENTO. João Roberto Rodrigues Bio LOGÍSTICA COMO INVESTIMENTO Apresentação E M P R E S A S FIPECAFI Projetos Consultoria Desenvolvimento Gerencial MBA USP - Universidade de São Paulo FEA Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade

Leia mais

LOGÍSTICA COMO ARMA ESTRATÉGICA. Prof. Dr. Sergio R. Bio FEA-USP

LOGÍSTICA COMO ARMA ESTRATÉGICA. Prof. Dr. Sergio R. Bio FEA-USP LOGÍSTICA COMO ARMA ESTRATÉGICA Prof. Dr. Sergio R. Bio FEA-USP Roteiro USP / FEA / LOGICON / FIPECAFI Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimento Impacto na Competitividade Impacto na Lucratividade

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos Exemplos de Aplicação de Projetos Cálculo do Valor de um Negócio ou Empresa; Avaliar Viabilidade de Projetos; Projetos para solicitação de Financiamentos.

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2011 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

O NOME DO JOGO É: O MÁXIMO DE RETORNO SOBRE INVESTIMENTO COM O MÍNIMO DE CUSTO DE CAPITAL

O NOME DO JOGO É: O MÁXIMO DE RETORNO SOBRE INVESTIMENTO COM O MÍNIMO DE CUSTO DE CAPITAL O NOME DO JOGO É: O MÁXIMO DE RETORNO SOBRE INVESTIMENTO COM O MÍNIMO DE CUSTO DE CAPITAL O impacto provocado pelas variações no:! Gasto fixo! Investimento! Preço de venda! Custo de capital! Volume de

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

de Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos no Brasil

de Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos no Brasil Evolução das Práticas de Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos no Brasil Agenda Abertura O Processo de Pesquisa, Mestrado e Doutorado na FEA-USP Síntese dos Conceitos Subjacentes à Pesquisa Resultados

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Desafios do atual momento econômico Os principais segmentos da economia

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Planejamento Financeiro Aula 2 Contextualização Profa. Claudia Abramczuk Definição da quantidade de capital para investimento Movimentações financeiras constituem o patrimônio da empresa O bom planejamento

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS! O que é alavacagem?! Qual a diferença entre a alavancagem financeira e operacional?! É possível

Leia mais

segundo o processo de tomada de decisões:

segundo o processo de tomada de decisões: Curso de Especialização em Administração Judiciária Tópicos de Administração Financeira Turma II Prof: Carlos Vidal 1 - A FUNÇÃO FINANCEIRA DA EMPRESA segundo o processo de tomada de decisões: a) decisões

Leia mais

UM GLOSSÁRIO PARA O DIA A DIA DO EXECUTIVO

UM GLOSSÁRIO PARA O DIA A DIA DO EXECUTIVO UM GLOSSÁRIO PARA O DIA A DIA DO EXECUTIVO! MAIS DE 15 CONCEITOS PARA VOCÊ CONFERIR! INVISTA 10 MINUTOS PARA LAPIDAR E CORRIGIR CONCEITOS E PRÁTICAS DO SEU COTIDIANO Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário.

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário. Viabilidade do Negócio Imobiliário Uma Gestão Consciente Prof. Daniel F. Falcão daniel.falcao@agexconsult.com.br Objetivo Central Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

Fabiano Coelho. www.precificacao.com.br

Fabiano Coelho. www.precificacao.com.br Fabiano Simões Coelho Gestão de Lucro versus Gestão de Caixa www.fabianocoelho.com.br www.precificacao.com.br Norte de nossas vidas Quando finalmente descobrimos todas as respostas... aparece a vida e

Leia mais

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio FEA Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios Sergio Rodrigues Bio Centro Breve Apresentação USP 6 campi, 5.000 profs. 60.000 alunos Cerca de 30% da produção científica

Leia mais

Entrada > Saída. Simples!

Entrada > Saída. Simples! Gestão & Controles Entrada > Saída Simples! Gastos Custos + Despesas Custos + Despesas Desembolsada e devida Receitas R$ que recebe ou tem Direito a receber De operações realizadas operacionais (empréstimo,

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA)

5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA) 35 5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA) O conceito Economic Value Added (EVA) foi desenvolvido pela empresa Stern Stewart & Co, e em português significa Valor Econômico Adicionado

Leia mais

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CAPITAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão do Risco de Capital; 3. Estrutura,

Leia mais

COMO SE GANHA DINHEIRO GIRANDO MAIS O NEGÓCIO

COMO SE GANHA DINHEIRO GIRANDO MAIS O NEGÓCIO COMO SE GANHA DINHEIRO GIRANDO MAIS O NEGÓCIO! Girando através de um aumento no volume! Girando através de uma redução no investimento! Qual das duas estratégias conduz aos maiores lucros Francisco Cavalcante

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Avaliação de Intangíveis Celso José Gonçalves

Avaliação de Intangíveis Celso José Gonçalves IBAPE-DF II Seminário Nacional de Engenharia de Avaliações Abril 2014 Avaliação de Intangíveis Celso José Gonçalves Engº. Civil Especialista em Finanças Executivo em Negócios Financeiros IBAPE-DF - II

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR DE TRANSPORTES

ANÁLISE DO SETOR DE TRANSPORTES ANÁLISE DO SETOR DE TRANSPORTES Empresas do Setor de Concessionárias de Transportes AGConcessoes BGPar CCR Conc Rio Teresopolis Concepa Econorte Ecosul Ecovias Invepar Localiza OHL Brasil Triunfo Empresas

Leia mais

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA Processo Seletivo para Curso de Especialização em Controladoria e Finanças Edital nº 04/2014 INSTRUÇÕES: A prova é individual,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 30-10-2013 aula 3

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 30-10-2013 aula 3 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 30-10-2013 aula 3 Fluxo de Caixa Apuração do Imposto de Renda com base no Lucro Real Apuração do Imposto de Renda com

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo programático Unidade I Avaliação de Empresas Metodologias Simples Unidade II Avaliação de Empresas - Metodologias Complexas

Leia mais

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá 1 www.iepg.unifei.edu.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson 2011 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Matemática Financeira 3. Análise de Alternativas

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Princípios de Finanças Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Material didático e acesso Site da disciplina http://frega.net Login: UFPRPRINCFIN 2 Prof. José Roberto Frega, Dr. Graduado em Engenharia

Leia mais

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos Administração Prof: Marcelo dos Santos Índices Financeiros e Capital de Giro A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000) Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

COMO ELABORAR UMA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR UNIDADE DE NEGÓCIO

COMO ELABORAR UMA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR UNIDADE DE NEGÓCIO COMO ELABORAR UMA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR A Separação dos Ativos A Separação das Receitas e Custos A Consideração do Custo do Capital O Cálculo do EVA (Economic Value Added) O Rateio dos Custos

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I)

Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I) Como Elaborar um Fluxo de Caixa com Base em Demonstrações Encerradas (Parte I) Procedimentos um guia prático Análise dos procedimentos Método direto e indireto Caso prático Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Métricas empresariais

Métricas empresariais Métricas empresariais 1 Índice 1. Lista de Indicadores Setoriais Pág. 4 2. Métricas de Marketing Geral Pág. 5. Métricas de Propaganda Pág. 4. Métricas de Promoção Pág. 7 5. Métricas de Distribuição Pág.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

COMO INTERPRETAR A RELAÇÃO VENDAS / ATIVOS ( GIRO )

COMO INTERPRETAR A RELAÇÃO VENDAS / ATIVOS ( GIRO ) COMO INTERPRETAR A RELAÇÃO Mais giro aumentando os preços de vendas. Mais giro aumentando o volume de vendas. Mais giro reduzindo a base de ativos. Os respectivos impactos no lucro. Francisco Cavalcante

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

A gestão o dos sistemas logísticos como diferencial competitivo

A gestão o dos sistemas logísticos como diferencial competitivo A gestão o dos sistemas logísticos como diferencial competitivo Organizaçã ção o Logística FEC-601 Atribuir na empresa as responsabilidades por atividades logísticas, promovendo a eficiência no suprimento

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO

EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 1 EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO LUCRO OPERACIONAL APÓS O IMPOSTO DE RENDA CUSTO DE TODOS OS CAPITAIS EMPREGADOS NA EMPRESA (PRÓPRIO E DE TERCEIROS) EVA Autor: Francisco Cavalcante

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas O Valor Patrimonial das Empresas Em situações específicas: Utilização Determinar o valor de liquidação de uma empresa em condição de concordata ou falência; Avaliação de ativos não

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Lisberto Cavalcanti Diretor Administrativo- financeiro da Solumax Soluções e Tecnologia,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial PRIMEIRA FASE 01 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Funções, gráficos e aplicações; cálculo diferencial e aplicações; funções de duas ou mais variáveis: derivadas parciais e aplicações; aplicação computacional

Leia mais

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63 Sumário Capítulo 1 Conceitos de matemática financeira 1 1.1 Introdução 1 1.2 Taxa de juro nominal e taxa de juro real 3 1.2.1 Fórmula 3 1.3 Capitalização simples 4 1.3.1 Fórmulas 4 1.4 Capitalização composta

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS. Desafios de Supply Chain e Logística. Impacto da Logística nos Resultados do Negócio: O caso Visanet

CICLO DE PALESTRAS. Desafios de Supply Chain e Logística. Impacto da Logística nos Resultados do Negócio: O caso Visanet CICLO DE PALESTRAS Desafios de Supply Chain e Logística Impacto da Logística nos Resultados do Negócio: O caso Visanet AGENDA Breve Apresentação Sergio R. Bio Palestra Inicial Marco Aurélio Ferrari Comentários

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio Engenharia Mecatrônica (ramal

Leia mais

O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A.

O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. Rosangela Zimpel1 Heder Bassan2 Geovane Sornberger3 Sergio Guaraci Prado Rodrigues4

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA CAVALCANTE & PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA! O conceito de econômico e financeiro! Como concluir com base em indicadores! Construção de índices

Leia mais

COMO ORGANIZAR A APRESENTAÇÃO DOS INDICADORES ECONÔMICOS E FINANCEIROS (COLOCANDO-OS DEBAIXO DOS 3 DETERMINANTES DO RETORNO SOBRE

COMO ORGANIZAR A APRESENTAÇÃO DOS INDICADORES ECONÔMICOS E FINANCEIROS (COLOCANDO-OS DEBAIXO DOS 3 DETERMINANTES DO RETORNO SOBRE UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 5 COMO ORGANIZAR A APRESENTAÇÃO DOS INDICADORES ECONÔMICOS E FINANCEIROS (COLOCANDO-OS DEBAIXO DOS 3 DETERMINANTES DO RETORNO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Retorno Sobre o Patrimônio

Leia mais

ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO

ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO ATIVO I PASSIVO ATIVO I PASSIVO F ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO ATIVO PASSIVO 3) ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO AC ativo circulante ANC ativo não circulante PC passivo

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

PROPOSTA PARA TRATAMENTO DA RECEITA FINANCEIRA NA ANÁLISE DOS RESULTADOS

PROPOSTA PARA TRATAMENTO DA RECEITA FINANCEIRA NA ANÁLISE DOS RESULTADOS PROPOSTA PARA TRATAMENTO DA RECEITA É operacional ou não? Justificativas antigas e atuais Como tratar na análise econômica (EVA) Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante

Leia mais