3. Manual de classificação de unidades nosológicas em SIGIC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3. Manual de classificação de unidades nosológicas em SIGIC"

Transcrição

1 [Vlume V Apêndices e Anexs] MGIC Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC 1. Intrduçã Episódi de SIGIC Cmpsiçã A classificaçã cm ferramenta instrumental d SIGIC Determinaçã de GDH n âmbit d SIGIC Mdificaçã de GDH durante um episódi d SIGIC Regras genéricas para a determinaçã de prcediments múltipls Prcediments cirúrgics múltipls independentes Prcediments nã cnsiderads independentes Cas particular ds prcediments cirúrgics em patlgia nclógica Anexs Regiões anatómicas e aplicaçã ds cnceits de bilateralidade e de prcediments múltipls Cass particulares de cdificaçã Classificaçã d diagnóstic a nível das unidades nslógicas das neplasias Admissã para mamplastia redutra u de aument (V50.1) Clcaçã de Cateteres centrais Fístulas artéri-vensas para diálise Cmplicações Desbridament excisinal e nã excisinal Remçã de dispsitiv de acess vascular / peritneal / ventrícul-peritneal Remçã de material de stessíntese Reparaçã da incntinência urinária de esfrç Traquestmias Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC V - 1/34

2 MGIC 2011 [Vlume V Apêndices e Anexs] 1. Intrduçã O Sistema Integrad de Gestã de Inscrits em Cirurgia (SIGIC) cmprta uma metdlgia que atravessa transversalmente Ministéri da Saúde, em particular ACSS, ARS e hspitais públics e cnvencinads. Esta metdlgia, cncebida na lógica d acess d cidadã as serviçs de saúde, centra-se n prcess d utente nas suas diversas interacções directas e indirectas cm s prestadres de cuidads e s rganisms reguladres, analisa e avalia impact destas interacções, crrige u prpõe crrecções ns desvis às nrmas e sustenta uma platafrma de cnheciment multifacetada de cariz abrangente. A platafrma de cnheciment, cm garante de transparência e base d prcess de gestã e de decisã, tem cm sustentácul uma semântica, um sistema de classificaçã e fluxs nrmativs hmgénes em tda a rede d sistema de infrmaçã que sustenta a platafrma. A hmgeneizaçã de cnceits e prcesss é prgressiva, visand uma equidade crescente n tratament ds cass e, cnsequentemente, na qualidade da infrmaçã. Neste cntext imprta especificar cm mair detalhe s aspects da classificaçã das Unidades Nslógicas (UN) 1 através da cdificaçã de diagnóstics e prcediments n SIGIC. 1 Caracterizaçã clínica de um prblema de saúde de um utente, resultante da sua avaliaçã, num determinad event, adequadamente classificad cm um cnjunt de códigs de CID na versã em vigr. 2/34 - V 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC

3 [Vlume V Apêndices e Anexs] MGIC Episódi de SIGIC 2.1. Cmpsiçã O prcess de gestã d utente inscrit para cirurgia de um hspital envlve um cnjunt de fases, tdas elas cmpreendend um prcess de cdificaçã: Fase da prpsta Fase da realizaçã Fase da catamnese Fase da cnclusã A fase da prpsta inclui plan de cuidads e tds s events crrids até a últim event anterir à admissã nde crre a realizaçã d primeir event crític (pr exempl a cirurgia), abrangend cnsultas, MCDT e internaments. Quer plan de cuidads, quer cada event clínic briga à cdificaçã das UN respectivas. A fase da realizaçã inicia-se cm a admissã nde crre a realizaçã d primeir event crític (pr exempl a cirurgia) e termina cm a alta hspitalar d últim event crític (alta hspitalar da última cirurgia u utra terapêutica crítica realizada). Tds s events clínics nesta fase brigam à cdificaçã das respectivas UN. A fase da catamnese crrespnde a cnjunt de prcesss após a alta hspitalar d utente, incluind tdas as cnsultas/mcdt após a cirurgia, de acmpanhament d tratament da dença. Também nesta fase é brigatória a cdificaçã das UN de cada event clínic. Pr últim, a fase de cnclusã crrespnde à cnclusã d episódi funcinal, cm bjectiv da classificaçã final e encerrament d episódi únic, cm vista a regist definitiv d episódi para memória futura e ns cass aprpriads à facturaçã d episódi cirúrgic. O episódi Terapêutic n SIGIC crrespnde a um períd tempral e as acnteciments e infrmações relativs a um utente, cm prblemas identificads aquand da referenciaçã inicial para hspital para qual se efectuu uma prpsta de prestaçã de serviçs (plan de cuidads) que vise a abrdagem ds prblemas. O episódi terapêutic quand circunscrit a um Serviç/Unidade funcinal designa-se de episódi funcinal. Nã se cnfunde, pis, cm episódi de internament. Inclui cnsultas, MCDT 2, cirurgias e internaments. Este plan de cuidads pde ser mais u mens frmal, mais u mens cmplex. Assim sempre que hspital serviç/unidade funcinal tma a carg um utente 2 Meis cmplementares de diagnóstic e terapêutica 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC V - 3/34

4 MGIC 2011 [Vlume V Apêndices e Anexs] cm fim de abrdar um cnjunt (unitári u nã) de prblemas presume-se a existência de um plan de cuidads. Cas cntrári utente terá alta d serviç/ unidade funcinal que crrespnderá a uma cnclusã d episódi que neste cas será de event únic. Assim episódi inicia-se num event clínic designad de primeir (Ex. Primeira cnsulta) terá um cnjunt finit de events subsequentes e terminará n event de alta d Serviç/Unidade funcinal a que se sucederá a cnclusã d episódi. Um internament pde incrprar mais d que um episódi SIGIC, se n mesm internament frem reslvidas duas u mais situações, em períds temprais distints nã cntígus, quand para as mesmas existam plans de cuidads distints (prpstas). Se num event cirúrgic únic se reslverem duas u mais prpstas cirúrgicas, um ds episódis será cancelad cm mtiv de reslvid n âmbit de um utr episódi, e utr será realizad (regist da cirurgia) e cncluíd integrand tdas as unidades nslógicas. Se a cirurgia assciada a uma prpsta nã reslver parte das necessidades e estas mantiverem a sua pertinência, será sem mais frmalisms elabrada nv plan de cuidads (prpsta), cm a data inicial de inclusã, para que se pssam cncluir as terapêuticas previstas A classificaçã cm ferramenta instrumental d SIGIC Para a prssecuçã ds seus bjectivs, SIGIC utiliza diversas ferramentas que adapta às suas necessidades. Uma das ferramentas utilizadas é a tabela de códigs CID 3 e versã em vigr. N âmbit d SIGIC, esta tabela é utilizada em diversas casiões e cm prpósits diferentes, designadamente n regist de dcuments relativs à interacçã entre clínic e utente, em particular na cnsulta nde é elabrad plan de cuidads, n regist da cirurgia, ns regists relativs a internament e na cnclusã d prcess que crre n mment em que estã reunidas as infrmações relativas a internament e as resultads ds exames, crrespndend a resum instruíd d prcess terapêutic e s seus resultads. Para efeits de cálcul de valres a facturar em entidades cnvencinadas e para efeits de apurament de valres a pagar às equipas em hspitais públics, utiliza-se s sistemas de cdificaçã e nrmas em vigr. O Sistema Infrmátic de Gestã de Listas de Inscrits em Cirurgia (SIGLIC) pssibilita a execuçã de mapeaments pr frma a flexibilizar a utilizaçã de versões psterires d sistema de cdificaçã CID, pdend dessa frma hspital utilizar sistema de cdificaçã que pretender desde que mapeie cm a versã CID em vigr. Nestes dcuments bjectiv da cdificaçã das UN (ds diagnóstics e ds prcediments 4 crrespndentes) é essencialmente de bter um regist sumarizad e 3 CID Classificaçã Internacinal de Denças. O sistema actualmente requer a cdificaçã em versã 9 mas está prevista a sua substituiçã para a versã CID 10 devend desde já ser reclhids e expresss tds s atributs necessáris à futura frma de cdificaçã. 4 N sentid lat - qualquer acçã efectuada bservaçã, prescriçã, administraçã terapêutica, técnica cirúrgica, 4/34 - V 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC

5 [Vlume V Apêndices e Anexs] MGIC 2011 nrmalizad ds prblemas d utente, relevantes n event da prpsta e terapêutica subjacente. Trata-se pis da mais fiel pssível transcriçã d pensament d clínic que interagiu cm utente. Cada prblema que clínic cnsidere individual deve, para além de descrever da frma que lhe é habitual, sintetizá-l através da utilizaçã de um códig CID na versã em vigr, pdend, n cas de ser pertinente, cmplementá-l cm utrs assciads ( códig nã pde ser clcad isladamente, é essencial que além d códig exista uma descriçã cmpleta d diagnóstic e d prcediment que será sintetizad n códig nã se cnsidera válid que seja apenas clcad códig u seu significad). Em relaçã a prblema u as prblemas identificads, clínic asscia a prpsta terapêutica, sintetizand-a também através de um u mais códigs CID. Neste cntext nã se impõe qualquer restriçã u rientaçã que nã seja a utilizaçã d códig que mais aprpriadamente traduza pensament clínic. Nã se aceitam códigs de bilateralidade u simultaneidade já que cada situaçã deve ser individualmente descrita e bem caracterizada. Decrre d anterirmente expst que clínic é livre de registar s códigs que entender de frma repetida se necessári desde que se adeqúem à situaçã d utente e crrespndam a Unidades Nslógicas (UN) distintas. N âmbit d SIGIC, sã bject de regist e classificaçã tds s events relativs à actividade cirúrgica ns hspitais e individualmente tdas as UN independentemente abrdadas, ns terms d regulament em vigr. Será apenas cnsiderada cm actividade cirúrgica a actividade registada n SIGIC. O hspital é respnsável pel crrect preenchiment ds dcuments. A UCGIC 5 recmenda que s mesms sejam elabrads pels clínics respnsáveis pels respectivs dcuments e que a cdificaçã seja efectuada/revista pr um médic cdificadr. A dispnibilidade de dcuments em que prcediments e diagnóstics estã cdificads permite a sua gestã autmatizada. Assim, frnece as váris interlcutres d sistema a infrmaçã necessária para gerir episódis particulares, serviçs, hspitais, regiões u mesm país, nas vertentes a que se prpõem. Permite ainda cnheciment integrad da prcura e ferta de cuidads, pssibilitand a divulgaçã deste cnheciment e planeament a diverss níveis. O cnjunt u agrupament de códigs de diagnóstic e crrespndentes códigs de prcediments cnstituem a classificaçã da UN. A UN é a caracterizaçã clínica de um prblema de saúde de um utente, resultante da sua avaliaçã, num determinad event, adequadamente classificad cm um cnjunt de códigs CID na versã em vigr, send que um é classificad cm principal, e cm a descriçã das acções subsequentes, também estas classificadas cm um cnjunt de códigs CID na versã em vigr. 5 Unidade Central de Gestã de Inscrits em Cirurgia 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC V - 5/34

6 MGIC 2011 [Vlume V Apêndices e Anexs] Na prpsta reclhem-se as infrmações necessárias à caracterizaçã d prblema para qual está a ser prpsta uma terapêutica cirúrgica. É imprtante que haja uma descriçã suficientemente prmenrizada para que um terceir bservadr pssa apreender a situaçã tal cm fi bservada e cmpreender a prpsta terapêutica efectuada. O quadr nde sã apresentadas as UN que caracterizam s prblemas e sluções prpstas a utente, cntém s dads fundamentais d plan terapêutic. N cnjunt de unidades nslógicas que representam a actual situaçã clínica, para a qual plan pretende dar respsta, pdem encntrar-se várias situações independentes, send que uma tem de ser identificada cm principal. As restantes serã designadas cm secundárias. As situações independentes crrespndem, em regra, a atitudes terapêuticas distintas. Cada situaçã independente pderá ser melhr caracterizada pela junçã, a designad diagnóstic principal ( que melhr sintetiza cada quadr nslógic) de utrs diagnóstics que facilitam enquadrament d quadr nslógic e que serã designads de assciads. O médic descreverá a UN em linguagem clínica de frma integrada e deverá clcar cnjunt de códigs CID na versã em vigr, que reflectem a descriçã efectuada. Os prcediments cirúrgics referem-se a cnjunt de prcediments prpsts para cada situaçã independente descrita nas UN. Designa-se, em cada UN, prcediment principal, aquele que melhr sintetiza as acções prpstas nessa unidade. A cada prcediment principal crrespnde um diagnóstic independente, pdend ser anexads utrs para melhr caracterizar a acçã prpsta. Estes prcediments serã designads de prcediments assciads. A descriçã ds diagnóstics e prcediments deve ser integrada para cada UN e efectuada em linguagem clínica crrente caracterizand a situaçã clínica e atitudes terapêuticas de frma cmpleta. A extensã da dença em vlume u diâmetr e a envlvência de órgãs/tecids envlvids têm sempre de ficar expresss. A descriçã deve ser clara para que a leitura da prpsta seja suficiente para a cabal cmpreensã da situaçã clínica e da prpsta terapêutica. Nã é necessári fazer uma descriçã para cada códig apresentad, mas apenas um relat integrad, relativ a diagnóstic e a prcediment, pr cada UN. A lcalizaçã diz respeit as diagnóstics e prcediments. Ns cass aprpriads deve-se lcalizar cm precisã a lesã que se pretende tratar. Ns órgãs pares é brigatóri indicar a lateralidade. Uma prpsta tem brigatriamente que ter pel mens uma UN. A cdificaçã deve ser mais cmpleta pssível quer para permitir uma gestã lcal mais adequada, quer para uma gestã de transferências mais crrecta. A respnsabilidade de uma transferência inadequada pr cnteúds inaprpriads u incmplets a nível da prpsta é d hspital de rigem (HO). A estrutura de cdificaçã de diagnóstics e prcediments (UN) é a que se apresenta n seguinte quadr: 6/34 - V 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC

7 [Vlume V Apêndices e Anexs] MGIC 2011 Ilustraçã 1 Metdlgia de cdificaçã e agrupament de GDH para efeits de SIGIC. Assciaçã cm as unidades nslógicas N SIGIC, s diagnóstics e a respectiva cdificaçã sã entendids de frma abrangente e representam a definiçã de prblemas relacinads cm a saúde, n seu sentid lat, de utentes em cncret. A UN principal é a que clínic, n event em causa, estabelece cm a mais relevante n cntext em que se insere. N cas de relevância equivalente, clínic elege arbitrariamente um cm principal. As UN secundárias crrespndem a cndições clínicas que se pdem cnsiderar de frma autónma em relaçã à UN principal u a utras secundárias. Esta autnmia significa que pderiam ser abrdads, em ba prática, em events distints, na perspectiva da cnstruçã diagnóstica u das acções terapêuticas. Nã devem ser cnsiderads, para este efeit, cm UN independentes situações para as quais se prpõe u executa mesm prcediment. Os diagnóstics assciads estã sempre na dependência de um diagnóstic principal e serve para melhr enquadrar u definir prblema traduzid n códig principal 6. As unidades nslógicas secundárias só deverã ser cdificadas se tiverem relevância n plan de cuidads, devend na mairia das situações implicar a existência de prcediments assciads. Os prcediments crrespndem necessariamente a um diagnóstic, send que se designa de prcediment principal que crrespnde a diagnóstic principal e prcediments assciads s que cmpletam a descriçã da técnica. Os prcediments da UN secundária sã necessariamente independentes ds da UN principal e de utras secundárias e, nã bstante pderem ser executads num mesm episódi cirúrgic, devem pder ser executads em episódis cirúrgics distints. 6 Os diagnóstics assciads só devem ser cdificads se tiverem relevância n event u na UN 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC V - 7/34

8 MGIC 2011 [Vlume V Apêndices e Anexs] Face a expst, cnclui-se que n regist de códigs de diagnóstic e prcediment deve manter-se nex de casualidade estabelecid entre s prblemas identificads e as acções prpstas u executadas. É também necessári explicitar a individualidade das situações e ds acts que lhes crrespndem sempre que cnsideradas independentes Determinaçã de GDH n âmbit d SIGIC A metdlgia fi elabrada pel SIGIC em cncertaçã cm entã IGIF sb s desígnis d Ministéri da Saúde. Tend presente que mdel de financiament d SIGIC está rientad para a resluçã de um episódi (cnjunt de serviçs rganizads para abrdar um cnjunt definid de prblemas de saúde) e que a capacidade de desnataçã pr parte ds prestadres é, nestas circunstâncias, muit superir, imprtava intrduzir mecanisms que cntrariassem a tendência de excluir ns serviçs prestads a resluçã de prblemas múltipls. A classificaçã da cnclusã d episódi reveste-se de particular imprtância, pis é basead nela que serã calculads s GDH 7, que n âmbit d SIGIC utilizam-se cm exclusiv prpósit de permitir cálcul de valres a facturar a entidades cnvencinadas e de apurar valres a pagar às equipas em hspitais d SNS pela prduçã MRA 8. A determinaçã de GDH btids para efeit de SIGIC, apresentam uma metdlgia equivalente à utilizada para cálcul de um GDH de um episódi de internament para efeits de facturaçã n âmbit de cntrat-prgrama u subsistemas, diferind apenas pel fact de que n SIGIC está rientada para classificar UN e nã internaments. A determinaçã de cada GDH n SIGIC é efectuada em relaçã a cada UN, cmprtand diagnóstics e prcediments principais e assciads. Um episódi SIGIC pderá cmprtar um u mais GDH, cnfrme númer de unidades nslógicas independentes apuradas. Fi criad cnceit de unidades nslógicas múltiplas independentes que inclua situações já previstas de bilateralidade e alarga a abrangência de frma a pderem ser incluídas utras situações similares. A definiçã cnstante na prtaria que regula a tabela de preçs d SIGIC e sua aplicaçã nã é suficientemente clara, dand rigem a dúvidas legítimas quant à sua interpretaçã quand se pretende aplicá-la a situações cncretas. O presente dcument pretende frnecer directivas interpretativas da nrma em vigr. Em cada episódi é apurad um GDH pr cada situaçã (UN) reslvida. Entende-se genericamente pr situaçã independente a resluçã cirúrgica de situações que pderiam nrmalmente crrer em events (internaments, cirurgias) diferentes. N cntext de um episódi em que sã reslvidas duas u mais situações distintas (UN), será eleita cm 7 Grup de Diagnóstic Hmgéne 8 Mdalidade Remuneratória Alternativa 8/34 - V 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC

9 [Vlume V Apêndices e Anexs] MGIC 2011 principal para efeits de pagaments a que crrespnder a mair valr da prtaria da tabela de preçs SIGIC. Na cnstruçã d GDH da UN principal, cncrrem s códigs de diagnóstic crrespndentes as prblemas específics ds prcediments que se lhe assciam, assim cm s demais códigs de diagnóstic que infrmam sbre a caracterizaçã clínica relevante para a execuçã da cirurgia e que nã sã específics de uma UN secundária. Na cnstruçã d GDH as UN secundária cncrrem apenas s códigs de diagnóstic crrespndentes as prcediments que se lhes assciam. Os códigs referentes a prcediments efectuads fra d blc peratóri, assim cm s códigs ds diagnóstics que lhes crrespndam, e s códigs de diagnóstic crrespndentes a utras situações clínicas, nmeadamente, a intercrrências u cmplicações, sã registads em assciaçã a episódi de internament e nã cncrrem para a determinaçã de GDH n âmbit d SIGIC (facturaçã de hspital cnvencinad e pagament à equipa). Pel expst cnclui-se que n regist de códigs de diagnóstic e prcediments tem de se manter nex de casualidade estabelecid entre s prblemas identificads e as acções prpstas u executadas, é também necessári explicitar a individualidade das situações e ds acts que lhes crrespndem sempre que cnsideradas independentes. Um Exempl: Um dente recrre à cnsulta de cirurgia pr varizes. Trata-se de um dente hipertens cntrlad, diabétic tip 2, cm insuficiência vensa periférica, varizes ns membrs inferires cm úlcera varicsa e cm um carcinma bascelular d nariz. É prpst para cirurgia às varizes e a carcinma, que efectua. N pós-peratóri tem um hematma na cxa direita que é drenad na enfermaria e tem ainda um episódi cnvulsiv, que vem a enquadrar-se num quadr de epilepsia, nã diagnsticad previamente. A rganizaçã ds códigs na cirurgia e cnclusã d episódi SIGIC deve ser a seguinte: 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC V - 9/34

10 MGIC 2011 [Vlume V Apêndices e Anexs] Unidade Nslógica Principal a. DP 9 - Varizes d Membr inferir direit d territóri da safena interna, cm evidência de insuficiência ds vass cmunicantes cm sistema vens prfund i. DA 10 - Diabetes tip II cntrlada sem cmplicações ; ii. DA 9 HTA cntrlada b. PP 11 - Streaping das Varizes i. PA 12 - Desbridament de úlcera varicsa Secundária I Secundária II Secundária III (nã elegível para determinar pagaments) Secundária IV (nã elegível para determinar pagaments) a. DP 8 Varizes d membr inferir esquerd d territóri da safena externa b. PP 10 - Laqueaçã da crssa da safena externa a. DP 8 Carcinma bas celular da asa direita d Nariz b. PP 10 Exerese radicar da lesã cm margens de segurança de 5 mm 86.4 a. DP 8 - Hematma d membr inferir b. PP 10 - Drenagem a. DP 8 Epilepsia i. PA Recnstruçã cm retalh lcal i. Cnsequente a prcediment cirúrgic E878.8 Tend presente a lógica expsta pde cmpreender-se que cada situaçã independente deve ser cnvenientemente descrita em linguagem médica cnvencinal pr frma a transmitir cabalmente prblema que justifica event em causa (cnsulta, internament, cirurgia, etc.) assim cm a prpsta terapêutica subjacente. A cdificaçã é um pass cnsecutiv justificável pela necessidade de nrmalizaçã, mas que nã substitui a descriçã em linguagem médica cnvencinal. A cdificaçã clínica é 9 DP- Diagnóstic Principal 10 DA- Diagnóstic Assciad 11 PP - Prcediment Principal 12 PA Prcediment Assciad 10/34 - V 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC

11 [Vlume V Apêndices e Anexs] MGIC 2011 em Prtugal, uma respnsabilidade médica que deve ser sempre apiada e supervisinada pr médics cdificadres. N cas particular d tratament de órgãs, estruturas u regiões simétricas, nã cntíguas, afectadas, sempre que cnstituírem situações independentes devem ser cdificadas de frma independente. Nestas situações mesm que exista um códig que se refira a tratament bilateral nã pderá ser utilizad, uma vez que cada UN é cdificada isladamente. Em cada episódi é apurad um GDH pr cada situaçã independente (UN) abrdada, entende-se genericamente pr situaçã (UN) independente a resluçã cirúrgica de situações que pderiam nrmalmente crrer em events (internaments, cirurgias) distints. N cntext de um episódi em que sã reslvidas duas u mais situações (UN) distintas será eleita uma cm principal, que para efeits de pagaments é, a que crrespnder a mair valr da tabela de preçs d crrespndente GDH. A determinaçã d GDH da UN é efectuad tend em cnta a cdificaçã efectuada à UN. Em relaçã à cdificaçã d episódi a única diferença é univers a cdificar, que n cas d episódi sã tds s diagnóstics e prcediments cntids n episódi e n cas da UN sã s diagnóstics e prcediments da UN. A determinaçã d GDH referente a episódi de internament, act necessári para a facturaçã em hspitais públics, prcede-se ns mldes habituais de acrd cm as nrmas seguidas e praticadas pels médics cdificadres. A classificaçã de um event deve iniciar-se sempre na identificaçã das Unidades Nslógicas (UN) independentes e respectiva classificaçã. N cas de um episódi de internament pdems bter a cdificaçã desse episódi e determinaçã d respectiv GDH (tendente a apurament d valr d episódi de internament em hspitais públics) cm a cnjugaçã ds códigs das várias unidades nslógicas, salvaguardand ns cass necessáris a cnversã adequada, nmeadamente a identificaçã de 1 diagnóstic cm principal, cnversã para códigs de bilateralidade u códigs cmpsts ns cass aprpriads e a depuraçã de códigs excedentáris. A classificaçã de um event deve iniciar-se sempre pela identificaçã das UN independentes e respectivas classificações n cas d episódi de internament A determinaçã de múltiplas UN e respectivs GDH para episódi terapêutic, que cm vims, difere d cnceit de episódi de internament, implica, para efeits de financiament que um seja cnsiderad principal ( de mair valr). Este cnceit nã se deve cnfundir cm a determinaçã d diagnóstic principal de cada event u de cada UN, que deverá ser aquele que cnstitui a causa principal d event/un a que se asscia, determinada à data d mesm. Chama-se a atençã que UN principal assim definida pde nã ser a que cntém designad diagnóstic principal d episódi de internament. Neste cntext cmpreende-se que a UN principal à data da prpsta pssa, para um mesm episódi, nã ser a mesma que à data da cirurgia e ainda vir a diferir à data da cnclusã. Nã devem pis ser crrigidas a psteriri pis representam cnheciment dispnível à data da respectiva classificaçã. 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC V - 11/34

12 MGIC 2011 [Vlume V Apêndices e Anexs] 2.4. Mdificaçã de GDH durante um episódi d SIGIC O regist da cirurgia deve ser efectuad cm máxim rigr de acrd cm as nrmas enunciadas, quer n HO quer n hspital de destin (HD). Neste cntext, a infrmaçã é ttalmente independente d cnstante da prpsta, já que se limita a transcrever situações de fact. Tratand-se de um HD pderá clcar-se a questã de se, a execuçã de determinads prcediments díspares ds cnstantes da prpsta u mesm a mudança da interpretaçã clínica sbre utente face a descrit na prpsta, é legítima. Se nã fr, estã previstas sanções, nã bstante s regists devem sempre traduzir a verdade ds acts realizads e as interpretações clínicas ds seus respnsáveis. N HD é legitima a execuçã de prcediments distints ds da prpsta sempre que autrizads previamente pela UHGIC d HO, URGIC u UCGIC. O pedid de alteraçã da prpsta deve ser prévi a act cirúrgic e efectuad através d SIGLIC, na pçã cmunicaçã da rede. Sã ainda legítims, a títul excepcinal, s prcediments, que visem situações que, nã pdend ser antecipadas, cncrram inequivcamente para a melhr prestaçã de cuidads a dente e que cumulativamente se demnstre que a nã prestaçã destes prcediments, cntribuiria para a degradaçã d estad de saúde d dente. 12/34 - V 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC

13 [Vlume V Apêndices e Anexs] MGIC Regras genéricas para a determinaçã de prcediments múltipls Se é verdade que ninguém terá dúvidas que determinadas situações (UN) se justificam ser classificadas de independentes, cm será cas de pr exempl uma amputaçã de pé diabétic simultânea cm a exerese de basalima da asa d nariz, também é cmpreensível admitir que existe uma panóplia de situações que se encntram num territóri cinzent em que sens cmum nã será suficiente para dirimir. Para estes cass as nrmas gerais nã sã suficientes pel que é necessári estabelecer directivas específicas que estabeleçam as cndutas de regist nestes cass. Quand se estabelece, pr necessidade, uma linha separadra numa variável cntínua, pela necessária arbitrariedade d pnt estabelecid, crrerã certamente cass cuja análise pntual pderia demnstrar a injustiça da decisã, mas este é preç a pagar pela sistematizaçã ds prcesss, que em si mesma garante uma justiça glbal mair Prcediments cirúrgics múltipls independentes Sã prcediments cirúrgics 13 múltipls independentes (crrespndend a UN independentes) s seguintes: Prcediments que crrem em episódis cirúrgics distints 14 num mesm internament u em internaments distints; Prcediments que, crrend num mesm episódi cirúrgic, visam a resluçã de prblemas distints u fases individualizáveis da abrdagem de um mesm prblema, dirigind-se necessariamente a órgãs estruturas u regiões distintas. Pr exempl: i. Tratament cirúrgic de hérnia da linha branca + clecistectmia; ii. Glssectmia ttal + Gastrstmia; iii. Prcediments em deds distints; Prcediments realizads pr abrdagens u incisões distintas (except as videscpias). Pr exempl: i. Reparaçã de hérnias incisinais; ii. Paratiridectmia múltipla; iii. Cervictmia bilateral; iv. Cervictmia e esterntmia; 13 Prcediment cirúrgic -> cnjunt de técnicas cirúrgicas cerentes entre si que visa a sluçã de um prblema (um prcediment cirúrgic pde englbar múltipls acts técnics que se agregam em trn de um prpósit cmum) 14 Episódis cirúrgics distints intervenções cirúrgicas em temps peratóris distints; um episódi cirúrgic implica uma entrada e saída d blc peratóri e inclui tds s prcediments que crreram neste períd independentemente ds seus prtagnistas (pde incluir uma u mais equipas cirúrgicas a actuar em simultaneidade u em cntinuidade. 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC V - 13/34

14 MGIC 2011 [Vlume V Apêndices e Anexs] Cirurgias realizadas através de uma abrdagem incisinal única pdem ser cnsideradas independentes quand dirigidas a estruturas distintas, desde que visem respnder a prblemas independentes (que pdem surgir autnmamente), cm é cas de: i. Clecistectmia + reparaçã de hérnia d hiat; ii. Reparaçã de mais que uma válvula cardíaca; iii. Reparaçã de válvula cardíaca + Bypass crnári; Prcediments em nervs vass u tendões ds membrs implicand neurtmias, neurrrafias, tenrrafias, anastmse de vass, desde que nã cnstituam prcediments brigatóris de uma determinada técnica cirúrgica rientada para a resluçã de um prblema determinad; Prcediments em vértebras e discs nã cntígus n tratament de hérnias discais; Septplastia e turbinectmia quand s diagnóstics frem desvi d sept e hipertrfia ds crnets respectivamente; Retalhs e enxerts n âmbit de cirurgias recnstrutivas cntínuas a prcediments principais mutilantes; Os prcediments realizads para tratament de lesões nã malignas múltiplas, nã cntíguas da pele e tecid celular subcutâne, de dimensões superires a 15 mm na face, deds, ânus e órgãs genitais, u superires a 30mm na restante superfície crpral; Os prcediments realizads para tratament de lesões malignas múltiplas, nã cntíguas da pele e tecid celular subcutâne; Celulectmias (linfadenectmias u esvaziaments ganglinares) em patlgia neplásica quand respeitantes a td um territóri glanglinar, mesm quand cnjugadas cm ressecçã de órgã. Pr exempl: i. Gastrectmia + celulectmia; As celulectmias bilaterais ns membrs, regiões inquinais, axilares e cervicais mas nã n tórax abdómen u pelve; As celulectmias em territóris distints, cnsiderand-se para efeit s seguintes territóris: cabeça e pescç, membrs superires e axilas, tórax/mediastin, abdómen, regiã pélvica, membrs inferires e regiã inguinal; Ressecções sincrnas de tumres e metástases, desde que nã cntíguas u que envlvam órgãs distints. Pr exempl: 14/34 - V 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC

15 [Vlume V Apêndices e Anexs] MGIC 2011 i. Ressecçã d cóln pr carcinma + hepatectmia pr metástases; ii. Ressecçã d úter pr carcinma e de segment d cóln; Os prcediments em órgãs u regiões bilaterais u simétrics except s próxims da linha média em que a patlgia afecte habitualmente ambs s lads; Os prcediments dirigids a mais d que uma das diferentes regiões listadas n anex 4.1, quand nã enquadradas numa restriçã cnstante deste dcument; Nas seguintes regiões aplicam-se restrições: Lábis só pdem ser cnsiderads prcediments independentes se referids a lábi inferir e a superir, exceptuam-se retalhs em que um ds lábis serve de dadr para utr. Dentes só sã cnsiderads independentes prcediments em quadrantes distints. Vass, nervs e tendões aplicam-se as restrições referidas ns pnts anterires Prcediments nã cnsiderads independentes Nã pdem ser cnsiderads independentes s seguintes prcediments: Prcediments interdependentes agregads a um quadr sinóptic ces representad pr uma patlgia única: O cnceit de bilateralidade independente nã se aplica em: Turbinectmia; Amigdalectmia; Adenidectmia; Meringtmia cm aplicaçã de tubs; Simpatectmia; Laqueaçã tubar; Tiridectmia. O cnceit de multiplicidade independente nã se aplica a: Diverss prcediments nas narinas; Prcediments múltipls nas fssas nasais, seis peri-nasais, rinfaringe; Meringtmia + adenidectmia em crianças (< 14 ans); 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC V - 15/34

16 MGIC 2011 [Vlume V Apêndices e Anexs] Prcediments n palat úvula, rinfaringe, n cntext d tratament da rncpatia; Ressecçã u/e anastmse de múltipls segments intestinais; Lavagem peritneal cnjugada cm qualquer utr prcediment que implique acess à cavidade abdminal; Secçã de aderências assciada a qualquer utr prcediment intra abdminal u pélvic; Reparaçã de múltiplas hérnias da linha branca; Suspensã para-uretral e tratament de cistcel n cntext d tratament da incntinência urinária; Histerectmia, perações a fund de sac vaginal u quaisquer exames u prcediments vaginais; Histerectmia cm anexectmia; Reparaçã de ligaments, menisc u da cápsula articular d jelh; Amigdalectmia cm adenidectmia; Facemulsificaçã (u técnica equiparável) cm inserçã de lente prtésica; Excisã de disc intervertebral + artrdese de vértebras cntiguas n tratament de hérnias discais. Prcediments em tecids mles u pele quand cntígus u realizads através da mesma incisã; Prcediments únics num mesm órgã u regiã ainda que visem a resluçã de prblemas/patlgias distintas. Pr exempl: Bóci + carcinma da tiróide tiridectmia ttal (apesar de incluir diverss acts técnics cervictmia, secçã de vass e utrs tecids, tiridectmia prpriamente dita, ráfia de tecids e pele uma vez que bjectiv técnic únic é a exerese da glândula cnjunt de acts técnics é cnsiderad um prcediment únic. Vias de abrdagem (lapartmia, laparscpia, cistscpia, artrscpia, ) desde que cmpletadas cm utrs prcediments; Prcediments múltipls em órgãs/regiões distintas nã serã cnsiderads independentes se decrrerem de necessidades impstas brigatriamente u acidentalmente pela técnica. Pr exempl: 16/34 - V 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC

17 [Vlume V Apêndices e Anexs] MGIC 2011 Gastrectmia e jejun-jenunstmia, patlgia gástrica Gastrectmia e espenectmia acidental u nã. N cas de órgãs u regiões bilaterais u simétricas próximas da linha média, em que a patlgia a crrer geralmente afecta ambs s lads. Pr exempl: Amigdalectmia pr amigdalite crónica; Plipse nasal; Intervenções ns crnets. Celulectmias bilaterais n tórax/mediastin, abdómen u pelve; Excisã de disc intervertebral (u discs cntígus) + artrdese de vértebras cntiguas; Prcediments diverss em regiões u órgãs classificads n anex 8 cm Nã, except se prevists ns pnts da alínea A) Cas particular ds prcediments cirúrgics em patlgia nclógica Os prcediments envlvids nestes cass têm prpósits distints e em cada situaçã devem estar assciads a códigs de diagnóstic que reflictam a intençã d prcediment. Apresentam-se s seguintes cass: 1) Explraçã cirúrgica cm bipsia para diagnsticar uma neplasia diagnóstic: neplasia maligna; 2) Ressecar tumr diagnóstic: neplasia maligna; 3) Ressecar a metástase metástase de neplasia maligna; 4) Celulectmia para prfilaxia duma metastizaçã ganglinar prvável diagnóstic: metástases ganglinares se psitiv para metástases, códig V50.49 se negativ; 5) Celulectmia para estadiament e cnsequente determinaçã de terapias cmplementares diagnóstic: metastizaçã ganglinar se psitiv para metástases, códig V50.49 se negativ; 6) Ressecçã de órgã cm intençã de favrecer prcess glbal terapêutic da neplasia maligna diagnóstic: V50.4X (remçã prfilática) (exempl: tiridectmia restante para permitir terapêutica cm id 131, castraçã cirúrgica em neplasias hrmn-dependentes); 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC V - 17/34

18 MGIC 2011 [Vlume V Apêndices e Anexs] 7) Ressecções alargadas pós bipsias excisinais mesm quand já nã se bserve tecid neplásic na peça diagnóstic: neplasia maligna; 8) Cirurgias funcinais u cm a intençã de intervir ns sintmas (de bypass u utras) diagnóstic: neplasia maligna e disfunçã u sintma. Pr exempl: a. Gastrjejunstmia pr bstruçã intestinal (efectiva u antecipada) assciada a carcinma da cabeça d pâncreas inperável; b. Gastrstmia pr bstruçã esfágica e disfagia ttal pr tumr esfágic irressecável. 9) Recnstruções funcinais, mrflógicas u cirurgia estética na sequência imediata u diferida de cirurgia mutilante u disfuncinante diagnóstic: Cuidads psterires envlvend a utilizaçã de cirurgia plástica V51.X), status póscirurgia, história pessal de neplasia maligna. Pr exempl: a. Recnstruçã mamária pós mastectmia V51.0; b. Recnstruçã de trânsit pós clstmia Neste cas será encerrament de clstmia V /34 - V 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC

19 [Vlume V Apêndices e Anexs] MGIC Anexs 4.1. Regiões anatómicas e aplicaçã ds cnceits de bilateralidade e de prcediments múltipls Aplicaçã d cnceit de prcediments múltipls em funçã da regiã ID Regiã Regiã de Diagnóstic/Prcediment Prcediments R01 Sistema Nervs Central R0101 Meninges Nã R0102 Cérebr e cerebel Direit/Esquerd R0104 Ventrículs cerebrais Nã R0106 Pituitária e pineal Nã R0130 Vass intracraneans Direit/Esquerd R0160 Calte craniana Múltipls* R02 Cabeça e Pescç (except órgãs intracraneans) R0203 Amígdalas e adenóides Nã R0206 Esófag cervical Nã R Laringe Nã R Traqueia Nã R Olh Direit/Esquerd R Pálpebras, rbita e aparelh lacrimal Direit/Esquerd R Nariz Nã R Seis perinasais Nã R0211 Pavilhã auricular Direit/Esquerd R Ouvid Direit/Esquerd R Mastóide Direit/Esquerd R Parótida Direit/Esquerd R Glândulas submaxilares Direit/Esquerd R Glândulas sublinguais Direit/Esquerd R Glândulas salivares minr Nã R0215 Tiróide Nã R0216 Paratiróide Múltipls* R0221 Cur cabelud Múltipls* R0220 Pele e partes mles cervicais Múltipls* R0230 Vass da cabeça e pescç Direit/Esquerd R0240 Linfátics cabeça e pescç Direit/Esquerd R0250 Nervs e plexs nervss da cabeça e pescç Direit/Esquerd R0260 Osss da cabeça (except calte) e dentes Múltipls* R Dentes Múltipls - 4 quadrantes R Osss da base d crâni Direit/Esquerd R Maxilar superir Direit/Esquerd R Maxilar inferir Direit/Esquerd 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC V - 19/34

20 MGIC 2011 [Vlume V Apêndices e Anexs] Aplicaçã d cnceit de prcediments múltipls em funçã da regiã ID Regiã Regiã de Diagnóstic/Prcediment Prcediments R0271 Nasfaringe, rfaringe e hipfaringe Nã R02721 Cavidade ral Nã R02722 Lábis Múltipls (sup, inf) R0273 Face (incluind pele e tecids mles) Múltipls* R03 Regiã trácica e drsal R0301 Mama Direit/Esquerd R Pulmã Direit/Esquerd R Brônquis Direit/Esquerd R Pleura Direit/Esquerd R Craçã Múltipls R Pericárdi Nã R0304 Mediastin (inclui órgãs linfátics e tim) Nã R0305 Esófag trácic Nã R0320 Pele da regiã trácica e drsal Múltipls* R0330 Vass da regiã trácica e drsal Múltipls* R0340 Linfátics da regiã trácica e drsal Direit/Esquerd R0350 Nervs da regiã trácica e drsal Múltipls* R Omplata Direit/Esquerd R Clavícula Direit/Esquerd R Cstelas Múltipls* R0365 Partes mles da regiã trácica e drsal Direit/Esquerd R04 Regiã Abdminal, Retrperitnial e Lmbar R0401 Estômag Nã R Intestin delgad Nã R Duden Nã R Jejun Nã R Ilen Nã R Cóln Nã R Apêndice ilececal Nã R Rim Direit/Esquerd R Cálice e uréteres Direit/Esquerd R0406 Pâncreas Nã R0407 Fígad Nã R0408 Vesícula e vias biliares Nã R0409 Baç Nã R0410 Supra-renal Direit/Esquerd R0430 Vass abdminais Múltipls* R0440 Linfátics abdminais Nã R0450 Nervs abdminais Múltipls* R0465 Parede abdminal e lmbar (pele, músculs, apnevrse, peritneu parietal) Múltipls* R05 Cluna vertebral 20/34 - V 3. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC

4. Manual de classificação de unidades nosológicas em SIGIC

4. Manual de classificação de unidades nosológicas em SIGIC [Vlume V Apêndices e Anexs] MGIC 2010 4. Manual de classificaçã de unidades nslógicas em SIGIC 1. Intrduçã... 2 2. Episódi de SIGIC... 3 2.1. Cmpsiçã... 3 2.2. A classificaçã cm ferramenta instrumental

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Newsletter Codificação #3-5/06/2006

Newsletter Codificação #3-5/06/2006 Newsletter Cdificaçã #3-5/06/2006 Car clega: Este é n.º 3 da nssa newsletter. A sua intençã é ser um mei de partilha de infrmaçã entre s médics cdificadres prtugueses preparand caminh para a criaçã duma

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã SIDC-Sistema Infrmaçã Descentralizad Cntabilidade Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema de Infrmaçã Descentralizad

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

H Convencionados. Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010. 11 de Fevereiro de 2011

H Convencionados. Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010. 11 de Fevereiro de 2011 H Convencionados Operados e vale cirurgia emitidos por grupo extracção a 30-09-2010 7 11 de Fevereiro de 2011 Título Actividade cirúrgica dos Convencionados Versão V1 Autores Unidade Central de Gestão

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

TERAPIA MANUAL DESPORTIVA

TERAPIA MANUAL DESPORTIVA TERAPIA MANUAL DESPORTIVA 14, 15 e 16 de Nvembr de 2014 - LISBOA Resum A Terapia Manual é indiscutivelmente uma área incntrnável na intervençã d fisiterapeuta. N entant, este é um cnceit lat, cm diversas

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão Manual de Operaçã WEB SisAmil - Gestã Credenciads Médics 1 Índice 1. Acess Gestã SisAmil...01 2. Autrizaçã a. Inclusã de Pedid...01 b. Alteraçã de Pedid...10 c. Cancelament de Pedid...11 d. Anexs d Pedid...12

Leia mais

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO EA.TAS.6.1.13 HELPCARE CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO Prpsta Curs de Tripulante de Ambulância de Scrr Fundamentaçã O scrr e transprte de vítimas de dença súbita e/u trauma é executad pr váris

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Em qualquer caso, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução

Em qualquer caso, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução Âmbit d Dcument Mdel de Cmunicaçã Platafrma de Dads de Saúde - Prtal d Prfissinal Revisã 1 O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Platafrma de Dads da Saúde

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

NOTA DE INFORMAÇÃO PRÉVIA VICTORIA CARTÃO DE SAÚDE

NOTA DE INFORMAÇÃO PRÉVIA VICTORIA CARTÃO DE SAÚDE QUAL A IMPORTÂNCIA DE TER UM CARTÃO DE Vivems temps de incerteza e austeridade financeira, que tem frçad Serviç Nacinal de Saúde a reduzir substancialmente as cmparticipações cm despesas de saúde e a aumentar

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito 0 Aplicações Clinicas Patlgia Clínica Luís Lit 1 Evluçã 1. 1993 - Infrmatizaçã parcial d Lab. de Química Clinica 2. 1996 - Inici da infrmatizaçã d Serviç de Patlgia Clínica Clinidata (sistema UNIX/COBOL

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

Segmentação de Imagem

Segmentação de Imagem em pr bjectiv dividir a imagem em regiões u bjects segund um critéri Frequentemente resultad nã é uma imagem mas um cnjunt de regiões/bjects A precisã da fase de segmentaçã determina sucess u falha ds

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.605 de 05 de nvembr de 2013. Altera a Plítica de Segurança da Infrmaçã n âmbit d Tribunal Reginal d Trabalh da 4ª Regiã. A PRESIDENTE DO, n us de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2008/2009, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Carcinoma Medular da Tireóide

Carcinoma Medular da Tireóide Serviç de cabeça e pescç HUWC Mári Sérgi R. Macêd Intrduçã 5 a 10 % ds cânceres tireóides Origem: Células C prdutras de calcitnina Hazard em 1959 Subtip histlógic Steiner em 1968 defeniu NEM Intrduçã O

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Base de Dados 2013/2014 Trabalho prático Versão 1.0 (2013-11-17)

Base de Dados 2013/2014 Trabalho prático Versão 1.0 (2013-11-17) Base de Dads 2013/2014 Trabalh prátic Versã 1.0 (2013-11-17) Embra a cmpnente prática da disciplina crrespnda a sete valres na nta final, individualmente cada alun pde ter uma classificaçã diferente. Nas

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea T12 Resluçã de prblemas peracinais numa Cmpanhia Aérea Objectiv Criar um Sistema Multi-Agente (SMA) que permita mnitrizar e reslver s prblemas relacinads cm s aviões, tripulações e passageirs de uma cmpanhia

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos:

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos: ESCOLA SECUNDÁRIA PADRE BENJAMIM SALGADO An Letiv 2011/2012 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina: Bilgia - Códig 302 Nível de Ensin: Secundári Frmaçã: Específica Mdalidade: Prva Escrita

Leia mais

NORMATIVA ADMINISTRATIVA

NORMATIVA ADMINISTRATIVA Assunt: DIRETRIZES PARA COMPRA E APROVEITAMENTO DE Data de Emissã: Data de Revisã: De: 18/12/2013 Assunts Estratégics Tdas as áreas d 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estabelecer regras e parâmetrs que

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

DOENÇA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL

DOENÇA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL MATERNIDADE-ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND Diretrizes assistenciais DOENÇA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL DOENÇA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL Cecília Maria Pntes Francisc Edsn de Lucena Feitsa CONCEITO: Os tumres

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada Reediçã, revista e adaptada RELATÓRIO FINAL Nvembr de 04 I Enquadrament e bjetivs Na Eurpa tds s ans mrrem 500 crianças e jvens entre s 0 e s 9 ans na sequência de uma queda. Apesar de nã ser a mair causa

Leia mais

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde Cnsulta a Temp e Hras CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativ Centr de Saúde 2013 ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.. Tds s direits reservads. A ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações.

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações. Vensis Assciaçã Vensis ERP Entidades, Sindicats e Federações. Vensis Assciaçã O Vensis Assciaçã é um sistema desenvlvid para entidades cm sindicats, assciações, federações, fundações e utras de natureza

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO)

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) O relatóri de Estági Supervisinad (ESO) deverá ser elabrad pel alun matriculad n 10º semestre, em cmum acrd cm seu rientadr,

Leia mais

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico ANA, Aerprts de Prtugal, S.A. Plan de Acções de Gestã e Reduçã de Ruíd para Aerprt de Lisba Resum Nã-Técnic Janeir 2014 Aerprt de lisba Plan de Ações de Gestã e Reduçã de Ruíd 2013-2018 Cnteúd CONTEÚDO...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Plano de Recuperação - Inglês

Plano de Recuperação - Inglês Escla: 9º 2005/2006 Prf. I- APOIO PEDAGÓGICO ACRESCIDO Plan de Recuperaçã - Inglês Existência de dis níveis diferenciads: Nível I aluns cm graves deficiências de base. N.º Nme Nível II aluns cm algumas

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

CTH - ALERT REFERRAL Novas funcionalidades do Software ALERT versão 2.6.1

CTH - ALERT REFERRAL Novas funcionalidades do Software ALERT versão 2.6.1 Cnsulta a Temp e Hras CTH - ALERT REFERRAL Nvas funcinalidades d Sftware ALERT versã 261 2013 ALERT Life Sciences Cmputing, SA Tds s direits reservads A ALERT Life Sciences Cmputing, SA dispnibiliza presente

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma?

Glaucoma. O que é glaucoma? Glaucma O que é glaucma? Glaucma é a designaçã genérica de um grup de denças que atingem nerv óptic (ver figura 1) e envlvem a perda de células ganglinares da retina num padrã característic de neurpatia

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MAIO 2009 2 RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA, EPE Prject encmendad pela Títul: Autres: Ediçã: Mnitrizaçã da satisfaçã

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

URGENTE AVISO DE SEGURANÇA HeartSine Technologies samaritan PAD 500P (Desfibrilhador de Acesso Público) Actualização do Software

URGENTE AVISO DE SEGURANÇA HeartSine Technologies samaritan PAD 500P (Desfibrilhador de Acesso Público) Actualização do Software URGENTE AVISO DE SEGURANÇA HeartSine Technlgies samaritan PAD 500P (Desfibrilhadr de Acess Públic) Actualizaçã d Sftware Cars Prprietáris d samaritan PAD 500P, O bjectiv desta carta é infrmar-vs sbre uma

Leia mais

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2009 easymed Rua Jrge Barradas, nº 34 Lj 4/5 Tel: +351 21 301 01 00 1400-319 LISBOA Fax: +351 21 301 11 16 PORTUGAL http://www.easymed.pt A Easymed A

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE

BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE BASES PROGRAMA GESTORES DA INOVAÇÄO EM CABO VERDE Prject Rede de Unidades de Prmçä da Invaçä para desenvlviment da terceira missä das Universidades e a cperaçä institucinal através da Invaçän Aberta, prgrama

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais