INOVAÇÃO E RESISTÊNCIA À MUDANÇA: COMPARAÇÃO ENTRE RESTAURANTES EPP S

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INOVAÇÃO E RESISTÊNCIA À MUDANÇA: COMPARAÇÃO ENTRE RESTAURANTES EPP S"

Transcrição

1 ISSN INOVAÇÃO E RESISTÊNCIA À MUDANÇA: COMPARAÇÃO ENTRE RESTAURANTES EPP S Daiane Oliveira Medeiros, Rosilda Alves de Moraes, Carlos André da Silva Müller (Faculdades Integradas de Ariquemes; UNIR) Resumo: O cenário mundial das Micro e pequenas empresas atualmente mostra uma competição acirrada. Assim, esta pesquisa busca respostas ao questionamento: Como a resistência a mudanças afeta inovações em restaurantes de pequeno porte? Em determinadas ocasiões a mudança é visivelmente forçada a uma organização, sem disposição para evoluir, em outras é abertamente aceita e procurada. Enquanto antigamente a vantagem competitiva poderia se originar de tamanho ou patrimônio, nos dias atuais este cenário está gradativamente mudando em favor de organizações que conseguem agregar conhecimento e avanços tecnológicos em seus produtos ou serviços. A pesquisa objeto deste trabalho baseia-se por meio do método qualitativo, uma vez que se descreveu a realidade encontrada, nas Micro e Pequenas empresas buscando identificar os principais fatores que levam o empresário a ter tanta resistência a mudanças e melhorias. Nota-se na fala dos gestores que o medo de investir em novas ideias e correr risco financeiro os leva a não buscar novos mercados e se acomodar, desta forma, notou-se que nas empresas em que foi realizada a pesquisa há um ambiente propício à inovação e mudança, porém existem fatores que devem ser considerado para garantir que o sucesso seja alcançado e constantemente reafirmado. Palavras-chaves: Inovações; resistência; mudança; competitividade.

2 1. INTRODUÇÃO O cenário socioeconômico brasileiro tem passado por diversas mudanças em anos recentes. Tais mudanças têm feito as organizações, sejam elas públicas ou privadas investirem em novas formas de gestão a fim de melhorar seu desempenho e atingir as metas estabelecidas na sua missão o que tem implicado na agilidade dos gestores que devem para acompanhar as mudanças vem ocorrendo. A busca pela competitividade está levando as empresas a se reorganizarem para serem mais eficaz na oferta de produtos e serviços. Entretanto, há um componente essencial na busca por competitividade que é a capacidade de criar serviços melhores, dispor de mais tecnologia, de saber fazer coisas e saber aprender a fazer coisas novas e melhores. Nesse sentido, Drucker (1994 p. 31) afirma que mais importante do que fazer as coisas bem é fazer coisas certas. Logo para se fazer o que é certo, é necessário que se faça análise constante do ambiente da empresa, bem como realizar mudanças constantes. Neste contexto, o aumento do cenário competitivo, a necessidade de sobrevivência e o aumento das exigências dos clientes na busca de produtos e serviços melhores fazem com que as empresas busquem conhecer e analisar a estrutura competitiva do setor e a identificar a estratégia competitiva que as leve a uma posição favorável dentro deste mesmo ramo de atividade. Portanto, em tal cenário, a dinâmica parece ser regra, na qual mudanças passam a ser constantes. Isto naturalmente gera, como efeito, em muitos casos a resistência às mudanças. O termo resistência à mudança é atribuído a Kurt Lewin (1947 p. 33). Para tal, as organizações poderiam ser consideradas processos em equilíbrio quase estacionário, ou seja, a organização seria um sistema sujeito a um conjunto de forças opostas, mas de mesma intensidade que mantêm o sistema em equilíbrio ao longo do tempo. Esses processos não estariam em equilíbrio constante, porém mostrariam flutuações ao redor de um determinado nível. As mudanças ocorreriam quando uma das forças superasse a outra em intensidade, deslocando o equilíbrio para um novo patamar. A resistência à mudança seria o resultado da tendência de um indivíduo ou de um grupo a se opor às forças sociais que objetivam conduzir o sistema para um novo patamar de equilíbrio (Lewin, 1947 p. 33). De fato, é notável que algumas pessoas apresentem resistência à mudanças, seja pelo medo de algo novo, ou aposição ao fato de ter que sair de um estado cômodo. Com relação às mudanças a resistência surge como uma das principais barreiras na implantação de processos que naturalmente interferem em inovações e a partir das pesquisas 2

3 desenvolvidas percebe-se que foram disseminadas inúmeras receitas para superá-la tanto pela mídia quanto pela literatura. Embora utilizando diferentes terminologias, diversos autores têm sugerido várias estratégias genéricas para se lidar com a resistência às mudança. Conforme apontamentos de Kotter e Schlesinger (1979 p. 15) [...] para se superar a resistência à mudança: a) educação e comunicação; b) participação e envolvimento; c) facilitação e suporte; d) negociação e acordo; e) manipulação e cooperação e f) coerção explícita e/ou implícita. Sem tais estratégias, o processo de mudança é dificultado e certamente tal resistência atrapalhará a implantação e o sucesso da inovação. No trabalho realizado por esta autora no âmbito do Programa ALI (MEDEIROS e MÜLLER, 2013), ficou evidenciado que a resistência a mudanças não é somente advinda de uma reação natural do ser humano, foi possível identificar que dentre outros, a falta planejamento, as falhas no processo de mudanças, falta de comunicação, a ausência de um líder participativo e atuante são também fatores geradores de resistência. Esta pesquisa está dentro do Programa ALI tem a finalidade é oferecer às micros e pequenas empresas o acesso a conhecimentos e recursos que facilitem a implantação de inovação na mesma. Para isto, profissionais são treinados quanto aos conceitos de inovação e com ferramentas que facilitam a busca de soluções inovadoras. É um programa desenvolvido pelo SEBRAE em parceria com o CNPq (Conselho Nacional de pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico) (SEBRAE, 2011). Foi observado que uma das empresas, onde há um programa de manipulação de alimentos implantado e com acompanhamento de profissional especializado pode se notar que a mesma evoluiu enquanto outra, onde o mesmo programa em questão foi sugerido, no entanto não foi implantado o gestor afirma que sente dificuldade de implantar as ações que são sugeridas pela agente. Observou-se que alguns empresários do ramo de restaurantes de pequeno porte são mais adeptos a inovar, enquanto outros têm certa resistência à mudança. A partir destes resultados obtidos nesta primeira pesquisa e para esta segunda etapa buscou-se trazer conceitos de inovação, bem como uma análise do perfil do empreendedor e suas principais características com ênfase na resistência à mudança (MEDEIROS e MULLER, 2013). Levantou-se, portanto como problema de pesquisa: Como a resistência a mudanças afeta inovações em restaurantes de pequeno porte? 2. RFERENCIAL TEORICO 3

4 2.1 Resistência a mudanças Em determinadas ocasiões a mudança é visivelmente forçada a uma organização, sem disposição para evoluir, em outras é abertamente aceita e procurada. A mudança pode acarretar crescimento, declínio ou alteração na forma. A análise da mudança tornou-se um foco dominante de pesquisa e na teoria organizacional. Existem diversas explicações para a mudança nas organizações. Kaufmam (1971) citado em Hall (2004 p. 163) conclui que a mudança ocorre por meio da rotatividade de pessoal. Já outros autores descrevem as organizações em um fluxo constante de mudanças, Child e Kieser (1981, p.28) afirmam que: As organizações estão mudando constantemente. Alterações nas condições externas, como concorrência, inovação e exigências do publico e política governamental, requerem que novas estratégias, métodos de trabalho e produtos sejam criados para uma organização meramente continuar em seu nível atual de operações. Fatores internos também promovem a mudança, pois os gerentes e os demais membros de uma organização podem almejar não apenas sua manutenção, mas também seu crescimento, a fim de assegurar melhores benefícios e maior satisfação para eles mesmos. Simantob e Lippi (2003 p. 14), afirmam que o papel dos gerentes e diretores é fundamental para um processo de mudança de cultura: eles são os verdadeiros responsáveis por criar um ambiente que estimule as pessoas a arriscar. Levando-nos a crer que o papel dos gestores nas organizações é de suma importância para a motivação e sucesso da mesma. Pereira (1999 p. 23) destaca que as mudanças ocorrem de forma contínua e independente de nossa vontade, destacando a necessidade de se incorporar coisas novas e deixar de lado outras, de uma forma que as mudanças acabam gerando resistências que devem ser administradas por quem está propondo a mesma. De acordo com Lewin (1947 p. 541), para que o processo de mudança nas organizações seja bem sucedido, devem-se seguir três etapas: descongelamento do padrão atual de comportamento as antigas ideias e práticas são desfeitas e desaprendidas, dando lugar a outras novas, que deverão ser aprendidas, sendo fundamentais o entendimento e a aceitação da mudança pelas pessoas; mudança novas ideias e práticas são experimentadas e aprendidas, de modo que as pessoas passam a pensar e agir de acordo com a nova maneira; e recongelamento as novas ideias e práticas aprendidas são incorporadas definitivamente ao comportamento das pessoas. Quando o pensamento positivo é maior que o negativo, a mudança é bem sucedida; caso contrário, a mudança não obtém sucesso, assim a organização retorna à antiga fase em que se 4

5 encontrava, desta forma para que o processo de mudança realmente aconteça, devem ser adotados mecanismos que aumentem as forças positivas e diminuam as negativas. Covey (1996 p.33) defende a ideia de que tais mecanismos devem estar centrados nos seguintes aspectos: QUADRO 1 ASPECTOS DA MUDANÇA Fonte: Conscientização Convencer as pessoas sobre a necessidade e a rumo da mudança; Covey Fazer com que as pessoas partilhem a missão da empresa, avaliem e aceitem os Envolvimento impactos da mudança; Criar um ambiente seguro, de forma que as pessoas considerem a mudança como uma (1996 p.33) Segurança interior Responsabilidade pelos resultados oportunidade de crescimento e não como uma ameaça; Convencer as pessoas sobre a sua responsabilidade para o bom funcionamento da organização e pelos resultados da mudança; Incentivar as pessoas a serem abertas às novas ideias e à inovação; Mente aberta Sinergia Estimular o trabalho em equipe, para que ocorra uma soma de conhecimentos e se obtenha a melhor alternativa de solução para os problemas; Estimular as pessoas a colocarem os interesses gerais da empresa acima dos Es tatísticas Interesse coletivo individuais, buscando a interação do grupo. apontam que de um quinto a um terço dos esforços de mudança alcançam o desempenho pretendido. Neste aspecto é que se identifica como se faz necessário a presença do espírito empreendedor, ou seja, um gestor com pensamento positivo de forma que motive sua equipe para o alcance do objetivo e assim estas mudanças organizacionais obtenham o êxito desejado. Embora não exista um modelo padrão de personalidade empreendedora ou tipos desta, através de estudos, podem-se identificar as principais características dos empreendedores de sucesso (Morales, 1997, p.26-27): QUADRO 2 CARACTERISTICAS EMPREENDEDORES DE SUCESSO Necessidades Conhecimento Habilidades Valores: existenciais Aprovação; Independência; Desenvolvimento pessoal; Segurança; Realização pessoal. Aspectos técnicos relacionados com o negócio; experiência na área comercial; escolaridade; experiência em empresas; formação complementar; vivência com situações novas. Identificação de novas oportunidades; valoração de oportunidades e pensamento criativo; comunicação persuasiva; negociação; aquisição de informações; resolução de problemas. Estéticos; intelectuais; morais; religiosos. Fonte: Morales, 1997, p Nota-se que tais características podem ser positivas ou negativas adequando-se ao momento. Neste caso, entende-se que algumas destas serão essenciais para uma determinada fase do ciclo de vida da organização e maléficas para outras. Cabe ao empreendedor utiliza-las na ocasião oportuna. 5

6 Os empreendedores podem viabilizar a mudança, ao contrário dos gerentes convencionais que produzem um vácuo que, como sempre, a natureza se encarrega de preencher com fracassos, frustração e um comodismo ainda maior (Smith, 1997, p.6). Considerando o empreendedor como o criador da empresa, ele deve defender ostensivamente e enfatizar ao máximo o que pretende que a empresa venha a ser (Smith, 1997, p.43). Isto também deve ser a atitude requerida aos líderes do das equipes. Neste contexto, percebe-se que empreendedor resiste à mudança por entender que a mesma está atrelada a sair do comodismo, ou remete-se à expressão: Pensar fora da caixa. Por outro lado Mañas (2001, p. 50) afirma que os hábitos individuais das pessoas possuem são uma forma de bloqueios à inovação e que os mesmos estão relacionados com a falta de conhecimento, uma vez que mudar é remetido à ideia de geração de gastos desnecessários pelos empreendedores com pouco conhecimento. Assim, os indivíduos adotam hábitos que são incorporados gradativamente à sua maneira de ser. Assim, a inovação muitas vezes deixa de existir pela falta de conhecimento, seguido pelos paradigmas que são criados para dificultar a implementação da mesma e pelo pensamento do próprio empreendedor. Há, portanto, a necessidade de correspondência do empreendedor necessário ao processo de mudança, com algumas características de liderança. Naturalmente a mudança não ocorrerá apenas devido a um empreendedor. É fundamental o engajamento de todos que fazem parte da organização no processo de transformação. Ressalta-se que se faz necessário que a empresa busque desenvolver o espírito empreendedor em cada colaborador. 2.1 Classificações sobre inovação Inovação foi discutida inicialmente pelo economista austríaco Joseph Alois Schumpeter, quando desenvolveu a tese da inovação como criação destruidora, enquanto teóricos e pesquisadores analisavam o capitalismo como um problema da administração da estrutura existente, o mesmo defendia a questão de que o capitalismo desenvolvia-se em razão de sempre estimular o surgimento de empreendedores, isto é, de capitalista ou inventores extremamente criativos os inovadores - que eram os responsáveis por todas as ondas de crescimento que o sistema conhecia. (SCHUMPETER, 1982). Segundo Lastres (2005 p. 249) a compreensão do processo de inovação está diretamente ligada pelas características dominantes do contexto histórico específicos. No entanto, em correntes tradicionais da economia atuais existem ainda dificuldade de análise do processo inovativo. 6

7 Apesar de tais processos influenciarem diretamente na economia e no desenvolvimento empresarial, dentro desse contexto a autora dá ênfase na abordagem da teoria neo-shumpteriana, que faz tal destaque: À medida que melhor se conhecem as especificidades da geração e difusão da inovação, mais se sabem sobre sua importância para que empresas e países reforcem sua competitividade na economia mundial. (LASTRES, 2005). Inovação é a implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente melhorado ou um processo, ou um novo método organizacional nas práticas de negócios, na organização do local de trabalho ou nas relações externas. (OECD, 2005 p. 3), o mesmo divide a inovação em quatro partes: Produtos, processos, marketing e organização. A inovação é o instrumento específico dos empreendedores, o meio pelo qual eles exploram a mudança como uma oportunidade para um negócio diferente ou um serviço diferente. Ela pode ser apresentada como disciplina, ser apreendida e ser praticada (DRUCKER, 2002 p. 32). Neste sentido, a inovação deve ser uma causa abraçada por todos os membros da organização Assim, o gestor precisa estar atento aos colaboradores que se diferem uns dos outros e podar as atitudes que são capazes de ir em direção contrária a uma inovação, para que o engajamento seja geral e evitar assim alguns casos até problemáticos para toda a empresa. Com o objetivo de apontar para a capacidade de inovação em países emergentes, Mytelka (1993) desfaz o conceito de que inovação obriga ser algo impreterivelmente novo no mundo e associa para a sua compreensão, ao focar a inovação sob o ponto de vista do agente econômico que a está implantando. Assim, considera-se inovação o processo pelo qual produtores dominam e implantam o projeto e produção de bens e serviços que são novos para os mesmos, a despeito de serem ou não novos para seus. Segundo Dosi (1988 p. 221), a inovação está relacionada à descoberta, experimentação, desenvolvimento, imitação e adoção de novos produtos, como novos processos de produção, novas tecnologias, novos arranjos organizacionais. Inovação em marketing é a implementação de um novo método de marketing com mudanças significativas na concepção do produto ou em sua embalagem, no posicionamento do produto, em sua promoção ou na fixação de preços. (Manual de Oslo, 2005). A definição de inovação organizacional está relacionada com a modificação ou reestruturação de trabalho, Scholtissek (2012), destaca que a inovação organizacional envolve a modificação ou reestruturação da divisão de trabalho responsabilidades e papéis em uma empresa se reposicionem no mercado, aumente a flexibilidade e melhore os processos internos. Outro fato relevante para o conhecimento da inovação é o grau de novidade da mesma, 7

8 Bessant e Tidd (2009 p. 31), enfatizam sobre a diferença entre inovação incremental e inovação radical, pois há diferenças entre efetuar melhorias e modificar algo já existente e criar algo totalmente novo. [...] Há um grau especifico de inovação em cada um desses níveis mas as mudanças em sistemas de níveis mais altos, normalmente, têm implicações para os mais baixos (BESSANT e TIDD, 2009, p. 31). Assim, o Manual de Oslo (2005), define três conceitos de inovação conforme com o grau de novidade da inovação, sendo os mesmos: (1) Nova para a empresa, quando consiste em uma nova pratica para a mesma, (2) Nova para o mercado, quando é uma novidade para determinada área geográfica ou quando consiste em uma determinada linha de produtos voltada para um novo nicho de mercado, (3) Nova para o mundo, quando não existe em nenhum mercado ou empresa. Tidd e Bessant (2005) defendem a ideia de que enquanto antigamente a vantagem competitiva poderia se originar de tamanho ou patrimônio, nos dias atuais este cenário está gradativamente mudando em favor de organizações que conseguem agregar conhecimento e avanços tecnológicos em seus produtos ou serviços, obtendo crescimento econômico e um melhor posicionamento do mercado, além de fidelizar o cliente. Segundo Simantob (2003 p.20), um dos maiores desafios do mundo corporativo moderno é a inovação, ainda que a mesma tenha um conceito simples. Ela é uma iniciativa, modesta ou revolucionária, que surge com uma novidade para a organização e para o mercado e que aplicada na pratica, traz resultados econômicos para a empresa sejam eles ligados à tecnologia, gestão, processos, ou modelo de negócio. Finalizando, o autor afirma que é erro pensar que somente as grandes companhias são capazes de inovar, e a explicação para tal afirmação se dá através da forma como as empresas de pequeno porte de outros países de organizam dentro da cadeia produtiva para ganhar competitividade, há muitas empresas de pequeno e médio porte preocupadas com a inovação e empresários que se reúnem para formar um ganho de competitividade, uma vez que um conjunto de empresas têm mais chances de negociar uma compra com uma boa margem do que uma pequena empresa isoladamente. O grande gargalo nas definições de inovação é fazer com que se estabeleça um paralelo entre mensurar a mesma e definir um processo de inovar. Medir algo é buscar comparar entre o que se existia e o que se foi feito, utilizando-se de atributos comuns como: Peso, dimensões, quantidade, dentre outros. Neste sentido, mensurar requer a principio semelhanças entre atributos, de forma que comparações possam ser feitas de forma quantitativa. Segundo Hronec (1994 p.6), as medidas desenvolvidas têm de ser utilizadas pelas pessoas para melhorar continuamente os processos e pela administração, para inová-los. Isso levando a um 8

9 processo de melhoria contínua que resulta na melhoria gradual do desempenho, buscando inovações no processo e aumentos radicais na melhoria do processo. Ainda segundo o autor: "as medidas de desempenho são sinais vitais da organização e elas qualificam e quantificam o modo como as atividades ou outputs de um processo atingem suas metas, assim as medidas de desempenho respondem à pergunta: Como você sabe? Dado que a inovação é, por definição, uma novidade, criação de algo qualitativamente novo, surge o problema de mensuração e analogia, visto que a inovação não é apenas a extensão de atributos técnicos, ou uma combinação de características pré-existentes. É difícil, se não impossível avaliar atributos por meio de medidas e técnicas e, portanto, o grau de inovação de um produto (Smith, 1998). 3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A pesquisa objeto deste trabalho baseia-se por meio do método qualitativo, uma vez que se descreveu a realidade encontrada, nas Micro e Pequenas empresas. Buscou-se identificar os principais fatores que levam o empresário a ter resistência à mudanças e/ou melhorias, considerando as mudanças sugeridas pelo Agente Local de Inovação no âmbito do Programa ALI. Com o objetivo de refletir e explorar os dados pesquisados para um melhor entendimento do contexto das Micro e Pequenas empresas e a resistência à mudança por parte dos empreendedores. Assim assumiu-se o tipo de pesquisa qualitativa por encontrar nela uma autonomia e flexibilidade que proporcionou avaliar a situação pesquisada, e tentou-se buscar nas respostas dos empreendedores e na opinião dos mesmos sobre o trabalho do ALI, avaliando as perspectivas e resultados que o Programa levou à empresa. (GODOY, 1995 p. 2) Amparou-se na técnica observacional participante, visto que se trata de empresas atendidas pelo Programa ALI, baseada no acompanhamento continuo do agente à empresa, na tentativa de levar orientação e sugestão de mudanças ao empresário. Segundo Moreira: (2002, p. 52), a observação participante é conceituada como sendo uma estratégia de campo que combina ao mesmo tempo a participação ativa com os sujeitos, a observação intensiva em ambientes naturais, entrevistas abertas informais e análise documental. Foi, também, elaborado roteiro de entrevista, com o objetivo de comparar o que acontece com a organização, com o que é ideal para a mesma. Neste roteiro, o empresário responderá questões relacionadas ao dia a dia da empresa, utilizando uma escala de 01 a 05, onde 01 9

10 representa o que ele concorda totalmente e 05 o que discorda totalmente. (DAFT, 2008). O instrumento de pesquisa foi aplicado a 05 empresários do ramo de alimentos participantes no Programa ALI, de examinar as diferenças dos níveis de encorajamento para inovação nas organizações, no mesmo o empresário será solicitado a classificar duas organizações, sendo a primeira a empresa na qual ele pertence e que é atendida pelo Programa ALI e a outra a que ele considera ideal, Sendo que os itens 1, 2,5, 6, 7, 8 indicam se há clima de inovação na empresa e os itens 3, 4, 9, 10 mostram o apoio de recursos. Conforme o quadro a seguir: Indicam se há clima de inovação na empresa Indicam se há apoio de recursos para inovação nas organizações Figura 01. Instrumento de pesquisa Fonte: Dados da pesquisa As organizações as quais foram objeto de análise o atendimento dentro do Programa ALI é feito há mais de 01 ano, sendo, portanto possível notar as mudanças ocorridas, ao longo da atuação dentro do programa. Desta forma, o agente interfere na realidade da empresa e aos poucos consegue verificar a evolução do grau de inovação da mesma através do Radar de inovação, pois, esta pesquisa utiliza o instrumento Radar da Inovação, desenvolvida por Sawhney et al. (2006), no qual faz uso de doze dimensões pelas quais uma empresa pode procurar meios para inovar. A ferramenta foi idealizada por Bachmann e Destefani (2008) com a dimensão ambiência inovadora, por entender que um uma organização com clima organizacional propício à inovação é pré-requisito. O instrumento Radar da Inovação contempla as dimensões: (1) oferta; (2) plataforma; (3) marca; (4) clientes; (5) soluções; (6) relacionamento; (7) agregação de valor; (8) processos; (9) organização; (10) cadeia de fornecimento; (11) presença; (12) rede e (13) ambiência inovadora. No total foram 05 empresários entrevistados. Conforme listagem abaixo relacionando e descrevendo o ramo de atuação de cada uma das empresas pesquisadas. Destaca-se ainda o uso de nomes fictícios para representação das empresas aqui. QUADRO 3 Amostra Empresa 01 Empresa 02 Empresa 03 Empresa 04 Empresa 05 Supermercado e Panificadora Empresa produtora de refeições para Restaurante de Pequeno porte, com Restaurante de Pequeno porte, Restaurante e Buffet de 10

11 de Pequeno porte órgãos públicos e hospitais em geral. espaço para aluguel como valor agregado. sendo com filial e matriz pequeno porte. Fonte: Dados da pesquisa A observação forneceu detalhes à pesquisa bem como enriquecerá os componentes do Radar inovação, através da mesma será possível concluir se a metodologia utilizada pelo agente e a recepção do empreendedor está de acordo com a proposta do Programa. 4. RESULTADOS E DISCUSSÕES As empresas apresentadas aqui são acompanhadas há mais de 01 ano pela ALI. Nos primeiros meses de contato com os empresários, notou-se que todos tinham o mesmo objetivo: Tornar a empresa mais inovadora e consequentemente obter mais lucro. No decorrer do acompanhamento notou-se que alguns, já apresentavam atividades inovadoras dentro da organização mesmo que não formalizadas e se mostravam cada vez mais empolgados a cada visita. Outros, por sua vez, apresentavam cada vez mais dificuldade em seguir as orientações e aplicar o plano de ação proposto pela agente. Notou-se que a evolução das mesmas ao longo do Programa dependeu mais do empresário que do próprio agente, pois foi proposto a cada empresa um plano de ação conforme o quadro a seguir onde as ações deveriam ser executadas pelo empresário com a orientação e acompanhamento do agente: Os Planos de ação para inovação foram definidos conforme quadro 4. QUADRO 4. PLANOS DE AÇÃO Empresa 01 Empresa 02 Empresa 03 Empresa 04 Empresa Criação de um fluxograma de processos de produção; 2.Treinamento de Boas práticas de manipulação de alimentos; 3.Criação e implantação do planejamento estratégico. 1. Criação de um fluxograma de processos de produção; 2.Treinamento de Boas práticas de manipulação de alimentos; 3.Contratação de equipe de ginástica laboral para promoção do bem estar da equipe de colaboradores. 1. Implantação de marketing com uso de mídias sócias/websites. 2.Treinamento de Boas práticas de manipulação de alimentos; 3. Criação de um fluxograma de processos de produção; 1. Formatação dos controles financeiros da empresa. 2. Criação e execução do planejamento estratégico. 3. Treinamento de Boas práticas de manipulação de alimentos; 1. Implantação de marketing com uso de mídias sócias/websites. 2.Treinamento de Boas práticas de manipulação de alimentos; 11

12 Fonte: Dados da pesquisa 3. Criação de um fluxograma de processos de produção; Ressalva-se que algumas das empresas apresentavam falta de controle financeiro e falta de planejamento que são requisitos básicos para a implantação de inovação em uma organização, por isso o primeiro plano de ação foi propor a implantação de tais controles na empresa. Nota-se também a presença da ação: Treinamento de Boas práticas de manipulação de alimentos, em todos os planos se deu pelo fato de se entender que as boas práticas na manipulação de alimentos são uma importante ferramenta para atingir um determinado padrão de qualidade e garantir a segurança dos alimentos através de condutas adequadas de manipulação. De uma forma geral, ficou claro que para uma melhor aplicabilidade do Programa, os gestores precisam ter consciência que a participação e acompanhamento são fatores primordiais. As empresa 01 e 02 apresentaram um maior comprometimento que as empresas 03, 04 e 05, uma vez que sempre estava presente no dia da visita do agente e realizavam as atividades propostas conforme o cronograma, o que afetou diretamente a execução das ações e os resultados, pois é notável a evolução das duas primeiras perante às outras. Na aplicação do questionário evidencia-se que as empresas diferem entre si de acordo com as ações aplicadas. Incentivo à criatividade nas organizações Autonomia Criatividade Reconhecimento e recompensa 12

13 Flexibilidade Figura2. Incentivo a criatividade, autonomia, criatividade, reconhecimento e flexibilidade nas organizações. Fonte: Dados de Pesquisa Quanto ao aspecto incentivo à criatividade na empresa, percebe-se que 95% dos gestores sabem que a criatividade deve ser incentivada, no entanto só 20% fazem o incentivo da mesma. Partindo do pressuposto que inovação e criatividade são conceitos que estão correlacionados, percebeu-se que as empresas que incentivam a criatividade em sua rotina, são as que mais evoluíram com relação à aplicabilidade do plano de ação proposto pela agente, neste caso as empresas 01 e 02 se destacam por implantar em sua rotina, atividades que incentivam à criatividade de seus colaboradores. Essas empresas, desde o inicio do Programa se sobressaíram frente às outras, principalmente pega figura do gestor, que demonstrou empenho e comprometimento com as ações, se propondo a executá-las e cumprindo os prazos estipulados pela agente. O comprometimento permanente dos empresários e a contribuição dos mesmos ao trabalho do ALI foi fator primordial para um bom resultado nas ações propostas. No que diz respeito aos resultados obtidos na questão relativa aos aspectos de autonomia que os gestores dão para os colaboradores, na resolução de conflitos. Onde se justifica que tal questão é importante para verificar se a gestão da empresa é uma gestão colaborativa e qual o papel dos colaboradores para auxílio na tomada de decisão. Nota-se que nesse quesito mais uma vez as empresas 01 e 02 se destacam, no entanto a diferença pequena dessas empresas para as demais demonstra que os gestores concordam entre si quando o assunto é a participação dos colaboradores na tomada de decisão, ou seja, a maioria não acha correto que os mesmos participem com opiniões nos assuntos relacionados à gestão da empresa. Para todos os entrevistados, a organização ideal deve perseguir ideias criativas, no entanto. Só 02 destes revelaram conseguir realizar tal feito em sua organização, esses gestores que afirmam que as ideias criativas devem ser uma busca constante na empresa são as que já realizam tal feito de acordo com a questão 01 comentada anteriormente. Com relação ao reconhecimento e recompensa quanto às ideias vindas de colaboradores, os 13

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade RESUMO INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW Thiago Favarini Beltrame, Andressa Rocha Lhamby e Victor K. Pires O que seria inovar?

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

SITUAÇÃO ENCONTRADA EM INOVAÇÃO NA DIMENSÃO PROCESSOS NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE (EPP) NO RAMO DE CONFECÇÃO

SITUAÇÃO ENCONTRADA EM INOVAÇÃO NA DIMENSÃO PROCESSOS NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE (EPP) NO RAMO DE CONFECÇÃO SITUAÇÃO ENCONTRADA EM INOVAÇÃO NA DIMENSÃO PROCESSOS NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE (EPP) NO RAMO DE CONFECÇÃO Desirée Peñalba Machado Agente Local de Inovação atuante na região metropolitana de Goiânia

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO Aliny Francielly de Oliveira Formada em Administração, atuante nos segmentos comércio varejista

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO (ALI): EXPERIÊNCIAS E RESULTADOS DAS REGIÕES DE SOROCABA E SÃO CARLOS

PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO (ALI): EXPERIÊNCIAS E RESULTADOS DAS REGIÕES DE SOROCABA E SÃO CARLOS PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO (ALI): EXPERIÊNCIAS E RESULTADOS DAS REGIÕES DE SOROCABA E SÃO CARLOS Alexandre Alvaro (UFSCar) alexandre.alvaro@gmail.com Nos últimos anos a inovação científica e tecnológica

Leia mais

Criatividade e Inovação

Criatividade e Inovação Criatividade e Inovação Prof. Ms. Nelson Roberto Furquim Introdução Atualmente, estudos acerca das organizações destacam mudanças que acontecem frequentemente e com uma rapidez enorme. O fenômeno da globalização

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

A FREQUENCIA DO USO DE BOAS PRATICAS EM RESTAURANTES DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIANIA

A FREQUENCIA DO USO DE BOAS PRATICAS EM RESTAURANTES DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIANIA A FREQUENCIA DO USO DE BOAS PRATICAS EM RESTAURANTES DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIANIA Gislaine Ferreira Bueno Agente Local de Inovação atuante na região metropolitana de Goiânia, formada em Nutrição,

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você compreenda melhor a relação da área de recursos humanos com a tecnologia da

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

CollaborativeBook. número 1. Gestão. Processos. por

CollaborativeBook. número 1. Gestão. Processos. por CollaborativeBook número 1 Gestão por Processos Gestão por Processos 2 www.apoenarh.com.br Transformar conhecimento em ação e resultado com o desenvolvimento e aplicação de soluções de aprendizagem diferenciadas

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

INOVAÇÃO NOS NEGÓCIOS SOCIAIS

INOVAÇÃO NOS NEGÓCIOS SOCIAIS INOVAÇÃO NOS NEGÓCIOS SOCIAIS Ana Carla Noli Agente Local de Inovação atuante na região metropolitana de Goiânia do Programa ALI (0-0), licenciada em Letras com experiência na área de marketing e atendimento

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

TÍTULO: LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES DA EMPRESA COR BELLA- AURIFLAMA

TÍTULO: LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES DA EMPRESA COR BELLA- AURIFLAMA TÍTULO: LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES DA EMPRESA COR BELLA- AURIFLAMA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial Rosângela de Fátima Stankowitz Penteado-(UTFPR) zanza2007@gmail.com João Luiz Kovaleski - (UTFPR) kovaleski@utfpr.edu.br Resumo: O presente trabalho

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PRODUTO CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM SERVIÇOS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PROCESSOS ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS RESUMO Priscila Alves Moreira Robésio Teixeira Gomes Partindo do pressuposto de que o coaching

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE

ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE 1 ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE RELATIONSHIP WITH THE EXTERNAL CUSTOMER Marciana

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

O RELACIONAMENTO COMO FONTE DE INOVAÇÃO: O PROGRAMA ALI EM DROGARIAS E FARMÁCIAS DE ANÁPOLIS - GO

O RELACIONAMENTO COMO FONTE DE INOVAÇÃO: O PROGRAMA ALI EM DROGARIAS E FARMÁCIAS DE ANÁPOLIS - GO O RELACIONAMENTO COMO FONTE DE INOVAÇÃO: O PROGRAMA ALI EM DROGARIAS E FARMÁCIAS DE ANÁPOLIS - GO Jordana Laís Miranda Ricardo Soares Agente Local de Inovação atuante na regional Centro - Anápolis do Programa

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES RESUMO O objetivo geral deste artigo consiste em analisar a importância do treinamento dentro de uma empresa como estratégia para atingir os objetivos

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

INOVAR PARA FIDELIZAR: ANÁLISE DAS DIMENSÕES CLIENTES, RELACIONAMENTO E REDE DO SEGMENTO DE DROGARIAS

INOVAR PARA FIDELIZAR: ANÁLISE DAS DIMENSÕES CLIENTES, RELACIONAMENTO E REDE DO SEGMENTO DE DROGARIAS INOVAR PARA FIDELIZAR: ANÁLISE DAS DIMENSÕES CLIENTES, RELACIONAMENTO E REDE DO SEGMENTO DE DROGARIAS Dayanny Machado de Melo Moreira Agente Local de Inovação atuante na região metropolitana de Goiânia

Leia mais

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER C. Bringhenti, M. Eng.* E. M. Lapolli, Dra.** G. M. S. Friedlaender, M. Eng* * Doutorandos do Curso de Pós Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS. Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal

PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS. Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal Conteúdo Programático Visão Geral do Planejamento A importância do planejamento estratégico voltado para o mercado; Planejamento

Leia mais

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso.

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. 1 Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. Daiane Maria ALONGE 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 Resumo Com a atual concorrência, entender os desejos

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO 1 DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO Transformar a inovação em competência gerenciável é o paradigma contemporâneo para empresas, governo e organizações sociais. Nesse contexto, o Congresso Internacional de Inovação

Leia mais

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO 1 O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO CURITIBA PR MAIO DE 2014 Margarete Teresinha Fabbris de Oliveira Santos Faculdade de Administração, Educação,

Leia mais

ANÁLISE DOS 5 PS DA ESTRATÉGIA EM UMA MICRO EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA

ANÁLISE DOS 5 PS DA ESTRATÉGIA EM UMA MICRO EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA ANÁLISE DOS 5 PS DA ESTRATÉGIA EM UMA MICRO EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA LUCIMARA APARECIDA DA SILVA BORGES Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas FACESM lucimara.borges@live.com MILENE

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Os fatores de fracasso no desenvolvimento de produtos: um estudo de caso em uma pequena empresa de alta tecnologia

Os fatores de fracasso no desenvolvimento de produtos: um estudo de caso em uma pequena empresa de alta tecnologia Os fatores de fracasso no desenvolvimento de produtos: um estudo de caso em uma pequena empresa de alta tecnologia Antonio Gil da Costa Júnior (UNIFEI) agc@itajuba.com.br Carlos Eduardo Sanches da Silva

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

RUMO À INOVAÇÃO SISTÊMICA

RUMO À INOVAÇÃO SISTÊMICA RUMO À INOVAÇÃO SISTÊMICA FERRUGEM, Kael 1 ; SANTOS, Rozali Araujo 2 ; FERREIRA, Ana Paula Alf Lima 3. Palavras-chave: sistemas, inovação e inovação sistêmica. 1. Introdução Cada vez mais as evoluções

Leia mais

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA Ana Priscila da Silva Vieira 1 Elizabete Rodrigues de Oliveira 2 Tatiana Nogueira Dias 3 Élcio Aloisio Fragoso 4 Edson Leite Gimenez 5 RESUMO

Leia mais

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA TÍTULO: O USO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO: UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA DOS ALUNOS JÁ FORMADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

Inove! E não dependa do desconto para vender. Inovação. mnakagawa@insper.edu.br. http://twitter.com/ mhnakagawa. Marcelo Nakagawa

Inove! E não dependa do desconto para vender. Inovação. mnakagawa@insper.edu.br. http://twitter.com/ mhnakagawa. Marcelo Nakagawa Inove! E não dependa do desconto para vender Inovação Marcelo Nakagawa mnakagawa@insper.edu.br Marcelo Nakagawa http://innovationprogram.endeavor.org.br 2 Colocando os pingos nos is da inovação Muitos

Leia mais

DEPARTAMENTO...: MERCADOLOGIA (MCD) CURSO...: MESTRADO-DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS (CM-CDAE) DISCIPLINA

DEPARTAMENTO...: MERCADOLOGIA (MCD) CURSO...: MESTRADO-DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS (CM-CDAE) DISCIPLINA DEPARTAMENTO...: MERCADOLOGIA (MCD) CURSO...: MESTRADO-DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS (CM-CDAE) DISCIPLINA :Gestão de Vendas PROFESSOR...: 31 - MARCOS HENRIQUE NOGUEIRA COBRA OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

Dinâmica da Inovação e oportunidades para o desenvolvimento de softwares

Dinâmica da Inovação e oportunidades para o desenvolvimento de softwares Dinâmica da Inovação e oportunidades para o desenvolvimento de softwares e questões abertas... Raoni Barros Bagno USP / PUC Minas Outubro / 2013 BCG (2013) Como introduzir no negócio algo que não se consegue

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Um estudo de caso na indústria de fertilizantes sobre a importância dos Verdadeiros Líderes da Mudança (Real Change Leaders RCL s) na promoção da inovação tecnológica Adriane Hartman (CEFET-PR-PG/UNIÃO)

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação em Gestão de Projetos - Turma 150 Agosto/2015 Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Lucas Rossi Analista de Negócios lucasrossi_@hotmail.com

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais