UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DA ALAVANCAGEM PARA AS EMPRESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DA ALAVANCAGEM PARA AS EMPRESAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DA ALAVANCAGEM PARA AS EMPRESAS Por: MARCUS VINÍCIUS CARVALHO QUEIROZ Orientador Prof. ANTÔNIO FERNANDO VIEIRA NEY Rio de Janeiro 2009 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE 1

2 2 A IMPORTÂNCIA DA ALAVANCAGEM PARA AS EMPRESAS Apresentação de monografia ao Instituto A Vez do Mestre Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em... Por. MARCUS VINICIUS CARVALHO QUEIROZ

3 3 AGRADECIMENTOS... Aos amigos e colegas de profissão pelo suporte me dado nos momentos de dúvidas...

4 4 DEDICATÓRIA...Dedico aos meus pais e à minha esposa querida pelos momentos de apoio e compreensão...

5 5 RESUMO Uma empresa tem duas formas de financiar a sua atividade: recorrendo a capitais próprios ou a capitais de terceiros. Tipicamente, os capitais próprios são aqueles que não tem qualquer contrapartida fixa de remuneração. Os capitais de terceiros, por seu lado, são aqueles que têm em contrapartida uma remuneração mínima fixada (que pode ser uma taxa de referência de mercado) e que em regra possuem um esquema de reembolso previamente definido, portanto o objeto de estudo deste trabalho está focado nessa última forma de financiamento, a utilização de capital de terceiros para maximizar o retorno de seus proprietários, operação essa conhecida alavancagem.

6 6 METODOLOGIA Através de pesquisa e coleta de dados, apoio de colegas de profissão e consultas a livros e sites especializados, de conceituados autores, na intenção de obter uma abordagem simples e prática, com o objetivo de trocar conhecimentos e informações com profissionais da área.

7 7 SUMÁRIO Capítulo I ALAVANCAGEM OPERACIONAL CONCEITO ALAVANCAGEM OPERACIONAL ANÁLISE DO PONTO DE EQUILIBRIO RELAÇÃO ENTRE O GAO E O PONTO DE EQUILÍBRIO CONCEITO DE CUSTO VOLUME LUCRO GRAU DE ALAVANCAGEM OPERACIONAL (GAO) EXEMPLO PRÁTICO Capítulo II ALAVANCAGEM FINANCEIRA CONCEITO DE ALAVANCAGEM FINANCEIRA GRAU DE ALAVANCAGEM FINANCEIRA (GAF) EXEMPLO PRÁTICO Capítulo III ALAVANCAGEM COMBINADA OU TOTAL CONCEITO DE ALAVANCAGEM COMBINADA GRAU DE ALAVANCAGEM COMBINADA OU TOTAL (GAC) EXEMPLO PRÁTICO...32

8 8 INTRODUÇÃO O conceito de empresa boa ou sólida muitas vezes e utilizado sem fundamentação o técnica, decorrente de manifestações apenas de cunho e- mocional, isto é,alguma pessoa gosta do produto que a empresa fábrica ou acha que suas instalações são bonitas e passa a conceituá-la como empresa boa para uma afirmativa fundamental tecnicamente, uma empresa sólida compreende fatores como a qualidade de seus produtos, sua administração, seu compromisso com a ética, suas instalações, sua tecnologia, além de uma adequada estrutura de capitais e vitalidade na geração de caixa, entre outras condições. Então as empresas que não se reorganizarem e não se readaptarem a este novo ambiente competitivo do século XXI certamente não sobreviverão. E dentro deste contexto, o sucesso ou o fracasso dependerá da habilidade em gerenciar os custos do negócio para poder criai e sustentar vantagens competitivas. Diante do contexto, observamos dois tipos de análise que se relacional entre si. A primeira delas é análise do ponto de equilíbrio e a segunda é a alavancagem, ferramenta, usada com muita frequência atualmente, pelos administradores das grandes empresas. O presente trabalho apresenta e aborda a importância dessas análises, demonstrando a aplicação prática da teoria apresentada.verifica-se que de posse das informações de ponto de equilíbrio e dos tipos de alavacagem. O gestor poderá definir metas de vendas,análise da continuidade ou descontinuidade de produtos, assim como verificar o impacto no resultado da empresa nesse ambiente de concorrência acirrada, demonstrando a importância dessas análises, apresentando um estudo com aplicação prática da teoria apresentada.

9 9 Todas essas questões levantadas tem o propósito de aguçar o espírito de questionamento acerca das verdadeiras causas que afetam a vida das empresas.

10 10 CAPÍTULO I: ALAVANCAGEM OPERACIONAL 1.1 CONCEITO A alavancagem operacional origina-se da alavancagem empresarial. O conceito de alavancagem empresarial é idêntico ao conceito de alavanca comumente empregado em física. Por meio da aplicação de uma forca pequena no braço maior da alavanca, e possível mover um peso muito maior no braço menor da alavanca Bruni (2002, p.240) Dentro deste conceito podemos observar que uma variação percentual pequena nas vendas de, por exemplo, 2%, resulte em uma variação percentual muito maior no resultado (por exemplo 20%) Segundo Matarazzo (2003, pág.60), os custos operacionais das empresas permanecem inalterados em determinados intervalos de produção e venda, representando que quanto maior a produção menos e seu peso relativo e vice versa; quando menos se produz mais se sente o peso dos custos fixos. Quando as empresas elaboram projetos pra captar financiamentos, visando aumentar a produção sem aumentar os custos fixos ou aumentando menor do que o crescimento do lucro Antes das Despesas Financeiras e do Imposto de Rendas, elas buscam obter Alavancagem Operacional. Depois de implantado o projeto, se alcançarem seu objetivo, elas produzem Alavancagem Positiva ; se simplesmente mantêm o mesmo nível anterior ao projeto, elas obtêm o que o mercado chama de Alavancagem Travada ou Alavancagem Constante ; se o

11 11 resultado for inferior ao lucro anterior, têm como resultado uma Alavancagem Negativa. Essa última posição, se indesejável no curto prazo, poderá ser acei ta no longo prazo, pois quando da quitação dos recursos de terceiros a situação pode se reverter e, então, produzir Alavancagem Positiva.

12 ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO Para Jiambalvo (2002), o ponto de equilíbrio é uma das principais ferramentas para a analise do custo, volume e lucro. Define ainda o ponto de equilíbrio como sendo o numero de unidades que precisam ser vendidas para uma empresa obter o equilíbrio, ou seja, ter um resultado que não implique em lucro ou prejuízo, mas sim um resultado zero. O ponto de equilíbrio representa o nível de vendas ou a receita necessária, para que a empresa iguale os seus gastos totais (custos e despesas). o ponto de equilíbrio poderá ser determinado tanto em quantidade quanto em receita total, conforme veremos mais adiante. Devemos ressaltar que o conceito de equilíbrio em economia e similar ao conceito da física, em que a situação de equilíbrio só se altera se outro fator ocorrer, tirando o corpo da inércia inicial. Em vista disso, há quem aconselhe o uso da denominação ponto de ruptura do inglês break-even point. Os níveis de receita ou volume de vendas que estiverem acima do ponto de equilíbrio representam o lucro da empresa, assim como a receita e ou volume de vendas abaixo do ponto de equilíbrio representará perdas para a empresa. A determinação da receita de equilíbrio pode ser obtida por meio de procedimentos gráficos ou aritméticos, devendo, entretanto ter-se um sistema de custos que permita uma distinção adequada entre os gastos fixos e variáveis. Em outras palavras e necessário que haja a separação dos gastos variáveis proporcionais e os gastos fixos estruturais.

13 13 O primeiro passo para realizar a análise, será a determinação do ponto de equilíbrio ou a receita de equilíbrio. Nessa fase a gerencia avaliara o desem penho atual da empresa em relação aos níveis operacionais lucro/prejuízo zero, alertando- os para as medidas corretivas que se fizerem necessárias. Após definido o volume ou a receita de vendas de equilíbrio, o gestor poderá visualizar o desempenho de sua empresa em relação a esse ponto e passara a buscar uma superação com o objetivo de atingir a maior margem possível, sendo este o principal objetivo das decisões que serão tomadas para proporcionar a empresa uma maior margem de segurança. Segundo Ferrari (2005,pág.17), é a técnica que permite determinar o volume de vendas da empresa para o qual as receitas se igualam aos custos operacionais totais. O ponto de equilíbrio pode ser determinado tanto em termos de unidade de produto quanto em termos monetários. Daí temos : P x Q = F + V x Q SENDO: P - O PRECO DE VENDA Q - QUANTIDADE VENDIDA P x Q RECEITA TOTAL F CUSTOS FIXOS V CUSTO VARIAVEL UNITARIO V x Q - CUSTO VARIAVEL TOTAL

14 14 Portanto o ponto de equilíbrio é aquele em que o lucro e zero, ou seja, a receita total e igual à soma dos custos fixos e variáveis. Porém, em se tratando de ponto de equilíbrio em um mix de vendas, será necessário realizar cálculos adicionais dados a diferença de preços de vendas e custos variáveis dos produtos o que resulta em margem de contribuição diferente. Diante da problemática o ponto de equilíbrio será determinado pela proporção do mix de vendas. A empresa devera determinar qual será o mix de vendas para cada produto considerando o montante durante o período estudado, e após este ponto será feita a ponderação da margem de contribuição. Considerando que uma empresa possui os seguintes produtos : PRODUTOS A B PRECO DE VENDA R$ 60,00 R$ 35,00 CUSTO VARIAVEL E DESPESA VARIAVEL R$ 40,00 R$ 20,00 MARGEM DE CONTRIBUICAO R$ 20,00 R$ 15,00 MIX DE VENDA 70% 30% CUSTO FIXO 90.OOO,00

15 15 Ponderação da margem de contribuição: (20.00 x 0,7) + (15,00x 0,3) = 18,50 Agora a empresa poderá calcular o ponto de equilíbrio considerando como margem de contribuição o valor de r$ 18,50, conforme a seguir : Ponto de equilíbrio : = unidades 18,50 As unidades do ponto de equilíbrio serão distribuídas da seguinte forma : PRODUTO A X 0,7 = UNIDADES PRODUTO B X 0,3 = UNIDADES TOTAL = UNIDADES Ressalta- se mais uma vez, que a análise do ponto de equilíbrio para uma diversidade de produtos, considera inalterado o mix dos produtos para o período planejado. Assim qualquer tipo de alteração no mix, ocasionará alterações no ponto de equilíbrio.

16 RELAÇÃO ENTRE O GRAU DE ALAVANCAGEM OPERACIONAL E O PONTO DE EQUILÍBRIO Segundo Silva (2005,pág. 15), quanto maior for o volume de produção e quanto mais distante a empresa estiver de seu ponto de equilíbrio, menor será o seu grau de alavancagem operacional, pois a variação (acréscimo ou redução) no volume de produção provocara menor impacto no percentual de lucro. Embora o grau de alavancagem operacional acima do ponto de equilíbrio tenda a diminuir de valor, também será menor o risco de a empresa entrar em prejuízo caso sofra uma redução na atividade produtiva, caso contrario, se o grau de alavancagem operacional for alto, isto significa que a empresa esta trabalhando próxima ao ponto de equilíbrio e o risco de melhorar ou piorar seu resultado (caso haja, respectivamente, aumento ou redução no seu volume de produção) é bastante elevado. O efeito da alavancagem operacional esta relacionado com os gastos fixos da empresa, gastos estes que poderão constituir risco para as atividades operacionais. a alavancagem operacional vem medir qual será a proporção deste risco. O impacto da alavancagem operacional diminuirá na proporção do crescimento das vendas acima do ponto de equilíbrio,resultando em um lucro maior.

17 17 Conforme visto na analise do ponto de equilíbrio quanto maior for o volume de vendas acima do ponto de equilíbrio, a empresa terá uma margem maior de segurança. No que tange a análise da alavancagem operacional, em um mercado de procura elástica, ou seja, o consumidor tem a opção de escolher um outro pro duto de outro fabricante, com um menor preço, ocasionando assim uma possível elevação do ponto de equilíbrio pela redução do preço de venda para manter se competitivo neste mercado de procura elástica. Se o ponto de equilíbrio for elevado, a empresa estará vulnerável a possíveis declínios provocados pela economia. Consequentemente a estrutura dos gastos fixos provocara impactos nos lucros em conformidades das alterações do volume de vendas. Caso a empresa possua uma elevada alavancagem, existira um risco maior devido aos gastos fixos que não serão reduzidos pela queda do volume de vendas.

18 CONCEITO DE CUSTO VOLUME LUCRO Segundo Jiambalvo (2002,pág. 37), a analise de custo volume lucro, e qualquer analise que explore as relações entre custos, volume ou níveis de atividades e lucro. Pode-se definir custo volume como a forma com que os lucros e custos se alteram com a mudança do volume. O impacto no lucro e alterações nos custos variáveis, assim como nos gastos fixos e no preço de venda precisa ser analisado para que o gestor possa ter maior segurança no processo de planejamento, ou seja, a tomada de decisões. Estimados os custos fixos e variáveis, a analise de custo volume lucro ( CVL) pode ser realizada. Diante do exposto, a analise da relação entre custo volume lucro será uma variável imprescindível para a tomada de decisões, sendo que nesse sentido muito mais importante do que simplesmente classificar os gastos entre custos e despesas. A relação entre os custos fixos e variáveis consiste em importante etapa na análise de formação de preços e projeção de lucro obtido a diversos níveis possíveis de produção e vendas Bruni (2002). Esse paradigma caracteriza uma segunda fase que se estendeu dos anos quarenta ate os anos oitenta. Introduziu a distinção entre custos fixos e variáveis levando a análise do custo-volume-lucro e ao custeio direto, em contraposição ao custeio por absorção. Cogam ( 2002) O texto acima refere-se a forma tradicional da contabilidade de custo, sustentada pelo custeio por absorção que faz distinção entre os custos e despesas, e a contabilidade de custo volume lucro que subdivide a analise em custo variáveis e fixos.

19 GRAU DE ALAVANCAGEM OPERACIONAL (GAO) Segundo Matarazzo (2003, pág.45), o grau de alavancagem operacional (gao) : Considerando o sistema de custeio variável, o gao mede a sensibilidade da variação percentual do lucro sobre de vendas (var. do lucro) em função da variação percentual do volume de vendas (var. q). em outras palavras quanto maior for o gao, mais sensível será a var. do lucro sobre vendas em função da var. do volume de vendas. assim, por exemplo, se a empresa (a) opera com um gao de 1,40 e a empresa (b) com um gao de 1,60, se o volume de vendas aumentar, por exemplo, de 50% em ambas as empresas, o lucro sobre vendas na empresa (a) aumentara em 1,40 x 50%, ou seja, 70%, e o lucro sobre vendas na empresa (b) aumentara em 1,60 x 50%, isto é, 80%.então concluímos neste exemplo, que a var. percentual do lucro sobre vendas da empresa (b) e mais sensível a var. do volume de vendas do que na empresa (a). generalizando, podemos estabelecer a seguinte relação: VAR. Q x GAO= VAR. L Chega-se, então, a conclusão de que as empresas procuram obter alavancagem operacional sempre que os seus custos fixos precisam ser cobertos pela ampliação da produção e, conseqüentemente, das receitas advindas das vendas. De forma geral, os projetos de alavancagem visam à aquisição de ativos imobilizados que aumentem o volume produzido e resulte em receitas mais do que suficientes para cobrir todos os custos fixos e variáveis.

20 EXEMPLO PRÁTICO Tome-se como exemplo dos vários intervalos de produção o Ponto de Equilíbrio de uma determinada empresa, que corresponda a um faturamento de R$ ,92, correspondente a produção de 5.769,23 unidades. As receitas totais foram projetadas tendo-se como base um preço de venda constante por unidade de R$ 4,00, independente do volume da produção. Do mesmo modo, os custos variáveis baseiam-se na hipótese de um custo unitário constante de R$ 1,40. Os custos fixos são estimados em R$ ,00. Para que os dados de custos sejam relevantes, uma análise do Ponto de Equilíbrio deve ter como base um universo temporal bem definido, daí porque no exemplo ele representaria um período de um ano. Também é estabelecido que toda a produção foi vendida. Maior alavancagem - maior risco e maior retorno Menor alavancagem - menor risco e menor retorno

21 21 Observação importante: Para cada volume de produção haverá um grau de alavancagem diferente. Para demonstrar essa situação, daremos como exemplo, uma produção de unidades ( redução de 10 % na produção, a empresa terá um lucro de R$ ,00). LUCRO ANTES DA REDUCAO...R$ ,00 (-) REDUCAO DE 10 % (X) GAO 4 (X) LUCRO R$ ,00...R$ ,00 (=) NOVO LUCRO...R$ ,00 Então trabalhando acima do ponto de equilíbrio, tanto o g.a.o quanto o risco de gerar prejuízos tendem a ser menores e quanto maior for o g.ao, mais próximos estaremos do ponto de equilíbrio, com altos riscos de melhorar ou piorar o resultado segundo aumento ou redução no volume de produção. Para elucidar a temática, temos um outro exemplo, conforme a seguir: PV...120,00 CV...70,00

22 22 CV...180,00 Volume de vendas Unidades A alavancagem operacional será determinada, conforme segue: (preço de venda custo variável ) x volume = (p. de venda - custo variáel ) x volume - custo fixo 120,00 70,00 X = ,00 = 1,67 120,00-70,00 X , ,00 O resultado acima indica que,dado um aumento de 10% no volume de vendas, o lucro líquido aumentara 1,67 vezes o aumento das vendas, ou seja 16,7%. Caso o volume de vendas seja reduzido em 10 % o lucro líquido também reduzira na proporção de 10%. Diante do exposto verifica-se que para tomada de decisão em um mercado de acirrada concorrência, torna-se melhor para a empresa reduzir a margem de contribuição ( pv cv), no intuito de aumentar o volume de vendas alcancando assim uma maior margem de segurança ( p.equilíbrio q. vendida), ter um indíce de alavancagem menor o que representara um menor risco. Dado alterações negativas no cenário econômico.

23 23 CAPITULO II: ALAVANCAGEM FINANCEIRA 2.1 CONCEITO Alavancagem Financeira: Segundo Neves (2005 pág.32), em resumo e interpretando-os, a alavancagem financeira acontece, positiva, quando os capitais de terceiros de longo prazo produzem efeitos positivos sobre o patrimônio líquido. Dessa forma, podemos concluir que só é vantajoso para uma empresa, os capitais de terceiros de longo prazo, quando o retorno sobre o ativo for superior ao retorno sobre o patrimônio líquido. De nada adiantaria a uma empresa captar recursos a longo prazo, se estes fizessem com que o retorno sobre o patrimônio líquido recuasse em sua posição anterior à da captação. Alavancagem financeira é isso. É a alavanca que esta captação produz ou não no retorno aos acionistas. Portanto,quanto mais a empresa usar encargos fixos para aumentar os efeitos de variação no lucro, mais alavancada ela estará.

24 GRAU DE ALAVANCAGEM FINANCEIRA Segundo Matarazzo (2003 pág 55), o grau de alavancagem financeira (gaf) tem por objetivo avaliar se a rentabilidade do capital próprio (lucro liquido/patrimônio líquido), quando há capitais de terceiros financiando parte do ativo da empresa,foi maior, igual ou menor do que aquela que seria se todo o ativo fosse financiado por capitais próprios. Em outras palavras, o gaf mede a eficiência da utilização de capitais de terceiros para alavancar a rentabilidade do capital próprio de forma positiva (favorável), de forma negativa (desfavorável) ou de forma indiferente (nem favorável nem desfavorável). O GAF pode ser encontrado com o uso da seguinte fórmula: GAF = Variação % no Lucro Líquido Variação % no LAJIR OU Opcionalmente, alguns analistas utilizam a seguinte fórmula para o cálculo: GAF = RsPL (Retorno sobre Patrimônio Líquido ) RsA (Retorno sobre o Ativo) Se o GAF for igual a 1,0 = A alavancagem financeira será considerada nula Se o GAF for maior que 1,0 = A alavancagem financeira será considerada favorável

25 25 Se o GAF for menor que 1,0 = A alavancagem financeira será considerada desfavorável Por exemplo, uma empresa pode obter 30% de retorno sobre o patrimônio líquido (que e considerada uma boa taxa) a partir de uma modesta taxa de re torno de 8% sobre o ativo. Basta que pague aos credores a taxa inferior a essa e que utilize determinada proporção de capitais de terceiros. Isso ocorre porque a taxa de retorno do patrimônio líquido depende daquelas duas outras taxas e da proporção entre o passivo gerador de encargos e o patrimônio líquido. A curiosa conclusão é que a taxa de retorno do patrimônio líquido poderá ser totalmente diversa da taxa de retorno do ativo e, em certos casos,até oposta. Ou seja, a empresa mostra taxa de retorno do ativo positiva e taxa de retorno do patrimônio negativa e vice-versa, tudo em decorrência do custo da dívida e de sua proporção em relação ao patrimônio líquido. Daí se conclui que, as vezes mais vale uma boa administração financeira que uma boa atividade operacional. Muito é discutido sobre risco em organizações, risco pode ser definido como a possibilidade de incerteza por algo que possa vir acontecer no futuro. Este risco pode ser analisado e ainda reduzido através de métodos simples a partir de dados encontrados na demonstração do resultado do exercício das empresas. Somente existirá alavancagem financeira se existir dentro da estrutura de

26 26 capital de uma empresa a presença de capital de terceiros que exigem uma remuneração que pode ser chamada de juros. Então devemos compreender e encontrar dentro da demonstração do resultado do exercício: LAJIR = Lucro antes dos juros e imposto de renda LAIR = Lucro antes do imposto de renda LAIR = LAJIR JUROS. Supondo que uma empresa apresenta um LAJIR = ,00 e possui despesas financeiras (juros) no valor de ,00 o LAIR será igual a ,00 ( , ,00). Com estes dados em mãos, pode-se encontrar um valor para a Alavancagem Financeira dividindo-se o LAJIR pelo LAIR (LAJIR LAIR). GAF = GARU DE ALAVANCAGEM FINANCEIRA GAF = LAJIR LAIR GAF = , ,00 GAF = 1,5 Esse grau de alavancagem financeira somente existe devido a presença da remuneração do capital de terceiros na estrutura de capital da empresa, ou seja, um capital que dá origem ao pagamento de juros. Suponha agora que a empresa não apresente endividamento, ou seja, trabalhe com 100% de capital próprio em sua estrutura de capital, assim temos:

27 27 LAIR = LAJIR JUROS LAIR = ,00 0,00 LAIR = ,00 O GAF será: GAF = LAJIR LAIR GAF = , ,00 GAF = 1 Quando o grau de alavancagem financeira igual a 1 representa ausência de capital de terceiros na estrutura de capital referindo-se ao longo prazo. Observe que quanto maior o endividamento permanecendo estática a recita bruta de vendas o GAF tende somente a aumentar, ou seja, o risco financeiro aumenta. Pode-se concluir que qualquer ação de aumento na estrutura de capital reduzindo a participação de capital próprio e aumentando a participação de capital de terceiros, deve resultar em aumento de participação mercadológica e ainda aumento na receita bruta de vendas para que possam ocorrer reduções no grau de alavancagem financeira.

28 EXEMPLO PRÁTICO Suponhamos que uma empresa apresente a seguinte estrutura patrimonial: ATIVO R$ PASSIVO EXIGÍVEL R$ PATRIMÔNIO LÍQUIDO R$ Supondo que a utilização de capitais de terceiros (passivo exigível) gerou encargos financeiros (juros) na ordem de 20% sobre o valor dos mesmos (20% de =3.000) e supondo a seguinte DRE: RECEITA DE VENDAS R$ CMV R$ (52.000) LUCRO BRUTO R$ DESPESAS COMERCIAIS R$ (3.000) DESPESAS FINANCEIRAS R$ (3.000) DESPESAS ADMINISTRATIVAS R$ (8.000) LUCRO LÍQUIDO R$ A rentabilidade do capital próprio (RPC) seria: LUCRO LÍQUIDO = = 1,20 PATRIM LÍQUIDO

29 29 No entanto, se todo o ativo da empresa fosse financiado por capitais próprios, teríamos: ATIVO: R$ PASSIVO EXÍGIVEL R$ 0 PATRIM. LÍQUIDO R$ R$ RECEITA DE VENDAS R$ CMV R$ (52.000) LUCRO BRUTO R$ DESPESAS COMERCIAIS R$ (5.000) DESPESAS FINANCEIRA R$ 0 DESPESAS ADMINISTRATIVAS R$ (8.000) LUCRO LÍQUIDA R$ RCP = = 0, Assim, podemos calcular o gaf da seguinte forma: GAF: RENTAB. DO CAP..PRÓPRIO COM A UTILIZ. DE CAP.DE TERCEIROS RENTAB. DO CAP.PRÓPRIO SEM A UTILIZ. DE CAP. DE TERCEIROS GAF = 1,20 0,825

30 30 CAPITULO III : ALAVANCAGEM COMBINADA OU TOTAL 3.1CONCEITO Segundo Ferrari (2005), é o estudo da alavancagem empresarial parte do princípio de que todos os negócios têm condição de impulsionar suas produção e venda, com a utilização de capital de terceiros. Se por um lado, o uso de recursos externos à empresa tem sido o modus operandi por excelência do sistema capitalista, por outro todas as organizações possuem custos operacionais fixos. Daí porque todas apresentam condições idéias para uma ação combinadas de alavancagem operacional e alavancagem financeira, efeito que se conhece por Alavancagem Total ou Alavancagem Combinada (GAC).

31 GRAU DE ALAVANCAGEM COMBINADA OU TOTAL Segundo, Neves (2005),é a medida numérica da alavancagem total de uma empresa. Pode ser obtido através desta fórmula: GAT: VAR. % LPA VAR. % VENDAS LPA LUCRO POR AÇÕES Reflete o impacto combinado da alavancagem operacional e financeira da empresa: GAT= GAO X GAF Uso potencial de custos fixos, tanto operacionais como financeiros, para aumentar o efeito das variações nas vendas sobre o lucro por ação (IPA)

32 EXEMPLO PRÁTICO Podemos exemplificar o efeito da alavancagem combinada neste exemplo: 50% VENDAS (EM UNIDADES) RECEITA DE VENDAS R$ R$ MENOS: CUSTOS OPERACIONAIS VAR. R$ R$ MENOS: CUSTOS OPERACIONAIS R$ R$ LAJIR R$ R$ GRAU DE ALAVANCAGEM OPERACIONAL: 60% = 1,2 50% + 60% MENOS : JUROS (J) R$ R$ LUCRO ANTES DO IMPOSTO RENDA R$ R$ MENOS: IMPOSTO DE RENDA (T=0,40) R$ R$ LUCRO LÍQUIDO DEPOIS DO IR R$ R$

33 33 MENOS: DIVIDENDOS AÇÕES PRE. R$ R$ LUCRO DISPONÍVEL PARA ACIONISTA R$ R$ LUCRO POR AÇÃO AÇÕES (LPA) R$ 1,2 R$ 4, GRAU DE ALAVANCAGEM FINANCEIRA: 300% = 5,0 60% GRAU DE ALAVANCAGEM TOTAL: 300% = 6,0 50%

34 34 CONCLUSÃO A complexidade das relações econômicas, atualmente existente no mercado, torna a atuação das empresas, independente de seu tamanho e segmento de atuação igualmente complexa, transformando o correto entendimento das relações financeiras, em uma vantagem competitiva extremamente importante. O principal objetivo de qualquer empresa, independente de sua forma de constituição, é ter o seu valor maximizado através da atividade de produção de bens ou prestação de serviços para venda no mercado; e a alavancagem é uma ótima ferramenta de maximizar o retorno para os proprietários ou acionistas. Portanto, por comparar o custo das diferentes alternativas de capitais de terceiros com o custo do capital próprio; o conhecimento, utilização e análise da alavancagem e imprescindível para as decisões e gerenciamento das grandes empresas. Constatou-se que o tema endividamento pode ser considerado polêmico, porque alavanca-se a empresa para potencializar resultados e ampliar mercado e, conseqüentemente, insere-se a mesma em um cenário de incerteza/risco. Assim, faz-se necessária, uma avaliação da alavancagem financeira, dos custos de captação, dos cenários político e econômico, e da capacidade da empresa em gerar caixa para honrar compromissos financeiros. Assim, se uma empresa tiver uma boa alavancagem financeira e operacional, pequenas mudanças nas vendas produzirão grandes flutuações nos lucros. Grande importância deve ser dada ao Grau de Alavancagem, pois ele reflete o nível de operacionalização da empresa do controle interno a contabili-

35 35 dade, estando inseridos todos os quocientes analíticos das demonstrações contábeis. Então a análise dessas ferramentas contábeis é de suma importância para as organizações, tendo em vista seus reflexos diretos no auxílio da formação do resultado final da empresa. Apesar da existência de limitações a analise ocupa um papel importante como ferramentas gerencias, podendo e devendo ser ajustada sempre que o modelo projetado sofrer alterações internas ou externas no que tange a estrutura das receitas x gastos ( variáveis e fixos ) Mediante a análise o gestor poderá tomar decisões que produzirão o aumento da rentabilidade e a reducão do risco operacional e conforme exemplificado, a melhor decisão será adotar uma menor margem de contribuição para o produto ocasionada um aumento da margem de segurança, com respectiva redução adotando-se um menor índice de alavancagem. O gestor deve ter consciência que o mercado em geral adota a caracteristíca elástica, e uma margem elevada de alavancagem acarretara também em um maior risco para a empresa. Vale enfocar que a partir de dados seguros de mercado, e dependendo do tipo de produto que estiver sendo lancado, a empresa podera sair de uma política conservadora, para uma mais agressiva, e neste caso a mesma aumentara o índice de alacancagem operacional.

36 36 Portanto,ressaltamos que para esta decisão, o gestor, devera estar munido de uma gama de informações para tomar esta decisão que provocara um maior risco para a empresa.

37 37 ANEXOS Consultas e leituras em sites especializados, como suporte, para a elaboração do trabalho. Sites visitados : COAD IOB

38 38 BIBLIOGRAFIA BRUNI, LEAL ADRIANO - FINANÇAS E MÉTODOS QUANTITATIVOS - SÃO PAULO: ED. ATLAS MATARAZZO, C DANTE - ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS - SÃO PAULO: ED. ATLAS FERRARI,LUIZ ED - ANÁLISE DE BALANCOS - RIO DE JANEIRO: ED. ELSEVIER DA SILVA,PEREIRA JOSE - ANÁLISE FINANCEIRA DAS EMPRESAS.- SÃO PAULO : ED. ATLAS S.A DAS NEVES, SILVÉRIO - CONTABILIDADE AVANÇADA. -SÃO PAULO, ED. FRASE COGAN, SAMUEL CUSTOS E PREÇOS : FORMAÇÃO E ANÁLISE - SÃO PAULO, ED. PIONEITA T. LEARNING

39 39 ÍNDICE FOLHA DE ROSTO...2 AGRADECIMENTO...3 DEDICATÓRIA...4 RESUMO...5 METODOLOGIA...6 SUMÁRIO...7 INTRODUÇÃO...8 CONCLUSÃO...34 ANEXOS...37 BIBLIOGRAFIA...38 FOLHA DE AVALIAÇÃO...40

40 40 FOLHA DE AVALIAÇÃO Nome da Instituição: UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES Título da Monografia: A IMPORTÂNCIA DA ALAVANCAGEM PARA AS EMPRESAS Autor: MARCUS VINÍCIUS CARVALHO QUEIROZ Data da entrega: 30/07/2009 Avaliado por : ANTÔNIO FERNANDO VIEIRA NEY Conceito:

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS! O que é alavacagem?! Qual a diferença entre a alavancagem financeira e operacional?! É possível

Leia mais

ANÁLISE DO PONTO DE EQUILIBRIO E ALAVANCAGEM OPERACIONAL COMO FERRAMENTAS DE GESTÃO

ANÁLISE DO PONTO DE EQUILIBRIO E ALAVANCAGEM OPERACIONAL COMO FERRAMENTAS DE GESTÃO ANÁLISE DO PONTO DE EQUILIBRIO E ALAVANCAGEM OPERACIONAL COMO FERRAMENTAS DE GESTÃO RESUMO O presente artigo aborda a revisão teórica sobre a temática custo volume lucro relacionando-a ao mix de venda

Leia mais

LL = Q x PVu Q x CVu CF

LL = Q x PVu Q x CVu CF UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ANÁLISE FINANCEIRA 2745 CARGA HORÁRIA: 68 PROFESSOR: MSc Vicente Chiaramonte

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Eliminando todas as suas dúvidas sobre Margem de Contribuição

Eliminando todas as suas dúvidas sobre Margem de Contribuição Eliminando todas as suas dúvidas sobre Margem de Contribuição O que é Margem de Contribuição? Quais as técnicas para o cálculo da Margem de Contribuição? Qual a diferença entre a Margem de Contribuição

Leia mais

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Prezados(as), para fins de revisão de alguns pontos da disciplina de Análise das Demonstrações Contábeis, exigida no concurso para Auditor Federal de

Leia mais

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Instrumentalização Tomar decisões não é algo fácil, por isso a grande maioria dos gestores procuram utilizar as mais variadas técnicas

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo programático Unidade I Avaliação de Empresas Metodologias Simples Unidade II Avaliação de Empresas - Metodologias Complexas

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSO PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSO PROJETO A VEZ DO MESTRE 1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSO PROJETO A VEZ DO MESTRE ANÁLISE POR QUOCIENTES DE ESTRUTURA DE CAPITAIS PARA EMPRESAS DE MÉDIO PORTE Por: Marcelo da Fonseca Ribeiro Orientador Prof.

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO V Objectivo Análise do Risco Operacional e Financeiro Grau de Alavanca Operacional Grau de Alavanca Financeiro Grau de Alavanca Combinado O Efeito Alavanca Financeiro RISCO E ANÁLISE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS SUMÁRIO 1 Exercício 01...2 2 Exercício 02 - O caso da Empresa Equilibrada....4 3 Exercício 03...5 4 Exercício 04...6 5 Exercício 05...7 6 Exercício 06...9

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

Mercado de Capitais. Análise Fundamentalista. Professor: Roberto César

Mercado de Capitais. Análise Fundamentalista. Professor: Roberto César Mercado de Capitais Análise Fundamentalista Professor: Roberto César Análise Fundamentalista A análise fundamentalista é um importante instrumento utilizado para a análise de investimento em ações. O princípio

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio Engenharia Mecatrônica (ramal

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO Alavancagem Operacional: Uma breve visão sobre a relação custo, volume

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli! Entendendo melhor a duração modificada! Como utilizar a duração modificada?! O que é imunização?! Qual o efeito da mudança do cupom

Leia mais

P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159

P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 C A P Í T U L O 1 4 Empresas de serviços Pergunta aos consultores e aposto que, para a maioria, a primeira afirmação do cliente é: Nossa empresa é diferente.

Leia mais

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A AUTOR ANTONIA TASSILA FARIAS DE ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ RESUMO O presente

Leia mais

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? Qual a rentabilidade do Patrimônio Líquido de sua empresa? Quais os itens que estão disponíveis

Leia mais

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Balanço Patrimonial Relembrando da ultima aula!!!! Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Análise Financeira de Balanços O balanço Patrimonial de uma organização é uma peça contábil, em

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br

Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br 6C0N021 Contabilidade Gerencial Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br Programa da Disciplina Introdução e delimitações Importância da formação do preço de venda na gestão do lucro. Principais elementos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

COMO ORGANIZAR A APRESENTAÇÃO DOS INDICADORES ECONÔMICOS E FINANCEIROS (COLOCANDO-OS DEBAIXO DOS 3 DETERMINANTES DO RETORNO SOBRE

COMO ORGANIZAR A APRESENTAÇÃO DOS INDICADORES ECONÔMICOS E FINANCEIROS (COLOCANDO-OS DEBAIXO DOS 3 DETERMINANTES DO RETORNO SOBRE UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 5 COMO ORGANIZAR A APRESENTAÇÃO DOS INDICADORES ECONÔMICOS E FINANCEIROS (COLOCANDO-OS DEBAIXO DOS 3 DETERMINANTES DO RETORNO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Retorno Sobre o Patrimônio

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

Análise Comparativa dos Métodos Financeiros para Avaliação de Empreendimentos de Infra-Estrutura Aeronáutica

Análise Comparativa dos Métodos Financeiros para Avaliação de Empreendimentos de Infra-Estrutura Aeronáutica Anais do 14 Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos, SP, Brasil, Outubro, 20 a 23, 2008. Análise Comparativa

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE QUAL CRITÉRIO DE CUSTO UTILIZAR NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA? Por: Maikon Bruno Cordeiro da Silva Rodrigues Orientador Prof.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ADMINISRAÇÃO FINANCEIRA

Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ADMINISRAÇÃO FINANCEIRA C U R S O D E C I Ê N C I A S C O N T Á B E I S Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ADMINISRAÇÃO FINANCEIRA Código: CNB CH Total: 72H Pré-Requisito: Período

Leia mais

INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO

INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO 1 INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO RAFAEL SILVA DE ANDRADE Graduando do Curso de Ciências Contábeis da UFPA. Héber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

Programa de Equalização em Contabilidade

Programa de Equalização em Contabilidade Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e MBA Programa de Equalização em Contabilidade Prof. Salanek Filho Março de 2014 Prof. Pedro Salanek Filho Programa de Equalização em Contabilidade CONTABILIDADE Prof.

Leia mais

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I.

COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS. Autor: Francisco Cavalcante UP-TO-DATE. ANO I. UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 3 COMO CALCULAR UM FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ENCERRADAS Autor: Francisco Cavalcante Circular para: CAVALCANTE& ASSOCIADOS AOS NOSSOS LEITORES Up-To-Date

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO ISSN 1807-6467 ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO O mercado muda a um ritmo acelerado. Com a globalização, tendências que antes eram

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE 1 ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este estudo, parte da necessidade de utilização

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES O Instituto Assaf comparou diversos indicadores de desempenho dos bancos grandes e dos bancos médios de 2009 a 2011. Primeiramente

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Princípios de Finanças Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Material didático e acesso Site da disciplina http://frega.net Login: UFPRPRINCFIN 2 Prof. José Roberto Frega, Dr. Graduado em Engenharia

Leia mais

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTO NO SALÃO DE BELEZA X Virginia Tavares 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar na prática como acontece a aplicação da contabilidade de custo numa empresa

Leia mais

Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo

Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo ESBOÇO 1. Risco 2. Risco de Fluxo de Caixa 3. Risco da Taxa de Re-investimento 4. Risco da taxa de juros 5. Risco do poder de compra 6. Retornos e

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

Índices de Análise das Demonstrações Contábeis

Índices de Análise das Demonstrações Contábeis Índices de Análise das Demonstrações Contábeis Índices de Estrutura Patrimonial Índices de Estrutura Índices de Estrutura Estrutura do Balanço Patrimonial Estrutura das Aplicações (Ativo) Estrutura das

Leia mais

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro Projeções dos Demonstrativos Contábeis Prof. Isidro Planejamento Financeiro O planejamento financeiro de uma empresa busca determinar suas necessidades de caixa e é feito em dois níveis: Curto prazo (operacional)

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira INTRODUÇÃO 1 Análise Financeira Dar a conhecer a situação económico-financeira e monetária A partir de documentos de informação contabilística Situação financeira Equilíbrio Financeiro, Solvabilidade,

Leia mais

A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes:

A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes: ANÁLISE CUSTO/VOLUME/LUCRO Sabe-se que o processo de planejamento empresarial envolve a seleção de objetivos, bem como a definição dos meios para atingir tais objetivos. Neste sentido, cabe assinalar que

Leia mais

Representa o quanto a empresa tomou de capital de terceiros para cada $100 de capital próprio. Capital de Terceiros. Patrimônio Líquido

Representa o quanto a empresa tomou de capital de terceiros para cada $100 de capital próprio. Capital de Terceiros. Patrimônio Líquido RAU DE EDVDAETO Conceituação Representa o quanto a empresa tomou de capital de terceiros para cada $100 de capital próprio. étodo de Cálculo endiv. = Capital de Terceiros Patrimônio Líquido X 100 Definição

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Rentabilidade Social (RS) Rentabilidade de Exploração. Rentabilidade Global RENTABILIDADE. Resultado / output Valor do Recurso / input investido

Rentabilidade Social (RS) Rentabilidade de Exploração. Rentabilidade Global RENTABILIDADE. Resultado / output Valor do Recurso / input investido RENTABILIDADE Resultado / output Valor do Recurso / input investido Rentabilidade Social (RS) Valor Acrescentado Bruto (VAB) RL + ARE + Ajustamentos + F + + Custos c/ Pessoal + Impostos Directos Valor

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário.

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário. Viabilidade do Negócio Imobiliário Uma Gestão Consciente Prof. Daniel F. Falcão daniel.falcao@agexconsult.com.br Objetivo Central Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA)

5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA) 35 5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA) O conceito Economic Value Added (EVA) foi desenvolvido pela empresa Stern Stewart & Co, e em português significa Valor Econômico Adicionado

Leia mais

2.1. Giro dos Estoques O giro dos estoques geralmente mede a atividade, ou liquidez, dos estoques da empresa. Quanto maior for o valor dos estoques, maior será a necessidade de capital de giro da empresa.

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais