Projetos Estruturantes da Infra- Estrutura Logística de Santa Catarina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projetos Estruturantes da Infra- Estrutura Logística de Santa Catarina"

Transcrição

1 Projetos Estruturantes da Infra- Estrutura Logística de Santa Catarina Elaborado para: Governo do Estado de Santa Catarina Março de 2005

2 PROJETOS ESTRUTURANTES DA INFRA-ESTRUTURA LOGÍSTICA DE SANTA CATARINA ÍNDICE 1. Projetos Estruturantes 3 2. Projeto N o 1 - Adequação da Malha Rodoviária do Estado Projeto N o 2 - Eixo Logístico São Francisco do Sul-Babitonga Projeto N o 3 - Eixo Logístico Itajaí-Navegantes Projeto N o 4 - Eixo Logístico do Sul do Estado - Imbituba Projeto N o 5 - Construção de Plataformas Logísticas Projeto N o 6 - Eixo de Transporte Bi-oceânico 52 ANEXOS Anexo 1 Distâncias Percorridas por Cargas Catarinenses 55 Anexo 2 Lei e Arrecadação do Fundo de Transporte do MT 57 Anexo 3 Programa de Adequação das Rodovias Estaduais 61 Anexo 4 Projeto de Lei de Criação da SC Portos 77 2

3 1 PROJETOS ESTRUTURANTES O Estado de Santa Catarina se diferencia da maioria dos demais estados brasileiros em relação ao grau de conhecimento das necessidades básicas de infra-estrutura. Os diversos estudos realizados sobre a matéria, principalmente os da Secretaria de Estado da Infra-Estrutura, através do DEINFRA - Departamento Estadual da Infra-Estrutura, principalmente os documentos "Cenários da Infra-estrutura de Transporte de Santa Catarina e Aspectos Correlatos", o "Plano de Integração Multimodal PIM MT/SC, e o "ONDEE-SC", da FIESC, serviram de base de dados para as análises do presente trabalho, que propiciaram a identificação de projetos estruturantes da infra-estrutura do Estado, cada um dos quais com modelagens financeiras inteiramente viáveis. Esses projetos são apoiados por diagnósticos sobre a situação atual da infra-estrutura logística do Estado, sobre a demanda por transporte de carga, sobre as alternativas econômicas em termos de modal de transporte mais adequado, e sobre as potencialidades da economia catarinense, dentre as quais a de ser grande produtor de mercadorias de alto valor agregado que propiciam sua exportação em contêineres, e a de poder se tornar grande prestador de serviços portuários para os estados e até países vizinhos, como Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul, de um lado, e Paraguai e Argentina, de outro, carentes de infra-estrutura portuária competitiva. Os projetos, grupados por eixos de escoamento de carga em direção aos portos catarinenses, dão consistência aos sistemas de logística, viabilizando a concretização das vocações acima citadas. 3

4 Em cada caso, é apontada uma possível modelagem financeira a ser instrumentada pelo Governo. Procurou-se, de preferência, evitar a necessidade de investimento por parte do Governo do Estado, a despeito do fato de que, através da Lei N o /04, foi institucionalizado o mecanismo através do qual o Estado estaria apto a estruturar as PPP com parceiros privados. O trabalho parte do princípio de que tais parcerias devem ter o Estado como parceiro facilitador, no sentido da obtenção de licenças e negociações com outras unidades federativas ou com a União, mas sempre com envolvimento financeiro mínimo. O trabalho demonstrou que, em termos do modal adequado ao transporte de cargas geradas no próprio Estado, com destino aos principais portos catarinenses ou a destinos finais situados no próprio Estado ou em estados vizinhos, o modal mais adequado é o rodoviário. A alternativa ferroviária ficaria restrita a transportes de longas distâncias, como, por exemplo, cargas consolidadas com origem em Santa Catarina destinadas ao mercado interno brasileiro em regiões mais distantes, e mesmo assim com as limitações existentes na malha e no serviço ferroviário brasileiro, e cargas com origem em outros estados e destinadas aos portos catarinenses. O maior obstáculo à viabilização de projetos ferroviários para transporte de cargas com origem e destino no Estado é a distância média de transporte, da ordem de 350 quilômetros (no Anexo 1 pode-se ver as distâncias intra-estaduais e com origem no Estado e destinos situados nos estados vizinhos ou vice-versa). É que a rodovia, para distâncias até 500 quilômetros, é altamente competitiva, principalmente quando não se dispõe de 4

5 cargas consolidadas entre origem e destino em grande volume. Isso decorre do fato de que, dada a maior capilaridade da malha rodoviária, o transporte pelo modal ferroviário implica sempre em operações complementares em rodovia para captação da carga, ou seja, o transporte ferroviário é quase sempre uma operação rodovia-ferrovia-rodovia-porto, ou, na melhor hipótese, rodovia-ferrovia-porto, de forma que o custo das pontas rodoviárias para captar e distribuir as cargas, somada ao frete ferroviário, faz com que o custo do uso da ferrovia em distâncias de até 500 km fique igual ou maior do que o frete 100% rodoviário. Outro limitador é o relativo ao tipo de carga que se pretende transportar. Geralmente as ferrovias são competitivas para o transporte de cargas de alto volume e baixo valor agregado e origem e destino em distâncias de 500 a km. Para distâncias superiores a km, a hidrovia, caso exista, é o modal mais vantajoso. A ferrovia no Brasil transporta, basicamente, soja e farelo de soja, e minérios em geral, sendo muito pequena a quantidade carga geral transportada por esse modal, mesmo que conteinerizada, conforme se pode ver na tabela a seguir. Transporte Ferroviário de Carga no Brasil (2002) Principais Cargas Ton úteis x 10 3 Minério de Ferro Granéis Agrícolas Bauxita Carvão Ferro Gusa Produtos Siderúrgicos Derivados de Petróleo Outras Cargas Total Transportado A previsão do transporte de carga com origem e destino no Estado, para 2005, segundo estudo do DEINFRA, é de 70,9 milhões de 5

6 t/ano, sendo 33,1 milhões de t/ano de carga dentro do Estado, cujas distâncias de transporte para a maioria dos produtos tem em média 350 km. Uma quantidade considerável de carga, da ordem de 32,3 milhões de t/ano, provém de estados contíguos, Paraná e Rio Grande do Sul, representado por soja, farelo de soja, milho, fertilizantes, cuja distância média também é da ordem de 350 km. Portanto, a demanda por transporte de carga será, essencialmente, atendida por via rodoviária. É devido a essa lógica econômica inexorável, que a matriz de transporte atual de cargas com origem e destino em Santa Catarina é 92% rodoviária e apenas 8% ferroviária. Parte da carga destinada aos portos catarinenses, no entanto, é originária do norte do Paraná, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, percorrendo distâncias maiores. Nesses casos, o modal ferroviário passa a ser alternativa viável. A ferrovia é viável, também, para a carga com origem e destino em São Paulo, que soma, hoje, cerca de 5 milhões de t/ano. A questão ferroviária brasileira é bastante complexa em função dos diversos entraves para a sua viabilização explicitadas na primeira parte do trabalho (Situação do Transporte de Carga no Brasil). A dificuldade básica para a viabilização de investimentos novos em ferrovias é o alto custo para a sua implantação e para seu financiamento, ao mesmo tempo em que o frete rodoviário é achatado em comparação com os padrões internacionais. Particularmente, no caso de Santa Catarina, no estudo efetuado pelo Consórcio ENEFER/STE sobre as ferrovias catarinenses, ficou competentemente demonstrado que a taxa interna de retorno esperada do projeto de construção dos tramos Litorâneo e Leste-Oeste, a chamada Ferrovia do 6

7 Frango, antiga aspiração catarinense, é baixa mesmo que parte substancial do investimento seja feita, a fundo perdido, pelo Governo do Estado. O estudo considerou o destino das cargas leste-oeste para o Porto de Itajaí, onde a maior parte das cargas é fracionada e frigorificada, e, normalmente, segue em caminhões frigoríficos, sendo estocada em câmaras frigoríficas em Itajaí e estufadas em contêineres reefer somente depois de definida a "janela" para o navio (horário definido de atracação). Tal tipo de carga (frigorificada e de maior valor agregado) é típico do modal rodoviário. O estudo mostrou que, além de contar com recursos públicos, atualmente escassos e pouco prováveis, o valor do investimento é de US$ 2,5 bilhões, com uma TIR de 9,84% o que inviabiliza o interesse privado. Por todos esses motivos, o primeiro projeto sugerido visa dotar o Estado de malha rodoviária capaz de suprir de forma eficiente, a demanda por transporte de carga em direção aos portos. Pesquisa recente do Ministério dos Transportes indica que Santa Catarina tem o pior índice de conservação de rodovias federais dentre os estados da região sul do país, sendo as rodovias estaduais melhor conservadas. Ora, como o nível de conservação das rodovias é importante fator a contribuir para o aumento da competitividade da produção, e da produtividade da economia como um todo, é importante melhorar o esse padrão de conservação. Para suprir essa necessidade, o estudo procura sugerir uma forma de estruturar um sistema de financiamento que permita a recuperação, melhoria (pavimentação) e manutenção da malha rodoviária, e a duplicação das principais rodovias do Estado. O estudo mostra que os investimentos no modal ferroviário, 7

8 necessários e que fazem sentido econômico, são os referentes aos casos dos acessos aos portos de São Francisco do Sul e Imbituba, que têm parte considerável de sua movimentação atual ou potencial, constituída por graneis sólidos. A ALL-DELARA já tem ramais de ligação com São Francisco do Sul, que necessitam de aperfeiçoamentos, e é viável a construção de ligação com Imbituba. Esses investimentos estão incluídos nos projetos dos respectivos eixos logísticos. Os portos representam a parte mais crítica da infra-estrutura logística do Estado de Santa Catarina, por estarem próximos da saturação. Um aspecto crítico que afeta o sistema portuário do Estado é a falta de uma visão estratégica integrada do sistema. Em termos mundiais, a tendência em serviços portuários indica maior demanda por serviços logísticos integrados, maior concorrência entre seus fornecedores e maiores exigências de eficiência por parte dos consumidores para poder competir num mundo globalizado. Por parte da sociedade, existe uma demanda maior pela preservação do meio ambiente e coordenação entre as atividades do porto e a comunidade local. Adicionalmente, o setor público que historicamente foi o financiador do desenvolvimento portuário apresenta fortes restrições orçamentárias, impedindo a manutenção dos níveis de investimentos à preservação da competitividade dos portos. Essas tendências resultam em pressões crescentes para que os portos se tornem competitivos e financeiramente auto-sustentáveis, ao mesmo tempo em que devem continuar exercendo suas funções sociais. Nesse sentido, as PPP poderiam cumprir um papel fundamen- 8

9 tal, pois representam o instrumento adequado para alinhar os esforços do setor público e privado em direção a esses objetivos. É importante notar, no entanto, que os projetos a serem viabilizados através de PPP devem ser definidos ao abrigo de um planejamento estratégico de desenvolvimento logístico. No caso dos portos catarinenses, a ausência de um exercício de planejamento estratégico integrado não pode pura e simplesmente ser suprida pelas PPP que são um instrumento de viabilização financeira e operacional para projetos estratégicos que não apresentem taxa atrativa de rentabilidade, mas não um substituto para o planejamento. Historicamente, os portos catarinenses evoluíram sem um planejamento de longo prazo, investindo sempre topicamente na eliminação de gargalos e incrementos pontuais da infra-estrutura, em função apenas da eventual capacidade de cada administração de mobilizar recursos públicos. Em um mundo globalizado e altamente competitivo, tal abordagem é insustentável no longo prazo, condenando inexoravelmente os portos que assim se desenvolverem, a perder competitividade ao longo do tempo. O Governo de Santa Catarina tem a oportunidade de ser pioneiro no desenvolvimento de uma estratégia para seu importante sistema portuário que respeite a lógica do retorno econômico e social de forma tal que consiga atrair os investimentos do setor privado e maximizar o retorno social desses portos. Para tal é fundamental o desenvolvimento de um planejamento estratégico realista que permita mostrar a consistência dessa estratégia e alinhar a todos os atores na perseguição de objetivos comuns. Um planejamento desse tipo começa sempre pela definição de 9

10 uma visão para o Sistema Portuário de Santa Catarina que deve compreender um profundo conhecimento da demanda por serviços portuários, da o- ferta de serviços complementares, das alternativas concorrentes, das complementaridades entre os portos do Sistema, da vocação física e do potencial de crescimento de carga de cada porto. A partir daí, são avaliadas as lacunas de infra-estrutura e operacionais atuais e projetadas em termos de ativos e capacidades. Finalmente o plano deve avaliar detalhadamente as necessidades de investimento para cada porto respeitando firmemente o retorno (econômico-social) sobre investimento, resultando em um plano de ação no qual as PPP podem ter um papel a desempenhar para sua viabilização, respeitadas as restrições orçamentárias. É o que se procurou fazer no presente estudo, dentro das limitações de custo e prazos de execução. O trabalho propõe o desenvolvimento e expansão de três eixos logísticos no Estado, centrados em torno dos três portos de maior potencial. O primeiro eixo é o de São Francisco do Sul-Babitonga, que tem, ainda algum potencial de expansão em granéis e contêineres. O segundo é o eixo Itajaí-Navegantes, também com pequeno potencial de expansão pelo aumento da capacidade de movimentação de contêineres do Porto de Itajaí, e um bom potencial pela construção do futuro porto da PORTONAVE, um projeto inteiramente privado que tem perspectivas de ser altamente eficiente do ponto de vista operacional, e deve ser decididamente apoiado pelo Governo do Estado. A vocação óbvia do site portuário Itajaí-Navegantes é o da exportação de carga conteinerizada proveniente da região do Vale do Itajaí, e de carga reefer proveniente do oeste do Estado. Finalmente, há o eixo Imbituba. Com pequenos investimentos, o Porto de Imbituba seria ca- 10

11 paz de aumentar o volume de carga movimentada no curto prazo, e, com investimentos substanciais, poderia se tornar, no longo prazo, um dos portos de maior volume de carga movimentada no Brasil. Sua vocação, dada a possibilidade de operar com navios de grande porte, e a possibilidade concreta de vir a dispor de acesso ferroviário, é a de se transformar num hub de containers e num importante porto de embarque de grãos proveniente do sul do país, de estados do centro-oeste, e do Mercosul. É importante assinalar que tal vocação se concretizaria no longo prazo, e que não desqualificaria a operação de contêineres em sites portuários vizinhos. O estudo considera que, devido à saturação do Porto de Paranaguá, e ao esgotamento da capacidade de São Francisco do Sul, prevista para 2010, os graneis com origem no Paraguai, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e Rio Grande do Sul, têm como destino mais adequado o Porto de Imbituba, cujo calado pode chegar a 16 m e tem uma retro-área de 1,2 milhões de m 2, mais do que suficiente para abrigar um terminal de graneis para 20 milhões de t/ano. Nesse caso, o acesso ferroviário ao porto é fundamental. A maneira mais prática de se realizar essa ligação é a inter ligação da rede da ALL-DELARA, em Lages, à Ferrovia Thereza Cristina, em Oficinas, numa distância aproximada de 200 km, e a um custo de aproximadamente US$ 100 milhões. Tal investimento é viável do ponto de vista econômico, uma vez que se prevê uma demanda por transporte de carga nesse trecho de, no mínimo, 10 milhões de t/ano. Além de ser a alternativa da ALL-DELARA para os portos de Paranaguá, São Francisco do Sul, Imbituba é, também, uma alternativa eficaz para o Porto de Rio Grande, uma vez que a soja gaúcha é produzida no norte do estado, e, com pequenas 11

12 complementações na atual malha ferroviária da ALL-DELARA, seu escoamento pelo Porto de Imbituba é a melhor alternativa. Em termos de movimentação de contêineres, o estudo admite a expansão imediata dos terminais especializados de São Francisco do Sul e de Itajaí, para, respectivamente, 700 e 900 mil TEU/ano, a implantação do PORTONAVE para 500 mil TEU/ano, dentro de três anos, e o revigoramento do Porto de Imbituba, que poderia estar operacional dentro de um ano, para 200 mil TEU/ano, e, dentro de 10 anos, até mil TEU/ano. Com essa configuração, o sistema portuário de Santa Catarina estaria apto a operar confortavelmente, 22% do volume de contêineres do país. Finalmente, o estudo sugere a criação de um corredor bioceânico, que, com pequenos investimentos, ligaria o Estado de Santa Catarina, a regiões produtivas de Argentina e do Paraguai, aos portos catarinenses e ao Porto de Antofogasta, no Chile Os investimentos são de pequena monta, e serão efetuados pela ALL-DELARA. Os projetos sugeridos são os a seguir listados: 1. Adequação da malha rodoviária do Estado 1.1. Duplicação dos Principais Troncos Rodoviários 1.2. Pavimentação de Rodovias Troncais 1.3. Conservação de Rodovias Pavimentadas 2. Eixo logístico São Francisco do Sul Babitonga 2.1. Criação da Autoridade Portuária SC Portos e da SPE I 2.2. Adequação do acesso rodoviário duplicação da BR280 entre Jaraguá do Sul e São 12

13 Francisco do Sul construção de pátio de triagem antes da entrada da zona primária Adequação do acesso ferroviário mudança de traçado e correção de uma série de obstáculos no acesso ferroviário ao Porto, como o cruzamento da cidade de São Francisco do Sul construção de pátio de estacionamento e triagem ferroviária antes da entrada da zona primária demais adequações do porto, segundo seu plano diretor. 3. Eixo logístico Itajaí Navegantes 3.1. Adequação do acesso rodoviário duplicação da BR Eixo logístico Imbituba 4.1. Criação da subsidiária SPE II da SC Portos 4.2. Adequação do acesso rodoviário duplicação da BR101 entre Palhoça e Osório pavimentação da BR-282 entre São José do Cerri to e Campos Novos pavimentação da SC-439/BR-285, no trecho entre Urubici e Grão Pará 4.3. Acesso ferroviário construção de ramal ferroviário entre Lages e a Ferrovia Tereza Cristina. 5. Construção de Plataformas Logísticas 5.1. Araquari 5.2. Lages 6. Eixo de Transporte Bi-Oceânico 13

14 2 PROJETO Nº 1 - ADEQUAÇÃO DA MALHA RODO- VIÁRIA DO ESTADO O DEINFRA tem claramente identificadas as obras rodoviárias necessárias para que o Estado passe a contar com malha adequada ao transporte eficiente de cargas pelo modal rodoviário, o mais importante para Santa Catarina, dada sua predominância na matriz de transportes do Estado. Os projetos propostos incluem a pavimentação de rodovias troncais, a conservação de rodovias estaduais pavimentadas, e a duplicação dos principais troncos rodoviários do Estado, em geral, rodovias federais. De uma maneira geral, os objetivos dos projetos seriam aumentar a segurança e as condições de conforto das rodovias, permitir o tráfego de veículos sob quaisquer condições climáticas, reduzir o custo operacional dos veículos, reduzir as perdas agrícolas decorrentes da deficiência de transporte, melhorar a competitividade dos produtos produzidos no Estado, proporcionar novas ligações com pavimentação asfáltica com os estados vizinhos e a Argentina, reduzir as distâncias de transporte entre os centros produtores do Estado e os centros consumidores, inclusive do Mercosul, e fortalecer o turismo no Estado, pela construção de novos trechos de rodovias. CONSERVAÇÃO DE RODOVIAS PAVIMENTADAS Objetivos: Trata-se de garantir recursos para um programa permanente de manutenção das rodovias estaduais pavimentadas do 14

15 Estado. Características: As rodovias estão listadas no Anexo 2. São todas rodovias estaduais, construídas pelo DER/DEINFRA/SC, na maior parte com recursos de financiamento, e cujos pavimentos, em sua quase totalidade, é à base de brita graduada com capa de concreto asfáltico usinado a quente. Situação Atual: Podem ser consideradas em bom estado, com pavimentação ou reabilitação concluída nos últimos 5 a 6 anos, necessitando, no entanto, de conservação. Dimensão Financeira do Projeto: O custo de conservação rotineira de rodovias pavimentadas, incluindo as operações tapa-buracos e de conservação de emergência, atinge o custo médio de 2.167,84 US$/km/ano, segundo estudos desenvolvidos pelo DER no âmbito do Programa Nacional de Manutenção de Rodovias Estaduais - PNMRE- SC/BIRD. Considerando-se uma taxa de câmbio de R$ 2,8/US$, estima-se que o custo de conservação seja da ordem de R$ 6.070/km/ano, o que, para um elenco de cerca de km de rodovias a conservar, tem-se um custo médio anual de R$ 6,1 milhões. PAVIMENTAÇÃO DE RODOVIAS TRONCAIS NO ESTADO. Objetivos: Trata-se de concluir a pavimentação asfáltica dos grandes troncos rodoviários, rodovias estaduais ou federais, assegurando maior qualidade e capilaridade à malha rodoviária do Estado. Os trechos a serem pavimentados estão listados no Anexo 2. 15

16 Características: O Estado de Santa Catarina possui ainda algumas rodovias troncais que necessitam serem construídas e/ou pavimentadas, como é o caso, dentre outras, da SC-439, trecho Urubici-Grão Pará, passando pela Serra do Corvo Branco, trecho este que coincide com o traçado da rodovia federal BR-475 no Estado, ou simplesmente serem concluídas, como é o caso, altamente prioritária por ligar a região oeste do estado ao site portuário Itajaí-Navegantes e ao Porto de Imbituba, da BR-282, trechos São José do Cerrito-Vargem (70,5 km) e Vargem-Campos Novos (16,6 km), cujas obras já foram iniciadas e se encontram paralisadas, e trecho São Miguel do Oeste- Paraíso-Divisa SC/República da Argentina, já contratado. Dimensão Financeira do Projeto: Trata-se de pavimentar cerca de 290 km de rodovias troncais, a um custo total estimado da ordem de R$ 400 milhões. DUPLICAÇÃO DOS PRINCIPAIS TRONCOS RODOVIÁRIOS Objetivos: Trata-se de executar a duplicação dos principais troncos rodoviários no Estado, além da BR-101 no trecho Palhoça-Osório, já iniciada pelo Governo Federal. As principais rodovias a serem duplicadas estão listados no Anexo 2. Características: O Estado de Santa Catarina possui outras rodovias, além da BR-101, que necessitam serem duplicadas com urgência, face ao intenso tráfego que vêm apresentando, e à ameaça de colapso iminente do acesso rodoviário aos portos de Itajaí e São Francisco do 16

17 Sul. Destacam-se neste contexto a BR-280, trecho São Francisco do Sul-Jaraguá do Sul e a BR-470, trecho Navegantes-Gaspar-Blumenau- Indaial-Rio do Sul. Outra obra importante e necessária, notadamente para a capital do Estado, é a conclusão total da Via Expressa Sul. Dimensão Financeira do Projeto: Não estão definidos ainda os custos destas obras, em face de não estarem ainda concluídos os projetos de engenharia. Somente para o trecho mais crítico da BR-470, entre Gaspar e Indaial, com 26,9 km de extensão, o Projeto de Duplicação foi concluído em 2002 pelo DER, atual DEINFRA. O custo demanda atualmente a cerca de R$ 250 milhões (US$ 3 milhões/km), incluindo construção de vias marginais e remanejamento de redes de serviços públicos. MODELAGEM INSTITUCIONAL E FINANCEIRA DOS PROJETOS PROPOSTOS Programa de Conservação de Rodovias - A execução dos programas de expansão e manutenção de rodovias invariavelmente é inviabilizada por falta de recursos financeiros, daí o lamentável estado da maior parte das rodovias do país. No caso de Santa Catarina, como o modal rodoviário no estado de Santa Catarina representa 92% na matriz de transporte sem perspectivas de alterações no curto prazo, torna-se urgente a solução dos problemas das rodovias estaduais. A- lém das rodovias estaduais, é importante que se estadualize as rodovias federais mais importantes através de convênio com o Governo Federal, cabendo ao Governo do Estado assegurar os 17

18 recursos para a sua manutenção. Os recursos financeiros para tal, no entanto, não podem depender apenas do Orçamento estadual. Há que se prever fontes permanentes de recursos, vinculados à expansão e manutenção das rodovias, diferente da CIDE, que apesar de ter sido criada para atender a infra-estrutura de transporte, não tem tido sua arrecadação vinculada a essa finalidade. Propomos a criação do Fundo de Expansão e Manutenção das Rodovias do Estado de Santa Catarina, tendo como modelo o FETHAB, fundo criado pelo Estado do Mato Grosso, em 2000, que apresenta excelentes resultados. Os recursos do Fundo catarinense, a exemplo do FETHAB, seriam provenientes do Governo, que garantiria a destinação ao mesmo de um percentual da arrecadação do ICMS, e da iniciativa privada, cuja contribuição seria representada por uma Taxa Rodoviária a ser definida em função dos produtos transportados dentro do Estado, recolhida diretamente ao Fundo. O FETHAB tinha por objetivo gerar recursos para investimentos em Parcerias Público-Privadas em infra-estrutura de transporte e habitação. No Anexo 3, pode-se ver a Lei Estadual que criou o FETHAB, e o resultado, em termos de arrecadação, obtido nos primeiros anos de funcionamento do mesmo. Pavimentação de Rodovias Troncais A execução de pavimentação de rodovias troncais depende de parceria com o Governo Federal, uma vez que a maior parte das intervenções deve ser feita em rodovias federais. No entanto, uma vez negociado um acerto nesse sentido, o 18

19 programa poderá passar a receber recursos do Fundo de Expansão e Manutenção das Rodovias do Estado de Santa Catarina. Um exemplo é a obra de pavimentação da BR-282, em que o trecho São José do Cerrito-Vargem teve a terraplenagem executada pelo DER/SC. Duplicação dos Principais Troncos Rodoviários do Estado A duplicação dos trechos prioritários da BR-280 e da BR-470, passa por entendimento com o Governo Federal, por se tratar de rodovias federais. As principais são a duplicação da BR-101 a partir de Palhoça em direção ao sul (Estado do Rio Grande do Sul), em construção, da BR- 280, do Porto de São Francisco do Sul até Jaraguá do Sul, e da BR- 470, entre Campos Novos e Navegantes. A duplicação da BR-101 no trecho Palhoça-Osório será efetuada com recursos do orçamento do Ministério dos Transportes, já tendo sido i- niciada. A solução para a BR-280 é a concessão rodoviária do trecho São Francisco do Sul-Jaraguá do Sul, podendo-se estender o trecho concessionado até Porto União, desde que mantida a prioridade para a duplicação do trecho entre o porto e Jaraguá do Sul (71,5 km). Com relação à BR-470, a melhor solução, dada a urgência da duplicação, é a manutenção da licitação já efetuada, mesmo que seja necessária uma negociação para reduzir o valor do pedágio. Concessões Rodoviárias Federais e Estaduais no Estado de Santa Catarina Levando-se em conta as restrições orçamentárias, tanto do 19

20 Ministério dos Transportes quanto do Estado, é óbvio que a melhor maneira de se conseguir manter rodovias submetidas a intenso movimento em condições adequadas de trafegabilidade, é a de entregá-las em concessão a grupos privados, desde que garantidas condições de modicidade tarifária. O Ministério dos Transportes anunciou a concessão da BR-116 no trecho que abrange o Estado de Santa Catarina, bem como da BR-101, após a execução da duplicação Palhoça-Osório. As condições atuais para uma licitação de concessão rodoviária, são mais favoráveis no caso da BR-101 do que em relação à BR-116, tanto sob o aspecto geográfico, como pelo fato de que a BR-101 já estará duplicada com recursos orçamentários federais. Essa estrada tem atraído uma quantidade muito grande dos veículos de carga que atravessam o Estado como simples corredor de passagem no sentido Norte-Sul, ligando o Rio Grande do Sul com os estados ao Norte. Por esse motivo, enquanto a BR-101 apresenta uma média de caminhões/dia, a BR-116 tem apresentado uma média de apenas caminhões/dia. Não obstante uma parcela desse movimento é gerada no próprio estado, será importante estabelecer uma estratégia que favoreça o transito de passagem no sentido Norte-Sul, pela BR-116. Com relação à BR-470, a forma mais prática e rápida de se proceder aos urgentes investimentos necessários é revalidar a licitação já efetuada, o que pode ser feito através de negociação com o Governo Federal. 20

21 Finalmente, sugerimos que o Estado elabore um estudo para identificar os trechos rodoviários estaduais ou federais passíveis de concessão. Alguns trechos que mereceriam estudo mais aprofundado para se detectar a viabilidade de concessões, seriam a BR-282, de São Miguel do Oeste até a BR-470, em Campos Novos, e futuramente, após concluídas as obras, do trecho entre a BR-470, perto de Campos Novos, e a BR-116, em Lages, e o conjunto SC-438 e SC-439, da BR- 101, em Tubarão, até a BR-116, em Lages. Esses dois conjuntos de concessões poderão apresentar importante volume de tráfego, o que justificaria sua inclusão num programa de privatização, antes mesmo da conclusão das obras de pavimentação e/ou implantação/pavimentação dos trechos da SC-439 entre Urubici e Grão Pará, e José do Cerrito-Vargem-Campos Novos da BR

22 3 PROJETO Nº 2 - EIXO LOGÍSTICO SÃO FRANCIS- CO DO SUL BABITONGA O porto de São Francisco do Sul movimentou em 2002, toneladas de carga, sem considerar a carga de derivados movimentada pelo terminal da Petrobras. Desse total, apenas 25% (1.275 toneladas) são cargas com origem ou destino em Santa Catarina. Cerca de toneladas que poderiam ser exportadas por São Francisco do Sul, foram para Paranaguá. Do total movimentado 80% é exportação, sendo que 35% do complexo soja, cerca de 35% de cargas conteinerizadas, e os outros 10%, outras cargas. Como ocorre em todos os portos que se encontram próximos da saturação, em São Francisco há uma intensa disputa entre os terminais graneleiros e de contêineres. Para o Estado, estratégica e economicamente, é mais interessante que se dê preferência aos contêineres, uma vez que o estado tem uma economia voltada à agregação de valor aos produtos, o que implica necessária e inevitavelmente no uso de contêineres. Os grãos provêm, quase que exclusivamente, de outros estados para serem exportados. A única empresa que agrega valor em Santa Catarina é a Bunge, que mantém uma unidade de esmagamento junto ao porto. Um grave problema do porto de São Francisco do Sul é o congestionamento rodoviário ocasionado pelo excesso de veículos na BR-280, em especial no trecho Jaraguá do Sul-porto. Outro problema é o acesso ferroviário, pelo fato de que a velocidade comercial das composições é muito 22

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL

PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL HISTÓRICO ESTADO DE SANTA CATARINA PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL A história do Porto de São Francisco do Sul teve inicio em dezembro de 1912, quando a Companhia Estrada de Ferro São Paulo - Rio Grande

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m)

Leia mais

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Fórum de Infraestrutura e Logística do RS Nov/2009 Eng. Darci Tartari Divisão de Planejamento Localização do Porto do Rio Grande no Conesul São Francisco

Leia mais

Vetor UF Nome Localização / Descrição Tipo de Intervenção PAC? Status Extensão

Vetor UF Nome Localização / Descrição Tipo de Intervenção PAC? Status Extensão Aeroviário Ferroviário Criciúma - Forquilinha/ Criciúma - Forquilinha/ Construção/Melhorias Não Planejado 8.081 N.A. Pós 2015 Florianópolis/ (Internacional Hercílio Luz) - Infraero Jaguaruna, Correia Pinto

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Naval e Oceânica

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Naval e Oceânica Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Naval e Oceânica Análise de viabilidade técnica e econômica da implantação de um terminal portuário na região de Cananéia-Iguape

Leia mais

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO 1 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA MUNDIAL Rotterdam (5) (1) (4) Porto do Itaqui (3) (2) Itaqui China (Shangai) (1) Via Canal Panamá ~ 12.000

Leia mais

A REALIDADE LOGÍSTICA

A REALIDADE LOGÍSTICA A REALIDADE LOGÍSTICA Logística NO BRASIL Por Marco Aurélio O Brasil teve, até o ano de 2010, 1,76 milhão de quilômetros de vias rodoviárias. Desse total, somente 212.000 quilômetros estavam pavimentados.

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes O Papel do Governo no Transporte Ferroviário Atuação do Ministério dos Transportes Brasília, 11 de agosto de 2010 Paulo Sérgio Passos Ministro dos Transportes Um momento especial 2010 tem sido um ano de

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

SUBSÍDIO EXPEDITO SOBRE A FERROVIA LESTE - OESTE MARACAJÚ (MS) MAFRA(SC) e PORTOS SC e PR

SUBSÍDIO EXPEDITO SOBRE A FERROVIA LESTE - OESTE MARACAJÚ (MS) MAFRA(SC) e PORTOS SC e PR SUBSÍDIO EXPEDITO SOBRE A FERROVIA LESTE - OESTE MARACAJÚ (MS) MAFRA(SC) e PORTOS SC e PR Realização: Apoio: Execução: Fl. 1 Apresentação Este estudo é uma iniciativa da FIESC, que conta com o apoio do

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência 7. OS ELEMENTOS DE INTERESSE NO PDZPO Este capítulo apresentará os elementos condicionantes do PDZPO incluídos no PA, quais sejam: As projeções de fluxos de carga; A frota prevista; Os usos previstos do

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES GOVERNO FEDERAL PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL Março/2004 PORTO DE SANTOS Localização dos Terminais Derivados Petróleo Autos Inflam. Papel Margem Esquerda Contêineres. Trigo

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Categoria: Construção de Ferrovia

Categoria: Construção de Ferrovia Projeto 015 : Construção do contorno ferroviário de São Francisco do Sul E2 Ferroviária LOCALIZAÇÃO: São Francisco do Sul - SC INTERVENÇÃO: Construção Categoria: Construção de Ferrovia EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME:

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão Estamos presentes em mais de 38 países Geramos mais de 174 mil empregos no mundo Além de minérios, atuamos na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia

Leia mais

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Fernando Antonio Brito Fialho Agência Nacional de Transportes Aquaviários Diretor Geral São Paulo, 16 de junho de 2009

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO

MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1 INFORMAÇÕES DOS TERMINAIS PORTUÁRIOS 3 2 TERMINAIS PORTUÁRIOS DO COMPLEXO DE TUBARÃO 3 3 4 3.1 TERMINAL PORTUÁRIO DE MINÉRIO DE FERRO DE TUBARÃO - TU 4 3.1.1. PÍER 1 - NORTE

Leia mais

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande E9 Portuária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS Categoria: Dragagem / Derrocamento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME: 2.000.000 m³ JUSTIFICATIVA:

Leia mais

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo ANTAQ

Leia mais

Propostas do setor avícola para a superação de gargalos na infraestrutura logística

Propostas do setor avícola para a superação de gargalos na infraestrutura logística Propostas do setor avícola para a superação de gargalos na infraestrutura logística (PORTOS, FERROVIAS, RODOVIAS, FISCALIZAÇÃO E ÓRGÃOS FEDERAIS) UNIÃO BRASILEIRA DE AVICULTURA (UBABEF) A UNIÃO BRASILEIRA

Leia mais

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br PORTO DE PORTO ALEGRE Histórico: Início da obra: 28 de outubro de 1911, pelo Governo Federal construído

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

Rodovia Perimetral Norte

Rodovia Perimetral Norte Buscando criar um novo caminho que integre as três rodovias Federais (Br s 101, 116 e 324), que cruzam Feira de Santana, a rodovia perimetral norte de 33 km, surge como uma alternativa muito importante

Leia mais

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO Í N D I C E Aprovações e Alterações Resolução nº. 011, de 11 de Fevereiro de 2010, do Conselho de Autoridade Portuária do Porto de Pelotas/RS

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM

PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM O início da construção do Porto Velho do Rio Grande data de 1869 e sua inauguração aconteceu em 11 de outubro de 1872. Em 2 de junho de 1910,começou a implantação do Porto Novo,

Leia mais

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação Apoio s previstos no PIL 2015 no Corredor Logístico Centro-Norte s estimados em R$ 29,5bilhões com o PIL 2015 Rodovias

Leia mais

O porto é administrado pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp).

O porto é administrado pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). PORTO DE SANTOS ORIGEM A expansão da cultura do café na província de São Paulo, na segunda metade do século passado, atingindo a Baixada Santista, originou a necessidade de novas instalações portuárias

Leia mais

Porto de Fortaleza. O desenvolvimento do Ceará passa por aqui

Porto de Fortaleza. O desenvolvimento do Ceará passa por aqui Porto de Fortaleza O desenvolvimento do Ceará passa por aqui O Porto de Fortaleza: porto de múltiplo uso Navios de Carga Geral / Navios Roll-on e Roll-off Navios Porta-Contêineres Navios de Passageiros

Leia mais

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Objetivo Elaborar o projeto conceitual do Terminal Portuário da EMBRAPS em Santarém, para exportação de granéis sólidos (soja e milho). O projeto

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

ENTRAVES NO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO

ENTRAVES NO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO ENTRAVES NO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO 1 INTRODUÇÃO A ANTF Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários congrega oito empresas Concessionárias prestadoras dos serviços públicos de transporte

Leia mais

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal:

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal: PORTO DE PECEM. Trata-se de um terminal marítimo concebido para propiciar operações portuárias eficientes, tornando-o altamente competitivo com acessos rodoviários e ferroviários livres e independentes

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL 94 4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL Nos capítulos anteriores foi apresentado o produto a ser tratado, suas principais regiões produtoras, suas perspectivas de crescimento, sua logística

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA INDÚSTRIA CATARINENSE Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina FIESC Glauco José

Leia mais

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011 Cresce o transporte de cargas nas ferrovias brasileiras As ferrovias brasileiras se consolidaram como uma alternativa eficiente e segura para o transporte de cargas. A, que traçou um panorama do transporte

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA

PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA INSTITUTO BESC PAINEL 2015 LUIS HENRIQUE T. BALDEZ Presidente Executivo BRASÍLIA, 07/10/2015 A INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA ESQUEMA DE ANÁLISE RODOVIAS

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

IV Brasil nos Trilhos

IV Brasil nos Trilhos IV Brasil nos Trilhos Crescimento do Setor Ferroviá Bruno Batista Diretor Executivo CNT Brasília, 11 de agosto de 2010. Objetivos da Pesquisa Identificar as alterações ocorridas no setor nos últimos anos

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

1º Lugar. População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano. R$ 2,753 bilhões PIB per capita: PIB (2005):

1º Lugar. População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano. R$ 2,753 bilhões PIB per capita: PIB (2005): População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano PIB (2005): R$ 2,753 bilhões PIB per capita: R$ 8.784,00 Principais distâncias: Goiânia: 54 km Brasília: 154 km São

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE FERROVIÁRIO OUTUBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS O transporte ferroviário responde por 20,7% do transporte de cargas no Brasil e por 0,5% do transporte

Leia mais

REUNIÃO PÚBLICA APIMEC-SP. Vida e desenvolvimento em equilíbrio

REUNIÃO PÚBLICA APIMEC-SP. Vida e desenvolvimento em equilíbrio REUNIÃO PÚBLICA APIMEC-SP Vida e desenvolvimento em equilíbrio 12/06/2012 Vida e desenvolvimento em equilíbrio ECORODOVIAS ESTRUTURA SOCIETÁRIA A EcoRodovias é uma das maiores empresas de infraestrutura

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA

EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA O eixo de infraestrutura logística do PAC tem como objetivo ampliar a qualidade dos serviços de transporte, para aumentar a competitividade da

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA v UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA UM PORTO É UM GRANDE PORTO QUANDO ELE OFERECE OPORTUNIDADES No litoral Maranhense, na margem leste da Baía de São

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

TRANSPORTE E LOGÍSTICA

TRANSPORTE E LOGÍSTICA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA AGENDA TRANSPORTE E LOGÍSTICA 2015 Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina Glauco José Côrte Presidente da FIESC Mario Cezar de Aguiar

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1.

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1. Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. PORTO DE ITAQUI/MA AÇAILÂNDIA/MA Extensão de 1.550 km; Açailândia/MA Goiânia/GO;

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011)

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) Dispõe sobre a obrigatoriedade de existência de Pontos de Apoio nas rodovias e dá outras providências.

Leia mais

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 Rio de Janeiro, 18 e 19 de Agosto de 2011 Reflexos das Concessões de Terminais Públicos e Privativos Juarez Moraes e Silva Presidente do Conselho Associação

Leia mais

Principais Fatos e Números

Principais Fatos e Números Principais Fatos e Números BRAZIL Brasil Minas Gerais Região Metropolitana de Classificado como a 6ª maior economia em 2011, esperando chegar à 5ª posição até 2016. 3 ª maior economia dentre os 27 Estados

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA. PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA. PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação 06 de maio de 2009 PARCERIA PUBLICO-PRIVADA AGENDA 1. PROCESSO DE ESTRUTURAÇÃO DAS

Leia mais

O Círculo Vicioso da Instabilidade Política e a Necessidade de Planejamento Estratégico de Longo Prazo

O Círculo Vicioso da Instabilidade Política e a Necessidade de Planejamento Estratégico de Longo Prazo O Círculo Vicioso da Instabilidade Política e a Necessidade de Planejamento Estratégico de Longo Prazo Figura importada dos relatórios do PPIAF - Public Private Infrastructure Advisory Facility (http://www.ppiaf.org/)

Leia mais

6. Terminais Dedicados

6. Terminais Dedicados 6. Terminais Dedicados 6.1. Viáveis no caso brasileiro? Com base no que já foi exposto, cabe ainda outra discussão que cada vez mais está presente para armadores e operadores portuários. Existe real vantagem

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

SEPETIBA TECON. VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop

SEPETIBA TECON. VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop SEPETIBA TECON MAIS DO QUE UM PORTO, UM PARCEIRO LOGÍSTICO VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop INFRAESTRUTURA/ ACESSOS Rodoviário Ferroviário Marítimo Linhas de

Leia mais

Transferência e distribuição

Transferência e distribuição Transferência e Distribuição Transferência e distribuição O sistema logístico inclui, na maioria dos casos, dois tipos de transporte de produtos: A transferência: envolve deslocamento maciços entre dois

Leia mais

Renato Ferreira Barco

Renato Ferreira Barco 27/08/2013 OS PROBLEMAS LOGÍSTICOS DO PORTO DE SANTOS E SOLUÇÕES A CURTO, MÉDIO E LONGO PRAZO Renato Ferreira Barco DIRETOR PRESIDENTE 34 35 36 38 39 42 43 48 53 60 68 72 76 80,7 81,1 83,2 96 97,2 104,5

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PDZ DO PORTO DE BELÉM E TERMINAL DE MIRAMAR

PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PDZ DO PORTO DE BELÉM E TERMINAL DE MIRAMAR DO PORTO DE BELÉM E TERMINAL DE MIRAMAR E m obediência ao que estabelece a alínea X do.1º do Art. 30 da lei 8.630/93, temos a satisfação de encaminhar para a aprovação do Conselho de Autoridade Portuária

Leia mais

COSAN DAY 2012. Julio Fontana

COSAN DAY 2012. Julio Fontana COSAN DAY 2012 Julio Fontana Disclaimer Esta apresentação contém estimativas e declarações sobre operações futuras a respeito de nossa estratégia e oportunidades de crescimento futuro. Essas informações

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades Ferrovias OBJETIVOS Ferrovias Novo modelo de investimento/exploração das ferrovias Quebra do monopólio na oferta de serviços de transporte ferroviário Expansão, modernização e integração da malha ferroviária

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

PLANO DE ZONEAMENTO DAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE RIO GRANDE

PLANO DE ZONEAMENTO DAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE RIO GRANDE PLANO DE ZONEAMENTO DAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE RIO GRANDE JULHO/2011 Aprovado pelo Conselho de Autoridade Portuária do Porto do Rio Grande Av. Honório Bicalho, s/nº - CP 198 Rio Grande RS Brasil/CEP

Leia mais

Transporte hidroviário de cargas: uma proposta para a Baixada Santista.

Transporte hidroviário de cargas: uma proposta para a Baixada Santista. Transporte hidroviário de cargas: uma proposta para a Baixada Santista. Eduardo Andrade Chaves 1 ; Glayce Batista Gomes Leite 2 ; Júlio César Reis de Jesus 3 ; Adilson Luiz Gonçalves 4. 1 Universidade

Leia mais

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS Câmara dos Deputados Comissão Especial PL 0037/11 Audiência Pública em 18 de Setembro de 2013 TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS (Brasília-DF) INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO SUMÁRIO 1) A MINERAÇÃO HOJE 2) MINERAÇÃO

Leia mais

VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG. Panorama: Logística Portuária

VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG. Panorama: Logística Portuária VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG Panorama: Logística Portuária Bacharel em Comércio Exterior pela Unicenp (Curitiba/PR) Rodrigo FONSECA rodrigo.fonseca@tcp.com.br +55 41 3420.3334 +55 41

Leia mais

Brado Logística e Incorporação Standard. Atualização - 20 de dezembro de 2010

Brado Logística e Incorporação Standard. Atualização - 20 de dezembro de 2010 Ressalvas Este Documento é destinado aos acionistas da ALL América Latina Logística S.A. e tem por objetivo apresentar os mesmos fatos e eventos descritos no Fato Relevante divulgado no dia 20 de dezembro

Leia mais

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento 1. Introdução 1.1. O presente Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento tem por objetivo tratar dos seguintes aspectos do Arrendamento:

Leia mais

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro Bernardo Figueiredo Presidente da Empresa Brasileira de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2005

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2005 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2005 Srs. Acionistas Os resultados obtidos pela EcoRodovias consolidam definitivamente a nossa posição entre as principais companhias em gestão de concessão de rodovias. Nossa

Leia mais

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF São Paulo, dia 11 de maio de 2010 MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Fórum de Transporte Multimodal de Cargas Os entraves na Multimodalidade e a Competitividade Associação

Leia mais

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹ A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO Valéria Cristina Campos¹ Resumo. A eficiência ferroviária em transporte de grandes quantidades a grandes distâncias, adequada aos países de dimensões continentais

Leia mais