MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO"

Transcrição

1

2 ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1 INFORMAÇÕES DOS TERMINAIS PORTUÁRIOS 3 2 TERMINAIS PORTUÁRIOS DO COMPLEXO DE TUBARÃO TERMINAL PORTUÁRIO DE MINÉRIO DE FERRO DE TUBARÃO - TU PÍER 1 - NORTE PÍER 1 SUL PÍER SISTEMA DE ESTOCAGEM SISTEMA DE MANUSEIO DO PRODUTO SISTEMA DE CARREGAMENTO DE NAVIOS TERMINAL DE PRODUTOS DIVERSOS - TPD TPD TPD CARACTERÍSTICAS DOS EQUIPAMENTOS EXISTENTES NOS PÍERES 3 E PÍER 5 - TGL CAIS DE REBOCADORES 14 2

3 1 INFORMAÇÕES DOS TERMINAIS PORTUÁRIOS Os Terminais Portuários do Complexo de Tubarão dispõem de vários tipos de equipamentos de grande porte para a movimentação e transporte de cargas em granel e atualmente operam com minério de ferro, pelotas, calcário, rocha fosfática, manganês, carvão, coque, antracito, soja, farelo de soja, milho, cloreto de potássio, ureia, enxofre, dentre outros. Localizado no estado do Espírito Santo, na cidade de Vitória, lado norte da baía do Espírito Santo, ponta de Tubarão na posição das coordenadas geográficas: Latitude Sul Longitude Oeste 2 TERMINAIS PORTUÁRIOS DO COMPLEXO DE TUBARÃO O complexo é composto de 2 Terminais separados fisicamente pela Rodovia São Geraldo, o Terminal de Tubarão e o de Praia Mole, que serão detalhados a seguir: o Terminal Portuário de Minério de Ferro e Carga Geral de Tubarão (TU, TPD, TGL); o Terminal Portuário de Praia Mole (TPM). A figura 1 apresenta os terminais portuários presentes no Complexo de Tubarão com as cargas predominantes. 3

4 TGL Terminal de Granéis Líquidos (Combustíveis) TPM Terminal de Praia Mole (Carvão) TPD Terminal de Produtos Diversos (Grãos e Fertilizantes) Terminal de Tubarão (Minério) Figura 1 Píeres do Complexo de Tubarão TERMINAL PORTUÁRIO DE MINÉRIO DE FERRO DE TUBARÃO - TU A construção do Terminal Portuário de Minério de Ferro de Tubarão foi iniciada em 1962 pela então Companhia Vale do Rio Doce, através de um projeto pioneiro idealizado por Eliezer Batista. Foi inaugurado em 01 de Abril de 1966 e sua construção contribuiu para criar um novo processo logístico de transporte de granéis sólidos e líquidos entre as nações, mundo afora. Quando inaugurado, o porto contava com um virador de vagões, uma empilhadeira e um carregador de navios, ambos com uma linha de transportadores. A recuperação de minério dos pátios para o embarque era realizada com um sistema de Hopper e escavadeiras de mina. 4

5 A partir de 1973, o Terminal Portuário de Minério de Ferro de Tubarão recebeu enorme expansão para atender ao aumento da demanda mundial pelo minério. Foi construído um novo cais e novos pátios, ampliando a capacidade de embarque para t/h, revolucionando o mercado, o que levou os armadores a construir navios cada vez maiores. A DOCENAVE, então subsidiária da VALE no transporte marítimo, encomendou navios de toneladas, inexistentes à época. A VALE consolidou-se como a maior exportadora de minério transoceânico do mundo. Atualmente, o maior navio do mundo que frequenta o porto tem capacidade de toneladas. Figura 2 - Píer 1 Norte e Sul e Píer 2. 5

6 PÍER 1 - NORTE Restrições referentes aos navios Porte bruto máximo Comprimento total máximo toneladas métricas LOP 1-301,00 metros LOP 2-320,00 metros Boca máxima Calado máximo 50,00 metros LOP 1-17,00 metros mais maré LOP 2 15,20 metros mais maré Características operacionais Comprimento operacional LOP 1-323,40 metros LOP 2-353,70 metros Cais acostável Profundidade de projeto 357,70 metros LOP 1-18,00 metros mais maré LOP 2 16,20 metros mais maré 6

7 PÍER 1 SUL Restrições referentes aos navios Porte bruto máximo Comprimento total máximo toneladas métricas LOP 1-285,00 metros LOP 2-285,00 metros Boca máxima LOP 1-43,50 metros LOP 2-45,00 metros Calado máximo LOP 1-16,00 metros mais maré LOP 2 13,00 metros mais maré Características operacionais Comprimento operacional LOP 1-323,40 metros LOP 2-340,30 metros Cais acostável Profundidade de projeto 340,30 metros LOP 1-17,00 metros mais maré LOP 2 14,00 metros mais maré 7

8 PÍER 2 Restrições referentes aos navios Porte bruto máximo Comprimento total máximo Boca máxima Calado máximo toneladas métricas 365,00 metros 66,00 metros 22,30 metros mais maré limitado a 23 metros Características operacionais Comprimento operacional Largura de projeto Cais acostável Profundidade de projeto 456,25 metros 82,50 metros 210,00 metros 25,30 metros SISTEMA DE ESTOCAGEM Dividido em duas grandes áreas, Área Nova e Área Velha, a capacidade de estocagem operacional é de toneladas de minério de ferro, granulados de minério de ferro e pelotas. Essas se subdividem em 11 pátios na seguinte configuração: Área Velha Área Nova 4 pátios 7 pátios 8

9 MEMORIAL DESCRITIVO DO Figura 3 - Píer 1 Norte e Sul e Píer SISTEMA DE MANUSEIO DO PRODUTO Destinado à movimentação dos produtos para formação do estoque e recuperação dos mesmos para o embarque nos navios, o sistema de manuseio do produto é composto por quatro empilhadeiras, duas empilhadeiras escravas, três empilhadeiras recuperadoras e cinco recuperadoras, com suas capacidades e características descritas conforme tabela a seguir: Equipamento portuário TAG Área de Localização Capacidade Nominal (Ton/h) EP01 Área Velha EP02 Área Velha EP03 Área Nova EP04 Área Velha Escrava EE01 Área Nova Escrava EE02 Área Nova Recuperadora ER01 Área Nova Recuperadora ER02 Área Nova Recuperadora ER03 Área Nova

10 Recuperadora RC01 Área Velha Recuperadora RC02 Área Velha Recuperadora RC03 Área Velha Recuperadora RC04 Área Nova Recuperadora RC05 Área Nova SISTEMA DE CARREGAMENTO DE NAVIOS Integrado ao sistema de manuseio dos produtos, o sistema de carregamento de navios é composto por quatro carregadores de navios com suas respectivas capacidades e características operacionais descritas conforme tabela a seguir: Equipamento portuário TAG Área de Localização Capacidade Nominal (Ton/h) Berços de carregamento Carregador de navio Carregador de navio CN01A Píer CN02A Píer Píer 1 Norte / Píer 1 Sul Píer 1 Norte / Píer 1 Sul Carregador de navio Carregador de navio CN03 Píer Píer 2 CN04 Píer Píer 2 10

11 3.2 TERMINAL DE PRODUTOS DIVERSOS - TPD O Terminal de Produtos Diversos, também localizado no Terminal de Tubarão em Vitória ES é subdividido em 3 Píeres de características distintas: o Píer 3 o Píer 4 o Píer 5 - TGL Píer 5 - TGL TPD 3 TPD 4 Figura 4 Píeres 3, 4 e TPD 3 O sistema conta com 02 moegas, 01 torre de pesagem, 08 armazéns horizontais e 02 cônicos com capacidade de estocar aproximadamente 500 mil toneladas. O píer possui 280 metros de comprimento onde opera o carregamento de soja, grãos e farelos, podendo operar com outros produtos agrícolas como milho e açúcar. 11

12 Existem 04 carregadores de navios tipo torre, o sistema alcança a capacidade de embarque de mil toneladas/hora. Dados do Navio de Projeto TPB = t Loa = 280m Boca = 43,5m Calado = 15,0m TPD 4 A área de fertilizante conta com 03 armazéns horizontais, sendo 01 Armazém de Fertilizante para toneladas, 01 Armazém de Granéis sólidos para toneladas e 01 Armazém de carga Geral com 3.200m 3, 02 guindastes móveis e 02 alimentadores. O píer possui 230 metros de comprimento onde opera a descarga de fertilizantes. Além destes, o terminal tem a flexibilidade para operar com outros produtos para importação (clínquer, trilhos, contêineres, bobinas etc.) e exportação (contêineres, bobinas, açúcar, blocos de granito, etc.). No total, o TPD possui 19,5 quilômetros de correias transportadoras e os principais produtos manuseados são: soja, farelo de soja, milho, cloreto de potássio, ureia, fosfato monoamônico, superfosfato triplo, sulfato de sódio, fosfato natural, fosfato nitroso, antracito, potássio, rocha fosfática e enxofre. Dados do Navio de Projeto TPB = t Loa = 245m Boca = 32,5m Calado = 12,0m 12

13 CARACTERÍSTICAS DOS EQUIPAMENTOS EXISTENTES NOS PÍERES 3 E 4 Os guindastes móveis GM-03 e GM-04 operam na descarga de fertilizantes e outras cargas, enquanto que os carregadores de Navios CN-05 ao CN-08 operam no carregamento de grãos e farelos PÍER 5 - TGL Especializado na descarga de combustíveis, o píer 5 (TGL) possui 124 metros de comprimento e na plataforma central estão as tubulações que ligam o Terminal a área de Tancagem. Os equipamentos de bombeamento de líquidos estão nos próprios navios que atracam no Terminal. A Vale é responsável administrativamente por este terminal que é operado pela Transpetro. Dados do Navio de Projeto TPB = t Loa = 181m Boca = 30m Calado = 11,35m 13

14 Figura 5 Terminal de graneis líquidos CAIS DE REBOCADORES O cais de rebocadores fica próximo ao Píer 2 e é utilizado como apoio para as operações nos Terminais de Tubarão e de Praia Mole. O cais é formado por uma estrutura de estacas prancha atirantada no enrocamento, com 140m de cais acostável. 14

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

Transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável.

Transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável. Complexo de Tubarão Nossa Missão Vale Transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável. Nossa Visão Vale Ser a empresa de recursos naturais global nº 1 em criação de valor de

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08 Logística Integrada André Ravara A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais

Leia mais

Agenda. A Vale Logística da Vale. Números Corredores Logísticos. Novos Corredores. FNS Noroeste de MG

Agenda. A Vale Logística da Vale. Números Corredores Logísticos. Novos Corredores. FNS Noroeste de MG Agenda A Vale Logística da Vale Números Corredores Logísticos Novos Corredores FNS Noroeste de MG A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais de 500 comunidades ao

Leia mais

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência 7. OS ELEMENTOS DE INTERESSE NO PDZPO Este capítulo apresentará os elementos condicionantes do PDZPO incluídos no PA, quais sejam: As projeções de fluxos de carga; A frota prevista; Os usos previstos do

Leia mais

O porto é administrado pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp).

O porto é administrado pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). PORTO DE SANTOS ORIGEM A expansão da cultura do café na província de São Paulo, na segunda metade do século passado, atingindo a Baixada Santista, originou a necessidade de novas instalações portuárias

Leia mais

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Objetivo Elaborar o projeto conceitual do Terminal Portuário da EMBRAPS em Santarém, para exportação de granéis sólidos (soja e milho). O projeto

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

CODESA. DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino)

CODESA. DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino) 2 CODESA CORPO DIRETOR CLOVIS LASCOSQUE Diretor Presidente DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino) HUGO JOSÉ AMBOSS MERÇON

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal:

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal: PORTO DE PECEM. Trata-se de um terminal marítimo concebido para propiciar operações portuárias eficientes, tornando-o altamente competitivo com acessos rodoviários e ferroviários livres e independentes

Leia mais

PETCON PLANEJAMENTO EM TRANSPORTE E CONSULTORIA LTDA. SBS Qd. 02, Ed. Empire Center, Sala 1303 (Cobertura) 70.070-904 Brasília - DF Tel.

PETCON PLANEJAMENTO EM TRANSPORTE E CONSULTORIA LTDA. SBS Qd. 02, Ed. Empire Center, Sala 1303 (Cobertura) 70.070-904 Brasília - DF Tel. COMPANHIA DOCAS DO PARÁ Adequação do Plano de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto de Santarém Novembro/2008 Adequação do PDZ do Porto de Santarém PETCON PLANEJAMENTO EM TRANSPORTE E CONSULTORIA LTDA.

Leia mais

PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM

PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM O início da construção do Porto Velho do Rio Grande data de 1869 e sua inauguração aconteceu em 11 de outubro de 1872. Em 2 de junho de 1910,começou a implantação do Porto Novo,

Leia mais

Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão. - Sistema PAMPA. Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014.

Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão. - Sistema PAMPA. Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014. Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão - Sistema PAMPA Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014. A CCGL tem a missão de integrar as atividades do agronegócio com sustentabilidade,

Leia mais

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO Í N D I C E Aprovações e Alterações Resolução nº. 011, de 11 de Fevereiro de 2010, do Conselho de Autoridade Portuária do Porto de Pelotas/RS

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA

REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA O projeto de revitalização do Porto de Vitória é uma obra do Plano de Aceleração do Crescimento PAC e complementa os projetos de Ampliação do Cais Comercial,

Leia mais

2 ESTUDO DE CASO. Tabela 01: Dimensões das placas

2 ESTUDO DE CASO. Tabela 01: Dimensões das placas 2 ESTUDO DE CASO 2.1. A empresa A Companhia Siderúrgica de Tubarão (CST) está localizada na região da Grande Vitória, Estado do Espírito Santo. A empresa fabrica e comercializa Placas de Aço e Bobinas

Leia mais

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão Estamos presentes em mais de 38 países Geramos mais de 174 mil empregos no mundo Além de minérios, atuamos na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução Nº 4.093 ANTAQ 07/05/2015 Vigência 15/05/2015

Leia mais

4/11/2010 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1

4/11/2010 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1 AQUISIÇÃO DE 01 SCANNER MAIOR EFICIÊNCIA E SEGURANÇA NO PROCESSO DE INSPEÇÃO DOS CONTEINERS. VALOR ESTIMADO: R$ 7,0 MILHÕES BLOCO DE UTILIDADES E SERVIÇOS

Leia mais

Administração do Porto de Maceió - APMC

Administração do Porto de Maceió - APMC Administração do Porto de Maceió - APMC Plano de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto de Maceió Análliise Funciionall e Operaciionall do Porto de Maceiió Março/11 R E L A T Ó R I O D E A N Á L I S E F

Leia mais

Porto de Fortaleza. O desenvolvimento do Ceará passa por aqui

Porto de Fortaleza. O desenvolvimento do Ceará passa por aqui Porto de Fortaleza O desenvolvimento do Ceará passa por aqui O Porto de Fortaleza: porto de múltiplo uso Navios de Carga Geral / Navios Roll-on e Roll-off Navios Porta-Contêineres Navios de Passageiros

Leia mais

TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO)

TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO) TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO) A HISTÓRICO. O TUP do Estaleiro Brasa Ltda foi o primeiro Terminal de Uso Privado autorizado pela Secretaria de Portos da Presidência da Republica (SEP/PR) com a interveniência

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

Informações do Porto de Sepetiba

Informações do Porto de Sepetiba Sumário 1. Introdução... 03 2. História e Desenvolvimento do Porto... 03 3. Vista Paronâmica de Sepetiba... 04 4. Infra-Estrutura Portuária... 04 4.1. Localização... 04 4.2. Cartas de Navegação... 05 4.3.

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução nº 4.093 ANTAQ, de 07/05/2015 Vigência: 15/05/2015 TABELA I - UTILIZAÇÃO

Leia mais

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa.

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. - TABELA I - Proteção e Acesso ao Porto - TABELA II - Instalações de Acostagem

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES GOVERNO FEDERAL PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL Março/2004 PORTO DE SANTOS Localização dos Terminais Derivados Petróleo Autos Inflam. Papel Margem Esquerda Contêineres. Trigo

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL

PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL HISTÓRICO ESTADO DE SANTA CATARINA PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL A história do Porto de São Francisco do Sul teve inicio em dezembro de 1912, quando a Companhia Estrada de Ferro São Paulo - Rio Grande

Leia mais

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org.

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org. A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO A ATRES - Associação dos Terminais Retroportuários, Portuários e dos Usuários dos Portos

Leia mais

PORTO DO RIO DE JANEIRO

PORTO DO RIO DE JANEIRO PORTO DO RIO DE JANEIRO ORIGEM Na década de 1870, com a construção da doca da Alfândega, surgiram os primeiros projetos para o desenvolvimento do porto do Rio de Janeiro, que então funcionava por meio

Leia mais

COSAN DAY 2012. Julio Fontana

COSAN DAY 2012. Julio Fontana COSAN DAY 2012 Julio Fontana Disclaimer Esta apresentação contém estimativas e declarações sobre operações futuras a respeito de nossa estratégia e oportunidades de crescimento futuro. Essas informações

Leia mais

Com estrutura voltada para atendimento no mercado de Óleo e Gás contemplando:

Com estrutura voltada para atendimento no mercado de Óleo e Gás contemplando: A Gavea Logística é uma operadora logística que oferece soluções de logística Portuária, Marítima e Terrestre, em seus terminais localizados no Rio de, e. Com estrutura voltada para atendimento no mercado

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Naval e Oceânica

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Naval e Oceânica Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Naval e Oceânica Análise de viabilidade técnica e econômica da implantação de um terminal portuário na região de Cananéia-Iguape

Leia mais

TARIFA DO PORTO DE SUAPE

TARIFA DO PORTO DE SUAPE SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO TARIFA DO PORTO DE SUAPE Homologada pela RESOLUÇÃO Nº 4.091, DE 7 DE MAIO DE 2015 (D.O.U. de 08.05.15) TABELA 1 UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA MARÍTIMA (Taxas devidas

Leia mais

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência...

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência... TARIFA COMPANHIA DOCAS DO PARÁ PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ Tabela I - Utilização da Infraestrutura Aquaviária (Tarifas

Leia mais

PLANO DE ZONEAMENTO DAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE RIO GRANDE

PLANO DE ZONEAMENTO DAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE RIO GRANDE PLANO DE ZONEAMENTO DAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE RIO GRANDE JULHO/2011 Aprovado pelo Conselho de Autoridade Portuária do Porto do Rio Grande Av. Honório Bicalho, s/nº - CP 198 Rio Grande RS Brasil/CEP

Leia mais

MINERAÇÃO E LUTAS TERRITORIAIS ESPÍRITO SANTO/ BRASIL

MINERAÇÃO E LUTAS TERRITORIAIS ESPÍRITO SANTO/ BRASIL MINERAÇÃO E LUTAS TERRITORIAIS ESPÍRITO SANTO/ BRASIL Mineração na América Latina neoextrativismo e lutas territoriais 3 e 4 da Agosto de 2015/ UFMG Cristiana Losekann - UFES MAIOR POLO EXPORTADOR DE MINÉRIO

Leia mais

ANEXO 1-A CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DOS PORTOS E TERMINAIS PRIVADOS DA JURISDIÇÃO DA CPRS E OM SUBORDINADAS

ANEXO 1-A CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DOS PORTOS E TERMINAIS PRIVADOS DA JURISDIÇÃO DA CPRS E OM SUBORDINADAS Anexo 1-A da ANEXO 1-A CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DOS PORTOS E TERMINAIS PRIVADOS DA JURISDIÇÃO DA CPRS E OM SUBORDINADAS a) Porto do Rio Grande O Decreto Presidencial

Leia mais

Manuseio, Mineração, Processamento Equipamentos para Mineração, Siderurgia e Portos

Manuseio, Mineração, Processamento Equipamentos para Mineração, Siderurgia e Portos Manuseio, Mineração, Processamento Equipamentos para Mineração, Siderurgia e Portos A company of ThyssenKrupp Technologies ThyssenKrupp Fördertechnik Latino Americana TK ThyssenKrupp Fördertechnik Latino

Leia mais

ANÁLISE DA CAPACIDADE PORTUÁRIA BRASILEIRA NAS EXPORTAÇÕES DE MINÉRIO DE FERRO E GRÃOS. Rafael Ribeiro Madeira da Silva

ANÁLISE DA CAPACIDADE PORTUÁRIA BRASILEIRA NAS EXPORTAÇÕES DE MINÉRIO DE FERRO E GRÃOS. Rafael Ribeiro Madeira da Silva ANÁLISE DA CAPACIDADE PORTUÁRIA BRASILEIRA NAS EXPORTAÇÕES DE MINÉRIO DE FERRO E GRÃOS Rafael Ribeiro Madeira da Silva Projeto de Graduação apresentado ao curso de Engenharia Civil da Escola Politécnica,

Leia mais

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO EFICIÊNCIA PORTUÁRIA: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL MARÍTIMO PONTA DA MADEIRA - VALE Eixo Temático: Gestão Logística e Operações Luís Carlos Carvalho Nunes

Leia mais

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br PORTO DE PORTO ALEGRE Histórico: Início da obra: 28 de outubro de 1911, pelo Governo Federal construído

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DE SIMULAÇÃO ESTOCÁSTICA NO GERENCIAMENTO DE FILA DE NAVIOS. Ricardo de Almeida Toledo

UMA APLICAÇÃO DE SIMULAÇÃO ESTOCÁSTICA NO GERENCIAMENTO DE FILA DE NAVIOS. Ricardo de Almeida Toledo UMA APLICAÇÃO DE SIMULAÇÃO ESTOCÁSTICA NO GERENCIAMENTO DE FILA DE NAVIOS Ricardo de Almeida Toledo Mestrado em Engenharia Elétrica (Automação) Universidade Federal do Espírito Santo Vitória, ES BRASIL

Leia mais

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO!

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! 17-4-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Agenda: O projeto, missão, visão e estratégia Porto Central: Localização e hinterlândia Acessos Projeto conceitual Cargas e atividades

Leia mais

SEPETIBA TECON. VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop

SEPETIBA TECON. VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop SEPETIBA TECON MAIS DO QUE UM PORTO, UM PARCEIRO LOGÍSTICO VISÃO GERAL Localização estratégica Ficha técnica/ Equipamento One-Stop-Shop INFRAESTRUTURA/ ACESSOS Rodoviário Ferroviário Marítimo Linhas de

Leia mais

PERFIL CORPORATIVO E OPERACIONAL

PERFIL CORPORATIVO E OPERACIONAL PERFIL CORPORATIVO E OPERACIONAL A Empresa A atua como fornecedora de matériaprima para indústria de fertilizantes e de insumos para empresas químicas, além de prestar serviços de logística através de

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS (OEE) NA PRODUTIVIDADE DE MÁQUINA DE PÁTIO: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL PORTUÁRIO PONTA DA MADEIRA (TPPM) FELIPE GEORGE GOMES PEREIRA

Leia mais

3.7 FCA - FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A.

3.7 FCA - FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. 3.7 FCA - FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. 3.7.1 Informações Gerais da Ferrovia A Ferrovia Centro-Atlântica S.A. obteve a concessão da Malha Centro-Leste, pertencente à Rede Ferroviária Federal S.A., no

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS NA EXPORTAÇÃO DE GRÃOS NO PORTO DE VITÓRIA: ANÁLISE DE AVARIAS NA DESCARGA DE VAGÕES GRANELEIROS.

ASPECTOS LOGÍSTICOS NA EXPORTAÇÃO DE GRÃOS NO PORTO DE VITÓRIA: ANÁLISE DE AVARIAS NA DESCARGA DE VAGÕES GRANELEIROS. ISSN 1984-9354 1 ASPECTOS LOGÍSTICOS NA EXPORTAÇÃO DE GRÃOS NO PORTO DE VITÓRIA: ANÁLISE DE AVARIAS NA DESCARGA DE VAGÕES GRANELEIROS. Sérgio Sampaio Cutrim (UFMA) Artur Dias Piancastelli (VALE) Leo Tadeu

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 6582/2008/SDE/GAB, de 02 de outubro de 2008.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 6582/2008/SDE/GAB, de 02 de outubro de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06079/2009/RJ COGCE/SEAE/MF Em 20 de fevereiro de 2009. Referência: Ofício nº 6582/2008/SDE/GAB, de 02 de outubro de 2008. Assunto:

Leia mais

Informações do Porto de Ilha Guaíba

Informações do Porto de Ilha Guaíba Informações do Porto de Ilha Guaíba Sumário 1. Introdução... 3 2. História e Desenvovimento do Porto... 3 3. Vista Panorâmica de Ilha Guaíba... 4 4. Infra-Estrutura Portuária... 4 4.1. Localização... 4

Leia mais

AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO

AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL A TRAJETÓRIA 2003 Aquisição da Lusosider em Portugal 2002 2005 Início da expansão da Mina Casa de Pedra e do terminal de carvão em Itaguaí Usina

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA A - PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS 100.000 SERVIÇOS OPERACIONAIS O prestador de serviço credenciado deverá pagar

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Vale: sistema maximiza embarque de minério de ferro

Vale: sistema maximiza embarque de minério de ferro Divulgação - Vale Vale: sistema maximiza embarque de minério de ferro Para otimizar as operações de exportação de minério de ferro, a Vale investe no desenvolvimento de sistema que integra as informações

Leia mais

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m)

Leia mais

Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO

Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO Os investimentos da Logística de Carga Geral da Vale Fabiano Lorenzi Rio de Janeiro RJ, 30/05/12 A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de pesquisa,

Leia mais

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos São Paulo, Brasil (Revisado em 24 de julho de 2007) Este relatório é de uso exclusivo do cliente. Nenhuma parte pode ser reproduzida, mencionada ou circulada

Leia mais

SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO

SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS SUAPE Movimentação de Cargas Complexo Industrial Portuário Movimentação de Cargas TECON Suape Novo Terminal de Containers Localização Privilegiada

Leia mais

DADOS PARA UM ESTUDO DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM PÁTIO DE MANOBRAS FERROVIÁRIAS

DADOS PARA UM ESTUDO DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM PÁTIO DE MANOBRAS FERROVIÁRIAS A pesquisa Operacional e os Recursos Renováveis 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN DADOS PARA UM ESTUDO DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM PÁTIO DE MANOBRAS FERROVIÁRIAS Marta Monteiro da Costa Cruz Superintendência

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem BASE LEGAL: RESOLUÇÃO ANTAQ Nº 4093, DE 07 DE MAIO DE 2015 PUBLICADA NO DIARIO OFICIAL DA UNIÃO EM 08 DE MAIO DE 2015 VIGÊNCIA: A PARTIR DE 12/05/2015

Leia mais

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Comércio Exterior UNIPAC Logística Internacional: Conceitos Estratégias Modais Transportes Tendências Logística Internacional CONCEITOS

Leia mais

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não.

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não. TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO PORTUÁRIA TAXAS DEVIDAS PELO ARMADOR 1. Por Tonelagem de Porte Bruto das Embarcações Por unidade 1.1 Na movimentação de contêineres

Leia mais

TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais

TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais DOCAS DO RIO AUTORIDADE PORTUARIA TARIFAS DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO E NITERÓI Operações Portuárias Comerciais TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA - PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO - TABELA II

Leia mais

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1.

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1. Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. PORTO DE ITAQUI/MA AÇAILÂNDIA/MA Extensão de 1.550 km; Açailândia/MA Goiânia/GO;

Leia mais

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO PORTO DE NATAL

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO PORTO DE NATAL PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO PORTO DE NATAL CONSTRUÇÃO DO BERÇO Nº 04 DO PORTO DE NATAL, ATRACADOURO PARA PESCA ARTESANAL E SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA COLISÕES DOS PILARES CENTRAIS DA PONTE NEWTON NAVARRO ATRAVÉS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - APSFS

ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - APSFS ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - APSFS Atualização do Plano de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto de São Francisco do Sul 7 Relatório PDZ Final Tomo II Versão Revisada Outubro / 2003

Leia mais

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Fórum de Infraestrutura e Logística do RS Nov/2009 Eng. Darci Tartari Divisão de Planejamento Localização do Porto do Rio Grande no Conesul São Francisco

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO PORTO CENTRAL CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO VITORIA, 01/8/2012 Jose Maria Novaes 3-8-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Porto Central Visão Ser um complexo portuário indústrial de águas profundas

Leia mais

Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira

Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira Gizelle Coelho Netto (UnB) gizelle@producao.em.ufop.br Priscilla Cristina Cabral Ribeiro (DEPRO/UFOP-PPGEP/UFSCar) priscilla@dep.ufscar.br

Leia mais

Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos

Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos Flávia Barbosa Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) flaflabarbosa0@gmail.com Antônio Carlos Moretti Universidade

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Fernando Antonio Brito Fialho Agência Nacional de Transportes Aquaviários Diretor Geral São Paulo, 16 de junho de 2009

Leia mais

Palavras-chaves: Overall Equipment Effectiviness (OEE); Gestão do Processo de Recuperação de Minério; TPPM; VALE.

Palavras-chaves: Overall Equipment Effectiviness (OEE); Gestão do Processo de Recuperação de Minério; TPPM; VALE. A FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS (OEE) NA GESTÃO DE PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PÁTIO: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL PORTUÁRIO PONTA DA MADEIRA (TPPM) felipe george gomes pereira (EBEI ) felipegeorge10@hotmail.com

Leia mais

Apresentação Corporativa. Dezembro 2014

Apresentação Corporativa. Dezembro 2014 Apresentação Corporativa Dezembro 2014 O Açu é uma solução estruturante para diversas indústrias Exemplo: evolução da indústria do petróleo nos próximos anos Crescimento esperado de 13% ao ano Crescimento

Leia mais

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA v UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA UM PORTO É UM GRANDE PORTO QUANDO ELE OFERECE OPORTUNIDADES No litoral Maranhense, na margem leste da Baía de São

Leia mais

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Fundação André Maggi Originação Processamento Exportação Soja Milho Geração

Leia mais

MODELO DE PLANEJAMENTO DE INVESTIMENTOS EM TERMINAIS PORTUÁRIOS DE GRANÉIS SÓLIDOS

MODELO DE PLANEJAMENTO DE INVESTIMENTOS EM TERMINAIS PORTUÁRIOS DE GRANÉIS SÓLIDOS Verax consultoria VX00-090824-ModeloPlanejamentoPortuario.docx Função: operações Segmento: logística / commodities Tema: planejamento de operações / análise de projetos Metodologia: análise quantitativa

Leia mais

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO 1 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA MUNDIAL Rotterdam (5) (1) (4) Porto do Itaqui (3) (2) Itaqui China (Shangai) (1) Via Canal Panamá ~ 12.000

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Transporte Marítimo. Desempenho dos principais produtos exportados via Espírito Santo no ano de 2003

Transporte Marítimo. Desempenho dos principais produtos exportados via Espírito Santo no ano de 2003 Transporte Marítimo O desempenho da economia do Espírito Santo está assentado na sua inserção nas relações com o mercado nacional e internacional, o que faz da logística um dos fatores estratégicos para

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PDZ DO PORTO DE BELÉM E TERMINAL DE MIRAMAR

PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PDZ DO PORTO DE BELÉM E TERMINAL DE MIRAMAR DO PORTO DE BELÉM E TERMINAL DE MIRAMAR E m obediência ao que estabelece a alínea X do.1º do Art. 30 da lei 8.630/93, temos a satisfação de encaminhar para a aprovação do Conselho de Autoridade Portuária

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Transferência e distribuição

Transferência e distribuição Transferência e Distribuição Transferência e distribuição O sistema logístico inclui, na maioria dos casos, dois tipos de transporte de produtos: A transferência: envolve deslocamento maciços entre dois

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO

TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO TARIFA DO PORTO DO FORNO TABELA I - UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA PROTEÇÃO E ACESSO AO PORTO Esta tabela remunerará as facilidades portuárias constituídas pelos molhes, quebramares, canal de acesso

Leia mais

Quadro 27 Características dos Materiais

Quadro 27 Características dos Materiais Ácido fosfórico Granulado 1,00 25 13 C Açúcar Granulado 0,65 30 17 C Açúcar em rama Granulado 0,88-1,04 37-45 20-25 E Açúcar refinado Granulado 0.8-0,88 37-45 20-25 E Alúmen Moído 0,72-0,80 35 E Alúmen

Leia mais

Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão

Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão Desde a inauguração, em 1983, a ArcelorMittal Tubarão segue uma gestão orientada pela busca contínua da inovação e da qualidade em processos

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

PORTOS DA AMAZÔNIA. Infraestrutura para o Desenvolvimento

PORTOS DA AMAZÔNIA. Infraestrutura para o Desenvolvimento PORTOS DA AMAZÔNIA Infraestrutura para o Desenvolvimento MARÇO/2010 Porto de Vila do Conde Complexo Portuário e Industrial de Vila do Conde/PA Plano de Desenvolvimento e Zoneamento TMU2 TMU1 TGL TRF Complexo

Leia mais

Infraestrutura para o Desenvolvimento

Infraestrutura para o Desenvolvimento PORTOS DA AMAZÔNIA Infraestrutura para o Desenvolvimento Belém (PA), maio de /2010 PORTO DE SANTARÉM PORTO DE VILA DO CONDE PORTO DA AMAZÔNIA PORTO DE BELÉM PORTO DE ÓBIDOS PORTO DE S.FRANCISCO PORTO DE

Leia mais

Transportes Marítimos, Portos e Logística

Transportes Marítimos, Portos e Logística Transportes Marítimos, Portos e Logística Lídia Sequeira Presidente do Conselho de Administração do Porto de Sines 1 Características geofísicas Porta de Entrada da Europa Localização privilegiada de Sines

Leia mais

Integração do Controle Operacional - Cargas ISPS CODE

Integração do Controle Operacional - Cargas ISPS CODE Integração do Controle Operacional - Cargas ISPS CODE Supervia Concepção Básica Órgãos de Governo Operadores Logísticos Importadores e Exportadores S u p e r v i a E l e t r ô n i c a d e D a d o s S E

Leia mais