SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de Andrade Pereira Prof. Wilson Kuster Versão 2015

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

3 TRANSPORTE AQUAVIÁRIO 3 Transporte Marítimo Transporte Fluvial e Lacustre 3

4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

5 TRANSPORTE MARÍTIMO ü Longo curso: É a navegação Internacional ü Cabotagem: define o transporte marítimo ao longo da costa. É a navegação Nacional 5

6 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

7 PORTOS MELHORIAS NO SETOR PORTUÁRIO Relatório de Competitividade Global ü Qualidade da infraestrutura portuária em 144 países ü Brasil ficou em 135º Fonte: CNT,

8 PORTOS MELHORIAS NO SETOR PORTUÁRIO Principais Problemas ü Acessos rodoviários ü Acessos ferroviários ü Baixa disponibilidade de terminais marítimos especializados ü Profundidade limitada Fonte: CNT, 2012 ü Alto tempo de espera de navios 8 8

9 9 9

10 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

11 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 1 DEFINIÇÃO 2 NATUREZA DOS PORTOS 3 LOCALIZAÇÃO 4 - UTILIZAÇÃO 11

12 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 1- DEFINIÇÃO O conceito de porto está ligado a: ü 1.1. ABRIGO ü 1.2. PROFUNDIDADE E ACESSIBILIDADE ü 1.3. CANAL DE ACESSO ü 1.4. BACIA DE EVOLUÇÃO ü 1.5. BERÇOS DE ACOSTAGEM ü 1.6. ÁREA DE RETROPORTO ü 1.7. ACESSOS TERRESTRES OU AQUAVIÁRIOS 12 12

13 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 1- DEFINIÇÃO 1.1- ABRIGO 13 ü Condição primordial de proteção da embarcação, tipo de ventos, ondas e correntes, em que possa se ter condições de acesso à costa (acostagem), visando a movimentação de cargas ou passageiros, por meio de obra de acostagem que proveja pontos de amarração para os cabos da embarcação, garantindo reduzidos movimentos e com mínimos esforços de atracação durante a operação portuária. 13

14 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 1.2- PROFUNDIDADE E ACESSIBILIDADE Deve ser compatível com as dimensões da embarcação tipo (comprimento, boca e calado) no canal de acesso, bacias portuárias e nos berços de acostagem

15 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 1.3- CANAL DE ACESSO Canal que liga o alto-mar com as instalações portuárias, com o objetivo de dar acesso das embarcações ao porto

16 16 CANAL DE ACESSO Porto de Paranaguá - PR

17 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 1.4- BACIA DE EVOLUÇÃO Local instalado previamente nas proximidades do cais, dotado de dimensões e profundidades adequadas, cuja finalidade é fundear e manobrar as embarcações. Porto de Itajaí - SC 17 17

18 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 1.5- BERÇOS DE ACOSTAGEM Espaço destinado ao navio em um cais no qual ele pode operar em segurança 18 Porto de Itaqui - MA

19 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 1.6- ÁREA DE RETROPORTO São necessárias áreas terrestres próprias para movimentação de cargas (armazenagem/ estocagem/administração portuária) e passageiros 19 19

20 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 1.7- ACESSOS TERRESTRES OU AQUAVIÁRIOS São necessários acessos terrestres (rodoviários, e/ ou ferroviários e/ou dutoviários) ou aquaviários (hidroviários) para prover eficientemente a chegada ou retirada de cargas e passageiros ao porto. 20 Acesso terrestre ao porto de Paranaguá 20

21 COMPONENTES DE UM PORTO ORGANIZADO 21 21

22 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 2- NATUREZA DOS PORTOS Os portos podem ser classificados em termos de suas características primordiais de abrigo e acessibilidade em: ü NATURAIS ü ARTIFICIAIS 22 22

23 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 2- NATUREZA DOS PORTOS ü NATURAIS: São aqueles em que as obras de melhoramento ligadas a abrigo e acessos às obras de acostagem são inexistentes ou de reduzida monta, pois as condições naturais já as provêm para a embarcação tipo. Frequentemente são portos estuarinos com canais de boa estabilidade. ü ARTIFICIAIS: São aqueles em que as obras de acostagem devem ser providas de obras de melhoramento de abrigo e acessos para a embarcação tipo

24 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 3- LOCALIZAÇÃO A classificação quanto à localização dos portos marítimos considera: ü PORTOS EXTERIORES ü PORTOS INTERIORES ü PORTOS AO LARGO 24 24

25 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 3- LOCALIZAÇÃO PORTOS EXTERIORES ü Situam-se diretamente na costa, junto ao mar. Podem ser do tipo: ü Salientes à costa (ganhos à água), quando são implantados aterros que avançam sobre o mar ü Encravados em terra (ganhos à terra), quando são compostos por escavações formando dársenas, canais e bacias

26 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 3- LOCALIZAÇÃO 3 - PORTOS INTERIORES 26 ü Situam-se no interior de uma baia ou rio. Podem ser lagunares. Podem ser do tipo: ü Salientes à costa (ganhos à água), quando são implantados aterros que avançam sobre o mar ü Encravados em terra (ganhos à terra), quando são compostos por escavações formando dársenas, canais e bacias. 26

27 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 3 - LOCALIZAÇÃO 3- LOCALIZAÇÃO PORTOS AO LARGO (OFF-SHORE) ü São portos ao largo da zona de arrebentação, distantes da costa, podem até mesmo não ser providos de abrigo

28 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 4- UTILIZAÇÃO Quanto à carga movimentada e ao tipo de equipamento os portos classificam-se em: ü PORTOS DE CARGA GERAL ü PORTOS ESPECIALIZADOS 28 28

29 CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS DE PORTOS 4- UTILIZAÇÃO ü PORTOS DE CARGA GERAL: os portos que movimentam carga geral, isto é acondicionada em qualquer tipo de invólucro (sacaria, fardos, barris, caixas, bobinas,etc.) em pequenas quantidades. ü PORTOS ESPECIALIZADOS: os portos ou terminais especializados movimentam predominantemente determinados tipos de cargas, como: granéis sólidos ou líquidos (carga sem embalagem, como os minérios), conteiners, pesqueiros, de lazer (marinas), militares (bases navais), etc

30 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

31 OBRAS DE MELHORANMENTO DOS PORTOS OBRAS DE PROTEÇÃO ü MOLHE ü QUEBRA-MAR ü DIQUE 31 31

32 OBRAS DE MELHORANMENTO DOS PORTOS OBRAS DE PROTEÇÃO ü Molhe : apresenta uma das extremidades ligada à costa 32 32

33 OBRAS DE MELHORANMENTO DOS PORTOS OBRAS DE PROTEÇÃO ü Quebra-mar: não tem nenhuma ligação com a costa 33 33

34 OBRAS DE MELHORANMENTO DOS PORTOS OBRAS DE PROTEÇÃO Diques: ambas as extremidades ligadas à costa 34 34

35 OBRAS DE MELHORANMENTO DOS PORTOS OBRAS EXTERNAS E INTERNAS 1 - OBRAS EXTERNAS ü As obras externas estão sujeitas às ondas e correntes, sendo as obras de abrigo (molhes, quebra-mares), de melhoria das condições de acesso (guias-correntes), canais de acesso e bacias (espera e evolução) 35 35

36 OBRAS DE MELHORANMENTO DOS PORTOS OBRAS EXTERNAS ü Espigões: implantados para manter o canal de navegação 36 36

37 OBRAS DE MELHORANMENTO DOS PORTOS OBRAS EXTERNAS ü Espigão ou guia corrente 37 37

38 OBRAS DE MELHORANMENTO DOS PORTOS OBRAS INTERNAS 38 ü As obras internas são implantadas nas áreas abrigadas, como: obras de acostagem, estruturas para o equipamento de movimentação de cargas, retroporto (áreas de estocagem, vias e pátios rodoferroviários, oficinas, docas secas e estaleiros) ü Obras de dragagem são comuns como obras de melhoramentos, podendo representar em vultuosos investimentos. 38

39 OBRAS DE MELHORANMENTO DOS PORTOS OBRAS INTERNAS - DRAGAGEM DRAGAGEM EM COJUBIM-RO Dragagem Canal Navegável Banco de areia no meio do rio 39

40 OBRAS DE MELHORANMENTO DOS PORTOS OBRAS INTERNAS - DRAGAGEM DRAGAGEM EM COJUBIM-RO 40

41 OBRAS DE MELHORANMENTO DOS PORTOS OBRAS INTERNAS - DÁRSENAS São partes resguardadas artificialmente (através de escavações) do porto, para tarefas de carga e descarga. Projeto de cais em dársena - Terminal Ceres-Paragon do Porto de Amsterdã 41 41

42 OBRAS DE MELHORANMENTO DOS PORTOS OBRAS INTERNAS - DÁRSENAS PORTO DE ROTTERDAM (HOLANDA) PORTO DE VALÊNCIA (ESPANHA) 42

43 OBRAS DE MELHORANMENTO DOS PORTOS OBRAS INTERNAS - DÁRSENAS PORTO DE HAMBURGO (ALEMANHA) 43

44 OBRAS DE MELHORANMENTO DOS PORTOS OBRAS INTERNAS - DÁRSENAS PORTO DE MÁLAGA (ESPANHA) 44

45 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

46 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS ENCRAVADAS NA COSTA OU ESTUARINAS PORTO DE SANTOS PORTO DE ITAJAÍ PORTO DE SÃO FRANCISCO PORTO DO RIO DE JANEIRO RIO GRANDE 46

47 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE SANTOS 47

48 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE SANTOS 64 berços de atracação 48 48

49 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE SANTOS 49 49

50 PORTO DE SANTOS 50 50

51 PORTO DE SANTOS 51 51

52 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE ITAJAÍ 52 52

53 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE ITAJAÍ Ø 740 metros Ø 4 berços 53

54 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE ITAJAÍ 54 54

55 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE ITAJAÍ Largura de 400 m 55 55

56 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE SÃO FRANCISCO O Porto de São Francisco do Sul é uma autarquia do Governo do Estado de Santa Catarina. Possui ampla bacia de evolução e calado de 13m, 7 berços de acostagem. 56

57 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DO RIO DE JANEIRO ü Minério de ferro, manganês, carvão, trigo, petróleo são os principais produtos escoados. 57

58 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DO RIO GRANDE ü Calado: 12,9m ü Porto do Conesul ü Multimodalidade (rodo, ferro e hidro) ü Área de expansão 58

59 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

60 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS SALIENTES À COSTA PORTO DE PARANAGUÁ 60

61 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE PARANAGUÁ 61 61

62 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO PORTO DE PARANAGUÁ DE PARANAGUÁ n FUNCIONAMENTO v 16 berços de atracação v São feitas as movimentações de graneis sólidos, carga geral e contêineres. 62 v Calado entre 8,5 e 13,3 m

63 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE PARANAGUÁ 63

64 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE PARANAGUÁ 64 64

65 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

66 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS SALIENTES À COSTA ü Podem ser protegidas por molhes de enrocamento ou blocos especiais PORTO DO FORNO RJ PORTOCEL ES PORTO DE SALVADOR BA PORTO DE SUAPE - PE 66

67 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO PORTO DO FORNO DE PARANAGUÁ (RJ) MOLHE 67 Movimentação de sal grosso a granel para empresas locais estabelecidas nas proximidades do porto, além de servir, também, como ponto de apoio às operações com petróleo realizadas pela Petrobras na Bacia de Campos.

68 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTOCEL (ES) 68 Único porto do Brasil especializado no embarque de celulose.

69 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE SALVADOR (BA) Porto de maior movimentação de contêineres do Norte/Nordeste e 2º maior exportador de frutas do Brasil 69

70 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE SALVADOR (BA) O Porto de Salvador possui 11 berços de atracação 70

71 71

72 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE SUAPE (PE) 72 O Porto movimenta granéis líquidos (derivados de petróleo, produtos químicos, álcoois, óleos vegetais etc) e a carga conteinerizada. O Porto possui calado operacional de 14,50 m.

73 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO DE SUAPE (PE) 73

74 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

75 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS AO LARGO PROTEGIDA POR QUEBRA-MAR ü A solução para um porto ao largo abrigado pode constar de berço de embarcação em um quebra-mar isolado destacado da costa e longa ponte de ligação ao retroporto

76 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS AO LARGO PROTEGIDA POR QUEBRA-MAR TERMINAL MARÍTIMO DE BELMONTE (BA) A celulose produzida pela Veracel é transportada por um sistema de navegação especializado, por barcaças, conhecido por cabotagem, a partir do Terminal Marítimo de Belmonte (TMB), construído em Do terminal, o produto é levado para Portocel, no Espírito Santo, de onde é exportado. Cada viagem realizada por uma barcaça elimina 375 viagens de carreta pela BR-101, além de reduzir o consumo de combustível de origem fóssil e emissão de CO 2. 76

77 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS AO LARGO PROTEGIDA POR QUEBRA-MAR TERMINAL MARÍTIMO DE BELMONTE (BA) 77

78 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS AO LARGO DISTANTE DA COSTA (OFF-SHORE) ü São portos ao largo da zona de arrebentação, distantes da costa PORTO DE PECÉM (CE) O Terminal Portuário do Pecém é constituído de dois piers marítimos, sendo um para insumos e produtos siderúrgicos e carga geral e outro para granéis líquidos, em especial óleo cru e derivados de petróleo. 78

79 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS AO LARGO DISTANTE DA COSTA (OFF-SHORE) PORTO DE PECÉM (CE) Por tratar-se de um terminal offshore os pieres de atracação estão protegidos da ação das ondas correntes por um quebramar de berma, na forma de "L" 79

80 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS AO LARGO DISTANTE DA COSTA (OFF-SHORE) PORTO DE PECÉM (CE) Armazéns e pátio de armazenagem 80

81 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

82 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO NATURALMENTE ABRIGADO PORTO DE SÃO SEBASTIÃO (SP) É considerada a terceira melhor região portuária do mundo. Isso faz das condições de calado (25 metros) a mais confortável e segura 82

83 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO ILHA TERMINAL SALINEIRO DE AREIA BRANCA (RN) Dentre as hipóteses analisadas da necessidade de suprir a demanda de sal marinho prevaleceu a da execução do sistema ilha artificial, sendo o projeto elaborado pela empresa norte-americana Soros Associates Consulting Engineers. Foi inaugurado em 3 de fevereiro de Dista cerca de 14 km da costa

84 EXEMPLOS DE OBRAS PORTUÁRIAS PORTO ILHA TERMINAL SALINEIRO DE AREIA BRANCA (RN) O Porto Ilha é retangular, mede 92 metros de largura e 166 metros de comprimento. Foi aterrado com material coralíneo tirado da região e coberto com um piso de sal para garantir a pureza do produto armazenado. A transferência do sal das salinas para o Porto-Ilha é realizada através de barcaças. A retirada do sal das barcaças ocorre através de equipamentos mecanizados. O sal pode ser armazenado na ilha ou lançado diretamente na esteira transportadora para carregamento no navio

85 BIBLIOGRAFIA ü ü ü ü ü ü sobre_porto_conheca.php ü Alfredini, Paolo. Obras e Gestão de Portos e Costas. São Paulo: Editora Edgard Blucher,

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Objetivo Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Fim das barreiras à entrada Estímulo à expansão dos investimentos do setor privado Modernização da infraestrutura e da gestão

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013 OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DE SANTA CATARINA SUGESTÕES AO PLO 2013 Índice 10 Santa Catarina 10 Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário 17 Infraestrutura

Leia mais

PROJETO DE DRAGAGEM DOS PORTOS BRASILEIROS METAS E REALIZAÇÕES

PROJETO DE DRAGAGEM DOS PORTOS BRASILEIROS METAS E REALIZAÇÕES Presidência da República Secretaria Especial de Portos I CONFERÊNCIA HEMISFÉRICA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL PROJETO DE DRAGAGEM DOS PORTOS BRASILEIROS METAS E REALIZAÇÕES Eng MARCOS PAGNONCELLI Coordenador-Geral

Leia mais

Agenda. Introdução. Estrutura Organizacional. Histórico/Características do Porto de Itaguaí. Acesso ao Porto de Itaguaí. Terminais do Porto de Itaguaí

Agenda. Introdução. Estrutura Organizacional. Histórico/Características do Porto de Itaguaí. Acesso ao Porto de Itaguaí. Terminais do Porto de Itaguaí 2016 Agenda Introdução Estrutura Organizacional Histórico/Características do Porto de Itaguaí Acesso ao Porto de Itaguaí Terminais do Porto de Itaguaí Plano de Desenvolvimento e Zoneamento - PDZ Investimentos/

Leia mais

Programa Temático 2022 Combustíveis

Programa Temático 2022 Combustíveis Programa Temático 2022 Combustíveis Objetivo 0054 Expandir e modernizar o parque nacional de refino e adequar a infraestrutura industrial no exterior, de modo a buscar atender integralmente o mercado interno

Leia mais

Gargalos dos portos do Rio de Janeiro. Sistema FIRJAN

Gargalos dos portos do Rio de Janeiro. Sistema FIRJAN Gargalos dos portos do Rio de Janeiro Sistema FIRJAN 14 de fevereiro de 2014 Principais portos do Rio de Janeiro (incluindo novas unidades em estágio avançado) Açu (São João da Barra) Angra dos Reis Itaguaí

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 (POR PAÍS) PAÍSES ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 269.719,83 387.213,30 406.882,12 310.956,48 318.530,07 375.612,10 2.068.913,89 Valor Fob ( Us$/Mil ) 72.142,83 99.905,76 104.619,97

Leia mais

EIXO TRANSPORTES. garantindo maior integração da malha brasileira de Transportes.

EIXO TRANSPORTES. garantindo maior integração da malha brasileira de Transportes. EIXO TRANSPORTES Para integrar as diferentes regiões do Brasil, eliminar gargalos logísticos e garantir que a produção nacional tenha custos mais baixos para os mercados interno e externo, o PAC 2 realiza

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS TRANSPORTE NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: OS MODAIS DE TRANSPORTE

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS TRANSPORTE NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: OS MODAIS DE TRANSPORTE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS TRANSPORTE NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: OS MODAIS DE TRANSPORTE Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer os principais modos de transporte usados na Gestão da Cadeia

Leia mais

José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010

José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010 José Roberto Correia Serra Diretor Presidente Autoridade Portuária Santos, 02 de fevereiro de 2010 Estudo de Expansão BID Estudo de Acessibilidade USP/FDTE Planejamento Estratégico da CODESP Estudo da

Leia mais

Planejamento de Transportes: Introdução à Logística

Planejamento de Transportes: Introdução à Logística UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Planejamento de Transportes: Introdução à Logística ESTRATÉGIAS DE LOCALIZAÇÃO Profª. Daniane F. Vicentini Atividades com a maior parcela do custo total de logística: Transportes:

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2017 (POR PAÍS) PAÍSES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 399.473,26 422.403,60 501.033,08 371.050,32 437.918,87 2.131.879,13 Valor

Leia mais

PORTO DE SANTANA AMAPÁ

PORTO DE SANTANA AMAPÁ PORTO DE SANTANA AMAPÁ (Porto de Macapá) HISTÓRICO A construção do Porto de Santana (antigo Porto de Macapá) foi iniciada em 1980, com a finalidade original de atender à movimentação de mercadorias por

Leia mais

Desafios da Cabotagem em 2015 ILOS

Desafios da Cabotagem em 2015 ILOS Desafios da Cabotagem em 2015 ILOS Clique para editar o título mestre Agenda Contexto Atual Razões para maior competitividade da Cabotagem Evolução da Movimentação de Cabotagem Visão das Empresas sobre

Leia mais

Prioridades do FMM em 2011 (novas construções) SINAVAL Cenário do 4º Trimestre Balanço 2011

Prioridades do FMM em 2011 (novas construções) SINAVAL Cenário do 4º Trimestre Balanço 2011 Prioridades do FMM em 2011 (novas construções) SINAVAL Cenário do 4º Trimestre Balanço 2011 A prioridade de financiamentos concedida em duas reuniões do Conselho Diretor do Fundo da Marinha Mercante, em

Leia mais

A função de ligar a produção ao consumo; A evolução do sistema de transporte está associada às mudanças econômicas do Brasil;

A função de ligar a produção ao consumo; A evolução do sistema de transporte está associada às mudanças econômicas do Brasil; Geografia A dimensão territorial do país; A função de ligar a produção ao consumo; A evolução do sistema de transporte está associada às mudanças econômicas do Brasil; Segunda metade do século XX: contradição

Leia mais

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES REVISÃO 04 SETEMBRO/2011 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Informações operacionais do Terminal Aquaviário de Madre de Deus - Bahia ELABORADO PELA Gerência de Comercialização de Serviços de Terminais e Oleodutos

Leia mais

TARIFAS DE REFERÊNCIA PARA SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO EM TERMINAIS

TARIFAS DE REFERÊNCIA PARA SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO EM TERMINAIS REVISÃO 30 ABRIL/2015 TARIFAS DE REFERÊNCIA PARA SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO EM TERMINAIS TARIFAS DE PETRÓLEO E SEUS DERIVADOS NÃO SE APLICAM A BIOCOMBUSTÍVEIS Todas as tarifas estão apresentadas em R$ /

Leia mais

O FUTURO DO PORTO DE LISBOA. Estratégia para o Aumento da Competitividade Portuária

O FUTURO DO PORTO DE LISBOA. Estratégia para o Aumento da Competitividade Portuária O FUTURO DO PORTO DE LISBOA Estratégia para o Aumento da Competitividade Portuária 17 de março de 2017 Alcântara Cruise Terminal - 15 Terminais Portuários - Porto Multifuncional com uma Oferta Multimodal

Leia mais

Infraestrutura portuária para o Turismo. Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011

Infraestrutura portuária para o Turismo. Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011 Infraestrutura portuária para o Turismo Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011 Aspectos institucionais da ANTAQ 2 Criada pela Lei nº

Leia mais

TARIFAS DE REFERÊNCIA PARA SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO EM TERMINAIS

TARIFAS DE REFERÊNCIA PARA SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO EM TERMINAIS REVISÃO 27 SETEMBRO/2013 TARIFAS DE REFERÊNCIA PARA SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO EM TERMINAIS TARIFAS DE PETRÓLEO E SEUS DERIVADOS NÃO SE APLICAM A BIOCOMBUSTÍVEIS Todas as tarifas estão apresentadas em R$

Leia mais

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES REVISÃO 04 SETEMBRO/2011 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Informações operacionais do Terminal Aquaviário de Paranaguá - Paraná ELABORADO PELA Gerência de Comercialização de Serviços de Terminais e Oleodutos

Leia mais

RESOLUÇÃO de novembro de 2012

RESOLUÇÃO de novembro de 2012 RESOLUÇÃO 52 20 de novembro de 2012 O DIRETOR-PRESIDENTE DA COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO - CODESA, no uso da atribuição que lhe confere a letra g, do artigo 17, do Estatuto Social da Companhia, e

Leia mais

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PERNAMBUCO. Elber Justo MSC 2016

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PERNAMBUCO. Elber Justo MSC 2016 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA PERNAMBUCO Elber Justo MSC 2016 AS EMPRESAS DO GRUPO MSC Desde 1970, a MSC tem crescido e se tornado uma das maiores transportadoras marítimas do mundo. Durante

Leia mais

Conhecimentos Gerais

Conhecimentos Gerais Conhecimentos Gerais Logística de Transporte no Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Conhecimentos Gerais LOGÍSTICA DE TRANSPORTE NO BRASIL Transportes O sistema de transportes

Leia mais

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa e Acidentes por Unidade Federativa - 2016 Data: 23/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos, Caminhões, Ônibus Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Estados com maior número de mortes e acidentes - 2016 Este

Leia mais

Perspectivas. Dezembro de 2006

Perspectivas. Dezembro de 2006 Perspectivas Dezembro de 2006 PORTO de SANTOS - Maior com plexo portuário da América do Sul - Área aproximada: 8 milhões de m 2 - TONELAGEM : Crescimento contínuo / Recorde histórico de 72 milhões tons

Leia mais

Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem.

Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem. Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem. A EMPRESA Empresa privada de logística, antiga Companhia Ferroviária do Nordeste Opera com 95 locomotivas,

Leia mais

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES REVISÃO 01 SETEMBRO/2011 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES - TNC Informações operacionais do Terminal Aquaviário Norte Capixaba - Espírito Santo ELABORADO PELA Gerência de Comercialização de Serviços de Terminais

Leia mais

O Uso da Água para a Navegação

O Uso da Água para a Navegação O Uso da Água para a Navegação JOSÉ ALEX BOTÊLHO DE OLIVA, M.Sc. Superintendente de Navegação Interior Rio de Janeiro, 09 de Dezembro de 2008. Rodovias RODOVIAS - Malha Rodoviária Brasileira 1.700 milhão

Leia mais

Estratégias de Crescimento de um Porto Privado. Novembro de 2016

Estratégias de Crescimento de um Porto Privado. Novembro de 2016 Estratégias de Crescimento de um Porto Privado Novembro de 2016 HISTÓRICO MAIO 2001 CONTRATO DE ADESÃO COM O MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES JUNHO 2010 CERTIFICAÇÃO ISO 14001 OUTUBRO 2005 INÍCIO DA CONSTRUÇÃO

Leia mais

Teleconferência e Webcast

Teleconferência e Webcast Teleconferência e Webcast Divulgação dos Resultados 3T13 19 de Novembro de 2013 Aviso Legal Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos e/ou resultados futuros

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO

COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO N O R M A P - 1 NORMA DE TRÁFEGO E PERMANÊNCIA DE NAVIOS E EMBARCAÇÕES NO PORTO DE VITÓRIA CODESA 0 PORTO DE VITÓRIA 1 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS 1.1 Localizações COMPANHIA

Leia mais

Aplicação do estudo completo para realização de operação de STS atracado a contrabordo nos berços 3-A e 3-B de SUAPE

Aplicação do estudo completo para realização de operação de STS atracado a contrabordo nos berços 3-A e 3-B de SUAPE Aplicação do estudo completo para realização de operação de STS atracado a contrabordo nos berços 3-A e 3-B de SUAPE Francisco Haranaka AB-LO/TM/EO Tecnologia, Eficiência Operacional e Novas Operações

Leia mais

Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo

Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo Comitê dos Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo 27/03/2014 Renato Ferreira Barco DIRETOR PRESIDENTE VISÃO GERAL PORTO DE SANTOS / BRASIL ÁREA DE INFUÊNCIA PORTO DE SANTOS 75 67% 56%

Leia mais

Instalações Portuárias autorizadas até 18/07/2016

Instalações Portuárias autorizadas até 18/07/2016 Instalações Portuárias autorizadas até 18/07/2016 Instalações Portuárias Nov Empresa Autorizada Tipo da Instalação Município UF 1 FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TURISMO DE PORTO BELO IPT PORTO BELO SC 2 ESTALEIRO

Leia mais

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046. Aula 09

UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046. Aula 09 UFPR DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT 046 Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Gilza Fernandes Blasi Profa. Márcia de Andrade Pereira Aula 09 Terminais Portuários 2 Terminais

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO FARINHA DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO FARINHA DE TRIGO 2017 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE FARINHA DE TRIGO 2017 (POR PAÍS) PAÍSES ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 30.038,81 30.038,81 Valor Fob ( Us$/Mil ) 8.096,09 8.096,09 Preço Médio ( Us$/Ton ) 269,52 269,52 PARAGUAI Volume

Leia mais

Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento

Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento Infraestrutura de Santa Catarina para o Desenvolvimento Ministério dos Transportes PAULO SÉRGIO PASSOS Ministro de Estado dos Transportes Florianópolis, 27 de fevereiro de 2013 ASPECTOS NACIONAIS INFRAESTRUTURA

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014

MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014 MERCADO BRASILEIRO DE SUPLEMENTOS MINERIAS 2014 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDUSTRIAS DE SUPLEMENTOS MINERAIS RUA AUGUSTA, 2676 13 ANDAR SALA 132 CEP 01412-100 SÃO PAULO SP Telefone: (011) 3061-9077 e-mail:

Leia mais

Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda

Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda SEEG >> QUEM FAZ O SEEG 2 SEEG é promovido pelo Observatório do Clima (OC) Quatro instituições selecionadas pelo OC coordenaram o processo técnico

Leia mais

INVESTIMENTOS PÚBLICOS - AV PERIMETRAL - MARGEM ESQUERDA 2ª FASE. 8º Encontro de Logística e Transportes

INVESTIMENTOS PÚBLICOS - AV PERIMETRAL - MARGEM ESQUERDA 2ª FASE. 8º Encontro de Logística e Transportes INVESTIMENTOS PÚBLICOS - AV PERIMETRAL - MARGEM ESQUERDA 2ª FASE INVESTIMENTOS PRIVADOS MODAL RODOVIÁRIO ACESSO RODOVIÁRIO OBRAS DO GOVERNO ESTADUAL ACESSO RODOVIÁRIO OBRAS DO GOVERNO ESTADUAL ACESSO RODOVIÁRIO

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL CAMPEONATO BRASILEIRO DA SÉRIE D TABELA BÁSICA / EDIÇÃO 2016 PRIMEIRA FASE REF ROD DATA - DIA HORA GR JOGO ESTÁDIO CIDADE 1ª 12/06 - Dom A1 Rondônia RO x Amazonas AM A1 Acre AC x Amapá AP A2 Tocantins

Leia mais

Climatização & Cogeração de Gás Natural na Bahia. Celestino Boente

Climatização & Cogeração de Gás Natural na Bahia. Celestino Boente Climatização & Cogeração de Gás Natural na Bahia Celestino Boente Composição acionária da Bahiagás Concessão Estado da Bahia Concessão: Estado da Bahia até 2041 Feira de Santana Sto. Antº de Jesus Veracel

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA RODO-FERROVI FERROVIÁRIA RIA DE ACESSO AO PORTO DE SANTOS. São Paulo, 09 de Novembro de 2006

INFRA-ESTRUTURA RODO-FERROVI FERROVIÁRIA RIA DE ACESSO AO PORTO DE SANTOS. São Paulo, 09 de Novembro de 2006 INFRA-ESTRUTURA RODO-FERROVI FERROVIÁRIA RIA DE ACESSO AO PORTO DE SANTOS São Paulo, 09 de Novembro de 2006 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS HINTERLÂNDIA (ÁREA DE INFLUÊNCIA) DO PORTO DE SANTOS A PRODUÇÃO PRODUÇÃO

Leia mais

Um porto de excelência, moderno e competitivo

Um porto de excelência, moderno e competitivo Um porto de excelência, moderno e competitivo Porto de Viana do Castelo O porto de Viana do Castelo tem uma longa história que radica na ocupação romana, se estende pela época dos Descobrimentos e se afirma

Leia mais

Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária

Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária Paulo Sérgio Passos Ministro de Estado dos Transportes Brasília, 16.07.2014 Brasil e China: Economias Complementares China

Leia mais

ESTRUTURA ESCRITORIO SEDE CURITIBA, PR. Matriz

ESTRUTURA ESCRITORIO SEDE CURITIBA, PR. Matriz ESTRUTURA ESCRITORIO SEDE CURITIBA, PR. Matriz ESTRUTURA ESCRITÓRIOS OPERACIONAIS Porto Trombetas Belém Porto Franco Altamira São Luís Parauapebas Floriano Posto da Mata Cofins e Sabará Guarapuava Florianópolis

Leia mais

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel Modal Ferroviário Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel O que é modal? O modal ferroviário caracteriza-se, especialmente, por sua capacidade de transportar grandes volumes,

Leia mais

USINAS HIDRELETRICAS X HIDROVIAS / ECLUSAS 54º CONGRESSO BRASILEIRO DE CONCRETO IBRACON MACEIO AL OUTUBRO DE 2012

USINAS HIDRELETRICAS X HIDROVIAS / ECLUSAS 54º CONGRESSO BRASILEIRO DE CONCRETO IBRACON MACEIO AL OUTUBRO DE 2012 USINAS HIDRELETRICAS X HIDROVIAS / ECLUSAS 54º CONGRESSO BRASILEIRO DE CONCRETO IBRACON MACEIO AL OUTUBRO DE 2012 ECLUSA DE TUCURUI 54º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO IBRACON MACEIO OUTUBRO DE 2012

Leia mais

Teleconferência e Webcast Divulgação de Resultados do 1T de maio de 2013

Teleconferência e Webcast Divulgação de Resultados do 1T de maio de 2013 Teleconferência e Webcast Divulgação de Resultados do 1T13 17 de maio de 2013 1 Aviso Legal Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos e/ou resultados futuros

Leia mais

TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015

TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015 ! TÊNIS DE MESA Nº 03 04/09/2015! Jogos Escolares da Juventude 2015 12 a 14 anos Boletim Oficial de Resultados 04/09/2015 CENTRO DE FORMAÇÃO OLÍMPICA - QUADRA 1 TÊNIS DE MESA - EQUIPE - Feminino 1 09:00

Leia mais

Transpetro. Sistema logísticopara escoamento de etanol. Modal hidroviário e a Tietê Paraná

Transpetro. Sistema logísticopara escoamento de etanol. Modal hidroviário e a Tietê Paraná LOGÍSTICA, INFRA ESTRUTURA E AGRONEGÓCIO Campo Grande MS 20/07/2012 FABIANO TOLFO Gerente de Desenvolvimento de Negócios Email: fabianotolfo@petrobras.com.br LOGÍSTICA, INFRA ESTRUTURA E AGRONEGÓCIO AGENDA:

Leia mais

Adaptação das operações náuticas às mudanças climáticas em curso (PIANC WG 123, 2014)

Adaptação das operações náuticas às mudanças climáticas em curso (PIANC WG 123, 2014) ESCOLA POLITÉCNICA DA USP Adaptação das operações náuticas às mudanças climáticas em curso (PIANC WG 123, 2014) Prof. Dr. Paolo Alfredini Prof. Titular da USP em Obras Hidráulicas Fluviais e Marítimas

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos

WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos WORKSHOP: Portos - Perspectivas e Melhoria dos Acessos São Paulo, 28 de outubro de 2015 CENÁRIO E PERSPECTIVAS DE MELHORIA NOS ACESSOS SUMÁRIO: Acesso Aquaviário - Evolução dos navios - Iniciativa Santos

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Abril 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Abril 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Abril 2014 01 MUDANÇA DE CONTROLE MUDANÇA DE CONTROLE Instituição líder no setor de energia global US$ 12.8 bilhões sob gestão US$765 milhões investidos no Brasil (TBG, Sete Brasil

Leia mais

SECRETARIA DE PORTOS - SEP/PR

SECRETARIA DE PORTOS - SEP/PR SECRETARIA DE PORTOS - SEP/PR PLANO DE DRAGAGEM DOS PORTOS BRASILEIROS FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA - FIESC MARCELO WERNER SALLES Diretor do Departamento de Desempenho Operacional

Leia mais

Apresentação Transnordestina

Apresentação Transnordestina Apresentação Transnordestina Histórico 1998 No contrato de concessão foi previsto a construção pela União e sua operação pela CFN. 2001 DNIT iniciou as providências de implantação (projetos e estudos ambientais).

Leia mais

Plano de Área PA Porto Organizado de São Sebastião. Maio de 2012

Plano de Área PA Porto Organizado de São Sebastião. Maio de 2012 Plano de Área PA Porto Organizado de São Sebastião Maio de 2012 LEI Nº 9.966, DE 28 DE ABRIL DE 2000 REQUISITO LEGAL Art. 7º Os portos organizados, instalações portuárias e plataformas, bem como suas instalações

Leia mais

DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA - DIF COORDENAÇÃO GERAL DE PATRIMÔNIO FERROVIÁRIO - CGPF PATRIMÔNIO FERROVIÁRIO

DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA - DIF COORDENAÇÃO GERAL DE PATRIMÔNIO FERROVIÁRIO - CGPF PATRIMÔNIO FERROVIÁRIO - DIF COORDENAÇÃO GERAL DE PATRIMÔNIO FERROVIÁRIO - CGPF PATRIMÔNIO FERROVIÁRIO Brasília, 4 de setembro de 2012 LEI Nº. 11.483/2007 Art. 8º Ficam transferidos ao Departamento Nacional de Infra-Estrutura

Leia mais

INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS

INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PERSPECTIVAS E INVESTIMENTOS NO SETOR PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 02 de abril de 2013

Leia mais

ANEXO 1-A CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DOS PORTOS E TERMINAIS PRIVADOS DA JURISDIÇÃO DA CPRS E OM SUBORDINADAS

ANEXO 1-A CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DOS PORTOS E TERMINAIS PRIVADOS DA JURISDIÇÃO DA CPRS E OM SUBORDINADAS ANEXO 1-A CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DOS PORTOS E TERMINAIS PRIVADOS DA JURISDIÇÃO DA CPRS E OM SUBORDINADAS a) Porto do Rio Grande O Decreto Presidencial de 25/06/2005

Leia mais

Cenário da Construção Naval brasileira

Cenário da Construção Naval brasileira Cenário da Construção Naval brasileira 1º trimestre de 2012 Conteúdo Skandi Iguaçu João Cândido Sumário executivo Desembolsos do FMM Novos estaleiros Plataformas de produção Sondas de perfuração Obras

Leia mais

Embarcações Brasileiras Quadro Atual

Embarcações Brasileiras Quadro Atual Embarcações Brasileiras Quadro Atual Junho / 2014 Informações sobre o Syndarma Fundado em 5 de outubro de 1934, é a representação oficial da navegação marítima comercial do Brasil. Abriga duas associações:

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Março/15) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Balancete Janeiro-Março-2016

Balancete Janeiro-Março-2016 Balancete Janeiro-Março-2016 25/03/16 RJ Anuidade 2015 R$ 3.910,00 25/03/16 RJ Anuidade Parte 1-2016 R$ 1.110,00 25/03/16 Quitação completa do mundial 2012 12t e SEC ao RJ R$ 5.020,00 Saldo valor final

Leia mais

MMX: CRIANDO ALTERNATIVAS NO FORNECIMENTO TRANSOCEÂNICO DE MINÉRIO DE FERRO. Rio de Janeiro Janeiro de 2012

MMX: CRIANDO ALTERNATIVAS NO FORNECIMENTO TRANSOCEÂNICO DE MINÉRIO DE FERRO. Rio de Janeiro Janeiro de 2012 MMX: CRIANDO ALTERNATIVAS NO FORNECIMENTO TRANSOCEÂNICO DE MINÉRIO DE FERRO Rio de Janeiro Janeiro de 2012 AVISO Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Maio/15) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

O PORTO DE SANTOS, PRESENTE E DESAFIOS

O PORTO DE SANTOS, PRESENTE E DESAFIOS O PORTO DE SANTOS, PRESENTE E DESAFIOS Engº. José Alex B. de Oliva, M.Sc. Novembro 2016 Dados Gerais Posicionamento Entrada e Saída Margem Santos Ilha de São Vicente Margem Guarujá Ilha de Santo Amaro

Leia mais

Plano Geral de Outorgas

Plano Geral de Outorgas Plano Geral de Outorgas Delimitação de áreas para novos investimentos portuários rios Oficina de Trabalho: Portos Capixabas Vitória/ES 9 de novembro de 2011 Contextualização do Plano Geral de Outorgas

Leia mais

Pacto pela Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística. Marinha Mercante Brasileira X Burocracia

Pacto pela Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística. Marinha Mercante Brasileira X Burocracia Pacto pela Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística Marinha Mercante Brasileira X Burocracia Luís Fernando Resano Vice-Presidente Executivo do Syndarma Sindicato Nacional das Empresas de Navegação

Leia mais

- Rumos da Cabotagem - Pontos Fortes e Pontos Fracos

- Rumos da Cabotagem - Pontos Fortes e Pontos Fracos - Rumos da Cabotagem - Pontos Fortes e Pontos Fracos BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, ENERGÉTICOS E AMBIENTAIS Cabotagem Brasileira o mundo cresceu no entorno das baias abrigadas População mundial regiões costeiras

Leia mais

SAÍDA SÃO PAULO COLÉGIO SANTA CLARA. Altitude = 776m (acima do nível do mar) Prof. Marcos

SAÍDA SÃO PAULO COLÉGIO SANTA CLARA. Altitude = 776m (acima do nível do mar) Prof. Marcos SAÍDA SÃO PAULO COLÉGIO SANTA CLARA Altitude = 776m (acima do nível do mar) Prof. Marcos Vista panorâmica da Baixada Santista, Serra do Mar e Planalto Paulista Adaptado de: http://www.flickr.com/photos/vistadivina/3660058360/

Leia mais

PROJETO NORDESTE COMPETITIVO

PROJETO NORDESTE COMPETITIVO PROJETO NORDESTE COMPETITIVO Anexo Lista de Eixos e Projetos Brasilia, Outubro de 2012 Este documento é confidencial e não pode ser fornecido a uma outra parte sem autorização da Macrologística Detalhamento

Leia mais

Wilson Sons Meet the Management Day (2014) 6 DE JUNHO DE 2014

Wilson Sons Meet the Management Day (2014) 6 DE JUNHO DE 2014 Wilson Sons Meet the Management Day (2014) 6 DE JUNHO DE 2014 Aviso Legal Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos e/ou resultados futuros ( forward-looking

Leia mais

Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica. Frederico Bussinger

Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica. Frederico Bussinger Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica Frederico Bussinger BRASIL NO MUNDO LOGÍSTICA: FATOR CRÍTICO DE SUCESSO Área > 4 mi Km 2 População > 100 mi Paquistão USA Bangladesh China

Leia mais

MODELO GENÉRICO DE SIMULAÇÃO DE OPERAÇÕES PORTUÁRIA: ESTUDO DE CASO PARA MINÉRIO DE FERRO

MODELO GENÉRICO DE SIMULAÇÃO DE OPERAÇÕES PORTUÁRIA: ESTUDO DE CASO PARA MINÉRIO DE FERRO MODELO GENÉRICO DE SIMULAÇÃO DE OPERAÇÕES PORTUÁRIA: ESTUDO DE CASO PARA MINÉRIO DE FERRO Anibal Alberto Vilcapoma Ignacio (UFF ) avilcap@vm.uff.br Bruna Moraes de Lima (UFF ) brunna.moraes@yahoo.com.br

Leia mais

Mário Povia Diretor da ANTAQ

Mário Povia Diretor da ANTAQ III CIDESPORT Congresso Internacional de Desempenho Portuário A ANTAQ e a Regulação do Setor Portuário Mário Povia Diretor da ANTAQ Florianópolis, 16 de novembro de 2016 ORGANIZAÇÃO DO SETOR TRANSPORTES

Leia mais

Formação dos Grupos e forma de disputa

Formação dos Grupos e forma de disputa Formação dos Grupos e forma de disputa Sorteio realizado no dia 01 de Novembro de 2010 na sede social da APMP. Categoria Força Livre 1. Amazonas 2. Acre 3. Amapá 4. Ceara 5. Espirito Santo 6. Goiás 7.

Leia mais

A Hidrovia do Rio São Francisco e as Possibilidades de Interação com as Ações do Projeto Novo Chico

A Hidrovia do Rio São Francisco e as Possibilidades de Interação com as Ações do Projeto Novo Chico A Hidrovia do Rio São Francisco e as Possibilidades de Interação com as Ações do Projeto Novo Chico Rio São Francisco Localização: Ações em Andamento EVTEA e projetos básicos e executivo contemplando serviços:

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL - 2014 Índice 3 Paraná Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário Infraestrutura de Transportes Modal Aquaviário Infraestrutura

Leia mais

EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1. São Leopoldo / Novo Hamburgo

EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1. São Leopoldo / Novo Hamburgo EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1 São Leopoldo / Novo Hamburgo ESCRITÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Coordenação de Planejamento Coordenação de Medições, Controle Financeiro

Leia mais

Modais de Transporte. Claudio Barbieri da Cunha. Escola Politécnica. Claudio Barbieri da Cunha

Modais de Transporte. Claudio Barbieri da Cunha. Escola Politécnica. Claudio Barbieri da Cunha Modais de Transporte Escola Politécnica Funções do Transporte Movimentar geograficamente e posicionar os estoque (produtos/bens/materiais) Abastecer instalações (fábricas) com matérias primas e insumos

Leia mais

Referências bibliográficas

Referências bibliográficas 66 Referências bibliográficas Abratec. Movimento de 3,6 milhões em 27, São Paulo, 23. Disponível em: Acesso em: fev 24. Alaby, M. A. A Importância da Logística para

Leia mais

O FUTURO FAZ-SE HOJE SOLUÇÕES INOVADORAS NA RELAÇÃO PORTO CIDADE CICLO DE DEBATES 14 DE OUTUBRO DE 2016

O FUTURO FAZ-SE HOJE SOLUÇÕES INOVADORAS NA RELAÇÃO PORTO CIDADE CICLO DE DEBATES 14 DE OUTUBRO DE 2016 CICLO DE DEBATES O FUTURO FAZ-SE HOJE SOLUÇÕES INOVADORAS NA RELAÇÃO PORTO CIDADE 14 DE OUTUBRO DE 2016 Porto Fluvial de Castanheira do Ribatejo e O Transporte Fluvial no Rio Tejo 2 Agenda I. Apresentação

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho 2014 MUDANÇA DE CONTROLE Instituição líder no setor de energia global US$ 12.8 bilhões sob gestão US$765 milhões investidos no Brasil (TBG, Sete Brasil e Manabi) 30 anos

Leia mais

PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil

PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura e Energia para o Brasil Ports in Rio de Janeiro, São Paulo and Espírito Santo states normally handle more than 4 million TEU. Minas Gerais e Espírito Santo usually

Leia mais

CLIENTE LOCALIZAÇÃO SERVIÇO ANO CONTRATO VALOR R$ 1000 AEROMOVEL BRASIL Porto Alegre - RS APM - Automated People Mover 2006 EPC 12.000 AVIPAL Porto Alegre - RS Fábrica de rações 1978 C 2.000 AVIPAL Porto

Leia mais

AVISO DE INTENÇÃO PRIMEIRO AVISO

AVISO DE INTENÇÃO PRIMEIRO AVISO AVISO DE INTENÇÃO PRIMEIRO AVISO A CCX Colômbia S.A. (doravante CCX ) informa à opinião pública que, de acordo com a Lei 1ª de 1991 e demais normas regulamentares, solicitará à Agência Nacional de Infraestrutura

Leia mais

América Latina Logística Malha Norte

América Latina Logística Malha Norte AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES - ANTT SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - SUFER GERÊNCIA DE REGULAÇÃO E OUTORGA DE INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS

Leia mais

ZPE CEARÁ. A primeira a operar no Brasil. Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará. zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter.

ZPE CEARÁ. A primeira a operar no Brasil. Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará. zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter. ZPE CEARÁ A primeira a operar no Brasil Mário Lima Junior Presidente ZPE Ceará zpeceara.ce.gov.br facebook.com/zpeceara twitter.com/zpeceara CONCEITO A ZPE Zona de Processamento de Exportação é uma área

Leia mais

Portaria ANP nº 251/ Terminais Aquaviários Volumes em metros cúbicos a 20º C Janeiro/2010

Portaria ANP nº 251/ Terminais Aquaviários Volumes em metros cúbicos a 20º C Janeiro/2010 Janeiro/2010 TA SANTANA AP Diesel 0 0 0 0 0 0 0 0 000835 TA BELÉM PA Diesel 99.831 459 0 0 2.258 94.574 0 0 MIRAMAR Gas Liquefeito 34.818 0 0 0 0 34.466 0 0 Gasolina 37.880 0 0 0 0 37.880 0 0 Óleo Combustível

Leia mais

Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009

Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009 Logística Vale Bienal dos Negócios da Agricultura 21/08/2009 Logística Vale Corredores Logísticos Legenda Ferrovias Estrada de Ferro Carajás - EFC Ferrovia Norte Sul FNS Ferrovia Norte Sul FNS (em construção)

Leia mais

Relatório Mensal de Exportações

Relatório Mensal de Exportações Relatório Mensal de Exportações INTL FCStone Inc. Outubro de 15 Soja Obs.: Os dados deste relatório se referem às exportações dos meses de janeiro a outubro de 2015 Mil Toneladas Soja Exportações acumuladas

Leia mais

MOBILIDADE REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

MOBILIDADE REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO MOBILIDADE REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO METRÔ LINHA 4 BARRA DA TIJUCA-IPANEMA A Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro é a maior obra de infraestrutura urbana em execução na América Latina. METRÔ

Leia mais

CLIPPING DE NOTÍCIAS

CLIPPING DE NOTÍCIAS Data: 09.02.2015 Veículo: DIARIO DO PARÁ Caderno: BRASIL Pág.:A3 Coluna: LINHA DIRETA 1- Matérias referente diretamente à Companhia ( X ) 3- Matérias de interesses da Companhia ( ) Data: 09.02.2015 Veículo:

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES

ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES ANEXO I QUADRO DE VAGAS E LOCALIDADES Referência: Vagas Provimento imediato de vagas e formação de Cadastro de Reserva. Vagas PD Vagas Reservadas para os candidatos Portadores de Deficiência. 1. Diretoria

Leia mais

Gargalos logísticos e perspectivas

Gargalos logísticos e perspectivas Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Gargalos logísticos e perspectivas Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia ABN AMRO São Paulo SP 26 de janeiro de 2015 1 Produção de grãos cada vez

Leia mais

TARIFA DO PORTO DO RIO DE JANEIRO

TARIFA DO PORTO DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO Nº 4089 -ANTAQ, DE 7 DE MAIO DE 2015. APROVA A REVISÃO DA TARIFA DOS PORTOS DA COMPANHIA DOCAS DO RIO DE JANEIRO - CDRJ. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS - ANTAQ,

Leia mais